Vous êtes sur la page 1sur 2

Fale conosco www.portalimpacto.com.br

VESTIBULAR – 2009

2 CONTEÚDO 07 Figuras de Linguagem – Identificação 1 PROFº: ÉRICA A Certeza de Vencer
2
CONTEÚDO
07
Figuras de Linguagem – Identificação 1
PROFº: ÉRICA
A Certeza de Vencer
KL 250308
Ao manipularmos a linguagem em busca de maior expressividade, podemos fazê-lo em três níveis: no
Ao manipularmos a linguagem em busca de maior
expressividade, podemos fazê-lo em três níveis: no nível
das palavras (escolhendo os itens lexicais que compõem
os enunciados), no nível da sintaxe (estabelecendo a
ordem das palavras nos enunciados) e no nível do
pensamento (estabelecendo relações de sentido entre os
termos e seu objeto de referencia).

“As figuras de linguagem constituem os ‘ornamentos’ do discurso. A figura se opõe à linguagem simples. Ela desvia os elementos da linguagem comum do seu uso

normal, criando uma linguagem nova, qualificada às vezes

. No entanto, é preciso que se considere que

as técnicas de expressão não constituem receitas ou rol de ornamentos que visem ao ‘falar bonito’, mas sim, uma

maneira de aperfeiçoar o comportamento intelectual (reflexão, compreensão, análise) e uso mais eficaz da linguagem”. (VANOYE, Francis. Usos da linguagem. 7 ed.,SP, Martins Fontes,1987.p.48 350)

de ‘florida’(

)

METONÍMIA As figuras de linguagem e os textos COMPARAÇÃO Segundo Mattoso “é o emprego de
METONÍMIA
As figuras de linguagem e os textos
COMPARAÇÃO
Segundo Mattoso “é o emprego de uma palavra para
designar um conceito com que o seu conceito próprio tem
qualquer relação”. Deste modo, ocorre quando se opta por
utilizar palavra em lugar de outra para designar algum
objeto no mundo (em sentido amplo) que mantém relação
de proximidade (contigüidade) com o objeto designado pela
palavra substituída.
Observe esta letra de Caetano Veloso:
Virá
Impávido que nem Muhammed Ali
Virá que eu vi
Apaixonadamente como Peri
Virá que eu vi
Tranqüilo e infalível como Bruce Lee
“Se, ao exprimirmos nosso pensamento, tornamos
explícita a associação, temos o que se chama uma
comparação em gramática. Diremos, então que- A é como
ANTÍTESE
É a aproximação de
termos ou frases que
se opõem pelo sentido.
B, A parece B, A faz lembrar B.”Mattoso Câmara Júnior,
1983.
Ex: "Neste momento todos os
bares estão repletos de
homens vazios" (Vinicius de
Moraes)
METÁFORA
PARADOXO
O paradoxo é
A metáfora caracteriza-se como uma transferência de
um termo para um âmbito da significação que não é o seu,
aparentemente não transparece nenhuma relação real entre
as palavras, fundamentando-se assim numa relação
subjetiva:
uma
figura
que
consiste
em
romper
com
a
coerência textual,
é
uma oposição
“Sua boca era um pássaro escarlate.” (Castro Alves)
de
sentido
tão
profunda
que
deixa
a
idéia
quase
incompreensível.
Publicidade das
sandálias
Havaianas que
assemelha o
produto a flores.
“Quanto
mais
comiam,
mais
sentiam fome”
assemelha o produto a flores. “Quanto mais comiam, mais sentiam fome” FAÇO IMPACTO - A CERTEZA

FAÇO IMPACTO - A CERTEZA DE VENCER!!!

PLEONASMO O lado soft do metal Ocorre pleonasmo quando há repetição da mesma idéia, isto
PLEONASMO
O lado soft do metal
Ocorre pleonasmo quando há
repetição da mesma idéia, isto é,
redundância de significado.
"Ó mar salgado, quando do teu sal
São lágrimas de Portugal"
(Fernando Pessoa)
Vi tudo com os meus próprios olhos.
ONOMATOPÉIA
Esta
figura
de
linguagem
ocupa-se
da
reprodução do som que as
coisas e os seres produzem.
Ela
é
sempre
um
recurso
O canadense Sam Dunn estudava
refugiados guatemaltecos, mas resolveu voltar
seu foco para outra “tribo”: fãs e músicos do
heavy metal. Depois de cinco anos de
filmagens, o antropólogo, fã do gênero, e o (co-
diretor) Scot McFadyen lançaram o
documentário “Metal: a Headbanger’s
Journey”, exibido em algumas cidades do
Canadá, EUA e Inglaterra e com DVD à venda
na internet. Dunn acredita que alcançou seu
objetivo principal: desmistificar a imagem dos
“metaleiros” como violentos e ignorantes. A
maior polêmica abordada no filme diz respeito
aos incêndios em igrejas cristãs na Noruega,
no começo dos anos 90, provocados por
pessoas envolvidas com o black metal, como o
músico Jorn Tunsberg. “O cristianismo
norueguês é uma força limitadora para muitos
jovens, e o metal fornece escape para eles se
rebelarem. Os incêndios têm mais relação com
esse ressentimento do que com a música em
si”, afirma.
lingüístico que evoca
a
intensidade
das
idéias
textuais.
Fonte: Adaptado da Revista Galileu. São Paulo, n.o
180, Editora Globo, jul. 2006, p.11.
01.
Quanto
ao
texto,
é
correto
afirmar
que
o
objetivo
fundamental é:
a)
Articular
argumentos
em
defesa
de
determinado
SINESTESIA
comportamento.
b)
Divulgar estudo científico sobre determinado comportamento.
c)
Prescrever, cientificamente, modos diferenciados de
comportamento.
d)
Descrever,
em
termos
científicos,
determinado
Figura
que consiste
comportamento.
em
misturar os
e)
Promover a ironia sobre determinado comportamento exótico.
sentidos
(audição,
visão, paladar, olfato,
tato) para dar realce a
idéia.
02.
É correto afirmar que o heavy metal constitui-se um
gênero musical controverso porque:
a) Pode ser um movimento libertador.
b) Os “metaleiros” são ignorantes e violentos.
Observe
que,
na
c) O cristianismo norueguês é limitador.
propaganda,
as
d) Desvela a grande revolta dos “metaleiros”.
pessoas
estão
e) O antropólogo mudou o foco de sua pesquisa.
bebendo
(sensação
gustativa)
o
som
03.
O estrangeirismo, no título do texto, é utilizado para
(sensação
auditiva).
Esta aproximação de
captar o contraditório. É correto afirmar que, usando o
estrangeirismo, o autor recorreu a um recurso denominado:
sentidos
é
o
que
a) Eufemismo
caracteriza
a
b) Antítese.
c) Aliteração
sinestesia.
d) Onomatopéia.
e) Hipérbole
ELIPSE
04.
Há uma metáfora em:
a) O mundo inteiro está nesta festa.
b) Ele sorriu um sorriso largo.
c) O rapaz era um anjo de candura, não fazia tolices.
d) Quanto mais comia, mais fome sentia.
É a omissão de um termo ou de uma oração inteira que
já foi dita ou escrita antes, sendo que esta omissão fica
subentendida pelo contexto.
Ex.: As quaresmas abriam a flor depois do carnaval. Os
ipês, em junho.
e) O Brasil lê pouco.
05.
Não há comparação em:
a) Era forte como um touro.
b) Digitava rápido como um especialista.
c) Como era jovem, não temia por seu futuro.
d) Ele lutava como um feroz justiceiro.
e) Sua razão esvaiu-se como fumaça.
Fale conosco www.portalimpacto.com.br
VESTIBULAR – 2009