Vous êtes sur la page 1sur 37

UNIVERSIDADE PAULISTA

MARCELO DE OLIVEIRA MARTINS

AS CONSEQUÊNCIAS DA ESCOLHA DE BEBER E DIRIGIR

SÃO PAULO
2017
MARCELO DE OLIVEIRA MARTINS

AS CONSEQUÊNCIAS DA ESCOLHA DE BEBER E DIRIGIR

Trabalho de conclusão de curso para


obtenção do título de especialista em
Psicologia do Trânsito apresentado à
Universidade Paulista - UNIP.

Orientadores:

Profa. Ana Carolina S. de Oliveira

Prof. Hewdy L. Ribeiro

SÃO PAULO
2017
MARCELO DE OLIVEIRA MARTINS

AS CONSEQUÊNCIAS DA ESCOLHA DE BEBER E DIRIGIR

Trabalho de conclusão de curso para


obtenção do título de especialista em
Psicologia do Trânsito apresentado à
Universidade Paulista - UNIP.

Orientadores:

Profa. Ana Carolina S. de Oliveira

Prof. Hewdy L. Ribeiro

Aprovado em ____/____/____

____________________________________
Orientador: Prof. Ana Carolina Schmidt de Oliveira
Faculdade UNIP

____________________________________
Orientador: Prof. Hewdy Lobo Ribeiro
Faculdade UNIP
Dedico este trabalho à minha família, pelo
apoio incondicional em minha vida
acadêmica.
AGRADECIMENTOS

Agradeço em especial aos seguintes professores: Ana Carolina Schmidt de


Oliveira, Hewdy Lobo Ribeiro e Ruth Lasas.
RESUMO

Este estudo acadêmico teve o objetivo de traçar análises acerca das consequências
demandadas diante do ato efetivado pelos motoristas ao associarem o consumo de
álcool à direção, demonstrando bases e fundamentos que explanem o relevo e
dimensão da temática no contexto atual. Utilizou a pesquisa bibliográfica e
documental, com postura qualitativa e exploratória, onde se tem a presença de
pesquisas feitas em materiais investigados em livros, artigos e demais fontes de
pesquisa eletrônica que sejam academicamente viáveis ao assunto. Com o resultado
da pesquisa foi possível concluir que as consequências da escolha de beber e dirigir
constam como, dentre outros tantos fatores, fator de proporcionar falso sentimento de
confiança, sensação de que as habilidades essenciais para a direção de um veículo
como atenção, boa coordenação motora e percepção para destreza de reações não
serão alteradas, colocando em risco a vida do condutor e dos demais usuários das
vias.

Palavras-chave: beber; dirigir; consequências.


ABSTRACT

This academic study had the objective of analyzing the consequences demanded by
the act done by the drivers when associating the consumption of alcohol to the
direction, demonstrating bases and foundations that explain the relief and dimension
of the thematic in the current context. He used the bibliographical and documentary
research, with a qualitative and exploratory approach, where one has the presence of
researches made in materials investigated in books, articles and other sources of
electronic research that are academically feasible to the subject. With the result of the
research, it was possible to conclude that the consequences of choosing to drink and
drive are, among other factors, a factor of providing a false sense of confidence, a
feeling that the essential skills for driving a vehicle such as attention, motor skills and
perception for dexterity of reactions will not be altered, putting at risk the life of the
driver and other road users.

Keywords: drinking; to drive; consequences.


SUMÁRIO

INTRODUÇÃO ............................................................................................................ 8
1 CONCEITOS E ANÁLISES ACERCA DO SISTEMA E MEDIDAS RELATIVAS AO
TRÂNSITO ................................................................................................................ 12
1.1 Bases e medidas demandadas pelo sistema de trânsito .................................... 14
2 IMPLICAÇOES SOBRE O CONSUMO DE ÁLCOOL AO VOLANTE ..................... 19
2.1 Associação verificada entre bebida alcoólica e direção ...................................... 22
2.2 Consequências do consumo de álcool e condução de veículos ......................... 25
CONSIDERAÇÕES FINAIS ...................................................................................... 31
REFERÊNCIAS ......................................................................................................... 33
8

INTRODUÇÃO

De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), trânsito “a utilização das


vias por pessoas, veículos e animais, isolados ou em grupos, conduzidos ou não”
(BRASIL, 1997, Artigo 1º, § 1º). No sistema de trânsito estão envolvidos três
subsistemas: a via, o veículo e o homem. A via e o veículo influenciam o
comportamento do condutor e o homem é onde a Psicologia do Trânsito atua como
uma das ciências que estuda o comportamento, numa interlocução com outros
profissionais como engenheiros, agentes de trânsito, médicos e educadores, para
uma ampliação da segurança nas locomoções por vias urbanas. (ALVES; GOMES,
2015)
O trabalho da psicologia no que se refere ao trânsito tem-se a aplicação de
métodos para avaliação psicológica de candidatos a condutores de veículos
automotores. A psicologia tem papel importante e eficaz na colaboração para a
constituição de um trânsito seguro e eficaz no tocante às rodovias brasileiras. (SILVA,
2010)
Pode-se constatar, segundo Araújo, Diniz e Rocha (2009), que a psicologia no
trânsito é considerada de grande importância na aplicação e eficácia nos processos
de habilitação que tornem aptas as pessoas à condução de veículos e assim
aumentando a segurança no trânsito.
Silva e Günther (2009) dentro das funções cognominadas à psicologia do
trânsito avaliam que em função do avanço da legislação de trânsito e da psicologia
aplicada nos anos de 1960, foi regulamentada, em 1968, a criação dos serviços
psicotécnicos nos departamentos do trânsito dos estados. Desde então, e com o
advento do código de trânsito brasileiro em 1998, o psicólogo se inseriu no processo
de habilitação nos DETRANs, realizando a avaliação psicológica pericial de
motoristas, outrora denominado de exame psicotécnico, sendo atualmente um
procedimento obrigatório para todos os candidatos à obtenção de carteira de motorista
e na renovação. (SILVA; GÜNTHER, 2009, p.166-167)
Pelo exposto na citação, percebe-se que os psicólogos atuam em associação
com o DETRAN (Departamento Estadual de Trânsito), ou seja, a profissão de
psicólogo do trânsito versa em avaliar psicologicamente os condutores, ponderando,
9

coordenando e analisando os resultados, exercendo atividades administrativas ou


operando na fiscalização dos trabalhos desenvolvidos pelas clínicas credenciadas
pelo referido Órgão.
Silva (2010) considera que a atuação dos psicólogos do trânsito é focada na
prevenção de acidentes de trânsito, atuando ainda na inserção de conhecimento em
exames para motoristas com a finalidade de readaptação ou reabilitação, contribuindo
para o tratamento de fobias ao volante.
Para o comportamento dos condutores, a psicologia do trânsito opera de modo
sistemático na avaliação das posturas e perfis dos motoristas, avaliando as funções
correspondentes ao desempenho dos motoristas, conforme Balbinot, Zaro, Timm
(2011) demonstram que a atuação da psicologia do trânsito diante das funções
comportamentais e capacidades dos condutores se procedem no campo funcional e
nas tarefas demandas.
Blbinot, Zaro, Tim (2011), Rueda (2009) consideram que a psicologia no
trânsito pode ser compreendida como instrumento essencial no entendimento dos
fatores comportamentais dos condutores, a psicologia de trânsito colabora
significativamente nas questões relativas à segurança no trânsito em âmbito nacional,
buscando promover ações de prevenção e orientação para que os condutores ajam
de maneira segura no trânsito.
Inicialmente, tem-se a compreensão, segundo Pereira (2011), que a inclusão
do automóvel no cotidiano das pessoas cresceu em proporções significativas no
decorrer dos períodos, e, em contrapartida, o sistema de planejamento urbano não
conseguiu acompanhar este processo de motorização, o que acabou por colaborar no
aumento dos acidentes de trânsito.
Diante do aumento de motoristas no trânsito, observa-se que o índice de
acidentes em vias públicas vem se elevando de forma acentuada, e, logo, o consumo
de bebidas alcoólicas ao volante incide em um dos fatores principais que predispõe a
ocorrência de acidentes com vítimas. (BORGES, 2013)
O fator denotado como trânsito consegue alcançar patamares de relevo, e, de
tal modo, analisa-se que os acidentes que são causados em decorrência do trânsito
delineiam-se em uma ótica norteada ao meio ambiente, que influencia na qualidade
de vida das pessoas, sendo considerados como situações que despertam a
10

preocupação da área de saúde pública em face de sua proporção e abrangência.


(JORGE; ADURA, 2013)
Pereira (2011) considera que em se tratando do Brasil, este é percebido como
um dos países que apresenta maior índice de óbitos no trânsito em dimensão mundial,
e, um percentual elevado dessas mortes direciona-se à associação de bebida
alcoólica e volante.
Em paralelo, Cairney et al (2007) observam que o ato em que a direção de um
veículo envolve, abrange a presença de uma integração entre funções de cunho
psicológico e cognitivas, e os motoristas, na direção dos automóveis são expostos a
constantes elementos de risco, o que demonstra que a direção abarca a memória dos
condutores, assim como atenção, tomada de decisão ante todas as informações
envolvidas na adequada condução de um veículo.
Acredita-se, na ótica de Leyton, Ponce, Andreuccetti (2008) que os inúmeros
aspectos que se envolvem no ato de dirigir acabam por exercer influência acerca do
comportamento dos condutores, e, logo, em seu meio de conduzir um automóvel. O
comportamento dos motoristas é percebido como uma causa importante diante da
ocorrência de acidentes, o que demonstra a necessidade de se avaliar o fator humano
e consequências dos atos dos motoristas na direção de um automóvel.
No entendimento de Borges (2013), diante do comportamento dos motoristas
em circunstâncias verificadas pelo consumo de álcool, entende-se que este é
visualizado, conforme exposto, como uma questão de saúde pública, tendo em vista
a gravidade e dimensão dos problemas que implica, tornando-se um tipo de ameaça
à segurança pública.
O álcool no organismo humano afeta o sistema nervoso central, o que
compromete a capacidade de raciocinar de maneira lógica e o autocontrole dos
motoristas, e, ainda assim, gera consequências centrais e periféricas relacionadas à
depressão e impressão de relaxamento, autocontrole, segurança, coordenação
motora e memória o que reflete de modo potencial na habilidade de conduzir um
veículo. (LEYTON; PONCE; ANDREUCCETTI, 2008)
Pereira (2011) menciona que no trânsito avalia-se que as ações que operam
em prol da regulação do consumo de álcool são vigoradas por meio de legislações, e
assim, o ato de dirigir sob influência de álcool é denotado como uma infração de
trânsito gravíssima, que implica em multa, penalidades na carteira e processos.
11

E, para que seja assegurada a eficácia das ações que serão proporcionadas
aos motoristas que associam álcool ao volante, tem-se como medida necessária a
conscientização sobre as consequências de beber e dirigir, com posturas norteadas à
inclusão de políticas de prevenção, propagando maiores e melhores informações a
respeito dos riscos e consequências dos atos de conduzir veículos sob influência de
bebidas alcoólicas. (BAVOSO, 2014)
Neste sentido, a educação no trânsito não se restringe a somente ensinar
regras de circulação, mas, sobretudo, precisa atuar de modo a colaborar na formação
de condutores responsáveis e conscientes das consequências de ações relacionadas
à associação de bebida e volante. (SILVA, 2015)
Podemos analisar que a psicologia do trânsito se configura no cenário
brasileiro, uma importante estratégia de contribuição para melhor direcionamento e
ordenamento de um trânsito mais seguro, e assim, insere-se como um segmento
profissional e fundamental às autoridades e sociedade como um todo.
Atendendo a este enfoque, este estudo possui como objetivo traçar análises
acerca das consequências demandadas diante do ato efetivado pelos motoristas ao
associarem o consumo de álcool à direção, demonstrando bases e fundamentos que
explanem o relevo e dimensão da temática no contexto atual.
E, em se tratando de procedimento metodológico, o trabalho opera com uma
essência basicamente bibliográfica e documental, com postura qualitativa e
exploratória, onde se tem a presença de pesquisas feitas em materiais investigados
em livros, artigos e demais fontes de pesquisa eletrônica que sejam academicamente
viáveis ao assunto, que visam promover maior conhecimento e aporte teórico ao
contexto trabalhado, a partir de elaboração de um trabalho por revisão de literatura.
Assim, tem-se no primeiro capítulo abordagens relativas ao sistema de trânsito
e medidas adotadas neste, com a demonstração de conceitos e teores que formam o
assunto em questão.
O capítulo dois apresenta como finalidade discorrer acerca das implicações do
consumo de álcool ao volante, analisando sobre a influência do álcool no
comportamento das pessoas, assim como a relação e consequências verificadas
entre o consumo de bebidas alcoólicas e o ato de dirigir.
12

1 CONCEITOS E ANÁLISES ACERCA DO SISTEMA E MEDIDAS RELATIVAS AO


TRÂNSITO

Inicialmente, tem-se o entendimento, conforme a percepção de Souza et al


(2011) que o trânsito incide no processo onde se tem a presença de ato ou efeito de
movimentação, circulação e afluência de pessoas ou veículo, todavia, percebe-se que
trânsito e seu sistema difere-se em termos de definições e dimensão.
A terminologia trânsito segundo Boas, Silva (2015) compreende na utilização
das vias por pessoas, veículos e animais, que seja de forma individual ou em grupos,
de maneira que seja efetuada circulação, parada, estacionamento e situação de carga
e descarga.
Neste mesmo sentido, Rocha (2013) pressupõe que, trânsito seja o conjunto
de deslocamentos de pessoas e veículos nas vias públicas, dentro de um sistema
convencional de normas, com a finalidade de assegurar a integridade dos envolvidos.
Franz e Seberino (2012, p.10) explanam sobre o trânsito como “o movimento
de veículos e de pedestres considerado em seu conjunto, corresponde a qualquer
movimento ou deslocamento de pessoas, animais ou veículos de um lugar para outro”.
Para Boas e Silva (2015) o sistema de trânsito configura-se como um elemento
de cunho primitivo, uma vez que toda a atividade humana se relaciona
necessariamente com deslocamento de um lugar para outro.
E, na percepção de Souza et al (2011), a partir do desenvolvimento da
civilização é que pudesse verificar sobre a necessidade da implantação de normas no
intuito de regulamentação para a utilização segura das vias.
Entretanto, Silva (2015) em conformidade à opinião de Franz e Seberino (2012)
afirma que a forma de locomoção mais antiga seria a caminhada, aonde as pessoas
normalmente, se deslocavam por longas distâncias transportando seus bens em seus
próprios ombros ou arrastando-os, até que surgiu a ideia da utilização de animais para
auxiliar no transporte de carga.
Dentro deste pressuposto observa-se que a necessidade de regulamentações
relativas ao trânsito teve início com a Revolução Industrial com a criação do motor a
combustão interna e a fabricação do automóvel. (FRANZ; SEBERINO, 2012)
13

Boas e Silva (2015) discorrem que o trânsito em se tratando de sua evolução


no Brasil ocorreu ao mesmo tempo em que presenciava um aumento dos problemas
de circulação por consequência da aglomeração de pessoas em grandes centros.
Deste modo, os autores acrescentam que, diante dos congestionamentos, fator
comum em muitas cidades do Brasil emergiu a necessidade da criação de órgãos
competentes, em prol de mudanças necessárias para inovar as leis e adequá-las à
realidade vigente, o que corrobora com a opinião manifestada por Souza et al (2011).
A elocução vias públicas encontra-se diretamente relacionada às questões de
trânsito, e refere-se a um conjunto de elementos que cooperam na realização de uma
função comum, que é o deslocamento, como argumenta Rocha (2013).
Em atendimento às análises sobre o trânsito e seu sistema, cabe acrescer que
outra questão que se integra ao trânsito é a condição de sistema convencional, este
que foi criado pelos homens e se trata de um convênio na sociedade, com a finalidade
acesso seguro à integridade de seus participantes, e, assim, cada um deve atingir seu
destino a salvo. (SOUZA et al, 2011)
Freire (2011), em seus estudos, apresenta o conceito de que o trânsito se
constitui em fenômeno atingido proporções consistentes, e em diversos países, os
problemas advindos de tal fenômeno configuram-se na perspectiva do meio ambiente,
impactando a qualidade de vida das pessoas e, constantemente, são acontecimentos
de preocupação da saúde pública.
E, na percepção de Ladeira e Barreto (2008), o trânsito incide em efeito
imediato diante da percepção de suas normas, e, portanto, sua observância ou não,
consta em manter a qualidade de vida do cidadão e da coletividade, bem como pode
provocar resultados desastrosos. Com isso, o trânsito configura-se em uma notável
estratégia de aprendizado e educação democrática.
Pondera-se assim, que a responsabilidade institucional sobre as questões de
trânsito e transporte no Brasil em relação às suas medidas cabíveis, se divide em nível
Federal, Estadual e Municipal e, Ferro (2014) acrescenta que, o sistema de trânsito
diante da implementação de suas medidas necessárias, atua tanto em âmbito social
quanto econômico no cotidiano das cidades.
Acredita-se que no sistema de trânsito, a movimentação compreende em um
fator natural inerente ao ser humano, e, a partir de tal premissa e em face do
crescimento e desenvolvimento das áreas urbanas, Ferro (2014) discorre que se faz
14

necessário certa atenção para o fato de que tal dinâmica deve ser adequadamente
organizada por meio de medidas de regulamentações, objetivando a inserção de
segurança nos deslocamentos dos cidadãos.
Deste modo, Silva (2015) complementa sobre o relevo de implementação de
medidas que promovam iniciativas no intuito de assegurar ao cidadão o seu direito e
a sua necessidade de ir e vir, de maneira segura, e, preservando a sua qualidade de
vida.
Dentro deste enfoque, este capítulo possui como objetivo traçar análises acerca
dos processos em que o trânsito se encontra envolto, avaliando teores sobre medidas
adotadas no sistema em questão, de modo que o comportamento dos condutores e
as questões inerentes ao consumo de álcool sejam trabalhados em acordo ao
contexto.

1.1 Bases e medidas demandadas pelo sistema de trânsito

Souza et al (2011) menciona que a adequada integração entre os elementos


que formam o sistema denotado como trânsito, que consistem em pessoas, vias e
veículos, demonstra a presença de um trânsito seguro, e, por meio deste tipo de
interação é que implica na condução correta ou não de um motorista ao volante, assim
como seu comportamento como condutor, o que abrange condições de ordem física,
emocionais e psicológicas, com atenção igual as aspectos em que se encontram as
vias de tráfego e de veículos.
O sistema de trânsito abrange fundamentos que discorrem sobre as condições
gerais de deslocamento nos cursos, que demonstram um crescimento não apenas da
frota de veículos nas localidades, como também do comportamento dos motoristas,
englobando as políticas públicas que são adotadas no decorrer de anos de gestão.
(SILVA, 2015)
Sobre o trânsito, Bavoso (2014) compreende que as medidas de segurança
adotadas podem ser categorizadas como ativas ou passivas, com um objetivo inicial
pautado na prevenção de acidentes nas vias.
E, neste sentido, Balbinot, Zaro, Timm (2011) discorrem como medidas
concebidas como ativas, tem-se como exemplo a ser adotado a sinalização verificada
nas vias, assim como presença de sistema de iluminação de interseções, ferramentas
15

ou mecanismos que compõem o funcionamento de veículos, fiscalização e processo


eficiente de formação de condutores.
Ainda no entendimento dos autores, como medidas entendidas como passivas
analisa-se que estas compreendem como sistemas empregados em prol de se
estimular a diminuição de ocorrências de acidentes, onde se tem como exemplo, a
adequação dos veículos em função de maior segurança de condutores, como air bag,
uso efetivo do cinto de segurança por todos os ocupantes dos veículos, atendimento
médico em situações de emergência, dentre outras medidas adotadas pelo sistema
que priorizam o ajuste do trânsito à realidade do tráfego.
Pode-se compreender, pelo enfoque apresentado, que as medidas passivas
vêm oferecendo vantagens expressivas no que tange aos sistemas demandados à
segurança, com a introdução de melhorias em setores de engenharia em fatores de
ordem viária e veicular, o que pode reduzir as implicações associadas aos acidentes
no trânsito. (SILVA, 2015)
Souza et al (2011) explana que os processos de melhoria no trânsito e
segurança dos condutores é pautado nos fatores de desempenho e comportamento
dos motoristas, todavia, tendo em vista as urgências decorrentes das medidas de
trânsito, acaba deixando o processo mais lento em termos de desenvolvimento.
Boas e Silva (2015) acrescem que o fator humano compreende como um
elemento de relevo no que tange às medidas de segurança, o que abarca os acidentes
de trânsito, visto que o sistema de tráfego, formado por veículo, via e ser humano,
possui uma potencial instabilidade.
Balbinot, Zaro, Timm (2011) explanam que o equilíbrio determinado no sistema
de trânsito somente é apto de se manter diante de uma constante intervenção
humana, e, em decorrência disso, observa-se que as medidas de segurança em
termos de tráfego devem fundamentar-se basicamente na influência exercida pelo
comportamento humano.
Diante das medidas adotadas pelo sistema de trânsito, pode-se verificar que
neste, tem-se a presença dos semáforos como instrumentos que colaboram aos
fatores de segurança, com a percepção de que somente terão maior eficácia e
utilidade efetiva na circunstância de os condutores serem capazes de atender às leis,
com interpretação e obediência aos teores demonstrados nos preceitos legais de
16

trânsito, o que contribui nas medidas de trânsito inseridas em benefício da segurança.


(LADEIRA; BARRETO, 2008)
Dentro desta percepção, acredita-se que no trânsito, os semáforos explanam o
entendimento de que os usuários são compreendidos como os únicos elementos que
formam o sistema de trânsito, sendo capazes de tomar decisões por si mesmos, de
acordo com o que aborda Cunha (2013).
Souza et al (2011) discorre que dentro das medidas e sistema de trânsito
analisa-se que a condução de um veículo é ponderada como um teor de complexidade
que abarca diversas funções, que tramitam desde o processo de operação do veículo
até a análise e atenção diante de diversas circunstâncias.
O processo arraigado às medidas e sistema de trânsito é avaliado como um
tipo de ciclo de contrapeso em ações direcionadas ao controle, ou seja, o condutor
realiza uma atividade e controle do veículo, avaliando e monitorando as implicações
destas ações, e como resultado disso, acaba por incluir uma nova ação de controle.
(BAVOSO, 2014)
No conceito de Bavoso (2014), tem-se o entendimento que um desempenho
adequado do condutor compreende como uma espécie de resultado ante à
capacidade que este dispõe em receber e analisar as respostas, bem como resolver
acerca da melhor opção em se tratando da atividade a ser realizada e implementada.
Um efetivo desempenho dos condutores se liga também ao seu conhecimento,
além de capacidade cognitiva e sensorial, conforme demonstra Souza et al (2011),
mas, deste modo, o desempenho é discorrido como a capacidade de o motorista de
realizar o que precisa de modo adequado, uma vez que o comportamento
compreende no que de fato ele efetiva ao se deparar na direção do veículo.
Na orientação do motorista é importante que este opte acerca de seu nível de
dificuldade, além de técnica de direção, ajustando à sua realidade e limitações,
buscando, essencialmente, ter maior segurança diante da condução dos veículos
(SILVA, 2015).
Neste ínterim, Balbinot, Zaro, Timm (2011) demonstram que um
desenvolvimento, otimização das condições, desempenho e comportamento dos
condutores nem sempre demonstra a redução de ocorrências e infrações no trânsito,
o que cabe avaliações sobre os elementos que interferem neste processo.
17

O que se extrai é que constantemente, um condutor, ao se deparar com


melhores condições de acesso e veículos, acaba assumindo uma condição de risco
iminente, o que pode vir a implicar em acidentes de trânsito e ocorrências diversas
(REIS, 2007).
A exemplo desta conjuntura de risco, pode-se observar, na ótica de Silva (2015)
e em acordo a Reis (2007) sobre a presença de condutas mais intensas, dotadas de
funções secundárias, como o costume de fazer ligações, desatenção em
determinados procedimentos ao volante, busca por meios para agilizar acessos, o que
pode vir a implicar em infrações de trânsito e ocasionar em multas.
Souza et al (2011) menciona que os teores relacionados aos riscos no trânsito
fundamentam-se em quatro fatores, estes que podem ser denotados como estimativa
de risco, normas sociais, mídia de massa e intervenções legislativas.
Ferreira (2009) abaliza que a estimativa de risco se associa ao medo acerca
de implicações adversas, e, assim, as pessoas possuem conhecimento acerca dos
acidentes e óbitos no trânsito, todavia, o que acaba por dominar versa no sentimento
de que este tipo de situação não acontece, o que se arraiga às diferenças de
percepções sobre risco coletivo e individual.
Os preceitos sociais são analisados como a intensidade de influência diante do
comportamento das pessoas diante da sociedade que faz parte, tendendo-se a se
comportar visando aprovação de outras pessoas, cujas opiniões são trabalhadas
como relativamente importantes (FERREIRA, 2009).
Para Balbinot, Zaro, Timm (2011), a mídia de massa neste processo volta-se à
presença de comerciais de veículos que potencializam o comportamento inadequado
dos condutores, com a divulgação de carros com velocidade melhorada, contribuindo
nos riscos ao volante.
Nas intervenções de ordem legislativa, analisa-se que algumas pessoas
atendem às leis e preceitos legais puramente por crerem nestas como um princípio
de cidadania, e outras, as seguem em função de evitar as punições que estão
previstas nos códigos de trânsito.
Balbinot, Zaro, Timm (2011) demonstram que neste tipo de situação a atenção
à lei depende da compreensão acerca de sua fiscalização, e, nesta conjuntura, o
comportamento das pessoas no trânsito ordena-se pelo seu envolvimento diante da
presença de hábitos de direção que têm a chance de potencialmente divergir na
18

inserção acerca da valorização do comportamento social diante da prevenção de


acidentes e, além disso, pela prevenção diante de infrações associadas ao trânsito.
Nos fatores que explanam sobre o elemento humano, analisa-se a respeito de
distintas razões que demonstram na maior parte das ocorrências de acidentes de
trânsito, como o caso do consumo de álcool e volante, assunto que será abordado no
próximo momento do trabalho. (SOUZA ET AL, 2011)
Balbinot, Zaro, Timm (2011) discorrem que o fator humano também é
observado em problemas com cruzamentos de vias, velocidade em excesso,
estacionamento irregular, uso errado ou falta de conhecimento sobre os equipamentos
presentes nos veículos, ultrapassagens indevidas, infrações quanto à condução
correta dos veículos, o que colabora na ocorrência de acidentes no trânsito.
Silva (2015) explana que as medidas de trânsito podem operar como meio de
inibir as ocorrências de infrações por parte dos motoristas, e deste modo, avalia-se
que nestas tem-se os motivos pelos quais os motoristas são incitados no cometimento
de tais infrações, e sendo estas categorizadas de acordo com a dimensão no que se
refere aos fatores que podem influenciar o comportamento das pessoas e condição
dos motoristas.
Em contrapartida, Borges (2013) avalia sobre as razões que direcionam os
motoristas ao cometimento de infrações, avalia-se sobre a presença de imprudência,
individualismo, conhecimento do veículo, excesso de confiança por parte dos
motoristas, sensação de anonimato na direção e sensação de impunidade.
Dentro do apresentado, discorre-se que as razões que demandam as
ocorrências de infrações no trânsito podem ser analisadas como fatores que refletem
no comportamento dos motoristas, e logo, são adotadas medidas em prol de inibir o
cometimento de infrações, seja de modo geral e específico. (BORGES, 2013)
Ferreira (2009) demonstra que estas medidas fundamentam-se na inclusão de
campanhas de conscientização por parte da sociedade em geral em se tratando dos
riscos no trânsito e necessidade de atenção dos motoristas quanto às normas a serem
atendidas e sinalização, assim como a inserção de um condicionamento de
comportamento seguro, adoção de políticas a serem implementadas para o
treinamento aos motoristas, em especial de profissionais, como a presença intensiva
de policiamento, avaliação do acidente como um tipo de crime e não acidente, com a
segurança de punição e sem que haja tolerância.
19

As medidas demandadas pelo sistema de trânsito, passam por classificações


que atendem a critérios de engenharia, educação e fiscalização. Cunha (2013)
demonstra que em decorrência onde família, amigos e sociedade passam a fiscalizar
o comportamento dos motoristas ao volante, verifica-se acerca da presença de uma
classificação sob dois aspectos, que consistem em punição e educação.
E, dentro desta ótica, avalia-se, conforme Balbinot, Zaro, Timm (2011) que o
comportamento humano compreende como responsável pela maioria de ocorrência
de acidentes de trânsito e as medidas adotadas cooperam na diminuição de riscos de
ocorrência de acidentes.
O desenvolvimento da tecnologia vem colaborando nos fatores relacionados às
condições de segurança dos elementos que integram rodovias e veículos, e, os teores
que explanam sobre o comportamento humano precisam acompanhar este processo
evolutivo. (FERRO, 2014)
Pelo exposto pelos autores trabalhados, é notório destacar sobre a efetiva a
presença de medidas em dimensões direcionadas à educação, fiscalização e
engenharia para o trânsito, onde estas devem atuar na procura pela redução das
razões que direcionam ao comportamento indevido ou de risco no trânsito,
contribuindo de igual forma nas consequências de atos de infração no meio.
Neste sentido, tem-se como importante demonstrar contextualizações sobre os
teores que abordam sobre as infrações e riscos ocasionados pelo consumo de álcool
pelos motoristas que estão no controle de um automóvel, avaliando sobre as
consequências e implicações que este ato pode vir a causar e influenciar no
comportamento dos indivíduos, o que promove ênfase ao assunto abordado.

2 IMPLICAÇOES SOBRE O CONSUMO DE ÁLCOOL AO VOLANTE


20

Silva (2014) inicialmente discorre que a bebida alcoólica se encontra


relacionada de forma direta ao cotidiano das pessoas, fazendo parte de diversos
momentos, compreendendo, devido aos resultados que promove no organismo, em
uma das opções para quem pretende relaxar em determinados momentos ou se
divertir com responsabilidade.
De um mesmo modo, Borges (2013) explana que a bebida apresenta uma
função notória na economia, tendo em vista que o mercado do setor incide como uma
fonte de renda e impostos de relevo, com participação ativa no mercado.
Paralelamente, Silva (2014) menciona que o álcool é avaliado como um tipo de
substância que é capaz de modificar o processo de funcionamento do organismo, seja
em termos fisiológicos quanto comportamental, sendo igualmente, examinado como
uma categoria de droga de caráter psicotrópico, isto é, uma substância que age no
sistema nervoso central produzindo mudanças de comportamento, cognição e humor,
apresentando característica que a denota como passível de dependência.
Os problemas associados ao consumo de álcool são avaliados como assuntos
de saúde pública, tendo em vista as implicações que gera nas pessoas que o consome
e o número de envolvidos nos acidentes por ele ocasionados. (BALBINOT; ZARO;
TIMM, 2011)
Cuffa (2011) explana que em função da dimensão que a bebida possui na
sociedade e nos efeitos que causa no comportamento e cognição das pessoas, no
ano de 2008, data de 19 de junho, teve-se a promulgação da Lei nº 11.705, igualmente
denotada de Lei Seca, onde o objetivo incide em diminuir o índice de acidentes
causados por motoristas que associam álcool e direção, visando também reduzir o
número de acidentes com vítimas no trânsito brasileiro.
De acordo com Leyton, Ponce, Andreuccetti (2008), a lei em questão
demonstra acerca das punições efetivadas em pessoas que fazem ingestão de
bebidas alcoólicas e, seguidamente, conduzem um veículo automotor. A Lei Seca, em
suas bases, determina a quantidade de álcool presente no sangue dos motoristas que
os configura como em estado de embriaguez ao volante, determinando os métodos
necessários para se confirmar a condição de embriaguez dos motoristas.
Visando promover uma redução de motoristas em condição de embriaguez ao
volante, a Lei Seca igualmente movimentou com a questão financeira dos condutores
21

infratores, que além de ser obrigado a pagar multa, é suspenso na direção, tem pontos
acumulados na carteira de habilitação, o veículo é retido até que haja a apresentação
de um motorista devidamente habilitado que comprove, por teste, a não ingestão de
bebida alcoólica. (SILVA, 2014)
É pertinente destacar que os acidentes de trânsito ocorrem por diversas
circunstâncias, e os motivos que são considerados como prevalentes incidem em
imperícia, imprudência e negligência por parte de condutores que não mensuram seu
comportamento e dentre suas atitudes impensadas acabam por gerar problemas no
futuro. (JORGE; ADURA, 2013)
Assim sendo, Pereira (2011) demonstra que a combinação de álcool e bebida
ao volante pode implicar em inúmeras consequências a todos que estão envolvidos
nessa combinação, e os estudos que são constantemente realizados tomando como
pauta este assunto, demonstram índices relevantes de problemas causados pelo
consumo de bebida alcoólica na condução de veículos automotores.
Entende-se, na ótica de Leyton, Ponce, Andreuccetti (2008), que a
responsabilidade incide como um elemento basilar no trânsito, uma vez que
comportamentos percebidos como simples podem vir a influenciar de forma direta na
vida das pessoas de um modo geral, sobretudo em situações em que um indivíduo
resolve fazer ingestão de bebida alcoólica e conduzir um automóvel.
A lei surge como um caminho para se penalizar e ainda assim informar os
motoristas sobre os riscos que o álcool ao volante pode implicar, procurando,
conscientizar estes, sobre a importância de se ter responsabilidade no trânsito,
mesmo que este comportamento surja em decorrência do pagamento de multas em
valores expressivos, assim como suspensão da carteira e apreensão do veículo,
segundo explana Cuffa (2011).
Pode-se observar, de acordo com Pereira (2011), que os assuntos sobre a
associação entre bebida e volante encontram-se em constantes discussões, e, neste
sentido passa a ser importante demonstrar às pessoas sobre os resultados que a
bebida alcoólica causa no organismo daqueles que o ingere, em especial, os
motoristas, avaliando também sobre as consequências desta associação.
O capítulo em questão, dentro do exposto possui a finalidade de abordar sobre
a relação existente entre a bebida alcoólica e a direção, conjeturando acerca das
22

implicações verificadas diante do consumo de álcool e condução de veículos, o que


completa os teores abordados neste estudo acadêmico.

2.1 Associação verificada entre bebida alcoólica e direção

Silva (2014) salienta que o desenvolvimento dos meios de comunicação


contemporâneos indubitavelmente incita uma abrangência de conhecimentos cada
vez maior para as pessoas e, portanto, a publicidade em torno da bebida favorece e
instiga seu consumo desordenado e irresponsável.
Uma pessoa devidamente habilitada para conduzir um veículo automotor passa
por etapas evolutivas de aulas, avaliações e testes físicos para que consiga os
atributos que são indispensáveis para a boa condução de um veículo, de acordo com
Borges (2013)
Assim, a condução de um veículo em toda a sua constituição deve primar pela
“atenção, concentração, cautela, coordenação motora, reflexos rápidos, precisão,
uma boa análise de potenciais perigos e o domínio e o conhecimento sobre a
legislação de trânsito e as demais leis correlatas”. (SILVA, 2014, p.14)
No entanto, Balbinot, Zaro, Timm (2011) esclarecem que uma pessoa que
tenha ingerido bebida alcoólica, pode se tornar deficitária ao conduzir um veículo,
tendo perda temporária de algumas das citadas características ou até mesmo de
todas ao mesmo tempo, conforme seu grau de embriaguez.
Neste sentido, Leyton, Ponce, Andreuccetti (2008) explanam que o consumo
de bebidas alcoólicas, mesmo que seja em quantidade menor é capaz de promover
alterações comportamentais e cognitivas.
Entretanto, Cuffa (2011) evidencia que mesmo que o indivíduo se encontre em
baixo teor de alcoolemia, ele pode desenvolver sinais de intoxicação alcoólica ou
algum sintoma que coloque em conflito a ideal condição de se guiar um carro.
Neste enfoque a tabela 1 demonstra os efeitos mais comuns que se relacionam
ao teor de alcoolemia e seus efeitos:
23

Figura 1: Os efeitos relacionados à alcoolemia.


Fonte: Leyton, Ponce, Andreuccetti (2008, p.164).

Pela figura pode-se verificar a incidência de variabilidade na absorção do álcool


pelo metabolismo, ou seja, varia de pessoa para pessoa a questão da eliminação do
etanol do organismo, e, Leyton, Ponce, Andreuccetti (2008, p.164) acrescem ainda
que “o álcool etílico é uma substância psicoativa depressora do sistema nervoso
central que altera percepções e comportamentos”.
Pereira (2011) pondera que a atuação o álcool no organismo pode incidir no
aumento de agressividade e diminuição expressiva da atenção. A ação do álcool no
organismo pode instituir dependência, e causar males contundentes à saúde.
Sendo assim, percebe-se que a associação da ingestão de bebida alcoólica e
a ação de guiar um veículo versa em um fator de risco de morte, uma vez que os
acidentes de trânsito em decorrência da referida associação vêm se tornando
preocupação constante em se tratando de saúde pública, pois, ocupa segundo Silva
(2014) a décima causa de mortalidade no mundo.
Entretanto, Borges (2013) explicita que já são estabelecidos nas estradas os
limites de velocidade juntamente com a quantidade de álcool concentrado no sangue
24

e no ar alveolar, para que sejam respeitados estes limites em prol da redução do


número de mortes nas ruas e estradas em todo o mundo.
É observado, de acordo com Balbinot, Zaro, Timm (2011), que vem surgindo
certa tendência mundial quanto à diminuição dos limites para os níveis máximos de
alcoolemia permitidos para a condução de veículos automotores.
Nos Estados Unidos, por exemplo, isso vem funcionando com multas mais
severas por meio de sanções fiscais e, a verba é revertida em repasses para
construção e melhorias de rodovias.
Portanto, no referido país o limite máximo permitido é de 1 g/L para 0,8 g/L e,
já acontece certa pressão pública para a diminuição para o limite de 0,5 g/L, porém,
países pioneiros em segurança no trânsito, tais como a Suécia e a Noruega,
implementam o limite de 0,2 g/L. (JORGE; ADURA, 2013)
Associação que se pode verificar entre bebida alcoólica e direção é
preocupante, e já se torna um fator reconhecido como acidentogênico significativo
para o trânsito de modo geral. (JORGE; ADURA, 2013)
A ingestão de bebidas alcoólicas afeta, sem dúvida, importantes funções
necessária para a condução de veículos, deixando comprometidas as funções de
reação e noção de tempo para a mesma. (BALBINOT; ZARO; TIMM, 2011)
Uma pessoa alcoolizada pode perder a noção do perigo por consequência da
disfunção comportamental, ou seja, pode incitar uma reação de risco, tal como,
avançar sinal vermelho, deixar de usar cinto de segurança, e provocar a não
percepção do aumento da velocidade alcançada. (JORGE; ADURA, 2013)
Pode-se considerar que a ingestão de bebida alcoólica seja o fator de maior
responsabilidade pela causa de acidentes de trânsito, ultrapassando até mesmo a
ingestão de drogas ilícitas. (BALBINOT; ZARO; TIMM, 2011)
Assim, Cuffa (2011) constata que a grande maioria dos acidentes que têm
relação com o consumo de bebidas alcoólicas associadas à direção de veículos é de
homens jovens em idade economicamente ativa, e quando acontece uma fiscalização
e verificação do teor de alcoolemia positiva, considera-se que a pessoa tenha se
acidentado por consequência de embriaguez no trânsito com uma possibilidade 4,9
vezes maior que em acidentes causados por qualquer outro motivo.
25

2.2 Consequências do consumo de álcool e condução de veículos

Malta et al (2015) discorre que em se tratando das consequências verificadas


pelo álcool associado à direção de veículos, pode-se observar que embora o consumo
de bebidas alcoólicas esteja inserido aos costumes de distintas civilizações, seus
efeitos no organismo são percebidos como danosos às pessoas, sobretudo quando
se relaciona ao volante.
A Organização Mundial de Saúde comina ao consumo de álcool um número de
óbitos de aproximadamente 1,8 milhão, sendo considerado o quinto fator de risco de
maior importância no que se refere às mortes prematuras e por incapacidade, e
quando um indivíduo ingere bebida alcoólica e conduz um veículo, as consequências
transcendem as estimativas, uma vez que o álcool não impacta apenas o consumidor,
como igualmente reflete nas pessoas por ele envolvido. (JORGE; ADURA, 2013)
Cabe mencionar, segundo Silva (2014), que o álcool, além de implicar em
notórios resultados negativos no trânsito, apresenta também consequência social e
de saúde, abarcando uma diminuição na produtividade no ambiente de trabalho,
influenciando no comportamento e, sobretudo, mortes no trânsito.
O consumo de álcool ao volante implica, mesmo que ingerido em doses
menores, em um aumento do risco de envolvimento em acidentes de trânsito, que
incluem motoristas e pedestres, tendo em vista que altera a capacidade de sensatez
e discernimento dos motoristas, o que inclui percepção visual, auditiva, tempo de
reação e coordenação motora. (BORGES, 2013)
Avaliando as consequências de beber e dirigir, Malta et al (2015) analisa que
uma pesquisa realizada no âmbito brasileiro demonstrou a alta frequência do consumo
de álcool entre as pessoas envolvidas em acidentes de trânsito que deram entrada
em serviços de emergência, o que indica que a associação de bebida alcoólica e
condução de veículos pode ser responsável por um percentual de cerca de 20 a 50%
das mortes ocorridas no trânsito.
Leyton, Ponce, Andreuccetti (2008) analisam que os resultados da combinação
de bebida e volante são refletidos por meio das constantes notícias de acidentes de
trânsito que envolvem vítimas fatais, porém, observa-se que embora a maior parte da
sociedade tenha conhecimento acerca da relação entre os índices de mortalidade no
trânsito e o consumo de álcool, ainda assim um número expressivo de pessoas ainda
persistem nas indagações sobre o uso de álcool por motoristas, sobretudo no que se
26

refere aos seus efeitos no organismo e riscos envolvidos na direção em razão de


embriaguez.
Também pode ser verificado como consequência do ato de beber e dirigir, o
comprometimento da destreza e outras capacidades denotadas como fundamentais
para a direção, além da tomada de decisões, que acabam sendo prejudicadas em
momento anterior ao surgimento dos sinais físicos da embriaguez (BORGES, 2013).
Para Silva (2014), esse fato ocorre em decorrência do álcool, já no início da
ingestão, operar como um tipo de estimulante que faz com que as pessoas se tornem,
temporariamente, agitadas em seu comportamento, o que ao volante, implica em
orientações prejudiciais.
No entendimento de Leyton, Ponce, Andreuccetti (2008), as limitações,
inibições, assim como competência para julgamento, ao se consumir álcool ao
volante, são afetadas rapidamente, o que aumenta as chances de decisões serem
tomadas de forma equivocada.
Borges (2013) acresce como consequência da condução de veículos em
estado de embriaguez, também é visualizado um maior comprometimento sobre o
tempo de reação e reflexo dos motoristas, o que potencializa as alterações
comportamentais e habilidades importantes para se concretizar o ato de dirigir.
Para Cuffa (2011), o álcool, consumido em doses mais elevadas, quando
associado ao volante provoca como resultado um aumento da sonolência dos
motoristas, o que implica na perda de consciência desses diante da condução dos
veículos.
Assim sendo, Malta et al (2015) percebe é que a embriaguez no trânsito incide
em uma combinação que não pode ocorrer, porque os efeitos e resultados do
consumo de álcool ao volante são nocivos em todos os aspectos, afetando a direção
dos motoristas, provocando reações que afetam a habilidade e direção dos motoristas.
Leyton, Ponce, Andreuccetti (2008) explana, que ao conduzirem veículos sob
efeito do álcool, os motoristas perdem a capacidade de percepção e reflexo nas
situações que passa, além de não se atentarem mais à velocidade dos automóveis,
presença e atenção quanto a outros veículos, o que denota como consequência direta,
a ocorrência de acidentes de trânsito fatais.
Pereira (2011) examina que no Brasil, os acidentes de trânsito com mortes
ocasionadas em decorrência de associação de bebida alcoólica e volante colocam o
27

país em uma posição de quinto lugar quando cotejado ao resto do mundo, o que
demonstra um entendimento quanto às medidas que devem ser adotadas de maneira
a minimizar os índices de mortalidade, e essas medidas, passam por políticas de
educação no trânsito e penalidades efetivas.
Nas mortes no trânsito como consequência do consumo de álcool tem-se um
número que indica um percentual de 50% de óbitos causados condutores de veículos
automotores que fizeram a ingestão de bebida alcoólica. (MALTA et al, 2015)
Nesta compreensão, avalia-se na percepção de Pereira (2011), que visando
diminuir os números e consequências do ato de beber e dirigir, é de relevo que seja
atentado sobre o problema que o alcoolismo produz na sociedade, que não pode ser
considerado apenas como de saúde pública, refletindo também na família e sociedade
como um todo.
Pereira (2011) esclarece beber e dirigir apresenta igualmente uma
consequência na dimensão social, conforme mencionado, e o indivíduo que bebe
prejudica a todos envolvidos, e, uma das consequências verificadas diante dos
elevados índices de problemas relacionados ao consumo de álcool e volante incide
na criação, no ano de 2008, da lei seca, que preconiza a redução a zero em se
tratando da tolerância de associação do álcool à condução de veículos.
De acordo com Cuffa (2011), como consequência da implantação da referida
lei, pode-se observar uma diminuição expressiva do número de acidentes com
automóveis, fato explicado em decorrência da inclusão de bafômetros, assim como
intensificação dos processos de fiscalização em rodovias e introdução de campanhas
sobre os impactos causados pelo uso do álcool no trânsito.
Paralelamente, em termos econômicos as consequências de beber e dirigir
certamente incidem em impactos, apesar de serem percebidos insuficientes dados
tangentes aos custos que decorrem dos acidentes causados por condutores
alcoolizados. (BALBINOT; ZARO; TIMM, 2011)
Neste ínterim, Bavoso (2014) afirma que a OMS possui estatísticas que
elucidam o custo que acarreta o consumo constante de bebidas alcoólicas em
diversos países, no entanto, para Borges (2013), a relação acerca dos impactos
econômicos pelo uso do álcool no trânsito quanto aos custos associados às lesões
advindas de acidentes em consequência disso, não é apresentada pela referida
instituição de forma separada.
28

Sendo assim, observa-se, segundo Bavoso (2014), que nos Estados Unidos, o
custo total dos acidentes com veículos automotores já foi avaliado em 230,6 bilhões
de dólares, sendo 51,1 bilhões de dólares, ou seja, 22% do custo total. Este custo
representa a geração de impacto na economia por acidentes decorrentes do consumo
de álcool ao dirigir.
Todavia, a comparação entre países de diferentes patamares de
desenvolvimento torna-se inviável, pois, isso dependerá das características inerentes
a cada um, tais como “infraestruturas de transportes, diferenças nos padrões de
segurança, crescente taxa de motorização e demografia econômica”. (CAIRNEY et al,
2007, p.27)
Porém, Cuffa (2011) afirma que atualmente, nos países em desenvolvimento é
possível se obter algumas estimativas quando dados de incidências de acidentes são
registrados em adição às estimativas do custo total dos acidentes de trânsito
provocados por motoristas alcoolizados.
No entanto, de acordo com a percepção de Cairney et al (2007) o consumo do
álcool em combinação com a função de guiar um veículo automotor aumenta
significativamente o risco de provocar acidentes, mesmo que seja consumido em
baixa quantidade, e, tal fator indubitavelmente influencia no número de acidentes nas
vias.
Sendo assim, de forma progressiva, os efeitos do consumo excessivo do álcool
se tornam intensificados e, em consequência, a capacidade de discernimento e os
reflexos do indivíduo vão sendo prejudicados. (JORGE; ADURA, 2013)
O motorista alcoolizado, certamente não tem as mesmas percepções de
responsabilidade quanto à direção e segurança dos demais, e, de modo geral, não
percebe a necessidade do uso do cinto de segurança, uso de capacete, bem como
não irá respeitar os limites de velocidade. (JORGE; ADURA, 2013)
Os prejuízos ao organismo do indivíduo pelo consumo de álcool podem ser
comparados aos de outras drogas entorpecentes que podem afetar o adequado
desempenho do motorista ao volante. (LEYTON; PONCE; ANDREUCCETTI, 2008)
Quando ocorre um acidente por consequência de um motorista alcoolizado,
pode-se dizer que os efeitos do álcool no indivíduo podem ser comparados às causas
de um traumatismo craniano, tais como, a predisposição a lesões mais graves no
29

cérebro, a falta da capacidade de verbalização localização da dor. (JORGE; ADURA,


2013)
Outro fator importante, como salientam Malta et al (2015) é que, o álcool pode
inibir ou interferir nos efeitos das substâncias e componentes de medicamentos para
aliviar a dor e no sentido de sedação.
No caso de um acidentado alcoolizado, a intoxicação decorrente do índice
alcoólico elevado pode dificultar uma possível cirurgia, uma vez que influencia na
necessidade de escolha do anestésico, segundo Malta et al (2015).
No caso de um acidentado alcoolizado, as doenças crônicas serão agravadas
assim, Silva (2014) esclarece que estes, se já forem portadores de algum problema
físico ou psiquiátrico, irá sem dúvida ter complicações no seu atendimento, haja vista
que, com num distúrbio pré-existente, tal como, afecção cardíaca, deficiência de
coagulação ou doença infecciosa, a intoxicação por álcool pode agravar a situação do
paciente.
O álcool dificulta a recuperação do paciente, pois este, uma vez intoxicado pelo
álcool, se torna mais propenso a complicações. (LEYTON; PONCE;
ANDREUCCETTI, 2008)
Em sentido mais amplo, Silva (2015) explana que em grande parte dos países,
o consumo frequente de álcool no caso das pessoas que dirigem, chega a causar
reflexos até mesmo em sentido cultural e religioso, acrescentando que o álcool é
também uma droga, e, seu consumo resulta em efeitos tóxicos que leva o indivíduo a
adquirir dependência.
No que se refere à dependência por álcool, sabe-se que o consumo deste
reflete de forma imediata no cérebro podendo incitar a depressão ou ter efeito
estimulante. (BAVOSO, 2014)
Entretanto, em todos os casos o álcool altera o sistema nervoso incidindo em
riscos de acidentes para a pessoa que o ingere e depois vai dirigir. O consumo de
álcool altera a habilidade de dirigir, deixando os reflexos mais lentos, e até mesmo
pode reduzir a capacidade da acuidade da visão. (BAVOSO, 2014)
O álcool provoca a redução da pressão sanguínea e das funções da respiração,
afetando diretamente a consciência do indivíduo por conter características de
analgesia e propriedades anestésicas.
30

Neste enfoque, Borges (2013) explicita que os acidentes decorrentes do


consumo de álcool apresentam de forma habitual, as mesmas características, ou seja,
acidentes que envolvem um único veículo em alta velocidade, por consequência do
motorista se encontrar alcoolizado, ou que o veículo se choca contra um objeto fixo,
tal como um muro ou poste, placas de sinalização, árvores, valas, etc.
Todavia, Borges (2013) acrescenta que em sua maioria, os acidentes
acontecem a noite ou em fins de semana, por ser aumentado o consumo de álcool
pelas atividades de lazer.
As alterações fisiológicas provocadas pelo álcool aumentam
consideravelmente os riscos de acidentes, tanto para os condutores de veículos
automotores ou motocicletas como para os pedestres, e, beber e dirigir consta como
um fator apontado frequentemente como um dos mais graves determinantes para
acidentes de trânsito. (CAIRNEY et al, 2007)
Deste modo, percebe-se que a questão de beber e dirigir representa
nitidamente um problema sério, uma vez que a ingestão de álcool em demasia afeta
diretamente a saúde física e mental do indivíduo culminando em diversos prejuízos
para a sociedade de modo geral.
31

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Considera-se diante do exposto que as consequências da escolha de beber e


dirigir configuram-se na irresponsabilidade quanto ao consumo de álcool, fator este
que vem se tornando um problema significativo em se tratando da segurança nas vias,
tanto urbanas quanto em rodovias rurais.
Observa-se que mesmo ingerido de forma moderada este consumo afeta o
funcionamento de vários processos fisiológicos, funções visuais e motoras
necessárias tanto para que o motorista conduza seu veículo com segurança para a
via e para os pedestres, quanto para si próprio.
Desta forma pode-se mencionar que as alterações no organismo inerentes ao
consumo de álcool maximizam as possibilidades de acometimento de acidentes de
trânsito.
Assim, explicita-se que é expressamente necessário que os motoristas
desenvolvam uma consciência das desvantagens da escolha de beber e dirigir, para
que se torne mais seguro o trânsito viário e que seus usuários consigam uma
convivência apropriada.
Neste sentido é permissível avaliar que os acidentes de trânsito, com o passar
do tempo vem se tornado uma questão de saúde pública, pois, a escolha de beber e
dirigir pode resultar na incidência de vítimas fatais, e, tal fato consta como falta de
responsabilidade do condutor, uma vez que existem leis para coibir e mitigar os
acidentes ocorridos por motoristas que ingerem bebidas alcoólicas antes de dirigir.
Pondera-se que a influência que o consumo de álcool exerce sobre a
capacidade plena de dirigir institui-se como causa de falta de atenção, percepção,
colocando em risco a segurança de todos os usuários das vias e dos pedestres
inclusive.
Porém, o que se percebe é que os condutores ao escolherem beber e dirigir
acreditam que este fato não interfere em seu comportamento, ou seja, a pessoa
alcoolizada fica propensa a distúrbios de comportamento que o atrapalham na
condução segura do veículo.
Por fim, considera-se que as consequências da escolha de beber e dirigir
constam também como o fato de proporcionar aos condutores um falso sentimento de
confiança, assim como a sensação de que as habilidades essenciais para a direção
32

de um veículo como atenção, boa coordenação motora e percepção para destreza de


reações não serão alteradas, colocando em risco a vida do condutor e dos demais
usuários das vias.
33

REFERÊNCIAS

ARAÚJO, M.M. DINIZ; L. F. M. ROCHA; Fábio Lopes. Impulsividade e acidentes de


trânsito. Revista de Psiquiatria Clínica, v. 36, n. 2, 2009.

BALBINOT, Amanda B.; ZARO, Milton A.; TIMM, Maria I. Funções psicológicas e
cognitivas presentes no ato de dirigir e sua importância para os motoristas no trânsito.
Ciências & Cognição. v. 16. 2011. Disponível em <
http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/viewFile/446/493 >.
Acesso em 14 de agosto de 2017.

BAVOSO, Natália Couto. 2014. 102fls. O sistema nacional de trânsito e os


municípios de pequeno porte. Dissertação de Mestrado. Curso de Mestrado em
Geotecnia e Transportes. Universidade Federal de Minas Gerais. Área de
concentração: Transportes. Belo Horizonte, 2014. Disponível em
<https://www.ufmg.br/pos/geotrans/images/stories/diss044.pdf>. Acesso em 14 de
agosto de 2017.

BOAS, Eliéte Ferreira Vilas; SILVA, Marlene Alves da. Trânsito e segurança pública:
impactos e consequências. Humanidades. v. 4. n. 2. 2015. Disponível em
<http://revistahumanidades.com.br/arquivos_up/artigos/a66.pdf>. Acesso em 13 de
agosto de 2017.

BORGES, Cleonice Pereira dos Santos. 2013. 55fls. Influência do álcool em


acidentes de trânsito: o papel do enfermeiro na adoção de medidas preventivas.
Trabalho de conclusão de curso. Curso de Especialização em Atenção Básica em
Saúde da Família. Universidade Federal de Minas Gerais. Araçuaí, 2013. Disponível
em <https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/4087.pdf>. Acesso em
13 de agosto de 2017.

CAIRNEY, Peter et al. Beber e dirigir: Manual de Segurança Viária. Manual de


Segurança de Trânsito para Profissionais de Trânsito e de Saúde. Global Road
Safety Partnership, 2007. Disponível em
<http://www.who.int/roadsafety/publications/DrinkingAndDrivingManual_POR.pdf?ua
=1>. Acesso em 03 de outubro de 2017.

CUFFA, Marina de. 2011. 134fls. Percepção e comportamento de risco de beber e


dirigir: um perfil do universitário de Curitiba. Dissertação de mestrado. Setor de
Ciências Humanas, Letras e Artes. Programa de Pós-Graduação. Mestrado em
Psicologia. Linha de Pesquisa: Psicologia do Trânsito: avaliação e prevenção.
Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2012. Disponível em
<http://www.humanas.ufpr.br/portal/psicologiamestrado/files/2012/05/Marina-de-
Cuffa-trabalho-de-disserta%C3%A7%C3%A3o.pdf>. Acesso em 15 de agosto de
2017.

CUNHA, Donata. 2013. 42fls. O uso do telefone celular como fator de distração
na direção de veículos automotores. Trabalho de conclusão de curso. Curso de
Especialização em Psicologia do Trânsito. Pós-Graduação “Lato Sensu” em
Psicologia do Trânsito. UNIP - Universidade Paulista. Maceió, 2013. Disponível em <
34

http://netrantransito.com.br/arq_download/MONOGRAFIA%20DONATA%20%20FIN
AL.pdf>. Acesso em 14 de agosto de 2017.

FERRO, Delson Luiz Bastos. Segurança no trânsito. Departamento de Trânsito do


Distrito Federal – DETRAN-DF. Ministério Público do Distrito Federal e Territórios –
MPDFT. 2014. Disponível em <
http://www.mpdft.mp.br/portal/pdf/imprensa/cartilhas/Cartilha_seguranca_transito_vis
ualizacao.pdf>. Acesso em 14 de agosto de 2017.

FERREIRA, Felipe Ferreira de. 2009. 91fls. Fatores de risco em acidentes


envolvendo motocicletas em vias urbanas: a percepção dos condutores
profissionais. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Engenharia
de Produção. Área de concentração em Sistemas de Transportes. Universidade
Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2009. Disponível em <
http://www.producao.ufrgs.br/arquivos/publicacoes/321_Dissertacao_Felipe_Vers%C
3%A3o_Vers%C3%A3o_HOMOLOGA%C3%87%C3%83O.pdf >. Acesso em 14 de
agosto de 2017.

FRANZ, Cristiane Maria; SEBERINO, José Roberto Vieira.2012. 24fl. A história do


trânsito e sua evolução. Pós-graduação (Especialista em Gestão, Educação e
Direito de Trânsito). Joinville-SC, 2012. Disponível em
<http://www.transitobr.com.br/downloads/a_historia_do_transito_e_sua_evolucao.pdf
>. Acesso em 13 de agosto de 2017.

FREIRE, Renato Teixeira de Sá. 2011. 86fl. Trânsito: um problema urbano Rio de
Janeiro. 2011. Pós-Graduação (Engenharia Urbana), como parte dos requisitos
necessários à obtenção do título de Especialista em Engenharia Urbana. Disponível
em <http://www.peu.poli.ufrj.br/arquivos/Monografias/Renato_Teixeira.pdf>. Acesso
em 14 de agosto de 2017.

FURASTÉ, Pedro Augusto. Normas Técnicas para o Trabalho Científico:


explicitação das normas da ABNT. 16. ed. Porto Alegre: Dáctilo Plus, 2012.

JORGE, Maria Helena P. de Mello; ADURA, Flavio Emir. Álcool e direção veicular.
Dossiê Alcoolismo. Revista USP. n. 96. São Paulo. 2013. Disponível em
<http://www.abramet.com.br/files/revista_usp.pdf>. Acesso em 10 de agosto de 2017.

LADEIRA, Roberto Marini; BARRETO, Sandhi Maria. Fatores associados ao uso de


serviço de atenção pré-hospitalar por vítimas de acidentes de trânsito. Cad. Saúde
Pública, Rio de Janeiro, 24(2):287-294, fev, 2008. Disponível em <
http://www.scielo.br/pdf/csp/v24n2/06.pdf>. Acesso em 14 de agosto de 2017.

LEYTON, Vilma; PONCE, Julio de Carvalho; ANDREUCCETTI, Gabriel. Problemas


específicos: álcool e trânsito. Álcool e suas consequências: uma abordagem
multiconceitual. 2008. Disponível em
<http://www.cisa.org.br/UserFiles/File/alcoolesuasconsequencias-pt-cap8.pdf>.
Acesso em 15 de agosto de 2017.

MALTA, Deborah Carvalho, et al. Consumo de bebidas alcoólicas e direção de


veículos nas capitais brasileiras e no Distrito Federal, segundo dois inquéritos
nacionais de saúde. Rev Bras Epidemiol. 18 Suppl 2. 2015. 2015. Disponível em
35

<http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v18s2/1980-5497-rbepid-18-s2-00214.pdf>. Acesso
em 12 de outubro de 2017.

PEREIRA, Layla Carolina. Alcoolismo: as consequências para diversas vidas.


Fadiva. 2011. Disponível em <
https://www.fadiva.edu.br/documentos/jusfadiva/2014/01.pdf>. Acesso em 12 de
outubro de 2017.

REIS, Rosane Beatriz da Cruz Pacheco. Educação para trânsito. Sou legal no
trânsito. Porto Alegre, 2007. Disponível em
<http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/eptc/usu_doc/9rosanebeatriz_eptc.p
df >. Acesso em 14 de agosto de 2017.

ROCHA, Flaviane carvalho da. 2013. 51fl. A atuação dos psicólogos de trânsito
nas clinicas credenciadas ao DETRAN da cidade de Boa Vista do Estado de
Roraima. Pós-Graduação (Psicologia do Trânsito). Universidade Paulista (UNIP).
MACEIÓ-CE. 2013. Disponível em <
http://netrantransito.com.br/arq_download/MONOGRAFIA%20Flaviane%20Carvalho.
pdf>. Acesso em 14 de agosto de 2017.

RUEDA, Fabian R. M’. Atenção concentrada e memória: evidências de validade entre


instrumentos no contexto da psicologia do trânsito. Psicologia Teoria e Prática, v.
11, n. 2, 2009.

SILVA, Artur Dias de Oliveira Conceição. 2014. 63fls. Bebida alcoólica e direção de
veículos automotores: uma combinação perigosa. Trabalho de conclusão de curso.
Instituto de Química. Licenciatura em Química. Universidade de Brasília. Brasília,
2014. Disponível em
<http://bdm.unb.br/bitstream/10483/8077/1/2014_ArturDiasDeOliveiraConceicaoSilva
.pdf>. Acesso em 14 de agosto de 2017.

SILVA, Adilson Gonçalves da. 2015. 135fls. Habilidades sociais e comportamento


do motorista entre universitárias usuárias e não usuárias de bebida alcoólica.
Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação. Faculdade de
Filosofia e Ciências. Doutorado em Educação. Universidade Estadual Paulista “Júlio
de Mesquita Filho”. Linha de Pesquisa: Psicologia da Educação: Processos
Educativos e Desenvolvimento Humano. Marília, 2015. Disponível em
<https://www.marilia.unesp.br/Home/Pos-
Graduacao/Educacao/Dissertacoes/silva_ag_do_mar.pdf>. Acesso em 14 de agosto
de 2017.

SILVA, Fábio Henrique Vieira de Cristo e Silva; GÜNTHER, Hartmut. Psicologia do


trânsito no Brasil: de onde veio e para onde caminha? Temas em Psicologia - 2009,
Vol. 17, no 1, 163 – 175. Universidade de Brasília – DF, 2009. Disponível em
<http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v17n1/v17n1a14.pdf>. Acesso em 27 de outubro de
2016.

SOUZA Marjane Bernardy et. al. Educação para o trânsito: uma necessidade
emergente. Universidade Luterana do Brasil. Campos do Sul – Rio Grande do Sul-RS,
2011. Disponível em:
36

<http://www.sieduca.com.br/2011/admin/upload/162_Mireila%20Oliveira%20Vieira.d
oc>. Acesso em 14 de agosto de 2017.

VASCONCELLOS, Ana Cristina de; FRANÇA, Júnia Lessa. Manual para


normalização de publicações técnico-científicas. 9 ed. 1ª reimpressão. Coleção
Aprender. Belo Horizonte: UFMG, 2014.