Vous êtes sur la page 1sur 6

Direito Penal IV – 06.

06

Continuação...

(11,12,13 e 15 – Não cai na prova!)

(Cai todos até o 10!)

*Omissão de cautela: (art.13)

- Único crime de competência do JECRIM.

- Crime omissivo próprio, a pessoa tem o dever de armazenar a


arma de forma correta.

- Crime de perigo abstrato (controvertido). Deve se predominar o


perigo concreto. Abordar que a vontade da lei é de crime
abstrato mas que a doutrina assegura a aplicação do perigo
concreto. No crime de pr

- § Ú crime omissivo próprio e crime próprio.

*Disparo de arma de fogo: (art.15)

- § Ú foi considerado inconstitucional. Crime inafiançável.

- É necessário se verificar as elementares do crime.

Obs. Verificar hipóteses disparo em via pública causando


homicídio. Principio da consunção, o crime de perigo é absorvido
pelo crime de dano. O homicídio absorve os demais.

*Posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito: (Art.16)

- Somente agentes públicos poderão portar esses armamentos.

- O conceito de arma de fogo de uso restrito é determinado por


outro ato normativo, decreto 3665, proferido pelo exercito
brasileiro.

- Essa norma se trata de norma penal em branco.

----------------------------------------------------------------
Semana 9

R:

a)Artigo 12 do estatuto, trata-se de crime de perigo abstrato


por vontade da lei, estando consumado o crime de Roberto, pois o
crime é classificado como crime de mera conduta e de perigo
abstrato.

Obs. Embora por força de lei o crime seja considerado crime


abstrato, há entendimento doutrinário e jurisprudência abordando
a classificação do delito como crime de perigo concreto. O crime
de perigo concreto exige-se a comprovação do risco ao bem
jurídico tutelado. Seguinte essa linha de raciocínio, em sede de
tese defensiva, é possível argumentar que a conduta tem sua
tipicidade material do fato afastada tendo em vista a ausência
de comprovação efetiva de perigo.

b)Não houve crime de Roberto, pois já teve o registro da casa,


manteve na casa, o dolo dele era de colecionador, pois sua
conduta não alcançou a ameaçar o bem jurídico tutelado. A
segunda tese diz respeito erro de proibição.

Erro sobre a ilicitude. Erro injustificável conforme artigo 21


do CP. O conceito de crime doutrinariamente é dividido em três
aspectos: material, legal e analítico.

Obs. Sob o aspecto material crime é toda ação humana que lesa ou
expõe a perigo um bem jurídico de terceiro, que, por sua
relevância, merece a proteção penal.

Sob o aspecto legal, crime é toda a infração penal que a lei


comina a pena de reclusão ou detenção. Se o dispositivo cominar
a uma conduta a pena de detenção ou reclusão será considerado
crime.

O crime pode ser conceituado ainda sob um aspecto analítico, que


o divide em partes de forma a estruturar o conceito. No
ordenamento jurídico pátrio adotou-se a teoria tripartida do
crime. Segundo essa teoria para que o agente tenha cometido uma
infração penal é preciso que o agente tenha cometido um fato
típico, antijurídico e culpável. A culpabilidade a
responsabilidade pessoal por um fato antijurídico que pressupõe
a antijuridicidade do fato, do mesmo modo que a antijuridicidade
tem de estar concretizada em tipos legais. Esses elementos estão
relacionados logicamente de tal modo que cada elemento posterior
do delito pressupõe o anterior.
Nesse ponto se faz necessário abordar a respeito do erro de
proibição. O legislador originário excluiu a culpabilidade por
hipótese do erro de proibição, tendo em vista a inexistência de
potencial conhecimento de ilicitude. Importante mencionar que o
desconhecimento da lei é inescusável, no entanto o que se exige
não é uma consciência induvidosa da ilicitude, o que se exige é
uma potencial consciência que decorre necessariamente do
conjunto de valores éticos e morais de cada indivíduo.

Diante do exposto, é possível argumentar defensivamente que o


elemento subjetivo do tipo na conduta do agente era manter o
armamento como peça de decoração na característica de
colecionador e diante da incidência do erro de proibição resta
excluída a culpabilidade e prejudicada a configurada conforme a
teoria analítica do crime a hipótese de caracterização do tipo
penal.

Objetiva - C

----------------------------------------------------------------

Semana 10

R: Noberto. Art.306 (justiça comum - INCONDICIONADA) c/c 303


(ação penal pública condicionada a representação - JECRIM) caput
todos da lei 9.503/97. 331 do CP (JECRIM – incondicionada).
Art.69 do CP. O 306 ocorre mesmo a lei entendendo que se trata
de perigo abstrato, portanto havendo caracterização do crime
concreto. Abordar a divergência de perigo concreto e perigo
abstrato.

Objetiva – R: Prazo para representar. Art.103 do CP. (B)

----------------------------------------------------------------

Semana 14

R: Art.129, § 9 do CP. Violência discriminatória em função do


gênero, violência domestica independe do gênero.

Objetiva – R: Adamastor. (A – Não deve prosperar). Não há


afastamento das contravenções penais, o que ocorre é que pelo
principio da especialidade todas as causas serão julgadas pelo
juízo de violência contra mulher.

----------------------------------------------------------------
* Organização criminosa (art.12.850/13)

1 – Definição e diferenças entre organização criminosa e


associação criminosa (art.288 do CP)

Art. 288 do CP Art.2° da Lei 12.850/13


3 ou + pessoas 4 ou + pessoas
Qualquer crime Crimes específicos
Dispensa estrutura organizada Requer estrutura organizada e
divisão de tarefas
Possui 02 causas de aumento de Possui 06 causas de aumento de
pena pena

Obs. No caso de tráfico de drogas, responde pelo artigo 35 da


lei de tráfico. Principio da especialidade é importante que seja
verificado a habitualidade.

Obs. Artigo 8°,§ Ú da Lei de Crimes Hediondos (qualificadora da


associação) do art. 288 do CP.

Obs. Hipótese do CV. Responde por artigo 33 e 35 c/c 12.850/13.


Organizado.

2 – Colaboração premiada: (art.3°,I e 4° da Lei)

- Extinção da punibilidade

- Substituição da pena

- Causa obrigatória de redução de pena.

3 – Da ação controlada: (art.3°,III e 8° da Lei)

4 – Da infiltração de agentes: (art.3°,VII e 10 da Lei)

5 – Dos crimes em espécie:

----------------------------------------------------------------

Semana 8

R:
a)----

b) Organização criminosa para fins de tráfico de drogas. Art. 33


c/c 34 da Lei 11.343/06 c/c 2 da lei 12.850/13 c/c art.69 do CP

Objetiva – R: E

----------------------------------------------------------------

Semana 16

1 – D

2 – C

3 – D

4 – B

5 – A

6 – A

7 – E

8 – A

9 – D

10 – D

11 – A

12 – C

13 – B

14 – B

15 – A

16 – A

17 – B

18 – B

19 – D

20 – A

21 – D

22 – D

23 – A
24 – D

25 – B

26 – C

27 - C