Vous êtes sur la page 1sur 16
nines FUNDAGAO EDITORA DA UNESP Preside de Conslbo Caradon Mirio Sérgio Vasconcelos Diraor-Presidene Jézio Heenani Bomfim Gutierve Eltor Esato Tulio ¥. Kawata ‘Superintendent Adminsaivo ¢ Finances William de Souza Agostinho Comzlbs Eat Acadmico Carlos Magno Castelo Branco Fortaleza Henrique Nunes de Oliveira Jean Marcel Carvalho Fran Joo Francisco Galera Monico Josto Luts Cardoso Tépias Ceccantini José Leonardo do Nascimento Lourengo Chacon Jurado Filho Paula da Cewz Landi Rogétio Rosenfeld Rosa Maria Feiteiro Cavalari tore Asiones Anderson Nobara Leandro Rodrigues PERRY ANDERSON inhagens do Estado absolutista ‘Tradugio Renato Prelorentzou editora Perry Anderson geopolltcas¢ constituiram o idioma ideolégico da época. A Guerra dos “Twines Anos foi a maior —e a tiltima — dessas batalhas “mistas”." Logo se viuseguida pelo primeiro exemplo de um tipo de conflito militar com pletanente novo na Europa, travado por diferentes objetivos, em um ele- meniodiferente: as guerras comerciais anglo-holandesas dos anos 1650 ¢ 1660, das quais quase todas as batalhas foram maritimas. Esses confron. tos, orm, se restringiam aos Estados europeus que jé haviam passado pelas evolugées burguesas © eram disputas estritamente intercapitalis- tas, Ni Franga, a tentativa de Colbert de “adotar” esses novos objetivos se nstou um Fiasco nos anos 1670. Mas, a partir da Guerra da Liga de Augsburgo,o.comércio quase sempre foi uma presenga auxiliar nas princi- paisbualhas militares europeias por terra —_mesmo que apenas por causa ‘da psticipasio da Inglaterra, cuja expansio geogréfica ultramarina tinha ago um cardter completamente comercial e cuja meta efetiva era um io colonial mundial. Daf o cardter hibrido das guerras do final do ‘s6edo XVIII, que acabaram por justapor dois tempos e dois tipos de con- Aigolferentes em uma mesma briga, singular e estranha, da qual a Guerra dos StteAnos fornece o exemplo mais claro:" a primeira da histGria a se ceypilarpelo globo, ainda que como espetsculo secundario para a maioria dos pirieipantes, para quem Manila ou Montreal eram escaramucas ‘renotts ve comparacas a Leuthen ou Kunersdorf. Nada é mais revelador dofaeasso da visto feudal do Ancien Régime na Franca do que sua incapaci- laleomperceber 0 que estava cle faro em jogo nessas guerras duais: junto case vais la ficou presa& tradicional disputa pela terra, até o fim. 1h Ver Koenigsberger, The European Civil Wat In The Habsburgs in Europe, 21985, 64m relto sucinto e exemplar, 19 Anmehor anise gral da Guerra dos In p 318-84, te Anos ainda € a de Dorn, Competition for . ~ ba ‘#fa 0 carater geral do absolutismo no Ocidente. No entanto, os {erritoriais especificos que vieram a existir nos diferentes patses ‘renascentista nio podem ser assimilados em um tipo tinico ¢ verdade, eles apresentaram largas variagSes, as quais viriam tra- Wéncias cruciais para as historias subsequences dos paises em_ /= consequéncias que se fazem sentir ainda hoje. Um exame dessas 4, portanto, complemento necessério a qualquer consideragio estrutura geral do absolutismo ocidental. A Espanha, primeira Jpoténcia da Europa moderna, se apresenta como um ponto de par- dos Habsburgo na Espanha nao foi apenas mais um episé- do conjunto de experiéncias concomitantes ¢ equivalentes da de Estados na Europa ocidental: foi também uma determi- unxiliar de todo esse conjunto enquanto tal. Ela ocupa, portanto, flo qualitativamente distinta no processo geral de absolutiza- ue, entre as outras monarquias ocidentais da época, 0 alcance e do absolutismo espanhol foram, em sentido estrito, “excessi- pressio internacional atuou como uma sobredeterminagio es- ‘nos padrdes nacionais das outras partes do continente, por causa ¢ do poder desproporcionais de que dispunha: a concentragdo ica desses recursos no Estado espanhol nao podia deixar de afetar forma ca direcio do sistema de Estados que emergia no Ocidente. 63 Perry Anderson A monarquia espanhola devia sua preeminéncia a uma combinagio de dois complexos de fontes ~ que, por sua vez, também foram projegées repentinas de elementos comuns do absolutismo ascendente, elevados a tuma dimensio excepeional. Por um lado, sua casa reinante se beneficiou, mais do que qualquer outra linhagem na Europa, dos pactos da politica de casamentos dindsticos. As conexdes da familia Habsburgo renderam a0 Estado espanhol uma escala de territérios ¢ influéncias na Europa que no tinha equivalence em nenhuma monarquia rival: um artefato supremo clos mecanismos feudais de expansio politica. Por outto lado, a conquiista colonial do Novo Mundo the proporcionou uma superabundancia de metais preciosos, 0 que the garantiu um tesouro muito maior que o de qualquer adversivio. Mas, conduzida ¢ organizada dentro de estruturas ainda evidentemente senhorias, a pilhagem das Américas também foi, 20 ‘mesmo tempo, o ato mais espetacular da acurmulacio primitiva de capital na Europa durante a Renascenga. Assim, 0 absolutismo espanhol ganhou forga tanto por meio das herangas do engrandecimento feudal em terra natal, quanto pelo saque de capital extrativo no ultramat. Nunca houve, é claro, nenhuma divida quanto aos interesses sociais e econdmicos atendi dos pelo aparato politico da monarquia espanhola, prioritéria e permanen- temente, Nenhum outro grande Estado absolutista da Europa ocidental seria tio aristocritico no cariter, nem tio hostil ao desenvolvimento da burguesia. A mesma sorte que lhe dew o precoce controle sobre as minas da América—com sua economia de extragio tosca, mas lucrativa —fez.com que a Espanha relutasse em promover 0 crescimento das manufaturas ou em fomentar a disseminagio da empresa mercantil dentro de seu império europeu. Em vez disso, o Estado espanol jogou todo o seu peso sobre as comunidades comerciais mais ativas do continente, a0 mesmo tempo «em que ameagava todas as outras aristocracias fundirias, em um ciclo de guerras no seio dessas aristocracias que duro 150 anos. O poder espa- nol sufocoua vitalidade urbana do norte da Itilia eesmagou as florescen- tes cidades de metade dos Pafses Baixos ~ as duas éreas mais avangadas da economia europeia na virada do século XVI. Depois de uma longa batalha por independéncia burguesa, a Holanda acabou por escapar de seu con- trole, No mesmo perfodo, a Espanha absorveu os Estados régios do sul —_— Linbagens do Ertad absolute de Portugal. Ataques hispinicos Fustigaram as monarquias da dda Inglacerea. Os trios de Castela invadiram os principados da seguidas vezes. Enquanto a armada espanhola cruzava o Atlin- hava o Mediterraneo, os exércitos espanhdis varriam boa parte ‘ocidental: da Antuérpia a Palermo, de Regensburg a Kinsale. fim, a ameaga do dominio dos Habsburgo acabou por acelerar as foorealecer as defesas das dinastias adversirias. A primazia espa- A monarquia dos Habsburgo um papel definidor em todo 0 absolutismo ocidental. Apesar disso, como veremos, também maneita crucial a natureza do préprio absolutismo espanhol sistema que ele ajudou a originar. lutismo espanhol nasceu da Unio de Castela e Aragio, efeti- easamento de Isabel | e Fernando II. em 1469. Comegou com secondmica aparentemente firme, Durante o periodo de escassez ‘obra, reflexo da crise geral do feudalismo ocidental, crescentes ‘Castela foram se convertendo a uma lucrativa economia lanifera, sformou na “Austria da kdade Média em importante par= ‘comércio flamengo; enquanto isso, Aragio continuava sendo, ito tempo, uma poténcia territorial e comercial do Medicerri- lando a Sicflia ¢ a Sardenha. O dinamismo politico ¢ militar Bstado dual logo se revelou, de maneita dramética, em uma série ‘conquistas externas. O iiltimo reduto mouro em Granada foi . completando a Reconquista: Napoles foi anexada e Navarra, ima de tudo, as Américas foram descobertas e subjugadas. Habsburgo logo actescentou Milio, o Franco-Condado ¢ os Baixos. Essa sibita avalanche de sucessos fez da Espanha a primeira ja da Europa por todo o século XVI, ocupando uma posigio inter- {que nenhum outro absolutismo continental jamais seria capaz ‘frase € cle Vicens. Ver: Vicens Vives, Manual de Misia Ezonsmia de Espa, p11 12,231 Perry Anderson de se igualar. Ainda assim, o Estado que presidia esse vasto império cra, ele préprio, um arranjo em rufnas, unido, em dltima instincia, apenas pela pessoa do monarca. Na verdade, 0 absolutismo espanhol, tZo impressio nante para o protestantismo dos paises do norte, foi bastante modesto ¢ limitado em seu desenvolvimento doméstico. Suas articulagées internas talvez.tenham sido frégeis ¢ heter6clitas como nenhuma outra. Sem divi das, as razBes para esse paradoxo devem ser procuradas essencialmente na curiosa relagio triangular entre 0 império americano, o império europew ‘cas patrias ibéricas. Unidos por Fernando ¢ Isabel, os reinos compostos de Castela e Aragio aptesentaram uma base extremamente diversa para a construgio de uma nova monarquia espanhola no final do século XV. Castela era uma terra de enormes herdades aristocréticas poderosas ordens militares; tam. ‘bém contava com um considerivel niimero de cidades, embora ainda nio tivesse uma capital fixa, 0 que era significative. Durante as guerras civis do dltimo petfodo da dade Média, a nobreza castelhana tomara da monae quia vastas porgdes de propriedade ageéria; 2% ou 3% da populagao agora controlava algo como 97% do solo. Mais da metade desse territério era, por sua vez, propriedade de umas poucas familias magnatas que se des. tacavam sobre a numerosa pequena nobreza dos bidalges." Nessas grandes herdades, a cultura de cereais foi cedendo espaco para a criagio pastoril © boom da li, que fornecera as bases para a fortuna de tantas casas aris- tocréticas, também estimulara, ao mesmo tempo, o crescimento urban €.0 comércio exterior. As cidades castelhanas ¢ os navios cantabricos se beneficiaram da prosperidade da economia pastoril do iiltimo periodo da Espanha medieva, que por um complexo sistema comercial se ligava industria céxtil de Flandres. Assim, o perfil econémico e demogréfico de Castela dentro da Unio foi, desde o inicio, bastante vantajoso: com uma populacio calculada entre 5 milhées e 7 milhdes de pessoas ¢ um fervi Ihante comércio ultramarino com o norte da Europa, acabou por se tornat, com facilidade, o Estado dominance da peninsula. Em termos politicos, sua constituigio era curiosamente instavel. Castela ¢ Ledo haviam sido uns 2 Elis, Imperial Spain 1469-1716, pA 11-13, neil Sp P Lingyens do Estado abiclsiona ios reinos medievais da Europa a desenvolver um sistema de Ainda no século XIII; em meados do século XV, a ascendéncia nobreza sobre a monarquia se tornara, por um tempo, bastante © fvido poder da aristocracia do iltimo perfodo medieval ‘estabelecera nenhum molde juridico. Na verdade, as Cortes sendo assembleias ocasionais ¢ indefinidas; talvez por causa Imigrante do reino castelhano — que se deslocava para o sul e, ‘embaralhava seu padrio social -, nunca se desenvolvera ai uma lizagio firme ¢ fixa do sistema de estados. Dessa maneira, wocagio quanto a composigio das Cortes se sujeitavam i deci- ia clo monarca, resultando que as sessdes eram espasmédieas ¢ origem a nenhum sistema de trés ctirias efetivo. Por um lado, tinham nenhum poder de iniciativa legislatéria; por outro, ‘0 clero gozavam de imunidade fiscal. O resultado era um sis- no qual apenas as cidades tinham de pagar os impostos Cortes, as quais, alifs, recafam quase exelusivamente sobre Portanto, a aristocracia nao tinha nenhum interesse econdmico sua representacio nas assembleias dos estados castelhanos, que luma instituigio relativamente fraca ¢ isolada. O corporati- ritico encontrou sua expressio nas ricas e temfveis ordens iadas pelos cruzados ~ Calatrava, Alcdntara e Santiago. Mas sua propria natureza, nio tinham a autoridade coletiva de um jocraitico, 1 politico e econdmico do Reino de Aragio’ estava em agudo com o de Castela. O interior montanhoso de Aragio abrigava o rial mais repressivo da peninsula ibérica a aristocracia local nos poderes feudais nas terras dridas, onde a servidio ainda {© umn campesinato mourisco cativo labutava para scus senhores ‘A Catalunha, por outro lado, radicionalmente fora o centro de um antil no Mediterrineo: Barcelona era a maior cidade da Espanhi , © seu patriciado urbano, a classe comercial mais rica da regio. ino aragonés era, cle proprio, uma unido de trésprincipados: Aragio, Catalu- e Valencia, Perry Anderson A prosperidade catali, no entanto, sofrera dolorosamente durante a longa depressio feudal. As epidemias do século XIV haviam atingido o princi pado com particular violencia, voltando seguidas vezes, depois da prépria Peste Negra, para assolar a populaio, que diminuiu quase um cerco entre 1365 ¢ 1497." As faléncias comerciais se agravaram com a agressiva com petigio genovesa no Mediterraneo, e os pequenos comerciantes e as guil das de artesios se revoltaram contra o patriciado na cidade, No campo, 0 campesinato se levantara para acabar com 0s “maus costumes” ¢ tomarany terras desertas nas rebelides remenga do século XV. Por fim, uma guerra civil entre a monarquia ¢ a nobreza, cujo tumulto atingiu outros grupos sociais, enfraquecera ainda mais a economia catali. No entanto, suas bases ultramarinas na Itélia permaneceram intactas. Valencia, a terceira pro- vincia do reino, ocupava, em termos sociais, um plano intermedisrio entre Aragio ¢ Catalunha. A nobreza explorava o trabalho mourisco; uma comu- nidade de mercadores se expandi durante o século XV, ao mesmo passo que o dominio das finangas descia pela costa, vinde de Barcelona. O cres- cimento de Valencia, porém, no compensou adequadamente o declinio da Catalunha. A disparidade econémica entee 0s dois Reinos da Unio criada pelo casamento de Fernando e Isabel se mostra no fato de que, juntas, 2s populagSes das trés provincias de Aragio totalizavam apenas cerca de 1 milhio de habitantes ~ em comparagio com os 5 milhées a 7 milhdes de Castela. E 0 contraste politico entre os dois reinos nfo era menos evident Pois, no Reino de Aragio, encontrava-se aquela que talvez fosse a mais sofisticada e entranhada estrutura de estados da Europa. Todas trés provin cias de Catalunha, Valencia ¢ Aragio tinham suas préprias Cortes. E cada uma tinha, além disso, instituigdes de vigilincia especiais, com controle ju- dicial e administracio econémica permanentes, tudo derivado das Cortes ‘A Diputacié catala — um comité permanente das Cortes ~ foi seu exemplo mais efetivo. Além disso, por forga do estatuto, cada uma das Cortes tinha de se reuni a intervalos regulares e estava tecnicamente sujeita 3 norma da uunanimidade — um expediente tinico na Europa ocidental, As Cortes ata ‘gonesas ainda dispunham de mais um refinamento: um sistema de quatro 4 Elliot, Imperial Spain p37. Linagons do Estado absolut Imagnatas, pequena nobreza, clero ¢ burguesia.’ In toto, esse dle “liberdades” medievais apresentava uma perspectiva singu- ‘vessa A conscrugio de um absolutismo centralizado. A assime- ins institucionais em Castela e Aragio iria, de fato, modelar 1a da monarquia espanhola dat em diance ivelmente, Fernando e Isabel seguiram 0 rumo dbvio de se no estabelecimento de um poder régio inabalavel em Cas- scondligSes eram, de imediato, mais propicias. Aragio apresen- politicos muito mais temiveis& construgio de um Estado Je muito menos perspectivas lucrativas paraa fiscalizagio eco- tela tinha cinco ou seis vezes mais populacio, e sua riqueza ida por barreiras constitucionais comparaveis. Assim, os ym em marcha um met6dico programa de reorganizacio As ordens militares foram decapicadas, suas vastas terras Os castelos baroniais foram demolidos, os senhores foram expulsos ¢ as guerras privadas, proibidas. A nomeagio yes para administear as cidades quebrou a autonomia municipal se reforcou e se estendeu, O Estado tomou para si 0 con- ficios eclesisticos, afastando o aparato local da Igreja do Papado. Aos poucos, depois de 1480, as Cortes foram sendo pela efeciva omissio da nobreza e do clero nas assembleias; “objetivo das reunises era aumentar impostos pata finan- Inilitares (nas guerras de Granada e da Itélia, sobretudo), dos favam 0 primeito ¢ o segundo estados, estes tinham pou- para resistir& restrigio, Os rendimentos fiscais subiram de vionante: as receitas de Castela foram de 900 mil reales em 26 milles em 1504.° O Conselho Real foi reformado e dele se ido constitucionalismo aragonés se expressava no notivel juramento de {ribuido sua nobrez: "Ns, que somos tio bons quanto vs, juramos Jule nfo sis melhores que n6s, que vos acitamos'como nosso ei e senhor desde que observis toca as nosss iberdades eles; sent for assim, BA formulagio cm si talvee fosse lena, mas seu sentido estava gravado nas ies de Aragio, 0 rabalho de Fernand elsabe em Castel, ver Elliot, Imperl Spain, p 86-99. Perry Anderson excluiu a influéncia dos “grandes do reino”; 0 novo corpo era constituido de burocratas juristas, ou letrades, advindos da pequena nobreza. Secre- trios profissionais trabalhavam diretamente sob 0 comando dos sobe- ranos, despachando os assuntos em andamento. Em outras palavras, a maquina estatalcastelhana foi racionalizada e modernizada. Mas a monat- quia nunca a contrap6s a classe aristocritica como um todo. As mais altas posigdes militares e diplomsticas sempre se reservavam aos magnatas, que mantiveram seus grandes vice-reinados e governadorias, enquanto nobres rmenores preenchiam as fileiras dos corridors. A monarquia recuperou os dominios régios usurpados desde 1.454, mas deixou nas mios da nobreza aqueles apropriados em datas anteriores ~a maioria. Em Granada, novos dominios se acrescentaram a essas possesses, ¢a imobilizagao da proprie- dade rural se confiemou com o expediente do mayorazgo. Garantiram-se, ainda, amplos privilégios aos interesses pastoris do cartel lanifero Mesta dominado por latifundisrios do sul; enquanto isso, medidas discrimina- térias contra a cultura de cereais acabaram por fixar precos de varejo para as saftas de gros. Nas cidades, um estrito sistema de guildas se imps 3 nascente indistria urbana, ¢ a perseguicio religiosa dos converses acarre- tou um éxodo do capital judeu. Castela implementou todas essas politicas ‘com muita energia c determinagio. Em Aragio, por outro lado, nunca se tentou aplicar nenhum programa politico com escopo parecido. Ali, a0 contratio, 0 méximo que Fernando ade alcangar foi uma pacificacio social e a restauragio da constituigio do tltimo perfodo medieval. Em 1486, com a Sentenca de Guadalupe, os camponeses remen Finalmente receberam o perdio de suas obrigagdes, ¢ a agitacio rural se acalmou. A introdugio de um sistema de sorteio alar- ou o acesso a Diputacié catala. Além disso, o governo de Fernando contir- mou de maneira clara a identidade separada do reino a leste: a Observanca de 1481 reconheceu expressa ¢ inteiramente as liberdades catalis, e novas salvaguardas contra infragdes régias a tais liberdades se acrescentaram a0 arsenal jé existente de armas locais para combater qualquer forma de cen- tralizagio monirquica, Raras vezes residente de sua terra natal, Fernando instalou vice-reis em todas as trés provincias, para que exercessem a auto~ ridade em seu nome, ¢criou o Conselho de Aragio, quase sempre baseado Linagens do Eade absolute la, para manter contato com eles. Assim, Aragio foi, de fato, pra te deixado a seus préprios meios; até mesmo os grandes interesses ‘todo-pocerosos para além de Ebro — foram incapazes de assegurar ss para suas pastagens nos campos agrfcolas da regio. Uma vez wando se vira obrigado a reconfirmar solenemente todos os espi privilégios contratuais aragoneses, nem se chegou a colocar aideia fusio administrativa, em nenhum nivel, entee Aragio e Castela. de criar um reino unificado, as majestades catélicas nao conseg estabelecer uma moeda {inica,” muito menos sistemas fiscais fdicos em comum dentro dos reinos. A Inquisigio —invengio singu- | Buropa na época— deve ser vista nesse contexto: foi a tinica institui- hola” unitéria na peninsula, um ostensivo aparato ideolégico a ata divisio e a dispersio administrativas do Estado. nso de Carlos V vi ‘esse padeo; quando muito, cla, em iiltima instincia, 0 acentuou. lkado mais imediaco do advenco de um soberano Habsburgo foi ia a complicar, mas nio a alterar substancial- corte, em grande medida composta por expatriados e dominada \g0s, borgonheses e italianos. As extorsées financeiras do novo Jogo provocaram uma onda de intensa xenofobia popular em Cas- partida do préprio monarca para o norte da Europa foi, portanto, tuma vasta rebeli3o urbana contra o que se considerava uma espo- ‘estrangeira dos recursos ¢ das posigdes castelhanas. A revolta dos de 1520-1521 conquistou um apoio inicial de muitos nobres ¢ apelou a um conjunto tradicional de exigéncias constitucio- Mas sua forsa motriz eram as massas populares de artesios das cida- sua lideranga dominance era a burguesia urbana do norte e do centro tela, cujos polos comerciais ¢ manufatureiros haviam experimen ‘um boom econémico no perfodo anterior’ O movimento encontrou ‘ow nenhum eco no campo, fosse entre o campesinato, fosse entre a racia rural; e nunca chegou aafetarseriamente aquelas regibes onde as Oinico passo rumod unificagio monetivia foiacunhagem de te’s moedas de ouro P 8 ela, Aragio e Catalunha. de alta grandeza eval B Nee Macavall, Las comunidades de Cust, Una primer eoucén, 216-22. Perry Anderson cidades eram raras ou fracas ~ Galicia, Andaluzia, Estremadura ¢ Gud lajara. © programa “federativo"e “protonacional” da junta tevolucionst que as comunas castelhanas criaram durante a insurteigio as marcou com) bastante clareza como, basicamente, uma revolta do Terceiro Estado.” Sua derrota perante os exércitos régios — atrés dos quais a maior parte da aris tocracia se reunira assim que o potencial radicalismo do levante ficara evi dente — foi, portanto, um passo crucial na consolidagio do absolutismo espanhol. © esmagamento da rebelijo dos comuncros eferivamente eli nou os diltimos vestigios de uma constituigio contratual em Castela ¢ condenou i nulidade as Cortes — para as quais os comuneros haviam rev dicado sess0es regulares a cada trés anos. Ainda mais significativo, porém, foi o fato de a vitéria mais importante da monarquia espanhola sobre a resistencia organizada ao absolutismo régio em Castela —na verdade, seu tinico conflito armado contra qualquer oposigio aquele reino— ter sido a derrota militar das cidades, e nfo dos nobres. Isso nio se deu com 0 abso lutisma nascente em nenhum outro hugar da Europa: padrdo principal era a supressio das revoltas aristocraticas, ¢ nio das burguesas, mesino nos locais onde ambas estivessem estreitamente ligadas. Seu triunfo sobre as comunas castelhanas, logo no infcio da carreira, a partir de enti, separar o curso da monarquia espanhola de seus congénetes ocidentais. ‘O desdobramento mais espetacular do reinado de Carlos V foi, éclaro, 4 vasta ampliagio da Grbita internacional dos Habsburgo. Na Europa, 04 Paises Baixos, 0 Franco-Condado e Milio agora faziam parte do patri ménio pessoal dos governantes da Espanha, que a0 mesmo tempo con. quistavam Peru e México nas Américas. Durante vida do imperador, cod Alemanha foi um grande palco para operagdes justaposto a essas possess: hereditdrias. Como era inevitavel, essa siibita expansio territorial reforsou no Estado absolutista nascente da Espanha sua tendéncia anterior A dele {gacio de poderes, via conselhos e vice-reinados separados para os difere tes territérios da dinastia. Inspirado pelos ideais universalistas de Erasmo, Meredrio Gattinara, chanceler piemontés de Carlos V, tentou conferir desajeitada massa do Império Habsburgo um executive mais compacto ¢ 9 Ibid. p44-5, 50-7, 156-7, Linhagene do Estado absolute certas instituigdes unitérias de tipo departamencal ~ nova- \Conselho de Finangas, um Conselho de Guerra e um Conse- (sendo que este diltimo se tornaria, eoricamente, 0 topo de Jo imperial) , com responsabilidades globais de cardter trans-_ instituigées receberiam a assisténcia de um secretariado cada vez maior de servidores civis 4 disposigio do monarca. tempo, foi se formando uma nova série de Conselhos ter- rio Gattinara estabeleceu o primeiro deles nas Indias. Ao . haveria no menos que scis desses Conselhos regionais, Castela, Indias, Icdlia, Portugal e Flandres, Para além de Cas- eles tinha um corpo adequado de funcionsrios locais da a administragio de fato era confiada aos viee-reis, que mui- sujeitavam a um controle hesitante e eram dirigidos apenas spelos Conselhos." Por sua vez, 0s poderes dos vice-reis eram, ante limitados. Somente nas Américas eles comandavam os, {ua propria burocracia, mas mesmo af eram ladeados por audien- pprivavam da autoridade judicial de que dispunham em outros ‘mesmo passo, na Europa, eles tinham de lidar comas aristocra- = siciliana valenciana ou napolitana — que normalmente reivin- dlireito a0 monopélio sobre os cargos piiblicos. O resultado foi de toda e qualquer unificagio efetiva, Fosse no império incer- fgomo um todo, fosse nas prdprias pitrias ibéricas. As Américas juridicamente vinculadas ao reino de Castel 0 sul da Itélia, ao ‘Atagio. As economias do Atlintico e do Mediterrineo que cada sentava nunca se encontraram em um mesmo sistema comer- pustica, a divisio entre os dois reinos originais da Unio dentro ha se reforcou com as possessdes ultramarinas agora ancxadas. sitos juricicos, a Catalunha podia simplesmente ser assimilada {uto a Sicflia ou aos Paises Baixos. Na verdade, em meados do sé- XVII, 0 poder de Madri sobre Népoles ou Milio era efetivamente aque sobre Barcelona ou Saragoga. Assim, a expansio do império dos cl, Spain wndr th Habsburgs, »2, 19-20, pa fs ¥s p on Parry Anderson | Habsburgo superou sua capacidade de integragio e ajudou a deter o pro | cesso de centralizagdo administrativa dentro da pr6pria Espanha."* ‘Ao mesmo tempo, o reinado de Carlos V também inaugurou a Fatidiea sequéncia de guerras europeias que viria a sero prego do poderio espanhol no continente. Na parte sul do palco de suas iniimeras campanhas, Carlos } alcangou um sucesso esmagador: foi durante esse perfodo que a Itélia foi definitivamente subjugada pela supremacia hispanica, a Franga foi expulsa da penfnsula, o Papado se viu intimidado e a ameaga turca ficou 3 dis tincia, A sociedade urbana mais avangada da Europa se tornou, dat em diante, uma extensa plataforma militar para 0 absolutismo espanhol. Ji no palco norte de suas guerras, o imperador se encontrow em um dispen dlioso impasse: a Reforma continuava invencivel na Alemanha—a despeito das seguidas tentativas dele de esmagé-la ou concilié-la — e a herediiria inimizade Valois sobrevivia a todas as derrotas na Franga, Além diss final do reinado, o fardo financeiro da guerra constante no norte jé ha afetado gravemente a tradicional lealdade dos Paises Baixos, o que preparou 10s desastres que cairiam sobre Filipe H nessa regio. O tamanho e 0s custos dos exércitos dos Habsburgo passaram por uma escalada répida e regular a0 longo do governo de Carlos V. Antes de 1529, as tropas espanholas na Itdlia rnunca tinham somado mais que 30 mil homens; em 1536-1537, havia 60 mil soldados mobilizados para a guerra com a Franga; por volta de 1552, 0 imperador talvez ji comandasse cerca de 150 mil homens na Europa."? Os cempréstimos financeiros e as presses fiscais aumentaram na mesma pro- porgio: quando de sua abdicagio, em 1556, as receitas de Carlos V haviam TT Marx estava ciente do paradoxo do absolutismo dos Habsburgo na Espanha Depois de declarar que “a iberdade espanhola desapareceu sob o fragor das armas, as chuvas de ouro © as teriveis iluminasBes dos autos de f2", ele indagou: “Mas ‘como devemos dar conta do singular Fendimeno de que depois de quase es séeu los dedinastia Habsburgo, seguida pela cinastia Bourbon, ambas bastante capazes cle esmagar um povo ~ainda sobrevivem as liberdades municipais na Espanha? De que, no mesmo pats onde, entre todos os Estados feudas, pela primeira vez sur srs manag aboltcm forma mais complet, nunca ster consegid enraizar a centralizagao?”, Marx; Engels, Revolutionary Spain, p.24-5. Uma resposta adequada questo, no entanto, Ihe escapous ee : 12 Parker, The Army of Flanders and ih Spanish Road 169-1659, p.6 oT Linbagens do Estado abslnisa assim, as dividas eram tamanhas que, um ano depois, teria de declarar formalmente a faléncia do Estado. Sempre termos administrativos, o Império Espanhol que Filipe II ‘Velho Mundo foi ficando economicamente insustentével na |século: o Novo Mundo € que iria reabastecer seu tesouro ¢ pro-" esunizio. dos anos 1560, os miltiplos efeitos do império americano lutismo espanhol foram se tornando cada vez mais devermi- seu futuro, embora seja necessério no confundir os diferen- 8 quais esses efeitos operavam. A descoberta das minas de tava imensamente o fluxo de metais coloniais para Sevilha. We, © suprimento de enormes quantidades de prata oriunda fe transformou em uma facility decisiva para 0 Estado espa bos os sentidos da palavra [“facilidade”, “recurso”, pois absolutismo hispinico uma renda extraordinéria, abundance eompletamente fora dos padres convencionais das receitas nna Europa. Isso significava que, por muito tempo, 0 abso- Espanha ainda poderia continuar dispensando a lenta uni- veal ead ses: a teimosa recalcitrincia de Aragio foi compensada pela ‘complactncia do Peru. Em outras palavras, as colénias puderam nistrativa que era precondigio do absolutismo dos tum substituto estrutural das provincias, em uma organiza- ca global em que as provincias ortodoxas deram lugar a patti- gutirquicos. Nesse aspecto, nada é mais surpreendente que a a auséncia de qualquer conttibuigio proporcional de Aragio ou da Ieélia a0 esforco de guerra espanhol na Europa, durante a pas- do século XVI para o XVI. Castela teria de aguentar praticamente 110 fardo fiscal das interminSveis campanhas militares no exterior: “tnd disso se encontravam, precisamente, as minas das indias. A inci- Ja total do tributo americano nos orgamentos imperiais espanhéis por certo, muito menor do que geralmente se supunha d época: no BF Lynch, Spain wnder the Habiburgs, o.1, 128: 08 presos, € claro, também subiram iwito nesse period. an. Parry Anderson auge das frotas de tesouro, os metais coloniais correspondiam somente 4 algo entre 20% e 25% de suas receitas."* A maior parte do resto das rendas de Filipe II provinha dos encargos domésticos de Castela: a tradicional taxa sobre as vendas, ou aleabala; 08 servicios especiais exigidos dos pobres; cruzada, recolhida junto a clérigos ¢ leigos, com a permissio da Igreja; ¢ as obrigagées piblicas, ou ures, vendidas aos proprietérios. Os metais ame: ricanos, porém, cumpriam seu papel na sustentagio da base fiscal metro- politana do Estado Habsburgo: os niveis fiscais extremamente altos de sucessivos reinados foram, indiretamente, sustentados pelas transferén- cias privadas de metais para Castela, cujo volume médio chegava ao dobro dos influxos piiblicos:"* o notavel éxito dos jures como recurso para levan- tar fundos ~ primeira vez em que uma monarquia absoluta fazia amplo uso dessas obrigagSes na Europa —sem divida se explica, em parte, por sua capacidade em drenar essa nova riqueza monetéria, Mais que isso, 0 aporte colonial aos rendimentos régios foi, por sis6, bastante decisivo pata a con- duta da politica externa espanhola e para a natureza do Estado espanhol. Pois ral aporte chegava na forma de espécie liquida, que podia ser direta ‘mente utilizada para financiar movimentos de tropas ou manobras diplo- miticas por toda a Europa; ¢ também proporcionava oportunidades de créditos excepcionais para os monarcas Habsburgo, que podiam levantar no mercado monetirio internacional somas a que nenhum outro principe poderia almejar."© As gigantescas operagdes navais ¢ militares de Filipe II, do Canal da Mancha ao mar Egeu, de Téinis 3 Antuérpia, s6 foram pos- siveis por causa da extraordindcia flexibilidade financeira propiciada pelo excedente americano. ‘Ao mesmo tempo, porém, 0 impacto dos metais americans na cono- ria espanhola, enquanto instincia distinta do Estado castelhano, nio foi menos crucial, ainda que de outra maneira. Pois, na primeira metade do século XVI, 0 nivel moderado de cartegamentos (com grande propor- io de ouro) forneceu um estimulo as exportagdes de Castela, 0 que logo 14 Elliot, The Decline of Spain, Past end Prac 2.20, nov. 1961, agora em: Aston (Ong). Crist n Europe 1 560-1660, p.1 89; 1d, peril Spain, p.285-6. 15, Lynch argumenta muito bem sobee esse ponto: Spain ander th Habsburgs, 1, pst.29. 16 Vilar, Oroy monada en la istoria, 14501920, p.78, 165-8, 36. Linkagens do Estado absoltista 4 inflacio dos pregos que se seguiut 20 advento do tesouro ‘ez que 60% a 70% dos metais que nfo iam direto para os tinham de ser comprados como qualquer outra mercado- sendedores locais das Ami comércio com as coldnias, principalmente de téxteis, azeite s, acabou por se desenvolver in{cio, o monopdlio sobre esse mercado cativo beneficiou os Jcastelhanos, que podiam vender a pregos inflacionsrios, apesar queixas dos consumidores domésticos, que no demoraram so custo de vida.'” Entretanto, ocorreram nesse processo duas fatais para a economia castelhana como um todo. Em primeito {te demanda colonial acarretou maiores converses de ter- cultura de cereais pela de vinhas ¢ oliveiras. Isso reforgou a ‘endéncia — que o monarca encorajava ~ dletrigo custa da de pois aindéstria aniferaespanhola, 20 portanto, para uma contragio inglesa, nfo era sedentiria, mas sim transurmante te destrutiva para os campos arados. Nos anos 1570, 0 resul- to dessas pressoes veio a fazer da Espanha um grande impor- pela primeira ver. A escrutura da sociedade rural castelhana diferente de qualquer outra na Europa ocidental. Os rendeiros € 05 pequenos proprietérios camponsses compunhamn wma campo. No século XVI, mais da metade da populagio rural de Ja —talvez algo em torno de 60% ou 70% — eram trabalhadores (ou jomalers* e essa proporgio era ainda maior em Andalucia. smprego generalizado nas aldcias e pesadas cobrancas feudais senhoriais, Mais surpreendente ainda: os censos espanhis de 1586 revelaram uma sociedade na qual apenas um terso da popu- lina se dedicava 3 agriculeura; enquanto no menos que dois festavam fora de qualquer produsio econdmica direta —um “seror .chado na Espanha absolutista, prefigurando jo” prematuro ¢ in Vilas, Ory mona, p.180-1 " on, La Campane de Nowe Cale ata fin du XVIe stele, p.257-8, 266. Sobre 538, ver p27, 243-4, 250. obrigagBese cobs - 97 Perry Anderson a estagnagio secular que estava por vit” Mas o dano maximo causado pelo vinculo colonial nao se limitou 4 agricultura, ramo dominante da produgio doméstica naquela época. Pois o influxo dos metais do Novo Mundo também acarretou um parasitismo que foi minando e paralisando as manufacuras em terra natal. A inflagio galopante elevou os custos de produsio da inddstria téxtil, que operava dentro de limites técnicos bem estreitos,a tal ponto que os tecidos castelhanos acabaram chegando a pre G08 que os tiraram tanto do mercado colonial quanto do metropolitano, Atravessadores holandeses e ingleses comegaram a pegat a melhor fatia da demanda americana, enquanto produtos estrangeiros mais baratos inva dram a propria Castela. Assim, ao fim do século, os téxteis castelhanos se tornaram vitima da prata boliviana. Um brado entio se elevou: Esparia son las Indias del extanjero. A Espana era a América da Europa, um escoa douro colonial para produtos estrangeiros, Dessa mancira, o esplendot do tesouro americano, em iiltima instincia, arrasou a economia agritia ¢ tencial produtivo de Castela foi sendo minado pelo mesmo aes a também a urbana, como lamentaram inimeros contemporineos. injetava recursos no aparato militar, com vistas a aventuras sem preceden- tes no exterior. . ' Ainda assim, houve uma intima ligacio entre os dois resultados. Pois, se © império americano trouxe ruina para a economia espanhola, foi o Império Europeu que arruinou o Estado Habsburgo, ¢ um tornou finan- ceiramente possivel a extensa luta pelo outro. Sem os carregamentos de metais para Sevilha, 0 colossal esforgo de guerra de Filipe II teria sido impensivel. No entanto, esse mesmo esforgo viria a derrubar a estrutura original do absolutismo espanhol. O longo reinado do rei Prudente, que 19 Foi um historiador portugués que sublinhou as implicasBes desse extraordinsrio peo ocopconal qu cleared ale também pra Pru Godin Pessoal p98 Ca Mp oki cas trp pica eno da pro combed quale voi pr mi delcmen e ono rola eatin cnet ns epee aleogs pre 20 Sena aen do couempeans et Yiekda do ci XVllvert sagen ens de Vi Le Temps d Quiche, Ep, XXXIV 1996 p36, 26. Linens do Estado absoltista a segunda metade do século XVI, no chegou a ser um de fracassos externos, apesar das imensas despesas e dos que colecionou na arena internacional, Na verdade, seu info foi diferente do de Carlos V: éxito no sul, derrota no errdineo, a expansio naval turca foi definicivamente con- .-no ano de 1571, uma vit6ria que, dai em diante, con! ‘otomanas a suas éguas nacionais. Sem maiores transtornos, dindstica e uma invasio oportuna incorporaram Portugal burgo: sua absorcio acrescentou as mumerosas possessdes na Africa ena América is colénias hispinicas nas indias. jo ultramarino espanhol aumentou com a conquista das Pacifico —a mais ousada colonizacio do século, em termos lturais. © aparato militar do Estado espanhol se aprimo- grau de pericia e eficécia, sua organizagio € seu sistema ‘se tornaram os mais avancados da Europa. A tradicional bidalgescastelhanos em servir nos tris enrijeceu seus regi- {taria,!! a0 mesino passe que as provincias da Ilia e da de av as politicas internacionais dos Habsburgo; sintomatica- fam ser uma reserva confiivel de soldados, quando ni ‘0s contingentes multinacionais de seus exércitos combatiam fexterior do que em solo nativo, sua prépria diversidade permi- telativamente menor de dependéncia em relagio a mercenérios Pela primeira vez.na Europa moderna, conseguiu-se manter sexército regular a uma grande distancia da pétria imperial, por fio. A partir da chegada de Alba, o Exército de Flandres teve em til homens, por todo o resto da Guerra dos Citenta Anos com ses — um feito sem precedentes.** Por outro lado, a presenga 1¢ dessas tropas nos Pafses Baixos contou sua propria histéria. onde jf ressoava o descontentamento com as exagbes fiscais ¢ a8 neta caracterfstica, Alba comentou: "Em nossa nagio, nada é mais impor- {que introduzir cavalheios e homens de posses na infantaria, para que nem Mino se deixe nas mafos de trabathadorese lacaios”. Parker, The Army of Flanders and “We Spish Rod, p41 Parkes Th Ary of Flanders andthe Spanish Road, p.27-81 29. Perry Anderson perseguigdes religiosas de Carlos V, explodiu naquilo que viriaa ser a pri- meira revolugio burguesa da histéria, sob a pressio do centralismo tri- dentino de Filipe IIA revolta dos Paises Baixos imps uma ameaga direta 2 interesses vitais dos esp: dis, pois as duas economias — intimamente ligadas desde a Idade Média ~ eram bastante complementares: a Espanha exportava ld e metais preciosos para os Pafses Baixos ¢ importava téxteis, ferragens, grios e provisdes navais. Além disso, Flandres assegurava 0 cerco estratégico 3 Franga e, portanto, era peca-chave da supremacia inter nacional dos Habsburgo. Mesmo assim, a despeito dos imensos esforcos, © poder militar espanhol foi incapaz de quebrat a resisténcia das Provin cias Unidas. Mais ainda, intervengio armada de Filipe II nas Guerras Re- ligiosas da Franca e seu ataque naval a Inglaterra ~ duas extensdes fatais do palco de guerra original em Flandres ~ foram repelidos: a dispersio da Armada ¢ a ascensio de Henrique IV matcaram a dupla derrota de sua politica expansionista no norte. Apesar de tudo, o balango internacional a0 fim do reinado ainda parecia formidivel ~ o que seria um perigo para seus sucessores, ans qais legou, tinental. O sul dos P; 260, um sentimente de estatura con Baixos foi reconquistado e fortificado. As fro- tas luso-hispinicas se reconstituiram rapidamente depois de 1588 e, com sucesso, detiveram os ataques ingleses as rotas de metais no Atlintico. Em Altima instancia, a monarquia francesa ficou de fora do protestantismo Em terra natal, por outro lado, o legado de Filipe II foi mais visivel mente sombrio na virada do século XVII. Agora Castela tinha, pela pri meira vez, uma capital estivel em Madti, o que facilitava o governo central © Conselho de Estado —dominado pelos “grandes do reine” e envolvido com as questées maiores da organizacio poli era mais que contra- balangado pela grande importincia do secretariado régio, cujos diligen- tes funciondrios-juristas forneciam ao monarca, preso no escritério, as ferramentas burocrit as que the eram mais convenientes. A unificagio administrativa dos patriménios dinasticos, porém, nio se deu com consis téncia, Reformas absolutistas se impuseram nos Paises Baixos, onde acaba- ram em desastre, ¢ na It onde tiveram um nivel modesto de éxito. Mas, na peninsula ibérica em si, nem se tentou seriamente nenhum progresso 1na mesma diresio. A autonomia juridica ¢ constitucional de Portugal foi 80 Linhaons do Estado absslutista xe respeitada; nenhuma interferéncia castelhana pertur- tradicional dessa aquisigio ocidental, Nas provincias orien jcularismo aragonés fez uma provocagio truculenta ao rei, atris de levantes armados Antonio Perez, 0 secretério que justica régia; em 1591, uma forga invasora subjugou essa fla- 40, mas Filipe se absteve de qualquer ocupagio permanente Perdeu-se, ‘e de maiores modificagdes em sua constituicio. ne, a oportunidade de uma solugio centealista. Enquanto do século, a si deteriorava de maneira ameagadora. Os carregamentos de prata wuidos recordes entre 1590 € 1600: mas agora os custos de sagio econdmica, tanto da monarquia quanto aumentado tanto que se decretou em Castela 0 millones posto sobre © consumo, que recafa essencialmente sobre os feque,a partir de entZo, fi mais um fardo pesado nas costas dos pobres das cidades e dos campos. Ao fim de seu reinado, as is de Filipe I haviam mais que quadruplicado:** ainda assim, ‘ficial o alcancou em 1596. Trés anos depois, a pior peste da {eu sobre a Espanha, dizimando a populagio da peninsula, gio de Filipe II se seguiram a paz coma Inglaterra (1604), uma rota (1607) e, mais tarde, a relutance assinacura de uma tré- Holanda (1609). © novo regime era dominado pelo aristocrata 1 que estabelecera ascens Lerma, um privado rivolo € ve sobre o rei. A paz trouxe consigo uma corte prédiga ea multi- ss honrarias; a influéncia abandonou o antigo secretariado, e a ‘eastelhana se congregou mais uma vez:no centro do Estado, agora 1. As duas tinicas decisées governamentais de Lerma dignas de 10 uso sistemstico das desvalorizagdes para aliviar as finangas Jnuindando o pais com o depreciado velln de cobre, ea expulsio em aoriscos da Espanha, 0 que s6 serviu para enfraquecer as econo- de Aragio e Valencia: a inflagio dos precos ea falta de mio de reducir os poderes da Diputacié local (oncle a norma cdo departamento de Justia além de inttoduzitv Aragio. dh Spin under th Habsburg, 2, ps12-3. Perry Anderson obra foram os resultados inevitéveis. Muito mais grave no longo prazo, porém, foi o deslocamento silencioso que agora acontecia em toda a rela- ‘cio comercial entre a Espanha e a América. Desde 1600, as coldnias ame- ricanas vinham ficando cada vez mais autossuficientes quanto aos bens primérios que tradicionalmente importavam da Espanha (gros, azcive ¢ vinho), e agora os tecidos risticos também comegavam a set produzidos no local; a construgio naval se desenvolvia com rapidez e 0 comércio inter colonial prosperava. Essas mudangas coincidiram com o crescimento de uma aristocracia crioula nas colénias, cuja riqueza derivava mais da agri: cultura que da mineragio.”’ As minas estavam em profunda crise desde a segunda década do século XVIL. Em parte por causa de um colapso demo. _grifico na forga de trabalho indigena, devido as epidemias devastadoras ¢ superexploragio dos trabalhadores debaixo da terra, em parte por causa ca exaustio dos veios, a produgio de prata comecou a cait. O declinio que se segui ao auge do século anterior foi, de inicio, gradual. Mas a composigio ea direcio do comércio entre o Velho e o Novo Mundo foi se alterando de ‘maneira irreversivel, em detcimento de Castela. © padrdo das importacoes coloniais foi se deslocando para bens manufaturados mais sofisticados, os quais a Espanha nao conseguia oferecer e que mercadores ingleses e holan. deses traziam de contrabando; 0 capital local passou a se reinvestir no local, em vez de se transferir para Sevilha; e a navegagio nativa americana ia aumentando sua participagio nos fretes atlinticos. O resultado Kiquido foi um decréscimo calamitoso no comércio espanhol com suas possess americanas, cuija tonelagem total caiu 60% entre 1606-1610 ¢ 1646-1650. Nos dias de Lerma, as consequéncias tiltimas desse processo ainda se cescondiam no futuro. Mas jé cram visiveis o relative declinio da Esp: nha nos mares ¢ a ascensio das poténcias protestantes da Inglaterra e da Holanda, as suas custas. A reconquista da Repiblica da Holanda ea inva sio da Inglaterra haviam fracassado no século XVI. Mas, desde aquela data, os dois inimigos marftimos da Espanha tinham ficado mais préspe ros ¢ poderosos, enquanto a religito da Reforma continuava a avangar na Europa central, A cessagio das hostilidades durante uma década sob Lerma 25 Lynch, Spain wider the Habsburgs, 2, p11 as Linbagens do Estado abeolaisia ,Portanto, para convencer a nova geragio de diplomatas e generais Zuniga, Gondomar, Osuna, Bedmar, Fuentes ~ de que, se a cara, a Espanha também nio podia bancar a paz. A ascensio de trazendo o poderoso conde-duque de Olivares para o centro de Madri, coincidiu com a sublevagio do ramo austriaco da familia tas terras da Bomia: surgiu-lhes, entio, a chance de esmagar 0 smo na Alemanha e acertar as contas coma Holanda — um obje- lacionado, por causa da necessidade estratégica de comandar 0 Reninia para os movimentos de tropa entre a Itélia e Flandres. rt europeia se desencadeou mais uma vez nos anos 1620, por fio de Viena, mas por iniciativa de Madri. O curso da Guerra Anos reverteu curiosamente 0 padrio dos dois grandes con- los pelas armas dos Habsburgo no século anterior. Enquanto Pilipe Il tinham conquistado vit6rias iniciais no sul da Europa rotas finais no norte, as forcas de Filipe IV alcangaram éxi- tno norte ¢ experimentaram desastres definitivos no sul. O ‘dh mobilizacio espanhola para esse terceito ¢ siltimo embate vel: em 1625, Filipe IV convocou 300 mil homens sob suas Estados boémios foram esmagados na Batalha da Monta- com 0 auxilio de veteranos e subsidios hispanicos, ¢ a causa leixou as terras tchecas de uma vez por todas. Com a captura pinola forcou o recuo dos holandeses. Em Nordlingen, sob o cardeal ;pela Alemanha, que havia ja derrotado os exétcitos da Liga e infante, os tercos espanhéis neutralizaram o contra- Mas foram justamente essas vitérias que, por fim, trouxeram a as hostilidades, inclinando 0 equilibrio militar contra a Espa- ira decisiva: a reacio de Paris a Nordlingen foi a declaragio ide Richelieu, em 1635. Os resultados logo ficaram evidentes ' retomaram Breda em 1637. Um ano depois, caiu Breisach estradas para Flandres. No ano seguinte, a maior parte da frota naufragou em Downs — um golpe muito’ pior para a marinha ddo que o destino da Armada, Por fim, no ano de 1643, em The Army of Flanders and Spans Ral. Perry Anderson Linkagens do Estado absoltista Rocroi, o exército francés acabou com a supremacia dos tries. interven: eontinuava fornecendo uma forga de trabalho inestimavel io militar da Franca Bourbon se provou muito diferente dos combates i; mas j4 nao Ihe rendia dinheiro."* Navarra, Aragio e Valéncia Valois do século anterior: agora, a nova natureza e 0 peso do absolu no maximo, em fazer pequenos empréstimos & dinastia, em tismo francés € que iriam englobar a queda do poder imperial espanbiol incia. Catalunha ~ regio mais rica da parte oriental do reino - is parcimoniosa de todas — nfo pagava nada e no permitia posto fosse gasto e nenhuma tropa Fosse empregada para fronteiras. O prego histérico do fracasso do Estado Habs- mizar seus reinos jé estava patente no infcio da Guerra dos Giente dos graves riscos da falta de uma integragio central na Europa. Se, no século XVI, Carlos V e Filipe II haviam se beneficiado da fragilidade interna do Estado francés ¢ se valido de desentendimentos provinciais para invadir a Franga, os fatores agora se invertiam: maduro, © absolutismo francés se mostrava capaz de explorar a sedigio aristocri spanha tica 0 separatismo regional na peninsula ibérica para invadir a Es Nos anos 1520, tropas espanholas haviam marchado sobre a Provenca. Nos Estado e da proeminéncia isolada e perigosa de Castela em Olivares propusera a Filipe IV, em um memorando secreto teforma abrangente de toda a estrutura ~ uma equalizagao 1590, sobre Languedoc, Bretanha e fle de France, com a alianga ou as boas -vindas de dissidentes locais. Na década de 1640, navios e soldados fran: «ceses lutavam juntos com rebeldes anti-Habsburgo na Catalunha, Portugal encargos fiscais e das responsabilidades polfticas entre ‘e Nipoles: 0 absolutismo espanhol estava acuado em seu proprio terreno, Patrim6nios dinisticos, © que daria aos nobres aragoneses, lianos um acesso regular aos mais altos postos do servigo de uma distribuigio mais equanime do fase Pois a longa cadeia de conflitos internacionais no norte acabou por manifestar na prépria peninsula ibérica. Foi preciso declarar a faléncia ibuvétio e do Estado, mais uma vez, em 1627; 0 vellén se desvalorizou em 50% no de leis uniformes, que seguiriam o modelo das de Castela.” ano de 1628; seguiu-se uma queda brusca no comércio transatlantico em ile absolutismo unitério era ousada demais para se expressar s por medo das reagdes castelhanas ¢ no castelhanas. Mas preparou um segundo projeto, mais limitado, a "Unio | para a criagio de um exército de reserva em comum, com 140 1629-163 1; as frotas de prata deixaram de chegar em 1640.”” Os enor: mes custos de guetta acarretaram novos impostos sobre o consumo, c tribuigdes do clero, confiscos dos juros de titulos pablicos e captura dé carregamentos privados de metais, além de inchago nas vendas de hon faser mantido recrutado em todas as possesses espanholas, rias e, em especial, de jurisdigées senhoriais 3 nobreza. Mas todos esses [conjunta. Esse esquema, proclamado oficialmente em 1626, rectrsos continuaram insuficientes para levantar as somas necessirias 40 com negativas pelo particularismo tradicional, Mais do que prosseguimento das batalhas, pois suas despesas ainda recafam clusivamente sobre Castela, Portugal nio rendia nenhuma receita a Madti, “ 108 finances das possesses italanas, ver: Dominguez Ortiz, Pl: de Fle IV, p.161-4. Em geral,o papel da parte italiana do Império a Europa tem sido pouco estudado,embora gj evidente que nenhuma atisatia do sistema imperial como um todo possa ser possvel sem que fees lacuna ‘uma vez que as subsidios locais se restringiam aos objetivos de defesa das coldnias portuguesas. Flandres era cronicamente deficitaria. No século anterior, Népoles e Sicilia haviam contribuido com excedentes modestos mas respeitaveis para o tesouro central. Agora, porém, 0 custo pata f f discusso sobre esse esquema é de Elliot, Th Revel fth Catalans, p.199 cobertura de Milo e manter os presios na Toscana absorvia todas as rece inguez argumencou que Olivares ndo tinha win politica interna e se spava exclusivamente com os negécios exteriores: Dominguez, Le seiedad yc sglo XVF, v1, p.15. Esse ponto de vista & desmentid, canto por suas is domésticas anteriores quanto por suas recomendagSes no memorando 27 Elliot, Imperial Spain, p 348 4. tas, apesar do aumento de impostos, ce vendas de cargos e de alienagbes de Perry Anderson Linbagens do Estado absolut qualquer outro, a Catalunha recusou qualquer relagio com ele e, na priv dado leste, onde as forcas franco-catalis safram vito- tia, o esquema permaneceu letra morta. ale posté-los no relativamente desmilitarizado oeste.”* Oli- Mas, 3 medida que 0 conflito militar prosseguia e que a situagio esp 1643; quatro anos depois, foi a vez de Népoles e Sictlia se hola piorava,as presses para se arrancar alguma ajuda catald iam ficando espanhol. © conflito europeu exauriea o erério piblico cada vez mais desesperadas em Madri. Olivares decidiu entio forgar 4 ddo Império Habsburgo no sul e desintegeara sua compé: politica. No cataclismo da década de 1640, enquanto a ada na Guerra dos Trinta Anos e se seguiam a faléncia, Woamento € a invasto, era inevit4vel que a colcha de reta- entrada da Catalunha na guerra, atacando as fronteiras do sudeste da Franga em 1639, 0 que colocava, de fato, a provincia no cooperativa linha de frente das operagdes espanholas. Essa jogada temerdria saiu pela culatra, desastrosamente.'® Morosa, paroquial, faminta por cargos remit Wonios dinasticos se esfarrapasse: as revoltas secessionis- |, Catalunha e Népoles foram o atestado de enfermidade do wnhol. Ele se expandira ripido demais, cedo demais, gra- nerados ¢ As voltas com o banditismo das montanhas, a nobreza catali se enfureceu com os comandantes de Castela e com as baixas softidas contra 6s franceses. O baixo clero incitou o fervor regionalista. Assolado pelos tultramarina, sem jamais cer completado suas fundagées confiscos e aquartelamentos, 0 campesinato s¢ levantou contra as trop.sy em uma insurreigio difusa. Trabalhadores rurais e desempregados aflul- losio da Fronda salvou a Catalunha ea Itdlia para a Espa- , ocupado com suas préprias turbuléncias domésticas, imeira. depois de 0 baronato napolitano ter redescoberta soberano na segunda, onde os pobres rurais e urbanos ha- ram para as cidades ¢ iniciaram motins violentos em Barcelona e outsos centros."' A excegio de um punhado de magnatas, a Revolugia Catali de 1640 juntou os descontentamentos de todas as classes sociais em uma explosio incontrolivel. © poder Habsburgo sobre a provincia se desin tegrou. Para decapitar os perigos do radicalismo popular ¢ impedir uma fem uma ameacadora revolta social, o que abreviou a inter- A guerra, no entanto, se arrastou por mais quinze anos, reconquista castelhana, a nobreza e 0 patriciado se abriram para a ocupa da retomada da Gltima provincia mediterranea — contra gio francesa. Por uma década, a Catalunha foi um protetorado da Franca, franceses, ingleses e portugueses. Na década de 1650, ocor- ‘perdas em Flandres. A lenta tentativa de reconquistar Por- mais que todas as outras. A essa altura, a classe de bidalgos i tina perdido © gosto pelo campo de batalha; a desilusio universal entre os hispinicos. As derradeiras campanhas fron- Enquanto isso, do outro lado da peninsula, Portugal armava sua propria revolta, poucos meses depois da rebelio catala. A aristocracia local, res sentida com a perda do Brasil para os holandeses e segura dos sentimen tos anticastelhanos das massas, nio teve dificuldades em reafirmar sua independéncia, pois Olivares cometera a tolice de concentrar os exércitos travadas, sobretudo, por recrutas italianos, com o reforso itios irlandeses e alemies."? Seu Gnico resultado foi a ruina de de Estremadura e a redugio das financas governamentais a um |poso de déficie e incivil manipulagio. A paz ea independéncia de [46 foram aceitas em 1668. Seis anos depois, a Franga ganhou 0 30 Olivares sabia da magnitude dos riscos que estava asstiminda: "Minha cabes pode suportar a luz de uma vela ou de uma jancla[..]A0 meu ver, ss0 po a perder, irremediavelmente, ou seré sslagio da lavoura. Af vio reigito, sos tentando. Melhor smais justo, morrr que ear sob o dominio dos outros, sobretudo de hetegs, cm considero serem os franceses. Ou tudo esté perdido, ou Castla seria cabecs ‘mundo, como js oda Monarqua de Vossa Majestade”, Olivares apad Elliot, Ti ez Ortiz, Th olden Cem of pan 1556-1659. 103 Rew ofthe Catalans, 9.310. Spin under the Habsbugs, v2, p. 122-5; Dominguez Orci, The Golden Century 31 Elliot, The Rl of he Calan, 460-8, 478-6, 486-7, mp 39-40. glo, tudo, e, senossa fora ndo for suficiente, que mat a. —_— Perry Anderson Linhagens do Estado absolutista Franco-Condado. O reinado paralitico de Carlos IT testemunhou a recaps competente e lucrativo. De fato, foi nesse século que tura do poder politico central pela classe dos “grandes do reino" 1 emergi uma Espaia coesa ~ oposta 3 semiuniversal dos Habsburgo."* ho da burocracia carolina que racionalizou o Estado espa- zguraram o dominio direto do Estado com o putsch aristocritico de 1 quando Dom Joio José da Austria — seu candidato a regéncia — liderou com éxito um exército aragonés até Madi, E também experimentou a mais tevitalizar a sociedade espanhola, Era tarde demais para sombria depressio econdmica do século, com fechamento de indiistrias, 0 Iimento comparével 20 da Franga ou da Inglaterra. A outrora colapso da moeda, o retorno a permuta de bens, a escassez de alimentos ¢ cos motins pelo pio. Entre 1600 e 1700, a populagio total da Espanha caiw de 8,5 milhoes para 7 milhdes —o pior recuo demogrifico do Ocidente. Ao fim do século, 0 ha houvesse uma efetiva recuperaga 11 milhdes de habitant uma consideravel extensio do ido Habsburgo estava moribundo: toda chancel is, apenas 60% da populacio ainda trabalhava na agricul faturas urbanas tinham sido praticamente extirpadas da metropolitana. Depois do ‘ocorreu um novo boom da prata mexicana no século XVII, crangeira apenas aguardava seu desaparecimento na figura do fantasm rico governante Carlos II, El Hecbizedo, 0 Encantado, como sinal de que a apso das minas americanas Espanha se tornaria espélio da Europa. Na verdade, o desfecho da Gi absolutis xa de Sucessio Espanhola renovou 0 fa de uma inddstria doméstica de tamanho consideravel, 10 em Madri, a0 destruir seus ingoverndveis prolongamentos sate beneficiou mais a expansio francesa que a espanho- Os Paises Baixos ea Inia estavam perdidos. Aragio ¢ Catalunha, que ha ‘eomo antes, o capital local se desviava para as rendas pablicas ‘0, foram derrotados ¢ subjugados na |. Em termos numéricos, a administragio do Estado nio era guerra civil dentro da guerra internacional. Uma nova dinastia francesa se instalou, A monarquia Bourbon alcangou aquilo que os Habsbui viam apoiado © candidat a , mas continuava repleta de empleomania, a caga aos cargos na hava pequena nobreza empobrecid. No sul, os vastos lati tivados por turmas de trabalhadores proporcionavam fortunas grande nobreza estagnada,fixa nas capitais das provincias.” A iio tinham conseguido. Os “grandes do reino”, muitos dos quais haviam desertado para 0 campo anglo-austrfaco durante a Guerra de foram subordinadoseexlldos do poder central Importandoas experién rmetade do século, ocorreu um refluxo da alta nobreza para os car- cias € t6enicas muito mais avangadas do absolutismo francés, funcion inis,enquanto as Facges “civil” e “militar” se digladiavam pelo rios civis expatriados criaram um Estado uniério ¢ centralizado no século Madri: 0 mandato do aristocrata aragonés Aranda correspondeu XVIIL Os sistemas de estados de Aragio, Valéncia ¢ Catalunha foram climinados e scus particularismos, suprimidos. Para o governo uniforme das provincias, introdu: © 0 dispositive dos intendantsrégios. O exército Tessa época que se adotaram uma bandeira € um hino nacionais. © dio de inguer é bastante caro: Menor que oimpério, maior ue Castel, a Espana Jaa criagio de nosso século XVIII surgi da névoacadquiria uma forma sida Tangled [A época da Guerra de Independénca, a imagem simbsiae plis- da nagio que conhecemos hoje jf estva essencialmente completa". Domin- Ortiz, Laid pole nel slo XVII, 41.48: 0 melhor trabalho sobre 0 priodo. Ory monde, p-515-7, 348-61 HH ir memorivel retrato dessa classe em: Care, Spain. In: Goodwin (Ong), The Buropean Nobility the Eigheent Century. p43-59. se remodelou e se profissionalizou drasticamente, com uma base parcial: mente reerutada e um comando rigidamente aristocritico. A administragio colonial se recrudesceu ¢ se reformout livre de suas possesses europeias, 60s Bourbon demonstraram que a Espanha podia conduzir ses impé 34 Ver: Kamen, The War of Suceson n Spain 1900-1715, p.84-117. O principal argu eto da nova achministeagio foi Bergeyck, um flamengo Bruelas p. 88 89 Perry Anderson 20 ponto mais alto da influéncia direta dos magnatas na capital."* Mas 9 impeto politico da nova ordem jé estava se esgotando. Ao fim do século, a prdpria corte Bourbon se encontrava em uma decadéncia plena, que lembrava a de sua predecessor, sob o controle corrupto e negligente de Godoy, o tiimo privado. Os limites do reflorescimento do século XVII, cujo eptlogo foi o ignominioso colapso da dinastia em 1808, sempre est veram evidentes na estrutura administrativa da Espanha Bourbon. Pois, mesmo depois das reformas carolinas, a autoridade do Estado absolutista se deteve no nivel municipal, em vastas 4reas do pai Até a invasio napo. le6nica, mais da metade das cidades da Espanha nao estavam sob jurisdi so monérquica, mas sim senhorial ou clerical. O regime dos setrfos, uma relfquia medieval datada dos séculos XII e XIII, tinha mais importincia econdmica que politi para os nobres que controlavam essas jurisdicées senta tuma evolugio muito distinta do padrio hispanico. ainda assim, cal regime lhes rendia nfo apenas lucros, mas também poder administrative e judicisrio no local.” Essas “combinagdes de soberania ¢ propriedade” eram reflexo de uma cloquente sobrevivéncia dos scnhorios territoriais na época do absolutismo. Na Espanha, o Ancien Régime preser= vou suas rafzes Feudais até o dia de sua morte. 38 Dominguez Ortiz, La seriedad spare en cl siglo XVII, p.93, 178 39 Dominguez oferece uma ampla pesquisa sobre todo 0 padtio dos series em seu capitulo: El ocaso del régimen seforial. In 1 scedad expla eno ilo XVII, p.300-42, no qual ele os descreve com a frase citada acima, absolutismo nio gozou de vantagens iniciais como as que tna forma de um lucrative império ulteamarino, Por outro ste de diversos reinos em terra natal, com legados politicos e Inflo se confrontou com os permanentes problems jente contrastantes. A monarquia Capeto, como vimos, estendendo seus direitos de suserania para além de sua na Ile de France, em ur movimento geadual de unificagio longo da Idade Média, até que pade abranger de Flandres Bla nunca teve de enfrentar dentro da Franca outro reino ‘mesma estatura feudal: A parte © pequeno Estado semi-ibé- i, NOS remotos Pirineus, havia apenas uma realeza nas terras dlucados ¢ condados mais distances sempre juraram vassa- 114 dinastia central, mesmo que, de inicio, fossem vassalos que seu suserano régio —o que permitiu uma hierarquia ira facilitar a posterior integeagio politica. Embora persis- wuadas, as diferengas sociaise lingufsticas que separavam o jamais foram tao grandes quanto as que afastavam o leste do spanha, Para a sorte da monarquia, o idionia eo sistema legal do Midi no coincidiam com a principal fissura militar e diplo- dividiu a Franga no diltimo periodo da Idacle Média: a Casa de maior poder rival da dinastia Capeto, era um ducado do norte.

Évaluer