Vous êtes sur la page 1sur 1

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

FACULDADE DE MEDICINA
DEPARTAMENTO DE ANATOMIA PATOLÓGICA E MEDICINA LEGAL
DISCIPLINA: PATOLOGIA APLICADA II, PATOLOGIA PULMONAR
PROF. RESPONSÁVEL: DR. EDUARDO ANTONIO G. RAMOS

EXERCÍCIO ANÁTOMO-CLÍNICO II
IDENTIFICAÇÃO: RFN, 39 anos, masculino, branco, solteiro, 2º grau completo, católico,
professor natural de Itapetinga e proveniente de Itamaraju.
Data da observação: 16/05/01.
QP: Dispnéia aos esforços habituais, tosse e expectoração hemoptoica há +/- 5 meses.
HMA: Informa o paciente que há +/- 5 meses apresentou tosse, febre diária em episódios,
hemoptise e dispnéia aos grandes esforços. Procurou facultativo em sua cidade onde
realizou PPD, sendo este não reator, e raio X de tórax, quando foi diagnosticado
Tuberculose Miliar e prescrito esquema 1 de tuberculostático. Após 2 meses do
tratamento realizou novo raio X sem melhora do quadro e após 3 meses encerrou o
mesmo com melhora da febre. Procurou novamente o facultativo em sua cidade
sendo internando e iniciado tratamento com esquema 1–R, tendo alta após 9 dias.
Com mais 2 meses apresentou piora do quadro com dispnéia aos pequenos esforços
e manutenção dos outros sintomas sendo encaminhado ao HOM. Nega patologias
pneumônicas prévias e contato com portador de Tuberculose.
IS: Perda de peso +/- 16 kg nos 5 meses. Presença de lesões em pele em dorso da mão
direita, coxa direita e tórax.
AM: Varicela, Sarampo e Varicela na infância, Tifo aos 13 anos. Nega cirurgias,
hemotransfusão, DST, DM, HAS, alergias, asma e cardiopatias. Epidemiologia
positiva para Chagas, Esquistossomose, DST.
HV: Tabagismo desde os 28 anos (6 a 7 cigarros/dia).
AF: Mãe falecida aos 76 anos devido a CA de osso, pai vivo portador de HAS, DM.
Exame Físico: Paciente LOTE, BEG, REN, acianótico, taquipneico, anictérico, corado; T= 35,5º
C; PR= 76 BPM; TA= 110/70 mmHg; peso = 43kg; altura = 1,70m; IMC= 14,87
Kg/m2.
Boca: Presença de placas esbranquiçadas em base da língua, sugestivo de Moniliase Oral.
Pescoço: Presença de linfadenomegalia em região supraclavicular direita.
Pele: Presença de lesões em dorso da mão direita, face posterior da coxa direita, região
esternal de +/- 1cm de diâmetro, avermelhadas com elevação da pele de +/- 3 mm e
na pálpebra inferior esquerdo presença de lesão ulcerativa.
AR: MVBD com sibilância em HTE e 1/3 inferior do HTD.
ACV: BRNF, em 2t, sem sopros.
ABD: S/VMG, RHA presentes.

EXT: Perfundidas, sem edemas.

Foi submetido a exérese de linfonodo supraclavicular e à biópsia cutânea – a serem comentados.


Após o diagnóstico foi submetido a tratamento com franca resolução das lesões pulmonares e da
pele.