Vous êtes sur la page 1sur 43

1

ESCOLA DE DISCÍPULOS
Chamados para Servir

Módulo 4
2

ESCOLA DE DISCÍPULOS
Chamados para Servir

Módulo 4

Nome do discípulo
3

APRESENTAÇÃO
Amados irmãos,

Nos três primeiros Módulos abordamos assuntos referentes aos


Fundamentos da Fé Cristã, ao amadurecimento da vida cristã e como nos
prepararmos para a batalha espiritual que nos cerca.
Nesse Módulo 4 iremos aprender sobre a importância de
compreendermos o nosso chamado para servir ao Senhor com tudo o que
temos e o que somos. O Espírito Santo capacitou ao Corpo de Cristo
distribuindo muitos dons para a edificação da Igreja, e a visão correta para a
manifestação dos dons é que cada cristão possua em sua vida o Fruto do
Espírito, pois é o alicerce essencial em nossas vidas.
A cultura moderna cada vez mais tem nos influenciado a extrairmos o
máximo da vida, mas não temos sido ensinados a nos doar. Mas quando nos
entregamos totalmente ao Senhor encontramos um sentido muito mais pleno
para as nossas vidas do que buscarmos apenas nossos interesses.
A Palavra de Deus nos ensina que Ele nos criou para realizamos as
“boas obras”, e essas boas obras são nosso trabalho ou o nosso serviço que
devemos realizar para Ele. (Ef 2.10). Como é maravilhoso saber que Ele nos
inseriu nos seus planos eternos para participarmos de maneira singular. Nós
fomos salvos por Jesus para o servirmos, e isso é um privilégio enorme.
Se ainda estamos nessa terra é para adorá-lo e servi-lo. Como membros
do Corpo de Cristo, somos “suas mãos, seus braços, os seus pés...” Há
muito trabalho a ser realizado, mas ainda há poucos trabalhadores, todavia
somos advertidos a orar ao Senhor da Seara que envie trabalhadores para a
sua Seara. Se amamos a Deus, e temos convicção que somos seus filhos e
fomos chamados para servir, vamos dizer a Ele: ““Eis me aqui”. Essa é a
verdadeira oração de um servo.
Tudo o que temos é para compartilharmos com aqueles que estão ao
nosso redor, ninguém é abençoado somente para si, uma vida prospera é
quando todos ao seu redor são abençoados. Os verdadeiros servos são
aqueles que o Senhor investe suas vidas cada vez mais.

Gosto muito dessa frase do pastor Sóstenes Mendes que resume bem o
nosso propósito: “A única missão da Igreja é a transformação de vidas,
desde o testemunho, a conversão, passando pelo discipulado e
crescimento, até os frutos maduros. Para o cumprimento desta missão,
todos nós precisamos exercer nossos dons espirituais e naturais. Desta
forma o Senhor vai fluindo na comunhão, nos vínculos, edificando a cada
um”.

Pr Pastor Fernando Freitas

Curitiba, dezembro/ 2015


4

ÍNDICE
MÓDULO 4 – CHAMADOS PARA SERVIR

APRESENTAÇÃO .............................................................. 3

Lição 25 Qual a nossa missão................................................ 5

Lição 26 Servir é uma grande oportunidade.......................... 9

Lição 27 Vão e produzam frutos............................................. 13

Lição 28 Descobrindo nossos dons....................................... 17

Lição 29 Dons ministeriais e espirituais – PARTE 1............. 21

Lição 30 Dons ministeriais e espirituais – PARTE 2............. 25

Lição 31 Teste dos dons espirituais....................................... 32

Lição 32 Conheça o seu temperamento................................. 39

Referências .......................................................................... 43
5

ESCOLA DE DISCIPULOS
Lição 25 – Qual é a nossa Missão.

Porque somos criação de Deus realizada em Cristo Jesus para fazermos boas
obras, as quais Deus preparou de antemão para que nós as praticássemos.
(Ef. 2.10)

Nós temos uma missão

Precisamos aprender algo muito


importante e que fará toda a diferença em
nossas vidas. “Deus nos criou para que a
nossa vida fizesse diferença”. Vivemos em
uma cultura onde aprendemos que o nosso
significado está nas nossas posses, nas nossas
conquistas profissionais ou acadêmicas ou em
outros valores passageiros.

Somos condicionados extrair o máximo possível da vida, mas não


instruídos a nos doar. Mas a Palavra de Deus nos ensina que Ele nos criou
para realizamos as “boas obras”, e essas boas obras são nosso trabalho ou o
nosso serviço que devemos realizar para Deus.

Algumas vezes enfrentamos uma crise dentro de nós quando


começamos a desenvolver o nosso trabalho para o Senhor, sentimos muitas
vezes que não estamos sendo reconhecidos e isso por vezes pode nos
desanimar, porém o verdadeiro sentido do nosso serviço ao Senhor é que
devemos fazer primeiramente a Ele, e isso muda todo o sentido de nossas
vidas.

Tudo o que fizerem, façam de todo o coração, como para o Senhor, e não
para os homens, sabendo que receberão do Senhor a recompensa da
herança. É a Cristo, o Senhor, que vocês estão servindo.
(Colossenses 3. 23-24)

O nosso serviço ao Senhor não pode se tornar um jugo, ou um peso,


mas devemos fazer com toda a alegria e dedicação, porque nós sabemos para
quem estamos trabalhando. Lembre-se do que Jesus disse: “Porque tive
6

fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era


estrangeiro, e hospedaste-me; Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e
visitastes-me; estive na prisão, e foste me ver. Então os justos lhe
responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de
comer? ou com sede, e te demos de beber? E quando te vimos
estrangeiro, e te hospedamos? ou nu, e te vestimos? E quando te vimos
enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te?
E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o
fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.
(Mateus 25. 35-40)
Nós fomos salvos por Jesus para o servirmos, e isso é um privilégio
enorme, a Palavra de Deus nos ensina que fomos comprados um alto preço, e
por isso, devemos glorificar ao Senhor com o nosso corpo. (1 Co 6.20).

Não devemos fazer nada ao Senhor pela obrigação, ou até mesmo pelo
medo de sermos punidos, isso é um jugo que o Senhor não quer seus filhos
carreguem, mas o seu desejo é que nós experimentemos a liberdade que há
em Cristo.

Depois do novo nascimento quando caminhamos pelo processo da


santificação, o Espírito Santo produz em nós um sentido pleno da vida, pois
sabemos que fomos perdoados e não temos mais nenhuma dívida, então o
nosso presente começa a fazer um grande sentido e quando olhamos para o
futuro reconhecemos a herança e o prêmio da nossa vocação em Cristo.

O inimigo tem enganado a muitos, convencendo-os de que não tem


qualidade alguma ou dons e talentos levando essas pessoas a viverem com
todo tipo de complexos e crises existenciais. Até mesmo dentro da Igreja, a
religiosidade, o mundanismo, levam muitas pessoas a não encontrarem a sua
função como membros do Corpo de Cristo, e muitos passam muito tempo da
sua vida sem saberem quais são os seus talentos, suas virtudes e seus dons
naturais e sobrenaturais para o uso a serviço e a edificação do Corpo de Cristo,
a Igreja.

As vezes carregamos alguns conceitos errados, até mesmo dentro de


uma cultura cristã equivocada o sentido verdadeiro de algumas palavras dentro
das Escrituras, e que por vezes isso nos distancia da essência do cristianismo
genuíno. A palavra ministro e servo são sinônimas, por isso, todos os salvos
em Cristo são ministros, e quando cada um de nós serve, na verdade está
ministrando, e quem recebeu um ministério da parte de Deus, deve servir ao
Corpo de Cristo.

O pastor Rick Warren foi bem claro quando escreveu: “Somos


abençoados para ser uma benção. Somos salvos para servir, e não para
7

ficar sentados esperando pelo céu”. Estamos ainda nessa terra para adorá-
lo e servi-lo.

Na carta de Coríntios, a Palavra de Deus nos ensina que somos o Corpo


de Cristo, e que cada crente é um membro desse Corpo, e todos os membros
são importantes e todos devem cuidar uns dos outros, por isso, podemos dizer
que somos “suas mãos, seus braços, os seus pés...” como alguns chineses
saúdam os novos convertidos: “Jesus agora tem um novo par de olhos para
ver, novos ouvidos para escutar, novas mãos com quais ajudar e um
novo coração para amar os outros”.

Não podemos cair na armadilha de medirmos “o valor” de cada


ministério, todos são importantes. Nós não somos apenas “ajudantes” ou
“voluntários” da obra de Deus, nós somos ministros do Deus Altíssimo. “Que
os homens nos considerem como ministros de Cristo e despenseiros dos
mistérios de Deus. Além disso, requer-se nos despenseiros que cada um
se ache fiel.” (1 Co 4.1-2)

Há muito trabalho a ser realizado, mas


poucos trabalhadores, Jesus disse: “A
seara é grande, mas os trabalhadores são
poucos. Peçam, pois, ao Senhor da seara
que envie trabalhadores para a sua
seara”. (Mateus 9. 37-38)

Não vamos ficar olhando a nossa Igreja local padecer, vamos nos
levantar e fazer algo. Devemos ter a mesma atitude que Jesus teve, Ele veio
para servir e não para ser servido. Muitos salvos em Cristo tem procurado
uma igreja que possa atender suas necessidades, ao invés de se
apresentarem como servos do Senhor e permitir que o Senhor os frutifique nos
lugares aonde Ele os colocou. Diga ao Senhor: “Eis me aqui”. Essa é a
verdadeira oração de um servo.

“Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei,
para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça, a fim de tudo
quanto pedirdes ao Pai ele vos conceda” (Jo 15.16)

Talvez você nunca ouviu alguém dizer: “quando eu me aposentar vou


dedicar um tempo da minha vida para ajudar a outros, ou quando eu tirar
minhas férias, vou dedicar alguns dias para pintar, ou reparar alguma
instituição de caridade...”. Atitudes como esta estão cada vez mais raras,
mas se você conhece alguém que verdadeiramente sirva, siga os passos
dessa pessoa.
8

“Se não tenho nenhum amor pelos outros, nenhum desejo de ajudar as
pessoas e me preocupo somente com minhas necessidades, deveria
questionar se Cristo está realmente na minha vida”. Rick Warren

Infelizmente vivemos e uma cultura onde as pessoas a cada dia mais


vivem para si mesmas. Todos prestarão contas a Deus pelas suas vidas, por
aquilo que fizeram com o seu tempo e com os seus recursos. A parábola dos
talentos nos ensina muito a respeito desse princípio. (Mateus 25. 14-30).

Certamente, um dia o Senhor perguntará a cada um de nós: “Filho, o


que você fez com os talentos que lhe dei?”.

Não viva apenas para si, mas doe-se, ame àqueles que estão a sua
volta. Lembre-se das Palavras do Mestre: “Porque qualquer que quiser
salvar a sua vida, perdê-la-á, mas, qualquer que perder a sua vida por
amor de mim e do evangelho, esse a salvará”. (Mc 8.35)

Se quisermos encontrar o sentido do nosso ministério para o Senhor


precisamos parar de dar desculpas. Enquanto focarmos nossa atenção em
nossas limitações, nos nossos problemas perderemos a grande oportunidade
de servi-lo com todo o nosso coração. “Servi ao Senhor com alegria; e entrai
diante dele com canto”. (Salmos 100. 2)

Tudo o que temos é para compartilharmos com aqueles que estão ao


nosso redor, ninguém é abençoado somente para si, uma vida prospera é
quando todos ao seu redor são abençoados. Os verdadeiros servos são
aqueles que o Senhor investe suas vidas cada vez mais.

“O único objetivo e alvo é me tornar mais semelhante a Jesus, agradando a


Deus, para ser sal e luz nesta terra. Quero produzir frutos, segundo a vontade
de Deus, frutos que permaneçam”!

O oposto do uso dos dons é o egoísmo, pois quando não usamos aquilo
que recebemos de Deus falhamos gravemente, em outras palavras não é justo
ficar observando meu irmão levando toda a carga sozinho, mas se sou servo,
devo ajudá-lo e completá-lo no Corpo de Cristo.

“A única missão da Igreja é a transformação de vidas, desde o testemunho, a


conversão, passando pelo discipulado e crescimento, até os frutos maduros.
Para o cumprimento desta missão, todos nós precisamos exercer nossos dons
espirituais e naturais. Desta forma o Senhor vai fluindo na comunhão, nos
vínculos, edificando a cada um”. Pr Sóstenes Mendes

Ler também: Romanos 1. 6-7; 2 Co 5. 18-20; Efésios 4. 4-14;


Filipenses 3. 13-14; 2 Timóteo 1.9; 1 Pe 2.9.
9

ESCOLA DE DISCIPULOS
Lição 26 – Servir é uma grande oportunidade

Pois nem mesmo o Filho do homem veio para ser servido, mas para servir e dar
a sua vida em resgate por muitos". (Marcos 10.45) NVI

Todas as nossas habilidades nos foram dadas por Deus, e tudo o que
fazemos deve ter como propósito, a glória de Deus. “Portanto, quer comais
quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de
Deus. (1 Coríntios 10. 31)

Deus distribuiu aos homens muitos dons e habilidades e cada um de nós


tem um lugar certo dentro do Corpo de Cristo para usar os dons e talentos que
Ele nos deu. A Bíblia diz: “E há diversidade de operações, mas é o mesmo
Deus que opera tudo em todos. (1 Coríntios 12.6)

Cada um de nós foi criado de uma forma singular, por isso, temos uma
“exclusividade”, e ninguém no mundo possui as mesmas características que
nós, o nosso Deus aprecia a diversidade. Devemos buscar diligentemente
descobrir qual é o propósito de Deus para cada um de nós. Ele nos deu
“pistas” para que possamos encontrar quais são os nossos dons.

Essas habilidades não nos foram


dadas apenas para que a usássemos em
nossas profissões, mas sim para que nós
pudéssemos exercer o nosso ministério.
A Palavra nos ensina: “Cada um
administre aos outros o dom como o
recebeu, como bons despenseiros da
multiforme graça de Deus. (1 Pedro
4.10)

A maneira como somos que tem a ver com a nossa personalidade


serão essenciais para o uso das habilidades que Deus deu a cada um de nós.
Não existe um temperamento “certo” e outro “errado”, todos são importantes
para dar um equilíbrio dentro do Corpo de Cristo.
10

E todas as experiências de nossas vidas serão usadas por Deus para


construir em nós o seu propósito, para que todos possamos caminhar em
maturidade, para que Ele possa reproduzir em nós a imagem do Seu Filho
Jesus.

Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o
amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.
Pois aqueles que de antemão conheceu, também os predestinou para
serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o
primogênito entre muitos irmãos. (Romanos 8. 28-29)

As experiências familiares, educacionais, espirituais, ministeriais e


também as experiências dolorosas nos prepararão para exercermos o nosso
ministério e com certeza as experiências mais dolorosas e difíceis são as mais
significativas em nossas vidas, e através das transformações que elas
produzem em nossas vidas, podemos ajudar outras pessoas a crescer
espiritualmente.

“Experiência não é o que acontece com você. É o que você faz com o que
acontece com você.” Aldous Huxley

Quando entendemos e aprendemos a “canalizar” todas essas


experiências da maneira correta, seremos muito frutíferos para o nosso
Senhor. Surge então o questionamento. Como Deus usará tudo isso para
moldar em mim o caráter de Jesus?

Acreditamos que a chave para tudo isso é eu permitir e estar disposto a


seguir todo o caminho que for necessário para chegar ao nível de maturidade a
qual o Senhor tem proposto para cada um de nós. “Porque somos feitura
sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou
para que andássemos nelas. (Efésios 2. 10)

Lembre-se: “Porque os que se inclinam para a carne (e são


controlados por seu desejos ímpios) cogitam das coisas da carne
(colocam suas mentes e buscam aquelas coisas que gratificam a carne);
mas os que se inclinam para o Espírito (e são controlados pelos desejos
do Espírito) cogitam das coisas do Espírito (colocam a mente e buscam
aquelas coisas que gratificam o Espírito Santo. (Bíblia Amplificada)
(Romanos 8. 5)

A Palavra de Deus nos ensina em Hebreus 12 que devemos correr a


“carreira que nos está proposta”, isto significa que cada um de nós tem uma
“prova específica” a cumprir, isto é, a corrida, o tempo, a distância será
diferente para cada corredor, por isso, concentre-se no que Deus propôs a
você e preocupe-se apenas em terminar bem a sua corrida.
11

“As vezes perdemos muito


tempo e muitas oportunidades
buscando talentos que nós não
recebemos e Deus só espera que
você faça o máximo com aquilo
que você recebeu dele”. Leia
também Mateus 25. 14-30.

Não caía na armadilha do maligno ao querer comparar o seu


ministério com nenhum outro, não tente se adaptar as expectativas dos outros,
isso pode nos levar a deixarmos de ter a motivação correta em servir ao
Senhor.

Obs. Mais adiante nos próximos módulos faremos alguns testes para
descobrir as nossas habilidades e os nossos dons.

Uma das melhores maneiras para descobrir quais sãos os nossos dons
e os nossos talentos é experimentar trabalhar em diferentes áreas do
ministério. Comece a servir, nos ministérios da sua igreja, e então descobrirá
os seus dons. Mesmo que se tenhamos trabalhado em várias áreas, não quer
dizer que fracassamos naquilo que não permanecemos, mas podemos dizer
também que tiramos delas experiências e essas poderão nos indicar qual é o
local correto ao qual o Senhor tem proposto a cada um de nós.

COMO OS SERVOS AGEM

Há um pensamento que norteia a nossa cultura moderna: “cada um por


si”, ou seja, preciso pensar primeiro em mim. Nos nossos dias, a grandeza de
uma pessoa está na sua posição social, mas no Reino de Deus é bem
diferente. Jesus disse: “Quem quiser ser o primeiro que sirva”. A nossa
grandeza diante Dele está na quantidade de pessoas que servimos.

Aprendemos muito como sermos bons líderes, mas pouco sobre como
sermos bons servos. Algumas vezes não percebemos, mas Deus testa o
nosso coração, quando surgem situações em podemos de alguma forma servir
alguém. Nada impede que você exerça uma tarefa que seja de outra pessoa.

Deus procura homens que tenham o coração de servo. Quem serve não
age esperando o reconhecimento do próximo, e as vezes é certo que isso não
irá acontecer. O fruto do amor no coração de um servo sempre será a principal
motivação, e “aquele que ama não busca os seus próprios interesses”. (1
Co 13.5)
12

OS SERVOS ESTÃO SEMPRE À DISPOSIÇÃO

O servo fiel está sempre pronto para qualquer ocasião, não busca
apenas o que lhe é conveniente, faz o que é necessário. A sua agenda é
guiada por Deus e sua alegria é ser útil para o Reino.

O servo tem visão, ele enxerga as necessidades e se coloca sempre


disponível, e não perde nenhuma oportunidade. Mantém a sua atenção
principalmente naqueles que são da Família da fé: “Portanto, enquanto
temos oportunidade, façamos o bem a todos, especialmente aos da
família da fé. (Gl 6.10)

OS SERVOS SE DEDICAM

O tamanho do serviço não faz


diferença, “servo é servo”, com
plateia ou sem plateia, ele sabe para
quem está fazendo, ele procura
imitar o seu Mestre. Jesus fez as
coisas mais simples possíveis,
atendeu as crianças, cuidou de
leprosos, lavou os pés dos seus
discípulos.

Os servos se revelam fazendo as pequenas coisas. Até mesmo Davi,


antes de ser rei, foi apenas um pastor de ovelhas, e antes de derrotar Golias,
foi apenas obediente ao seu pai ao levar alimentos aos seus irmãos e trazer
notícias a este. “As grandes oportunidades estão normalmente camufladas
em tarefas menores”.

OS SERVOS SÃO FIÉIS E DISCRETOS

Uma das principais características do servo é a fidelidade, porque ele


busca honrar os seus compromissos e perseverar até finalizar a tarefa que
recebeu. Não seja alguém que não dê satisfação, que não seja pontual ou não
respeita seus compromissos assumidos, seja fiel. Salva-nos, SENHOR,
porque faltam os homens bons; porque são poucos os fiéis entre os
filhos dos homens. (Salmos 12. 1)

Todos certamente têm uma dificuldade de manter-se humildes mesmo


depois que o seu trabalho começa a ser reconhecido, mas fugir dos
“holofotes” é um segredo para se manter no lugar correto diante de Deus. A
honra quando é dada a Deus, também é devolvida por Ele, pois Ele honra os
que o honram, e consequentemente e a sua recompensa é certa. (Mt 6.3-4)

Ler também: Provérbios 3.28; 20. 6; Eclesiastes 11.4; 1 Coríntios 12.6; 2


Coríntios 1.4; 8-10; Galatás 6.3-4; Filipenses 2. 19-22
13

ESCOLA DE DISCIPULOS
Lição 27 – Vão e produzam frutos.

“Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para
que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça, a fim de tudo quanto pedirdes
ao Pai ele vos conceda” (Jo 15.16)

Nas duas lições anteriores aprendemos um pouco sobre a nossa missão


em servir ao Senhor e também sobre o privilégio de poder ser um instrumento
em suas mãos. Nesta aula iremos refletir a importância de frutificar no Reino de
Deus e que é o resultado de uma vida vitoriosa e que produz frutos para o
Reino de Deus.

Jesus sempre foi mestre em usar exemplos do cotidiano das pessoas


para ensinar princípios tão importantes e profundos. Em Jo 15. 1-8, Ele usa
como exemplo dois elementos: A videira e os ramos. Para os judeus, o cultivo
do vinhedo era comum naquela época, e por isso, o Mestre usou-os para
explicar o Seu relacionamento com os seus discípulos.

Isso prova que somente podemos ser frutíferos se verdadeiramente


tivermos intimidade com o Senhor, e esse fruto vem com a santidade pessoal e
com o fruto do Espírito Santo em nossas vidas.

Quando Paulo escreveu aos Gálatas no capítulo 5 sobre o Fruto do


Espírito, o primeiro fruto que encontramos é o amor, e este fruto leva consigo
todos os outros frutos. Sem o amor, os outros frutos não podem existir. Logo
frutificar no Reino de Deus é amar. Jesus disse: “Amem-se uns aos outros”.
E isso implica em abrir mão de nossos próprios interesses. Quando vivemos
apenas para nós mesmos, mais isolados seremos das pessoas e até mesmo
de Deus e teremos a tendência de nos sentirmos vítimas, injustiçados e
abandonados por Deus.

“Nós precisamos da vida de Jesus Cristo a fim de sermos frutíferos para


Deus. Só podemos cumprir a nossa missão estivermos ligados a Ele”.

Desde a criação, Deus preservou o princípio da FRUTIFICAÇÃO. E


disse: “Produza a terra relva, ervas que deem semente e árvores frutíferas
que deem fruto segundo a sua espécie, cuja semente esteja nele, sobre a
terra. E assim se fez”. (Gn 1.11)
14

Em muitas passagens das Escrituras


nossas vidas são comparadas a uma árvore.
Jesus nos ensinou no livro de Mateus 7.17-20,
que o cristão verdadeiro é testado pelos seus
frutos. A obra do Espírito Santo na vida do
homem transforma o seu caráter, e maior
evidência disso é o amor que ele demonstra
pelo seu próximo. (Gálatas 5. 22-23)

O fruto é a marca registrada daqueles que possuem uma relação de


comunhão com o Senhor. Na figura da videira, Deus-Pai é o agricultor, aquele
que está no controle de tudo, cujo papel é zelar pela frutificação dos ramos. O
Pai como o dono da vinha é tanto aquele que planta, como aquele que cultiva.
Ele trata pessoalmente com cada cristão, Ele que cultiva, cuida, prepara
e poda cada árvore. A frutificação acontece basicamente em duas dimensões.
Em nossas próprias vidas e na vida daqueles que estão próximos de nós.

O AGRICULTOR CUIDA DE CADA ÁRVORE


Os agricultores passavam por um treinamento intenso para aprenderem
a cortar os galhos da forma mais correta. Era necessário cortar os ramos vivos
para aumentar a produção de frutos e remover os galhos secos para estimular
a produção da árvore. Assim na nossa vida ocorre da mesma maneira, o
lavrador limpa e zela das suas plantas para que elas continuem sempre
produzindo.
O nosso Deus nos transforma pela sua Palavra, pela disciplina, ou usa
até mesmo as circunstâncias que resultaram em um amadurecimento e um
crescimento em nossas vidas. (1 Co 3. 5-9)

Ler também: 1 Co 1.9; 2 Co 13.13; 2 Co 13.5;Tiago 2.17; 2 Pedro 1.5-11; 1 Jo 1.3

FRUTIFICANDO SEGUNDO SUA ESPÉCIE


No mundo natural todas as árvores produzem fruto da mesma espécie,
no mundo espiritual acontece da mesma maneira. Por isso os discípulos devem
reproduzir em suas vidas o mesmo fruto da vida de Jesus. Quando
expressamos o caráter de Cristo em nós, abençoamos a todos os que estão
em nossa volta. O fruto que produzimos está também relacionado ao louvor
(Hb 13.15), a ajuda aos necessitados (Rm 15.28), a pureza de conduta (Cl
1.10) e também quando ganhamos almas para o Senhor (Mc 16.15).
A produção de frutos de uma árvore garante a perpetuação da espécie,
Jesus ensinou aos discípulos que produzissem muitos frutos, por isso, Ele
espera de nós que nossos frutos durem por muito tempo ou para sempre.
Não podemos cair no engano e achar que somente aqueles que ganham
uma grande quantidade de pessoas para Jesus é frutífero. Não! Deus chama
15

cada um de nós de uma forma específica, o que importa para a nossa


frutificação é a obediência ao Seu chamado. Se Deus te chamou para
discipular uma vida de cada vez, faça isso e com certeza o seu fruto será
permanente. Lembre-se: “o que é fiel no pouco é fiel no muito...”

O EFEITO PURIFICADOR DA PALAVRA DE DEUS

A Palavra de Deus tem o poder e a virtude de limpar pela graça a


corrupção do coração do homem. “A PALAVRA LIMPA AS IMPUREZAS DA
NOSSA VIDA E POSSIBILITA A FRUTIFICAÇÃO ESPIRITUAL”.

A Palavra de Deus é como uma “tesoura”, usada pelo Espírito Santo,


para nos podar, e para tratar do nosso caráter, nos limpando e nos levando a
darmos mais frutos”. Lembre-se: “Toda a vara em mim, que não dá fruto, a
tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto.
Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado”.
(João 15.2-3)

A DINÂMICA DA REPRODUÇÃO ESPIRITUAL

A parábola do semeador no livro de Mateus, capítulo 13 nos ensina um


princípio muito importante. Há um tipo de semente e quatro tipos de solos e
cada solo pode representar a forma como as pessoas recebem a Palavra de
Deus em seus corações.

Nós precisamos aplicar a seguinte verdade em nossos corações.


Nossos corações não podem ficar duros, pelos cuidados da vida, tornando
superficial e incapaz de compreender a verdade, também não podemos ficar
somente na dimensão do “AMÉM”, e não podemos ficar no nível daqueles que
permitem que as coisas do mundo ocupem o lugar da Palavra de Deus. Se o
nosso coração for uma terra boa para a semente, certamente produziremos
muitos frutos.

“Estai em mim, e eu em vós; como a


vara de si mesma não pode dar fruto, se não
estiver na videira, assim também vós, se não
estiverdes em mim. Eu sou a videira, vós as
varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá
muito fruto; porque sem mim nada podeis
fazer. (João 15. 4-5)

O nosso crescimento espiritual é “SILENCIOSO e CONTÍNUO”. A


semente do Evangelho tem vida em si mesmo. Sua operação é invisível, mas
poderosa e o crescimento vem do Senhor. “Por isso, nem o que planta é
alguma coisa, nem o que rega, mas Deus, que dá o crescimento.
(1 Coríntios 3. 7)
16

O CRESCIMENTO ESPIRITUAL É UM PROCESSO GRADUAL E CONTÍNUO

A maturidade não é uma posição a qual chegar, mas um processo que


dura a vida toda. “Enquanto estivermos “verdes” ainda estaremos crescendo.
Se já achamos que estamos maduros o suficiente, então começaremos a
apodrecer. Quem pára de crescer, é porque já se acha maduro demais. Agora
a tendência é apodrecer.”

Para continuar crescendo é preciso desistir do orgulho e manter-se


aberto para aprender sempre. Lembre-se: “ENVELHECER É INEVITÁVEL,
CRESCER É UMA OPÇÃO”.

FRUTOS QUE GLORIFICAM A DEUS.

Nisto é glorificado meu Pai: que deis muito fruto; e assim sereis meus
discípulos. (Jo 15.8)

O discipulado não é algo fácil, o treinamento é rigoroso, e as provas das


etapas certamente virão. “O exame é individual, não há condições de
colar”. Pastor Josadak Lima.

A nossa salvação recebemos pela graça, é um dom de Deus, porém o


discipulado nos custa absolutamente tudo: “Então disse Jesus aos seus
discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome
sobre si a sua cruz, e siga-me (Mateus 16.24).

O desafio do discipulado de
Jesus só acontecerá quando “Quem quiser ser discípulo de
estivermos dispostos a “perder” a Jesus tem um preço a pagar: a sua
vida. (Mc 8.35). Se o amamos de própria vida, o seu próprio eu”.
verdade precisamos viver o que Ele
nos ensinou. (1 Jo 2. 3-11)

Temos uma promessa de que Deus irá nos capacitar para frutificarmos e
nos dará também poder em nossas orações: “Se vós estiverdes em mim, e
as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e
vos será feito.” (Jo 15.7)

E nesse contexto a nossa oração podem produzir muitos frutos, e isso


implica em nós orarmos não apenas pelas nossas necessidades, mas pelo
nosso próximo com amor, com o objetivo de levá-los a crescerem na fé.
Conhecemos a história de Jó, e enquanto ele apenas orava pelas suas
injustiças que sofreu nada mudou, mas quando passou a orar por seus amigos,
a sua sorte mudou, podemos então fazer o mesmo. Os frutos de uma árvore
não são consumidos pelos ramos, mas sim por outros. “Por isso precisamos
gerar frutos não para agradar a nós mesmos, mas para servir aos outros
em amor”.
17

ESCOLA DE DISCIPULOS
Lição 28 – Descobrindo nossos dons.

Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo


particularmente a cada um como quer.
(1 Coríntios 12.11)

Precisamos estudar, orar, buscar a orientação de Deus, para descobrir


quais são os dons que Ele nos deu para exercemos o nosso chamado com
autoridade e eficiência e assim produzirmos frutos. Quando cada um de nós se
encontra no centro da vontade de Deus e trabalha de forma dedicada com os
dons dados pelo Senhor, na função que recebeu no Corpo, todos crescem,
todos prosperam.

O maligno busca continuamente convencer as pessoas que elas não


possuem qualidade alguma, nem mesmo dons e talentos. Muitos passam anos
vivendo com sentimentos de complexos de inferioridade por acreditarem que
todos à volta são melhores, e que não possuem nenhuma virtude.

Até mesmo dentro da igreja, o adversário usa a religiosidade, o


tradicionalismo, o mundanismo e o egoísmo para levar as pessoas a nunca
pensarem que são membros do Corpo, com funções específicas, talentos,
virtudes e dons naturais e sobrenaturais para o desenvolvimento da Igreja.

Muitos até passam anos ou até a sua vida toda dentro de uma igreja
como frequentadores ou até membros, acreditam que estão ajudando, mas
infelizmente muitas não entendem que são mais do que voluntárias ou
ajudantes, mas são ministros de Deus e despenseiros de Cristo, quando a
Igreja compreende isso, a nossa caminhada cristã tem muito mais sentido e
muito mais autoridade no mundo espiritual.

DESCOBRIR QUAIS SÃO NOSSOS DONS, FAZ PARTE DO


CRESCIMENTO.

“Que os homens nos considerem como ministros de Cristo e


despenseiros dos mistérios de Deus. Além disso, requer-se nos
despenseiros que cada um se ache fiel.” (1 Co 4.1-2)

Por que quando somos inseridos no Corpo de Cristo, temos dificuldade


de descobrir nosso chamado, descobrir nossos dons e talentos?
18

Muitos por falta de perseverança acabam desistindo no meio da


caminhada cristã, por vários motivos. Mas não podemos esquecer que tudo
acontece de forma gradativa, é um processo que acontece com o
amadurecimento e crescimento espiritual, antes de qualquer colheita é
necessário uma semeadura e antes de uma comissão ou delegação há um
treinamento.

Descobrir os dons vem antes de desenvolvê-los, porque os dons


espirituais são recebidos e não conquistados. O Espírito Santo é quem distribui
os dons como lhe apraz. (1 Co 12.11)

Para descobrir os nossos dons espirituais é necessário dar alguns


passos essenciais: Ser um cristão nascido de novo, crer nos dons do
Espírito Santo, se envolver no Corpo de Cristo, servindo-o de alguma
maneira e desenvolver o seu dom através de uma vida baseada no poder
da oração e na instrução do Espírito Santo.

O pastor Josadak Lima nos ensina alguns passos práticos para a


descoberta de nossos dons:

PASSO 1 – Procure conhecer mais a respeito dos seus dons.

 Estude a Bíblia a respeito desse assunto;


 Busque também em outros livros orientações complementares;
 Procure conhecer pessoas que desempenhem seus dons;
 Procure se identificar com alguns dons.

PASSO 2 – Envolva-se no maior número possível de áreas onde possa


exercer seus dons.

 Convença-se do fato que você só terá certeza quando experimentar;


 Olhe a sua volta identificando as necessidades, e depois tente fazer
alguma coisa para suprir essas necessidades.
 Descubra onde você pode ser útil, de alguma maneira e, então, entre em
ação, eliminando os dons que você acha que não tem.

PASSO 3 – Observe se você está se realizando ao desempenhar seus


dons.

 Deus conhece o nosso coração e sabe se tivermos alegria no


cumprimento de uma tarefa, faremos um trabalho melhor. (Sl 37.4; Fp
2.13).
 A expressão de alguém que encontra o seu dom é esta: “Realmente, é
isto que eu gostaria de fazer para Deus, mas do que qualquer outra
coisa na vida”.
19

PASSO 4 – Adote avaliação dos resultados

 Os dons espirituais têm por fim cumprir tarefas. Se Deus lhe deu algum
dom, Ele quer que você realize algo para Ele dentro do Corpo de Cristo.
 Se você tem o dom de evangelista, então as pessoas aceitarão a Cristo
regularmente por meio do seu ministério.
 Se você tem o dom do encorajamento, ajudará pessoas em seus
problemas e verá vidas reanimadas.

PASSO 5 – Confirmação da Igreja – Observe os testemunhos.

 Um dom espiritual precisa ser confirmado. Se você julga que possui um


dom espiritual e está procurando exercê-lo, mas ninguém em sua igreja
pensa assim, então o mais provável que você esteja enganado.
 Os sentimentos são necessários para fazermos um bom trabalho, mas
não são essências quanto à confirmação dos dons espirituais.
 Esse passo, o de observar a confirmação dos outros, é o passo mais
importante quanto à validar o nosso dom.
Descobrindo o seu lugar no Corpo de Cristo – CDV. Pastor Josadak Lima

Os cristãos que vivem uma vida baseada no amor, devem buscar os


dons espirituais a fim de poderem ajudar, consolar, encorajar e fortalecer a
todos os necessitados.

Não devemos esperar passivamente que Deus nos conceda os dons do


Espírito Santo (1Co 12. 7.10), mas devemos buscar com zelo em oração,
principalmente os que são próprios para encorajar, consolar e edificar.

“Aquele, pois, que sabe fazer o bem e o não faz comete pecado”. Tg 4.17

Os nossos dons servem para


trabalharmos no Ministério (Serviço) na
Igreja e o nosso trabalho gera
CRESCIMENTO no Corpo de Cristo. Só
quem tentou fazer um trabalho sem uma
ferramenta apropriada sabe a
importância do valor de cada ferramenta.
No corpo de Cristo acontece da mesma
maneira, cada um de nós de maneira
singular cumpre um chamado específico
dentro do Corpo de Cristo.
20

ENXERGANDO COM UMA VISÃO DO ALTO

Nunca devemos fazer nada na igreja com as motivações erradas. Antes


de fazer algo devemos apresentar ao Senhor em oração, para que Ele nos
responda. Muitos já caminharam buscando realizar algo na igreja com os dons
ou o “hobby” que tem, e feriram-se por causa dos conflitos constantes.
Devemos tomar cuidado com o ativismo religioso ou fazer qualquer coisa
que vem na “cabeça”, com o pretexto de que é para Deus. O nosso propósito
deve ser acima de tudo encontrar a nossa função no Reino para transformação
de vidas.

“A Igreja tem a função de transformação de vidas, desde o


testemunho, a conversão, passando pelo discipulado e crescimento, até os
frutos maduros. Para cumprir esta missão, precisamos exercer nossos dons
espirituais e naturais. Desta forma o Senhor vai fluindo na comunhão, nos
vínculos, edificando a cada um”. Pr. Sóstenes Mendes

Todo cristão verdadeiro é testemunha viva do poder de Jesus e um


ganhador de almas. Para isto, incluindo o discipulado que recebemos e
transmitimos, precisamos dos DONS que Deus tem para nós, determinantes à
nossa função no Corpo de Cristo.

“Cada um tem sua função”.

Deus dá a cada um uma função, e deseja capacitar todos os que estão


disponíveis, no Reino não precisa saber, precisa desejar. “Segui o amor e
procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de
profetizar”. (1 Co 14.1)
21

ESCOLA DE DISCIPULOS
Lição 29 – Dons ministeriais e espirituais-PARTE 1

Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. E há diversidade de


ministérios, mas o Senhor é o mesmo. E há diversidade de operações, mas é o
mesmo Deus que opera tudo em todos. Mas a manifestação do Espírito é dada a
cada um, para o que for útil. (1 Coríntios 12. 4-7)

Um dom espiritual ou carismático é uma capacidade ou um poder


sobrenatural conferido a um cristão fiel pelo Espírito Santo, que lhe dá a
capacidade de desempenhar sua função como um membro do corpo de Cristo
(1 Co 12. 4-27).

Em 1 Co 12.14, Paulo explica a unidade, a diversidade, a distribuição, a


ordem, a motivação, a permanência, o valor relativo e o uso adequado dos
dons espirituais, que são dados pelo Espírito Santo.

Os dons não são dados para vangloriar a posição daquele que recebeu,
mas sim para Glorificar a Deus e Edificar o Corpo de Cristo.

“Cada um administre aos outros o dom como o recebeu, como bons


despenseiros da multiforme graça de Deus. Se alguém falar, fale segundo
as palavras de Deus, se alguém administrar, administre segundo o poder
que Deus dá, para que em tudo Deus seja glorificado por Jesus Cristo, a
quem pertence a glória e o poder para todo o sempre. Amém”.
(1 Pe 4.10-11)
Quanto à motivação correta para se ter os dons, o apóstolo Paulo, deixa
claro que o amor pelos outros é a única base verdadeira.

“DONS ESPIRITUAIS NÃO SÃO FRUTOS DO ESPÍRITO SANTO”

“Dons espirituais definem aquilo que o cristão faz (serviço); o fruto do Espírito
ajuda a definir aquilo que o crente é”. Peter Wagner

O Fruto do Espírito é um pré-requisito para o exercício efetivo de dons


espirituais. Dons sem fruto são sem valor nenhum. As principais passagens
bíblicas que descrevem os dons espirituais e ministeriais encontram-se em:
Romanos 12. 6-8; Coríntios 12.8-10; 28-30; Efésios 4.11.
22

Segundo o texto de 1 Coríntios 12. 1-7, o apóstolo Paulo usa alguns termos
gregos para designar a natureza espiritual dos dons.

(1) pneumatika (1 Co 12.1; 14.1; Rm 1.11), dons, poderes, manifestações


espirituais.
(2) charismata (1 Co 12. 4, 9, 28, 30, 31, Rm 1.11; 12.6; 1Co 1.7), dons da
graça dados pelo Espírito Santo.
(3) diakonai (1 Co 12.5; Ef 4.11), são os dons de ministério dados pelo próprio
Senhor Jesus Cristo.
(4) energemata (1 Co 12.6), é manifestação do poder de Deus para a
realização de seus propósitos.

Obs. Pela extensão desse assunto vamos dividi-lo em duas lições. Na Lição 29
falaremos sobre os dons ministeriais e na Lição 30 sobre os dons espirituais

DONS MINISTERIAIS (OU ECLESIÁSTICOS)

“E ele deu uns como apóstolos, e outros como profetas, e outros como
evangelistas, e outros como pastores e mestres…” (Ef 4.11.)

É importante compreender que não são todos os cristãos receberam os


ministérios descritos em Efésios 4.11, todavia isso não quer dizer que algum
membro do Corpo de Cristo não tenha recebido algum dom, todos os que
foram salvos em Cristo e receberam o Espírito Santo como penhor, certamente
será capacitado com os dons do Espírito.
Todos os dons têm a função da edificação do Corpo e o
aperfeiçoamento dos santos conforme o texto de Efésios 4. 12 descreve.

Para que uma igreja local avance para o propósito pleno que Deus tem
para a sua Igreja é fundamental que os cinco ministérios trabalhem
harmoniosamente. Os líderes da igreja precisam ter o discernimento para
identificar aqueles que possuem algum desses cinco ministérios para que
esses possam ser orientados e reconhecidos para que exerçam o seu
ministério com autoridade e discernimento.

Jesus certamente possuía os cinco ministérios, e vemos a manifestação


desses ministérios da vida de nosso Senhor. Quando Ele fundamentou a
verdade e enviou os seus discípulos vemos o seu ministério apostólico, quando
Ele falou como aquele que foi enviado por Deus manifestou o ministério
profético. Ele foi um mestre ao ensinar as Escrituras com pleno conhecimento e
autoridade, também seu ministério evangelístico foi notório ao realizar sinais e
maravilhas no meio do povo e no seu ministério pastoral amou e cuidou da vida
de cada um dos seus discípulos.

Vamos estudar as características de cada um desses cinco ministérios:


23

A definição e as características dos dons ministeriais e espirituais


extraímos da apostila de Dons e fizemos alguns acréscimos. Fonte:
Descobrindo o seu lugar no Corpo de Cristo – CTL. Elaborado pelos
pastores Josadak Lima e Gedimar Araújo.

1 – O DOM DE APÓSTOLO

É aquela capacidade especial que Deus dá para que assumam e


exerçam a liderança sobre um número de igrejas com extraordinária autoridade
sobre questões espirituais (Ef 4.11; 1 Co 12.28)

Algumas características encontradas no possuidor deste dom:

 Adapta-se bem a uma situação diferente a fim de evangelizar.


 Fica empolgado com o sucesso do trabalho missionário em outros
estados do país e no exterior.
 Tem prazer em cooperar nos trabalhos pioneiros da Igreja.
 Tem ampla visão do reino de Deus, que ultrapassa os limites de sua
denominação.

2 – O DOM DE PROFETA (PREGAÇÃO/DECLARAÇÃO INSPIRADA)

É aquela capacidade especial que Deus dá para receberem e


transmitirem alguma mensagem imediatamente da parte de Deus ao seu povo,
através de uma declaração divinamente ungida (Ef 4.11; Rm 12.8; 1 Co 12.
9,28).

Isto pode acontecer de várias maneiras:

 Pela pregação (1 Co 14. 24-25)


 Por uma revelação específica (1 Tm 4.14)
 Por conselhos profundos de efeitos especiais (At 15.32)
 Por uma advertência acerca de problemas e ameaças futuras (At 11.27-
30; 21. 10-26);
 Por intermédio de uma oração (1 Tm 4.14);
 A profecia no NT não tem, primeiramente, um caráter preditivo, antes
seu objetivo é exortar, consolar e edificar (1 Co 14.3).

Algumas características encontradas no possuidor deste dom:

 Sua opinião tem base nas Escrituras, visto que ele quer compreender
profundamente e aceita-a pessoalmente.
 Entende que é uma pessoa autorizada por Deus, um mensageiro
credenciado e por isso fala com poder e autoridade.
 Tem uma maneira incisiva, franca e persuasiva de se expressar.
 Reprende para convencer acerca de erros, usando as escrituras com
bússola para corrigir a direção daquele que se desviou.
24

3 – DOM DE EVANGELISTA

É aquela capacidade especial que Deus dá para que compartilhem do


evangelho com os incrédulos, de tal modo que se tornem discípulos de Jesus e
membros responsáveis do Corpo de Cristo (Ef 4.11)

Algumas características encontradas no possuidor deste dom:

 Gosta de levar os outros a uma decisão a Cristo.


 Tem facilidade de iniciar uma conversa com uma pessoa estranha e
levá-la a Jesus.
 Gosta de cooperar com trabalhos evangelísticos da Igreja.
 Preocupa-se com seus parentes, amigos, vizinhos e colegas.

4 – O DOM DE PASTOR (MINISTRAR AO POVO DE DEUS)

É aquela capacidade especial que Deus dá para assumirem uma


responsabilidade pessoal a longo prazo pelo bem-estar espiritual de um grupo
de crentes (Ef 4.11; Rm 12.7)

Algumas características encontradas no possuidor deste dom:

 Sente a grande necessidade e responsabilidade de promover o


crescimento de um grupo de crentes, levando-os ao amadurecimento na
vida cristã.
 Tem prazer em ser útil na recuperação espiritual de crentes que se
afastam do Senhor.
 Tem prazer de alimentar os crentes com a Palavra de Deus.

5 – O DOM DE ENSINO

É aquela capacidade especial que Deus dá para comunicarem


informações relevantes para a saúde e o ministério do Corpo de Cristo e seus
membros, de tal modo que outros crentes possam aprender (Ef 4.11; II Co
12.28; Rm 12.7)

Algumas características encontradas no possuidor deste dom:

 É preparado por Deus de modo especial para esclarecer Sua Palavra de


maneira atraente e compreensível.
 Preocupa-se em conhecer o que está ao seu alcance sobre um tema
bíblico e sente que tem uma responsabilidade muito grande em
transmitir este ensino.
 Não gosta de ficar preso ao ensino preparado por outros, preferindo
expor o assunto da sua própria maneira.
25

ESCOLA DE DISCIPULOS
Lição 30 – Dons ministeriais e espirituais-PARTE 2

DONS MOTIVACIONAIS OU DE SERVIÇO (PESSOAIS)

1 – O DOM DE SERVIÇO (MINISTÉRIO)

É aquela capacidade especial que Deus dá para que identifiquem


necessidades não satisfeitas envolvidas em alguma tarefa ligada à obra de
Deus e para usarem os recursos disponíveis para satisfazerem a essas
necessidades e ajudarem a cumprir os alvos desejados (Rm 12.7)

Algumas características encontradas no possuidor deste dom:

 Discerne necessidades práticas e toma a iniciativa de supri-las o mais


depressa possível.
 Cuida de suprir necessidades urgentes sem se importar com seu
cansaço físico, fica frustrado quando isso não é possível.
 Assume a responsabilidade de realizar uma tarefa do seu jeito.
 Envolve-se numa variedade de atividades, por ser incapaz de dizer
“não”.

2 – O DOM DE EXORTAÇÃO (ESTÍMULO/ENCORAJAMENTO)

É aquela capacidade especial que Deus dá para ministrarem palavras de


consolo, encorajamento e conselho a outros, de tal maneira que se sintam
ajudados e curados (Rm 12.8)

Aconselhar; animar; encorajar (Rm 12.8; Tt 2.15). O verbo “exortar”, que


corresponde a parakaleo (no grego), não tem o sentido de “repreender”.

Admoestar (lat admoestare) vtd 1 Advertir amigável ou benevolamente;


fazer ver. 2 Censurar ou repreender suavemente, aconselhando a não
repetir a falta. 3 Recomendar.

Algumas características encontradas no possuidor deste dom:

 Dirige palavra de ânimo e encorajamento, ou consolo e conforto, aos


que sentem debilitados emocional e espiritualmente, estimulando-os à
ação (1 Ts 5.11 e 2.12).
26

 Frequentemente tem um ministério leigo ou profissional de


aconselhamento, pois as pessoas espontaneamente se abrem com ela.
 Apoia e fortalece o fraco na fé e o novato na vida cristã.
 Tem a capacidade de ver que a tribulação pode produzir uma maior
maturidade.
 Em geral é uma pessoa otimista.

Algumas características encontradas no possuidor deste dom:

 Sua opinião tem base nas Escrituras, visto que ele quer compreender
profundamente e aceita-a pessoalmente.

 Entende que é uma pessoa autorizada por Deus, um mensageiro


credenciado e por isso fala com poder e autoridade.

 Tem uma maneira incisiva, franca e persuasiva de se expressar.

 Reprende para convencer acerca de erros, usando as escrituras com


bússola para corrigir a direção daquele que se desviou.

3 – O DOM DA CONTRIBUIÇÃO

É aquela capacidade especial que Deus dá para que contribuam com


seus recursos materiais para a obra de Deus, com liberalidade e bom ânimo.
(Rm 12.8)

Algumas características encontradas no possuidor deste dom:

 Alegremente é motivado a repartir aquilo que tem com outras pessoas.

 Sua primeira reação, quando tomo conhecimento de uma necessidade


material é contribuir.

 Percebe quando e onde Deus quer usar os bens que estão sob sua
responsabilidade.

4 – O DOM DA LIDERANÇA (AUTORIDADE/GOVERNO)

É aquela capacidade especial que Deus dá para estabelecerem alvos de


acordo com o propósito de Deus para o futuro, e para transmitirem alvos a
outros crentes, de tal modo que, voluntária e harmoniosamente, trabalharem
juntos a fim de cumprirem esses alvos para a glória de Deus” (Rm 12.8)

Algumas características encontradas no possuidor deste dom:

 Facilmente assume posições de liderança.


 Atua como imã, atraindo outros que aceitam sua liderança e autoridade.
 Está disposto a se responsabilizar por outras pessoas.
 É uma pessoa de visão. É capaz de formular e esclarecer alvos
27

5 - O DOM DE MISERICÓRDIA (SIMPATIA/CONSOLO)

É aquela capacidade especial que Deus dá para sentirem empatia e


compaixão genuínas por pessoas, que estejam aflitas, sofrendo problemas
físicos, mentais ou emocionais, e para traduzirem esta compaixão em feitos
realizados com alegria, que reflitam o amor de Cristo e aliviem os sofrimentos.
(Rm 12.8)

Algumas características encontradas no possuidor deste dom:

 Tem alegria de trabalhar com as pessoas ignoradas ou desconhecidas


da maioria.
 Gosta de visitar hospitais ou lares de pessoas necessitadas e se sente
abençoado com isso.
 Fala carinhosamente e gosta de auxiliar pessoas necessitadas ou
impossibilitadas de se ajudarem.
 Sente-se realizado quando pode fazer algo por uma pessoa doente ou
em necessidade.

6 – O DOM DE SOCORRO
É aquela capacidade especial que Deus dá para que invistam os
talentos que receberam, na vida e no ministério de outros membros do corpo,
capacitando assim a pessoa ajudada a aumentar a eficácia de seus dons
espirituais. (1 Co 12.28)

Algumas características encontradas no possuidor deste dom:

 Tem prazer em ajudar os líderes sobrecarregados, aliviando-os das


tarefas menores.
 Fica à vontade quando pode ser útil para fazer certas coisas auxiliares.
 Tem prazer em providenciar certos detalhes para que o trabalho da
igreja atinja seus objetivos.

7 – O DOM DE ADMINISTRAÇÃO

É aquela capacidade especial que Deus dá para compreenderem com


clareza os alvos imediatos e a longo prazo de alguma unidade particular do
Corpo de Cristo e para que tracem e executem planos eficazes para
cumprimento desses alvos. (1 Pe 4.11; 1 Co 12.28)

Algumas características encontradas no possuidor deste dom:

 Tem facilidade para organizar ideias visando um serviço mais eficaz.


 Tem facilidade de fazer planos de ação para que outros possam atingir o
objetivo.
 Procura soluções práticas para os problemas enfrentados.
28

 Tem facilidade de interpretar os ideais e objetivos do grupo, e pensar em


meios de pô-los em prática.

DONS MANIFESTACIONAIS OU SINAIS

1 – O DOM DE SABEDORIA (CONSELHO SÁBIO)

É aquela capacidade que Deus dá para que reconheçam a mente do


Espírito Santo, de modo a receberem discernimento a fim de que um dado
conhecimento seja melhor aplicado às necessidades específicas que surjam no
Corpo de Cristo. (1 Co 12.8; 1 Pe 4.11)

Algumas características encontradas no possuidor deste dom:

 De várias alternativas, escolhe com facilidade a que é correta e


abençoada.
 Usa sugestões para ajudar pessoas em suas decisões. Estas
geralmente dão certo.
 Quando lê um texto bíblico, geralmente pensa nas suas lições práticas.

2 – O DOM DO CONHECIMENTO

É aquela capacidade especial que Deus dá para descobrirem,


acumularem, analisarem e esclarecerem informações e ideias pertinentes ao
crescimento e ao bem estar do Corpo. ( 1 Co 12.8; 1 Pe 4.11)

Algumas características encontradas no possuidor deste dom:

 Gosta de analisar bem os fatos até entendê-los.


 Gosta de analisar e entender bem as coisas, antes de aceitá-las.
 Gosta de entender bem as questões complicadas da Bíblia.

3 – O DOM DA FÉ (CRER NA INTERVENÇÃO DIVINA)


É aquela capacidade especial que Deus dá para discernirem, com
extraordinária confiança, à vontade e os propósitos de Deus quanto ao futuro
de sua obra. (1 Co 12.4)

Algumas características encontradas no possuidor deste dom:

 Crê que Deus cumprirá suas promessas, apesar de circunstâncias


contrárias.
 Tem conciência da realidade de que Deus está ativo nos assuntos do dia
a dia.
 Confia no poder de Deus em relação a coisas impossíveis.
 Vários problemas insolúveis já foram resolvidos por crer firmemente que
Deus os resolveria.
29

 Já foi várias vezes surpreendido com respostas imediatas às suas


orações.

4 – O DOM DE CURAS (SARAR MÁGOAS E DOENÇAS FÍSICAS)


É aquela capacidade especial que Deus dá para servirem de
intermediários humanos por meio de quem agrada a Deus curar enfermidades
e restaurar a saúde à parte do uso de meios naturais. ( 1 Co 12. 9,21)

DOM DE DISCERNIMENTO DE ESPÍRITO

Todo cristão precisa ser capaz de distinguir entre o bem e o mal, o certo
e o errado.

Mas o alimento sólido é para os adultos, para aqueles que, pela prática,
têm as suas faculdades exercitadas para discernir não somente o bem,
mas também o mal. (Hb 5.14)

Em 1 Jo 4.1 é claro em dizer: “Amados, não deis créditos a qualquer


espírito; antes, provai os espíritos se procedem de Deus; porque muitos
falsos profetas têm saído mundo afora”.

A Bíblia também declara que Deus capacitou alguns no Corpo com o


Dom de Discernimento de espíritos, e quando homens e mulheres se levantam
com esta autoridade todo o Corpo de Cristo é edificado.

Este dom é a capacidade especial que Deus dá a alguns membros se tal


comportamento ou tal situação procede de Deus, dos homens ou de Satanás.

Creio que humanamente nenhum homem pode usar todos os dons


juntos em plenitude, por causa da inconstância humana, mas isto não significa
que nos está oculto, ou indisponível. O Senhor Jesus, usou em plenitude todos
os dons do Espírito Santo, porque o próprio Espírito Santo estava totalmente
sobre Ele. (Is 61. 1-3)

Este dom pode funcionar em vários níveis. O nível mais óbvio é a


capacidade de saber que uma conduta aparentemente boa, na verdade é obra
de Satanás. Um outro nível é discernir o que o irmão está fazendo, emerge de
motivos piedosos ou de motivos carnais e também envolve a capacidade
sobrenatural de distinguir a verdade do erro mesmo quando os motivos são
apropriados.

O DOM DE MILAGRES

É aquela capacidade especial que Deus dá para servirem de


intermediários para realizar atos poderosos que são percebidos pelos
observadores como atos que alteram o curso ordinário da natureza. (1 Co 12.9;
28)
30

O DOM DE LÍNGUAS

Essas línguas podem ser humanas, é a capacidade especial que Deus


dá para falarem em um idioma que nunca aprenderam ou receberam e
transmitirem alguma mensagem imediata de Deus ao seu povo. (1 Co 12.
10,28; At 2. 4-6). Ou uma língua desconhecida na terra, ex: a língua dos anjos
(1 Co 13. 10)

A língua falada através desse dom não é aprendida, e quase sempre


não é entendida, tanto por quem fala (1 Co 14.14), como pelos ouvinte (1 Co
14. 16).

O falar em outras línguas abrange o espírito do homem e o Espírito de


Deus que entram em mútua comunhão e leva o cristão a uma comunicação
direta com Deus através da oração e do louvor. As línguas estranhas faladas
no culto devem ser seguidas de sua interpretação para que a igreja conheça o
conteúdo e o significado da mensagem (1 Co 14.1-6, 14-17, 27, 28).

Ela pode conter revelação, advertência, profecia ou ensino para a igreja


(1 Co 14.6). Quem fala em línguas nunca fica em “êxtase” ou “fora do controle”.

DOM DE INTERPRETACAO DE LÍNGUAS

Trata-se da capacidade concedida pelo Espírito Santo, para o portador


desse dom compreender e transmitir o significado de uma mensagem dada em
línguas. Tal mensagem interpretada para a igreja reunida, pode conter ensino
sobre adoração e oração, ou pode ser profecia.

Toda a congregação pode assim desfrutar dessa revelação vinda do


Espírito Santo. A interpretação de uma mensagem em línguas pode ser um
meio de edificação da congregação inteira, pois toda ela recebe a mensagem
(1 co 14.6, 13, 26).

A interpretação pode vir de quem deu a mensagem em línguas, ou de


outra pessoa. Quem fala em línguas deve orar para que possa interpretá-las (1
Co 14.13).

DOM DA HOSPITALIDADE

É aquela capacidade especial que Deus dá para franquearem suas


casas e acolherem calorosamente àqueles que precisam de alimento e abrigo
(1 Pe 4.9; Rm 12.13)

Algumas características encontradas no possuidor desse dom:

 Abre seu lar de bom grado, fazendo o hóspede sentir-se como membro
da família.
31

 Não podendo suprir ela mesmo as necessidades, procura meios


alternativos para acolher as pessoas.
 Quer proporcionar um ambiente acolhedor para os outros.
 Preocupa-se com os visitantes na igreja, querendo que se sintam bem.
 Demonstra interesse genuíno em atender as necessidades daqueles
que visitam seu lar ou sua igreja.

DOM DE INTERCESSÃO
É aquela capacidade especial que Deus dá para orarem durante
extensos períodos de tempo e receberem respostas frequentes e específicas
às suas orações. (Cl 4. 2-3)

Algumas características encontradas no possuidor desse dom:

 Deseja orar frequentemente e faz com prazer.


 Ora “informalmente”, durante todo o dia, no meio das mais diversas
atividades.
 Faz questão de esperar um tempo para ficar a sós com Deus e
interceder.
32

ESCOLA DE DISCIPULOS
Lição 31 – Teste dos Dons espirituais

Segui o amor, e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de


profetizar (1 Coríntios 14.1)

Nessa lição iremos exercitar o que aprendemos nas lições anteriores e


responderemos um questionário que nos ajudará a identificar os nossos dons.
Uma dica é que em nossa caminhada cristã ao longo do tempo nós
amadurecemos, aprendemos com a Palavra, com o Senhor e com as
experiências, por isso, acredito que as respostas que colocaremos no
questionário podem mudar ao longo do tempo, mas certamente isso irá apenas
confirmar o que recebemos do Senhor.
Acima de tudo glorifique a Ele com o que você recebeu, multiplique, gere
frutos, ganhe almas, e faça tudo enquanto há tempo, o Senhor estará contigo.

Este teste é usado no contexto do seminário do MAPI “Introdução a


Dons Espirituais e Equipes de Ministério”. Para mais informações veja o site do
MAPI no link de ferramentas – equipes pastorais. Esse seminário normalmente
é oferecido em oito horas num sábado.
(http://docslide.com.br/documents/teste-de-dons-espirituais-mapi.html)

Nas páginas a seguir, você encontrará 95 afirmações. Leia cada uma


com bastante atenção. Se for preciso, leia mais de uma vez.
Para cada afirmação, coloque uma nota de 0 a 5 segundo a escala abaixo.
Responda a todas as questões de forma sincera, o mais próximo
possível da sua experiência. Coloque sua nota na frente de cada item.
Esta afirmação tem sido a experiência da minha vida?
0. Nunca. 1. Raramente. 2. Às vezes. 3. Frequentemente.
4. Muito. 5. Eu brilho nisso!
Veja este exemplo. O item 1 diz: “Adapto-me bem a uma situação ou ambiente
novo a fim de levantar uma nova obra ou colocar alicerces na fé dessas
pessoas.” Responda com um dos números acima: ___
- A questão não é se você acha interessante.
- A questão é:
Você tem alegria e disposição ao fazê-lo?
Corresponde à sua experiência?
33

1. Adapto-me bem a uma situação ou ambiente novo a fim de levantar uma


nova obra ou colocar alicerces na fé dessas pessoas.
2. Sinto alegria em comunicar a vontade de Deus e o faço de maneira
contagiante, persuasiva e clara, tendo certeza de que falo da parte de Deus.
3. Levo outras pessoas a uma decisão relacionada com a salvação.
4. Sinto grande necessidade e responsabilidade de promover o crescimento de
um grupo de crentes, levando-os ao amadurecimento na vida cristã.
5. Tenho prazer em acertar até detalhes pequenos que ajudarão outros a
entenderem melhor, ou da forma certa, verdades bíblicas.
6. Eu tenho o pressentimento de que alguma coisa que ninguém mencionou
pode ter acontecido, e quando pergunto sobre isso, meu pressentimento é
confirmado.
7. De várias alternativas que estão diante de mim, escolho com facilidade a que
dá certo e é abençoada.
8. Eu consigo comunicar uma visão do possível para encorajar alguém a
continuar na luta, apesar de sua derrota.
9. Outros irmãos ficam animados e motivados a me seguir por meio da visão
que compartilho com eles dos propósitos de Deus.
10. Gosto de ajudar fazendo pequenos serviços na igreja.
11. Tenho tanta certeza de que Deus suprirá minhas necessidades, que estou
constantemente dando meu dinheiro de forma sacrificial.
12. Tenho alegria em trabalhar com as pessoas ignoradas ou desconhecidas
da maioria.
13. Posso dizer, com pouca margem de erro, quando uma pessoa está sendo
afligida por espírito maligno.
14. Creio que Deus cumprirá suas promessas, apesar de circunstâncias
contrárias.
15. Tenho um desejo especial de transmitir mensagens vindas diretamente de
Deus para edificar, exortar ou confortar.
16. Tenho facilidade para organizar ideias, pessoas, coisas e o tempo, tendo
em vista um serviço mais efetivo e produtivo para o Senhor.
17. Minha casa está sempre à disposição de quem precisar de uma cama ou
um teto.
18. Tenho ajudado os líderes da igreja para que eles tenham mais tempo para
as coisas realmente importantes.
19. Oro pelo menos uma hora por dia.
20. Eu tenho uma visão bíblica de como a igreja deve funcionar, que a ajuda a
desenvolver-se de uma forma saudável.
21. Tenho muita alegria se sou solicitado a pregar (nos lares, no templo, ao ar
livre etc.).
22. Tenho facilidade em iniciar uma conversa com uma pessoa estranha e
levá-la ao conhecimento de Cristo.
34

23. Tenho prazer em ser útil na recuperação espiritual de crentes que se


afastaram do Senhor ou da sua igreja.
24. Gosto de entender bem as questões importantes da Bíblia para expô-las a
outros a fim de que entendam sem dificuldades.
25. Eu faço perguntas chaves que revelam informação importante para a cura,
salvação ou crescimento espiritual de alguém.
26. As minhas sugestões às pessoas para ajudá-las em suas decisões
geralmente dão certo.
27. Deus me dá as palavras que as pessoas indecisas, problemáticas e
desencorajadas precisam.
28. Eu me coloco na frente de um grupo para dar-lhes direção, que é
abençoada por Deus.
29. Fico muito à vontade quando posso ser útil em fazer certas tarefas
auxiliares (arrumar cadeiras, transportar objetos, manter a ordem, cozinhar,
construir ou reformar o prédio, secretariar uma reunião, controlar o aparelho de
som, remeter cartas etc.).
30. Tenho o dom de administrar bem meu dinheiro para poder dar mais
liberalmente para o serviço do Senhor.
31. Gosto de visitar hospitais ou lares de pessoas necessitadas e me sinto
abençoado com isso.
32. Posso constatar a falsidade antes que ela se torne evidente.
33. Tenho consciência da realidade de que Deus está ativo nos assuntos do
dia-a-dia de minha vida e da minha igreja.
34. Pessoas me dizem que eu transmito mensagens que são tão urgentes e
apropriadas que só podem ter vindo diretamente de Deus.
35. Tenho facilidade em fazer planos de ação para que, junto com outras
pessoas, possamos atingir um objetivo.
36. Gosto muito de ser responsável por atividades sociais da igreja.
37. Pessoas me dizem que por meu serviço físico as ajudei a se tornarem mais
eficazes em seus ministérios.
38. Quando recebo um pedido de oração, oro por isso durante alguns dias,
pelo menos.
39. Quando pastores e líderes precisam de direção ou orientação, me
procuram e sentem que Deus lhes deu o que precisavam.
40. Acredito que a melhor maneira de levar o povo de Deus a uma vida mais
dedicada é através da admoestação pela pregação pública da palavra de Deus.
41. Gosto de cooperar com os trabalhos de evangelização da minha igreja,
como séries de conferências, pregações ao ar livre, nas congregações, grupos
pequenos evangelísticos etc.
42. Outros irmãos me procuram para encorajamento e orientação espiritual.
43. Pessoas me dizem que eu as ajudo a estudar as verdades bíblicas de
forma mais significativa.
35

44. Eu identifico momentos na vida de alguém, ou fatos ignorados por outros,


que acabam sendo a chave para essa pessoa crescer ou superar algum
problema.
45. Consigo resolver problemas bem complicados de forma intuitiva.
46. Tenho facilidade de entender os problemas dos outros e apontar-lhes os
rumos de possíveis soluções.
47. Eu gosto de começar novos trabalhos na igreja, mas prefiro que outra
pessoa dê sequência depois de um tempo.
48. Já me disseram que eu pareço gostar de fazer os trabalhos simples de
rotina, e que eu os faço muito bem.
49. Estou disposto a baixar o meu padrão de vida para poder dar mais ao
trabalho do Senhor.
50. Falo carinhosamente e gosto de auxiliar pessoas necessitadas ou
impossibilitadas de se ajudar.
51. Quando alguém está conversando comigo, geralmente percebo quando
não está dizendo a verdade.
52. Já tive a experiência de crer em Deus para coisas impossíveis e vê-las
acontecer.
53. Às vezes, eu tenho uma forte sensação de que sei exatamente o que Deus
deseja dizer a alguém.
54. Eu gosto de trabalhar debaixo de um líder, coordenando outros para ajudá-
los a realizar a visão desse líder.
55. Quando recebo visitas em minha casa, elas se sentem muito à vontade.
56. Gosto de acompanhar um líder, poupando-lhe o tempo servindo-o.
57. Uma das minhas maneiras favoritas de passar o tempo é orando por outras
pessoas.
58. Se Deus me chamasse, gostaria de pregar o evangelho ou alicerçar a igreja
num local distante.
59. Tenho facilidade de falar em público.
60. Preocupo-me com a salvação de meus parentes, amigos, vizinhos e
colegas.
61. Tenho prazer em alimentar espiritualmente outras pessoas, orientando-as
no caminho do Senhor.
62. Gosto de dedicar bastante tempo a aprender novas verdades da Bíblia para
poder comunicá-las aos outros.
63. Deus me revela fatos ou acontecimentos que ninguém me falou.
64. Quando uma pessoa está com problemas, a solução me vem de Deus
através de um versículo da Bíblia.
65. Aceito sem muita dificuldade as impertinências e os erros das pessoas,
crendo que uma conversa pessoal com elas é o melhor remédio.
66. Tenho facilidade de interpretar os ideais ou objetivos de meu grupo e de
pensar em estratégias para pô-los em prática.
36

67. Prefiro estar em atividade, fazendo alguma coisa, ao invés de apenas ficar
sentado ouvindo alguém falar.
68. Meus registros mostram que tenho dado bem mais de 10% de minha renda
para o trabalho de Deus.
69. Sinto-me realizado quando posso fazer algo por uma pessoa doente ou em
necessidade.
70. Geralmente sinto quando as coisas não vão dar certo.
71. Problemas insolúveis já foram resolvidos por eu crer firmemente que Deus
os resolveria.
72. Tenho a sensação de que sei exatamente o que Deus quer que eu, ou
outra pessoa, faça numa oportunidade específica de ministério.
73. Tenho a capacidade de fazer planos eficientes e eficazes para realizar os
objetivos do grupo.
74. Já disseram que eu sou uma pessoa muito hospitaleira.
75. Estou contente servindo alguém pessoalmente para que seja abençoada
em sua vida
ou ministério, mesmo quando minha ajuda não é reconhecida.
76. Alguém já me disse que uma oração minha trouxe respostas tangíveis em
sua vida.
77. Gosto de iniciar trabalhos novos fora da igreja local, como um estudo
bíblico, um ponto de pregação, uma congregação ou um grupo familiar.
78. Quando há algum problema na igreja, acredito que pela pregação sobre o
assunto ele pode ser resolvido.
79. A ênfase de minha mensagem ou conversas tem sido a salvação em Cristo.
80. Quando preciso dar orientação a um grupo de cristãos, sinto-me bem à
vontade, estou “em casa”.
81. Quando um líder ou pastor ensina ou prega com uma interpretação errada,
fico muito irado.
82. Quando outros não entendem como resolver um problema, eu tenho
facilidade de identificar alguma chave para a solução desse problema.
83. Quando leio o texto bíblico, geralmente penso nas suas lições práticas.
84. Quando alguma pessoa está em pecado, geralmente a minha maior
preocupação é ajudá-la em vez de criticá-la.
85. Quando eu começo um grupo ou sou colocado na frente de um, o grupo
cresce e tem resultados visíveis.
86. Aceito com alegria os trabalhos que me pedem, mesmo que sejam do tipo
que qualquer um pode fazer.
87. Quando há alguma necessidade financeira ou material na igreja ou na vida
de alguém, logo penso em contribuir com minhas posses para ajudar.
88. Quando vejo alguma pessoa doente, ou com problemas, sinto grande
compaixão por ela.
89. Tenho facilidade em perceber, e geralmente se confirma, se uma atitude é
certa ou errada.
37

90. Outros foram surpreendidos com respostas imediatas às minhas orações.


91. Tenho facilidade em ouvir a voz de Deus.
92. Tenho experimentado a alegria de ser a pessoa responsável pelo sucesso
de trabalhos especiais em minha igreja.
93. Quero que minha casa esteja sempre disponível para os servos de Deus,
para qualquer necessidade.
94. Tenho prazer em ser um auxiliar, realizando o serviço que melhor atenda
às necessidades da pessoa que desejo ajudar.
95. Persisto num pedido de oração até sentir que Deus tem me respondido.

1 Os inventários de Lourenço Stelio Rega, Peter Wagner e Robert Noble foram adaptados para
desenvolver o inventário acima, junto com alguns itens que eu mesmo desenvolvi. Alguns dons que
Wagner e Noble incluem em seus inventários, não foram incluídos: milagres, cura, línguas, interpretação
de línguas, pobreza voluntária, celibato e exorcismo. Esses dons parecem ser muito óbvios, não
precisando de tal inventário para os identificar. Modifiquei o dom de missionário para o dom de apóstolo
(entendendo que deveriam ser o mesmo) e modifiquei o dom de conhecimento para que seja claramente
sobrenatural. Fiz uma distinção entro o dom de profeta (proclamador, defensor da justiça) e o de profecia
(recebendo mensagens específicas e imediatas de Deus para situações cotidianas). David Kornfield,
Teste de Dons Espirituais, 22/5/09
Transfira suas notas dos 95 itens acima para os respectivos quadros no gráfico
a seguir.

RESPOSTAS Total
1 20 39 58 77 1. APÓSTOLO
2 21 40 59 78 2. PROFETA
3 22 41 60 79 3. EVANGELISTA
4 23 42 61 80 4. PASTOR
5 24 43 62 81 5. MESTRE/ENSINO
6 25 44 63 82 6. CONHECIMENTO
7 26 45 64 83 7. SABEDORIA
8 27 46 65 84 8. EXORTAÇÃO
9 28 47 66 85 9. LIDERANÇA
10 29 48 67 86 10. SERVIÇO
11 30 49 68 87 11. CONTRIBUIR
12 31 50 69 88 12. MISERICÓRDIA
13 32 51 70 89 13. DISCERNIMENTO ESP
14 33 52 71 90 14. FÉ
15 34 53 72 91 15. PROFECIA
16 35 54 73 92 16. ADMINISTRAÇÃO
17 36 55 74 93 17. HOSPITALIDADE
18 37 56 75 94 18. SOCORRO/AJUDA
19 38 57 76 95 19. INTERCESSÃO
38

Tendo terminado de transferir suas notas, some os números de cada


linha horizontal e coloque o total na coluna “Total”. Por exemplo: some
suas notas nos itens 1, 20, 39, 58 e 77 e coloque esse total no primeiro espaço
abaixo da palavra “Total”.
Esse primeiro total indica até que ponto você tem demonstrado o primeiro dom,
o dom de um apóstolo ou obreiro apostólico.
Você pode interpretar o total relacionado a qualquer dom desta forma:
0-05 - indica que você não tem esse dom; também pode indicar uma fraqueza
espiritual quanto à responsabilidade cristã nessa área.
6-10 - indica que provavelmente não tem esse dom, ou o dom nunca foi muito
desenvolvido.
11-15 - indica uma possibilidade de ter esse dom.
16-20 - indica que é quase certeza que tem esse dom.
21-25 - indica que você tem um chamado muito especial nessa área.
39

ESCOLA DE DISCIPULOS
Lição 32 – Conheça o seu temperamento

É importante conhecer qual é o nosso temperamento, pois ele interfere


diretamente em nosso comportamento. O nosso temperamento é a
combinação de características que herdamos de nossos pais e ele nos
acompanhará por toda a nossa vida, e influenciará tudo o que fazemos no dia a
dia. Claro que o temperamento não é a única influência sobre a maneira como
agimos, o ambiente onde nascemos e nos criamos, a nossa educação, os
exemplos dos pais também influenciam de maneira poderosa em nós.

Nunca devemos cair no erro e justificar nossas falhas de caráter


esconde-as atrás de nosso temperamento, e ainda dizermos assim: “... pois é,
é tão forte em mim que não consigo vencê-lo...”. Lembre-se “O Espírito Santo
é o melhor educador e restaurador de temperamentos”. Pr Fernando

Quando nascemos de novo pelo Espírito Santo, e somos inseridos no


Corpo de Cristo sabemos que a nossa vontade, os nossos objetivos pessoais
não devem nortear mais as nossas decisões, porque os que são Filhos de
Deus são guiados pelo Espírito de Deus (Rm 8.14) e quando Cristo vive em
nós, e os seus desejos e os seus projetos passam a ser os nossos, tudo irá
muito bem certamente (Gl 2.20).

Não há problema algum em ter “esse” ou “aquele” temperamento, aliás,


Deus nos criou de forma singular e tudo que existe em nós pode e deve
glorificar o seu nome. (Salmo 103.1). O Espírito Santo pode canalizar todas as
virtudes que há em nós e também pode curar e transformar nossas fraquezas e
falhas para que possamos chegar a ter um caráter maduro e firme diante de
Deus e dos homens. (Ef 4.13)

Além disso é importante lembrar que iremos conviver com pessoas


diferentes e com temperamentos diferentes, no entanto, o que fazer? A Bíblia
tem uma resposta:

Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um
considere os outros superiores a si mesmo. Não atente cada um para o
que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros.
De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em
Cristo Jesus. (Filipenses 2. 3-5)
40

As pessoas são diferentes, e com as diferenças vêm os conflitos, e


mesmo assim é um grande desafio aprender a se relacionar bem com todos.
“Segui a paz com todos...” nem sempre é fácil, mas deve ser o nosso
objetivo como filhos de Deus.

Quando conhecemos o nosso temperamento evitamos muitos conflitos e


aprendemos a viver bem com os outros. Convivências sadias são boas para
todos, especialmente dentro do Corpo de Cristo, onde vivemos para servir uns
aos outros. Vamos aprender então qual é o nosso temperamento.

Há 2.500 anos, Hipócrates (considerado


pai da medicina), classificou o temperamento da
espécie humana em quatro tipos básicos:
sanguíneo, colérico, melancólico e
fleumático.

Certamente iremos nos identificar com um deles pelo menos. Um desses


temperamentos será sempre predominante e teremos características
certamente dos outros três. O convívio desses quatro temperamentos
certamente trará um equilíbrio.

No gráfico seguinte extraído do livro Temperamentos transformados


de TIM Lahaye, vamos conseguir nos identificar melhor.
41

Faça agora uma AUTOAVALIAÇÃO de sua personalidade e descubra


qual a porcentagem de cada temperamento em você, isso ajudará a você
melhorar o seu comportamento e compreender o seu próximo e ajudá-lo a
crescer também.
"A" SANGUINEO "B" COLÉRICO

Cordial Tem peram ento ardente


1 1
Alegre Ativo
2 2
Contagiante Prático
3 3
Bem hum orado Voluntarioso
4 4
Extrovertido Auto suficiente
5 5
Estim ulante Independente
6 6
Bondoso Decidido
7 7
Em otivo Facilidade de tom ar decisões
8 8
Expontâneo Vibra com m uitas atividades
9 9
Ingênuo Pouco influenciado pelo m eio
10 10
Faz am izade com facilidade Influenciador do m eio
11 11
Tem relacionam ento profundo com as pessoas Não se am edronta nas adversidades. Torna-as em desafios.
12 12
Mais coração do que razão Não é dado a detalhes
13 13
Relaciona-se bem Cérebro perspicaz
14 14
Gosta de crianças Não vacila sob pressão
15 15
Esquece as coisas desagradáveis facilm ente Seu sucesso resulta m ais de determ inação e persistência do que de planejam ento
16 16
Sincero Objetivo
17 17
Anim a as pessoas Apresenta sugestões, idéias
18 18
Participa com entusiasm o de novos planos Líder nato
19 19
Barulhento Insistente
20 20
Espalhafatoso Intuitivo
21 21
Curiosidade Infantil Não liga m uito para artes
22 22
Sensível com as necessidades do próxim o Mais razão do que coração
23 23
Desperta de bom hum or Extrovertido
24 24
Otim ista Firm e
25 25
Vive para o presente Não se abala facilm ente com críticas
26 26
Não se sente tem eroso pelo futuro Auto disciplinado
27 27
Não gosta de estar só Geralm ente otim ista
28 28
Fala antes de pensar Gosta do desafio do desconhecido
29 29
Terno e com passivo Se interessa pelo aspecto prático da vida
30 30
Pouco prático e desorganizado Insensível
31 31
Age sem pensar Irado
32 32
Tendência a lascívia Com im petuosidade danosa
33 33
Dificuldade para concentrar-se em leitura ou tarefas que exijam atenção Infringe a lei ou direitos dos outros para atingir os seus objetivos.
34 34
Pouca produtividade Sem com paixão cristã.
35 35
Indisciplinado Indiferente aos anseios das outras pessoas
36 36
Com eça e não term ina seus planos Agressivo
37 37
Responde e se com prom ete sem pensar. Não cum pre. Guarda rancor
38 38
Turbulento Vingativo
39 39
Não conhece suas lim itações Tende a ter úlcera
40 40
Não cum pre horários ou com prom issos Cruel
41 41
Pode alterar seus princípios m orais devido ao am biente que o cerca. Mete-se em apuros pela sua im petuosidade
42 42
Não é leal Dificilm ente pede desculpas
43 43
Egoísta Profere declarações cruéis, sarcásticas
44 44
Dom inador da conversa. Não dá a vez aos outros. Age tiranicam ente sobre os sentim entos dos outros
45 45
Instável em ocionalm ente. Orgulhoso
46 46
Desanim a facilm ente. Arrogante
47 47
Tem explosões de ira e em seguida esquece afetando os outros. Tem dificuldade para concentrar-se quando ora ou lê a Bíblia.
48 48
Se arrepende várias vezes pela m esm a coisa. Frusta os outros porque nunca o satisfazem
49 49
Vontade fraca o faz ceder a tentação. Prepotente
50 50
TOTAL: TOTAL:
42

MELANCÓLICO FLEUMÁTICO

1 Analítico 1 Calm o

2 Abnegado 2 Frio

3 Perfeccionista 3 Bem equilibrado

4 Apreciador de Artes 4 É todo razão

5 Introvertido 5 Mantém as em oções sob controle

6 É todo coração 6 Racional

7 Não desaponta os que dependem dele 7 Raram ente explode em raiva ou riso

8 Não faz am igos com facilidade 8 Aprecia artes

9 Am igo fiel 9 Fino gosto pelas coisas

10 Bom diagnosticador de problem as 10 Controlado

11 Pessoa de confiança 11 Gosta do convívio social

12 Não procura as pessoas. Deixa que elas o procurem . 12 Despreocupado com as circunstâncias em redor

13 Consegue prever os obstáculos de um projeto 13 Sente m ais em oções do que dem onstra

14 Tem confiança em sua capacidade 14 Prático e eficiente

15 Sensibilidade e talento artístico 15 Senso de hum or m ordaz

16 Varia sua disposição de espírito conform e a situação 16 Provoca gargalhadas sem esboçar um sorriso

17 É correto na profissão 17 Cérebro organizado

18 Se sacrifica pessoalm ente 18 Trabalha bem sob tensão

19 Se esquiva de conflitos 19 Pouco se envolve com as atividades do próxim o

20 Não ocioso 20 Vida regrada

21 Criativo 21 Tende à rotina

22 Sensível em ocionalm ente 22 É m ais espectador do que m odificador das circunstâncias

23 Pensador 23 Metódico. Suas coisas estão sem pre arrum adas

24 Revive acontecim entos e decisões passadas 24 É de bom coração m as não deixa transparecer

25 Cum pridor de suas responsabilidades 25 Capaz

26 Evita ficar em evidência 26 Cum pridor de suas obrigações e horários

27 Reservado quanto a expor suas idéias 27 Conciliador

28 Fala pouco, m as é m uito preciso no que diz 28 Pacificador nato

29 Não se com prom ete a fazer m ais do que pode 29 Sabe ouvir com paciência e atenção

30 Introspectivo 30 Bom conselheiro

31 Egocêntrico 31 Moroso

32 Inclinado a auto-análise com placente 32 Indolente

33 Interesse excessivo pela sua condição física 33 Sem m otivação

34 Fica alim entando desejos de vingança 34 Provocador

35 Hipocondríaco 35 Distante e gélido

36 Se ofende m uito facilm ente 36 Obstinado

37 Desconfiado 37 Egoísta

38 Dado a suposições desfavoráveis 38 Indeciso

39 Dificilm ente perdoa 39 Resistente

40 Dotado de autocom iseração 40 Avarento

41 Pessim ista 41 Descom prom issado

42 Inseguro 42 Quando se sente forçado, torna-se m ais vagaroso

43 Tem eroso 43 Espectador da vida sem se envolver

44 Crítico inflexível 44 Acom odado

45 Depressivo 45 Usa seu hum or contra outros

46 Foge da realidade e entra em devaneio 46 Conservador por com odism o

47 Mau hum orado 47 Disfarça sua obstinação com seu hum or

48 Deixa-se levar a m órbidas condições m entais 48 Não se envolve

49 Acha que sem pre estão conspirando contra ele 49 Vacila entre o desejo de fazer e de não fazer algum a coisa

50 Tudo que o afeta é algo capital 50 Procrastinador (sem pre deixa tudo para m ais tarde)

TOTAL: TOTAL:

Obs. Para realizar o cálculo: Conte o número de itens que você se identificou, seja sincero com cada uma das
escolhas e anote abaixo de cada tabela.
Some os resultados (A) +(B) +(C) +(D) = (S). Divida o nº de cada temperamento (A, B, C, D) pela soma (S) e
multiplique por 100. Com isto você obterá a porcentagem de cada temperamento em você.
Calculando a porcentagem:
Porcentagem de A: Total de A x 100 ÷ S = ___________% = Sanguíneo
Porcentagem de B: Total de B x 100 ÷ S = ___________% = Colérico
Porcentagem de C: Total de C x 100 ÷ S = ___________% = Melancólico
Porcentagem de D: Total de D x 100 ÷ S = ___________% = Fleumático
43

REFERÊNCIAS:

 Bíblia Almeida Corrigida e Revisada fiel. Site: www.bibliaonline.com.br

 Bíblia NVI. Site: www.bibliaonline.com.br

 Bíblia Pentecostal. Almeida Revista e Corrigida, edição de 1995.

 C. Peter Wagner. Descubra seus dons espirituais. Ed. Abba Press,


2004.

 Josadak Lima. A Frutificação que permanece. ADSantos, 2012.

 Josadak Lima. Descobrindo o seu lugar no Corpo de Cristo – CDV.

 Josué Gonçalves. 37 qualidades de um líder. Msg para todos, 2002.

 Peter Colley. Pureza de Coração. RS Editora, 2011.

 Princípios de Crescimento e Vida Cristã. www.projetoadoradores.org.br

 Rick Warren. Uma vida com propósitos. Vida, 2013.

 Tim LaHaye. Temperamentos Transformados. MundoCristão, 2001.

 Wyclife. Dicionário bíblico. CPAD, 2006.

 http://docslide.com.br/documents/teste-de-dons-espirituais-mapi.html

Imagens:

(1) http://www.webservos.com.br/gospel/estudos/estudos_show.asp?id=11718

(2) http://www.portaldemarcelino.com.br/portal/frio-formigas-anunciam-inverno-
rigoroso-e-nos-passam-licao-de-vida

(3) http://homem-de-fe.blogspot.com.br/2012/09/os-3-tipos-de-servos.html

(4) www.kdfrases.com

(5) http://www.feemjesus.com.br/estudo/%C3%A1rvores-e-frutos

(6) https://sol2611.wordpress.com

(7) http://kacamposgodoy.blogspot.com.br

Obs. Para a elaboração dessa apostila usamos como fonte de pesquisa os livros, apostilas e sites
mencionados acima, com permissão dos seus autores. Disponibilizamos essa apostila desde que tenha
também a citação do autor.
Todos os direitos autorais pertencem a Comunidade Cristã Peniel de Curitiba.

Contato: Pr. Fernando e Luciane Freitas. Email: fofreitas7@yahoo.com.br