Vous êtes sur la page 1sur 2

Universidade Federal do Ceará

Instituto de Cultura e Arte


Curso de Música – Licenciatura
2017.2
José Roberto Pereira de Freitas Júnior
Relatório de atividades na escola E. T. I. Nossa Senhora de Fátima

 Dia 16/10
Começamos a aula afinando os instrumentos com o auxílio dos alunos. Pedimos
para que eles tentassem cantar a nota emitida pela corda solta e depois fomos
afinando cada um. A intenção com isso é começar a treinar a percepção dos
alunos. Começamos a estudar a música “Ode a Alegria”, que é o quarto
movimento da Nona Sinfonia de Beethoven. Dividimos o estudo em partes.
Primeiro, tocamos só as notas, sem o tempo. Aos poucos fomos tentando executar
as frases da música, já com o tempo certo. Pelo fato dos alunos ainda não lerem
partitura, escrevemos as notas na lousa. Como a música é familiar, não precisamos
explicar muito sobre o ritmo. Nessa aula, alguns alunos faltaram ou chegaram
bastante atrasados, alegando que foi por conta da última aula que eles estavam,
pois, o professor só libera a turma depois de os mesmos realizarem os exercícios
da aula. Devido a quantidade reduzida de alunos, tivemos menos problemas com
conversas. Pelo pouco tempo de aula, mal conseguimos passar o primeiro período,
vamos continuar na próxima aula.

 Dia 23/10
Começamos a aula realizando o mesmo processo de afinação dos instrumentos
realizado na última aula. Continuamos o estudo de “Ode a Alegria”, realizando os
mesmos procedimentos da aula anterior, dividindo a música em trechos e os
juntando aos poucos, mas dessa vez focamos na segunda parte da música. Mais
uma vez tivemos problema com a falta dos alunos.

 Dia 30/10
Faltei a aula, pois fui ao médico com minha mãe

 Dia 06/11
Afinamos os instrumentos da mesma maneira que já vínhamos fazendo nas aulas
anteriores. Pude perceber que aos poucos os alunos estão afinando melhor quando
cantam. Sem a presença do Levi, eu e Sara decidimos unir nossos alunos.
Conversamos com os alunos, buscando um feedback deles em relação ao nosso
trabalho e o sentimento deles a participarem das aulas de música, além de tentar
entender o porquê da redução do número de alunos. Fiquei feliz pelas respostas
deles quando disseram que iam porque gostavam de estar ali, estudando música,
e que valia a pena ficar uma hora a mais na escola para tal. Após esse momento
de conversa, tocamos juntos a escala de D (tonalidade da música que estamos
estudando) e falamos um pouco sobre os acidentes musicais e porque eles existem,
tentando sempre trazer para o contexto da música estudada. Tocamos a música
“Ode a Alegria” juntos, sem precisar escrever as notas no quadro, aumentando a
velocidade aos poucos e tentando corrigir alguns aspectos técnicos. Foi uma aula
bastante produtiva.