Vous êtes sur la page 1sur 2

Ando

Sugiro que provinciais internalizado ideologia imperial durante a longa


períodos de tranquilidade que caracterizaram o anúncio primeiro e segundo séculos e, portanto, que
o império sobreviveu suas crises por causa do que tinha sido alcançado em tempos de paz. No
entanto, seria difícil superestimar a impressão deixada por incursões iniciais de Roma em qualquer
área. A rapidez extraordinária da conquista romana não desempenhou nenhum papel pequeno na
preparação de uma platéia entusiasmada para propaganda imperial. Muitas populações ao redor do
Mediterrâneo atribuído vitórias romanas a deserção de seus deuses de si mesmos e aliança com os
romanos.

p. Xiii

Ideologia imperial e Lealdade Provincial no Império Romano defende unificação semelhante e


tendências universalizantes na distribuição da arte imperial e monumentos, na criação de um
calendário compartilhado e história através de culto imperial, e no desejo de Roma para fundar suas
ações sobre o consenso de seus cidadãos e sujeitos.

Ideologia imperial surge aqui como o produto de uma conversa complexo entre o centro e na
periferia. Eu não, no entanto, insistir na existência de alguma cultura imperial unitária. Em vez
disso, reconhecendo que as ilusões de uma sociedade são muitas vezes os aspectos mais
interessantes e potentes de sua realidade, procuro demonstrar que os residentes do império
acreditava na universalidade de certas cerimônias políticas e das crenças fundamentais que tais
cerimônias expressa. Ao contextualizar essa mudança intelectual e cultural no cotidiano, esta obra
narra uma profunda e generalizada redefinição, não apenas do papel e da natureza do governo, mas
das relações dos indivíduos entre si, suas localidades, e quanto maior comunidade de seu império.

P.5

Processos de aculturação foram precedidas por atos de anexação. O que fez o poder romano
persuasivo ou mesmo atraente para as populações das províncias? O que rendeu culturas provinciais
permeável aos paradigmas romanos para o legítimo exercício do governo? Em suma, o que induziu
quietude em vez de rebelião?

Para responder a estas questões, devemos primeiro compreender que a obediência provincial para a
dominação romana era uma construção ideológica, a sua realização dependente de muitas pessoas
da partilha de um complexo de crenças que sancionou uma noção Roman peculiarmente de ordem
social.

Enfatizando a flexibilidade dos sistemas dóxicas, vou argumentar que o Estado romano invocado
com sucesso a obediência de seus súditos, apelando para vários princípios de legitimação
simultaneamente. Eleitorados particulares respondeu a esses princípios cuja validade eles estavam
predispostos a aceitar.

Era, portanto, Roma que forneceu a articulação inicial dos valores a que os residentes do império
orientavam-se como membros de sua comunidade, e foi a crença de que outros compartilharam
esses valores que legitimaram representação de ordem social, em Roma. Aquiescência e, em última
análise, o reconhecimento, a lealdade a Roma, portanto, necessário que a construção romana da
sociedade, nas relações entre as províncias, cidades, pessoas, imperadores, e do império, mapeada
de forma adequada os compromissos de valor coletivas de seus moradores.
Neste entendimento, a obediência provincial para a dominação romana deve
ser explicado por revelar os mecanismos que tornaram a sua repartição especial de riqueza e poder
moralmente aceitável para aqueles a quem ela aparentemente em desvantagem. O governo romano
não poderia ter alcançado esta revolução ideológica, a menos que, em algum nível, tanto o seu
discurso oficial e do aparelho que ele impôs satisfeitos e, de fato, deliberadamente respondeu às
necessidades de quem governava. Devemos, no entanto, muito cuidado com a identificação das
necessidades da população, tanto econômico e psicológico, com os de seus senhores romanos

lobur

P. 4
Eu, assim, operar sob vários edifícios. Em primeiro lugar, que a transformação de Augusto (que eu
suponho que, para os fins deste estudo, para ter as suas raízes mais próximas, no período triumviral)
composta de uma reestruturação real e completa do poder político, e que esta reestruturação tanto
respondeu a e exigiu mudanças correspondente em ideação.
Em segundo lugar, que os produtos desta
ideação precisava ser refletido na representação (no sentido mais amplo) de potência, e que isso não
era uma questão de indiferença, de acordo com o capricho e bom gosto dos princeps, mas em vez
disso precisa e calculada para promover uma crença na legitimidade do o poder do príncipe entre os
governados. Em terceiro lugar, que esses produtos de ideação que contextualizadas o exercício do
poder e experiência política foram divulgadas tanto no sentido de ser socialmente compartilhada e
de ser reforçados e perpetuados. Finalmente, eu afirmo que as atividades de ideação próprios e os
que disseminaram seus produtos ocorreram dentro da esfera da espontâneas atividades culturais de
elite, e que, embora a casa imperial patrocinado eles e participou delas, sua fiscalização e influência
estava longe de ser dominador.