Vous êtes sur la page 1sur 2

do de Silo Paulo. Ardoroso critico "1 •.. ) havia três candidatos, G. Gur- Lyotard, Jean-François.

O
do socialismo e cético em relação vitch, J. Stoetzel e eu; J. Stoetzel es-
pecificou que nilo agia como candida- pós-moderno. Rio de Janei·
ao comunismo, Inevitavelmente
to diante de mim, mas os favores do ro, José Olympio, 1986. 123
assumindo posições que pode· diretor da seçllodeFilosofla, J.l.apor· p. Trad. Ricardo Corrêa Bar-
riam ser classificadas como con· te, eram pam ele. Os boletins que se bosa.
servadoras, perdi a conta do nú- inclinaram por ele da primeira vez de·
mero de vezes em que Aron me veriam normalmente ter sido por
deixou irritado. Entretanto, a leitu· mim. As palavras comunicadas por
Davy deslocaram provavelmente as
ra de suas Memórias, mesmo pa- poucas vozes que garantiram o suces~
ra aqueles que desconhecem so de Gurvltch" (p. 240). Oue posição ocupa atualmente
completamente sua obra. não dei· o saber nas sociedades mais de-
xará dúvidas de que Aron foi um 4As p. 243. 244 e segs .. Aron detalha senvolvidas? Esta é a questão
o pepel de P. Briuon na reconstrução
dos expoentes do pensamento li- do Ls Rparo. que logo depois da guer- central do livro de Jean-François
beral contemporâneo e, sempre, ra se tornou. em poucos meses, ~~o lyotard. De acordo com ele, tra·
coerentemente com sua postura matutino nacional"' (p. 243). ta-se de um esforço de situar o co-
critica, desafiou os dogmas da es- nhecimento cientifico na chama-
querda até o fim de sua vida, não SEm português, foi editado pela Uni- da condição "pós-moderna". Es-
versidade de Brasllia ltrad. Sérgio
cansando da sa preocupar com a Beth) com o titulo Paz e guerra entre ta designação é empregada para
dialética entre totalitarismo e de- as naçlles, 482 p. A ed'lçlio original, em referir-se ao "estado da cultura
mocracia. llngua francesa, data de 1962. após as transformações que afe-
taram as regras dos jogos da ciên·
60 artigo de Sartre, publicado na re· ela, da literatura e das artes a par-
vista semanal L8 Nouve/ Observateur
(19 jun. 19681, se intitula As Bastilhas tir do final do século XIX" !Intro-
de Raymond Aron. Ver, em especial. dução. p. XVI. O autor interessa-se
Afrânio Mendes Catani as páginas 631 e632das Memórias, de especificamente pelo jogo que
Professor no Departamento de onde foram extraldas as cltsçi!es que
Administração da Faculdade de produz a ciência hoje e pelo seu
aparecem ao longo deste parágrafo.
Educação da Unícamp. espaço nas sociedades informati-
zadas.
Uma das marcas registradas da
..
pós-modernidade, enquento con-
dição da cultura, está na rejeição
aos metadiscursos ou aos "gran-
des relatos", empregados para
1Agrolgatlon: "é o concurso que dá di- justificar o conhecimento cientlfi·
reito a lecionar nas escolas secundá·
rias. Nas cadeiras da Direito, Medici- co em momentos anteriores. A
na a Farmácia, dáacassoeoensino su- contribuição da ciência para o
perior neoaas especialidades" - No- avanço da humanidade deixa de
ta do tradutor das Msmórias de Aron, ser uma justificativa. A fim de
Octávio Alves Valho. p.16. A agréga-
tlon é constltulda de sete provas, es- mostrar o significado e o alcance
critas e orais, nas queis o candidato dessa recusa às juetlflcativas que
pode atingira um máximo de 110 pon- apelam para as "potencialidades
tos IAron. op. cit. p. 41). Aagrágation emancipedoras ou revolucioná-
em Filosofia, por exemplo, inclui "a rias" do saber, Lyotard examina o
traduçllo e o comentário de um texto
em grego" (p. 29). que considera alterações de pers-
pectiva quanto à questão do pro-
2Ver, a respeito, o artigo de Wilson cesso de legitimação da ciência.
Coutinho (Folha de São Paulo, 10 sat. Em caprtulos dedicados ao en·
1988. p.55). em que são discutidas as
MemórlasdeAroneablografiadeAn- sino e à peequisa, o autor cuida do
nie Cohen-Solal intitulada Sartre: exame da forma pela qual circula
1905-19/IOIPorto Alegre, L&PM 1986, socialmente, e em especial entre
692 p.). os cientistas, a noção de "desem-
penho". Ao analisar o funciona-
3Aron fracessou em 1948, num con-
curso de ingresso à Sorbonne. afir- mento do ensino superior e suas
mendo que Georges Gurvitch foi o as- peculiaridades, demonstra-se
colhido. De acordo com Aron. sua par- que. quando o grande critério de
tlclpeçllo como articulista do LB Figa- pertinência é o "desempenho", o
ro acabou por prejudicá-lo. pois duran-
te sue vislts de candidato aos mem- ensino passa a "fornecer ao siste-
bros da bam:a. Georges Davy interpre- ma social as competências cor-
tou que, se ele se visse obrigado a op- respondentes às suas exigências
tar entre a Sorbonne e o jornal L8 F'~ próprias, que são as de manter
garo, nilo renunciaria eo jornalismo. G. sua coesão Interna. Anteriormen-
Devyrapetiu &IIS81nterpretaçllo na as-
sembléia de professores, "por mallcia te, esta tarefa comportava a for-
ou ingenuideda, e decidiu assim ume mação e a difusão de um modelo
eleiçilo aperteda"'. Aron afirme que geral de vida. que legitimava ordi-

64 Revista de Adminlstrttçãc de Empresas


na ria mente o discurso da emanci- desenvolvimento dos bancos de 'reforça-se' a realidade. conse-
paçSo. No contexto da deslegiti· Informações que podem se tornar qüentemente as oportunidade de
mação. as universidades e as ins· "o instrumento sonhado de con· ser justo e deter razllo. E, reclpro·
tituições de ensino superior são trole e de regulamentação". camente. reformam-se as técni·
de agora em diante solicitadas a Problemas importantes como cas de que se pode dispor do se·
formar competências e não mais o de financiamento da pesquisa e ber cientif'ICo e da autoridade de·
ideais 1. .. )" (p. 89). os mecanismos da reconheci· cisória" (p. 84).
No prefácio à edição brasileira, mento da validade e aceitação· Nesse sentido, segundo Lyo-
intitulado "Tempos pós-moder- dO$ enunciadO$ científicos apare- tard, toma forma a legitimação pe-
nos", Wílmar do Valle Barbosa cem analisados pelo autor, ao lo poder- "este não é somente o
lembra que. contemporaneamen- mostrar que a ciência pós-moder· bom desempenho, mas também
te, a "universidade enquanto pro- na deve caminhar pelos mean· a boa verificação e o bom veredic·
dutora da ciência toma-se uma dros do dissenso e da busca do to. O poder legitima a ciência e o
instituição sempre mais impor· contra-exemplo. Ao explicitar diretor por sua eficiência, e esta
tanta no cálculo estratégico-poli· desse modo a questão, Lyotard por aqueles. Ele se autolegitima
tico dos Estados atuais. Se a revo- não perde de viste, entretanto, como parece fazê-lo um sistema
lução industrial nos mostrou que que o caminho trilhado na cons· regulado sobre a otimizaçllo de
sem riqueza não se tem tecnolo- trução do conhecimento na suas performances" (p. 84).
gia ou mesmo ciência, a condição pós-modernidade tem tido como Para além das discussões téc·
pós-moderna nos vem mostrando uma de suas marcas a noção de nicas sobre a produção cientfflca,
que sem saber científico a técni· "desempenho", redimensionan- tal como Lyotard as apresenta,
co não se tem riqueza." (p.XIJ. E do suas relações com a técnica (e importa ressaltar que o livro for·
partindo daí é que são examina- com o poder). Sobre essas mar· nece uma perspectiva original so·
das as relações entra a ciência e a cas, diz o autor: "LI sendo a •rea· bre os rumos que podam ser en·
técnica, e entre estas e o poder, lidada' que fornece as provas pa· trevistos na organização do poder
bem como a transformação des- ra argumentação cientlfica e os e do Estado a partir do no'óiQ jogo
sas relações em decorrência da in· resultados para as prescrições e da ciência e da técnica.
formatizaçlío. Entre as idéias vin- as promessas de ordem jurídica,
culadas a este tema, discutem-se ética e polltica, pode-se vir a ser Denice Barbsra Gatanl
a alteração das relações políticas senhor de ambas tornando-se se· Professora no Departamento de
e a posição do Estado como even· nhor da 'realidade', o que as téc· Metodologia do Ensino da
tual conseqüência do processo de nicas permitem. Reforçando-as, Faculdade de Educaçllo da USP.

Desenvolvimento Industrial e
Rendimento específico
Este trabalho se detém num estudo de caso
- a ligação entre a cultura do milho e o
complexo industrial de rações. Procura contribuir
da Terra: este
para diminuir a lacuna de conhecimentos sobre
ponto, especialmente no caso da agricultura
Um Estudo Uma das principais conclusões do estudo foi a
brasileira.
verificação de que os agricultores que são mais
de Caso. influenciados pela "presença" da indústria obtêm
rendimentos 29% superiores aos dos demais. Esta
observação é de grande importância para
compreendermos o desenvolvimento da cultura do
milho em alguns estados brasileiros e também
sugere que a relação agricultura/indústria precisa
ser. no geral, mais bem compreendida, para que se
acelere o desenvolvimento da agricultura. Um
ponto de pesquisa se apresenta: os efeitos 50bre o
desenvolvimento da agricultura. notadamente em
termos de rendimento e produção, resultantes
deste duplo papel desempenhado pela indústria.
Pedido à Fundação Getulio Vargas/Editora