Vous êtes sur la page 1sur 5

A MULHER ADÚLTERA Jo 8:1-11

Introdução: Mt 6 e 23. Ele havia acabado de ensinar aos discípulos, estava saindo do templo e enquanto
se dirige para casa, um motim se forma em Sua direção. Dezenas de homens carregam uma mulher
segurando-a fortemente nos braços. Empurram, agridem verbalmente. Ela, com as vestes rasgadas, os
cabelos assanhados, chora, soluça implora piedade. Teria sido a mulher, vitima de armação? Onde
estaria o homem que adulterou com ela? onde o pecado abundou, superabundou a graça; Rm 5:20

I) UMA SOCIEDADE INJUSTA ACUSANDO ALGUÉM DE INJUSTIÇA

A) eram caçadores de problemas/ b) Estavam ávidos por um espetáculo mortífero/ c) No fundo, estava
ali a busca da auto justificação de cada um deles/ d) O erro dos outros me assegura de que não estou
sozinho/ e) A sociedade vive buscando a punição dos errados/ f) Para nós, o lugar dos errados deve ser
na Igreja – onde encontramos restauração. O que sai do homem isso contamina o homem. Porque do
interior do coração dos homens saem os maus pensamentos, os adultérios, as fornicações, os
homicídios, Os furtos, a avareza, as maldades, o engano, a dissolução, a inveja, a blasfêmia, a soberba,
a loucura. Todos estes males procedem de dentro e contaminam o homem. Marcos 7:20-23

II) UMA SOCIEDADE INJUSTA BUSCANDO ERRO NA DIVINDADE DE CRISTO

A) Eles não se contentam em condenar a seus semelhantes. Vs 6 – eles o tentavam/ b) Os líderes


religiosos faziam oposição a Jesus porque se sentiam ameaçados./ c) aqui está o confronto Jo 3:19-
21

III) UMA SOCIEDADE CERTINHA QUE RESISTE A UM SIMPLES CONFRONTO

A) Nos vers. 7,8 Jesus os põe a pensar. É fácil acusar/ b) Jesus conhece muito bem o coração humano –
Jo 2:23-25/ c) Aqueles homens usavam a religi~]ao como máscara para se proteger

IV) UMA SOCIEDADE DISTANTE QUE NÃO CONHECE NEM A MISERICÓRDIA E NEM O PERDÃO

A) Onde não há perdão, não existe amor/ b) O amor é o carro chefe do cristianismo/ c) Cristianismo sem
perdão seria sistema religioso falido. Co 13:1... Marcos 11: 25 e 26 “25- E, quando estiverdes orando,
se tendes alguma coisa contra alguém, perdoai, para que o vosso Pai celestial vos perdoe as vossas
ofensas. 26- Mas, se não perdoardes, também vosso Pai celestial não vos perdoará as vossas ofensas”.
A passagem Bíblica que narra o encontro de Jesus com a mulher adúltera,
já se inicia de maneira revolucionária: "Jesus, assentando-se, ensinava no
templo" (Jo 8:2). Ele se assentava em qualquer parapeito, degrau, calçada,
barco, aonde fosse e ministrava a Palavra. Enquanto isso, os fariseus
disputavam o púlpito e as melhores cadeiras nas sinagogas.

Ele havia acabado de ensinar aos discípulos, estava saindo do templo e


enquanto se dirige para casa, um motim se forma em Sua direção.
Dezenas de homens carregam uma mulher segurando-a fortemente nos
braços. Empurram, agridem verbalmente. Ela, com as vestes rasgadas, os
cabelos assanhados, chora, soluça implora piedade. Teria sido a mulher,
vitima de armação? Onde estaria o homem que adulterou com ela? Por
que omitiam parte da lei de Moisés que previa apedrejamento para o
casal?

"Também o homem que adulterar com a mulher do outro havendo


adulterado com a mulher de seu próximo, certamente morrerá o adúltero
e a adúltera" Lv 20:10

A intenção não era fazer justiça, mas punir Jesus, a mulher era uma
espécie de "isca": "Na lei nos mandou Moisés que as tais sejam
apedrejadas, Tu, pois, que dizes"? Jo 8:5. Enquanto os homens seguram
pedras nas mãos, bradam por morte, Jesus se inclina para escrever na
terra. Eles ficam surpresos com a atitude de Jesus. Movimentam a cabeça
em dúvida enquanto olhares procuram resposta: "O que Ele está
fazendo"?! Penso que o gesto de Jesus foi uma forma de dizimar a ira,
calar os insultos, as muitas vozes. Jesus se inclina e eles silenciam, soltam
à mulher, que em suspense aguarda o desfecho.

"Ele escrevia com o dedo na terra" Jo 8:6

Não haviam muitas pedras no lugar, O Mestre se agacha e espalha com as


mãos o pó das pedras, a areia. Representantes da Lei ajuntam pedras.
Jesus representante da graça se interessa pelo pó delas. Eles, a morte.
Jesus, a Vida: “E formou Deus o homem do Pó da terra" (Gn 2:7). Nas
mãos do carpinteiro, o pó da terra é moldado.

Jesus inaugura um novo tempo em que às pedras testificariam do Seu


poder: "Digo-vos que, se estes se calarem, as próprias pedras clamarão" Lc
19:40

"Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e


sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais, agradáveis a Deus,
por Jesus Cristo." IPe 2.5
Ao se agachar em meio à turba Jesus nos dá uma lição: "Seja um
pacificador". Aquele motim de homens enfurecidos não contamina o
coração de Jesus. Já não se ouve o som das muitas vozes, uns poucos
homens perguntam simultaneamente: "Dize o que devemos fazer"? "Jesus
endireita-se e diz: "Aquele que de entre vós está sem pecado seja o
primeiro que atire pedra contra ela e tornando a inclinar-se escrevia na
terra" Jo 8:7-8

Jesus escreve na terra de costas para eles. A segunda agachada de Jesus,


mais uma vez transforma a situação. Obriga-os a refletir: "Saíram um a um
a começar pelos mais velhos." Envergonhados, feridos na consciência,
soltam as pedras ao chão. A graça não veio para condenar, mas para
salvar: "Nem eu também te condeno; vai-te e não peques mais" Jo 8:11. A
mulher profundamente agradecida sai correndo pelas ruas segurando
suas vestes rasgadas.

A notícia deve ter se espalhado em Jerusalém, chegado aos ouvidos de seu


marido. A Bíblia não menciona o que aconteceu com o casamento daquela
mulher, mas vejo seu esposo "soltando as pedras", abraçando-a,
perdoando-a. Assim creio porque Deus começou uma obra na vida dela e
deve ter amparado-a em sua família.

Existem muitas lições nessa maravilhosa passagem das Escrituras, não me


atrevo a enumera-las. Apenas oro para que o Espírito Santo fale aos
corações revelando os mistérios da graça. Soli Deo Glória. Baseado em
João 8:1-11.
O episódio é contado por João 8,1-11. O texto aparece somente nesse
Evangelho e muitos manuscritos antigos não o contêm. Muitos exegetas
pensam que não se trate de um texto de João, pois parece mais típico, por
exemplo, de Lucas. Apesar dessas questões literárias, não há dúvidas
sobre sua inspiração e é uma das páginas mais bonitas dos Evangelhos.
O texto conta que a Jesus, quando ensinava no Templo, é apresentada
uma mulher que havia sido descoberta cometendo adultério. Lembram a
ele que a Lei diz que tal mulher deveria ser morta, apedrejada e
perguntam o que ele pensa. Não responde e começa a escrever com o
dedo na terra. Voltam a questionar e ele diz: quem não tem pecado atire a
primeira pedra. Todos vão embora e Jesus diz à mulher: "eu também não
te condeno. Vai e não peques mais".
A mensagem evangélica é bem objetiva: diante do pecado, Deus acolhe o
pecador de braços abertos, convidando-o à conversão (vai e não peques
mais!).
Do ponto de vista exegético, precisamos chamar a atenção para vários
elementos. Primeiro de tudo diante de Jesus é colocado um caso jurídico
cuja resolução era bastante óbvia, do ponto de vista da Torá, visto que
tanto o Levítico (20,10) quanto o Deuteronômio (22,22) dizem que toda a
mulher e homem surpreendidos em adultério devem ser condenados à
morte. Isso representa o que a Lei e Moisés dizem. Interpelam Jesus
dizendo: "e tu o que dizes?" É evidente que há um confronto entre a
Primeira Lei, a Torá e o ensinamento de Jesus.
Jesus escreve com o dedo por terra
Entender esse tópico é o ponto da sua questão. Categoricamente
podemos dizer que não há no texto elementos que nos ajudam a entender
o significado último deste gesto de Cristo. Todavia os exegetas fizeram
várias hipóteses. Acredito que a estrada mais segura é tentar interpretar
esse gesto a partir do fato que há no texto um confronto entre o
ensinamento de Jesus e o da Lei dada por Moisés.
Nessa perspectiva é importante notar que Jesus escrevia na terra com o
dedo. Tendo presente esse elemento, vejamos o que dizem o Êxodo e o
Deuteronômio a propósito do dom da Lei de Deus a Moisés:
Êxodo 31,18: Quando ele terminou de falar com Moisés no Monte
Sinai, entregou-lhe as duas tábuas do Testemunho, tábuas de
pedra escritas pelo dedo de Deus.
Deuteronômio 9,10: Iahweh deu-me então as duas tábuas de
pedra, escritas pelo dedo de Deus.
Portanto, a Torá é a lei escrita pelo dedo de Deus. É o mesmo que Jesus
faz. Está escrevendo uma nova lei, sobre a terra e não sobre a pedra. A
terra é de todos: é uma lei universal!
É importante notar, para não criar confusão, que a nova lei escrita por
Jesus é intimamente ligada à antiga. De fato ambas são escritas com o
dedo de Deus. A lei é reinterpretada, desenvolvida!
1 - Sete demônios saíram dela (Lucas 8:2).
2 - Ela era uma das mulheres que ajudaram Jesus e seus discípulos
enquanto estes pregavam o evangelho (Lucas 8:1-3).
3 - Ela e muitas outras mulheres seguiram Jesus desde a Galiléia
quando ele foi para Jerusalém no final do seu ministério (Mateus
27:55-56).
4 - Quando Jesus foi levado para ser crucificado, ela e outras
seguiram de longe (Mateus 27:55-56; Marcos 15:40-41).
5 - Quando Jesus foi sepultado, ela foi uma das mulheres que
observou o lugar onde o corpo foi posto (Marcos 15:45-47).
6 - Ela e outras mulheres foram ao túmulo no primeiro dia da
semana para embalsamar o corpo de Jesus (Marcos 16:1-2; Mateus
28:1).
7 - Quando ela encontrou o sepulcro aberto, correu para avisar
Pedro e João (João 20:1-2).
8 - Ela foi uma das primeiras a receber a notícia da ressurreição
quando um anjo falou às mulheres perto do túmulo aberto (Mateus
28:5-6). Anunciou a boa notícia aos discípulos (Lucas 24:9-10).
9 - Ela foi uma das primeiras pessoas a ver Jesus depois da
ressurreição (Mateus 28:8-10; João 20:13-18).