Vous êtes sur la page 1sur 9

Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA

Campus Caraúbas
Bacharelado Engenharia Civil
Disciplina: Estruturas de Aço
Docente: Ana Paula

Túlio Sales de Oliveira

PROCESSO SIDERÚRGICO

Caraúbas/RN
(2018)
INTRODUÇÃO

O aço é um material que é fabricado no setor da indústria siderúrgica a partir


da extração do minério de ferro da natureza. Assim, como qualquer outro produto o
minério de ferro passar por algumas etapas de transformação do até chegar ao
produto final que é o aço. Abaixo segue uma demonstração histórica do aço:

Em 1400 A.C. se deu a invenção do aço, um processo dispendioso e incerto,


que na época era usado para a fabricação de espadas.
No século XIV, a produção de ferro líquido era através dos altos-fornos
encontrados na região da Alemanhã em seguida o processo em cadinho era a
refusão das barras de ferro em cadinho de argila esse um processo que originava
um aço de melhor qualidade, mas que não era viável economicamente.
O processo Bessemer foi criado por Bessemer em que o mesmo consistia
passar pelo ferro líquido um fluxo de ar através de furros na base do conversor,
sendo assim, queimando o excesso de carbono deixando apenas o aço.
O forno Siemens-Martin era um tipo de forno também para a produção de
aço. Esse processo foi inventado visando a utilização de combustíveis como óleos e
gás, ao invés de aquecimento elétrico.
Por volta de 1878 D.C. veio a invenção do forno LD e elétrico o qual se dava
por meio de uma lança refrigerada com água onde injeta oxigênio puro a uma
pressão de 4 a 12 bar no conversor. Abaixo segue uma ilustração de como se
comporta a siderúrgica moderna:
Classificação dos aços

De acordo com Pannoni (2005) os aços podem ser classificados conforme


uma distinção entre os aços carbonos comum e os aços ligados.

Os aços-carbono são divididos em três categorias:

 Aços com baixo teor de carbono: com (C) < 0,3%, que possui grade
ductilidade, ou seja, são ótimos para o trabalho mecânico e soldagem
como a construção de pontes, edifícios, navios, caldeiras e peças de
grandes dimensões em geral.
 Aços de médio carbono: com 0,3< (C) <0,7%, são aços utilizados em
engrenagens, bielas, cilindros, isto é, peças para motores. São aços
que, temperados e revenidos, atinge boa tenacidade e resistência.
 Aços com alto teor de carbono: com (C) > 0,7%, são aços de elevada
dureza e resistência após a tempera, e são comumente utilizados em
molas.

Propriedades dos aços estruturais

Propriedades e características:

 Ductilidade: É a capacidade do material de se deformar plasticamente sem


se romper e é definida pela extensão do patamar de escoamento. Nas
estruturas metálicas, esta característica é de extrema importância pelo fato de
permitir a redistribuição de tensões locais elevadas. Desse modo, as peças de
aço sofrem grandes deformações antes de se romper, constituindo um aviso
da presença de tais tensões. Além disso, a ductilidade é uma propriedade que
torna o aço resistente a choques bruscos.

 Tenacidade: É a capacidade do material de absorver energia quando


submetido à carga de impacto. É a energia total, elástica e plástica, absorvida
pelo material por unidade de volume até a sua ruptura, representando a área
total do diagrama tensão de formação. Logo, um material dúctil com a mesma
resistência de um material frágil possui uma maior tenacidade, já que requer
maior quantidade de energia para ser rompido.

 Elasticidade: É a capacidade do material de voltar à forma original após


sucessivos ciclos de carregamento e descarregamento. O aço sofre
deformações devido ao efeito de tensões de tração ou de compressão. Tais
deformações podem ser elásticas ou plásticas, devido à natureza cristalina
dos metais através de planos de escorregamento ou de menor resistência no
interior do reticulado. Os aços estruturais possuem um módulo de elasticidade
da ordem de 205000 MPa, a uma temperatura de 20°C.

 Plasticidade: É uma deformação definitiva provocada pelo efeito de tensões


iguais ou superiores ao limite de escoamento do aço. Deve-se impedir que a
tensão correspondente ao limite de escoamento seja atingida nas seções
transversais das barras, como forma de limitar a sua deformação.
Perfis estruturais

Perfis para colunas:

As colunas de edifício são dimensionadas fundamentalmente à compressão.


Então diante essa ocasião são utilizados perfis que apresentem inercia significativa
em relação ao eixo de menor inercia.

PERFIL LAMINADO:

PERFIL SOLDADO

PERFIL I LAMINADO REFORÇADO

PERFIL DE SEÇÃO CAIXÃO

PERFIL TUBULAR

Perfis para vigas:

Os perfis de aço utilizados nas vigas dos edifícios são dimensionados


pressupondo-se que terão a mesa superior travada pelas lajes. Neste conceito, as
vigas não estarão portanto sujeitas ao fenômeno da flambagem lateral com torção.
PERFIL LAMINADO

PERFIL SOLDADO COM MESAS DESIGUAIS COMO PARTE DE VIGA MISTA

Perfis para contraventamento:

As seções dos perfis para contraventamentos costumam ser leves. Sua


escolha leva em conta a esbeltez e a a resistência aos esforços normais. No caso de
edifícios a esbeltez das peças tracionadas principais é limitada a 240mm e das
comprimidas limitadas a 200mm.

SEÇÃO EM UMA CANTONEIRA

SEÇÃO CAIXÃO EM DUAS CANTONEIRAS

SEÇÃO COM DUAS CANTONEIRAS COM ABAS PARALELAS

SEÇÃO COM DUAS CANTONEIRAS COM ABAS EM CRUZ

SEÇÃO H LAMINADO
SEÇÃO H SOLDADO
Referências

PANNONI, Fabio Domingos. Aços Estruturais. 2005.

COPAERT, H. Metalografia dos produtos siderúrgicos comuns. São Paulo, SP. Ed. da
Universidade de São Paulo, 1974.

COSTA E SILVA , A.L. e MEI, P. R Aços e ligas especiais. Sumaré, SP. ELETROMENTAL
metais especiais, 1988.

ALMEIDA, Luiz Carlos de. O aço estrutural. Disponível em: <http://www.fec.unicamp.br>.


Acesso em: 26 jan. 2018.