Vous êtes sur la page 1sur 175

Introdução à Engenharia de

Controle e Automação

Bruno Henrique Groenner Barbosa

brunohb@deg.ufla.br
DEG - UFLA
Minha Formação
• Graduação em Engenharia de Controle e
Automação (2003) – UFMG
▫ Vestibular 1997, o primeiro do curso de C&A
▫ Monografia Final de Curso: Cálculo das perdas de
temperatura na aciaria da usina Belgo Mineira de
João Monlevade (Arcelor)
Minha Formação
Minha Formação
• Mestrado em Engenharia Elétrica (2006) -
UFMG
▫ Área: Sinais e Sistemas
▫ Grupo MACSIN: Modelagem, Análise e Controle
de Sistemas Não-lineares
▫ Instrumentação, Modelagem, Controle e
Supervisão de um Sistema de Bombeamento de
Água e Módulo Turbina-Gerador
Minha Formação
Minha Formação
Minha Formação
Minha Formação
• Doutorado em Engenharia Elétrica (2009) -
UFMG
▫ Área: Sinais e Sistemas / Inteligência Artificial
▫ Computação Evolucionária e Máquinas de Comitê
na Identificação de Sistemas Dinâmicos Não-
Lineares
▫ Estágio de doutoramento na UNSW, Canberra,
Austrália, durante o ano de 2008:
 Grupo ALAR (Artificial Life and Adaptive Robotics)
Experiência Acadêmica e Profissional
• Iniciação Científica (2001-2002)
▫ Sincronismo de Osciladores Caóticos: estudo, projeto e
construção de circuitos
• Estágio Curricular (2002-2003)
▫ Usina Belgo Mineira em João Monlevade
• Estágio em Docência – UFMG (2006)
▫ Disciplina: Instrumentação Industrial
• Professor Substituto – UFMG (2006-2007)
▫ Disciplinas: Laboratório de Controle e Automação I, Laboratório
de Controle e Automação II, Laboratório de Eletrônica Analógica
e Digital e Estágio Supervisionado
A Engenharia
• Arte de aplicar conhecimentos científicos e
empíricos e certas habilitações específicas à
criação de estruturas, dispositivos e processos
que se utilizam para converter recursos
naturais em formas adequadas ao
atendimento das necessidades humanas

Fonte: Dicionário Aurélio


A Engenharia
• O mundo sem engenheiros (www.anvari.org):
A Engenharia
• O mundo sem engenheiros:
A Engenharia
• O mundo sem engenheiros:
A Engenharia
• O mundo sem engenheiros:
A Engenharia
• O mundo sem engenheiros:
A Engenharia
• O mundo sem engenheiros:
A Engenharia
• O mundo sem engenheiros:
A Engenharia
• Teoria x Prática
▫ Uma base teórica sólida permite entender bem
as coisas práticas e ajuda no desenvolvimento
de novas idéias e produtos.
▫ É do conhecimento que surgem as idéias para
projetos inovadores que servirão de benefício
prático para a sociedade.
A Engenharia
A Engenharia
• Resolvedores de problemas.
• Procuram as melhores formas, mais rápidas e
menos dispendiosas de utilizar matérias primas
e forças da Natureza para responder a desafios.
• Não só considerações técnicas, mas também
ambientais, sociais e financeiras.
A Engenharia
• Sucesso profissional do engenheiro moderno:
▫ não está relacionado apenas com as notas na
graduação
▫ não está muito relacionado com os títulos de
pós-graduação adquiridos
▫ fortemente relacionado com fatores pessoais:
 honestidade, força de vontade, caráter, iniciativa,
entusiasmo, motivação, capacidade de
comunicação, metodologia de solução de
problemas, aptidão para o gerenciamento e para
o trabalho em equipe
A Engenharia
• Foco na transformação de produtos e materiais
▫ física, química, matemática (aço)
▫ biologia (eng. genética)
• Foco nos processos e serviços: informação
▫ informática (processamento de dados)
▫ sistemas de gerenciamento
▫ aumentar a produtividade (aumento da
disponibilidade ou diminuição do custo)
A Engenharia
• Anteriormente era possível dividir os engenheiros
em cinco grupos:
▫ os que trabalhavam com estruturas
▫ os que trabalhavam com transformação de materiais
▫ os que trabalhavam com fluxo de potência
▫ os que trabalhavam com o processamento de sinais e
dados
▫ os que trabalhavam na interface desses grupos,
preocupados com o controle do comportamento da
máquina a partir do fluxo de informações ou com a
instrumentação necessária (sensores, atuadores,
protocolos)
A Engenharia
• Com o uso de tecnologias avançadas de controle
e de fluxo de informação em todos os grupos,
surge a necessidade de implantação dos cursos
de controle e automação
• Consequência:
▫ versatilidade
▫ trabalho em equipes multidisciplinares:
engenheiros, administradores, economistas,
advogados, etc.
A Engenharia de Controle e Automação

• Engenharia de que?
• Qual é o produto ou processo?
▫ objeto abstrato!
• Conhecimento eclético
• Por ser uma engenharia de base tecnológica,
devemos estar sempre atualizados (pensem na
informática)
• Os conceitos teóricos pouco mudam
A Engenharia de Controle e Automação

• Envolve os cursos: Engenharia Elétrica,


Engenharia Mecânica e Ciência da Computação
A Engenharia de Controle e Automação

• Controle:
▫ Ramo do conhecimento que estuda maneiras
sistemáticas de descrever sistemas e de sintetizar
ações tais que esses sistemas se comportem de
maneira previamente determinada
Fonte: Enciclopédia da Automática
A Engenharia de Controle e Automação

• Automação:
▫ Estuda maneiras de implementar e de realizar
ações para tornar um sistema ou processo
automático, sendo que tais ações podem, ou não,
ter tido sua origem na área de controle
Fonte: Enciclopédia da Automática
A Engenharia de Controle e Automação
• Atividades:
▫ concepção, especificação, configuração e
instalação de sistemas automatizados
▫ avaliação de desempenho e otimização de sistemas
automatizados em operação
▫ integração de sistemas automatizados isolados
(ilha de automação) concebendo uma automação
completa desde os sistemas de produção até os
sistemas de gestão empresarial da empresa
A Engenharia de Controle e Automação

• Atividades (cont):
▫ desenvolver produtos, serviços e software para
controle e automação
▫ análise de segurança e manutenção dos sistemas
de controle e automação
▫ gerenciamento dos sistemas produtivos e das
informações
A Engenharia de Controle e Automação
• Principais ramos da indústria que empregam técnicas
de automação e controle:
▫ controle de processos industriais: química e petroquímica,
papel e celulose, farmacêutica, siderúrgica e metalúrgica,
mineração e cimento, tratamento de água e efluentes, nuclear
▫ controle de sistemas elétricos: geração e distribuição de
energia elétrica, motores e geradores
▫ controle embarcado: aviões, foguetes e mísseis, automóveis,
trens e metrôs, navios e submarinos
▫ automação da manufatura e robótica: montadoras de
automóveis
▫ automação predial: automação de prédios, shopping centers,
hospitais
A Engenharia de Controle e Automação

• Quando surgiu a Eng. de Controle e Automação?


• Cursos:
▫ Mecatrônica USP: Engenharia Mecânica –
Habilitação Automação e Sistemas
▫ Engenharia de Controle e Automação (UFSC,
1988)
▫ Ênfases em controle da Engenharia Elétrica
▫ Ênfases em controle e automação de outras
engenharias (Química e Computação)
A Engenharia de Controle e Automação

• Cursos:
▫ As formações oferecidas por esses cursos não são
homogêneas
▫ PUC-MG: Mecatrônica x Controle e Automação
▫ O profissional formado em Controle e Automação
normalmente possui formação mais ampla, menos
dependente das outras engenharias
A Engenharia de Controle e Automação

• Cursos:
▫ Quantos cursos de Controle e Automação existem
hoje no Brasil?
▫ Em 1996 eram 8 e em 2005 eram 60 segundo a
Enciclopédia de Automática. Hoje já são mais de
100! Estamos dominando o mundo...
A Engenharia de Controle e Automação
A Engenharia de Controle e Automação
• Conselho Nacional de Educação (CNE):
▫ Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em
Engenharia (Resolução).
• Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia
(CONFEA)
▫ Discrimina em 1999 as atividades profissionais do Eng. de Controle
e Automação (Resolução)
• MEC – 1994: Controle e Automação como habilitação
específica, com origem na Elétrica e Mecânica:
▫ Controle de processos, sistemas industriais, instrumentação e
informática industrial, administração de sistemas de produção e
integração e avaliação de sistemas
A Engenharia de Controle e Automação
• Participação importante da SBA (Sociedade
Brasileira de Automática)
▫ criada em 1975 com o objetivo de promover a
ciência e tecnologia do controle automático
▫ Enciclopédia de Automática
▫ Revista Controle e Automação
▫ Inscrevam-se!
• ENECA
A Engenharia de Controle e Automação
• Discussão da lista da SBA:
▫ Quantos nomes de cursos de engenharia
existem no Brasil?
▫ MEC planeja mudar nome de diversos cursos
de engenharia (2009):
 de um total de 258 nomes para 22!

nomenclatura_MEC.pdf
A Engenharia de Controle e Automação
• Discussão da lista da SBA:
▫ MEC planeja mudar nome de diversos cursos
de engenharia
▫ Resposta do primeiro presidente e fundador da
SBA:

SBA-MEC-2009.pdf
A Engenharia de Controle e Automação
• Exercício:

▫ Baixar e ler o artigo:

Pena, R. T., Jota, F. G. e Seixas Filho, C. “A New


Undergraduate Degree in Control
Engineering”. IEEE Transactions on
Education, vol. 44, no. 4, pp. 399-405, 2001.

▫ Encontrar o artigo no Portal da Capes


A Engenharia de Controle e Automação
• Exercício:
A Engenharia de Controle e Automação
• Exercício:
Controle
• Processo:
▫ dispositivo ou uma transformação que se
deseja controlar
Controle
• Controlar um processo significa atuar sobre
ele, ou sobre as condições a que o processo
está sujeito, de modo a atingir algum objetivo
• Para que controlamos um processo?
▫ Controle de velocidade CD-Player
▫ Temperatura do forno a gás
▫ Pressão e temperatura do corpo
▫ Desempenho, estabilidade, comportamento
desejado
Controle
• Para controlar um processo é necessário
conhecer o processo
▫ Modelos matemáticos
• Perguntas frequentes:
▫ O que controlar?
▫ Qual é o objetivo do controle?
▫ Como controlar?
Controle
• Para controlar é necessário conhecer o
processo
Controle
• Monitoração: elementos sensores
▫ responsáveis pela leitura do estado em que o
processo se encontra
▫ existem sensores de presença, de nível, de
pressão, de temperatura, de umidade, etc
Controle
• Monitoração: elementos sensores
Controle
• Monitoração: elementos sensores
Controle
• Monitoração: elementos sensores
Controle
• Monitoração: elementos sensores
Controle
• Monitoração: elementos sensores
Controle
• Monitoração: elementos sensores
Controle
• Atuação: atuadores
▫ elementos que atuam sobre uma grandeza
física do processo, atendendo a comandos que
podem ser manuais ou automáticos
Controle
• Atuadores
Controle
• Atuadores
Controle
• Atuadores
Controle
• Controlador:
▫ componente que une o resultado da leitura dos
elementos sensores com os objetivos de
controle e manipulam os elementos atuadores,
implementando alguma lógica de controle
Controle
• Controlador:
Controle
• Sistema biológico x Sistema Mecatrônico
Controle
• Controle manual:
Controle
• Termos:
▫ Variável controlada: a grandeza do sistema de
interesse a ser medida e mantida em um valor
desejado
▫ Variável manipulada: a grandeza ou condição
alterada de modo a permitir que a variável
controlada seja afetada
▫ Setpoint (valor de referência): o valor desejado
para a variável controlada
Controle
• Controle em malha-aberta
Controle
• Controle em malha-aberta
Controle
• Controle em malha-fechada
Controle
• Controle em malha-fechada
Controle em Malha Fechada
• O desempenho de um sistema é analisado em
duas etapas:
▫ Transiente
▫ Estado estacionário
Controle em Malha Fechada
• Em determinados sistemas, a utilização de
controlador, malha fechada, é necessária para
satisfazer alguns critérios de controle:
▫ Rejeição à perturbação
▫ Erro em estado estacionário
▫ Resposta transiente
▫ Sensibilidade à mudança de parâmetros da
planta
Controle em Malha Fechada
• A implantação de um sistema de controle
geralmente envolve :
1. Escolha dos sensores para medir os sinais de
retroalimentação
2. Escolha dos atuadores
3. Obter modelos da planta, sensores e atuadores
4. Implementar o controlador baseado nos modelos e
nos critérios de controle
5. Avaliar o desempenho do controle, por simulação e
finalmente no sistema físico
6. Repetir esse procedimento de modo a obter uma
resposta do sistema físico satisfatória
Estabilidade
• Um sistema é estável se, para qualquer entrada
limitada, a sua saída é também limitada
• Ponte sobre o desfiladeiro de Tacoma:
▫ Em 7 de novembro de 1940, aproximadamente às 11 horas, a
ponte sobre o desfiladeiro de Tacoma começa a entrar em
colapso, em função de vibrações geradas por ventos, que não
eram fortes. A ponte havia sido aberta para o tráfego há apenas
alguns meses.

▫ Tacoma
Ações de Controle
• Controle on-off
• Ação proporcional
• Ação integral
• Ação derivativa
Ações de Controle
• Controle on-off:

{
• u(t) =
U1 se e(t) > 0
U2 se e(t) < 0
Ações de Controle
• Controle on-off
▫ Problema no zero (ruídos): solução histerese na
lógica de controle
▫ Problema de oscilações:chaveamento mais rápido
(vida útil de equipamentos)
Ações de Controle
• Ação Proporcional:

• Ação Integral (anular erro estado estacionário):

• Ação Derivativa (preditiva):


Controlador PID
• Dentre os controladores, o mais conhecido e
utilizado é o PID (proporcional, integral e
derivativo):
Sistemas de Controle
• Tipos de Controle
▫ Controle analógico
▫ Controle digital
Controlador PID
• PID analógico:
Controlador PID
• PID digital (rotina):

1. P(k) = Kp E(k)
2. I(k) = I(k-1) + Ts (E(k) + E(k-1)) / (2 Ti)
3. D(k) = Td (E(k) – E(k-1)) / Ts
4. U(k) = P(k) + I(k) + D(k)
Controle
• Estabilidade operacional, segurança
operacional e pessoal
Controle
• Adaptação à perturbações externas
Controle
• Exemplos:
Controle
• Exemplos:
Segway (Pêndulo Invertido):
Controle
• Exemplos:
Controle
• Exemplos
Controle
• Exemplos
Controle
• Sistema de Bombeamento
▫ Variável controlada
▫ Variável manipulada
▫ Setpoint
Controle
• Sistema de Bombeamento
▫ Como controlar?
 Instrumentação
 Sensores, atuadores, controlador
Controle
• Sistema de Bombeamento:Instrumentação
Controle
• Sistema de Bombeamento: Instrumentação
Controle
• Sistema de Bombeamento: Instrumentação
Controle
• Sistema de Bombeamento: Instrumentação
Controle
• Sistema de Bombeamento: Instrumentação
Controle
• Sistema de Bombeamento: Instrumentação
Controle
• Sistema de Bombeamento: Instrumentação
Controle
• Sistema de Bombeamento: Instrumentação
▫ Bancada PC
Tela Sinóptico
Tela Controle
Tela Gráficos
Controle
• Sistema de Bombeamento

Malha Aberta Malha Fechada


Atividade
• Projetar um sistema de controle automático:
▫ Controle dinâmico em malha-fechada
 Objetivo de controle
 Justificativa para usar malha-fechada
 O que se espera do sistema de controle, por exemplo, erro aceitável.
 Instrumentação (sensores e atuadores)
 Variável manipulada, controlada, setpoint...
▫ O que será avaliado?
 Coerência (realmente representa um sistema em malha fechada)
 Criatividade
 Complexidade
 Apresentação na sala
▫ Qual a pontuação?
 33 pontos
▫ Para quando?
 Daqui a duas semanas deverás ser entregue a parte escrita e feita
uma apresentação de 5 minutos por grupo -todos os integrantes do
grupo deverão falar !
Automação
• Sistema, apoiado em computadores, que
substitui o trabalho humano em favor da
segurança das pessoas, da qualidade dos
produtos, da rapidez da produção, da redução
dos custos e de uma maior flexibilidade.
• Mais disponibilidade e qualidade da
informação sobre o processo.
Automação
• Um dos primeiros sistemas automáticos que
se tem notícia:
• Sistema automático de abertura de portões
Heron de Alexandria (10-70 DC)

http://www.mlahanas.de/Greeks/HeronAlexandria-Dateien/heron_ani.gif
Automação
• Substituir o homem em tarefas de máquinas
Automação
• Substituir o homem em tarefas de máquinas
Automação
• Substituir o homem em tarefas de máquinas
▫ Causa desemprego?
▫ Segurança?
Automação
• Substituir o homem em tarefas de máquinas
▫ Causa desemprego?
▫ Segurança?
Automação
• Substituir o homem em tarefas de máquinas
▫ Causa desemprego?
▫ Segurança?
Automação
• Substituir o homem em tarefas de máquinas
▫ Causa desemprego?
▫ Segurança?
▫ Qualidade? Desperdício?
Automação
Automação
Séc. XXI
• Robótica

Séc. XVIII
Automação
• Envolve a implantação de sistemas
interligados, assistidos por redes de
comunicação
▫ Sistemas supervisórios e interfaces homem-
máquina
▫ Auxilia a monitoração e análise dos problemas
▫ Possibilita a expansão e controle do processo
Automação
• Controle: Sistemas Dinâmicos

Acionados por Descritos por Nomes


Equações diferenciais Contínuos no tempo
Tempo
Equações de diferença Discretos no tempo

Eventos Álgebra de Boole, A eventos discretos


autômatos e
programas
computacionais
Automação
• Sistemas dinâmicos “convencionais”
▫ Pressão da água no sistema de bombeamento
no tempo

• Sistemas dinâmicos a eventos discretos


▫ Eventos instantâneos, repetitivos ou
esporádicos
▫ Assumem valores num conjunto enumerável
▫ Alterações instantâneas
▫ Exemplo: regras de causa efeito
Automação
• Controle dinâmico
▫ Realimentação negativa (malha-fechada)
▫ Controle preditivo, baseado em modelos, não-
linear, adaptativo, robusto, etc

• Controle de eventos ou Controle lógico


▫ Por meio de circuitos
▫ Variáveis binárias
Automação
• Controle lógico: exemplo
▫ Partida de um processo de trocador de calor.
Automação
• Controle lógico: exemplo
▫ Partida de um processo de trocador de calor.
Especificações: Quando o operador apertar o botão Start, o
controlador lógico deve:
a) Verificar se existe pressão Pv > Pmin, no gerador de vapor e se
existe nível no reservatório de líquido frio Hf > Hmin
b) Em caso afirmativo, energizar a bomba Bf que movimenta o líquido
frio
c) Confirmada vazão de líquido Vf > Vmin, acionar a válvula FIC que
comanda o vapor pelo sinal C
d) Em qualquer momento, ocorrendo Pv < Pmin ou Hf < Hmin ou Vf
< Vmin ou To > Tmax, caracteriza-se uma emergência E: o sinal de
comando da válvula FIC de vapor deve ser zerado, para
interromper o fluxo de vapor, e a Bomba Bf deve ser desenergizada
Automação
• Controle lógico: exemplo
▫ Partida de um processo de trocador de calor.
Notação:

P = 1 se Pv > Pmin P = 0 se Pv < Pmin


H = 1 se Hf > Hmin H = 0 se Hf < Hmin
V = 1 se Vf > Vmin V = 0 se Vf < Vmin
T = 1 se To > Tmax T = 0 se To< Tmax
B = 1 se Bf energizada B = 0 se Bf não energizada
Automação
• Controle lógico: exemplo
▫ Partida de um processo de trocador de calor.
Automação
• Controle lógico: exemplo
Automação
• O CLP (Controlador Lógico Programável):
▫ Dispositivo digital que controla máquinas e
processos
▫ Início em 1968 com objetivo de substituir os
painéis de relés
▫ Vantagens:
 Flexibibilidade
 Confiabilidade
 Ocupam menos espaço
 Programáveis por PCs
 Fácil manutenção
 Controle lógico e dinâmico
 Funções avançadas
CLPs

• Relés:
CLPs
• Evolução:
CLPs

• Arquitetura:
 Fonte de alimentação
 CPU: responsável pela
execução do programa,
atualização da memória
de dados e memória
imagem das entradas e
saídas
 Memórias de usuário e de
dados
CLPs

• Estrutura fixa ou modular:


CLPs
• Módulos de Saída
CLPs
• Módulos de Saída
CLPs
• Módulos de Entrada
CLPs
• Módulos de Entrada
CLPs
• Ciclos de Operação
▫ Processamento Cíclico
1. Varredura das entradas
2. Varredura do programa e execução
do Programa
3. Atualização da Memória Imagem de
Saída e Saída
4. Comunicação
5. Housekeeping
CLPs
• Linguagens de Programação de CLPs
CLPs
• Linguagens de Programação de CLPs
▫ Texto estruturado
 Linguagem com bases em Pascal e C
 Contém elementos essenciais de uma linguagem moderna, como as estruturas
condicionais (IF-THEN-ELSE e CASE OF) e iterações (FOR, WHILE e
REPEAT)
CLPs
• Linguagens de Programação de CLPs
▫ Lista de Instruções
 Semelhante ao Assembler
CLPs
• Linguagens de Programação de CLPs
▫ Blocos Funcionais
CLPs
• Linguagens de Programação de CLPs
▫ Ladder (diagrama de contatos)
 Baseada na representação gráfica da lógica dos relés
CLPs
• Linguagens de Programação de CLPs
▫ Ladder (diagrama de contatos)
CLPs
• Linguagens de Programação de CLPs
▫ SFC

Exemplos
Automação
• A automação rompeu as fronteiras do chão de
fábrica
• Buscou fronteiras mais amplas, abrangendo
a automação do negócio ao invés da simples
automação dos processos e equipamentos
Automação
• Tarefas:
▫ Definir diagramas lógicos de sistemas de
controle
▫ Definir a instrumentação necessária
▫ Definir a arquitetura das redes de chão-de-
fábrica, incluindo rede de instrumentos, rede
de sensores e atuadores
▫ Executar a sintonia das malhas de controle
▫ Consumo de energia e insumos
▫ Estoques de produtos intermediários e finais
▫ Negócio da empresa
▫ Otimização de toda a cadeia produtiva
Automação
• A Pirâmide da Automação

Antes Depois
Automação
• A Pirâmide da Automação
Automação
• Redes e Arquiteturas
Automação
• Redes e Arquiteturas
Automação
• Redes e Arquiteturas
Redes de Automação
• Redes e Arquiteturas
Redes de Automação
A Evolução da Automação
• Algumas malhas por operador

Fonte: Cláudio Makarovski [Emerson] (Aula Prof. Constantino)


A Evolução da Automação
• Várias malhas por operador

Fonte: Cláudio Makarovski [Emerson] (Aula Prof. Constantino)


A Evolução da Automação
• As salas de controle

Fonte: Cláudio Makarovski [Emerson] (Aula Prof. Constantino)


A Evolução da Automação
• Dezenas de malhas por operador

Fonte: Cláudio Makarovski [Emerson] (Aula Prof. Constantino)


A Evolução da Automação
• Centenas de Malhas por operador

Fonte: Cláudio Makarovski [Emerson] (Aula Prof. Constantino)


A Evolução da Automação
• Painel de operação em 1980’s
A Evolução da Automação
• Painel de operação em 1990’s
A Evolução da Automação
• Painel de operação em 2000’s
A Evolução da Automação
• Painel de operação recente
A Evolução da Automação
• Estado da Arte

Fonte: Aula Prof. Constantino


A Evolução da Automação
• Estado da Arte

Fonte: Aula Prof. Constantino


Automação
• Atuação

Fonte: Aula Prof. Constantino


Automação
• Atuação

Fonte: Aula Prof. Constantino


Automação
• Atuação

Fonte: Aula Prof. Constantino


Automação
• Atuação
Automação
• Atuação
Manipuladores
Robóticos
Automação
• Atuação
Robótica Móvel
Automação
• Supervisório:
Automação
• Supervisório:
Automação
• Supervisório:

Elipse
Automação
• Supervisão:
Automação
• Supervisão:
Automação
• Supervisão:
Automação
• Supervisão:
Automação
• Curiosidades:
▫ Fábrica de automóveis da Volkswagen na
Alemanha:
Automação
• Curiosidade:
▫ Fábrica de
automóveis da
Vokswagen na
Alemanha:
Automação
• Curiosidade:
▫ Fábrica de
automóveis da
Vokswagen na
Alemanha:
Automação
• Curiosidade:
▫ Ponte giratória na Escócia:
Automação
• Curiosidade:
▫ Ponte giratória na Escócia:
Automação
• Curiosidade:
▫ Ponte giratória na Escócia: