Vous êtes sur la page 1sur 8

O sistema operacional Windows contém muitos utilitários de linha de comando de rede

que os administradores de rede já devem estar familiarizados.

Vamos listar alguns:

PING

Certamente o mais familiar e o mais utilizado dos utilitários que apresentaremos aqui, mas
isso não o torna menos importante

O Ping é usado para testar a capacidade de um host de rede de se comunicar com outro.

Supondo que não haja problemas de rede ou firewalls impedindo que o ping (protocolo
ICMP) seja executado, o host remoto responderá ao ping com quatro pacotes. Receber
esses pacotes confirma que existe um caminho de rede válido e funcional entre os dois
hosts.

Os parâmetros -l e -t são comumente usados com o comando ping.

ping <host> -l 1000: Envia pacotes de 1000 bytes, por exemplo.

ping <host> -t : Dispara até ser interrompido.


Para ver as estatísticas e continuar pressione Ctrl+Break; para parar pressione Ctrl+C.

NETSTAT

Se você tiver problemas com as comunicações de rede, as estatísticas da rede às vezes


podem ajudá-lo a encontrar a causa do problema.

Este comando tem várias funções diferentes, mas o mais útil é exibir informações de resumo
de rede para o dispositivo. Para ver esse tipo de informação de resumo, basta
digitar netstat -e.
ARP

O comando ARP corresponde ao protocolo de resolução de endereços. Embora seja fácil


pensar em comunicações de rede em termos de endereçamento IP, a entrega de pacotes
depende, em última instância, do endereço (MAC) do adaptador de rede do dispositivo.
É onde o Protocolo de Resolução de Endereços entra em jogo. Seu trabalho é mapear
endereços IP para endereços MAC.

Os dispositivos Windows mantêm um cache ARP, que contém os resultados das recentes
consultas ARP. Você pode ver o conteúdo deste cache usando o comando arp-a.

NBTSTAT

Os computadores que executam um sistema operacional Windows recebem um


nome. Muitas das vezes, existe um nome de domínio ou um nome de grupo de trabalho que
também é atribuído ao computador. O nome do computador normalmente é chamado de
nome NetBIOS.

O Windows usa vários métodos diferentes para mapear nomes NetBIOS para endereços IP,
como transmissão, pesquisa LMHost, ou mesmo usando o método quase extinto de consulta
de um servidor WINS.

Claro, o NetBIOS sobre TCP / IP ocasionalmente pode falhar. O comando NbtStat pode
ajudá-lo a diagnosticar e corrigir esses problemas. O comando NbtStat -n, por exemplo,
mostra os nomes NetBIOS que estão sendo usados por um dispositivo. O
comando nbtstat -r mostra quantos nomes NetBIOS o dispositivo conseguiu resolver
recentemente.

HOSTNAME

Se você está procurando uma maneira rápida e fácil de verificar o nome de um computador,
tente usar o comando Hostname. Digitar hostname no prompt de comando retorna o nome
de host do computador local.

TRACERT

Tracert, ou "Trace Route", é um utilitário para examinar o caminho para um host remoto.

O Tracert funciona de forma semelhante ao Ping. A principal diferença é que o Tracert envia
uma série de solicitações de eco ICMP, e o TTL do pedido aumenta de 1 em 1. Isso permite
que o utilitário exiba os roteadores através dos quais os pacotes estão passando para serem
identificados. Quando possível, o Windows exibe a duração e o endereço IP ou o nome de
domínio totalmente qualificado de cada salto (roteador).
IPCONFIG

Um utilitário que utilizamos constantemente é o IPConfig . No modo mais simples, o


comando IPConfig exibirá informações básicas de configuração de endereço IP para o
dispositivo. Basta digitar IPConfig no prompt de comando do Windows e você receberá o
endereço IP, a máscara de sub-rede e o gateway padrão que o dispositivo está usando
atualmente.

Se você gosta de informações mais detalhadas, digite IPConfig /all. Isso faz com que o
Windows exiba a configuração do endereço IP muito mais detalhada. Este é também o
comando que você terá que usar se desejar ver qual servidor DNS o dispositivo Windows
está configurado para usar.

O comando IPConfig pode fazer muito mais do que apenas exibir informações de
configuração de endereço IP. Ele também contém opções que podem ajudá-lo a solucionar
problemas relacionados ao DNS e ao DHCP.

Por exemplo, inserir o comando IPConfig / DisplayDNS mostra o cache local de pesquisas
DNS e IPConfig / FlushDNS limpa o conteúdo local do cache de DNS.
NSLOOKUP

NSLookup é um ótimo utilitário para diagnosticar problemas de resolução de nomes de


DNS. Basta digitar o comando NSLookup e o Windows exibirá o nome e o endereço IP do
servidor DNS padrão do dispositivo. A partir disso, você pode digitar nomes de host para ver
se o servidor DNS pode resolver o nome do host especificado.

Também podem ser usados os comandos set type=any ou especificar o campo do dns que
deseja pesquisar, como por exemplo MX ou TXT.

ROUTE

As redes IP usam tabelas de roteamento para direcionar pacotes de uma sub-rede para
outra. O utilitário Route do Windows permite que você veja as tabelas de roteamento do
dispositivo. Para fazer isso, basta digitar route print.

A coisa legal do comando Route é que não só mostra a tabela de roteamento, mas que
permite que você faça alterações. Comandos como Route Add, Route Delete
e Route Change permitem que você faça modificações na tabela de roteamento, conforme
necessário. As alterações que você faz podem ser persistentes ou não persistentes,
dependendo se você usa a opção -P.
PATHPING

Anteriormente, falamos sobre o utilitário Ping, o utilitário Tracert e as semelhanças entre


eles. A ferramenta PathPing é um utilitário que combina os melhores aspectos do Tracert e
do Ping.

Entrar no comando pathping seguido por um nome de <host> inicia o que se assemelha a
um processo Tracert um pouco padrão. Uma vez concluído este processo, a ferramenta leva
150 segundos para coletar estatísticas e, em seguida, informa a latência e as estatísticas de
perda de pacotes mais detalhadas do que as fornecidas pelo Ping ou pelo Tracert.
WHOAMI

Este utilitário pode ser usado para a obtenção de informações de nome de usuário e grupo,
juntamente com os respectivos identificadores de
segurança (SID), privilégios, ID de logon para o usuário atual Ou seja, quem é o usuário
atual conectado.

Se nenhuma opção for especificada, a ferramenta exibe o nome de usuário no formato


NTLM (domínio\nome_de_usuário).

Os parâmetros mais usados são /fqdn, /user e /all.

Conclusão
Esses que foram listados são específicos para ambiente de rede e alguns estão sendo
descontinuados nos sistemas mais modernos.

Mesmo assim, os utilitários discutidos neste artigo ainda são tão úteis hoje como eram
quando foram introduzidos pela primeira vez.

Afinal de contas, a gente sempre acaba se deparando com sistemas de todo tipo a todo
instante.

Alexandre Batista Domingues em 25/09/2017

www.projetosderede.com.br