Vous êtes sur la page 1sur 2

Nasceu em 06 de maio de 1856 na Checoslovaquia, de origem judaica.

Aos 8 anos já lia


Shakespeare e, na adolescência uma conferência, cujo tema era o ensaio de
Goethe sobre a natureza ficou profundamente impressionado. Trocou a falculdade de Direito
pela Medicina e interessou-se pela área de pesquisas. Iniciou seu trabalho sobre o sistema
nervoso central, publicou vários artigos sobre cocaína.
Especializou-se em doenças nervosas e criou interesse pela "histeria" e pela hipnoterapia
praticada na época por Breuer Charcot. Os dois , trabalhando juntos publicaram "Estudos
sobre a Histeria" e na mesma época Freud conseguiu analisar um sonho seu que ficou
conhecido como "O Sonho da Injeção feita em Irma", rascunhou "Projeto para uma
psicologia Científica" somente publicada após sua morte.
O termo psicanálise (associação livre) , foi inicado por ele após passar por um trauma com a
morte de seu pai e começou com seu amigo WILHELM FLIESS a analise de seus sonhos e
fantasias.
"A Interpretação de Sonhos" que Freud considerava um de seus melhores livros foi
publicado para ser projetado no inicio do novo século, XX.
Foi bastante hostilizado por seus colegas médicos, trabalhando em total isolamento.
Deu inicio a análise de Dora , sua paciente e escreveu Sobre a Psicopatologia da Vida
Cotidiana, " publicando em 1901.
Escreveu "Três Ensaios sobre a Teoria da Sexualidade, "Os Chistes e sua relaçao com o
Inconsciente, " "Fragmento da análise de um caso de Histeria"; (neurose)
Teve alguns seguidores como Alfred Adler, Carl Jung, que depois separaram-se de Freud
e criaram suas próprias escolas, discordando da ênfase que Freud dava à origem sexual da
neurose.(nervosismo, irritabilidade, excitação)
Durante a Segunda Guerra Mundial Freud foi para a Inglaterra, mas suas irmãs foram
assassinadas em campos de concentração.
Freud ainda escreveu "Conferências Introdutorias sobre Psicanálise e há varios volumes da
"Coletânea das Obras de Sigmund Freud, que entre outros temas, abrangia a teoria do
trauma do nascimento.
Freud é considerado o PAI DA PSICANÁLISE, onde o paciente, vai com ou sem hipnose,
lembrando-se de seus traumas, durante a vida e libertando-se de seus sofrimentos e atitudes
de irritabilidade, histeria etc....
É muito utilizado hoje em dia, por psicólgos e até os novos parapsicólogos, que estão
surgindo, usam também em grande escala a hipnose para recordaçoes de vidas anteriores.
Freud lutou por muitos anos contra um câncer na boca e morreu por eutanásia ( EUTANÁSIA
- SEUS ÚLTIMOS DIAS, por Peter Gay) em 23 sde setembro de 1939 com grande influência
na cultura do século XX.
É de grande importância o estudo de Freud por psicólogos, psicanalistas e parapsicólogos,
pelo estudo e entendimento para ajudar os pacientes do nascer e do passado-presente-
futuro a fim de se manter e entender os meandros da vida emocional. Causas e
conseguências de determinadas atitudes de pessoas com tendência a irritabilidade,
nervosismos, ataques de pânico, medos, etc...tudo feito com o auxilio da hipnose.
Freud preocupa-se em construir uma compreensão - sempre através de uma ética clinica -
sobre a condição humana. Para ele, a humanidade a cultura são patologias, e o homem se
move na busca incessante de realizar seus desejos. Freud constrói uma ponte teórica entre o
homem e a civilização, identificando uma relação casual de sofrimento neurótico do ser
humano e o próprio processo civilizatório. Freud também define a fonte de religiosidade
como sendo um sentimento de eternidade, um sentimento de algo ilimitado e em fronteiras, e
atraves da pcicanalise busca as causas e origens desse sentimento. Segundo ele, existe
uma ilusão sobre aquilo que o se humano tinha durante durante os seculos de civilização
imaginado como de inquestionavel certeza, o seu proprio eu. sentimento religioso liga o
homem misticamente ao universo, tal sentimento é apenas uma reprodução, em menor
escala, daquilo que o ser humano foi na sua origem, um ser ilimitado em suas relações com
o mundo, uma vez que quem estabelece este limite, ou a falta dele, é o Eu.
Feud dá o nome de “A Fonte Social do Sofrimento” para os estudo das relacões sociais.
Nele, afirma que a civilização só é viavel quando uma força com poderes maiores que o
poder individual se faz presente.A realização do principio do prazer rege a vida dos homem,
mas então a civilização se impoe, e projeta o ser do estado de natureza para o estado de
sociedade, restringindo o proposito da vida (a felicidade). Tais restições viabilizam a vida em
sociedade, mas trazem sérias implicações àorganização psiquica do ser humano. A
civilização está fundada na capacidade de restrição da liberdade, enquanto no estado de
natureza se tinha uma liberdade ilimitada, a qual, porem, tinha pouco valor, uma vez que o
ser humano estava a merce de encontrar um mais forte à sua frete. Porém, por conta dessa
liberdade perdida, o ser humano estará em premanete conflito com a civilização.
Com o Totem e o Tabu, surge o mito da familia primitiva, definindo como a causa da
formação social primitiva, a ultrapassagem do poder do pai tirano e possuidor de todas as
mulheres, pelos filhos. Apos sobrepujar o pai, os filhos descobrem que uma combinação de
forças pode ser mais forte que o individuo isolado. Em um segundo momento, os filhos
percebem que cada um deles queria se tornar o pai, e então estabelecem as primeiras
regras que fundam a civilização primitiva, tornando o tabu do incesto como a primeira lei
estabelecida entre os homens, demarcando a passagem para a vida em civilização.
A uma relação entre a tendencia que a civilização tem em restringir a sexualidade humana
com a tendencia de construir, cada vez mais, uma ampla unidade cultural.Freud também
considera a agressividade parte fundaental e inalienavel da natureza humana, a religião e a
etica são resultados de esforços coibitivos sobre a agressividade. E uma vez que o mundo
externo reprime a possibiilidad de descarregar a agressividadem esta volta-se para dentro do
individuo em forma de auto-destruição. Sruge também o sentimento de culpa como uma
necessidade de punição, quando por alguma adversidade externa o homem passa a sofrer,
este imediatamente busca em seu interior causas na sua pecaminosidade para explicar o
sofrimento que vem de fora, elevando exigencias da cinsciencia e promovendo sua auto-
punição. Se as condições externas são hostis e causam sofrimento, a percepção é que este
ser supremo não o ama mais, merecendo sacrificios para redimir os pecados que causaram
tal infortunio e com isto ser perdoado e ter de vlta o amor deste pai simbolico. Surge então o
medo de uma autoridade, representado pela Lei. A existencia da lei mostra a fora dos
desejos ocultos, existencia de uma necessidade interna, que a consciencia desconhece.