Vous êtes sur la page 1sur 140

Curso Básico e Intermediário

Aula 1 - Introdução

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário

Aula 1 – Introdução O que é o iFix

O iFix é um sistema de software HMI/SCADA responsável pela coleta de dados de


processos (chão de fábrica) e sua distribuição a pessoas e aplicativos. É muito utilizado em
setores industriais para monitorar dados de variáveis de campo a fim de melhorar
desempenho, mensurar produtividade e manter a segurança de pessoas e equipamentos.

Os sistemas HMI/SCADA, são assim designados por cumprirem, em geral, dois papeis. São
eles:
➢ SCADA (Supervisory Control And Data Acquisition), que é a função de coletar dados de
controle de processo, permitir o controle automático ou manual dos equipamentos ou
dispositivos. O componente SCADA também pode prover informações para outros
usuários ou sistemas em rede, fornecendo dados do processo e alarmes em tempo
real.
➢ HMI (Human Machine Interface), que possibilita ao usuário a interação dos dados lidos
do processo em interface gráfica, geralmente são representações sinóticos de
equipamentos reais da planta, para seu acompanhamento. Também aceita instruções
de controle e interação do usuário, recebendo e enviando informações através do
SCADA.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 1 - Introdução

Monitoração, controle e análise


HMI

HMI Client HMI Client

Comunicação Cliente-Servidor

Dados, Alarmes, Controle, Comunicações


SCADA

SCADA server

Obtenção de dados e controle

PLC PLC

PLC, DCS, RTU, etc


Dispositivos de campo

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 1 - Introdução

Tecnologias do iFix
O iFix utiliza protocolos de comunicação padronizados para a conexão de rede e entre
aplicativos, e também vários métodos de acesso a bancos de dados para movimentar
dados de e para esses bancos de dados. Isso assegura ao iFix a integração com uma
ampla variedade de produtos de fornecedores.

Diversas tecnologias e modernos padrões são utilizados para maximizar a flexibilidade do


iFix, permitindo que as equipes de engenharia implementem aplicações rapidamente,
além de mantê-los em operação com um alto nível de desempenho.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 1 - Introdução
Comunicações
O iFix está ancorado na plataforma Windows©, que suporta uma ampla gama de
tecnologias para facilitar o tráfego de dados pela rede. Entre essas tecnologias temos:
➢ Protocolo de rede TCP/IP para permitir a conexão com outros usuários e aplicações iFix
na rede;
➢ Capacidade OPC para aplicativos SCADA e HMI;
➢ Tecnologia de acesso a dados como ODBC, OLEDB e ADO;
➢ Scripting e automação VBA para interoperabilidade com aplicativos.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 1 - Instalação
Requisitos de hardware e Software
➢ Processador Intel® CoreTM2 DUO 2.0GHz ou superior;
➢ 2 GB de memória RAM, considere usar mais para um melhor desempenho;
➢ 10 GB de espaço em disco para a instalação do iFix, considere que deve ter mais espaços
para o armazenamento dos arquivos de sua aplicação e também considere que os
arquivos de armazenamento de históricos e alarmes crescem em quantidade
continuamente.
➢ Uma unidade de DVD
➢ Adaptador de rede 100MBit Full Duplex TCP/IP para a comunicação entre estações
SCADA e HMI;
➢ Porta USB;
➢ Placa gráfica de 24bits com resolução mínima de 1024x768.
➢ Microsoft® Windows® XP Professional, Service Pack 3;
➢ Microsoft® Windows® Server 2003, Service Pack 2, Standard or Enterprise Edition;
➢ Microsoft® Windows® Vista™, Service Pack 2, Business, Enterprise, ou Ultimate Edition;
➢ Microsoft® Windows® Server 2008 (32-bit), Service Pack 2, Standard ou Enterprise
Edition.

Link para vídeos de tutoriais de instalação do iFix e drivers.


https://www.youtube.com/channel/UCO65678alu7JcDoJnric22g

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 2 - Arquitetura básica de uma aplicação iFix

HMI SCADA
Client server

(A)
(D) (C) (B)
Driver
PDB SAC DIT
I/O

Legenda:
PDB Base de dados de processo;
SAC Controle de varredura e alarmes;
DIT Tabela imagem do driver;
Driver I/O Lê os dados do hardware de processo.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 2 - Arquitetura básica de uma aplicação iFix
(A)
(D) (C) (B)
Driver
PDB SAC DIT
I/O

(A) - Driver I/O


- O iFix comunica com o controlador através de um driver I/0.
- Cada driver I/O suporta a comunicação com equipamentos de uma fabricante
específico.
- O driver I/O realiza as seguintes funções:
> Leitura e escrita de dados nos dispositivos.
> Transferência de dados leitura/escrita para a DIT (tabela imagem de dados).

(B) - DIT – Tabela imagem do driver.


- A Tabela Imagem de Dados é composta de poll records. Estes são denominados
registros que podem conter de um a vários endereços de I/O para comunicação com o
controlador. Geralmente cada registro trata de um tipo de dados específico. Cada driver
possui sua própria DIT, de onde lê e escreve os dados para os controladores nele
declarados.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 2 - Arquitetura básica de uma aplicação iFix
(A)
(D) (C) (B)
Driver
PDB SAC DIT
I/O

(C) - SAC – Scan (varredura), Alarm (tratamento de alarmes) and Control (controle).
- Realiza as seguintes funções:
> Leitura/escrita nas tabelas imagens de dados (DIT).
> Leitura/escrita na base de dados do processo (PDB).
> Realiza o tratamento da emissão de alarmes.

(D) - PDB – Base de dados do processo.


- Na base de dados do processo é onde ficam armazenadas as TAGs do projeto. Cada TAG
corresponde a um tipo de dado. Estes dados possuem atributos e dados (registros) que
são utilizados na sua aplicação iFix.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 3 – Mais detalhes sobe Driver de I/O e servidores OPC

Driver de I/O e servidores OPC são aplicativos de software instalados normalmente em


nó SCADA, tem a tarefa de realizar a comunicação com o equipamento de controle,
realizando leitura e escrita de dados nestes equipamentos em uma taxa de atualização
configurável.
Cada um reserva um espaço de memória para armazenar valores correntes ou recuperar
alterações recentes. Esse espaço de memória é chamado de DIT e contém uma imagem
dos valores correntes de variáveis do hardware.
É tarefa do driver organizar em poll records os endereços dos dados que chegam e que
saem. A atualização destes poll records é definida no parâmetro poll time, uma vez
atualizados na DIT, esses dados são encaminhados as diversas partes do iFix em tempo
real.

HMI
SCADA
A atualização é Equipamentoscon
controlada pelo troladores em
poll time campo.

DIT
Driver de I/O - A
A
Uma DIT para
cada Driver de I/O
DIT Driver de I/O - B
B

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 3 - Scan, Alarm and Control - SAC

Uma das tarefas do SAC é realizar a transferência de dados entre a DIT e o PDB,
servindo de intermediário, inclusive executando cálculos e lógicas, detectando
condições de alarmes e gerando mensagens. De forma análoga a atualização dos dados
da DIT pelo parâmetro poll time, a atualização das TAGs no PDB é definido pelo
parâmetro scan time de cada TAG do database. O scan time também determina a
frequência de execução das lógicas, cálculos e quando os potenciais alarmes são
gerados.

HMI
SCADA
A atualização é Equipamentoscon
controlada pelo troladores em
poll time campo.

PDB DIT Driver de I/O - A


_________ A
_________ SAC
_________ DIT Driver de I/O - B
_________ B

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 4 - O aplicativo SCU – System Configuration Utility

Quando o iFix é iniciado, ele é executado conforme as configurações específicas


determinadas em um arquivo. Neste arquivo encontram-se as definições de
programas, nome do nó, base de dados, entre outras definições da estação em
questão. Essas configurações são realizadas utilizando o SCU – System Configuration
Utility.
Este aplicativo permite, entre outras, as seguintes configurações básicas:
➢ Definir os caminhos de pastas;
➢ Definição de áreas de alarmes e mensagens;
➢ Definição dos serviços de alarmes.
➢ Definição da rede;
➢ Definição de tarefas de inicialização;
➢ Definição de Drivers e servidores OPC;

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 4 - O aplicativo SCU – Path Configuration
Caminho Utilização

Base Armazena arquivos executáveis e biblioteca do iFix


Language Arquivos de configuração de idioma utilizado pelo sistema
project Pasta base do projeto.
Local Armazena os arquivos de configuração para a estação. Entre outros arquivos,
encontramos aqui o arquivo de configuração do SCU e arquivos de segurança.

Database Arquivo de configuração da base de dados (DATABASE) e arquivos de


configuração dos drivers ativos na aplicação.
Picture Arquivos de telas e janelas, bem como configuração de grupos de tags,
modelos de telas, entre outros arquivos relacionados a telas em geral.
Application Arquivos de dados e configurações de aplicações criadas pelo usuário para
utilização em conjunto com o iFix.
Historical Arquivos com as configurações de coleta de dados históricos.
Historical data Arquivos de armazenamento de dados históricos. A depender da
configuração dos históricos, pode existir um ou mais arquivos para cada dia.

Alarms Arquivos contendo registros de eventos e alarmes. A depender da


configuração, pode existir de um ou mais arquivos para cada dia.
Master Recipe Arquivos de receitas principais.
Control Recipe Arquivos contendo receitas de controle, bem como registros de erros de
download e upload de receitas.
Alarm Areas Localização da base de dados de áreas de alarmes, geralmente é a mesma
(AAD) pasta do Database.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 4 - O aplicativo SCU – Network Configuration

Um dos principais e poderosos recursos de um HMI/SCADA é a capacidade de


distribuir informações através de rede para vários usuários nas mais diversas áreas
operacionais e gerenciais do ambiente corporativo. O iFix foi projetado para comunicar
com outros clientes e aplicativos em tempo real, utilizando o protocolo TCP-IP. Dentro
de um relacionamento Cliente/Servidor. Sua configuração é bastante simples e se
resume a habilitar a rede, o protocolo de rede e a definição de nós servidores válidos.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 5 - O aplicativo SCU – Task Configuration
A depender de suas atribuições, um nó iFix necessita executar determinados
aplicativos. Normalmente esses aplicativos são drivers de I/O, Workspace, SAC ou
algumas vezes aplicativos de terceiros. A caixa de diálogo Task Configuration permite
que o usuário defina quais aplicativos devem ser iniciados, seus parâmetros específicos
e sua ordem de inicialização.
As tarefas podem ser iniciadas em primeiro plano com janela ativa, em primeiro plano
com janelas minimizadas (*), ou em segundo plano como processos (%), sem janela ou
ícone na barra de tarefas do Windows.
Tarefa (task) Argumento Parâmetro Descrição
adicional
S Sincroniza o SAC ao relógio do sistema.
Número de Atrasa a inicialização do SAC em 30 segundos.
D segundos (ex.: Recurso que permite ao driver preencher a
D30) DIT.
Número de Define o tamanho máximo da fila de alarmes.
WSACTASK.EXE
Q alarmes (ex.: Se a fila de alarmes não entregues ultrapassar
Q1500) este limite os excedentes serão perdidos.
Suprime alarmes de comunicação de drivers.
C Esse parâmetro deve ser o ultimo da linha de
comando.
/A Inicializa todos os drivers configurados no SCU.
Sigla do driver Inicializa um driver específico. Outros drivers
/S
(ex.: /SOPC) podem ser especificados repetindo a chave.
IOCONTROL.EXE
Número de
/D segundos (Ex.: Atrasa a inicialização do driver.
/D50)
Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 5 - O aplicativo SCU – Drivers
A utilização dos Drivers e Servidores OPC pelo iFix é posterior a sua seleção na lista de
drivers instalados. O iFix lhe permite selecionar até oito (8) Drivers e Servidores OPC de
cada vez, incluindo os simuladores (SIM e SM2). A ativação de um driver é feita,
primeiramente selecionando-o na lista de drivers disponíveis e em seguida clicando no
botão ADD para incluí-lo na lista de drivers.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 6 - O aplicativo SCU – Funções de Alarmes
Dentre todas as funções gerenciais de um nó SCADA iFix, a sinalização das condições
inseguras para vidas humanas e processos. É, sem sombra de dúvidas, uma das mais
importantes ferramentas de um nó SCADA.
Em cada TAG do Process Database (PDB) existem campos e instruções que auxiliam o
SAC na determinação das condições inseguras e a emissão de alarmes. Tanto para
apresentação no sumário de alarmes quanto para o registro em arquivos históricos.

Formato de linhas de registros de mensagem


Ferramenta de configuração de linhas de
registros para sumário e arquivamento. Estes
registros são formados por campos das TAGs
da base de dados.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 6 - O aplicativo SCU – Funções de Alarmes
As áreas de alarmes
As mensagens de alarmes que podem chegar a uma estação iFix, na maioria das vezes
é muito grande e originadas de várias áreas do processo. A distribuição e a filtragem
dessas mensagens é muito importante para a operação dos sistemas.
Desta forma, o iFix permite que sejam criadas e rotuladas áreas de alarmes,
permitindo assim que os alarmes sejam filtrador e roteados para as áreas específicas,
que podem ser áreas físicas na planta, áreas lógicas ou até mesmo equipamentos
específicos. Cada TAG pode receber até 15 áreas. Quando uma mensagem de alarme
é gerada, ela recebe o rótulo apropriado e destinado ao local especifico.

iFix Filtro:
iClien
t
- Tanques
- Bombas

iFix iFix Filtro:


Alarm AREA
SCADA iClien
DB:
SERVER t
- Tratamento
- Caldeiras - Caldeiras
- Bombas
- Tanques
- Tratamento iFix
iClien Filtro:
t
- All (todas)

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 7 - O aplicativo SCU – Funções de Alarmes
Cada um dos serviços de alarme tem suas próprias configurações e interface
independente.

Serviços Alarm Printer


Este serviço, bem pouco utilizado nos dias atuais, oferece a impressão de linhas de
registros de alarmes para uma impressora, ligadas ao supervisório através de portas
COM, LPT ou USB.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 7 - O aplicativo SCU – Funções de Alarmes
Pode-se filtrar os registros desejados, clicando no botão AREAS... Também é
permissível definir o conteúdo e forma de cada linha de registro, clicando no botão
FORMAT...

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 8 - O aplicativo SCU – Funções de Alarmes
O Alarm File Service
Este serviço escreve mensagens em arquivo texto, no caminho (pasta) especificado na
definição Alarm Path. Os arquivos são criados diariamente e o nome do arquivo é
formatado em YYYYMMDD.ALM

O Service Alarm History


Este serviço fornece mensagens a um pequeno viewer, que retém os alarmes apenas
temporariamente.

O Alarm Service ODBC


Este serviço é responsável por permitir transferência de registros de alarmes para
arquivo de banco de dados Access, SQL Server e Oracle. Permitindo de forma eficaz a
análise de dados de alarmes por longos períodos.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 8 - O aplicativo SCU – Funções de Alarmes
O Alarm Network Service
Este serviço permite o compartilhamento de alarmes por rede
entre nós (SCADAs e iClients). Quando habilitado, este serviço
inicia no nó SCADA o serviço NAM (Network Alarm Manager)
para distribuição dos alarmes entre os solicitantes iClients. Nos
nós iClients é iniciado o serviço NAC para requerer alarmes dos
SCADAs da lista de nós em rede. Este serviço deve ser
habilitado em cada um dos nós que receberão e enviarão
alarmes pela rede.

O Alarm Startup Queue Service


Este serviço é responsável pela atualização dos serviços de
alarmes de um nó que, por alguma razão, encontrava-se
desligado. Esta fila de alarmes é preenchida com alarmes de
um período anterior ao reinício do sistema.
O período de recuperação é configurável, bem como a
filtragem para obter apenas os alarmes, excluindo-se
mensagens do sistema e do operador.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 9 – Drivers e Servidores OPC
Uma vez incluídos no seu sistema, os Drivers e Servidores OPC poderão ser utilizados
pelos nós SCADAs, a fim de ler e escrever dados nos equipamentos de controle (CLP,
SDCD, entre outros). Quando um nó é configurado no modo SCADA, automaticamente
o serviço de inicialização de drives é incluído na lista de tarefas de inicialização do iFix.
Todos os drivers são iniciados automaticamente pelo SCADA, utilizando-se das
configurações definidas no SCU.
Os drivers de IO preenchem a DIT levando em considerações os canais, dispositivos e
pool records (nesta ordem). Os drivers da versão v.7.x utiliza-se do aplicativo
Powertool, que organiza as configurações de forma hierárquica para facilitar e agilizar
no desenvolvimento e posterior manutenção ou alteração.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 9 – Drivers e Servidores OPC - Powertool
O POWERTOOL é a interface de configuração da maioria dos drivers. A configuração
definida pelo powertool será utilizada para criar as DITs necessárias para cada
equipamento envolvido no controle.
Você poderá utilizar o powertool de dois modos, configuração e estatísticas.

Com o powertool no modo configuração, você poderá criar e editar suas configurações
de canais, dispositivos e blocos.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 9 – Drivers e Servidores OPC - Powertool
O powertool no modo estatísticas, permite a monitoração dos processos de polling dos
drivers. Indicadores de transmissão, recepção, erros e outras informações relevantes
podem ser monitorados. Alguns drivers permitem até a monitoração de valores em
tempo real.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 9 – Drivers e Servidores OPC - Powertool
O Driver OPC Client é o driver universal, através dele é possível a conexão com
qualquer equipamento, através de seus OPC Servers. Trazendo a flexibilidade de tornar
possível em um único driver a configuração de conexão com diversos dispositivos,
como Rockwell, Siemens, equipamentos modbus, etc. Alguns fabricantes de CLP´s
desenvolvem seus proprios drivers OPC, objetivando facilitar o usuário na fase de
desenvolvimento da aplicação, tornando mais amigáveis algumas configurações, mas
isso não descarta a necessidade de instalação dos servidores OPC destes fabricantes.

Exemplo de alguns drivers de fabricantes:


SI7 –Siemens Simatic – Driver OPC da Siemens;
MB1 –Modicon modbus – Driver OPC serial para equipamentos modbus;
MBE – Modicon Modbus Ethernet – Driver ethernet para equipamentos modbus;
ABR – Allen-Bradley RSLinx – Driver OPC da Rockwell;

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 9 – Drivers e Servidores OPC - Powertool
A organização hierárquica dos drivers é dividida em três níveis.
- Canais (OPC servers);
- Dispositivos (Groups);
- Pool Records (itens).

Camada hierárquica Descrição Exemplos


Canal Definição dos servidores OPC de interfaces de conexão. É onde SIMATIC NET;
(OPC Server) selecionamos o servidor OPC de interface do fabricante do equipamento RSLinx;
com os CLPs, SDCDs ou outros dispositivos. Matrikon.OPC.Modbus;
Etc...
O iFix atribui automaticamente os nomes Server1, Server2, ServerN para
cada item deste nível. Cabe ao usuário redefini-lo de acordo com sua
necessidade.
Dispositivo Definição de dispositivos ou grupos. Muito utilizado na individualização de TratamentoAgua;
(Group) partes do processo ou equipamentos. Paletizadora;
EsteiraTransporte;
O iFix atribui automaticamente os nomes Group1, Group2, GroupN para Rockwell_ENSA1
cada item deste nível. Cabe ao usuário redefini-lo de acordo com sua Siemens_EMBALAGEM
necessidade.
Pool Record Informa o endereço, na memória do equipamento (CLP, SDCD, outros) a \S7:\@LOCALSERVER\objects\DB\D
(Item) ser acessado. B1:1

O iFix atribui automaticamente os nomes Item1, Item2, ItemN para cada


item deste nível. Cabe ao usuário redefini-lo de acordo com sua
necessidade.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 10 – Process Database
O Process Database, comumente denominado “PDB”, é o banco de dados da aplicação
iFix. Ele centraliza as informações do SCADA em tempo real. É exclusivamente
formado por TAGs, também denominados “blocos”, estes são endereçados a registros
de I/O do equipamento. Estas TAGs podem encadear-se em uma série de duas ou
mais TAGs, quando processamentos deste tipo tornam-se necessários. Existem vários
tipos de TAGs, para armazenar e processar diversos tipos de dados. Cada tipo de TAG
(bloco) possui campos internos que definem sua característica.
Para desenvolver, administrar e gerenciar o Process Database (PDB) é utilizado o
aplicativo Database Manager.

No database manager, cada TAG é representado em uma linha, as colunas


representam os campos da TAG. É possível filtrar as TAGs que se deseja exibir, bem
como as colunas. O database manager pode abrir uma database local como uma
remota, de outro SCADA na rede.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 10 – Process Database

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 10 – Process Database – TAGs
As TAGs são as unidades básicas de um Process Database. Elas são responsáveis por ler,
escrever, calcular e realizar outras diversas manipulações de valores e dados. Existem
vários tipo de TAGs disponíveis para serem utilizados na criação do seu Process
Database, cada uma com característica específicas para atender as mais diversas
necessidades do seu processo e elaboração de um eficiente Process Database.

TAGs e sua classificação


As TAGs são classificadas em dois grupos básicos, as primárias e as secundárias. As
TAGs do grupo das primárias, geralmente estão associadas e leitura e escrita de dados
na DIT.

Encadeamento de TAGs
As TAGs podem se interligar umas as outras, formando uma cadeia. As TAGs dessa
cadeia passam valores uma para outra, que serão processados e transferidos a TAG
seguinte da cadeia.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 10 – Process Database – TAGs Encadeamento
As regras básicas para encadeamento de TAGs
Uma regra básica deve ser observada na elaboração dos encadeamentos de TAGs.
Os dados devem vir de uma fonte primária, por isso as TAGs que iniciam as sequências
devem ser tipo primária. Elas recebem dados direto da DIT e o transporta para uma
TAG secundária;
Você não pode inserir a mesma TAG em mais de uma cadeia simultaneamente;
Cada TAG da cadeia envia os resultados de suas ações a TAG subsequente da cadeia;
Por fim, todas as TAGs da cadeia herdam a taxa de varredura da TAG primária que inicia
a cadeia.

Analog Input Extended Trend Block


DIT
primary TAG Secondary TAG

Analog Input Extended Trend Block Calculation Analog Output


DIT DIT
primary TAG Secondary TAG Secondary TAG primary TAG

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 11 – Process Database – Tipos de TAGs
No iFix você encontrará os mais diversos tipos e TAGs, que abrangem as mais diversas
necessidades na elaboração da aplicação, no entanto, alguns tipos são os mais
comumente utilizados em aplicações de um modo geral.

TAGs para utilização com sinais analógicos

Nome Tipo Descritivo


Analog INPUT (AI) Primária Recuperam valores da DIT dentro de uma faixa definida
entre mínimo e máximo.
Obs.: Este tipo de TAG pode realizar escritas na DIT, desde que habilitados
em sua declaração.
Analog Output (AO) Primária Escrevem valores na DIT dentro de uma faixa definida entre
mínimo e máximo.
Analog Register (AR) Especial Recuperam e escrevem dados na DIT. Não pode ser
membro de uma cadeia e os objetos animados por esse
tipo de TAG recebem seus valores diretamente da DIT sem
o controle do SAC e do PDB.
Analog Alarm (AA) Primária Similar ao tipo AI, com recursos adicionais relacionados a
controle e gerenciamento de alarmes.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 11 – Process Database – Tipos de TAGs
TAGs para utilização com sinais digitais

Nome Tipo Descritivo


Digital Input (DI) Primária Recupera valores booleanos (0 e 1) da DIT.
Obs.: Este tipo de TAG pode realizar escritas na DIT, desde que habilitados
em sua declaração.
Digital Putput (DO) Primária Escrevem valores na DIT, sua especialidade é escrever
valores booleanos. Este tipo de TAG não realiza leitura na
DIT.
Digital Register (DR) Especial Recuperam e escrevem dados na DIT. Não pode ser
membro de uma cadeia e os objetos animados por esse
tipo de TAG recebem seus valores diretamente da DIT sem
o controle do SAC e do PDB.
Digital Alarm (DA) Primária Similar ao tipo DI, com recursos adicionais relacionados a
controle e gerenciamento de alarmes.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 11 – Process Database – Tipos de TAGs
TAGs para realização de tarefas especiais

Nome Tipo Descritivo


Calculation (CA) Secundária Realiza cálculo de até oito entradas (TAGs ou constantes).
Para a realização de cálculos com mais de oito entradas,
pode-se utilizar a criação de encadeamentos de blocos de
cálculo.
Program (PG) Bath Block Este tipo de TAG pode executar algoritmos simples de 20
linhas, em linguagem própria de script.
Extended Trend (ETR) Secundária Este tipo de TAG é capaz de criar um buffer de até 600
valores em um cache para utilização no preenchimento de
tendências em tempo real.
Totalizes (TT) Secundária Realiza a totalização de valores baseados nos valores de
dados anteriores.
Multistate Digital Primária Realiza a leitura de até três endereços digitais
Input (MDI) simultaneamente, possibilitando que assuma valores na
faixa de 0 a 7.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 12 – Process Database - Criar TAGs
Conforme já falado anteriormente, as TAGs são as unidades de informação básica do
iFix. São através das TAGs que informações são possíveis de serem exibidas e
manipuladas nas telas da aplicação. As TAGs são utilizadas nas telas, históricos,
relatórios e no compartilhamento com outras aplicações. Veremos agora a
configuração das principais TAGs aplicadas na grande maioria das aplicações iFix.
São basicamente três as formas de adicionar uma nova TAG ao Process Database.
➢ Um clique duplo sobre uma área vazia do Process Database;
➢ Através do menu Block > Add;
➢ Clique no botão Add Block da barra de ferramentas.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 12 – Process Database - Criar TAGs
TAG digital
As TAGs digitais são utilizadas para operarem com valores binários, obtidos de status
de equipamentos de campo. Os valores normalmente são de estado lógico 1 (ligado,
fechado, operando, alarmado...) e estado lógico 0 (desligado, aberto, fora de operação,
normal...).
Existem três tipos principais de TAGs digitais. São elas: Digital Input (DI), Digital Output
(DO), Digital Alarm (DA). Também temos a TAG, do grupo das especiais, Digital Register
(DR).
Alguns dos parâmetros de configuração destas TAGs são comuns entre elas.

TAG Digital Input


As TAGs Digital Input recuperam valores digitais da DIT. Tem suporte para recursos
simples de alarmes e também podem escrever valores na DIT, no mesmo endereço de
leitura, mas esse recurso deve ser previamente habilitado e o endereço declarado
também deve permitir escritas.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 12 – Process Database - Criar TAGs
TAG Digital Input
As TAGs Digital Input recuperam valores digitais da DIT. Tem suporte para recursos
simples de alarmes e também podem escrever valores na DIT, no mesmo endereço de
leitura, mas esse recurso deve ser previamente habilitado e o endereço declarado
também deve permitir escritas.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 12 – Process Database - Criar TAGs
Configuração de TAG Digital Input – Aba Basic
Tag Name: Nome de identificação da TAG com até 30 caracteres para
identificar a TAG nas dinâmicas de telas, históricos e TAG Groups. São
permitidas algarismos na inicialização do nome, mas não podem conter
espações em branco.
Description: Descrição da TAG com até 40 caracteres de livre preenchimento.
Pode conter espaços, números e símbolos.
Next: Nome da próxima TAG da cadeia.
Addressing Driver: Essa definição de aparente driver refere-se a qual DIT será
utilizada para a recuperação ou escrita dos dados.
Addressing I/O Address: Endereço de I/O da TAG em um Poll Record válido.
Os endereços do Poll Record são declarados em Byte ou Word. Então na
declaração do endereço da TAG deve ser referenciado o BIT de acesso ao
sinal desejado.
Ex: YC001:BOMBA:10002:6
Addressing Hardware Options: Permite selecionar formatos de dados utilizado pelo dispositivo de controle. Geralmente este campo é
deixado em branco, ou utiliza-se a opção Server, que utilizará os padrões do sistema.
Scan Settings: Por tempo definido de varredura da TAG. O campo Scan Time define o tempo de varredura em segundos, minutos e horas
(0,5 = ½ segundo, 1 = 1 segundo, 1M = 1 minuto, 1H = 1 hora). O campo Phase At refere-se a um tempo de retardo nas tarefas do SAC na
inicialização o iFix ou na realização de um Reload no Process Database. O Scan Settings também pode ser por Exceção. A TAG atualiza-se
quando mudanças dentro de uma escala definida no Deadband do Poll Record ocorrem.
Labels: Realiza a substituição do estado ao rótulo definido nos campos Open e no campo Close. O estado Open corresponde ao estado
lógico 0 e o estado Close corresponde ao estado lógico 1.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 12 – Process Database - Criar TAGs
Configuração de TAG Digital Input – Aba Alarms
Alarm Options Enable Alarm: Habilita a emissão de alarmes da TAG.
Os alarmes são enviados a todos os serviços de alarmes do sistema.
Uma vez que o alarme foi gerado, é necessária uma interação com o usuário
através do Alarm Summary para que sejam reconhecidos.
Alarm Options Enable Event Messaging: Habilita o envio de mensagens para
os serviços de impressão e armazenamento, mas não para o Alarm Summary.
Desta forma, a interação com o usuário torna-se desnecessária.
Alarm Type: Seleciona o estado de alarme da TAG. A opção None não emite
mensagens de alarmes. A opção Change of State emitirá mensagem de
alarme nas mudanças de estado lógico em ambos os sentidos. A opção
Open emitirá mensagem de alarme sempre que o valor da TAG for para o
estado lógico 0 (desligado). A opção Close emitirá mensagem de alarme
sempre que o valor da TAG for para o estado lógico 1 (ligado).
Alarm Areas: As mensagens de alarmes são rotuladas com os nomes da lista,
permitindo que seus destinatários realizem as devidas filtragens.
Alarm iority: Os alarmes também podem ser classificados por prioridade. A ordem de prioridade classifica-se em Critital, HiHi, Hi,
Medium, Low, LoLo e Info.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 12 – Process Database - Criar TAGs
Configuração de TAG Digital Input – Aba Advanced
Alarm Extension Field: São campos de texto com até 80 caracteres que
adicionarão informações complementares nas mensagens de alarmes.
Security Areas: Abordaremos este tópico no módulo de segurança de usuário.
Options Enable Output: Permite que sejam realizadas escritas no mesmo
endereço I/O de leitura. Para ter funcionalidade plena, o endereço de
registro deve permitir escrita.
Options Invert Output: Realiza a inversão do sinal de entrada.
Startup On Scan: Quando o modo Auto selecionado, força a TAG a iniciar
sua varredura para recuperar dados da DIT, em modo Manual retira a TAG
das atualizações automáticas vindas da DIT, permitindo atualizações por
exceção.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 13 – Process Database - Criar TAGs
A TAG Digital Alarm (DA) possui as mesmas características da TAG Digital Input (DI),
exceto por possuir recursos extras de tratamento de alarme.
Configuração de TAG Digital Alarm – Aba Alarms
Contact Name: Uma TAG que terá seu valor alterado para 1 quando for
detectado um Alarme. Funciona como um memorizador do alarme da TAG
Digital Alarm. Para seu valor retornar a 0, depende da opção configurada
em Mode.
Acknowledge: Volta a 0 quando o alarme é reconhecido.
Return: Quando as condições de processo oriundas da ativação do alarme
voltam ao seu estado normal.
All Clear: Quando o alarme é reconhecido e as condições oriundas do
alarme retornam ao seu estado normal.
Never: É necessário um reset na TAG de contato manualmente.
A opção Continuos Output habilita a atualização do valor da TAG de
Contato a cada varredura das tarefas do SAC. Isso serve a garantir que,
em caso desta TAG ser utilizada na lógica do CLP para acionar uma
sirene, garante-se que o valor será de fato escrito em algum momento.
Options: Defini-se aqui recursos de reconhecimento automático do de alarmes.
ACK Tag: Uma TAG que, quando em 1, reconhece automaticamente o alarme da TAG Digital Alarm (DA).
Alarm Suspend: Esta TAG, quando em 1, suspende a emissão de alarmes pela TAG Digital Alarm (DA).
Delay Time: Define um tempo mínimo em que o estado da TAG Digital Alarm (DA) deve aguardar para emitir a mensagem de alarme.
ReAlarm Time: Define um tempo mínimo em que o sistema aguarda entre uma geração de alarme e outra próxima geração de alarme.
Supress COMM Alarm: Selecione para separas a condição de alarme original a partir do alarme COMM (alarme de comunicação), e
devolver ao TAG Digital Alarm (DA) o mesmo estado em que se encontrava antes da emissão de um alarme COMM.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 14 – Process Database - Criar TAGs
A TAG Digital Output (DO) é utilizada apenas para escrever valores na DIT. Sua principal
diferença entre as TAGs Digital Input (DI) e Digital Alarm (DA) é que ela sempre escreve
valores na DIT, por isso ela opera sempre em estado de exceção.
Quando uma TAG Digital Ouput (DO) é a primeira de uma cadeia, a cadeia só será
executada quando ocorrer alteração de valor na TAG.
Configuração de TAG Digital Output – Aba Basic
Output:
Invert Output: Inverte o valor de saída antes de enviá-lo a DIT.
Ao informar o valor lógico em 1, ao ser enviado a DIT o valor é alterado
para 0. Este recurso é utilizado para manter uma coerência com a
interface, onde a lógica de controle seja montada de forma pouco intuitiva.
Write if different: Envia valor a DIT apenas se o valor escrito for
diferente do valor atual.
Initial Value: É o primeiro valor que é enviado a DIT quando o
Process Database é iniciado ou reiniciado.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 15 – Process Database - Criar TAGs
A TAG Digital Register (DR) lê e grava valores direto na DIT, sem a necessidade de
utilização das tarefas do SAC. Não possui recurso de alarmes ou registros históricos de
eventos. Assim como na TAG Digital Input (DI), para habilitar o recurso de escritas da
TAG Digital Register (DR), abra a aba Advanced e ativa-se a opção Enable Output.

Configuração de TAG Digital Register

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 16 – Process Database - Criar TAGs
As TAGs analógicas são utilizadas para operarem com faixas de valores entre limites
mínimo e máximo. Os valores normalmente são variáveis medidas no processo como
temperatura, volume, pressão, velocidade, dentre outras.
Existem três tipos principais de TAGs analógicas. São elas: Analog Input (AI), Analog
Output (AO), Analog Alarm (AA). Também temos a TAG, do grupo das especiais,
Analog Register (AR).

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 16 – Process Database - Criar TAGs
As TAGs Analog Input recuperam valores digitais da DIT. Tem suporte para recursos
simples de alarmes e também podem escrever valores na DIT, no mesmo endereço de
leitura, mas esse recurso deve ser previamente habilitado e o endereço declarado
também deve permitir escritas.
Configuração de TAG Analog Input – Aba Basic
Engine Units: Diferente das TAGs digitais, que operam com valores em apenas
dois estados, esta TAG operam dentro de uma faixa de valores entre limites mínimo
e máximo com até sete dígitos significativos.
Low Limit: Estabelece o valor mínimo da variável.
High Limit: Estabelece o valor máximo da variável.
Units: Descreve a unidade de engenharia da variável (psi, kgf/cm², m³/h, °C...).
Linear Scaling: Habilita o recurso de escalonamento do valor lido do CLP, quando
o valor lido do CLP e disponível na DIT não representa o que se deseja indicar
para os operadores. Ex. Supomos que o valor lido do CLP está na faixa de 0 ~ 32767,
enquanto a escala desejada está na faixa de 0 ~ 25 m³/h. O iFix realiza
automaticamente o cálculo de linearização dos valores lidos para a escala dos
valores exibidos. Faz-se basicamente a seguinte conversão:
Exibir = valor _lido / Raw_High * Scale_High => 26400 / 32767 * 25 = 20.14
Enable: Habilita ou desabilita o recurso.
Use Egu: Habilita a utilização dos valores de unidade de engenharia Low Limit e
High Limit como parâmetros para Scale Low e Scale High, respectivamente.
Raw Low: Limite inferior lido do CLP.
Raw High: Limite superior lido do CLP.
Scale Low: Limite inferior da unidade de engenharia.
Scale High: Limite superior da unidade de engenharia.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 16 – Process Database - Criar TAGs
Configuração de TAG Analog Input – Aba Alarm
Alarms: São quatro os valores de limites para emissão de mensagens de alarmes.
As TAGs emitem mensagens de alarme quando duas varreduras sucessivas detectam
que o valor da variável está acima do valor definido em Rate of Change.
Low Low: Limite de alarme muito baixo, geralmente um limite critico onde
intertravamentos são realizados.
Low: Limite de alarme baixo, menos critico e de alerta para que ações possam
ser tomadas a fim de evitar intertravamentos.
High: Limite de alarme alto, menos critico e de alerta para que ações possam ser
tomadas a fim de evitar intertravamentos.
High High: Limite de alarme muito alto, geralmente um limite critico onde
intertravamentos são realizados.
Rate of Change: Os alarmes são gerados quando são detectadas diferenças
superiores a este campo.
Dead Band: Estabelece quando um valor pode gerar um novo alarme depois
que foi inicialmente gerado. A TAG deverá superar este valor para que uma nova
mensagem de alarme seja emitida.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 16 – Process Database - Criar TAGs
Configuração de TAG Analog Input – Aba Advanced
Alarm Extension Field: São campos de texto com até 80 caracteres que adicionarão
informações complementares nas mensagens de alarmes.
Security Areas: Abordaremos este tópico no módulo de segurança de usuário.
Options
Enable Output: Permite que sejam realizadas escritas no mesmo endereço I/O
de leitura. Para ter funcionalidade plena, o endereço de registro deve permitir escrita.
Startup
On Scan: Quando o modo Auto selecionado, força a TAG a iniciar sua varredura
para recuperar dados da DIT.
Manual: Retira a TAG das atualizações automáticas vindas da DIT, permitindo
atualizações por exceção.
Auto / Manual: Seleciona o modo na inicialização. No modo automático, a TAG
recebe o valores do driver de I/O ou servidor OPC. No modo manual, a TAG recebe
os valores através do operador, receitas, Blocos de programas ou até de Scripts.
Options / Filter:
Smoothings: Realiza uma suavização, média ponderada, dos valores da varredura
anterior e varredura atual.

Exibir=peso/16 * anterior + (16-peso)/16*atual. peso=valor definido no campo Value.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 17 – Process Database - Criar TAGs
A TAG Analog Alarm (AA) possui as mesmas características da TAG Analog Input (AI),
exceto por possuir recursos extras de tratamento de alarme.
Abordaremos aqui apenas os parâmetros que diferem da TAG Analog Input (AI).
Configuração de TAG Analog Alarm– Aba Alarms
Alarm Options:
Remote Ack: Uma TAG digital para realizar o reconhecimento de alarmes da TAG.
Alarm Supression: Uma TAG digital para suspender a emissão de alarmes da TAG.
Target Value: Um valor alvo em que a TAG deve operar normalmente. Este valor,
em conjunto com o calor lido, será utilizado para determinar a emissão de mensagens
de alarme de desvio.
Alarm Options Type: Estabelece os limites, prioridades, TAGS de contato, reset,
delay e realarme.
ROC: Rate of Change. Estabelece um limite de aumento ou diminuição do
valor em varreduras sucessivas. Alterações superiores ao valor estabelecido
geram uma mensagem de alarme.
DEV: Deviation. Valor de desvio considerável a partir do valor definido em
Target Value.
Priority: Estabelece a prioridade do alarme.
Contact: Uma TAG que terá seu valor alterado para 1 quando for detectado um
Alarme. Funciona como um memorizador do alarme. Para seu valor retornar a 0,
depende da opção configurada em Out Mode.
Delay Time: Define um tempo mínimo em que o estado da TAG deve aguardar para emitir a mensagem de alarme.
Re-Alarm: Define um tempo mínimo em que o sistema aguarda entre uma geração de alarme e outra próxima geração de alarme.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 18 – Process Database - Criar TAGs
A TAG Analog Output (AO) é utilizada apenas para escrever valores na DIT. Sua principal
diferença entre as TAGs Analog Input (AI) e Analog Alarm (AA) é que ela sempre
escreve valores na DIT, por isso ela opera sempre em estado de exceção.
Configuração de TAG Analog Output– Aba Basic
Addressing
Signal Condition: Estabelece como o valor lido do CLP será mapeado. As opções
disponíveis dependem do driver selecionado. O manual do driver deve ser consultado
para detalhamento das opções.
Hardware Option: Permite selecionar o formato de dados no CLP. Geralmente este
campo fica em branco, ou estabelece que o padrão será definido pelo servidor OPC.
Output:
Invert Output: Inverte o valor de saída antes de enviá-lo a DIT. Sendo a faixa de
operação da TAG entre 0 ~100, ao informar o valor 0, ao ser enviado a DIT o valor é
alterado para 100. Este recurso é utilizado para manter uma coerência com a interface,
onde a lógica de controle seja montada de forma pouco intuitiva.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 19 – Process Database - Criar TAGs
A TAG Analog Register (AR) lê e grava valores direto na DIT, sem a necessidade de
utilização das tarefas do SAC. Não possui recurso de alarmes ou registros históricos de
eventos. Assim como na TAG Analog Input (AI), para habilitar o recurso de escritas da
TAG Analog Register (AR), selecione a aba Advanced e ativa-se a opção Enable Output.
Configuração de TAG Analog Register

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 20 – Process Database - Criar TAGs
A TAG Calculation é uma TAG secundária, só pode ser utilizada em cadeias de TAGs,
que é utilizada na realização de cálculos com até oito entradas.
A TAG Calculation herda o Scan Time da primeira TAG primária da Cadeia.
Configuração de TAG Calculation – Aba Basic
Inputs
A ~ H: TAGs e valores de entrada. O campo A está reservado a TAG
predecessora da cadeia.
Output Calculation: Define a fórmula de cálculo.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 21 – Process Database - Criar TAGs
A TAG Program Block é uma TAG primária que pode executar scripts de até 20 linhas de
código.
O código é executado em uma única varredura, da primeira a ultima linha. Controle de
execução em looping devem ser utilizados caso seja esse o objetivo do bloco.
Configuração de TAG Program Block – Aba Basic
Proramming Statements
0 ~ 19: Linhas de entrada da linguagem de script. Um clique no botão abre
uma janela com as instruções possíveis de serem utilizadas.

Esta linguagem é bem limitada e tem o objetivo de realizar pequenas lógicas,


utilizando apenas TAGs do Process Database.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 22 – Process Database - Criar TAGs
A TAG Etended Trend Block é uma TAG secundária que pode realizar o registro em
buffer de 600 registros para utilização em gráfico de tendência instantânea.
Por tratar-se de uma TAG secundária, ela só pode ser utilizada em cadeias de TAGs. Ela
também herda o Scan time da primeira TAG da cedeia.
Configuração de TAG Extended Trend Block – Aba Basic
Options
Clear Bufferes on Startup: Ao iniciar o iFix ou ao realizar um reload no
Process Database, todos os valores armazenados no buffer é descartado
Input Tag: A TAG de fonte de dados para bufferização. Opcional, se
deixado em branco a TAG predecessora é utilizada como fonte de dados.
Avg. Compress: Permite especificar o quantidade de dados que serão
coletados para cálculo de média e em seguida armazenado no buffer.
Ex. Uma TAG com Scan Time de 1 segundo e Avg. Compress em 1, teríamos
600 segundos (10 minutos) de registros no buffer, mas se alterarmos o
valor de Avg. Compress para 2, teremos os mesmos 600 registros,
no entanto com uma cobertura de 20 minutos de amostras.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 23 – Process Database - Criar TAGs
A TAG Totalizer é uma TAG secundária que pode realizar a totalização de variáveis
analógicas em intervalos de tempo estabelecido.

Configuração de TAG Totalizer – Aba Basic


Options
Display Format: Estabelece o número de casas decimais de precisão
Units: Unidade de engenharia.
Per (HH:MM:SS): Período de totalização. Ex. Supormos que você queira
totalizar a vazão de um fluido em m³/d, você deverá informar 23:59:59.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 24 – Process Database - Criar TAGs
A TAG Multisate Digital Input é uma TAG primária que pode realizar um resumo de até
três bits de status digital em uma única TAG. O arranjo binário de entrada possibilita a
esta TAG armazenar valores de 0 ~ 7 (B#000 ~ B#111).

Configuração de TAG Multistate Digital Input – Aba Basic


Device States
0 (000) ~ 7 (111): Campos para edição dos status referentes a cada
combinação de valor.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 24 – Process Database - Criar TAGs
A TAG Multisate Digital Input é uma TAG primária que pode realizar um resumo de até
três bits de status digital em uma única TAG. O arranjo binário de entrada possibilita a
esta TAG armazenar valores de 0 ~ 7 (B#000 ~ B#111).

Configuração de TAG Multistate Digital Input – Aba Addressing


Enable Device 1 / 2: Habilita a entrada de endereçamento dos dispositivos um e
dois. Por padrão, o device zero já está habilitado.

Obs: A montagem dos bits é feita da seguinte forma d2 d1 d0

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 24#1 – Process Database - Campos das TAGs
Lista dos principais campos das TAGs do Process Database

Campo Descrição Observações


A_AUTO O estado Automático do bloco Automático (1) manual (0)
F_AUTO está ou não ativado
A_CUALM Alarme corrente do bloco Apenas para exibição.
A_CV Valor corrente do bloco Um valor número ou
F_CV expressão texto que
representa o valor atual da
TAG dentro da faixa do
EGU.
A_DESC Texto do campo descrição da Até 40 caracteres
TAG
A_EGUDESC Unidade de engenharia do Até 33 caracteres
bloco

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 24#1 – Process Database - Campos das TAGs
Lista dos principais campos das TAGs do Process Database

Campo Descrição Observações


A_EHI O limite superior do bloco Valor máximo dentro da
F_EHI unidade de engenharia
A_ELO O limite inferior do bloco Valor mínimo dentro da
F_ELO unidade de engenharia
A_ENAB Status do recurso de alarme Habilitado (1) desabilitado
F_ENAB do bloco (0)
A_HIHI Limite de alarme muito alto do Valor numérico, dentro da
F_HIHI bloco faixo EGU
A_HI Limite de alarme alto do bloco Valor numérico, dentro da
F_HI faixo EGU
A_LO Limite de alarme baixo do Valor numérico, dentro da
F_LO bloco faixo EGU
A_LOLO Limite de alarme muito baixo Valor numérico, dentro da
F_LOLO do bloco faixo EGU

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 24#1 – Process Database - Campos das TAGs
O Database Manager também pode exportar e importar a database. Este recurso é
muito importante para agilizar o processo de criação das TAGs do Process Database

Exportar:
Menu database -> Export...

Importar:
Menu database -> Import...
No processo de importação de TAGs, as tarefas do SAC são paralisadas e reiniciadas ao
final da importação. Em caso de tentativa de importar TAGs existentes, um diálogo lhe
questionará sobre como proceder. Em casos de erros na importação, um relatório será
disponibilizado para consulta.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 25 – O Ambiente do Workspace
Apesar de não existir uma recomendação formal a respeito, é uma boa ática configurar
sua interface ou temas da área de trabalho do Windows para o “Tema Clássico”. Como
o iFix trabalha com referências percentuais, esta prática lhe favorecerá na hora do
desenvolvimento e também em tempo de execução da aplicação.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 25 – O Ambiente do Workspace
O Workspace é o ambiente de desenvolvimento das Pictures (displays) da aplicação. As
pictures são as interfaces entre o operador do sistema e a planta.
O Workspace suporta a inclusão de objetos diversos em suas telas. Formas, símbolos,
botões, formulários e diálogos customizados. As possibilidades tornam-se ilimitadas
com os recursos de programação de scripts em Visual Basic for Applications (VBA),
ampliando infinitamente os seus recursos.
O Workspace pode apresentar-se de duas formas. A primeira, interface padrão das
versões mais antigas do iFix e a segunda, baseada em Panel Ribbons, mais intuitiva e
alinhada as modernas interfaces de softwares.
Por ser um container ActiveX, o Workspace tem a capacidade de exibir tipos variados
de documentos alinhados a esta plataforma, dentre eles documentos do Word,
planilhas do Excel, documentos PDF do Adobe Acrobat, dentre outros.
As Pictures são as interfaces principais para os usuários do sistema. São responsáveis
pela exibição dos dados de forma amigável e intuitiva, além de fornecer relatórios de
tendências e alarmes.
O Workspace tem recurso de escala automática da resolução de tela. Ele redimensiona
a tela de acordo com a resolução do monitor usado. Todos os elementos da tela serão
redimensionados para a resolução do monitor utilizado, com exceção dos objetos do
próprio Windows, como Janelas de avisos, botões e formulários.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 26 – O Ambiente do Workspace
O Workspace está dividido em três áreas bem distintas.
Na parte superior da janela do Workspace encontramos a Barra de Menu e a Barra
de Ferramentas, ou os Panels Ribbons. Você poderá optar pela interface que melhor
lhe convier.
O System Tree, que poderá estar ancorado na esquerda ou direita da janela, ou
também encontrar-se flutuando na Área de Trabalho.
Ao centro temos o espaço de trabalho, onde desenhamos nossas telas.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 26 – As preferências do Workspace
O Workspace dispõe de uma interface amigável e adaptável as preferências do usuário.
Através do menu Workspace > User Preferences..., é possível definir ajuste na
interface; padrões de tamanho e cor de telas; padrões de formas e espessuras de
linhas, cores e preenchimento de objetos; dentre outros ajustes. A caixa de diálogo de
configurações User Preferences está dividida em Itens, na coluna esquerda, e ajustes
do item.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 26 – As preferências do Workspace
O Workspace dispõe de uma interface amigável e adaptável as preferências do usuário.
Através do menu Workspace > User Preferences..., é possível definir ajuste na
interface; padrões de tamanho e cor de telas; padrões de formas e espessuras de
linhas, cores e preenchimento de objetos; dentre outros ajustes. A caixa de diálogo de
configurações User Preferences está dividida em Itens, na coluna esquerda, e ajustes
do item.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 26 – As preferências do Workspace
O Workspace dispõe de uma interface amigável e adaptável as preferências do usuário.
Através do menu Workspace > User Preferences..., é possível definir ajuste na
interface; padrões de tamanho e cor de telas; padrões de formas e espessuras de
linhas, cores e preenchimento de objetos; dentre outros ajustes. A caixa de diálogo de
configurações User Preferences está dividida em Itens, na coluna esquerda, e ajustes
do item.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 27 – O System Tree e a Caixa de Ferramentas do Workspace
O Workspace oferece meios de acesso rápido a recursos do
sistema, bem como a agilidade na elaboração de telas e acesso
outros sistemas do iFix através da caixa de ferramentas.

O System Tree
No system Tree temos a árvore completa do nosso projeto,
através dele temos acesso a todos os recursos configurados
em nosso projeto. Desde a configuração básica do SCU, as
Pictures e TagGroups, Drivers e tudo mais que compõem o
seu sistema

O Toolbox
O Toolbox oferece acesso rápido as diversas ferramentas de
edição, desenho, aplicação de links, entre outros.
Visível apenas quando temos uma Picture em edição, esta
caixa de ferramentas também pode ser customizada de
acordo com as preferências dos usuários, Inserindo e
removendo botões de acordo com as necessidades e
conveniências pessoais e de produtividade.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 27 – Principais Ferramentas do Toolbox
Ferramentas Função

Ferramentas para recortar, copiar e colar objetos.

Ferramentas para Inserir objetos Timer e Calendário (hora e data do


sistema).

Ferramenta para traçar retângulo.

Ferramenta para traçar retângulo de cantos arredondados.

Ferramenta para traçar elipse ou círculo.

Ferramenta para traçar um meio elipse ou círculo.

Ferramenta para traçar polígono.

Ferramenta para traçar quarto de círculo ou elipse (fatia de torta).

Ferramenta para traçar tubos.


Ferramenta para traçar linhas curvas.

Ferramenta para traçar linhas retas.

Ferramenta para traçar multilinhas conectadas.

Ferramenta para inserir textos.

Ferramenta para inserir botões.

Ferramenta para inserir datalink.

Ferramenta para inserir sumário de alarmes.

Ferramenta para declarar variáveis locais (picture) ou globais (sistema).

Abre janela de configuração de cores.


Abre janela de configuração fonte para textos.

Ferramenta para inserir gráficos de tendências.

Ferramentas de distribuição linear de objetos na vertical ou horizontal.

Ferramentas de alinhamento de objetos.


Ferramentas para realizar alinhamento central de objetos.
Ferramentas para realizar a disposição de objetos.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 28 – Os objetos gráficos, textuais e especiais
O iFix oferece uma gama bem diversificada de objetos gráficos, sejam eles formas ou
objetos mais complexos que fazem parte da interface.
É correto dizer que o iFix é um aplicativo orientado a objetos e, desta forma, tudo que
compõe sua aplicação é tratado pelo iFix como um objeto, portanto estes tem
propriedades e métodos que podem ser manipulados e assim serem animados a fim de
representar valores e status.
Este conceito é visto principalmente dentro do Workspace onde os elementos que
compõem o Layout da Picture podem ter suas propriedades manipuladas para
promover animações nestes objetos através de links com TAGs do Process Database.
➢ Manipulação de cores.
Animações de Objetos Gráficos
o Cor de frente;
A ampla maioria dos objetos gráficos o Cor de fundo;
(retângulos, círculos, polígonos, textos...) o Linha de contorno.
possuem a capacidade de apresentar as ➢ Movimento.
o Posição;
seguintes animações: o Escala;
o Rotação.
➢ Preenchimento.
o Horizontal;
o Vertical.
➢ Visibilidade.
➢ Executar scripts ao receber um clique.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 28 – Os objetos gráficos, textuais e especiais

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 29 – Animações pelas cores dos objetos
Esta é caixa de diálogo padrão para animação de cor dos objetos gráficos. Seja a animação na cor de fundo,
contorno e frente.
Color by Current Value – A animação se dará pelo valor atual da TAG;
Latched Alarm – A animação se dará pelo alarme não reconhecido na TAG;
Current Alarm – A animação se dará pelo alarme atual da TAG;
... Color Threshold Range – As cores assumidas dependerão de uma faixa de valores entre mínimo e máximo
para cada coloração;
Exact Math – As cores assumidas dependerão de valores exatos.
New Alarm Blink on New Alarm – Quando a TAG entra em estado de alarme, a animação permanecerá
piscando até que o alarme seja reconhecido.
Blink on New Alarm Color – Estabelece
a cor que animará o efeito de piscar ao
habilitar o efeito Blink on New Alarm.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 30 – Animação pela movimentação de objetos
Position Horizontal – Realiza o deslocamento horizontal do objeto;
Vertical – Realiza o deslocamento vertical do objeto.
Position Type Relative – O deslocamento do objeto terá como ponto base as suas referências de
posicionamento;
Absolute – O deslocamento do objeto terá como ponto base as referências da tela,
desconsiderando as próprias referências do objeto.
Input Values Lowest e Highest Input Value – São os valores mínimo e máximo da TAG que será utilizada
para controlar o deslocamento do objeto.
Fetch Limits at Runtime – Desconsidera os valores de Lowest e Highest para que sejam lidos
os valores de escala mínima e máxima da TAG de controle em tempo de execução.
... Pos. out values Minimum e Maximmum Offset – Estabelece a área de deslocamento do objeto.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 31 – Animação pela escalonamento de objetos
Scale Parameters Dimension to Scale – Estabelece o comportamento do escalonamento.
- Uniform Height and Width – Escalonamento uniforme de altura e largura;
- Height – Escalonamento apenas na altura do objeto;
- Width – Escalonamento apenas na largura do objeto.
Scale Direction – Estabelece como se comportará o objeto no momento da animação, ou
seja. Estabelece o ponto fixo de expansão ou contração do objeto.
Input Lowest/Highest Input Value – Estabelece o valor mínimo e máximo lido da TAG;
Output Minimum/Maximum – Estabelece o percentual mínimo e máximo de expansão e contração
do objeto;

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 32 – Animação pela rotação de objetos
Input Lowest e Highest Input Value – São os valores mínimo e máximo da TAG que será utilizada
para controlar a rotação do objeto.
Output Minimum e Maximum Angle of Rotation in Degrees – Estabelece o ângulo mínimo e
máximo desejado para a rotação do objeto.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 33 – Animação pelo preenchimento de objetos
Direction Vertical ou Horizontal – O preenchimento do objeto se dará na orientação selecionada.
Direction Settings Vertical Fill Direction – Pode ser selecionada uma das opções. Bottom to Top ou Top to
Bottom, onde o preenchimento se dará, respectivamente, de baixo para cima ou de cima
para baixo.
Horizontal Fill Direction – Pode ser selecionada uma das opções. Left to Right ou Right to
Left, onde o preenchimento se dará, respectivamente, da esquerda para direita ou da
direita para a esquerda.
Input Ranges Lowest/Highest Input Value – Estabelecem os valores mínimo e máximo da TAG de leitura;
Fill Percentage Minimum/Maximum percentage – Estabelece os percentuais mínimo e máximo de
preenchimento.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 34 – Animação pela visibilidade de objetos
Condition for Visibility Condition – Estabelece o operador lógico da condição de visibilidade do objeto.
Condition Value – Valor estabelecido na condição.
Tolerance – Tolerância de desvio do valor da condição
Condition Expression View Visibility Condition – Visualiza o bloco lógico da condição estabelecida.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 35 – Os objetos Textuais
Os objetos textuais possuem as mesmas possibilidades de animações dos Objetos de
Formas Geométricas, com exceção apenas de propriedade de Rotação e
preenchimento. Mas incorporam propriedades Particulares.

Os objetos DataLink
Os objetos Datalink nada mais são que objetos texto automaticamente configurados
para a exibição de valores numéricos e alfanuméricos. Desta forma, não existe qualquer
impedimento em utilizarmos os objetos texto com a mesma finalidade de um objeto
Datalink, porém estes objetos flexibilizam sua configuração.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 35 – Animação de um objeto texto
Para abrir a janela de animação dos objetos texto, deve-se clicar com o botão direito do
mouse sobre o objeto e no menu suspenso selecionar a opção Animation.
A caixa de diálogo de animações avançadas é, geralmente mais utilizada, para animar os
objetos texto. Para acessá-la, clique no botão Configure... na Basic Animation Dialog.
Exemplo de animação da propriedade Caption de um objeto texto.
Convertion Type Data Convertion – Estabelece a forma de conversão do valor da TAG.
Range, Table, Format ou
Object.
Output Error Mode – Forma
de exibição em caso de erro
na TAG. User Current
Output ou Use Error Table.
Table Settings Exact Match – Estabelece
valores exatos de conversão
Range Comparation – Define
faixas de valores para
realização das conversões.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 36 – Objetos gráficos especiais
O iFix também dispõe de alguns objetos gráficos especiais, que em alguns casos
possuem comportamento de aplicativos incorporados. Para a utilização destes objetos,
são necessárias configurações especiais em suas próprias caixas de diálogos. Neste
módulo será apresentado o Push Button, o Alarm Summary e o Standard Chart. O
primeiro é utilizado para disparar a execução de scripts VBA, o segundo para
apresentação e filtragem de alarmes de TAGs e o terceiro para a exibição de Gráficos de
Tendências Históricas e Instantâneas.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 36 – O objeto Push Button
Geralmente utilizado para disparar ações do usuário, como a navegação entre Pictures,
um comando para uma ação em um equipamento, mudança de modo operacional de
um elemento qualquer, etc... As ações são sempre
programadas em Script através do editor VBA
presente no iFix. Este objeto não possui nenhum
diálogo de configuração especial, seu diálogo de
animação é idêntico aos demais objetos gráficos.

ivate Sub CommandButton1_Click()


If user.AppMenu.CurrentValue = False Then
OpenPicture "Appmenu.grf"
Else
ClosePicture "AppMenu.grf"
End If
End Sub

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 37 – O objeto Alarm Summary
Este objeto é utilizado para apresentar registros de alarmes gerados pelo sistema,
possui recursos avançados para filtragem e ordenação de registros, cores, seleção de
colunas, dentre outras.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 37 – O objeto Alarm Summary
Este objeto é utilizado para apresentar registros de alarmes gerados pelo sistema,
possui recursos avançados para filtragem e ordenação de registros, cores, seleção de
colunas, dentre outras.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 37 – O objeto Alarm Summary
Este objeto é utilizado para apresentar registros de alarmes gerados pelo sistema,
possui recursos avançados para filtragem e ordenação de registros, cores, seleção de
colunas, dentre outras.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 37 – O objeto Alarm Summary
Este objeto é utilizado para apresentar registros de alarmes gerados pelo sistema,
possui recursos avançados para filtragem e ordenação de registros, cores, seleção de
colunas, dentre outras.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 37 – O objeto Alarm Summary
Este objeto é utilizado para apresentar registros de alarmes gerados pelo sistema,
possui recursos avançados para filtragem e ordenação de registros, cores, seleção de
colunas, dentre outras.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 37 – O objeto Alarm Summary
Este objeto é utilizado para apresentar registros de alarmes gerados pelo sistema,
possui recursos avançados para filtragem e ordenação de registros, cores, seleção de
colunas, dentre outras.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 38 – O objeto Chart
Este objeto é utilizado para apresentar gráficos históricos ou de tendências
instantâneas, possui recursos avançados para definição das penas, linha de tempo,
direção, entre outros.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 38 – O objeto Chart
Este objeto é utilizado para apresentar gráficos históricos ou de tendências
instantâneas, possui recursos avançados para definição das penas, linha de tempo,
direção, entre outros.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 38 – O objeto Chart
Este objeto é utilizado para apresentar gráficos históricos ou de tendências
instantâneas, possui recursos avançados para definição das penas, linha de tempo,
direção, entre outros.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 39 – Os objetos especiais
Existem outros objetos com características especiais que trazem funcionalidades
adicionais as Pictures. Estes objetos não aparecem no layout da Picture, são objetos
invisíveis.
O objeto Variável
Usado para armazenar dados diversos, esse
objeto pode ter sua visibilidade local ou global.
A primeira o tornará disponível apenas na
Picture onde declarado e a segunda irá
declará-lo no item Globals do System Tree, que
o disponibilizará para toda a aplicação.

O objeto Timer
Usado para disparar eventos em intervalos de
tempo configuráveis, este objeto realiza
a execução de scripts.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 40 – Agrupamento de objetos
Os objetos também podem ser do tipo Grupo. Este tipo de objeto
consiste no agrupamento de dois ou mais objetos com o objetivo de
ter uma melhor organização do projeto. Por exemplo, para desenhar uma válvula na
tela, alguns objetos são necessários, normalmente um polígono, uma linha reta, um
meio círculo e algumas vezes um objeto texto para a TAG de identificação.

O benefício do agrupamento de objetos também se dá também pela facilidade na hora


em que é necessária uma reorganização dos desenhos na Picture. Objetos
desagrupados devem ser relocados um a um, ou selecionar todos e desloca-los em
conjunto. Já os objetos agrupados facilitam bastante nesses procedimentos.
Os objetos agrupados, ao formar um novo objeto, passam a ter propriedades e estas
podem ser animadas e manipuladas, sem comprometer as propriedades dos objetos
individuais que o compõe.
Para realizar o agrupamento de objetos, basta selecionar todos os objetos que se deseja
agrupar e pressionar as teclas <CTRL> + <G>. Para desagrupar um objeto grupo,
selecione-o e pressione as teclas <CTRL> + <R>.
Caso seja necessário editar alguma propriedade de um objeto componente de um
grupo, selecione-o no System Tree, se necessário expanda o grupo clicando no sinal de
“+” existente a sua esquerda, selecione o objeto que deseja modificar e realize-a de
acordo com as suas necessidades.
Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 41 – Sobre Pictures
São as Pictures o principal recurso do usuário para acompanhar o comportamento em
tempo real das variáveis de processo e comportamento da planta.
Uma interface bem elaborada é de grande importância, não só para o conforto do
usuário e otimização do processo, mas também para obter um melhor aproveitamento
dos recursos disponíveis no iFix.

Em um projeto bem elaborado devem ser bem definidas as distribuições dos elementos
nas telas, bem como suas funções. Também é importante a existência de telas resumo,
alarmes, gráficos de tendências, telas ou janelas de interface para execução de tarefas
específicas.

Em geral, as telas devem alinhar a disposição de informações precisas em telas


visualmente limpas e confortáveis ao usuário.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 41 – Criando Pictures
Para criar novas Pictures basta utilizar-se do menu File > New > Picture. Uma janela de
interface é aberta para que o usuário selecione a opção que melhor lhe convier.

Depois que você criar sua tela, poderá acertar alguns aspectos através da Caixa de
Diálogo Edit Picture. Para acessá-la, clique com o botão direito em uma área da tela e,
no menu suspenso, selecione a opção “Picture...”.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 41 – Criando Pictures
A melhor forma de deixar suas pictures de
acordo com suas preferências é editando os
parâmetros diretamente na Caixa de Diálogo
Windows Properties (propriedades). Nela
você terá acesso aos parâmetros necessários
para customização de sua tela de forma direta
e mais rápida. Todos os objetos e
componentes do projeto podem ser customizados com
auxílio da janela de propriedades.
Para abrir o diálogo, clique com o botão direito do mouse
sobre uma área da tela e selecione a opção Property Window

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 41 – Criando Pictures

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 41 – Criando Pictures – Título da interface

- Always on top: True Alguns desses parâmetros podem ser editados na janela de
- Background color: 16711680 propriedades da Picture, no entanto você poderá acessá-los
- Disable auto Scale: True diretamente na janela de propriedades dos objetos.
- Document Height: 5
- Document Width: 100
- Recizable: False
- System menu: False
- Title bar: False
- Recizable: False
- Window top percentage: 0,1
- Objeto Texto (1) – iFix 5.5 - Objeto Texto (3) - Calendário
Alignment: 1-Center Alignment: 1-Center
Auto Size: False Auto Size: False
Background style: 1-Transparent Background style: 1-Transparent
Caption: iFix 5.5 Font name: Arial; size: 20; style: 0-Regular
Font name: Arial; size: 20; style: 0-Regular Uniform scale: False
Uniform scale: False - Objeto Texto (4) Relógio
- Objeto Texto (2) – Curso Básico e Intermediário Alignment: 1-Center
Alignment: 1-Center Auto Size: False
Auto Size: False Background style: 1-Transparent
Background style: 1-Transparent Font name: Arial; size: 20; style: 0-Regular
Caption: Curso Básico e Intermediário Uniform scale: False
Font name: Arial; size: 20; style: 0-Regular
Uniform scale: False

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 41 – Criando Pictures – Barra inferior da interface

- Always on top: True


- Background color: 16711680
- Disable auto Scale: True
- Document Height: 5
- Document Width: 100
- Recizable: False
- System menu: False
- Title bar: False
- Window top percentage: 94,0
- Objeto Button (1) – Botão Planta
Auto Size: False
Background style: 1-FmBackStyleOpaque
Caption: Planta
Font name: Arial; size: 13; style: Bold
Uniform scale: False
Width: 5,15 – Height: 4,63
- Objeto Alarm Summary (2) – Sumário de alarmes

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 41 – Criando Pictures – Área de trabalho da interface

- Always on top: False - Objeto Text (1) – Curso Básico e Intermediário


- Background color: 16711680 Alignment: 1-Center
- Disable auto Scale: True Auto Size: False
- Document Height: 66 Background style: 0-FillStyleSolid
- Document Width: 100 Caption: Curso Básico e Intermediário
- Recizable: False Font name: Arial; size: 40; style: 0-Regular
- System menu: False Uniform scale: False
- Title bar: False - Objeto BitMap (1) – intscreen da tela do oficy iFix Startup
- Window top percentage: 5,97

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 42 – Pictures Iniciais
Para que o Workspace abra suas telas ao inicializar-se, é preciso que sejam definidas
nas configurações preferenciais do Workspace. Abra o diálogo User Preferences do
Workspace e selecione o item StartUp Pictures.
Após definidas, ao iniciar p Workspace no modo Run, suas Pictures serão abertas
automaticamente.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 42 – Pictures Iniciais – Criar uma Splashpic
Um recurso bastante interessante, e muito aplicado em softwares em geral, são as
Splashpic. Aquelas telas iniciais que são apresentadas enquanto um sistema está sendo
inicializado. Muitos softwares utilizam este recurso, é o caso do próprio iFix, os
softwares do office, etc...

- Always on top: True


- Background color: 8421376
- Disable auto Scale: False
- Document Height: 45
- Document Width: 50
- Recizable: False
- System menu: False
- Title bar: False
- Window top percentage: 20

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 43 – Introdução ao Visual Basic for Applications
O Workspace oferece várias ferramentas que auxiliam no desenvolvimento do projeto
de IHM. No entanto estas ferramentas sozinhas são limitadas até um determinado
ponto. Para realizar outras tarefas mais elaboradas, tarefas em várias etapas, gerenciar
dados e fazer avaliações lógicas, os scripts são as ferramentas mais eficientes. O
Workspace utiliza o Visual Basic for Applications como scripting engine.

Por ser uma linguagem de scripts orientada a objetos, o VBA permite a integração de
poderosos recursos as Pictures do iFix. Estes scripts são incorporados aos documentos e
não são necessários arquivos ou recursos externos para operarem. Também podem
operar com muitos objetos e recursos de terceiros, proporcionando uma capacidade
extra de extensão.

O VBA é dirigido por eventos. Ele utiliza-se de um gerenciador de eventos para detectar
ocorrências em objetos e responder com a execução do script associado aquele evento.
Por ser simples de programar e também porque muitos scripts são codificados com
poucas linhas, o VBA é bastante amigável para programadores iniciantes.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 43 – Introdução ao Visual Basic for Applications
A interface do VBE está dividida em Barra de Menu e Ferramentas, project Explorer e
Painel de Código.
Quando selecionamos um projeto (Picture), os scripts de todos os objetos da Picture
aparecem no painel de código. Cada script é iniciado por um evento associado ao
objeto a que pertence. Todas as instruções do script são executadas, do início ao fim,
tornando a executar-se novamente em uma nova ocorrência do evento disparador.
Uma boa parte dos scripts utilizados nos seus projetos, podem ser realizados com os
assistentes presentes nas ferramentas de animação dos objetos.

Evento

Objeto
project selecionado
Explorer

Painel de
edição de
código

oeties window

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 43 – Introdução ao Visual Basic for Applications
Barra de ferramentas Experts
Esta barra de ferramentas contém vários comandos que podem escrever scripts
automaticamente, por meio de parâmetros obtidos através do preenchimento de
formulários. Temos scripts de navegação, de gerenciamento de alarmes e de entrada de
dados.

Alguns dos principais comandos, funções e procedimento VBA mais comumente utilizados nos scripts VBA do
iFix.
AcknowledgeAllAlarms Reconhece todos os alarmes das TAGs utilizadas na Picture atual;
DisableAlarm Desabilita a detecção de alarme da TAG especificada;
EnableAlarm Habilita a detecção de alarme para a TAG especificada;
CloseDigitalPoint Escreve o valor lógico um a TAG especificada;
OpenDigitalPoint Escreve o valor lógico zero a TAG especificada;
ToggleDigitalPoint Inverte o valor lógico da TAG especificada;
ClosePicture Fecha a Picture especificada;
OpenPicture Abre a Picture especificada;
ReplacePicture Troca a Picture especificada pela nova Picture;
ReadValue Lê o valor da TAG especificada;
WriteValue Escreve um valor na TAG especificada;
If Then Else Permite a execução de lógica condicional;
For Next Realiza execução em laço fechado por um intervalo definido;
Exit Sub Força a finalização de execução de uma subrotina, sem terminar as instruções
subsequentes.
Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 43 – Introdução ao Visual Basic for Applications
Exemplo de scripts

ivate sub CommandButton1_click()


WriteValue 1, “Fix32.CURSIFIX.HS226_L.F_CV”
End Sub

ivate Sub SplashPicTimer_OnTimeOut(ByVal lTimerId As Long)


On Error Resume Next
Static iTi, iTf As Long
iTi = IIf(iTi = 0, Timer, iTi)
iTf = IIf(iTf = 0, iTi + 10, iTf)
SplashPic.RecSplashPicLin.LoInValue = iTi
SplashPic.RecSplashPicLin.HiInValue = iTf
SplashPic.StartPicTimer.CurrentValue = Timer
If Timer >= iTf Then
OpenPicture "TitlePic.grf"
OpenPicture "WorkPic.grf"
OpenPicture "BarPic.grf"
ClosePicture "SplashPic.grf"
End If
End Sub

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 44 – TAG Groups
Muitas vezes no desenvolvimento de uma aplicação nos deparamos com objetos
distintos, mas que podem ser manipulados por uma mesma tela. A exemplo temos
motores, válvulas, controladores PID, entre outros. Estes elementos do sistema são
únicos, mas possuem características de controle e status similares. Um motor
geralmente tem Status e comandos similares na maioria dos casos. Em uma aplicação
onde existem vários motores, várias válvulas, vários controladores PID´s.
A fim de atender a necessidades como essas que o iFix incorpora o recurso de Grupos
de TAGs. Este recurso realiza a substituição de Simbolos por TAGs, declarados em um
arquivo a parte e aberto junto com a tela. Os símbolos são substituídos em tempo de
execução pela respectiva TAG.
TAGNAME TAGSTAT TAGON TAGOFF
“B-901-1" fix32.CURSIFIX.STATUSMT1 fix32.CURSIFIX.LIGAMT1 fix32.CURSIFIX.DESLIGAMT1
"B-901-2" fix32.CURSIFIX.STATUSMT2 fix32.CURSIFIX.LIGAMT2 fix32.CURSIFIX.DESLIGAMT2
"B-901-3" fix32.CURSIFIX.STATUSMT3 fix32.CURSIFIX.LIGAMT3 fix32.CURSIFIX.DESLIGAMT3
"B-901-4" fix32.CURSIFIX.STATUSMT4 fix32.CURSIFIX.LIGAMT4 fix32.CURSIFIX.DESLIGAMT4
"B-901-5" fix32.CURSIFIX.STATUSMT5 fix32.CURSIFIX.LIGAMT5 fix32.CURSIFIX.DESLIGAMT5
"B-901-6" fix32.CURSIFIX.STATUSMT6 fix32.CURSIFIX.LIGAMT6 fix32.CURSIFIX.DESLIGAMT6

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 44 – TAG Groups
A ferramenta de configuração dos Grupos de TAGs (TAG Groups) é o Tag Group Editor.
Sua interface é bem amigável e de fácil familiarização.
Sua planilha é dividida em 4 colunas.
Symbol: Corresponde ao símbolo que será configurado na tela;
Substitution: Corresponde ao item substituto, a fonte de dados;
Description: Corresponde a uma descrição do objeto da linha;
Get Full Nane: Clique neste botão para obter o endereçamento
completo da TAG definida na coluna Substitution.
Os arquivos de definição de grupos de TAG são
armazenados na pasta PIC. Eles podem ser acessados
diretamente pelo System Tree Tag Group -> Tag Group Files

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 44 – TAG Groups
O emprego dos símbolos de Tag Groups nos objetos e scripts da Picture são delimitados
pelo caractere “@”. Eles podem especificar uma representação completa ou parcial de
uma origem de dados.

@TAGNAME@

@TAGSTAT@.F_CV

Private Sub cmdOn_Click()


@TAGSTAT@.F_CV fpMot1.pvOn.CurrentValue = True
fpMot1.pvOn.CurrentValue fpMot1.pvOff.CurrentValue = False
End Sub

Private Sub cmdOn_Click()


@TAGSTAT@.F_CV fpMot1.pvOn.CurrentValue = False
fpMot1.pvOff.CurrentValue fpMot1.pvOff.CurrentValue = True
End Sub

Private Sub cmdConf_Click()


writevalue IIf(fpMot1.pvOn.CurrentValue = True, 1, 0), "@TAGON@.F_CV"
writevalue IIf(fpMot1.pvOff.CurrentValue = True, 1, 0), "@TAGOFF@.F_CV"
ClosePicture “fpMot1.grf”
End Sub
Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 45 – A ferramenta Schedule
Um dos poderosos recursos do iFix é a ferramenta Schedule, que permite o
agendamento de tarefas por evento ou por tempo. O agendamento por evento é
disparado quando uma TAG especificada assume um determinado valor, o
agendamento por tempo é disparado em um determinado momento, que pode ser
diário, semanal, mensal, uma data específica.
➢ As principais ações agendadas no Scheduler são:
Emissão de relatórios;
➢ Escrita de valores na base de dados;
➢ Forçar logout/login de usuários em horários de troca de turno;
➢ Reset de totalizadores.
Em um mesmo arquivo Scheduler podem existir a programação de vários
agendamentos, assim como podemos ter vários arquivos de Scheduler sendo
executados simultaneamente.

Obs.: Os arquivos Schedules (.evs) são armazenados na pasta PDB do projeto.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 45 – A ferramenta Schedule
É através do System Tree que podemos adicionar uma
nova Schedule ao nosso projeto. Localize no System Tree o
Item Schedules, clique com o botão direito e selecione
New Schedule.
Um novo arquivo de Schedules será criado. Selecionando a
guia Time Based Entries e realizando um clique duplo na
linha vazia cria uma nova Schedule baseada em tempo.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 45 – A ferramenta Schedule
Quando criamos uma nova Schedule baseada em tempo, devemos definir o período de
sua execução.
Uma data específica – A Schedule será executa uma única vez, em um horário e data
especificados.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 45 – A ferramenta Schedule
Quando criamos uma nova Schedule baseada em tempo, devemos definir o período de
sua execução.
Continuo – A Schedule será executa a partir de um horário definido em intervalos de
tempo especificado

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 45 – A ferramenta Schedule
Quando criamos uma nova Schedule baseada em tempo, devemos definir o período de
sua execução.
Diáriamente – A Schedule será executa no horário definido nos dias selecionados.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 45 – A ferramenta Schedule
Quando criamos uma nova Schedule baseada em tempo, devemos definir o período de
sua execução.
Mensalmente – A Schedule será executada no horário definido nas datas selecionadas.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 45 – A ferramenta Schedule
Selecionando a guia Event Based Entries e realizando um clique duplo na
linha vazia cria uma nova Schedule baseada em evento.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 45 – A ferramenta Schedule
Selecionando a guia Event Based Entries e realizando um clique duplo na
linha vazia cria uma nova Schedule baseada em evento.
Deve ser definido a TAG de detecção do evento e o tipo de eventos podem ser:
On Data Change - Quando ocorrerem alterações no valor da TAG;
On True - Quando ocorrer transição de estado falso para verdadeiro;
On False - Quando ocorrer transição de estado verdadeiro para falso;
While True - Enquanto verdadeiro, a Schedule será executada nos intervalos de
tempo estabelecido;
While False - Enquanto falso, a Schedule
será executada nos intervalos
de tempo estabelecido.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 45 – A ferramenta Schedule
Para finalizar a configuração dos Schedules, é necessário adicionar um serviço a mais
nas tarefas de inicialização do System Configuration (SCU).
Na configuração de tarefas do SCU adicionaremos a tarefa
“FIXBACKGROUNDSERVER.EXE” no modo de execução em Background

O caminho completo de execução da tarefa é:


“C:\PROGRAM FILES\PROFICY\PROFICY IFIX\FIXBACKGROUNDSERVER.EXE”

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 46 – Arquivamento de dados históricos
Um dos recursos mais utilizados e importantes do iFix é a capacidade de
armazenamento de dados em tempo real para exibição em formato de gráficos de
tendências. Este recurso é utilizado para acompanhar o comportamento de uma
variável durante um intervalo de tempo definido, tendo a flexibilidade de ser
configurável conforme as necessidades específicas.
Os aplicativos que exercem a função de armazenamento de dados para históricos são
denominados Historians.
O Aplicativo Historical Assign (HTA) é utilizado para especificar tamanho em horas dos
arquivos, grupos e taxas de amostragens e também nós e TAGs do Process Database
que serão coletados.
O aplicativo Historical Collect realiza a coleta e armazenamento destes dados, conforme
configurado pelo HTA, e os armazena em arquivos na pasta definida no Historical Data
(HTRDATA) no SCU.
Estes dados são recuperados por meio do objeto Chart. Com a utilização de técnicas
avançadas, também podem ser recuperados por meio de relatórios.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 46 – Arquivamento de dados históricos – Historical Assign
O HTA organiza suas configurações em arquivos utilizados pelo programa de coleta
(HTC). As linhas da planilha são grupos de coletas independentes. As colunas são as
configurações específicas de cada grupo.
Ao iniciar, o HTC realiza a leitura e verificação dos grupos de coleta e os dados são
arquivados de acordo com essas especificações. Os dados são armazenados no mesmo
arquivo. Estes podem ser por períodos de 4, 8 ou 24 horas. A opção Automatically
Purge Data Files After faz com que o sistema remova automaticamente os arquivos que
se enquadrarem nas configurações determinadas pelo número de dias estabelecidos.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 46 – Arquivamento de dados históricos – Historical Assign
Especificando Grupos de Coletas
Para especificar grupos de coleta, basta realizar um clique duplo em uma linha vazia
para abrir o diálogo de configuração de grupos.
Node Especifica de qual nó iFix os dados
serão coletados;
Rate Especifica o tempo entre uma coleta
e a próxima;
Qualifier Uma TAG digital opcional que
determina quando ativar a coleta
deve ser realizada. Quando e estado
lógico 1, a coleta é ativada, quando
em 0 a coleta é desativada;
Phase Permite que seja especificado com
que frequência o sistema armazena a carga de dados coletados.
Para inserir uma nova TAG a lista de coleta é necessário digitar ou selecionar (...) uma
TAG no campo Tagname, estabelecer a faixa Limit de desvio ignorado e em seguida
adicioná-la a lista clicando no botão Add.
Obs.: Deve-se tomar cuidados com os valores estabelecidos no campo Limit, uma vez que quanto menor o valor,
mais dados serão armazenados e consequentemente maiores serão os arquivos. É importante considerar a
faixa de valores (range) de cada TAG para não descartar variações significativas em TAGs de faixa de
valores baixos, nem exceder na coleta de variações insignificantes em TAGs que tem faixa de valores altos.
Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 46 – Arquivamento de dados históricos – Historical Assign
Também podemos modificar uma TAG da lista selecionando-a, modificando suas
configurações e em seguida clicando no botão Modify. Assim como também podemos
excluir uma linha selecionando-a e clicando no botão
Delete.

Obs.: 1 – Cada grupo pode ter até 80 TAGs configuradas para coleta
de dados;
2 – Os campos None, Qualifier, Rate e Phase são configurações
globais do grupo;
3 – O campo Limit é individual de cada TAG da lista.

Ao finalizar a edição do grupo as configurações devem


ser salvas através do botão Save Changes.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 46 – Arquivamento de dados históricos – Historical Collect
Para que a coleta de dados configurados no HTA seja realizada, é necessário que o
serviço de armazenamento (HTC) seja inicializado. Para isso devemos abrir o SCU e
adicionar o HTC as tarefas de inicialização do iFix.

“HTC.EXE” no modo de execução em Background

O caminho completo de execução da tarefa é:


“C:\PROGRAM FILES\PROFICY\PROFICY IFIX\HTC.EXE”

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 46 – Arquivamento de dados históricos – Historical Collect
Sempre que promover alterações nos grupos, o serviço de coleta deverá ser
reinicializado. Para isso podemos utilizar o aplicativo Mission Control. Também
disponível no System Tree. Basta selecionar a aba HTC, clicar no botão STOP, que se
tornará no botão START, e em seguida clicar neste botão.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 47 – Arquivamento de dados históricos – Tela de Histórico
Para a apresentação dos dados coletados, o componente do iFix mais utilizado nas
Pictures é o Chart.
Conforme já vimos anteriormente, esse objeto oferece muitos recursos e propriedades.
Muitas das propriedades deste objeto podem ser manipuladas através de script VBA.
A caixa de diálogo Chart Configuration ,
aba General controla a aparência geral do gráfico.
Name e Description definem o nome do objeto e sua descrição;
Highlightable Habilita do realce do gráfico em tempo de
execução;
Selectable permite selecionar o gráfico em tempo de execução.
Modifiable Habilita modificações no gráfico em tempo de
execução
Scroll Direction permite selecionar a direção do gráfico. Da
direita para a esquerda ou da esquerda para a direita.
Zooming define como será realizado o zoom. As opções são
horizontal, vertical ou expandido na seleção.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 47 – Arquivamento de dados históricos – Tela de Histórico
Apparence
Refresh rate controla da taxa de atualização do gráfico;
Historical Update Rate Permite que seja especificada a taxa na qual os dados históricos são atualizados. A taxa
padrão zero desativa o gráfico de ser atualizado automaticamente.
Transparent torna transparente as cores de frente e de fundo do objeto.
Foreground Color define a cor da área de plotagem do gráfico.
Background Color define a cor de fundo do gráfico.
Show Multiple Values permite exibir todos os eixos da caneta
gráfica em tempo de execução.
Show Multiple Times permite exibir todas as escalas de tempo
da caneta gráfica em tempo de execução.
Show Time Cursor permite exibir os cursores de tempo das
canetas em tempo de execução.
Show Time Cursor Tool Tips permite exibir valores das penas
na linha do cursor em tempo de execução.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 47 – Arquivamento de dados históricos – Tela de Histórico
A guia Chart está dividida em subguias que tem o objetivo de controlar a aparência de
cada pena da penlist. A opção Apply To All Pens permite que a configuração de uma só
pena seja aplicada a todas as penas da penlist.
Na aba Pen temos as seguintes configurações:
Data define as configurações de exibição dos dados
High e Low Limit estabelecem os valores mínimo e máximo da
TAG monitorada. A opção Fecth Limit permite que os limites
da própria TAG seja utilizado automaticamente.
Show Line exibe ou oculta a linha do gráfico da pena;
Constant Line especifica se deve ou não exibir uma linha
horizontal constante no valor atual da caneta.
Show Gaps especifica se deve ou não exibir um espaço em
branco para representar uma área em um gráfico onde
não há dados.
Use Regional Settings Especifica se deve ou não utilizar as
definições regionais do Windows. Desativar esse recurso
permite que sejam utilizadas definições específicas. Por
padrão, esse recurso está ativado.
Style define as configurações de estilo de linha
Line Style permite selecionar o estilo de linha.
Line Color permite selecionar a cor da linha.
Line width define a espessura da linha
Maker Style define um tipo de marca para a linha.
Historical Mode permite determinar como o iFIX seleciona os
dados históricos para exibição no gráfico e determina o que
cada valor exibido representa.
Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 47 – Arquivamento de dados históricos – Tela de Histórico
Na aba Time temos as seguintes configurações:
Start time define as configurações de tempo para a exibição dos dados
Fixed Date e Time estabelece uma data e horário fixo para exibição.
Days Before Now estabelece o número de dias anteriores a data atual para exibição de dados.
Duration Before Now estabelece o período em horas, minutos e segundos anteriores ao horário atual para
exibir os dados.
Duration Days e time estabelecem o número de dias e horas
de duração da área de plotagem do gráfico.
Interval se a fonte de dados for histórica, permite especificar
o intervalo de tempo entre as marcações de pontos declarados
em Marker Style, na Pen.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 47 – Arquivamento de dados históricos – Tela de Histórico
Nas abas X-Axis e Y-Axis temos as configurações dos eixos X (Horizontal) e Y (vertical)
Number of Labels define o número de rótulos de tempo e faixa nos eixos.
Number of Ticks define o número de marcas de tempo e faixa nos eixos.
Axis Color estabelece a cor das marcações.
Show Title permite a exibição dos títulos dos eixos. Os títulos podem ser declarados no campo Title.
Show date permite exibir no eixo X, além da hora, a data de coleta dos dados.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 47 – Arquivamento de dados históricos – Tela de Histórico
Na aba Grid:
Number of Lines define o número de linhas horizontais e verticais.
Grid Color Define a cor das linhas horizontais e verticais.
Grid Style Define o estilo de linhas horizontais e verticais.

Na aba Legend:
Selecionamos os campos da TAG para exibição no gráfico. Também é definida a ordem de exibição dos campos.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 48 – Configurando a segurança
Inicializado geralmente a partir do SCU, e disponível somente quando o iFix está
executando, esta ferramenta é destinada a gerenciar usuários, seus grupos e
permissões gerais de acesso a recursos e áreas no iFix. A tela do aplicativo oferece as
opções de configuração conforme abaixo

Configuração de usuários, para a inclusão, edição e exclusão de usuários.


Configuração de grupos, para a inclusão, edição e exclusão de grupos de usuários.
Configuração base da segurança, permite ativar e desativar a segurança, e
estabelecer o local de armazenamento e backup dos arquivos de configuração da
segurança.
Configuração de auto-login, permite
estabelecer o usuário de inicialização do
sistema.
Configuração de áreas de segurança,
estabelece as áreas de segurança de uma
aplicação iFix.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 48 – Configurando a segurança
Usada para especificar as pastas de armazenamento e backup dos arquivos de
configuração da segurança, esta deve ser a primeira das ferramentas a ser usada para
iniciar as atividades.
Para que as configurações de segurança sejam consistentes em todos os nós iFix na
rede, é importante que exista um bom mecanismo de gerenciamento dos arquivos de
segurança, este mecanismo deve garantir que as atualizações realizadas afetem todas
as estações de forma imediata. Uma boa prática é a utilização de uma pasta na rede
comum a todas as estações, e o backup armazenado localmente nas estações.
Ao habilitar os recursos de segurança do iFix, garanta que terá ao menos um usuário
com privilégios totais no sistema. Tenha ciência do nome e senha deste usuário. Uma
vez perdidas as informações de segurança, você ficará impedido de realizar qualquer
intervenção ou utilização do sistema.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 48 – Configurando a segurança
A ferramenta de configuração das áreas de segurança. Estas áreas interferem em
dois dos elementos do iFix, Pictures e TAGs.
Nas TAGs permitem a leitura sem restrições, mas podem impedir escritas de valores se
o usuário não estiver enquadrado na mesma área de segurança da TAG.
Nas Pictures, se o usuário não tiver cadastrado na sua mesma área de segurança, ele
terá o acesso impedido.
O iFix oferece um total de até 254 áreas de segurança. As 16 primeiras são previamente
nomeadas com as letras de A ~ P. Todas podem ser renomeadas de acordo com as
necessidades da aplicação.
Selecionando uma área e clicando no botão Modifi... temos acesso ao diálogo Edit
Security Area.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 48 – Configurando a segurança
A ferramenta de configuração de Grupos de Usuários estabelece direitos de acesso
comuns, compartilhados por usuários que possuem um mesmo perfil de utilização do
sistema. Os usuários pertencentes a um determinado grupo, herdam os privilégios e
recursos definidos para o grupo. Um usuário pode pertencer a vários grupos distintos.
Alguns exemplos de recursos por grupos.
Administradores Todos os privilégio e recursos disponíveis.
Supervisores Workspace, Exit from Run mode, iFix System shutdown.
Operadores Workspace.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 48 – Configurando a segurança
A ferramenta de configuração de Usuários estabelece direitos de acesso a um
usuário. Cada usuário é identificado com um nome de Login e uma Senha.
Embora seja recomendado utilizar-se dos privilégios estabelecidos para o grupo ao qual
o usuário pertença, alguns necessitam de privilégios adicionais que podem ser
atribuídos diretamente nas configurações da conta do usuário. Também é possível
estabelecer o tempo em que usuários permanecem logados no sistema. O tempo em
que um usuário permanece logado é estabelecido no campo Login Time Out do perfil
do usuário.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 48 – Configurando a segurança
A ferramenta de configuração de Auto Login para inicialização do iFix deve ser
configurado individualmente em cada estação. Em caso de arquivos de segurança
compartilhados em rede, todos os nós que se utilizam dos arquivos devem ser
incluídos.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 48 – Configurando a segurança
Finalizadas as configurações de segurança, é recomendado realizar a cópia dos arquivos
entre os nós iFix distribuídos pela rede. Os seguintes arquivos devem ser copiados.

➢ SANAMES.CFG
➢ *.UTL
➢ *.^TL
➢ *.AUT
➢ *.RPT
➢ *.DOV
➢ *.TOV

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 48 – Configurando a segurança
Conforme dito anteriormente, as áreas de segurança podem afetar as TAGs e Pictures.
Na TAG, podem ser definidas até três áreas de segurança, configuradas na aba
Advanced da TAG

Na picture, as configurações de área de segurança é


definida com auxílio da Janela de Propriedades de objetos,
opção SecurityArea.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 48 – Configurando a segurança
O sistema de segurança gerencia diariamente, cria um arquivo que registra as
atividades relacionadas a segurança. O nome do arquivo segue o padrão
AAAAMMDD.LOG. Nele são armazenadas todas as atividades de login, logout e
tentativas frustradas de acesso.
Os seguintes registros podem ser auditados no arquivo.
➢ Usuários que realizaram login/logout no sistema;
➢ Quando um usuário não conseguiu realizar login;
➢ Quando ocorreu a tentativa de acesso a uma área ou aplicativo dos quais não tinha
priviégios;
➢ Quando um usuário ultrapassou o tempo de limite de permanecer logado.
➢ Quando um usuário realizou escritas e o valor escrito em TAGs da PDB.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 48 – Configurando a segurança
Grupos Usuários
 Operação  José Beltrano - jobel
 Workspace;  G Operação turno.
 Login/Logout.  Mário Processo - mapro
 Supervisão turno  G Operação turno
 (Operação);  T Recipe ...
 Exit from run mode;  José Manut - joman
 Recipe load;  G Manutenção
 Recipe download from recipe builder.  Marco Super - masup
 Supervisão administrativa  G Supervisão turno
 (Supervisão turno);  Elton Terra - elter
 Enable taskswitch;  G Supervisão administrativa
 Database reload;  João Neto - jonet
 User admin.  G administração
 Manutenção  Auto login – aulog
 (Supervisão turno);  T Workspace
 Background task exit;
 Database manager / Database save;
 Enable ctrl+alt+del;
 Enable taskswitch;
 Manual failover;
 System configuration.
 Administração
 Tudo...

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 49 – Ferramentas uteis no diagnóstico de problemas
O aplicativo Mission Control é sem dúvida a ferramenta ideal no diagnóstico, análise de
performance e de problemas no sistema.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 49 – Ferramentas uteis no diagnóstico de problemas
O aplicativo Mission Control é sem dúvida a ferramenta ideal no diagnóstico, análise de
performance e de problemas no sistema.

Willams Vitor ©
Curso Básico e Intermediário
Aula 49 – Ferramentas uteis no diagnóstico de problemas
O aplicativo Mission Control é sem dúvida a ferramenta ideal no diagnóstico, análise de
performance e de problemas no sistema.

Willams Vitor ©