Vous êtes sur la page 1sur 23

Midia

Terra da Promessa Sulista


Escrito por Camilco de Solus; traduzido para o Inglês por Andrew Pearce e para o
Português por Pedro R. Camelo

A costa ao sul do Mar do Meio é dominada pela nação de Midia e sua capital Solus, um centro de
negociação com uma população cosmopolita de comerciantes, marinheiros e ladrões.
Guia do Mestre de Labirinto, p. 5
interesse ilimitado por novas experiências
Introdução enriquecedoras.
Midia – a ‘Terra do Sul’ como a maioria dos
Existem, é claro, muitas concepções errôneas
Mineanos a conhecem – é a casa de uma das
sobre minha terra natal que eu espero tratar
maiores civilizações de Mythika. Sim, como um
nessa dissertação. Alguns acusaram os
próprio Midiano, eu sei que você esperava que
Midianos de serem ‘um povo libertino e
eu falasse isso. Todavia, é verdade.
desregrado, com falta de qualquer senso de
bússola moral’, para citar o grosseiro Midia
Diferentemente de algumas nações – os Exposta! (o que o meu bom amigo e mentor
inescrutáveis Khettim do Reino do Deserto, os
Anagnosis brevemente refere-se em seu gentil
duros Senhores da Guerra de Umbria, os
prefácio à minha humilde oferta). Eu não sei se
orgulhosos Príncipes Marinhos de Tritonis –
Cleonthides de Argos alguma vez já visitou
Midia sempre foi uma sociedade aberta e
minha terra natal, então talvez não será
iluminada, buscando aprender de outras
surpresa que eu farei apenas uma única
civilizações, e em retorno compartilhar o que foi
referência a mais a seu sensacionalista,
aprendido com os outros. De tal modo que
desconexo e erroneamente ambíguo ensaio –
fomos sujeitos a mais invasões injustificadas
quando eu venho a examinar o mito persistente
que qualquer outra nação é o preço que nós
que nós Mineanos nos deliciamos com sacrifício
repetidamente tivemos que pagar por essa
infantil. Eu darei atenção meticulosa para refutar
abertura. Contudo tal é a resiliência, e a
essa odiosa calúnia sangrenta mais tarde em
natureza clemente, do povo Midiano que essas
minha dissertação.
lesões severas de nossa história que de
nenhuma maneira diminuiu nosso amor por
aprender, nosso espírito de aventura, e nosso
X
do sudeste as chuvas se tornam tão
Algumas Palavras de Recomendação
intermitentes que deixam a agricultura difícil,
Eu fiquei muito satisfeito de ter sido convidado quando os cerrados de Midia gradualmente dão
para redigir algumas palavras de recomendação vez às rudes terras devastadas do Grande
para esse trabalho por um jovem, porém Deserto.
promissor erudito Midiano, Camilco de Solus.
Baseado em sua aula expositiva convidada sobre Midia faz fronteira ao oeste pelas exuberantes
cultura e história Midiana na Akademia de Thena selvas de Charybdis; ao sul pelas montanhas
(a qual eu fiquei muito feliz de co-patrocinar junto ameaçadoras do Império Stygian; e pelo leste
de Anaximander de Cresos), a tese de Camilco pelas areias quentes do Reino do Deserto.
fornece uma introdução cativante para qualquer Entretanto, a fronteira mais importante e
um interessado em sua fascinante, porém extensa é ao norte – as vastas águas do Mar do
frequentemente mal compreendida terra natal. Meio. A nação da Midia foi fundada há
Muitos nas Três Cidades contentam-se a seiscentos anos por marinheiros e comerciantes
dispensar Midia simplesmente como ‘a Terra do da Terra do Sol, e mais que qualquer outra
Sul’, ou, pior, ‘a Terra de Assassinos de bebês’. nação – com a possível exceção dos Tritonianos
Midia merece ser melhor conhecida que isso, e o – toda a história e cultura de Midia gira em torno
jovem Camilco nos deu uma valiosa dissertação – de sua relação com o mar.
certamente bem superior à ridícula e
sensacionalista monografia “Midia Exposta!” O centro de Midia encontra-se as selvagens e
publicada pelo picareta de terceira categoria pouco exploradas Regiões Florestais de
Cleonthides de Argos no ano passado. Eu mais Samera, o resto do que uma vez foi uma muito
que seguramente recomendo o ensaio magistral ampla extensão florestal. O domicílio de muitas
de Camilco à sua atenção. bestas perigosas, e também há rumores que
Anagnosis de Thena vários cultos sombrios operem de santuários
escondidos de dentro dessa região florestal
Deixe-me concluir minhas observações pouco convidativa.
introdutórias com esse convite caloroso. Caso
duvide de qualquer coisa que leia nessas Embora existam muitas vilas e aldeias
palavras que seguem – venha a Midia, e você espalhadas por Midia, e particularmente ao
verá a verdade sobre meu povo por vocês longo de sua costa extensa, uma alta proporção
mesmos! da população vive em uma ou outra das dez
cidades de Midia. Tal é a importância dessas
A Terra das Dez Cidades cidades que em anos recentes, um novo nome
para Midia crescentemente entrou na
Geografia consciência pública: a Terra da Decapolis –
literalmente ‘Dez Cidades’ em Mineano.
Midia é uma terra surpreendentemente fértil, Entretanto, apenas seis delas são propriamente
dada a sua localização sulista – e certamente consideradas como cidades Midianas no sentido
comparada com o Reino do Deserto e a Terra estrito. Três delas são na realidade colônias
do Sol. É claro, não recebe nada como as Mineanas, enquanto que a última é um povoado
quantidades de chuva que as terras mais a curioso e um tanto problemático de origem
oeste do Mar do Meio – como Charybdis ou incerta abrigada nos contrafortes mais ao norte
Umbria – ou mesmo a Terra das Três Cidades das montanhas Stygianas.
ao norte. Todavia, recebe chuva suficiente para * Hawada, a estrela no mapa, é um Nomo do Reino do
a produção de azeitonas, frutas cítricas, nozes, Deserto. (ver Reino do Deserto, p X)
tâmaras, uvas e acima de tudo trigo em
abundância. Apenas nas regiões mais afastadas X
Midia, a terra de maravilhas exóticas e cidades cosmopolitas
Vejamos cada uma das Dez Cidades de cada
vez: Os Khetsdami

O status de Khetsdami – ou ‘Meio-sangue’ –


Solus, a Magnífica foi um dos assuntos mais discutidos dos
tempos recentes em Mythika. Midianos sempre
Facilmente a maior, e mais importante, das Dez foram muito receptivos e hospitaleiros com
Cidades é a cidade capital Solus, a Magnífica – outras raças vivendo em sua terra – porém
o grande porto marítimo que foi fundado, de essa mesma generosidade de espírito nem
acordo com a tradição, pela Rainha Dido sempre foi estendida para a prole de
Elishat no primeiro século da Era da Magia (42 ‘casamentos mistos’.
EM é a data geralmente dada, embora isso seja
o assunto de amargo debate erudito nos anos Embora proteções liberais na lei tenham sido
recentes). Solus (uma contração do velho estipuladas para aqueles pertencentes a outras
Salomus, significando ‘Morada da paz’ na culturas, o número crescente daqueles de
língua Midiana) é possivelmente a cidade mais herança cultural mista – e seu status incerto –
cosmopolita no mundo conhecido – com a foi um que não mais podia ser ignorado no
possível exceção de Kandária. Menos da início do quarto século da era atual.
metade da população de Solus são Midianos de
nascimento – e embora Midianos permaneçam A rainha atual de Midia, Dido Yophet, seguindo
a maior comunidade dentro da capital, existem o exemplo de sua mãe antes dela, tem sido
também números significantes de muito franca em realçar a situação difícil dos
Charybdianos, Khettim, Mineanos e Tritonianos Khetsdami – cuja circunstância econômica
vivendo dentro da cidade, assim como um geralmente tem sido bem inferior daqueles de
grande número de Khetsdami (‘Meio-sangue’ qualquer outro grupo dentro da sociedade
em Midiano), indivíduos de herança racial Midiana.
misturada.
Há uma década, foi permitido aos Khetsdami
O Porto de Solus finalmente se considerar verdadeiros Midianos,
O Porto de Solus são na verdade dois portos: o com todos os direitos que acarretam (incluindo
Porto Externo, que abriga a frota mercante, e representação dentro do Senado). Enquanto
o Porto Interno, onde a frota militar fica que muitos Midianos ‘puro-sangue’ tenham
ancorada quando não está no mar. O porto recebido com agrado essa ação (o qual, com
Interno possui espaço para duzentos navios, um golpe, assegurou que os ‘Midianos’ sejam
enquanto que o Porto Externo pode acomodar mais uma vez uma ‘maioria’ dentro de sua
mais de trezentos navios. No meio do Porto própria terra), outros ficaram menos contentes,
Externo, em uma pequena ilhota, fica a grande sentindo que a linha sanguínea Midiana esteja
Estátua de Dido Triunfante, construída pela sendo diluída, e que a rainha esteja traindo as
Rainha Dido Hayilet no início da Era dos Heróis ‘tradições antigas’ de seu povo. Muita dessa
– e tida como alguns como uma das Maravilhas oposição veio da poderosa classe nobre, e
de Mythika. especialmente da muito influente Casa Barca.

X
A própria Solus é dividida em vários distritos, ou chamado para barcos de comércio, estando
quarteirões. viajando entre oeste e leste, ou norte e sul. A
grande riqueza de Solus – refletida em seus
O quarteirão marítimo – em volta do porto – é a belos prédios de mármore, seus templos
parte mais antiga da cidade, e o centro de troca imponentes e seu porto impressionante, o maior
e comércio. Ele contém muitos mercados livres, no mundo conhecido – é feita quase
bem como as lojas especializadas de completamente sobre sua posição lucrativa na
incontáveis tipos diferentes de artífices e encruzilhada de muitas rotas comerciais através
comerciantes. Existem muitos prédios belos do Mar do Meio.
nesse distrito, como a Torre do Mestre do
Porto, um dos poucos prédios que Ética, a Eterna Rival
sobreviveram intactos da Era Dourada de Midia.
Segunda maior cidade e mais ao oeste de
Penosamente, esse distrito também é casa de Midia, localizada na grande Baía de Ética a
muitos grupos criminosos, incluindo os
duzentas e cinquenta milhas ao sudoeste de
Macacos Azuis – uma das mais infames e
Solus, Ética possui uma longa história de
cruéis gangues de ladrões e assassinos de toda
rivalidade com sua mais ilustre cidade-irmã.
Midia – e seus mortais rivais, os Irmãos da Mão
Rubra. Em parte isso se origina da afirmação de Ética
ter sido fundada por uma frota mercante Edonita
Adjacente ao quarteirão marítimo fica o 15 anos antes de Solus, liderada por um
quarteirão do meio – um distrito enormemente negociante engenhoso chamado Etobel (após a
respeitável, primariamente residencial que quem a cidade foi nomeada).
também contém a renomada Biblioteca de
Solus, e a Casa de Eshmun – um lugar Como resultado, Ética sempre se ressentiu, e
tranquilo de cura física e espiritual dedicado ao resistiu à afirmação de Solus de ser a cidade
deus Midiano das artes de cura. suprema Midiana. Várias vezes na história, Ética
se rebelou contra as rainhas de Solus, e até
Além do quarteirão do meio, em uma encosta mesmo se aliou a forças invasoras, como
contemplando do alto o resto da cidade, fica o durante a ocupação Tritoniana (como resultado,
quarteirão real, também conhecido como o Ética ainda possui a maior comunidade
byrsa (literalmente ‘local alto’) onde os nobres Tritoniana de Midia, sendo quase um terço da
de Solus possuem suas residências. O distrito é população da cidade atualmente). Alguns dos
também onde está localizado o Palácio de mais irados cidadãos de Solus já pediram pela
Dido, bem como a Casa do Senado e o destruição de Ética por conta de sua
Grande Templo de Solus. deslealdade persistente, porém opiniões mais
amenas sempre prevaleceram – até então.
Uma Nota sobre Datas
Tradicionalmente anais de tribunal e outros O porto de Ética não é tão grande como o de
documentos históricos em Midia têm sido Solus, porém comércio marítimo é, todavia
datados de acordo com o Calendário Midiano, importante para a economia da cidade. Ética é
que começa no Ano 1 de acordo com a Era de capital do Território Ocidental – aquela parte
Solus (ES). Entretanto, o sistema Mineano de Midia que faz fronteira com as selvas de
primeiramente desenhado por Demosthenes de Charybdis. Sua proximidade a Charybdis
Pylene á agora amplamente usado (anos EM permitiu a Ética a basicamente monopolizar o
para a Era da Magia, e EH para a Era dos comércio em Midia das duradouras madeiras de
Heróis), e eu seguirei essa convenção em meu lei caídas das grandes florestas do sul.
ensaio.
Karkuan, Cidade de Pescadores
Finalmente, além das muralhas da cidade fica o
Situada a quarenta milhas ao oeste de Solus,
quarteirão externo, lar da maioria dos Khetsdami
Karkuan (o nome é de significado
e outros elementos mais pobres de dentro da
desconhecido, e talvez Charybdiano de origem)
cidade. Muito alto acima da cidade, ao oeste,
é uma das menores e menos importantes das
fica o Monte Gedyon – que, apesar de sua
cidades Midianas. Fundada em meados de 85
proximidade com a costa, ele é na verdade uma
EM pela Rainha Dido Amella, sua maior
das montanhas mais altas de Midia. No alto dos
reivindicação de fama é a técnica especial de
declives do Monte Gedyonfica o Precipício de
defumação primeiramente desenvolvida em
Milcetpal (literalmente ‘Salto da Rainha’), no
Karkuan e aplicada ao peixe desembarcado em
qual a primeira Rainha, Dido Elishat, encontrou
seu porto, fazendo do peixe defumado de
seu desafiador fim. Monte Gedyon foi uma vez
Karkuan uma muito desejada iguaria em toda
extensivamente minado pela sua prata, mas
Midia. Apesar de sua relativa não importância,
parece que ficou exaurido há vários séculos.
Karkuan foi o local de duas batalhas famosas na
Solus é centralmente localizada ao longo da história de Midia.
costa Midiana e, portanto, bem localizada como
centro administrativo e comercial da nação
Midiana. O Mar do Meio é relativamente estreito
nesse ponto, dando a Solus uma posição de
vantajosa e de comando e como um porto de X
para Midia’. Telabyr é a cidade principal do
Território Oriental – a parte de Midia que
marca a terra algumas vezes contestável nas
fronteiras do Reino do Deserto.

Telabyr (lit. ‘Alta Fortaleza’ em Midiano) é um


acampamento de tamanho modesto que se
acomoda sobre um planalto elevado acima das
terras semiáridas que o cerca. A assim
chamada ‘rota de camelos’ que liga Midia ao
Reino do Deserto passa por Telabyr. Fundada
em meados de 100 EM pela Rainha Dido Afeat
(fazendo-a a mais jovem das seis cidades
verdadeiramente Midianas), Telabyr é casa da
Karkuan, a Cidade de Pescadores
maior comunidade Khettim de Midia atualmente
Maliba, Cidade das Tendas – consistindo de quase metade da população da
cidade.
Situada a duzentas e trinta milhas ao sudoeste
de Solus, a cerca de cinquenta milhas para o As Cidades Mineanas
interior, Maliba foi fundada pela Rainha Dido
Amella em 73 EM enquanto em exílio de seu As cidades de Arkalia, Cyrenos e Skonnos –
irmão Rei Utipan, o Usurpador. Maliba serviu coletivamente conhecidas em Midia como ‘as
como o ponto de reunião para a resistência a cidades Mineanas’ – são fundações
Utipan que no final das contas conduziu a sua relativamente recentes, todas elas estabelecidas
ruína. dentro dos últimos oitenta a cem anos.

O lar espiritual dos Midianos, Maliba literalmente A mais velha (e maior) das Cidades Mineanas é
significa ‘Cidade das Tendas’, assim chamada Cyrenos, fundada por Argos em 242 EH
por conta de sua falta de estruturas residenciais próximo ao fim do reinado do Rei Setamum II, o
permanentes. As Tumbas Reais em formato de Rei do Deserto que então governava Midia. Tal
colméia das Rainhas de Midia são as únicas era o poder enfraquecido do Reino do Deserto
estruturas permanentes na Cidade: até mesmo naquele tempo que Setamun foi impotente de
o Tabernáculo dos Deuses – o local mais prevenir os Argoseanos – triunfantemente
sagrado de adoração em Midia – é uma tenda. seguindo suas recentes vitórias na Guerra
Poucos não-Midianos escolhem viver em Umbria – de estabelecerem uma colônia na
Maliba, embora não haja proibição formal de costa Midiana, no meio do caminho entre Solus
sua presença (exceto dentro do Tabernáculo). e Lectis.

Lectis, a Cidade Branca


Situada a cento e cinquenta milhas ao sudeste
de Solus, o porto de Lectis – a terceira cidade
de Midia em termos de tamanho e importância –
foi fundada pela Rainha Dido Elishat em
meados de 65 EM durante a primeira onda de
expansão Midiana. Apenas um pouco menor
que Ética, Lectis (literalmente ‘Morada Branca’
em Midiano, assim chamada pela cor bege dos
arenitos dos quais a maioria dos prédios da
cidade é feita) sempre foi fielmente leal à
monarquia Midiana.

É famosa pela qualidade de seu vinho de uva-


passa, e também pela bela indústria de tinta
baseada dentro e ao redor de Lectis: Cochonilha
Lectiano é devidamente reconhecido por toda
parte de Mythika. Lectis possui minorias de
tamanho considerável de Mineanos e Khettim
vivendo dentro de suas muralhas.

Telabyr, Entrada para o Deserto


Situada a duzentas e cinquenta milhas ao O grande farol de Lectis, a Cidade Branca
sudeste de Solus, e mais oitenta milhas para o
interior, Telabyr é algumas vezes referida –
especialmente pelos Khettim – como a ‘Entrada
X
Sem querer ficar derrotados, os Thenienses havia estabelecido sua reputação como um local
requereram ao sucessor de Setamun, Rainha de má fama.
Nofret, a permissão de estabelecer uma colônia
Atualmente, Maveleth permanece uma cidadela
em Midia. Nofret viu o potencial de comércio de
fronteiriça onde a regra de lei é, no máximo,
tal empreendimento, e em 249 EH os
Thenienses estabeleceram a colônia de Arkalia dada respeito ocasional. Gangues criminosas
constantemente lutam umas com as outras pelo
a quarenta milhas a sudoeste de Karkuan.
domínio de seus muitos mercados ilícitos que
A terceira das Cidades Mineanas foi Skonnos, prosperam na cidade, enquanto que duros
mercenários e usuários de magia indecentes
que foi estabelecida em 255 EH cerca de
alugam seus serviços para os simplórios e para
setenta milhas ao sudoeste de Arkalia. Ambos
os desesperados. Governantes de diversas
Heraklia e Argos requereram à Rainha Nofret
culturas e temperamentos – Midianos, Khettim,
permissão para estabelecer uma colônia. Após
Tritonianos – tentaram “limpar’ a cidade em
vários anos de delicada negociação, Nofret
muitas ocasiões, com, na melhor das hipóteses,
concedeu aos Argosianos o direito a estabelecer
sucesso muito limitado.
uma segunda colônia em Midia – para a fúria
dos Heraklianos. Ser ‘expulso’ dos mercados Assim como um ímã para atividade criminal,
Midianos pelos Argoseanos – como os Maveleth serve como uma cidadezinha de
Herakliaos o compreenderam – foi um dos mineração. Veios ricos de prata, chumbo e
vários fatores que levaram à erupção da Guerra estanho foram encontradas nas colinas
das Duas Cidades no ano seguinte. próximas. Por essa razão, embora por nenhuma
outra, a maioria dos governantes estão
Com o colapso do governo Khettim sobre Midia preparados para tolerar a existência continuada
poucos anos depois, e a Guerra das Duas dessa cidadezinha indecente. Maveleth é
Cidades acontecendo intensamente, o futuro atualmente ‘governada’ – pelo menos no nome
das três colônias Mineanas em Midia parecia – por um embaixador, que é pessoalmente
incerto por um tempo. Os sucessos contínuos nomeado pela rainha de Midia.
desse empreendimento tiveram basicamente
mais a ver com ao pragmatismo cauteloso de Entretanto, na prática, o embaixador possui
seus vizinhos Midianos que dos próprios pouca autoridade real dentro da cidade. O
instintos de sobrevivência dos colonizadores. verdadeiro poder é exercido pelas várias guildas
de mineração e gangues criminosas de
Em 280 EH, logo após o fim da Guerra das Maveleth.
Duas Cidades, a Rainha Dido Hannat assinou a
Concordata, um tratado com as três cidades Maveleth tem o direito de enviar um
Mineanas que reconheceu ambos os direitos de representante ao Conselho Midiano de Anciãos
autogoverno e seu status de colônias de Thena – embora, como as três cidades Mineanas,
e Argos, enquanto também estabelecia certas como um observador não votante. Na prática,
obrigações devidas ao Estado Midiano, entretanto, o delegado de Maveleth raramente
especialmente em tempos de guerra. Como se importa de aparecer.
resultado desse tratado, as três Cidades
Mineanas ficaram autorizadas cada uma de
enviar um único representante como um
Sociedade & Cultura
observador aos encontros do Conselho Midiano
de Anciãos – embora sem direitos de voto. Os Povos de Midia

Maveleth, a Última Cidade Culturalmente, Midia é a nação mais misturada


de seu tamanho em Mythika – de fato, apenas a
A última das Dez Cidades de Midia é a mais vasta Terra do Sol pode ostentar uma maior
enigmática. Conhecida como Maveleth – que diversidade social e étnica.
pode ser associada com uma palavra Midiana
obscura significando ‘morte’ – a Última Cidade Algo em torno de 40% da população é de
de Midia, como ela também é às vezes Midianos ‘puro-sangue’ (i.e. ambos o pai e a
conhecida, fica em meados de duzentas milhas mãe sendo eles próprios Midianos). Cerca de
ao sul de Solus, abrigada nos contrafortes mais 20% de sua população é constituída de
ao norte das montanhas de Stygia. As origens Midianos ‘meio-sangue’ (um pai não-Midiano),
exatas de Maveleth estão perdidas nas névoas enquanto que quase o remanescente de 40% é
do tempo. Pode ter sido fundada pelos dividido mais ou menos igualmente entre quatro
Midianos, possivelmente pelos Khettim, ou até outros grupos étnicos – Charybdianos, Khettim,
mesmo pelos Stygianos. A primeira menção Mineanos e Tritonianos.
clara disso está em um documento de tribunal
do Reino do Deserto de meados de 130 EM,
próximo ao fim do reinado de Userkafre – o rei
Khettim que foi o primeiro forasteiro a subjugar
Midia. Até a vez de sua próxima menção,
meados de quinze anos após, durante o reinado
do sucessor de Userkafre, Akenre I, Maveleth já X
Idioma e Literatura Midiana que navegaram com a Rainha Dido Elishat e
ajudaram a ela a estabelecer Solus antigamente
O idioma Midiano é uma do idioma Edonita na Era da Magia (embora alguns deles depois
falado em Kandária e nos distritos ao redor. se tornaram associados com outras cidades
Entretanto, seiscentos anos de separação quando os Midianos expandiram seu domínio
cultural – junto com a pesada influência durante a Era de Ouro de Midia). As outras três
lingüística de outros idiomas, Mineano e Khemi olham os fundadores da cidade de Ética como
(ambos Alto e Baixo) em particular – resultou no seus ancestrais, e orgulhosamente preservam
Midiano se tornando bem afastado de suas suas próprias tradições históricas, separadas
raízes Edonitas, e também a fazer comerciantes daqueles do resto de Midia. A maioria dos
de Kandária e Solus ao conversar em suas suffets (‘juízes’) na história de Midia pertenceu
línguas nativas virtualmente incompreensível às classes nobres, bem como os sumo
uns com os outros. sacerdotes e sacerdotisas da Santíssima
Trindade, e a maioria das famílias nobres ainda
O alfabeto Midiano possui suas origens no possui enorme riqueza e prestígio, embora isso
alfabeto consonantal desenvolvido em Kandária tenha diminuído relativamente durante os
próximo ao fim da Era Mítica, e ainda em uso reinados da atual rainha e seu predecessor.
nas terras Edonitas atualmente. No antigo
alfabeto Midiano também faltava sinais de vogal A maioria dos Midianos (talvez 85% de todos os
– fazendo dos relativamente poucos textos ‘puro sangue’) pertence às classes plebeias.
Midianos que sobreviveram da Era da Magia Eles incluem os guerreiros, artífices, eruditos,
difíceis de decifrar – porém, durante o primeiro fazendeiros e comerciantes, bem como os
século da Era dos Heróis, os Midianos adotaram sacerdotes e sacerdotisas menores da
as vogais Mineanas, resultando no alfabeto Santíssima Trindade.
Midiano moderno. Ele é virtualmente idêntico ao
usado nas Três Cidades atualmente. Embora em teoria iguais em status umas com
as outras, algumas profissões plebeias são
Literatura Midiana é, talvez inesperadamente, consideradas em maior estima que outras. A
não tão rico como alguém pode supor – influência das classes plebeias cresceu em
certamente quando comparado com o Reino do tempos recentes, e no momento completamente
Deserto ou às Três Cidades. No campo da um terço do Conselho de Anciãos é constituído
literatura, os Midianos não podem realmente ser de plebeus (incluindo um dos suffets) – um
considerados como inovadores – embora onde estado inédito de conjuntura.
as bibliotecas de Solus e Léctis realmente são
excelentes é nos muito belos manuscritos de Os Khetsdami são tratados eficazmente como
outras culturas que elas contêm, e as uma classe própria – de menor status que a
numerosas traduções de trabalhos inestimáveis classe plebeia e, até recentemente, negada do
de antiguidade de um idioma a outro que foram direito de se considerar como Mineanos.
feitos em Midia. Tradicionalmente os Khetsdami realizavam
funções na sociedade Midiana que eram
Poesia Midiana, em particular, falta a riqueza consideradas como inferiores. Uma proporção
de cadência do épico Mineana, a metáfora muito grande do elemento criminoso na
colorida e estilo elaborado dos contadores de sociedade Midiana é tirada dos Khetsdami.
história Khettim, ou mesmo os aforismos Melhorias recentes em seus direitos e condições
concisos dos Úmbrios. Arte, arquitetura e significaram que alguns Khetsdami estão agora
música Midiana são todas semelhantemente trabalhando dentro de áreas da economia
copiadas, fortemente influenciadas pelas previamente barradas a eles – incluindo
diferentes técnicas dos vários povos invasores comércio e lei. Entretanto, eles permanecem
sem produzir muito do que é identificado excluídos do sacerdócio.
distintivamente próprio.

As únicas áreas onde Midianos fizeram


contribuições originais significativas próprias
foram dentro das esferas da agricultura e
navegação (o manual de agricultura de Mago de
Léctis, e os livros de bordo de barco de Hanno,
o Navegador, são particularmente belos
exemplos das façanhas Midianas nesses
campos).

Classes Midianas
Dentro de Midia, existe uma clara distinção
entre a classe superior (ou nobre), e as classes As Rainhas de Midia assombraram muitos sonhos
inferiores (ou plebes). Nove das doze famílias dos homens
nobres são descendentes dos capitães do mar
X
epíteto ao próprio nome real Dido.
Nomes Midianos
Muitos habitantes de Midia, é claro, pertencendo a
A maioria dos nomes Midianos masculinos outros povos, possuem nomes apropriados a suas
geralmente acaba em -l, -n ou – o. Muitos culturas nativas. A maioria dos Khetsdami possui
incorporam os elementos -bel ou -eshmun (dos dois nomes – dados respectivamente pelo seu pai
deuses Bel ou Eshmun). Outros elementos e mãe – que reflete sua herança cultural mista.
comuns incluem ab- (‘pai’), ad- ou bo(d)-
(‘servo/escravo’); adon- (‘mestre’); -hanno
(‘bondoso’); -mago (‘soldado’); mattan- Personagens Midianos
(‘ousado’); -milco (‘rei’); pen- (‘face’); e –yaton
(‘sacerdote’). Exemplos: Abibel, Abmilco, Aventureiros Midianos tem acesso às seguintes
Adeshmun, Adherbel, Admago, Admilco, cinco classes de personagem do Manual dos
Adoneshmun, Adonibel, Amlisco, Arabo, Jogadores: Nobres, Lanceiros, Sacerdotes,
Barco, Bareshmun, Belhanno, Belyaton, Feiticeiros e Ladrões. Outras classes (tais
Bodeshmun, Bodhanno, Bomilco, Cadeshmun, como Bárbaros ou Liristas) são restritas aos
Camilco, Carthalo, Eshbel, Etobel, Gemilco, gokheri (estrangeiros).
Gisgo, Haneshmun, Hanno, Hannobel,
Hasdrubel, Himilco, Jacobel, Jeconabel, A classe opcional Marinheiro detalhada no
Jerubel, Mago, Maharbel, Mattan, Mattanibel, Companheiro de L&M é bem representada
Meribel, Milceshmun, Milcobel, Milcyaton, entre Midianos assim como as três classes de
Paltibel, Penebel, Peneshmun, Sacarbel, soldado detalhadas no mesmo livro, Arqueiros,
Zorabel. Fundeiros e Cavaleiros, devem funcionar bem
Nomes Midianos femininos tipicamente acabam em uma campanha Midiana de orientação
em -a, ou -t. Não raramente eles incorporam o militar.
elemento -tanit (da deusa Tanit). Outros Aventureiros Midianos possuem exatamente as
elementos comuns incluem am- (‘mãe’); bat- mesmas habilidades e restrições como suas
(‘filha’); hay- (‘valente’); sam- (‘senhora’); e sim- contrapartes Mineanas, com a exceção de
(‘alegria’). Exemplos: Afeat, Amabat, Amella,
Sacerdotes, cujos poderes diferem um pouco
Amsharya, Amtanit, Arisha, Bamet, Battanit,
dos Prodígios Divinos descritos no Manual dos
Beltanit, Boriya, Botanit, Dalet, Dorca, Ebenet,
Elishat, Eshtanit, Garbet, Gobaya, Halama, Jogadores – ver p. X para mais detalhes.
Hannat, Hannina, Hannisca, Hayilet, Haytanit,
Heset, Leica, Mahut, Maret, Matanit, Melita,
Os Gokheri (‘estrangeiros’) são membros de
Nahomet, Pentanit, Rahabat, Salamba, Samina, outras raças vivendo em Midia que possuem,
Samya, Semaut, Shafat, Simehet, Simtanit, todavia, permissão a considerável proteção
Sophonisba e Yophet. legal. Eles são especialmente limitados à quatro
raças – Charybdian, Khettim, Mineano e
Raramente, o nome feminino Dido possui um final
Tritoniano. Membros de outras raças humanas
masculino -o; porém, dado o único lugar de Dido
na história e sociedade Midiana, isso não seja (p.e. Amazonas, Hyperboreanos, Umbrios), e
talvez tão surpreendente. raças não-humanas (p.e. Centauros, Ninfas) são
classificados como Zori (‘alienígenas’) e,
Membros da classe plebeia, geralmente possuem enquanto são bem-vindos em Midia, possuem
apenas um nome; porém, membros da classe
bem poucos direitos.
nobre possuem um nome de casa adicional, tirado
do fundador tradicional da família. Midianos Como a maioria dos Mythikanos, os Midianos
geralmente entendem suas famílias como sendo fazem uso considerável de escravos. Dado que
femininas – mesmo se a sucessão da liderança da Midia raramente entra em guerra, relativamente
casa quase sempre seja pelo lado masculino – e poucos desses foram capturados em batalha.
os nomes de casas são, portanto versões Entretanto, Midia extensivamente entra em
feminizadas do seu fundador ancestral. Isso é comércio de escravos com outras nações.
conseguido por transformar finais de nomes
Escravos são raramente tirados da própria
masculinos de -o para –a, adicionando -ca para
população – exceto algumas vezes como
finais de nomes masculinos em -n, e adicionando
-ya nos finais de nomes masculinos em -l. Então, punição por ofensas moderadamente sérias
por exemplo, Gisgo Barca é um membro da Casa (nunca caso seja membro de uma família
Barca e um descendente do fundador ancestral nobre). A maior proporção de escravos Midianos
Barco. Analogamente, Jerubel Bodeshmunca é – quase metade do total – é de Charybdianos.
um membro da Casa Bodeshmunca e um
descendente de um pai chamado Bodeshmun. Governo e Lei
Membros femininos de casas nobres pegam seus Embora – como a maioria das sociedades de
nomes de pais fundadores, porém trocam isso Mythika – Midia é na maioria patriarcal em
pelo de seus maridos no casamento (caso elas perspectiva, a notável exceção é a própria Casa
casem fora de uma casa nobre – uma coisa rara e Real onde, por falta de amor pelo soberano
muito escandalosa – elas ainda perdem o direito fundador, a cabeça da família – e da própria
ao nome do pai fundador). nação – sempre é feminina. A sucessão
Membros da Casa Real – homens e mulheres – normalmente passa de mãe para filha, embora
pegam apenas um único nome, embora tenham o de vez em quando outras parentes mulheres
direito de usar o título Sar (‘príncipe’) ou Saret possam herdar o trono.
(‘princesa’). Ao passo que para a Rainha, ela
sempre usa o seu nome de nascimento como um
X
Dido Afeat, a legisladora, terceira rainha de Midia, sentada em julgamento com os dois suffets de Solus
Diferentemente de algumas outras nações, o Mineanas e Maveleth foram admitidos como
poder da rainha não é absoluto. Desde o início, observadores, sem direitos de voto.
ela tem sido auxiliada por dois suffets (‘juízes’),
nomeados originalmente como magistrados Tradicionalmente, o senado possuía quarenta e
mais antigos para acidade de Solus, mas agora oito membros – as doze cabeças das famílias
exercendo poder considerável sobre toda a nobres, que foram nomeados por toda a vida; e
nação. Um dos suffets é nomeado pela Rainha trinta e seis membros eleitos pelas classes
(e é referido como o Suffet Real), enquanto o plebeias, cada um servindo por um prazo
outro é eleito pelo Senado (e é referido como o renovável de seis anos. Entretanto, as reformas
Suffet do Povo); porém eles são iguais em recentes da Rainha Dido Yophet expandiram o
posição e autoridade, cada um servindo um senado para sessenta membros pela adição de
prazo de três anos que podem ser renovados doze representantes eleitos da classe
apenas uma vez. Khetsdami. A classe nobre, em particular, se
ressentiu pela diminuição resultante de seu
Em termos de guerra, um dos suffets poder dentro do senado.
geralmente vai a campo – ou com exército ou
marinha – enquanto que o outro permanece em Cada cidade Midiana possui seus próprios
casa. Os suffets podem ser membros das líderes nomeados, também geralmente referidos
classes nobres ou plebeias, mas até tempos como suffets, que possuem funções similares
recentes nomeações das classes plebeias foram aos suffets de Solus, mas com mandatos
razoavelmente incomuns. estritamente localizados. Assim como os suffets
de Solus, esses são dois em membros para
O grande tamanho de Solus, e as cada cidade; um nomeado pela Rainha, e outro
responsabilidades que os suffets exercem em eleito pelo conselho municipal.
nome da nação inteira, levadas a reclamações
de cidadãos de Solus que suas necessidades Tanto como suas outras responsabilidades, os
são frequentemente negligenciadas – então suffets são os árbitros supremos da lei,
Solus agora também possui dois suffets administrado de acordo com o Código de Dido –
representantes que são responsáveis por que na verdade data do reinado da terceira
negócios judiciais puramente locais. Entretanto, rainha, Dido Afeat. O Código de Dido delimita
a Realeza e os Suffets do Povo ainda sentam uma série de penalidades por malfeitorias, com
com a Rainha como uma corte de três pessoas penalidades menores (geralmente financeiras)
de apelo final para certos casos sérios por delitos leves menores tais como calúnias,
(geralmente envolvendo o julgamento de alvoroços e quebra de contrato, dando
nobres). prioridade a penalidades mais sérias
(chicotadas públicas, mutilação corporal ou
Os suffets de Solus são, além disso, auxiliados escravidão) para crimes tais como roubo,
em suas responsabilidades nacionais pelo arrombamentos, sequestro e assalto armado, e
Conselho de Anciãos e pelo Senado. O penas capitais (apedrejamento, decapitação ou
Conselho de Anciãos dos doze fortes consiste crucificação) sendo reservadas para os crimes
dos suffets (representando Solus) e dois mais hediondos, incluindo blasfêmia, homicídio
anciãos eleitos pelo conselho municipal de e traição.
cada uma das cinco cidades Midianas; em
tempos recentes, representantes das cidades X
Em tempos de guerra, a crucificação é também drama que são lugar comum nas terras
comumente usada como uma punição por Mineanas.
covardia ou incompetência militar. Nobres
considerados culpados de quebra de lei são A maioria dos Midianos – mesmo as classes
frequentemente capazes de ter suas sentenças nobres – se veste de uma forma similar
atenuadas, com o exílio sendo uma punição (opulência e status geralmente sendo expressos
alternativa comum para as ofensas mais sérias. pela qualidade da roupa vestida, e das joias
Plebeus (a menos capazes de pagar por acompanhantes, mais do que pelo estilo da
conselho legal especializado) raramente são tão própria roupa). Joias são comumente usadas
favorecidos. por ambos os sexos, e é o sinal óbvio de
riqueza e status.
Comércio
A forma mais distinta de uso de joias – usadas
A economia rica e forte de Midia é dependente por todos os Midianos já pela idade de dez
de seu comando de várias rotas comerciais anos, a idade da maturidade, em diante – é o
vitais através do Mar do Meio. A própria Midia brinco. A maioria dos Midianos usa um único
produz tecidos belamente pintados e brinco na orelha esquerda (um sinal de sua
requintadamente bordados de algodão, linho e submissão à rainha). Sacerdotes e sacerdotisas
lã, perfumes refinados, e cerâmica superior. Midianas, entretanto, usam brincos em ambas
as orelhas (simbolizando sua submissão a
Midia também é uma rede de exportação de ambas as autoridades divina e real).
trigo, vinho de uva-passa e peixe salgado, bem
como prata, estanho e chumbo dos contrafortes Apenas a própria rainha usa um único brinco em
mais ao norte das Montanhas de Stygia. sua orelha direita (simbolizando o fato que
Comerciantes de Midia negociam mesmo a rainha deve se submeter à autoridade
extensivamente em madeira de lei, marfim, dos deuses).
pedras preciosas, animais exóticos, peles e
escravos de Charybdis; cobre, incenso, sal, Embora garotos e garotas Midianos podem se
papiro, especiarias e seda viam rota de camelo casar da idade de dez em diante, na prática
em direção ao Reino do Deserto; tecidos, ouro, garotas são normalmente casadas na sua
vinho temperado e vidro de Kandária; cerâmica adolescência, enquanto garotos são
e cavalos de Umbria; ferro, mármore, pérolas e normalmente nos seus vinte e poucos anos.
mercadorias manufaturadas das Três Cidades e Entretanto, o noivado pode durar por muitos
das ilhas Mineanas; âmbar de Amazonia; e até anos, e não é de nenhuma forma incomum para
mesmo peles de Hyperborea. Os barcos garotas ficarem noivas de seus futuros maridos
mercantes de Midia visitam cada porto do Mar na idade de dez. Casamentos Midianos são
do Meio, e existe pouca dúvida que a frota assuntos elaborados, mesmo em famílias de
comercial de Midia seja a maior de Mythika. A recursos modestos, com as celebrações
economia Midiana é baseada em dinheiro, com normalmente durando uma semana inteira.
a moeda padrão sendo prata (embora moedas
de ouro e cobre estejam em circulação comum). Embora a cabeça da família seja normalmente o
marido, é a esposa que é responsável pela
administração serena da casa, incluindo o
Vida Cotidiana gerenciamento dos escravos da casa. A maioria
das casas nobres terá pelo menos de dois a três
A maioria dos Midianos ‘puro sangue’ possui um escravos – no caso das casas mais ricas,
padrão de vida razoável, permitindo à procura muitos mais – enquanto mesmo entre as
de muitas atividades diferentes de lazer. classes plebeias, a posse de um único escravo
não é incomum.
Sob influência Mineana, os Midianos adotaram
vários passatempos esportivos durante o século A maioria do trabalho é feito pela manhã, ou
passado ou mais, em particular luta livre e pela tardinha, com uma parada substancial de
corrida. duas horas (ou maior nos meses de verão) após
o meio dia – um tempo em que lojas e mercados
Corridas de biga se tornaram um esporte fecham, e a maioria dos Midianos descansará.
popular com nobres e plebeus igualmente Refeições são frugais durante o dia, porém a
(embora apenas as mais ricas famílias são principal refeição do dia, na tarde, consiste de
capazes de manter seus próprios times de biga). várias fases, e – especialmente nas casas mais
ricas – pode durar em torno de três ou quatro
Talvez o esporte mais popular de todos – pelo horas.
menos entre as classes inferiores – seja o
excitante jogo de bola ulama. Atividades mais
sedentárias e cerebrais incluem torneios de
charada, e jogos de tabuleiro (mais
particularmente maguli, ou ‘pequenos
soldados’). Entretanto, Midianos são bem
menos interessados em torneios de literatura e
X
Pergunta – O que é mais perigoso que oitenta elefantes em carga? Resposta – Oitenta elefantes de GUERRA
em carga...
Arte da Guerra rédeas e selas de seus cavalos). Como as
Guardas Sagradas, eles também são retirados
A Marinha Midiana é uma grande e disciplinada inteiramente de Midianos ‘puro sangue’
força marítima, comparável em tamanho e força altamente treinados; membros das famílias
com a frota Tritoniana, e significativamente nobres buscando glória e honra frequentemente
maior que a marinha de qualquer cidade entram nas cavalarias.
Mineana sozinha (embora certamente não seja
párea para a força naval combinada das Três Outras unidades secundárias de menor elite são
Cidades). Os navegadores e marinheiros da feitas de homens retirados dos territórios
frota Midiana são quase todos recrutados dentro Midianos, mas a maior parte de ‘meios sangue’,
os cidadãos Midianos (em contraste ao ou pertencentes a outras raças.
exército). A maioria da força principal da
marinha de 200 barcos ou mais, com base em Finalmente, as unidades auxiliares – fazendo
Solus, é de birremos, porém cerca de um quarto um terço do total – consistem de mercenários do
é de trirremos maiores e mais velozes, além-mar, tipicamente formadas dentro de suas
moldados de um desenho primeiramente próprias unidades nacionais: Khettim,
desenvolvido pelos Argoseanos. Além da força Tritonianos, Charybdianos, Hyperboreanos e até
principal com base em Solus, existem forças mesmo tropas Umbrias são especialmente
menores (ou ‘asas’) de cerca de 50 comuns, enquanto que mercenários Mineanos
embarcações cada uma com base em Lectis e são bem raros. A maioria dessas unidades
Ética – a maioria birremos. secundárias e auxiliares são levemente
armadas e armaduradas.
O Exército Midiano, em contraste com a
Marinha, é ao menos parcialmente dependente A Tropa de Elefantes
de mercenários estrangeiros. De fato, por Talvez a mais famosa unidade do Exército
séculos, não havia exército fixo nenhum em Midiano é a Tropa de Elefante, feita de oitenta
Midia, até o reinado de Dido Hayilet. O exército elefantes Charybdianos especialmente
atualmente é feito de aproximadamente vinte treinados.
unidades diferentes, e uma ou mais unidades do
Esses são comumente usados em combates
exército, chamadas de guardas (ou tropas no
frontais ou como proteção anti-cavalaria. Em
caso da cavalaria) ficam baseadas em cada
batalha, os elefantes funcionam como uma
cidade Midiana.
arma psicológica, assustando os homens e
As unidades principais são os Guardas cavalos opostos em fugir, e frequentemente
Sagrados de Bel, Eshmun e Tanit, e a elite real criando lacunas nas linhas inimigas. Eles são
Guarda Didoniana; essas são feitas notadamente temperamentais e difíceis de
controlar, então ‘cavaleiros’ dos elefantes
inteiramente de Midianos ‘puro sangue’. Essas
carregam uma ferramenta especial chamado
unidades altamente disciplinadas geralmente
de shapet, pontiaguda em uma ponta e com
lutam em formação fechada, são armadas com
formato de martelo na outra, especialmente
longas lanças e escudos redondos, e usam
para o propósito de matar elefantes perigosos
elmos e placas peitorais.
no caso deles entrem em carga em direção de
As três tropas de cavalaria são a Tropa de seu próprio exército. Cada elefante carrega
Elefantes, a Tropa Vermelho Alaranjada e a uma pequena torre capaz de conter dois
Tropa Índigo (as duas últimas são assim arqueiros.
chamadas pela cor de suas bandeiras, e das
X
são dois arqueiros), para um bônus extra de
Elefantes de Guerra em FC de +4, ao qual a presença do cavaleiro
Labirintos & Minotauros adiciona em +1 extra, para um Fator de
Enquanto isso pode obviamente parecer Combate final, verdadeiramente colossal, de
impraticável trazer a você elefantes de guerra 50.
em uma aventura típica de Labirintos & Assim, uma tropa de 20 elefantes de guerra
Minotauros, os mastodontes Midianos podem Midianos terá uma Força Regimental de 1000.
demonstrar a total amplitude de sua força Elefantes em Combate
colossal nos campos de batalha graças às
regras de guerra em massa dadas no Lidar com em elefante em condições de
Companheiro de L&M. batalha pode ser muito complicado. Isso pode
ser negligenciado quando resolvendo batalhas
Elefantes de Guerra completamente treinados de larga escala com as regras de guerra em
possuem as mesmas pontuações e habilidades massa dadas no Companheiro de L&M, que
especiais dos elefantes padrão (ver Compêndio usa rodadas de combate de uma hora de
das Criaturas, p. 39), com as seguintes duração... porém, definitivamente vir a jogo
exceções: uma vez que eles são criados e caso as personagens sejam tolas o suficiente
treinados desde o nascimento para se ao tentarem usar um elefante durante um
tornarem máquinas de guerra vivas, sua combate padrão nas rodadas de seis segundos
ferocidade é aumentada de Agressiva para padrão.
Perigosa, o que aumenta seu bônus de No início de cada rodada de batalha, o
Combate bem como sua Iniciativa e total de cavaleiro fará um Rolamento de Salvação de
Pontos de Vida. Quando usados no campo de Evasão de Perigo com um número alvo de 15
batalha, eles também ganham a habilidade para fazer um elefante manobrar como elas
especial Assustadora, refletindo seu tremendo queiram. Condutores com o Talento
impacto psicológico nas tropas inimigas. Secundário Condutor de Elefante (que pode
ser escolhido por qualquer classe de guerreiro
Elefantes de Guerra Midiana) terá vantagem nesses rolamentos,
como as regras normais de talento encontradas
Taxionomia: Bestas;
no Companheiro de L&M.
Descrição: Elefantes especialmente criados e
Caso o rolamento falhe, o elefante ficará
treinados;
“temperamental” e se comportará de forma
Tamanho: Gigantescos; incontrolada deixada à discrição do Mestre de
Ferocidade: Perigoso; Labirinto, recusando avançar, pisando em
amigos e inimigos igualmente ou se movendo
Astúcia: Alerta;
para uma direção aleatória. O condutor será
Mística: Normal; capaz de recuperar o controle da besta caso
Movimento: 36 metros; ele tenha sucesso em seu rolamento de
Evasão de Perigos no início da rodada
Iniciativa: 15;
seguinte.
Ataque de Combate: +8;
Esses rolamentos de Evasão de Perigos
Dano: 3d6 (presas & pés); também requerem a atenção total e ininterrupta
Classe de Defesa: 16; do condutor, que não pode fazer nada mais
durante a rodada. Outras personagens
Total de Pontos de Vida: 40;
montadas no elefante receberão modificadores
Detecção / Evasão: +2; especiais refletindo suas posições particulares;
Resistência Mística: 0; elas apenas podem atacar (ou ser atacados
por) oponentes Gigantescos em Combate. Em
Habilidades Especiais: Carga para a Batalha
combate de Arremesso, elas recebem um
(Iniciativa 21, Ataque de Combate +14),
bônus de +2 contra alvos Grandes ou de
Assustadores, Pele Dura, Pisotear.
tamanho humano. Uma pequena torre de
Premiações: Glória 250. batalha especialmente feita dará um bônus de
+2 ao CDE contra ataques de Arremesso.
Elefantes no Campo de Batalha
Usando as regras de Guerra em Massa do
Companheiro de L&M, um único elefante de
guerra teria um Fator de Combate básico de 45
(contra os 25 do elefante básico).
Por causa de sua posição especial, o cavaleiro
do elefante e os dois arqueiros em suas
pequenas torres não contam como tropas
extras, porém cada um dos arqueiros fornece Elefante de Guerra incontrolável pisando em
aos elefantes de guerra as habilidades companheiros de grupo e inimigos...
especiais extras de Armas de Arremesso e Boa
Pontaria (contadas duas vezes, uma vez que X
Religião da maioria dos Midianos, de fato absorvendo
muitas das características dessas deusas para
ela própria. Ao final da Era de Ouro de Midia,
A Santíssima Trindade Ashtarte e Asherah foram relegadas ao papel
de empregadas domésticas divinas, ou foram
Julgada lado a lado com o excesso mesmo consideradas meramente como
desconcertante de deuses e deusas adoradas aspectos da grande deusa Tanit. Embora Bel
pelos Khettim, Galleanos, os vários povos da permaneça oficialmente o deus supremo, a
Terra do Sol – e mesmo comparada ao panteão maioria dos Midianos atualmente,
Mineano – a adoração Midiana é relativamente especialmente plebeus e Khetsdami, têm a
restrita e direta. Embora uma derivação da maior afeição por Tanit. A maioria dos Midianos
religião de Kandária como praticada no início da pensa em Tanit como aquela que ordena suas
Era da Magia, o sistema de credo Midiano vidas diárias, enquanto Bel, como deus do
rapidamente desenvolveu sua própria forma e submundo, governará suas vidas na pós vida.
estilo distinto. No coração da fé Midiana fica a
adoração das três figuras divinas de Bel, Tanit Envolta do mesmo tempo que a adoração de
e Eshmun – coletivamente conhecidos como a Tanit começava a firmar, o deus menor Edonita
Santíssima Trindade. de Eshmun foi promovido ao ‘primeiro escalão’
dos deuses Midianos. Sua adoração começou
Bel é o senhor supremo do universo – o deus particularmente popular com os jovens e os
dos céus, relâmpago, trovão e guerra. Ele bem educados, e também dentro da cidade de
também é pensado pelos Midianos como o deus Lectis, onde ele é considerado como deus
do Submundo. Ele é geralmente representado patrono. Muitos Midianos acreditam que
como um homem velho e barbado (com cerca Eshmun está fadado um dia a morrer e levantar
de 60 anos). novamente (e que o periódico ‘engolimento do
Sol’ que os eruditos Midianos se referem como
Tanit é a deusa da Lua, boa sorte, visões, um ‘eclipse’ seja um aviso profético disso). Eles
colheita, fertilidade e da terra. Tanit é acreditam, além disso, que a morte de Eshmun
geralmente representada como uma mulher (nas mãos do deus proscrito, Moloch) será
voluptuosa, de meia idade (talvez 40 anos). acompanhada por muito mal e muito
Especialmente em templos mais antigos, ela é derramamento de sangue por toda Mythika, e
algumas vezes representada como sendo irá mergulhar o mundo em trevas. Entretanto, o
servida por outras duas deusas, Ashtarte renascimento de Eshmun, e a derrota final de
(deusa do Amor), e Asherah (deusa da Moloch, irão inevitavelmente se seguir. Bel
maternidade) – porém, mais do que ser adorada soltará os mortos para renascerem em um
em seu próprio direito, pensa-se que essas novo paraíso, onde até mesmo Bel e Tanit
deidades atualmente representam aspectos reconhecerão o governo de Eshmun como o
particulares de Tanit. curandeiro supremo e aquele que traz alegria
eterna.
Eshmun é o deus do Sol, juventude, das artes e
cura. Ele é geralmente representado como um Embora nos dias antigos de Midia, era costume
homem jovem viril (talvez 20 anos). para cada um dos três deuses possuírem seus
próprios templos, ao final da Era da Magia,
O Desenvolvimento da Santíssima todos os três eram adorados juntos sob um teto
Trindade (embora, todavia, dentro de áreas separadas, e
Os primeiros Midianos, como seus ancestrais com seus próprios sacerdotes distintos sendo
Edonitas, veneravam quarto deuses: Asherah, mantidos). Isso pode ter sido uma reação ao
deusa da terra; Astarte, deusa do amor; Bel, o excesso de cultos introduzidos em Midia pelos
deus supremo do céu; e Moloch, o deus do Reis do Deserto – e uma tentativa de manter
fogo e morte. Entretanto, Dido Elishat, a os cultos Midianos como distintos e
primeira rainha, baniu o culto à Moloch. Alguns imaculados.
dos aspectos mais benéficos de Moloch foram
absorvidos dentro da descrição Midiana de Bel. As formas de adoração Midianas – pelo menos
Por exemplo, Bel assumiu a autoridade sobre comparadas com a maioria das outras
os domínios da morte e do Submundo. Os civilizações – são surpreendentemente simples
aspectos mais desagradáveis de Moloch foram e contidas. Embora existam templos
todos suprimidos. Bel permanece o deus impressionantes à Santíssima Trindade em
favorito da maioria das famílias nobres, e deus cada cidade Midiana, para a maioria dos
patrono de Ética. Midianos, seus atos comuns de veneração são
realizados em santuários marginais, em
Após a morte da rainha fundadora, sua filha e bosques sagrados, e ante altares modestos do
sucessora, Dido Amella, promoveu a lenda da lar.
deificação de Dido Elishat. Os Midianos
começaram a cultuar uma nova deusa, Tanit –
realmente, a versão deificada de Dido. Como
deusa patrona de Solus, Tanit rapidamente
usurpou ambas Ashtarte e Asherah na afeição X
Embora os sacerdotes e sacerdotisas da nação; porém, caso ela perdesse, sua queda
Santíssima Trindade assegurem que a rotina seria tão grande que nunca iria se levantar
diária de adoração continue ininterrupta, para a novamente. A identidade desse misterioso
maioria do povo – da própria rainha até o mais inimigo supremo de Midia tem sido, não
baixo dos cidadãos – reverência pública para os extraordinariamente, a fonte de muita
deuses é limitada a poucos festivais principais a especulação.
cada ano, complementados por oração privada
de acordo com as necessidades percebidas do
indivíduo. Outras Tradições Religiosas
Homens e Mulheres Sagrados Embora virtualmente aproximadamente todos os
Midianos ‘puro sangue’, e a maioria dos
Sacerdotes e sacerdotisas Midianos podem ser Khetsdami, permaneçam devotos da Santíssima
prontamente identificados pelas suas cabeças Trindade, a maioria das cidades Midianas
raspadas, e pelo fato que – diferentemente da também contém uma enorme variedade de
maioria dos Midianos – eles sempre caminham templos – de formas e tamanhos variados –
descalços. dedicados aos deuses de outros panteões,
especialmente dos deuses Olímpicos e deuses
Diferentemente de outros Midianos, sacerdotes do Reino do Deserto. Visitantes de Midia
e sacerdotisas usam broncos em ambas as frequentemente se surpreendem não apenas
orelhas (simbolizando sua submissão a ambas pelos seus devotos nativos, mas também pelos
as autoridades divinas e reais). De outro modo, números consideráveis de Midianos também.
seu estilo de vestimenta é similar àquela dos
outros Midianos. Sacerdotes de Bel Por exemplo, não seria surpresa alguma para
normalmente usam mantos roxos, sacerdotisas um marinheiro Midiano se preparando para uma
de Tanit usam mantos verdes, enquanto nova viagem marítima arranjar tempo para
sacerdotes de Eshmun usam mantos brancos. visitar o templo local de Poseidon (caso tenha
um no porto), para fazer orações ao Senhor do
Além dos sacerdotes ‘regulares’ de Bel e Mar Mineano ao lado de suas súplicas
Eshmun e sacerdotisas de Tanit encontrados respeitosas feitas ante os deuses da Santíssima
por toda Midia, existe um número de outros Trindade.
tipos especializados de homens e mulheres
sagrados. Para alguns Mineanos, isso pode ser visto como
um ato chocante de impiedade e menosprezo
Esses incluem: os poderosos sumos para com os próprios deuses – mas para
sacerdotes e sacerdotisas (que são retirados Midianos, tal comportamento é considerado
exclusivamente das classes nobres), que como inteiramente natural, ambos em mostrar
lideram a adoração nos templos principais de respeito para outros, e também em expressar
cada cidade Midiana, bem como mantêm o uma esperança pragmática e prática que suas
Tabernáculo dos Deuses em Maliba; Os orações serão respondidas por alguém –
Adeptos da Alegria com mantos escarlate mesmo caso não necessariamente na maneira
(prostitutos do templo, ambos masculinos e ou modo que se possa esperar.
femininos), que fornecem conforto emocional e
físico aos aflitos e ansiosos, e os Visionários A única cidade Midiana que é inteiramente
de Dido de mantos marrom (que sempre são privada de santuários de Atena, Horus,
mulheres), que usam o extrato de raiz de uma Poseidon, Hatlor, Mithras e seus semelhantes é
planta do deserto chamada camalla para ajudá- Maliba. O Tabernáculo dos Deuses é o único
las em seus transes proféticos. lugar de adoração na Cidade das Tendas, e é
consagrado à adoração da Santíssima Trindade
exclusivamente. Acredita-se que aqui – através
A Visão das Quatro Eras de Midia das visionárias de Dido – a deusa Tanit de
Talvez a mais famosa visão concedida por uma tempos em tempos revele os diversamente
das visionárias de Dido tenha sido a concedida desígnios profundos dos deuses para os
a Dido Amella por Salamba, a primeira mortais. Embora aos não-Midianos seja
visionária, enquanto ela estava escondida em permitida a entrada – e mesmo a adoração –
Maliba de seu perverso irmão, Utipan, o dentro da maioria dos templos Midianos, o único
Usurpador. A visão de Salamba profetizou três lugar que é posto de lado para os Midianos
grandes eras a vir para as Rainhas de Midia – ‘puro sangue’ unicamente é o Tabernáculo dos
A Era de Ouro, A Era de Prata e a Era de Deuses. Corromper esse mais sagrado
Bronze – a serem seguidas por uma quarta santuário é punível com a morte. Até mesmo a
era, a Era de Ferro. rainha ainda não ousou desafiar essa lei – para
a frustração de muitos Khetsdami devotos.
Durante essa Era de Ferra, disse Salamba,
Midia se levantará a grande altura, e irá lutar
com ‘outra nação’ pelo domínio de Mythika.
Caso Midia ganhasse essa batalha, seu poder
e glória iriam superar de longe qualquer outra X
Deidades & Prodígios Práticas Fúnebres dos Midianos

Um motari Midiano, ou “lugar dos mortos”


Midianos normalmente enterram seus mortos na
Uma Sacerdotisa Midiana de Tanit terra em grandes cemitérios comunais chamados
motari (lit. ‘lugares dos mortos’), normalmente
A visão dominante entre os eruditos Mineanos
localizados no limite da cidade, que são
é que as três principais deidades dos Midianos tipicamente marcados por tabuletas de pedra
são na verdade Olímpicos disfarçados. De entalhadas com os nomes dos mortos e símbolos
acordo com essa teoria, Bel é um Zeus dos deuses – mais especialmente Tanit. Nobres e
pobremente disfarçado e Eshmun é claramente plebeus igualmente são enterrados com as
Apolo sob outro nome. mesmas cerimônias.

No caso de Tanit, contudo, as coisas ficam um As únicas exceções notáveis são aplicadas às
pouco mais complicadas (ou confusas?); práticas fúnebres aplicadas à morte de monarcas
e recém-nascidos. As rainhas de Midia são
enquanto a associação de Tanit com a terra,
enterradas nas tumbas distintas em forma de
fertilidade e colheita (bem como sua
colméia, localizadas na cidade de Maliba. Sem
representação como uma mulher voluptuosa de surpresa, os funerais de monarcas são assuntos
meia idade) claramente parece fazer dela uma elaborados, precedidos e seguidos de várias
equivalente Midiana de Deméter, alguns de semanas de luto oficial.
seus outros atributos são também restos de
outras deusas Olímpicas tais como Ártemis (do A morte de recém-nascidos (normalmente aquelas
aspecto lunar) ou Afrodite (como a deusa do com menos de dois anos de idade) é uma história
amor, sob seu aspecto de Astarte). De fato, o diferente. Midianos acreditam que uma criança
aspecto triádico da deusa pode bem ser a apenas se torna ‘completamente humana’ quando
ele ou ela começa a falar; por que a fala é o que
chave para compreender sua verdadeira
nos separa das bestas, e mostra que possuímos
identidade – ou pelo menos sua natureza
uma alma. Quando uma criança morre na
verdadeira: a maioria dos eruditos Mineanos infância, então seu corpo será cremado e seus
agora parece concordar que os Midianos na restos mortais enterrados em uma urna que é
verdade adoram várias deusas sob um único enterrada em um cemitério especial chamado de
nome ou forma. tophet (‘lugar dos cremados’). A morte de um
recém-nascido – embora triste – não é vista da
É claro, os próprios Midianos possuem pouco mesma forma pela maioria dos Midianos como a
interesse em tais debates teológicos; sua morte de uma criança mais velha ou de um adulto.
própria visão dominante do assunto parece ser
Essa prática comum Midiana foi o assunto de
que “todas as deusas são uma”, indiferente ao
muito equívoco da parte de outros, e levou às
nome e aspecto sob o qual você escolha
acusações odiosas que Midianos são ‘assassinos
honrá-la. de bebês’ ou mesmo ‘comedores de bebês’.
Em termos de jogo, aos Sacerdotes de Bel e Não existe, é claro, nenhuma verdade nessa
Eshmun devem ser dados os mesmos poderes acusação absolutamente – ao menos, não
daqueles de Zeus e Apolo respectivamente, atualmente. Contudo, deve ser admitido que a
enquanto aqueles das Sacerdotisas de Tanit primeira geração de Midianos de fato se viciou no
variarão de acordo com o aspecto particular da sacrifício infantil ao vil deus Moloch. Sem dúvida,
deusa que elas escolham servir; aquelas que isso foi feito para propiciar os deuses, e a ganhar
seus favores seguindo a chegada de Dido e seu
servem Tanit como a mãe da terra ou sob seu
povo em Solus, onde eles se encontraram, no
aspecto de Asherat possuem acesso aos
início, enfrentando hordas de tribos hostis
mesmos poderes das Sacerdotisas de Deméter Charybdianas. Apenas quando os Midianos se
e Héstia, enquanto aquelas que são tornaram mais firmemente estabelecidos a Rainha
especificamente devotas a Tanit Astarte terão Dido Elishat se sentiu forte o suficiente para agir
os mesmos poderes que as Sacerdotisas de contra os adoradores de Moloch.
Afrodite.
X
(Nota: Basicamente, é claro, é para cada Mestre
Os Rituais de Moloch de Labirinto decidir se ou não Camilco está certo,
i.e. se ou não o Culto de Moloch ainda está
presente, e quem secretamente o apoia pode ou
não existir).

A História de Midia
Mito Fundador
Sem apoiar as alegações históricas de Ética a
ser a mais velha, a história de Midia realmente
se inicia com a viagem de Dido a Solus em 42
EM.

Dido foi uma princesa bela e popular de


Kandária, a grande cidade Edonita localizada
nas praias orientais do Mar do Meio. Seu pai,
Rei Mattan, decretou que após sua morte, o
trono deveria ser dividido por sua filha e seu
Umas poucas raras cópias do Rituais de filho, Malyon.
Moloch, um dos mais velhos textos religiosos
Midianos, estão guardadas na Biblioteca de Contudo, seguida da morte de Mattan, o
Solus. Eles pretendem descrever os rituais que despótico Malyon se empossou do trono
eram praticados pelo Culto de Moloch antes de sozinho, e declarou sua intenção de se casar
sua supressão. O deus foi adorado na forma de com Dido – um costume que, apesar de não
uma grande estátua de bronze com cabeça de incomum no Reino do Deserto, era inteiramente
touro. O ídolo era oco e era dividido em sete contrário às antigas leis de Kandária.
compartimentos, em um dos quais os
adoradores de Moloch colocavam farinha, no Dido persuadiu muitos dos súditos de seu irmão
segundo um par de rolas, no terceiro uma para se rebelarem contra ele, e a se juntar a ela
ovelha, no quarto um carneiro, no quinto um na busca de um novo lar através do Mar do
bezerro, no sexto um boi e no sétimo uma Meio. Eventualmente, nove barcos se juntaram
criança, que eram todos queimados juntos por a ela, e juntos, Dido e seus associados,
esquentar o interior da estátua. fundaram a cidade de Solus, no coração da
O nome Moloch é obviamente relacionado à terra que após se tornou conhecida como Midia.
palavra Midiana milco (significando ‘rei’). O
Culto de Moloch o considerava – não Bel – O povo de Midia – e especialmente Solus – é
como sendo o deus supremo, e o identificavam muito orgulhoso de sua ancestralidade mítica. O
com o fogo, o Sol e a morte. Alguns eruditos fato de Midia ser estabelecida em um ato de
(p.e. Aristo de Seriphos) teorizaram que rebelião desafiadora pela brava Rainha Dido
Moloch pode ter se originado como um ídolo Elishat, de mente aberta, sempre foi de grande
grotesco inspirado por Chemosh, o primeiro importância para seu povo.
Gorgotauro. Menos convincentemente,
tentativas foram feitas para ligá-lo a Typhon, o Como resultado, os Midianos sempre estimaram
deus maligno do Reino do Deserto. a liberdade e tolerância, o que explica sua
atitude de boas-vindas e generosidade em
Várias histórias surgiram através dos séculos, direção a estrangeiros, mas também ao espírito
alegando que a adoração de Moloch está longe determinantemente independente que os
de acabar. Algumas vezes essas histórias sustentou quando estrangeiros vieram a Midia
foram pegas pelos inimigos de Midia como não como amigos, mas como conquistadores.
evidência da ‘depravação contínua dos
assassinos de crianças de Midia’ – para citar o A história de Midia é geralmente dividida em
Midia Exposta! Alguns até mesmo alegam que seis períodos: as três eras de governo Midiano
várias famílias nobres poderosas secretamente (frequentemente referidas como Era Dourada,
se comprometeram a Moloch, e estão de Prata e de Bronze de Midia); e aos períodos
conspirando para derrubar a rainha e a intervenientes durante os quais Midia foi
adoração da Santíssima Trindade – acima de sujeitada a governo estrangeiro (duas vezes
todos a odiada Tanit. Minhas pesquisas pelo Reino do Deserto, e uma terceira vez pelos
extensas, contudo, falharam de encontrar Tritonianos).
qualquer evidência confiável absolutamente da
verdade dessas ‘teorias da conspiração’. Todos
os eruditos de reputação concordam que a
adoração de Moloch em Midia é
definitivamente uma coisa do passado.
X
A Era de Ouro das Rainhas anos (75-96 EM), e durante seu reinado, as
tribos Charybdianas livres remanescentes da
Midianas terra de Midia ou foram expulsas ou
(42 EM – 110 EM) escravizadas.

A própria Dido (dada o epíteto Elishat, Dido Amella foi a primeira monarca a ser
significando ‘Reverenciada’ em Midiano, por enterrada nas Tumbas Reais de Maliba. Ela foi
gerações futuras) foi uma governante sábia e sucedida pela sua filha mais velha, que reinou
esclarecida, cujo reinado depois disso como Dido Afeat (‘Dido, a Sábia’) por quatorze
permaneceu um provérbio para satisfação e anos (96-110 EM). O reinado de Dido Afeat foi
prosperidade. Ela teve quatro filhos – seu mais reconhecido por uma explosão de aprendizado,
velho foi um menino, Utipan, seguido por uma e foi durante seu reinado que as antigas Leis de
filha, Amella, e finalmente, após uma lacuna de Dido foram finalmente codificadas. Entretanto, a
vários anos, suas filhas gêmeas Leica e Dorca. Era de Ouro das Rainhas Midianas vieram a
acabar de forma abrupta com a invasão do Rei
Em 67 EM, no vigésimo quinto aniversário da do Deserto Userkafre.
fundação de Solus, Dido anunciou perante o
povo reunido que sua filha mais velha, Amella,
deveria sucedê-la como a Rainha de Midia.
A Primeira Era dos Reis do
Deserto
Muitos dos nobres – ainda ouvindo atentamente (110 EM – 206 EM)
de volta aos dias do pai e irmão de Dido –
ficaram chocados que Utipan estava sendo
Em 110 EM, Userkafre lançou a primeira
passado para trás, ambos como filho mais velho
invasão principal de Midia. Dentro de seis
e único filho. O próprio Utipan fingiu aceitação
meses, a maioria das principais cidades caíram
da vontade da rainha – porém, secretamente
aos exércitos Khettim, incluindo Solus. Uma
começou a conspirar contra ela.
gravemente doente Rainha Dido Afeat refugiou-
se em Maliba com sua fiel companhia, incluindo
Cinco anos depois ele estava preparado, e, com
sua herdeira e irmã mais nova Hannat. Lá ela
seus co-conspiradores, Utipan confiscou o
morreu, e foi enterrada na segunda das Tumbas
palácio real, executou a maioria dos
de Maliba. Hannat, contudo, não assumiu o
conselheiros fiéis da rainha, e exigiu que Dido rainhado, por que Nahomet, uma das
abdicasse. Dido, contudo, recusou, e pegando
visionárias de Dido, profetisou que Midia deveria
ela mesma e suas filhas mais jovens Leica e
passar ‘por trevas’ por quatro gerações.
Dorca para um ponto alto nos declives do Monte
Gedyon, fora das muralhas da cidade, jogou a si
‘Pela duração dessa longa noite’, disse a
própria e suas filhas no precipício ao invés de se
visionária, ‘a Casa de Dido deve se refugiar na
submeter a Utipan. Ilha das Esperanças Escondidas’. Hannat
questionou a visionária sobre a localização
Pelos três anos seguintes (72 EM – 75 EM),
dessa ilha, e recebeu sua direção. Assim
Utipan, o Usurpador reinou sobre Midia com tal
começou o primeiro exílio das Rainhas em
crueldade que seu próprio nome veio a ser visto Espera.
como uma encarnação de terror e opressão
(alguns contos dizem que ele até mesmo tentou
O governo dos Reis do Deserto sobre Midia foi,
restaurar as práticas vis do Culto de Moloch que
no início, razoavelmente benevolente. A religião
foram banidas pela sua mãe).
Khettim foi introduzida em Midia, mas não foi
imposta sobre os Midianos. Contudo, durante a
Contudo, a filha remanescente de Dido, e
última parte do reinado de Ankere II e, mais
nomeada herdeira, Amella, escapou do banho
particularmente, durante os dias de Sahure II, o
de sangue de Utipan. Ela estabeleceu um
governo Khettim se tornou mais opressivo.
refúgio em Maliba, no qual ela organizou
oposição a Utipan. Em 75 EM, ela estava
Relativamente pouco se sabe acerca da Era
pronta, e ela marchou contra Solus. Com
Dourada das Rainhas Midianas, devido à
facilidade surpreendente, ela tomou a cidade, e
destruição muito difundida de muitos dos
capturou Utipan. Ignorando seus apelos por
templos, palácios, e bibliotecas desse período
clemência, ela ordenou que ele fosse jogado do
que aconteceram sob o reinado de Sahure II.
mesmo precipício no qual sua mãe e irmãs
saltaram para suas mortes. Assim acabou a
Dentro de poucos anos da ascensão de Sahure,
breve experimentação de Midia com o governo
uma rebelião irrompeu contra os Reis do
masculino: após isso todos os soberanos da
Deserto, resultando no colapso da ocupação
Casa de Dido tem sido femininos.
Khettim, e o retorno das Filhas de Dido.
Amella tomou o nome real Dido Amella (‘Dido a
Mãe Justa’), iniciando um costume de todas as
Rainhas Midianas de tomar o nome Dido como
seus primeiros nomes, em honra à monarca
fundadora. Dido Amella reinou por vinte e um
X
Khettim. Uma governante clemente e
A Ilha das Esperanças Escondidas pragmática, Dido Boriya se recusou a expulsar a
A localização da Ilha das Esperanças população Khettim agora de tamanho
Escondidas (ou Tikvalut em Midiano) é o considerável de Midia, porém procurou se
segredo mais cuidadosamente guardado em reconciliar com eles – fixando o padrão para
Midia inteira, conhecida apenas pela rainha, os futuras relações entre Midianos e outras
suffets de Solus, a suma sacerdotisa de Tanit e culturas.
uns poucos outros indivíduos confiáveis. Três
vezes durante a história de Midia, serviu como Dido Boriya foi sucedida pela sua filha Dido
um refúgio secreto da Casa de Dido quando Garbet (‘Dido, a Silenciosa’, 240-227 EM),
Midia foi ocupada por poderes inimigos. Muitas sobre a qual pouquíssimo se sabe agora.
tentativas foram feitas por aventureiros e Crescentemente reclusa em seus anos tardios,
governos estrangeiros de encontrá-la, porém e famosa pela sua recusa a se casar, ela é mais
sem sucesso. Tudo o que é sabido com bem lembrada pela sua frase frequentemente
certeza é que ela está localizada em algum repetida, ‘Eu quero ficar sozinha’. Ela foi
lugar na metade ocidental do Mar do Meio. sucedida pela sua irmã mais nova, Dido Dalet
(‘Dido, a Fraca’).
A maioria dos Midianos acredita que mesmo se
o segredo de sua localização fosse descoberto Durante seu curto reinado (227-286 EM), Midia
por agentes inimigos, eles ainda assim seriam foi ameaçada pelos Autarcas de Typhon,
incapazes de encontrá-la, porque é naquele tempo se aproximando do apogeu de
supostamente protegida por estranhas névoas seus poderes (ver “O Reino do Deserto”). Para a
que marinheiros Midianos se referem como o consternação de seu povo, Dido Dalet subornou
Cinturão de Tanit, e é dito que lá só existe um cada ameaça de invasão Autarca, apenas para
meio de aproximação salva à ilha. De fato, há o espectro sombrio da frota de guerra
rumores de que de tempos em tempos, Typhoniana reemergir no ano seguinte.
homens do mar serão levados inconscientes
por nevoeiros densos enquanto cruzando o Por quase uma década, os Typhionianos
Mar do Meio, apenas para se encontrarem repetiram essa tática, extraindo um preço alto
naufragados e abandonados sobre as praias para a paz a cada ano, e gradualmente
traiçoeiras do Refúgio de Dido, como a ilha é sangrando a economia Midiana.
algumas vezes conhecida. Se ou não esse
conto é verdadeiro ou completamente sem Eventualmente, os Midianos perderam a
sentido é, é claro, impossível de saber. paciência com sua rainha. Dido Dalet foi
removida do poder em um golpe de estado sem
É dito que essa ilha, embora pequena, é sangue (morrendo uma morte solitária sete anos
abençoada com abundância de caça e árvores mais tarde), para ser substituída pela sua filha
frutíferas, e um microclima moderado que faz Dido Hayilet (‘Dido, a Valente’), uma das
dela altamente apropriada como um abrigo maiores rainhas da Casa de Dido. Dido Hayilet
seguro para as Filhas de Dido durante tempos (que reinou de 286 EM a 19 EH) se recusou a
de tribulação. É dito que enquanto estiverem iniciar a pagar o tributo Typhoniano.
na ilha, as Rainhas em Espera são capazes
de se comunicarem com os deuses, recebendo Os Autarcas responderam com a força –
muita sabedoria que irá beneficiar seu povo invadindo Midia por terra de seus domínios do
quando a hora for certa para seus retornos. Delta Khet, e por mar desembarcando à força
Entretanto, quando o chamado vem dos em Lectis em 288 EM. Lutando pelo caminho ao
deuses para retornarem às suas terras natais, longo da costa de Midia, eles tomaram a capital
elas devem obedecer, sem atraso. Qualquer Solus após um cerco de nove meses em 290
falha em fazer isso, avisou a visionária EM.
Nahomet, deve resultar para elas em receber o
desgosto dos deuses – e isso de fato mais Entretanto, Dido Hayilet escapou, e reuniu um
tarde ocorreu na ocasião quando Dido Mahut exército novo em Karkuan. Foi aqui que os
(em Midiano ‘Dido Adormecida’) foi chamada Typhonianos foram esmagadoramente
de volta da ilha para se tornar rainha. derrotados em 291 EM. Os Tyhonianos bateram
em retirada, e começaram a fazer preparativos
para uma nova invasão. Contudo, uma revolta
A Era de Prata das Rainhas no Reino do Deserto (liderada por Osiris e Isis)
Midianas levou ao abandono desses planos.
(206 EM – 119 EH)
Todavia, foi apenas com a queda dos Autarcas
A primeira Rainha da restaurada Linha de Dido no final da Era da Magia nos Dias de Fúria que
foi Dido Boriya (‘Dido, a Gorda’), que reinou de a ameaça de futuras invasões terminou. A
206 EM a 240 EM. resistência determinada e desafiadora de Dido
Hayilet concedeu a ela a maior aclamação de
Apesar de seu nome um tanto não fazendo jus
qualquer uma da Linha de Dido, salvo a própria
(se correto), Dido Boriya foi uma monarca muito
Dido Elishat.
amada que fez muito para restaurar a ordem e
curar os danos da última parte da ocupação X
Dido Hayilet aumentou a força da frota de Midia igualmente entre Argos e Heraklia. O império de
a novos níveis, bem como criou o primeiro além-mar de Midia estava no fim.
exército fixo. Ela estabeleceu laços diplomáticos
fortes com nações vizinhas – mais Nos anos remanescentes do reinado de Dido
particularmente visitando o recém renascido Maret, inquietação (e rebelião total em Ética em
Reino do Deserto, que foi então florescendo sob 107 EH), más colheitas e a erupção de doenças
o reinado de Osiris e Isis (A lenda que ela pagou esgotaram ainda mais a confiança da população
homenagem a eles é, é claro, propaganda Midiana. Telabyr foi ocupada pelo forte Rei do
Khettim, usada depois pelos Reis do Deserto Deserto Menemkhet Iem 109 EH, e muitos
para justificar sua ocupação renovada de Midia). Midianos se perguntaram se ou não os Khettim
estavam se preparando para uma invasão
Dido Hayilet foi sucedida pela sua filha Dido maciça.
Simehet (‘Dido, a Alegre’, 19-42 EH), seguida
por sua neta Dido Heset (‘Dido, a Gentil’, 42-66 Porém a queda final da Era Prateada de Midia
EH), ambas que reinaram sabiamente, veio nas mãos de uma nova potência marítima
construindo no sucesso de Dido Hayilet. Midia que estava rapidamente se erguendo. Em 118
entrou em um período de prosperidade e paz EH, uma frota Tritoniana velejou para dentro do
sem paralelo em sua longa e ilustre história. porto de Ética, e os cidadãos mais desleais de
Entretanto, isso estava prestes a mudar. Midia se lançaram em sua sina com os
invasores.
Próximo ao fim do reinado de Dido Heset, em 63
EH, Midia estabeleceu sua primeira colônia de No ano seguinte, Solus caiu pelos Tritonianos.
além-mar, Hodoshir (lit. ‘Nova Cidade’) na Dido Maret fugiu para Maliba, apenas para ser
ponta do sul da ilha de Amphissa. Os forçada a beber veneno pelos seus próprios
Argoseanos, desse tempo nos primeiros dias de suffets, que tentaram proclamar sua filha
sua colonização, tinham fundado sua própria Ebenet como rainha. Contudo, Ebenet recusou
colônia, Augentos, na ponta do norte da ilha educadamente, preferindo seguir ‘o chamado da
três anos antes. profecia’ – exílio para a Ilha das Esperanças
Escondidas.
Várias outras colônias se seguiram ao longo da
costa Charybdiana – porém, a expansão de A Era Prateada das rainhas de Midia estava no
além-mar dos Midianos estava basicamente fim.
enternecida pela tensão crescente entre as duas
colônias de Amphissa durante o reinado de A Era dos Príncipes Marinhos
Dido Semaut (‘Dido, a Canhota’, 66-93 EH), a
sobrinha de Dido Haset, eventualmente levou à Tritonianos
guerra durante o reinado de sua filha Dido (119 EH – 215 EH)
Maret (‘Dido, a Amarga’, 93-119 EH).
A Ocupação Tritoniana durou quase cem anos.
A Guerra de Amphissa (98-103 EH) começou Os Tritonianos mostraram pouquíssimo
como um assunto local entre duas colônias interesse nas adjacências Midianas, e nas
briguentas, mas rapidamente se transformou em cidades interioranas de Maliba e Maveleth
uma guerra maciça entre Argos e Midia. Embora ficaram eficazmente com governo autônomo,
a frota de Midia tivesse superioridade em enquanto Telabyr permaneceu nas mãos dos
números, a habilidade e tenacidade dos Reis do Deserto.
Argoseanos (quem logo se juntou com os
Heraklianos) começaram a cobrar seus tributos. Os Tritonianos foram bem recebidos em Ética
A liderança vacilante de Dido Maret e seus (que se tornou a capital de Midia durante sua
suffets eventualmente condenaram a sitiada administração), mas a maioria dos Midianos nas
Hodoshir, cujos cidadãos parcialmente famintos outras cidades costeiras muito se ofendeu com
se renderam em 102 EH, para serem levados seu governo – e acima de todas a própria Solus,
para a escravidão e para sua cidade ser que muito invejou Ética em seus privilégios
totalmente destruída. Porém havia pior a recém adquiridos (tais como a exceção das
acontecer. altas taxas arrecadadas pelos Tritonianos em
todo o comércio nas outras cidades costeiras).
Uma frota combinada de Argoseanos e
Heraklianos desembarcou tropas na própria Os Tritonianos introduziram muitas facetas de
Midia, e no ano seguinte – no mesmo campo de sua cultura em Midia, incluindo vários aspectos
batalha onde Dido Hayilet uma vez derrotou os de sua religião. Foi nessa época que a adoração
Autarcas Typhonianos – os Mineanos de Poseidon começou a firmar raízes em Midia
derrotaram os Midianos decisivamente por terra – e, novamente, particularmente em Ética, onde
como eles fizeram no mar. um templo ao deus marinho Olímpico foi
construído que rivalizava com o santuário da
No tratado de paz humilhante que se seguiu, os Santíssima Trindade dos deuses Midianos em
Midianos foram forçados a entregar suas quatro ambos tamanho e magnificência.
colônias Charybdianas, para serem divididas
X
O colapso do governo Tritoniano foi repentino e Os confortos e tranquilidades da vida que ela
complete, seguida imediatamente na destruição sempre conheceu pareceram a ela mais
da frota Tritoniana quando os Príncipes atrativos que as chances e responsabilidades da
Marinhos soberbamente tentaram expandir seu vida em uma terra desconhecida. No final, seus
domínio além dos Portões de Bronze. Notícias conselheiros a persuadiram que ela tinha que
da destruição de quase toda a sua armada nas agarrar essa oportunidade não antecipada de
mãos dos Atlantes se espalharam rapidamente, restaurar o governo da Casa de Dido dentro de
e dentro de poucas semanas os Midianos (como Midia. Tristemente, ela deixou a ilha muito tarde.
de fato outros vassalos Tritonianos) foram se Na hora em que ela desembarcou em Solus –
insurgindo contra os seus mestres seis meses após os Tritonianos a abandonarem
desmoralizados. Os Tritonianos remanescentes – o exército de Amunkhet já estava em
em Midia se retiraram para Ética, enquanto o movimento. Dido Mahut reinou por apenas vinte
povo de Solus e em toda parte esperou o e nove dias, antes de velejar de volta à Ilha das
retorno triunfante das Filhas de Dido. Esperanças Escondidas. Assim, Dido Mahut
Tristemente, as coisas não funcionaram tão bem ganhou o desgosto dos deuses, e perdeu o
como eles esperavam... direito a seu trono, como predito pelas
visionárias de Maliba há muito. Única de todas
A Tumba de Dido as Filhas de Dido, ela nunca recebeu um enterro
majestoso nas Tumbas Reais de Maliba.
Com a exceção de Dido Mahut (e, é claro, Dido
Yophet, a atual Rainha), Dido Elishat – a A Segunda Era dos Reis do
fundadora de Solus – é a única rainha de Midia Deserto
que não foi enterrada nas Tumbas Reais de
Maliba. De fato, ninguém sabe com certeza o (215 EH – 260 EH)
que aconteceu com seu corpo (e aqueles de
suas filhas mais novas Leica e Dorca) seguindo Amunkhet justificou sua invasão com o conto
seu salto do Precipício de Milcetpal. Um ilegítimo de Dido Hayilet ‘pago homenagem’ a
conto diz que os próprios deuses interferiram Osiris e Isis, seus ancestrais. Poucos Midianos
ante os corpos de Dido e de suas filhas que deram a essa história qualquer crédito. Apesar
colidiram no chão do vale abaixo, e que elas disso, o Rei do Deserto Amunkhet tomou Solus
foram instantaneamente apoteosadas aos e a maioria de Midia quase sem uma luta – de
céus, onde suas estrelas ainda brilham sobre fato, a única resistência real veio dos
os homens mortais. Tritonianos escondidos em Ética, que
desafiaram o Rei do Deserto por 3 anos, até 21
Outro conto diz que o servo mais confiável de EH.
Dido, Amlisco, o Resoluto, sobreviveu ao
banho de sangue de Utipan, e recuperou os Amunkhet foi um rei incrivelmente ambicioso, e
corpos, enterrando-os em uma tumba secreta ele agora embarcava na sua próxima grande
antes de ser capturado por Utipan. Mesmo sob proeza – a construção de uma vasta frota para
tortura excruciante, Amlisco se recusou a capacitar o Reino do Deserto a se tornar um
revelar onde ele havia enterrado a rainha – fiel poderio naval.
a ela em morte como em vida. Com a morte de
Amlisco, o segredo do lugar de descanso final O recente colapso do Império Tritoniano deixou
de Dido Elishat foi perdido – embora alguns algo como um vácuo marítimo, o qual o Rei do
contos digam que ela retornará na hora de Deserto estava determinado a preencher. Para
necessidade mais desesperada em Solus. transformar sua dominação terrestre em uma
marítima, o audacioso Amunkhet recrutou a
ajuda dos marinheiros e construtores de barcos
O Conto de Dido Adormecida Midianos. Após cinco anos, Amunkhet estava
pronto, e sua grande armada velejou para
Dido Mahut (‘Dido, a Adormecida’), também desafiar a única grande potência naval
conhecida como a Rainha dos Vinte e Nove remanescente do dia – as Três Cidades.
Dias, teve o menor reinado de qualquer Rainha Entretanto, uma ação conjunta de marinhas
de Midia. Por cinco meses, os Midianos Mineanas saiu da ilha de Seriphos despachou a
ansiosamente esperavam pela vinda da rainha, frota de Amunkhet em 223 EH, e no ano
porém sem sucesso. Os suffets de Solus seguinte os Mineanos esfregaram sal nas
enviaram mensageiros às visionárias de Maliba, feridas ao queimar o grande porto Khettim de
perguntando se o retorno da Rainha em Espera Pstatis.
estava perto, mas não receberam resposta.
Enquanto isso, relatórios foram recebidos que o Durante o reinado dos sucessores de
Rei do Deserto Amunkhet I estava reunindo um Amunkhet, Setamun II e Nofret, os Mineanos
grande exército em Telabyr. Porque a Rainha estabeleceram várias colônias ao longo da costa
em Espera atrasava? Midiana. As oportunidades de comércio que
essas colônias trouxeram re-revigorou a
Na verdade, acredita-se, Dido Mahut nunca economia Midiana, e levou a um aumento na
esperava um desejava ser chamada de volta de autoconfiança dos Midianos.
um exílio que durara sua vida inteira, para
governar uma terra que ela nunca havia visto. X
A Rainha Nofret tentou legitimar a ocupação possui um intelecto aguçado e personalidade
continuada de Midia ao tomar o nome Dido determinada. Ela implementou a maioria das
Nofret – mas ninguém foi enganado. reformas que sua mãe, Dido Gobaya,
primeiramente embarcou há meio século, mais
Seguindo a morte de Nofret, uma sucessão particularmente a concessão dos direitos aos
incerta resultou em guerra civil no Reino do Khetsdami. Sem nenhuma surpresa, ela ganhou
Deserto – e à retirada da maioria das tropas a aversão de muitas famílias nobres – incluindo
Khettim estacionadas em Midia. Quase que a poderosa Casa Barca.
imediatamente, os Midianos se rebelaram contra
seus opressores. Dessa vez não houve atraso Embora tenha 45 anos, e no vigor de seus anos,
na chegada da próxima Rainha em Espera. ela já está preparando sua jovem filha
Sophonisba para o dia em que ela a sucederá
A Era de Bronze das Rainhas ao trono. Embora tenha apenas 17, Sophonisba
já virou as cabeças de vários primos reais e
Midianas nobres ricos esperançosos, porém publicamente
(260 EH – Presente) declarou-se ‘despreparada para o casamento’.
Existem rumores persistentes que seu coração
Dido Hannat (‘Dido, a Graciosa’, 260-288 EH) anseia por outro, um bem longe de Midia...
foi a primeira Rainha de Midia da Era de Bronze.
Uma governante engenhosa tomou vantagem Gisco Barca é o cabeça atual da Casa Barca,
da relativa fraqueza do Reino do Deserto (se talvez o mais influente, e certamente o mais rico
recuperando da guerra civil) e das Três Cidades das famílias nobres de Midia. Na idade de 49, é
(distraídas pela interminável guerra entre Argos dito que Gisco está furioso por que ele foi
e Heraklia) para renovar as defesas militares de repetidamente passado para trás para ser suffet
Midia, enquanto ao mesmo tempo explorando por outros (em sua visão, menos merecedores)
novas oportunidades de comércio. Dido Hannat candidatos.
assinou um tratado, a Concordata, com as
colônias Mineanas em Midia em 280 EH que Certo ou errado, ele culpa a própria rainha por
eliminou basicamente uma ameaça potencial, e bloquear sua candidatura em pelo menos duas
fortaleceu ainda mais a economia Midiana. ocasiões. Ele é um tradicionalista, que possui
pouquíssimo tempo para as ‘inovações’ de Dido
Dido Gobaya (‘Dido, a Alta’, 288-326 EH), sua Yophet. Sua aliada política mais próxima é a
filha, enfrentou grande antagonismo das Sumo Sacerdotisa Battanit Admaga, a chefe
poderosas classes nobres, que se opuseram sacerdotisa de 46 anos do culto de Tanit, que
aos seus planos de alargar a nacionalidade compartilha seu conservacionismo. Embora uma
Midiana ao permitir que os então chamados vez uma amiga próxima de Dido Yophet,
‘Meio Sangue’ pudessem reivindicar cidadania Battanit Admaga se tornou progressivamente
completa e pudessem receber o direito à afastada dela com o curso de seu reinado.
representação dentro do Senado. Embora seus
planos não viessem a dar frutos em sua vida, O atual Suffet Real é Sacarbel de Bysnis, um
sua filha Dido Yophet (‘Dido, a Justa’), que se membro das classes plebeias, e um ourives de
tornou a atual Rainha de Midia em 326 EH, ofício. Com apenas 35 anos, Sacarbel é um
estava determinada a ter sucesso onde sua mãe suffet popular, descontraído e de fala franca, até
falhara; e desde 329 EH, os Khetsdami foram mesmo com a rainha. Ele é apaixonadamente
autorizados a sentar dentro do Senado. Nesse leal a Dido Yophet, e nutre uma antipatia
ínterim, as frotas mercantes Midianas profunda por Gisgo Barca. O Suffet do Povo é
continuaram a viajar em todo o redor. Embora Hanno Matanibelya, o chefe de uma classe
os Midianos nunca tentassem estabelecer nobre bem respeitada de 53 anos de idade.
colônias permanentes desde sua derrota na Hanno é uma personagem eminente muito fraca
Guerra Amphissana, vinte ou mais de estações – um candidato comprometido que surgiu
de comércio Midianas foram estabelecidas de seguindo uma eleição profundamente dividida
um lado a outro do Mar do Meio nos últimos 50 dentro do Senado dois anos atrás. Hanno tenta
anos. Sob o reinado de Dido Yophet, demasiadamente agradar todas as facções – e
prosperidade alcançou novas altitudes, sem acaba não agradando nenhuma.
paralelos desde o primeiro século da Era dos
Heróis. O orador mais eloquente no Senado é Jerubel
Bodeshmunca, o jovem (27 anos de idade)
cabeça de uma das três famílias nobres de
Midia Atualmente Ética. Um franco oponente da rainha, Jerubel
também não gosta de Gisgo Barca, de quem ele
Algumas Personalidades considera como um ‘janota conspirador’. A
Importantes opinião de Gisgo sobre Jerubel é impublicável.

A atual Rainha, Dido Yophet, é a décima quinta


governante de Midia da Linha de Dido. Uma
monarca de graça e beleza consideráveis, muito
amada pelos plebeus, Dido Yophet também
X
da própria herdeira da Rainha Dido Yophet, sua
filha Sophonisba. É dito que o poderoso nobre,
Gisgo barca, usou esses rumores – sem dúvida
infundados – para ainda mais agitar
ressentimentos contra Dido Yophet e suas
políticas.

Tritonis

A atual relação de Midia com os Tritonianos


permanece o que tem sido por gerações –
tensa. Tentativas repetidas de despojar a
população Tritoniana de Midia de seu status
Gokheri de proteção falharam – nem ao menos
em anos recentes por que o Senador Jerubel
Bodeshmunca falou vigorosamente em seu
benefício, e a atual Rainha Dido Yophet não tem
desejo de fazer a difícil relação entre Solus e
Ética ainda mais preocupada. Ainda assim,
embora as relações comerciais com os
Príncipes Marinhos sejam difíceis, poucos
sentem que uma guerra com Tritonis seja uma
possibilidade provável.

Umbria
A bela princesa Sophonisba, futura governante de
Midia Os Midianos acham os Úmbrios muito difíceis
de entender. Seu ponto de vista severo,
Relações Exteriores militarista e xenofóbico é completamente
diferente daquele dos despreocupados,
Terra das Três Cidades sociáveis Midianos. Até recentemente, os
Midianos possuíram relativamente pouquíssimo
A Terra do Sul possui muitas relações contato com o povo de Umbria, a parte de
misturadas com o mundo Mineano. Os Midianos contratar uns poucos mercenários.
possuem laços razoavelmente bons com Argos
(embora rivalidades comerciais algumas vezes Entretanto, os tradicionalmente terrestres
causem tensões). Relações com os Heraklianos Úmbrios agora construíram para eles mesmos
são piores, como os Heraklianos (injustamente) uma frota considerável. Recentemente vários
culpam os Midianos pela sua falha em ‘representantes comerciais’ de Ética visitaram
assegurar uma colônia de volta aos dias da Umbria – supostamente para explorar
segunda ocupação do Reino do Deserto. oportunidades comerciais, porém, na opinião do
Entretanto, relações com Thena estão obtuso suffet Sacarbel de Bybnis, “mais
atualmente muito favoráveis. Em seus dias de provável é que eles estejam em uma ‘missão de
aventura, o Rei Theseos visitou Midia em várias bajulação’, muito como nos dias da ocupação
ocasiões, e é dito que ele possui uma grande Tritoniana”. Verdade ou não, Dido Yophet está
afeição pela terra e, em particular, suas ficando firmemente mais ansiosa sobre as
mulheres. Rumores que ele uma vez teve um intenções Umbrias.
caso amoroso com a própria Rainha Dido
Yophet são apenas isso – rumores. Charybdis e Além

Reino do Deserto Charybdis permanece uma fonte lucrativa de


comércio para a Terra das Dez Cidades. A
Relações entre o Reino do Deserto e Midia natureza briguenta e desunida das tribos
estão extremamente cordiais atualmente, Charybdianas significa que – a parte dos
basicamente por causa da boa vontade entre a ataques rápidos ocasionais na fronteira que são
Rainha Dido Yophet e o atual Rei do Deserto sempre punidos rapidamente – existe
Nebheptah II. pouquíssima ameaça a Midia vinda dessa
direção.
A rainha Midiana acredita que o reformador Rei
do Deserto é um monarca iluminado muito como
ela própria, e aplaude seus esforços em fazer
do até então de alguma forma secreto reino
Khettim uma sociedade mais aberta.

O Príncipe Real do Reino do Deserto, Príncipe


Nakhtankh, visitou Solus em duas ocasiões, e
há até mesmo rumores que ele está enamorado X
Entretanto, o governo Midiano permanece Conclusão
profundamente preocupado acerca de seu
vizinho do sul, o Império Stygiano. Embora os As muitas invasões de Midia – uma terra que
Stygianos sempre procurassem expandir para o passou quase metade de sua história sob
oeste ou para o leste – trazendo a eles o conflito ocupação estrangeira – deixou para trás um
com ou os Khettim ou os Charybdianos – e forte legado. Em muitas formas, eles
nunca até agora para o norte, a possibilidade contribuíram para o enriquecimento da cultura
que um dia suas táticas possam mudar nunca Midiana, e uma abertura e tolerância que é a
podem ser rejeitada. inveja de qualquer governante iluminado. Não
obstante, em anos recentes, o lado sombrio de
Qualquer incursão deveria quase certamente vir seu legado se tornou mais visível. A
via Morveleth, mas o fato que a cidade seja sem controvérsia sobre o status dos Khetsdami
dúvida repleta de espiões Stygianos faz da expôs sérias divisões dentro da sociedade
Rainha Dido Yophet relutante em estacionar Midiana.
mais que uma força simbólica lá no caso dos
Stygianos souberem sobre isso e interpretem Enquanto sua influência parece pronta para
mal as intenções Midianas. Dido Gobaya enviou decair no futuro, muitos membros da nobreza
uma embaixada diplomática para o sul pelas estão questionando abertamente onde as
montanhas vinte e cinco anos atrás – porém lealdades da Rainha realmente estão. Apesar
nenhuma pessoa do grupo jamais retornou. da superficial prosperidade de Midia, existe
Dido Yophet não tem desejo de fazer qualquer ansiedade crescente por trás dos bastidores.
tal abertura por ela mesma em direção aos Enquanto isso, o espectro da invasão
sinistros Stygianos. estrangeira – dessa vez de Umbria – parece ter
voltado. Enquanto os Midianos se preparam
Terra do Sol para celebrar o sexcentésimo aniversário da
intrépida viagem de Dido em apenas dois anos,
Finalmente, Midianos tendem a não de darem apenas o quê o futuro realmente reserva para
particularmente bem com Kandarianos e outros as Filhas de Dido e para o povo de Midia? E
Edonitas. Eles veem seus primos orientais como sobre a profecia de glória ou desastre a vir
rivais inescrupulosos no comércio, que são quando a Era de Bronze de Midia acabar, e a
excessivamente prontos a menosprezar os Era de Ferro finalmente aparecer? Essa é a
Midianos como ‘as colônias rebeldes ocidentais’. questão que um historiador como eu mesmo
nunca pode responder – e para responder tais
questões, nós apenas podemos contemplar os
deuses.

Centres d'intérêt liés