Vous êtes sur la page 1sur 13

Célia Regina Moretti Meirelles e Sunao Kishi | Inovação e tectônica na concepção de grandes coberturas na Arquitetura Contemporânea

Inovação e tectônica na concepção de grandes


coberturas na Arquitetura Contemporânea
Innovation and Tectonics in the Design of
large roofs in Contemporary Architecture
Célia Regina Moretti Meirelles* e Sunao Kishi**

Resumo: Abstract:
*Graduada em engenharia Ci-
vil pela Universidade Estadual Este trabalho tem como propósito realizar a análi- This paper has the intention to analyse the cons-
de Maringá. Mestrado e Dou- se das técnicas construtivas aplicadas às cobertu- truction techniques applied in contemporary roo-
torado pela Escola Politécni- ras contemporâneas, em que a forma e a estrutura fs, where the shape and structure has an impor-
ca da Universidade de São têm um papel relevante frente aos condicionantes tant role in the design conditions. The selections
Paulo. Professora do eixo de de projeto. O recorte escolhido são dois proje- chosen were two projects that has a different
Tecnologia e Experimenta- tos que apresentam a concepção estrutural dife- structural design, this structures apply new mate-
ção, no curso de graduação renciada, aplicam novos materiais ou resgatam rials, or rescue the tectonic concepts. The covers
em Arquitetura e Urbanismo os conceitos tectônicos. São apreciadas as co- of the Sony Center in Berlin architect Helmuth
da Universidade Presbiteria- berturas, do Sony Center em Berlim do arquiteto Jhan, and Santa Caterine Market in Barcelona
na Mackenzie. Professora da Helmuth Jhan, e do Mercado Santa Caterine em Enric Miralles and Benedetta Tagliabue are ap-
Pós-graduação Stricto Sensu Barcelona de Enric Miralles e Benedetta Tagliabue. preciated. The methodology considers the litera-
da FAU-Mackenzie A metodologia adotada considera a revisão da li- ture review, a site visit and a review of techniques
**Arquiteto, Mestre pela Uni- teratura, a visita aos locais e uma análise das téc- employed. The research intends to contribute to
versidade Presbiteriana Ma- nicas empregadas. A pesquisa pretende contribuir the knowledge of building systems used in the
ckenzie, Professor Titular da para o conhecimento dos sistemas construtivos architecture, based on research of the adopted
Faculdade de Arquitetura e empregados na arquitetura, com base na investi- models, technical characteristics and tectonic
Urbanismo Mackenzie, Pro- gação dos modelos adotados, das características expression.
fessor de disciplinas Projeto técnicas e expressão tectônica.
IV e Materiais e Técnicas das Keywords: Roofing, Form, Structure, Tectonics.
Construções IV, Professor Palavras-Chave: Coberturas, Forma, Estrutura,
orientador de TFG Trabalho Tectônica.
Final de Graduação.

usjt • arq.urb • número 8 | segundo semestre de 2012 99


Célia Regina Moretti Meirelles e Sunao Kishi | Inovação e tectônica na concepção de grandes coberturas na Arquitetura Contemporânea

Introdução

Desde o início da humanidade a função de ha- A principal preocupação das próximas gerações,
bitar está associada ao conceito de segurança deve se voltar para os esgotamentos dos mate-
e proteção das intempéries como chuva, neve, riais naturais e não renováveis, em função do au-
vento, e sol, etc. A qualidade de vida depende mento das populações e de processos construti-
diretamente da envoltória e dos materiais que vos que não consideram conceitos sustentáveis.
compõe a envoltória em especial a cobertura. As Portanto a arquitetura deverá dar sua contribui-
construções nos locais isolados ainda são pro- ção na busca de elementos que minimizem os
duzidas com materiais e técnicas disponíveis no gastos com materiais, rebatendo na preservação
local como as ocas, os iglus e as tendas, etc., do planeta e na sustentabilidade.
mas a necessidade de grandes espaços exige
soluções inovadoras, com novas tecnologias. Uma das principais problemáticas das grandes
coberturas é o seu peso próprio, em função das
As coberturas de grandes espaços públicos pro- grandes áreas cobertas, minimizando ou maxi-
movem um local de integração das pessoas e mizando os carregamentos sobre as fundações.
em geral são marcos arquitetônicos referenciais, Portanto, a busca de soluções que minimizem o
com formas diferenciadas e ousadas, demarcan- peso próprio da cobertura, com materiais leves,
do o espaço através de sua linguagem e função formas eficientes e sistemas estruturais mais le-
na cidade. As novas tecnologias possibilitam as ves, entre outros fatores, devem ser avaliadas na
formas ousadas, com envoltórias independentes concepção do projeto. O renomado arquiteto Frei
da estrutura original, associando ao projeto um Otto produziu ao longo de sua vida acadêmica
ganho com isolamento térmico e acústico. uma extensa busca por formas que minimizam os

usjt • arq.urb • número 8 | segundo semestre de 2012 100


Célia Regina Moretti Meirelles e Sunao Kishi | Inovação e tectônica na concepção de grandes coberturas na Arquitetura Contemporânea

gastos com materiais, mas sem deixar de consi- e das condicionantes e exigências do projeto,
derar a beleza plástica. etc. Segundo Amaral e Chupin (2009) o con-
ceito tectônico na arquitetura está diretamen-
Cada material tem o seu potencial de aplicação te associado à “arte da construção”. Kenneth
em diferentes projetos e em função das carac- Frampton, (2001) no livro “Studies in tectonic
terísticas locais. No Japão a maior parte das culture”, discute o conceito de modo abran-
grandes coberturas é em madeira, pois a ma- gente, unindo a materialidade da arquitetura,
deira apresenta uma maior estabilidade frente com as condicionantes locais e ambientais,
aos terremotos, e a cobertura é em media três com as condicionantes culturais e estéticas.
vezes mais leve que em aço. Hoje a madeira é Frampton enfatiza a importância da conotação
um material considerado sustentável em função poética nas ações do arquiteto frente às deci-
de sua origem renovável com capacidade de sões de projeto.
captar CO2, ao contrário do aço e do concreto
que gastam uma alta energia para sua produção, A expressão tectônica considerada por Framp-
liberando uma grande quantidade de CO2 na at- ton é observada no discurso de arquitetos como
mosfera. Entretanto, a maioria das coberturas de Peter Zumthor, Enric Miralles e Frei Otto, pois
médios e grandes vãos, construídas no mundo procuram aplicar em seus projetos, materiais
nos dias de hoje, são de aço, produzidas a partir adequados ao contexto e ao lugar, além de con-
de elementos finos e ou sistemas leves como as siderar elementos como linguagem, sensibilida-
treliças, devido à imagem de inovação que o aço de e a criatividade. Zumthor (2006) no livro “Pen-
transmite. sar Arquitetura” discute o seu modo de projetar
e pondera a respeito dos elementos essenciais
Este trabalho discute projetos contemporâne- para que os materiais possam assumir qualida-
os referenciais em que a expressão plástica da des, sensoriais e poéticas:
cobertura suscita interesse e avalia as técnicas
construtivas. Para tal efeito é necessário criar no próprio ob-
jeto uma coerência de forma e sentido; uma vez
A Tectônica e a Materialidade que os materiais em si não são poéticos. O sen-
tido que se deve criar no contexto do material,
A materialização do projeto de arquitetura, a encontra-se para além das regras de composi-
sua construção depende da tecnologia dispo- ção, e também da sensibilidade, o cheiro, a ex-
nível no local e no tempo, mas também da cul- pressão acústica elementos de linguagem que
tura dos povos frente às técnicas construtivas, temos que utilizar.

usjt • arq.urb • número 8 | segundo semestre de 2012 101


Célia Regina Moretti Meirelles e Sunao Kishi | Inovação e tectônica na concepção de grandes coberturas na Arquitetura Contemporânea

A arquitetura de Enric Miralles traduz a forte re- As Formas e a Estrutura na Composição das
lação do arquiteto com sua cultura, com os ma- Coberturas
teriais locais, e com elementos que ultrapassam
o conceito de funcionalidade. Miralles considera- Antoni Gaudí em 1890 aplicou o conceito do uso
va que a “construção é um momento efêmero”, de maquetes em escala reduzida para definir as
mas ponderava que “arquitetura e construção chamadas formas funiculares, aplicando fios e
são indissociáveis”. (TAGLIABUE, 2005) Massad pesos proporcionais aos pesos da construção
e Guerrero Yeste (2004) analisam que produção dos edifícios, ele chegava a formas curvas pura-
arquitetônica de Miralles. mente tracionadas, invertendo-as ele obtinha as
curvas puramente comprimidas, portanto, apli-
Nasce do sentimento a uma forma visceral cáveis aos materiais locais como as alvenarias e
de compreender a arquitetura, que emerge pedras, que apresentam uma pequena resistên-
das entranhas profundas, que é dramática cia a tração. (INSTITUTO TOMIE OHTAKE, 2004).
por se basear na provocação, uma provoca- As estruturas retas, como por exemplo, os pór-
ção produzida pelas formas e materiais que ticos, lajes e vigas são estruturas submetidas à
a compõem: que se vive e se percebe com flexão. Já as estruturas curvas podem ser muito
todos os sentidos. Uma arquitetura que não eficientes se submetidas às tensões puras, cha-
recorre a artifícios ou elementos supérfluos madas de tensões de membrana, como ocorre
porque todos seus componentes são, em es- nas estruturas das bolhas de sabão.
sência, arquitetura.
As superfícies curvas mais conhecidas, em simples
Frei Otto, observando os problemas vividos na curvatura, são as abóbadas. As de dupla curvatura
Alemanha no pós-guerra como, a reconstrução sinclástica, as cúpulas e parabolóides elípticos e as
com técnicas construtivas pesadas, o empre- superfícies de dupla curvatura anticlástica, os pa-
go de elementos repetitivos, a falta de uma rabolóides hiperbólicos. As estruturas de superfície
qualidade estética e a escassez de material, em dupla curvatura são mais eficientes que as de
começa a buscar através da experimentação, simples curvatura. (BAIXAS, 2005)
formas que aplicassem uma quantidade míni-
ma de material, mas sem deixar de conside- Na busca de estruturas eficientes Heinz Isler,
rar a qualidade estética. Segundo Cappellato; entre 1960 e 1980, construiu uma série de co-
Guazzaniga (1995) Otto considera “o potencial berturas em casca fina com concreto armado,
dos materiais nas questões de percepção e do ele realizava uma série de experimentos com
sentimento”. modelos físicos para determinar a forma final da

usjt • arq.urb • número 8 | segundo semestre de 2012 102


Célia Regina Moretti Meirelles e Sunao Kishi | Inovação e tectônica na concepção de grandes coberturas na Arquitetura Contemporânea

cobertura. Um de seus modelos, chamados de As estruturas em membrana devem ser concebi-


membrana pendente, partia de tecido pendurado das a partir de formas básicas tracionadas, como
para gerar a superfície curva funicular. O modelo pode ser observado na figura 1, de cima para bai-
de Isler permite criar uma superfície curva mais xo: paraboloides hiperbólicos associados a mas-
perfeita que os modelos com fios utilizados por tros de elevação e pontos de ancoragem (sela de
Gaudí. Isler aplicava um produto para endurecer cavalo); a associação de cones com formatos hi-
a forma tracionada, e invertendo-a trabalhava na perbólicos (funil ou cobertura de circo); e a asso-
forma puramente comprimida. (CHILTON, 2000). ciação com arcos de elevação, sobre os quais se
pendura o tecido. Outra forma utilizada na con-
Nos últimos 30 anos o desenvolvimento tecno- cepção com membrana são as dobraduras em
lógico foi muito grande em diversos setores, em conjunto com duplo cabo de aço. Cada esquema
especial nas ferramentas digitais associadas ao básico permite várias composições e derivações,
desenho 3D, na simulação, na produção de ma- desde que a montagem promova a tração pura
quetes, na produção de componentes da cons- por tensionamento do tecido. As superfícies ten-
trução, novos materiais, entre outros setores, sionadas, em malha de cabo de aço ou cabos
entretanto ainda existe um amplo caminho a ser de aço associados as membranas, devem de ter
vencido na produção e na automação da cons- uma forma de dupla curvatura “anticlástica” para
trução civil. a sua estabilidade, somente as estruturas infla-
das podem ter dupla curvatura sinclástica.
Na construção civil um dos materiais que mais
evoluiu foi a fibra de vidro. Nas argamassas, per- O principal arquiteto a desenvolver a tecnologia
mite a produção de painéis de fechamento finos da membrana em associação com malha de cabo
Figura 1. Formas básicas para gerar a tenso-estrutura em de excelente qualidade de acabamento. Na mis- de aço foi Frei Otto, que começou sua pesquisa
membrana. Fonte: dos autores, 2012. tura do microconcreto, determina uma alta resis- entre 1960 e 1970, na Universidade de Stuttgart,
tência mecânica, como exemplo o microconcreto foi o primeiro pesquisador a estudar o sistema
Ductal da empresa francesa LAFARGE. (ADDIS, estrutural e propor seu estudo através de mode-
2009) Entre outros desenvolvimentos da fibra de los físicos, criando formas complexas de grande
vidro, podemos destacar as membranas de alta beleza. Otto propõe uma metodologia para proje-
resistência produzidas a partir das fibras de ara- tar as superfícies, com auxílio de modelos físicos.
midas tensionada e fibra de vidro revestida de As estruturas tensionadas são formadas por uma
teflon chamadas de (PTFE), com uma durabilida- rede de cabo de aço e ou tecido de alta resis-
de média 15 a 25 anos e um peso de 1 kg/m2. tência associados à dupla curvatura. Para definir
(ADDIS, 2009) a forma Otto, utilizava modelos físicos em esca-

usjt • arq.urb • número 8 | segundo semestre de 2012 103


Célia Regina Moretti Meirelles e Sunao Kishi | Inovação e tectônica na concepção de grandes coberturas na Arquitetura Contemporânea

la reduzida feitos com arame, que mergulhados que ocorrem nos modelos quando carregados,
em um tanque com bolha de sabão, a superfície por elementos finitos. O programa determina a
definida pela superfície da bolha, em tração, era superfície tensionada que as membranas devem
fotografada e utilizada para definir a forma da su- assumir num processo conhecido como “form
perfície no tecido, além de ajustar o padrão de find”, pois num processo iterativo determina
corte do tecido. O cálculo estrutural era difícil de- o padrão de corte do tecido. (TECHNET, 2012)
vido a fatores associados às formas complexas, Entretanto, a grande maioria dos projetistas de
devido à forma ser dependente do carregamento, estruturas tensionadas utiliza maquetes físicas
mas também devido à pequena capacidade dos para ajudar na concepção da estrutura. Dois dos
computadores na época. Em 1972, Otto projeta a principais discípulos de Otto foram os arquitetos
cobertura do estádio da Olimpíada de Munique, Horst Berger e Hemult Jhan. Berger com diversos
em trama de cabos de aço, que é um marco ar- projetos tensionados, entre os quais, o aeroporto
quitetônico, pois foi o primeiro projeto a aplicar internacional de Denver, o estádio Rei Fahd na
o uso do computador para auxiliar o cálculo es- Arábia Saudita, e o centro de convenções em
trutural, mas principalmente por ser um sistema San Diego, etc. Dois projetos de coberturas de
criativo, de grande beleza. Neste caso a forma grandes espaços de Hemult Jhan em estruturas
foi encontrada comparando os resultados numé- tensionadas são de grande relevância, entre elas
ricos dos modelos matemáticos à forma dos mo- as coberturas Hotel Kempinski em Munique, e o
delos físicos. (ADDIS, 2009) projeto da cobertura do Sony Center em Berlim,
projetos de grande ousadia estrutural onde a no-
Em 1990, o escritório de cálculo estrutural de An- vas tecnologias construtivas são uma expressão
tony Hunt utilizou programas de modelagem para do projeto e de evolução tecnológica do material.
Figura 2. Praça central do Sony Center, Fonte: Lokilech determinar a forma tensionada, no projeto “Don
(2010). http://commons.wikimdia.org/wiki/File:Berlin_Sony- Valley Stadium”, na cidade de Sheffield na Ingla- A Cobertura do Sony Center - Hemult Jhan
-Center_Courtyard,jpg?uselang=pt-br
terra. Os programas, pela primeira vez, permitem
a sensação de manipular uma maquete física e O Sony Center fica localizado no centro velho de
calcular padrões de corte nos tecidos em um Berlim, local que foi destruído durante a segun-
processo iterativo. (ADDIS, 2009) da Guerra mundial. Após a queda da Alemanha
oriental em 1989, o governo realizou diversos
Hoje o software mais reconhecido na busca da concursos para a recuperação de edifícios de
forma da membrana é o EASY da empresa Te- importância histórica. O arquiteto Hemult Jhan,
chnet com sede em Berlim, com modelagem da foi um dos vencedores do concurso, em 1992
forma, simulação das deformações e tensões para fazer a sede da Sony na Europa, no cen-

usjt • arq.urb • número 8 | segundo semestre de 2012 104


Célia Regina Moretti Meirelles e Sunao Kishi | Inovação e tectônica na concepção de grandes coberturas na Arquitetura Contemporânea

tro antigo, na “Potsdamer Platz” (figura 3 B). A diais, presos à treliça de borda cuja altura permite
sede da Sony é composta de um conjunto de criar a dobradura no tecido. A estrutura trabalha
oito edifícios de múltiplos usos como “escritórios com duas camadas de cabos, sendo que os su-
e apartamentos, lojas, comércios e restaurantes, periores fornecem o apoio à cobertura e os infe-
cinemas e teatros, uma midiateca”, entre outros riores levantam a estrutura com pré-tensionado.
usos. (EURO INOX, 2003) A figura 2 mostra que (CLARKE; DANZIGER; SCHULTE; 2000)
a implantação de cinco edifícios criou uma pra-
ça central. O arquiteto propôs uma cobertura
para criar um espaço dinâmico, interativo, além
de criar um espaço aconchegante mesmo em
condições extremas de temperaturas. A prefeitu-
ra exigiu condições especiais para iluminação e
ventilação natural dos edifícios voltados à praça.
A figura 2 apresenta o conjunto de edifícios, a
praça e parte da cobertura. A figura (3 A) eviden-
cia a parte restante do “Hotel Esplanade”, edifí-
cio tombado e remanescente da segunda guerra
mundial. (CLARKE; DANZIGER; SCHULTE; 2000)

A estrutura tem como base os conceitos da ten-


so-estrutura. Sua forma básica remete a tenda
Figura 3. A) parte do antigo Hotel Espla- de circo, com mastro central levemente inclina-
nade. B) Postdamer Platz. Fonte: dos do num ângulo de 8 graus. A cobertura tem for-
Autores, 2006.
ma elíptica com 102 m no maior eixo e 78m no
menor. Na cobertura do Sony Center o mastro
central não poderia atrapalhar a circulação das Figura 4. Sony Center A) planta da área da cobertura Sony
Center, posição final do mastro B) Detalhe do mastro cabos
pessoas, portanto foi aplicado um sistema estru- de aço e da treliça prismática. Fonte: dos Autores, 2006.
tural em roda de bicicleta, com cabos elevando o
mastro central (figura 4B). Foi necessário traba- A cobertura da praça central do Sony Center e
lhar com um sistema circular fechado para que seu sistema estrutural podem ser observados na
os empuxos não descarregassem nos edifícios. A figura 5. Os arquitetos aplicaram na cobertura de
estrutura trabalha como uma teia de aranha, com dupla curvatura, a membrana (PTFE) “poli tetra
cabos longitudinais estabilizados por cabos ra- flúor etileno” combinando o tecido com fibra de

usjt • arq.urb • número 8 | segundo semestre de 2012 105


Célia Regina Moretti Meirelles e Sunao Kishi | Inovação e tectônica na concepção de grandes coberturas na Arquitetura Contemporânea

vidro e teflon, e nas partes planas o vidro, devido tações, as contrações e dilatações sem quebrar.
à exigência da iluminação natural. (CLARKE; DANZIGER; SCHULTE; 2000)

A estrutura que suporta os cabos de aço é uma A Cobertura do mercado de Santa Caterine –
treliça espacial prismática com seção tubular Enric Miralles e Benedetta Taglibue
com altura de 4.4 metros, (figura 5) uma elip-
se fechada e está apoiada em sete pontos so-
bre os cinco edifícios. A estrutura foi calculada
pela empresa ARUP que utilizou programas para
modelar a estrutura em elementos finitos, como
o “SAP2000PLUS”. Na busca de satisfazer os
códigos construtivos rígidos da Alemanha, fo-
ram construídos modelos físicos, em escala re-
duzida, para comprovar a estabilidade e ajustar
forma. A empresa estrutural, na busca da forma,
aplicou conceitos de superfície mínima, para
determinar as tensões de membrana, como as
tensões existentes na bolha de sabão. Cada Figura 6. vista lateral da Cobertura Mercado Santa Caterina.
Fonte: dos Autores, 2006.
proposta de carregamento exigiu um ajuste na
forma e a construção de novos modelos físicos No projeto de reabilitação do antigo mercado
em associação com modelos numéricos. Nas de Santa Caterina de 1848, situado na “cidade
Figura 5. forma e composição da tenso-estrutura do Sony modelagens foram considerados os carrega- velha”, no bairro da Ribera, em Barcelona, fo-
Center. Fonte: dos Autores.
mentos de vento, de chuva, de neve, do vidro, ram encarregados, em 1995, os arquitetos Enric
e o peso próprio da membrana. A forma final foi Miralles e Benedetta Taglibue. Tagliabue (2005)
definida como cone de forma hiperbólica, “com aponta que na centralidade do mercado existem
eixo do mastro central inclinado levemente num projetos de grande relevância que “jogam com a
ângulo de 8 graus”. As figuras, 4 e 5, apresen- história e as pré-existências, projetos onde o en-
tam a forma da membrana e a inclinação do torno histórico consegue fazer com que a arqui-
mastro central. Na parte translúcida foram apli- tetura tome um caráter inesperado”. A arquiteta
cados painéis de vidros de 1,5 x 5,4 metros. Os observa que uma parte do antigo mercado foi
vidros se apoiam sobre os cabos, com ajuda de construído sobre as “ruínas de um antigo monas-
elastômeros que fazem a função de articulação tério”. A intenção de Miralles era “abrir o merca-
e permitem que o vidro se molde às movimen- do para cidade e cidade para sua história”.

usjt • arq.urb • número 8 | segundo semestre de 2012 106


Célia Regina Moretti Meirelles e Sunao Kishi | Inovação e tectônica na concepção de grandes coberturas na Arquitetura Contemporânea

As obras se iniciaram em 1997, em 2000 mor- sendo uma central e duas laterais, intercaladas
re Enric Miralles, entretanto a revitalização do com duas mais baixas que só podem ser vistas
mercado foi possível, pois as obras ficaram sob de cima ou dentro do espaço. A central define um
coordenação da arquiteta Benedetta Tagliabue parabolóide hiperbólico. A estrutura de suporte
e de seu escritório de arquitetura o “EMBT”. A do revestimento da cobertura é composta por ar-
construção terminou em 2005. A intenção dos cos em madeira laminada com diferentes alturas,
arquitetos foi revitalizar o entorno, e ao mesmo gerando uma forma diferenciada no conjunto.
tempo mimetizar-se com ele, “mas projetando
para o futuro”, construindo um equipamento da
cidade que resiste às transformações do tempo.
(TAGLIABUE, 2005)

O principal ponto do projeto é a forma ousada


da cobertura (figura 6) que cobre o espaço sem
apoiar nas paredes antigas, mas apoiando em
pilares novos e independentes. Outro ponto que
merece destaque é a visão dos arquitetos sobre
o potencial da superfície da cobertura como um
elemento de grande relevância, trabalhando a su-
perfície externa com cores e texturas da terra, e
das frutas, mas com técnicas construtivas con-
temporâneas.

Enric Mirallles propõe uma mistura de diversas


tecnologias aço, concreto armado, concreto pro-
tendido, madeira laminada, com sistemas estru-
turais diferenciados em treliça devido à sua leve-
za. A estrutura mista foi possível de ser realizada,
pois contou com apoio de programas de cálculo
atuais, que possibilitam a modelagem dos dois
materiais (RIVAS, 2005). A forma da cobertura é
Figura 7. vista externa do Mercado Santa Caterina em Barce-
composta de cinco abóbadas e partes planas. lona A) Cobertura entrada av. Cambó. B) pilares Praça Joan
Na fachada observa-se três abóbadas (figura 6), Capri com e brisas: dos autores.

usjt • arq.urb • número 8 | segundo semestre de 2012 107


Célia Regina Moretti Meirelles e Sunao Kishi | Inovação e tectônica na concepção de grandes coberturas na Arquitetura Contemporânea

A figuras (7 A e 7 B) mostram a estrutura in- 42 metros de vão livre. Os arcos metálicos são
dependente das duas fachadas. Na fachada sustentados por pilares elevados do chão. Para
avenida Cambó (7A), a estrutura da cobertura estabilizar o empuxo, foram utilizados tirantes na
passa por cima das paredes antigas e a cober- base dos três arcos (RIVAS, 2005). As imagens
tura surge livre, com balanços, demarcando a das figuras (8 A e 8 B) mostram a estrutura inter-
entrada e gerando um espaço público que inte- na com os arcos de madeira, as vigas treliças e
gra a cidade ao local. Tagliabue afirma que que os três grandes arcos centrais em treliça prismá-
os arquitetos pretendiam que as pessoas no tica metálica e os tirantes.
“espaço tenham a familiaridade de uma casa”.
(TAGLIABUE, 2005) A madeira laminada é aplicada como parte da
estrutura, como revestimento interno e nos
Na avenida Cambó, a estrutura da cobertura está brises da parte dos fundos. Sobre o forro de
apoiada em quatro pilares compostos por tubos madeira, para um maior conforto térmico, foi
metálicos, em forma de árvore, que suportam as prevista uma camada de isolamento em lã de
vigas treliças (que contornam e apoiam as abó- rocha.
badas), e os balanços ( figuras 7A e 7 B).
Enric Miralles demonstra neste restauro um
Na fachada posterior, chamada de “praça grande conhecimento técnico dos diversos
Joan Capri”, a cobertura está apoiada em dois materiais e estrutura, além de uma grande sen-
pilares mistos de concreto na base e tubos de sibilidade em relação a diferentes texturas dos
aço curvados na parte superior (figura 7 B). materiais, das cores, aplicando elementos di-
(RIVAS, 2000) ferenciados, mas aproximados à cultura local.
No mercado Santa Caterine existe a ousadia
Os arcos de madeira laminada (figura 8) formam associada à simplicidade dos materiais, das
as abóbadas que descarregam os esforços nas formas, que cria uma cobertura que se des-
Figura 8. Mercado Santa Caterina em Barcelona vistas inter-
vigas metálicas treliçadas. Estas definem o con- taca das edificações do entorno. Os grandes
nas da cobertura composta de arcos de madeira laminada e
estrutura metálica com arcos prismáticos. Fonte: dos Autores. torno das abóbadas, portanto apresentam “seção arcos permitem ao arquiteto criar um espaço
variável e diretriz variável”. As vigas de metálicas livre onde as pessoas interagem. A composi-
treliçadas se apoiam pilares tubulares na parte ção da estrutura com elementos tubulares em
externa, mas internamente apoiam em pilares de aço (ossatura) e madeira laminada permitem
concreto, entretanto para criar um espaço amplo que o usuário faça uma leitura da estrutura,
livre de pilares no centro, as vigas treliças foram e se identifique, pois a madeira é um material
atirantadas em três grandes arcos metálicos, de natural e próximo as raízes.

usjt • arq.urb • número 8 | segundo semestre de 2012 108


Célia Regina Moretti Meirelles e Sunao Kishi | Inovação e tectônica na concepção de grandes coberturas na Arquitetura Contemporânea

Miralles afirma que a forma, o projeto “não nasce amplo desenvolvimento tecnológico sofrido
de um gesto, mas de muito trabalho, e uma ex- nos últimos 30 anos, o uso de modelos físicos
tensa pesquisa que olha para o passado e mira continua sendo uma ferrameta importante no
no futuro”. (TAGLIABUE, 2005) processo de projeto, em especial nas soluções
estruturais e na criatividade. A tenso-estrutura
Nas duas laterais do mercado, a cobertura é possibilita uma cobertura leve e ousada. O pro-
levemente inclinada e interceptada por partes jeto do Sony Center de Helmut Jhan, representa
pertencentes ao antigo mercado. Na figura 9 A um marco referencial no local, sendo hoje um
podem ser observadas as tesouras em madeira dos locais mais visitados de Berlim.
do antigo mercado e na 9 B as ruínas do antigo
monastério. O conceito tectônico aplicado ao restauro do
Mercado Santa Caterine demostra a conside-
Consideraçoes Finais ração do arquiteto com cultura local e as tra-
dições, a cobertura se destaca e se mimetiza
As duas obras apresentadas acima e os con- ao local, como uma “quinta fachada”. O ar-
ceitos discutidos por arquitetos renomados quiteto Enric Miralles consegue através deste
demonstram diferentes formas de aplicar os projeto fazer uma referência aos projetos de
conceitos tectônicos no processo de projeto, Gaudí mas com elementos contemporâneos,
com resultados plásticos diferentes, em fun- na forma da cobertura curva, nos pilares tu-
ção da tecnologia aplicada. Os projetos são bulares.
reconhecidos internacionalmente, pois a co-
bertura propicia um espaco dinâmico onde as Cada um dos arquitetos através de seus projetos
Figura 9. A) Estrutura de tesouras preservadas do antigo Mer- pessoas interagem entre si, permitindo aos demosntra o conhecimento do conceito tectôni-
cado B) ruínas do monastério. Fonte: dos Autores.
usuários fazer a leitura da estrutura, sentin- co dos materiais, mas cada projeto tem condi-
do a arte, a poesia que o espaço e o edifício cionantes diferentes. No Sony Center o projeto
manifestam. representa um simbolo da inovação tecnológica.
No Mercado Santa Caterine o projeto representa
A busca de Frei Otto por soluções projetuais um marco arquitetônico, reforçando a materiali-
mais leves contribui com as metodologias de dade e a cultura local.
projeto, com o desenvolvimento de novos sis-
temas estruturais, no denvolvimento de novos
materiais, até mesmo no desenvolvimento de
novos programas computacionais. Apesar do

usjt • arq.urb • número 8 | segundo semestre de 2012 109


Célia Regina Moretti Meirelles e Sunao Kishi | Inovação e tectônica na concepção de grandes coberturas na Arquitetura Contemporânea

Referências Bibliográficas EURO-INOX. Sony Center in Berlin. Berlim: EU-


RO-INOX, 2003.
ADDIS, BILL. 3000 Anos de Projeto Engenharia e
Construção. Porto Alegre: Editora Bookman, 2009. FRAMPTON, Kenneth. Studies in Tectonic Cul-
ture: The Poetics of Construction in Nineteenth
AMARAL, Izabel; CUPHIN, Jean Pierre. “Quase and Twentieth Century Architecture. MIT Press:
tudo que você queria Saber sobre tectônica, mas Cambridge, 2001.
tinha vergonha de perguntar”. Revista do pro-
grama de Pós FAU-USP, São Paulo, v.16, N.26, INSTITUTO TOMIE OHTAKE. Catálogo da ex-
dezembro, 2009. Disponível em <http://www. posição Gaudí: A procura da forma. São Paulo:
revistasusp.sibi.usp.br/pdf/posfau/n26/10.pdf> Instituto Tomie Ohtake, 2004.
acesso em 10.jun.2012.
LOKILECH. “Autor da Imagem do Sony Center
CLARKE, R; DANZIGER, B.; SCHULTE, R. “ Forum am Potzdamer PLatz in Berlin. Creative com-
Roof, Sony Center, Berlin: Innovation Beyond form mons”. Disponível em <http://www.commons.
follows force”. The ARUP journal, Berlin, n. 2, 2000. wikimedia.org/wiki/ifile_berlin1.jpg/>

CHILTON, J. Heinz Isler. The Engineer’s Con- MASSAD, Fredy; GUERRERO YESTE, Alicia.
tribution to Contemporary Architecture. London: “Enric Miralles. La inconclusa Arquitectura del
Thomas Telford Publishing, 2000. Sentimiento”. Arquitextos 04.048, maio. 2004.
Disponível em http://www.vitruvius.com.br/revis-
BAIXAS, Ignacio Juan. Forma Resistente. San- tas/read/arquitextos/04.048/581/pt Acesso em
tiago do Chile: Ediciones ARQ, 2005. 15/05/2012.

CAPPELLATO, Gabriele; GUAZZANIGA, Luca. RIVAS, José Velasco. “La cubierta del Mercat de
Esperienze di Architettura: Generazioni a Con- Santa Caterina en Barcelona 1997-2005”. In: Re-
fronto. Mendrisio: SKIRA, 1995. vista de Obras Publicas nº 3456, Barcelona, junio,
2005.
EMBT Arquitectos. Mercado de Santa Cateri-
na. Revista Arquitectura Viva, Obras y Proyec- TAGLIABUE, BENEDETTA. “Notas Del es-
tos, Barcelona, 2010, pp. 56-63. Disponível em tudio EMBT desde 1995”. In: Enric Miralles
<http://www.scielo.cl/pdf/arq/n58/art18.pdf> 1983 a 2000. Revista El Croquis, Barcelona:
acesso em 15/09/2012. 304950+72+100/10, 2005. p. 20.

usjt • arq.urb • número 8 | segundo semestre de 2012 110


Célia Regina Moretti Meirelles e Sunao Kishi | Inovação e tectônica na concepção de grandes coberturas na Arquitetura Contemporânea

TECHNET. Disponível em <http://www.tech- ZUMTHOR, Peter Zumthor. Pensar a Arquitetu-


net-gmbh.de/index. php?Id=41> acesso em ra. Barcelona: Gustavo Gilli, 2006.
13/08/2012.

usjt • arq.urb • número 8 | segundo semestre de 2012 111

Centres d'intérêt liés