Vous êtes sur la page 1sur 64

Saúde do Idoso

SEST – Serviço Social do Transporte


SENAT – Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte

Curso on-line – Saúde do Idoso – Brasília:


Sest/Senat, 2016.

64 p. : il. – (EaD)

1. Saúde do Idoso. 2. Geriatria. I. Serviço


Social do Transporte. II. Serviço Nacional de
Aprendizagem do Transporte. III. Título.

CDU 613.98

Fale Conosco
0800 728 2891

ead.sestsenat.org.br
Sumário
Apresentação 5

Unidade 1 | O Que É Ter Saúde? 7

1. O Que É Ter Saúde? 8

Glossário 9

Atividades 10

Referências 11

Unidade 2 | Estatuto do Idoso 12

1. Estatuto do Idoso 13

Glossário 15

Atividades 16

Referência 17

Unidade 3 | Alimentação do Idoso 18

1. Alimentação do Idoso 19

Glossário 21

Atividades 22

Referências 23

Unidade 4 | Prevenção de Quedas 24

1. Prevenção de Quedas 25

Glossário 28

Atividades 29

Referências 30

Unidade 5 | A Capacidade Funcional 31

1. Capacidade Funcional 32

Glossário 34

Atividades 35

3
Referências 36

Unidade 6 | Sexualidade na Terceira Idade 37

1. Sexualidade na Terceira Idade 38

Glossário 41

Atividades 42

Referências 43

Unidade 7 | Acompanhamento Médico 44

1. Acompanhamento Médico 45

Glossário 47

Atividades 48

Referências 49

Unidade 8 | Adaptação do Domicílio do Idoso 50

1. Adaptação do Domicílio do Idoso 51

Glossário 53

Atividades 54

Referências 55

Unidade 9 | O Cuidador de Idoso 56

1. O Cuidador de Idoso 57

Glossário 60

Atividades 61

Referências 62

Gabarito 63

4
Apresentação

Prezado(a) aluno(a),

Seja bem-vindo(a) ao curso Saúde da Criança!

Neste curso, você encontrará conceitos, situações extraídas do cotidiano e, ao final de


cada unidade, atividades para a fixação do conteúdo. No decorrer dos seus estudos,
você verá ícones que tem a finalidade de orientar seus estudos, estruturar o texto e
ajudar na compreensão do conteúdo.

O curso possui carga horária total de 10h e foi organizado em 9 unidades, conforme a
tabela a seguir.

Unidades Carga Horária

1 - O Que é Saúde da Criança 1 hora

2 - Gestação Saudável 1 hora

3 - Aleitamento Materno 1 hora

4 - Alimentação Infantil 1 hora

5 - Crescimento e Desenvolvimento 1 hora

6 - Doenças Infantis – Causas,


2 horas
Sintomas e Tratamentos

7 - Vacinas 1 hora

8 - Lazer e Estudo na Infância 1 hora

9 - Relação Familiar 1 hora

5
Fique atento! Para concluir o curso, você precisa:

a) navegar por todos os conteúdos e realizar todas as atividades previstas nas


“Aulas Interativas”;

b) responder à “Avaliação final” e obter nota mínima igual ou superior a 60;

c) responder à “Avaliação de Reação”; e

d) acessar o “Ambiente do Aluno” e emitir o seu certificado.

Este curso é autoinstrucional, ou seja, sem acompanhamento de tutor. Em caso de


dúvidas, entre em contato por e-mail no endereço eletrônico suporteead@sestsenat.
org

6
UNIDADE 1 | O QUE É TER
SAÚDE?

7
1. O Que É Ter Saúde?

Segundo a Organização Mundial de Saúde


(OMS), “saúde é um estado de completo
bem-estar físico, mental e social, e não
consiste apenas na ausência de doença
ou de enfermidade” (OMS, 1946).

Ter saúde envolve diversos aspectos


da vida, como a relação com o meio
ambiente, o lazer, a alimentação e as
condições de trabalho, moradia e renda.

ee
A pessoa com idade igual ou superior a 60 anos é considerada
idosa.

Quando se trata do idoso, a OMS, em seu “Relatório mundial de envelhecimento e


saúde”, diz que o envelhecimento saudável é mais que apenas a ausência de doenças.
Para a maioria dos idosos (ou adultos maiores, como aparece no documento), a
manutenção da habilidade funcional é mais importante que a ausência de doenças e,
embora a maior parte dos idosos apresente múltiplos problemas de saúde ao longo da
velhice, a idade avançada não implica dependência e incapacidade.

A OMS recomenda um enfoque social para abordar o envelhecimento da população


e propõe como meta a construção de um mundo favorável aos idosos. Isso requer
uma transformação dos sistemas de saúde, com a substituição dos modelos curativos
(focados na cura das doenças) por uma conduta de atenção integrada e centrada nas
necessidades dos adultos maiores. Resumindo: uma série de atitudes e ações para
ajudar a prevenir problemas e proporcionar um envelhecimento saudável e seguro a
toda a população.

8
Agora é com você!

Se você tem idosos na família, dedique um momento de sua semana para


observá-los e conversar com eles (se não tem, procure parentes idosos de
seus amigos). Quais são as principais queixas dos idosos? Do que eles mais
sentem falta? A partir do que eles relatarem, pense no seu próprio processo
de envelhecimento. Como você pode se preparar melhor para ele?

Você acaba de concluir o conteúdo desta unidade. Agora, você pode


prosseguir para testar o que já aprendeu até este momento e, na
sequência, avançar em seus estudos até finalizar os tópicos deste curso.
Mãos à obra!

Glossário

Habilidade funcional: habilidade ou capacidade que permite à pessoa ter autonomia


e independência para realizar determinadas tarefas.

9
Atividades

1) Assinale a alternativa correta.

dd Conforme visto na unidade, ter saúde envolve diversos aspectos


da vida. Dentre eles, pode-se apontar:

a. ( ) Equilíbrio entre a relação com o meio ambiente, o lazer, a


alimentação e as condições de trabalho, moradia e renda.

b. ( ) Trabalhar pouco e se divertir muito.

c. ( ) A prática de atividade física como ponto mais


importante.

d. ( ) O equilíbrio mental e emocional como ponto mais


importante.

2) Assinale a alternativa correta.

Para ser considerada idosa, a pessoa tem de ter:

a. ( ) Idade igual a 60 anos

b. ( ) Idade igual a 65 anos

c. ( ) Idade superior a 65 anos

d. ( ) Idade igual ou superior a 60 anos

10
Referências

BRASIL. SEDH. Secretaria Especial de Direitos Humanos. Guia da Pessoa Idosa.


Disponível em: <http://www.sdh.gov.br/assuntos/pessoa-idosa>. Acesso em: 30 set.
2016. Brasília: SEDH, 2010.

________. Ministério da Saúde. Cartilha do Idoso. Secretaria de Atenção à Saúde.


Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Área Técnica de Saúde do Idoso.
Brasília, 2006. Disponível em: <http://tinyurl.com/het4wha>. Acesso em: 30 set. 2016.

_______. Lei n° 10.741, de 1 de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e


dá outras providências. Brasília, 2003. Disponível em: <www.planalto.gov.br/ccivil_03/
leis/2003/L10.741.htm>. Acesso em: 30 set. 2016.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Brasil. Disponível em: <www.who.int/


eportuguese/countries/bra/pt/>. Acesso em: 30 set. 2016.

11
UNIDADE 2 | ESTATUTO DO
IDOSO

12
1. Estatuto do Idoso

No dia 1º de outubro de 2003, foi promulgada


a Lei no 10.741, conhecida como Estatuto
do Idoso. Ela propõe que o envelhecimento
seja um direito de todo indivíduo, que sua
proteção seja um direito social. A lei também
regula os direitos assegurados às pessoas
com idade igual ou superior a 60 anos.

“O idoso goza de todos os direitos fundamentais inerentes à


pessoa humana, sem prejuízo da proteção integral de que trata
esta Lei, assegurando-se-lhe, por lei ou por outros meios, todas as
oportunidades e facilidades, para preservação de sua saúde física
e mental e seu aperfeiçoamento moral, intelectual, espiritual e
social, em condições de liberdade e dignidade.” (Lei nº 10.741,
artigo 2º)

A família, a comunidade, a sociedade e o poder público têm a obrigação de garantir ao


idoso, com absoluta prioridade, tudo o que for necessário para lhe assegurar o direito
à vida, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, ao esporte, ao lazer, ao trabalho,
à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária.

“É dever de todos zelar pela dignidade do idoso, colocando-o a


salvo de qualquer tratamento desumano, violento, aterrorizante,
vexatório ou constrangedor.” (Lei nº 10.741, artigo 10º, § 3º)

Para que seus direitos sejam respeitados e cumpridos, os idosos têm prioridade, ou
seja, têm direito a atendimento preferencial:

• em órgãos públicos e privados que prestam serviços à população;

• na formulação e na execução de políticas sociais públicas específicas;

• na destinação de recursos públicos nas áreas relacionadas com a proteção ao


idoso, entre outros.

13
A lei também estipula que os idosos devem ser prioritariamente atendidos e cuidados
por sua própria família (para evitar o abandono). Claro que há os que não possuem
parentes e aqueles que necessitam de cuidados especiais difíceis de serem realizados
em casa. Nesses casos, a lei também prevê o atendimento por instituições asilares
(conhecidas como asilos ou casas de longa permanência).

Essa legislação também aborda a questão da violência contra os idosos, as formas de


combate e a punição aos agressores.

“Nenhum idoso será objeto de qualquer tipo de negligência,


discriminação, violência, crueldade ou opressão, e todo atentado
aos seus direitos, por ação ou omissão, será punido na forma da
lei. É dever de todos prevenir a ameaça ou violação aos direitos do
idoso.” (Lei nº 10.741, artigo 4º, § 1º)

A prestação de serviços a idosos em diferentes áreas também é regulamentada pela


lei e a saúde é uma delas.

Agora é com você!

Acesse o Estatuto do idoso no link abaixo e veja o capítulo IV (Do direito à


saúde), que vai do artigo 15 até o 18.

Leia esse capítulo e reflita, com base na realidade que você vê em seu bairro
e cidade:

Os direitos do idoso, como o acesso a medicamentos de uso contínuo


gratuitos, atendimento preferencial em hospitais e postos de saúde,
agendamento de exames, cirurgias, entre outros – estão sendo respeitados
e cumpridos?

Estatuto do idoso:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.741.htm

14
Muito bem, você concluiu o conteúdo desta unidade. Agora, você está
apto para testar seus conhecimentos na bateria de questões. Ao finalizar
esta etapa, prossiga em seus estudos.

Glossário

Inerente: que está ligado à pessoa.

Promulgada: aprovada.

15
Atividades

1) Assinale a alternativa correta.

dd Os idosos têm direito a atendimento prioritário e preferencial...

a. ( ) apenas em órgãos públicos.

b. ( ) apenas em bancos e supermercados.

c. ( ) em empresas privadas que prestam serviço à população.

d. ( ) em órgãos públicos e privados que prestam serviços à


população.

2) Assinale a alternativa correta.

De acordo com o que foi visto na unidade, o que propõe a Lei


10.740?

a. ( ) Ela estabelece as formas de punição a quem desrespeitar


os idosos.

b. ( ) Ela regulamenta os pagamentos de pensão e de


indenização aos idosos.

c. ( ) Ela propõe formas de atender os idosos e estipula que


recursos públicos devem ser destinados a eles.

d. ( ) Ela regula os direitos das pessoas com 60 anos ou mais,


propõe que o envelhecimento seja um direito de todo indivíduo
e que sua proteção seja um direito social.

16
Referência

BRASIL. SEDH. Secretaria Especial de Direitos Humanos. Guia da Pessoa Idosa.


Disponível em: <http://www.sdh.gov.br/assuntos/pessoa-idosa>. Acesso em: 30 set.
2016. Brasília: SEDH, 2010.

________. Ministério da Saúde. Cartilha do Idoso. Secretaria de Atenção à Saúde.


Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Área Técnica de Saúde do Idoso.
Brasília, 2006. Disponível em: <http://tinyurl.com/het4wha>. Acesso em: 30 set. 2016.

_______. Lei n° 10.741, de 1 de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e


dá outras providências. Brasília, 2003. Disponível em: <www.planalto.gov.br/ccivil_03/
leis/2003/L10.741.htm>. Acesso em: 30 set. 2016.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Brasil. Disponível em: <www.who.int/


eportuguese/countries/bra/pt/>. Acesso em: 30 set. 2016.

17
UNIDADE 3 | ALIMENTAÇÃO DO
IDOSO

18
1. Alimentação do Idoso

Durante o envelhecimento, ocorrem


várias mudanças no corpo. Isso implica,
também, alterações na forma como
o organismo processa os alimentos
e absorve os nutrientes. Por isso, a
atenção com uma alimentação saudável
e equilibrada faz parte dos cuidados com
a saúde do idoso, sendo um dos fatores
que contribuem para uma boa qualidade
de vida.

O Guia Alimentar para a População Brasileira prevê que uma

ee
alimentação saudável deve ser acessível dos pontos de vista
físico e financeiro, além de variada, referenciada pela cultura
alimentar, harmônica em quantidade e qualidade, naturalmente
colorida e sanitariamente segura. (Alimentação saudável para a
pessoa idosa, p. 5)

É preciso levar em conta que alguns idosos apresentam dificuldades no processo de


mastigação e deglutição, o que pode torná-los mais suscetíveis a algumas complicações
durante as refeições, como engasgos e asfixia. Daí a necessidade de alguns cuidados
extras no preparo dos pratos, como cortar em pedaços bem pequenos ou picar, moer,
triturar ou ralar alimentos que podem oferecer algum risco de engasgo.

Ao preparar as refeições, algumas medidas especiais são necessárias para atender aos
princípios de uma alimentação saudável:

• Dar preferência a alimentos menos gordurosos, optar por leite e derivados com
menor teor de gordura, remover as gorduras visíveis das carnes e usar óleos
vegetais para cozinhar os alimentos;

• Não abusar da adição de açúcar, sal e pimenta, nem do uso de enlatados,


embutidos e doces;

19
• Variar os alimentos que compõem o cardápio, incluindo alimentos regionais e de
safra, e a forma de prepará-los (cozinhar, assar e grelhar, usar diferentes cortes
para frutas, legumes, verduras e carnes). É importante também não acrescentar
muita água ao cozimento e evitar que os alimentos permaneçam cozinhando por
muito tempo, o que poderia levar à perda de nutrientes;

• Incentivar preparações com cereais integrais ou o uso de produtos feitos com


farinha integral (pães, bolos, etc.). Outros alimentos ricos em fibras (frutas,
legumes e verduras) devem ser utilizados no cardápio;

• Utilizar receitas que favoreçam o consumo de frutas, legumes e verduras,


combinando esses itens, por exemplo, nas saladas;

• Planejar as refeições do dia de modo a favorecer o fornecimento adequado de


nutrientes ao corpo, manter o peso saudável, por meio de uma alimentação
acessível e segura. O nutricionista pode auxiliar neste planejamento.

São recomendadas três refeições diárias – café da manhã, almoço e jantar, intercaladas
com dois ou três lanches – um pela manhã (entre o desjejum e o almoço), um à tarde
(entre o almoço e o jantar) e um à noite, bem leve (conhecido como ceia).

Distribuir as refeições dessa maneira estimula o funcionamento do intestino e ajuda a


evitar que o idoso coma besteiras e coma fora de hora.

É importante que os horários das refeições sejam regulares e não variem muito, para
que o organismo do idoso possa se adaptar, uma vez que sua digestão tende a ser mais
lenta.

É importante orientar a pessoa idosa a comer devagar, mastigando bem os alimentos.

A digestão inicia na boca. Mastigar adequadamente os alimentos

ee
estimula a produção de saliva e mantém os alimentos em
contato com a superfície da língua por mais tempo, favorecendo
a percepção do sabor. Facilita tanto a digestão mecânica, feita
pelos dentes ou pela prótese dentária, como a enzimática, pelo
contato e atuação da saliva nos alimentos. A mastigação
adequada também contribui para diminuir a sensação de fome,
no caso de pessoas idosas que precisam reduzir a quantidade de
alimentos ingeridos (Alimentação saudável para a pessoa idosa,
p. 19).

20
Agora é com você!

Existem dez passos para uma alimentação saudável voltada para pessoas
idosas (e para pessoas não idosas também!). Clique no link abaixo, vá até a
página 25 e veja quais são eles.

Alimentação saudável para a pessoa idosa.

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/alimentacao_saudavel_idosa_
profissionais_saude.pdf

Ótimo, você acaba de finalizar sua unidade e está apto a testar seus
conhecimentos nas questões referentes a ela. Prossiga em seus estudos
para concluir o restante de seu curso.

Glossário

Asfixia: sufocamento.

Deglutição: ato de engolir.

Desjejum: café da manhã.

Embutidos: alimentos que são produzidos ao encher tripas de animais ou sintéticas


com diversos tipos de recheio.

Mastigação: ato de mastigar.

Referenciada: ter referência, ter ligação.

Suscetível: sensível, mais predisposto a algo.

21
Atividades

1) Assinale a alternativa correta.

dd Conforme o Guia alimentar para a população brasileira, uma


alimentação saudável deve ser...

a. ( ) acessível, colorida, em quantidade reduzida, de boa


qualidade e sanitária.

b. ( ) acessível, artificialmente colorida, em grande quantidade,


de boa qualidade e cara.

c. ( ) acessível, naturalmente colorida, em grande quantidade,


de boa qualidade e sanitária.

d. ( ) acessível, variada, naturalmente colorida, em quantidade


adequada, de boa qualidade e sanitariamente segura.

2) Assinale a alternativa correta.

Por que é importante manter horários regulares para as


refeições dos idosos?

a. ( ) Para que o idoso possa programar suas idas ao banheiro,


uma vez que seu organismo é mais lento.

b. ( ) Para que o organismo do idoso possa se adaptar, uma vez


que sua digestão tende a ser mais lenta.

c. ( ) Para que o organismo do idoso possa se adaptar, uma vez


que sua digestão é mais rápida.

d. ( ) Para que o idoso possa programar sua rotina, uma vez


que ele mastiga mais devagar.

22
Referências

BRASIL. SEDH. Secretaria Especial de Direitos Humanos. Guia da Pessoa Idosa.


Disponível em: <http://www.sdh.gov.br/assuntos/pessoa-idosa>. Acesso em: 30 set.
2016. Brasília: SEDH, 2010.

________. Ministério da Saúde. Cartilha do Idoso. Secretaria de Atenção à Saúde.


Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Área Técnica de Saúde do Idoso.
Brasília, 2006. Disponível em: <http://tinyurl.com/het4wha>. Acesso em: 30 set. 2016.

_______. Lei n° 10.741, de 1 de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e


dá outras providências. Brasília, 2003. Disponível em: <www.planalto.gov.br/ccivil_03/
leis/2003/L10.741.htm>. Acesso em: 30 set. 2016.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Brasil. Disponível em: <www.who.int/


eportuguese/countries/bra/pt/>. Acesso em: 39 set. 2016.

SMASAN. Secretaria Municipal Adjunta de Segurança Alimentar e Nutricional.


Alimentação Saudável. Belo Horizonte: SMASAN, 2011.

23
UNIDADE 4 | PREVENÇÃO DE
QUEDAS

24
1. Prevenção de Quedas

As quedas representam os principais acidentes entre


os idosos. São causadas pela perda da acuidade
visual e pela instabilidade postural, comuns à
idade.

Segundo a Sociedade Brasileira de Ortopedia e


Traumatologia, um em cada quatro idosos cai dentro
de casa ao menos uma vez ao ano, e 34% dessas
quedas provocam fraturas.

A fratura de colo de fêmur é a principal causa de hospitalização por queda, e a mais


grave e preocupante, pois cerca de metade dos idosos que sofrem esse tipo de fratura
falece dentro de um ano. A outra metade, que sobrevive à queda, fica dependente de
outras pessoas, o que aumenta os custos da atenção à saúde e geralmente faz com que
um familiar do idoso tenha de parar de trabalhar para cuidar dele.

De acordo com o Manual de prevenção de quedas da pessoa idosa, o risco de quedas


aumenta com a idade, podendo chegar a 51% em idosos acima de 85 anos. A frequência
de quedas é maior em mulheres, e 40% das quedas em idosas com mais de 75 anos
resultam em fraturas. Entre os homens da mesma idade, esse percentual cai para 28%.

Quais São os Fatores de Risco?

Existem fatores que predispõem o idoso a quedas, como os relacionados às alterações


fisiológicas naturais do processo de envelhecimento, o uso de medicamentos e
algumas doenças. São os fatores intrínsecos.

25
Figura1: Motivos de Quedas de Idosos

Fatores Intrínsecos das Quedas em Idosos


Alterações Fisiológicas do Doenças que Predispõem à Queda
Envelhecimento
Diminuição da visão Doenças cardíacas

Diminuição da audição Doenças pulmonares

Sedentarismo Doenças neurológicas (derrame cerebral,


demência, doença de Parkinson, Mal de
Distúrbios musculoesqueléticos Alzheimer)
(fraqueza muscular e degenerações
articulares) Doenças geniturinárias

Alterações na postura Osteoporose

Alteração de equilíbrio e locomoção Artrose

Deformidades nos pés Labirintite

Fonte: Manual de prevenção de quedas da pessoa idosa, p. 5.

Existem também os fatores relacionados aos ambientes em que o idoso vive e interage:
sua casa, locais públicos, transporte coletivo, entre outros (falta de iluminação, piso
irregular, calçamento defeituoso, buracos, etc.). São os fatores extrínsecos.

A maioria das quedas de idosos (70% delas) ocorre dentro de casa. Com medidas
simples, é possível tornar o ambiente mais seguro.

Dicas para manter o ambiente seguro contra tropeções e quedas

• Dê preferência a tapetes emborrachados e antiderrapantes.

• Evite fios ou extensões elétricas que cruzem o caminho de passagem e


não deixe objetos espalhados pelo chão, para evitar tropeções.

• Evite sofás e poltronas sem braços. Prefira sofás mais altos e firmes e
poltronas com braço.

26
• Mantenha os ambientes bem iluminados.

• Evite os boxes de vidro nos banheiros e instale barras de apoio nas


paredes.

• Prefira vasos sanitários mais altos e barras de apoio laterais e paralelas ao


vaso. Além de facilitarem o uso, ajudam a evitar quedas.

• Evite armários muito altos, que necessitem de bancos ou escadas para


alcançar os objetos.

Fontes: Cartilha do idoso e Manual de prevenção de quedas da pessoa idosa.

Agora é com você!

A prevenção de quedas é tão importante quanto outras medidas para a


saúde do idoso. Veja os quadrinhos bem-humorados do Manual de
prevenção de quedas da pessoa idosa, da página 7 a 19, e verifique se a sua
casa seria um local seguro contra quedas.

Como prevenir quedas.

http://www.exerciciodorespeito.com.br/files/ManualQuedasPessoaIdosa.
pdf?p=9

Você acaba de concluir o conteúdo desta unidade. Agora, você pode


prosseguir para testar o que já aprendeu até este momento de seu curso
e, na sequência, avançar em seus estudos até finalizar os tópicos deste
curso. Mãos à obra!

27
Glossário

Acuidade visual: grau de aptidão do olho, capacidade de perceber a forma e o contorno


dos objetos.

Doenças geniturinárias: relacionadas aos sistemas genital e urinário.

Extrínseco: que não pertence à essência de uma pessoa ou coisa.

Fisiológico: relativo à fisiologia, às funções orgânicas.

Instabilidade postural: instabilidade na postura, falta de equilíbrio.

Intrínseco: que está dentro de uma pessoa ou coisa, que lhe é próprio.

28
Atividades

1) Assinale a alternativa correta.

dd Segundo a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia,


uma parte dos idosos que cai em casa sofre fraturas e fica
hospitalizado. O que mais acontece com esses idosos?

a. ( ) Recuperam-se da queda e voltam às atividades de antes


sem sequela alguma.

b. ( ) Alguns sobrevivem à queda mas ficam dependentes de


parentes. Outros falecem no espaço de um ano.

c. ( ) Os que sobrevivem à queda não se recuperam bem e


ficam internados por um ano.

d. ( ) Todos falecem no intervalo de um ano.

2. Assinale a alternativa correta.

De acordo com o texto, é possível afirmar que as mulheres


idosas caem mais que os homens?

a. ( ) Sim. 51% das mulheres com mais de 75 anos caem mais


que os homens.

b. ( ) Sim. 40% das quedas com fraturas são de mulheres com


idade acima de 75 anos.

c. ( ) Não. 28% das quedas com fraturas ocorrem com homens


com idade acima de 85 anos.

d. ( ) Não. 51% das quedas com fraturas ocorrem com homens


com idade acima de 85 anos.

29
Referências

BRASIL. SEDH. Secretaria Especial de Direitos Humanos. Guia da Pessoa Idosa.


Disponível em: <http://www.sdh.gov.br/assuntos/pessoa-idosa>. Acesso em: 30 set.
2016. Brasília: SEDH, 2010.

________. Ministério da Saúde. Cartilha do Idoso. Secretaria de Atenção à Saúde.


Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Área Técnica de Saúde do Idoso.
Brasília, 2006. Disponível em: <http://tinyurl.com/het4wha>. Acesso em: 30 set. 2016.

_______. Lei n° 10.741, de 1 de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e


dá outras providências. Brasília, 2003. Disponível em: <www.planalto.gov.br/ccivil_03/
leis/2003/L10.741.htm>. Acesso em: 30 set. 2016.

_______. Decreto nº 1.948, de 3 de julho de 1996. Regulamenta a Lei n° 8.842, de 4 de


janeiro de 1994, que dispõe sobre a Política Nacional do Idoso, e dá outras providências.
Brasília, 1996. Disponível em: <www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d1948.htm>.
Acesso em: 30 set. 2016.

MORAES, E. N. (Org.). Princípios básicos de geriatria e gerontologia. Belo Horizonte:


Coopmed, 2008.

30
UNIDADE 5 | A CAPACIDADE
FUNCIONAL

31
1. Capacidade Funcional

A capacidade funcional do idoso é definida pela ausência de dificuldades no desempenho


de certos gestos e atividades da vida cotidiana e pela capacidade de tomar decisões e
atuar de forma independente.

As atividades desempenhadas pelo idoso em seu cotidiano são divididas em:

• Atividades Básicas de Vida Diária


(ABVD) – comer, tomar banho,
vestir-se, usar o vaso sanitário,
transferir-se (da cadeira para a
cama), controlar os esfíncteres.

• Atividades Instrumentais de Vida


Diária (AIVD) – preparar refeições,
fazer tarefas domésticas, lavar
roupas, manusear dinheiro, usar o
telefone, tomar medicações, fazer
compras e utilizar os meios de transporte.

• Atividades Avançadas de Vida Diária (AAVD) – dirigir carro, viajar, realizar trabalho
voluntário, participar de diretorias de clubes e associações ou atividades políticas,
entre outras.

A perda de massa muscular na velhice recebe o nome de “sarcopenia”. Essa perda é


mais expressiva nas pernas e, consequentemente, está relacionada a uma menor
atividade dos músculos e a uma perda da função muscular (= menos força, potência e
resistência). Com isso, ocorre o aumento no número de quedas, perda de mobilidade
e consequente aumento da dependência e da fragilidade nos idosos.

Há vários testes que medem o grau de CF (capacidade funcional) dos idosos, entre
eles, testes físicos – como a caminhada, análise de marcha (o andar), levantar de uma
cadeira, subir degraus e planos inclinados, entre outros.

A prática regular de exercícios físicos proporciona diversos benefícios à saúde, colabora


para manter a massa e a força muscular, melhora o equilíbrio, contribui para a redução
e o controle de diversas taxas no organismo e, com tudo isso, promove a melhoria

32
da qualidade de vida e da independência funcional do idoso. As principais atividades
recomendadas para idosos são os exercícios aeróbicos, de força e resistência muscular,
flexibilidade e equilíbrio.

Os principais benefícios de um comportamento ativo do idoso

ee
podem ser classificados, basicamente, nas esferas biológica,
psicológica e social, destacando-se, entre esses benefícios:

a) aumento/manutenção da capacidade aeróbia;

b) aumento/manutenção da massa muscular;

c) redução da taxa de mortalidade total;

d) prevenção de doenças coronarianas;

e) melhora do perfil lipídico;

f) modificação da composição corporal em função da redução da


massa gorda e risco de sarcopenia;

g) prevenção/controle da diabete tipo II e hipertensão arterial;

h) redução da ocorrência de acidente vascular cerebral;

i) prevenção primária do câncer de mama e cólon;

j) redução da ocorrência de demência; 

k) melhora da autoestima e da autoconfiança;

l) diminuição da ansiedade e do estresse;

m) melhora do estado de humor e da qualidade de vida.

(MACIEL. Marcos Gonçalves. Atividade física e funcionalidade do idoso)

33
Agora é com você!

A prática de exercícios é recomendada e benéfica para os idosos, mas é


preciso o acompanhamento e a orientação de profissionais para evitar
lesões. Recomenda-se começar um programa de atividades físicas de baixo
impacto e intensidade, de fácil realização e de curta duração, uma vez que
a pessoa idosa pode não ter condicionamento físico e ter limitações.

Veja, no link abaixo, alguns exercícios que ajudam na capacidade funcional


do idoso:

http://vivomaissaudavel.com.br/atividade-fisica/terceira-idade/veja-6-
exercicios-que-ajudam-na-capacidade-funcional-do-idoso/

Ótimo, você acaba de finalizar sua unidade e está apto a testar seus
conhecimentos nas questões referentes a ela. Prossiga em seus estudos
para concluir o restante de seu curso.

Glossário

Aeróbio: que é capaz de utilizar o oxigênio em seu metabolismo.

Doença coronariana: relacionada às artérias coronárias.

Esfíncteres: músculos responsáveis pelo controle da abertura de orifícios naturais do


organismo, como boca e ânus, por exemplo.

Mobilidade: capacidade de se movimentar.

Perfil lipídico: dosagem das taxas de gorduras no sangue.

34
Atividades

1) Assinale a alternativa correta.

dd De acordo com a unidade, a alternativa que melhor define o que


é capacidade funcional do idoso é:

a. ( ) A ausência de dificuldades para desempenhar atividades


complexas e a capacidade de tomar decisões e atuar de forma
independente.

b. ( ) A ausência de dificuldades no desempenho de atividades


diárias e a capacidade de tomar decisões e atuar de forma
independente.

c. ( ) A ausência de dificuldades no desempenho de qualquer


atividade e a capacidade de tomar decisões que envolvam
complexidade.

d. ( ) A ausência de dificuldades no desempenho de atividades


profissionais e a capacidade de tomar decisões, atuando de
forma independente.

2. Assinale a alternativa correta.

Atividades avançadas de vida diária são:

a. ( ) Preparar refeições, fazer tarefas domésticas, lavar roupas,


manusear dinheiro, usar o telefone, tomar medicações, fazer
compras e utilizar os meios de transporte.

b. ( ) Comer, tomar banho, vestir-se, usar o vaso sanitário,


transferir-se da cadeira para a cama, controlar os esfíncteres.

c. ( ) Preparar refeições, comer, tomar banho, usar o telefone,


tomar medicamentos, fazer tarefas domésticas, manusear
dinheiro.

d. ( ) Dirigir carro, viajar, realizar trabalho voluntário, participar


de diretoria de clubes e associações ou atividades políticas.

35
Referências

BRASIL. SEDH. Secretaria Especial de Direitos Humanos. Guia da Pessoa Idosa.


Disponível em: <http://www.sdh.gov.br/assuntos/pessoa-idosa>. Acesso em: 30 set.
2016. Brasília: SEDH, 2010.

_______. Ministério da Saúde. Cartilha do Idoso. Secretaria de Atenção à Saúde.


Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Área Técnica de Saúde do Idoso.
Brasília, 2006. Disponível em: <http://tinyurl.com/het4wha>. Acesso em: 30 set. 2016.

_______. Lei n° 10.741, de 1 de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e


dá outras providências. Brasília, 2003. Disponível em: <www.planalto.gov.br/ccivil_03/
leis/2003/L10.741.htm>. Acesso em: 30 set. 2016.

MORAES, E. N. (Org.). Princípios básicos de geriatria e gerontologia. Belo Horizonte:


Coopmed, 2008.

36
UNIDADE 6 | SEXUALIDADE NA
TERCEIRA IDADE

37
1. Sexualidade na Terceira Idade

Na década de 1960, o ginecologista


William Howell Masters e a psicóloga
Virginia Eshelman Johnson (mais
conhecidos como Masters & Johnson)
revolucionaram o campo da sexologia
com uma pesquisa sobre a conduta
sexual humana. Foi a primeira vez que um
estudo dessa magnitude foi apresentado,
envolvendo homens e mulheres de
diferentes idades, entre eles, os idosos.

A pesquisa derrubou tabus e mitos e influenciou a forma de tratamento de vários


problemas relacionados ao sexo.

Essa pesquisa mostrou, entre outras coisas, que o processo de envelhecimento


ocasiona mudanças na atividade sexual dos idosos. As mulheres, por exemplo, sentem
mudanças mais intensas quando entram na menopausa, período em que ocorrem
alterações fisiológicas importantes no organismo. A lubrificação vaginal diminui e a
própria forma da vagina também pode se modificar, ficando mais estreita e curta, o
que não impede, no entanto, a penetração. O revestimento vaginal afina, tornando-
se mais irritável, o que pode provocar rachaduras e sangramento. Ocorre também
uma atrofia lenta e gradual do períneo e um enfraquecimento de sua musculatura.
A bexiga e a uretra também têm um afinamento de parede, reduzindo sua proteção e
causando irritação. Uma coisa, porém, ficou clara no relatório: a menopausa marca o
fim do período reprodutivo da mulher, mas não o fim de sua vida sexual.

Aliado a isso, nos últimos anos, o uso de medicamentos para reposição hormonal vem
prolongando a disposição de mulheres idosas para o sexo.

“A idade não dessexualiza o ser humano. Assim, não há limite de


idade para se conservar uma atividade sexual, ainda que ocorram
mudanças fisiológicas. A sexualidade é uma forma de expressar
carinho e afeto, sentimentos que não têm idade. Os desejos
podem se modificar, mas não terminam.” (ABC da saúde – Sexo na
terceira idade)

38
Para os homens, o relatório apontou que, a partir dos 40 anos, ocorre uma diminuição
lenta e gradual da produção de espermatozoides e de testosterona. A produção de
dopamina também é reduzida, enquanto ocorre o aumento da prolactina, o que pode
reduzir o desejo sexual. Nesse período, alguns homens podem ter crises com sintomas
de depressão e irritabilidade. A ereção é afetada, tornando-se menos rígida e mais
lenta, e o volume ejaculado também diminui. No entanto, muitos homens relataram
que a ejaculação se tornou menos importante, conseguindo prolongar o ato e obtendo,
assim, mais prazer para si e para as parceiras. Após a ejaculação, a queda da ereção é
mais rápida e o tempo do período refratário é maior.

Nos anos 1990, o lançamento de um medicamento que combate a impotência sexual


masculina, o Viagra, significou, para muitos idosos, a retomada da virilidade. Se por
um lado era possível repetir as performances sexuais da juventude, por outro lado
eles também acabaram repetindo muitos dos problemas daquela fase, como o sexo
inseguro e promiscuidade (sem uso de camisinha, com várias parceiras que não eram
suas esposas).

Doenças Sexualmente Transmissíveis na Terceira Idade

Segundo o Programa Nacional de DST e Aids do Ministério da Saúde, nos últimos


dez anos, a incidência de Aids na população brasileira com mais de 60 anos teve um
aumento de 50%.

No mundo, a incidência de sífilis, gonorreia e clamídia dobrou entre pessoas com mais
de 50 anos na última década.

Segundo estudiosos, isso ocorre por conta do aumento do apetite sexual na terceira
idade (devido à sua longevidade e saúde), aliado à falta de informação e prevenção.
Eles apontam que é necessário promover campanhas que conscientizem e alertem os
idosos para a necessidade da prática de sexo seguro.

A antropóloga Elisabeth Mercadante (PUC-SP) alerta que ainda há muitos tabus


relacionados ao sexo na terceira idade. As campanhas de prevenção às DST são
direcionadas apenas para os jovens porque a sociedade ainda tem uma visão
estereotipada dos idosos (velhinhas frágeis e velhinhos debilitados). É preciso aceitar
que os idosos são sexualmente ativos e incluir esse público nos debates e campanhas
sobre DST.

39
“O problema é que nem sempre a experiência de vida se traduz
em cautela sexual. Nesses casos, é comum o casal desprezar o
preservativo, pois não há risco de gravidez”, diz o ginecologista e
obstetra Dr. André de Paula Branco.

A exposição sexual e a ausência do preservativo são os fatores determinantes para a


contaminação com essas enfermidades. Adotar as medidas preventivas vale para todas
as idades. (Fonte: Hospital Santa Cruz)

Agora é com você!

Você conhece alguém que acredita que sexo só é possível na juventude e


que “velho não precisa de sexo”? Assista ao vídeo disponível no link a seguir,
intitulado “Amor e sexo na terceira idade” e veja o que a idosa Zélia Custódio
diz a quem pensa dessa forma.

https://www.youtube.com/watch?v=0pN02zd9c7Y

Muito bem, você concluiu o conteúdo desta unidade. Agora, você está
apto para testar seus conhecimentos na bateria de questões sobre esta
unidade de seu curso. Ao finalizar esta etapa, prossiga em seus estudos.

40
Glossário

Atrofia: diminuição de tamanho de um órgão ou tecido.

Dessexualizar: tornar assexuado, sem sexo.

Dopamina: substância produzida pelo cérebro responsável pela sensação de prazer.

Menopausa: fase em que a menstruação da mulher cessa.

Períneo: região entre o órgão genital e o ânus.

Período refratário: período em que o pênis, depois do ato sexual, permanece em


repouso antes de uma nova ereção.

Prolactina: hormônio produzido pela hipófise.

Sexologia: ciência que estuda as questões relacionadas à sexualidade.

Testosterona: hormônio sexual masculino, mas que pode ser encontrado também em
mulheres.

Virilidade: conjunto dos atributos e características físicas e sexuais próprias do homem;


masculinidade.

41
Atividades

1. Assinale a alternativa correta.

dd De acordo com o que foi visto nessa unidade, qual das frases
abaixo está correta?

a. ( ) A menopausa marca o fim do período reprodutivo da


mulher, e também o fim de sua vida sexual.

b. ( ) A menopausa marca o fim do período reprodutivo da


mulher, mas não o fim de sua vida sexual.

c. ( ) A menopausa não marca nem o fim do período reprodutivo


da mulher, nem o fim de sua vida sexual.

d. ( ) A menopausa não marca o fim do período reprodutivo da


mulher, mas marca o fim de sua vida sexual.

2. Assinale a alternativa correta.

Segundo estudiosos, entre as causas para o aumento de DSTs


entre idosos estão:

a. ( ) A melhora nas condições de saúde e a prática de sexo com


muitos parceiros.

b. ( ) O aumento do apetite sexual e a falta de informação e de


prevenção.

c. ( ) A prática de sexo com muitas parceiras que não sejam as


esposas.

d. ( ) A melhora nas condições de saúde e a falta de informação.

42
Referências

BRASIL. SEDH. Secretaria Especial de Direitos Humanos. Guia da Pessoa Idosa.


Disponível em: <http://www.sdh.gov.br/assuntos/pessoa-idosa>. Acesso em: 30 set.
2016. Brasília: SEDH, 2010.

_______. Ministério da Saúde. Cartilha do Idoso. Secretaria de Atenção à Saúde.


Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Área Técnica de Saúde do Idoso.
Brasília, 2006. Disponível em: <http://tinyurl.com/het4wha>. Acesso em: 30 set. 2016.

_______. Lei n° 10.741, de 1 de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e


dá outras providências. Brasília, 2003. Disponível em: <www.planalto.gov.br/ccivil_03/
leis/2003/L10.741.htm>. Acesso em: 30 set. 2016.

MORAES, E. N. (Org.). Princípios básicos de geriatria e gerontologia. Belo Horizonte:


Coopmed, 2008.

43
UNIDADE 7 |
ACOMPANHAMENTO MÉDICO

44
1. Acompanhamento Médico

Parte dos problemas de saúde que acometem as


pessoas tem origem genética, outra parte depende
da influência do ambiente e da exposição que o
organismo sofre, e uma terceira parte depende do
estilo de vida, ou seja, das escolhas.

O envelhecimento provoca mudanças no organismo


e maior predisposição a algumas doenças (diabetes,
doenças cardíacas, acidente vascular cerebral,
doenças respiratórias crônicas, etc.). É necessário,
portanto, cuidar da saúde, fazer atividade física,
ter uma alimentação adequada, ir regularmente ao
médico e fazer exames preventivos.

A prevenção de problemas de saúde ocorre em três níveis:

ee • Prevenção primária – é voltada para o controle e a redução


dos fatores de risco de uma doença (por exemplo: controle do
tabagismo, da obesidade, do sedentarismo, do consumo de sal
e de bebidas alcoólicas e o estímulo à prática de exercícios e de
uma alimentação saudável).

• Prevenção secundária – envolve a detecção e o tratamento


precoce da doença já instalada, e tem como objetivos obter o
controle da doença, evitar o aparecimento de complicações e
retardar a progressão do quadro clínico.

• Prevenção terciária – busca minimizar as complicações, tendo


como finalidade a reabilitação e a melhoria da qualidade de vida
do doente e a prevenção de mortes precoces.

45
As doenças infecciosas e as cardiovasculares (hipertensão, infarto e derrame), o
câncer, as doenças respiratórias, entre outras, são as mais passíveis de prevenção por
diagnóstico precoce, daí a importância de manter uma vida saudável, visitar o médico
regularmente e fazer exames.

Mas, afinal, que exames devem ser feitos?

Agora é com você!

A geriatra Dra. Luciana Mendes explica que exames específicos devem ser
feitos na terceira idade:

Hemograma completo; glicemia de jejum; colesterol; cálcio; triglicérides;


mamografia; preventivo (Papanicolau); Anti HIV; Hepatite B e C; urina; ureia
e creatinina; TSH; PSA; vitaminas do complexo B e D.

Para saber o que cada exame detecta e qual a sua importância, assista ao
vídeo do link a seguir, em que ela explica minuciosamente cada um.

Os exames para a terceira idade.

https://www.youtube.com/watch?v=2OU83Vxk2G0

Você acaba de concluir o conteúdo desta unidade. Agora, você pode


prosseguir para testar o que já aprendeu até este momento e, na
sequência, avançar em seus estudos até finalizar os tópicos deste curso.
Mãos à obra!

46
Glossário

Tabagismo: dependência por consumo de tabaco (por exemplo, no cigarro).

Sedentarismo: qualidade de quem é sedentário, quem não pratica atividade física.

47
Atividades

1) Assinale a alternativa correta.

dd Conforme visto nessa unidade, o envelhecimento pode deixar o


organismo com maior predisposição a algumas doenças, entre
elas:

a. ( ) Diabetes, doenças cardíacas e doenças respiratórias


crônicas

b. ( ) Obesidade e doenças infecciosas

c. ( ) Alcoolismo e sedentarismo

d. ( ) Sedentarismo e diabetes.

2. Assinale a alternativa correta.

A prevenção terciária visa...

a. ( ) controlar e reduzir os fatores de risco de uma doença,


como o tabagismo, a obesidade e o sedentarismo.

b. ( ) detectar e tratar precocemente a doença já instalada


para evitar o aparecimento de complicações.

c. ( ) minimizar as complicações, tendo como finalidade a


reabilitação e a melhoria da qualidade de vida do doente.

d. ( ) manter uma vida saudável, visitar o médico regularmente


e fazer exames

48
Referências

BRASIL. SEDH. Secretaria Especial de Direitos Humanos. Guia da Pessoa Idosa.


Disponível em: <http://www.sdh.gov.br/assuntos/pessoa-idosa>. Acesso em: 30 set.
2016. Brasília: SEDH, 2010.

_______. Ministério da Saúde. Cartilha do Idoso. Secretaria de Atenção à Saúde.


Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Área Técnica de Saúde do Idoso.
Brasília, 2006. Disponível em: <http://tinyurl.com/het4wha>. Acesso em: 30 set. 2016.

_______. Lei n° 10.741, de 1 de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e


dá outras providências. Brasília, 2003. Disponível em: <www.planalto.gov.br/ccivil_03/
leis/2003/L10.741.htm>. Acesso em: 30 set. 2016.

MORAES, E. N. (Org.). Princípios básicos de geriatria e gerontologia. Belo Horizonte:


Coopmed, 2008.

49
UNIDADE 8 | ADAPTAÇÃO DO
DOMICÍLIO DO IDOSO

50
1. Adaptação do Domicílio do Idoso

Com o avançar da idade, algumas


pessoas idosas começam a apresentar
dificuldades para andar, seja por dores
nas articulações, falta de massa muscular
ou perda de equilíbrio. Podem surgir,
também, dificuldades para enxergar
e confusão mental. Por tudo isso, é
importante eliminar todos os perigos do
ambiente em que essas pessoas vivem,
tornando, assim, o local mais seguro. Isso
se aplica às residências, casas de repouso
e instituições que abrigam idosos.

“Os acidentes domésticos que ocorrem, principalmente, com


crianças e idosos são passíveis de prevenção por intermédio da
orientação familiar, de alterações físicas do espaço domiciliar e
da elaboração e/ou cumprimento de leis específicas (...).”

Política Nacional de Redução da Morbimortalidade por Acidentes


e Violências.

Algumas Adaptações

Gerais:

• Tire tapetes e capachos do chão. Se for imprescindível ter tapetes, que sejam
antiderrapantes ou presos ao chão com fitas adesivas específicas para isso.

• Se possível, coloque rampas no lugar dos degraus.

• Mantenha as áreas de circulação e os corredores livres e sem móveis ou objetos


no caminho.

• Não deixe fios e objetos pelo chão, para evitar tropeções e quedas.

• Dê preferência a móveis com cantos arredondados.

51
• Prefira pisos antiderrapantes.

• Nunca encere o piso, nem deixe o chão molhado.

• Mantenha os cômodos bem iluminados.

• Evite cadeiras e poltronas muito baixas.

• Prefira maçanetas de fácil abertura, do tipo alavanca.

No quarto:

• A cama deve ter uma altura que


permita ao idoso ficar sentado com
os pés apoiados no chão. Em alguns
casos, pode ser necessário escolher
uma cama com grades para evitar
as quedas noturnas.

• Prefira um colchão mais firme.

• Deixe os objetos mais usados pelo


idoso, como óculos, medicamentos
ou telefone, sempre ao seu alcance, numa mesinha lateral.

No banheiro:

• Coloque barras de apoio no box e ao lado do vaso sanitário.

• Verifique se a altura do vaso sanitário está adequada.

• Utilize tapetes antiderrapantes.

• Mantenha o local com boa iluminação.

Na cozinha:

• Fixe os armários nas paredes.

• Mantenha os objetos de uso mais frequente ao alcance das mãos, de forma que
não seja necessário subir em escadas e bancos para pegá-los.

• Dê preferência ao fogão elétrico, no lugar do fogão a gás.

52
• Deixe o fogão bem ao lado da pia, para evitar deslocamentos carregando panelas
cheias e outros objetos.

Agora é com você!

Que adaptações podem ser feitas na sala? E na área externa?

Veja a cartilha completa, disponível no link a seguir, e descubra que outras


adaptações podem ser feitas nos cômodos da casa de um idoso. Que dica
você acha mais interessante?

https://issuu.com/werterastolfi/docs/cartilha_para_acessibilidade_
ambiental__emmel_e_pa?e=6713196/1971798

Ótimo, você acaba de finalizar sua unidade e está apto a testar seus
conhecimentos nas questões referentes a ela. Prossiga em seus estudos
para concluir o restante de seu curso.

Glossário

Domicíliar: algo feito em casa.

53
Atividades

1) Assinale a alternativa correta.

dd É recomendável, nas áreas por onde o idoso circula e em


corredores, ...

a. ( ) manter uma iluminação bem suave.

b. ( ) tirar móveis, fios e objetos do caminho.

c. ( ) dar preferência a fogão elétrico.

d. ( ) dar preferência a maçanetas arredondadas.

2) Assinale a alternativa correta.

Que adaptações devem ser feitas no banheiro?

a. ( ) Colocar barras de apoio no box e ao lado do vaso sanitário;


utilizar piso antiderrapante

b. ( ) Usar um piso liso e colocar tapetes macios.

c. ( ) Manter o banheiro fracamente iluminado.

d. ( ) Utilizar um vaso sanitário bem baixinho.

54
Referências

BRASIL. SEDH. Secretaria Especial de Direitos Humanos. Guia da Pessoa Idosa.


Disponível em: <http://www.sdh.gov.br/assuntos/pessoa-idosa>. Acesso em: 30 set.
2016. Brasília: SEDH, 2010.

_______. Ministério da Saúde. Cartilha do Idoso. Secretaria de Atenção à Saúde.


Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Área Técnica de Saúde do Idoso.
Brasília, 2006. Disponível em: <http://tinyurl.com/het4wha>. Acesso em: 30 set. 2016.

_______. Lei n° 10.741, de 1 de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e


dá outras providências. Brasília, 2003. Disponível em: <www.planalto.gov.br/ccivil_03/
leis/2003/L10.741.htm>. Acesso em: 30 set. 2016.

MORAES, E. N. (Org.). Princípios básicos de geriatria e gerontologia. Belo Horizonte:


Coopmed, 2008.

55
UNIDADE 9 | O CUIDADOR DE
IDOSO

56
1. O Cuidador de Idoso

O cuidador (ou acompanhante) de idosos


é um profissional que trabalha cuidando
de pessoas idosas (às vezes também de
doentes e portadores de deficiência). Faz
parte de suas atribuições: auxiliar o idoso
em suas atividades cotidianas, ministrar
seus medicamentos, fazer e servir suas
refeições e cuidar de seu bem-estar e
lazer.

São atribuições profissionais do cuidador de idosos:

ee • Fazer companhia.

• Dar remédios de acordo com a prescrição médica.

• Cuidar da higiene pessoal do acompanhado (no caso de este


não conseguir realizá-la).

• Preparar ou cuidar do preparo das refeições, para que sejam


feitas de acordo com a orientação médica/nutricional.

• Servir as refeições.

• Levar o acompanhado para exercícios físicos e passeios


autorizados pelo médico.

57
• Levar o acompanhado a consultas médicas, fisioterapia, etc.

• Prezar pelo bem-estar e lazer do acompanhado.

• Prestar auxílio em tarefas cotidianas do acompanhado.

• Observar possíveis problemas de saúde e conhecer os


procedimentos requeridos em cada caso.

• Manter-se em contato com os familiares do acompanhado e


informá-los do estado de saúde e das atividades realizadas.

• Manter-se em contato com o médico do acompanhado.

Fonte: Guia de profissões – Prime cursos.

Como Escolher e Contratar um Cuidador

O cuidador ideal deve ter o certificado de curso de cuidador de idosos, ou seja, ser um
técnico com especialização no atendimento da Terceira Idade. Alguns cuidadores têm,
inclusive, formação na área de enfermagem e primeiros socorros.

A qualificação e a formação são importantes, pois, nos cursos de formação, os


profissionais conhecem os diversos aspectos do envelhecimento, principais patologias
que acometem pessoas na terceira idade, cuidados necessários no controle, manejo
e armazenagem de medicamentos, técnicas de massagem, mobilização, atividades e
exercícios terapêuticos e prevenção de quedas, bem como aprendem a respeitar as
individualidades de cada paciente, entre outros conteúdos.

Pontualidade, responsabilidade, paciência, tolerância, comprometimento, criatividade


e bom preparo físico são aptidões pessoais desejáveis nessa profissão.

58
aa
DICAS PARA ESCOLHER UM CUIDADOR DE IDOSOS

Além de observar as qualificações profissionais do candidato,


você também deve:

• Realizar uma entrevista com ele, a fim de averiguar as


referências de outras famílias com quem tenha trabalhado.

• Questionar as razões pelas quais ele se tornou um cuidador de


idosos.

• Informá-lo a respeito do grau de dependência do idoso,


explicando se a pessoa está apta para executar com autonomia
atividades como comer, tomar banho, entre outros.

• Conversar com ele a respeito do compartilhamento de tarefas


com a família.

• Se, depois do início da atividade do profissional, ele não


atender às expectativas, converse com seus familiares e
escolham outro cuidador que se adeque às suas necessidades.

Fonte: Como escolher um cuidador de idosos.

Agora é com você!

Sabe qual é a diferença entre cuidador familiar e cuidador contratado? E


que habilidades um cuidador deve ter?

Assista a este vídeo com a enfermeira especialista no assunto, Adriana


Miranda, e descubra. Confira através do link a seguir.

https://www.youtube.com/watch?v=wVmJjm-zgu4

59
Parabéns! Você concluiu todo o conteúdo deste curso. Você está pronto
para finalizar seus estudos testando seu conhecimento na bateria final
de questões sobre o conteúdo estudado. Siga em frente!

Glossário

Comprometimento: ato de se comprometer com algo, se dedicar.

Prescrição: receita médica.

60
Atividades

1) Assinale a alternativa correta.

dd De acordo com a unidade, faz parte das atribuições de um


cuidador:

a. ( ) Auxiliar o idoso em suas atividades cotidianas, dar os


medicamentos, determinar sua dieta e substituir seus
familiares.

b. ( ) Auxiliar o idoso em suas atividades diárias, lavar e passar


sua roupa, determinar que medicamentos deve tomar, fazer e
servir suas refeições.

c. ( ) Auxiliar o idoso em suas atividades cotidianas, determinar


que exercícios ele deve fazer, dar os medicamentos, fazer e
servir suas refeições.

d. ( ) Auxiliar o idoso em suas atividades cotidianas, dar os


medicamentos, fazer e servir suas refeições e cuidar de seu
bem-estar e lazer.

2) Assinale a alternativa correta.

Para escolher um cuidador de idosos, é recomendável:

a. ( ) Exigir apenas o certificado do curso de cuidador.

b. ( ) Fazer apenas uma entrevista para saber por que o


candidato se tornou um cuidador.

c. ( ) Verificar se o candidato tem um bom preparo físico.

d. ( ) Observar as qualificações profissionais do candidato,


fazer uma entrevista, averiguar as referências dadas.

61
Referências

BRASIL. SEDH. Secretaria Especial de Direitos Humanos. Guia da Pessoa Idosa.


Disponível em: <http://www.sdh.gov.br/assuntos/pessoa-idosa>. Acesso em: 30 set.
2016. Brasília: SEDH, 2010.

_______. Ministério da Saúde. Cartilha do Idoso. Secretaria de Atenção à Saúde.


Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Área Técnica de Saúde do Idoso.
Brasília, 2006. Disponível em: <http://tinyurl.com/het4wha>. Acesso em: 30 set. 2016.

_______. Lei n° 10.741, de 1 de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e


dá outras providências. Brasília, 2003. Disponível em: <www.planalto.gov.br/ccivil_03/
leis/2003/L10.741.htm>. Acesso em: 30 set. 2016.

MORAES, E. N. (Org.). Princípios básicos de geriatria e gerontologia. Belo Horizonte:


Coopmed, 2008.

62
Gabarito

Questão 1 Questão 2

Unidade 1 A D

Unidade 2 D D

Unidade 3 D B

Unidade 4 B B

Unidade 5 B D

Unidade 6 B B

Unidade 7 A C

Unidade 8 B A

Unidade 9 D D

63