Vous êtes sur la page 1sur 5

CFAPED – CARACTERISTICAS DA FASE ADULTA E DA VELHICE

Fase adulta em 3 etapas:


1ª) Adulto-jovem (22/25-40 anos)
2ª) Adulto-médio (40 a 60/65 anos)
3ª) Adulto-idoso (60/65 anos acima)

22/25 a 60/65 - adultos.


Características gerais - Época de maturidade e de realizações em todos os aspectos.
(Físicos, mentais, sociais emocionais e espirituais). Grande experiência de capacidade de
discernimento. Grande censo de responsabilidade, estabilidade nos relacionamentos,
desenvolvimento da ambição. Sentido de vida definido. Aprendizado levado a serio.
Recomendação do professor - Promover oportunidades para o desenvolvimento do
serviço cristão. Conferir-lhes responsabilidades para com o aprendizado e para com as metas
de estudo. Promover estudos Bíblicos a nível aprofundado. Enfatizar a Bíblia como verdadeiro
guia de vida.

1. ADULTO JOVEM – 22/25 - 40 ANOS -


O ciclo da vida adulta inicial é denominada de "Adulto Jovem“. Nessa fase o adulto
jovem possui o melhor desempenho em todas as funções físicas, do que as pessoas de meia-
idade ou pessoas mais velhas.
Físico - Esses adultos são fisicamente mais ativos em atividades ou empregos que
requeiram força, pois nesse período o adulto possui mais tecido muscular, máximo de cálcio
nos ossos, mais massa cerebral, melhor visão, audição, olfato, maior capacidade de
oxigenação e um sistema imunológico mais eficiente.
Cognitivo - No início da vida adulta que os processos cognitivos (intelectuais) estão no
seu auge. Alguns fatores que influenciam profundamente os processos cognitivos sãos os
hábitos pessoais que cada indivíduo possui, o apoio social e o controle pessoal.
Psicossocial - Período em que vão se formar os principais relacionamentos que podem
perdurar pela vida toda As amizades são consideravelmente fundamentais nesse período, são
caracterizados por interesses em comum, confiança, respeito, compreensão, aceitação e
prazer na companhia um do outro. É a época de construção de relacionamentos: busca pela
estabilidade emocional (casamento, vida sexual), vida profissional, criação dos filhos...
Tarefa crucial da idade adulta jovem
Intimidade = mais que a simples realização amorosa; capacidade de envolver-se, de
partilhar com outrem e cuidar de outrem, sem temor de perder-se no processo.
Necessidade de estabelecer relacionamentos fortes, estáveis, estreitos e carinhosos é
um forte motivador do comportamento humano.
Espiritualmente o indivíduo alcança o senso de sua identidade.
Para o adulto, a religião cumpre propósito muito nobre, qual seja, o de ajudá-lo na
formulação de uma filosofia de vida que lhe empreste as características de unidade e
finalidade. A religião sadia pode ajudar o homem a formular um sistema de vida e uma
concepção do universo que lhe dê o sentido de integridade do ser' e a auto consistência
necessária a uma vida útil e produtiva. Ela é capaz de levá-lo à formação de um centro de
lealdade que dará sentido e direção a todas as suas ações. A religião do adulto, portanto, é
essencialmente pragmática e reflete sua concepção da vida e do universo.

2. ADULTO MEIA IDADE – 40-60/65 ANOS


Características físicas - É uma fase que contempla alguns paradoxos. Geralmente, por
um lado, poderá haver uma grande satisfação conjugal e profissional; mas, por outro lado, o
declínio físico começa a ficar evidente. Normalmente, as pessoas na meia-idade apresentam
boa forma física, cognitiva e emocional. Evidentemente, a forma física e as condições de saúde
dependerão da história pregressa do indivíduo. Nessa fase, quanto mais o indivíduo se cuidar
do ponto de vista físico, mais se beneficiará.
O relógio biológico indica os primeiros sinais de envelhecimento: uso de óculos, cabelos
brancos, pele com vincos, dificuldade em subir lances de escada (declínio da capacidade
aeróbica), pessoas mais jovens o tratam como ”uma pessoa mais velha” (filhos adultos,
colegas de trabalho jovens), a percepção da incapacidade dos pais leva a perceber a própria
incapacidade futura. O relógio social indica a sensação de maior conhecimento e experiência,
maior sensação de controle e escolha, há mais tempo e energia para outros papéis (esposo,
esposa, avô, avó), para a aposentadoria.
A menopausa aparece como um evento marcante no desenvolvimento físico na meia-
idade. Ocorre tipicamente entre 45 e 55 anos. Há maior probabilidade dos problemas
psicológicos associados à menopausa serem causados principalmente pela visão negativa do
envelhecimento por parte da sociedade.
Já o climatério masculino tende a iniciar 10 anos mais tarde que do nas mulheres. Cerca
de 5% dos homens sentem depressão, fadiga, menor impulso sexual, disfunções eréteis
ocasionais e queixas físicas. As causas desses sintomas podem estar associadas a mudanças
hormonais; causas psicológicas (adaptações às novas demandas como, por exemplo, a morte
dos pais) e atitudes culturais em relação ao envelhecimento.
“Toda a pessoa na vida tem que plantar uma árvore, escrever um livro e ter um filho”;
essa é a essência da generatividade (preocupação em cuidar do outro),
Desenvolvimento cognitivo na meia-idade - A criatividade pode declinar, mas sua
qualidade é melhor.
É comum nesse período que as decisões e opiniões da maioria tenham um caráter mais
pragmático, com vistas a uma solução mais prática e rápida. são capazes de integrar a lógica
com a intuição e a emoção, integram fatos e ideias, e integram novas informações com o que
já sabem. Filtram pela sua experiência de vida e aprendizagem prévia. Assim, tendem a ser
bons para solucionarem os problemas.
Desenvolvimento psicossocial - é para muitos um período do auge da competência,
produtividade e controle. É um momento no qual o indivíduo desenvolveu um grande senso de
autoconfiança e autoestima; sente que é capaz de lidar e enfrentar todas as circunstâncias e
questões que aparecem (resiliência). É a fase da maturidade; Há a necessidade de sentir-se
útil; É caracterizada por um “balanço de vida” em função da finitude da vida; Há uma
transformação na dinâmica familiar -“ninho vazio”.

3. ADULTO VELHO - IDOSO


65/70 anos em diante. Melhor idade - Velhice pode ser divida em três grupos:
 Idosos jovens (65 a 74 anos) - ativos, cheios de vida e vigorosos.
 Idosos velhos (75 a 84 anos) - maior tendência para a fraqueza e enfermidades;
pode ter dificuldade para desempenhar atividades da vida diária.
 Idosos mais velhos (85 anos ou mais) - as mesmas características anteriores de
maneira mais acentuada.
Desenvolvimento físico na velhice - Apesar de a maioria dos idosos serem saudáveis e
ativos, há um declínio da capacidade física e da saúde. Pode-se afirmar que após 65 anos se
inicia um declínio mais intenso da reserva orgânica, do sistema imunológico e da força
muscular. Isso pode desencadear uma grande suscetibilidade às doenças crônicas, agudas,
bem como ao câncer e a problemas cardíacos.
A grande maioria também tem boa saúde mental. A depressão e muitos problemas,
inclusive alguns tipos de demência, podem ser revertidos com tratamento adequado; outras,
aquelas ocasionadas pelo mal de Alzheimer, mal de Parkinson ou derrames múltiplos, são
irreversíveis
Muitas pessoas idosas são sexualmente ativas, embora o grau de tensão sexual e a
frequência e do que para adultos mais jovens.
Há perda de pigmentação, textura e elasticidade da pele, os pelos tornam-se mais finos
e brancos, há a diminuição da estatura, rarefação dos ossos e tendência a dormir menos.
Essas mudanças podem provocar no indivíduo sentimentos de inferioridade frente a uma
sociedade que nega a velhice e cultiva o corpo jovem.
Desenvolvimento psicossocial na velhice - A cada segundo que passa nos tornamos
alguém diferente. Presente vira passado, futuro vira presente.
O indivíduo se depara com uma opção entre a integridade do ego e o desespero ou a
desesperança e a partir dela avaliará a própria vida.
É muito comum nessa etapa da vida que a maioria das pessoas examine, reflita e faça
um último “ balanço” sobre a própria vida . Se diante dessa análise o indivíduo sentir- se
satisfeito com a vida que vive u, estiver em paz consigo mesmo, ou seja, apresentar um
sentimento de realização e satisfação, achando que lidou de maneira adequada com os a
certos e erros d a vida, pode – se dize r que ele t em a integridade do ego e conquistou a
virtude da sabedoria , aceitando o seu lugar e o seu passado.
Por outro lado, se o indivíduo s e depara com um sentimento de frustração, aborrecido
porque perdeu oportunidades e arrependido de erros que não pode corrigir, não há mais tempo
para corrigi-los, então há a desesperança. Os indivíduos ficam desgostosos consigo mesmos,
ranzinzas, ficam amargos em relação a o que poderiam ter sido , criticam e são intolerantes
com as novas gerações.
Outro aspecto a ser destacado é que muitos idosos param de se preocupar com uma
série de convenções sociais.
Nessa etapa é possível permitir que a máscara social – quer dizer, os disfarces
sucessivos que são adotados para garantir uma aceitação social – caiam aos poucos.
Muitos idosos param de se preocupar com uma série de convenções sociais, com as
repercussões do que “pensa, fala, sente e faz”, e muitos afirmam que isso é algo permitido
nessa idade. Sentem-se livres para escolher roupas que muitas vezes não combinam e não se
preocupam com as repercussões de suas falas em um determinado contexto. Há uma frase
típica entre os idosos que explicita essa questão: “Minha idade me permite...”.
Os relacionamentos sociais são muito importantes para os idosos. Terapia ocupacional é
importante – Bazar, palestras...

Desenvolvimento cognitivo na velhice - Os estereótipos sociais sugerem que na


velhice o indivíduo tem uma queda na função intelectual, na memória e na aprendizagem. As
pesquisas apontam que os adultos mais velhos que buscam altos níveis de estimulação
ambiental tendem a manter altos níveis de capacidade cognitiva. Tudo indica que o desuso, e
não o declínio, pode ser responsável pelas deficiências no desempenho intelectual.
A aprendizagem requer mais tempo na velhice, o material precisa estar mais organizado
e menos complexo do que no período anterior de desenvolvimento.
Desenvolvimento espiritual - Para a pessoa idosa, a religião deve funcionar como o
elemento que a ajudará a fazer a transição final da vida do modo mais suave possível e sem os
traumas que tipicamente caracterizam essa fase da existência humana. A religião da pessoa
idosa que alcançou integridade, e não o desespero, é caracterizada pelo processo crescente
de simplificação, que consiste em eliminar o supérfluo e preservar o essencial e necessário.

Escolha dos professores para a classe da Terceira Idade deve ser criteriosa e ter
características do ponto de vista pessoal e pedagógico:
- Saber ouvir.
- Ser paciente.
- Respeitar.
- Ser amoroso.
- Articular bem as palavras.
- Falar alto.
- Conhecer as necessidades do idoso no aspecto físico, emocional, familiar e sua história de
vida.
- Valorizar o que a pessoa idosa tem a falar e o que sabe, para que se sinta valorizado.
- Conhecer o Estatuto do Idoso.
- Ter disponibilidade de tempo para visitar os alunos.
- Manter contato com a família do idoso.
- Estar integrado ou ter conhecimento das atividades do Departamento da Terceira Idade e
estimular os alunos a participar das atividades promovidas por esse setor.
- Utilizar métodos e acessórios de ensino, adequando-os à turma, observando as
características dos idosos. Se for algo para escrever é melhor em dupla ou trio, tendo um
alfabetizado no grupo;
- Utilizar material visual adequado na aula, com letras grandes e largas.
- Comemorar com os alunos o Dia dos Avós (26.07), Dia do idoso (01/10) e as datas de
aniversários.
- Orientar os idosos a adquirir a revista da EBD tamanho grande.
- Pesquisar dinâmicas que trabalhem a autoestima do idoso.