Vous êtes sur la page 1sur 4

Anúncio publicitário

Características textuais do anúncio publicitário

O anúncio publicitário geralmente é utilizado nas propagandas que vemos na televisão, revistas e
outdoors. O objetivo deste tipo de anúncio é convencer as pessoas a fazer alguma coisa, geralmente
ligada ao comércio.

Portanto, o anuncio publicitário precisa ser exposto em num lugar onde muitas pessoas irão ver – como
o jornal, por exemplo – e precisa utilizar as palavras certas para convencer quem está a ver de comprar
o que eles estão a anunciar.

Outra característica importante é que é necessário adequar a linguagem utilizada no anúncio para o
público que se quer atingir. Por exemplo, o anúncio de uma loja de brinquedos não pode possuir palavras
difíceis, pois precisa de ter uma linguagem fácil e acessível para as crianças entenderem.

Para fazer um bom anúncio publicitário, é importante que o texto possua algumas características que
vão ajudar a conseguir o propósito de convencer o leitor. Essas características fazem com que o anuncio
tenha uma estrutura já pronta.

Estrutura do anúncio publicitário

 Título: Uma frase cursa e atrativa ou impactante, para chamar a atenção do leitor e faze-lo ter
vontade de ler o resto do anúncio.
 Imagem: É uma das partes mais importantes do anúncio, pois a maioria das pessoas só tem
vontade de comprar alguma coisa depois de verem uma foto bonita deste produto.
 Corpo do texto: É nessa parte onde está o anúncio em si, um texto não muito grande que anuncie
o que é o produto ou ideia, fala das qualidades e vantagens, com frases atraentes e que convençam o
leitor.
 Slogan: É uma frase curtinha que se torna a identificação daquele determinado produto ou
marca, como um cartão de visitas, uma frase que irá fazer todos os que ouvirem lembrarem-se
automaticamente do produto que está a ser anunciado.

Exemplos de slogans conhecidos:

 Helmann’s, a verdadeira maionese


 Viva o lado Coca-cola da vida
 Omo, lava mais branco
Reportagem
A Reportagem é um género textual não literário, considerado um texto jornalístico veiculado pelos
meios de comunicação: jornais, revistas, televisão, internet, rádio, dentre outros. O repórter é a pessoa
que está incumbida de apresentar a reportagem, a qual aborda temas da sociedade em geral.

Classificação

A Reportagem é um tipo de texto que tem o intuito de informar ao mesmo tempo que prevê criar uma
opinião nos leitores, portanto ela possui uma função social muito importante como formadora de
opinião.

A Reportagem pode ser um texto expositivo, informativo, descritivo, narrativo ou opinativo. Desse
modo, ela tanto pode aproximar-se da notícia como dos artigos opinativos, porém não deve ser
confundida com eles. Expositivo e Informativo porque ele expõe sobre um determinado assunto, com o
intuito principal de informar o leitor.

Podem também ser textos descritivos e narrativos, uma vez que descrevem ações e incluem tempo,
espaço e personagens. E por fim, é um texto opinativo, ou seja, o repórter apresenta juízos de valor
sobre o que está sendo discorrido.

Geralmente são textos mais longos, opinativos e assinados pelos repórteres, enquanto as notícias são
textos relativamente curtos e impessoais que possuem o intuito de somente informar o leitor de um
facto atual ocorrido.

Em resumo, podemos dizer que a notícia faz parte do jornalismo informativo, enquanto as reportagens
fazem parte do chamado jornalismo opinativo. Por esse motivo, a reportagem é um texto que precisa
de mais tempo para ser elaborado pelo repórter, donde se desenvolve um debate sobre um tema, de
modo mais abrangente que a notícia.

Estrutura

Embora apresenta uma estrutura similar à da notícia, a reportagem é mais ampla e menos rígida na
estrutura textual e pode incluir as opiniões e interpretações do autor, entrevistas e depoimentos,
análises de dados e pesquisa, causas e consequências, dados estatísticos, dentre outros. Vale lembrar
que a estrutura básica dos textos jornalísticos é dividida em três partes:

 Título Principal e Secundário: as reportagens, tal qual as notícias, podem apresentar dois títulos,
um principal e mais abrangente (chamado de Manchete), e outro secundário (uma espécie de subtítulo)
e mais específico.
 Lide: na linguagem jornalística a Lide corresponde aos primeiros parágrafos dos textos
jornalísticos, os quais devem conter as informações mais importantes que serão discorridas pelo autor.
Portanto, a Lide pode ser considerada uma espécie de resumo, donde as palavras chave serão
apontadas.
 Corpo do Texto: Desenvolvimento do texto, sem perder de vista o que foi apresentado na Lide.
Nessa parte, o repórter reúne todas as informações e apresenta-as num texto coeso e coerente.
O VERBO - pessoa, número, tempo, modo e conjugações
Os verbos são palavras que indicam uma ação. Variam em:

PESSOA

 1ª - eu / nós
 2ª - tu / vós
 3ª - ele (ela) / eles (elas)

NÚMERO:

 Singular - eu, tu, ele, (ela)


 Plural - nós, vós, eles (elas)

TEMPO:

 Presente - a ação passa-se no momento em que se fala. (falo)


 Pretérito - a ação passou-se antes do momento em que se fala. (falei)
 Futuro - a ação passar-se-á depois do momento em que se fala. (falarei)

MODO:

 Indicativo - quando encaramos a ação como uma certeza. (como)


 Conjuntivo - quando encaramos a ação como uma dúvida, uma incerteza, uma possibilidade.
(que eu coma)
 Imperativo - quando pretendemos dar uma ordem, um conselho. (come)
 Condicional - quando a ação está dependente de outra ação. (comeria)
 Infinitivo - quando a ação é apresentada de uma forma geral, indeterminada, abstrata. (comer)

CONJUGAÇÕES:

 Retirando ao infinitivo a terminação r, obtém-se o tema do verbo: lava(r), come(r), dormi(r).


 À última vogal do tema dá-se o nome de vogal temática: lav(a), com(e), dorm(i).
 Retirando ao tema a vogal temática, encontramos o radical do verbo: lav(a), com(e), dorm(i)
 1ª conjugação - verbos cuja vogal temática é a – lavar
 2ª conjugação - verbos cuja vogal temática é e – comer
 3º conjugação - verbos cuja vogal temática é i – dormir

 Verbos regulares - os que mantêm os seu radical em todos os tempos verbais: canto, cantei,
cantava ...
 Verbos irregulares - aqueles em que o radical varia nos diversos tempos verbais: digo, disse,
dizia, direi ...