Vous êtes sur la page 1sur 3

1.

5 - Dados pessoais

O primeiro passo para começar a fazer um currículo é colocar, logo no início da folha,
seus dados pessoais de identificação, tais como nome, endereço, telefone para contato,
e-mail e data de nascimento.

A menos que seja exigido expressamente pela empresa, é bom evitar colocar a idade
atual, pois isso faria com que seu currículo ficasse desatualizado rapidamente.

Já vimos que o currículo deve ser tão curto quanto possível. Assim, não é preciso
colocar números de CPF, RG, título de eleitor etc. Esses dados só devem ser incluídos
se expressamente exigidos pela empresa contratante. Do contrário, só irão ocupar mais
espaço na folha e não terão nenhuma utilidade para o avaliador.

O mesmo acontece com o estado civil. A não ser que a empresa exija expressamente
essa informação, ela pode ser omitida. Informações sobre raça e religião também não
devem constar do currículo, pois poderiam ser interpretadas como alguma forma de
preconceito por parte do candidato.

1.6 - Objetivo Profissional


Logo abaixo dos dados pessoais, é preciso informar, de maneira clara e sucinta, qual o
seu objetivo profissional, ou seja, qual profissão ou área deseja ocupar.

É importante que o objetivo profissional esteja bem definido. Um objetivo muito amplo,
ao contrário do que se pensa, vai diminuir a probabilidade do currículo ser selecionado.

A maioria das empresas recebe, diariamente, vários currículos de candidatos que os


enviam antes mesmo de surgir alguma vaga. Quando a vaga é anunciada, essa
quantidade de currículos se multiplica. Assim, um currículo com objetivo profissional
exposto de forma genérica tende a fazer com que os avaliadores o descartem de cara,
para evitar perda de tempo. Eles procuram algo que se encaixe perfeitamente na vaga
que pretendem preencher.

Mas há casos em que o candidato não tem uma área bem definida e irá aceitar propostas
de emprego em diversas áreas diferentes. Mesmo nesses casos, não é interessante expor
essa informação no currículo.

Afinal, se nem o próprio candidato sabe ao certo em que trabalhar, não será o avaliador,
com algumas poucas informações a seu respeito, que irá se arriscar contratando-o para
uma função específica.

Assim, a melhor solução é a de fazer vários currículos diferentes, personalizados, um


para cada empresa. Em cada um desses currículos, coloca-se a função que o candidato
deseja desempenhar na empresa que o receberá.
1.7 - Qualificações
Em seguida, devemos elaborar um resumo de suas qualificações profissionais. Neste
espaço é preciso fazer um pequeno texto, de leitura rápida, sintetizando suas principais
competências.

Como todo o currículo deve estar bem enxuto, não é interessante colocar as
qualificações que não tem a ver com a vaga oferecida.

O resumo de qualificações deve ser feito tendo em vista o cargo almejado. Assim,
devem ser destacadas apenas as qualidades que podem contribuir para o bom
desempenho de suas funções caso seja selecionado.

1.8 - Referências Profissionais


A seguir, devem ser listadas as referências profissionais.

Como já dissemos antes, o currículo deve ser tão curto quanto possível. Assim, só
devem ser incluídas aquelas que efetivamente podem ser vistas como uma experiência
útil ao cargo pretendido.

Começando pelas referências mais recentes, cite o nome das empresas onde trabalhou, o
cargo exercido, as atividades desenvolvidas e os resultados obtidos. No caso de não ter
experiências anteriores, pule esta parte, mas capriche na próxima (Formação
Acadêmica).

1.9 - Formação Acadêmica


Os currículos também devem informar sobre a formação acadêmica do candidato.

Caso já tenha concluído um curso superior, não é necessário incluir dados do ensino
médio. Bastam os últimos cursos. Comece pelos mais recentes, especificando o nome da
instituição responsável pelo curso e o ano de conclusão.

Só inclua seminários, congressos e cursos livres que tenham sintonia com a área de
atuação profissional.

1.10 - Revisão Final


Agora que o currículo já está montado, é preciso que seja feita uma boa revisão.

Use o corretor ortográfico do seu editor de textos, releia cada item do currículo várias
vezes até encontrar a melhor forma de expor as informações, e, finalmente, peça para
outras pessoas o lerem também, para ter certeza de que não passou nenhum errinho.
É importante também conferir a formatação. Confira se deixou espaços entre cada um
dos itens do currículo, se manteve o mesmo tipo de letra em todo o texto, se as margens
não estão muito pequenas...

Lembre-se: seu currículo é o seu cartão de visitas!

1.11 - Será que preciso fazer um CV agora?


Agora que já sabemos o que são, como são usados e como elaborar bons currículos, não
há mais motivos para deixarmos sua elaboração para a última hora. É muito importante
apresentar um bom currículo, e isso pode ser a diferença entre conseguir ou não uma
vaga.

Imagine que surja uma oportunidade e você precise preparar um currículo rapidamente.
Provavelmente, por estar com pressa, você vai procurar na internet um modelo padrão
qualquer, preenchê-lo com seus dados e entregar. Isso é o que a maioria das pessoas
também irá fazer.

Mas pense bem: quem terá mais chances de conseguir uma entrevista? Uma
pessoa que fez seu currículo com calma, que revisou o texto para evitar erros de
grafia e concordância, que usou técnicas para deixá-lo mais leve e, ao mesmo
tempo, mais atraente, e que o fez pensando em personalizá-lo especificamente
para a vaga oferecida pela empresa?

Ou será que é aquele que simplesmente pegou um modelo, preencheu seus dados
correndo e que, provavelmente, ainda deixou escapar algum erro de português?

Você já deve ter percebido que sempre, em qualquer ocasião de nossas vidas, terá
mais chances quem se preparou melhor. E esse caso não é uma exceção.

Quem possui uma estrutura básica já montada e revisada tem melhores condições
de aperfeiçoar e personalizar seu currículo para a vaga oferecida de forma rápida e
eficaz.

Assim, é de extrema importância que cada um comece, desde já, a montar sua
estrutura de CV, para que não seja surpreendido por uma oportunidade e corra o
risco de não conseguir aproveitá-la.