Vous êtes sur la page 1sur 27

Exercícios propostos

2.2. A radiação solar

GRUPO 1

1. Selecione a letra da chave que corresponde a cada uma das afirmações seguintes.

Afirmações Chave
1. Radiação infravermelha que se processo em grande comprimento de
onda A. Radiação global
2. Unem pontos de igual temperatura média reduzida ao nível do mar. B. Radiação terrestre
3. Radiação solar total que atinge a superfície terrestre. C. Albedo
4. Porção de céu coberto por nuvens num dado momento. D. Isotérmicas
5. Razão entre a radiação solar refletida por uma superfície e a E. Amplitude térmica
radiação solar que sobre ela incide. anual
6. Diferença entre a temperatura média do mês mais quente e a F. Nebulosidade
temperatura média do mês mais frio.

2. Classifique, como verdadeira ou falsa conda uma das seguintes afirmações. Corrija as
afirmações consideradas falsas mantendo-as na afirmativa.
a) O vapor de água e as nuvens absorvem parte da radiação solar, num processo designado
porreflexão.
b) Sem o efeito de estufa não seria possível o aquecimento da camada inferior da atmosfera nem a
manutenção de uma temperatura média mais ou menos constante.
c) Nas regiões localizadas entre os 40º e os 90º de latitude há um défice energético.
d) As vertentes voltadas a norte, em Portugal, têm maior insolação, pois estão mais tempo
expostas à radiação solar e, por isso, designam-se por encostas soalheiras.
e) De um modo geral, as regiões do interior apresentam uma amplitude térmica anual superior à que
se verifica nas regiões do litoral.

3. Selecione a opção de resposta correta para as seguintes questões.

3.1. Na Madeira, uma vertente umbria é a que se encontra voltada a


A. sul. B. oeste. C. norte. D. este.

3.2. Uma das áreas do continente com potencial de aproveitamento térmico muito elevado é
A. a faixa litoral algarvia. B. a costa da região oeste. C. a costa de Lisboa. D. o litoral alentejano.

4. Responda às perguntas que se seguem.


4.1. Explique os processos que impedem quase metade da radiação solar de atingir a superfície
terrestre.
4.2. Justifique o facto de a quantidade de energia recebida pela superfície terrestre diminuir com a
latitude.

Exercícios propostos 1/27


2.2. A radiação solar
4.3. Relacione as diferenças entre a quantidade de radiação solar global recebida em janeiro e em
junho, em Portugal continental, com a situação geográfica do país.
4.4. Indique os principais fatores que explicam os contrastes observados na distribuição das
isotérmicas de janeiro e de junho, em Portugal continental.
4.5. Comente a afirmação: “A radiação solar, para Portugal, constitui um recurso endógeno de
grande importância económica e ambiental”.
4.6. Indique dois dos problemas que se colocam ao aproveitamento da radiação solar como fonte de
energia, em Portugal.

2.2.1. A ação da atmosfera sobre a radiação solar

GRUPO 2

A figura que se segue representa os processos que impedem que a radiação solar que atinge a
camada exterior da atmosfera chegue, na sua totalidade, à superfície terrestre.

1. Do total de radiação solar que chega à camada


superior da atmosfera, apenas atinge a superfície
terrestre cerca de
(A) um quarto. (C) um terço.
(B) metade. (D) dois terços.

2. No processo de absorção pela atmosfera, assume


particular importância
(A) o oxigénio e o azoto, que absorvem parte da
radiação solar na troposfera.
(B) o dióxido de carbono, que absorve boa parte da
radiação infravermelha.
(C) o ozono, que absorve a radiação ultravioleta, na estratosfera.
(D) o vapor de água, que impede a radiação terrestre de escapar para o espaço.

3. O albedo varia com a altitude e o tipo de superfície, podendo definir-se como


(A) a razão entre a radiação refletida por uma superfície e a radiação que sobre ela incide.
(B) a razão entre o total de radiação solar recebida por uma superfície e a parte que ela reflete.
(C) a proporção entre o total de radiação recebida e a que é refletida pela superfície terrestre.
(D) a proporção entre a radiação refletida por uma superfície e a radiação difusa.

4. A nível global existe um equilíbrio térmico, mas tal não acontece na maior parte da superfície
terrestre. Esta afirmação é
(A) falsa, porque o albedo é de cerca de 50% em toda a superfície terrestre.
(B) falsa, pois a energia solar recebida distribui-se igualmente na superfície terrestre.

Exercícios propostos 2/27


2.2. A radiação solar
(C) verdadeira, porque a quantidade de energia recebida é maior nas áreas de superfície que se
encontram mais perto do sol.
(D) verdadeira, pois até 40º de latitude, norte e sul, há um excesso energético e, nas latitudes
superiores, um défice energético.

5. A quantidade de energia solar que atinge uma região também varia ao longo do ano. No
território português recebe maior quantidade de energia no solstício de
(A) junho, quando os raios solares incidem diretamente sobre o trópico de câncer.
(B) junho, quando os raios solares incidem diretamente sobre o trópico de capricórnio.
(C) dezembro, quando os raios solares incidem diretamente sobre o trópico de câncer.
(D) dezembro, quando os raios solares incidem diretamente sobre o trópico de capricórnio.

GRUPO 3

A figura representa o balanço global da radiação solar.

1. Os processos que intervêm na quantidade de energia solar


que chega à Terra são
(A) absorção; difusão; concentração.
(B) absorção; osmose; reflexão.
(C) reflexão; difusão; absorção.
(D) absorção; contacto; compressão.

2. No processo de absorção intervêm,


fundamentalmente, os seguintes gases
(A) vapor de água; dióxido de carbono; ozono.
(B) oxigénio; ozono; azoto.
(C) ozono; hidrogénio; hélio.
(D) gases raros; ozono; vapor de água.

3. A reflexão da energia solar pela Terra (ou albedo) é, em média, superior nas regiões
(A) cobertas por floresta. (B) cobertas por gelo. (C) oceânicas. (D) montanhosas.

4. O efeito de estufa resulta da


(A) radiação terrestre.
(B) sucessão dos dias e das noites.
(C) absorção da radiação terrestre por alguns gases atmosféricos.
(D) difusão da radiação solar pelos gases, poeiras e gotículas de água da atmosfera.

5. Os valores mais elevados de radiação solar registam-se


(A) no equador. (B) nos trópicos. (C) nas latitudes médias. (D) nos polos.

Exercícios propostos 3/27


2.2. A radiação solar
GRUPO 4

A energia irradiada pelo sol para a Terra é praticamente constante. Mas, de toda a radiação solar que
chega às camadas superiores da atmosfera, apenas uma fração atingirá a superfície terrestre.

1. A radiação solar que chega ao limite superior da atmosfera, designada por constante solar,
apresenta um valor médio de
(A) 1 cal/cm2/m. (B) 1,5 cal/cm2/m. (C) 2 cal/cm2/m. (D) 2,5 cal/cm2/m.

2. O espetro solar é formado por um conjunto de ondas


(A) elétricas com vários comprimentos de onda.
(B) eletromagnéticas de comprimento de onda variáveis.
(C) luminosas, conhecidas por luz visível, de grande comprimento de onda.
(D) no conjunto das quais se destacam as ultravioletas no aquecimento da atmosfera.

3. Uma parte da radiação solar, ao atravessar a atmosfera, perde-se devido a vários processos, entre os
quais a absorção. Entre os gases que constituem a atmosfera, os que apresentam maior poder de
absorção são
(A) azoto, oxigénio e dióxido de carbono. (C) vapor de água, ozono e dióxido de carbono.
(B) metano, hidrogénio e vapor de água. (D) hélio, ozono e oxigénio.

4. A reflexão é outro processo através do qual a radiação solar, sofrendo uma mudança de
direção, é reenviada para o espaço. A reflexão varia de material para material. É maior nas
(A) areias e alcatrão.
(B) espelhos de água e florestas.
(C) nuvens e neve.
(D) superfícies impermeabilizadas e terrenos agrícolas.

5. A radiação solar global que chega à terra resulta


(A) da radiação difusa e da irradiação terrestre.
(B) da radiação solar direta e da radiação difusa.
(C) do albedo e da radiação refletida.
(D) da radiação de longo comprimento de onda e da luz visível.

GRUPO 5

Do total de radiação solar que chega ao limite


superior da atmosfera, só cerca de metade atinge
a superfície da Terra, tal como se pode ver na
figura que mostra os processos de perda de
radiação solar entre o limite superior da
atmosfera e a superfície terrestre.

Exercícios propostos 4/27


2.2. A radiação solar
1. A quantidade de radiação solar que chega ao limite superior da atmosfera designa-se
(A) radiação contínua. (B) radiação global. (C) radiação solar global. (D) constante solar.

2. A radiação solar total que atinge a superfície designa-se por radiação global e compreende
(A) radiação solar indireta e radiação refletida.
(B) radiação solar total e radiação solar irradiante.
(C) radiação solar direta e radiação solar difusa.
(D) radiação solar parcial e irradiação.

3. Os principais processo que intervêm na quantidade de energia solar que chega à Terra são
(A) absorção, reflexão e difusão. (C) difusão, osmose e compressão.
(B) reflexão, contacto e expansão. (D) absorção, albedo e dispersão.

4. Os gases atmosféricos que mais condicionam o processo de absorção são


(A) hélio, vapor de água e oxigénio. (C) dióxido de carbono, vapor de água e metano.
(B) ozono, azoto e xénon. (D) hidrogénio, monóxido de carbono e gases raros.

5. A reflexão de energia solar na superfície terrestre atinge valores máximos em superficies


(A) asfaltadas. (B) cobertas de neve. (C) florestadas. (D) muito urbanizadas.

GRUPO 6

As figuras A e B correspondem a dois lugares na superfície terrestre.

1. O lugar que regista ao longo do ano uma maior albedo é o


(A) lugar B, porque é uma superfície de cor clara, lisa, que reflete quase toda a radiação solar nela
incidente, logo não aquece muito.
(B) lugar A, porque é uma superfície de cor clara, lisa, que reflete quase toda a radiação solar nela
incidente, logo não aquece muito.
(C) lugar B, porque é uma superfície de cor escura e rugosa, que absorve quase toda a radiação solar
nela incidente, logo aquece muito.
(D) lugar A, porque é uma superfície de cor escura e rugosa, que absorve quase toda a radiação solar
nela incidente, logo aquece muito.

Exercícios propostos 5/27


2.2. A radiação solar
2. Albedo é a
(A) proporção da radiação solar refletida por um corpo em relação ao total de energia nele
incidente.
(B) proporção da radiação terrestre refletida por um corpo em relação ao total de energia nele
incidente.
(C) proporção da radiação solar absorvida por um corpo em relação ao total de energia nele
incidente.
(D) proporção da radiação terrestre absorvida por um corpo em relação ao total de energia por ele
refletida.

3. O albedo está associada ao processo atmosférico


(A) absorção. (B) difusão. (C) reflexão. (D) evaporação.

4. A atmosfera, devido aos processos atmosféricos, é vital porque


(A) regulariza a temperatura, protege a superfície terrestre e permite a vida na Terra.
(B) regulariza a temperatura e permite a vida na Terra.
(C) regulariza a temperatura, desprotege a superfície terrestre.
(D) protege a superfície e permite a vida no planeta.

5. O equilíbrio térmico da Terra


(A) é possível, porque a quantidade de energia que recebe (radiação solar) durante o dia é
equivalente à quantidade de energia que perde (radiação terrestre).
(B) é possível, porque a quantidade de energia que recebe (radiação terrestre) durante o dia é
equivalente à quantidade de energia que perde (radiação solar).
(C) é possível, porque a quantidade de energia que perde (radiação solar) durante o dia é
equivalente à quantidade de energia que recebe (radiação terrestre).
(D) é possível, porque a quantidade de energia que recebe (radiação solar) durante o dia não é
equivalente à quantidade de energia que perde (radiação terrestre).

2.2.2. A variabilidade da radiação solar


a) A atmosfera e a radiação solar
b) A variação ao longo do ano
c) A distribuição geográfica

GRUPO 7

A radiação solar que a Terra recebe varia de lugar para lugar e de acordo com as estações do ano.

Exercícios propostos 6/27


2.2. A radiação solar
1. As regiões que recebem maior quantidade de energia solar localizam-se
(A) no hemisfério norte.
(B) entre o equador e os trópicos.
(C) no hemisfério sul sobre os oceanos.
(D) nas regiões de montanha dos dois hemisférios.

2. No hemisfério norte a maiorreceção de energia solar regista-se no


(A) solstício de Junho. (C) equinócio de Setembro.
(B) solstício de Dezembro. (D) equinócio de Março.

3. O fator geográfico que mais influencia a quantidade de energia solar recebida é a


(A) latitude. (B) longitude. (C) altitude. (D) continentalidade.

4. Em Portugal, os valores de radiação global média recebida no Inverno


(A) diminuem de oeste para este.
(B) aumentam com a altitude.
(C) aumentam das áreas mais urbanizadas para as menos urbanizadas.
(D) diminuem de sul para norte.

5. A proximidade/afastamento do mar reflete-se na quantidade de radiação solar recebida devido


(A) à variação da temperatura. (C) à variação da amplitude térmica.
(B) à variação da nebulosidade. (D) à variação do albedo.

Exercícios propostos 7/27


2.2. A radiação solar
GRUPO 8

1. A quantidade de energia solar recebida em determinado momento e num dado local à


superfície da Terra depende
(A) do ângulo de incidência dos raios solares, pois quanto menor for a obliquidade de incidência dos
raios solares maior é a quantidade de energia solar.
(B) da espessura da camada atmosférica que os raios solares têm de atravessar. No inverno
verifica-se uma maior inclinação dos raios solares, o que faz com que estes estejam mais baixos.
Assim, a espessura da massa atmosférica que a radiação solar tem de percorrer é superior ao
equivalente no verão.
(C) da espessura da camada atmosférica que os raios solares têm de atravessar. No verão verifica- se
uma maior inclinação dos raios solares, o que faz com que estes estejam mais baixos. Assim, a
espessura atmosférica que a radiação solar tem de percorrer é superior ao equivalente no inverno.
(D) do movimento de translação da Terra. O hemisfério onde os raios solares incidem de forma mais
oblíqua (verão) apresentará dias mais longos e, consequentemente, maior radiação solar.

2. Os processos que explicam a diferença entre a energia solar recebida no limite superior da
atmosfera e a energia que chega à superfície terrestre são
(A) radiação solar, radiação difusa e radiação direta.
(B) absorção, reflexão e difusão.
(C) radiação terrestre, radiação difusa e reflexão.
(D) radiação terrestre, difusão e absorção.

3. A nebulosidade ou o estado do céu é um dos fatores decisivos a afetarem a disponibilidade de


radiação solar. Então, os lugares
(A) mais afastados das regiões costeiras verificam valores maiores de radiação global, devido à
existência de nuvens formadas pela entrada de ar marítimo.
(B) mais próximos das regiões costeiras verificam valores maiores de radiação global, devido à
existência de nuvens formadas pela entrada de ar marítimo.
(C) de menor altitude registam menores valores de radiação solar global, devido à maior
nebulosidade.
(D) de maior altitude registam menores valores de radiação solar global, devido à maior
nebulosidade.

4. Em Portugal Continental, dois dos fatores explicativos da diferenciação norte-sul da


temperatura média anual são
(A) latitude e características do relevo. (C) latitude e exposição geográfica.
(B) continentalidade e exposição geográfica. (D) continentalidade e características do relevo.

5. As condições de insolação menos favoráveis do arquipélago dos Açores relativamente ao


arquipélago da Madeira explicam-se pela
(A) posição latitudinal mais elevada e devido à menor frequência da passagem da frente polar.
(B) posição latitudinal mais baixa e às condições meteorológicas, nos Açores, favoráveis à
presença de forte nebulosidade.
Exercícios propostos 8/27
2.2. A radiação solar
(C) posição latitudinal mais elevada e pela maior frequência da passagem da frente polar.
(D) posição insular e pela menor frequência da passagem da frente polar, que favorece e
presença de forte nebulosidade.

GRUPO 9

A figura que se segue mostra o movimento de translação da Terra.

1. O movimento de translação é
(A) o movimento que o sol executa à volta da Terra.
(B) o movimento que o sol executa em torno do seu eixo.
(C) o movimento que a Terra executa à volta da lua.
(D) o movimento que a Terra executa à volta do sol.

2. No hemisfério norte a quantidade de radiação solar recebida é máxima no


(A) equinócio de setembro. (C) solstício de dezembro.
(B) solstício de junho. (D) equinócio de março.

3. Em Portugal Continental, os valores da radiação solar global média recebida


(A) aumentam de norte para sul. (C) aumentam do interior para o litoral.
(B) diminuem de norte para sul. (D) aumentam de este para oeste.

4. Os processos que intervêm na quantidade de energia solar que chega à Terra são
(A) absorção, reflexão e concentração. (C) absorção, reflexão e difusão.
(B) absorção, reflexão e osmose. (D) absorção, reflexão e compressão.

Exercícios propostos 9/27


2.2. A radiação solar
GRUPO 10

A intensidade da radiação solar que atinge a superfície terrestre é variável, dependendo de


múltiplos fatores.

1. Quanto maior a inclinação dos raios solares ao atingiram a superfície terrestre, maior a radiação
recebida. Esta afirmação é
(A) verdadeira, pois menor é a superfície recetora.
(B) verdadeira, porque a absorção de energia na camada atmosférica atravessada é menor.
(C) falsa, porque quanto maior a inclinação dos raios solares, maior é a duração do dia natural.
(D) falsa, porque quanto maior a inclinação dos raios solares, maior é a dispersão da energia
recebida na superfície recetora.

2. A orientação do relevo interfere na quantidade de radiação solar recebida. Na ilha da Madeira, a


vertente mais exposta à radiação solar é a que se encontra orientada a
(A) norte. (B) sul. (C) este. (D) oeste.

3. Ao longo do dia natural, a radiação solar recebida é maior


(A) no momento que antecede o nascer do sol. (C) no momento do ocaso.
(B) ao meio-dia solar. (D) ao longo da manhã.

4. A insolação constitui um importante fator de variação da radiação solar recebida. É maior


quando
(A) há forte nebulosidade. (C) o céu está limpo.
(B) o dia natural tem a mesma duração da (D) a proximidade ao mar é maior.
noite.

5. A radiação solar recebida pela superfície terrestre varia com a latitude. É maior
(A) nas latitudes equatoriais. (C) no Trópico de Câncer.
(B) a norte do Círculo Polar Ártico. (D) a sul do Trópico de Capricórnio, nos dias equinociais.

GRUPO 11

A radiação solar que atinge a superfície terrestre varia ao


longo do ano, tal como mostra a figura que representa a
variação da duração do dia natural com a latitude.

1. A figura representa a posição da Terra no


(A) solstício de junho. (C) equinócio de dezembro.
(B) solstício de dezembro. (D) equinócio de junho.

2. Em Portugal, na data que a figura pretende representar


(A) dia natural é maior do que a noite. (C) o dia dura 24 horas.
(B) o dia é igual à noite. (D) o dia é menor do que a noite.
Exercícios propostos 10/27
2.2. A radiação solar
3. Na data representada na figura, os lugares situados no hemisfério norte recebem os maiores
valores de radiação solar. Esta afirmação é
(A) falsa, porque nessa data os raios solares atingem a Terra segundo a vertical do lugar.
(B) falsa, porque nessa data regista-se a menor duração do dia natural.
(C) verdadeira, porque nessa data o sol incide segundo o plano do equador.
(D) verdadeira, porque nessa data a nebulosidade é muito baixa.

4. Em Portugal, os valores médios de radiação solar global recebida


(A) diminuem de este para oeste.
(B) aumentam do litoral para o interior.
(C) são iguais em todos os lugares do território.
(D) diminuem de norte para sul.

5. O relevo constitui um importante fator de variação da radiação solar recebida em Portugal,


devido à
(A) variação da temperatura. (C) variação do albedo.
(B) variação da amplitude térmica. (D) variação da nebulosidade.

GRUPO 12

A figura mostra, através dos esquemas A e B, que a quantidade de energia solar que atinge uma
região varia ao longo do ano.

1. O movimento de translação e a inclinação do eixo da Terra em relação ao plano da órbita são os


principais responsáveis pela
(A) desigualdade dos dias e das noites.
(B) diminuição da inclinação dos raios solares com o aumento da latitude.
(C) curta duração do dia natural nas datas equinociais.
(D) variação da energia recebida no limite superior da atmosfera.

2. A figura A representa a posição da Terra no


(A) solstício de dezembro. (C) equinócio de setembro.
(B) solstício de junho. (D) equinócio de março.

Exercícios propostos 11/27


2.2. A radiação solar
3. Na figura B, nos lugares do hemisfério norte localizados à mesma latitude média de Portugal
continental
(A) os dias são maiores que as noites. (C) os dias são iguais às noites.
(B) os dias são menores que as noites. (D) o dia dura 24 horas.

4. No solstício de junho, os raios solares incidem no hemisfério norte com


(A) maior obliquidade. (C) igual obliquidade em todos os lugares.
(B) menor obliquidade. (D) igual obliquidade é observada no solstício de dezembro.

5. A energia solar é recebida pela Terra


(A) sob a forma de radiações de idêntico comprimento de onda.
(B) e mais tarde libertada para a atmosfera sob a forma de radiações ultravioletas.
(C) e, posteriormente, libertada para a atmosfera sob a forma de calor.
(D) onde se acumula sob a forma de luz visível.

GRUPO 13

Observe a figura relativa à variação espacial da radiação solar


global anual em Portugal Continental.
1. Defina radiação global.
2. Identifique os principais contrastes na variação espacial da
radiação global, em Portugal Continental.
3. Indique os principais fatores responsáveis por esses
contrastes.
4. Relacione a variação espacial da radiação global no
território continental com a da insolação, explicando a
influência dos seus principais fatores.

GRUPO 14

Na figura A, está representada a insolação em janeiro e em julho de 2012, em Portugal Continental, e


na figura B, a relação entre o ângulo de incidência dos raios solares, a massa atmosférica e a
extensão da superfície recetora dos raios solares.

Exercícios propostos 12/27


2.2. A radiação solar
1. Quanto maior a insolação
(A) maior a latitude.
(B) maior a radiação solar à superfície terrestre.
(C) menor o número de horas de Sol a descoberto.
(A) maior o volume de massa atmosférica a atravessar pelos raios solares.

2. Na figura B, os feixes de radiação solar que simbolizam, aproximadamente, a ocorrência


recebida em 1 e 2, da figura A, são
(A) A e B, respetivamente. (C) B e C, respetivamente.
(B) A e C, respetivamente. (D) B.

3. Em Portugal, a insolação diminui de


(A) norte para sul. (B) norte para o centro. (C) sul para norte. (D) sul para o centro.

4. As vertentes umbrias são as que registam


(A) a maior insolação.
(B) a menor massa atmosférica a atravessar pelos raios solares.
(C) a menor insolação.
(D) o maior ângulo de incidência.

Exercícios propostos 13/27


2.2. A radiação solar
5. Os valores de insolação nos arquipélagos são
(A) mais elevados na Madeira do que nos Açores. (C) mais elevados no continente.
(B) mais elevados nos Açores do que na Madeira. (D) semelhantes nos dois arquipélagos.

GRUPO 15

Observe atentamente as figuras que representam a distribuição sazonal da radiação solar global em
Portugal continental.

1. Compare a distribuição da radiação solar global nas duas épocas do ano referenciadas nos
mapas.
2. Apresente dois motivos explicativos da variação da distribuição da radiação solar global
recebida com a latitude, tal como as figuras evidenciam.
3. Refira o fator geográfico responsável pela variação da distribuição da radiação solar global em
função do afastamento do mar.
4. Relacione a localização da barreira de condensação e a respetiva orientação em relação à linha de
costa, com o registo dos valores mais baixos da radiação solar global recebida no território continental
português.

2.2.3. A distribuição da temperatura


a) Os contrastes estacionais
b) Os fatores de variação

Exercícios propostos 14/27


2.2. A radiação solar
GRUPO 16

Observe o mapa que representa a distribuição das médias das temperaturas médias do ar, em
Portugal continental, no mês de janeiro de 2009.

1. Se se considerar que, no mapa, os limites inferiores das


classes correspondem a linhas que unem pontos com igual
temperatura média do ar, então essas linhas são
(A) isoietas. (C) isossistas.
(B) isotérmicas. (D) isócronas.

2. Os valores mais baixos das médias das temperaturas médias


do ar no mês de janeiro de 2009, de acordo como o mapa,
registaram-se
(A) ao longo da secção portuguesa do rio Douro.
(B) nas áreas de maior altitude a norte do rio Tejo.
(C) no litoral a norte do cabo Carvoeiro.
(D) na faixa litoral mais ocidental do Algarve.

3. A variação espacial da temperatura no mês de janeiro de


2009, observável no mapa, deve-se, além da influência da
latitude, especialmente à influência de
(A) orientação dos vales e da proximidade do mar. (C) orientação dos vales e da exposição geográfica.
(B) altitude e da exposição geográfica. (D) altitude e da proximidade do mar.

4. As áreas de Portugal continental que, segundo os dados do mapa, registam temperaturas mais
favoráveis para a produção de hortícolas, durante o inverno, são
(A) o litoral sul do Algarve e a faixa litoral entre Peniche e Sagres.
(B) o norte interior e a faixa litoral entre Peniche e Porto.
(C) o Alentejo interior e a faixa litoral a norte da ria de Aveiro.
(D) o vale do rio Douro e a faixa litoral a norte de Lisboa.

5. Na ilha da Madeira, tal como acontece na generalidade do continente, os aglomerados


populacionais localizam-se, preferencialmente, nas vertentes orientadas a sul, porque
(A) o número de horas de sol acima da linha do horizonte é menor do que nas vertentes voltadas a
norte.
(B) o dia natural tem maior duração do que nas vertentes voltadas a norte.
(C) a energia recebida por unidade de superfície é maior do que nas vertentes voltadas a norte.
(D) a exposição aos raios solares é menor do que nas vertentes voltadas a norte.

Exercícios propostos 15/27


2.2. A radiação solar
GRUPO 17

Observe a tabela com a média da temperatura máxima, em algumas estações meteorológicas de


Portugal, no ano de 2010.

1. Refira o fator climático que, à escala local, é responsável pela temperatura máxima mais baixa
registada na estação meteorológica de Penhas Douradas.
2. Justifique a influência desse fator climático na temperatura registada nessa estação
meteorológica.
3. Considerando as estações meteorológicas presentes na tabela, justifique a diferença térmica
registada entre as estações meteorológicas localizadas a sul e a norte.

GRUPO 18

Leia o documento seguinte.

1. De um modo geral, as temperaturas foram


(A) mais elevadas no norte do que sul do país. (C) mais baixas no norte do país.
(B) mais elevadas no litoral do país. (D) mais baixas no interior do país.

2. O fator climático que, no geral, explica a variação térmica entre o norte e o sul do país é
(A) relevo. (C) a proximidade e o afastamento ao mar.
(B) a latitude. (D) as correntes marítimas.

3. No dia 26 de julho de 2010, os valores de temperatura registados no país foram da


responsabilidade
(A) de uma massa de ar quente e seca de leste. (C) de uma massa de ar quente e seca de oeste.
(B) de uma massa de ar quente e húmida de leste. (D) de uma massa de ar quente de leste.

Exercícios propostos 16/27


2.2. A radiação solar
4. Entre o litoral e o interior nos meses de verão
(A) as temperaturas mais elevadas registam-se na Cordilheira Central.
(B) as temperaturas mais elevadas registam-se no litoral.
(C) as temperaturas mais elevadas registam-se no interior.
(D) as temperaturas são amenas independentemente de ser litoral ou interior.

5. As temperaturas registadas ao longo do ano na Cordilheira Central estão associadas ao fator do clima
(A) latitude. (C) proximidade ou afastamento do mar.
(B) correntes marítimas. (D) relevo.

GRUPO 19

A tabela apresenta a temperatura média anual em São Miguel (Ponta Delgada) e no Funchal/ Lido
(Madeira), no ano de 2010.

1. A Madeira registou a temperatura média anual superior aos Açores, porque


(A) localiza-se a uma maior latitude e sofre a influência da proximidade do deserto do Sara.
(B) localiza-se a uma menor latitude e sofre a influência da proximidade do deserto do Sara.
(C) localiza-se a uma maior latitude e não sofre a influência da proximidade do deserto do Sara.
(D) localiza-se a uma menor latitude e não sofre a influência da proximidade do deserto do Sara.

2. Os arquipélagos têm características térmicas que refletem o efeito da influência


(A) do relevo. (B) da latitude. (C) do oceano. (D) da continentalidade.

3. A variação de temperatura na Madeira relativamente aos Açores


(A) é mais diversificada. (C) é a mesma.
(B) é menos diversificada. (D) é maior que no Continente.

4. Na Madeira,
(A) os contrastes sazonais são quase inexistentes, mas os regionais são mais significativos,
sobretudo entre as vertentes voltadas a norte e as vertentes voltadas a sul.
(B) os contrastes sazonais são vincados, mas os regionais são pouco significativos, sobretudo entre
as vertentes voltadas a norte e as vertentes voltadas a sul.
(C) os contrastes sazonais são quase inexistentes, mas os regionais são mais significativos,
sobretudo entre as vertentes voltadas a oeste e as vertentes voltadas a este.
(D) os contrastes sazonais e os regionais são significativos, sobretudo entre as vertentes voltadas a
este e as vertentes voltadas a oeste.

Exercícios propostos 17/27


2.2. A radiação solar
5. Na Madeira, as temperaturas são mais
(A) elevadas na encosta sul e diminuem para o interior da ilha, em função da altitude.
(B) elevadas na encosta norte e diminuem para o interior da ilha, em função da altitude.
(C) elevadas nas áreas do interior, em função da altitude.
(D) elevadas no interior e aumentam para o litoral em função da altitude.

GRUPO 20

A figura mostra a distribuição, através das


isotérmicas, da temperatura média anual em
Portugal continental.

1. Defina linha isotérmica.


2. Descreva a distribuição da temperatura média
anual em Portugal continental.
3. Explique de que forma a latitude representa um
dos fatores geográficos mais importantes na
distribuição da temperatura média anual em
Portugal continental.
4. Elabore um pequeno texto onde aborde a
importância e a pertinência do aproveitamento da
energia solar, num país com as características de
Portugal.

GRUPO 21

Observe com atenção os gráficos que representam a distribuição da temperatura máxima e


mínima em Bragança e no Porto/Pedras Rubras, ao longo do mês de janeiro de 2008.

Exercícios propostos 18/27


2.2. A radiação solar
1. A diferença registada na distribuição dos valores médios de temperatura no mês de janeiro entre
Bragança e Porto/Pedras Rubras decorre fundamentalmente da
(A) latitude a que cada uma das cidades se localiza. (C) afastamento/proximidade do mar.
(B) desigual duração dos dias e das noites. (D) orientação do relevo.

2. Em Bragança e no Porto/Pedras Rubras, as temperaturas médias mensais no mês de janeiro de 2008


rondaram, respetivamente
(A) 10ºC e 8ºC. (B) 5ºC e 10ºC. (C) 0ºC e 5ºC. (D) 5ºC e 15ªC.

3. O valor mais elevado de amplitude de variação térmica diurna registado em Bragança no mês de
janeiro ocorreu no dia
(A) 6. (B) 13. (C) 18. (D) 27.

4. Os valores das temperaturas mínimas diurnas registadas em Bragança no mês de janeiro favorecem a
formação de
(A) geada. (C) centros de baixas pressões.
(B) orvalho. (D) nuvens de desenvolvimento vertical.

5. A suavidade das temperaturas mínimas registadas no Porto/Pedras Rubras no mês de janeiro


resulta de
(A) elevada nebulosidade. (C) orientação do relevo.
(B) número elevado de horas de insolação. (D) Influência do Douro.

GRUPO 22

Observe os mapas das figuras A e B relativos à distribuição das temperaturas médias em Portugal
continental, nos meses de janeiro e de julho.

Exercícios propostos 19/27


2.2. A radiação solar
1. Defina linha isotérmica.
2. Compare a distribuição das temperaturas médias em janeiro e em julho.
3. Indique as regiões onde se registam os maiores e os menores valores de amplitude de variação
térmica anual em Portugal continental, respetivamente.
4. Explique a inflexão das isotérmicas ao longo do vale superior do rio Douro e ao longo do vale do rio
Mondego.

2.2.4. A valorização económica da radiação solar

GRUPO 23

A radiação solar total média que atinge o nosso país é


bastante superior à média europeia. No entanto, verifica-se
uma acentuada diferenciação espacial, como se observa na
figura.
1. Em Portugal Continental, a radiação solar global
(A) é superior nas regiões do sul e do litoral ocidental.
(B) diminui de sul para norte e do interior para o
litoral.
(C) é mais baixa no extremo norte e no litoral
ocidental.
(D) aumenta de norte para sul e do interior para o
litoral.

Exercícios propostos 20/27


2.2. A radiação solar
2. A desigual distribuição da radiação solar em Portugal Continental deve-se, entre outras razões,
(A) às consequências do movimento de translação da Terra.
(B) à variabilidade sazonal da radiação solar global.
(C) à influência da latitude e da proximidade do mar.
(D) à inclinação da Terra sobre o plano da sua órbita.

3. A distribuição da radiação solar global em Portugal Continental tem como consequência


(A) a distribuição idêntica das temperaturas médias no território.
(B) a variação aproximada das temperaturas ao longo do ano.
(C) a influência dos mesmos fatores na temperatura.
(D) a influência do Sol na variação das temperaturas.

4. Portugal tem um potencial muito elevado para aplicações da energia solar. Esta afirmação é
verdadeira
(A) mas a sua utilização como recurso energético ainda não é feita.
(B) e esse potencial é maior nas regiões do litoral ocidental e no Alentejo.
(C) tendo-se procedido à instalação de painéis solares na região do Alentejo.
(D) como demonstra a instalação de centrais solares na região do Alentejo.

5. As excelentes condições de insolação e a amenidade do clima no nosso país


(A) têm sido os principais fatores de crescimento turístico dos últimos anos.
(B) têm conduzido ao crescimento das receitas económicas no setor do turismo.
(C) contribuem para o desenvolvimento do turismo, em particular do turismo sénior.
(D) acentuam o tradicional problema da sazonalidade do turismo balnear.

a) A energia solar

GRUPO 24

Leia atentamente o texto que se segue.

“O princípio de funcionamento é bastante simples: a radiação solar que incide sobre a


cobertura de vidro, que compõe a parte superior do painel solar, transfere-se sob a forma
de calor para o fluido circulante no interior dos tubos que constituem o painel. Esse
fluido, após sofrer o aquecimento, circula em circuito fechado e transfere o calor através
da serpentina do depósito para a água aí acumulada, aquecendo-a. A circulação do
fluido é gerida e controlada pelo regulador solar e pelo grupo de circulação, em função
das temperaturas registadas na medição.
Independentemente da forma como usemos a radiação solar como fonte de energia, o
que é certo é que somos um dos países da Europa com melhores condições de
aproveitamento deste recurso, pois dispomos de um número médio anual de horas de
Sol, entre 2200 e 3000 no continente. O Plano Nacional de Ação para a Eficiência
Energética (PNAEE) estabelece como objetivo que 31% da energia final provenha de fontes
renováveis até 2020, um valor superior ao estabelecido pela UE (20%).”
http://www.spaes.com.pt/pt/ e PNAEE 2016 (adaptado, acedido em fevereiro de 2014)

Exercícios propostos 21/27


2.2. A radiação solar
1. O sistema de produção de energia a partir da radiação solar descrita no texto designa-se de
(A) conversão térmica. (B) fotovoltaico. (C) térmico. (D) solarismo.

2. Os sistemas fotovoltaicos transformam a radiação solar em


(A) energia calorífica. (B) energia elétrica. (C) vapor de água. (D) energia fóssil.

3. Duas regiões em Portugal com potencial muito elevado de aproveitamento térmico são
(A) Ribatejo e Oeste e Minho. (C) Alentejo e Algarve.
(B) Açores e Madeira. (D) Trás-os-Montes e Beira Litoral.

4. A nebulosidade do litoral/regiões de montanha e a latitude explicam, respetivamente, as


variações na quantidade de radiação solar recebida entre
(A) norte-sul e nordeste-sudoeste. (C) norte-sul e oeste-este.
(B) oeste-este e norte-sul. (D) sudeste-noroeste e norte-sul.

5. O cumprimento das metas do PNAEE vai permitir ao nosso país


(A) gerar energia suplementar que será desperdiçada, pois a UE é excedentária em energia.
(B) diminuir a dependência externa, reduzindo as importações de combustíveis fósseis.
(C) aumentar as exportações de energia e as importações de petróleo.
(D) gerar dividendos que lhe possa permitir explorar os recursos fósseis do subsolo.

GRUPO 25

Leia atentamente o documento.

1. Distinga o processo de aproveitamento solar


fotovoltaico do solar térmico.
2. Indique as vantagens da produção de
eletricidade a partir da energia solar referidas no
documento.
3. Refira os principais condicionalismos que
se colocam à produção de eletricidade a partir da
energia solar.
4. Comente a última frase do documento,
tendo em conta a distribuição, em Portugal
Continental, do potencial de aproveitamento
fotovoltaico e respetivos fatores.

Exercícios propostos 22/27


2.2. A radiação solar
GRUPO 26

Leia o texto e observe com atenção as figuras.

1. Compare os valores da radiação solar global média registados no nosso país com os restantes
países da União Europeia.
2. Refira dois processos de utilização ativa da energia solar.
3. Apresente dois motivos que justifiquem as discrepâncias verificadas entre as potencialidades do
nosso país para o aproveitamento da energia solar e o mercado solar térmico já existente nalguns países
da União Europeia e que registam valores de radiação solar muito menores.
4. Exponha a importância nacional do Plano Novas Energias no que concerne à energia solar,
considerando:
- a sustentabilidade ambiental;
- a sustentabilidade económica.

Exercícios propostos 23/27


2.2. A radiação solar
GRUPO 27

Leia o documento seguinte.

1. De acordo com o documento, mencione as possíveis utilizações provenientes da energia solar.


2. Refira a importância desta fonte de energia alternativa para o ambiente.
3. Explicite de que forma a energia solar pode levar ao desenvolvimento regional.
4. Mencione o elemento climático que justifica a seguinte afirmação:
“Na atualidade, Amareleja possui o maior parque fotovoltaico do mundo.”

GRUPO 28

Leia atentamente o texto que se segue

1. Justifique a aposta realizada pelos países europeus neste recurso energético.


2. Avalie as potencialidades do nosso país relativamente a este recurso.
3. Identifique dois fatores que possam condicionar, em Portugal, a aposta realizada na energia solar.

Exercícios propostos 24/27


2.2. A radiação solar
GRUPO 29

Observe atentamente o gráfico apresentado relativo à produção de energia elétrica a partir de


fontes renováveis, por distrito, em 2011.

1. Caracterize a atual distribuição regional da produção de energia elétrica a partir da energia solar
fotovoltaica.
2. Justifique essa distribuição.
3. Comente criticamente a afirmação que se segue:
Em Portugal, as aplicações da energia solar fotovoltaica, nomeadamente no fornecimento
das necessidades básicas de energia elétrica a habitações distantes da rede pública
de distribuição ou na sinalização marítima, estão ainda pouco disseminadas.
4. Observe atentamente a figura.

Exercícios propostos 25/27


2.2. A radiação solar
4.1. Avalie a importância estratégica da insolação para o nosso país, referindo:
- o contributo para a diversificação das fontes energéticas;
- a importância económica para os diferentes setores de atividade económica nacional.
5. Explique em que consiste a arquitetura solar passiva, identificando uma vantagem e uma
desvantagem.

GRUPO 30

Leia com atenção o texto

1. O aproveitamento da energia solar poderá contribuir para que Portugal


(A) diminua a sua dependência energética face ao exterior; diminua o défice da balança
comercial; caminhe para o cumprimento dos compromissos estabelecidos, no âmbito do protocolo
de Quioto e da conferência de Doha; promova a valorização e o desenvolvimento do turismo.
(B) diminua a sua dependência energética face ao exterior; aumente o défice da balança
comercial; caminhe para o cumprimento dos compromissos estabelecidos, no âmbito do protocolo
de Quioto e da conferência de Doha; promova a valorização e desenvolvimento do turismo.
(C) aumente a sua dependência energética face ao exterior; aumente o défice da balança
comercial; se afaste do cumprimento dos compromissos estabelecidos, no âmbito do
protocolo de Quioto; promova a desvalorização e desenvolvimento do turismo.
(D) aumente a sua dependência energética face ao exterior; aumente o défice da balança
comercial; caminhe para o cumprimento dos compromissos estabelecidos, no âmbito do
protocolo de Quioto; promova a valorização e desenvolvimento do turismo.

2. As principais utilizações da energia solar são


(A) para produção energética e fins turísticos. (C) para fins energéticos de forma passiva.
(B) para fins turísticos. (D) para aquecimento.

3. Uma das grandes vantagens da produção de eletricidade por via fotovoltaica é


(A) a não libertação de gases com efeito de estufa.
(B) a pouca fiabilidade da energia elétrica obtida.
(C) a elevada manutenção.
(D) a não criação de novos postos de trabalho, nomeadamente, a nível local.
Exercícios propostos 26/27
2.2. A radiação solar
4. Na atualidade, a Amareleja possui o maior parque fotovoltaico do mundo,
(A) beneficiando da elevada nebulosidade.
(B) beneficiando da intensidade do vento.
(C) beneficiando da elevada insolação.
(D) beneficiando da reduzida radiação solar incidente.

5. A central fotovoltaica de Amareleja destina-se


(A) à produção de energia elétrica, com uma potência de 46 MWp e à produção de 93 milhões de kWh.
(B) à produção de aquecimento, com uma potência de 46 MWp e à produção de 93 milhões de kWh.
(C) à produção de hidroeletricidade, com uma potência de 46 MWp e à produção de 93 milhões de
kWh.
(D) à produção de termoeletricidade, com uma potência de 46 MWp e à produção de 93 milhões de
kWh.

b) O turismo

GRUPO 31

A figura representa a distribuição da radiação solar global


na Europa.
1. Explique de que forma a latitude representa um dos
fatores geográficos mais importantes na distribuição da
radiação global em Portugal Continental.
2. Explique em que medida a radiação solar constitui
um importante recurso na economia portuguesa.
3. Refira uma região portuguesa com maior potencial para a
obtenção de energia térmica e de energia elétrica, a partir
da energia solar.
4. Mencione uma região portuguesa com forte potencial
turístico balnear.

Exercícios propostos 27/27


2.2. A radiação solar