Vous êtes sur la page 1sur 60

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA

POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL


SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO MARANHÃO

MINUTA DE EDITAL DE LICITAÇÃO

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 02/2018.

(Processo Administrativo SEI n.° 08665.000117/2018-19

Torna-se público, para conhecimento dos interessados, que a Superintendência da Polícia Rodoviária Federal
no Maranhão (SRPRF/MA), por meio do Pregoeiro designado pela Portaria nº 48, de 26 de abril de 2017,
sediado na Avenida Emiliano Macieira, nº 1800, BR 135, Km 1,5, Bairro Vila Itamar, na cidade de São
Luís/MA, inscrito no CNPJ sob o nº 00.394.494/0119-28, realizará licitação, na modalidade PREGÃO, na
forma ELETRÔNICA, do tipo menor preço por item, nos termos da Lei nº 10.520, de 17 de julho de 2002,
do Decreto nº 5.450, de 31 de maio de 2005, do Decreto 2.271, de 7 de julho de 1997, das Instruções
Normativas SLTI/MPOG nº 5, de 26 de maio de 2017, e nº 02, de 11 de outubro de 2010, da Lei
Complementar n° 123, de 14 de dezembro de 2006, da Lei nº 11.488, de 15 de junho de 2007, do Decreto
n° 6.204, de 05 de setembro de 2007 e do Decreto nº 7.983, de 8 de abril de 2013, aplicando-se,
subsidiariamente, a Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e as exigências estabelecidas neste Edital.

Data da sessão: 08/03/2018


Horário: 09:00 horas
Local: Portal de Compras do Governo Federal – www.comprasgovernamentais.gov.br

1. DO OBJETO
1.1. O objeto da presente licitação é a escolha da proposta mais vantajosa para a contratação de
empresaespecializada na área de engenharia para fiscalização e acompanhamento da execução das
obras de Construção das Unidades Administrativas e Operacionais abaixo, conforme condições,
quantidades, exigências e especificações discriminadas nos projetos, termo de referência e demais
documentos anexos a este Edital.

Item Descrição

Construção da Unidade Administrativa e Operacional da PRF em Balsas,


1
localizada na BR 230, km 412,5, Município de Balsas-MA.

Construção da Unidade Administrativa e Operacional da PRF em Barra do


2 Corda, localizada na BR 226, km 292,5, no Município de Barra do Corda-
MA

1.2. A licitação será dividida em itens, conforme tabela acima, facultando-se ao licitante a participação em
quantos itens forem de seu interesse.
1.3. A licitação será realizada pelo regime de empreitada por preço global por item, sagrando-se vencedoro
licitante que ofertar o menor preço.
2. DOS RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS
2.1. As despesas para atender a esta licitação estão programadas em dotação orçamentária própria,
previstano orçamento da União para o exercício de 2018, na classificação abaixo:
Gestão/Unidade: 200124
Fonte: 0100/0174
Programa de Trabalho: 06.181.2081.154T.0001
Elemento de Despesa: 33.90.39
PI: RF99C0O2CON

3. DO CREDENCIAMENTO
3.1. O Credenciamento é o nível básico do registro cadastral no SICAF, que permite a participação
dosinteressados na modalidade licitatória Pregão, em sua forma eletrônica.
3.2. O cadastro no SICAF poderá ser iniciado no Portal de Compras do Governo Federal, no sítio
www.comprasgovernamentais.gov.br, com a solicitação de login e senha pelo interessado.
3.3. O credenciamento junto ao provedor do sistema implica a responsabilidade do licitante ou de
seurepresentante legal e a presunção de sua capacidade técnica para realização das transações inerentes
a este Pregão.
3.4. O uso da senha de acesso pelo licitante é de sua responsabilidade exclusiva, incluindo
qualquertransação efetuada diretamente ou por seu representante, não cabendo ao provedor do sistema,
ou ao órgão ou entidade responsável por esta licitação, responsabilidade por eventuais danos
decorrentes de uso indevido da senha, ainda que por terceiros.
3.5. A perda da senha ou a quebra de sigilo deverá ser comunicada imediatamente ao provedor do
sistemapara imediato bloqueio de acesso.

4. DA PARTICIPAÇÃO NO PREGÃO.
4.1. Poderão participar deste Pregão interessados cujo ramo de atividade seja compatível com o objetodesta
licitação, e que estejam com Credenciamento regular no Sistema de Cadastramento Unificado de
Fornecedores – SICAF, conforme disposto no §3º do artigo 8º da IN SLTI/MPOG nº 2, de 2010.
4.2. Não poderão participar desta licitação os interessados:
4.2.1 Empresas que tenham algum vinculo, seja por parte dos proprietários ou de sua equipe
técnica,com empresas contratadas para a execução da obra.
4.2.2 Proibidos de participar de licitações e celebrar contratos administrativos, na forma da
legislaçãovigente;
4.2.3 Estrangeiros que não tenham representação legal no Brasil com poderes expressos para
recebercitação e responder administrativa ou judicialmente;
4.2.4 Que se enquadrem nas vedações previstas no artigo 9º da Lei nº 8.666, de 1993;
4.2.5 Que estejam sob falência, em recuperação judicial ou extrajudicial, concurso de credores,
concordata ou insolvência, em processo de dissolução ou liquidação; 4.2.6 Entidades empresariais
que estejam reunidas em consórcio;
4.3. Não será permitida a participação de cooperativas.
4.4. Como condição para participação no Pregão, o licitante assinalará “sim” ou “não” em campo própriodo
sistema eletrônico, relativo às seguintes declarações:
4.4.1 que cumpre os requisitos estabelecidos no artigo 3° da Lei Complementar nº 123, de 2006,estando
apto a usufruir do tratamento favorecido estabelecido em seus arts. 42 a 49;
4.4.2 A assinalação do campo “não” apenas produzirá o efeito de o licitante não ter direito aotratamento
favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, mesmo que microempresa, empresa
de pequeno porte ou sociedade cooperativa;
4.4.3 Que está ciente e concorda com as condições contidas no Edital e seus anexos, bem como deque
cumpre plenamente os requisitos de habilitação definidos no Edital;
4.4.4 Que inexistem fatos impeditivos para sua habilitação no certame, ciente da obrigatoriedade
dedeclarar ocorrências posteriores;
4.5. Que não emprega menor de 18 anos em trabalho noturno, perigoso ou insalubre e não emprega menorde
16 anos, salvo menor, a partir de 14 anos, na condição de aprendiz, nos termos do artigo 7°, XXXIII,
da Constituição.
4.6. Que a proposta foi elaborada de forma independente, nos termos da Instrução Normativa
SLTI/MPOGnº 2, de 16 de setembro de 2009.

5. DO ENVIO DA PROPOSTA
5.1. O licitante deverá encaminhar a proposta por meio do sistema eletrônico até a data e horário
marcadospara abertura da sessão, quando, então, encerrar-se-á automaticamente a fase de recebimento
de propostas.
5.2. Todas as referências de tempo no Edital, no aviso e durante a sessão pública observarão o horário
deBrasília – DF.
5.3. O licitante será responsável por todas as transações que forem efetuadas em seu nome no
sistemaeletrônico, assumindo como firmes e verdadeiras suas propostas e lances.
5.4. Incumbirá ao licitante acompanhar as operações no sistema eletrônico durante a sessão pública
doPregão, ficando responsável pelo ônus decorrente da perda de negócios, diante da inobservância de
quaisquer mensagens emitidas pelo sistema ou de sua desconexão.
5.5. Até a abertura da sessão, os licitantes poderão retirar ou substituir as propostas apresentadas.
5.6. O licitante deverá enviar sua proposta mediante o preenchimento, no sistema eletrônico, dos
seguintescampos:
5.6.1 valor global;
5.6.2 Descrição detalhada do objeto, contendo, entre outras, as seguintes informações: Informação que
se trata de serviços comuns de engenharia para fiscalização de construção civil para execução de
construção da unidade operacional e administrativa da Policia Rodoviária Federal (na localidade
conforme o item pretendido);
5.7. Todas as especificações do objeto contidas na proposta vinculam a Contratada.
5.8. Nos valores propostos estarão inclusos todos os custos operacionais, encargos previdenciários,
trabalhistas, tributários, comerciais e quaisquer outros que incidam direta ou indiretamente na prestação
dos serviços.
5.9. O prazo de validade da proposta não será inferior a 60 (sessenta) dias, a contar da data de sua
apresentação.

6. DAS PROPOSTAS E FORMULAÇÃO DE LANCES


6.1. A abertura da presente licitação dar-se-á em sessão pública, por meio de sistema eletrônico, na
data,horário e local indicados neste Edital.
6.2. O Pregoeiro verificará as propostas apresentadas, desclassificando desde logo aquelas que não
estejamem conformidade com os requisitos estabelecidos neste Edital, contenham vícios insanáveis ou
não apresentem as especificações técnicas exigidas no Termo de Referência.
6.3. A desclassificação será sempre fundamentada e registrada no sistema, com acompanhamento emtempo
real por todos os participantes.
6.4. A não desclassificação da proposta não impede o seu julgamento definitivo em sentido contrário,levado
a efeito na fase de aceitação.
6.5. O sistema ordenará automaticamente as propostas classificadas, sendo que somente estas participarãoda
fase de lances.
6.6. O sistema disponibilizará campo próprio para troca de mensagem entre o Pregoeiro e os licitantes.
6.7. Iniciada a etapa competitiva, os licitantes deverão encaminhar lances exclusivamente por meio
desistema eletrônico, sendo imediatamente informados do seu recebimento e do valor consignado no
registro.
6.8. O lance deverá ser ofertado pelo valor global.
6.9. Os licitantes poderão oferecer lances sucessivos, observando o horário fixado para abertura da sessão
eas regras estabelecidas no Edital.
6.10.Em caso de falha no sistema, os lances em desacordo com a norma deverão ser desconsiderados
pelopregoeiro, devendo a ocorrência ser comunicada imediatamente à Secretaria de Logística e
Tecnologia da Informação.
6.11.Na hipótese do subitem anterior, a ocorrência será registrada em campo próprio do sistema.
6.12.O licitante somente poderá oferecer lance inferior ao último por ele ofertado e registrado pelo sistema.
6.13.Durante o transcurso da sessão pública, os licitantes serão informados, em tempo real, do valor domenor
lance registrado, vedada a identificação do licitante.
6.14.No caso de desconexão com o Pregoeiro, no decorrer da etapa competitiva do Pregão, o
sistemaeletrônico poderá permanecer acessível aos licitantes para a recepção dos lances.
6.15.Se a desconexão perdurar por tempo superior a 10 (dez) minutos, a sessão será suspensa e teráreinício
somente após comunicação expressa do Pregoeiro aos participantes.
6.16.A etapa de lances da sessão pública será encerrada por decisão do Pregoeiro. O sistema
eletrônicoencaminhará aviso de fechamento iminente dos lances, após entrará em modo aleatoriamente
determinado pelo sistema, findo o qual será automaticamente encerrada a recepção de lances.
6.17.Caso o licitante não apresente lances, concorrerá com o valor de sua proposta e, na hipótese
dedesistência de apresentar outros lances, valerá o último lance por ele ofertado, para efeito de
ordenação das propostas.
6.18.Encerrada a etapa de lances, será efetivada a verificação automática, junto à Receita Federal, do porteda
entidade empresarial. O sistema identificará em coluna própria as microempresas, empresas de pequeno
porte e sociedades cooperativas participantes, procedendo à comparação com os valores da primeira
colocada, se esta for empresa de maior porte, assim como das demais classificadas, para o fim de
aplicarse o disposto nos arts. 44 e 45 da LC nº 123, de 2006, regulamentada pelo Decreto nº 6.204, de
2007.
6.19.Nessas condições, as propostas de microempresas, empresas de pequeno porte e sociedades
cooperativas que se encontrarem na faixa de até 5% (cinco por cento) acima da proposta ou lance de
menor preço serão consideradas empatadas com a primeira colocada.
6.20.A melhor classificada nos termos do item anterior terá o direito de encaminhar uma última oferta
paradesempate, obrigatoriamente em valor inferior ao da primeira colocada, no prazo de 5 (cinco)
minutos controlados pelo sistema, contados após a comunicação automática para tanto.
6.21.Caso a microempresa, empresa de pequeno porte ou sociedade cooperativa melhor classificada desista
ou não se manifeste no prazo estabelecido, serão convocadas as demais licitantes microempresa,
empresa de pequeno porte e sociedade cooperativa que se encontrem naquele intervalo de 5% (cinco
por cento), na ordem de classificação, para o exercício do mesmo direito, no prazo estabelecido no
subitem anterior.
6.22.No caso de equivalência dos valores apresentados pela microempresa, empresa de pequeno porte
eequiparados que se encontrem em situação de empate, será realizado sorteio para que se identifique a
primeira que poderá apresentar melhor oferta.
6.23.Eventual empate entre propostas, o critério de desempate será aquele previsto no art. 3º, § 2º, da Leinº
8.666, de 1993, assegurando-se a preferência, sucessivamente, aos serviços:
prestados por empresas brasileiras;
prestados por empresas que invistam em pesquisa e no desenvolvimento de tecnologia no País;
Persistindo o empate, o critério de desempate será definido pelo sistema compras governamentais, vedado
qualquer outro processo.

7. DA ACEITABILIDADE DA PROPOSTA VENCEDORA.


7.1. Encerrada a etapa de lances e depois da verificação de possível empate, o Pregoeiro examinará
aproposta classificada em primeiro lugar quanto ao preço, a sua exequibilidade, bem como quanto ao
cumprimento das especificações do objeto.
7.2. Será desclassificada a proposta que:
7.2.1 não estiver em conformidade com os requisitos estabelecidos neste edital;
7.2.2 contiver vícios ou ilegalidades, for omissa ou apresentar irregularidades ou defeitos capazes
dedificultar o julgamento;
7.2.3 não apresentar as especificações técnicas exigidas no Termo de Referência e/ou anexos;
7.2.4 contiver oferta de vantagem não prevista neste edital, inclusive financiamentos subsidiados ou
afundo perdido, ou apresentar preço ou vantagem baseada nas ofertas dos demais licitantes;
7.3. Apresentar, na composição de seus preços:
7.3.1 taxa de Encargos Sociais ou taxa de B.D.I. inverossímil;
7.3.2 custo de insumos em desacordo com os preços de mercado;
7.3.3 quantitativos de mão-de-obra, materiais ou equipamentos insuficientes para compor a unidadedos
serviços.
7.4. Será desclassificada a proposta ou lance vencedor cujo preço global por item orçado ou o preço
dequalquer uma das etapas previstas no cronograma físico-financeiro de cada item tenha superado os
preços de referência discriminados nos projetos anexos a este edital.
7.5. A participação na presente licitação implica a concordância do licitante com a adequação de todos
osprojetos anexos a este edital, de modo que eventuais alegações de falhas ou omissões em qualquer
das peças, orçamentos, plantas, especificações, memoriais e estudos técnicos preliminares dos projetos
não poderão ultrapassar, no seu conjunto, a dez por cento do valor total do futuro contrato, nos termos
do art. 13, II do Decreto n. 7.983/2013.
7.6. Será igualmente desclassificada a proposta manifestamente inexequível. Considera-se inexequível
aproposta de preços ou menor lance que comprovadamente, for insuficiente para a cobertura dos custos
da contratação, apresente preços unitários simbólicos, irrisórios ou de valor zero, incompatíveis com
os preços dos insumos e salários de mercado, acrescidos dos respectivos encargos, ainda que o ato
convocatório da licitação não tenha estabelecido limites mínimos, exceto quando se referirem a
materiais e instalações de propriedade do próprio licitante, para os quais ele renuncie a parcela ou à
totalidade da remuneração.
7.7. O exame da inexequibilidade observará a fórmula prevista no art. 48, §§ 1º e 2º da Lei nº 8.666, de1993.
7.8. Se houver indícios de inexequibilidade da proposta de preço, ou em caso da necessidade de
esclarecimentos complementares, poderão ser efetuadas diligências, na forma do § 3° do artigo 43 da
Lei n° 8.666, de 1993, a exemplo das enumeradas no §3º, do art. 29, da IN SLTI/MPOG nº 2, de 2008.
7.9. Quando o licitante apresentar preço final inferior a 30% (trinta por cento) da média dos preços ofertados
para o mesmo item, não sendo possível a sua imediata desclassificação por inexequibilidade, será
obrigatória a realização de diligências para o exame da proposta.
7.10.Qualquer interessado poderá requerer que se realizem diligências para aferir a exequibilidade e
alegalidade das propostas, devendo apresentar as provas ou os indícios que fundamentam a suspeita.
7.11.O Pregoeiro poderá convocar o licitante para enviar documento digital, por meio de
funcionalidadedisponível no sistema, estabelecendo no “chat” prazo razoável para tanto, sob pena de
não aceitação da proposta, ou outro meio, desde que a funcionalidade do sistema apresente problema.
7.12.O prazo estabelecido pelo Pregoeiro poderá ser prorrogado por solicitação escrita e justificada
dolicitante, formulada antes de findo o prazo estabelecido, e formalmente aceita pelo Pregoeiro.
7.13.A proposta inicial, ajustada ao lance vencedor, a ser encaminhada após solicitação do Pregoeiro,deverá
ser emitida por computador ou datilografada, redigida em língua portuguesa, com clareza, sem
emendas, rasuras, acréscimos ou entrelinhas, devidamente datada e assinada, como também rubricadas
todas as suas folhas pelo licitante ou seu representante, deverá conter:
7.13.1 Especificações do objeto de forma clara, observadas as especificações constantes dos
projetoselaborados pela Administração;
7.13.2 Preços unitários e valor global da proposta, em algarismo, expresso em moeda corrente
nacional(real), de acordo com os preços praticados no mercado, considerando o modelo de
Planilha Orçamentária anexo ao Edital;
7.13.3 Na composição dos preços unitários o licitante deverá apresentar discriminadamente as
parcelas relativas à mão de obra, materiais, equipamentos e serviços;
7.13.4 Nos preços cotados deverão estar incluídos todos os insumos que os compõem, tais
comodespesas com impostos, taxas, fretes, seguros e quaisquer outros que incidam na contratação
do objeto;
7.13.5 Todos os dados informados pelo licitante em sua planilha deverão refletir com fidelidade
oscustos especificados e a margem de lucro pretendida;
7.13.6Não se admitirá, na proposta de preços, custos identificados mediante o uso da expressão “verba”
ou de unidades genéricas.
7.14.Cronograma físico-financeiro, conforme modelo Anexo ao Edital;
7.15.O cronograma físico-financeiro proposto pelo licitante deverá observar o cronograma de
desembolsomáximo por período constante do Projeto Básico, bem como indicar os serviços
pertencentes ao caminho crítico da obra;
7.16.Benefícios e Despesas Indiretas - BDI, detalhando todos os seus componentes, inclusive em
formapercentual, conforme modelo anexo ao Edital;
7.17.Os custos relativos a administração local, mobilização e desmobilização e instalação de canteiro
eacampamento, bem como quaisquer outros itens que possam ser apropriados como custo direto da
obra, não poderão ser incluídos na composição do BDI, devendo ser cotados na planilha orçamentária.
7.18.As alíquotas de tributos cotadas pelo licitante não podem ser superiores aos limites estabelecidos
nalegislação tributária.
7.19.Os tributos considerados de natureza direta e personalística, como o Imposto de Renda de
PessoaJurídica - IRPJ e a Contribuição Sobre o Lucro Líquido - CSLL, não deverão ser incluídos no
BDI.
7.20.As licitantes sujeitas ao regime de tributação de incidência não cumulativa de PIS e COFINS
devemapresentar demonstrativo de apuração de contribuições sociais comprovando que os percentuais
dos referidos tributos adotados na taxa de BDI correspondem à média dos percentuais efetivos
recolhidos em virtude do direito de compensação dos créditos previstos no art. 3º das Leis 10.637/2002
e 10.833/2003, de forma a garantir que os preços contratados pela Administração Pública reflitam os
benefícios tributários concedidos pela legislação tributária.
7.21.As empresas optantes pelo Simples Nacional deverão apresentar os percentuais de ISS, PIS e COFINS,
discriminados na composição do BDI, compatíveis as alíquotas a que estão obrigadas a recolher,
conforme previsão contida no Anexo IV da Lei Complementar 123/2006.
7.22.A composição de encargos sociais das empresas optantes pelo Simples Nacional não poderá incluir
osgastos relativos às contribuições que estão dispensadas de recolhimento (Sesi, Senai, Sebrae etc.),
conforme dispões o art. 13, § 3º, da referida Lei Complementar.
7.23.Nos casos de aditivos contratuais incluindo novos serviços, será utilizada a taxa de BDI do
orçamentobase da licitação, sempre que a taxa de BDI adotada pela contratada for injustificadamente
elevada, com vistas a garantir o equilíbrio econômico-financeiro do contrato e a manutenção do
percentual de desconto ofertado pelo contratado, em atendimento ao art. 37, inciso XXI, da Constituição
Federal e ao art. 14 do Decreto 7.983/2013.
7.24.Prazo de validade da proposta não inferior a 60 (sessenta) dias, a contar da data de abertura docertame.
7.25.Em nenhuma hipótese poderá ser alterado o teor das propostas apresentadas, seja quanto ao preço
ouquaisquer outras condições que importem em modificações de seus termos originais, ressalvadas
apenas as alterações absolutamente formais, destinadas a sanar evidentes erros materiais, sem nenhuma
alteração do conteúdo e das condições referidas, desde que não venham a causar prejuízos aos demais
licitantes.
7.26.Erros formais no preenchimento da planilha não são motivo suficiente para a desclassificação
daproposta, quando a planilha puder ser ajustada sem a necessidade de majoração do preço ofertado,
atendidas as demais condições de aceitabilidade.
7.27.Se a proposta ou lance vencedor for desclassificado, o Pregoeiro examinará a proposta ou
lancesubsequente, e, assim sucessivamente, na ordem de classificação.
7.28.Havendo necessidade, o Pregoeiro suspenderá a sessão, informando no “chat” a nova data e horário
para a continuidade da mesma.
7.29.O Pregoeiro poderá encaminhar, por meio do sistema eletrônico, contraproposta ao licitante
queapresentou o lance mais vantajoso, com o fim de negociar a obtenção de melhor preço, vedada a
negociação em condições diversas das previstas neste Edital.
7.30.Também nas hipóteses em que o Pregoeiro não aceitar a proposta e passar à subsequente,
poderánegociar com o licitante para que seja obtido preço melhor.
7.31.A negociação será realizada por meio do sistema, podendo ser acompanhada pelos demais licitantes.
7.32.Sempre que a proposta não for aceita, e antes de o Pregoeiro passar à subsequente, haverá
novaverificação, pelo sistema, da eventual ocorrência do empate ficto, previsto nos artigos 44 e 45 da
LC nº 123, de 2006, seguindo-se a disciplina antes estabelecida, se for o caso.

8. DA HABILITAÇÃO
8.1. Como condição prévia ao exame da documentação de habilitação do licitante detentor da
propostaclassificada em primeiro lugar, o Pregoeiro verificará o eventual descumprimento das
condições de participação, especialmente quanto à existência de sanção que impeça a participação no
certame ou a futura contratação, mediante a consulta aos seguintes cadastros:
8.1.1 SICAF;
8.1.2 Cadastro Nacional de Empresas Inidôneas e Suspensas - CEIS, mantido pela ControladoriaGeral
da União (www.portaldatransparencia.gov.br/ceis);
8.1.3 Cadastro Nacional de Condenações Cíveis por Atos de Improbidade Administrativa, mantidopelo
Conselho Nacional de Justiça
(www.cnj.jus.br/improbidade_adm/consultar_requerido.php).
8.1.4 Lista de Inidôneos, mantida pelo Tribunal de Contas da União - TCU;
8.2. A consulta aos cadastros será realizada em nome da empresa licitante e também de seu sócio
majoritário, por força do artigo 12 da Lei n° 8.429, de 1992, que prevê, dentre as sanções impostas ao
responsável pela prática de ato de improbidade administrativa, a proibição de contratar com o Poder
Público, inclusive por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário.
8.3. Constatada a existência de sanção, o Pregoeiro reputará o licitante inabilitado, por falta de condição
departicipação.
8.4. O SICAF será utilizado para aferição da habilitação jurídica e da regularidade fiscal federal e trabalhista
por meio de consulta “on line”.
8.5. Também poderão ser consultados os sítios oficiais emissores de certidões, especialmente quando
olicitante esteja com alguma documentação vencida junto ao SICAF.
8.6. Caso o Pregoeiro não logre êxito em obter a certidão correspondente através do sítio oficial, ou
nahipótese de se encontrar vencida no referido sistema, o licitante será convocado a encaminhar, no
prazo de 2 (duas) horas, documento válido que comprove o atendimento das exigências deste Edital,
sob pena de inabilitação, ressalvado o disposto quanto à comprovação da regularidade fiscal das
microempresas, empresas de pequeno porte e sociedades cooperativas, conforme estatui o art. 43, § 1º
da LC nº 123, de 2006.
8.7. Os licitantes que não estiverem cadastrados no Sistema de Cadastro Unificado de Fornecedores –
SICAF além do nível de credenciamento exigido pela Instrução Normativa SLTI/MPOG nº 2, de 2010,
deverão apresentar a seguinte documentação relativa à Habilitação Jurídica e à Regularidade Fiscal e
trabalhista, nas condições seguintes:
8.7.1 Habilitação jurídica;
8.7.2 No caso de empresário individual: inscrição no Registro Público de Empresas Mercantis, acargo
da Junta Comercial da respectiva sede;
8.7.3 No caso de sociedade empresária ou empresa individual de responsabilidade limitada - EIRELI:
ato constitutivo, estatuto ou contrato social em vigor, devidamente registrado na Junta Comercial
da respectiva sede, acompanhado de documento comprobatório de seus administradores;
8.7.4 No caso de sociedade simples: inscrição do ato constitutivo no Registro Civil das
PessoasJurídicas do local de sua sede, acompanhada de prova da indicação dos seus
administradores;
8.7.5 No caso de microempresa ou empresa de pequeno porte: certidão expedida pela Junta Comercial
ou pelo Registro Civil das Pessoas Jurídicas, conforme o caso, que comprove a condição de
microempresa ou empresa de pequeno porte, nos termos do artigo 8° da Instrução Normativa n°
103, de 30/04/2007, do Departamento Nacional de Registro do Comércio - DNRC;
8.7.6 No caso de empresa ou sociedade estrangeira em funcionamento no País: decreto de autorização;
8.8. Os documentos acima deverão estar acompanhados de todas as alterações ou da consolidação
respectiva;
8.9. Regularidade fiscal e trabalhista:
8.9.1 prova de inscrição no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas;
8.9.2 prova de regularidade com a Fazenda Nacional (certidão conjunta, emitida pela Secretaria
daReceita Federal do Brasil e Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, quanto aos demais
tributos federais e à Dívida Ativa da União, por elas administrados, conforme art. 1º, inciso I, do
Decreto nº 6.106/07);
8.9.3 prova de regularidade com a Seguridade Social (INSS);
8.9.4 prova de regularidade com o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS);
8.9.5 prova de inexistência de débitos inadimplidos perante a justiça do trabalho, mediante a
apresentação de certidão negativa ou positiva com efeito de negativa, nos termos do Título VII-
A da consolidação das leis do trabalho, aprovada pelo decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943;
8.9.6 prova de inscrição no cadastro de contribuintes municipal, relativo ao domicílio ou sede
dolicitante, pertinente ao seu ramo de atividade e compatível com o objeto contratual;
8.9.7 prova de regularidade com a Fazenda Municipal do domicílio ou sede do licitante;
8.9.8 caso o fornecedor seja considerado isento de tributos relacionados ao objeto licitatório,
deverácomprovar tal condição mediante a apresentação de declaração emitida pela
correspondente Fazenda do domicílio ou sede do fornecedor, ou outra equivalente, na forma da
lei;
8.10.Caso o licitante detentor do menor preço seja microempresa, empresa de pequeno porte ou
sociedadecooperativa, deverá apresentar toda a documentação exigida para efeito de comprovação de
regularidade fiscal, mesmo que esta apresente alguma restrição, sob pena de inabilitação.
8.11.Os licitantes que não estiverem cadastrados no Sistema de Cadastro Unificado de Fornecedores –
SICAF no nível da Qualificação Econômico-Financeira, conforme Instrução Normativa SLTI/MPOG
nº 2, de 2010, deverão apresentar a seguinte documentação:
8.11.1 Certidão negativa de falência ou recuperação judicial, ou liquidação judicial, ou de
execuçãopatrimonial, conforme o caso, expedida pelo distribuidor da sede do licitante, ou de seu
domicílio, dentro do prazo de validade previsto na própria certidão, ou, na omissão desta,
expedida a menos de 30 (trinta) dias contados da data da sua apresentação;
8.11.2 balanço patrimonial e demonstrações contábeis do último exercício social, já exigíveis e
apresentados na forma da lei, que comprovem a boa situação financeira da empresa, vedada a sua
substituição por balancetes ou balanços provisórios, podendo ser atualizados por índices oficiais
quando encerrado há mais de 3 (três) meses da data de apresentação da proposta;
8.11.3 no caso de empresa constituída no exercício social vigente, admite-se a apresentação de
balanço patrimonial e demonstrações contábeis referentes ao período de existência da sociedade;
8.12.Em se tratando de licitação para locação de materiais, não se exigirá da microempresa ou empresa
depequeno porte a apresentação de balanço patrimonial do último exercício social;
8.13.Comprovação da situação financeira da empresa será constatada mediante obtenção de índices
deLiquidez Geral (LG), Solvência Geral (SG) e Liquidez Corrente (LC), resultantes da aplicação das
fórmulas:

Ativo Circulante + Realizável a Longo Prazo


LG=
______________________________________
Passivo Circulante _ Passivo não Circulante
Ativo Total
SG=
_____________________________________
Passivo Circulante + Passivo Não Circulante
Ativo Circulante
LC= ______________________
Passivo Circulante

8.14 As empresas, cadastradas ou não no SICAF, que apresentarem resultado inferior ou igual a 1(um) em
qualquer dos índices de Liquidez Geral (LG), Solvência Geral (SG) e Liquidez Corrente (LC), deverão
comprovar patrimônio líquido não inferior a 10% (dez por cento) do valor estimado da contratação ou do
item pertinente.
8.15 As empresas, cadastradas ou não no SICAF, deverão comprovar, ainda, a qualificação técnica, por meio
de:
8.15.1 Registro ou inscrição da empresa licitante no CREA (Conselho Regional de Engenharia e
Agronomia) e/ou no CAU (Conselho de Arquitetura e Urbanismo), conforme as áreas de atuação
previstas no Termo de Referência, em plena validade;
8.15.2 Quanto à capacitação técnico-operacional: apresentação de um ou mais atestados de capacidade
técnica, fornecido por pessoa jurídica de direito público ou privado devidamente identificada, em nome
do licitante, relativo à execução de serviços de fiscalização ou gerenciamento de obra(s), compatível
em características, quantidades e prazos com o objeto da presente licitação, envolvendo as parcelas de
maior relevância e valor significativo do objeto da licitação;
8.16 Comprovação da capacitação técnico-profissional, mediante apresentação de Certidão de Acervo
Técnico – CAT, expedida pelo CREA ou CAU da região pertinente, nos termos da legislação aplicável, em
nome do(s) responsável(is) técnico(s) e/ou membros da equipe técnica que participarão do serviço, que
demonstre a Anotação de Responsabilidade Técnica - ART ou o Registro de Responsabilidade Técnica RRT,
relativo à execução dos serviços de fiscalização de obra que compõem as parcelas de maior relevância
técnica e valor significativo da contratação, a saber:
8.16.1 Para o Engenheiro Civil ou Arquiteto e Urbanista:
8.16.2 Edificação comercial ou pública; 8.16.3
Instalações elétricas de baixa tensão;
8.16.4 Instalações hidro sanitárias.
8.17 Os responsáveis técnicos e/ou membros da equipe técnica acima elencados deverão pertencer ao quadro
permanente da licitante, na data prevista para entrega da proposta, entendendo-se como tal, para fins deste
Edital, o sócio que comprove seu vínculo por intermédio de contrato social/estatuto social; o administrador
ou o diretor; o empregado devidamente registrado em Carteira de Trabalho e Previdência Social; e o
prestador de serviços com contrato escrito firmado com o licitante, ou com declaração de compromisso de
vinculação contratual futura, caso o licitante se sagre vencedor do certame.
8.18 No decorrer da execução do serviço, os profissionais de que trata este subitem poderão ser substituídos,
nos termos do artigo 30, §10, da Lei n° 8.666, de 1993, por profissionais de experiência equivalente ou
superior, desde que a substituição seja aprovada pela Administração.
8.19 Declaração formal de que disporá, por ocasião da futura contratação, das instalações, aparelhamento e
pessoal técnico considerados essenciais para a execução contratual, a saber:
8.19.1 Engenheiro Civil Sênior, e/ou Arquiteto Sênior;
8.19.2 Auxiliar de Engenharia (técnico em edificações de nível médio).
8.20 A correspondência entre o Engenheiro Civil Sênior e o Arquiteto Sênior tem base no que preconiza a
Lei n° 12.378/2010.
8.21 Não será exigida para fins de habilitação técnica a documentação do auxiliar técnico de engenharia.
8.22 Atestado de vistoria assinado pelo servidor responsável ou Declaração de Não Vistoria (Renúncia).
8.23 Os documentos exigidos para habilitação relacionados nos subitens acima, deverão ser apresentados
pelos licitantes, no prazo de 2 (duas) horas, após solicitação do Pregoeiro no sistema eletrônico.
Posteriormente, serão remetidos em original, por qualquer processo de cópia reprográfica, autenticada por
tabelião de notas, ou por servidor da Administração, desde que conferido(s) com o original, ou publicação
em órgão da imprensa oficial, para análise, no prazo de 2 (duas) horas, após encerrado o prazo para o
encaminhamento via e-mail;
8.24 Se a menor proposta ofertada for de microempresa, empresa de pequeno porte ou sociedade cooperativa
e uma vez constatada a existência de alguma restrição no que tange à regularidade fiscal, a mesma será
convocada para, no prazo de 5 (cinco) dias úteis, após solicitação do Pregoeiro no sistema eletrônico,
comprovar a regularização. O prazo poderá ser prorrogado por igual período.
8.25 A não regularização fiscal no prazo previsto no subitem anterior acarretará a inabilitação do licitante,
sem prejuízo das sanções previstas neste Edital, sendo facultada a convocação dos licitantes remanescentes,
na ordem de classificação. Se, na ordem de classificação, seguir-se outra microempresa, empresa de pequeno
porte ou sociedade cooperativa com alguma restrição na documentação fiscal, será concedido o mesmo
prazo para regularização.
8.26 Havendo necessidade de analisar minuciosamente os documentos exigidos, o Pregoeiro suspenderá a
sessão, informando no “chat” a nova data e horário para a continuidade da mesma.
8.27 Será inabilitado o licitante que não comprovar sua habilitação, deixar de apresentar quaisquer dos
documentos exigidos para a habilitação, ou apresentá-los em desacordo com o estabelecido neste Edital.
8.28 O pregoeiro, auxiliado pela equipe de apoio, consultará os sistemas de registros de sanções SICAF,
LISTA DE INIDÔNEOS DO TCU, CNJ E CEIS, visando aferir eventual sanção aplicada à licitante, cujo
efeito torne-a proibida de participar deste certame.
8.29 No caso de inabilitação, haverá nova verificação, pelo sistema, da eventual ocorrência do empate ficto,
previsto nos artigos 44 e 45 da LC nº 123, de 2006, seguindo-se a disciplina antes estabelecida para aceitação
da proposta subsequente.
8.30 Como condição para a aplicação do tratamento diferenciado previsto na Lei Complementar n. 123/2006,
a Comissão de Licitação poderá realizar consultas e diligências para verificar se o somatório dos valores das
ordens bancárias recebidas pela ME/EPP/COOP, no exercício anterior, extrapola o limite previsto no artigo
3°, inciso II, da referida Lei, ou o limite proporcional de que trata o artigo 3°, §2°, do mesmo diploma, em
caso de início de atividade no exercício considerado.
8.31 Para a microempresa ou empresa de pequeno porte, a consulta também abrangerá o exercício corrente,
para verificar se o somatório dos valores das ordens bancárias por ela recebidas, até o mês anterior ao da
sessão pública da licitação, extrapola os limites acima referidos, acrescidos do percentual de 20% (vinte por
cento) de que trata o artigo 3°, §§ 9°-A e 12, da Lei Complementar n° 123, de 2006;
8.32 A participação em licitação na condição de microempresa ou empresa de pequeno porte, sem que haja
o enquadramento nessas categorias, ensejará a aplicação das sanções previstas em Lei e a exclusão do regime
de tratamento diferenciado.
8.33 O licitante que estiver concorrendo em mais de um item ficará obrigado a comprovar os requisitos de
habilitação cumulativamente, sob pena de inabilitação.
8.34 Da sessão pública do Pregão divulgar-se-á Ata no sistema eletrônico.

9. DOS RECURSOS
9.1 Declarado o vencedor e decorrida a fase de regularização fiscal de microempresa, empresa de
pequenoporte ou sociedade cooperativa, se for o caso, será concedido o prazo de no mínimo trinta
minutos, para que qualquer licitante manifeste a intenção de recorrer, de forma motivada, isto é,
indicando contra qual(is) decisão(ões) pretende recorrer e por quais motivos, em campo próprio do
sistema.
9.2 Havendo quem se manifeste, caberá ao Pregoeiro verificar a tempestividade e a existência de
motivação da intenção de recorrer, para decidir se admite ou não a motivação de recurso.
9.3 Nesse momento o Pregoeiro não adentrará no mérito recursal, mas apenas verificará as condições
deadmissibilidade do recurso.
9.4 A falta de manifestação motivada do licitante quanto à intenção de recorrer importará a
decadênciadesse direito.
9.5 Uma vez admitido o recurso, o recorrente terá, a partir de então, o prazo de três dias para apresentar
asrazões, pelo sistema eletrônico, ficando os demais licitantes, desde logo, intimados para, querendo,
apresentarem contrarrazões também pelo sistema eletrônico, em outros três dias, que começarão a
contar do término do prazo do recorrente, sendo-lhes assegurada vista imediata dos elementos
indispensáveis à defesa de seus interesses.
9.6 O acolhimento do recurso invalida tão somente os atos insuscetíveis de aproveitamento.
9.7 Os autos do processo permanecerão com vista franqueada aos interessados, no endereço
constanteneste Edital.

10. DA ADJUDICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO


10.1 O objeto da licitação será adjudicado ao licitante declarado vencedor, por ato do Pregoeiro, caso
nãohaja interposição de recurso, ou pela autoridade competente, após a regular decisão dos recursos
apresentados.
10.2 Após a fase recursal, constatada a regularidade dos atos praticados, a autoridade competente
homologará o procedimento licitatório.

11. DA GARANTIA DE EXECUÇÃO


11.1 O adjudicatário, no prazo de 10 (dez) dias após a assinatura do Termo de Contrato, prestará garantiano
valor correspondente a 5% (cinco por cento) do valor do Contrato, que será liberada de acordo com as
condições previstas neste Edital, conforme disposto no art. 56 da Lei nº 8.666, de 1993, desde que
cumpridas as obrigações contratuais.
11.2 A inobservância do prazo fixado para apresentação da garantia acarretará a aplicação de multa
de0,07% (sete centésimos por cento) do valor do contrato por dia de atraso, até o máximo de 2% (dois
por cento).
11.3 O atraso superior a 25 (vinte e cinco dias) dias autoriza a Administração a promover a rescisão
docontrato por descumprimento ou cumprimento irregular de suas cláusulas conforme dispõem os
incisos I e II do art. 78 da Lei. n. 8.666, de 1993;
11.4 A validade da garantia, qualquer que seja a modalidade escolhida, deverá abranger um período demais
3 (três) meses após o término da vigência contratual.
11.5 A garantia assegurará, qualquer que seja a modalidade escolhida, o pagamento de:
11.5.1 prejuízo advindo do não cumprimento do objeto do contrato e do não adimplemento dasdemais
obrigações nele previstas;
11.5.2 prejuízos causados à Contratante ou a terceiro, decorrentes de culpa ou dolo durante a execução
do contrato;
11.5.3 as multas moratórias e punitivas aplicadas pela Contratante à Contratada;
11.5.4 obrigações trabalhistas, fiscais e previdenciárias de qualquer natureza, não honradas pela
Contratada.
11.6 A modalidade seguro-garantia somente será aceita se contemplar todos os eventos indicados no
itemanterior.
11.7 A garantia em dinheiro deverá ser efetuada em favor da Contratante, na Caixa Econômica Federal,com
correção monetária.
11.8 Caso a opção seja por utilizar títulos da dívida pública, estes devem ter sido emitidos sob a
formaescritural, mediante registro em sistema centralizado de liquidação e de custódia autorizado pelo
Banco Central do Brasil, e avaliados pelos seus valores econômicos, conforme definido pelo
Ministério da Fazenda.
11.9 A garantia, se prestada na forma de fiança bancária ou seguro-garantia, deverá ter validade durante
avigência do contrato.
11.10 No caso de garantia na modalidade de fiança bancária, deverá constar expressa renúncia do fiadoraos
benefícios do artigo 827 do Código Civil.
11.11 No caso de alteração do valor do contrato, ou prorrogação de sua vigência, a garantia deverá
serreadequada ou renovada nas mesmas condições.
11.12 Se o valor da garantia for utilizado total ou parcialmente em pagamento de qualquer obrigação,
aContratada obriga-se a fazer a respectiva reposição no prazo máximo de 10 (dez) dias úteis, contados
da data em que for notificada.
11.13 A Contratante não executará a garantia na ocorrência de uma ou mais das seguintes hipóteses:
11.13.1 caso fortuito ou força maior;
11.13.2 alteração, sem prévia anuência da seguradora, das obrigações contratuais;
11.13.3 descumprimento das obrigações pelo contratado decorrentes de atos ou fatos praticados
pelaContratante;
11.13.4 atos ilícitos dolosos praticados por servidores da Contratante.
11.14 Não serão aceitas garantias que incluam outras isenções de responsabilidade que não as previstasneste
item.
11.15 Será considerada extinta a garantia:
11.15.1 com a devolução da apólice, carta fiança ou autorização para o levantamento de
importânciasdepositadas em dinheiro a título de garantia, acompanhada de declaração da
Contratante, mediante termo circunstanciado, de que a Contratada cumpriu todas as cláusulas
do contrato;
11.15.2 no prazo de três meses após o término da vigência, caso a Contratante não comunique
aocorrência de sinistros.

12. DO TERMO DE CONTRATO OU INSTRUMENTO EQUIVALENTE


12.1 Após a homologação da licitação, em sendo realizada a contratação, será firmado Termo de
Contratopara cada item licitado, independente dos itens terem sidos homologados para uma mesma
empresa.
12.2 O prazo de vigência da contratação é de 12 (doze) meses, contados da assinatura, prorrogável naforma
dos arts. 57, §1° e 79, §5º, da Lei n° 8.666/93.
12.3 Previamente à contratação, será realizada consulta ao SICAF, pela contratante, para identificar
possível proibição de contratar com o Poder Público.
12.4 O adjudicatário terá o prazo de 5 (cinco) dias úteis, contados a partir da data de sua convocação,
paraassinar o Termo de Contrato ou aceitar o instrumento equivalente, conforme o caso, sob pena de
decair do direito à contratação, sem prejuízo das sanções previstas neste Edital.
12.5 Alternativamente à convocação para comparecer perante o órgão ou entidade para a assinatura
doTermo de Contrato ou aceite do instrumento equivalente, a Administração poderá encaminhá-lo
para assinatura ou aceite do adjudicatário, mediante meio eletrônico, para que seja assinado ou aceito
no prazo de 5 (cinco) dias, a contar da data de seu recebimento.
12.6 O prazo previsto no subitem anterior poderá ser prorrogado, por igual período, por solicitação
justificada do adjudicatário e aceita pela Administração.
12.7 Antes da assinatura do Termo de Contrato, a Administração realizará consulta “on line” ao SICAF
eao Cadastro Informativo de Créditos não Quitados - CADIN, cujos resultados serão anexados aos
autos do processo. Tão-somente a inscrição no CADIN não determina a impossibilidade de contratar.
12.8 Na hipótese de irregularidade do registro no SICAF, o contratado deverá regularizar a sua
situaçãoperante o cadastro no prazo de até 05 (cinco) dias, sob pena de aplicação das penalidades
previstas no edital e anexos.
12.9 Se o adjudicatário, no ato da assinatura do Termo de Contrato ou aceite do instrumento
equivalente,não comprovar que mantém as mesmas condições de habilitação, ou quando,
injustificadamente, recusarse à assinatura ou aceite, poderá ser convocado outro licitante, desde que
respeitada a ordem de classificação, para, após a verificação da aceitabilidade da proposta, negociação
e comprovados os requisitos de habilitação, celebrar a contratação, sem prejuízo das sanções previstas
neste Edital e das demais cominações legais.

13. DO REAJUSTE
13.1 As regras acerca do reajuste do valor contratual são as estabelecidas no Termo de Referência, anexo
aeste Edital.

14. DA ENTREGA E DO RECEBIMENTO DO OBJETO E DA FISCALIZAÇÃO


14.1 Os critérios de recebimento e aceitação do objeto e de fiscalização estão previstos no Termo
deReferência.

15. DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATANTE E DA CONTRATADA


15.1 As obrigações da Contratante e da Contratada são as estabelecidas no Termo de Referência.

16. DO PAGAMENTO
16.1 O pagamento será efetuado pela Contratante no prazo de 30 (trinta) dias, contados da apresentação
daNota Fiscal/Fatura contendo o detalhamento dos serviços executados e dos materiais empregados,
através de ordem bancária, para crédito em banco, agência e conta corrente indicados pelo contratado.
16.2 Os pagamentos decorrentes de despesas cujos valores não ultrapassem o limite de que trata o inciso
IIdo art. 24 da Lei 8.666, de 1993, deverão ser efetuados no prazo de até 5 (cinco) dias úteis, contados
da data da apresentação da Nota Fiscal/Fatura, nos termos do art. 5º, § 3º, da Lei nº 8.666, de 1993.
16.3 A apresentação da Nota Fiscal/Fatura deverá ocorrer no prazo de 10 (dez) dias, contado da data finaldo
período de adimplemento da parcela da contratação a que aquela se referir.
16.4 A Nota Fiscal/Fatura será emitida pela Contratada de acordo com os seguintes procedimentos:
16.4.1 Ao final de cada etapa da execução contratual, conforme previsto no Cronograma
FísicoFinanceiro, a Contratada apresentará a medição prévia dos serviços executados no
período, através de planilha e memória de cálculo detalhada;
16.4.2 Uma etapa será considerada efetivamente concluída quando os serviços previstos para
aquelaetapa, no Cronograma Físico-Financeiro, estiverem executados em sua totalidade;
16.4.3 Juntamente com a primeira medição de serviços, a Contratada deverá apresentar
comprovaçãode matrícula da obra junto à Previdência Social.
16.5 A Contratada também apresentará, a cada medição, os documentos comprobatórios da
procedêncialegal dos produtos e subprodutos florestais utilizados naquela etapa da execução
contratual, quando for o caso.
16.6 A Contratante terá o prazo de 5 (cinco) dias úteis, contados a partir da data da apresentação damedição,
para aprovar ou rejeitar, no todo ou em parte, a medição prévia relatada pela Contratada, bem como
para avaliar a conformidade dos serviços executados, inclusive quanto à obrigação de utilização de
produtos e subprodutos florestais de comprovada procedência legal.
16.7 A aprovação da medição prévia apresentada pela Contratada não a exime de qualquer das
responsabilidades contratuais, nem implica aceitação definitiva dos serviços executados.
16.8 Após a aprovação, a Contratada emitirá Nota Fiscal/Fatura no valor da medição definitiva
aprovada,acompanhada da planilha de medição de serviços e de memória de cálculo detalhada.
16.9 O pagamento somente será efetuado após o “atesto”, pelo servidor competente, da Nota
Fiscal/Faturaapresentada pela Contratada, acompanhada dos demais documentos exigidos neste
Edital.
16.10 O “atesto” da Nota Fiscal/Fatura fica condicionado à verificação da conformidade da Nota
Fiscal/Fatura apresentada pela Contratada com os serviços efetivamente executados, bem como às
seguintes comprovações, que deverão obrigatoriamente acompanhá-la:
16.10.1 Do pagamento das contribuições sociais (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e
Previdência Social) e da regularidade trabalhista, correspondentes ao mês da última nota fiscal
ou fatura vencida, quanto aos empregados diretamente vinculados à execução contratual,
quando não for possível a verificação da regularidade dos mesmos no Sistema de Cadastro de
Fornecedores - SICAF;
16.10.2 Da regularidade fiscal, constatada através de consulta “on-line” ao SICAF, ou na
impossibilidade de acesso ao referido Sistema, mediante consulta aos sítios eletrônicos oficiais
ou à documentação mencionada no artigo 29 da Lei n° 8.666, de 1993;
16.10.3 O pagamento somente será autorizado depois de efetuado o “atesto” pelo servidor competente,
condicionado este ato à verificação da conformidade da Nota Fiscal/Fatura apresentada em
relação aos serviços efetivamente prestados e aos materiais empregados.
16.11 Havendo erro na apresentação da Nota Fiscal/Fatura ou dos documentos pertinentes à contratação,ou,
ainda, circunstância que impeça a liquidação da despesa, como por exemplo, obrigação financeira
pendente, decorrente de penalidade imposta ou inadimplência, o pagamento ficará sobrestado até que
a Contratada providencie as medidas saneadoras. Nesta hipótese, o prazo para pagamento iniciar-se-á
após a comprovação da regularização da situação, não acarretando qualquer ônus para a Contratante.
16.12 Nos termos do artigo 36, § 6°, da Instrução Normativa SLTI/MPOG n° 05, de 2017, será efetuada
aretenção ou glosa no pagamento, proporcional à irregularidade verificada, sem prejuízo das sanções
cabíveis, caso se constate que a Contratada:
16.12.1 não produziu os resultados acordados;
16.12.2 deixou de executar as atividades contratadas, ou não as executou com a qualidade
mínimaexigida;
16.12.3 deixou de utilizar os materiais e recursos humanos exigidos para a execução do serviço,
ouutilizou-os com qualidade ou quantidade inferior à demandada.
16.13 Será considerada data do pagamento o dia em que constar como emitida a ordem bancária
parapagamento.
16.14 Antes de cada pagamento à contratada, será realizada consulta ao SICAF para verificar a manutenção
das condições de habilitação exigidas no edital.
16.15 Constatando-se, junto ao SICAF, a situação de irregularidade da contratada, será providenciada
suaadvertência, por escrito, para que, no prazo de 5 (cinco) dias, regularize sua situação ou, no mesmo
prazo, apresente sua defesa. O prazo poderá ser prorrogado uma vez, por igual período, a critério da
contratante.
16.16 Não havendo regularização ou sendo a defesa considerada improcedente, a contratante deverá
comunicar aos órgãos responsáveis pela fiscalização da regularidade fiscal quanto à inadimplência da
contratada, bem como quanto à existência de pagamento a ser efetuado, para que sejam acionados os
meios pertinentes e necessários para garantir o recebimento de seus créditos.
16.17 Persistindo a irregularidade, a contratante deverá adotar as medidas necessárias à rescisão
contratualnos autos do processo administrativo correspondente, assegurada à contratada a ampla
defesa.
16.18 Havendo a efetiva execução do objeto, os pagamentos serão realizados normalmente, até que sedecida
pela rescisão do contrato, caso a contratada não regularize sua situação junto ao SICAF.
16.19 Somente por motivo de economicidade, segurança nacional ou outro interesse público de alta
relevância, devidamente justificado, em qualquer caso, pela máxima autoridade da contratante, não
será rescindido o contrato em execução com a contratada inadimplente no SICAF.
16.20 Quando do pagamento, será efetuada a retenção tributária prevista na legislação aplicável, emespecial
a prevista no artigo 31 da Lei n. 8.212, de 1993.
16.21 A Contratada regularmente optante pelo Simples Nacional não sofrerá a retenção tributária quantoaos
impostos e contribuições abrangidos por aquele regime. No entanto, o pagamento ficará condicionado
à apresentação de comprovação, por meio de documento oficial, de que faz jus ao tratamento tributário
favorecido previsto na referida Lei Complementar.
16.22 Quanto ao Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN), será observado o disposto na
LeiComplementar nº 116, de 2003, e legislação correlata.
16.23 Nos casos de eventuais atrasos de pagamento, desde que a Contratada não tenha concorrido, dealguma
forma, para tanto, fica convencionado que a taxa de compensação financeira devida pela Contratante,
entre a data do vencimento e o efetivo adimplemento da parcela, é calculada mediante a aplicação da
seguinte fórmula:
EM = I x N x VP, sendo:
EM = Encargos moratórios;
N = Número de dias entre a data prevista para o pagamento e a do efetivo pagamento; VP
= Valor da parcela a ser paga.
I = Índice de compensação financeira = 0,00016438, assim apurado:
I = (TX) I = (6/100) I = 0,00016438
365 TX = Percentual da taxa anual = 6%.

17. DAS SANÇÕES ADMINISTRATIVAS.


17.1 Comete infração administrativa, nos termos da Lei nº 10.520, de 2002, o licitante/adjudicatário que:
17.1.1 não assinar o termo de contrato ou aceitar/retirar o instrumento equivalente, quando convocado
dentro do prazo de validade da proposta;
17.1.2 apresentar documentação falsa;
17.1.3 deixar de entregar os documentos exigidos no certame;
17.1.4 ensejar o retardamento da execução do objeto;
17.1.5 não mantiver a proposta;
17.1.6 cometer fraude fiscal;
17.1.7 comportar-se de modo inidôneo;
17.2 Considera-se comportamento inidôneo, entre outros, a declaração falsa quanto às condições de
participação, quanto ao enquadramento como ME/EPP ou o conluio entre os licitantes, em qualquer
momento da licitação, mesmo após o encerramento da fase de lances.
17.3 O licitante/adjudicatário que cometer qualquer das infrações discriminadas nos subitens
anterioresficará sujeito, sem prejuízo da responsabilidade civil e criminal, às seguintes sanções:
17.3.1 Advertência por faltas leves, assim entendidas como aquelas que não acarretarem
prejuízossignificativos ao objeto da contratação;
17.3.2 Multa de até 10 % (dez por cento) sobre o valor estimado do(s) item(s) prejudicado(s)
pelaconduta do licitante;
17.3.3 Impedimento de licitar e de contratar com a União e descredenciamento no SICAF, pelo prazode
até cinco anos;
17.4 A penalidade de multa pode ser aplicada cumulativamente com a sanção de impedimento.
17.5 A aplicação de qualquer das penalidades previstas realizar-se-á em processo administrativo
queassegurará o contraditório e a ampla defesa ao licitante/adjudicatário, observando-se o
procedimento previsto na Lei nº 8.666, de 1993, e subsidiariamente na Lei nº 9.784, de 1999.
17.6 A autoridade competente, na aplicação das sanções, levará em consideração a gravidade da condutado
infrator, o caráter educativo da pena, bem como o dano causado à Administração, observado o princípio
da proporcionalidade.
17.7 As penalidades serão obrigatoriamente registradas no SICAF.
17.8 As sanções por atos praticados no decorrer da contratação estão previstas no Termo de Referência.

18. DA IMPUGNAÇÃO AO EDITAL E DO PEDIDO DE ESCLARECIMENTO


18.1 Até 02 (dois) dias úteis antes da data designada para a abertura da sessão pública, qualquer
pessoapoderá impugnar este Edital.
18.2 A impugnação poderá ser realizada por forma eletrônica, pelo e-mail cpl.ma@prf.gov.br.
18.3 Caberá ao Pregoeiro decidir sobre a impugnação no prazo de até vinte e quatro horas.
18.4 Acolhida a impugnação, será definida e publicada nova data para a realização do certame.
18.5 Os pedidos de esclarecimentos referentes a este processo licitatório deverão ser enviados ao Pregoeiro,
até 03 (três) dias úteis anteriores à data designada para abertura da sessão pública, exclusivamente por
meio eletrônico via internet, no endereço indicado no Edital.
18.6 As impugnações e pedidos de esclarecimentos não suspendem os prazos previstos no certame.
18.7 As respostas às impugnações e os esclarecimentos prestados pelo Pregoeiro serão entranhados nosautos
do processo licitatório e estarão disponíveis para consulta por qualquer interessado.
18.8 Qualquer modificação no edital exige divulgação pelo mesmo instrumento de publicação em que sedeu
o texto original, reabrindo-se o prazo inicialmente estabelecido, exceto quando, inquestionavelmente,
a alteração não afetar a formulação das propostas.

19. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS


19.1 Não havendo expediente ou ocorrendo qualquer fato superveniente que impeça a realização do certame
na data marcada, a sessão será automaticamente transferida para o primeiro dia útil subsequente, no
mesmo horário anteriormente estabelecido, desde que não haja comunicação em contrário, pelo
Pregoeiro.
19.2 No julgamento das propostas e da habilitação, o Pregoeiro poderá sanar erros ou falhas que nãoalterem
a substância das propostas, dos documentos e sua validade jurídica, mediante despacho fundamentado,
registrado em ata e acessível a todos, atribuindo-lhes validade e eficácia para fins de habilitação e
classificação.
19.3 A homologação do resultado desta licitação não implicará direito à contratação.
19.4 As normas disciplinadoras da licitação serão sempre interpretadas em favor da ampliação da
disputaentre os interessados, desde que não comprometam o interesse da Administração, o princípio da
isonomia, a finalidade e a segurança da contratação.
19.5 Os licitantes assumem todos os custos de preparação e apresentação de suas propostas e a
Administração não será, em nenhum caso, responsável por esses custos, independentemente da
condução ou do resultado do processo licitatório.
19.6 Na contagem dos prazos estabelecidos neste Edital e seus Anexos, excluir-se-á o dia do início eincluir-
se-á o do vencimento. Só se iniciam e vencem os prazos em dias de expediente na Administração.
19.7 O desatendimento de exigências formais não essenciais não importará o afastamento do licitante,desde
que seja possível o aproveitamento do ato, observados os princípios da isonomia e do interesse público.
19.8 Em caso de divergência entre disposições deste Edital e de seus anexos ou demais peças que compõem
o processo, prevalecerá as deste Edital.

19.9 Integram este Edital, para todos os fins e efeitos, os seguintes anexos:

ANEXO I - Termo de Referência;

ANEXO II – Minuta de Termo de Contrato;

São Luís/MA, 21 de fevereiro de 2018.

RICARDO VIANNA DA SILVA


Chefe da Seção Administrativa e Financeira

APROVO o presente Edital

Paulo Fernando Nunes Moreno


Superintendente Regional-MA

Documento assinado eletronicamente por RICARDO VIANNA DA SILVA, Chefe da Seção


Administra va e Financeira, em 21/02/2018, às 15:16, horário oficial de Brasília, com fundamento no
§ 2º do art. 10 da Medida Provisória Nº 2.200-2, de 24 de agosto de 2001, no art. 6º do Decreto Nº
8.539, de 8 de outubro de 2015 e na alínea b do inciso IV do art. 2º da Instrução Norma va Nº 61DG,
de 13 de novembro de 2015.

Documento assinado eletronicamente por PAULO FERNANDO NUNES MORENO, Superintendente


Regional no Maranhão, em 21/02/2018, às 15:35, horário oficial de Brasília, com fundamento no §
2º do art. 10 da Medida Provisória Nº 2.200-2, de 24 de agosto de 2001, no art. 6º do Decreto Nº
8.539, de 8 de outubro de 2015 e na alínea b do inciso IV do art. 2º da Instrução Norma va Nº 61DG,
de 13 de novembro de 2015.

A auten cidade deste documento pode ser conferida no site


h ps://sei.prf.gov.br/sei/controlador_externo.php?
acao=documento_conferir&id_orgao_acesso_externo=0, informando o código verificador 10452281
e o código CRC 3BAB4BE7.

0.1.

Referência: Processo nº 08665.000117/2018-19 SEI nº 10452281


MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA
POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO MARANHÃO

TERMO DE REFERÊNCIA

1. OBJETO DA CONTRATAÇÃO
1.1. Contratação de empresa de engenharia especializada para fiscalização e acompanhamento das obras de construção das Unidades
Operacionais e Administrativas da PRF em Balsas e Barra do Corda, no estado do Maranhão, conforme condições, quantidades e exigências
estabelecida neste instrumento.
1.2. O custo estimado para os serviços de fiscalização, bem como os de execução das obras são os seguintes:

VALOR DO SERVIÇO DE CUSTO ESTIMADO DA


ITEM UNIDADE LOCALIZAÇÃO
CONSTRUÇÃO FISCALIZAÇÃO

1 Del/Uop em Balsas BR 230, km 412,5, Balsas-MA R$ 4.535.888,33 R$ 262.279,65

2 Del/Uop em Barra do Corda BR 226, km 292,5, Barra do Corda-MA R$ 3.746.402,74 R$ 262.279,65

1.3. Os orçamentos foram elaborados de acordo com a tabela SINAPI referente a dezembro de 2017, vigente no período de
elaboração deste termo de referência.
1.4. Serão utilizados os serviços de Engenheiro Civil Sênior e/ou Arquiteto Sênior e Auxiliar de Engenharia (Técnico em
Edificações). Para os engenheiros e/ou arquitetos devem constar em suas ART´s e/ou RRT´s características mínimas, consideradas de maior
relevância, de serviços de:

a) Edificação comercial ou pública;

b) Instalações elétricas;

c) Instalações hidrossanitárias;

2. JUSTIFICATIVA DA CONTRATAÇÃO
2.1. O objetivo principal da contratação é possibilitar a fiscalização e o acompanhamento, com equipe técnica especializada, das
obras de construção das Unidades Operacionais e Administrativas da PRF em Balsas e Barra do Corda, no estado do Maranhão.
2.2. As atividades de fiscalização e acompanhamento das obras serão desenvolvidas de forma a verificar o andamento, qualidade e
sua compatibilidade com o cronograma fisico-financeiro estabelecido em projeto, observadas as especificações técnicas e demais disposições
deste Termo de Referência.
2.3. As obras de construção das Unidades Operacionais e Administrativas da PRF em Balsas e Barra do Corda necessitam de
profissionais que exerçam o acompanhamento de forma contínua. A PRF/MA não dispõe em seu quadro de servidores engenheiros e/ou
arquitetos para fiscalizar obras, necessitando de empresas especializadas para realizar a consultoria e auxilar a administração na fiscalização
dos contratos das respectivas obras.
2.4. A forma de contratação aqui proposta busca viabilizar maior economia, segurança e rapidez durante a fase de construção dos
respectivos imóveis.
2.5. Trata-se SERVIÇO COMUM, como definido na legislação aplicável, considerando suas características inerentes, tais como
especificações comumente utilizadas, descritas em normas técnicas específicas e com critérios de qualidade adotados no mercado, o que
permite uma avaliação baseada apenas no preço.
2.6. Faz-se, portanto, indispensável a contratação desse serviço, para o controle eficiente da obra de engenharia, atendendo, assim,
aos princípios da economicidade e eficiência, norteadores da administração pública.
3. FORMA DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS
3.1. A execução do serviço será iniciada após a emissão da respectiva Ordem de Início de Serviço, a ser lavrado pela contratante,
que indicará servidor da administração para acompanhar o trabalho, cujas etapas observarão o cronograma de fiscalização conforme anexo I-
B (sei n. 9746689)
3.2. A fiscalização ocorrerá concomitante com a execução da obra e a Contratada atuará como assessora técnica do Fiscal do
Contrato designado pela Administração;
3.3. Os serviços compreendem as seguintes rotinas:
3.3.1. Revisar os projetos executivos;
3.3.2. Acompanhar a execução de todas as etapas da obra;
3.3.3. Realizar as medições dos serviços da obra conforme cronograma físico-financeiro contratado;
3.3.4. Emitir relatórios de acompanhamento;
3.3.5. Prestar assessoria técnica e subsidiar o Fiscal do Contrato nos assuntos técnicos;
3.3.6. Garantir a correta aplicação de materiais especificados e a execução dos serviços;
3.3.7. Controlar a programação físico financeira da obra;
3.3.8. Analisar o plano de gerenciamento das obras (Cronograma de barras e físico-financeiro, programação com histograma de mão
de obra, materiais e equipamentos);
3.3.9. Uniformizar as normas de procedimentos técnico-administrativos;
3.3.10. Verificar e analisar a apresentação do PCMSO, PCMAT, PPRA e o PGRCC aplicáveis à respectiva obra, se for o caso;
3.3.11. Elaborar os relatórios para fins de recebimentos provisório e definitivo da obra e submetê-los para aprovação do Fiscal do
Contrato, conforme modelo a ser fornecido pela Administração;
3.3.12. Acusar qualquer discrepância nos projetos, possíveis erros, correção do material ou evento planejado que verificar, apresentando
alternativas para efetiva correção.
3.4. A Contratada deverá executar o serviço utilizando-se dos materiais, equipamentos, ferramentas e utensílios, inclusive EPI,
necessários à perfeita execução contratual.
3.5. Para melhor elaboração das propostas, os licitantes poderão realizar vistoria nos locais onde ocorrerá a construção.
3.6. Todos os atos e instruções emanados ou emitidos pela Contratada, serão considerados como se fossem praticados pela
Contratante perante a Construtora, desde que sejam regularmente comunicados e acordados pela Contratante.
3.7. Qualquer auxílio prestado pela Contratada, durante a fiscalização da obra na interpretação dos desenhos, memoriais,
especificações e demais elementos de projeto, bem como na condução dos trabalhos, não poderá ser invocado para eximir a Construtora da
responsabilidade pela execução dos serviços e obras.
3.8. Quando os serviços contratados forem concluídos, caberá à Contratada apresentar comunicação escrita informando o fato à
fiscalização da Contratante, a qual competirá, no prazo de até 30 (trinta) dias, a verificação dos serviços executados, para fins de recebimento
provisório.
3.8.1. O recebimento provisório também ficará sujeito à conclusão de todos os serviços da obra, testes de campo, análise dos projetos
de "as built", manuais e demais documentos para permitir o recebimento da obra.
3.9. A contratante acompanhará a prestação dos serviços, por meio de comissão ou servidor designado(s) pela SRPRF/MA, com a
finalidade de verificar a adequação dos serviços prestados, quando se realizará inspeção minuciosa de todos os serviços executados,
acompanhados dos profissionais encarregados pela obra, com a finalidade de verificar a adequação dos serviços e constatar e relacionar os
arremates, retoques e revisões finais que se fizerem necessários.
3.10. Após a conclusão de tal inspeção será lavrado Termo de Recebimento Provisório, em 02 (duas) vias de igual teor e forma,
ambas assinadas pela fiscalização, relatando as eventuais pendências verificadas.
3.11. A Contratada pela execução da obra fica obrigada a reparar, corrigir, remover, reconstruir ou substituir, às suas expensas, no
todo ou em parte, o objeto em que se verificarem vícios, defeitos ou incorreções resultantes da execução ou materiais empregados, cabendo à
fiscalização não atestar a última e/ou única medição de serviços até que sejam sanadas todas as eventuais pendências que possam vir a ser
apontadas no Termo de Recebimento Provisório, cabendo à fiscalização não atestar a última medição de serviço até que sejam sanadas todas as
eventuais pendências.
3.12. O Termo de Recebimento Definitivo dos serviços contratados será lavrado em até 60 (sessenta) dias após a lavratura do Termo
de Recebimento Provisório, por servidor ou comissão designada pela autoridade competente, desde que tenham sido devidamente atendidas
todas as exigências da fiscalização quanto às pendências observadas e somente após solucionadas todas as reclamações porventura feitas
quanto à falta de pagamento a operários ou fornecedores de materiais e prestadores de serviços empregados na execução do contrato.
3.12.1. Na hipótese de a verificação a que se refere o parágrafo anterior não ser procedida tempestivamente, reputar-se-á como
realizada, consumando-se o recebimento definitivo no dia do esgotamento do prazo, desde que o fato seja comunicado à Contratante nos 15
(quinze) dias anteriores à exaustão do prazo.
3.12.2. O recebimento definitivo do objeto licitado não exime a Contratada, em qualquer época, das garantias concedidas e das
responsabilidades assumidas em contrato e por força das disposições legais em vigor (Lei n° 10.406, de 2002).
3.13. Os serviços poderão ser rejeitados, no todo ou em parte, quando em desacordo com as especificações constantes neste Termo de
Referência e na proposta, devendo ser corrigidos/refeitos/substituídos no prazo fixado pelo fiscal do contrato, às custas da contratada, sem
prejuízo da aplicação de penalidades.
4. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA
4.1. O detalhamento das especificações para correta prestação do serviço estão descritas no anexo I-A (sei n. 9742798) deste Termo
de Referência.
5. PRAZO DE EXECUÇÃO E VIGÊNCIA DO CONTRATO
5.1. O prazo de execução do contrato acompanhará o prazo de execução da obra conforme contrato com a Construtora, acrescido de
até 90 (noventa) dias para recebimentos provisório e definitivo da obra e conclusão de documentação final de fiscalização, iniciando-se a partir
da Ordem de Início dos Serviços emitida para a Construtora.
5.2. O prazo de vigência do contrato deverá ser o mesmo fixado para o contrato com a Contratada para a execução da obra.
5.3. As prorrogações de prazos de execução da obra acarretam idêntica prorrogação de prazo para a Contratada.
5.4. As prorrogações de prazo auferidas não sofrerão aditivos de valor, salvo em casos de prorrogação da obra por solicitação da
Contratante, acréscimos de serviços de obra que acarretem alteração de prazos ou pelos motivos abaixo relacionados:
5.4.1. Força maior ou caso fortuito, conforme parágrafo único do artigo 1.058 do Código Civil;
5.4.2. Greve geral que impossibilite o andamento dos serviços;
5.4.3. Paralisação da obra por expressa solicitação da Contratante;
5.4.4. Chuvas que impeçam totalmente o trabalho;
5.4.5. Impedimentos referentes ao suprimento de mão de obra ou materiais, devido ao interrompimento de vias de acesso à obra;
5.4.6. Indeferimento ou embargo da obra por parte de poderes constituídos, ou ainda de terceiros, por motivos não imputáveis
à Construtora;
5.5. Em caso de paralisação da obra por período superior a 10 (dez) dias, os serviços de fiscalização também serão paralisados, não
sendo remunerados neste período, retornando à remuneração quando do retorno das atividades normais de obra.
5.6. Havendo alterações nas etapas de execução da obra, serão procedidas alterações proporcionais na fiscalização e nos pagamentos,
de modo a manter o equilíbrio econômico-financeiro de todas as partes envolvidas, inclusive no caso de supressão.
5.7. Os cronogramas de execução da obra, assim como o da fiscalização, constam no Anexo I-B (sei n. 9746689) deste Termo de
referencia.
6. QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EXIGIDA
6.1. Para efeito de habilitação na licitação, serão exigidos:
6.1.1. Declaração de Vistoria ou Renúncia, atestando o conhecimento de todas as informações e condições para execução dos
serviços licitados. Para tanto, deverá analisar os projetos de construção da obra, conforme orientações do edital, apresentando à Contratante
qualquer discrepância com os projetos, para verificação de possíveis erros, correção do material de licitação e ou elucidação de dúvidas ou
interpretações; ou que concorda com o serviço licitado, independente de vistoria, e que renuncia o direito de discutir quaisquer discrepâncias
encontradas.
6.1.2. Comprovação de inscrição junto ao Conselho Regional de Engenharia e Agronomia – CREA ou Conselho de Arquitetura e
Urbanismo – CAU.
6.1.3. Aptidão técnico-profissional para desempenho de atividade compatível com o objeto da contratação, através de no mínimo 1
(um) atestado de responsabilidade técnica de serviços de fiscalização ou gerenciamento de obra(s), de características, complexidade e áreas
semelhantes ao objeto, devidamente registrados no CREA ou CAU da região pertinente, nos termos da legislação aplicável, dando-se tal
comprovação mediante a apresentação da correspondente Certidão de Acervo Técnico – CAT com registro de atestado – atividade concluída.
6.1.4. Características mínimas (consideradas de maior relevância) que devem constar nas ART's, conjuntas ou em separado:
a) Edificação comercial ou pública;
b) Instalações elétricas de baixa tensão;
c) Instalações hidro-sanitárias.
6.1.5. As pessoas jurídicas deverão apresentar comprovação de possuir em seu quadro de pessoal, na data prevista para entrega da
proposta, profissionais de nível superior na área de engenharia e/ou arquitetura, em quantidade suficiente para atendimento dos itens
pretendidos, detentores, individualmente, de no mínimo 1 (um) atestado de responsabilidade técnica de fiscalização ou gerenciamento de obra
ou serviço, de características, complexidade e área semelhantes ao objeto, devidamente registrados no CREA ou CAU da região pertinente, nos
termos da legislação aplicável, dando-se tal comprovação mediante a apresentação da correspondente Certidão de Acervo Técnico – CAT com
registro de atestado – atividade concluída ou documento equivalente.
6.1.6. As empresas devem declarar formalmente que disporão, por ocasião da futura contratação, das instalações, aparelhamento e
pessoal técnico considerados essenciais para a execução contratual, a saber:
a) Engenheiro Civil Sênior, e/ou Arquiteto Sênior;
b) Auxiliar de Engenharia (técnico em edificações de nível médio).
6.1.7. A correspondência entre o Engenheiro Civil Sênior e o Arquiteto Sênior tem base no que preconiza a Lei n° 12.378/2010.
6.2. Não será exigida para fins de habilitação técnica a documentação do auxiliar técnico de engenharia.
6.3. No âmbito deste Termo de Referência, a definição de Engenheiro Civil Sênior guarda correspondência com o código SINAPI,
sendo que esta classificação elaborada pela Caixa Econômica Federal se reporta ao CBO - Classificação Brasileira de Ocupações (2142), com
exigência de mínima 6 a 8 anos de experiência.
7. DEVERES E RESPONSABILIDADES DA CONTRATADA
7.1. Executar os serviços nos prazos e especificações descritos no Plano de Execução de Fiscalização.
7.2. Iniciar os serviços em até 5 dias úteis após o recebimento da Ordem de Início do Serviço.
7.3. Apresentar a documentação de habilitação no CREA-MA, conforme Lei nº 5.194, de 1966 e Resoluções CONFEA nº 413, de
1997 e 336, de 1989 do, ou no CAU-MA, conforme Lei nº 12.378/2010, e documentos de habilitação e regularização no município de
execução da obra, como alvará de funcionamento, registro para recolhimento de ISSQN ou documentos correlatos exigidos pela
municipalidade para o funcionamento no município de execução da obra.
7.4. Prestar garantia contratual prevista no artigo 56, da lei 8.666/93, nos termos previstos no edital.
7.5. No caso de contratada com sede em unidade da federação que não a do Maranhão, deverá obedecer ao prescrito no art. 6º da
Resolução CONFEA nº 336, de 1989:

“Art. 6º - A pessoa jurídica, para efeito da presente Resolução, que requer registro ou visto em qualquer Conselho Regional, deve apresentar
responsável técnico que mantenha residência em local que, a critério do CREA, torne praticável a sua participação efetiva nas atividades que a
pessoa jurídica pretenda exercer na jurisdição do respectivo órgão regional. ”

e parágrafo 1º do art. 3º da resolução 413 do CONFEA:

“Art. 3º - ...

§ 1º - Os responsáveis técnicos pelas diferentes atividades, apresentados pela pessoa jurídica, devem comprovar residência em local que, a
critério do CREA, torna praticável sua participação efetiva nas atividades que a pessoa jurídica pretenda exercer na jurisdição do respectivo
órgão regional”

7.6. Apresentar, em até 10 (dez) dias após emissão da Ordem de Início do Serviço, as Anotações de Responsabilidade Técnica –
ART, ou Registro de Responsabilidade Técnica – RRT, relativas aos serviços, devidamente pagas e registradas no CREA-MA e ou CAU-MA.
7.7. Apresentar Plano de Execução da Fiscalização, em até 5 (cinco) dias após emissão da Ordem de Serviço, com dados básicos e
critérios de execução, relação de documentos a serem produzidos, cronograma detalhado da execução, com intervalos semanais e,
organograma da equipe responsável.
7.8. Assumir inteira responsabilidade pela execução dos serviços e efetuá-los de acordo com as especificações constantes neste
Termo, nos documentos técnicos de cada obra valendo-se da boa técnica, legislações e normas pertinentes.
7.9. Executar os serviços sob a responsabilidade técnica do profissional indicado na fase de licitação como integrante do seu quadro
permanente e detentor do acervo técnico exigido. No caso de indicação de mais de um profissional, todos deverão participar como
responsáveis técnicos da fiscalização, de acordo com as suas atribuições profissionais.
7.10. Caso a Contratada necessite substituir qualquer responsável técnico, deverá apresentar proposta de substituição de profissional
para aprovação da Contratante, que será feita por escrito, fundamentada e instruída com as provas necessárias à comprovação da situação que
se apresentar. Concomitantemente, deverá ser apresentada proposta para aprovação do novo profissional, que deverá ter experiência
equivalente ou superior, devidamente comprovada pelo seu acervo técnico.
7.11. Cumprir a carga horária diária requerida, comprovadas mediante assinatura em livro próprio, conforme previsão mínima.
7.12. Proceder o acompanhamento diário das obras, fazendo cumprir todas as disposições e especificações técnicas constantes
nos Projetos Executivos da obra fornecendo toda a assessoria técnica necessária ao Fiscal do Contrato para verificação da perfeita execução
dos serviços.
7.13. Atender, de forma incontinenti, sem prejuízo da carga horária estipulada, às chamadas do Fiscal do Contrato, no fito de se fazer
presente no local da obra ou em reuniões em outros locais para dirimir dúvidas referentes à fiscalização, sempre que solicitado.
7.13.1. Realizar semanalmente reunião com o Fiscal do Contrato com o objetivo de informar acerca do andamento dos trabalhos e
permitir que seja feito o acompanhamento e solução de dúvidas de forma a não comprometer a qualidade do serviço e os prazos para entrega
final.
7.13.2. As reuniões semanais serão realizadas, preferencialmente no local da obra, sendo documentadas por Atas de Reunião,
elaboradas pela Contratada e que conterão, no mínimo, os seguintes elementos: data, nome e assinatura dos participantes, assuntos tratados,
decisões e responsáveis pelas providências a serem tomadas.
7.14. Para liberação de serviços considerados críticos como concretagens, testes hidro estáticos, ou testes de eletricidade, o
engenheiro ou arquiteto deverão estar presentes na obra independente da rotina semanal de visitas.
7.15. Imprimir 2 vias dos projetos, para facilitar a consulta e a fiscalização dos serviços, bem como ter disponível e impressa a última
versão dos projetos caso haja alterações por parte do autor destes, pela contratada ou pela empresa executora da obra.
7.16. Indicar preposto, a ser aceito pela Contratante, para representá-la na execução do contrato, e instruí-lo quanto à necessidade de
acatar as orientações da Contratante, inclusive quanto ao cumprimento das normas internas.
7.17. Apresentar as Equipes devidamente identificadas com os seus profissionais através de crachás contendo foto recente, nome e
função e exigir seu uso em local visível. A Contratada não poderá repassar os custos de qualquer dos itens dos equipamentos de proteção
individual.
7.18. Apresentar, quando solicitado pela Administração, atestado de antecedentes criminais e distribuição cível de toda a mão de obra
oferecida para atuar nas instalações do órgão.
7.19. Responsabilizar-se por todas as obrigações trabalhistas, sociais, previdenciárias, tributárias e as demais previstas na legislação
específica, cuja inadimplência não transfere responsabilidade à Contratante.
7.20. Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho emitidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego, e de
outros órgãos competentes, em especial a Norma Regulamentadora NR – 18.
7.21. Fornecer e exigir o uso de Equipamento de Proteção Individual – EPI, conforme constatada a sua necessidade.
7.22. Na ocorrência de acidentes de trabalho na obra, apresentar cópias das comunicações de acidente de trabalho - CAT devidamente
analisadas, concluídas e assinadas por profissional habilitado em até 10 dias após a ocorrência.
7.23. Assumir as despesas com alimentação, hospedagem e comunicação dos seus funcionários.
7.24. Relatar à Contratante toda e qualquer irregularidade, inclusive de ordem funcional, constatada durante a execução dos serviços,
cujo saneamento dependa de autorização para execução ou de providências por parte da Contratante, especialmente se representar risco para o
patrimônio público.
7.25. Guardar sigilo sobre todas as informações obtidas em decorrência do cumprimento do contrato.
7.26. Informar à Contratante a necessidade de alteração nos serviços ou adaptações diversas, antes da execução dos serviços.
7.27. Solicitar a paralisação à Contratante , de qualquer atividade que não esteja sendo executada de acordo com a boa técnica ou que
ponha em risco a segurança de pessoas ou bens de terceiros.
7.28. Assumir a responsabilidade por quaisquer despesas, decorrentes de embargos por parte das autoridades ou terceiros, multas
provenientes de infrações de leis, regulamentos e posturas federais, estaduais ou municipais, que lhe sejam pertinentes.
7.29. Responder, civil e penalmente, por quaisquer danos materiais ou pessoais ocasionados, à Contratante e/ou Construtora ou a
terceiros, por seus empregados, dolosa ou culposamente, nos locais de trabalho.
7.30. Responsabilizar-se pelos vícios e danos decorrentes do serviço de acordo com o Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078,
de 11 de setembro de 1990)
7.31. Arcar com o ônus decorrente de eventual equívoco no dimensionamento dos quantitativos de sua proposta, devendo
complementá-los, caso o previsto inicialmente em sua proposta não seja satisfatório para o atendimento ao objeto da licitação, exceto quando
ocorrer algum dos eventos arrolados nos incisos do § 1º do art. 57 da Lei nº 8.666/93
7.32. Repor, no prazo máximo de 5 (cinco) dias úteis, após a devida comprovação de responsabilidade, qualquer objeto da Contratante
e/ou de terceiros que tenha sido danificado ou extraviado por seus empregados
7.33. Substituir, no prazo máximo de 48 (quarenta e oito) horas, sempre que exigido pela Contratante e independentemente de
qualquer justificativa por parte desta, qualquer profissional integrante das equipes de trabalho cuja atuação, permanência e/ou comportamento
sejam julgados inadequados, prejudiciais, inconvenientes ou insatisfatórios à disciplina da Contratante ou ao interesse do Serviço Público.
7.34. Assegurar à CONTRATANTE, nos termos do artigo 19, inciso XVI, da Instrução Normativa SLTI/MPOG n° 2, de 30 de abril de
2008:
7.34.1. O direito de propriedade intelectual dos produtos desenvolvidos, inclusive sobre as eventuais adequações e atualizações que
vierem a ser realizadas, logo após o recebimento de cada parcela, de forma permanente, permitindo à Contratante distribuir, alterar e utilizar os
mesmos sem limitações;
7.34.2. Os direitos autorais da solução, do projeto, de suas especificações técnicas, da documentação produzida e congêneres, e de todos
os demais produtos gerados na execução do contrato, inclusive aqueles produzidos por terceiros subcontratados, ficando proibida a sua
utilização sem que exista autorização expressa da Contratante, sob pena de multa, sem prejuízo das sanções civis e penais cabíveis.
7.35. Analisar e, se for o caso, sugerir aprovação do projeto das instalações provisórias e canteiro de obras apresentados pela
Construtora no início dos trabalhos à Contratante.
7.36. Analisar a compatibilidade entre os projetos antes da execução dos serviços, solicitando à Contratante, quando constatadas
incompatibilidades, providências para o saneamento das mesmas.
7.37. Emitir relatório mensal específico sobre os procedimentos adotados pela Construtora, que envolverem sustentabilidade,
acusando pontualmente as irregularidades, se houverem.
7.38. Fiscalizar as condições e operações de descarte de resíduos da construção civil realizadas pela Construtora, informando de
imediato qualquer irregularidade ou descumprimento de normas ambientais aplicáveis.
7.39. Fiscalizar a qualidade dos materiais e equipamentos em seus recebimentos e instalações na obra, garantindo sua conformidade
com o projeto.
7.40. Solicitar a substituição de materiais e equipamentos que sejam considerados defeituosos, inadequados ou inaplicáveis aos
serviços após consulta prévia ao Fiscal do Contrato.
7.41. Acompanhar a substituição de materiais, equipamentos e serviços solicitada pela Construtora e admitida no Projeto Executivo,
com base na comprovação da equivalência entre os componentes, de conformidade com os requisitos estabelecidos nas Especificações de
Serviços, com aprovação do Fiscal do Contrato.
7.42. Sugerir a realização de testes, exames, ensaios e quaisquer provas necessárias ao controle de qualidade dos serviços e materiais
que considerar necessários, indicando laboratórios ou entidades credenciados para realização, após consulta prévia ao Fiscal do Contrato.
7.43. Analisar os resultados dos ensaios de controle de qualidade de materiais e serviços realizados pela Construtora, exigindo os
respectivos tratamentos estatísticos, a fim de liberar cada uma das etapas das obras e submeter à aprovação do Fiscal do Contrato.
7.44. Analisar partes, etapas ou a totalidade dos serviços executados, através de relatórios periódicos de fiscalização, apresentando os
resultados à aprovação do Fiscal do Contrato.
7.45. Analisar mensalmente a Planilha de Medição proposta pela Construtora, em conjunto com o engenheiro responsável da mesma,
e elaborar um Relatório Técnico de Acompanhamento da respectiva medição dos serviços executados naquele mês para efeito de
fundamentação dos valores a serem faturados.
7.46. Analisar as reivindicações da Construtora, como prorrogação de prazos, aditivos, métodos executivos, soluções técnicas,
emitindo parecer sobre o assunto.
7.47. Implantar acervo fotográfico da execução da obra durante todo período de execução.
7.48. Emitir os pareceres para fins emissão dos termos de recebimento provisório e definitivo da obra.
7.49. Elaborar Relatório de Final de Fiscalização, reunindo e organizando todos os documentos gerados em sua versão final, tanto dos
projetistas quanto da Construtora, na forma de mapas, manuais e relatórios que o integrarão. O relatório deverá conter índice dos documentos.
7.50. Em se tratando de atividades que envolvam serviços de natureza intelectual, após a assinatura do contrato, a contratada deverá
participar de reunião inicial, devidamente registrada em Ata, para dar início à execução do serviço, com o esclarecimento das obrigações
contratuais, em que estejam presentes os técnicos responsáveis pela elaboração do termo de referência, o gestor do contrato, o fiscal técnico do
contrato, o fiscal administrativo do contrato, os técnicos da área requisitante, o preposto da empresa e os gerentes das áreas que executarão os
serviços contratados.
7.51. Manter durante todo o período de execução da obra, as condições de habilitação e qualificação exigidas na licitação.
7.52. Não transferir, sob nenhum pretexto, qualquer tipo de responsabilidade da Contratada para outras entidades.
8. DEVERES E RESPONSABILIDADES DA CONTRATANTE
8.1. Além das obrigações resultantes da Lei n.º 8.666, de 1993, são obrigações da Contratante:
8.1.1. Designar Fiscal do Contrato, na forma dos arts. 67 da Lei 8.666, de 1993, e da I.N SLTI/MPOG n° 02/2008 para os itens em
questão;
8.1.2. Exigir o cumprimento de todas as obrigações assumidas pela Contratada, de acordo com as cláusulas contratuais e os termos de
sua proposta;
8.1.3. Exercer o acompanhamento e a fiscalização dos serviços, por servidor ou comissão especialmente designada, anotando em
registro próprio as falhas detectadas, indicando dia, mês e ano, bem como o nome dos empregados eventualmente envolvidos, encaminhando
os apontamentos à autoridade competente para as providências cabíveis;
8.1.4. Notificar a Contratada por escrito da ocorrência de eventuais imperfeições, falhas ou irregularidades constatadas no curso da
execução dos serviços, fixando prazo para a sua correção, certificando-se de que as soluções por ela propostas sejam as mais adequadas;
8.1.5. Pagar à Contratada o valor resultante da prestação do serviço, conforme cronograma físico-financeiro;
8.1.6. Efetuar as retenções tributárias devidas sobre o valor da fatura de serviços da Contratada, em conformidade com o art. 36, § 8º
da IN SLTI/MPOG N. 02/2008;
8.1.7. Fornecer as informações necessárias para o desenvolvimento dos serviços objeto do contrato;
8.1.8. Realizar avaliações periódicas da qualidade dos serviços, após seu recebimento;
8.1.9. Cientificar o órgão de representação judicial da Advocacia-Geral da União para adoção das medidas cabíveis quando do
descumprimento das obrigações pela Contratada;
8.1.10. Arquivamento, entre outros documentos, de projetos, "as built", especificações técnicas, orçamentos, termos de recebimento,
contratos e aditamentos, relatórios de inspeções técnicas após o recebimento do serviço e notificações expedidas;
8.1.11. Exigir da Contratada que providencie a seguinte documentação como condição indispensável para o recebimento
provisório do objeto, quando for o caso:
8.1.11.1. Análise e aprovação do "as built", elaborado pela empresa responsável da obra;
8.1.12. Análise de toda documentação recebida, de modo a efetivar os recebimentos provisórios e definitivos da obra.
9. EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS PELA CONTRATADA E O RECEBIMENTO
9.1. Atuar como assessoria técnica do Fiscal do Contrato.
9.2. Proceder o acompanhamento diário das obras, fazendo cumprir todas as disposições e especificações técnicas constantes nos
Projetos Básico e Executivo das obras fornecendo toda a assessoria técnica necessária ao Fiscal do Contrato para verificação da perfeita
execução dos serviços.
9.3. O acompanhamento e fiscalização deverá se pautar obrigatoriamente, no que couber, no MANUAL DE OBRAS PÚBLICAS -
EDIFICAÇÕES PRÁTICAS DA SEAP – CADERNO DE CONSTRUÇÕES, disponibilizado no endereço
http://www.comprasnet.gov.br/publicacoes/manuais/manual_projeto.pdf , bem como nas Normas Técnicas da ABNT e nas normas e manuais
de instruções de fabricantes de materiais e equipamentos.
9.4. Deverá observar com atenção os pontos elencados no Anexo I-A (sei n. 9742798) deste Termo de Referencia.
9.5. Realizar semanalmente reunião com o Fiscal do Contrato com o objetivo de informar acerca do andamento dos trabalhos e
permitir que seja feito o acompanhamento e solução de dúvidas de forma a não comprometer a qualidade do serviço e os prazos para entrega
final.
9.6. As reuniões semanais serão realizadas no local onde os serviços e obras serão realizados, sendo documentadas por Atas de
Reunião, elaboradas pela Contratada e que conterão, no mínimo, os seguintes elementos: data, nome e assinatura dos participantes, assuntos
tratados, decisões e responsáveis pelas providências a serem tomadas, ou, a critério da administração, na sede da SRPRF/MA.
9.7. Realizar comunicação com o Fiscal do Contrato através de correspondência oficial e anotações ou registros na Caderneta de
Ocorrências.
9.8. A Caderneta de Ocorrências será destinada ao registro de fatos e comunicações que tenham implicação contratual, como:
modificações de projeto, conclusão e aprovação de serviços e etapas, autorizações para execução de trabalho adicional, autorização para
substituição de materiais e equipamentos, ajustes no cronograma e plano de execução dos serviços e obras, irregularidades e providências a
serem tomadas pela Contratante.
9.9. Apresentar Relatório de Pendências, com os problemas identificados, nas reuniões semanais com o Fiscal do Contrato.
9.10. Analisar e aprovar o Plano de Execução dos Serviços, apresentado pela Construtora no início dos trabalhos.
9.11. Analisar e, se for o caso, sugerir aprovação do projeto das instalações provisórias e canteiro de obras apresentados pela
Construtora no início dos trabalhos à Contratante.
9.12. Analisar a compatibilidade entre os projetos antes da execução dos serviços, solicitando à Contratante, quando constatadas
incompatibilidades, providências para o saneamento das mesmas.
9.13. Acompanhar as retiradas de materiais e, posteriormente, observar a colocação dos novos materiais a serem ali instalados,
conforme especificações, sugerindo modificações necessárias e não inclusas nos projetos.
9.14. Garantir, através de solicitação para o Fiscal do Contrato, a disponibilidade no canteiro de obra todos os projetos
compatibilizados e, quando necessário for, aprovados.
9.15. Através de consulta aos autores dos projetos e/ou a Contratante, esclarecer ou solucionar incoerências, falhas e omissões
eventualmente constatadas nos desenhos, memoriais, especificações e demais elementos de projeto
9.16. Verificar e solicitar aprovação aos autores dos projetos das soluções propostas pela Construtora quanto a sua adequação técnica
e econômica, de modo a atender às necessidades da Contratante.
9.17. Propor solução para as dúvidas e questões pertinentes à prioridade ou sequência dos serviços e obras em execução.
9.18. Exercer rigoroso controle sobre o cronograma de execução dos serviços e obras e propor aprovação à Contratante eventuais
ajustes.
9.19. Liberar os serviços a serem executados através de documento de liberação solicitado pela Construtora, após prévia verificação
de conformidade dos trabalhos predecessores e acompanhar a execução de serviços críticos.
9.20. Principais atividades de verificação:
9.20.1. Verificação de compactação de solos;
9.20.2. Verificação da locação de obra e correta identificação de eixos;
9.20.3. Verificação do processo de execução das fundações;
9.20.4. Verificação de armaduras de aço antes da aplicação nas formas;
9.20.5. Verificação das dimensões, alinhamentos, solidez e escoramento de formas;
9.20.6. Verificação da correta colocação das armaduras nas formas antes das concretagens;
9.20.7. Verificação do teste hidrostático antes do fechamento dos rasgos em alvenaria e aplicação de revestimentos;
9.20.8. Verificação das tubulações de esgoto, caixas de passagem antes do reaterro de valas;
9.20.9. Verificação da correta colocação de tubulações elétricas e hidráulicas, passagens de dutos e tubulações antes das concretagens;
9.20.10. Verificação das instalações elétricas antes do teste de carga da rede elétrica;
9.20.11. Outras verificações técnicas pertinentes.
9.21. Principais atividades críticas para acompanhamento:
9.21.1. Locação da obra;
9.21.2. Serviços de concretagem de estruturas e fundações;
9.21.3. Lançamento e aplicação de concreto em pisos, bem como início de serviços de desempeno e alisamento destes;
9.21.4. Testes hidrostáticos em tubulações de água fria e quente, gás, hidrantes, ar comprimido e outros por ventura existentes na obra,
se for o caso;
9.21.5. Testes de carga elétrica;
9.21.6. Testes de rede lógica e de rádio comunicação;
9.21.7. Içamento e colocação de estruturas metálicas de cobertura.
9.22. Solicitar paralisação ou refazimento de qualquer serviço que não seja executado em conformidade com projeto, norma técnica
ou qualquer disposição oficial aplicável às obras, após consulta prévia ao Fiscal do Contrato.
9.23. Fiscalizar a correta aplicação, pela Construtora, das diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da
construção civil estabelecidos na Resolução CONAMA n° 307, de 2002, e IN SLTI/MPOG n° 1, de 2010, bem como a utilização de materiais
e produtos com o mínimo de substâncias tóxicas e/ou perigosas, obedecendo as classificações e especificações determinadas pela ANVISA.
9.24. Emitir relatório mensal específico sobre os procedimentos adotados pela Construtora, que envolverem sustentabilidade,
acusando pontualmente as irregularidades, se houverem.
9.25. Fiscalizar as condições e operações de descarte de resíduos da construção civil realizadas pela Construtora, informando de
imediato qualquer irregularidade ou descumprimento de normas ambientais aplicáveis.
9.26. Verificar se a Construtora priorizou a utilização na obra de materiais produzidos regionalmente e de maneira sustentável,
orientando-a para esta prática.
9.27. Fiscalizar a qualidade dos materiais e equipamentos em seus recebimentos e instalações na obra, garantindo sua conformidade
com o projeto.
9.28. Solicitar a substituição de materiais e equipamentos que sejam considerados defeituosos, inadequados ou inaplicáveis aos
serviços após consulta prévia ao Fiscal do Contrato.
9.29. Acompanhar a substituição de materiais, equipamentos e serviços solicitada pela Construtora e admitida no Projeto Executivo,
com base na comprovação da equivalência técnica entre os componentes, de conformidade com os requisitos estabelecidos nas Especificações
de Serviços, com aprovação do Fiscal do Contrato.
9.30. Sugerir a realização de testes, exames, ensaios e quaisquer provas necessárias ao controle de qualidade dos serviços e materiais
que considerar necessários, indicando laboratórios ou entidades credenciadas para realização, após consulta prévia ao Fiscal do Contrato.
9.31. Analisar os resultados dos ensaios de controle de qualidade de materiais e serviços realizados pela Construtora, exigindo os
respectivos tratamentos estatísticos, a fim de liberar cada uma das etapas das obras e submeter à aprovação do Fiscal do Contrato.
9.32. Analisar partes, etapas ou a totalidade dos serviços executados, através de relatórios periódicos de fiscalização, apresentando os
resultados à aprovação do Fiscal do Contrato.
9.33. Analisar mensalmente a Planilha de Medição proposta pela Construtora, em conjunto com o engenheiro responsável da mesma,
e elaborar um Relatório Técnico de Acompanhamento da respectiva medição dos serviços executados naquele mês para efeito de
fundamentação dos valores a serem faturados.
9.34. O Relatório e a Planilha de medição deverão seguir o padrão proposto pela Contratante, serem relacionados ao Cronograma
Físico-Financeiro da obra e encaminhados para o Fiscal do Contrato para aprovação.
9.35. Receber a Nota Fiscal emitida pela Construtora, verificar seu preenchimento, regularidade de valores e informações e
encaminhar ao Fiscal do Contrato com parecer para providências de pagamento em até 2 (dois) dias úteis do recebimento da mesma.
9.36. Prestar assessoria na análise das reivindicações da Construtora, como prorrogação de prazos, custos, métodos executivos,
soluções técnicas, emitindo parecer sobre o assunto
9.37. A análise de custos de serviços extraordinários terá a seguinte metodologia:
a) Se o acréscimo for apenas de quantitativo, serão utilizados os valores da proposta;
b) Se o acréscimo incluir item não existente na proposta inicial, deverá ser solicitado à Construtora a elaboração de proposta
específica, valendo-se da tabela SINAPI como referência para verificação do valor proposto. Para tais serviços devem ser
aplicados os fatores de correção dos valores devido ao percentual de desconto apresentada pela construtora em relação ao
preço de referencia adotado pela administração.
9.38. Verificar se todos os empregados das Construtoras estejam devidamente registrados de acordo com as leis trabalhistas vigentes,
e que trabalhem devidamente uniformizados e utilizando crachá de identificação.
9.39. Verificar as condições de trabalho adotadas pela Construtora, tais como o uso adequado dos EPI´s, o atendimento das condições
de higiene e segurança do trabalho e comunicar ao Fiscal do Contrato, as possíveis irregularidades.
9.40. Solicitar, ao Fiscal do Contrato, a substituição de qualquer funcionário da Construtora que dificulte a ação da fiscalização, ou
cuja presença no local da obra seja considerada prejudicial ao andamento dos trabalhos.
9.41. Verificar se as instalações, equipamentos, ferramentas e equipe técnica de execução correspondem ao necessário para a perfeita
execução da obra no prazo previsto.
9.42. Acompanhar os relatórios diários de execução dos serviços e obras (Diário de Obra), em livro apropriado, com páginas
numeradas em 3 (três) vias, 2 (duas) destacáveis, contendo o registro de fatos normais do andamento dos serviços, como entrada e saída de
equipamentos, serviços em andamento, efetivo de pessoal, condições climáticas, visitas ao canteiro de obra, inclusive para as atividades de
empresas terceirizadas pela Construtora, e informar ao Fiscal do Contrato eventuais irregularidades com relação ao preenchimento.
9.43. Obter, consolidar e manter arquivo de todos os elementos necessários ao perfeito cumprimento de suas funções, tais como:
diretrizes de projetos, contratos, orçamentos, cronogramas, relatórios de andamento das atividades e todas as especificações referentes às obras
e serviços.
9.44. Efetuar diligenciamento dos serviços de responsabilidade de Concessionários de Serviços Públicos que interfiram na execução
da obra.
9.45. Implantar acervo fotográfico da execução da obra durante todo período de execução.
9.46. Avaliar o atendimento das cláusulas contratuais do contrato de execução da obra, orientando através da Caderneta de
Fiscalização e por ofício, ao Fiscal do Contrato sobre possíveis irregularidades e necessidades de aplicação de sanções.
9.47. Zelar para que durante toda a vigência do contrato sejam mantidas, em compatibilidade com as obrigações assumidas pela
Construtora, todas as condições de habilitação e qualificação exigidas na licitação, comunicando ao Fiscal do Contrato qualquer alteração.
9.48. Recolher e encaminhar ao Fiscal do Contrato, todos os certificados de garantia preenchidos, bem como as cópias das notas
fiscais de compra dos materiais e equipamentos com garantia de fabricante ou revendedor, para possibilitar a cobrança de garantias em data
futura.
9.49. Emitir os pareceres para fins dos termos de recebimento provisório e definitivo da obra. O recebimento final dos serviços
executados pela Construtora será efetivado em duas etapas:
9.49.1. Recebimento Provisório – após a conclusão dos trabalhos, através de correspondência da Construtora informando a conclusão e,
em até 15 (quinze) dias, o Fiscal do Contrato, com base no parecer da Contratada, lavrará o Termo de Recebimento Provisório, onde serão
indicadas as correções e complementações consideradas necessárias ao recebimento definitivo, bem como o prazo para execução de tais
correções e complementações, não podendo exceder 30 (trinta) dias corridos, salvo justificativa aceita pela Contratante;
9.49.2. Recebimento Definitivo – a Construtora deverá comprovar o pagamento dos impostos, taxas e obrigações fiscais incidentes
sobre o objeto do contrato, além das demais obrigações legais contratuais. Isto satisfeito, e verificando-se através do parecer da Contratada, a
adequação das pendências apontadas no termo de recebimento provisório, lavrar-se-á o Termo de Recebimento Definitivo e será autorizada a
emissão da fatura final a ser paga.
9.50. Elaborar Relatório de Final de Fiscalização, reunindo e organizando todos os documentos gerados em sua versão final, tanto dos
projetistas quanto da Construtora, na forma de mapas, manuais e relatórios que o integrarão. O relatório deverá conter índice dos documentos.
9.51. Elaborar parecer de aprovação do “As Built” da obra e do Manual do Proprietário.
9.52. Verificar se o executor da obra fiscalizada providenciou o licenciamento ambiental, caso necessário, e se estão sendo cumpridas
todas as normas ambientais durante a execução do empreendimento.
10. EXECUÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO CONTRATO
10.53. O órgão deve acompanhar, controlar e fiscalizar a conformidade da prestação dos serviços e da alocação dos recursos
necessários, com base nos critérios previstos neste Termo de Referência, de forma a assegurar o perfeito cumprimento do contrato, por meio de
Fiscal do Contrato especialmente designado, na forma dos arts. 67 da Lei 8.666, de 1993, e da I.N SLTI/MPOG n° 02/2008.
10.54. O representante da Contratante deverá ter a qualificação necessária para o acompanhamento e controle da execução dos serviços
e do contrato.
10.55. A verificação da adequação da prestação do serviço deverá ser realizada com base nos critérios previstos neste Termo de
Referência.
10.56. A fiscalização do contrato, ao verificar que houve subdimensionamento da produtividade pactuada, sem perda da qualidade na
execução do serviço, deverá comunicar à autoridade responsável para que esta promova a adequação contratual à produtividade efetivamente
realizada, respeitando-se os limites de alteração dos valores contratuais previstos no § 1º do artigo 65 da Lei nº 8.666, de 1993.
10.57. A conformidade do material/técnica/equipamento a ser utilizado na execução dos serviços deverá ser verificada juntamente com
o documento da Contratada que contenha a relação detalhada dos mesmos, de acordo com o estabelecido neste Termo de Referência,
informando as respectivas quantidades e especificações técnicas, tais como: marca, qualidade e forma de uso.
10.58. O representante da Contratante deverá promover o registro das ocorrências verificadas, adotando as providências necessárias ao
fiel cumprimento das cláusulas contratuais, conforme o disposto nos §§ 1º e 2º do art. 67 da Lei nº 8.666, de 1993.
10.59. O descumprimento total ou parcial das obrigações e responsabilidades assumidas pela Contratada, sobretudo quanto às
obrigações e encargos sociais e trabalhistas, ensejará a aplicação de sanções administrativas, previstas neste Termo de Referência e na
legislação vigente, podendo culminar em rescisão contratual, conforme disposto nos artigos 77 e 87 da Lei nº 8.666, de 1993.
10.60. As disposições previstas nesta cláusula não excluem o disposto (Guia de Fiscalização dos Contratos de Terceirização) da
Instrução Normativa SLTI/MPOG nº 02, de 2008, aplicável no que for pertinente à contratação.
10.61. Caberá ao Fiscal do Contrato:
10.61.3. Manter arquivo completo e atualizado da documentação pertinente aos trabalhos, incluindo contrato, orçamentos, cronogramas e
relatórios de andamento das atividades;
10.61.4. Aprovar a indicação pela Contratada do responsável pela condução dos serviços;
10.61.5. Analisar e aprovar o Plano de Execução de Fiscalização, apresentado pela Contratada;
10.61.6. Analisar e aprovar ou devolver para correções, a documentação emitida pela Contratada a respeito dos serviços da Construtora e
andamento da obra, encaminhando-a para a Contratante para a destinação adequada e providências;
10.61.7. Solicitar substituição de funcionário da Contratada que embarace ação da Contratante;
10.61.8. Verificar se estão sendo colocados à disposição dos trabalhos, as instalações, equipamentos e equipe técnica previstos;
10.61.9. Promover reuniões periódicas com a Contratada para análise e discussão dos trabalhos, esclarecimentos e providências
necessárias;
10.61.10. Solucionar as dúvidas e questões pertinentes à prioridade dos serviços, bem como as interferências e interfaces dos trabalhos da
Contratada com as atividades de outras empresas ou profissionais.
10.61.11. Verificar e aprovar os relatórios periódicos de execução dos serviços.
10.61.12. Exercer controle sobre o cronograma, aprovando os eventuais ajustes que ocorrerem durante o desenvolvimento dos trabalhos.
10.61.13. Analisar e aprovar partes, etapas ou a totalidade dos serviços executados.
10.61.14. Verificar e aprovar soluções propostas quanto a sua adequação técnica e econômica, de modo a atender às necessidades da
Contratante.
10.61.15. Verificar acréscimos e/ou supressões de serviços necessários ao perfeito atendimento do objeto do contrato, submetendo à
apreciação da Contratante para encaminhamento dos procedimentos legais.
10.61.16. Verificar e atestar as medições dos serviços, bem como conferir, vistar e encaminhar para pagamento as faturas emitidas pela
Contratada.
10.61.17. Encaminhar as faturas e Notas Fiscais da Construtora com parecer favorável da Contratada, para pagamento.
10.61.18. Devolver mediante termo de recusa, a Nota Fiscal da Construtora que tiver parecer desfavorável da Contratada
10.61.19. Encaminhar à Contratada os comentários efetuados para que sejam providenciados os respectivos atendimentos.
10.61.20. Receber a documentação final da obra, verificando o atendimento do Plano de Execução de Fiscalização.
10.61.21. Zelar para que durante toda a vigência do contrato sejam mantidas, em compatibilidade com as obrigações assumidas pela
Contratada, todas as condições de habilitação e qualificação exigidas na licitação.
10.61.22. Controlar a jornada de trabalho da equipe de fiscalização contratada.
10.61.23. Suspender a execução do contrato, caso haja problema técnico ou fato superveniente.
10.61.24. Emitir os termos de recebimento provisório e definitivo dos serviços
10.62. A fiscalização de que trata esta cláusula não exclui nem reduz a responsabilidade da Contratada, inclusive perante terceiros, por
qualquer irregularidade, ainda que resultante de imperfeições técnicas, vícios redibitórios, ou emprego de material inadequado ou de qualidade
inferior e, na ocorrência desta, não implica em corresponsabilidade da Contratante ou de seus agentes e prepostos, de conformidade com o art.
70 da Lei nº 8.666, de 1993.
11. DA SUBCONTRATAÇÃO
11.63. Será admitida a subcontratação de alguns serviços a critério da Contratante e sob adequada justificativa:
11.63.25. Fiscalização das instalações de Certificação de cabeamento de rede lógica e de rádio;
11.63.26. Serviços de Climatização, exaustão e ventilação;
11.63.27. Serviços de instalações elétricas em média ou alta tensão;
11.64. As empresas ou profissionais subcontratados, onde pertinente, deverão estar devidamente registrados no CREA ou CAU, com
responsável técnico capacitado a executar os serviços especificados.
11.65. A Contratada deverá submeter à prévia aprovação da Contratante, com antecedência mínima de até 2 (dois) dias do início do
item a executar, a indicação da empresa que pretenda utilizar para serviços subcontratados, obrigatoriamente acompanhada da Certidão de
Registro no CREA ou CAU, onde for aplicável e da documentação de habilitação conforme descrito a seguir.
11.66. Para a subcontratação de serviços será exigido apresentação pela contratada de documentação de habilitação das subcontratadas
de acordo com os seguintes critérios por especialidade:
11.66.28. Instalações de lógica e de rádio;
11.67. Instalações de Climatização, exaustão e ventilação;
11.68. Serviços de instalações elétricas em média ou alta tensão.
11.69. Comprovação através de apresentação de um atestado emitido por pessoa jurídica de direito público ou privado, de fiscalização
de instalação dos serviços a serem subcontratados.
12. MEDIÇÕES, PAGAMENTOS E RECEBIMENTO DOS SERVIÇOS
12.70. Os pagamentos serão realizados em medições mensais, correspondendo a 85% (oitenta e cinco por cento) do valor total
contratado, distribuído ao longo da execução da obra, mantendo relação percentual direta com as medições da Construtora, ou seja, o mesmo
percentual de pagamento da fase para a Construtora, será aplicado ao valor a ser pago para a Contratada. Os restantes 15% (quinze por cento)
devidos à Contratada serão pagos em 3(três) parcelas de 5,0%(cinco por cento), e em até 3(três) meses, perfazendo o total de 5%(cinco por
cento) para o Recebimento Provisório e 10%(dez por cento) para o Recebimento Definitivo dos serviços.
12.71. A Contratada só poderá solicitar medição de seus serviços após conclusão da respectiva fase pela Construtora responsável pela
obra, ou seja, após a lavratura do termo de aceite por parte da Contratada e assinatura do Fiscal do Contrato no termo de aceite.
12.72. Somente após a medição ser apresentada, verificada e aprovada pelo Fiscal do Contrato, a Contratada deverá emitir a Nota
Fiscal e encaminhá-la para o ateste e pagamento.
12.73. Caso os serviços concluídos não correspondam exatamente ao cronograma, a Nota Fiscal encaminhada deverá refletir a parcela
adimplida até o limite previsto no cronograma de desembolso previsto para a respectiva fase.
12.74. Nenhum pagamento poderá exceder o montante previsto para desembolso no cronograma físico financeiro, mesmo que exista
antecipação dos prazos da obra.
12.75. Na hipótese de rescisão contratual da obra ou outro impedimento que não possibilite a conclusão daquela fase, poderá ser
realizado o pagamento proporcional à contratada, mesmo não havendo conclusão daquela etapa da obra.
12.76. O Fiscal do Contrato deverá atestar a Nota Fiscal da Contratada, confirmando o recebimento dos serviços no prazo de 5 (cinco)
dias úteis da sua apresentação.
12.77. Caso a Nota Fiscal apresente erros, a mesma será devolvida mediante termo de recusa dos serviços juntamente com a Nota
Fiscal.
13. LOCAIS DAS OBRAS E AVALIAÇÃO DOS CUSTOS
13.78. O valor total para fiscalização de cada obra baseia-se na quantidade de horas necessárias de cada profissional para desempenhar
suas funções de fiscalização durante o prazo de execução de cada uma das obras.
13.79. Os locais e o custo estimado para fiscalização da cada uma das obras de Construção da Del/UOP's em Balsas e Barra do Corda
é de R$ 262.279,65 (duzentos e sessenta e dois mil, duzentos e setenta e nove reais e sessenta e cinco centavos), conforme descritos no quadro
abaixo:

VALOR DO SERVIÇO DE
ITEM UNIDADE LOCALIZAÇÃO
FISCALIZAÇÃO
BR 230, km 412,5, Balsas-
1 Del/Uop em Balsas R$ 262.279,65
MA
Del/Uop em Barra do BR 226, km 292,5, Barra do
2 R$ 262.279,65
Corda Corda-MA
13.80. O custo estimado total para a fiscalização das duas obras é de R$ 524.559,30 (quinhentos e vinte e quatro mil, quinhentos e
cinquenta e nove reais e trinta centavos).
13.81. Os custos com deslocamentos, estadia, hospedagem, alimentação e transporte são de responsabilidade da Contratada.
13.82. O detalhamento e a metodologia de obtenção dos valores estão demonstrados no Relatório de Estimativa de Valores, Anexo I-
C (sei n. 9747674) deste termo.
14. CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DO FORNECEDOR
Empreitada: (X ) Preço Global ( ) Preço Unitário
Adjudicação do Objeto: (X ) Menor Preço Global (X) Por Item
15. SANÇÕES ADMINISTRATIVAS
15.83. Comete infração administrativa nos termos da Lei nº 8.666, de 1993 e da Lei nº 10.520, de 2002, a Contratada que:
15.83.29. Inexecutar total ou parcialmente qualquer das obrigações assumidas em decorrência da contratação;
15.83.30. Ensejar o retardamento da execução do objeto;
15.83.31. Fraudar na execução do contrato;
15.83.32. Comportar-se de modo inidôneo;
15.83.33. Cometer fraude fiscal;
15.83.34. Não mantiver a proposta.
15.84. A Contratada que cometer qualquer das infrações discriminadas no subitem acima ficará sujeita, sem prejuízo da
responsabilidade civil e criminal, às seguintes sanções:
15.84.35. Advertência por faltas leves, assim entendidas aquelas que não acarretem prejuízos significativos para a Contratante;
15.84.36. Multa moratória de 0,1% (zero virgula um por cento) por dia de atraso injustificado sobre o valor da parcela inadimplida, até o
limite de 30 (trinta) dias;
15.84.36.1. em se tratando de inobservância do prazo fixado para apresentação da garantia (seja para reforço ou por ocasião de
prorrogação), aplicar-se-á multa de 0,07% (sete centésimos por cento) do valor do contrato por dia de atraso, observado o máximo de 2% (dois
por cento), de modo que o atraso superior a 25 (vinte e cinco) dias autorizará a Administração contratante a promover a rescisão do contrato;
15.84.36.2. as penalidades de multa decorrentes de fatos diversos serão consideradas independentes entre si.
15.84.37. multa compensatória de até 10% (dez por cento) sobre o valor total do contrato, no caso de inexecução total do objeto;
15.84.37.3. em caso de inexecução parcial, a multa compensatória, no mesmo percentual do subitem acima, será aplicada de forma
proporcional à obrigação inadimplida;
15.84.38. suspensão de licitar e impedimento de contratar com o órgão, entidade ou unidade administrativa pela qual a Administração
Pública opera e atua concretamente, pelo prazo de até dois anos.
15.84.39. impedimento de licitar e contratar com a União com o consequente descredenciamento no SICAF pelo prazo de até cinco anos.
15.84.40. declaração de inidoneidade para licitar ou contratar com a Administração Pública, enquanto perdurarem os motivos
determinantes da punição ou até que seja promovida a reabilitação perante a própria autoridade que aplicou a penalidade, que será concedida
sempre que a Contratada ressarcir a Contratante pelos prejuízos causados;
15.85. Também fica sujeita às penalidades do art. 87, III e IV da Lei nº 8.666, de 1993, a Contratada que:
15.85.41. tenha sofrido condenação definitiva por praticar, por meio dolosos, fraude fiscal no recolhimento de quaisquer tributos;
15.85.42. tenha praticado atos ilícitos visando a frustrar os objetivos da licitação;
15.85.43. demonstre não possuir idoneidade para contratar com a Administração em virtude de atos ilícitos praticados.
15.86. A aplicação de qualquer das penalidades previstas realizar-se-á em processo administrativo que assegurará o contraditório e a
ampla defesa à Contratada, observando-se o procedimento previsto na Lei nº 8.666, de 1993, e subsidiariamente a Lei nº 9.784, de 1999.
15.87. As multas devidas e/ou prejuízos causados à Contratante serão deduzidos dos valores a serem pagos, ou recolhidos em favor da
União, ou deduzidos da garantia, ou ainda, quando for o caso, serão inscritos na Dívida Ativa da União e cobrados judicialmente.
15.88. A autoridade competente, na aplicação das sanções, levará em consideração a gravidade da conduta do infrator, o caráter
educativo da pena, bem como o dano causado à Administração, observado o princípio da proporcionalidade.
15.89. As sanções aqui previstas são independentes entre si, podendo ser aplicadas isoladas ou, no caso das multas, cumulativamente,
sem prejuízo de outras medidas cabíveis.
15.90. As penalidades serão obrigatoriamente registradas no SICAF.
16. DISPOSIÇÕES GERAIS
16.91. Qualquer alteração, modificação, dúvida ou solicitação referente a execução dos serviços deverá ser formalmente feita à
Contratante.
16.92. Dúvidas sobre os procedimentos de fiscalização poderão ser encaminhadas via e-mail para
aip.ma@prf.gov.br , saf.ma@prf.gov.br ou pelos telefones (98)3244-5383 e (98)3244-5371.
16.93. Constituem anexos deste termo:
a) Anexo I-A - Especificações técnicas (sei n. 9742798)
b) Anexo I-B - Cronogramas físico-financeiros (sei n.9746689)
c) Anexo I-C - Relatório de estimativa de custo dos serviços (sei n. 9747674)
d) Anexo I-D - Modelo de composição do BDI (sei n. 9748474)
e) Anexo I-E - Modelo de proposta (sei n. 9749864)

SIDERLAN VIEIRA DE OLIVEIRA

Agente de Infraestrutura Predial da Regional.

Documento assinado eletronicamente por SIDERLAN VIEIRA DE OLIVEIRA, Policial Rodoviário Federal, em 08/01/2018, às 15:40, horário
oficial de Brasília, com fundamento no § 2º do art. 10 da Medida Provisória Nº 2.200-2, de 24 de agosto de 2001, no art. 6º do Decreto Nº
8.539, de 8 de outubro de 2015 e na alínea b do inciso IV do art. 2º da Instrução Norma va Nº 61-DG, de 13 de novembro de 2015.

Documento assinado eletronicamente por PAULO FERNANDO NUNES MORENO, Superintendente Regional no Maranhão, em 09/01/2018,
às 11:58, horário oficial de Brasília, com fundamento no § 2º do art. 10 da Medida Provisória Nº 2.200-2, de 24 de agosto de 2001, no art. 6º
do Decreto Nº 8.539, de 8 de outubro de 2015 e na alínea b do inciso IV do art. 2º da Instrução Norma va Nº 61-DG, de 13 de novembro de
2015.

A auten cidade deste documento pode ser conferida no site h ps://sei.prf.gov.br/sei/controlador_externo.php?


acao=documento_conferir&id_orgao_acesso_externo=0, informando o código verificador 9737740 e o código CRC C79AB6E1.

Av. Engº Emiliano Macieira, BR 135, km 2, nº 1800 - Bairro Vila Itamar , São Luís / MA , CEP 65090-000 Telefone: (98) 3244-5390 - E-mail: @fax_unidade@

Referência: Processo nº 08665.000117/2018-19 SEI nº 9737740


MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA
POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO MARANHÃO

ANEXO I-A

1. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA FISCALIZAÇÃO


1.1. O acompanhamento e fiscalização deverão se pautar obrigatoriamente, no que couber,
no MANUAL DE OBRAS PÚBLICAS - EDIFICAÇÕES PRÁTICAS DA SEAP – CADERNO DE
CONSTRUÇÕES,
(http://www.comprasnet.gov.br/publicacoes/manuais/manual_construcao.pdf), e Manual de Obras
Públicas - Recomendações básicas para a contratação e fiscalização de obras de edificações públicas
(http://portal2.tcu.gov.br/portal/pls/portal/docs/2545893.pdf), bem como nas Normas Técnicas da ABNT,
normas de fabricantes de materiais e equipamentos
1.2. No momento da fiscalização, os seguintes pontos de execução deverão ser observados, no
que couber:
1.2.1. CANTEIRO DE OBRAS
1.2.1.1. Instalações provisórias (escritório, para fiscalização e administração, depósitos, alojamento,
sanitários higiênicos, almoxarifados, refeitório e EPI);
1.2.1.2. Placas indicativas da obra;
1.2.1.3. Tapumes (cercamento)
1.2.1.4. Sinalização de segurança;
1.2.1.5. Instalações provisórias de água, luz, força e telefone;
1.2.1.6. Equipamentos e ferramentas (betoneira, guinchos, vibradores de imersão, andaimes
metálicos etc.).
1.2.2. PREPARAÇÃO DO TERRENO
1.2.2.1. Movimentações de Terra (Terraplenagem)
1.2.2.2. Desmatamento (Manual ou Mecânico);
1.2.2.3. Destocamento Manual de Árvores;
1.2.2.4. Limpeza do Terreno;
1.2.2.5. Drenagem do Terreno;
1.2.3. LOCAÇÃO
1.2.3.1. Existência e materialização de RN no canteiro;
1.2.3.2. Afastamentos;
1.2.3.3. Recuos;
1.2.3.4. Marcação da obra (Gabarito com esquadria e nível);
1.2.4. FUNDAÇÕES
1.2.4.1. Execução de acordo com projeto;
1.2.4.2. Locação das fundações;
1.2.4.3. Impermeabilização de baldrames;
1.2.4.4. Em caso de fundações profundas: dosagem do concreto, ensaio tecnológico, formas,
escoamentos, armaduras, adensamento, relação água/cimento, cura do concreto, cotas do fundo e
arrasamento de estacas, nega, excentricidade;
1.2.5. ATERROS
1.2.5.1. Qualidade do material empregado (arenoso, isento de matéria orgânica);
1.2.5.2. Execução em camadas sucessivas de 0,20m, molhadas e apiloadas mecanicamente;
1.2.6. CAMADA IMPERMEABILIZADORA
1.2.6.1. Uniformidade do material empregado;
1.2.6.2. Execução em camadas sucessivas de 0,20m, molhadas e apiloadas mecanicamente.
1.2.7. ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO
1.2.7.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.7.2. Locação dos pilares
1.2.7.3. Traço do concreto;
1.2.7.4. Preparo do concreto;
1.2.7.5. Recobrimento da armadura (nível das taliscas);
1.2.7.6. Ensaios tecnológicos do concreto;
1.2.7.7. Adensamento mecânico (vibradores de imersão);
1.2.7.8. Umedecimento das formas e limpeza;
1.2.7.9. Escoramento e contraventamento das formas;
1.2.7.10. Umedecimento constante do concreto durante os 03 (três) primeiros dias;
1.2.7.11. Amarração, posicionamento e limpeza das armaduras;
1.2.7.12. Verificação das armaduras com base no projeto;
1.2.7.13. Cura do concreto.
1.2.8. ALVENARIA ESTRUTURAL
1.2.8.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.8.2. Tipo de bloco (com função estrutural);
1.2.8.3. Dimensões modulares dos blocos;
1.2.8.4. Qualidade da argamassa de assentamento;
1.2.8.5. Alinhamento, nivelamentos e prumos das fiadas;
1.2.8.6. Rasgos da alvenaria para passagem de tubulações;
1.2.8.7. Juntas de dilatação.
1.2.9. LAJES PRE-FABRICADAS
1.2.9.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.9.2. Nivelamento;
1.2.9.3. Montagem das peças, vigotas, ferragens, tubulações e caixa;
1.2.9.4. Concretagem e escoramento;
1.2.10. ALVENARIA
1.2.10.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações
1.2.10.2. Esquadro, prumo e nivelamento das paredes;
1.2.10.3. Largura e altura de vão de portas e janelas;
1.2.10.4. Argamassa de assentamento (traço e espessura);
1.2.10.5. Rasgos para embutimentos de instalações elétricas e hidro sanitárias (somente deverão ser
feitos antes dos revestimentos das paredes);
1.2.10.6. Amarração entre paredes;
1.2.10.7. Ligação alvenaria / estrutura (apertos);
1.2.11. PAINÉIS
1.2.11.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.11.2. Locais onde serão executados;
1.2.11.3. Padrão;
1.2.11.4. Alinhamento, prumadas;
1.2.11.5. Vidros;
1.2.11.6. Perfis;
1.2.11.7. Portas;
1.2.11.8. Rigidez (fixação);
1.2.12. COBERTURA
1.2.12.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.12.2. Tratamento das peças de madeira;
1.2.12.3. Tratamento das peças metálicas;
1.2.12.4. Qualidade e dimensão das peças da cobertura;
1.2.12.5. Fixação da estrutura da cobertura à laje e cintas/vigas;
1.2.12.6. Inclinação da cobertura (ponto do telhado);
1.2.12.7. Seleção de telhas (dimensão e textura);
1.2.12.8. Alinhamento das telhas (cumeeira e beirais);
1.2.12.9. Encaliçamento de beirais e cumeeiras;
1.2.12.10. Calhas.
1.2.13. IMPERMEABILIZAÇÃO E TRATAMENTO
1.2.13.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.13.2. Locais onde serão empregados as impermeabilizações e tratamentos;
1.2.13.3. Tipos;
1.2.13.4. Testes.
1.2.14. ESQUADRIAS DE MADEIRAS E FERRAGENS
1.2.14.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.14.2. Prumo, nível, esquadro e alinhamento;
1.2.14.3. Qualidade da madeira (textura, espessura, lixamento, selagem, isenção de “brocas”);
1.2.14.4. Fixação;
1.2.14.5. Teste de funcionamento (empenamento);
1.2.14.6. Ferragens (tipo de acordo com o especificado, quantidades de ferragens, dimensões e
acabamento).
1.2.15. ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO
1.2.15.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.15.2. Alinhamento dos perfis estruturais e contramarcos;
1.2.15.3. Fixação;
1.2.15.4. Teste de funcionamento (empenamento)
1.2.16. ESQUADRIAS DE FERRO
1.2.16.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.16.2. Tratamento antiferruginoso;
1.2.16.3. Tipos e bitolas;
1.2.16.4. Fixação.
1.2.17. REVESTIMENTO DE ARGAMASSA
1.2.17.1. Preparação das superfícies (limpeza da área);
1.2.17.2. Aplicação de chapisco;
1.2.17.3. Esquadro, prumo e alinhamento;
1.2.17.4. Acabamento (textura, requadro junto a ponto de água, caixas, rodapés, etc.).
1.2.18. REVESTIMENTO CERÂMICO DE PAREDES
1.2.18.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.18.2. Preparação das superfícies (limpeza);
1.2.18.3. Argamassa de assentamento (traço, espessura, etc.);
1.2.18.4. Dimensão, cor, altura;
1.2.18.5. Grau de resistência à abrasão;
1.2.18.6. Esquadro, nível e prumo;
1.2.18.7. Rejuntamento;
1.2.18.8. Recortes adequados nos registros, caixas, tomadas, interruptores;
1.2.18.9. Acabamento das superfícies revestidas.
1.2.19. RODAPÉS, SOLEIRAS E PEITORIS
1.2.19.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.19.2. Locais onde serão executados;
1.2.19.3. Material;
1.2.19.4. Arremates com caixilho, paredes, pisos;
1.2.19.5. Caimentos;
1.2.19.6. Pingadeira.
1.2.20. PISO CERÂMICO/PORCELANATO
1.2.20.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.20.2. Planicidade e limpeza das superfícies;
1.2.20.3. Uniformidade das peças (dimensão);
1.2.20.4. Guias de nível;
1.2.20.5. Espessuras de juntas.
1.2.20.6. Recortes e acabamentos adequados em ralos, soleiras e parede;
1.2.20.7. Uniformidades nas tonalidades;
1.2.20.8. Argamassa de assentamento;
1.2.20.9. Teste de caimento (quando for o caso).
1.2.21. PISO DE ALTA RESISTÊNCIA
1.2.21.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.21.2. Regularidades dos componentes do traço (% de granitinas, cimento, etc);
1.2.21.3. Planicidade e limpeza das superfícies;
1.2.21.4. Recortes e requadros adequados em ralos, soleiras e paredes;
1.2.21.5. Uniformidade dos painéis;
1.2.21.6. Teste de caimento (quando for o caso)
1.2.22. CALÇADAS
1.2.22.1. Fundação;
1.2.22.2. Baldrames (concreto ciclópico ou concreto simples);
1.2.22.3. Dimensões mínimas;
1.2.22.4. Aterro (obedecer às recomendações de execução);
1.2.22.5. Juntas (tipos e uniformidade de painéis).
1.2.23. FORRO DE MADEIRA/PVC
1.2.23.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.23.2. Distância entre barroteamento compatíveis com tipo forro (evitar selagem);
1.2.23.3. Qualidade e espessura do material;
1.2.23.4. Tratamento do barroteamento de madeira;
1.2.23.5. Fixação do forro;
1.2.23.6. Sentido das peças;
1.2.23.7. Acabamento (limpeza, nivelamento das peças, requadro nas luminárias);
1.2.23.8. Arremates.
1.2.24. PINTURAS
1.2.24.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.24.2. Preparação das superfícies (limpeza, remoção de poeiras, óleos, graxas);
1.2.24.3. Aplicação de lixamento, massa, selador, tintas (verificar uniformidade, extensão, etc.);
1.2.24.4. Proteção das esquadrias, caixas, pisos, forros, dobradiças, fechaduras;
1.2.24.5. Textura final de acabamento (uniformidade na coloração).
1.2.25. VIDROS
1.2.25.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.25.2. Espessura;
1.2.25.3. Tipo;
1.2.25.4. Massas ou baguetes.
1.2.26. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS E TELEFÔNICAS
1.2.26.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.26.2. Colocação de eletrodutos e tubulações (fixação, distribuição, etc.);
1.2.26.3. Cabos e fios (bitolas, cores);
1.2.26.4. Quadros de distribuição, QGBT;
1.2.26.5. Pontos de iluminação;
1.2.26.6. Aprovação de projeto e vistoria da concessionária (ligação definitiva);
1.2.26.7. Aterramento, para-raios;
1.2.26.8. Testes finais em tomadas, interruptores, lâmpadas, etc.
1.2.27. INSTALAÇÕES DE LÓGICA
1.2.27.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.27.2. Pontos elétricos estabilizados;
1.2.27.3. Caixas;
1.2.27.4. Canaletas ventiladas;
1.2.27.5. Testes finais.
1.2.28. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS
1.2.28.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.28.2. Tubulações (diâmetros, emendas, vedação de juntas, fixações, etc.);
1.2.28.3. Sistema de distribuição;
1.2.28.4. Caixa d’água (reservatório) – altura e capacidade;
1.2.28.5. Poço artesiano (profundidade, diâmetro, vazão e bombas);
1.2.28.6. Vistoria e aprovação da concessionária (ligação definitiva);
1.2.28.7. Testes finais.
1.2.29. INSTALAÇÕES DE ESGOTO E ÁGUAS PLUVIAIS
1.2.29.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.29.2. Tubulações (diâmetros, emendas, vedação de juntas fixação, caimento etc.);
1.2.29.3. Pontos;
1.2.29.4. Ventilação de esgotos;
1.2.29.5. Fossas, caixas de gordura, caixas de inspeção, (locação, tampões, etc.);
1.2.29.6. Envelopamento de tubulação enterrada, (diâmetro, vedação de junta etc.);
1.2.29.7. Canaletas, calhas e condutores de água pluvial;
1.2.29.8. Destino do esgotamento primário (ligação à rede coletora, drenagem etc.);
1.2.29.9. Vistoria e aprovação da concessionária (ligação definitiva);
1.2.29.10. Testes finais.
1.2.30. INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO E COMBATE À INCÊNDIO
1.2.30.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.30.2. Tubulações;
1.2.30.3. Caixas (válvulas, mangueiras);
1.2.30.4. Hidrante;
1.2.30.5. EPI (equipamento de proteção individual): tipos e capacidade;
1.2.30.6. Vistoria e aprovação do Corpo de Bombeiros (Habite-se).
1.2.31. APARELHOS, LOUÇAS, METAIS E ACESSÓRIOS SANITÁRIOS
1.2.31.1. Execução de acordo com projeto, detalhes e especificações;
1.2.31.2. Tipos (padrão);
1.2.31.3. Qualidade;
1.2.31.4. Acabamento;
1.2.31.5. Ferragens;
1.2.31.6. Apertos;
1.2.31.7. Dimensões (bitolas);
1.2.31.8. Ligações às instalações de água e esgoto.
1.2.32. LIMPEZA FINAL DA OBRA
1.2.32.1. Limpeza de azulejos;
1.2.32.2. Limpeza de lajotas;
1.2.32.3. Limpeza de forro PVC;
1.2.32.4. Limpeza de vidros;
1.2.32.5. Lavagem de pisos;
1.2.32.6. Limpeza de louças e metais;
1.2.32.7. Limpeza e capina da área externa (retirada de entulhos);
1.2.32.8. Desfazimento de materiais.

SIDERLAN VIEIRA DE OLIVEIRA

Agente de Infraestrutura Predial da Regional


Documento assinado eletronicamente por SIDERLAN VIEIRA DE OLIVEIRA, Policial Rodoviário
Federal, em 08/01/2018, às 15:40, horário oficial de Brasília, com fundamento no § 2º do art. 10 da
Medida Provisória Nº 2.200-2, de 24 de agosto de 2001, no art. 6º do Decreto Nº 8.539, de 8 de
outubro de 2015 e na alínea b do inciso IV do art. 2º da Instrução Norma va Nº 61-DG, de 13 de
novembro de 2015.

A auten cidade deste documento pode ser conferida no site


h ps://sei.prf.gov.br/sei/controlador_externo.php?
acao=documento_conferir&id_orgao_acesso_externo=0, informando o código verificador 9742798 e
o código CRC D85FA8B7.

Referência: Processo nº 08665.000117/2018-19 SEI nº 9742798


ANEXO I-B

CRONOGRAMA FÍSICO DA OBRA: DEL/UOP BALSAS-MA


ITEM DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS MÊS 1 MÊS 2 MÊS 3 MÊS 4 MÊS 5 MÊS 6 MÊS 7 MÊS 8 MÊS 9 MÊS 10 MÊS 11 MÊS 12 MÊS 13 MÊS 14 MÊS 15 TOTAL
1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES 100% 100%
2.0 MOVIMENTO DE TERRA E MELHORAMENTO DE SOLO 60% 40% 100%
3.0 INFRA-ESTRUTURA 20% 30% 30% 20% 100%
4.0 SUPER-ESTRUTURA 10% 10% 30% 50% 100%
5.0 ESTRUTURA METÁLICA 40% 40% 20% 100%
6.0 PAREDES, PAINÉIS E DIVISORIAS 10% 10% 40% 40% 100%
7.0 REVESTIMENTOS E ACABAMENTOS 10% 35% 35% 20% 100%
8.0 IMPERMEABILIZAÇÃO 10% 10% 80% 100%
9.0 PAVIMENTAÇÕES 40% 40% 20% 100%
10.0 MARCENARIA E CARPINTARIA 20% 40% 40% 100%
11.0 COBERTURA 20% 40% 40% 100%
12.0 FORRO 80% 20% 100%
13.0 SERRALHARIA 50% 50% 100%
14.0 PINTURA 50% 50% 100%
15.0 INSTALAÇÕES E APARELHOS HIDRO-SANITÁRIAS 20% 50% 30% 100%
16.0 MOBILIZAÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO 50% 50% 100%
17.0 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 20% 20% 30% 30% 100%
18.0 INSTALAÇÕES DE REDE LÓGICA/TELEFÔNICA 50% 50% 100%
19.0 SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGA ATMOSFÉRICA 50% 50% 100%
20.0 PADRÃO DE ENTRADA 50% 50% 100%
21.0 INSTALAÇÕES DE REDE SEGURANÇA PATRIMONIAL 50% 50% 100%
22.0 SISTEMA DE PROTEÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO 50% 50% 100%
23.0 DIVERSOS 50% 50% 100%
24.0 DRENAGEM 50% 50% 100%
25.0 COMUNICAÇÃO VISUAL 50% 50% 100%
26.0 PAISAGISMO 50% 50% 100%
27.0 SISTEMA DE VENTILAÇÃO, EXAUSTÃO E CLIMATIZAÇÃO - 50% 50% 100%
28.0 SISTEMA DE VENTILAÇÃO, EXAUSTÃO E CLIMATIZAÇÃO - INSTALAÇÃO 50% 50% 100%
29.0 AUTOMAÇÃO DO SISTEMA DE VENTILAÇÃO, EXAUSTÃO E 50% 50% 100%
30.0 SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE IINCÊNDIO 60% 40% 100%
31.0 SERVIÇOS COMPLEMENTARES 100% 100%
32.0 ADMINISTRAÇÃO LOCAL 8,33% 8,33% 8,33% 8,33% 8,34% 8,34% 8,34% 8,34% 8,33% 8,33% 8,33% 8,33% 100%

PERCENTUAL PARCIAL MENSAL 8,12% 7,47% 7,85% 7,85% 8,76% 8,56% 8,63% 8,55% 8,10% 9,25% 8,69% 8,19% 100%
PERCENTUAL ACUMULADO MENSAL 8,12% 15,58% 23,43% 31,28% 40,03% 48,59% 57,22% 65,77% 73,87% 83,12% 91,81% 100,00%

CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO DA FISCALIZAÇÃO: DEL/UOP BALSAS-MA


MÊS 13 (RECEB. MÊS 14 (RECEB. MÊS 15 (RECEB.
ITEM EQUIPE VALOR (R$) MÊS 1 MÊS 2 MÊS 3 MÊS 4 MÊS 5 MÊS 6 MÊS 7 MÊS 8 MÊS 9 MÊS 10 MÊS 11 MÊS 12 PROVISÓRIO) DEFINITIVO) DEFINITIVO) TOTAL
1.0 ENGENHEIRO/ARQUITETO 179.357,25 6,90% 6,35% 6,67% 6,67% 7,44% 7,27% 7,34% 7,27% 6,88% 7,86% 7,39% 6,97% 5,00% 5,00% 5,00% 100%
12.372,86 11.385,39 11.961,09 11.961,09 13.349,20 13.045,02 13.156,90 13.038,44 12.346,15 14.098,53 13.245,57 12.493,40 8.967,86 8.967,86 8.967,86 179.357,25
2.0 AUXILIAR TÉCNICO DE ENGENHARIA 82.922,40 6,90% 6,35% 6,67% 6,67% 7,44% 7,27% 7,34% 7,27% 6,88% 7,86% 7,39% 6,97% 5,00% 5,00% 5,00% 100%
5.720,36 5.263,82 5.529,98 5.529,98 6.171,75 6.031,12 6.082,84 6.028,07 5.708,01 6.518,19 6.123,84 5.776,09 4.146,12 4.146,12 4.146,12 82.922,40
VALOR TOTAL COM BDI (R$) 262.279,65
PERCENTUAL PARCIAL MENSAL 6,90% 6,35% 6,67% 6,67% 7,44% 7,27% 7,34% 7,27% 6,88% 7,86% 7,39% 6,97% 5,00% 5,00% 5,00%
VALOR PARCIAL MENSAL 18.093,22 16.649,21 17.491,08 17.491,08 19.520,95 19.076,14 19.239,75 19.066,51 18.054,15 20.616,72 19.369,41 18.269,49 13.113,98 13.113,98 13.113,98
PERCENTUAL ACUMULADO MENSAL 6,90% 13,25% 19,92% 26,58% 34,03% 41,30% 48,64% 55,91% 62,79% 70,65% 78,03% 85,00% 90,00% 95,00% 100,00%
VALOR ACUMULADO MENSAL 18.093,22 34.742,43 52.233,50 69.724,58 89.245,53 108.321,67 127.561,42 146.627,93 164.682,08 185.298,80 204.668,21 222.937,70 236.051,69 249.165,67 262.279,65
ANEXO I-B

CRONOGRAMA FÍSICO DA OBRA: DEL/UOP BARRA DO CORDA-MA


ITEM DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS MÊS 1 MÊS 2 MÊS 3 MÊS 4 MÊS 5 MÊS 6 MÊS 7 MÊS 8 MÊS 9 MÊS 10 MÊS 11 MÊS 12 MÊS 13 MÊS 14 MÊS 15 TOTAL
1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES 100% 100%
2.0 MOVIMENTO DE TERRA E MELHORAMENTO DE SOLO 60% 40% 100%
3.0 INFRA-ESTRUTURA 20% 30% 30% 20% 100%
4.0 SUPER-ESTRUTURA 10% 10% 30% 50% 100%
5.0 ESTRUTURA METÁLICA - COBERTURA 40% 40% 20% 100%
6.0 IMPERMEABILIZAÇÃO 10% 10% 80% 100%
7.0 PAREDES, PAINÉIS E DIVISORIAS 10% 10% 40% 40% 100%
8.0 REVESTIMENTOS E ACABAMENTOS 10% 35% 35% 20% 100%
9.0 PAVIMENTAÇÕES 40% 40% 20% 100%
10.0 PAISAGISMO 50% 50% 100%
11.0 MARCENARIA E CARPINTARIA 20% 40% 40% 100%
12.0 FORRO 80% 20% 100%
13.0 COBERTURA 20% 40% 40% 100%
14.0 SERRALHARIA 50% 50% 100%
15.0 PINTURA 50% 50% 100%
16.0 INSTALAÇÕES E APARELHOS HIDRO-SANITÁRIAS 20% 50% 30% 100%
17.0 DRENAGEM 50% 50% 100%
18.0 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 20% 20% 30% 30% 100%
19.0 INSTALAÇÕES DE REDE LÓGICA/TELEFÔNICA 50% 50% 100%
20.0 SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGA ATMOSFÉRICA 50% 50% 100%
21.0 PADRÃO DE ENTRADA 50% 50% 100%
22.0 INSTALAÇÕES DE REDE SEGURANÇA PATRIMONIAL 50% 50% 100%
23.0 SISTEMA DE PROTEÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO 50% 50% 100%
24.0 SISTEMA DE VENTILAÇÃO, EXAUSTÃO E CLIMATIZAÇÃO - 50% 50% 100%
25.0 SISTEMA DE VENTILAÇÃO, EXAUSTÃO E CLIMATIZAÇÃO - INSTALAÇÃO 50% 50% 100%
26.0 AUTOMAÇÃO DO SISTEMA DE VENTILAÇÃO, EXAUSTÃO E 50% 50% 100%
27.0 DIVERSOS 50% 50% 100%
28.0 MOBILIZAÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO 50% 50% 100%
29.0 COMUNICAÇÃO VISUAL 50% 50% 100%
30.0 SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE IINCÊNDIO 60% 40% 100%
31.0 SERVIÇOS COMPLEMENTARES 100% 100%
32.0 ADMINISTRAÇÃO LOCAL 8,33% 8,33% 8,33% 8,33% 8,34% 8,34% 8,34% 8,34% 8,33% 8,33% 8,33% 8,33% 100%

PERCENTUAL PARCIAL MENSAL 6,96% 3,69% 3,27% 3,27% 5,38% 7,81% 12,54% 11,71% 10,46% 13,56% 12,51% 8,85% 100%
PERCENTUAL ACUMULADO MENSAL 8,12% 15,58% 23,43% 31,28% 40,03% 48,59% 57,22% 65,77% 73,87% 83,12% 91,81% 100,00%

CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO DA FISCALIZAÇÃO: DEL/UOP BARRA DO CORDA-MA

MÊS 13 (RECEB. MÊS 14 (RECEB. MÊS 15 (RECEB.


ITEM EQUIPE VALOR (R$) MÊS 1 MÊS 2 MÊS 3 MÊS 4 MÊS 5 MÊS 6 MÊS 7 MÊS 8 MÊS 9 MÊS 10 MÊS 11 MÊS 12 PROVISÓRIO) DEFINITIVO) DEFINITIVO) TOTAL
1.0 ENGENHEIRO/ARQUITETO 179.357,25 5,92% 3,14% 2,78% 2,78% 4,57% 6,64% 10,66% 9,95% 8,89% 11,52% 10,63% 7,52% 5,00% 5,00% 5,00% 100%
10.615,53 5.622,98 4.984,04 4.984,04 8.203,84 11.901,53 19.116,99 17.849,67 15.951,35 20.665,80 19.069,97 13.487,92 8.967,86 8.967,86 8.967,86 179.357,25
2.0 AUXILIAR TÉCNICO DE ENGENHARIA 82.922,40 5,92% 3,14% 2,78% 2,78% 4,57% 6,64% 10,66% 9,95% 8,89% 11,52% 10,63% 7,52% 5,00% 5,00% 5,00% 100%
4.907,89 2.599,68 2.304,28 2.304,28 3.792,89 5.502,44 8.838,37 8.252,45 7.374,80 9.554,44 8.816,64 6.235,88 4.146,12 4.146,12 4.146,12 82.922,40
VALOR TOTAL COM BDI (R$) 262.279,65
PERCENTUAL PARCIAL MENSAL 5,92% 3,14% 2,78% 2,78% 4,57% 6,64% 10,66% 9,95% 8,89% 11,52% 10,63% 7,52% 5,00% 5,00% 5,00%
VALOR PARCIAL MENSAL 15.523,42 8.222,66 7.288,32 7.288,32 11.996,73 17.403,97 27.955,36 26.102,12 23.326,15 30.220,24 27.886,61 19.723,80 13.113,98 13.113,98 13.113,98
PERCENTUAL ACUMULADO MENSAL 5,92% 9,05% 11,83% 14,61% 19,19% 25,82% 36,48% 46,43% 55,33% 66,85% 77,48% 85,00% 90,00% 95,00% 100,00%
VALOR ACUMULADO MENSAL 15.523,42 23.746,08 31.034,40 38.322,72 50.319,45 67.723,42 95.678,78 121.780,90 145.107,05 175.327,29 203.213,90 222.937,70 236.051,69 249.165,67 262.279,65
MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA
POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO MARANHÃO

ANEXO I-C

RELATÓRIO DE ESTIMATIVA DE VALOR

1. LOCAIS DAS OBRAS E AVALIAÇÃO DOS CUSTOS


1.1. O valor total para fiscalização de cada obra baseia-se na quantidade de horas necessárias de
cada profissional para desempenhar suas funções de fiscalização durante o prazo de execução de cada uma
das obras.
1.2. O local e o custo estimado para a execução da obra segue conforme quadro abaixo:
VALOR DO SERVIÇO
ITEM UNIDADE LOCALIZAÇÃO
DE CONSTRUÇÃO
BR 230, km 412,5, Balsas-
1 Del/Uop em Balsas R$ 4.535.888,33
MA
BR 226, km 292,5, Barra do
2 Del/Uop em Barra do Corda R$ 3.746.402,74
Corda-MA
1.3. Os valores unitários de referência para horas de Engenheiro Sênior e/ou Arquiteto Sênior e
Auxiliar de Engenharia foram retirados das planilhas do sistema SINAPI da Caixa Econômica Federal
com base no mês de dezembro de 2017/MA, sem desoneração, e correspondem aos seguintes itens:
CÓDIGO VALOR
ITEM DESCRIÇÃO
SINAPI (R$/H)
Engenheiro Civil Sênior com encargos
1 90779 134,35
complementares
Auxiliar Técnico de Engenharia com
2 88255 27,92
encargos complementares
1.4. Para as construções das Unidades Operacionais e Administrativas da PRF em Balsas e
Barra do Corda, com prazo de 12(doze) meses, fez-se as seguintes considerações:
1.4.1. Considerou-se para o Engenheiro Civil e/ou Arquiteto:
a) Mês 1 ao 12: 20 (vinte) visitas ou consultorias de 4 (quatro) horas, cada, por mês,
totalizando 80 (oitenta) horas por mês.
b) Recebimento Provisório e Definitivo: até 90 dias; 12 (doze) visitas ou consultorias
de 4 (quatro) horas, cada, por mês, totalizando 36 (trinta e seis) horas por mês.
1.4.2. Considerou-se para o Auxiliar Técnico de Engenharia:
a) Mês 1 ao 12 : uma carga horária diária de 8 (oito) horas, trabalhando das segundas-
feiras às sextas-feiras, durante 22 dias no mês, totalizando 176 (cento e setenta e seis)
horas por mês;
b) Recebimento Provisório e Definitivo: até 90 dias; uma carga horária diária de 4
(quatro) horas, trabalhando das segundas-feiras às sextas-feiras, durante 22 dias no mês,
totalizando 88 (oitenta e oito) horas por mês.
1.5. A distribuição das visitas ou consultorias para o Engenheiro e/ou Arquiteto ficará a cargo
da Contratada em comum acordo com o Contratante, que também poderá encaminhar servidores para
acompanhamento e fiscalização da obra, e dentro do total de horas a serem contratadas, conforme planilha
abaixo, sendo, porém, obrigatória a presença em obra, independente da carga horária mínima, nas
atividades consideradas críticas para acompanhamento, conforme apresentado nas Obrigações da
Contratada.
1.6. Com a previsão de horas e prazo da obra temos a seguinte tabela com previsão de custo de
fiscalização:
Valor
Horas Valor unitário Valor Total
Equipe unitário
Totais c/ BDI (R$) com BDI (R$)
(R$)
Engenheiro Civil
1068 134,35 167,94 179.357,25
Sênior
Auxiliar técnico
2376 27,92 34,90 82.922,40
de engenharia
TOTAL DO SERVIÇO COM BDI (25%) 262.279,65

Obs: BDI = 23%(Acórdão nº 2622/2013 do Tribunal de Contas da União) + 2,0%(Lei 12.844/2013)


= 25,00%

1.7. Custos de deslocamento, estadia, hospedagem, alimentação e transporte são de


responsabilidade da Contratada.
1.8. O custo estimado para fiscalização da cada uma das obras de Construção das Del/UOP's em
Balsas e Barra do Corda é de R$ 262.279,65 (duzentos e sessenta e dois mil, duzentos e setenta e nove
reais e sessenta e cinco centavos).
1.9. O custo estimado total para a fiscalização das duas obras é de R$ 524.559,30 (quinhentos e
vinte e quatro mil, quinhentos e cinquenta e nove reais e trinta centavos).
2. CONCLUSÃO
2.1. A SRPRF/MA necessitará de contratar empresa especializada para auxiliar a fiscalização
das obras supracitadas. O custo estimado de fiscalização da obra da Del/UOP em Balsas é de R$
262.279,65 e para a de Barra do Corda é de R$ 262.279,65, totalizando um custo global de 524.559,30
(quinhentos e vinte e quatro mil, quinhentos e cinquenta e nove reais e trinta centavos).
2.2. Com custos de fiscalização estimados apresenta-se o seguinte quadro de detalhamento dos
valores de percentuais de custo de fiscalização em função dos valores das obras licitadas:
CUSTO
CUSTO DA PERCENTUAL (CUSTO
ITEM UNIDADE ESTIMADO
OBRA FISCALIZAÇÃO/CUSTO OBRA)
FISCALIZAÇÃO
Del/Uop em R$
1 R$ 262.279,65 5,78%
Balsas 4.535.888,33
Del/Uop em R$
2 R$ 262.279,65 7,00%
Barra do Corda 3.746.402,74
2.3. Desta forma, sugerimos que a instrução processual de contratação siga estes valores, uma
vez que foram obtidos com base nos preços referenciais da tabela SINAPI conforme exigências legais.

SIDERLAN VIEIRA DE OLIVEIRA

Agente de Infraestrutura Predial da Regional.

Documento assinado eletronicamente por SIDERLAN VIEIRA DE OLIVEIRA, Policial Rodoviário


Federal, em 08/01/2018, às 15:41, horário oficial de Brasília, com fundamento no § 2º do art. 10 da
Medida Provisória Nº 2.200-2, de 24 de agosto de 2001, no art. 6º do Decreto Nº 8.539, de 8 de
outubro de 2015 e na alínea b do inciso IV do art. 2º da Instrução Norma va Nº 61-DG, de 13 de
novembro de 2015.

A auten cidade deste documento pode ser conferida no site


h ps://sei.prf.gov.br/sei/controlador_externo.php?
acao=documento_conferir&id_orgao_acesso_externo=0, informando o código verificador 9747674 e
o código CRC A58D89B7.

Referência: Processo nº 08665.000117/2018-19 SEI nº 9747674


MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA
POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO MARANHÃO

ANEXO I-D

MODELO DE COMPOSIÇÃO DO BDI

SERVIÇO:
PRAZO DE EXECUÇÃO:
Item Discriminação Taxa(%)
1 Administração central e do projeto (AC)
2 Seguros (S)
3 Riscos e Imprevistos (R)
4 Garantias (G)
5 Despesas financeiras (DF)
6 Lucro Bruto (L)
7 Impostos (I)

Item Composição dos Impostos considerados (I) Taxa (%)


1 ISS
2 PIS
3 COFINS
TOTAL

Onde:

AC é a taxa de rateio da administração central;

S é uma taxa representativa de Seguros;

R corresponde aos riscos e imprevistos;

G é a taxa que representa o ônus das garantias exigidas em edital;

DF é a taxa representativa das despesas financeiras;

L corresponde ao lucro bruto e;

I é a taxa representativa dos impostos (PIS, COFINS, ISS).

BDI Encontrado:___________________
OBS: Para licitantes que fazem opção pela desoneração da folha de pagamento, deverá constar na formação
do BDI a contribuição provisória sobre a receita bruta-CPRB de 4,5%, conforme previsto na Lei nº
13.161/2015.

BDI Adotado:___________________

A empresa deverá indicar em anexo o regime de tributação a que está sujeita, apresentando os comprovantes
e balanços necessários para justificação dos percentuais de impostos aplicados.

Documento assinado eletronicamente por SIDERLAN VIEIRA DE OLIVEIRA, Policial Rodoviário


Federal, em 21/02/2018, às 14:58, horário oficial de Brasília, com fundamento no § 2º do art. 10 da
Medida Provisória Nº 2.200-2, de 24 de agosto de 2001, no art. 6º do Decreto Nº 8.539, de 8 de
outubro de 2015 e na alínea b do inciso IV do art. 2º da Instrução Norma va Nº 61-DG, de 13 de
novembro de 2015.

A auten cidade deste documento pode ser conferida no site


h ps://sei.prf.gov.br/sei/controlador_externo.php?
acao=documento_conferir&id_orgao_acesso_externo=0, informando o código verificador 10442819
e o código CRC B109B398.

Referência: Processo nº 08665.000117/2018-19 SEI nº 10442819


MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA
POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO MARANHÃO

ANEXO I-E

MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA

Horas Valor unitário Valor unitário c/ Valor Total com


Equipe
Totais (R$) BDI (R$) BDI (R$)
Engenheiro Civil Sênior 1068
Auxiliar técnico de engenharia 2376
TOTAL DO SERVIÇO COM BDI (XX%)
Documento assinado eletronicamente por SIDERLAN VIEIRA DE OLIVEIRA, Policial Rodoviário Federal,
em 08/01/2018, às 15:41, horário oficial de Brasília, com fundamento no § 2º do art. 10 da Medida
Provisória Nº 2.200-2, de 24 de agosto de 2001, no art. 6º do Decreto Nº 8.539, de 8 de outubro de
2015 e na alínea b do inciso IV do art. 2º da Instrução Norma va Nº 61-DG, de 13 de novembro de
2015.

A auten cidade deste documento pode ser conferida no site


h ps://sei.prf.gov.br/sei/controlador_externo.php?
acao=documento_conferir&id_orgao_acesso_externo=0, informando o código verificador 9749864 e o
código CRC C1FD6812.

Referência: Processo nº 08665.000117/2018-19 SEI nº 9749864


MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA
POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO MARANHÃO

CONTRATO Nº XX/2018

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE
SERVIÇO NA ÁREA DE
ENGENHARIA QUE CELEBRAM
ENTRE SI, A UNIÃO POR INTERMÉDIO
DA SUPERINTENDÊNCIA DA POLÍCIA
RODOVIÁRIA FEDERAL DO
MARANHÃO E A ______________.

A UNIÃO por intermédio da POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL DO MARANHÃO, inscrita no


CNPJ/MF sob o nº 00.394.494/0119-28, com sede na Avenida Emiliano Macieira, nº 1800, bairro Vila
Itamar, CEP: 65090-000, São Luís, Estado do Maranhão, doravante denominada CONTRATANTE, por
intermédio do seu Superintendente, Senhor _________, nacionalidade, estado civil, Carteira de Identidade
nº _______ Órgãoexpedidor e do CPF nº _________, e de outro lado a Empresa ______________, inscrita
no CNPJ/MF sob o nº __________, estabelecida à _____________, Estado, doravante denominada
CONTRATADA, neste ato representado (a) pelo (a Senhora Ambrozina Vilva Viana Leite, brasileira,
casada, portadora da Carteira de Identidade nº 571572960 SSP-MA e do CPF nº 161.460.773-72, resolvem
celebrar o presente Contrato, que será regido pela Lei nº 8.666/1993 e alterações posteriores, pela
legislação correlata e pelo Edital e anexos do Pregão Eletrônico nº xx/2018 (Processo nº
08665.000117/2018-19).
CLÁUSULA PRIMEIRA – OBJETO
1.1. O objeto do presente instrumento é a escolha da proposta mais vantajosa para a contratação de
empresa especializada na área de engenharia para fiscalização e acompanhamento da execução da obra de
Construção da Unidade Administrativa e Operacional de xxxxxxxxx, que será prestado nas condições
estabelecidas no Projeto Básico e demais documentos técnicos que se encontram no termo de referência
e edital do certame que deu origem a este instrumento contratual.
CLÁUSULA SEGUNDA – VIGÊNCIA
2.1. O prazo de execução do contrato acompanhará o prazo de execução da obra conforme contrato com a
Construtora, acrescido de até 90 (noventa) dias para recebimentos provisório e definitivo da obra e
conclusão de documentação final de fiscalização, iniciando-se a partir da Ordem de Início dos Serviços
emitida para a Construtora.
2.2. O prazo de vigência do contrato deverá ser o mesmo fixado para o contrato com a Contratada para a
execução da obra.
2.3. As prorrogações de prazos de execução da obra acarretam idêntica prorrogação de prazo para a
Contratada.
2.4. As prorrogações de prazo auferidas não sofrerão aditivos de valor, salvo em casos de prorrogação da
obra por solicitação da Contratante, acréscimos de serviços de obra que acarretem alteração de prazos ou
pelos motivos abaixo relacionados:
2.4.1. Força maior ou caso fortuito, conforme parágrafo único do artigo 1.058 do Código Civil;
2.4.2. Greve geral que impossibilite o andamento dos serviços;

2.4.3. Paralisação da obra por expressa solicitação da Contratante;

2.4.4.Chuvas que impeçam totalmente o trabalho;

2.4.5. Impedimentos referentes ao suprimento de mão de obra ou materiais, devido ao interrompimento


de vias de acesso à obra;

2.4.6. Indeferimento ou embargo da obra por parte de poderes constituídos, ou ainda de terceiros, por
motivos não imputáveis à Construtora;

2.4.7. Em caso de paralisação da obra por período superior a 10 (dez) dias, os serviços de fiscalização
também serão paralisados, não sendo remunerados neste período, retornando à remuneração quando
do retorno das atividades normais de obra.

2.4.8. Havendo alterações nas etapas de execução da obra, serão procedidas alterações proporcionais
na fiscalização e nos pagamentos, de modo a manter o equilíbrio econômico-financeiro de todas as
partes envolvidas, inclusive no caso de supressão.

2.4.9. Os cronogramas de execução da obra, assim como o da fiscalização, constam no Anexo I-B (sei
n. 9746689) deste Termo de referencia.

2.5. A vigência poderá ultrapassar o exercício financeiro, desde que as despesas referentes à contratação
sejam integralmente empenhadas até 31 de dezembro, para fins de inscrição em restos a pagar, conforme
Orientação Normativa AGU n° 39, de 13/12/2011 e alterações.
2.6. A execução dos serviços será iniciada com o recebimento da Ordem de Serviço pela Contratada, cujas
etapas observarão o cronograma fixado para a execução da obra.
2.7. A prorrogação dos prazos de execução e vigência do contrato será precedida da correspondente
adequação do cronograma físico-financeiro, bem como de justificativa e autorização da autoridade
competente para a celebração do ajuste, devendo ser formalizada em auto apartado.
CLÁUSULA TERCEIRA – DO VALOR DO CONTRATO
3.1 O valor total da contratação é de R$ xxxxx (xxxxxxxxxxx).
3.2. No valor acima estão incluídas todas as despesas ordinárias diretas e indiretas decorrentes da
execução do objeto, inclusive tributos e/ou impostos, encargos sociais, trabalhistas, previdenciários, fiscais
e comerciais incidentes, bem como taxas de licenciamento, administração, frete, seguro e outros
necessários ao cumprimento integral do objeto da contratação.
3.3. O valor consignado neste Termo de Contrato é fixo e irreajustável, porém poderá ser corrigido
anualmente mediante requerimento da contratada, observado o interrégno mínimo de um ano, contado a
partir da data limite para a apresentação da proposta, pela variação do índice INCC (Índice Nacional de
Custos da Construção) ou outro que vier a substituí-lo.
CLÁUSULA QUARTA – DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA
4. As despesas decorrentes desta contratação estão programadas em dotação orçamentária própria, prevista
no orçamento da União, para o exercício de 2017, na classificação abaixo:
Gestão/Unidade: 200124/00001
Fonte: 0100/0174
Programa de Trabalho: 061812081154T0001
Elemento de Despesa: 44.90.51
PI: RF27C0CON
Nota Empenho: XXXXXX
CLÁUSULA QUINTA – MEDIÇÕES, PAGAMENTOS E RECEBIMENTOS DOS SERVIÇOS
5.1. Os pagamentos serão realizados em medições mensais, correspondendo a 85% (oitenta e cinco por
cento) do valor total contratado, distribuído ao longo da execução da obra, mantendo relação percentual
direta com as medições da Construtora, ou seja, o mesmo percentual de pagamento da fase para a
Construtora, será aplicado ao valor a ser pago para a Contratada. Os restantes 15% (quinze por cento)
devidos à Contratada serão pagos em 3(três) parcelas de 5,0%(cinco por cento), e em até 3(três) meses,
perfazendo o total de 5%(cinco por cento) para o Recebimento Provisório e 10%(dez por cento) para o
Recebimento Definitivo dos serviços.
5.2. A Contratada só poderá solicitar medição de seus serviços após conclusão da respectiva fase pela
Construtora responsável pela obra, ou seja, após a lavratura do termo de aceite por parte da Contratada e
assinatura do Fiscal do Contrato no termo de aceite.
5.3. Somente após a medição ser apresentada, verificada e aprovada pelo Fiscal do Contrato, a Contratada
deverá emitir a Nota Fiscal e encaminhá-la para o ateste e pagamento.
5.4. Caso os serviços concluídos não correspondam exatamente ao cronograma, a Nota Fiscal
encaminhada deverá refletir a parcela adimplida até o limite previsto no cronograma de desembolso
previsto para a respectiva fase.
5.5. Nenhum pagamento poderá exceder o montante previsto para desembolso no cronograma físico
financeiro, mesmo que exista antecipação dos prazos da obra.
5.6. Na hipótese de rescisão contratual da obra ou outro impedimento que não possibilite a conclusão
daquela fase, poderá ser realizado o pagamento proporcional à contratada, mesmo não havendo conclusão
daquela etapa da obra.
5.7. O Fiscal do Contrato deverá atestar a Nota Fiscal da Contratada, confirmando o recebimento dos
serviços no prazo de 5 (cinco) dias úteis da sua apresentação.
5.8. Caso a Nota Fiscal apresente erros, a mesma será devolvida mediante termo de recusa dos serviços
juntamente com a Nota Fiscal.
5.9. É vedado ao contratado transferir a terceiros os direitos ou créditos decorrentes do contrato.
5.10. Da regularidade fiscal, constatada através de consulta “on-line” ao SICAF, ou na impossibilidade de
acesso ao referido Sistema, mediante consulta aos sítios eletrônicos oficiais ou à documentação
mencionada no artigo 29 da Lei n° 8.666, de 1993;
5.11 O pagamento somente será autorizado depois de efetuado o “atesto” pelo servidor competente,
condicionado este ato à verificação da conformidade da Nota Fiscal/Fatura apresentada em relação às
atividades efetivamente prestadas e aos materiais empregados.
5.12. Havendo erro na apresentação da Nota Fiscal/Fatura ou dos documentos pertinentes à contratação,
ou, ainda, circunstância que impeça a liquidação da despesa, como por exemplo, obrigação financeira
pendente, decorrente de penalidade imposta ou inadimplência, o pagamento ficará sobrestado até que a
Contratada providencie as medidas saneadoras. Nesta hipótese, o prazo para pagamento iniciar-se-á após a
comprovação da regularização da situação, não acarretando qualquer ônus para a Contratante.
5.13. Antes de cada pagamento à contratada, será realizada consulta ao SICAF para verificar a manutenção
das condições de habilitação exigidas no edital.
5.14. Constatando-se, junto ao SICAF, a situação de irregularidade da contratada, será providenciada sua
advertência, por escrito, para que, no prazo de 5 (cinco) dias, regularize sua situação ou, no mesmo prazo,
apresente sua defesa. O prazo poderá ser prorrogado uma vez, por igual período, a critério da contratante.
5.15. Não havendo regularização ou sendo a defesa considerada improcedente, a contratante
deverá comunicar aos órgãos responsáveis pela fiscalização da regularidade fiscal quanto à inadimplência
da contratada, bem como quanto à existência de pagamento a ser efetuado, para que sejam acionados os
meios pertinentes e necessários para garantir o recebimento de seus créditos.
5.16 Persistindo a irregularidade, a contratante deverá adotar as medidas necessárias à rescisão contratual
nos autos do processo administrativo correspondente, assegurada à contratada a ampla defesa.
5.17. Havendo a efetiva execução do objeto, os pagamentos serão realizados normalmente, até que se
decida pela rescisão do contrato, caso a contratada não regularize sua situação junto ao SICAF.
5.18. Somente por motivo de economicidade, segurança nacional ou outro interesse público de alta
relevância, devidamente justificado, em qualquer caso, pela máxima autoridade da contratante, não será
rescindido o contrato em execução.
5.19. Quando do pagamento, será efetuada a retenção tributária prevista na legislação aplicável, em
especial a prevista no artigo 31 da Lei n. 8.212, de 1993.
5.20. A Contratada regularmente optante pelo Simples Nacional não sofrerá a retenção tributária quanto
aos impostos e contribuições abrangidos por aquele regime. No entanto, o pagamento ficará condicionado
à apresentação de comprovação, por meio de documento oficial, de que faz jus ao tratamento tributário
favorecido previsto na Lei Complementar n. 123, de 2006.
5.21. Quanto ao Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN), será observado o disposto na Lei
Complementar nº 116, de 2003, e legislação municipal aplicável.
5.22. Nos casos de eventuais atrasos de pagamento, desde que a Contratada não tenha concorrido, de
alguma forma, para tanto, fica convencionado que a taxa de compensação financeira devida pela
Contratante, entre a data do vencimento e o efetivo adimplemento da parcela, é calculada mediante a
aplicação da seguinte fórmula:
EM = I x N x VP, sendo:
EM = Encargos moratórios;
N = Número de dias entre a data prevista para o pagamento e a do efetivo pagamento;
VP = Valor da parcela a ser paga.
I = Índice de compensação financeira = 0,00016438, assim apurado:
I = (TX)
I = (6/100) / 365 I = 0,00016438
TX = Percentual da taxa anual = 6%.
CLÁUSULA SEXTA – GARANTIA DE EXECUÇÃO
6.1. A CONTRATADA prestará garantia no valor de R$ xxxx (xxxxxxxxx), correspondente a 5% (cinco
por cento) de seu valor total, no prazo de 20 (vinte) dias após a assinatura deste contrato, na modalidade e
critério previstos no § 1º do art. 56, da Lei nº 8.666/1993, podendo escolher o modo observadas as
condições previstas no Edital.
6.2 O regime jurídico da garantia é aquele previsto no instrumento convocatório.
CLÁUSULA SÉTIMA –FORMA DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS
7.1. A execução do serviço será iniciada após a emissão da respectiva Ordem de Início de Serviço, a ser
lavrado pela contratante, que indicará servidor da administração para acompanhar o trabalho, cujas etapas
observarão o cronograma de fiscalização conforme anexo I-B.
7.2. A fiscalização ocorrerá concomitante com a execução da obra e a Contratada atuará como assessora
técnica do Fiscal do Contrato designado pela Administração;
7.3. Os serviços compreendem as seguintes rotinas:
7.4. Revisar os projetos executivos;
7.5. Acompanhar a execução de todas as etapas da obra;
7.6. Realizar as medições dos serviços da obra conforme cronograma físico-financeiro contratado;
7.7. Emitir relatórios de acompanhamento;
7.8. Prestar assessoria técnica e subsidiar o Fiscal do Contrato nos assuntos técnicos;
7.9. Garantir a correta aplicação de materiais especificados e a execução dos serviços;
7.10. Controlar a programação físico financeira da obra;
7.11. Analisar o plano de gerenciamento das obras (Cronograma de barras e físico-financeiro,
programação com histograma de mão de obra, materiais e equipamentos);
7.12. Uniformizar as normas de procedimentos técnico-administrativos;
7.13. Verificar e analisar a apresentação do PCMSO, PCMAT, PPRA e o PGRCC aplicáveis à respectiva
obra, se for o caso;
7.14. Elaborar os relatórios para fins de recebimentos provisório e definitivo da obra e submetê-los para
aprovação do Fiscal do Contrato, conforme modelo a ser fornecido pela Administração;
7.15. Acusar qualquer discrepância nos projetos, possíveis erros, correção do material ou evento planejado
que verificar, apresentando alternativas para efetiva correção.
7.16. A Contratada deverá executar o serviço utilizando-se dos materiais, equipamentos, ferramentas e
utensílios, inclusive EPI, necessários à perfeita execução contratual.
7.17. Para melhor elaboração das propostas, os licitantes poderão realizar vistoria nos locais onde ocorrerá
a construção.
7.18. Todos os atos e instruções emanados ou emitidos pela Contratada, serão considerados como se
fossem praticados pela Contratante perante a Construtora, desde que sejam regularmente comunicados e
acordados pela Contratante.
7.19. Qualquer auxílio prestado pela Contratada, durante a fiscalização da obra na interpretação dos
desenhos, memoriais, especificações e demais elementos de projeto, bem como na condução dos trabalhos,
não poderá ser invocado para eximir a Construtora da responsabilidade pela execução dos serviços e
obras.
7.20. Quando os serviços contratados forem concluídos, caberá à Contratada apresentar comunicação
escrita informando o fato à fiscalização da Contratante, a qual competirá, no prazo de até 30 (trinta) dias, a
verificação dos serviços executados, para fins de recebimento provisório.
7.21. O recebimento provisório também ficará sujeito à conclusão de todos os serviços da obra, testes de
campo, análise dos projetos de "as built", manuais e demais documentos para permitir o recebimento da
obra.
7.22. A contratante acompanhará a prestação dos serviços, por meio de comissão ou servidor designado(s)
pela SRPRF/MA, com a finalidade de verificar a adequação dos serviços prestados, quando se realizará
inspeção minuciosa de todos os serviços executados, acompanhados dos profissionais encarregados pela
obra, com a finalidade de verificar a adequação dos serviços e constatar e relacionar os arremates, retoques
e revisões finais que se fizerem necessários.
7.23. Após a conclusão de tal inspeção será lavrado Termo de Recebimento Provisório, em 02 (duas) vias
de igual teor e forma, ambas assinadas pela fiscalização, relatando as eventuais pendências verificadas.
7.24. A Contratada pela execução da obra fica obrigada a reparar, corrigir, remover, reconstruir ou
substituir, às suas expensas, no todo ou em parte, o objeto em que se verificarem vícios, defeitos ou
incorreções resultantes da execução ou materiais empregados, cabendo à fiscalização não atestar a última
e/ou única medição de serviços até que sejam sanadas todas as eventuais pendências que possam vir a ser
apontadas no Termo de Recebimento Provisório, cabendo à fiscalização não atestar a última medição de
serviço até que sejam sanadas todas as eventuais pendências.
7.25. O Termo de Recebimento Definitivo dos serviços contratados será lavrado em até 60 (sessenta) dias
após a lavratura do Termo de Recebimento Provisório, por servidor ou comissão designada pela autoridade
competente, desde que tenham sido devidamente atendidas todas as exigências da fiscalização quanto às
pendências observadas e somente após solucionadas todas as reclamações porventura feitas quanto à falta
de pagamento a operários ou fornecedores de materiais e prestadores de serviços empregados na execução
do contrato.
7.26. Na hipótese de a verificação a que se refere o parágrafo anterior não ser procedida tempestivamente,
reputar-se-á como realizada, consumando-se o recebimento definitivo no dia do esgotamento do prazo,
desde que o fato seja comunicado à Contratante nos 15 (quinze) dias anteriores à exaustão do prazo.
7.27. O recebimento definitivo do objeto licitado não exime a Contratada, em qualquer época, das
garantias concedidas e das responsabilidades assumidas em contrato e por força das disposições legais em
vigor (Lei n° 10.406, de 2002).
7.28. Os serviços poderão ser rejeitados, no todo ou em parte, quando em desacordo com as especificações
constantes neste Termo de Referência e na proposta, devendo ser corrigidos/refeitos/substituídos no prazo
fixado pelo fiscal do contrato, às custas da contratada, sem prejuízo da aplicação de penalidades.
CLÁUSULA OITAVA – OBRIGAÇÕES DA CONTRATANTE
8.1. Além das obrigações resultantes da Lei n.º 8.666, de 1993, são obrigações da Contratante:
8.2. Designar Fiscal do Contrato, na forma dos arts. 67 da Lei 8.666, de 1993, e da I.N SLTI/MPOG n°
02/2008 para os itens em questão;
8.3. Exigir o cumprimento de todas as obrigações assumidas pela Contratada, de acordo com as cláusulas
contratuais e os termos de sua proposta;
8.4. Exercer o acompanhamento e a fiscalização dos serviços, por servidor ou comissão especialmente
designada, anotando em registro próprio as falhas detectadas, indicando dia, mês e ano, bem como o nome
dos empregados eventualmente envolvidos, encaminhando os apontamentos à autoridade competente para
as providências cabíveis;
8.5. Notificar a Contratada por escrito da ocorrência de eventuais imperfeições, falhas ou irregularidades
constatadas no curso da execução dos serviços, fixando prazo para a sua correção, certificando-se de que
as soluções por ela propostas sejam as mais adequadas;
8.6. Pagar à Contratada o valor resultante da prestação do serviço, conforme cronograma físico-financeiro;
8.7. Efetuar as retenções tributárias devidas sobre o valor da fatura de serviços da Contratada, em
conformidade com o art. 36, § 8º da IN SLTI/MPOG N. 02/2008;
8.8. Fornecer as informações necessárias para o desenvolvimento dos serviços objeto do contrato;
8.9. Realizar avaliações periódicas da qualidade dos serviços, após seu recebimento;
8.10. Cientificar o órgão de representação judicial da Advocacia-Geral da União para adoção das medidas
cabíveis quando do descumprimento das obrigações pela Contratada;
8.11. Arquivamento, entre outros documentos, de projetos, "as built", especificações técnicas, orçamentos,
termos de recebimento, contratos e aditamentos, relatórios de inspeções técnicas após o recebimento do
serviço e notificações expedidas;
8.12. Exigir da Contratada que providencie a seguinte documentação como condição indispensável para o
recebimento provisório do objeto, quando for o caso:
8.13. Análise e aprovação do "as built", elaborado pela empresa responsável da obra;
8.14. Análise de toda documentação recebida, de modo a efetivar os recebimentos provisórios e definitivos
da obra.
CLÁUSULA NONA – DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA
9.1. Executar os serviços nos prazos e especificações descritos no Plano de Execução de Fiscalização.
9.2. Iniciar os serviços em até 5 dias úteis após o recebimento da Ordem de Início do Serviço.
9.3. Apresentar a documentação de habilitação no CREA-MA, conforme Lei nº 5.194, de 1966 e
Resoluções CONFEA nº 413, de 1997 e 336, de 1989 do, ou no CAU-MA, conforme Lei nº 12.378/2010,
e documentos de habilitação e regularização no município de execução da obra, como alvará de
funcionamento, registro para recolhimento de ISSQN ou documentos correlatos exigidos pela
municipalidade para o funcionamento no município de execução da obra.
9.4. Prestar garantia contratual prevista no artigo 56, da lei 8.666/93, nos termos previstos no edital.
9.5. No caso de contratada com sede em unidade da federação que não a do Maranhão, deverá obedecer ao
prescrito no art. 6º da Resolução CONFEA nº 336, de 1989:

“Art. 6º - A pessoa jurídica, para efeito da presente Resolução, que requer registro ou visto em
qualquer Conselho Regional, deve apresentar responsável técnico que mantenha residência em
local que, a critério do CREA, torne praticável a sua participação efetiva nas atividades que a
pessoa jurídica pretenda exercer na jurisdição do respectivo órgão regional. ”

e parágrafo 1º do art. 3º da resolução 413 do CONFEA:

“Art. 3º - ...
§ 1º - Os responsáveis técnicos pelas diferentes atividades, apresentados pela pessoa jurídica,
devem comprovar residência em local que, a critério do CREA, torna praticável sua
participação efetiva nas atividades que a pessoa jurídica pretenda exercer na jurisdição do
respectivo órgão regional”

9.6. Apresentar, em até 10 (dez) dias após emissão da Ordem de Início do Serviço, as Anotações de
Responsabilidade Técnica – ART, ou Registro de Responsabilidade Técnica – RRT, relativas aos serviços,
devidamente pagas e registradas no CREA-MA e ou CAU-MA.

9.7. Apresentar Plano de Execução da Fiscalização, em até 5 (cinco) dias após emissão da Ordem de Serviço,
com dados básicos e critérios de execução, relação de documentos a serem produzidos, cronograma
detalhado da execução, com intervalos semanais e, organograma da equipe responsável.

9.8. Assumir inteira responsabilidade pela execução dos serviços e efetuá-los de acordo com as
especificações constantes neste Termo, nos documentos técnicos de cada obra valendo-se da boa técnica,
legislações e normas pertinentes.

9.9. Executar os serviços sob a responsabilidade técnica do profissional indicado na fase de licitação como
integrante do seu quadro permanente e detentor do acervo técnico exigido. No caso de indicação de mais de
um profissional, todos deverão participar como responsáveis técnicos da fiscalização, de acordo com as suas
atribuições profissionais.

9.10. Caso a Contratada necessite substituir qualquer responsável técnico, deverá apresentar proposta de
substituição de profissional para aprovação da Contratante, que será feita por escrito, fundamentada e
instruída com as provas necessárias à comprovação da situação que se apresentar. Concomitantemente,
deverá ser apresentada proposta para aprovação do novo profissional, que deverá ter experiência equivalente
ou superior, devidamente comprovada pelo seu acervo técnico.

9.11. Cumprir a carga horária diária requerida, comprovadas mediante assinatura em livro próprio, conforme
previsão mínima.

9.12. Proceder o acompanhamento diário das obras, fazendo cumprir todas as disposições e especificações
técnicas constantes nos Projetos Executivos da obra fornecendo toda a assessoria técnica necessária ao Fiscal
do Contrato para verificação da perfeita execução dos serviços.

9.13. Atender, de forma incontinenti, sem prejuízo da carga horária estipulada, às chamadas do Fiscal do
Contrato, no fito de se fazer presente no local da obra ou em reuniões em outros locais para dirimir dúvidas
referentes à fiscalização, sempre que solicitado.

9.14. Realizar semanalmente reunião com o Fiscal do Contrato com o objetivo de informar acerca do
andamento dos trabalhos e permitir que seja feito o acompanhamento e solução de dúvidas de forma a não
comprometer a qualidade do serviço e os prazos para entrega final.

9.15. As reuniões semanais serão realizadas, preferencialmente no local da obra, sendo documentadas por
Atas de Reunião, elaboradas pela Contratada e que conterão, no mínimo, os seguintes elementos: data, nome
e assinatura dos participantes, assuntos tratados, decisões e responsáveis pelas providências a serem tomadas.

9.16. Para liberação de serviços considerados críticos como concretagens, testes hidro estáticos, ou testes de
eletricidade, o engenheiro ou arquiteto deverão estar presentes na obra independente da rotina semanal de
visitas.

9.17. Imprimir 2 vias dos projetos, para facilitar a consulta e a fiscalização dos serviços, bem como ter
disponível e impressa a última versão dos projetos caso haja alterações por parte do autor destes, pela
contratada ou pela empresa executora da obra.

9.18. Indicar preposto, a ser aceito pela Contratante, para representá-la na execução do contrato, e instruí-lo
quanto à necessidade de acatar as orientações da Contratante, inclusive quanto ao cumprimento das normas
internas.
9.19. Apresentar as Equipes devidamente identificadas com os seus profissionais através de crachás contendo
foto recente, nome e função e exigir seu uso em local visível. A Contratada não poderá repassar os custos de
qualquer dos itens dos equipamentos de proteção individual.

9.20. Apresentar, quando solicitado pela Administração, atestado de antecedentes criminais e distribuição
cível de toda a mão de obra oferecida para atuar nas instalações do órgão.

9.21. Responsabilizar-se por todas as obrigações trabalhistas, sociais, previdenciárias, tributárias e as demais
previstas na legislação específica, cuja inadimplência não transfere responsabilidade à Contratante.

9.22. Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho emitidas pelo Ministério do
Trabalho e Emprego, e de outros órgãos competentes, em especial a Norma Regulamentadora NR – 18.

9.23. Fornecer e exigir o uso de Equipamento de Proteção Individual – EPI, conforme constatada a sua
necessidade.

9.24. Na ocorrência de acidentes de trabalho na obra, apresentar cópias das comunicações de acidente de
trabalho - CAT devidamente analisadas, concluídas e assinadas por profissional habilitado em até 10 dias
após a ocorrência.

9.25. Assumir as despesas com alimentação, hospedagem e comunicação dos seus funcionários.

9.26. Relatar à Contratante toda e qualquer irregularidade, inclusive de ordem funcional, constatada durante
a execução dos serviços, cujo saneamento dependa de autorização para execução ou de providências por
parte da Contratante, especialmente se representar risco para o patrimônio público.

9.27. Guardar sigilo sobre todas as informações obtidas em decorrência do cumprimento do contrato.

9.28. Informar à Contratante a necessidade de alteração nos serviços ou adaptações diversas, antes da
execução dos serviços.

9.29. Solicitar a paralisação à Contratante , de qualquer atividade que não esteja sendo executada de acordo
com a boa técnica ou que ponha em risco a segurança de pessoas ou bens de terceiros.

9.30. Assumir a responsabilidade por quaisquer despesas, decorrentes de embargos por parte das autoridades
ou terceiros, multas provenientes de infrações de leis, regulamentos e posturas federais, estaduais ou
municipais, que lhe sejam pertinentes.

9.31. Responder, civil e penalmente, por quaisquer danos materiais ou pessoais ocasionados, à Contratante
e/ou Construtora ou a terceiros, por seus empregados, dolosa ou culposamente, nos locais de trabalho.

9.32. Responsabilizar-se pelos vícios e danos decorrentes do serviço de acordo com o Código de Defesa do
Consumidor (Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990).

9.33. Arcar com o ônus decorrente de eventual equívoco no dimensionamento dos quantitativos de sua
proposta, devendo complementá-los, caso o previsto inicialmente em sua proposta não seja satisfatório para
o atendimento ao objeto da licitação, exceto quando ocorrer algum dos eventos arrolados nos incisos do § 1º
do art. 57 da Lei nº 8.666/93.

9.34. Repor, no prazo máximo de 5 (cinco) dias úteis, após a devida comprovação de responsabilidade,
qualquer objeto da Contratante e/ou de terceiros que tenha sido danificado ou extraviado por seus
empregados.

9.35. Substituir, no prazo máximo de 48 (quarenta e oito) horas, sempre que exigido pela Contratante e
independentemente de qualquer justificativa por parte desta, qualquer profissional integrante das equipes de
trabalho cuja atuação, permanência e/ou comportamento sejam julgados inadequados, prejudiciais,
inconvenientes ou insatisfatórios à disciplina da Contratante ou ao interesse do Serviço Público.

9.36. Assegurar à CONTRATANTE, nos termos do artigo 19, inciso XVI, da Instrução Normativa
SLTI/MPOG n° 2, de 30 de abril de 2008:
9.36.1. O direito de propriedade intelectual dos produtos desenvolvidos, inclusive sobre as eventuais
adequações e atualizações que vierem a ser realizadas, logo após o recebimento de cada parcela, de
forma permanente, permitindo à Contratante distribuir, alterar e utilizar os mesmos sem limitações;

9.36.2. Os direitos autorais da solução, do projeto, de suas especificações técnicas, da documentação


produzida e congêneres, e de todos os demais produtos gerados na execução do contrato, inclusive
aqueles produzidos por terceiros subcontratados, ficando proibida a sua utilização sem que exista
autorização expressa da Contratante, sob pena de multa, sem prejuízo das sanções civis e penais
cabíveis.

9.36.3. Analisar e, se for o caso, sugerir aprovação do projeto das instalações provisórias e canteiro de
obras apresentados pela Construtora no início dos trabalhos à Contratante.

9.36.4 Analisar a compatibilidade entre os projetos antes da execução dos serviços, solicitando à
Contratante, quando constatadas incompatibilidades, providências para o saneamento das mesmas.

9.36.5. Emitir relatório mensal específico sobre os procedimentos adotados pela Construtora, que
envolverem sustentabilidade, acusando pontualmente as irregularidades, se houverem.

9.36.6. Fiscalizar as condições e operações de descarte de resíduos da construção civil realizadas pela
Construtora, informando de imediato qualquer irregularidade ou descumprimento de normas
ambientais aplicáveis.

9.36.7. Fiscalizar a qualidade dos materiais e equipamentos em seus recebimentos e instalações na


obra, garantindo sua conformidade com o projeto.

9.36.8. Solicitar a substituição de materiais e equipamentos que sejam considerados defeituosos,


inadequados ou inaplicáveis aos serviços após consulta prévia ao Fiscal do Contrato.

9.36.9. Acompanhar a substituição de materiais, equipamentos e serviços solicitada pela Construtora e


admitida no Projeto Executivo, com base na comprovação da equivalência entre os componentes, de
conformidade com os requisitos estabelecidos nas Especificações de Serviços, com aprovação do
Fiscal do Contrato.

9.36.10. Sugerir a realização de testes, exames, ensaios e quaisquer provas necessárias ao controle de
qualidade dos serviços e materiais que considerar necessários, indicando laboratórios ou entidades
credenciados para realização, após consulta prévia ao Fiscal do Contrato.

9.36.11. Analisar os resultados dos ensaios de controle de qualidade de materiais e serviços realizados
pela Construtora, exigindo os respectivos tratamentos estatísticos, a fim de liberar cada uma das etapas
das obras e submeter à aprovação do Fiscal do Contrato.

9.36.12. Analisar partes, etapas ou a totalidade dos serviços executados, através de relatórios
periódicos de fiscalização, apresentando os resultados à aprovação do Fiscal do Contrato.

9.36.13. Analisar mensalmente a Planilha de Medição proposta pela Construtora, em conjunto com o
engenheiro responsável da mesma, e elaborar um Relatório Técnico de Acompanhamento da
respectiva medição dos serviços executados naquele mês para efeito de fundamentação dos valores a
serem faturados.

9.36.14. Analisar as reivindicações da Construtora, como prorrogação de prazos, aditivos, métodos


executivos, soluções técnicas, emitindo parecer sobre o assunto.

9.36.15. Implantar acervo fotográfico da execução da obra durante todo período de execução.

9.36.16. Emitir os pareceres para fins emissão dos termos de recebimento provisório e definitivo da
obra.
9.36.17. Elaborar Relatório de Final de Fiscalização, reunindo e organizando todos os documentos
gerados em sua versão final, tanto dos projetistas quanto da Construtora, na forma de mapas, manuais
e relatórios que o integrarão. O relatório deverá conter índice dos documentos.

9.37. Em se tratando de atividades que envolvam serviços de natureza intelectual, após a assinatura do
contrato, a contratada deverá participar de reunião inicial, devidamente registrada em Ata, para dar início à
execução do serviço, com o esclarecimento das obrigações contratuais, em que estejam presentes os técnicos
responsáveis pela elaboração do termo de referência, o gestor do contrato, o fiscal técnico do contrato, o
fiscal administrativo do contrato, os técnicos da área requisitante, o preposto da empresa e os gerentes das
áreas que executarão os serviços contratados.

9.38. Manter durante todo o período de execução da obra, as condições de habilitação e qualificação exigidas
na licitação.

9.39. Não transferir, sob nenhum pretexto, qualquer tipo de responsabilidade da Contratada para outras
entidades.

CLÁUSULA DÉCIMA – DA SUBCONTRATAÇÃO


10.1. Será admitida a subcontratação de alguns serviços a critério da Contratante e sob adequada
justificativa:
10.2. Fiscalização das instalações de Certificação de cabeamento de rede lógica e de rádio;
10.3. Serviços de Climatização, exaustão e ventilação;
10.4. Serviços de instalações elétricas em média ou alta tensão;
10.5. As empresas ou profissionais subcontratados, onde pertinente, deverão estar devidamente registrados
no CREA ou CAU, com responsável técnico capacitado a executar os serviços especificados.
10.6. A Contratada deverá submeter à prévia aprovação da Contratante, com antecedência mínima de até 2
(dois) dias do início do item a executar, a indicação da empresa que pretenda utilizar para serviços
subcontratados, obrigatoriamente acompanhada da Certidão de Registro no CREA ou CAU, onde
for aplicável e da documentação de habilitação conforme descrito a seguir.
10.7. Para a subcontratação de serviços será exigido apresentação pela contratada de documentação de
habilitação das subcontratadas de acordo com os seguintes critérios por especialidade:
10.7.1. Instalações de lógica e de rádio;

10.7.2. Instalações de Climatização, exaustão e ventilação;

10.7.3. Serviços de instalações elétricas em média ou alta tensão.

10.7.4. Comprovação através de apresentação de um atestado emitido por pessoa jurídica de direito
público ou privado, de fiscalização de instalação dos serviços a serem subcontratados.

CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA – DAS SANÇÕES ADMINISTRATIVAS


11.1. Comete infração administrativa nos termos da Lei nº 8.666, de 1993 e da Lei nº 10.520, de 2002, a
Contratada que:
11.1.1. Inexecutar total ou parcialmente qualquer das obrigações assumidas em decorrência da
contratação;
11.1.2. Ensejar o retardamento da execução do objeto;
11.1.3. Fraudar na execução do contrato;
11.1.4. Comportar-se de modo inidôneo;
11.1.5. Cometer fraude fiscal;
11.1.6. Não mantiver a proposta.
11.1.7. A Contratada que cometer qualquer das infrações discriminadas no subitem acima ficará sujeita,
sem prejuízo da responsabilidade civil e criminal, às seguintes sanções:
11.1.8. Advertência por faltas leves, assim entendidas aquelas que não acarretem prejuízos significativos
para a Contratante;
11.1.9. Multa moratória de 0,1% (zero virgula um por cento) por dia de atraso injustificado sobre o valor
da parcela inadimplida, até o limite de 30 (trinta) dias;
11.1.10. em se tratando de inobservância do prazo fixado para apresentação da garantia (seja para reforço
ou por ocasião de prorrogação), aplicar-se-á multa de 0,07% (sete centésimos por cento) do valor do
contrato por dia de atraso, observado o máximo de 2% (dois por cento), de modo que o atraso superior a
25 (vinte e cinco) dias autorizará a Administração contratante a promover a rescisão do contrato;
11.1.11. as penalidades de multa decorrentes de fatos diversos serão consideradas independentes entre si.
11.1.12. multa compensatória de até 10% (dez por cento) sobre o valor total do contrato, no caso de
inexecução total do objeto;
11.1.13. em caso de inexecução parcial, a multa compensatória, no mesmo percentual do subitem acima,
será aplicada de forma proporcional à obrigação inadimplida;
11.1.14. suspensão de licitar e impedimento de contratar com o órgão, entidade ou unidade administrativa
pela qual a Administração Pública opera e atua concretamente, pelo prazo de até dois anos.
11.1.15. impedimento de licitar e contratar com a União com o consequente descredenciamento no SICAF
pelo prazo de até cinco anos.
11.1.16. declaração de inidoneidade para licitar ou contratar com a Administração Pública, enquanto
perdurarem os motivos determinantes da punição ou até que seja promovida a reabilitação perante a
própria autoridade que aplicou a penalidade, que será concedida sempre que a Contratada ressarcir a
Contratante pelos prejuízos causados;
11.1.17. Também fica sujeita às penalidades do art. 87, III e IV da Lei nº 8.666, de 1993, a Contratada que:
11.1.17.1. tenha sofrido condenação definitiva por praticar, por meio dolosos, fraude fiscal no
recolhimento de quaisquer tributos;
11.1.17.2. tenha praticado atos ilícitos visando a frustrar os objetivos da licitação;
11.1.17.3.demonstre não possuir idoneidade para contratar com a Administração em virtude de atos ilícitos
praticados.
11.2. A aplicação de qualquer das penalidades previstas realizar-se-á em processo administrativo que
assegurará o contraditório e a ampla defesa à Contratada, observando-se o procedimento previsto na Lei nº
8.666, de 1993, e subsidiariamente a Lei nº 9.784, de 1999.
11.3. As multas devidas e/ou prejuízos causados à Contratante serão deduzidos dos valores a serem pagos,
ou recolhidos em favor da União, ou deduzidos da garantia, ou ainda, quando for o caso, serão inscritos na
Dívida Ativa da União e cobrados judicialmente.
11.4. A autoridade competente, na aplicação das sanções, levará em consideração a gravidade da conduta
do infrator, o caráter educativo da pena, bem como o dano causado à Administração, observado o princípio
da proporcionalidade.
11.5. As sanções aqui previstas são independentes entre si, podendo ser aplicadas isoladas ou, no caso das
multas, cumulativamente, sem prejuízo de outras medidas cabíveis.
11.6. As penalidades serão obrigatoriamente registradas no SICAF.
CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA – DO REGIME DE EXECUÇÃO E RECEBIMENTO
12.1. Atuar como assessoria técnica do Fiscal do Contrato.
12.2. Proceder o acompanhamento diário das obras, fazendo cumprir todas as disposições e especificações
técnicas constantes nos Projetos Básico e Executivo das obras fornecendo toda a assessoria técnica
necessária ao Fiscal do Contrato para verificação da perfeita execução dos serviços.
12.3. O acompanhamento e fiscalização deverá se pautar obrigatoriamente, no que couber, no MANUAL
DE OBRAS PÚBLICAS - EDIFICAÇÕES PRÁTICAS DA SEAP – CADERNO DE CONSTRUÇÕES,
disponibilizado no endereço http://www.comprasnet.gov.br/publicacoes/manuais/manual_projeto.pdf ,
bem como nas Normas Técnicas da ABNT e nas normas e manuais de instruções de fabricantes de
materiais e equipamentos.
12.4. Deverá observar com atenção os pontos elencados no Anexo I-A (sei n. 9742798) deste Termo de
Referencia.
12.5. Realizar semanalmente reunião com o Fiscal do Contrato com o objetivo de informar acerca do
andamento dos trabalhos e permitir que seja feito o acompanhamento e solução de dúvidas de forma a não
comprometer a qualidade do serviço e os prazos para entrega final.
12.6. As reuniões semanais serão realizadas no local onde os serviços e obras serão realizados, sendo
documentadas por Atas de Reunião, elaboradas pela Contratada e que conterão, no mínimo, os seguintes
elementos: data, nome e assinatura dos participantes, assuntos tratados, decisões e responsáveis pelas
providências a serem tomadas, ou, a critério da administração, na sede da SRPRF/MA.
12.7. Realizar comunicação com o Fiscal do Contrato através de correspondência oficial e anotações ou
registros na Caderneta de Ocorrências.
12.8. A Caderneta de Ocorrências será destinada ao registro de fatos e comunicações que tenham
implicação contratual, como: modificações de projeto, conclusão e aprovação de serviços e etapas,
autorizações para execução de trabalho adicional, autorização para substituição de materiais e
equipamentos, ajustes no cronograma e plano de execução dos serviços e obras, irregularidades e
providências a serem tomadas pela Contratante.
12.9. Apresentar Relatório de Pendências, com os problemas identificados, nas reuniões semanais com o
Fiscal do Contrato.
12.10. Analisar e aprovar o Plano de Execução dos Serviços, apresentado pela Construtora no início dos
trabalhos.
12.11. Analisar e, se for o caso, sugerir aprovação do projeto das instalações provisórias e canteiro de
obras apresentados pela Construtora no início dos trabalhos à Contratante.
12.12. Analisar a compatibilidade entre os projetos antes da execução dos serviços, solicitando à
Contratante, quando constatadas incompatibilidades, providências para o saneamento das mesmas.
12.13. Acompanhar as retiradas de materiais e, posteriormente, observar a colocação dos novos materiais a
serem ali instalados, conforme especificações, sugerindo modificações necessárias e não inclusas nos
projetos.
12.14. Garantir, através de solicitação para o Fiscal do Contrato, a disponibilidade no canteiro de obra
todos os projetos compatibilizados e, quando necessário for, aprovados.
12.15. Através de consulta aos autores dos projetos e/ou a Contratante, esclarecer ou solucionar
incoerências, falhas e omissões eventualmente constatadas nos desenhos, memoriais, especificações e
demais elementos de projeto.
12.16. Verificar e solicitar aprovação aos autores dos projetos das soluções propostas pela Construtora
quanto a sua adequação técnica e econômica, de modo a atender às necessidades da Contratante.
12.17. Propor solução para as dúvidas e questões pertinentes à prioridade ou sequência dos serviços e
obras em execução.
12.18. Exercer rigoroso controle sobre o cronograma de execução dos serviços e obras e propor aprovação
à Contratante eventuais ajustes.
12.19. Liberar os serviços a serem executados através de documento de liberação solicitado pela
Construtora, após prévia verificação de conformidade dos trabalhos predecessores e acompanhar a
execução de serviços críticos.
12.20. Principais atividades de verificação:
12.20.1. Verificação de compactação de solos;
12.20.2. Verificação da locação de obra e correta identificação de eixos;
12.20.3. Verificação do processo de execução das fundações;
12.20.4. Verificação de armaduras de aço antes da aplicação nas formas;
12.20.5. Verificação das dimensões, alinhamentos, solidez e escoramento de formas;
12.20.6. Verificação da correta colocação das armaduras nas formas antes das concretagens;
12.20.7. Verificação do teste hidrostático antes do fechamento dos rasgos em alvenaria e aplicação de
revestimentos;
12.20.8. Verificação das tubulações de esgoto, caixas de passagem antes do reaterro de valas;
12.20.9. Verificação da correta colocação de tubulações elétricas e hidráulicas, passagens de dutos e
tubulações antes das concretagens;
12.20.10. Verificação das instalações elétricas antes do teste de carga da rede elétrica;
12.20.11. Outras verificações técnicas pertinentes.
12.20.12. Principais atividades críticas para acompanhamento:
12.20.12.1. Locação da obra;
12.20.12.2. Serviços de concretagem de estruturas e fundações;
12.20.12.3. Lançamento e aplicação de concreto em pisos, bem como início de serviços de desempeno e
alisamento destes;
12.20.12.4. Testes hidrostáticos em tubulações de água fria e quente, gás, hidrantes, ar comprimido e
outros por ventura existentes na obra, se for o caso;
12.20.12.5. Testes de carga elétrica;
12.20.12.6. Testes de rede lógica e de rádio comunicação;
12.20.12.7. Içamento e colocação de estruturas metálicas de cobertura.
12.21. Solicitar paralisação ou refazimento de qualquer serviço que não seja executado em conformidade
com projeto, norma técnica ou qualquer disposição oficial aplicável às obras, após consulta prévia ao
Fiscal do Contrato.
12.22. Fiscalizar a correta aplicação, pela Construtora, das diretrizes, critérios e procedimentos para a
gestão dos resíduos da construção civil estabelecidos na Resolução CONAMA n° 307, de 2002, e IN
SLTI/MPOG n° 1, de 2010, bem como a utilização de materiais e produtos com o mínimo de substâncias
tóxicas e/ou perigosas, obedecendo as classificações e especificações determinadas pela ANVISA.
12.23. Emitir relatório mensal específico sobre os procedimentos adotados pela Construtora, que
envolverem sustentabilidade, acusando pontualmente as irregularidades, se houverem.
12.24. Fiscalizar as condições e operações de descarte de resíduos da construção civil realizadas pela
Construtora, informando de imediato qualquer irregularidade ou descumprimento de normas ambientais
aplicáveis.
12.25. Verificar se a Construtora priorizou a utilização na obra de materiais produzidos regionalmente e de
maneira sustentável, orientando-a para esta prática.
12.26. Fiscalizar a qualidade dos materiais e equipamentos em seus recebimentos e instalações na obra,
garantindo sua conformidade com o projeto.
12.27. Solicitar a substituição de materiais e equipamentos que sejam considerados defeituosos,
inadequados ou inaplicáveis aos serviços após consulta prévia ao Fiscal do Contrato.
12.28. Acompanhar a substituição de materiais, equipamentos e serviços solicitada pela Construtora e
admitida no Projeto Executivo, com base na comprovação da equivalência técnica entre os componentes,
de conformidade com os requisitos estabelecidos nas Especificações de Serviços, com aprovação do Fiscal
do Contrato.
12.29. Sugerir a realização de testes, exames, ensaios e quaisquer provas necessárias ao controle de
qualidade dos serviços e materiais que considerar necessários, indicando laboratórios ou entidades
credenciadas para realização, após consulta prévia ao Fiscal do Contrato.
12.30. Analisar os resultados dos ensaios de controle de qualidade de materiais e serviços realizados pela
Construtora, exigindo os respectivos tratamentos estatísticos, a fim de liberar cada uma das etapas das
obras e submeter à aprovação do Fiscal do Contrato.
12.31. Analisar partes, etapas ou a totalidade dos serviços executados, através de relatórios periódicos de
fiscalização, apresentando os resultados à aprovação do Fiscal do Contrato.
12.32. Analisar mensalmente a Planilha de Medição proposta pela Construtora, em conjunto com o
engenheiro responsável da mesma, e elaborar um Relatório Técnico de Acompanhamento da respectiva
medição dos serviços executados naquele mês para efeito de fundamentação dos valores a serem
faturados.
12.33. O Relatório e a Planilha de medição deverão seguir o padrão proposto pela Contratante, serem
relacionados ao Cronograma Físico-Financeiro da obra e encaminhados para o Fiscal do Contrato para
aprovação.
12.34. Receber a Nota Fiscal emitida pela Construtora, verificar seu preenchimento, regularidade de
valores e informações e encaminhar ao Fiscal do Contrato com parecer para providências de pagamento
em até 2 (dois) dias úteis do recebimento da mesma.
12.35. Prestar assessoria na análise das reivindicações da Construtora, como prorrogação de prazos,
custos, métodos executivos, soluções técnicas, emitindo parecer sobre o assunto.
12.36. A análise de custos de serviços extraordinários terá a seguinte metodologia:
12.36.1. Se o acréscimo for apenas de quantitativo, serão utilizados os valores da proposta;
12.36.2. Se o acréscimo incluir item não existente na proposta inicial, deverá ser solicitado à Construtora a
elaboração de proposta específica, valendo-se da tabela SINAPI como referência para verificação do valor
proposto. Para tais serviços devem ser aplicados os fatores de correção dos valores devido ao percentual
de desconto apresentada pela construtora em relação ao preço de referencia adotado pela administração.
12.36.3. Verificar se todos os empregados das Construtoras estejam devidamente registrados de acordo
com as leis trabalhistas vigentes, e que trabalhem devidamente uniformizados e utilizando crachá de
identificação.
12.36.4. Verificar as condições de trabalho adotadas pela Construtora, tais como o uso adequado dos EPI
´s, o atendimento das condições de higiene e segurança do trabalho e comunicar ao Fiscal do Contrato, as
possíveis irregularidades.
12.36.5. Solicitar, ao Fiscal do Contrato, a substituição de qualquer funcionário da Construtora que
dificulte a ação da fiscalização, ou cuja presença no local da obra seja considerada prejudicial ao
andamento dos trabalhos.
12.36.6. Verificar se as instalações, equipamentos, ferramentas e equipe técnica de execução
correspondem ao necessário para a perfeita execução da obra no prazo previsto.
12.36.7. Acompanhar os relatórios diários de execução dos serviços e obras (Diário de Obra), em livro
apropriado, com páginas numeradas em 3 (três) vias, 2 (duas) destacáveis, contendo o registro de fatos
normais do andamento dos serviços, como entrada e saída de equipamentos, serviços em andamento,
efetivo de pessoal, condições climáticas, visitas ao canteiro de obra, inclusive para as atividades de
empresas terceirizadas pela Construtora, e informar ao Fiscal do Contrato eventuais irregularidades com
relação ao preenchimento.
12.36.8. Obter, consolidar e manter arquivo de todos os elementos necessários ao perfeito cumprimento de
suas funções, tais como: diretrizes de projetos, contratos, orçamentos, cronogramas, relatórios de
andamento das atividades e todas as especificações referentes às obras e serviços.
12.36.9. Efetuar diligenciamento dos serviços de responsabilidade de Concessionários de Serviços
Públicos que interfiram na execução da obra.
12.36.10. Implantar acervo fotográfico da execução da obra durante todo período de execução.
12.36.11. Avaliar o atendimento das cláusulas contratuais do contrato de execução da obra, orientando
através da Caderneta de Fiscalização e por ofício, ao Fiscal do Contrato sobre possíveis irregularidades e
necessidades de aplicação de sanções.
12.36.12. Zelar para que durante toda a vigência do contrato sejam mantidas, em compatibilidade com as
obrigações assumidas pela Construtora, todas as condições de habilitação e qualificação exigidas na
licitação, comunicando ao Fiscal do Contrato qualquer alteração.
12.36.13. Recolher e encaminhar ao Fiscal do Contrato, todos os certificados de garantia preenchidos, bem
como as cópias das notas fiscais de compra dos materiais e equipamentos com garantia de fabricante ou
revendedor, para possibilitar a cobrança de garantias em data futura.
12.36.14. Emitir os pareceres para fins dos termos de recebimento provisório e definitivo da
obra. O recebimento final dos serviços executados pela Construtora será efetivado em duas etapas:
12.36.14.1. Recebimento Provisório – após a conclusão dos trabalhos, através de correspondência da
Construtora informando a conclusão e, em até 15 (quinze) dias, o Fiscal do Contrato, com base no parecer
da Contratada, lavrará o Termo de Recebimento Provisório, onde serão indicadas as correções e
complementações consideradas necessárias ao recebimento definitivo, bem como o prazo para execução
de tais correções e complementações, não podendo exceder 30 (trinta) dias corridos, salvo justificativa
aceita pela Contratante;
12.36.14.2. Recebimento Definitivo – a Construtora deverá comprovar o pagamento dos impostos, taxas e
obrigações fiscais incidentes sobre o objeto do contrato, além das demais obrigações legais contratuais.
Isto satisfeito, e verificando-se através do parecer da Contratada, a adequação das pendências apontadas
no termo de recebimento provisório, lavrar-se-á o Termo de Recebimento Definitivo e será autorizada a
emissão da fatura final a ser paga.
12.36.14.3. Elaborar Relatório de Final de Fiscalização, reunindo e organizando todos os documentos
gerados em sua versão final, tanto dos projetistas quanto da Construtora, na forma de mapas, manuais e
relatórios que o integrarão. O relatório deverá conter índice dos documentos.
12.36.14.4. Elaborar parecer de aprovação do “As Built” da obra e do Manual do Proprietário.
12.36.14.5. Verificar se o executor da obra fiscalizada providenciou o licenciamento ambiental, caso
necessário, e se estão sendo cumpridas todas as normas ambientais durante a execução do
empreendimento.
CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA – DAS VEDAÇÕES
13.1 É vedado à CONTRATADA:
13.1.1 Caucionar ou utilizar este Termo de Contrato para qualquer operação financeira;
13.1.2 Interromper a execução dos serviços/atividades sob alegação de inadimplemento por parte da
CONTRATANTE, salvo nos casos previstos em lei.
CLÁUSULA DÉCIMA QUARTA – RESCISÃO
14.1 O presente Termo de Contrato poderá ser rescindido nas hipóteses previstas no art. 78 da Lei nº
8.666, de 1993, com as consequências indicadas no art. 80 da mesma Lei, sem prejuízo da aplicação das
sanções previstas no Termo de Referência, anexo do Edital.
14.2 Os casos de rescisão contratual serão formalmente motivados, assegurando-se à CONTRATADA o
direito à prévia e ampla defesa.
14.3 A CONTRATADA reconhece os direitos da SRPRF/MA em caso de rescisão administrativa prevista
no art. 77 da Lei nº 8.666, de 1993.
14.4 O termo de rescisão, sempre que possível, deverá indicar:
14.4.1 Balanço dos eventos contratuais já cumpridos ou parcialmente cumpridos em relação ao
cronograma físico-financeiro, atualizado;
14.4.2 Relação dos pagamentos já efetuados e ainda devidos;
14.4.3 Indenizações e multas.
CLÁUSULA DÉCIMA QUINTA– PUBLICAÇÃO
15.1 Incumbirá à SRPRF/MA providenciar a publicação deste instrumento, por extrato, no Diário Oficial
da União, no prazo previsto na Lei nº 8.666, de 1993.
CLÁUSULA DÉCIMA SEXTA – FORO
16.1 O Foro para solucionar os litígios que decorrerem da execução deste Termo de Contrato será o da
Vara da Justiça Federal de São Luís, da Seção Judiciária do Maranhão.
Para firmeza e validade do pactuado, o presente Termo de Contrato vai assinado eletronicamente pelos
contraentes.

Superintendente Regional /SRPRF-MA


pelo CONTRATANTE

Representante CONTRATADA
Documento assinado eletronicamente por RICARDO VIANNA DA SILVA, Chefe da Seção
Administra va e Financeira, em 07/02/2018, às 13:45, horário oficial de Brasília, com fundamento
no § 2º do art. 10 da Medida Provisória Nº 2.200-2, de 24 de agosto de 2001, no art. 6º do Decreto
Nº 8.539, de 8 de outubro de 2015 e na alínea b do inciso IV do art. 2º da Instrução Norma va Nº 61-
DG, de 13 de novembro de 2015.

A auten cidade deste documento pode ser conferida no site


h ps://sei.prf.gov.br/sei/controlador_externo.php?
acao=documento_conferir&id_orgao_acesso_externo=0, informando o código verificador 10236929
e o código CRC 3DB1C509.

Referência: Processo nº 08665.000117/2018-19 SEI nº 10236929