Vous êtes sur la page 1sur 7

Alongamento e flexibilidade: um estudo sobre conceitos e diferenças

e flexibilidade: um estudo sobre conceitos e diferenças

http://www.efdeportes.com/efd176/alongamento-e-flexibilidade-concei

Falha na conexão segura

Alongamento e flexibilidade: um estudo sobre conceitos e diferençasFalha na conexão segura Elongación y flexibilidad: un estudio sobre conceptos y

Elongación y flexibilidad: un estudio sobre conceptos y diferencias

Graduando do 8º semestre do curso de Licenciatura Plena em Educação Física pela Universidade do Estado do Pará (Campus VII) Conceição do Araguaia, PA

Francisco Flávio Sales Galdino

fsales18@hotmail.com

(Brasil)

Resumo O Alongamento e a Flexibilidade são componentes essências para qualquer tipo de treinamento esportivo, e também para diversas atividades diárias como abaixar, levantar, andar, etc. Apesar de serem termos distintos, freqüentemente são definidos como sinônimos. Assim, a pesquisa parte de um estudo bibliográfico respaldado por obras de autores como Alter (1999), Araújo (2005), Dantas (2005), Geoffroy (2001), com objetivo de esclarecer aos discentes de Educação Física, bem como aos Profissionais da área da Saúde sobre as principais diferenças entre Alongamento e Flexibilidade. Ao final, percebe-se que Alongamento e Flexibilidade estão intimamente ligados, porem apresentam grandes diferenças, sendo a técnica de execução, a definição, e os fatores fisiológicos atuantes, os pontos determinantes para esta distinção. Unitermos: Alongamento. Flexibilidade. Amplitude articular.

EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 17, Nº 176, Enero de 2013. http://www.efdeportes.com/ . Buenos Aires, Año 17, Nº 176, Enero de 2013. http://www.efdeportes.com/

Introdução

1 / 1

O interesse em discutir sobre o tema surge a partir da disciplina Treinamento Desportivo, onde foi constatado que a maioria dos estudantes do curso de Educação Física mostram grande dificuldade na hora estabelecer uma distinção entre alongamento e flexibilidade, muitos ainda tendo-os como sinônimos. Assim, o seguinte trabalho é uma pesquisa

bibliográfica respaldada por obras de autores como Alter (1999), Araújo (2005), Dantas (2005), Geoffroy (2001) e outros que possuem relevância sobre o tema. O objetivo deste artigo é esclarecer os discentes de Educação Física, bem como Profissionais e a sociedade sobre as principais diferenças entre alongamento e flexibilidade.

De acordo com Geoffroy (2001) a prática do alongamento é de fundamental importância na prática de qualquer

modalidade esportiva ou atividade física que venha á ser praticada. Sendo importante principalmente no que se diz respeito á proteção dos tecidos contra o surgimento de distensões, lacerações, ou qualquer outro tipo de lesão que diminua o desempenho físico do atleta, ou do praticante da atividade física. O alongamento é segundo Fernandes et al. (2002) uma atividade executada sem sistematização de séries ou tempo, executado com objetivo de melhorar o

desempenho, e evitar lesões.

Por outro lado, a flexibilidade é uma capacidade física assim como a força, a velocidade, a agilidade, de fundamental importância para o desempenho em qualquer esporte, e também para a vida de qualquer pessoa. Quem já não precisou da flexibilidade para pegar um objeto no chão, ou dentro do futebol, esticar-se para defender uma bola, ou

ainda, na ginástica, onde a flexibilidade é crucial para realização dos movimentos com eficácia. Ter um nível relativamente bom de flexibilidade é de grande relevância, e que requer certa sistematização de séries e tipos de alongamentos, e pode ser alcançado por qualquer pessoa desde que se submeta á um treino especifico.

Por a flexibilidade ser uma capacidade física que é desenvolvida a partir da prática regular e sistemática de alongamentos, talvez seja esse o grande fator que acaba confundindo as pessoas na hora de diferenciar os dois

termos. Porem, alongamento e flexibilidade apesar de estarem intimamente ligados, possuem grandes diferenças. A flexibilidade é uma capacidade física relacionada á saúde, enquanto que alongamento é a técnica utilizada para se

Alongamento e flexibilidade: um estudo sobre conceitos e diferenças

http://www.efdeportes.com/efd176/alongamento-e-flexibilidade-concei

alcançar níveis de flexibilidade. Dentre as principais diferenças entre alongamento e flexibilidade destacamos a definição, importância, a técnica de execução, etc.

Portanto, alongamento e flexibilidade apresentam grandes diferenças, que devem ser levados em consideração pelas profissionais da área da saúde e principalmente pelos acadêmicos de educação física, que devem possuir o máximo de conhecimento possível para repassar da forma correta para seus alunos e para a sociedade em geral.

Falha na conexão segura

1.

Flexibilidade

1.1. Definições

Segundo Araújo (2005) apesar da área relacionada á flexibilidade ainda contar com um escasso acervo bibliográfico, sobretudo no que diz respeito a sua importância e valorização, percebe-se que o assunto ao longo dos anos, principalmente após ser considerada uma valência física relacionada á saúde tem despertado o interesse de vários profissionais da área da saúde em discuti-lo e pesquisá-lo. Esse fato tem mudado o foco de programas de exercícios que eram antigamente compostos apenas por atividades voltadas ao desenvolvimento do sistema cardiovascular, e da resistência muscular, levando em consideração agora a flexibilidade como fator importante á ser trabalhado (MONTEIRO, 2000).

Alguns autores tem buscado ao longo desses anos estabelecer um conceito para definir flexibilidade. Segundo Alter (1999), flexibilidade é um termo que vem do latim flectere (dobra-se) ou flexibilis (dobradiço), ou seja, aquilo que é flexível, maleável. Para Dantas (2005), flexibilidade pode ser definida como:

Qualidade física responsável pela execução voluntária de um movimento de amplitude angular máxima, por uma articulação ou conjunto de articulações, dentro dos limites morfológicos, sem risco de provocar lesões (DANTAS, 2005 p. 57).

Uma definição parecida é apresentada por Araújo (2005), na qual flexibilidade consiste na medida da amplitude de movimento de partes do corpo sobre suas articulações, sem com isso provocar esforço excessivo nos componentes dessas articulações, tendões, ligamentos, entre outros. Por outro lado, Monteiro (2000) conceitua flexibilidade como a capacidade física relacionada ao esporte e á saúde, referente á amplitude de movimento (AM) que determinada articulação pode realizar. É consenso entre esses autores quanto á importância da flexibilidade nas diversas modalidades esportivas, e ainda, na prática de uma vida saudável.

1.2. Importância

A flexibilidade é um fator de grande relevância que pode ser utilizado na prevenção e na reabilitação de lesões, (ALTER, 1999). A maioria das lesões músculo-esqueléticas acorrem quando se ultrapassa as amplitudes normais da articulação, assim, a flexibilidade seria um fator determinante para aumentar a mobilidade articular e diminuir os riscos de lesões (TUBINO 1979 apud DANTAS, 2005). A importância da flexibilidade não se restringe apenas á prevenção de lesões.

Um estudo realizado por Dantas (2005) concluiu que a flexibilidade é um dos fatores primordiais no aperfeiçoamento motor e no desenvolvimento da consciência corporal. Segundo Plantov (2004), baixos

Alongamento e flexibilidade: um estudo sobre conceitos e diferenças

http://www.efdeportes.com/efd176/alongamento-e-flexibilidade-concei

níveis de flexibilidade podem acarretar na pouca assimilação de habilidades motoras, níveis restritos de força, de velocidade, de coordenação, etc.

De acordo com Araújo (2005), ter um nível de flexibilidade elevado é de fundamental importância em qualquer idade, tornando-se crucial na terceira idade. A terceira idade é caracterizada como um período no qual a realização dos movimentos apresentam grandes restrições decorrentes do processo de envelhecimento, isso acaba impossibilitando a realização de atividades simples, como sentar, agachar, levantar, desse modo a flexibilidade proporciona uma vida mais saudável e grande independência ao idoso. Para Platanov (2004) cada esporte possui exigências especificas da flexibilidade devido à biodinâmica dos exercícios de competição.

Ainda segundo Araújo (2005) a flexibilidade desempenha grande papel em diversas modalidades esportivas, como na ginástica, no futebol, no tênis, e em outras como na dança, nas artes cênicas, contribuído para a realização dos movimentos de forma mais eficazes.

1.3. Fatores que influencia na flexibilidade

Diversos são os elementos que influenciam diretamente na restrição e na capacidade de individuo flexionar-se. Autores como Dantas (2005) destacam diversos fatores, como os endógenos (idade, sexo, individualidade biológica, somatotipo), e os exógenos (hora do dia, temperatura ambiente, exercícios e fadiga).

Fatores endógenos

Idade: A idade é um fator limitador da flexibilidade devido aos tendões e as fáscias musculares serem particularmente susceptíveis de se espessarem (DARDEN, apud DANTAS, 2005).

Sexo: Pessoas do sexo feminino apresentam uma maior flexibilidade, seja na infância, adolescência ou na fase adulta. Araújo (2005) aponta três fatores principais, os Hormonais (níveis séricos elevados de relaxina durante a gestação), os Culturais (expectativa de maior graciosidade feminina) e os Morfológicos (menor tônus muscular e ligamentos mais relaxados).

Individualidade Biológica: A Individualidade biológica também é um fator determinante nos níveis de flexibilidade. Segundo Achour Jr (2007) isso ocorre devido ás peculiaridades anatômicas apresentadas por cada individuo, seja ela decorrente do seu genótipo ou de patologias, um bom exemplo desse fato são os portadores de síndrome de Down que apresentam um grau de amplitude de movimento muito superior ao de um individuo comum.

Somatotipo: Refere-se à restrição física que o individuo apresenta em finalizar um movimento por completo, fato causado pelo excesso de algum tipo de tecido, seja ele adiposo ou muscular, (ALTER, 1999). Para Alter (1999) essa avaliação não pode ser de forma generalizada, haja vista que podem ocorrer alterações nos níveis de massa muscular e adiposa, e ainda o tipo de exercício á ser realizado.

Fatores exógenos

Hora do dia: Ao acordamos geralmente os componentes plásticos estão mais rígidos, o que provoca certa resistência aos movimentos de maior amplitude, (DANTAS, 2005).

1.4. Tipos de flexibilidade

A flexibilidade pode ser classificada como geral e especifica, e ainda como balística, estática, dinâmica,

Alongamento e flexibilidade: um estudo sobre conceitos e diferenças

http://www.efdeportes.com/efd176/alongamento-e-flexibilidade-concei

e controlada (ARAÚJO, 2005). Cada modalidade esportiva ou atividade física apresenta um tipo especifico de flexibilidade.

Flexibilidade Balística: Apesar de não ser utilizado com freqüência no cotidiano, esse tipo de flexibilidade é de grande relevância. Sua mensuração pode ser realizada através do relaxamento de toda a musculatura que envolve a articulação participante do movimento, e o segmento corporal é mobilizado por um agente externo, por exemplo, uma pessoa, (DANTAS, 2005).

Flexibilidade Estática ou Passiva: Conceituada como a maior amplitude de movimento que uma pessoa pode alcançar com ajuda de forças externas, uma pessoa, um aparelho, (ARAÚJO, 2005).

Flexibilidade Dinâmica: Para Dantas (2005), é a máxima amplitude de movimento articular alcançada por uma pessoa de forma voluntária. Outra definição é apresentada por Monteiro (2005), que a caracteriza como a maior amplitude alcançável por meio da contração muscular agonista.

Flexibilidade Controlada: observável quando se realiza um movimento sob a ação dos músculos agonista de forma lenta, ate chega à maior amplitude na qual seja possível realizar uma contração isométrica, (Dantas, 2005).

2.

Alongamento

2.1.

Definição

O

termo alongamento possui várias definições dentro da literatura. Para Fernandes et al. (2002)

alongamento é uma tensão aplicada aos tecidos moles que provoca sua extensibilidade, sendo executados como forma de aumentar a mobilidades articular e diminuir a incidência de contraturas. Outra definição é apresenta por Dantas (2005), na qual alongamento é a forma de atividade que tem como objetivo manter os níveis de flexibilidade obtidos através da realização de movimentos com amplitudes normais, sem restrições físicas.

2.2. Importância

Todos os dias ao despertarmos a primeira coisa que fazemos é o ato de alongar, um gato ou um cachorro freqüentemente se alongam, contraindo e relaxando grupos de músculos. Desse modo, o alongamento é um ato constante em nossas vidas. Segundo Geofroy (2001), os principais benefícios que podemos adquirir através da prática do alongamento, seriam a prevenção de problemas tendinosos, de lesões musculares (distensões, lacerações, contraturas), de problemas articulares, o bem estar físico, o desenvolvimento da consciência corporal, a flexibilidade, etc. Para Geoffroy (2001) tanto atletas como as pessoas em geral podem gozar dos benefícios do alongamento.

Para Fernandes et al. (2002), o alongamento é uma técnica importante utilizada por profissionais de Educação Física e Fisioterapeutas em diversos programas de treinamento, tanto no esporte, na escola, quanto na academia. O alongamento é recomendado ainda para reduzir a dor muscular que se instala logo após a prática de atividade física (FERNADES et al., 2002).

2.3.

Tipos de alongamento

O

alongamento pode ser devido em dois grupos, ativo dinâmico, e estático passivo (GEOFFROY,

2001).

Ativo-Dinâmico: Segundo Geoffroy (2001), são aqueles em que há a junção de um alongamento

Alongamento e flexibilidade: um estudo sobre conceitos e diferenças

http://www.efdeportes.com/efd176/alongamento-e-flexibilidade-concei

submáximo com uma contração muscular estática. Para Alter (1999) esse tipo de alongamento não exige uma posição final.

Estático-Passivo: O alongamento estático passivo para Geoffroy (2001) é um alongamento que mantém a mesma posição por determinado tempo, e é realizado de forma lenta, utilizando os grupos musculares de uma forma global.

Existe ainda outro tipo de alongamento definido por Dantas (2005), como método de facilitação neuromuscular proprioceptiva.

Método de Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva: Este tipo método utiliza a influência recíproca entre o fuso muscular e o Órgão Tendinoso de Golgi de um músculo entre si e com os do músculo antagonista, obtendo dessa forma máxima amplitude de movimento, (DANTAS, 2005).

3. Alongamento versus flexibilidade

A diferença entre alongamento e flexibilidade muito se assemelha á diferença entre Atividade Física e Exercício

Físico. Atividade Física é qualquer atividade que resulte em gasto de energia, varrer uma casa, lavar um carro, pegar o controle da TV, ir ao banheiro, constantemente realizamos atividades dessa natureza (FERNANDES et al., 2002). Por outro lado Exercício Físico é um tipo de treinamento que visa à melhora do desempenho do individuo, força, potência,

velocidade, e é realizado de forma sistematizada, com numero de séries, tempo, dietas, o exercício físico possui todo um planejamento a ser seguido que é não presente na atividade física.

A distinção então entre alongamento e flexibilidade compartilha dessa idéia. Enquanto flexibilidade é termo da

qualidade física relacionada á saúde, alongamento é a técnica utilizada com intuito de alongar os músculos e desenvolver a flexibilidade (FOX & CORBIBIN, apud MENDONÇA, 2005). Para Fernandes et al. (2002) no alongamento, principalmente aquele realizado de forma Ativa ou por Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva (FNP) há trabalho muscular, e conseqüentemente um gasto energético. Por outro lado, um programa de treinamento físico cujo objetivo é desenvolver a flexibilidade, o trabalho vai constituí-se basicamente de exercícios de alongamento organizados de

forma sistematizada, a fim de desenvolver a capacidade física “flexibilidade”.

Uma boa distinção entre alongamento e flexibilidade é discutida por Dantas (2005). Ele apresenta uma hipótese na qual o alongamento é uma forma de trabalho que visa à manutenção dos níveis de flexibilidade adquiridos através da realização de movimentos com amplitudes normais e com o mínimo de restrição física. Ao passo que a flexibilidade é conceituada por ele como a execução voluntaria de movimentos com máxima mobilidade articular. Dessa forma, os alongamentos seriam utilizados para manter os níveis de flexibilidades, e o método utilizado para desenvolver essa capacidade física seria o flexionamento (tipo de treinamento para desenvolver a flexibilidade).

A partir da idéia apresentada por Dantas (2005) percebe-se que o alongamento só pode responder pela mobilidade articular submáxima, que não causa restrição física, ou seja, aquela pequena dorzinha que sentimos ao ultrapassar o limite da articulação é caracterizada como o inicio do treinamento para de flexibilidade, e não mais como alongamento. Outro fator que difere alongamento de flexibilidade é o tempo de excussão. O alongamento possui o tempo de duração de aproximadamente 10 segundos, excedendo esse limite de tempo se faz presente o treinamento de flexibilidade (Dantas, 2005).

O alongamento por trabalhar com níveis de amplitude articulares normais desenvolve apenas pequenas deformações nos componentes plásticos (mitocôndrias, retículo sarcoplasmático, sistema tubular, ligamentos), já o flexionamento, por demandar alta intensidade de execução de movimentos provoca grandes deformações, e ainda adaptações duradouras nesses componentes plásticos, proporcionando dessa forma uma maior mobilidade articular (DANTAS, 2005).

Alongamento e flexibilidade: um estudo sobre conceitos e diferenças

http://www.efdeportes.com/efd176/alongamento-e-flexibilidade-concei

Alter (1999) verificou grandes diferenças entre alongamento e flexibilidade, abordando sobre os mecanismos proprioceptivos. Os proprioceptores enviam informações para o sistema nervoso sobre o que está acontecendo no músculo, os principais são o fuso muscular e o OTG (Orgão Tendinoso de Golgi) (BADARO et al., 2007). Devido ás baixas intensidades de execução o alongamento não possui o poder de acionar as terminações nervosas e disparar a aferência proprioceptiva, diferente da flexibilidade que estimula o fuso muscular e causa a contração da musculatura ativada (DANTAS, 2005).

Assim, a partir das idéias apresentadas acima, percebe-se que existem várias diferenças técnicas, mecânicas e fisiológicas entre alongamento e flexibilidade, cada um com sua definição, tipos e importância.

Considerações finais

Apesar de alongamento e flexibilidade estarem intimamente ligados, de agirem praticamente sobre os mesmos componentes, músculos, ligamentos, mobilidade articular, eles apresentam grandes diferenças principalmente quanto á definição, importância, técnicas de execução. Enquanto flexibilidade está relacionada á um tipo de capacidade física caracterizada pela máxima amplitude de movimento, o alongamento é classificado como o meio, a técnica utilizada para desenvolver essa capacidade. O escasso acervo bibliográfico construído sobre essa temática, certamente contribui para a falta de compreensão dos profissionais da atividade física sobre essas diferenças. Desse modo, esta pesquisa foi elaborada com intuito de atentar discentes de Educação Física e demais Profissionais do âmbito da atividade física para que compreendam as diferenças entre alongamento e flexibilidade, e posteriormente possam está aplicando da melhor forma possível nas academias, clubes esportivos, escolas, em qualquer ambiente de trabalho os conhecimentos adquiridos, sempre procurando contribuir para o aprendizado.

Falha na conexão segura

Referências bibliográficas

ACHOUR JUNIOR, A. Alongamento e flexibilidade: definições e contraposições. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, v.12, n.1, p. 54-58, 2007.

ALTER, M. J. Ciência da flexibilidade. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 1999.

BADARO, A.F.V.; SILVA, A.H.; BECHE, D. Flexibilidade versus alongamento: esclarecendo as diferenças. Saúde

(Santa Maria). 2007; 33(1): 32-6.

DANTAS, Estélio H. M. Alongamento e Flexionamento. 5ª ed. Rio de Janeiro: Shape, 2005.

FERNANDES, André; MARINHO, Adriana; VOIGT, LÚ; LIMA, Vicente. Cinesiologia do Alongamento. 1ª ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2002.

GEOFFROY, Cristophe. Alongamento para todos. 1ª ed. Barueri, SP: Manole, 2001.

MENDONÇA, Meg. Método de Alongamento RP2. 1ª ed. São Paulo: Phorte, 2005.

MONTEIRO, Gisele de Assis. Avaliação da Flexibilidade. Manual de Utilização do Flexímetro Sanny. 1ª Edição. São Bernardo do Campo, SP 2000.

PLATONOV, V. N. Teoria do treinamento desportivo olímpico. 1. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.

Outros artigos em Portugués

Alongamento e flexibilidade: um estudo sobre conceitos e diferenças

http://www.efdeportes.com/efd176/alongamento-e-flexibilidade-concei

Búsqueda personalizada EFDeportes.com, Revista Digital ·
Búsqueda personalizada EFDeportes.com, Revista Digital ·
Búsqueda personalizada EFDeportes.com, Revista Digital ·
Búsqueda personalizada EFDeportes.com, Revista Digital ·

Búsqueda personalizada

EFDeportes.com, Revista Digital · Año 17 · N° 176 | Buenos Aires, Enero de 2013 © 1997-2013 Derechos reservados