Vous êtes sur la page 1sur 116

  você

  acha   que   pode   estar   com   depressão   ou   mesmo   se   já   está   em


Se  
tratamento  e  quer  realmente  melhorar,  este  livro  é  para  você.

 
Neste   livro   você   terá   uma   fonte   descomplicada   de   informações   que   serão
 transformadas   em   atitudes   práticas   para   superar   a   depressão,   incluindo   as
dúvidas  mais  comuns:

•  O  que  é  depressão
•  Quais  os  sintomas  da  depressão;
•  Ansiedade  faz  parte  do  quadro  depressivo;
•  Depressão  causa  problemas  de  sono;
•  Como  é  o  tratamento  da  depressão;
•  Quais  as  causas  da  depressão;
•  Como  prevenir  a  depressão;
•  Existe  cura  da  depressão.
AVISOS
Este livro foi escrito para ajudar você a melhorar sua saúde. Sua
finalidade não é substituir uma consulta médica, nutricional ou as
orientações de qualquer profissional de saúde.

Não utilize medicamentos sem orientação do seu médico.


INTRODUÇÃO
Se você acha que pode estar com depressão ou mesmo se já está em
tratamento e quer realmente melhorar, este livro é para você.

Há mais de 10 anos atuando como médico psiquiatra, sei como os sintomas


da depressão podem ser difíceis, causando perdas na vida familiar, social e
profissional.

Tem sido uma grande oportunidade de aprendizado, poder realizar o


diagnóstico e o tratamento da depressão de milhares de pacientes.

E foi por meio destas experiências, aliadas a estudos e pesquisas, que


percebi quais eram as atitudes que levam a um tratamento de sucesso.

Acredito que, para realmente melhorar é essencial avançar além do


tratamento convencional.

Neste livro você terá uma fonte descomplicada de informações que serão
transformadas em atitudes práticas para superar a depressão, incluindo as
dúvidas mais comuns:

O que é depressão;
Quais os sintomas da depressão;
Ansiedade faz parte do quadro depressivo;
Depressão causa problemas de sono;
Como é o tratamento da depressão;
Quais as causas da depressão;
É possível prevenir a depressão;
Existe cura da depressão.


A decisão de escrever este livro nasceu porque meus pacientes não
encontravam uma fonte acessível para estas dúvidas, e muito menos,
orientações sobre atitudes para realmente melhorar.
Os livros disponíveis acabavam sendo muito complexos, limitando seu
aproveitamento aos profissionais de saúde. Enquanto muitos outros eram
simplistas, propondo soluções milagrosas e subestimando os aspectos
biológicos e o impacto da depressão.

Por isto dediquei tempo e cuidado para selecionar as melhores evidências


científicas que trazem maior impacto para superar a depressão.

E principalmente, reuni informações que serão transformadas em atitudes


para sua vida.

Também inclui relatos de casos de pacientes que implementaram as


atitudes contidas no livro e atingiram uma melhora real e sustentada.

Estas atitudes estão organizadas para que você coloque-as em prática de


uma forma natural:

Compreender a depressão.

O primeiro passo é entender, pois para conquistar algo é preciso


compreensão. Aqui você terá informações claras sobre o que é depressão e
como seus sintomas se manifestam. Além de entender como é realizado o
diagnóstico e o tratamento da depressão.

Empoderar-se.

Em seguida o livro apresentará a importância de desenvolver uma atitude


ativa sobre sua vida e sua saúde. A partir desta nova visão uma grande
diferença positiva será iniciada.

Utilizar todo o potencial dos medicamentos.

Neste capítulo você terá uma compreensão prática que fará com que os
medicamentos tornem-se aliados ainda mais poderosos no seu tratamento.

Dormir para renovar a energia e o humor.

Neste ponto, você entenderá melhor os mecanismos do sono e as


ferramentas para dormir bem e realmente despertar com energia.
Nutrir o corpo e o cérebro.

Neste capítulo você irá descobrir o que realmente faz diferença na


alimentação para melhorar o humor, o bem estar e o desempenho físico.

Produzir antidepressivos naturais com atividades físicas.

Aqui você vai aprender a superar as três maiores barreiras para iniciar e
manter uma vida ativa, gerando melhora no humor, ganho de energia e
aumento da auto-estima.

Aprimorar os relacionamentos.

O modo como você relaciona-se tem um impacto profundo no cérebro,


podendo ser uma fonte renovável de energia, felicidade e significado. Neste
capítulo serão apresentadas maneiras de como tornar isto realidade.

Conhecer a si mesmo.

Neste capítulo foram reunidas as pesquisas dos maiores cientistas do


mundo para que você possa entender sua mente e conhecer a si mesmo
como fonte de energia, felicidade e significado.

Se você chegou até aqui, já iniciou o caminho para realmente melhorar da


depressão, e vai ser muito bom poder chegar do outro lado, melhor e mais
feliz.

Sua opinião é muito importante


Eu gostaria muito de sua opinião sobre o livro, pois sua experiência será
uma fonte de aprendizado única para mim e também para outras pessoas
que estão em busca de superar a depressão.

Por isto, peço que clique aqui agora e dedique um minuto para avaliar o
livro e deixar seu comentário.

Muito obrigado por ter escolhido este livro para fazer parte de sua
melhora!

Dr. José Hamilton Vargas


COMPREENDENDO A DEPRESSÃO
SERÁ QUE VOCÊ TEM DEPRESSÃO?
Quero iniciar este capítulo falando sobre Ana,1 mãe de dois filhos e
advogada no começo de sua carreira. Formou-se em Direito, após o
nascimento do segundo filho, pois a dedicação à gravidez exigiu que a
faculdade fosse interrompida por algum tempo. Ainda assim, valeu a pena,
dois grandes sonhos foram realizados: iniciou sua carreira na advocacia, e
está orgulhosa dos filhos lindos e saudáveis.

Apesar da rotina puxada para equilibrar a vida profissional e familiar, Ana


considera-se uma pessoa feliz. Claro que nem tudo era perfeito. Os prazos
no trabalho, muitas vezes, adentravam suas noites em casa com marido e
filhos, e, outras vezes, discussões em casa drenavam um pouco seu ânimo
no dia seguinte frente aos processos do escritório.

Mas tudo se resolvia e as energias renovavam-se com o sorriso dos filhos,


um beijo do marido ao chegar em casa e quando uma causa era ganha pelo
escritório.

O estranho foi que, de algumas semanas pra cá, começou a se pegar


chorando. Emocionava-se com maior facilidade, sentindo um aperto no
peito quando via aquelas notícias do jornal e até cenas de novela um pouco
mais fortes faziam seus olhos marejarem.

Pensou consigo mesma: “Devo estar de TPM prolongada, mas isto vai
passar”.

O problema é que não passava, na verdade, progredia. A cada dia, sentia-se


mais cansada para coisas que faziam parte da sua rotina. Passou a irritar-se
com pequenas críticas ou mesmo comentários bobos, antes considerados
inofensivos.

A irritação criava situações difíceis com colegas de trabalho, discussões


com o esposo e reações explosivas com os filhos, para se transformarem
momentos depois, em seu íntimo, motivo para culpar-se e remoer-se,
julgando-se a pior mãe do mundo ou a pior esposa ou a pior advogada.
Estes pensamentos de culpa e fracasso começaram a ser companhias
noturnas frequentes. Antes, dona de um sono de pedra, Ana sentia agora
dificuldades para adormecer, rolando na cama, buscando um jeito de
dormir, enquanto remoía problemas de ontem e de amanhã. Remoía
problemas, mas a soluções pareciam distantes. Quando, enfim, adormecia, o
sono não completava a noite, despertando uma, duas, até três horas antes
do normal.

O cansaço ficou cada vez mais presente e, junto com ele, uma falta de
satisfação nas coisas que fazia. Costuma ser tão bom concluir um processo
e ajudar um cliente, mas agora parecia tão cinza e sem sentido. A graça de
chegar em casa foi esvaindo-se, assim como o sorriso do seu rosto, antes
sempre luminoso.

Algumas semanas haviam se passado e a preocupação do esposo passou a


tornar-se cada vez mais evidente. Ele perguntava o que havia com ela, o
que estava acontecendo, mas o resultado era mais angústia, pois Ana não
sabia a resposta.

Ainda assim, a preocupação e os questionamentos surtiram resultado. Ana


também começou a refletir. O que tinha acontecido com ela? O que estava
ocorrendo? Algo estava errado, aquilo não podia ser normal.

Decidiu conversar com o esposo e com sua família. Também resolveu fazer
uma busca na Internet. E achou várias pistas para uma doença que hoje é a
quarta maior causa de incapacitação e perda de qualidade de vida no
mundo2: a depressão.

Será que estaria com depressão? E agora, como ter certeza do diagnóstico?
E principalmente, como tratar? E será que tem tratamento? Sentiu um
embrulho no estômago…
A DEPRESSÃO É UMA DOENÇA
Para não possibilitar especulações, perda de tempo e, principalmente, o
sofrimento desnecessário, fui direto e objetivo na definição da depressão.

A depressão é uma doença que provoca uma mudança em como a vida é


sentida e percebida. É como se lentes escuras e embaçadas fossem
colocadas frente aos olhos de quem está passando por um quadro
depressivo.

As lentes escuras criam uma visão negativa e pessimista dos fatos, sejam
eles do presente, passado ou futuro. Esta visão escura cria uma sensação de
tristeza, angústia e até medo.

As lentes embaçadas não deixam que as coisas sejam captadas com suas
cores vívidas. Pelo contrário, a vida torna-se sem graça: tudo aquilo que
dava prazer e satisfação agora não tem mais sentido.

Em termos médicos, a depressão é chamada de transtorno depressivo de


acordo com a classificação internacional das doenças da Organização
Mundial de Saúde (OMS)1. Por isto, utilizarei estas duas definições como
sinônimos.

A depressão é uma doença que vem sendo estudada há mais de dois mil
anos, desde a Grécia Antiga.2 É claro que não exatamente com este nome,
nem com a compreensão que se tem hoje, mas, ainda assim não é uma
doença nova ou inventada, está registrada em documentos médicos há
milênios.

Na Antiguidade, Hipócrates, considerado o pai da medicina ocidental,


referia-se à depressão como melancolia. Avicena, um dos maiores médicos
da Idade Média, descrevia o humor depressivo como “acedia” ou falta de
satisfação ou prazer nas coisas.3

Os cientistas atuais estudam a depressão em diversas populações em


diferentes locais do mundo, aprofundando o conhecimento disponível
sobre este transtorno.
Pesquisas recentes sobre o funcionamento do cérebro demonstram que um
quadro depressivo possui um mecanismo neurobiológico complexo.4

Estou mais do que mencionando estes fatos, pois quero reforçar que
depressão não é um pecado, um castigo, uma vergonha ou uma fraqueza.

Pensar desta forma ou ser influenciado nesta direção pode trazer muito
sofrimento, agravar um quadro depressivo e, principalmente, adiar a
procura por um tratamento adequado.

Estudos realizados em todo o mundo apontam que a depressão possui uma


prevalência de 9,5%5 no curso da vida. Isto significa que, nos dias de hoje,
mais de 700 milhões de pessoas têm ou terão depressão no curso de suas
vidas.

Adicionalmente, o transtorno depressivo é um dos maiores responsáveis


por perda de qualidade de vida e incapacitação6.

Todos estes dados reunidos neste capítulo possuem um único propósito:


mostrar que você pode superar a depressão, pois compreender é
conquistar.

Estas informações agora podem tornar-se atitudes reais para que você não
se deixe levar pelo preconceito e também que você mesmo possa ser uma
fonte de orientações para outras pessoas.

É um importante passo em direção à melhora ter consciência de que a


depressão é uma das mais antigas e bem reconhecidas desordens médicas,
e, principalmente, tem tratamento.
PSIQUIATRIA SEM SEGREDOS
PROCURANDO UM PSIQUIATRA
Voltamos ao caso de Ana, que tinha visto sua vida mudar da alegria de ter
conquistado uma família e ter iniciado uma carreira, para uma angústia
sem explicação e uma perda paulatina da satisfação em tudo que dava
sentido à vida.

Ana fez um esforço para falar com o esposo e abrir-se para sua família, pois,
no fundo, sentia-se mal em ter que dizer o que estava lhe passando. Mas
sentiu-se melhor ao compartilhar suas angústias e receber apoio do esposo
e da família. O esposo também prontificou-se a procurar indicações de
psiquiatras e também pesquisou na Internet alguns profissionais.

Ainda assim, a ficha só caiu quando a secretária ligou para confirmar a


consulta que seria no dia seguinte. Foi uma mistura paradoxal: um frio na
barriga e uma sensação de alívio na cabeça, pois, enfim, iria descobrir o que
realmente estava acontecendo e voltar ao normal.

O frio na barriga veio da dúvida sobre consultar um psiquiatra. Pensava


consigo mesma: “Eu não estou louca. Ou estou?”.

Não, Ana não estava louca. Mas esta é uma dúvida comum, criada por
preconceitos nascidos da falta de informação.

O psiquiatra é o médico especializado em cuidar da mente. E a grande


maioria das doenças da mente não comprometem o juízo crítico da pessoa,
ou seja, não poderiam ser classificadas como loucura.

Isto quer dizer que a maior parte das doenças e transtornos com que o
médico psiquiatra lida são mais comuns e podem afetar pessoas em seus
cotidianos: depressão, estresse, ansiedade, medos, etc.

Para diagnosticar e tratar estas condições, a formação em Psiquiatria exige


seis anos de faculdade de Medicina e três anos de residência médica, tempo
de aprendizado na prática em hospitais e serviços especializados.

Na verdade, a formação nunca tem fim, pois esta área do conhecimento


médico é uma das que mais que crescem no mundo, com milhares de
pesquisas e trabalhos científicos publicados em revistas todos os anos.

Somado a isto, existe um aprendizado que considero único e extremamente


gratificante nesta especialidade: aprender com os pacientes e suas
experiências de vida.

Outros médicos podem realizar o diagnóstico e o tratamento de um quadro


depressivo, principalmente se sua região não conta com especialistas.
Nestas situações, o médico encaminha casos mais complexos ao psiquiatra,
ou mesmo recebe o apoio de psiquiatras em casos que necessitem de maior
cuidado.

Ainda assim, um médico só pode dizer-se especialista ou psiquiatra se tiver


seu título devidamente registrado no Conselho Regional1 de Medicina.

O aprendizado constante, o longo período para formação e o


desenvolvimento de habilidades específicas são as justificativas que
mostram o quanto é importante a escolha de um profissional médico
devidamente registrado e qualificado.

Você pode consultar a lista de médicos psiquiatras em seu estado por meio
do site do Conselho Regional de Medicina local. É possível consultar pelo
nome e pelo número de inscrição, a especialização constará ao lado do
nome do profissional.
COMO É UMA CONSULTA COM O PSIQUIATRA?
O dia da consulta de Ana chegou, mas na noite anterior sua cabeça estava
cheia de dúvidas de como seria uma consulta com o psiquiatra. O que
deveria falar? Como deveria agir?

Esta é uma dúvida comum, pois ainda existe alguma confusão sobre a
Psiquiatria. Então vou esclarecer as principais dúvidas e apontar algumas
particularidades desta especialidade.

Como uma especialidade médica, a consulta em Psiquiatria possui muitos


aspectos em comum com a consulta médica geral.

Para entender melhor, na consulta, existe uma divisão em partes, que irei
descrever abaixo, mas isto não significa que exista uma ordem específica,
nem mesmo que essas partes não possam ser realizadas de forma
concomitante.

Acrescento que não existe uma regra para consultas. Cada médico procura
se adequar para oferecer o melhor para seu paciente.

Anamnese
Este é o termo utilizado pelos médicos para entrevistar seu paciente e
entender sua história clínica. Esta história deve ser bastante detalhada e,
por isto, demanda tempo. Muitos aspectos devem ser avaliados.

O médico pode procurar saber sobre os principais relacionamentos


pessoais e familiares; a profissão e o ambiente de trabalho; atividades de
lazer e passatempos do paciente. Estes aspectos mostram o contexto em
que a pessoa está inserida, ou seja, mostram uma visão mais completa do
paciente.

A investigação cuidadosa dos sintomas possui um componente formado


pelo relato espontâneo do paciente, e um componente direcionado, com
perguntas feitas pelo médico sobre vários quesitos importantes ao
diagnóstico.

Para complementar, é importante colher informações sobre diagnósticos


de outras condições de saúde, uso de medicamentos, histórico de doença
mental pessoal e na família.

No capítulo Diagnóstico, mostrarei como você pode reunir alguns dados


que ajudarão seu médico a entender melhor o seu quadro.

Exame físico
O psiquiatra também realiza exame físico, afinal, a própria observação
exterior pode revelar diversos sinais.

O exame físico detalhado depende desta observação e das queixas


específicas de cada paciente.

Por exemplo, algumas vezes, é necessário avaliar o sistema cardiovascular


por meio da ausculta e da medição da pressão arterial, pois alguns
medicamentos podem interferir neste sistema. Outras vezes, um exame
palpatório pode ajudar a identificar um problema na tireoide, muitas vezes,
relacionado à depressão.

Exame psíquico
A observação do comportamento faz parte do exame psíquico e inclui a
avaliação de aspectos da consciência, discurso, pensamento, humor, afeto,
concentração, memória e outros. O exame psíquico pode ser
complementado por meio de testes, escalas e questionários.

Exames complementares
O psiquiatra também solicita exames para complementar ou excluir
diagnósticos diferenciais. A formação médica é essencial para diferenciar
outras condições patológicas que podem estar associadas a quadros
depressivos.
No capítulo sobre diagnóstico, você irá entender mais sobre o papel dos
exames.

Onde fica o divã?


Quando o senso comum ou televisão fala em psiquiatra, é comum
pensarmos em um divã, um senhor barbudo e um paciente deitado falando
sobre sua vida, mas esta cena é, na verdade, do psicanalista. A psicanálise
realmente popularizou a ciência da mente graças ao seu fundador, o
médico Sigmund Freud.1

Mas o consultório do psiquiatra é semelhante ao consultório médico geral,


ou seja, composto por mesa, cadeira, maca, etc.

Frequência das consultas


As consultas em psiquiatria não possuem sessões pré-definidas. Na
verdade, a frequência das consultas depende de cada caso e de cada
momento.

Existem pacientes que necessitam de consultas mensais, enquanto outros


estão em uma fase de manutenção do tratamento com consultas em
intervalos maiores, até que seja o momento da alta.

O importante é manter um acompanhamento médico adequado, pois


abandonar o tratamento é uma grande causa de recaída e de melhora
incompleta da depressão.
DIAGNÓSTICO
ENTENDA O DIAGNÓSTICO DA DEPRESSÃO
O diagnóstico de um quadro depressivo é um ato médico, mas entender
alguns aspectos relacionados a esta doença, certamente, vai ajudar tanto
você quanto o seu psiquiatra durante a consulta. Não ficar no escuro e
poder participar de forma ativa é um importante passo para melhorar de
verdade.

De acordo com pesquisas científicas e consensos internacionais, é possível


identificar indivíduos com maior probabilidade de estar com depressão ao
se receber uma resposta positiva a qualquer uma das questões abaixo:1

• Durante o último mês, você vem se sentindo para baixo, triste ou


sem esperança?
• Durante o último mês, você tem se incomodado por ter pouco
interesse ou prazer em fazer as coisas?

Se a resposta for “sim”, existe uma possibilidade de estar em um quadro


depressivo que mereça uma consulta médica.

Nesta consulta, é importante que você fale o que está sentindo e quais as
influências que isto tem provocado em sua vida.

O médico psiquiatra complementará com perguntas que ele julga


importantes para definir o diagnóstico.

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM IV)2 da


Associação Americana de Psiquiatria define critérios específicos para um
um episódio depressivo. Estes critérios estão descritos como fonte de
referência no apêndice.

A partir destes critérios, desenvolvi uma lista prática com cinco itens
essenciais para que você reflita e utilize para melhorar sua consulta:

1. Humor: Tente refletir e fazer um retrospecto da sua alegria e satisfação


nas coisas que gosta. Como está a paciência? Tem sentido irritação?
2. Apetite: Tem comido mais? Perdeu o apetite? Isto teve reflexo no seu
peso? As refeições trazem a mesma satisfação? Você tem comido para
aliviar a ansiedade?

3. Sono: Que horas você vai para cama? Quanto tempo demora para
adormecer? Desperta no meio da noite? Quantas vezes? Desperta muito
cedo? Acorda renovado? Dorme durante o dia?

4. Energia: Como está a disposição para realizar suas atividades? Existe


energia para trabalho, lazer e atividades sociais?

5. Concentração e memória. Como está sua atenção para leitura? Como


anda seu desempenho para tarefas que exigem raciocínio? Tem tido
esquecimentos ou lapsos de memória?

Um adendo importante: uma pessoa com depressão pode ter ideias sobre
morte e suicídio.

Não tenha vergonha de falar sobre isto, converse com o seu médico, ele não
fará nenhum julgamento. Muitas vezes, o transtorno depressivo cria uma
lente escura para as coisas, fazendo com que se pense que partir, morrer ou
terminar a própria vida seja a solução. Mas lembre-se de que estas lentes
não são suas, e que esta forma de enxergar a vida nem sempre foi assim.
Você está procurando o médico justamente para restaurar o seu modo de
ser e voltar a enxergar a vida com todas as coisas que ela tem para oferecer.

Informações adicionais

Histórico

É importante que o médico investigue se houve episódios semelhantes no


passado, pois quadros depressivos recorrentes podem sinalizar uma maior
predisposição genética e afetar a conduta em relação ao tratamento.

O oposto da depressão: mania

Para um diagnóstico adequado, é importante investigar se já existiram


momentos de alteração do humor diferente da depressão, isto é, períodos
de um humor anormalmente elevado, excesso de otimismo, envolvimento
com atividades de risco ou aceleração (fazendo muitas coisas ou falando
demais), muita disposição e pouca necessidade de sono.

Este conjunto de sintomas tem que ter duração maior do que 4 dias
consecutivos, podendo durar até meses.

Este quadro descrito acima é característico de um episódio de mania ou


hipomania, que pode ser considerado um período de humor oposto ao da
depressão.

Pessoas que apresentam estes episódios podem ser portadoras de


transtorno bipolar do humor, isto é, oscilam entre dois polos: depressão
(negativo) e mania (positivo).

Atentar para este histórico é importante, pois o tratamento de uma


depressão comum ou unipolar é bastante diferente do tratamento do
transtorno bipolar. Você mesmo pode refletir ou perguntar para pessoas
próximas se já notaram este comportamento.

Outras condições de saúde

Também faz parte da consulta, saber sobre outras condições de saúde com
as quais o paciente foi diagnosticado. Outras doenças podem contribuir
para o desenvolvimento de um episódio depressivo, assim como outros
medicamentos em uso ou já usados podem interferir no quadro depressivo
e no tratamento a ser prescrito.

Relatar o uso de álcool, tabaco e drogas. Aqui, ressalto novamente, que é


essencial ter abertura com o médico, não existe julgamento no consultório.

Exames complementares

Exames complementares podem solicitados para ajudar a esclarecer o


diagnóstico de depressão, principalmente para descartar doenças que
podem desencadear ou apresentar-se como sintomas depressivos.

Inclui os principais exames complementares como fonte de referência no


apêndice.
AS CAUSAS DA DEPRESSÃO
O QUE CAUSOU SUA DEPRESSÃO?
Procurar a causa ou buscar o porquê é um pensamento natural e esperado.

Por isto, antes de avançar em direção ao tratamento, considero que


entender as causas da depressão é importante para que você saiba o que
está enfrentando.

As causas da depressão são multifatoriais, isto é, existem diversos fatores


que contribuem para seu desenvolvimento. Atualmente, os pesquisadores
possuem uma teoria refinada para entender porque alguém entra em
depressão. Este teoria é chamada de diátese-estresse.1

Neste capítulo, apresentarei um modelo para tornar esta teoria fácil de ser
compreendida. Vou pedir para você imaginar um cenário que irei comparar
com a maneira com que o corpo e a mente funcionam.

Imagine uma ponte ligando dois lados de um rio. Esta ponte possui vários
pilares que lhe dão sustentação. Os pilares estão fixos no fundo do rio e
emergem até a pista metros acima.

Por esta ponte, trafegam veículos de todos os tamanhos: carros, ônibus e


carretas. Quanto maior a carga, maior a tensão ou estresse imposta à ponte
e aos pilares.

A água do rio varia bastante, pode ter destroços, pode ter correnteza.

Comparo os pilares com nossos genes. Genes são peças de informações


localizadas no núcleo de cada célula do corpo humano. Existem genes para
dizer a cor dos olhos, outros para dizer a força dos músculos e também
genes que estão relacionados com aspectos do temperamento, capacidade
de reação e adaptação.

Neste cenário, os pilares são os genes responsáveis por características de


adaptação e resistência ao estresse.

Os veículos que trafegam sobre a ponte podem ser comparados aos


estressores da vida. Quanto maior o estresse, maior a carga em cima da
ponte. O interessante é que o estresse é algo totalmente pessoal, o que é
estressante para mim, pode não ser para você.

Esta informação é poderosa, pois o estresse é algo que pode ser


influenciado, principalmente mudando a forma de interpretar, reagir e
adaptar-se ao fator estressante.

Por fim, comparo tudo que o está na água com os vários fatores que nosso
organismo tem que lidar, além do estresse psicológico: vírus, bactérias,
parasitas, poluentes químicos, drogas ilícitas, alimentos, álcool, tabaco,
medicamentos, oscilações de hormônios, entre outros.

Reunindo estas informações é possível entender como a teoria diátese-


estresse explica a causa de um episódio depressivo.

Se uma pessoa possui, em seus genes, alguma predisposição genética para


depressão, posso dizer que um ou dois pilares estejam com uma falha na
estrutura, rachaduras. Os pequenos estresses da vida vão e vem, e a ponte
continua de pé: são carros, e os pilares, mesmo com pequenas rachaduras,
aguentam bem a carga sobre eles.

Mas surge um grande estresse, algo como a morte de uma pessoa próxima.
Isto pode equivaler a uma carreta bastante pesada para a maioria das
pessoas. Neste momento, a ponte tem sua estrutura abalada, aqueles
pilares rachados acabam por se romper e a ponte não aguenta o peso,
desmoronando: a pessoa desenvolve um episódio depressivo.

Perder alguém próximo é um grande estresse, representando tristeza, luto


e até desesperança para a maioria das pessoas. A vida seguiria em frente,
mas, no exemplo acima, instala-se um quadro depressivo, sendo
recomendado um tratamento para restaurar aquela ponte.

Listei abaixo os eventos que causam o maior nível de estresse2 psicológico.


É óbvio que não existe regra para isto, pois depende da percepção
individual, ainda assim, achei válido incluir esta tabela para que você
perceba como outras pessoas em todo o mundo podem reagir a situações
estressantes.
Pontuação de
Evento percepção de
estresse
Morte do cônjuge 100
Separação conjugal 73
Prisão 63
Morte de membro familiar próximo 63
Doença ou lesão física grave 53
Casamento 50
Demissão 47
Reconciliação conjugal 45
Aposentadoria 45
Doença em membro da família 44
Gravidez 40
Morte de amigo 37

Também fiz questão de incluir a água turbulenta em nosso cenário


justamente para falar de outras coisas, além do estresse psicológico, que
podem desencadear um quadro depressivo. Diversos fatores biológicos
e/ou químicos podem afetar o funcionamento equilibrado do cérebro:

• Alimentação inadequada;
• Sedentarismo;
• Sono insuficiente;
• Consumo excessivo de álcool;
• Abuso de drogas;
• Desequilíbrios hormonais;
• Doenças autoimunes
• Infecções;
• Medicamentos, e muitos outros.

O objetivo deste capítulo é que você perceba que a depressão possui


diversas causas, mas nenhuma delas inclui fraqueza, castigo ou qualquer
coisa da qual você tenha que se envergonhar.

A atitude prática que nasce desta compreensão é colocar um fim no


preconceito e desmistificar a depressão.
Neste conjunto de causas, existem fatores que não estão sob o controle
direto, como por exemplo, uma predisposição genética (rachaduras nos
pilares) ou um evento estressante inevitável (carretas muito pesadas). Por
outro lado, existem diversos fatores nos quais você pode e deve atuar.

Agora que você compreendeu as causas da depressão, estou certo de que


está mais apto a enfrentá-la e iniciar um tratamento para realmente
melhorar.

Nos próximos capítulos você vai descobrir como os tratamentos atuam


restaurando os pilares e a estrutura da ponte, mas, também irá avançar
além do tratamento convencional, atuando em fatores para fortalecer seus
pilares e proteger sua ponte de cargas pesadas.
TRATAMENTOS
O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA REALMENTE MELHORAR
O tratamento da depressão deve ser, acima de tudo, personalizado. A
dedicação de tempo e atenção a um diagnóstico eficaz, que permita
entender as características da pessoa, do seu momento atual e do episódio
depressivo, são as bases para iniciar um tratamento de sucesso.

Acredito que, para realmente melhorar, é essencial avançar em relação ao


tratamento convencional. É preciso ir além de simplesmente receber uma
receita passiva e engolir algumas pílulas.

Quando digo ir além do tratamento convencional e adotar um tratamento


personalizado, estou me referindo a dois aspectos. O tratamento deve ser
concebido especialmente para você. E você deve ser o principal agente de
sua melhora.

É essencial perceber que pertence a você o poder para melhorar sua saúde
e sua vida.

É disto que este livro se trata. De empoderar você.

Estou certo de que você já possui este poder. O que irei fazer é apenas
despertar esta consciência para que você participe de uma forma ativa em
sua melhora.

Desenvolver a consciência de que, na vida, existem fatores que não podem


ser controlados, mas também existem diversos fatores nos quais você pode
atuar.

Cora Coralina,1 poetisa brasileira, escreveu:

“Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar,
ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que
o mais importante é o decidir.”

Está em você o poder de decisão. Muitos fatores dizem respeito somente a


você e precisam exclusivamente de sua atitude para que mudem para
melhor.

Você já iniciou o caminho para realmente melhorar da depressão, e vai ser


muito bom poder chegar do outro lado, melhor e mais feliz.

Como você chegou até este ponto, sei que está preparado para apoderar-se
do seu tratamento e da sua melhora, então este capítulo vai te dar uma
visão clara sobre como funciona e quais são as terapêuticas mais modernas
utilizadas para tratar um quadro depressivo.

Fiz questão de incluir dados históricos e científicos, pois como disse,


compreender faz parte da cura. E, neste caso, algumas informações muito
interessantes serão agora familiares para você.

Assim como o objetivo do capítulo sobre diagnóstico não era que você
gravasse os critérios diagnósticos de depressão, também este capítulo não
possui a finalidade de torná-lo um prescritor, mas alguém que saiba que
existem diversos recursos e conquiste sua melhora.

Pesquisas, estudos e consensos médicos estão sempre em busca de


evidências sobre quais tratamentos são realmente efetivos contra a
depressão.

Podemos dividir o tratamento convencional em 03 modalidades:


medicamentos, psicoterapia e outras terapias somáticas.

Estas três modalidades não são excludentes, isto é, podem e devem


trabalhar juntas. Uma abordagem que veja o paciente como um todo é a
melhor maneira de integrar os tratamentos disponíveis.
MEDICAMENTOS ANTIDEPRESSIVOS
Estou certo de que o sucesso de todo tratamento começa pela sua
compreensão.

Compreender os medicamentos vai evitar erros de pensamentos comuns,


que podem impedir você de realmente melhorar. Aqui estão alguns deles:

• Os medicamentos tratam apenas os sintomas, e não a causa;


• Os medicamentos são muletas, quando eu deixar de usá-los,
voltarei a ter depressão;
• Tenho que me ver livre destes remédios o mais rápido possível;
• Ficarei dependente;
• Os medicamentos vão me dopar;
• Se um medicamento não funcionar, outros também falharão;
• Não preciso fazer mais nada, a não ser tomar estas pílulas.

Neste capítulo, você terá uma compreensão prática que fará com que os
medicamentos tornem-se aliados ainda mais poderosos no seu tratamento.

Os pesquisadores descobriram o primeiro antidepressivo puramente ao


acaso nos anos 1950.1 Procurando um tratamento para tuberculose, Irving
Selikoff e Edward Robitzek começaram experimentações clínicas com duas
novas substâncias e perceberam que os pacientes apresentaram uma
melhora no humor e na disposição.

A partir de então foram iniciadas diversas pesquisas direcionadas ao


tratamento da depressão. Em 1958, o primeiro antidepressivo foi lançado
oficialmente.

É interessante notar que, passaram-se apenas 60 anos desde a primeira


descoberta, antes disto, as pessoas tinham parcas alternativas em termos
de tratamento. Não é a toa que um preconceito se formou no século
passado sobre a doença mental, pois foram muitos anos sem tratamentos
realmente eficientes.

Nas últimas décadas, foram descobertas e desenvolvidas dezenas de novas


substâncias antidepressivas, cada qual com um mecanismo de ação
próprio, apesar de alguma similaridade entre si.

No final desta seção disponibilizei uma tabela com os principais


antidepressivos como uma referência fácil para consultas quando dúvidas
surgirem no caminho.

Com tanta variedade, é importante que o medicamento seja escolhido


baseado no perfil individual de cada paciente. Esta escolha deve ser feita
baseada na história clínica, e, por isto, nunca deve ser fruto de
automedicação ou uma escolha do tipo “estou usando tal medicamento,
porque funcionou com o meu vizinho”.

Você pode estar se perguntando: Por que devo conhecer melhor esses
medicamentos, se não irei me automedicar?

Porque, como já mencionei, considero que entender o próprio tratamento é


muito importante e gera uma participação ativa no processo de melhora.

Mecanismos de ação
Como estas substâncias antidepressivas agem no cérebro? Esta é uma
pergunta relevante, por isto vou concentrar a resposta em 3 pontos que
farão uma grande diferença no seu tratamento:

1. O papel destes medicamentos é contribuir para o equilíbrio de


substâncias químicas no cérebro, os neurotransmissores. Estas substâncias
são utilizadas pelas células do cérebro para trocar informações entre si.
Estas informações podem ser pensamentos e sensações.

Não necessariamente uma pessoa com depressão possui substâncias


neurotransmissoras faltando, como é comum dizer: “depressão é falta do
neurotransmissor serotonina”.

Estes medicamentos não irão repor estes neurotransmissores. E considero


esta informação muito libertadora.

Isto significa que os medicamentos não estão dando algo que o corpo não
tem, pelo contrário, eles estão ajudando o próprio cérebro a recuperar seu
equilíbrio natural: a cura está dentro do paciente e não fora, em uma pílula.

2. Medicamentos antidepressivos não causam dependência nem precisam


de maiores doses com o passar do tempo. Esta é outra informação valiosa,
pois deixa claro que o seu modo de agir é a partir do equilíbrio das
substâncias naturais do cérebro.

3. É preciso de 2 a 3 semanas para que os antidepressivos produzam efeito.


O cérebro precisa deste tempo para retomar seu equilíbrio natural. Saber
que o efeito não é imediato fará com que você não desista antes de
perceber o resultado.

Duração do tratamento
Você já sabe que é preciso um tempo para que o antidepressivo inicie o
efeito desejado. Mas quanto tempo dura o tratamento?

Na comparação sobre as causas da depressão, foi falado que o objetivo do


tratamento é restaurar a ponte e seus pilares. A diferença é que os pilares
do cérebro estão vivos, são como troncos de árvores.

Então, pense no tratamento antidepressivo como uma irrigação para uma


muda de árvore que foi plantada no pomar. Você rega o pequeno arbusto
todos os dias com um pouco de água, ele cresce verde e cada vez mais forte.
Mesmo assim você continua regando, até que o arbusto desenvolva raízes
profundas e um tronco vigoroso para que possa se nutrir da água vinda da
chuva e do solo.

Assim também é o cérebro: ele precisa estar bem por um período suficiente
para que possa manter o equilíbrio sozinho, sem a necessidade do
medicamento.

Retirar o medicamento antes do momento correto pode levar à recaída, isto


é, ao retorno do quadro depressivo.

Você não vai simplesmente deixar de regar o pequeno arbusto só porque


ele está verde, senão, em pouco tempo, ele perderá as folhas. É preciso
continuar até que ele esteja verde e forte o suficiente.

Apesar do tempo de tratamento ser um critério individual, existem


pesquisas científicas e consensos que recomendam uma duração entre 6 a
12 meses2 para um episódio depressivo único, assumindo que os sintomas
depressivos estejam realmente controlados.

Esta informação é fundamental, pois mostra que é preciso de 6 a 12 meses


de uma melhora real, ou seja, ausência de sintomas depressivos. Não basta
usar 6 meses de medicação, com sintomas persistindo, e simplesmente
interromper o tratamento.

É de vital importância melhorar realmente, ou seja, permanecer bem por 6


a 12 meses. Este período de uso do medicamento após a recuperação do
quadro depressivo é chamado de fase de continuação.

Pessoas com quadros depressivos crônicos ou recorrentes, isto é, que


tiveram outros episódios depressivos, necessitam de um tempo maior de
tratamento para evitar novos quadros.

Consensos médicos recomendam que pessoas que tiveram 3 ou mais


episódios depressivos mantenham o medicamento como parte do
tratamento de forma contínua, caracterizando a terapia de manutenção.

A terapia de manutenção tem maior recomendação para casos em que


existam sintomas residuais, estressores em curso, histórico familiar e
episódios depressivos graves no passado.3

Partindo destes princípios, torna-se evidente a necessidade de avançar


além do tratamento convencional. É preciso adotar uma postura ativa e
desenvolver algumas atitudes para realmente atingir a melhora completa.

Nos próximos capítulos, estas atitudes essenciais serão abordadas em


detalhe.

Falha ao atingir a melhora esperada

Falta de resposta ou resposta parcial são os termos utilizados quando o


tratamento medicamentoso não atinge a melhora esperada.

Neste capítulo, você compreendeu que os medicamentos antidepressivos


necessitam de, pelo menos, 2 semanas para iniciarem seus efeitos, então é
fundamental aguardar este período mínimo para avaliar a resposta. Na
verdade, levando em consideração o aumento gradual da dose, avaliações
são geralmente feitas após 4 semanas de tratamento.

Os principais fatores para falha medicamentosa são a utilização de doses


abaixo das recomendadas e/ou por tempo insuficiente.

Os estudos científicos apontam diversas estratégias para casos em que o


medicamento falha em apresentar a resposta adequada, incluindo:

Ajuste e aumento da dose;


Troca para outra substância antidepressiva;
Associação de antidepressivos;
Associação de medicamentos complementares; e
Utilização de Eletroconvulsoterapia (detalhes no capítulo de terapias
somáticas).

A consequência prática desta informação é que você deve ter um diálogo


aberto com seu psiquiatra, informando sobre a persistência de algum
sintoma depressivo. Para isto, você pode utilizar o capítulo 2 como
avaliação dos seus sintomas.

Você também já sabe que é preciso ir além de simplesmente receber uma


receita passiva e tomar algumas pílulas.

Nos próximos capítulos você vai descobrir como desenvolver as atitudes


essenciais para atingir uma melhora completa dos sintomas depressivos.

Principais antidepressivos disponíveis


A tabela abaixo mostra os principais antidepressivos disponíveis.
Inclui a divisão por classes para que você tenha uma ideia sobre a
variedade de opções que seu médico pode utilizar. A classe de um
antidepressivo está relacionada ao seu mecanismo de ação.

Antidepressivos
Classe Tricíclicos
Amitriptilina
Clomipramina
Imipramina
Nortriptilina
Classe Inibidores Seletivos de Recaptação de Serotonina
Citalopram
Escitalopram
Fluoxetina
Fluvoxamina
Paroxetina
Sertralina
Classe Inibidores de Recaptação de Serotonina e
Noradrenalina
Desvenfalaxina
Duloxetina
Venlafaxina
Classe Moduladores de Noradrenalina
Mirtazapina
Classe Moduladores de Serotonina
Nefazodona
Trazodona
Classe Inibidores de Recaptação de Dopamina e Noradrenalina
Bupropiona
Classe Agonista de Melatonina e Antagonista Seletivo de
Serotonina
Agomelatina
Classe Inibidores da Monoaminoxidase
Tranilciproamina
Moclobemida

Os medicamentos antidepressivos são prescritos utilizando um tipo de


receituário especial. São duas folhas, uma via para farmácia, outra via para
o paciente. A primeira via é retida após a compra, obedecendo às normas
da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA4). Jamais utilize estes
medicamentos sem orientação médica.
MEDICAMENTOS COMPLEMENTARES
Os medicamentos antidepressivos são a base do tratamento farmacológico
da depressão, mas existem outros medicamentos que podem ser utilizados
para auxiliar e potencializar sua resposta.

Novamente gostaria de salientar que, apesar de ter organizado as


informações de forma a facilitar o entendimento, ainda assim existe uma
considerável quantidade de dados e não espero que você memorize tudo.

O objetivo é disponibilizar aqui uma referência fácil para consultas quando


dúvidas surgirem no caminho e principalmente mostrar que existem
alternativas para melhorar um tratamento que ainda não atingiu a resposta
completa.

Por isto, siga em frente por meio do acompanhamento regular com seu
médico.

Benzodiazepínicos
Estas substâncias são também conhecidas como calmantes ou ansiolíticos,
mas prefiro utilizar o nome benzodiazepínicos para não criar uma falsa
impressão sobre suas indicações terapêuticas.

Suas principais ações são reduzir a ansiedade, atenuar a angústia e


melhorar a qualidade do sono no início do tratamento.

Como os antidepressivos demoram, em média, de 2 a 4 semanas para


produzirem o efeito, o seu médico pode prescrever benzodiazepínicos, pois
fazem efeito logo nos primeiros dias, contribuindo com a resposta inicial e
ajudando na fase de adaptação aos medicamentos.

A caixa dos benzodiazepínicos possui uma tarja preta, sinalizando risco


potencial para causar dependência. E este é um ponto que merece
atenção.
São medicamentos efetivos e muito importantes, mas devem ser utilizados
com cautela. Geralmente, o uso é por período curto,1 entre 2 a 4 semanas.

A retirada deve ser feita gradualmente para evitar sintomas, como aumento
rebote da ansiedade ou insônia. O processo de retirada deve ser bem
conversado com seu médico.

Quem faz uso prolongado do benzodiazepínico pode estar buscando evitar


a insônia, mas é indispensável lembrar que existem diversas formas de
melhorar o sono, que inclusive irei detalhar no capítulo dedicado a este
tema.

Manter uso prolongado pode gerar três complicações:

• Dependência química, muitas vezes, acarretando a necessidade de


aumento progressivo da dosagem;
• Mascarar uma melhora real, adiando ajustes nos medicamentos
antidepressivos e adoção de atitudes; e
• Prejudicar a memória2 e o desempenho cognitivo.3

Existem diversos tipos de benzodiazepínicos, variando, principalmente, na


intensidade e duração do seu efeito no organismo.

A tabela abaixo inclui as principais substâncias benzodiazepínicas:

Benzodiazepínicos
Alprazolam
Bromazepam
Clordiazepóxido
Clonazepam
Cloxazolam
Diazepam
Estazolam
Flunitrazepam
Flurazepam
Lorazepam
Midazolam
Nitrazepam
Medicamentos benzodiazepínicos são prescritos utilizando um receituário
chamado tipo B. É uma folha azul, que será retida na farmácia após a
compra, obedecendo as normas da ANVISA.4 Jamais utilize estes
medicamentos sem orientação médica.

Hipnóticos não-benzodiazepínicos
Estes medicamentos são utilizados para induzir o sono, mas não possuem
propriedades calmantes ou relaxantes.

Apesar de não terem um potencial para dependência, também devem ser


utilizados por período curto,5 entre 2 a 4 semanas.6

A retirada deve ser feita gradualmente para evitar sintomas de insônia


rebote. O processo de retirada deve ser bem conversado com seu médico.

Abaixo uma tabela com os hipnóticos não-benzodiazepínicos disponíveis:

Hipnóticos não benzodiazepínicos


Zaleplona*
Zolpiclone*
Zolpidem
* Até a data de publicação deste livro, não disponível no Brasil.

Hipnóticos não benzodiazepínicos são prescritos utilizando um tipo de


receituário especial. São duas folhas, uma via para farmácia, outra via para
o paciente. A primeira via é retida após a compra, obedecendo às normas
da ANVISA7. Lembre-se, jamais utilize estes medicamentos sem orientação
médica.

Estabilizadores de humor
Uma classe que pode estar presente no tratamento são os estabilizadores
de humor, um conjunto variado de substâncias com diferentes mecanismos
de ação.
Estes medicamentos possuem uma indicação primária para o tratamento
do transtorno de humor bipolar e/ou crises convulsivas, mas seu médico
pode prescrever como estratégia para potencializar o efeito antidepressivo,
ou seja, trazer mais resultado ao tratamento.8

A tabela abaixo inclui os principais estabilizadores de humor utilizados em


episódios depressivos:

Estabilizadores de humor
Lítio
Lamotrigina
Valproato
Oxcarbazepina
Carbamazepina

Estabilizadores de humor são prescritos utilizando um tipo de receituário


especial. São duas folhas, uma via para farmácia, outra via para o paciente.
A primeira via é retida após a compra, obedecendo às normas da ANVISA9.
Jamais utilize estes medicamentos sem orientação médica.

Antipsicóticos
Apesar deste nome um tanto assustador, estes medicamentos são, na
verdade, uma grande variedade de substâncias, que, devido a sua aplicação
inicial em quadro psicóticos, foram assim reunidos sob uma mesma
categoria.

Antipsicóticos podem ser utilizados no tratamento antidepressivo,10 e não


necessariamente quer dizer que o paciente esteja com as doenças listadas
em suas bulas (transtornos psicóticos, esquizofrenia, etc.).

Alguns medicamentos desta classe possuem propriedades para


potencializar os resultados do tratamento, especialmente em casos em que
somente os antidepressivos não foram suficientes.

A tabela abaixo mostra os antipsicóticos mais utilizados com estes


objetivos:
Antipsicóticos
Aripiprazol
Olanzapina
Quetiapina
Risperidona

Estabilizadores de humor são prescritos utilizando um tipo de receituário


especial. São duas folhas, uma via para farmácia, outra via para o paciente.
A primeira via é retida após a compra, obedecendo as normas da ANVISA11.
Jamais utilize estes medicamentos sem orientação médica.

Hormônio tireoidiano
A suplementação com tri-iodotironina (T3), um hormônio produzido
naturalmente pela glândula tireóide para regular o metabolismo, mostrou-
se efetiva para melhorar a resposta antidepressiva.

Portanto, o médico pode acrescentar o T3 ao tratamento, mesmo que o


paciente não possua um problema na tireoide. Jamais utilize este
medicamento sem orientação médica.
SUPERANDO EFEITOS COLATERAIS
Efeitos colaterais são grandes vilões, principalmente porque influenciam
diretamente na maior causa de fracassos de tratamento medicamentoso: o
abandono.

O objetivo desta parte é fornecer as ferramentas para que você possa


manejar os efeitos colaterais juntamente com seu médico.

Efeito colateral é um efeito não desejado, como se o medicamento estivesse


agindo fora do alvo pretendido. Mas, na verdade, o medicamento não
possui consciência do seu alvo, ele age no corpo em diversos pontos,
produzindo efeitos no organismo de uma forma dinâmica.

A boa notícia sobre os efeitos colaterais dos medicamentos antidepressivos


é que eles são, em grande parte, passageiros. Isto mesmo, estes efeitos
surgem nos primeiros dias do tratamento, mas tendem a desaparecer no
decorrer de uma a duas semanas1.

Saber disto é essencial, pois preparar uma dose inicial de paciência pode
ser a diferença entre desistir e chegar à cura.

Adicionalmente, os efeitos variam de organismo para organismo. Algumas


pessoas não apresentam nenhum efeito colateral.

Embora cada substância tenha um perfil de efeitos colaterais, irei abordar


aqui os mais comuns e as formas fáceis de lidar com eles.

Lembre-se de que os efeitos colaterais listados abaixo possuem alguma


possibilidade de ocorrer, mas não significa que ocorrerão em você, muito
menos que ocorrerão mais de um deles.

Inicie gradualmente.

Iniciar com doses menores é uma maneira simples e extremamente


eficiente de evitar efeitos colaterais.2 Converse com seu médico sobre
iniciar o tratamento com pequenas doses e aumentar gradualmente. A
maioria dos medicamentos pode ser fracionada nos primeiros dias. Existem
até cortadores de comprimidos, que tornam a tarefa rápida e prática.

Alguns medicamentos, por serem formulados para liberação prolongada,


não permitem que sejam fracionados. Nestes casos, podem existir
apresentações com doses menores para iniciar o tratamento, por isto, vale
a pena perguntar ao seu médico.

Náuseas, azia e perda de apetite

Efeitos gástricos podem ser comuns, não porque os antidepressivos


causem danos ao estômago, mas porque o trato gastrointestinal possui
receptores semelhantes aos do sistema nervoso.3 Estes efeitos também são
passageiros, pois logo o organismo adapta-se.

Além de iniciar gradualmente, evite tomar os medicamentos em jejum e


forre o estômago para reduzir estes efeitos colaterais. Geralmente, quanto
maior a refeição, menor o impacto provocado pelo medicamento, ou seja,
caso você venha a ter estes efeitos tomando após o café da manhã, existe a
possibilidade de tomar após o almoço.

Somente preste atenção caso seu médico tenha prescrito um horário


específico. Por exemplo: alguns medicamentos devem ser tomados antes de
dormir para melhorar a qualidade do sono, então, você pode adicionar um
lanche leve à noite e reduzir o tamanho do jantar para compensar.

Adicionalmente, vale a pena evitar outras substâncias agressivas, como


café, álcool, alimentos ácidos (limão, laranja, vinagre, etc.), pimenta e
excesso de temperos, pelo menos enquanto o organismo ainda estiver com
estes efeitos gástricos.

Intestino preso

Também conhecido como constipação intestinal, pode ser um efeito


colateral comum. A solução é tomar mais água e incluir, em todas as
refeições, alimentos reguladores do ritmo intestinal: mamão, ameixa, aveia,
laranja com bagaço, saladas de folhas, legumes cozidos e outros alimentos
ricos em fibras.
Iogurtes naturais ou que contenham lactobacilos também podem ser
adicionados a alimentação para melhorar a flora intestinal e seu
funcionamento.

A ingestão de água varia conforme cada organismo, mas, em média, deve


ser em torno de dois litros por dia (oito copos). Caso você pratique
atividade física, more em local quente, ou transpire muito, aumente esta
quantidade.

Sucos, refrigerantes e café não substituem a água, além de piorarem a


constipação intestinal.

Banana, arroz branco, massas brancas deixam o ritmo intestinal lento,


piorando a constipação.

Sonolência diurna

Alguns medicamentos tendem a induzir o sono, que pode se estender


durante o dia. Ainda assim, estes efeitos podem variar de pessoa para
pessoa.

Se você está tomando um medicamento pela manhã que lhe causa


sonolência durante o dia, pergunte ao seu médico se pode tomar à noite.

Em casos de medicamentos que causam sonolência diurna, mesmo


tomados à noite, a solução é tomá-los com maior antecedência antes de ir
para cama, garantindo algumas horas extras de sono.

Lembre-se que este efeito de sonolência tende a minimizar-se com o tempo


e o sono logo retorna ao normal.

Insônia ou agitação

O inverso da sonolência também pode acontecer, ou seja, antidepressivos


sendo tomados à noite, mas causando dificuldade para iniciar o sono ou
mesmo, uma noite agitada.

Isto acontece porque algumas substâncias possuem propriedades


estimulantes. Esta energia adicional logo encontra equilíbrio e o corpo
adapta-se, cessando o efeito colateral de agitação.

Consultar o seu médico sobre fazer uso da medicação pela manhã pode
resolver o problema de insônia ou noite agitada.

Aumento de apetite e ganho de peso

De acordo com estudos, existem medicamentos com tendência a aumentar


o apetite, outros a perder e outros neutros. Mas, novamente, os efeitos
podem variar em cada organismo.

Como estamos falando de efeitos colaterais passageiros, o aumento de


apetite também pode ser, mas é importante conversar com seu médico
sobre a persistência na mudança do apetite, gerando dificuldades para
manter-se no peso desejado. Nestes casos, podem ser necessários ajustes
de dose ou mudanças na prescrição.

No capítulo sobre alimentação, você vai encontrar informações e maneiras


de lidar com a questão do peso, melhorar sua composição corporal e, ainda,
maximizar os resultados do seu tratamento.

Ainda assim, é importante ficar atento, caso você já tenha sobrepeso ou


obesidade. Nestes casos, pode ser indicado um acompanhamento com um
nutricionista para melhorar a alimentação de forma mais eficiente.

Alteração no desejo e função sexual

O próprio quadro depressivo é um importante fator negativo na esfera


sexual, mas se disfunções sexuais forem identificadas como sendo causadas
pelo antidepressivo, é importante relatar ao seu médico.

Redução no desejo sexual, prolongamento do tempo para atingir o orgasmo


são efeitos mais comuns, porém temporários. A perda da função erétil ou
incapacidade de atingir o orgasmo são efeitos colaterais raros.4

Caso efeitos como estes persistam após as primeiras semanas de


tratamento, converse com seu médico, pois ajustes nas doses, trocas de
medicamentos ou associações são medidas simples para restaurar a
qualidade da vida sexual. O essencial é não deixar esta questão passar em
branco.

Alergias

Reações alérgicas não são efeitos colaterais, mas considero importante


dedicar um espaço para falar delas, visto que não tendem a desaparecer
com o tempo.

Uma reação alérgica é uma resposta do sistema imunológico do corpo que


confundiu o medicamento com uma substância estranha e danosa ao
organismo. Estas reações podem manifestar-se nos primeiros dias, ou até
semanas depois do início do tratamento. Os principais sinais e sintomas
são:

• Coceira em vários locais do corpo;


• Inchaço, geralmente em mais de um local, como ao redor dos olhos,
boca, dedos;
• Vermelhidão ou manchas pelo corpo e maior sensibilidade ao sol; e
• Falta de ar, em casos graves.

Estas reações alérgicas, apesar de raras, não são passageiras e exigem o


contato com seu médico e interrupção dos medicamentos.

Casos muito raros podem levar à falta de ar, sendo necessário procurar um
serviço de emergência médica.

Síndrome serotoninérgica

Esta síndrome é uma reação rara associada ao uso de antidepressivos


inibidores de recaptação de serotonina5 (vide tabela). Os principais
sintomas são:

• Dor abdominal;
• Diarreia;
• Sudorese excessiva;
• Febre;
• Tremores;
• Lentificação; e
• Confusão mental.

Apesar de rara, a síndrome serotoninérgica não é passageira e exige o


contato com seu médico e interrupção dos medicamentos.
PSICOTERAPIAS
A Psicologia como ciência moderna tem suas raízes em 1879, quando
Wilhelm Wundt fundou o primeiro laboratório de psicologia experimental
na Universidade de Leipzig, na Alemanha.1 Mas um momento importante
para sua popularização foi no início do século XX, quando Sigmund Freud,
médico neurologista, desenvolveu a Teoria da Psicanálise, uma maneira
elegante de compreender o funcionamento da mente humana.

Desde então, diversas outras escolas ou teorias sobre a mente surgiram,


algumas complementares, outras radicalmente opostas. Algumas voltadas
para o tratamento (psicoterapias), outras dedicadas ao estudo do
comportamento individual, social e, até mesmo evolutivo do ser humano.

Muito embora as psicoterapias vinham sendo utilizadas para combater o


sofrimento de pessoas com diversas queixas na área de saúde mental,
métodos científicos para avaliar a eficácia destas terapias somente
surgiram nas últimas décadas.

O psicólogo é o profissional que conduz as psicoterapias.2 Geralmente, a


formação do psicólogo dura cinco anos de graduação, muitas vezes,
complementada por especialização em um determinado tipo de
psicoterapia.

De acordo com Associação Americana de Psiquiatria, uma das maiores


instituições mundiais dedicadas ao estudo da saúde mental, existem
técnicas de psicoterapia com maior comprovação de eficácia no tratamento
da depressão3. São elas:

• Psicoterapia cognitivo comportamental;


• Psicoterapia interpessoal; e
• Psicoterapia psicodinâmica.


Ainda assim, existem outras modalidades de psicoterapia das quais o
paciente pode beneficiar-se. Mesmo porque os estudos sobre eficácia não
são fechados, ou seja, estão em evolução.
A escolha do tipo de psicoterapia pode surgir de uma indicação do medico,
baseado em questões subjetivas vindas à tona durante a consulta. Mas,
também pode ser uma questão de preferência do próprio paciente.

Um paciente com pensamentos negativos ou uma visão pessimista que vem


gerando um ciclo vicioso de humor depressivo pode beneficiar-se de
psicoterapia cognitivo comportamental.

Em outros casos, como estresse gerado por crises conjugais, falecimento na


família ou mesmo conflitos no trabalho, podem obter benefícios em
psicoterapias que ajudem a desenvolver novas habilidades pessoais e
formas de relacionamento mais construtivas.
OUTRAS TERAPIAS SOMÁTICAS
Estas terapias são chamadas somáticas por agirem em termos biológicos,
ou seja, possuem um mecanismo de ação físico e fisiológico, e não
psicológico.

Eletroconvulsoterapia (ECT)

Um adendo sobre o procedimento de eletroconvulsoterapia é importante,


por se tratar de um recurso extremamente eficaz, porém muito pouco
conhecido.

A eletroconvulsoterapia foi desenvolvida em 19381 e é baseada na


passagem de uma corrente elétrica controlada pelo cérebro do paciente.
Esta corrente provoca um estado convulsivo no cérebro que dura poucos
segundos, mas age como se alguns circuitos cerebrais fossem reiniciados.

É claro que essa é uma explicação simplificada, pois nem mesmo os


cientistas entendem qual o mecanismo de ação exato da ECT. Mas o que
importa é que a ECT é eficiente,2 chegando a taxas superiores de resposta
quando comparadas aos medicamentos antidepressivos.

Este procedimento é realizado em um ambiente semelhante ao consultório,


ou seja, não é necessária internação. O paciente chega, deita-se em uma
maca, recebe uma breve sedação, sendo monitorado por um anestesista. O
procedimento totalmente indolor é realizado em poucos minutos e, em
torno de meia hora, o paciente pode voltar para casa. São necessárias doze
sessões aplicadas duas a três vezes por semana.

O principal efeito colateral relatado é o prejuízo cognitivo, ou seja, pode


causar falhas de memória e/ou concentração.

Atualmente, a ECT tem sido reservada3 para:

Quadros depressivos graves que não respondem aos medicamentos


ou à psicoterapia;
Quadros depressivos com sintomas psicóticos ou catatônicos;
Pacientes com necessidade urgente de resposta (por exemplo:
ideação suicida ou recusa alimentar).

Estimulação magnética transcraniana (EMT)

A EMT utiliza uma bobina magnética em contato com a cabeça para gerar
campos magnéticos e estimular o cérebro. Este procedimento é realizado
em consultório e não necessita de anestesia.

São poucos efeitos colaterais relatados: desconforto passageiro, cefaleia e


tontura leve. Uma desvantagem apontada é a necessidade de sessões
diárias ou várias vezes na semana, gerando dificuldades de deslocamento
do paciente.

Por ser um procedimento relativamente novo, a EMT não possui evidências


científicas suficientes para ser utilizada como tratamento inicial em
quadros depressivos, sendo reservada para episódios depressivos que não
tiveram resposta satisfatória a antidepressivos e/ou ECT.4
SONO
COMO DORMIR PARA RENOVAR A ENERGIA E O HUMOR
Você chegou a um ponto decisivo para o sucesso do tratamento da
depressão: o cuidado com o sono.

Um dos impactos de um quadro pressivo é afetar a qualidade do sono,


assim como noites mal dormidas podem gerar prejuízos que levam à
depressão.1

Por isto, é extremamente importante lidar com este ciclo vicioso de


insônia-depressão-insônia.

O primeiro passo é manter o seu médico informado sobre as características


do seu sono:

• Que horas você vai para cama?


• Quanto tempo demora para adormecer?
• Desperta no meio da noite? Quantas vezes?
• Desperta muito cedo?
• Acorda renovado?
• Dorme durante o dia?

Com estas informações, fica muito mais fácil para seu médico definir uma
terapêutica adequada.

Mesmo que seu médico indique medicações para as questões relacionadas


ao sono, você não pode se limitar somente a isto, pois centenas de
pesquisas científicas demonstram que as atitudes são tão importantes
quanto o tratamento medicamentoso.2

Neste capítulo, serão fornecidas as ferramentas para dormir bem e


realmente despertar com energia. São atitudes fáceis e se começa
entendendo como o sono funciona.

Dormir parece algo simples, e, na verdade, é, até se perder uma noite de


sono, depois outra e depois outra. Quem já experimentou noites em claro
sabe como é ruim.
E o inverso é mais do que verdadeiro: uma boa noite de sono revigora as
energias, organiza as ideias e por que não dizer, traz prazer e satisfação.
Dormir não é perda de tempo, é uma fonte de boas sensações, que ainda
podem ser multiplicadas pelas fantásticas experiências dos sonhos.

O sono é uma oportunidade para o corpo reparar e rejuvenescer a si


mesmo. Uma evidência impressionante é que animais privados
inteiramente do sono perdem toda a função imune e morrem em questão
de semanas.

Centenas de outras pesquisas científicas reforçam estes achados,


mostrando que muitas das funções restaurativas do corpo como
crescimento muscular, reparo de tecidos, síntese de proteína e liberação do
hormônio do crescimento ocorrem, na maior parte, durante o sono.3

O sono também tem papel primordial na concentração, aprendizado e


memória.4 Primeiramente, uma pessoa que dormiu mal não pode focar a
atenção e consequentemente não aprende com eficácia. Em segundo, o
próprio sono tem um papel na fixação da memória, que é essencial para
armazenar uma informação nova.

Por fim, os sonhos, quer você se lembre deles quer não, possuem um papel
na organização das emoções,5 ajudando na resolução de conflitos internos
e externos.

Apesar de existir uma variação entre os indivíduos, estima-se que esta


duração ideal de uma noite de sono seja, em média, de seis a oito horas.
Existe uma tendência que a duração seja maior na infância e adolescência, e
menor após a sexta década de vida, com uma redução estimada de uma
hora de sono nesta faixa etária6.

Com todas estas evidências, agora você sabe que uma noite completa de
sono é essencial.

Você vai perceber que tem um poder muito grande em relação ao seu sono.
Você pode atuar no ambiente, pode tomar atitudes que estimulem o sono
natural e pode, até mesmo treinar o seu cérebro para dormir melhor.
Atitudes comprovadamente eficazes para
dormir bem.
Aqui estão reunidas as melhores evidências científicas com as atitudes com
maior impacto na qualidade do sono:

Deixe seu quarto escuro.

É óbvio que o cérebro precisa de escuridão para dormir bem, afinal, somos
animais diurnos e a noite faz o sono chegar. Um quarto escuro fará toda
diferença: retire a televisão do quarto, cubra frestas na janela, instale um
blecaute, se necessário; cubra pequenas luzes vindas de dispositivos
eletrônicos no quarto. Em último caso, compre uma máscara ocular.

Preze pelo silêncio.

Ruídos deixam o cérebro alerta e dificultam o relaxamento que dará início


ao sono. Não tenha televisão ou rádio no quarto. Se utilizar ventiladores ou
condicionadores de ar, escolha modelos menos ruidosos possíveis. Em
último caso, use tampões auditivos, existem modelos baratos e confortáveis
disponíveis em farmácias.

Atente para o colchão e o travesseiro.

Investir nestes dois itens tem retorno garantido. Escolher um colchão


adequado ao seu peso e um travesseiro que mantenha o pescoço alinhado
são medidas com resultado imediato. Por isto, vale um tempo a mais
escolhendo e experimentando estes itens na loja.

Faça exercícios.

Atividades físicas são importantes promotores da qualidade do sono. Os


melhores horários para serem praticadas são no início da manhã e no fim
de tarde. Exercícios e atividades agitadas devem ser evitadas próximas do
horário de deitar. No capítulo sobre atividades físicas irei abordar como
iniciar e manter este hábito.
Respeite os horários.

O sono necessita de regularidade. Ir para cama cada dia em um horário


diferente dificulta a criação de um hábito. Sabemos que surgem eventos,
festas, filmes, etc., mas é importante tomar cuidado para não abrir muitas
exceções.

Prepare-se.

Criar um ritual de preparação para dormir traz resultados. Comece


diminuindo as luzes do ambiente; se for ler, use um abajur; escolha filmes e
programas mais tranquilos para assistir antes de deitar.

Esvazie a cabeça.

Deixar para resolver os problemas quando se coloca a cabeça no


travesseiro não é uma boa estratégia. É claro que, ao deitar, surgem muitas
reflexões, mas ficar antecipando tarefas ou ruminando problemas vai
afugentar seu sono. Uma boa solução é ter, ao lado da cama, algum lugar
onde possa anotar ideias que surgirem ou tarefas pendentes, pode ser um
pequeno bloco de notas ou mesmo um celular. Este simples ato de esvaziar
a mente faz grande diferença.

Vá para cama somente quando estiver com sono.

Se você estiver rolando na cama, levante-se e dedique-se a uma atividade


tranquila: leia um livro, assista a um pouco de televisão (programas leves),
medite. Sempre com uma luz fraca ou abajur. Não se recomenda o uso do
computador por ter luz direta e próxima aos olhos. Quando sentir um
pouco de sono, volte para cama.

Jamais cheque as horas no meio da noite.

O simples ato de olhar as horas no meio da noite é terrível, pois gera


ansiedade por estar acordado e perdendo uma noite de sono. Então, jamais
cheque as horas ao acordar no meio da noite, simplesmente deixe seu
alarme programado para o horário determinado e pronto.

Não cochile durante o dia.


Mesmo após uma noite mal dormida, evite dormir durante o dia. Cochilos,
mesmo que curtos, prejudicam o sono noturno. A única é exceção é para
pessoas que já estejam dormindo bem. Estas podem tirar um pequeno
cochilo de no máximo de 40 minutos após o almoço.

Fuja da cafeína

Um dos maiores responsáveis por sono de baixa qualidade chama-se


cafeína, presente, principalmente, no café, refrigerantes à base de cola,
guaraná e bebidas energéticas. Algumas pessoas dizem que o café não
interfere em seu sono, mas isto é um equívoco, pois a qualidade do sono
fica abaixo do que poderia. Limitar as doses de café durante o dia é
importante. Uma boa medida seria, no máximo, duas xícaras (50ml cada), e
nunca após as 17h.

Cuidado com o álcool.

Beber pode ser considerado um bom indutor do sono para muitas pessoas,
mas não se engane, a qualidade do sono sob influência do álcool é péssima
e piora em proporção direta à quantidade ingerida e proximidade do
horário de deitar, ou seja, quanto maior o consumo, pior o sono.

Medicamentos para o sono


Como foi abordado no início do capítulo, um dos impactos da depressão é
afetar a qualidade do sono, por isto, entre os objetivos primordiais do
tratamento antidepressivo, está a restauração das noites bem dormidas.

Muitos medicamentos antidepressivos possuem propriedades indutoras de


sono, mas seu médico pode complementar o tratamento com
medicamentos benzodiazepínicos (tarja preta) ou hipnóticos, que foram
listados no capítulo anterior.

Ainda assim, é imprescindível que você adote uma postura ativa em relação
ao seu sono. Cuide dele. Implemente as atitudes descritas.

É preciso evitar que seu sono fique indefinidamente baseado em


medicamentos benzodiazepínicos tarja preta, pois, como foi visto, são
causadores de dependência.

E não somente isto, benzodiazepínicos não promovem um sono natural e


restaurador7.

Estou sendo insistente neste ponto, pois os estudos científicos são claros
sobre os prejuízos de longo prazo desta classe de medicamentos. Além
disto, recebo muitos pacientes em meu consultório vindos de outros
médicos que, por algum motivo, mantiveram o uso inadequado destes
medicamentos e hoje sofrem as consequências.

O objetivo do tratamento antidepressivo deve ser atuar no quadro


depressivo como um todo, melhorando o humor, a energia e o sono. E,
juntamente com suas atitudes, restaurar o funcionamento natural do
cérebro para dormir bem.

Assim, deve-se manter o medicamento antidepressivo pelo período


recomendado, mas buscar retirar o benzodiazepínico o mais breve
possível, seguindo as orientações do seu médico. Este período curto tem
sido indicado por especialista como sendo de duas a quatro semanas.8

Suplementos e fitoterápicos para o sono


Uma variedade de medicamentos fitoterápicos (extraídos de plantas) são
utilizados para acalmar e melhorar o sono. A maioria deles contém extratos
de Valeriana (Valeriana officinalis) e/ou Maracujá (Passiflora incarnata).

Mas, devido à heterogeneidade entre preparações destes extratos, doses e


métodos de estudo fica difícil uma avaliação sobre eficácia.9

A melatonina é um suplemento utilizado para melhorar o sono muito


comum no exterior, mas ainda não possui aprovação no Brasil. Trata-se de
um hormônio produzido normalmente pelo cérebro durante sono. A
melatonina tem sido avaliada em diversos estudos, que mostraram um
efeito significativo no sono,10 sendo mais efetiva para regularizar
mudanças de ciclo, como em viagens entre diferentes fusos horários.
Tendo em vista estas informações, ao adotar as atitudes descritas aqui você
terá um impacto positivo maior do que simplesmente confiar apenas em
suplementos, fitoterápicos ou benzodiazepínicos.
ALIMENTAÇÃO
COMO NUTRIR SEU CÉREBRO PARA TER MAIS BEM-ESTAR E ENERGIA
Comer é muito mais do que uma questão de suprir o corpo com energia e
nutrientes. O que comemos está profundamente associado com nossa
identidade cultural, familiar e individual. Preparar um prato é uma das
mais belas formas de expressão e compartilhar uma refeição é uma
experiência prazerosa que fortalece os laços pessoais.

Você é o que você pensa. Mas também é o que você come. A alimentação
tem um profundo impacto em sua saúde, bem-estar e felicidade.

Uma alimentação ruim pode ser a base para desenvolver um quadro


depressivo, além de diversas outras doenças, como câncer, infarto,
derrame, diabetes e obesidade. Assim como uma alimentação rica é
importante tanto para melhorar quanto para prevenir a depressão.

Alimentação saudável é tema frequente em revistas, televisão e internet,


mas em média, as pessoas continuam comendo mal. E porque isto
acontece?

Por três grandes motivos:

• A maioria das pessoas não compreende o impacto real da


alimentação no bem-estar e na felicidade;
• Existe um mito que alimentação saudável não combina com comida
saborosa;
• O excesso de informações, muitas vezes contraditórias e sem
embasamento científico, torna difícil a escolha da melhor maneira de
comer.

Neste capítulo, ficará claro porque uma alimentação faz tanta diferença na
saúde física e mental; e você irá descobrir como aprimorar sua dieta e
rapidamente perceber os resultados.

Mas, antes, gostaria de apresentar um caso.


O caso de Sueli

Sueli tinha acabado de receber seu diploma de Administradora e seu sonho


era trabalhar em uma grande empresa de tecnologia, mas o mercado de
trabalho estava difícil para recém-formados. Depois de várias entrevistas,
decidiu aceitar uma proposta de emprego como gerente em uma loja no
shopping.

Não era exatamente o que estava buscando, mas pensou que era uma boa
forma de começar e ganhar seu dinheiro, enquanto continuava investindo
em sua carreira.

A rotina na loja era pesada, pois gerenciava as vendedoras e também o


caixa. Chegava cedo e a manhã passava rápido. Tão rápido que não sobrava
muito tempo para um intervalo.

Quando chegava o horário do almoço, a praça de alimentação do shopping


não oferecia muitas opções, mas a fome acumulada apressava uma escolha,
então Sueli acabava optando por refeições como massas, sanduíches ou
frituras.

O tempo foi passando e, sem perceber, uma rotina havia se instalado. Sueli
trabalhava a manhã inteira, almoçava, passava a tarde sem comer
praticamente nada e voltava para casa à noite.

As refeições noturnas passaram a ser cada vez mais carregadas.

Foi, então, que em uma manhã, Sueli não conseguiu vestir sua calça
preferida. Tinha ganhado peso.

Um misto de tristeza e raiva tomou conta de sua mente, enquanto pensava:


“Como posso ter engordado se passo praticamente o dia inteiro sem
comer?”.

Encontrou outra peça de roupa e foi trabalhar, mas todos notaram, que
naquele dia, Sueli estava irritada com alguma coisa.

A irritação foi começando a fazer parte do seu humor, piorando nos finais
da manhã e da tarde.

Sueli sentia uma angústia, um vazio, que ela foi aprendendo a preencher
com comida.

Alguns meses se passaram e um determinado dia, enquanto mexia no


guarda-roupa, aquela mesma calça veio parar em suas mãos. Segurou a
cintura da roupa contra a sua, mas não teve coragem de experimentar.
Lágrimas escorreram por seu rosto.

Foi olhando estas lágrimas em frente ao espelho que Sueli teve um clique:
“O que está acontecendo comigo? Eu adorava vestir esta calça e sair por aí…
esta pessoa aqui na frente do espelho não é a Sueli de verdade!”.

Foi com este clique que Sueli decidiu que precisava fazer alguma coisa para
resgatar seu peso ideal e sua autoestima.

E o que Sueli pode fazer?

Você vai descobrir agora.

Entendendo como o corpo processa os alimentos


e obtém energia.
Quando você come algo, o organismo digere o alimento e o transforma em
energia para ser utilizada e/ou armazenada.

A maioria das pessoas faz três refeições ao dia: café da manhã, almoço e
jantar. Ou seja, ingere uma boa quantidade e depois passa algumas horas
sem comer nada.

Ao ingerir uma porção e, em seguida, passar um longo período em jejum,


você dá o seguinte recado ao corpo: “Você está sob estresse, talvez
atravessando um deserto ou sendo ameaçado por um predador. É preciso
armazenar toda comida possível, pois não se sabe quando irá comer
novamente, serão horas de fome e privação”.

Estas horas de fome causam no organismo a queda dos níveis de açúcar no


sangue, chamada de glicose, a principal fonte de energia do corpo e do
cérebro, causando estresse e forçando o organismo a responder.

Ao mesmo tempo, o corpo aprendeu que terá horas de jejum pela frente e é
preciso poupar.

E como o organismo poupa? Armazenando energia na forma de gordura, ou


seja, barriga, culotes e excesso de peso.

O resultado deste comportamento é que corpo tem pouca energia


disponível, causando irritação e desânimo, ao mesmo tempo em que
acumula gordura e peso.

A solução é aprender a comer em intervalos menores e em quantidades


menores. Desta forma, o corpo tem sempre energia disponível, mas nunca
em excesso.

Esta atitude traz um impacto tão grande na qualidade da sua alimentação,


que a diferença será notada em poucos dias. Ao iniciar este novo hábito,
você notará melhora do humor, redução da irritabilidade, ganho de energia,
melhora do peso e da composição corporal.

Seu cérebro precisa de alimentos inteiros.


Utilizei a palavra inteiro de propósito, para deixar claro o que significa
alimento integral, que, muitas vezes, tem sido confundido com comida de
sabor duvidoso, e tem gerado antipatia antes mesmo da pessoa
experimentar.

Alimento integral significa alimento inteiro, ou seja, que preserva todos os


seus componentes.

A saúde do cérebro necessita destes alimentos por diversas razões. A


primeira delas, é que nutrientes essenciais, como vitaminas e minerais dos
alimentos inteiros, participam de processos que regulam o humor, a
disposição e o desempenho mental.1

Adicionalmente, os alimentos inteiros são uma forma de manter o corpo e


o cérebro nutridos com energia disponível, mas nunca em excesso. Isto
porque estes alimentos são digeridos de forma mais equilibrada.

A alimentação humana utiliza os alimentos inteiros há milhares de anos,


mas a industrialização recente produziu uma avalanche de produtos
processados, com a finalidade de deixá-los mais macios e artificialmente
cheios de açúcar.

Este processo elimina importantes componentes dos alimentos e mascara o


verdadeiro sabor, deixando apenas a sensação do doce ou do fácil de ser
mastigado.

E onde estão estes alimentos processados?

O arroz polido ou branco é um exemplo de alimento processado. O arroz


integral é retirado de sua casca, polido e lavado extensivamente até ficar
tão branco, que resta muito pouco de seus nutrientes e fibras.

A farinha de trigo branca é feita a partir do trigo inteiro ou integral, mas,


depois de processada, torna-se farinha de trigo branca, passando a não ter
praticamente nada deste rico alimento, somente calorias que facilitam o
ganho de peso.

O açúcar é auge do processamento. Ao ser retirado e processado do caldo


da cana, o açúcar é um dos maiores vilões dos alimentos industrializados,
sendo considerado por muitos estudiosos o “diabo branco”.

O açúcar é tão rapidamente absorvido, que seu próprio pico provoca um


estresse no metabolismo, mas, em pouco tempo, todo o excesso é
armazenado em forma de glicogênio e gordura.

Estudos comprovam que o açúcar pode até causar sintomas de


dependência e abstinência,2 explicando porque muitas pessoas com
depressão desenvolvem um comportamento compulsivo por doces.

Adicionalmente, o açúcar encontra-se escondido em outros produtos, como


doces, bolachas, bolos, refrigerantes, sucos, etc.
O refrigerante pode conter mais de dez colheres de chá de açúcar
dissolvidas em água com gás e conservantes em uma única lata de 355ml.

O suco industrializado feito somente com o sumo da fruta e acrescentado


de açúcar é tão nocivo quanto um refrigerante, pois perdeu grande parte
dos nutrientes originais e ainda traz consigo conservantes. O suco
verdadeiro deve ser feito com a fruta inteira.

Com este excesso de produtos processados, uma alimentação inteira que


deveria ser uma atitude natural, pode parecer um sacrifício, pois o hábito
de comer alimentos doces e macios é reforçado.

Mas o segredo é começar a incluir os alimentos inteiros gradualmente, em


vez de simplesmente cortar alimentos processados.

Em relação ao açúcar, é importante saber que você não precisa dele tanto
quanto você imagina. Na verdade, você pode treinar seu paladar para
apreciar alimentos que não são tão doces, bastando, para isto, reduzir
lentamente o açúcar no café, no suco, nos cereais, nas receitas caseiras, etc.

Com o tempo, você irá notar que sua alimentação será tão boa e gostosa,
que, praticamente, não sobrará espaço para os alimentos processados.

Gorduras boas e ruins para o cérebro


Gorduras são vilãs, certo? Errado. Saber escolher as gorduras certas para
fazer parte do seu cardápio tem um efeito surpreendente em sua saúde
física e mental.

O impacto das gorduras na saúde mental não é surpresa quando se analisa


a composição do cérebro: 50% é formado de gordura.

O que os cientistas descobriram é que existem gorduras boas, que


participam da formação e regeneração do cérebro, por outro lado, existem
gorduras ruins, que são prejudiciais.

Gorduras muito ruins


Estas gorduras nem sequer existiam na alimentação humana e foram
criadas recentemente, na forma de produtos industrializados. São
conhecidas com gordura hidrogenada ou trans.

Não é surpresa que tais gorduras sejam prejudiciais: o corpo não aprendeu
a lidar com elas, o organismo não está naturalmente preparado para
processar gorduras trans da alimentação industrializada.

Gorduras trans aumentam um tipo de colesterol extremamente danoso ao


corpo e ao cérebro, além de gerarem um estado de desequilíbrio
metabólico no organismo.3

Suas principais fontes são alimentos industrializados que contenham


gordura vegetal hidrogenada, muitas vezes sinalizados no rótulo como
gordura trans. Por isto, vale a pena ficar atento ao comprar alimentos
processados e/ou prontos, como margarinas, hambúrgueres, nuggets,
bolachas, bolos, salgadinhos, etc. Estes alimentos devem ser evitados ao
extremo.

Gorduras ruins

Certos tipos de gordura, se consumidas em excesso, são responsáveis por


aumentar o colesterol, danificar o sistema cardiovascular, dificultar que o
sangue circule pelo cérebro e, por fim, criar um estado de desequilíbrio em
todo organismo. Estas são as gorduras saturadas.4

As principais fontes de gordura saturada são as carnes bovina e suína, leite,


manteiga e queijos gordos.

Não é preciso ser radical, mas vale a pena reduzir a quantidade e procurar
cortes com menor quantidade de gordura. E, em relação aos laticínios, vale
a pena reduzir a manteiga e procurar queijos e leites com menor teor de
gordura.

A carne de aves, em contrapartida, tem pouca gordura, representando uma


alternativa para que não seja preciso comer carne vermelha todos os dias.

Mas, atenção, a pele e miúdos de aves (coração, fígado, moela), bem como
asa e coxinha da asa têm uma quantidade maior de gordura ruim, portanto,
evite estes cortes e retire a pele na hora de preparar.

A melhor alternativa às carnes, são os peixes, como será visto adiante.

Gorduras boas

A descoberta recente dos cientistas é que existem gorduras boas que


exercem um papel protetor no organismo, melhorando os níveis de
colesterol, e participando de processos de formação5 e regeneração do
cérebro6.

São as gorduras insaturadas. Também conhecidas como mono ou poli-


insaturadas, dentre elas, os ácidos graxos ômega-3.

O interessante é que estas gorduras são os maiores constituintes das


células do sistema nervoso, os neurônios. Mas o organismo não consegue
produzi-las.

Por esta razão, é muito importante que a alimentação forneça gorduras


insaturadas.

Imagine como fica a saúde do seu cérebro se você deixa de ingerir


alimentos que contenham os nutrientes principais para a sua formação e
funcionamento.

Aqui estão alimentos ricos7 em gorduras boas, que devem ser escolhas
frequentes na sua alimentação:

• Peixes;
• Castanha, nozes e amendoim;
• Amora, abacate e açaí;
• Brócolis, couve-flor, radiche, espinafre; e
• Óleos vegetais: aqui estão incluídos o azeite de oliva, óleos de soja,
de canola, de girassol e de linhaça, que devem ser, preferencialmente,
utilizados crus, em saladas e no prato, pois o aquecimento pode reduzir
suas propriedades benéficas.
Uma bebida para o cérebro
O chá verde vem sendo utilizado há mais de 2500 anos pelos chineses e,
nas últimas décadas, inúmeras pesquisas científicas tem comprovado sua
eficácia como um poderoso alimento, capaz de trazer benefícios para o
corpo e para o cérebro.8

Os chineses consideram chá somente a bebida feita a partir da planta


Camelia sinensis. O chá verde é o mais popular, mas existem outros
advindos da mesma planta, que, apesar de terem preparações diferentes,
possuem propriedades semelhantes: chás branco, preto e vermelho.

O consumo do chá verde promove a melhora do desempenho mental e da


concentração, em um estado considerado relaxamento desperto. Esta
propriedade foi correlacionada à combinação de duas substâncias, a cafeína
e a teanina.

A cafeína é um estimulante potente, por isto o consumo do café é tão


popular, mas estimulação em excesso traz também ansiedade, inquietação
e desconforto.

A vantagem do chá verde é a pequena quantidade de cafeína, associada à


teanina, que possui efeito relaxante, sem causar sonolência.9

Outros componentes presentes no chá são os polifenóis, substâncias


antioxidantes extremamente benéficas à saúde. Podemos comparar os
antioxidantes a agentes de limpeza, que livram o organismo de substâncias
danosas10.

Como incluir o chá verde no seu dia a dia?

O gosto do chá é levemente amargo e não faz muito sentido adicionar


açúcar, um vilão do qual queremos nos ver livre. Então recomendo iniciar
com um chá leve, pouco concentrado.

Para se preparar o chá verde, o ideal é aquecer a água próximo da fervura e


despejar sobre uma caneca contendo as folhas (uma colher de chá ou um
sachê), que ficarão imersas entre 1 a 4 minutos. A água deve estar quente,
mas o objetivo não é ferver o chá ao fogo.

Quanto menos tempo as folhas ou o sachê ficarem imersos, mais leve será o
chá, assim você pode descobrir a concentração que mais lhe agrada.

Colocando em prática.

Com estas informações, você tem uma base de conhecimentos extraídos


das pesquisas científicas mais recentes sobre alimentação para saúde física
e mental, agora é preciso colocar em prática.

Em minha experiência clínica, percebi que a melhor maneira é iniciar


gradualmente.

1. Aprenda a comer de 3 em 3 horas, em pequenas quantidades.

Comece buscando um pouco de tempo no meio das manhãs e tardes. Este


tempo é precioso para você, e cinco minutos não farão tanta falta em seu
trabalho ou estudo. É uma questão de organização e prioridade.

Leve com você pequenos lanches, como frutas, castanhas, nozes, pequenos
sanduíches de pão integral e salada.

Em seguida comece a praticar os passos abaixo.

Lembre-se de que não é necessário adotar todos de uma só vez, o


importante é que, pouco a pouco estas atitudes passem a fazer parte da sua
vida. Pequenas mudanças fazem diferença.

1. Acrescente o arroz integral e mix de grãos no almoço e jantar. Evite a


monotonia de somente comer arroz branco. Experimente novos temperos e
aprenda novas receitas com as versões integrais.

2. Comece a introduzir farinha de trigo integral em suas receitas, logo você


vai perceber mais sabor e benefícios. Quando for comprar pães, bolo e
quitutes prontos, pergunte se existe a versão integral.
3. Reduza o açúcar da sua alimentação. Faça de maneira gradual, reduzindo
as medidas que você adiciona em seus sucos, vitaminas, cafezinhos e por aí
vai. O açúcar é quase um vício, pois causa tolerância, isto é, quando você
reduzir gradualmente, pequenas quantidades produzirão a mesma
sensação de sabor.

4. Coma mais frutas, principalmente inteiras. Sucos com a polpa completa


ou bagaço da fruta são muito mais saudáveis.

5. Pare de pensar no seu prato como um grande espaço para arroz e


massas. Inclua maiores quantidades de alimentos inteiros no seu prato:
feijão, ervilha, vagem, abóbora, berinjela, pepino, brócolis, couve e outras
folhas.

6. Reduza a quantidade de carne vermelha e procure cortes com menor


quantidade de gordura.

7. Reduza a manteiga, e procure queijos e leites com menor teor de


gordura.

8. Descubra novas receitas com peito de frango, para que não precise de
carne vermelha todos os dias.

9. Inclua mais peixe durante a semana, seja descobrindo novas receitas,


seja incluindo mais em seu prato ao comer fora.

10. Utilize amendoins, castanhas e nozes como pequenos lanches no


decorrer do dia. Esta é uma opção muito prática, pois são alimentos que
podem ser guardados e carregados com facilidade.

11. Em casa, não utilize óleo somente para frituras. Procure adicionar um
fio de azeite ou óleos de soja, canola ou girassol nas saladas.

12. Beba mais chá verde. Substitua as bebidas nas refeições por um chá em
seguida. Reduza ou troque o cafezinho pelo chá.
Procurando um profissional de nutrição.
Os conhecimentos reunidos aqui são uma base para que você entenda e
pratique uma alimentação saudável. Ao consultar um profissional de
nutrição você terá orientações específicas a seu caso.

Escolha um profissional que ofereça uma consulta personalizada e que


desenvolva junto com você uma alimentação saudável que realmente possa
fazer parte da sua vida.
ATIVIDADES FÍSICAS
COMO PRODUZIR ANTIDEPRESSIVOS NATURAIS COM ATIVIDADES FÍSICAS
A vida sedentária é um fator de risco comprovado para diversas doenças,1
enquanto uma vida ativa é capaz de prevenir e, até mesmo, tratar condições
que afetam a saúde física e mental.

É interessante notar que a vida sedentária é uma invenção recente da


humanidade. Todos os dias surgem equipamentos e facilidades. A lista é
interminável: televisão, controle remoto, computador, carro, máquina de
lavar e secar, geladeira, entrega de comida em domicílio, refeições
congeladas, etc.

Mas o corpo humano foi projetado pela natureza para caminhar em busca
da própria água, esticar-se para coletar frutos, correr em caçadas para
obter carne, nadar para conseguir um peixe, levantar peso para construir o
próprio abrigo e por aí vai.

Isto exigia esforço e mobilização de energia e, quando os objetivos eram


alcançados, seja uma caçada de sucesso ou ter encontrado uma árvore
cheia de frutas, o cérebro liberava várias substâncias que geravam prazer e
bem-estar, entre elas, neurotransmissores como dopamina, serotonina e
noradrenalina.

Nosso corpo e cérebro ainda são os mesmos, apesar de termos


desenvolvido novas culturas no decorrer dos séculos.

Por isto, quando você realiza atividades físicas, o cérebro continua a


responder produzindo mais dopamina, serotonina e noradrenalina,
recompensando o corpo pelo esforço.2

Adicionalmente, estas atividades produzem substâncias naturais que


combatem a dor3, chamadas de endorfinas.

Além destas substâncias, diversos estudos demonstraram que os atividades


físicas são capazes de produzir novos neurônios4 e novas conexões entre
eles.
Os efeitos antidepressivos dos atividades físicas são comprovados por
centenas de estudos científicos5 e, para exemplificar o impacto dos
exercícios, gostaria de apresentar um caso.

O caso de Joana6
Joana tinha 26 anos e era aluna de mestrado. Estava morando sozinha há
um ano, pois tinha deixado a casa dos pais para realizar seu sonho: ser
mestre em Biologia Molecular por uma universidade federal.

Mas as coisas não se mostraram tão fáceis como ela imaginou. Morar
sozinha, ler aquela pilha de livros e ainda dar conta dos experimentos no
laboratório de Biologia.

O ânimo inicial durou alguns meses, mas, pouco a pouco, começou a ficar
cada vez mais triste. Quase não saía de casa, a não ser para as aulas. Passou
a ter pensamentos negativos de que nem mesmo iria conseguir terminar o
mestrado.

Quando percebeu que estava dormindo muito mal, decidiu procurar o


médico do Hospital Universitário. Ao receber o diagnóstico de depressão
nem mesmo ficou surpresa. Saiu do consultório com uma receita de
antidepressivo e orientações sobre algumas mudanças de atitude que
poderiam ajudar.

Voltou um mês depois ao consultório. Estava tudo na mesma, apesar de ter


feito uso dos medicamentos corretamente. O médico ponderou sobre o
caso e apontou duas opções: aumentar a dose do antidepressivo ou uma
proposta alternativa e inovadora.

A segunda opção chamou a atenção de Joana: o departamento de Educação


Física juntamente com o de Psiquiatria estavam realizando um estudo
sobre o efeito de atividades físicas no tratamento da depressão.

Ao participar do estudo, ela teria que correr três vezes por semana durante
vinte a trinta minutos, em um grupo que se reunia na pista de atletismo da
universidade. O grupo recebia orientações de um Educador Físico do
departamento.

Apesar de não querer aumentar a dose do medicamento, Joana pensava:


“Como alguém que está acima do peso, não se exercita há vários anos e
ainda fuma vai conseguir correr sequer cinco minutos”.

Percebendo a expressão desconfiada de Joana, o médico respondeu: “Você


é especialista em Biologia. Dê uma chance ao especialista em exercícios
para fazer o trabalho dele”.

No dia combinado, Joana decidiu dar aquela chance e ouvir o que o


Educador Físico tinha a dizer. O objetivo era começar com uma caminhada
apressada, depois dar pequenos trotes, inclinando-se ligeiramente para
frente, sem levantar muito os joelhos. Uma corrida leve o bastante para que
ela conseguisse falar sem ficar ofegante. Se ficasse sem fôlego, deveria
diminuir o ritmo e até voltar a caminhar.

A meta do primeiro dia era apenas completar duas voltas na pista, o que
seria equivalente a 800 metros. Conseguir completar este objetivo foi uma
grande fonte de satisfação para Joana, que não conteve o sorriso tímido.

Depois de duas semanas, mantendo a frequência de três sessões por


semana, Joana conseguiu completar três voltas sem muita dificuldade. Ela
tinha que admitir que estava um pouco melhor, com mais energia e
dormindo mais profundamente.

Depois de cinco semanas, Joana sentia-se muito melhor, então, um dia,


forçou um pouco mais a corrida e acabou torcendo o tornozelo o suficiente
para ter que ficar duas semanas sem correr.

Privada de sua corrida, após uma semana, começou a notar que os sintomas
depressivos estavam voltando. Perdeu boa parte da energia e pensamentos
pessimistas rondavam sua mente.

Mas agora a correlação estava clara para ela. Passado duas semanas
recomendadas para repouso, voltou a correr, agora sozinha, pois o grupo
de corridas havia sido finalizado. Mas fez questão de passar no
Departamento de Educação Física para cumprimentar o instrutor.
Retornou também ao seu médico, que percebeu uma melhora evidente,
resultando na continuação do medicamento antidepressivo, mas somente
pelo tempo mínimo recomendado.

E, mesmo após a alta, Joana continuou com as corridas e foi vista até o final
do seu mestrado correndo pelo campus da universidade.

Colocando em prática.
É praticamente uma unanimidade dizer que atividade física faz bem. Mas
porque é tão difícil começar e manter-se ativo?

Eu conclui que existem três grandes barreiras:

Não compreender a diferença entre vida ativa e exercícios físicos;


Incapacidade de reservar um tempo para si mesmo; e
Pensamentos enganosos do tipo 8 ou 80.

Neste capítulo, será mostrado como superar estas três barreiras para que
você inicie e mantenha uma vida ativa. Logo você vai perceber melhora no
humor, ganho de energia, aumento da autoestima e melhora da qualidade
do sono.

Vida ativa
A maior evidência do impacto negativo da vida sedentária é que o tempo
gasto trabalhando sentado, assistindo à televisão ou usando o computador
é diretamente proporcional ao número de doenças e mortes7.

Ainda assim, muita gente acredita que a única maneira de alcançar os


benefícios das atividades físicas é matricular-se em uma academia, sendo
que ter uma vida ativa é tão importante quanto fazer exercícios físicos.

A definição de exercícios físicos é uma seqüência sistematizada de


movimentos de diferentes segmentos corporais, executados de forma
planejada e com um determinado objetivo a ser atingido.
Tornar-se mais ativo é algo que se estende para vários momentos do seu
dia a dia.

A ideia é ter mais movimento. Fazer mais energia circular em seu corpo.
Cada pequena atitude faz diferença. Aqui estão algumas dicas:

Utilizar as escadas. Você pode começar deixando o elevador para subir um


lance de escada, aumentando gradualmente. Pode parecer tempo perdido,
mas são três minutos a mais de movimento, que irão produzir melhora do
condicionamento físico e fortalecimento muscular.

Estacionar o carro um pouco mais distante do local, ou descer em uma


parada anterior do ônibus podem adicionar, facilmente, dez minutos de
caminhadas para ir e outros dez para voltar. Serão vinte minutos
adicionados de saúde em seu dia, sem ter que gastar dinheiro com
academia ou esteira em casa.

Experimentar outras formas de lazer. Diversão não significa somente TV,


computador ou comida, experimente novos programas, como andar de
bicicleta, fazer trilhas, caminhar no parque e, até mesmo, atividades
aquáticas, como alugar caiaques para quem mora perto do mar ou lagoas.
Ao dar esta sugestão para sua família ou grupo de amigos, você receberá
muitos elogios e agradecimentos por tê-los tirado da rotina.

Você pode pensar inicialmente que estas atividades roubarão seu tempo e
gastarão sua energia, mas os estudos científicos mostram o contrário: as
atividades físicas induzem à geração de mais energia, força e disposição ao
final do dia.8

Tempo para tudo e todos, menos para você


Chega ao final do dia e você dedicou-se ao trabalho, ao estudo, à família, aos
amigos, ao trânsito, mas não sobrou tempo para você.

Dedicar tempo a você é essencial. É preciso que você repita para si mesmo:
“Meu corpo merece alguns minutos. Eu mereço este tempo. Se não dedicar
este tempo hoje, nunca vai sobrar tempo no futuro”.
Sei que não é fácil. Pode acontecer de você estar cansado e pensar que
dedicar tempo a você significa apenas tomar banho, comer alguma coisa e
assistir à televisão.

Mas dedicar tempo é mais do que isto. É investir seu tempo para cuidar do
seu corpo e da sua mente. É saber que, um pouco de tempo dedicado a
atividades físicas, farão uma enorme diferença em saúde e bem-estar.

Esta diferença positiva não é uma promessa para daqui a 10 anos somente.
Ela é imediata.

Ao vencer estes poucos minutos de procrastinação, preguiça ou desânimo,


os resultados surgem imediatamente:9 o sangue começa a circular melhor,
o coração aumenta os batimentos e uma sensação de renovação se
manifesta, pois o cérebro começa a liberar antidepressivos naturais.

Pensamentos do tipo tudo ou nada


A história de praticar 30 minutos de caminhadas 3 vezes por semana
tornou-se popular, mas, ao invés de ajudar, acabou causando mais
problemas ao transformar-se em uma boa desculpa para não começar.

Afinal, você não tem tempo, não é mesmo? São muitos afazeres, não há
como reservar aquele horário inteiro.

Este pensamento tipo tudo ou nada é um das maiores adversários de uma


vida ativa.

Não é necessário dedicar os famosos 30 minutos, isto é um mito. Os estudos


mostram que é possível obter resultados distribuindo as atividades no
decorrer do dia em pacotes de 10 minutos cada.

O importante é que você saiba que o quanto você fizer já é um começo e já


traz benefícios ao corpo e à mente.

A escola de saúde pública de Harvard, umas mais conceituadas


universidades do mundo, confirma que qualquer atividade física é melhor
que nenhuma.10

Você pode começar com a caminhada aproveitando a ideia de estacionar


um pouco mais distante do local de trabalho, por exemplo.

Caminhadas vigorosas ou corridas leves são exercícios fantásticos, pois


estão disponíveis para a grande maioria.

Pequenas atitudes podem transformar 5 minutos de caminhada em 30.


Coloque seu tênis e diga: “Hoje só tenho 5 minutos para caminhar, mas vou
assim mesmo”.

Estes 5 minutos podem se transformar em 10, 20 ou 30, afinal, você já


começou e o cérebro ira recompensá-lo, liberando neurotransmissores e
produzindo uma sensação de bem-estar que vai motivá-lo a estender um
pouco mais, e, com certeza, voltar no próximo dia.

Lembre-se sempre que você pode dedicar 5 minutos. Tenho certeza de que
eles se multiplicarão!

Descubra o seu ritmo.


Qual é o seu ritmo? Começar gradualmente é importante, porém devagar
demais também não trará os benefícios das atividades físicas.

Uma boa técnica é prestar atenção em sua própria respiração: o ideal é que
você consiga falar frases durante o exercício, mas não cantar.

Se consegue cantar, é porque está fácil demais, aumente o ritmo. Se você


mal consegue falar, é porque passou da conta, reduza o ritmo.

Se você possui alguma condição saúde diagnosticada, é importante


conversar com seu médico e buscar orientações. Pode ser necessária uma
avaliação antes de iniciar.

Quer orientações mais precisas? Academias possuem educadores físicos


para orientar sobre as melhores formas de fazer uma atividade. Além das
academias convencionais, existem diversas outras opções, como personal
trainers, escolas de artes marciais, dança, hidroginástica, pilates.

Cabe a você encontrar uma com seu jeito e seus cinco minutos para
começar!
RELACIONAMENTO
COMO UTILIZAR O SEU CÉREBRO PARA RELACIONAR-SE MELHOR
A felicidade só é real quando compartilhada.1 Ainda assim, os seus
relacionamentos podem estar deprimindo você.

O modo como você relaciona-se tem um impacto profundo no cérebro,


podendo ser uma fonte renovável de energia, felicidade e significado. Mas
também ser uma fonte de estresse para o desenvolvimento da depressão.

Estou falando de todo tipo de relacionamento: casais, pais, irmãos, amigos,
vizinhos, colegas de trabalho, parceiros e muitos outros.

O ser humano é um ser social. Na classificação natural, somos mamíferos e


primatas, ou seja, da mesma ordem dos macacos, chimpanzés e gorilas.

Todas estas espécies possuem em comum a vida em grupo e têm, nas


conexões sociais, uma importante ferramenta para sobreviver na natureza.

Não somos lagartos ou cobras que vivem sós.

O cérebro evoluiu nos últimos dois milhões de anos para tornar-se uma das
mais complexas e fantásticas criações da natureza. E toda esta
complexidade foi necessária, em grande parte, para lidar justamente com o
desafio de relacionar-se com outros seres humanos.2

São muitas as áreas do cérebro dedicadas à conexão social e ao


relacionamento A comunicação humana ocupa uma grande parte do córtex
cerebral. A face e suas expressões possuem uma região cerebral muito
maior do que as dedicadas às pernas.3

A expressão das emoções, como o simples fato de dizer a um amigo como


você está se sentindo, envolve múltiplas regiões do cérebro.4

Mas, se o cérebro evoluiu para compreender outro ser humano e criar


conexões sociais, por que os relacionamentos acabam, muitas vezes, sendo
fontes de dor, tristeza e decepção?
Porque, muitas vezes, não se utiliza todo o potencial do cérebro para que
os relacionamentos sejam mais felizes e mais saudáveis!

Problemas e desafios ao bom relacionamento ocorrem e fazem parte da


vida, mas o importante é saber que você possui o potencial para relacionar-
se melhor, e, neste capítulo serão apresentadas as maneiras de como tornar
isto realidade.

Os dois lados do cérebro



Você já deve ter ouvido falar que o cérebro possui dois lados: o esquerdo é
racional, lógico e realista. Enquanto o direito, é emocional, criativo e
sonhador.

Apesar de ser uma simplificação, este modelo é muito útil para entender o
seu funcionamento sem precisar entrar em detalhes neuropsíquicos
complicados.

Os dois lados do cérebro, tanto o emocional quanto o racional, são


igualmente importantes para o ser humano relacionar-se bem.

Então, quando os relacionamentos não estão dando certo, pode ter certeza
de que você está utilizando estes lados de forma equivocada, como neste
caso que irei apresentar.

O caso de Maria

Vou utilizar como exemplo o caso de Maria, casada há 30 anos com João.
Ambos estão aposentados agora, depois de uma vida dedicada ao trabalho
e à criação dos filhos. O convívio em casa sempre foi difícil: João é uma
pessoa estourada, segundo as palavras de Maria. Explodia com palavras
rudes, apesar de nunca ter agredido a esposa fisicamente, palavras também
machucam.

Mas o que deixava Maria realmente triste era justamente o que não era
dito. Uma palavra de agradecimento por uma camisa que havia sido lavada
a mão com todo cuidado, para que não fosse estragada pela máquina de
lavar. Um elogio por uma refeição feita com carinho para uma ocasião
especial. Uma expressão de afeto quando ela se sentia carente.

Os filhos, que já tinham saído de casa, achavam que a atitude do pai não era
correta, e ouviam sempre da mãe queixas e lamúrias. Mas, de costume,
Maria resignava-se, explicando para si mesma de várias maneiras por que o
marido agia daquela forma. Acabava por terminar a autoexplicação com a
frase: “Este é o jeito dele”.

Mas explicação não tinha o poder de apagar a tristeza que isto lhe causava.
Uma sensação de amargura era pontuada por uma dúvida angustiante:
“Será que não mereço ser bem tratada? Então a culpa é minha?”. Estas
dúvidas não eram frases objetivas em sua cabeça, mas sentimentos
guardados no fundo do seu peito.

O que está acontecendo neste caso?

Maria abafava seu lado emocional e seu sofrimento, com explicações


racionalizadas para si mesma. No momento em que o sentimento deveria
ser o ator principal, quem assumia era a razão, silenciando Maria e
enterrando a dor profundamente.

João não percebia o dano de suas atitudes. O lado racional que poderia
comunicar o que estava acontecendo não exercia seu papel.

Como fazer com que o cérebro emocional e o cérebro racional atuem


juntos? Existe uma técnica muito eficaz, chamada OTAFEN.

Emocional e racional juntos


OTAFEN é um acróstico que utilizo para ajudar a memorizar os 6 passos
que fazem o cérebro emocional e o racional trabalharem para um
relacionamento melhor. Estes passos foram inspirados nos trabalhos do Dr.
Marshall Rosenberg sobre comunicação não violenta.5

OTAFEN é a reunião das primeiras letras de Origem, Tempo, Afeto, Fato,


Emoção e Necessidade. Veja como ele funciona:
Origem: Entre em contato com a pessoa que está originando o problema de
relacionamento. Isto pode parecer óbvio, mas você ficaria surpreso,
quantos pacientes, assim como Maria, preferem falar dos problemas com os
filhos, irmãs, parentes e até vizinhos, menos com a pessoa que é o ponto
original do conflito.

Tempo: Reserve um tempo propício para abordar a pessoa. É até melhor


que não seja na hora exata do fato problemático. O objetivo é garantir um
momento que seja tranquilo para que nada esteja roubando a atenção dos
envolvidos. Peça 5 minutos para falar de um assunto importante, desligue a
televisão, feche o computador e guarde o celular.

Afeto: Inicie a conversa mostrando todo seu afeto pela pessoa. Expresse
seus sentimentos, diga qual a importância dela em sua vida, sua admiração,
o quanto você gosta dela. Aqui o lado emocional deve mostrar seu poder,
então, expresse-se, toque, abrace, sinta. Nesta parte, estamos deixando
claro que o ponto de conflito é uma atitude, e não a pessoa inteira.

Fato: Em seguida, aborde o fato de forma objetiva. Este é um trabalho para


o cérebro racional. É preciso ter foco ao relatar o acontecido de forma
objetiva, sem realizar julgamentos, preconceitos ou conclusões. Diga
apenas o que ocorreu e ponto.

Emoção: Expresse a emoção que o fato causou em você. Novamente o


cérebro emocional deve mostrar-se. O que você sentiu? Tristeza, angústia,
raiva, medo, decepção? Seja o que for, vale a pena expressar. Nada deve
ficar guardado. Não tenha vergonha de dizer o que sente, principalmente
porque não é algo que você pode controlar. Você está usando sua
sinceridade e compartilhando seu sentimento. Emoções expressas desta
forma tem um impacto extremamente positivo.

Necessidade: Conclua com sua necessidade. Você já mostrou que o


relacionamento é importante para você, mas, para que ele continue sendo
uma fonte de felicidade e motivação, é essencial que aquele fato não faça
mais parte da relação. É uma necessidade baseada na emoção, uma mistura
racional e emocional, que reforça o papel da mudança de atitude.

O que aconteceu quando Maria conheceu o OTAFEN e resolveu aplicá-lo em


sua vida?

A primeira coisa que surgiu em sua mente foi: “Mas será que isto vai
funcionar? São tantos anos assim… eu calada no meu canto. E se ele não
mudar? E se ele não fizer questão de mudar?”.

Mas, mesmo assim, ela decidiu que, naquela noite, depois do jornal, ela iria
falar com João. Pensou bastante nas palavras que iria usar o dia todo.
Também refletiu sobre o fato que lhe causava tristeza. Foi bom, pois
conseguiu ser racional ao definir um ponto e isto trouxe-lhe um pouco de
paz em vez de uma mistura confusa de emoções angustiantes.

“João, agora que o jornal acabou, queria falar com você por 5 minutos. É
algo muito importante para mim.” Falou tremendo por dentro, mas, para
sua surpresa, João desligou a TV e voltou-se para ela: “Fala, mulher…”.

“Queria que soubesse que gosto muito de você, João. Muito mesmo. Tenho
orgulho do nosso casamento que já tem 30 anos”. A voz ficou embargada e
os olhos marejaram de lágrimas, que estavam prestes a se derramarem.
Olhou para baixo, fitou seu esposo, olhou para o teto, engoliu o bolo na
garganta e tomou força para continuar.

“Mas quero dizer, que, quando eu cozinho para nós dois, como hoje no
almoço e você não diz nem um obrigado…”. Fez uma pausa. “Fico tão
triste… sinto que não tenho valor. Às vezes até choro sozinha”.

“Você sabe que eu gosto da sua comida, Maria e…”. Antes que João
terminasse a frase, Maria secou os olhos e concluiu seu OTAFEN: “Eu sei,
João, mas tenho a necessidade de ouvir uma palavra de agradecimento, um
elogio sincero. Isto é muito importante para que nosso casamento continue
sendo motivo de orgulho e felicidade para mim”.

Era esperado que a outra pessoa tentasse justificar o seu comportamento.


Você pode ouvir e mesmo compreender, mas é importante que você
continue com o OTAFEN. Afinal não é uma acusação, pelo contrário, é uma
forma da pessoa saber da importância que ela possui em sua vida e
também o impacto das suas atitudes.

No dia seguinte, João levantou da mesa como de costume, para seu cochilo
da tarde. Nenhum “obrigado”. Maria suspirou contida.

Parou no corredor, retrocedeu alguns passos e falou um pouco tímido: “O


feijão estava muito gostoso, Maria. Tempero novo?”. Não esperou a
resposta. Maria sorria.

O caso de Marcos
Inclui no apêndice o caso de Marcos sobre a utilização do OTAFEN no
ambiente de trabalho.

Desafios que você poderá encontrar na aplicação


da técnica OTAFEN

Eu adoro esta técnica e continuo fazendo uso dela em minha vida, mas sei
que nem sempre é fácil.

É preciso praticar e incorpora-la em sua vivência, mas também existem


situações que representam desafios ao OTAFEN, com as quais você precisa
aprender a lidar.

Desafio 1: Não expressar seus sentimentos.


Estou certo de que o simples fato de expressar as emoções, no momento
certo e para pessoa certa, traz um benefício duplo.

Inicialmente, gera a oportunidade de criar consciência sobre fatos que


estão te influenciando, tanto negativa quanto positivamente.

Em seguida, liberta sentimentos, que, se ficarem presos, adoecem a alma e


o corpo.

Tenho pacientes que sofrem de dores e depressão, que somente são


explicados por somatizações, termo médico, que significa tornar corporal
algo sentimental. Por isto, expressar e libertar estes sentimentos tem um
imenso poder curativo.
Assim, não se deixe enganar pela impressão da sociedade moderna, que o
cérebro humano evoluiu para tornar-se racional. Não assuma esta falácia
de que expressar sentimentos é sinal de fraqueza.

Nosso cérebro evoluiu por inteiro, racional e emocional. Duas partes, que,
sequer, estão separadas, mas, na verdade, fazem parte do significado mais
profundo do que é ser humano.

Desafio 2: Justificativas
É comum receber justificativas por uma atitude negativa: “Cheguei
atrasado por causa do trânsito”. “Gritei com você porque tenho sido
pressionado no trabalho”. “Não elogiei porque você já sabia”. E por aí vai.

Eu e você também já demos justificativas, algumas válidas, outras nem


tanto. É uma alternativa eficiente de transferir a responsabilidade. Mas, ao
utilizar o OTAFEN, é importante que você ouça a justificativa, procure
compreender, mas prossiga com sua exposição com o objetivo de melhorar
o relacionamento.

Lidar com as justificativas é responsabilidade da outra pessoa, não sua. Por


isto, não recomendo que você aprofunde a discussão, adentrando nos
detalhes. Cabe a outra pessoa buscar as soluções para suas próprias
atitudes. Conhecer este limite é essencial, demonstra que você respeita o
exercício da liberdade individual.

Por exemplo, atrasos podem ser contornados saindo mais cedo ou avisando
com antecedência, mas, ainda assim, é uma atitude que compete a quem
está se atrasando. Estressar-se com o trabalho é compreensível, mas
descarregar em outra pessoa, não.

Desafio 3: Desconsiderações
Este ponto pode gerar uma grande confusão e a piora dos conflitos quando
não é bem compreendido. Estou falando da atitude de desconsiderar os
sentimentos de outra pessoa.
Pode acontecer que, ao expor seus sentimentos sobre uma determinada
atitude, a pessoa diga que você não deveria reagir assim, ou que você está
exagerando, ou que o que você está sentindo é besteira, ou que, para tal
pessoa, isto não é motivo para sentir-se desta maneira.

Jamais deixe que alguém lhe diga como você deve sentir-se a respeito de
algo. Independente da razão da outra pessoa, seja por desconsideração seja
por incompreensão.

O sentimento é algo natural, uma expressão sincera e totalmente válida.


Por isto, frente a desconsiderações, diga que o que você está sentindo não
pode ser mudado, e retome o OTAFEN, reforçando que a mudança do fato
que vem gerando conflito é muito importante para você e para
continuidade do relacionamento.

Algumas pessoas podem insistir que você mude sua forma de sentir. Um
argumento final é que o que você sente não está atrapalhando a relação,
mas o fato conflituoso e objetivo sim.

Desafio 4: Pessoas que genuinamente não se


importam.
Na vida, existem diversos tipos de relacionamento: casais, pais, irmãos,
amigos, colegas de trabalho, sócios, vizinhos e por aí vai. Não existem
categorias definidas, isto é uma vivência pessoal.

Dentro do seu círculo social, orbitam todas as pessoas que você se


relaciona.

Aprofundando neste círculo, existe a esfera de realizações, isto é, um local


em que suas atitudes produzem influência e a convivência com as pessoas
trazem impacto direto em sua vida sentimental e profissional.

Na vida social, mais cedo ou mais tarde, você vai se deparar com pessoas
que simplesmente não se importam com você.

Pode ser difícil ouvir isto, mas é verdade. É impossível agradar a todos.
Estas pessoas secam pé de arruda e fazem samambaia pular de vaso, e, não
importa o que você faça, elas não se importarão.

Quando este tipo de pessoa não está em sua esfera de realizações é mais
fácil. Basta que você as mantenha onde estão.

Veja que não estou falando de desprezo, mas sim de limitar o seu
relacionamento a atitudes de cordialidade, visto que, utilizar o OTAFEN,
seria totalmente ineficaz.

Se for no trabalho, cumprimente e seja prestativo quando procurado. Se for


em um círculo de amizades próximo ao seu, cumprimente e seja cordial.
Jamais participe de fofocas sobre esta pessoa, ou a inclua em seus planos,
sonhos ou realizações.

Mais difícil é quando se descobre uma pessoa que não se importa dentro de
sua esfera de realizações ou em seu círculo íntimo. É uma pessoa que não
se move em sua direção com atitudes e palavras positivas, que,
incessantemente, desconsidera o que você sente ou que mantém suas
justificativas acima de qualquer mudança de atitude.

Insistir em manter uma pessoa assim próxima é compactuar com um


relacionamento gerador de sofrimento.

Desafio 5: Poço sem fundo


Refletir sobre atitudes, eventos e situações que provocam emoções
negativas é importante, mas isto não significa se tornar um radar
ambulante em busca de problemas.

Enxergar as pessoas com lente de aumento não faz bem nem a quem
observa nem ao observado. Ao agir desta forma, existe o risco de se
transformar em um poço sem fundo de frustrações, alguém que está
sempre apontando algo errado, e, muitas vezes, perdendo a chance de ver
coisas boas.

A verdadeira felicidade é para ser compartilhada, e não simplesmente


sugada de outrem.
Não adianta demandar incessantemente mudança atrás de mudança.
Tentando transformar a outra pessoa em algo que ela não é.

Por isto, ao constatar um fato conflituoso, procure refletir sobre ele. Qual o
impacto dele em sua vida e no relacionamento? Este fato é realmente o
problema ou você apenas utilizando-o para encobrir o verdadeiro fator de
conflito? A mudança de atitude necessária fará qual diferença positiva?

Um pequeno exemplo é a velha história da tampa do vaso sanitário, que


algumas mulheres reclamam dos homens que a deixam levantada. A
mudança de atitude poupará 3 segundos e um gesto de abaixar a tampa.

Vale a pena? Ou existem outros pontos que podem ser melhorados? Os


verdadeiros.

Colocando em prática.
Agora é importante colocar em prática. Para que você comece hoje, aqui
estão as 9 atitudes para relacionamentos mais felizes e significativos:

1. Expresse seus sentimentos. Não guarde tristeza. Compartilhe


alegrias;
2. Origem: Procure a pessoa que originou o conflito;
3. Tempo: Escolhe um bom momento;
4. Afeto: Demonstre seu afeto;
5. Fato: Seja racional ao expor fatos, e não julgamentos;
6. Emoções: Expresse seus sentimentos;
7. Necessidades: Seja firme ao dizer o que é importante para você;
8. Evite gente que seca pé de arruda e faz samambaia pular do vaso;
9. Não seja um poço sem fundos.
CONHECENDO A SI MESMO
ENTENDA SUA MENTE PARA SER MAIS FELIZ
Conhece-te a ti mesmo é uma frase de sabedoria milenar, mas
surpreendentemente muito pouco praticada.

A vida é corrida, são muitos compromissos, trabalho, estudos, festas,


reuniões, e tantos outros. Praticamente não sobra tempo para si, o que, às
vezes, até parece bom, pois também reduz a responsabilidade de olhar para
o que realmente importa.

Neste ritmo acelerado, sentimentos, pensamentos e atitudes tornam-se


automáticos, pois refletir sobre si mesmo não é algo estimulado em nossa
sociedade. Este tema não é assunto nem mesmo em universidades, onde
fala-se de tudo, menos do interior de cada um.

Mas tornar-se um estranho para si mesmo é escolher uma estrada de


sofrimento que vai gerar ou aprofundar um quadro depressivo.

Por isto, deixei este capítulo por último, por ser o mais importante, mas
também o mais desafiador. Afinal, conhecer a si mesmo é um caminho para
reunir os conhecimentos e atitudes descritos nos capítulos anteriores em
um conjunto realmente significativo.

O primeiro passo para conhecer a si mesmo é desenvolver o hábito de


reservar tempo para a pessoa mais importante da sua vida.

É interessante notar que um dos aspectos curativos das psicoterapias se


deve justamente à reserva de um tempo para falar de si com maior
profundidade. Mas procurar um psicólogo não é a única maneira de dedicar
um momento para si.

O segundo passo é compreender como a mente funciona. E este é o desafio.

Mas, como diria o cientista Isaac Newton, vamos nos apoiar em ombros de
gigantes. Reunidos, neste capítulo, estão pesquisas de grandes cientistas do
mundo para que você possa buscar, cada vez mais, este encontro consigo
mesmo, como fonte de energia, felicidade e significado.
Explanar sobre complicadas teorias do funcionamento do corpo e da mente
é uma tarefa realmente extensa, mas este não é meu objetivo. Por isto, este
capítulo foi um desafio também para mim.

Desta forma dediquei um cuidado especial para reunir aqui os aspectos do


funcionamento da mente com maior impacto na melhora e prevenção de
um quadro depressivo.

Espero que, à medida que você compreenda a mente, também sinta-se


inspirado a dedicar um tempo para estar consigo mesmo em um sentido
profundo.

Ação e reação na mente


A natureza programou o cérebro para reagir. Ou seja, para toda ação, o
cérebro deve processar e devolver uma reação.

Existe uma parte do cérebro que faz isto muito rápido, chamada de sistema
límbico.1 A reação do cérebro é uma combinação de emoção, pensamento e
atitude.

Por exemplo, quando uma pessoa nos critica injustamente, o cérebro


processa rapidamente, gerando uma emoção de mágoa ou tristeza. Mas
também, imediatamente, um pensamento de inferioridade ou
inconformidade.

As atitudes vêm logo em seguida, em fração de segundos.

O problema é que o cérebro quer ser eficiente com respostas rápidas e


acaba não sobrando tempo entre ação e reação. A tendência é não existir
um momento para refletir sobre o que está acontecendo nos sentimentos e
pensamentos em seu interior.

A palavra refletir, no sentindo de dedicar tempo para pensar sobre algo,


tem um significado literal interessante.

Ao olhar um espelho, você está observando o seu próprio rosto. O convite à


reflexão interior é buscar observar suas próprias emoções e pensamentos.

No capítulo sobre relacionamentos, falei sobre a importância de identificar


qual emoção o comportamento de uma pessoa desperta em você.

Agora quero expandir este conceito para vários aspectos, sejam atitudes de
outras pessoas em sua direção, sejam suas próprias atitudes,
acontecimentos da vida e, até mesmo, seus próprios pensamentos sobre si
e o mundo a sua volta.

Qualquer destes aspectos que estejam presentes em sua vida em um


determinado momento de forma significativa merece que você olhe para
dentro e reflita sobre as emoções que eles estão gerando.

Seria ansiedade ou medo? Estas emoções estão relacionadas à


possibilidade que algo ruim possa acontecer. O que você está realmente
temendo?

Seria tristeza? A emoção relacionada à perda, seja de um objeto, uma


pessoa, um ideal. O que você perdeu ou está perdendo?

Seria raiva? A emoção que surge quando alguém é atacado, seja em seu
físico seja em seus valores pessoais. O que e como você foi atacado?

É, ao observar a si mesmo, que surge o entendimento da emoção


despertada.

Isto é importante, pois basear sua vida em ações e reações pode


transformá-lo em um autômato oco por dentro. Você acaba reagindo, mas
não existe pausa para observar o que realmente está acontecendo em seu
interior.

Muitas vezes, o simples ato de definir uma emoção, ou seja, dar um nome
ao que você está sentindo, faz com que você se sinta melhor. A expressão
de uma emoção, mesmo que para si mesmo, é uma forma importante de
cura.

Observar e entender é, também, um caminho para atitudes melhores, pois a


reação imediata, em geral, não é eficaz. Somente após refletir sobre algo,
percebe-se qual atitude adequada a ser tomada.

Dedicar um tempo para olhar para dentro é colocar um significado entre a


ação e a reação.

Este sentido é uma pausa, uma busca de entendimento para reagir de


forma mais eficaz, uma forma que traga mais satisfação, prazer e alegria.

O mecanismo depressivo da culpa


No exercício da reflexão, você pode descobrir que algumas de suas atitudes
e reações não foram as melhores. Algumas atitudes magoaram outras
pessoas ou trouxeram sofrimento para você mesmo.

Isto é perfeitamente normal, faz parte da vida, afinal, ninguém nasce


sabendo ou somente com atitudes ideais.

Mas, neste momento de reflexão, surge um sentimento ruim, que vem


sendo incorretamente chamado de “culpa”.

Esta palavra “culpa” carrega tanto sofrimento, que seria melhor que fosse
banida do dicionário. Não só devido ao sofrimento, mas também porque é
incorretamente incorporada à vida das pessoas.

A depressão é capaz de acentuar ainda mais o peso desta palavra.2

Devido a um mecanismo neuropsíquico, existe uma tendência a avaliar


momentos do passado baseado em como você está se sentindo no
momento atual. Como a depressão reduz seu nível de energia e otimismo, o
julgamento que você faz dos fatos do passado tornam-se mais sombrios. É
como se lentes escuras fossem colocadas frente aos seus olhos.

A consequência é que, quanto mais você utilizar a palavra “culpa”, mais


escuras estas lentes se tornam em um ciclo vicioso.

Pesquisas mostraram que episódios depressivos são mais frequentes em


pessoas que culpam a si mesmas3, mas também mostram que é possível
aprender a não reforçar este ciclo de pensamento e sentimento.
Daqui para frente, você irá jogar esta palavra fora e utilizar uma nova:
responsabilidade.

Esta palavra é muito melhor, pois mostra que você refletiu sobre seu
comportamento ou atitude, percebeu que não agiu da melhor maneira e
assume a responsabilidade.

Ou seja, procura entender as consequências do que você fez e também


aprender com isto. Buscar novas e melhores atitudes é a melhor maneira
de corrigir e compensar comportamentos ruins.

Permanecer na culpa é viver no passado. Não há nada que se possa fazer no


passado. Neste sentido, a culpa é uma palavra morta, que não possui
nenhuma serventia.

A responsabilidade é fruto da reflexão e traz a atitude viva para o presente.


É algo que você deve orgulhar-se.

Pensamentos tudo ou nada


A mente organiza o mundo externo e interno em categorias.4 Esta é uma
forma muito eficiente encontrada pela natureza para que o cérebro
pudesse resolver os desafios da vida.

E, na natureza, existe uma tendência a realizar qualquer processo


despendendo o mínimo de energia, ou seja, um processo natural, no
decorrer de milênios de evolução, tende a ser realizado do modo mais fácil.

O modo mais fácil de organizar categorias é utilizar o mínimo possível, ou


seja, categorias dicotômicas: sim ou não, tudo ou nada, quente ou frio, dia
ou noite, preto ou branco, vazio ou cheio, positivo ou negativo.

Isto é aprendido muito cedo, nos primeiros meses de vida e apesar de


tornar a organização mais fácil, está longe de ser a realidade. A
consequência é criar uma visão rígida e radical, que pode ser a porta de
entrada para a depressão.
A realidade é que, entre o dia e a noite, existem auroras e crepúsculos.
Entre o frio e o quente, muitas outras temperaturas. Entre preto e branco,
milhares de outras nuanças e cores. Nem mesmo existe sim e não, a vida
tem muito depende ou talvez.

Além do mecanismo de categorias, o cérebro humano possui um


mecanismo natural que grava com maior facilidade eventos potencialmente
danosos, categorizados como negativos. Isto também foi uma engenhosa
solução da natureza para que o ser humano mantivesse uma boa
recordação de situações perigosas e fugisse delas.

Gosto de dizer que pensamentos positivos precisam ser cultivados, mas


pensamentos negativos crescem como ervas daninhas.

Isto acontece porque em um quadro depressivo, o cérebro intensifica a


relevância de eventos negativos, então, utilizar somente duas categorias
para organizar a vida torna-se algo depressivo.

Afinal, com a depressão, somente as categorias negativas, tristes e


depressivas serão preenchidas. Não existirão categorias intermediárias.

Por isto, é importante estar atento aos próprios pensamentos radicais, em


especial os negativos. Estes pensamentos contêm as palavras: tudo, nada,
ninguém, todos, sempre, nunca. Por exemplo:

Ninguém gosta de mim;


Tudo que eu faço dá errado;
Nunca fui feliz;
Nada vale a pena;
Sempre fui deste jeito.

Pensamentos assim não correspondem à realidade.

Toda vez que você se deparar pensando desta forma e dizendo frases
assim, é preciso que você dê um pequeno passo atrás e repense.
Reformule.
Procure identificar a emoção que está fazendo você emitir estes
pensamentos. Entenda a emoção, mas não a reforce com pensamentos em
categorias negativas radicais.

Acreditar em um pensamento assim cria um reforço para que a depressão


continue.

Pondere, reformule e veja que na realidade existem gradações e


perspectivas.

Você não é sua mente.


Quando eu disse que este capítulo seria desafiador, você não imaginou que
seria tanto, não é mesmo?

Ao aprender a olhar melhor para dentro de si mesmo, você, agora, está


preparado para este desafio.

Por isto, trouxe esta frase zen: “você não é sua mente”. E juntamente com
neurocientistas em todo o mundo, como psiquiatra, eu tenho que
concordar.

Quando eu digo que você não é sua mente, estou falando do processo de
agarrar-se a pensamentos e emoções tão fortemente que torna impossível
observar e compreender.

É como se você estivesse tentando observar um pequeno sinal em sua


bochecha, mas chega tão perto do espelho a ponto de esmagar seu nariz
contra a superfície. Resultado: você não consegue ver nada.

O que eu proponho é buscar afastar-se um pouco. Procurar observar seus


pensamentos e emoções como se estivesse em um balão flutuando.

É importante que você saiba: Você não é sua tristeza. Você não é seu medo.
Você não é sua raiva.

Pensamentos negativos geralmente estão presentes em quadros


depressivos. Mas você também não é somente seu pensamento.
Você não é uma pessoa depressiva. Um momento não é a sua vida toda.

É essencial perceber a diferença entre os sintomas e você.

Do seu balão, você vê nuvens passando: pode ser um momento de nuvens


escuras, emoções ruins e pensamentos negativos. Mas é indispensável que
você perceba que já viu muitas nuvens brancas passando também, emoções
boas e pensamentos positivos.

A mente é uma fazedora.


Talvez você nunca tenha pensado nisto, mas o trabalho da mente é fazer
pensamentos e emoções. Ela realmente não para.

Os estudos que permitem ver o funcionamento do cérebro em tempo real


mostram que até mesmo dormindo a atividade dos neurônios é
ininterrupta.

Termina um pensamento, vem logo outro. Você resolve um problema


esperando o próximo. Acaba de conquistar algo, já vem a mente em busca
de um outro ainda maior. Não existe pausa, nem quando você adormece,
pois lá estão os sonhos e até pesadelos.

Mas a mente precisa de pausas. A vida necessita de pausas,5 como diria o


poeta Carlos Drummond de Andrade.

Silenciar toda esta atividade mental é um desafio. Blaise Pascal dizia que
toda infelicidade do homem advém do fato dele não conseguir se sentar
sozinho em um quarto.

Aqueles que experimentaram esta pausa descobriram seu poder curativo.

Foi pesquisando técnicas para acalmar a mente que cientistas da


Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, encontraram o homem
mais feliz do mundo, fato que foi comprovado ao estudar o cérebro deste
homem com diversos eletrodos e aparelhos de ressonância magnética.
Seu nome é Matthieu Ricard. O segredo? Meditação todos os dias.

Matthieu, que já foi biólogo molecular e pesquisador, vive hoje no convento


de Katmandu, no Nepal, onde aprendeu técnicas que podem ser utilizadas
no dia a dia para por qualquer pessoa para acalmar a mente e conquistar
mais felicidade.

Diferente da reflexão, na qual se busca pensar sobre algo, a meditação é um


processo para liberar a mente de seus afazeres. Ou seja, a reflexão é
essencial. Ela tem seu momento, como foi discutido anteriormente, mas
meditar é não pensar em nada, é uma pausa.

Falar é fácil, afinal, a mente é uma fazedora e ela adora ser assim. E você
deve estar pensando em como livrar-se dos milhares de pensamentos que
estão em sua cabeça, não é mesmo?

Aqui entra outro segredo: os milhares de pensamentos são, na verdade, um


truque da mente para manter-se ocupada. Quando você aceitar o desafio de
meditar, vai perceber algo espantoso.

Então, como começar a meditar?

Estes são os passos da maneira clássica:

1. Reserve 10 minutos;
2. Encontre um lugar calmo e silencioso (pode usar protetores
auditivos, se necessário);
3. Coloque um pequeno tapete e uma pequena almofada em frente a
uma parede;
4. Sente-se na almofada, cruze as pernas em forma de borboleta.
Posicione-se a mais ou menos 03 palmos da parede;
5. Mantenha as costas e cabeça eretas e alinhadas. As mãos repousadas
uma em cima da outra logo abaixo do umbigo, com as palmas
voltadas para cima;
6. Não feche os olhos, em vez disto, olhe para a parede, em um ângulo
de 45 graus;
7. Puxe o ar profundamente pelo nariz, sentindo ele expandir o tórax e o
abdome;
8. Solte o ar lentamente também pelo nariz;
9. A cada ciclo de respiração, conte um número.

O que parece ser um ritual, na verdade, é uma posição confortável e que


favorece a meditação, que foi aperfeiçoada nos últimos três mil anos.

A contagem é uma forma de fazer a mente focar nos números e liberar-se


dos pensamentos.

O tempo dedicado vai de cada um. Você pode começar com poucos minutos
e aumentar gradualmente. No início, pode ser difícil, afinal, a mente não
quer parar.

A parte espantosa são os milhares de pensamentos: eles, na verdade, são


uma meia dúzia de preocupações, pensamentos do dia a dia ou divagações.

É interessante notar estes pensamentos surgindo na mente. Uma


preocupação recorrente com alguém. Um compromisso. Um desafio a ser
vencido. Uma mágoa do passado.

O que você pensava serem milhares, agora podem ser contados nos dedos.

O segredo não é evitar os pensamentos, mas deixar que venha à mente, mas
não sejam seguidos, nem julgados, nem encadeados com outros. Sejam
apenas observados indo e vindo. Você não precisa refletir, resolver, julgar
ou justificar.

A cada pensamento que surgir, retome a contagem da sua respiração. Deixe


a mente acalmar-se.

Sinta a pausa entre os pensamentos. Sinta a tranquilidade.

Esta é uma técnica oriental clássica de meditação, mas não é a única. Você
não precisa necessariamente sentar-se para meditar.

Meditar é um momento de pausa para a mente e você pode praticar esta


experiência em vários momentos do seu dia:
Você pode unir suas atividades físicas a seus momentos de pausa.
Durante uma caminhada ou corrida, utilize a mesma técnica da
respiração. Observe, mas não siga seus pensamentos, deixe-os
passarem;
Algumas atividades corriqueiras em casa também podem servir para
meditação. Os monges meditam preparando alimentos, limpando o
mosteiro e, até mesmo plantando;
Entrar no fluxo de uma atividade que você realmente gosta é uma
forma de meditar. É dedicar-se a algo tão verdadeiramente, que os
pensamentos desaparecem.

Colocando em prática
Conhecer a si mesmo é essencial para qualquer processo de cura e busca da
felicidade. Quero finalizar este capítulo com um resumo prático para
começar a jornada do autoconhecimento:

1. Crie a atitude de pensar sobre si mesmo;


2. Separe tempo para alguém importante em sua vida: você;
3. Reflita sobre suas emoções e reações;
4. Aprenda com o passado, mas viva no presente;
5. Troque a palavra “culpa”por responsabilidade;
6. Perceba que você é mais do que seus pensamentos e emoções;
7. Desenvolva o hábito de meditar.
FIM OU UM NOVO COMEÇO
COLOCANDO EM PRÁTICA
É muito bom poder chegar até aqui com você!

Este capítulo não é o fim, mas um novo começo. As informações que você
adquiriu e as novas atitudes que está desenvolvendo não devem parar por
aqui.

Todo caminho para uma vida mais feliz é composto de muitos passos.

Por isto, espero que este livro continue sendo uma ajuda no decorrer do
seu tratamento, mesmo depois de sua alta.

Espero que você possa utilizá-lo como uma fonte de informações e também
de motivação a ser revisitada a qualquer momento para que suas novas
atitudes realmente façam parte de sua vida.

Ao chegar até aqui, você:

Compreende melhor a depressão.

Isto significa que você conquistou pela compreensão. Não é mais vítima da
desinformação ou do preconceito.

Empoderou-se.

Agora, mais do que nunca, sua vida e sua saúde pertencem a você. E esta
nova visão já está fazendo uma diferença cada vez mais notável.

Pode fazer uso mais consciente dos medicamentos.

Ao compreender os medicamentos, você tornou-se um agente ativo em sua


melhora, com aliados ainda mais poderosos no seu tratamento.

Aprendeu a dormir para renovar sua energia.

Você está mais consciente sobre a importância do sono e vem buscando


adotar atitudes para cuidar melhor de suas noites.

Descobriu como nutrir o corpo e o cérebro.

Ao perceber que a alimentação faz diferença na saúde física e mental, está


agora procurando colocar em prática as atitudes para nutrir seu corpo e
sua mente.

Está investindo em uma vida ativa

Vem tornando-se mais ativo, buscando conquistar mais tempo para seu
corpo e mente.

Está aprimorando sua forma de relacionar-se.

Ao utilizar o OTAFEN, vem buscando expressar seus sentimentos, sem


guardar tristezas ou ressentimentos.

Iniciou um caminho para conhecer-se melhor.

A cada dia, tem ficado claro que conhecer a si mesmo é desenvolver o


hábito de reservar tempo para a pessoa mais importante da sua vida: você.

Sua opinião é muito importante


Eu gostaria muito de sua opinião sobre o livro, pois sua experiência será
uma fonte de aprendizado única para mim e também para outras pessoas
que estão em busca de superar a depressão.

Por isto, peço que clique aqui agora e dedique um minuto para avaliar o
livro e deixar seu comentário.

Muito obrigado por ter escolhido este livro para fazer parte de sua
melhora!

Dr. José Hamilton Vargas


APÊNDICE
CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS PARA EPISÓDIO DEPRESSIVO
O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM IV)1 da
Associação Americana de Psiquiatria define um um episódio depressivo se
forem preenchidos os seguintes critérios:

Nas duas últimas semanas devem ter estado presentes 5 (cinco)


itens, com pelo menos um destes 2 (dois) primeiros itens:

1. humor deprimido
2. perda de interesse ou prazer

1. 4. perda ou aumento de peso significativos (mudança superior a


5% num mês) ou aumento ou perda de apetite quase todos os dias
2. insônia ou excesso de sono quase todos os dias
3. agitação ou lentificação psicomotora quase todos os dias
(constatáveis pelos outros, não meramente sentimentos subjetivos
de inquietação ou de lentidão)
4. fadiga ou perda de energia quase todos os dias.
5. falta de auto-estima ou sentimentos de inadequação e culpabilidade
(que podem ser delirantes) quase todos os dias (não meramente
auto-acusação por estar doente)
6. capacidade intelectual ou de concentração diminuída, ou indecisão
e dúvida, quase todos os dias (quer por queixas sintomática quer
por sinais relatados por terceiros)
7. ruminações sobre morte (não apenas medo de morrer), ideação
suicida recorrente sem que haja um plano traçado, ou tentativa de
suicídio ou plano para atentar contra a vida

Sendo que:
• Os sintomas não preenchem os critérios para episódio misto.
• Os sintomas causam estresse clinicamente significante ou
prejuízo social, ocupacional ou em outras áreas importantes do
funcionamento.
• Os sintomas não são devidos a efeitos fisiológicos diretos de
substâncias (drogas de abuso ou medicações) ou outras condições de
saúde (por exemplo, hipotireoidismo).
• Os sintomas não são melhor explicados por luto, os sintomas
persistem por mais de 2 meses ou são caracterizados por
comprometimento funcional, preocupações mórbidas com inutilidade,
ideação suicida sintomas psicóticos ou retardo psicomotor.
EXAMES COMPLEMENTARES
Exames complementares podem solicitados para ajudar a esclarecer o
diagnóstico de depressão, principalmente para descartar doenças que
podem desencadear ou apresentar-se como sintomas depressivos.

As mais comuns são: anemia, hipotireoidismo, doenças auto-imunes,


deficiências de vitaminas, doenças neurológicas, dentre outras.

A avaliação clínica do médico será o norteador para personalizar a


solicitação destes exames. Por isto, não existe uma regra fixa.

Estão listados abaixo exames como um ponto de referência para avaliação


de um quadro depressivo:1

Hemograma completo
Glicose
Uréia
Creatinina
TSH
T4 livre
TGO (ALT)
TGP (AST)
Vitamina D
Vitamina B12

Estes exames ajudarão a esclarecer sobre anemia, estados inflamatórios


e/ou infecciosos, diabetes, função renal, funcionamento da tireóide e
fígado, além de mostrar níveis de vitaminas importantes para o
funcionamento cerebral.

Outros exames para casos específicos, incluem:

Eletrocardiograma para pacientes com algum problema


cardiovascular ou idosos, especialmente para avaliar a segurança da
prescrição de determinados antidepressivos.
Eletroencefalograma para casos com suspeita de doenças
convulsivas.
Exames de imagem cerebral (Tomografia ou Ressonância Magnética)
para casos onde os sintomas associados levem a suspeitar de
doenças neurológicas.
Hormônios (Progesterona, Estradiol e Testosterona) para avaliação
de menopausa em mulheres e andropausa em homens.
OTAFEN NO TRABALHO: O CASO DE MARCOS
Desenvolvedor de software há cinco anos em uma empresa de médio porte,
Marcos sentia-se realizado com seu trabalho. Gostava tanto de passar horas
na frente do computador, escrevendo códigos e criando programas, que
muitos vezes perdia a noção do tempo.

Mas nem tudo eram códigos. Apesar de gostar dos colegas de trabalho, não
mantinha nenhuma relação estreita de amizade dentro da empresa, ainda
assim se dava bem com praticamente todos. Todos, menos Alberto.

O problema é que Alberto não parecia importar-se muito com prazos e


horários, o que deixava Marcos extremamente frustrado, já que seu
trabalho dependia dele. Cansou de ficar esperando 30 minutos pela
chegada de Alberto em reuniões e perder prazos em diversos trabalhos.

Muitas vezes, a frustração tornava-se raiva a ponto de estragar o dia com


um mal humor visível. Mas a reação não passava disto: raiva contida ou
irritação sendo um pouco mais seco no trato.

Foi então que Marcos descobriu o OTAFEN e decidiu implementá-lo na


próxima oportunidade.

E logo ela surgiu. Já havia passado 40 minutos do horário marcado para


uma reunião que definiria pontos importantes de um projeto, quando
enfim Alberto apareceu, levemente apressado e com um sorriso sem jeito,
disse: “Vamos começar, então?”.

Marcos vez uma pausa para si mesmo e falou: “Antes de começar, queria
conversar algo que considero importante. Não vai durar mais que três
minutos. Pode ser, Alberto?”

“Claro, cara, o que é?” respondeu.

“Cara, quero que saiba que admiro seu trabalho como programador e tenho
certeza que todos aqui na empresa estão satisfeitos com os resultados dos
projetos que assumimos e entregamos. Mas quando marcamos uma
reunião e você chega 40 minutos atrasado… Eu me sinto muito frustrado.
Sinto o meu tempo desvalorizado, sabe? Para continuar nossa boa relação e
tendo nosso trabalho admirado aqui na empresa, preciso que você chegue
as reuniões no horário combinado.”

Alberto logo respondeu: “Poxa, Marcos, é que eu tava enrolado com outro
trabalho, foi mal e…”

Antes que as desculpas aumentassem, Marcos repetiu e concentrou-se no


fato: “Pois é, mas realmente eu fico muito frustrado, quando marcamos
uma reunião e você chega 40 minutos atrasado… Preciso realmente que
você chegue no horário combinado.”

“Poxa, cara, não sabia que te atrapalhava tanto a vida. Mas pode deixar que
vou prestar mais atenção aos horários.”. disse Alberto.