Vous êtes sur la page 1sur 40

Sexta-feira, 9 de Março de 2018 | Número 463 | Director Carlos Rosado de Carvalho | Preço 700 Kz | www.expansao.co.

ao

EUROBONDS PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA


MinFin diz que foi o BNA Voos domésticos da futura
que se enganou na conta operadora vão pagar
para pagamento de juros imposto de consumo
| P. 23 | P. 21

EXCLUSIVO
REVELA RELATÓRIO DO MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REVISTA GRÁTIS
O que vai
Especial

+ 25.000
mudar com
a nova Lei do mulher com
Investimento entrevista
Angola volta a ter três zonas de
desenvolvimento e oferece in- exclusiva à
Funcionários
centivos como redução de im-
postos para investimentos que
sejam implantados nas seis
Top Model
províncias menos desenvolvi-
das do País. | P. 02 Maria Borges
QUEDA DE 13%

Crise afunda
consumo de
Públicos Em ano de
eleições, em que
os órgãos do

em 2017
Estado estavam
combustíveis proibidos de
contratar novos
em 2017 funcionários pelo
OGE, o número
de trabalhadores
da função pública
subiu 7% para
385.423.
PARCERIA
PA
Em Angola, SPARKNEWS
SPAR
há um funcionário Conhe
Conheça a história de Verónica
José, que
q nas últimas duas
público para 76 décadas transformou a vida
década
habitantes, número de milhares
milh de angolanos através
abaixo dos padrões do microcrédito.
mic A história
de Verónica
Ver é a contribuição
internacionais.
LÍDIA ONDE

do Exp
Expansão para uma iniciativa
| P. 06 da Sparknews
Spa que juntou jornais
interna
internacionais para contarem
O consumo de combustíveis em históri
histórias de mulheres que
Angola baixou 12,9% no ano pas- ajudar
ajudaram a mudar vidas. | P. 31
sado, período em que se registou
o mais baixo nível de consumo
dos últimos cinco anos. Analis- PUB

tas dizem que é o efeito da perca


do poder de compra. | P. 20 BFA Exportação

URBANIZAÇÃO BOA VIDA O FOMENTO


Hotel proibido À EXPORTAÇÃO
de vender PASSA POR AQUI.
quartos
pela CMC
A polícia das bolsas mandou sus-
pender a venda ao público dos
ASSINATURA FOTOGRAFIA

produtos que estão a ser comer-


cializados pela empresa Urbani-
zação Boa Vida. Em causam a ven-
da de quartos de um hotel cinco
estrelas a investidores. | ÚLTIMA
2 EXPANSÃO | 9 de Março 2018

DESTAQUE INVESTIMENTO PRIVADO EM ANGOLA

QUINTILIANO DOS SANTOS


A meta do Governo é elevar a produção e reduzir as assimetrias regionais atraindo investimento para o interior do País

PROPOSTA DE LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO 2018

Investir nas seis províncias


menos desenvolvidas vai dar
mais benefícios aos empresários
O País volta a ter três zonas de desenvolvimento e oferece incentivos como a redução de impostos para os
projectos de investimento que sejam implantados nas províncias da Lunda-Norte, Lunda-Sul, Moxico, Cuando
Cubango, Cunene e Zaire. Governo apenas intervém no processo de aprovação de investimentos prioritários.

duzido em 80% da taxa em vigor províncias de Benguela e Huíla para os estrangeiros. Todo o va-
Martins Chambassuco para oito anos, enquanto para as (ver infografia). OS NÚMEROS lor investido no País, seja de que
zonas A e B, os incentivos são os A proposta de lei pretende aca- DA PROPOSTA DA LIP montante ou origem, em espe-
definidos na Lei (ver página 4). bar com a obrigatoriedade de ter cial na zona C, tem incentivos.
Fazem parte da zona A, as pro- um sócio angolano, com 35%, do As autoridades, através da

A nova proposta de Lei do Inves-


timento Privado em Angola pre-
víncias de Luanda, Namibe, os
municípios-sede das províncias
de Benguela, Huíla e o municí-
investimento estrangeiro. Um
pressuposto que o delegado da
economia alemã em Angola, Ri-
3
É o número de zonas
Agência para o Investimento
Privado e Exportações (AIPEX),
garantem que todos os investi-
vê benefícios e incentivos espe- pio do Lobito, enquanto a zona B cardo Gerigk, diz ter sido o “der- de desenvolvimento dores podem contratar incenti-
ciais para os investimentos que inclui o Bié, Bengo, Cabinda, radeiro erro” da Lei de 2015, ao para reduzir as assimetrias vos que existem na lei.
se destinam a seis províncias Cuanza-Norte, Cuanza- Sul, obrigar empresas estrangeiras a Para facilitar, o Governo prevê
com uma taxa de desenvolvi- Huambo, Malanje, Namibe, Uí- conceder uma participação de a criação de duas vias para a con-
mento considerada baixa. ge e restantes municípios das 35% a sócios angolanos: “Foi uma tratação de incentivos, uma
O documento, apreciado em
Conselho de Ministros na sema-
na passada, volta a dividir o País
afronta ao capital estrangeiro”.
O documento, com nove capí-
tulos e 45 artigos, é visto como
80%
É taxa de redução do imposto
muito rápida, que é o regime da
declaração prévia, e a outra é o
contrato de investimento.
em três zonas de desenvolvi- um pilar para o sucesso do Pro- industrial na zona C por oito anos Uma fonte ligada ao processo
mento. As províncias que inte- A questão grama de Apoio à Produção, Di- revela ainda que, na declaração
gram a zona C - Cuando-Cuban- crítica da pouca versificação das Exportações e prévia, a AIPEX não aprova o in-
go, Cunene, Lunda-Norte, Lun- Substituição das Importações vestimento, apenas faz o registo
da-Sul, Moxico e Zaire - fazem
parte das regiões preferenciais
do Governo e onde a lei prevê os
atractividade do
investimento directo
(PRODESI).
A proposta de lei quer acabar
com algumas barreiras contidas
45 Artigos
A proposta tem nove capítulos
da empresa e passa o certificado
de registo de investimento pri-
vado que dá acesso aos benefí-
privado reside e 45 artigos
maiores benefícios. na legislação em vigor e a pers- cios, entre os quais a redução do
Em concreto, para esta zona, no actual ambiente pectiva do Governo é acabar imposto industrial para meta-
de acordo com a proposta de Lei, de negócios com os limites de investimento, de, por três anos, da taxa que es-
o imposto industrial pode ser re- tanto para os nacionais, como tiver em vigor.
9 de Março 2018 | EXPANSÃO 3

O consultor empresarial Gal- PROPOSTA DA LIP


vão Branco explica que em maté- 3 PERGUNTAS A
ria de diversificação económica,
quer por via da substituição das
importações como através do in-
PEDRO GODINHO
Empresário
Empresários garantem
centivo às exportações, o PRO-
DESI constitui um importante
incremento no sentido de sinali-
que o ambiente de negócios
zar de forma suficientemente es-
truturada e com a adequada cla-
reza, as áreas que são prioritárias
actual não atrai investimento
para se atingir esse desiderato. Atrair investimento privado passa pela adopção de medidas públicas que
“O pressuposto de que, por
cada mil milhões USD despendi- impulsionem os empresários. Não basta acabar com isenções para garantir
do actualmente em importa- a atracção de mais investimentos. Acabar com a burocracia é outro desafio.
ções, seja suficiente investir 200
milhões USD, em produção lo-
cal, passa necessariamente pelo
envolvimento do investimento “ANGOLA NÃO Os empresários acreditam que transferência de divisas, princi- barragem de Laúca”, revelou
privado. Acredito que o referido SE PODE DAR a instabilidade macroeconómi- palmente para pagamentos aos Gergk, que avança que a redução
programa pode vir a constituir- AO LUXO DE ca, as dificuldades no pagamen- fornecedores, está a retrair o in- ou isenção de impostos não basta
-se num eficaz meio de atracção to aos fornecedores e a burocra- vestimento e assinala que o ex- para atrair investimentos para
do investimento privado, desde SELECCIONAR O cia institucional constituem o cesso de burocracia e a tolerân- fora de Luanda. A solução, se-
que seja devidamente sustenta- INVESTIMENTO” maior constrangimento na cap- cia à corrupção são outros facto- gundo disse, é muito mais com-
do por políticas de incentivo fis- tação de investimento directo res que impactam negativamen- plexa, pois de que adianta ter que
cal e crédito bancário orientado O que falhou nas leis ante- privado, quer nacional como es- te na contratação de investimen- investir numa região fora de
para cada um dos “clusters” defi- riores para tornar o merca- trangeiro. tos. “Infelizmente vale em Ango- Luanda, se não houver infra-es-
nidos”, refere Galvão Branco. do mais atractivo ao inves- Os investidores e especialistas la um triste ditado, comum a truturas básicas, como energia,
timento estrangeiro? contactados pelo Expansão afir- outros países: para os amigos água e estradas para escoar os
Melhorar o ambiente de ne- mam ser fundamental a adopção tudo, para os outros a lei”, lem- produtos. “Uma questão básica
gócios em Angola quer dizer de mecanismos e políticas públi- brou. O economista reconhece na minha modesta opinião tem a
criar condições para que cas tendentes a potenciar o de- que o limite do valor mínimo do ver, principalmente com o direi-
É preciso abrir quem quer que seja que in- sempenho dos empresários nos investimento inibiu muito o cli- to de propriedade da terra. En-
vesta em Angola tenha possi- vários domínios da nossa econo- ma de negócios de empresas ale- quanto isto não for resolvido le-
a economia bilidade de repatriar os lu- mia, para aumentar a competiti- mãs em Angola. “Várias empre- galmente, haverá sempre o re-
ao mercado externo, cros e dividendos resultantes vidade e não por via de atitudes sas alemãs estiveram e estão en- ceio e o risco para os investido-
desburocratizar da sua actividade. O País tem paternalistas. volvidas em projectos de infra- res”, sublinha.
de adoptar uma política mais O empresário Galvão Branco -estruturas importantes, como o O empresário Manuel Pinto
e eliminar aberta do retorno do investi- reconhece que o código de inves- financiamento alemão para a de Andrade explica que duas
constrangimentos mento e ter a garantia de que timentos então vigente dispõe construção e fiscalização de pro- coisas falharam na lei em vigor:
este capital regresse ao país de algumas condições e trata- jectos de estradas e pontes, sec- o limite do investimento e a
de origem. Ter a economia mento de matérias bastante sen- tor das águas e energia, nomea- participação obrigatória de só-
estabilizada. As incertezas no síveis, como é o caso das isen- damente o apetrechamento da cio angolano, muitas vezes, pes-
mercado provocam o afasta- ções e incentivos que não são os soas que não entendiam do ne-
O delegado de economia ale- mento dos investidores. mais propícios para a mobiliza- gócio. Espera que o fim do limi-
mã em Angola, Ricardo Gerigk, ção do investimento privado. O te do investimento seja acom-
refere que já não suporta mais Como vê a eliminação da gestor garante ser “coerente e panhado com a definição da
ouvir o discurso da diversifica- obrigatoriedade da partici- tem sentido político da nossa A meta de subirmos qualidade do investimento.
ção da economia. “É preciso pação angolana no investi- realidade a atitude discricioná- Por sua vez, a empresária Ca-
abrir a economia ao mercado in- mento estrangeiro? ria de se atribuir incentivos fi- 12 lugares até 2022 tarina Oliveira reconhece que a
ternacional, desburocratizar e A obrigatoriedade da partici- nanceiros e fiscais atendendo às no Doing Business proposta é mais aliciante. A re-
eliminar constrangimentos. pação de angolanos no inves- realidades sócio – económicas não é ambiciosa dução das isenções é boa, mas é
Quando havia dinhero para esti- timento estrangeiro esteve li- das diferentes regiões, de modo preciso olhar para a questão do
mular a diversificação, muito gada a sectores específicos. a atenuar os efeitos do cresci- para mobilizar repatriamento de capitais para
pouco foi feito. Agora que faltam Hoje os investidores estran- mento desigual.” Ricardo Gergk investidores atrair o capital estrangeiro.
os meios necessários, devido à geiros tentam evitar Angola diz que a actual dificuldade na M.C.
quebra na arrecadação de impos- como mercado de preferên-
tos pela queda do preço do barril cia para fazer investimento,
de petróleo, a tarefa tornou-se por causa das dificuldades na
quase impossível”, afirma o eco- obtenção dos cambiais e de
nomista, que, por outro lado, ga- fazer pagamentos ao exte-
rante que o grande constrangi- rior, essas disponibilidades
mento para os investidores é ain- não existem, é fundamental
da, de maneira geral, o excesso de que se reveja a questão da
burocracia e a constante mudan- disponibilidade das divisas
ça das regras do jogo. para os investidores estran-
Relativamente ao fim da limi- geiros e nacionais. O País
tação do investimento, (ver info- pode ter a melhor lei de in-
grafia), Gerigk revela que, “após a vestimento possível, mas se a
mudança do valor mínimo para ‘1 situação dos cambiais não for
milhão USD’, houve uma enorme atractiva e acautelada, nin-
diminuição dos projectos de in- guém vai investir.
vestimento em Angola.” “Sempre
fui contra esta mudança, pois Partilha da opinião de que o
para se investir 1 milhão USD, são País deve definir a qualida-
necessários, a grosso modo, 3 mi- de do investimento?
lhões USD. Não fazia e nem faz Neste momento, Angola não
sentido estabelecer valores, pois tem condições de exigir o
um investimento de 100 mil USD tipo de investimento a con-
num projecto situado numa pro- tratar do exterior e dar-se ao
víncia fora de Luanda tem mais- luxo de seleccionar os inves-
-valia do que todos a investir 1 mi- tidores. Temos de reconhe-
lhão USD em Luanda”. cer que há investimentos
O consultor Galvão Branco diz que não valem a pena por
que o estabelecimento do limite atropelarem determinados
de 1 milhão USD foi o maior “pe- princípios básicos de com-
cado mortal”. pliance e leis de negócios.
“Acredito que hoje é consen- Esses não interessam ao
sual assumirmos esse enorme País. Tirando isso, o País
absurdo de abordar esta matéria pode atrair baixo, médio ou
D.R.

de natureza estratégica para o grande investimento.


nosso País”, avança o empresário. Empresários dizem que dificuldade no acesso a divisas afasta o investimento privado
4 EXPANSÃO | 9 de Março 2018

DESTAQUE PROPOSTA DE LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

Conheça as novas regras para investir


com incentivos fiscais em Angola
A nova proposta para o investimento privado faz cair o mínimo de investimento que era de 1 milhão USD
e acaba com a obrigatoriedade da participação de angolanos nos investimentos com origem no estrangeiro.

O ANTES E O DEPOIS DA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

LEI N.º 14/15 DE 11 DE AGOSTO PROPOSTA ACTUAL


LIMITE DO INVESTIMENTO
Os benefícios e incentivos aplicam-se aos investimentos externos, cujo montante global Não há limite para investir e ter incentivos, ou seja, todo o valor investido tem incentivos,
corresponda ao contravalor em Kz equivalente ou superior a USD 1 milhão e investimentos internos, seja de que montante ou origem
cujo montante global corresponda ao contravalor em Kz equivalente ou superior a USD 500 mil
PARTICIPAÇÃO DE NACIONAIS
O investimento estrangeiro em Angola, nos sectores da energia e águas, hotelaria e turismo, transporte A proposta da nova lei elimina os limites obrigatórios de participação de nacionais no capital social previsto
e logística, construção civil, telecomunicações e meios de comunicação, apenas é permitido no caso no artigo 9.º da lei em vigor, isto porque se pretende dar realce à liberdade dos sócios
de ocorrer em parceria com cidadãos angolanos, com empresas de capital público ou empresas angolanas, decidirem sobre a estrutura do capital dos seus empreendimentos
em que detenham 35% do capital e participação efectiva na gestão
TRANFERÊNCIAS DE LUCROS
Transferência de lucros e rendimentos para o estrangeiro, incluindo as mais-valias, Depois de implementado o projecto de investimento privado externo, mediante prova da sua execução
depois de pagos os impostos devidos e do pagamento dos tributos devidos é garantido ao investidor, o direito a transferir para o exterior:
os dividendos ou os lucros distribuídos; o produto da liquidação dos seus investimentos,
incluindo as mais-valias; produto de indemnizações e royalties ou outros rendimentos
de remuneração de investimentos indirectos, associados à cedência de tecnologia
QUEM CONCEDE INCENTIVOS
A concessão de incentivos é da responsabilidade do Titular do Poder Executivo resultante da negociação, Há liberdade de contratar os incentivos com a agência do Governo ou aderir a incentivos
no âmbito do regime contratual do investimento privado que existem na lei para todos sem excepção

QUEM BENEFICIA
Para efeitos de atribuição de benefícios, o País é organizado em duas zonas de desenvolvimento: O País é organizado em três zonas, nomedamente a Zona A, inclui Luanda, Namibe,
Zona A inclui Luanda, municipios sede de Benguela, Huíla e o Lobito e a Zona B inclui Cabinda, Bié, os municípios-sede de Benguela, Huíla e Lobito; Zona B inclui Bié, Bengo, Cabinda, Cuanza-Norte,
Cunene, Huambo, Cuando cubango, Lunda Norte, Lunda Sul, Moxico, Zaire, Bengo, Cuanza Norte, Cuanza-Sul, Huambo, Malanje, Namibe, Uíge e restantes municípios de Benguela e Huíla;
Cuanza Sul, Malanje, Namibe, Uige e os restantes municípios de Benguela e Huíla Zona C inclui o Cuando-Cubango, Cunene, Lunda-Norte, Lunda-Sul, Moxico e Zaire.
ACESSO AOS INCENTIVOS
No regime processual, todos os projectos de investimento privado estão sujeitos ao regime contratual, Existem duas vias: na primeira o investidor apresenta uma declaração prévia, ou seja, é a simples apresentação
enquanto regime processual único e o investimento é aprovado pelo Governo da proposta de investimento junto do órgão competente para efeitos de concessão de benefícios e registo
e a segunda é o regime contratual. No regime contratual, o investidor está isento do pagamento das taxas
e emolumentos devidos por qualquer serviço solicitado, incluindo os aduaneiros, por um ente público
não empresarial, durante um período não superior a cinco anos.
FIM DOS INCENTIVOS
Extinção dos incentivos pelo termo do prazo e pela revogação da autorização do investimento A extinção dos incentivos fiscais é feita pelo termo do prazo por que foram concedidos,
sendo que o prazo não pode ser superior a 10 anos.
IMPOSTOS SOBRE A APLICAÇÃO DE CAPITAIS
O montante dos dividendos ou lucros fica sujeito à obrigatoriedade de pagamento Impostos sobre os capitais, para zona A, os investidores têm uma moratória de três anos com a redução
de uma taxa de imposto de 15% quando o valor excendente for até 20%. da taxa entre 25% a 50% da taxa de imposto sobre a distribuição de lucros e dividendos.
Até 50% da participação nos fundos próprios, a taxa é de 30%. Para a zona B, de três a seis anos e o legislador prevê a redução em 50% a 60% da taxa do imposto
sobre os lucros e dividendos. Para a zona C, entre seis a oito anos com a redução da taxa entre 60% a 70%
da taxa de impostos sobre a distribuição de lucros e dividendos.
BENEFÍCIOS EXTRAORDINÁRIOS
A concessão destes incentivos é da responsabilidade do Titular do Poder Executivo, para os investimentos A sociedade veículo do investimento privado pode requerer a contratação de benefícios superiores
cujo montante corresponda a 50 milhões USD e gerem 500 ou 200 empregos aos definidos na presente Lei, sendo o referido pedido negociado em regime de concessão extraordinária
sempre que esse for o entendimento do Executivo, com base no interesse do desenvolvimento
económico e nos objectivos do Plano de Desenvolvimento Nacional.
CONSTITUIÇÃO E ALTERAÇÃO DAS SOCIEDADES
Se o projecto de investimento implicar a constituição da sociedade comercial, transmissão de acções, Os investidores devem informar apenas ou pedir autorização para tais actos,
devem estes actos obedecer à forma legal exigida. Qualquer alteração da sociedade os investidores sem estar sujeito a multas
poderiam incorrer em multas.
ABERTURA DE EMPRESA
O investidor estrangeiro para abrir uma empresa em Angola tinha que obter o certificado do registo Primeiro constitui a empresa sem impedimentos e depois, com esse veículo,
de investimento privado e depois fazer a escritura da empresa o investidor organiza o investimento
ENTIDADE AVALIADORA
Unidade Técnica para o Investimento Privado (Utip) Agência para o Investimento Privado e Exportações (Aipex)

CRONOLOGIA

13 de Maio de 2003 20 de Maio de 2011 11 de Agosto de 2015 28 de Fevereiro de 2018


Entra em vigor a Lei de bases Conhecida por a ‘Lei do Milhão’, Baixa para o equivalente a 500 mil Proposta de Lei do Investimento
do Investimento Privado: estabelecia como investimento USD o investimento mínimo para Privado, apreciada em Conselho
que estabelece as bases gerais mínimo de 1 milhão USD aplicável investidores nacionais. Estabelece de Ministros a 28 de Fevereiro,
do investimento privado em Angola a nacionais e estrangeiros. parcerias obrigatórias em sectores põe fim aos limites mínimos para
e define os princípios sobre o regime Os incentivos fiscais eram idênticos estratégicos, em que os nacionais concessão de incentivos, extingue
e os procedimentos de acesso aos para investidores nacionais têm que deter, pelo menos, a isenção fiscal e acaba com
incentivos e facilidades a conceder. e estrangeiros. 35% das sociedades. Em Setembro a obrigatoriedade de ter sócios
A Agência Nacional de Investimento é criada a Unidade Técnica angolanos. O órgão de execução
Privado (ANIP), que será criada de Investimento Privado (UTIP) da política do investimento passa a ser
a Julho de 2003, fica encarregue que servia de apoio ao PR a recém criada AIPEX (Agência para
de executar a política nacional em para a aprovação de projectos o Investimento Privado e Exportações),
matéria de investimentos privados. acima dos 10 milhões USD. que substitui a extinta UTIP.
9 de Março 2018 | EXPANSÃO 5

Infografia: Expansão

ZONA A
Província de Luanda, do Namibe,
os municípios-sede das Províncias
CABINDA de Benguela, Huíla e o Município
do Lobito
1. Sisa — Redução da taxa
de 50% a 65%, por um período
de até 2 anos;
2. IPU — Redução da taxa até
25%, por um período até 2 anos;
ZAIRE
3. Imposto Industrial
— Redução da taxa de 50%
UÍGE a 60%, por período de 3 anos;
4. Taxa de liquidação provisória
do imposto industrial sobre
as vendas do 1º semestre
— Redução da taxa de 50% a 60%;
5. IAC — Redução da taxa de 25%
BENGO a 50% do imposto que incide
sobre distribuição de lucros
LUANDA LUNDA-NORTE e de dividendos, por um período
de 3 anos.
CUANZA-
-NORTE
ZONA B
Províncias do Bié, Bengo, Cabinda,
Cuanza-Norte, Cuanza-Sul, Huambo,
MALANJE Malanje, Namibe, Uíge e restantes
LUNDA-SUL municípios das Províncias
de Benguela e Huíla
1. Sisa — Redução da taxa de 65%
CUANZA-SUL a 75%, por um período de 3 anos;
2. IPU — Redução da taxa de 25% a
50%, por um período de 2 a 4 anos;
3. Imposto Industrial
— Redução da taxa de 60% a 70%,
por período entre 3 a 6 anos;
Município do Lobito
4. Taxa de liquidação provisória
Município-Sede da BIÉ do imposto industrial sobre
Província de Benguela as vendas do 1º semestre
HUAMBO — Redução da taxa de 60% a 70%;

BENGUELA MOXICO 5. IAC — Redução da taxa de 50%


a 60% do imposto sobre distribuição
de lucros e de dividendos,
por um período de 3 a 6 anos;

ZONA C
HUÍLA Províncias do Cuando-Cubango,
Cunene, Lunda-Norte, Lunda-Sul,
Moxico, Zaire
Município-Sede
da Província da Huíla 1. Sisa — Redução da taxa de 75%
a 80%, por um período de 4 anos;
2. IPU — Redução da taxa de 50% a
75%, por um período de 4 a 6 anos;
NAMIBE
3. Imposto Industrial
CUANDO-CUBANGO — Redução da taxa de 70% a 80%,
por período entre 6 a 8 anos;
4. Taxa de liquidação provisória do
CUNENE imposto industrial sobre as vendas
do 1º semestre — Redução da taxa
de 70% a 80%;
5. IAC — Redução da taxa de 60%
a 70% do imposto sobre distribuição
de lucros e de dividendos,
por um período de 6 a 8 anos.

INTENÇÕES E REALIDADE
Investimento Directo Estrangeiro entrado e obtenções de IDE aprovadas, milhões USD

1.507,6 Intenções de
IDE entrado IDE aprovadas

490,4 404,9
486,4 327,5
339,7
238,4 206,1
182,7 203,3 155,3

2010 2011 2012 2013 2014 2015


6 EXPANSÃO | 9 de Março 2018

ANGOLA

D.R.
Rácio de funcionários públicos por habitante em Angola está bastante abaixo da média internacional

OGE PROIBIA NOVAS ADMISSÕES

Entraram 25 mil funcionários


públicos em 2017
Em ano de eleições, em que os órgãos do Estado estavam proibidos de contratar, o número de funcionários
públicos aumentou 7% para 385.423. Em Angola há um funcionário público para 76 habitantes, um número
bastante abaixo dos padrões internacionais. Na Europa há um por cada 32 habitantes.

dom podendo apenas ocorrer acordo com o relatório, estas


Martins Chambassuco em casos devidamente justifi- duas áreas foram as que mais
FUNÇÃO PÚBLICA A ENGORDAR
cados e aprovados pelo Presi- Número de funcionários públicos 2013-2017 beneficiaram com a admissão
dente da República”. de efectivos no ano passado.
No entanto, o OGE 2017 pre-
Fonte: Conta Geral do Estado e MAPTSS 385.423
via excepções, permitindo a Um funcionário
O número de trabalhadores da admissão de novos funcioná- por 76 habitantes
função pública em 2017 aumen- rios para “preenchimento de Contas feitas, em Angola exis-
tou em 25 mil para 385.423, vagas decorrentes de situações te um funcionário público para
equivalente a 7%, contrariando de reforma, de abandono, de 360.382 76 habitantes, um valor abaixo
a Lei do Orçamento Geral do demissão, de transferência ou 357.113 da média dos padrões interna-
353.967
Estado 2017 que impedia a de morte”. cionais.
contratação de funcionários Em ano de eleições, com um 347.178 No que toca a representativi-
públicos. Orçamento Geral do Estado a dade por género, os dados do
Os números constam de um apertar o cerco à contratação de Ministério do Trabalho reve-
relatório do Ministério da Ad- funcionários públicos, bem lam que 161.649 dos funcioná-
ministração Pública Trabalho como a outras despesas asso- rios públicos são mulheres e
Segurança Social (MAPTSS), a ciadas com a função pública, 223.774 homens.
que o Expansão teve acesso. O como o impedimento de “pro- 2013 2014 2015 2016 2017 O secretário-geral da União
relatório revela que 47.072 qua- cessamento de horas extraordi- Nacional dos Trabalhadores de
dros eram efectivos da admi- nárias”, o Estado aumenta a sua Angola (UNTA), Manuel Viage,
nistração central (departamen- força laboral de 360.382 traba- ramilitares. Mas não estaria em declarações ao Expansão,
tos ministeriais) e 338.402 per- lhadores para 385.423. De acordo com prevista a admissão de 25 mil questionou os processos de ad-
tenciam à administração local Em 2017, a previsão de gastos o OGE 2017, “não são funcionários. missão de funcionários quando
(governos provinciais). com vencimentos da função Em 2017, segundo o MAPTSS, a ordem era proibir contrata-
De acordo com o OGE 2017, pública rondava os 821,9 mil permitidas novas os efectivos da função pública ções. Viage adiantou, no entan-
“não são permitidas novas ad- milhões Kz. No entanto, não é admissões que se estavam maioritariamente vin- to, que este ano é esperado um
missões que se consubstanciam possivel apurar o valor efecti- consubstanciam culados nos sectores da Educa- aumento de 6% a 7% no efectivo
num aumento da massa salarial vamente gasto, uma vez que a ção, com 169.280, e Saúde, com da função pública devido ao
da função pública, incluindo a execução orçamental só dá a s num aumento da 88.264, totalizando 257.544, ou anunciado ingresso de até 20
celebração de contratos de tra- despesas globais com pessoal, massa salarial” seja, 67% do total dos trabalha- mil professores e de 5 mil técni-
balho por tempo determina- isto é, incluindo militares e pa- dores da função pública. De cos da saúde.
9 de Março 2018 | EXPANSÃO 7

ALEGADA BURLA ACABOU EM DETENÇÕES

Investigação diz que UTIP


falhou due diligence
no caso do fundo tailandês
Suposto fundo tailandês apresentou-se em Angola com um cheque
de 50 mil milhões USD na mão. De altas patentes do Estado até a pequenos
empresários, várias figuras terão sido enganadas neste esquema.

trata de empréstimo ou crédito,


Quingila Hebo não exige garantia soberana OS NÚMEROS
nem bancária, obriga apenas DO ALEGADO ESQUEMA
que o proprietário do fundo par-
ticipe na gestão do projecto

A Unidade Técnica para o In-


vestimento Privado (UTIP)
como sócio, assegurando o re-
torno do investimento”, referiu
na altura Celeste de Brito, que
99 Mil Milhões USD
é o valor do cheque que o SIC

OSMAR EDGAR
terá falhado a avaliação de risco se apresentou como consultora encontrou na posse dos suspeitos
a um suposto fundo tailandês da Centennial. Entretanto, a en-
que anunciou em 2017 um fi- tão PCA do Natrabank foi detida
nanciamento de 50 mil milhões no âmbito desta investigação ju- Edificio já não tem o letreiro com o nome do Natrabank
USD para apoiar projectos, ad-
mitiu esta semana o chefe do
departamento central do Servi-
dicial. Na altura da assinatura
do acordo de financiamento
com a UTIP, Celeste de Brito ga-
50 Mil Milhões USD
é quanto os suspeitos disseram BNA MANDOU SUSPENDER ACTIVIDADE
ço de Investigação Criminal rantiu que o fundo iria financiar ter para financiamento
(SIC), Tomás Agostinho.
O responsável da investiga-
projectos que já tinham dado
entrada na UTIP. Na ocasião, Instalações do
ção falava em conferência de Norberto Garcia anunciou que o
imprensa esta semana, no qual
foi anunciada a detenção de seis
projecto entre as partes passava
por os empresários entregarem 99 mil milhões USD do Bank Of
Natrabank encerradas
estrangeiros e dois cidadãos na-
cionais por suspeitas da prática
os projectos na UTIP que depois
os entregava ao suposto fundo
China, com sede em Hong Kong.
Quando entrou em Angola, a há vários meses
dos crimes de falsificação de para posterior financiamento. Centennial Energy anunciou
documentos, burla por defrau- No momento da detenção, que já terá feito investimentos tactada na altura pelo Expan-
dação, associação de malfeito- que decorreu num hotel em semelhantes no Vietname, Sociedade que são, foi desencadeada pelo de-
res e branqueamento de capi- Luanda, foram encontrados na Camboja, Myanmar e noutros partamento de supervisão que
tais. “Terá havido uma falha, posse dos suspeitos processos países asiáticos. se apresentou como alegou irregularidades no uso
um erro, de avaliação deste pro- de 53 projectos submetidos por Entretanto, Tomás Agostinho um banco, constituída da palavra banco.
jeto de investimento da parte empresários e supostamente referiu que, contactadas as con- apenas com um capital O BNA achou conveniente le-
da entidade responsável pela prontos a serem financiados, géneres do SIC nestes países, social de 2 milhões Kz, galizar a empresa e ordenou a
captação de investimento”, ad- bem como um cheque no valor concluiu-se que a linha de finan- alteração da marca e a redefini-
mitiu Tomás Agostinho. ciamento não existe. Agostinho fechou dez meses após ção do seu “core business”. Ce-
A 30 de Novembro, a UTIP, li- adiantou que estão envolvidos a inauguração. leste de Brito, contactada pelo
derada por Norberto Garcia, ce- no processo pelo menos três ofi- Expansão na altura, disse que
lebrou um contrato de financia- ciais de alta patente das Forças não tinha sido notificada pelo
mento com a Centennial Empresa Centennial Armadas Angolanas (FAA), que BNA. Outra fonte garantiu, no
Energy Company. Na altura, os gozam de um fórum especial. entanto, que a PCA do Natra-
responsáveis desta empresa as- Energy assinou O Expansão enviou questões ao O Natrabank encerrou portas bank tinha estado reunida com
sumiram que este se tratava de contrato com a UTIP ex-director da UTIP e actual por- há pelo menos cinco meses, o então governador do BNA,
um fundo que iria apoiar projec- que visava ta-voz do MPLA, Norberto Gar- apurou o Expansão junto de Valter Filipe, e em cima da
tos angolanos.“Resulta de um cia, nomeadamente sobre que várias fontes. O letreiro que mesa esteve o início do proces-
investimento individual de um financiar projectos tipo de due diligence terá sido fei- constava na fachada do edificio so de encerramento do Natra-
fundo lícito que possui todas as que estavam parados ta pela UTIP, mas não obteve res- da sede já não se encontra no bank, por indefinição do objec-
certificações e garantias, não se posta até ao fecho de edição. local e as mesas e cadeiras es- to de actividade.
tão empilhadas, sem qualquer Em Julho do ano passado o
utilização. Expansão apurou que a empre-
A instituição foi inaugurada sadesrespeitou a suspensão de
no ano passado e na altura foi actividade imposta pelo banco
apresentada por Celeste de central. Na mesma altura, Ce-
Brito, presidente do conselho leste de Brito terá proposto ao
de administração, como um BNA que o Natrabank servisse
banco único em África e no de depósito de ouro que estava
Mundo que iria trazer valor a negociar com produtores an-
acrescentado aos recursos na- golanos e que em troca lhe fos-
turais de um país afectado pela se emitida uma garantia sobe-
crise do preço do petróleo no rana, um pedido que não mere-
mercado internacional. ceu aval do BNA.
Entretanto, onze dias após a Celeste de Brito foi detida
inauguração que contou com a esta semana pelo SIC (ver peça
presença do então ministro da ao lado).
geologia e minas e actual mi-
nistro da justiça, Francisco
Queiroz, o BNA mandou encer-
rar a instituição. Em causa, se-
gundo alegou o banco central, Celeste de Brito foi
estava a utilização da palavra
“ bank”, reservada apenas as detida esta semana
entidades habilitadas pelo re- por envolvimento
gulador como instituições fi- na alegada burla do
nanceiras que por Lei estavam
LÍDIA ONDE

obrigadas a um capital mínimo fundo tailandês de


de 2,5 mil milhões Kz. A medi- 50 mil milhões USD
Novo Executivo extingiu a UTIP da, segundo fonte do BNA con-
8 EXPANSÃO | 9 de Março 2018

ANGOLA

SÓ UMA FOI APROVADA NA ASSEMBLEIA NACIONAL DESDE 2002


BREVES

Três Comissões Parlamentares ANGOLA QUER RÚSSIA

de Inquérito bloqueadas na AN MAIS ACTIVA NA


ECONOMIA NACIONAL
O Presidente da República,
João Lourenço manifestou
A UNITA considera que tem faltado vontade política para se abordar em profundidade matérias o interesse do País numa
de interesse nacional, através das Comissões de Inquérito Parlamentar, mas o MPLA refuta participação mais activa da
a acusação. Na história democrática do País, só foi constituida uma CPI na Assembleia Nacional. Rússia na economia.
João Lourenço apresentou
esta vontade ao Ministro das
Relações Exteriores
da Rússia, Serguei Lavrov,
Hermenegildo Tchipilica a quem indicou sectores
de cooperação, nomeadamente
ao gás e na área diamantífera.
O chefe da diplomacia russa
reuniu-se com o seu homólogo
Ao longo da história da demo- angolano, Manuel Augusto
cracia do País, a Assembleia Na- para reforço das colaborações,
cional apenas constituiu uma onde foi igualmente abordado
Comissão Parlamentar de In- um pacote de acordos em fase
quérito (CPI) e bloqueou ou- de discussão pelas duas partes,
tras três, todas de iniciativa da com realce para o documento
UNITA. Entretanto, o partido que validará as equivalências
da oposição submeteu uma dos diplomas académicos.
nova CPI, na qual pretende ver
apuradas questões relativas à
divida pública de Angola. EUA ALERTAM ÁFRICA
A primeira CPI de iniciativa SOBRE INVESTIMENTOS
da UNITA surgiu em 2012 (ver CHINESES
caixa) e foi a única a realmente O secretário de Estado
avançar. É preciso esperar até

QUINTILIANO DOS SANTOS


dos Estados Unidos,
2013, quando o partido do ‘Galo Rex Tillerson, advertiu os países
negro’ volta a submeter na AN africanos para terem cuidado
um pedido de CPI, relacionado com as condições dos
com o caso BESA. Esta CPI foi a investimentos chineses
primeiro de três que entretanto no continente, chamando
nunca foram viabilizadas. Na se- A realização de Comissões Parlamentares de Inquérito são um imperativo legal a atenção para os termos
gunda, em 2016, pedia que se e a manutenção da soberania.
apurassem as contas da Sonan- Em declarações ao Expansão, o “No que diz respeito à China,
gol, bem como os investimentos Alcides Sakala porta-voz da UNITA, Alcides COMISSÃO como já disse noutras partes
conjuntos com Isabel dos Santos Sakala considera que as três CPI´s do mundo, não estamos
No ano passado, novamente considera que as pedidas pelo partido não foram DE INQUÉRITO de forma nenhuma a tentar
com o clã ‘dos Santos’ na mira, a três CPI´s pedidas viabilizadas “por falta de vontade PARLAMENTAR colocar os investimentos
UNITA volta a activar este me- pela UNITA não política”. “Essas CPI´s procuram SOBRE chineses fora de África, porque
canismo para que se investigas- de facto entender esta má gestão INTOLERÂNCIA são necessários”, disse
se o Fundo Soberano de Angola foram viabilizadas do erário público, os contornos da o membro do Governo norte-
liderado por José Filomeno dos “por falta de corrupção e outras questões rela-
POLÍTICA -americano equivalente
Santos, na sequência de denún- vontade política” cionadas. E também responsabi- A Comissão Parlamentar ao ministro dos Negócios
cias e investigações de um con- lizar os próprios elementos impli- de Inquérito sobre Estrangeiros nos governos
sórcio internacional de jorna- cados em todos esses processos”, a intolerância política europeus. “Cremos, no entanto,
listas que deu origem aos deno- reforça. O porta-voz da UNITA constituida em 2012 que é importante que os países
minados “Paradise Papers”. O adiantou que as três propostas de foi a única CPI criada africanos considerem
consórcio levantava dúvidas serem embelezados pelo Exe- CPI’s acabaram por “ser chumba- em Angola. com cuidado os termos desses
sobre a entrega de 85% dos fun- cutivo”, refere. das em conferência de lideres” na Na altura, a primeira investimentos e não renunciem
dos públicos geridos pelo Fun- A Lei nº13/17, de 6 de Julho – Assembleia Nacional. Comissão Parlamentar de à sua soberania”, sustentou,
do Soberano a um só gestor, no a Lei Orgânica que aprova o Re- O vice-presidente da bancada Inquérito foi coordenada falando na capital da Etiópia,
caso, o amigo de ‘Zenu’, o suíço- gimento da Assembleia Nacio- do MPLA, João Pinto, desvalori- pelo deputado do MPLA Adis Abeba, numa conferência
-angolano Jean-Claude Bastos nal refere no artigo n.º 314 que za as acusações da UNITA, Higino Carneiro, e tinha de imprensa conjunta com
de Morais. Mais uma vez, não as Comissões Parlamentares adiantando apenas que se trata como finalidade identificar o presidente da comissão
teve andamento. de Inquérito são constituídas de “um argumento político”. Por queixas de intolerância da União Africana,
A 2 de Março, a UNITA subme- por resolução da Assembleia sua vez, o vice-presidente da política alegadamente Moussa Faki Mahamat.
teu um pedido de uma nova CPI Nacional, publicada em Diário CASA-CE, Manuel Fernandes, perpetrados pelo MPLA
sobre a dívida pública, justifican- da República. O artigo n.º 310 considera que a Assembleia Na- contra membros da UNITA
do que “o tema da dívida ainda do mesmo diploma refere que cional deve evoluir, entender no Huambo. NOVO REGIME JURÍDICO
não alcança a relevância que me- as Comissões de Inquéritos melhor o seu papel, interpretar A missão trabalhou PARA ESTRANGEIROS
rece nos debates, não obstante Parlamentares destinam-se a melhor o valor das iniciativas e em alguns municípios, ATÉ MAIO
ser a maior rubrica do OGE em averiguar o cumprimento da valorizá-las. “Essas iniciativas reuniu-se com a sociedade Uma comissão que integra
Angola desde o ano de 2016”. Constituição e das leis e a apre- são importantes, visam clarifi- civil, autoridades seis ministros tem menos
“Não obstante ser um pro- ciar os actos que violem a exe- car algumas situações com a fi- tradicionais e elementos de 90 dias para definir
blema gravíssimo e inibidor do cução do OGE. Após a sua cons- nalidade de poder corrigir situa- de partidos políticos e, uma proposta para o novo
crescimento e desenvolvimen- tituição, tem um prazo de 90 ções futuras, mas por orgulho de no fim, concluiu que não regime jurídico de cidadãos
to, o tema da divida não é dis- dias para a conclusão do inqué- um lado, pura e simplesmente houve intolerância política estrangeiros em Angola,
cutido por falta de conheci- rito e apresentação do respec- atira-se para o lado aquilo que naquele caso. conforme orientação
mento e pelo facto dos dados tivo relatório. deveria ser útil”, disse. do Presidente da República,
João Lourenço. A informação
consta do despacho
Cronologia das Comissões de Inquérito Parlamentares presidencial 20/18, de final
de Fevereiro, que cria
2012 2013 2016 2017 2018 esta comissão, coordenada
pelo ministro do Interior,
A UNITA submente à Assembleia Um ano depois, o partido Uma vez mais a UNITA requer A UNITA requere a constituição O maior partido da oposição volta
Ângelo da Veiga Tavares, face
Nacional a primeira CPI da história do “Galo Negro” voltou à carga junto da Assembleia Nacional de uma CPI sobre o Fundo a submeter um pedido de CPI
do País. Com o objectivo e apresenta uma proposta de uma uma CPI sobre a Sonangol Soberano de Angola para destinada a apurar a real dívida à “necessidade de estabelecer
de apurar sobre um suposto caso CPI para analisar o “caso BESA”. na qual solicitava que se apurasse investigar as denúncias pública do País. Aguarda resposta uma política migratória
de intolerância política no Foi chumbada. e documentasse a origem e investigações do “Paradise da Assembleia Nacional. nacional que tenha em vista,
Huambo, esta foi a única comissão dos investimentos conjuntos Papers”. de forma humana e ordenada,
que obteve luz verde da AN. com Isabel dos Santos. a maximização dos benefícios
Também não avançou. que decorrem da imigração”.
9 de Março 2018 | EXPANSÃO 9

AVALIAÇÃO E REESTRUTURAÇÃO EM CURSO

Angola Telecom
deixa ‘cair’ terceira
operadora móvel
sam os 10 mil milhões Kz, de acor-
Dívidas à empresa do com o responsável da empresa.
Entre os maiores devedores
ultrapassam estão os ministérios, governos
os 10 mil milhões Kz, provinciais e as administrações
refere o CEO. municipais e comunais.
Maiores devedores Eduardo Sebastião avança que
a empresa vai reforçar a cobran-
são ministérios ça de dívidas e que está a rever e a
e administrações locais. renegociar os contratos das em-
presas que prestam serviços à
Angola Telecom.
O responsável garantiu ainda
que o processo de reestrutura-
A terceira operadora de telefo- ção da empresa não prevê dis-
nia móvel que estava prevista pedimentos de pessoal, mas
começar a operar no primeiro que avançará por uma recolo-
trimestre de 2018 deixou de fa- cação e capacitação dos traba-
zer parte das prioridades da An- lhadores de acordo com o grau
gola Telecom, informou Eduar- de escolaridade. A empresa
LÍDIA ONDE do Sebastião, coordenador da conta com 997 trabalhadores
comissão de gestão da empresa em todo o país, dos quais ape-
pública de telecomunicações. nas cerca de 200 são técnicos
As empresas que gerem as três fábricas têxteis querem manter as unidades fabris A operadora móvel da Angola superiores.
Telecom custaria, numa primeira A comissão de avaliação e
fase, cerca de 200 milhões USD. reestruturação da Angola Tele-
PRAZO DE ENTREGA TERMINOU EM FEVEREIRO Eduardo Sebastião, que falava na com foi constituida em Dezem-
conferência de imprensa que assi- bro do ano passado. O objectivo

Empresas apresentam nala o 26º aniversário da Angola


Telecom, referiu que a prioridade
da empresa agora passa por reduzir
passa pela privatização de par-
te do capital.
De acordo com os resultados

propostas para continuar à os custos, aumentar as receitas e


melhorar os serviços prestados.
Segundo o gestor, actualmente
provisórios, a Angola Telecom
facturou, em 2017, cerca de 14
mil milhões Kz.

frente das indústrias têxteis as despesas da empresa superam as


receitas em 130%, sendo que a meta
é reduzir para pelo menos 75%.
O Estado gastou 1,2 mil milhões USD com o recurso a uma linha de crédito Eduardo Sebastião, entretanto, re-
conhece que a empresa apresenta Nova operadora
japonesa para a recuperação das três fábricas têxteis e concessionou-as, uma fraca capacidade de cobrança,
em 2013, a sociedades anónimas, que pretendem manter as fábricas. cobrando apenas 30% do que os custaria cerca
clientes devem à empresa. de 200 milhões USD
mas projecto deixou
Órgãos do Estado são os
três sociedades anónimas. Na al- superfície”, reivindicando, as- maiores devedores de ser prioritário,
Quinjila Hebo tura, o presidente da Comissão sim, a devolução das três fábri- Os clientes da Angola Telecom têm refere o CEO
de Avaliação do Sector Têxtil, cas ao Estado. dívidas acumuladas que ultrapas-
Vicente Leitão, disse ao Expan- Vicente Leitão, que coordena
são que esta proposta já foi en- a Comissão de Avaliação do Sec-
tregue ao Governo e aguardava tor Têxtil disse ao Expansão em
As empresas Alassola SA, Mahi- por aprovação. Entretanto, na Dezembro do ano passado que o
najhu SA e Taxtang II apresenta- sequência desta proposta o Go- Estado deveria avançar com um
ram propostas para continua- verno reuniu recentemente com concurso público para a privati-
rem na gestão das fábricas têx- os representantes das empresas zação das fábricas e que quem
teis, nomeadamente África Têx- gestoras das indústrias têxteis e pretendesse ficar com as fábri-
til, Satec e Textang II, que foram lançou um ultimato para apre- cas deveria incluir as dívidas aos
modernizadas através de uma li- sentarem propostas até final de trabalhadores e aos fornecedo-
nha de crédito do Japão no valor Fevereiro para continuarem à res, bem como com o valor total
de 1,2 mil milhões USD e que frente das fábricas. da dívida (capital mais juros) do
contou com a garantia do Estado. Em Setembro do ano passado, empréstimo contraído ao Japão.
O Executivo está a avaliar as o Ministério da Indústria cance- O responsável revelou que es-
propostas para decidir se as man- lou os contratos de concessão tas empresas tinham (e têm) as
tém na posse das empresas que as assinados com referido ministé- concessões de gestão das fábri-
exploram ou se avança com um rio, alegando “incompetência cas, mas quem continuava a pa-
processo de privatização. absoluta do Instituto de Desen- gar a dívida referente ao crédito
“As propostas ora apresenta- volvimento Industrial de Angola japonês era o Estado.
das consistem na gestão das para atribuição dos direitos de
empresas para torná-las rentá- Estado deverá recuar
veis para amortizar a dívida do na privatização
empréstimo. O processo está a Entretanto, tudo indica que o
decorrer a bom ritmo e até fim Governo terá recuado, tentando
deste mês estará concluído”, Executivo está a agora mecanismos para a venda
disse ao Expansão uma fonte li- avaliar as propostas por ajuste directo. Caso o Esta-
gada ao processo. para decidir se as do avance com a privatização,
Em Novembro do ano passado Vicente Leitão diz que deverá
o Governo anunciou que as in- mantém na posse contabilizar as dívidas aos tra-
dústrias deverão ser vendidas a das empresas balhadores e aos fornecedores
CÉSAR MAGALHÃES

privados, através da realização que as exploram das unidades fabris quando


de um concurso público, depois eram empresas públicas, bem
de em Setembro o Ministério da ou se avança como a dívida contraída ao ban-
Indústria ter cancelado os con- com privatização co japonês, que rondará os 1,4
tratos de concessão atribuídos a mil milhões USD. Empresa pública de telecomunicações diz que vai reduzir custos
10 EXPANSÃO | 9 de Março 2018

ANGOLA

BRAÇO DE FERRO ENTRE EMPRESÁRIA E CARLOS SATURNINO

Isabel dos Santos


contra-ataca nova
administração da Sonangol
A antiga PCA da petrolífera nacional reagiu em comunicado e em entrevista
na mesma semana. Desmente Carlos Saturnino e reitera que durante
o tempo em que esteve na Sonangol aumentou os lucros e diminuiu a dívida.

Quando chegámos em Junho de


Quingila Hebo 2016 não tomei a decisão de ANTES E DEPOIS
exonerar Carlos Saturnino. Fi- DA ISABEL DOS SANTOS
zemos primeiro um diagnóstico
e depois percebemos onde exis-
tiam debilidades e que empre-
115

QUINTILIANO DOS SANTOS


Isabel dos Santos respondeu às sas do grupo eram mais frágeis e Milhões USD
acusações do actual presidente precisavam de maior interven- a Sonangol gastou
do conselho de administração ção. No caso da Pesquisa & Pro- em consultoria em 2015
da Sonangol, Carlos Saturnino, dução, o que foi detectado é que
que a acusou de ter ordenado a a empresa tinha muitas debili-
transferência de 38 milhões dades na parte de gestão. Ou Estado deve proporcionar desenvolvimento urbano
USD um dia depois de ter sido
exonerada e de não ter pago os
dividendos da participação in-
seja, tinha perdido em 2015 cer-
ca de 859 milhões USD. Era um
número muito elevado”, justifi-
90 Milhões USD
a Sonangol gastou LONGE DA META DAS NAÇÕES UNIDAS
directa (via Esperaza) da So- cou Isabel dos Santos. em consultoria em 2017
nangol na Galp.
A empresária concedeu uma
Por outro lado, “tinha proble-
mas na sua operacionalidade. Processo de fomento
entrevista ao português Jornal Estava sobredimensionada.
de Negócios em que exibe do-
cumentos que alegadamente
Existiam muitas direcções, mui-
tas linhas de reporte, os proces- gestão, com uma gestão mais pe-
de casas sociais em
comprovam o pagamento dos
dividendos da Galp à Sonangol.
sos eram lentos, a empresa não
era funcional e tomámos a inicia-
quena, mais enxuta, mais ágil. O
conselho de administração da Angola está atrasado
Diz ainda que não houve quais- tiva de redesenhar e reestruturar Sonangol Pesquisa & Produção,
quer instruções de pagamentos a empresa, para transformar a tanto para 2015 como para 2016, urbanizados, sendo que a gran-
com data posterior a 15 de No- Sonangol Pesquisa & Produção teve muitas dificuldades em fe- Já só faltam de maioria habita na periferia,
vembro, dia da sua exoneração. numa empresa mais parecida char e apresentar um orçamen- com carência de equipamentos
Na entrevista revela que não com uma empresa internacional to. Ou seja, trabalhava sem um 12 anos para o fim sociais e serviços básicos.
estava à espera da exoneração operadora de petróleos”. Para orçamento. Isso era uma situa- da meta dos Objectivos Luanda, Huambo, Lubango e
da liderança da petrolífera pelo tal, continua Isabel, “redesenhá- ção muito preocupante e não po- de Desenvolvimento Benguela, têm cerca de 45% da
actual Presidente da Repúbli- mos completamente a linha de díamos continuar assim”. Sustentável e Angola população urbana do País.
ca,JoãoLourenço, e explica por- Isabel dos Santos diz também De acordo com o arquitecto,
que afastou Carlos Saturnino da na entrevista que esperava que continua com défice muitos projectos habitacionais
presidência da Sonangol Pes- Carlos Saturnino aproveitasse habitacional. no País são erguidos sem uma
quisa& Produção. a conferência de imprensa para estrutura arquitectónica ade-
Carlos Saturnino foi afastado Isabel diz divulgar a sua estratégia de ges- quada às necessidades da popu-
da Sanangol P&P em Dezembro que esperava tão para o futuro, mas tudo que lação, razão pela qual, tais inicia-
de 2016, após a chegada de Isa- ouviu foi um ataque à anterior tivas acabam por se tornar um
bel dos Santos à Sonangol. Se- ouvir a estratégia administração. Angola está longe de atingir os fracasso, uma vez que a popula-
gundo a ex-PCA da Sonangol, de Saturnino Isabel dos Santos desvaloriza “Objectivos de Desenvolvimen- ção procura fixar-se em locais
como a Pesquisa & Produção para a empresa, também a acusação de ter gasto to Sustentável” até 2030 reco- onde consiga realizar as suas ac-
era a principal empresa do gru- muito dinheiro com consulto- mendados pelas Nações Unidas tividades económicas.
po Sonangol, era “sem dúvida, a não ataques rias, justificando que foi gasto aos governos porque está atrasa- “Precisa-se de desconcentra-
empresa que necessitava de ao CA cessante muito mais em anos anteriores da no fomento de casas sociais. ção dos serviços, o que significa
mais atenção dentro do grupo. à sua chegada. Esta é uma das principais con- investir em projectos habitacio-
clusões emitidas pelo arquitec- nais onde já exista população,
to António Gameiro durante a para fazer assentamento dos ci-
conferência sobre “o futuro da dadãos, de acordo com cada re-
habitação social em Angola”, or- gião”, sugeriu Gameiro.
ganizado pela Imogestin em Quanto ao fomento e desen-
parceria com o Expansão, que volvimento urbano, o arquitecto
decorreu esta semana. defendeu que deve ser o Estado
Os objectivos de desenvolvi- pode delegar essa missão a em-
mento sustetável traça como ob- presários através de parcerias.
jectivo que os governos devem Em todo o mundo, 828 milhões
garantir às famílias uma habita- de pessoas vivem em “musse-
ção segura, adequada, com preço ques”. As cidades ocupam cerca
acessível e com os serviços bási- de 2% do espaço da terra, usam
cos funcionáis. O arquitecto que cerca de 80% do consumo de
abordou o tema “a habitação so- energia e provocam cerca de 75%
cial em Angola”, lembra que já só da emissão de dióxido de carbono.
faltam 12 anos para se atingir a
meta indicada pelas Nações Uni-
das e que Angola continua com
um défice habitacional. Gamei-
ro lembra, por outro lado, que le- Em todo o mundo,
gislação do País define como ha-
828 milhões
QUINTILIANO DOS SANTOS

bitação social “uma residência


totalmente subvencionada pelo de pessoas vivem
Estado”, destinada a cidadãos em “musseques”,
que não preenchem os padrões
de rendimento mínimo. bairros não
Parte significativa das popu- estruturados
Isabel dos Santos foi afastada da Sonangol quatro meses depois de JLO tomar posse lações vive em bairros menos
PUB

O PARCEIRO GLOBAL PARA A


SUA EMPRESA.
Com uma ampla rede de agências em Angola, o Banco Caixa Geral Angola faz parte de um grupo presente
em 23 países e 4 continentes, sendo o parceiro estratégico para o seu negócio.

Invista numa parceria global, na inovação e excelência de serviços para o sucesso da sua empresa.

Caixa Angola, o Banco da sua empresa.

Para mais informações:


Linha Caixadirecta Angola
24H +244 226 424 424
www.caixaangola.ao
12 EXPANSÃO | 9 de Março 2018

ANGOLA PROVÍNCIAS

BENGUELA
DE NORTE A SUL

INE ARRANCA COM


Comboio do CFB volta
INQUÉRITO SOBRE
DESPESAS E RECEITAS
a “ganhar vida” 34 anos
O Instituto Nacional
de Estatística (INE) arrancou,
depois da última viagem
esta semana, na província
da Lunda Sul, com o terceiro flito armado. O Governo angola-
inquérito sobre Despesas, Cumpriu-se um dos no investiu cerca de 2 mil mi-
Receitas e Emprego de Angola lhões de dólares USD na sua
(IDREA). De acordo com o
principais objectivos reactivação.
director do Serviço Provincial, que levou o Governo O primeiro carregamento de
Josué Martins, o inquérito terá a investir cerca mineiro foi testemunhado pelo
a duração de um ano e conta
de 2 mil milhões USD ministro dos Transportes, Au-
com 10 agentes, que vão gusto da Silva Tomás, e pelo vice-
percorrer os quatro municípios na reactivação destes -primeiro ministro dos Trans-
que compõem a província caminhos-de-ferro. portes e Vias de Comunicação da
da Lunda Sul. Sublinhou que, RDC, José Makila.
a nível da província, o INE prevê O governante democrata-con-
atingir cerca de 657 agregados golês considerou que o reinício do
familiares. A informação a reter tráfego internacional no Cami-
tem a ver com as características A linha dos Caminhos-de-Ferro nho-de-Ferro de Benguela con-
socio-demográficas de Benguela [CFB] voltou ao acti- tribuirá para a estabilidade eco-
dos agregados familiares vo, depois de estar parada duran- nómica dos dois países e da região,
e aspectos de saúde geral. te 34 anos. Mil toneladas de man- impulsionando as trocas comer-

D.R.
ganês proveniente da República cias e a exportação de minérios
Democrática do Congo (RDC) para a Europa, Ásia e América. Desde 1990, o Japão apoiou o País com 4,8 milhões USD em 16 projectos
SECA PODE AFECTAR chegaram por comboio ao Porto Augusto da Silva Tomás, minis-
MAIS DE 42 MIL Comercial do Lobito, na quarta- tro dos Transportes do Governo de
FAMÍLIAS -feira, 7. Transportado em 25 car- João Lourenço, frisou que esta é MOXICO, UÍGE E BENGUELA
A seca pode comprometer as ruagens 50 contentores dos Ca- uma oportunidade para tornar
colheitas de produtos agrícolas
de 42.485 famílias camponesas,
minhos-de-Ferro de Benguela
[CFB], o minério deverá seguir
Angola mais forte e competitiva,
no contexto da região SADC, e ala- Japão financia com
na presente campanha agrícola, para o continente europeu e para vancar a diversificação económica.
devido às fracas chuvas que
se registam na circunscrição,
a Índia, segundo avançou fonte
governamental ao Expansão.
Ao Expansão, o PCA dos Cami-
nhos-de-Ferro de Benguela, Luís
940 mil USD projectos
no município de Ombadja
província do Cunene. As
A linha beneficiará as regiões
afectas ao Corredor do Lobito e
Teixeira, disse que a “rota inter-
nacional” poderá aumentar si-
de desminagem
previsões de colheitas, segundo facilitará a integração na região gnificativamente as receitas da
a nota, não são animadoras da SADC, a Comunidade de Des- empresa pública, podendo im- tencialidade para crescer e se
devido à irregularidade envolvimento da África Austral, pulsionar novos investimentos. O Governo desenvolver em sectores como a
na queda de chuva, situação através das vizinhas RDC e Zâm- Nelson Sul saúde e educação.
que contribui também para o bia, que partilham uma vasta do Japão volta Recorde-se que o governo do
aumento da mortalidade bovina. fronteira com Angola. Abre, por a financiar projectos Japão doou, no ano passado, 733
exemplo, o caminho para o envio de desminagem mil USD resultado de assistên-
de mercadorias para esses paí- e educação nas cia aos projectos comunitários
CÂMARA DE COMÉRCIO ses, em particular de cimento, de segurança humana da Em-
COM OS OLHOS NA peixe, sal e cerveja, e alguns dos
A linha beneficiará províncias do Moxico, baixada do Japão.
CLASSE EMPRESARIAL produtos mais solicitados no as regiões afectas Uíge e Benguela. O projecto de construção de 4
A Câmara de Comércio mercado congolês, avançou o ao Corredor do salas de aula para a escola primá-
e Indústria do município “estatal” Jornal de Angola. Lobito e facilitará ria da Santa Ana na Província de
de Icolo e Bengo (CCIIB), Este é um momento histórico, Benguela, o projecto de introdu-
criada na semana passada, depois da linha férrea de Ben- a integração na ção da máquina para tratar as ca-
pretende, com o programa guela, que liga à RDC, ficar total- região da SADC O Governo do Japão concedeu taratas por meio de cirurgia no
de acção 2018, promover mente destruída devido ao con- um financiamento de 940 mil Hospital Geral de Benguela e o
o desenvolvimento inclusivo USD para projectos de desmina- projecto de Desminagem na
da classe empresarial local, gem e educação, no âmbito do Província do Huambo imple-
visando elevar o município Programa de Assistência aos Pro- mentado por ONG’s.
a uma referência no contexto jectos Comunitários (APC) no Dos 733 mil USD disponibili-
das municipalidades do País. País. Os acordos de cooperação zados, 82 mil foram direcciona-
Segundo o presidente da CCIIB, foram assinados, esta semana, dos para o projecto de constru-
Adalberto Capingana, o órgão pelo embaixador do Japão em ção de 4 salas de aula para a esco-
que dirige vai acompanhar Angola com as diversas organiza- la primária da Santa Ana na Pro-
a dinâmica governamental ções não-governamentais (ONG) víncia de Benguela, implemen-
no que concerne a matérias que vão executar os projectos. tado pela ONG Saúde, Educação,
de associativismo, investimento Um dos acordos envolve a Reabilitação da Vida e Infra-es-
privado e desenvolvimento ONG Mines Advisory Group trutura Rurais (SERVIR).
local, para representar (MAG), que vai dispor de 650 Desde 1990, o Japão apoiou
os interesses da classe mil USD para executar um pro- Angola com 4,8 milhões USD em
empresarial de Icolo e Bengo. jecto de desminagem na pro- 16 projectos de desminagem, 1,4
víncia do Moxico. milhões USD em 14 projectos no
A ONG Ajuda Popular da No- sector da educação, e um milhão
FAZENDA AGRO- ruega (APN) vai receber um fi- de USD em nove projectos do
-INDUSTRIAL REDUZ nanciamento de 200 mil USD sector da saúde.
A PRODUÇÃO DE MILHO também para um projecto de Alexandre Lourenço
A fazenda agro-industrial, desminagem na província do Uí-
situada na comuna de Ringoma, ge, enquanto a Associação para o
município de Camacupa, Apoio ao Desenvolvimento Co-
província do Bié, prevê munitário (AADC) terá 90 mil
uma redução para nove mil USD para a construção de qua- Os investimentos
toneladas de milho na presente tro salas de aula numa escola fazem parte
campanha agrícola, numa primária da Kalossonga, na pro-
extensão de 1.500 hectares. víncia de Benguela. do programa
Segundo o técnico Estevão De acordo com Hironori Sa- de assistência
Miguel, comparativamente wada, o Governo do Japão dá aos projectos
ao ano anterior vai haver uma particular importância e priori-
queda para metade pelo facto dade à segurança humana, sa- Comunitário
do País
D.R.

de os trabalhos de preparação lientando que Angola é um País


da terra terem começado tarde. Ligação abre caminho para estabilidade económica de Angola na região com enorme capacidade e po-
PUB
14 EXPANSÃO | 9 de Março 2018

MUNDO

D.R.
A contestação interna sobe de tom. O conselheiro económico de Donald Trump demitiu-se; os congressistas republicanos pedem ao Presidente que recue

FMI ALERTA PARA CONSEQUÊNCIAS NO CRESCIMENTO DA ECONOMIA MUNDIAL

UE responde com imposição de


taxas à “guerra do aço” de Trump
A “guerra do aço” do Presidente Trump, que visa a China, está a ser alvo de forte contestação externa
e interna. A indústria do aço e do alumínio americana adverte para os efeitos negativos da decisão, que pode
pôr em causa 6,5 milhões de emprego no país. A Europa vai responder com taxas às importações dos EUA.

carta, que aqueles impostos tor- e organizações transnacionais, Europeu, órgão que reúne os che-
Isabel Costa Bordalo nam os negócios norte-ameri- como a União Europeia e a Orga- fes de Estado e de Governo da UE.
canos menos competitivos e os nização Mundial do Comércio.
“As guerras Tusk deixou claro que a inten-
consumidores mais pobres, re- A China, principal alvo do comerciais são más ção de Trump é o prenúncio de
forçando as queixas já feitas pe- anúncio de Donald Trump, reagiu e fáceis de perder”, “uma guerra comercial entre os
las indústrias do aço e do alumí- no domingo. Zhang Yesui, porta- adverte o presidente EUA e o resto do mundo”. E
O Presidente dos EUA, Donald nio. Também os economistas -voz da Assembleia Nacional Po- ameaçou retaliar com a aplica-
Trump, está cada vez mais isola- norte-americanos alertam que pular, afirmou que o seu país “não do Conselho ção de taxas sobre as importa-
do na “guerra do aço” que lançou a imposição de tarifas, para pro- ficará de braços cruzados” peran- Europeu ções de manteiga de amendoim,
há uma semana, quando anun- teger 140 mil empregos, arrisca te as ameaças dos EUA e “tomará sumo de laranja e ‘bourbon’. A
ciou a intenção de impor uma prejudicar 6,5 milhões de outros as medidas que se impõem”. lista provisória está a ser discuti-
tarifa geral de 10% a todas as im- postos de trabalho em vários A Aluminum Association, or- da e poderá incluir ainda “pro-
portações de alumínio e outra sectores. O aumento do preço do ganização dos EUA que repre- dutos de aço, industriais e agrí-
de 25% às importações de aço aço, alegam, vai prejudicar as in- senta 114 empresas do sector, de alumínio e de aço. Sarah San- colas”, acrescentou a comissária
para apoiar os produtores nor- dústrias que usam este produto, endereçou uma carta a Donald ders referiu-se ainda à possibi- europeia para o Comércio, Cecí-
te-americanos e aumentar o nú- como fabricantes de automóveis Trump, quarta-feira, a alertar liadade estender a isenção a “ou- lia Malmstrom.
mero de postos de trabalho. De- e aviões ou fornecedores de ma- para os efeitos negativos da im- tros países”, mas não fez qual- A directora geral do FMI,
pois da demissão do seu princi- teriais de construção. posição de tarifas alfandegárias . quer referência à União Euro- Christine Lagarde, advertiu
pal conselheiro económico, Trump justifica a decisão com E propôs medidas centradas na peia, que tem vindo a reagir à para as consequências de uma
Gary Cohn, mais de 100 con- o aumento da produção externa, China e que não prejudiquem medida com alertas a Trump. “guerra comercial” no cresci-
gressistas republicanos pedi- especialmente chinesa, que le- parceiros como o Canadá ou a “O Presidente Trump disse re- mento económico mundial. “Se
ram a Trump que reconsidere a vou à diminuição dos preços. União Europeia. centemente, e cito, que as guerras o comércio internacional for
ideia de taxar as importações de O movimento internacional Na quinta-feira, um porta-voz comerciais são boas e fáceis de ga- posto em causa por este tipo de
aço e alumínio para evitar con- de contestação ao aumento de da Casa Branca admitiu que o nhar mas a verdade é o contrário: medidas pode gerar uma quebra
sequências negativas para a tarifas é cada vez maior, englo- Presidente venha a isentar o Mé- as guerras comerciais são más e de crescimento e uma redução
economia dos Estados Unidos. bando vários países, o Fundo xico e o Canadá do pagamento de fáceis de perder”, afirmou Donald de intercâmbios seriam desani-
Os congressistas alegam, em Monetário Internacional (FMI) impostos sobre as importações Tusk, presidente do Conselho madores”, frisou.
9 de Março 2018 | EXPANSÃO 15

O MUNDO NUMA PÁGINA


Infografia: Expansão

CABO VERDE | Novo terminal do GUINÉ BISSAU | Um milhão EUR EGIPTO | Fundo soberano para gerir
aeroporto da Praia duplica capacidade para substituir carvão por gás butano empresas estatais em discussão

O novo terminal do aeroporto da Cidade da Praia, que en- Financiado pela União Europeia, a União das Cidades Ca- O ministro das Empresas Públicas egípcio, Khaled Bada-
trou em funcionamento do domingo, vai aumentar a ca- pitais de Língua Portuguesa (UCCLA) e a Fundação Galp wi, anunciou, numa conferência no Dubai, que o governo
pacidade de processamento de passageiros de 700 para assinaram sexta-feira um protocolo para levar o gás buta- está a estudar a criação de um fundo soberano para gerir
1.100 por hora, segundo a empresa Aeroportos e Segu- no aos bairros pobres da cidade de Bissau. O projecto, or- a riqueza produzida pelas empresas públicas. A ideia do
rança Aérea (ASA). O projecto integra-se nas obras de çado em um milhão EUR, permite dotar 25.400 casas fundo, segundo a Reuters, ainda está a ser discutida in-
ampliação e modernização do aeroporto Nelson Mande- com gás butano, a partir do dia 1 de Abril. O programa, ternamente, estando numa fase embrionária. Este anún-
le, que irão permitir duplicar a capacidade de acolhimen- que envolve também à Câmara Municipla de Bissau, é um cio ocorre numa altura em que o governo prepara a ven-
to de passageiros dos actuais 500 mil para um milhão até “incentivo à substituição do carvão, que tem efeitos ne- da de acções de oito a 10 empresas, numa operação na
2035. Além da extensão do terminal de passageiros, as fastos para o ambiente e a saúde, por uma energia limpa”, Bolsa de Valores, em ambiente favorável ao investimento
obras incluem a remodelação do terminal de cargas e a explicou o secretário-geral da UCCLA, Vítor Ramalho. Na estrangeiro. Com a venda de participações, que deverá
extensão da plataforma de estacionamento de aerona- Guiné-Bissau, a lenha representa 75% da energia mais ocorrer nos próximos 18 meses, o executivo espera anga-
ves do aeroporto, inaugurado em 2005. As obras, orça- procurada, seguida do carvão, 14%. Os produtos petrolí- riar entre 2 mil milhões a três mil milhões USD, anunciou
das em 29 milhões EUR, sofreram um acréscimo de 35%. feros representam apenas 10% e a electricidade 1%. o ministro das Finanças, Amr El-Garhy.

CABO
VERDE EGIPTO

GUINÉ
BISSAU

BRASIL MOÇAMBIQUE

ÁFRICA
DO SUL

BRASIL | Supremo autoriza que sigilo ÁFRICA DO SUL | Venda de dívida MOÇAMBIQUE | Australiana Syrah
bancário a Temer seja levantado no mercado islâmico supera oferta explora grafite no norte do país

Pela primeira vez na história do país, um Presidente em A venda de títulos da dívida em mercados islâmicos, para A companhia australiana Syrah assinou um acordo de mi-
exercício vai ver o sigilo bancário levantado. O Supremo responder a um buraco no orçamento superior a quatro neração com o Governo de Moçambique para a explora-
Tribunal autorizou o levantamento do segredo bancário a mil milhões USD, saldou-se pela grande procura com os ção de grafite em Balama, no norte do país. A aplicação
Michel Temer, no âmbito de um caso de alegada fraude investidores a pedirem quatro vezes mais do que o ofere- do acordo, assinado pelo ministro dos Recursos Minerais
num decreto sobre o sector portuário. O Presidente infor- cido. Segundo a Bloomberg, o país está a considerar a e Energia, Max Tonela, e a Twigg Exploration and Mining,
mou que irá solicitar ao Banco Central os extractos das emissão de um rand denominado Sukuk, no ano fiscal subsidiária da Syrah, está dependente da aprovação do
suas contas, entre 2013 e 2017. O processo tem por base que começa a 1 de Abril, depois de se tornar, em 2014, no Tribunal Administrativo. A Syrah espera produzir este
um decreto aprovado por Temer, que alterou a lei dos primeiro país africano a emitir dívida soberana compatí- ano, na mina que ficou concluída a 1 de Janeiro, entre 160
portos e beneficiou a empresa Rodrimar, alegadamente, vel com a Shariah. O rand Sukuk deve estabelecer uma re- a 180 mil toneladas de grafite destinado sobretudo a fa-
em troca de subornos pagos ao partido Movimento De- ferência para explorar as potencialidades deste mercado, bricantes de baterias, nomeadamente as que são usadas
mocrático Brasileiro (MDB), liderado pelo Chefe de Esta- de acordo com o chefe do Tesouro Nacional, Tshepiso nos carros eléctricos. A empresa australiana já explora
do. A investigação foi iniciada em Setembro de 2017, a pe- Moahloli. “Existe um interesse forte, particularmente dos grafite na província do Cabo Delgado, vendendo a pro-
dido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. gerentes de activos e de bancos islâmicos”, frisou. dução para a Europa, China, EUA, Índia e Brasil.
16 EXPANSÃO | 9 de Março 2018

GRANDE ENTREVISTA
ANDREA MORENO PERITA JUDICIAL EM DELITOS ECONÓMICOS

“Qual é o controlo para


garantir que é repatriado
só o que foi expatriado?”
A perita judicial em delitos económicos, adverte para as consequências de uma má
lei do repatriamento. Defende que, além de abrir a porta ao branqueamento
de capitais, pode ser injusta para os empresários cumpridores.

ções em todas as amnistias fis- O que a proposta devia conter A proposta de lei põe tudo no
Isabel Costa Bordalo (texto) cais é saber a origem do dinhei- para ser uma lei de repatria- mesmo saco?
e Lídia Onde (fotos) ro, porque se abre uma porta mento? Sim, é um erro. Lança a suspeita
para a lavagem de dinheiro. Se Teria de excluir essa temporali- sobre todos. Pela experiência in-
não houve controlo à saída, tam- dade do exercício fiscal; seria o ternacional, faz-se uma separa-
bém não vai haver na entrada. direito de liquidação de impos- ção. Por exemplo, houve um repa-
tos; teria de haver um levanta- triamento de capitais no Brasil e
Como acompanha a discussão É uma questão que não foi mento desses valores para saber fez-se a separação. Tudo o que fos-
sobre a lei de repatriamento acautelada? quanto se estima repatriar; não se ilícito não estava contemplado.
dos capitais? Não nesta fase preliminar. Essa seria um repatriamento volun-
A questão do repatriamento está é uma das questões que o GAFI tário, mas coercivo, aí sim seria Quem tem dinheiro lá fora de
a ser tratada como a solução para (Grupo de Acção Financeira obrigatório fazer a repatriação. origem lícita tem estímulos,
todos os problemas de Angola. contra a Lavagem de Dinheiro) com esta lei, para o repatria-
Eu não sei a que nível de análise terá em conta. É o órgão interna- Que mecanismos Angola tem mento?
foi feita a comparação com o es- cional que emite recomenda- para um repatriamento coer- Claro. Se o único crime é a eva-
trangeiro. Nenhum dos regimes ções aos bancos centrais para civo bem-sucedido, nomeada- são fiscal, excelente. Tenho aqui
no estrangeiro teve um impacto manter o controlo sobre o bran- mente para saber que valores dólares que levei a um câmbio de
significativo em comparação queamento de capitais e o finan- são esses e onde é que estão? 100, vou trazer a um câmbio de
com a repercussão negativa que ciamento ao terrorismo. Angola O BNA e o Ministério das Finan- 208 e ainda sou perdoado, por
essas leis tiveram. esteve debaixo de vigilância do ças devem ter conhecimento des- evasão fiscal, nos últimos cinco
GAFI até 2016, justamente por ses valores, a não ser que esse di- anos. É injusto para os restantes
Em Portugal, houve efeitos causa do branqueamento de ca- nheiro tenha saído em malas. O di- empresários. Eu não sei como é
positivos no repatriamento... pitais por falta de controlo. Por- nheiro vai para fora de quatro for- que as associações empresariais
Em Espanha, por exemplo, foi tanto, se houve uma observação mas: sob facturação entre empre- não se manifestam, porque vai
feita uma amnistia fiscal, em por causa da saída de capitais, lo- sas; pego numa mala e levo; crio ter um impacto nos empresários
2012, com uma tarifa única de gicamente vai haver uma obser- uma empresa fantasma e utilizo locais muito grande. Não have-
10%, que foi declarada inconsti- vação para a entrada desses ca- sociedades offshore, para fazer ria se houvesse um direcciona-
tucional em 2017, porque a tri- pitais. Acredito que vai haver facturas fantasma; e uma quarta mento do investimento.
butação é uma obrigação funda- uma aproximação do Governo e forma é fazer uma expatriação le-
mental constitucional. Toda do GAFI neste processo. gítima dos valores. Em todas estas Surpreende-a que os empre-
essa questão tem de ser muito formas, são cometidos delitos fis- sários, através das suas asso-
bem analisada antes de ser posta cais. A lei não devia contemplar a ciações, não se tenham pro-
em prática. Quando analisamos regularização fiscal sem que esses nunciado?
as leis de repatriamento, temos valores viessem para Angola. As associações são muito fracas
de ver qual a realidade desses “Estima-se que, ainda, tirando a AIA que é muito
países. Temos de ver que capitais Para ser abrangido pela lei activa e responde bem às neces-
são esses. Uma coisa é falarmos só em 2012, tem de haver repatriamento. sidades das indústrias. Estranho
de um capital sobre o qual não se saíram de Angola A proposta de lei considera o que as associações ainda não te-
pagou impostos, outra é a sua ilicitamente pressuposto do repatriamento nham feito comentários. A fun-
origem, se é lícita, ilícita, se foi cumprido se esses valores não ção da associação é trabalhar em
fruto de corrupção ou de lava- 4 mil milhões USD. poderem ser repatriados por benefício dos seus associados.
gem de dinheiro. Uma lei dessas A lei podia retroagir questões administrativas ou le- Não é criticar uma lei depois de
pode abrir muitas portas. Qual- até essa data” gais. Isso dá um pé à má-fé. Se es- promulgada. Os presidentes das
quer pessoa se pode aproveitar. tivermos perante entidades associações são pessoas muito
bancárias menos éticas ou loca- bem relacionadas e com capaci-
A proposta de lei exclui resi- lizadas em países com legisla- dade de influenciar e dizer que
dentes condenados judicial- ções opacas, pode abrir-se uma esta lei vai afectar negativamen-
mente ou que estejam na con- janela para uma regularização te o grupo de empresas que re-
dição de indiciadas pela prá- Não reconhece esta proposta fiscal sem repatriamento. presentam. Essa é a sua obriga-
tica de crimes relacionados como uma lei de repatria- ção e não estão a cumpri-la.
com os recursos ilicitamente mento de capitais? Nesse caso, o que fazer?
detidos ou repatriados... Ela não é uma lei para o repatria- Aí deve haver repatriamento Qual seria a tributação justa?
Essa é a única condicionante, o mento de capitais, mas uma am- coercivo. Mas nesse caso já é Seria o que tinham de pagar, de
que abre muitas possibilidades. nistia fiscal com base na legisla- uma acção entre Estados, não é acordo com o delito cometido.
Vamos supor que eu, Andrea, ção, porque está atada ao prazo uma acção voluntária entre ban- Podia excluir-se a multa, mas o “A mensagem
sou cidadã angolana e vou repa- de cumprimento das liquida- co e cliente. A mensagem que se pagamento do imposto devia
triar capitais. De repente, está- ções dos impostos. Se fosse uma está a passar com esta lei é que ser realizado. que se está a passar
-se a abrir uma porta para que lei para repatriamento de capi- não importa de onde saíram os com esta lei
um cartel próximo de mim diga: tais não estaria limitada a um fundos, eles serão sempre am- No caso da proposta do Minis- é que não importa
“Vamos mandar dinheiro para prazo específico de cinco anos. nistiados. Não pode ser assim. tério das Finanças, que foi de onde saíram
Angola”. Qual é o controlo que Estima-se que, só em 2012, saí- Uma coisa é a amnistia fiscal, ou- preterida pela do Banco Na-
há para garantir que será repa- ram de Angola ilicitamente 4 mil tra é a origem dos valores, isso já cional de Angola, era pedida os fundos, eles
triado só o que foi expatriado. milhões USD. Portanto, a lei po- é um crime à parte que não cabe uma tributação única de 15%, serão amnistiados”
Tanto que uma das preocupa- dia retroagir até essa data. numa amnistia total. a taxa mais alta em vigor.
9 de Março 2018 | EXPANSÃO 17

cadeia por delitos fiscais. Portan-


to, temos de analisar muito bem
tudo o que está ao redor de uma “SÓ HÁ UM ANO
“Quem tem competência lei, desde o momento em que ela
nasce. Ninguém duvida da capa-
A SONANGOL
TEM GABINETE
para analisar qual a cidade do Presidente da Repúbli-
ca para sancionar ou propor leis, DE ÉTICA E
necessidade fiscal como ninguém duvidava da capa- COMPLIANCE”
cidade do parlamento espanhol.
e de tributação Vai realizar-se em Maio o 1.º
Há duas propostas em análise
é o Ministério na Assembleia Nacional: A da
Congresso dos Profissionais
de Compliance em Angola,
das Finanças, UNITA pede uma tributação
de 45%, e a do Executivo pre-
que coincide com a criação
da World Compliance Asso-
não é o BNA” vê isenção fiscal. O que deve
ser feito na especialidade?
ciation - Capítulo Angoka.
Qual a importância desta
Eu gostaria que se ouvissem os associação em Angola?
bancos e os compliance officers, Primeiro, temos de ter um
porque quem vai ter de lidar com ponto de encontro entre os
a operacionalidade da lei vai ser profissionais.
o sistema bancário e deveria ha-
ver uma percepção maior das Quantos são?
consequências. Que não seja Cerca de 400. O compliance
uma lei política, mas prática. existe na banca e existe a fi-
gura do compliance officer,
regulada pelo BNA. O BNA
lançou um instrutivo, o nú-
mero 2/2018, a dizer que
deve haver compliance nas
“Os defraudadores instituições e os bancos que
têm muito poder não tiverem não podem par-
e influência, tem de ticipar no regime cambial.
se colocar medidas
Além dos bancos?
para operar dentro Existem nas empresas es-
do compliance” trangeiras, por causa da le-
gislação dos seus países de
origem. Há necessidade de
uma estrutura de análise de
risco dentro das empresas,
O BNA participou na elabora- porque um risco que hoje
ção da proposta de lei. não se mede é o risco repu-
Sim, mas os compliances officers tacional e, quando uma em-
dos bancos deveriam ter sido ou- presa perde a reputação, é
vidos porque é uma reintrodu- muito difícil manter-se no
ção de capitais no sistema ban- mercado.
cário, que afecta o compliance de
todos os bancos. Os defraudado- Como está o compliance
res são pessoas com muito poder nas empresas privadas?
e influência, então, tem de se co- Muito pouco.
locar medidas para que essas
pessoas operem dentro do com- E no público?
pliance. A proposta de lei tam- Ainda existe menos. Só na
bém prevê que quando o dinhei- banca, porque é obrigatório.
ro estiver de volta a Angola a Nos seguros, porque tam-
operativa bancária será normal. bém é obrigatório, está a
Essas pessoas devem ter uma desenvolver-se. No sector
restrição, por exemplo, na reti- público não se houve falar
rada do dinheiro do País, é o mí- muito no compliance. Imagi-
nimo. Eu não vou trazer o di- ne que a Sonangol, a maior
nheiro de volta e levar para o es- empresa estatal, criou um
trangeiro outra vez. gabinete de ética só no ano
passado, com compliance
Nesse caso, seria mesmo lava- officer. Até então não existia.
gem de dinheiro.
Aí seria passar na máquina de la- Foi a administração de Isa-
var 10 vezes. Tem de haver con- bel dos Santos?
dicionantes na operativa bancá- Sim. Está a ser um esforço
ria e nos produtos bancários que muito grande convencer as
podem contratar. Se você traz o empresas que compliance é
dinheiro é para que invista cá, importante. O compliance é
não em fundos de pensões, por- uma estrutura de controlo in-
que isso não gera economia. Ou terno. Quando existe, o im-
então coloca esse dinheiro à dis- pacto na sociedade e nas es-
posição do Fundo Soberano. Se truturas é muito positivo.
as pessoas não querem tocar Acredito que, nos próximos
nesse dinheiro, que ele sirva de dois ou três anos, vamos ter
garantia para financiamento de aqui entre 2.000 a 2.500
projectos em Angola, nomeada- compliance officer.
mente do OGE, que ainda não
têm financiamento assegurado. Serão suficientes para co-
Essa lei devia partir do Ministé- perguntado porquê 0%. O Min- numa lei, quando parte de um ór- brir as necessidades?
rio das Finanças, porque é uma Fin certamente fez um estudo so- gão que não tem a tutela, pode ser Reverter o dinheiro para um Não.
lei fiscal. Quem tem competên- bre a receita a arrecadar. A pro- declarado inconstitucional. Em fundo gerido pelo Estado se-
cia para analisar qual a necessi- posta de lei sai de um órgão que Espanha, foram feitas 35 mil de- ria, na prática, um confisco? Qual é o número ideal?
dade fiscal e de tributação é o não tem capacidade de tutela clarações voluntárias, o Estado Não. É um serviço de garantia Ter um compliance officer em
Ministério das Finanças, não é o para isso. O BNA, segundo o Arti- arrecadou menos de metade do para financiamentos, que fizesse cada empresa. O compliance
Banco Nacional de Angola. go 100 da Constituição, tem com- que queria, mas a lei foi revogada parte de uma garantia soberana. tem de ser entendido como
petência de supervisão bancária por inconstitucionalidade, cinco Caberia aos economistas ver qual uma questão irreversível.
O processo está invertido? e cambial. A parte fiscal é tutela anos depois. Como o Ministério a forma mais adequada de lhe dar Não é moda, é uma necessi-
Eu acredito que sim. O próprio do Ministério das Finanças. Até da Fazenda já tinha os dados, rentabilidade. O Estado tem de dade empresarial e estatal.
Ministério das Finanças deve ter que ponto, ao ser convertido houve pessoas que foram para a ser beneficiado de alguma forma.
18 EXPANSÃO | 9 de Março 2018

GRANDE ENTREVISTA ANDREA MORENO

“É uma ilusão pensar que o Governo


não sabe quem praticou evasão fiscal”
Quem é que beneficia com a
actual lei?
Só quem tirou o dinheiro de An- “O governo pode
gola. O governo, com sorte, co-
meça a verificar benefícios a par- notificar as pessoas
tir do próximo exercício fiscal,
em 2019, se forem feitos real-
[porque sabe quem
mente investimentos, que gerem
emprego e que beneficiem a so-
são], dando um
ciedade. Quem sai a perder? To- prazo de 180 dias
dos os empresários que traba-
lham honestamente e o fisco. para trazerem
Há empresários que se quei- o dinheiro”
xam dessa concorrência des-
leal.
Sim e quem traz o dinheiro ainda
pode recorrer a benefícios da Lei
de Investimento Privado vigente.
Não se pode punir o empresaria-
do nacional, que paga os seus im-
postos, que está a aguentar a crise
cambial. Quando essas pessoas
mandaram dinheiro para fora, o
dólar estava a 100 kz e vão recebê-
-lo, sem pagar impostos, a 208.
Isso vai prejudicar o empresário,
pequeno e médio, que contribui
fielmente com os seus impostos,
porque naturalmente vão ser
criadas corporações que o vão en-
golir. Vão ter uma capacidade de
financiamento muito maior.
Qual é o investimento que hoje
rende, durante cinco anos, 100%?

É premiar a evasão fiscal?


Sim e crimes mais complexos. O
governo, para fazer justiça, deve-
ria dizer “você vai receber esse
dinheiro, porque é titular desses
valores, porém à taxa de câmbio
original e essa diferença cambial
reverte para o Estado”. Quando
se fez esse tipo de amnistia fiscal,
em países europeus, o problema
cambial não existia. Aqui existe e
enfrentamos uma queda no câm-
bio vertiginosa, desde 2015.

A lei surge num contexto errado?


Esta amnistia devia ser concedi-
da quando a crise cambial esti-
vesse solucionada ou, então, que gola tem os mecanismos, tem a Aí entra o compliance?
se acautelassem os mecanismos “Quem sai a perder? legislação, tem um sistema fis- Sim. Comply é cumprir. Essa
para que não houvesse um bene- cal bastante bem estruturado pressão é muito nova. Só rece- PERITA JUDICIAL
fício em cima de um delito. Todos os empresários para saber o que saiu licita- bemos pressão de verdade, EM DELITOS
que trabalham mente e o que saiu ilicitamen- quando Angola perdeu os cor- ECONÓMICOS
O que Angola deve fazer antes honestamente e te. Esta amnistia fiscal é muito respondentes financeiros.
de avançar para esta lei? abrangente. Porque é que só forçámos o Com formação específica
Devia fazer um estudo do cus- pagam os impostos” seu cumprimento quando se como Perita Judicial em em
to/benefício. Quanto é que se Os mecanismos para seguir o acabaram os dólares. Nin- Delitos Económicos e Master
prevê repatriar. Eu já ouvi falar rasto ao dinheiro nem sempre guém cumpria. Não se fazia di- em Compliance Officer, An-
em valores de 20 mil milhões são eficazes. ligência reforçada. A própria drea Moreno realizou a sua
USD, 60 mil milhões, 600 mil Não são, porque o sistema ban- lei de branqueamento, nas formação em Espanha, tendo
milhões USD. Depois, quantifi- O confisco é uma solução? cário não o torna eficaz. As nor- considerações, nem sequer trabalhado em diversos paí-
car quanto vai voltar e qual o be- É uma solução radical. O gover- mas são para todos, porém, al- considerava as pessoas nacio- ses, em especial em Angola,
nefício fiscal, considerando os no tem identificadas suficiente- guns bancos ainda facilitam, nais politicamente expostas. onde realiza consultoria e for-
possíveis investimentos e em- mente bem as pessoas que fize- acredito que hoje em dia já não Só os estrangeiros eram pes- mação para diversas empre-
pregos que irá gerar. Se o gover- ram evasão fiscal para chegar a tanto, porque há uma maior soas politicamente expostas. sas, em matéria de Complian-
no quer tirar partido dessa am- um acordo, sem conhecimento pressão internacional. Os gran- A lei tinha uma fragilidade e ce Corporativo e Regulatório,
nistia fiscal tem de redirecionar público. Pode notificar as pes- des defraudadores não são as foi muito criticada na época, Prevenção e Branqueamento
os investimentos e impor em soas, dando um prazo de 180 dias pessoas normais, são as politica- porque levantava essas ques- de Capitais e Estabelecimen-
que campos deve ser investido e para trazerem o dinheiro. mente expostas, com grande ca- tões até ao momento em que to de Programas Anto-Cor-
em que províncias. pacidade de movimentação, os bancos internacionais dis- rupção. Actualmente, está fo-
Portanto, há mecanismos muito bem relacionadas. Cultu- seram: “Angola tem de fazer o cada na Implementação da
Admite a existência de per- para agir e repatriar o dinhei- ralmente, Angola ainda não é cumprimento normativo que World Compliance Associa-
dão fiscal? ro, sem ser necessário apro- madura o suficiente para garan- todos os outros bancos cum- tion - Capitulo Angola e na
Se o Governo quer gerar liqui- var uma lei? tir uma transparência financei- prem, porque está a colocar realização do 1º Congresso de
dez com o regresso dos capitais, É uma ilusão pensar que o go- ra bancária, está-se a tornar ago- muito dinheiro fora do País Profissionais do Compliance
a forma imediata é através dos verno não sabe quem praticou ra, por pressão internacional e por um circuito que não está a em Angola , em Maio.
impostos. evasão fiscal. O Governo de An- por trabalho interno. ser controlado”.
PUB
20 EXPANSÃO | 9 de Março 2018

EMPRESAS & MERCADOS

LÍDIA ONDE
Quebra foi sobretudo reflectida na redução dos níveis de importação de produtos refinados, que, de 2016 para 2017, caiu 19%

O NÍVEL MAIS BAIXO DOS ÚLTIMOS CINCO ANOS

Crise afunda consumo


de combustíveis em 2017
A perca de poder de compra em função do aumento dos preços dos produtos contribuiram para a redução
do consumo de combustíveis nos últimos dois anos. Especialistas ouvidos pelo Expansão lembram que muito
do gasóleo é consumido pela indústria, que tem sido bastante afectada pela falta de divisas.

No período em análise, o gasóleo dos que decorreu na semana


Maurício Vieira Dias continua a ser o combustível e passada, o presidente do conse- A QUEDA DO CONSUMO DE COMBUSTÍVEIS
derivado do petróleo mais con- lho de administração da Sonan- Consumo de combustíveis em território nacional, toneladas métricas
sumido no País, representando gol, Carlos Saturnino, justificou
65% do total consumido em que a redução do volume de refi-
2017. O consumo de gasóleo so- nados consumidos em 2017, Fonte: Sonangol 6.221.055 Total
O consumo de combustíveis freu uma redução de 18% no ano comparado aos anos anteriores, Outros
em Angola baixou 12,9% para passado, comparativamente ao se “deve às dificuldades de aces- 5.440.286
783.423 Gasóleo
4,4 milhões de Toneladas Mé- ano anterior, passando de 3,5 so as divisas e à contracção da 5.048.245 5.113.378 Gasolina
tricas (ME) em 2017, periodo milhões de Toneladas Métricas procura, face à actual conjuntu- 529.614
1.312.999
em que registou o mais baixo para os actuais 2,9 milhões. ra económica nacional”. 995.541 4.454.692
nível de consumo dos últimos Já a gasolina, segundo refina- Especialistas ouvidos pelo Ex- 549.899
cinco anos,indicam os relató- do mais consumido no País, so- pansão corroboram, em parte,
rios e contas da Sonangol desde freu uma pequena redução de com os argumentos apresenta- 4.187.361
2013 e os resultados provisó- 4,4% em 2017, passando para os dos por Carlos Saturnino. Desta-
3.525.681
rios de 2017 disponibilizados a pouco mais de um milhão de To- cam, porém, que além da crise é 3.107.466 3.079.981 2.893.334
semana passada. neladas Métricas contra as 1,1 necessário os relatórios da pe-
De acordo com dados da So- milhão de TM de 2016. No ano trolífera especificarem quais fo-
nangol, 74% dos produtos refi- passado representou 23% do to- ram as áreas geográficas de con-
nados consumidos em 2017 fo- tal consumido (ver gráfico). Du- sumo, para se perceber onde
1.047.306 1.250.271 1.058.083 1.011.459
ram importados, enquanto rante a apresentação de resulta- houve mais ou menor consumo. 945.238
24,6% saíram da Refinaria de
Luanda, que além de gasolina e Perda de poder de compra 2013 2014 2015 2016 2017
gasóleo produz Jet A, Jet B e O antigo director de negocia-
querosene, num total de 1,1 mi- ções da Sonangol, Lago de Car-
lhões TM. Já a refinaria de Ca- Cerca de 74% valho, defende que a quebra no tos nos últimos cinco anos. “ gasóleo), sendo que o sector
binda produziu os restantes dos refinados consumo nos últimos dois anos Mas é necessário saber em que anda “moribundo em função da
1,8%, correspondente a 80 mil está relacionada com o fim da áreas geográficas o consumo di- crise”. “Os níveis de consumo
Toneladas Métricas. foram importados subsidiação de combustíveis le- minui”, remata. vão continuar a reduzir, embo-
A quebra no consumo interno e os restantes vada a cargo pelo Executivoem Por seu lado, o engenheiro ra a indústria toda seja susten-
reduziu a importação de com- saíram das refinarias Dezembro de 2016. Lago de Pedro Godinho,lembra que tada por diesel. Basta ver que
bustíveis que, de 2016 para 2017, Carvalho destaca ainda a perca grande parte do parque indus- quando houve problemas no
caiu 19%, saindo de quase 4,1 mi- de Luanda do poder de compra dos angola- trial que existe no País funciona abastamento de combustíveis,
lhões Toneladas Métricas para e de Cabinda nos em função do significativo com energia alterativa por via houve cidades que ficaram às
as actuais 3,2 milhões TM. aumento dos preços dos produ- de grupo geradores (movidos a escuras”, afirma.
9 de Março 2018 | EXPANSÃO 21
PUB

TAAG ENTREGA VOOS DOMÉSTIGOS

Futura Angola Expresso


vai cobrar imposto de consumo
nos voos internos
Os preços dos bilhetes de avião para voos internos deverão aumentar
já este ano quando for aplicado o Imposto de Consumo, conforme prevê
o OGE 2018. Grupo técnico do MinFin prepara implementação do imposto.

dar’ os voos domésticos que ain-


Mirene da Cruz da estão a ser operados pela OS NÚMEROS
TAAG irá ter que reflectir este DAS AERONAVES
imposto no preço dos bilhetes.
O Ministério dos Transpor-

A TAAG vai liderar um consór-


cio com empresas privadas a
tes admite que “está em curso”
um processo “híbrido” em que,
“sob liderança da TAAG será
120
É o número de lugares que
quem vai entregar os voos do- constituída uma sociedade co- as aeronaves da TAAG têm
mésticos, numa altura em que o mercial no modelo típico de
Governo tem em curso a imple- uma perceria público-privada”
mentação do imposto de consu- que irá comercializar a vertente
mo nos bilhetes de passagem dos
transportes aéreos para percur-
sos a serem realizados em terri-
comercial de voos domésticos
da TAAG. O ministério adianta
que as aeronaves actualmente
70
É o número de lugares das
tório nacional. utilizadas pela companhia aé- aeronaves da futura empresa
O Orçamento Geral do Esta- rea apresentam “custos opera-
do 2018 entrou em vigor a 1 de cionais muito elevados”, pois
Março e, de acordo com a alínea são aeronaves de maior dimen-
f, do ponto 2 do artigo 16.º, fica o são, cerca de 120 lugares, mais
Presidente autorizado a “sujei- vocacionadas para “voos de mé- o negócio e transmitir outro rigor
tar ao Imposto de Consumo a dio curso”, entre duas a quatro e outra disciplina, características
emissão de bilhetes de passa- horas. Está, assim, previsto que próprias deste sector bastante
gem dos transportes aéreos e a nova sociedade público-pri- importante em qualquer econo-
marítimos, para percursos a se- vada deverá utilizar “aeronaves mia, pode ser a melhor solução
rem realizados integralmente mais pequenas (até 70 lugares) neste contexto específico”, refere
no território nacional”. e mais económicas do ponto de a nota do Ministério.
De acordo com uma fonte da vista operacional”. Apesar de o Expansão ter soli-
Administração Geral Tributária “O Executivo julga que uma so- citado o nome da futura empresa
(AGT), apesar de ainda não estar lução híbrida, conjugando a expe- – que entretanto já foi tornado
estabelecida uma data para o iní- riencia da TAAG com a injecção público e que deverá chamar An-
cio da cobrança, o valor do impos- de capital privado para alavancar gola Expresso – o Ministério dos
to deverá ser reflectido no preço Transportes não respondeu.
final ao consumidor, à semelhan- Desde o inicio da desvalori-
ça do que já acontece com os voos zação cambial efectuada no
internacionais. “Está ainda por País, em Janeiro, tem havido
definir a taxa do imposto para Apesar de não estar protestos a contestar o aumen-
este serviço”, refere a AGT. estabelecida uma to de preços dos voos pratica-
Fonte do Ministério das Fi- dos pela TAAG. Em Fevereiro, a
nanças adiantou ao Expansão data para o início empresa reduziu o preço do bi-
que esta alteração em matéria da cobrança, o valor lhete dos voos domésticos, com
fiscal está a ser preparada por deverá ser reflectido uma taxa que varia entre os
uma equipa do MinFin, que terá 10% e 20%.
a sua primeira reunião apenas no preço final, O Expansão solicitou esclare-
no final do mês. Assim, a empre- diz a fonte cimentos à TAAG, mas não obte-
sa público-privada que vai ‘her- ve resposta até ao fecho de edição.
CÉSAR MAGALHÃES

Ministério dos Transportes diz que aeronaves da TAAG não são adequadas para voos domésticos
22 EXPANSÃO | 9 de Março 2018

EMPRESAS & MERCADOS

BREVES

BNA PROMOVE SEMANA


GLOBAL DO DINHEIRO
DE 12 A 18 DESTE MÊS
O Banco Nacional de Angola
(BNA) promove, de 12 a 18
deste mês, em Luanda,
no âmbito do seu programa
de educação financeira,
“A Semana Global do Dinheiro”,
em parceria com a “Global
Money Week”. A actividade
é uma iniciativa de carácter
mundial, promovida pela
organização holandesa “Child
& Youth Finance International”
(CYFi). Com o tema “Dinheiro
importa sim!”, crianças e jovens
terão acesso livre ao espaço,
aberto das 9h00 às 17h00,
onde se realizarão actividades
profissionais e lúdicas para lhes
proporcionar a oportunidade

ARQUIVO | EXPANSÃO
de exercerem o papel
de pequenos empreendedores
e de receberem conselhos
sobre gestão financeira.

A entrada em funcionamento da mina do Luaxe, este mês, pode contribuir para o aumento das receitas no sector
ANGOLANOS NA FEIRA
INTERNACIONAL DO
DIAMANTES TURISMO DE BERLIM
Angola participa, a partir

Receitas fiscais com diamantes sobem desta quarta-feira, na Feira


Internacional do Turismo
de Berlim, que decorre até

5% para 14,7 mil milhões Kz em 2017 dia 11 deste mês. A delegação


angolana à exposição está
a ser chefiada pela ministra
da Hotelaria e Turismo, Ângela
Angola vendeu mais de 9,4 milhões de quilates de diamantes, no ano passado, 33 mil quilates a mais Bragança, que durante a sua
que em 2016. Endiama apresentou a investidores várias minas para explorar nas Lundas que, estada deverá cumprir uma
de acordo com a Reuters, terão pertencido a Isabel dos Santos e cujas licenças terminaram. vasta agenda de trabalho,
com participação em reunião
dos ministros africanos da Rota
da Seda, de fóruns, além
ram no sector. posto industrial, contra os 4,6 nistração da Endiama, agora li- dos vários encontros
Martins Chambassuco Em termos globais, os dia- mil milhões Kz de 2016 e os di- derada pelo economista Ngan- com entidades de fomento
mantes angolanos representa- reitos de exploração (royalties) ga Júnior. ao turismo e homólogos dos
ram vendas de 1,1 mil milhões renderam ao fisco mais de 9,6 De acordo com a agência noti- diferentes estados Alemães.
USD em 2017, período em que mil milhões Kz, no ano passado. ciosa Reuters, o presidente da
Angola chegou a exportar cada É preciso recuar a 2012 para Endiama ofereceu a investido-
As receitas fiscais com a venda quilate a um preço médio de encontrar um ano em que o sec- res licenças de exploração que ANGOLA ENCOMENDA
de diamantes aumentaram 5% 117,23 USD. Em Novembro, os tor dos diamantes rendeu tanto pertenceram a Isabel dos San- TRÊS AVIÕES AIRBUS C-
para 14,7 mil milhões Kz em preços atingiram o pico, quando em receitas fiscais. Nesse ano, tos, com a agência a remeter esta -295 POR QUASE 160 M€
2017, face ao ano anterior, o cada quilate custou 138,6 USD. Angola arrecadou mais de 18 mil informação para um vídeo de O País vai gastar quase 160
equivalente a 69 milhões USD, O sector mineiro pagou um to- milhões Kz em receitas fiscais e uma reunião à porta fechada que milhões de euros na aquisição
beneficiando do aumento de tal de 5,0 mil milhões Kz em im- as vendas representaram 1,1 mil decorreu na cidade do Cabo, na de três aviões de transporte
produção no País. milhões USD, num volume total África do Sul, em Fevereiro. militar Airbus C-295. Em causa
A informação resulta de dados de 8,3 milhões de quilates. Ganga Júnior terá afirmado que está um despacho assinado
do Ministério das Finanças so- O País vendeu mais de 33 mil as licenças expiraram e agora es- pelo Presidente angolano,
bre a arrecadação de receitas fis- quilates de diamantes, no ano, tavam disponíveis para novos João Lourenço, autorizando
cais diamantíferas entre Janeiro Ganga Júnior reuniu- passado, comparativamente a parceiros de exploração. a empresa pública Simportex,
e Dezembro de 2017, que indi- 2016, quando o volume de dia- Durante a apresentação do em representação da República
cam que Angola vendeu em 12 -se com investidores mantes se situou nos 9,1 milhões PCA da Endiama, um slide de Angola, a celebrar o contrato
meses 9,4 milhões de quilates, na África do Sul e de quilates. mostrava as minas cujas licen- com a empresa Airbus Defence
que renderam 14,7 mil milhões apresentou as minas Os dados do Ministério das ças estariam disponíveis: Ca- and Space. O contrato envolve
Kz em receitas fiscais, como Im- Finanças revelam uma subida mafuca-Camazambo, Mulepe, a aquisição de três aviões
posto Industrial e royalties( di- cujas licenças do gráfico com as vendas desde Sangamina, Chiri e Tchiegi, to- do tipo C-295, um avião
reitos de exploração mineira) já expiraram Outubro último, quando tomou das localizadas na Lunda Norte bimotor turbo hélice que se
pagos pelas empresas que ope- posse o novo conselho de admi- e Lunda Sul. fabrica em Espanha, pelo valor
global de 159.900.000 euros

BNA RETIROU 14% DO


VENDAS DISPARAM E PREÇOS DESCEM… … MAS CAPTAÇÃO DE IMPOSTOS AUMENTOU DINHEIRO A CIRCULAR
Preço médio por quilate e volume de vendas anual Valores arrecadados em impostos, milhões Kz
EM NOTA FÍSICA
Angola retirou, em Janeiro,
243 18.918 14% do dinheiro que tinha
Milhões de quilates Preço USD Total 9.438 Imposto Industrial Royalty Total

9.107 4.187 em circulação física, face


14.974 13.992 14.700 a dezembro, equivalente
8.663 9.014
142 8.599 4.461 a menos 73.396 milhões Kz.
134
8.362 117 10.966 10.179
8.122 147 9.939 8.116 9.629 Segundo dados preliminares
8.330 136 4.355 8.667
117 116 3.251 14.731 4.524 do último relatório sobre a Base
10.513 5.198 Monetária Ampla do BNA, em
6.688 6.611 5.655 5.876 5.071
janeiro estavam em circulação
3.469 física no país 454.154 milhões
2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 Kz, contra os 527.550 milhões
Kz do final de dezembro.
Fonte: AGT
9 de Março 2018 | EXPANSÃO 23

ASSUNTO ESTÁ A SER RESOLVIDO

MinFin diz que foi o BNA que transferiu dinheiro


dos juros dos Eurobonds para a conta errada
Analistas desvalorizam ‘engano’ por ainda tará com o apoio do Goldman
estar dentro do período de carência. Ministério Sachs, do Deutsche Bank e do
ICBC, estaria prevista para o mês
das Finanças está a trabalhar para recuperar de Fevereiro. Caso a emissão de
o dinheiro e pagar ao veículo sedeado na Holanda. Eurobonds fosse efectuada na
quinta-feira, os yields a pagar se-
riam de 7,413%, bem abaixo dos
9,50% da emissão de 2015.
ros mas que o Executivo estava “Como estava dentro do pe-
Joaquim José Reis “a resolver a situação”. ríodo de carência, a maior parte
De acordo com a fonte do Min- dos investidores não encarou ‘o
Fin, este ministério autorizou o engano’ e consequente atraso
Banco Nacional de Angola a como um grande problema e pa-
efectuar a transferência antes rece ter ignorado a questão. Os

ADJALI PAULO
Angola transferiu por engano o do tempo limite, e que foi o ban- investidores estão mais focados
pagamento de juros de um em- co central que “se enganou na em saber os planos do Governo
préstimo titulado com venci- conta”. No entanto, garante, que para manter as suas reformas e
mento em 2019 semelhante a este ‘engano’ não se irá traduzir Deutsch Bank está no consórcio que vai emitir Eurobonds angolanos como irá cobrir o seu financia-
um Eurobond para a conta erra- em “atraso ou incumprimento”, mento nos próximos anos”, dis-
da no mês passado, confirmou uma vez que existe um período moeda diferente deste país. A se uma das fontes.
ao Expansão uma fonte do Mi- de carência, de 30 dias, para o pa- Esta é a segunda emissão em preparação, no valor Esta é a segunda vez no espaço
nistério das Finanças (MinFin). gamento a deste vínculo. de 2.000 milhões USD, servirá de cinco meses que há proble-
A verba era destinada a um veí- Fontes de fundos de investi- vez no espaço para “melhorar a composição do mas com a dívida externa ango-
culo sedeado na Holanda, o mento internacionais admitiram de cinco meses stock de dívida externa” do país, lana. Em Novembro do ano pas-
Northern Lights III BV, mas aca- ao Expansão que este atraso no que há problemas refere despacho assinado pelo sado, Angola fez um pagamento
bou noutra conta domiciliada no pagamento não deverá ter im- Presidente João Lourenço, de 5 de última hora ao Brasil para evi-
Deutsch Bank. pacto nos yields angolanos, numa com pagamentos de Março. O ministro das Finan- tar entrar em incumprimento
A Reuters noticiou esta sema- altura em que se está a preparar ças, autorizado neste despacho a com o serviço da linha de crédito
na que alguns investidores de- uma nova emissão de Eurobonds, concluir a operação, anunciou há brasileira da ordem dos 54 mi-
monstraram preocupações com títulos de dívida emitidos por um três semanas que a segunda lhões USD”, confirmou uma
o atraso no pagamento destes ju- país num país estrangeiro numa emissão de Eurobonds, que con- fonte do MinFin.

PUB

Consigo. Com certeza.

Sawde | Tranqwilidade | Segwrança


Descubra todos os seguros Bonws em: www.bonws.co.ao
24 EXPANSÃO | 9 de Março 2018

EMPRESAS & MERCADOS

“CAMPEÕES” DAS DIVISAS

BFA, BIC e Caixa Angola ficaram com 37,5%


dos 200 milhões de euros vendidos pelo BNA
Banco de Poupança e Crédito (BPC) não tem as taram a ser aplicadas, pela sexta
contas em dia mas continua a participar nos leilões vez, as regras anunciadas no final
RANKING DAS DIVISAS
Divisas vendidas aos bancos no leilão nº12 de 06 de Março, milhões de euros de Janeiro pelo governador do
do banco central. Cada euro já custa 264,719 Kz BNA, José de Lima Massano. Na
depois de valorização de 0,9% esta semana. BIC 25,0
ocasião foi definido que as ofer-
BFA 25,0 tas dos bancos não podiam exce-
BCGA 25,0 der em 2% a taxa de câmbio em
BPC 19,6
BMA 18,0
vigor antes do leilão.
dito (BPC), o campeão dos atrasos BAI 14,7
Maurício Vieira Dias na publicação de contas, recebeu SBA 11,3
Venda directa de 90 milhões
FNB 10,0
19,6 milhões de euros e o Banco BNI 10,0 USD na semana passada
Millennium Atlântico (BMA), BCH
BCI
7,2 O leilão de 6 de Março seguiu-se a
7,1
com 18 milhões de euros comple- BCS 6,5 uma venda directa de divisas
tam o top cinco dos que mais com- VTB 6,1 avaliadas em 90,1 milhões USD,
BCA 4,6
O Banco de Fomento Angola praram (ver gráfico). BVB 4,0
na sexta feira, 2 de Março, para
(BFA), o Banco Internacional de De acordo com o BNA, os YETU 2,0 cobertura de operações de em-
BPT 1,2
Crédito (BIC) e o Banco Caixa montantes vendidos esta sema- BPG 1,1
presas prestadoras de serviço ao
Geral Angola (BCGA) ficaram na têm como destino a importa- BIR 0,7 sector petrolífero, à taxa de câm-
BMF
com 75 milhões de euros dos ção de matérias-primas, bens de 0,6
bio de 213,361 Kz por dólar.
200 milhões comercializados equipamento, peças e acessó- Participaram da referida
pelo Banco Nacional de Angola rios, telecomunicações, paga- venda 16 bancos comerciais.
(BNA) no leilão de divisas de dia mento de resseguros e material A listagem obtida pelo Expan- Para a selecção foram excluídas
6 de Março. De acordo com a lis- de construção. importação são é enviada exclusivamente operações de empresas presta-
tagem a que o Expansão teve O leilão contou com a participa- aos bancos comerciais. O envio doras de serviços gerais; que
acesso, cada um destes bancos ção de 20 dos 29 bancos autoriza- de matérias-primas deste tipo de informação teve efectuam pagamentos a si mes-
arrebatou 25 milhões de euros. dos a operar no mercado. Na ses- e bens de início com o leilão de 23 de Janei- mas; pagamento de serviços de
Feitas as contas, os três bancos são desta semana, foi apurada a equipamento, entre ro, na sequência de uma reunião consultoria e de seguros; paga-
comerciais compraram o equiva- taxa de câmbio média ponderada entre o banco central e os bancos mentos de bens alimentares; e
lente a 37,5% dos 200 milhões de de 264,719 Kz por euro, represen- os contemplados comerciais a operar em Angola pagamentos a favor de entida-
euros leiloados pelo banco cen- tando um aumento de 0,916% com divisas realizada a 19 de Janeiro. No lei- des em jurisdições classifica-
tral. O Banco de Poupança e Cré- face à taxa que estava em vigor. lão de divisas desta semana vol- das como offshore.

PUB
9 de Março 2018 | EXPANSÃO 25

USD USD PETRÓLEO LUIBOR MERCADOS ACCIONISTAS VARIAÇÃO ÚLTIMO ANO

BNA ‘KINGUILAS’ BRENT OVERNIGHT Índice (País) 08-03-2018 1 Semana Início Ano Mínimo Máximo

AMÉRICAS

213,26 KZ 420 KZ 63,71 USD 20,06% Dow Jones Industrial Avg. (EUA)
S&P 500 (EUA)
24.801,36
2.726,80
-0,91%
0,48%
0,33%
1,99%
20.379,55
2.322,25
26.616,71
2.872,87
Nasdaq (EUA) 7.396,65 1,70% 7,15% 5.769,39 7.505,77
NYSE Composite (EUA) 12.707,01 0,43% -0,79% 11.324,50 13.637,02

-0,75% 0% -0,19% Ibovespa (Brasil) 85.483,55 0,15% 11,89% 60.314,70 88.317,83


04 PB EUROPA
Euro Stoxx 50 (Europa) 3.377,70 -0,63% -3,60% 3.306,66 3.708,82
FTSE 100 (Reino Unido) 7.156,34 -0,27% -6,91% 7.062,13 7.792,56
Dados de 02 a 08 de Março de 2018; Taxas câmbio médias USD; Setas indicam variações na semana, em % ou pontos base (pb). DAX (Alemanha) 12.191,79 0,01% -5,62% 11.830,98 13.596,89
PSI 20 (Portugal) 5.373,62 -0,05% -0,27% 4.569,07 5.793,38
IBEX 35 (Espanha) 9.593,10 -1,49% -4,49% 9.494,50 11.184,40

SEMANA DE 02 A 08 DE MARÇO DE 2018 CAC (França) 5.199,48 -1,20% -2,13% 4.933,77 5.567,03
SMI (Suíça) 8.799,81 0,08% -6,20% 8.491,61 9.616,38

Trump agita mercados


ÁSIA
Nikkei 225 (Japão) 21.368,07 -1,64% -6,14% 18.224,68 24.129,34
Topix (Japão) 1.709,95 -1,74% -5,92% 1.452,15 1.911,31
Hang Seng (Hong Kong) 9.306,83 -0,84% 4,17% 6.882,00 10.300,06
Shangai All Share (China) 3.444,17 0,45% -0,56% 3.158,88 3.757,20
Tarifas à importação de alumínio e aço nos EUA levou vários países CSI 300 (China) 4.077,60 0,70% 1,16% 3.312,89 4.403,34
a ameaçar com retaliações. Medidas proteccionistas arriscam ter ÁFRICA
um impacto negativo na economia mundial. FTSE/JSE All Share (África do Sul) 59.183,24 2,18% -0,54% 50.737,28 61.776,68
EGX 30 (Egipto) 16.459,44 6,58% 9,59% 12.345,33 16.493,03
Botswana Gaborone Domestic Index (Botswana) 8.684,53 -0,08% -1,98% 8.684,53 9.378,59
Nairobi SE All Share (Quénia) 182,16 0,09% 6,40% 119,62 182,16

principal conselheiro econó- pouco o seu discurso nos dias Nigerian Stock Exchange All Share Index (Nigéria) 42.905,71 0,15% 12,19% 24.877,20 45.321,82
Tiago Dionísio* mico de Donald Trump devido seguintes. Contudo, só os pró- Ghana Stock Exchange (Gana) 3.287,63 -1,49% 27,44% 1.862,93 3.353,80

ao seu desacordo com os pla- ximos dias dirão se os EUA Namibia Overall Index (Namibia) 1.443,40 1,05% 11,06% 11,56 1.461,15
Tanzania All Share Index (Tanzânia) 2.325,27 -2,16% -2,96% 403,99 14.153,68
nos do presidente norte-ame- avançam (ou não) com estas
Tunindex (Tunísia) 6.810,85 1,71% 8,42% 5.517,11 6.841,20
ricano de introduzir tarifas à (e/ou outras) medidas protec-
importação de alumínio e aço cionistas que arriscam ter um
VARIAÇÃO ÚLTIMO ANO
A Agência Internacional de no país. A demissão de Gary impacto negativo na economia MATÉRIAS PRIMAS
08-03-2018 1 Semana Início Ano Mínimo Máximo
Energia (AIE) referiu esta se- Cohn, que teve um papel muito mundial e, também, conse-
mana esperar que os EUA ve- relevante na elaboração da ac- quências nos mercados. ENERGIA
nham a dominar o mercado tual reforma fiscal nos EUA e Outro tema a dominar as WTI Crude (US$/barril) 60,32 -1,10% -0,10% 43,42 66,55
mundial de petróleo nos próxi- um defensor de outras políti- atenções dos investidores foi a Brent Crude (US$/barril) 63,71 -0,19% -2,99% 41,86 70,07
mos anos, prevendo que o au- cas que visam relançar o cres- reunião do BCE onde o princi- Gás Natural (US$/MMBtu) 2,78 2,85% 9,42% 2,15 3,53
mento da oferta de crude no país cimento económico no país, le- pal a destacar foi o facto do ban- Gasolina (US$/galão) 1,90 0,32% -2,39% 1,09 2,11
possa vir a satisfazer 80% do vou a uma descida generaliza- co central ter decidido retirar o METAIS PRECIOSOS
crescimento esperado da pro- da das bolsas. seu compromisso de aumentar Ouro (US$/onça) 1.326,20 1,61% 1,13% 1.209,70 1.368,30
cura até 2020 e mais de metade e/ou prolongar o actual progra- Prata (US$/onça) 16,47 1,64% -3,97% 15,41 18,96
desta nova procura até 2023. ma de compra de dívida caso Platina (US$/onça) 950,80 -0,73% 1,38% 876,10 1.034,20
Apesar do sucesso da actual es- Só os próximos seja necessário. Relembre-se OUTROS METAIS
tratégia da OPEP em reduzir a que este programa prevê a com-
sua produção para tentar ree- dias dirão se Trum pra de dívida num montante de
Cobre (US$/libra) 307,20 -0,89% -6,92% 252,55 332,20
Alumínio (US$/tonelada) 2.082,50 -2,21% -6,03% 1.833,50 2.236,00
quilibrar o mercado, a AIE acre- avança com medidas 30 mil milhões EUR por mês até Zinco (US$/tonelada) 3.260,50 -5,77% -0,87% 2.330,00 3.590,00
dita que a recuperação do preço proteccionistas final de Setembro. Esta decisão Estanho (US$/tonelada) 21.440,00 -0,86% 7,01% 18.711,00 21.951,00
do crude nos últimos meses tem do BCE foi interpretada como
AGRÍCOLAS
levado a uma nova investida dos um sinal de que a autoridade
Cacau (US$/tonelada) 2.456,00 9,64% 29,81% 1.755,00 2.455,00
produtores americanos e que monetária está agora mais con-
Café (US$/libra) 119,30 -1,45% -5,47% 116,50 157,55
isso possa prejudicar o cartel Por outro lado, as reacções fiante na capacidade da econo-
Açúcar (US$/libra) 13,02 -5,03% -13,55% 12,76 19,41
quando decidir voltar a aumen- internas, nomeadamente de mia da zona euro voltar a gerar
Algodão (US$/libra) 83,65 2,98% 8,23% 60,72 86,41
tar a sua oferta. Segundo a AIE, alguns membros do partido re- inflação. Por outro lado, confor- Milho (US$) 378,50 -0,07% 7,91% 345,50 430,25
isto poderia, inclusive, obrigar a publicano no Congresso, e da me esperado, o BCE decidiu Trigo (US$) 495,25 -2,03% 15,98% 409,75 607,50
OPEP a manter os actuais cor- comunidade internacional não manter as taxas de juro inalte- Soja (US$) 1.051,00 -0,61% 8,55% 945,25 1.080,75
tes na sua produção até 2021 de tardaram a chegar. De facto, radas e reforçou a sua expectati-
modo a evitar um novo período vários países chegaram a va de que as taxas irão permane- VARIAÇÃO ÚLTIMO ANO
prolongado de excesso de oferta ameaçar Trump (e os EUA) cer nos níveis actuais até muito MOEDAS
08-03-2018 1 Semana Início Ano Mínimo Máximo
no mercado mundial. com medidas retaliatórias, o depois do fim do programa de
KWANZA (ANGOLA)
A semana nos mercados fi- que terá motivado o presiden- compra de dívida.
Dólar (EUA) 213,38 -0,06% -21,27% 164,88 214,97
cou marcada pela demissão do te americano a suaviar um * Eaglestone Securities
Euro 263,92 -0,12% -24,55% 174,56 265,95
Libra (Reino Unido) 295,94 0,02% -24,22% 200,94 299,87
Rand (África do Sul) 17,90 0,96% -25,12% 11,39 18,54
YIELDS VARIAÇÃO ÚLTIMO ANO
EUROBONDS AFRICANAS Real (Brazil) 65,71 0,57% -23,76% 48,70 66,52
PAÍS Maturidade Cupão 08-03-2018 1 Semana 1 Mês 1 Ano Início do Ano Mínimo Máximo
METICAL (MOÇAMBIQUE)
Dólar (EUA) 62,32 -0,02% -5,91% 57,57 69,56

Angola 12-11-2025 9,500% 7,413% -0,077% 0,622% -1,734% 0,741% 6,409% 9,368% Euro 77,86 -1,84% -9,61% 65,46 78,13
Libra (Reino Unido) 87,28 -1,66% -8,61% 75,35 87,52
Rep. Democrática do Congo 30-06-2029 4,000% 8,532% 0,108% 0,067% -0,673% 0,547% 7,470% 10,490%
Rand (África do Sul) 5,23 0,18% -9,44% 4,17 5,55
Etiópia 11-12-2024 6,625% 6,609% 0,018% 0,906% -0,804% 1,060% 5,401% 7,771% Real (Brazil) n.d. n.d. n.d. n.d. n.d.
Gabão 16-06-2025 6,950% 7,006% 0,058% 0,566% -0,062% 0,869% 5,939% 7,666% RAND (ÁFRICA DO SUL)
Gana 07-08-2023 7,875% 6,194% 0,145% 0,119% -1,989% 0,654% 5,283% 8,834% Dólar (EUA) 11,91 -0,18% 3,94% 11,51 14,57

Costa do Marfim 03-03-2028 6,375% 6,247% 0,078% 0,419% -0,240% 0,767% 5,230% 6,750% Euro 14,74 -1,10% 0,76% 13,38 17,07
Libra (Reino Unido) 16,53 -0,90% 1,15% 15,45 19,15
Quénia 24-06-2024 6,875% 6,346% 0,036% 0,305% -0,638% 0,913% 5,376% 7,313%
Real (Brazil) 3,67 -0,37% 2,19% 3,53 4,48
Moçambique 18-01-2023 10,500% 14,812% 0,080% 0,183% -3,057% -1,426% 14,209% 21,042%
EURO
Namíbia 29-10-2025 5,250% 5,335% 0,100% 0,265% 0,266% 0,457% 4,466% 5,445% Dólar (EUA) 1,24 0,88% 3,08% 1,05 1,26
Nigéria 12-07-2023 6,375% 5,253% 0,056% 0,148% -0,737% 0,285% 4,825% 6,264% Libra (Reino Unido) 0,89 -0,15% -0,41% 0,83 0,93
Franco (Suíça) 1,17 -1,24% 0,02% 1,07 1,18
Ruanda 02-05-2023 6,625% 5,756% -0,029% 0,209% -0,548% 0,286% 5,294% 6,551%
Iene (Japão) 131,28 -0,73% 3,05% 114,85 137,50
Senegal 30-07-2024 6,250% 5,375% -0,003% 0,222% -0,645% 0,843% 4,550% 6,263%
Fonte: Bloomberg e Eaglestone Securities.
Seychelles 01-01-2026 7,000% 7,301% -0,009% -0,013% -0,231% 0,083% 7,072% 7,750%

África do Sul 16-09-2025 5,875% 4,712% -0,004% 0,035% 0,118% 0,344% 4,234% 5,063%
Parceria:
Zâmbia 30-07-2027 8,970% 8,138% 0,186% 0,886% -0,118% 1,265% 6,896% 8,513%

Fonte: Bloomberg
PUB
9 de Março 2018 | EXPANSÃO 27

GESTÃO

OSMAR EDGAR
DEDICADA
EMPREENDEDORA
Nos momentos mais conturbados do nosso País, a mulher Angolana
participou de forma activa em todas as situações em que a sua presença
foi necessária, tornando-se indispensável.

Mário Beirolas | Consultor

Comemorou-se mais um Dia In- Este dia é um dia, simultânea- cola e no seu crescente envol- maior sentido de solidariedade.
ternacional da Mulher. mente, de homenagem e admi- vimento nos distintos sectores Nesta cadeia de valor, deverá a
Não se trata apenas de mais ração por todas as mulheres que de actividade. mulher,embora sem segrega-
um dia, mas de um dia de refle- quer no passado quer no presen- A maioria dos estudos inter- ções, colocar em primeiro lu-
xão e alinhamento de estraté- te, e logicamente no futuro, con- nacionais indicam que as activi- gar a empregabilidade de ou-
gias, que permitam evidenciar o tribuem para o reconhecimento dades com intervenção da mu- tras mulheres, garantindo des-
contributo da mulher, mais con- internacional do nosso País. lher têm um desenvolvimento ta forma um melhor rendi-
cretamente da mulher Angola- Ser mulher é hoje cada vez mais sustentado e com maior mento para as famílias, bem
na, nos processos futuros de des- mais uma honra e simultânea- impacto positivo nas comunida- como fazendo crescer este sen-
envolvimento do nosso País, mente uma responsabilidade, des onde se inserem. tido de comunidade, tão im-
contribuindo desta forma, atra- cabendo-lhe um papel indiscu- É essa sensibilidade humana e portante para a sua capacita-
vés da sua maturidade e conhe- tível no desenvolvimento hu- “sentido de dedicação, persis- ção e afirmação.
cimento, para o desenvolvimen- mano, na atenuação dos efei- tência e sofrimento” que a levam Olhando para os números, a
to sustentado e melhoria do bem tos da pobreza, no equilíbrio a partilhar mais as suas emoções percentagem de mulheres que
estar social e económico. da economia doméstica e agrí- e sentimentos, criando um CONTINUA NA PRÓXIMA PÁGINA »
28 EXPANSÃO | 9 de Março 2018

GESTÃO

» CONTINUAÇÃO DA PÁGINA ANTERIOR domínios da governação angola-


vivem em zonas rurais, compa- na, bem como dos resultados que
rativamente às zonas urbanas, estas alcançam, com a sua inteli-
começa a verificar-se um equilí- gência, realismo bom senso e ca-
brio, o que indica que, nos últi- pacidade empreendedora.
mos anos, existiu um elevado Não tenhamos dúvidas de que
fluxo de mulheres para as cida- aqui se afirma cada vez mais uma
des, na tentativa de melhoria de complementaridade resultante.
qualidade de vida. Considerámos já a importân-
Por outro lado, constata-se, cia da formação e educação no
que nas zonas rurais, é a mulher desenvolvimento da mulher e na
que assegura a maioria das tare- sua afirmação na sociedade. De
fas, nunca abdicando, em cada facto, com o actual desenvolvi-
momento, da sua responsabili- mento social e económico, prin-
dade familiar cipalmente a educação para a in-
Face a toda esta sobrecarga de tegração, começa a evidenciar-
responsabilidades, a taxa de -se nas escolas, nos seus níveis
analfabetização das mulheres mais básicos, esta tendência de
continua acentuada, embora re- equilíbrio, bastando observar a
gistando-se hoje em dia, nas es- interacção rapaz/rapariga, em
colas, um equilíbrio entre a pre- que, na maioria dos casos, são
sença de raparigas comparativa- elas que lideram (cuidado é tam-
mente ao número de rapazes, si- bém importante que não se tro-
gnificado do surgimento de uma quem os papéis).
nova mentalidade educativa, a Será esta igualdade de acesso e
partir da qual no futuro se pode- orientação para o crescimento
rá pensar numa afirmação mais profissional que garantirá tanto
equilibrada da mulher. a integração do homem como da

LÍDIA ONDE
Ainda no que respeita à sua mulher. Diria mais, nas escolas,
ocupação, a maioria das mulhe- os professores têm um papel es-
res que trabalham ou têm activi- sencial na educação para a com-
dade empresarial está entre os sencial no processo de cresci- ■ Visão de futuro, baseada na plementaridade de papéis na so-
30 e os 45 anos, com uma média mento e modernização, seja nas esperança e na coragem, “É inevitável que os ciedade, na orientação vocacio-
de 3 a 6 filhos. Importante consi- zonas eminentemente urbanas, nal dos alunos e na sua educação
derar que, de alguns estudos onde a sua afirmação se torna Estes condimentos são essen- sistemas financeiros para o respeito pelo outro, seja
existentes, em agregados fami- mais difícil, pelo elevado índice ciais para resistir e integrar este comecem a perceber homem ou mulher.
liares chefiados por mulheres o de competitividade, já não falan- mundo, onde é preciso saber, sa- a importância De igual modo, é na escola que,
índice de pobreza é inferior. do pela forte pressão exercida ber fazer e saber ser, de forma in- e em conjugação directa com os
Questionadas sobre se a famí- pelo “homem dominador”. teligente e segura. da mulher no pais, se desenvolve a formação
lia tem interferência negativa na Mas, se quisermos perceber De qualquer forma, este pro- desenvolvimento” saudável do papel da família e
sua actividade, consideram, na como poderá a mulher desen- cesso de socialização implica as- dos amigos no crescimento pes-
sua maioria, que face à sua capa- volver uma maior presença e in- sertividade, paciência e intui- soal e profissional.
cidade de gestão do tempo e sen- tervenção nesta sociedade, onde ção, para saber estar com a pes- Curioso destacar que a alegria,
tido de orientação conseguem o há espaço para todos, basta dei- soa certa, no momento certo e vivacidade e sentido de inter-
equilíbrio, muito embora, na xar a sugestão para que utilize de com o objectivo certo. péis, assumindo as suas fraque- venção das raparigas de hoje evi-
maioria dos casos sem partilha forma inteligente e persuasiva Neste processo de integração, zas, transformando-as com a sua denciam já uma mudança de pa-
de tarefas em casa os seus pontos fortes: tem primordial importância a ajuda em forças, deixando-lhe a radigma, em que a sua afirmação
Quanto às mulheres que en- ■ Capacidade de integração atitude do homem e os diferen- frente sempre que for oportuno, e irreverência tipificam a sua
tram na actividade empresarial, (eliminando as barreiras e com- tes níveis de relacionamento e formando e ensinando, dando força e motivação para vencer
na maioria dos casos fazem-no plexos); postura, percebendo que a mu- lugar à criatividade feminina. Tão importante como formar
com capitais próprios, iniciando ■ Persistência e iniciativa útil lher desde sempre foi comple- Terá o homem que perceber profissionais, é formar seres hu-
actividade sem acesso ao finan- e realista; mentar do seu crescimento di- que a inteligência emocional da manos, moralmente sãos e cons-
ciamento (falamos de micro-em- ■ Procura de apoio em aliados zendo mesmo dedicada e solidá- mulher lhe irá permitir sempre e cientes do seu papel na socieda-
presas), bem como e face à di- estratégicos, escolhendo as pes- ria, nunca concorrente, bastan- por necessidade, nos casos em de, na família e na interacção so-
mensão do negócio, sem estudos soas e os organismos adequados; do para tal ver a partilha de pa- que não exista este bom senso, cial responsável.
nem análise de risco, o que leva na ■ Formação e educação, a prin- péis no seio da família ( isto gerar mecanismos de defesa que Sem me querer fixar a pala-
maioria dos casos a dificuldades cipal arma, sabendo aprender quando ela existe). acabarão por o isolar. vras, deixaria uma sugestão para
de crescimento e sustentação. em todos os momentos, aprovei- Quanto ao perfil do homem e o Mas, sou um fiel defensor da ambos, homem e mulher, que
A mulher continua assim a en- tando de forma inteligente as seu relacionamento com a mu- inteligência partilhada, à seme- nesta complementaridade de pa-
frentar um conjunto de factores melhores práticas de outras mu- lher, considera-se na maioria lhança do que hoje acontece com péis garantam a sua segurança e
críticos, que condicionam a sua lheres a nível internacional, as dos casos que o homem é: o desenvolvimento tecnológico integridade, criem consistência
afirmação, como sejam o baixo mulheres empreendedoras; ■ Intolerante; e a gestão da informação. na relação, se apoiem na comple-
nível de qualificações, a falta de ■ Utilizando o seu grande factor ■ Crítico e algumas vezes des- É inevitável que até os sistemas mentaridade e no diálogo con-
informação e actuação em rede, de diferenciação, a intuição e ca- trutivo; financeiros começam a perceber clusivo, com tolerância e enten-
o difícil acesso ao crédito ( recor- pacidade crítica e de observação; ■ Passivo e “manipulador”; a importância da mulher no des- dimento sobre as suas diferenças
rendo na maioria dos casos ao ■ Utilização da era digital, ■ Vaidoso e convencido; envolvimento social e económico. naturais, utilizando um tempo
microcrédito), quase sempre como canal privilegiado de des- ■ Rotinado e astuto; Basta ver que a maioria dos de qualidade, com alegria e en-
desajustado das necessidades envolvimento de iniciativas em ■ Algumas vezes complexado; microcréditos no mundo são trega, sinceridade, lealdade e,
reais de investimento. rede, aproveitando os canais de ■ Fechado à partilha; atribuídos a mulheres, que cum- acima de tudo, respeito mútuo.
Um melhor entendimento so- parceria e comunicação; prem escrupulosamente com as Assim, e neste equilíbrio, esta-
bre o perfil da mulher Angolana, Perdoem-me os homens este suas obrigações e crescem, apro- remos decerto a defender a pre-
leva-nos a considerar que é inteli- Um dos exemplos que podemos “robot”, pois decerto não é para veitando-os de forma miraculo- sença imprescindível da mulher,
gente e perspicaz, humilde, cora- utilizar da afirmação da mulher generalizar, no entanto nele se sa, cumprindo e honrando os na sociedade, mas mais do que isso
josa e dedicada, verdadeira, firme no nosso País é o desporto, sen- consideram os aspectos que compromissos e valorizando os a garantir-lhe o respeito e a admi-
e decidida, persistente e segura. do já evidente a sua capacidade mais dificultam a afirmação da seus talentos. ração que merece, não esquecen-
São estes atributos que, em de concretização, seja na lide- mulher na sociedade. Será agora importante que do o seu papel de mãe, a sua espe-
tudo, nos permitem acreditar na rança, seja no sentido ganhador. Ficarei satisfeito, se me prova- esta realidade do microcrédito cial delicadeza, sensibilidade e
sua afirmação, seja nas zonas ru- Alguns dos condimentos es- rem que a maioria dos homens se estenda para além da agricul- ternura, a verdadeira força genuí-
rais, onde o seu papel vai ser es- senciais para a afrimação futura não tem um pouco de cada um tura, onde tem maior predomi- na, alimento da vida familiar.
da mulher e aperfeiçoamento do destes “complexos de afirmação”. nância, e se estenda às restantes E já agora que entramos numa
seu perfil, embora ajustado a Poderemos então sugerir ao áreas de negócio nova semana, sugiro que este Dia
cada perfil psicológico e enqua- homem que perceba a impor- A mudança desta realidade da Mulher seja todos os dias e
dramento social são: tância da complementaridade passa assim pela coragem e afir- que na família como na rua, no
■ Equilíbrio na relação traba- na troca de papéis com a mulher , mação da mulher como ente so- trabalho ou mesmo na política,
“Segundo estudos, lho/vida familiar que, no futuro, face aos desafios cial e político, na procura da sua exista esta complementaridade,
em agregados ■ Actualização, formação, do crescimento, é inevitável. verdadeira essência, no eco de tornando-nos bons observado-
familiares chefiados acesso a informação e tecnologia; Que o homem utilize esta uma voz consistente e coerente res e ouvintes da dedicação e em-
por mulheres ■ Motivação e empreendedo- complementaridade a seu favor, com os seus desafios de inter- preendedorismo das mulheres.
rismo; ouvindo mais os seus conselhos, venção numa sociedade justa, Respeitar a mulher é assegu-
o índice de pobreza ■ Partilha de boas práticas, su- divulgando de forma aberta os equilibrada e saudável. rar o progresso a justiça e a paz.
é inferior” peração de obstáculos e controlo seus projectos e aspirações, dan- A prova desta afirmação é já a
do risco; do espaço para a partilha de pa- presença da mulher em todos os Mário Beirolas escreve semanalmente
9 de Março 2018 | EXPANSÃO 29

GESTÃO IMPOSTOS

O EXPLICADOR FISCAL

Gustavo Amaral
Associate Partner da KPMG

TRIBUTAÇÃO contra obrigado a proceder à en- mentos Modelo 1 até ao final do Financeira da ABC, Lda., pre- tivo imobilizado corpóreo se en-
DE CONSÓRCIO EM SEDE trega da Declaração Modelo 1 de mês de Maio de 2018. tende saber se o referido contrem sujeitos a desgaste su-
DE IMPOSTO INDUSTRIAL Imposto Industrial com refe- equipamento poderá benefi- perior ao que resultaria da sua
Em Janeiro de 2017, o consór- rência ao exercício de 2017. ciar de algum regime especial utilização normal, em conse-
cio externo liderado pela socie- Com efeito, os consórcios são de amortização. quência de laboração em mais
dade Angolana XPTO, S.A. e do meros instrumentos contra- do que um turno, poderá ser
qual faz igualmente parte a so- tuais, pelos quais se instituem TAXA DE AMORTIZAÇÃO Sim, o equipamento em causa po- aceite como custo fiscal do exer-
ciedade Angolana ABC, S.A., formas de exercício individual, ACELERADA derá beneficiar de uma majoração cício uma amortização calcula-
ganhou um concurso público embora concertado, de activi- Perante um aumento conside- da taxa de amortização aplicável, da de acordo com o método que
para a construção da barragem dades, não possuindo persona- rável do volume de encomen- pelo facto de se encontrar em re- estiver a ser utilizado, acrescido
na província do Cuanza Norte. lidade jurídica nem, bem as- das registado nos últimos me- gime de laboração intensiva. de 25% se a laboração for de 2
Aproximando-se o prazo sim, personalidade tributária. ses, em Janeiro de 2018, a so- De acordo com a tabela das ta- turnos ou de 50%, nos casos em
para proceder à entrega da Como tal, a tributação dos ren- ciedade ABC, Lda. adquiriu xas anuais de reintegrações e que a laboração seja contínua.
Declaração Modelo 1 de Im- dimentos decorrentes da sua uma nova máquina para o fa- amortizações, anexa ao Decreto Em face do que antecede, e
posto Industrial, os adminis- actividade deverá ocorrer ao brico de fio e malha e tecidos Presidencial n.º 207/15, de 5 de tendo em consideração a labora-
tradores das referidas socie- nível de cada um dos respecti- para a indústria têxtil, tendo a Novembro, as máquinas e equi- ção contínua do equipamento, a
dades pretendem saber se o vos membros. mesma vindo a laborar inin- pamentos para o fabrico de fio de ABC, Lda. poderá amortizar o
consórcio deverá, também Em face do que antecede, cabe terruptamente desde a sua malha e tecidos para a indústria equipamento em questão à taxa
ele, cumprir com esta obriga- a cada sociedade membro do entrada em funcionamento. têxtil estão sujeitos a uma taxa de anual de 18,75%.
ção declarativa. consórcio declarar individual- Face ao desgaste que o refe- anual de amortização de 12,5%.
mente os rendimentos auferi- rido equipamento tem sofri- Contudo, o Artigo 30.º do Có- Parceria:
Não, o consórcio externo entre a dos, mediante a apresentação do em resultado da sua utili- digo do Imposto Industrial esta-
XPTO, S.A. e ABC, S.A. não se en- da Declaração Anual de Rendi- zação intensiva, a Direcção belece que quando os bens do ac-

PUB

ONTEM, HOJE
E AMANHÃ
TRANQUILIDADE.
Connosco, a sua segurança
e a da sua família está garantida.

LIGUE E
CONHEÇA
OS NOSSOS
SEGUROS.
936 197 350/1/2

Telefone Geral: 226 434 510 | E-mail: apoio@tranquilidade.co.ao | Site: www.tranquilidade.co.ao


30 EXPANSÃO | 9 de Março 2018

GESTÃO UNIVERSIDADES

BREVES

FALTA DE MATERIAL
DE APOIO CONDICIONA
ENSINO DAS LÍNGUAS
NACIONAIS
A falta de material de apoio,
como livros, fichas técnicas
e programas curriculares,
está a condicionar o ensino
das línguas nacionais nas
classes iniciais na província
do Cunene. De acordo com
a chefe de departamento
do Ensino Geral, Lúcia Yoleni,
a falta de manuais, tanto
para professores como para
os alunos, além de livros de
informática e de programas
de ensino, tem sido um dos
principais constrangimentos
para a implementação
do ensino das línguas
OshKwanhama e Nhaneca-
-Humbe nas classes iniciais.
Sem precisar o número
de alunos abrangidos,
a responsável realçou
que o ensino das línguas
nacionais teve a sua fase
de implementação em 2007,
e em 2012 de consolidação,
com a implantação das línguas
Oshikwanyama e Nyaneka-

LÍDIA ONDE
-Humbe, nos municípios
do Cuanhama, com 31 salas,
Namacunde e Ombadja, Na Academia de Pescas e Ciências do Mar o aumento de propinas surpreendeu os estudantes. Em Luanda, não houve alterações
com sete salas cada.
Cahama e Cuvelai quatro
salas e duas no Curoca. ENSINO SUPERIOR

Propinas altas obrigam muitos


estudantes a suspender matrícula
Depois de confrontados, no ano passado, com aumentos nas propinas e noutros emolumentos, neste
ano lectivo houve poucas alterações. Muitos alunos vêem-se, contudo, no limite e admitem suspender
a matrícula para evitar dívidas. É que, por mais ginástica que façam, os ordenados não esticam.

ano do curso de Direito da Uni- víncia de Benguela, não vai po-


Alexandre Lourenço versidade Independente de An- der terminar a formação por
gola (UNIA), reconheceu que,
A despesa com falta dinheiro.
DITO no ano passado, não ficou pelo a propina é a parcela “Quando fomos fazer a matrí-
caminho por ter recebido a aju- que representa cula, não nos informaram que tí-
da de parentes. mais gastos, nhamos de pagar este valor de
Apesar das propinas e outros “Hoje em dia, nas nossas uni- propina. Neste momento, já pa-
“Se querermos emolumentos não terem regis- versidades, há muitas desis- representando gamos o alojamento e alimenta-
mudar o nosso país, tado aumento, neste ano lecti- tências por falta de pagamen- em média 276 mil kz ção. Esta decisão complica tudo,
temos de construir vo, muitos estudantes têm re- to, sobretudo nas instituições só nos resta desistir”, lamentou.
equipas cada vez mais ceio de se verem obrigados a privadas. Por isso, muitos pre- Pedro Tuca, estudante do cur-
suspender o ano por incapaci- ferem trancar (suspender) o so de Mecânica Naval, indignado
multi-geracionais, dade financeira para garantir o ano lectivo para evitar dívidas. com subida da propina, afirmou
alicerçadas na energia pagamento de propina, apurou Estudar neste País é um acto sidade Independente de Angola, que muitos estudantes irão de-
das pessoas e o Expansão numa ronda efec- de coragem”, realçou o estu- diz que é com muita tristeza que sistir, pois não havia acordo de
tuada por algumas instituições dante, de 37 anos. No seu caso, recorda o tempo em que perdeu pagamento de propinas.
da mente aberta” de ensino superior. a propina representa um en- bons colegas por não consegui- A Academia de Pescas e Ciên-
Victor Hugo Mendes Jonas Conceição, que vai fre- cargo mensal de 27.500 kz, no rem pagar a propina estabeleci- cias do Mar do Namibe é a úni-
Jornalista quentar o 1º ano do curso de presente ano lectivo. da pela instituição. ca instituição de ensino supe-
Engenharia Informática, na Uma estudante do 2º ano do Os estudantes da Academia de rior ligada ao sector das Pescas
Universidade Lusíada de An- curso de contabilidade e admi- Pescas e Ciências do Mar do Na- no País.
“A escola tem por gola, com uma propina de 42 nistração da Universidade Cató- mibe vão começar a pagar, a par- De acordo com o estudo sobre
mil kz , receia que não tenha lica de Angola revelou, sob ano- tir deste ano, propinas no valor os Custos e o Financiamento do
objectivo promover outra opção a não ser suspen- nimato, ao Expansão, que tomou de 15 mil kz, situação que põe em Ensino Superior, cada estudante,
o desenvolvimento der a matrícula. a decisão de anular a matrícula causa a permanência de muitos em média, gasta 330 mil kz por
integral dos alunos “Embora a propina não tenha porque deixou de ter os 37 mil kz alunos que provêm de várias ano para frequentar a universida-
alterado, o valor que irei pagar, necessários para a propina. províncias. de. A propina é a parcela que re-
e os gestores devem por exemplo, iguala o meu salá- “Apesar de ser um assunto A decisão surpreendeu os es- presenta mais gastos, custando,
transformar as escolas rio. Nesta condição, sou obriga- que provém de longa data, as tudantes que estão a pensar de- em média, 276 mil kz.
mais eficazes onde do a estudar até onde poder, por- propinas cobradas nas univer- sistir porque, segundo alegam, O estudo revela também que a
que, além das propinas, tenho de sidades são elevadas. Só nos não foram informados da subida idade mais frequente é dos 22
os alunos aprendem tratar dos outros emolumentos, resta a opção de encerrar o no momento da matrícula. anos e a média de idade dos estu-
melhor” da compra de materiais e do ano”, afirmou. João Caluvela, estudante do dantes rondam aos 24,5 anos,
Pacheco Francisco transporte”, ilustrou o caloiro. Odeth dos Santos, licenciada curso de administração e gestão sendo que 63% residem com os
Director nacional do ensino geral Já Pedro Simão, estudante do 4º em gestão financeira na Univer- das pescas, proveniente da pro- pais em habitação alugada.
9 de Março 2018 | EXPANSÃO 31

GESTÃO MARÇO — MÊS DA MULHER EMPREENDEDORA

MICROCRÉDITO A DESFAVORECIDOS

A mulher que transformou vidas


a criar negócios em zonas de conflito
Há mais de duas décadas, Verónica José enfrentou a guerra para ajudar mulheres a desenvolveram pequenos negócios,
tornando-se pioneira na concessão de microcrédito em Angola. Enquanto os homens combatiam,
Verónica distribuía dinheiro e esperança em zonas onde o conflito era mais intenso.

rónica estava determinada. Sa-


Martins bia que as pessoas precisavam da
Chambassuco ajuda financeira da Kixi Crédito.
“Foi a maior aventura da minha
vida. Tive de lutar contra a von-
Verónica José tem um currículo tade de pessoas que me eram
invejável que se mistura com um próximas para ir para uma terra
percurso de activismo social. onde a guerra tinha destruído
Nas últimas duas décadas, trans- tudo”, revela. Para a dissuadi-
formou a vida de milhares de an- rem diziam-lhe que, na região
golanos, desde que decidiu dedi- sul do País, as pessoas não ti-
car-se a um projecto de microfi- nham cultura de negócios e que
nanças que deu os primeiros não ia conseguir fazer nada.
passos em 1999 e que, nas duas Hoje reconhece que foi um pe-
décadas de existência, já deu mi- ríodo de grande tensão, mas o
crocrédito a mais de 20.000 pes- mais importante é que as comu-
soas, a maioria mulheres. nidades no Huambo mostraram
Licenciada em Contabilidade e que sabiam fazer negócios e ren-
Auditoria, enfrentou a família tabilizar o dinheiro. A taxa de re-
para levar pequenos emprésti- torno chegou aos 90%.
mos ao interior do País, numa al-
tura em que a guerra civil desa- Viveiro de negócios
conselhava viagens. Enquanto Três anos depois, Verónica José
milhões de pessoas fugiam para regressa a Luanda com uma car-
Luanda, capital de Angola, por ser teira de clientes que ultrapassa
a zona mais segura, Verónica an- os 15 mil. No regresso do Huam-
dava pelas províncias a fornecer bo, é promovida a assistente de
‘ferramentas’ de trabalho para LIDIA ONDE operações de crédito. Deixa de
que as mulheres pudessem pôr trabalhar directamente com os
comida em casa. Os homens e ra- clientes e passa a integrar a ad-
pazes engrossavam as fileiras das ministração, onde assume, há 10
forças que se confrontavam. Ve- GRUPOS SOLIDÁRIOS ASSEGURAM REEMBOLSO anos, a gestão dos recursos hu-
rónica comandava um outro exér- manos. A equipa cresce e o nú-
cito. O dos que ajudavam a criar e a A Kixi Crédito é uma institui- dários, que funcionam em grupo de três interessados mero de agências também.
ção que concede microcré- rede, auxiliando-se uns aos no crédito têm de ter garan-
desenvolver negócios, a partir de Apesar de crescer na institui-
dito a pessoas que queiram outros, e os individuais”, re- tia mútua, isto quer dizer que
pequenas actividades informais. ção, sente saudades dos tempos
iniciar ou desenvolver um vela Verónica José. se um dos membros tiver di-
O percurso de Verónica José negócio, mesmo que seja Em termos de compromis- ficuldades em pagar, os ou-
em que dava a cara e contactava
no activismo social começou aos numa actividade informal, sos, o cliente deve fazer a de- tros devem reembolsar o di- as pessoas. “Essa é a minha es-
19 anos. Em 1991, entrou para a num montante máximo de volução do dinheiro e ter ca- nheiro e isso traz união à co- sência, o meu DNA”, justifica.
organização não governamental um milhão de kwanzas. Os pacidade de desenvolver o munidade”. Quando olha para trás, Veró-
Development Workshop (DW), montantes atribuídos e os negócio e melhorar a sua A instituição tem uma polí- nica tem consciência que trans-
como activista comunitária. Em períodos de reembolso de- vida e a da comunidade. tica de juros que não ultra- formar a iniciativa comunitária
1995, a ONG DW decide fazer um pendem da capacidade que “Trabalhamos com grupos passa os 4% do valor empres- em viveiro de negócios foi um
estudo do mercado informal os clientes demonstrem na solidários e criamos nas pes- tado e não financia negócios dos maiores desafios da sua vida.
para entender a posição das mu- gestão do negócio. “Temos soas o espírito de entreajuda proibidos por lei, como é o “Em Angola, não havia nenhu-
lheres neste sector. O trabalho dois tipos de clientes, no- e confiança mútua”, explica caso das “kinguilas”, ou seja ma instituição vocacionada para
tinha como alvo o mercado do meadamente os grupos soli- e exemplifica: “Se for um cambistas de rua. as microfinanças. Fomos os pri-
pescado, no Sambizanga, parale- meiros a acreditar nas pessoas e
lo ao Roque Santeiro, um dos a afirmarmo-nos num mercado
maiores mercados africanos, lo- a DW, a Care International e a chega ao Huambo, graças à de- cada vez mais competitivo, com
calizado no subúrbio de Luanda. As comunidades no Save the Children – que apoia fa- terminação de Verónica. Mesmo a entrada de novos operadores a
É desenvolvido o programa de mílias da periferia de Luanda. sabendo que aquela era a zona conceder o microcrédito.
apoio às mulheres no mercado Huambo mostraram Em 1999, uma especialista zim- mais crítica decide partir para o Tudo isto dá-lhe um sentimen-
informal e nasce, assim, o pri- que sabiam fazer babueana vem dar formação aos Planalto Central, a 600 quiló- to de pertença e aguça o espírito
meiro programa de microcrédi- negócio. A taxa de primeiros gestores do programa. metros de Luanda, ignorando os de missão que abraçou quando
to, financiado pela embaixada Verónica José é a primeira a rece- conselhos de familiares e ami- há mais de 25 anos se lançou
francesa. Quinze mulheres par- retorno do crédito ber formação em microfinanças. gos. Angola vivia uma guerra in- neste projecto. Já foi tentada a
ticipam na experiência piloto. chegou aos 90% “Foram dias difíceis”, reco- tensa. Entre o cepticismo e a deixar a Kixi Crédito, mas che-
nhece a activista e empreende- vontade de querer ajudar, aceita gou à conclusão que ajudar as
Vencer o cepticismo dora, detentora de uma pós-gra- o desafio. Não se intimida e deixa pessoas vale mais do que qual-
“Lembro-me que as pessoas es- duação em Gestão Estratégica de os dois filhos menores entre- quer tipo de remuneração. E
tavam cépticas. Diziam que era Recursos Humanos. Não se co- gues aos cuidados de um irmão e uma certeza tem: em nenhum
dinheiro perdido, porque as mu- nhecia as pessoas e o risco estava à cunhada, que viviam em casa outro projecto encontra tanta
lheres não iriam reembolsar”, sempre presente. Mas é nesta dos seus pais. satisfação e sentido de dever
recorda. A experiência mostrou fase que o projecto deixa o asfalto “Foi um momento desafiante, cumprido. É o que sente em cada
o contrário. Entre as vendedoras, da cidade e passa para as zonas por ser mulher e ir para uma zona abraço que recebe quando regres-
o interesse aumentou e o grupo suburbanas da capital. “Deixá- de conflito”, lembra a gestora. sa ao terreno e encontra alguém a
de clientes foi alargado, passan- mos de actuar apenas no Roque As palavras do pai ressoam- quem ajudou a mudar a vida.
do de 15 para 60 mulheres. Santeiro e envolvemos mais -lhe na cabeça: que não podia ir
Com os resultados positivos, a mercados informais nas zonas para o Huambo por causa da
ONG DW consegue outro finan- periurbanas”, diz, orgulhosa. guerra, que a cidade estava toda Parceria:

ciamento, desta vez do governo destruída e sem infra-estrutu-


britânico. Nasce então o Progra- Enfrentar zonas em guerra ras. Avisos repetidos por amigos
ma de Subsistência Sustentável Em finais de 2000, o Programa que, antes da viagem, lhe liga-
(SLP), com o apoio de três ONG - de Subsistência Sustentável ram a dizer para não ir. Mas Ve-
RONALDO MIGUEL PITTA GRÓS

“A falta de planificação é um
dos piores erros dos empreendedores”
Ronaldo Pitra Grós trabalha em comunicação e marketing em empresas das telecomunicações, publicidade, saúde
e energia, desde 2006. Desde então, abraçou o empreendedorismo e, em sociedade, criou duas microempresas, uma
de fabrico e venda de gelados e outra de artes gráficas. Hoje, usa a sua experiência para ajudar outros empreendedores.

Mirene da Cruz

Em que consiste o livro


“Comece o seu negócio
com o pé direito”?
No momento actual da econo-
mia mundial, é muito comum fa-
lar-se sobre empreendedorismo
e sobre a sua importância para o
desenvolvimento de um país. No
entanto, o que não se diz é que o
caminho para se empreender
exige uma série de conhecimen-
tos e disciplinas que, muitas ve-
zes, não estão subentendidas nas
entrelinhas. É necessário alertar
os empreendedores sobre o de-
safio de “empreender”, os crité-
rios obrigatórios para quem quer
sobreviver neste desafio. Muito
mais do que ter vontade de o fa-
zer, é estar capacitado e disponí-
vel para as etapas inerentes ao
processo e paciência para chegar
ao “D”, sem pular o A, B, C de
“Como começar o seu negócio

QUINTILIANO DOS SANTOS


com pé direito”.

Porque lançar um livro


se já tem um portal criado
com orientações sobre
empreendedorismo?
Acredito que com o livro pode- Quais são os principais erros passos essenciais e indispensá-
mos compilar de forma melhor que os empreendedores veis para quem quer ter sucesso.
estruturada o percurso neces- Auxiliar a inovar é o principal cometem? A falta de planificação é sem du-
sário para se criar a “Mentalida- Não existe uma fórmula ou se- vida um dos piores erros que um
de Empreendedora” e desen- objectivo do portal ABC gredo para se criar um negócio empreendedor pode cometer.
volver bons negócios. Com o li- de sucesso, existem sim alguns
vro podemos também atingir o Nascido em Luanda, é contínuo e dinâmico, passos que o empreendedor Como olha para o momento
público não tão virado para os Ronaldo Miguel Pitta Grós continua a pesquisar, deve respeitar, principalmente actual da nossa economia?
conteúdos digitais e conseguir- fez a sua formação a trabalhar em textos para erros que o empreendedor deve Este é, sem dúvida, um dos maio-
mos ajudar a esclarecer algu- académica entre Luanda, ajudar os empreendedores evitar, como: não pesquisar o su- res desafios que iremos atraves-
mas dúvidas e mitos do “bem África do Sul e Portugal. a ultrapassarem obstáculos ficiente sobre o negócio ou o sar. Acredito que depois de ultra-
empreender”. Formado em Administração do seu percurso e talvez, mercado em que quer investir; a passarmos essa fase nunca mais
de Empresas, em 2015 dentro de mais algum falta de planificação (Plano de seremos os mesmos. A consciên-
O que os leitores juntou-se a outros dois tempo, consiga compilar Negócios e Estudo de Viabilida- cia dos angolanos já está a mudar.
vão encontrar no seu empreendedores e, juntos, mais contributos num novo de); fraco domínio das finanças Já estamos mais conscientes de
livro de novo e em que desenvolveram a plataforma livro. Aos 34 anos, da empresa;definir mal os pre- que não existem facilidades e que
é que ele se diferencia de consultoria online, é casado. Nos tempos livres ços dos produtos ou serviços que “o caminho faz-se caminhando”.
do que já existe no mercado? o “ABC do Empreendedor”, gosta de estar na Internet, pretende vender. Estes são os É com trabalho e dedicação que
A abordagem dos temas que que trabalha em matérias ir ao cinema e à praia. mais comuns e sobre os quais conseguimos chegar onde alme-
propomos no livro é clara, e ferramentas que ajudam Desporto? É apenas um bom procuramos melhor direccionar jamos chegar e reservar para as
numa linguagem simples e de as pessoas, jovens espectador. Gosta de ouvir os empreendedores no livro. gerações futuras uma realidade
fácil compreensão. O livro é di- em especial, a melhor R&B e Kizomba. O livro de melhor que a nossa.
reccionado a todos os empreen- empreender. Questionado cabeceira é “O Terrorista Porque é que em Angola
dedores e candidatos a em- sobre novos livros, Ronaldo de Berkeley” e Califórnia há uma grande taxa de Os empresários angolanos
preendedores e por este motivo disse qu, uma vez queo de Pepetela. mortalidade das empresas, têm apostado nos negócios
abordou-se os temas mais co- trabalho do portal muitas delas não passam certos?
muns e com os quais a maioria do primeiro ou do segundo Tem-se dito que os empresários
certamente se identifica. ano de vida? angolanos seguem a “moda”.
A mortalidade precoce da maior Uma grande parte não investe
Empreender é um caminho parte das empresas em Angola ou aposta nas áreas de domínio e
espinhoso? deve-se exactamente ao fraco sim naquelas que são mais sus-
Empreender pode sim ser um ca- domínio dos empreendedores e ceptíveis de dar lucro rápido.
minho espinhoso, mas devemos investidores sobre o mercado em Como uma grande parte tem o
munir-nos das ferramentas neces- que apostam. Os empreendedo- Estado como principal cliente,
sárias para desbravar esse cami- res começam os seus negócios então as áreas de investimento
nho. Não é um caminho impossí- confiando apenas no próprio estão viradas para aquelas onde
vel, é sim um caminho desafiador. instinto e ignorando as regras e o Estado aposta mais.
PUB

BFA Exportação

O FOMENTO
À EXPORTAÇÃO
PASSA POR AQUI.

O caminho de Angola passa pela exportação e esta conta com a experiência e solidez do BFA.
Para apoiar as empresas com ambição de exportar, criámos soluções que se adaptam a cada
sector de actividade, agilizam as transacções comerciais com o estrangeiro e garantem
a recepção dos pagamentos. Se o futuro da sua empresa passa pela exportação, passe
primeiro pelo BFA e junte-se a esta locomotiva a puxar pelo País.

Para mais informações dirija-se a um Balcão BFA, consulte www.bfa.ao ou ligue para a Linha
de Atendimento BFA 923 120 120.
34 EXPANSÃO | 9 de Março 2018

PARCERIA ANGONABEIRA E LNL AGENDA CULTURAL

Delta Gourmet Experience EVENTO

testa café na refeição


São quatro menús requintados para degustar a cada
sexta-feira do mês de Março e todos eles têm em comum o café.

Partindo de um ingrediente co-


mum - o café - quatro chefes de
cozinha angolanos vão propor-
cionar uma experiência gastro-
nómica única, todas as sextas-
-feiras de Março. FESTA
O Delta Gourmet Experience, PUBSHOT
que resulta de uma parceria en-
tre a empresa Angonabeiro e o JET 7 NO
portal Luanda Nighlife (LNL) TEO RESORT
arrancou, no dia 27 de Fevereiro, DJ’s Renato Xtrova, Afro Pupo,
com um jantar na Escola de Ho- Nosde, O’Magas, Zola Moreno e
telaria e Restauração de Talato- KO preenchem o cartaz do even-
na, onde se testaram os palada- to, em Cabo Ledo.
res das refeições que vão ser ofe-
recidas durante este mês.
Os menús foram confecciona- 09 de Março
dos pelos chefes Pedro Rezende

D.R.
Pereira, do restaurante Kook;
Manuel Escovalo, do restauran-
te La Piazza bu HCTA; Octávio degustado a cada sexta-feira. O no dia 16 de Março, o Café Del no portal LNL no seu Chef&Res- CONCERTO
Neto, do restaurante Café del KooK foi o primeiro, no dia 2 de Mar, e no dia 23 de Março, o taurante preferidos e elegerá,
Mar; e Hudson Vieira, do restau- Março, a pó-lo à prova. Esta sex- Champagneria. assim, o vencedor da primeira
rante Champagneria. O menú de ta-feira, 9 de Março, é a vez do La Durante esta iniciativa, o pú- edição do Delta Gourmet.
cada um destes restaurante será Piazza by HCTA, seguindo-se, blico poderá votar directamente Isabel Costa Bordalo

LISTA DA FORBES

Jeff Bezos destrona Bill


Gates e é o mais rico SANDRA
JAZZ

O fundador da Amazon deixa para trás Bill CORDEIRO


Gates e lidera a lista dos mais ricos, com uma NO KUBICO
fortuna avaliada em 112 mil milhões USD. O concerto de Sandra Cordeiro
no Kubico Fusion conta com a
participação de DJ Set e Ruca
Moreira.
Jezz Bezos, fundador e presi- 90 mil milhões USD, e Warren
dente do gigante do comércio Buffet, com uma fortuna avalia-
eléctrico Amazon lidera a lista da em 84 mil milhões USD. 09 de Março
da Forbes dos mais ricos, es- Em quarto lugar está um fran-
D.R.

treando-se no topo com uma cês, Bernard Arnault, com 72 mil


inédita avaliação de 12 algaris- milhões USD, e Mark Zucker-
mos, e destrona Bill Gates, da berg, fundador do Facebook, ESPECTÁCULO
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Microsoft, que liderou a lista 18 ocupa o quinto lugar, com 71 mil
vezes nos últimos 24 anos. milhões USD, após uma valori-
Robot atende pacientes Bezzos, que no ano passado es-
tava em terceiro lugar, tem uma
zação de 15 mil milhões USD.
O top 7 fecha, com o espanhol

e passa receitas fortuna avaliada em 112 mil mi-


lhões USD, depois de registar ga-
nhos de 39.200 milhões USD, e
Amancio Ortega, da Zara, e o
mexicano Carlos Slim, nos sexto
e sétimo lugares.
deixa Bill Gates para trás, com I.C.B.
O robot consegue diagnosticar pacientes
e passar receitas, mas por enquanto o seu
veredito tem de ser validado por um médico.

AO VIVO
A inteligência artificial está a dados, formada pelos diagnósti- GILLIARD
testar limites impensáveis. Na cos e receitas de outros médicos,
China, um robot dotado com IA armazenada na sua memória. NA CASA
começou a operar num ambula- No ano passado, o «Doutor As- DA MÚSICA
tório da província de Anhui, no sistente IA» tornou-se no pri- O espectáculo, na Casa da Músi-
leste do país, como médico. meiro do mundo a passar os exa- ca, tem como convidado Eucli-
O «Doutor Assistente IA», mes para obter a licença para des da Lomba. Um dia antes, ac-
desenvolvido pela empresa exercer medicina. Mesmo as- tua no restaurante o Sabor.
iFlytek consegue diagnosticar sim, os seus diagnósticos terão
pacientes e passar receitas. Com de ser validados numa fase ini-
um aspecto humanoíde, o robot cial por um médico. 10 de Março
D.R.

opera com base numa base de I.C.B.


9 de Março 2018 | EXPANSÃO 35

HYUNDAI SANTA FE 2.0T


FICHA TÉCNICA

MOTOR: Theta II 2.0 T-GDI


Twin-turbo
CILINDRADA: 1.998 cc
POTÊNCIA COMBINADA:235 cv
às 6.000 rpm

FOTOS | CEDIDAS PELA MARCA


260 Nm às 1.450-3.500 rpm
BINÁRIO:

TRANSMISSÃO:Automática de 8 vel.
ACELERAÇÃO (0 A 100 KM): N.D.

VELOCIDADE MÁXIMA (KM/H): N.D.

MOTORES

Hyundai mostra novo Santa Fe


A Hyundai não esperou pelo Salão Automóvel de Genebra para mostrar um dos seus campeões de venda
a nível mundial. A 4.ª geração do Santa Fe está recheada de novidades quer no exterior, quer no interior.

De perfil, as linhas dinâmicas


Victor Jorge do Santa Fe percorrem este SUV
desde dos faróis dianteiros até às
luzes traseiras, destacando-se as
jantes de 19 polegadas.
Com 4,77 metros de compri-
Era um dos modelos mais aguar- mento (mais sete centímetros
dados do construtor sul-corea- que o modelo anterior), e uma
no e esperava-se que seria des- distância entre eixos de 2,76 me-
vendado somente no Salão Au- tros, este “crescimento” traduz-
tomóvel de Genebra. Contudo, a -se num habitáculo de maiores
Hyundai decidiu antecipar-se e dimensões e, assim, mais espaço
mostrou o seu Santa Fe, que che- disponível para os passageiros.
gará ao mercado mundial no fi- Para mover este Santa Fe, a
nal de 2018 ou início de 2019. Hyundai equipou este novo mo-
delo com três motorizações
De Sport a XL (duas a gasolina e uma a diesel).
A primeira novidade deste San- No campo das propostas a gaso-
ta Fe é o facto de o construtor lina, o Santa Fe terá motores de
deixar cair o nome Santa Fe quatro cilindros de 2.0 e 2.4 li-
Sport que será denominado, a tros. No primeiro caso, trata-se
partir de agora, somente Santa
Fe. A versão com carroçaria cia tridimensional que propor-
mais comprida adoptará, se- Uma das ciona uma sensação de abertura
gundo o construtor, a denomi-
nação Santa Fe XL, cuja divulga-
novidades e melhora a luz natural.
O condutor verá, igualmente,
ção só será feita para o ano. deste novo melhorias ao nível do sistema
A frente do novo Santa Fe des- audio/visual/navegação que
taca-se pela assinatura da Hyun- Santa Fe adopta uma posição mais incli-
dai com a grelha em cascata e um é que deixa cair nada, de forma a reduzir o bri-
designer compósito do jogo de lho. As janelas do Santa Fe tam-
luzes, com as luzes diurnas LED a denominação bém possuem um novo de-
posicionadas por cima dos faróis
LED principais.
Sport signer e as pegas das portas fo-
ram movidas para a frente para
que os passageiros tenham
de um motor turbo que debitará mais espaço para os braços, en-
DRIVE ANGOLA É O NOVO IMPORTADOR NACIONAL DA VW 232 cv, enquanto o motor de 2.0 quanto as bolsas das portas di-
litros terá 185 cv. Já a motoriza- minuíram de dimensão para
A Drive Angola é o novo im- Ao nível do equipamento, ção diesel será um 2.2 litros maior espaço para as pernas.
portador oficial da VW Pas- este novo Polo Sedan Highli- CRDI turbo-diesel com 200 cv, Na consola central, os supor-
sageiros, reforçando, assim, a ne vem equipado com airbags sendo que todos os motores te- tes para os copos foram reposi-
sua oferta e portfólio do dianteiros e laterais, ISOFIX rão acoplados caixas automáti- cionados para facilidade de uso.
construtor alemão no merca- para assentos infantis e fecha- cas de oito velocidades. Além disso, a altura e o compri-
do angolano. duras à prova de crianças nas mento do apoio de braços cen-
Para reforçar esta aposta da portas traseiras, Programa Mais e melhor conforto tral também foram aumentados.
Drive Angola no mercado na- Electrónico de Estabilidade O designer interior do Santa Fe A chegada do novo Santa Fe às
cional, a empresa apresentou (ESP) e sistema de ABS com combinará qualidade com um estradas ainda está no segredo
o novo VW Polo Sedan Highli- Distribuição Electrónica da layout horizontal e espaçoso, dos deuses, embora se saiba que
ne, com motor de 1.600 de ci- Força de Travagem (EBD), en- além de contar com uma visibili- os Estados Unidos da América
lindrada e 105 cv. tre outros. dade aprimorada. O painel de deverão ser o primeiro mercado
instrumentos tem uma aparên- a recebê-lo no Verão de 2018.
36 EXPANSÃO | 9 de Março 2018

OPINIÃO
CARTAS DO LEITOR NOME DO TEMA DO COLUNISTA

Quer opinar, criticar, elogiar ou simplesmente desabafar


sobre um tema da actualidade económica nacional
ou internacional? Escreva ao Director do Expansão para:
redaccao@expansao.co.ao ou Avenida Lénine, n.º 72,
3.º andar — Edifício Domo Business Center, Ingombota,
Luanda, indicando nome, profissão e local de residência.
Por questões de espaço, o Expansão reserva-se o direito
de resumir as cartas seleccionadas para publicação.
José Severino
Presidente da AIA

Porque os angolanos “Até que enfim, havia muito


insistem em aplicar teatro disfarçado de política
fundos lá fora?
“Porque a taxas são fixas e a
moeda estável? Porque a in-
de desenvolvimento”.
Hitchica William
Facebook
Sobre a proposta de Lei
flação não come o juro ou até
mesmo o capital? Porque não Editorial: “Doutores
do Investimento Privado
há instabilidade política com da mulha russa”
reflexo económico? Porque “Em pleno acordo. Essa é a Três anos depois das sucessivas
nem os dirigentes acreditam leitura correcta, mas é bom reclamações da Associação
no seu próprio país? Porque deixar claro que em parte é Industrial de Angola (AIA), eis
todo o investimento que se porque a educação tornou-se que temos agora um projecto
faça ou se fez nos últimos 40 um negócio muito rentável de Lei que corresponde às
anos não teve garantia para em Angola”. nossas expectativas: elimina
aqueles que realmente inves- Romeo Neto o garrote sobre o investimento
tiram e continuam todos os Facebook externo em infraestruturas
dias??? E por aí vamos...” e Turismo (matou a
Nuno Marques “Dá nisso, quando há profes- eventualidade de tráfico
Facebook sores a ostentarem os títulos de influências e de coacção
de Doutores e que bem se- com a obrigatoriedade do sócio
Estrangeiros não quer um artigo conseguem angolano deter no mínimo
precisam de sócios escrever...” de 35% do capital e a integrar
angolanos com nova lei Isaac Sabalo também os Transportes);
“Passo brusco, uma supresa. Facebook simplifica, pois não condiciona
Espero que seja possivel o investimento à avaliação
atrair investimento sério e de terceiros dos estudos de
consciente. Senão de nada viabilidade técnico-económica
valerá para mudar o mapa (às vezes malandreca, pois
económico angolano. Será o projecto e o risco são de quem
que extinguem também a bu- investe); que pela simplificação
rocracia...” reduz tempos de análise
Higino Octavi e de decisão (favorece
Facebook a redução do aparelho
de Estado); e que repõe as três
zonas (inaceitavelmente
reduzidas para duas na lei
ainda em vigor).
O EXPANSÃO ERROU Em defesa da transparência,
a futura lei pode e deve ser
muito mais simplificada a
Na última edição, na página 31, escrevemos que o BNA leiloou evitar quaisquer hipóteses de
a 2 de Março 672,7 milhões de euros quando os valores se “negociozinhos” pelo princípio
referem às vendas de divisas durante todo o mês de Fevereiro. de se ter de negociar as

ARQUIVO | EXPANSÃO
As vendas dos dois primeiros meses de 2018 cifraram-se percentagens dos benefícios
em 1,5 mil milhões de euros e não 2 mil milhões de euros. a conceder em política fiscal e,
também, com variáveis de anos
- o que macula profundamente
o projecto que se quer
transparente, pois pode,
em primeiro lugar, permitir crime de “lavagem de dinheiro”
subjectivismos e ambiguidades Em defesa ou de “dumping”.
(mais para uns que para outros) A Lei terá de ser mais
e depois a poder colocar da transparência, pragmática em matéria de
DIRECTOR DESIGN GRÁFICO DISTRIBUIÇÃO
Carlos Rosado
de Carvalho
Pedro Morais
(COORDENAÇÃO)
Vaspe, SA investidores em desigualdade a futura lei pode e prazos de concessão dos vistos
carlos.rosado@expansao.co.ao Andreia Maia DEP. COMERCIAL
Carla Leal
de concorrência e também… deve ser muito mais de entrada e de trabalho, um
Ngombo José Manuel
CHEFE DE REDACÇÃO carla.leal@vaspe.co.ao a fazer perder tempo! Algo imbróglio que deve ser banido!
Joaquim José Reis
joaquim.reis@expansao.co.ao
FOTOGRAFIA
Quintiliano dos Santos CONTACTOS inaceitável! Esperemos, simplificada a evitar Fica a perplexidade sobre como
CHEFE DE REDACÇÃO-
(COORDENAÇÃO),
César Magalhães
+244 937 581 904
+244 921 303 903 sinceramente, que tal não quaisquer hipóteses ter uma politica de distribuição
e Lídia Onde assinaturas@vaspe.co.ao
-ADJUNTA
Isabel Costa Bordalo MOTORISTA
aconteça para não termos de “negociozinhos” de transferência prioritária
isabel.bordalo@expansao.co.ao Anselmo Moreira
NOVA VAGA, SA
de andar a combater isto por de dividendos e, também,
António N’Gola Logila
REDACÇÃO
MORADA mais uns anos, sendo a nossa ingenuidade na Lei sobre
Alexandre Lourenço PROJECTO GRÁFICO
alexandre.lourenco@expansao.co.ao Jorge Ribeiro
Avenida Lénine, nº 72,
3º Andar, Edifício Domo,
proposta que se faça e se fixe, o recurso a financiamento
Hermenegildo Tchipilica
hermenegildo.tchipilica@
Ingombotas, Luanda
Angola
desde já, pela mediana dos bancário nacional (vara essa
expansao.co.ao PROPRIEDADE
CONTACTOS indicadores ali apontados! muito usada para fazer
Martins Chambassuco INVERSÃO, SA
martins.chambassuco@
Telef.: (+244) 222 332 819
Seria um passo extraordinário! tutelas no acompanhamento aumentar os lucros e os
expansao.co.ao
Maurício Vieira Dias REGISTO NOVA VAGA PUBLISHING
Importante também não da execução dos projectos logo dividendos no exterior) e tal
jose.mauricio@expansao.co.ao MCS-520/B2009
DIRECTOR-EXECUTIVO deixar que haja negociação após a primeira fase. Seja o da a ter regras muito claras
Quingila Hebo
quingila.hebo@expansao.co.ao
TIRAGEM
15.000 exemplares
Victor Jorge de benefícios fiscais declaração prévia, a comunicar e com prazos bem definidos
Telma Van-Dúnem
telma.vandunem@expansao.co.ao
IMPRESSÃO
MORADA
Av. Elias Garcia, nº 137, 7ºC,
extraordinários sem despacho também aos governos e só depois de um ano
Lueji Lara
Damer Gráficas, SA 1050-099 Lisboa, Portugal de autorização do Titular provinciais, mas sem do arranque, no caso
(SECRETÁRIA DE REDACÇÃO) CONTACTOS
lueji.lara@expansao.co.ao DEPARTAMENTO (+351) 215 801 682 do Poder Executivo, sobre interferências, salvo em do investimento externo. A não
CONTACTO REDACÇÃO
COMERCIAL
geral@novavaga.pt
proposta do titular da tutela, questões laborais e de ser assim o investidor a ter de
Alide Hussen
Telef.: (+244) 938 945 970 alide.hussen@novavaga.co.ao
ASSINATURAS
Semestral: €87,50
ou em quem se delegar tal capacitação; ambientais e no admitir um sócio nacional.
redaccao@expansao.co.ao
COLUNISTAS
+244 941 114 883 (1 EDIÇÃO DE OFERTA) prerrogativa e depois acabar ferir do interesse de terceiros, O legislador deve lembrar-se
CONTACTO COMERCIAL Anual: €168,00
Alves da Rocha, comercial@novavaga.co.ao (4 EDIÇÕES DE OFERTA) por ter a sua própria quando plasmadas em decisão que a Catumbela já é um
Eva Santos, José Alberto
Rodrigues, Maria Luísa IMPRESSÃO autorização. de Tribunal angolano município, pois de outra
Abrantes, Mário Beirolas E DISTRIBUIÇÃO
e Norberto Carlos VASP A lei deve definir alguns dos de 1.ª instância e severas forma “os jacarés da mesma
prazos e também o âmbito das penalizações por denúncia de ficarão ofendidos”.
9 de Março 2018 | EXPANSÃO 37

LABORATÓRIO ECONÓMICO

Alves da Rocha
Economista

O que pode estar em causa no processo


de transformações estruturais
As transformações estruturais dominante na estrutura das ex-
em causa no País têm um custo portações) e das entradas líqui-
financeiro elevado, provavel- das de capitais externos (normal-
mente acima da capacidade de fi- mente exigentes em garantias,
nanciamento existente e projec- accountability, compliance, com-
tável no médio prazo. Para não se bate à corrupção, transparência e
falar dos ajustamentos em al- inserção do sistema financeiro
guns dos subsistemas superes- angolano no sistema financeiro
trututais, como as mentalidades, internacional).
as instituições e as atitudes. Mas ainda se pode descortinar
Não se sabe em quanto o pro- uma outra modalidade de finan-
cesso de diversificação da econo- ciamento do investimento médio
mia nacional foi prejudicado pelo anual de 55.042 milhões USD: a
controlo da taxa de inflação pela eficiência das aplicações de capi-
via da âncora cambial. Do ponto tal. Havendo mais eficiência, a sua
de vista das experiências exitosas taxa de retorno aumenta conside-
de diversificação, a desvaloriza- ravelmente, equivalendo a uma
ção cambial é uma medida pre- reconfiguração dos valores dos
sente nas estratégias e políticas coeficientes capital-produto, re-
nacionais, não apenas nos países duzindo-os (com os mesmos in-
ricos em petróleo e outros recur- vestimentos conseguem-se os

QUINTILIANO DOS SANTOS


sos naturais irrenováveis, como mesmos crescimentos nos valo-
naqueles em que a dependência res agregados). Procedendo desta
externa se concentra na exporta- forma e admitindo progressos
ção de matérias-primas e bens ali- consideráveis na qualificação dos
mentares. A diversificação é tam- diferentes tipos de capital (huma-
bém um processo de gestão e pro- no, social, empresarial, institu-
vocação de expectativas, que le- cional e material (investimentos
vem os investidores privados, Quanto pode custar o processo produtividade geral dos factores em obras públicas), o esforço
dentro das condições e factores Quando pode de diversificação da economia, no sentido de Solow, no primeiro anual médio de investimento po-
anteriormente apontados, a apli- apenas em custos de investimen- caso, e de um ambiente de negó- deria baixar para cerca de 40 mil
carem as suas e as alheias poupan- custar o processo to, directos, indirectos e induzi- cios atractivo para os investimen- milhões de USD. Ainda assim,
ças em actividades de elevado po- de diversificação dos? Tomando-se um horizonte tos estrangeiros, no segundo. considerável, hercúleo mesmo.
tencial de competição externa. A da economia temporal de cerca de 20 anos O Relatório de Fundamentação Da aprendizagem que tenho
acomodação dos empresários na- (2035) – justificado pela sua do OGE 2018 (1) tem várias referên- retirado da leitura de muitos tex-
cionais aos modelos proteccio- apenas em custos complexidade, tributária de cias sobre a capacidade de finan- tos sobre este tema sobrou o se-
nistas, cuja implementação eles de investimento? transformações profundas em ciamento do País, que passo a citar: guinte: há uma boa e uma má di-
próprios solicitam aos seus gover- todos os sectores, nas mentalida- ■ “A capacidade de financia- versificação. A boa é a que se cen-
nos e a falsa-ideia-clara de que a des e posturas (por exemplo, ter- mento da economia nacional as- tra num modelo de competitivi-
diversificação é apenas interna, -se o trabalho, a iniciativa e a ino- cendia a 6,52% do PIB em 2013. dade de altos salários e elevada
para substituir simplesmente o vação como valores culturais su- Com a queda do preço do petró- produtividade. É o modelo que
que é importado, tem adiado estes A diversificação tem uma con- premos e não a preguiça, o absen- leo, em meados de 2014, a capaci- funciona em contextos de econo-
processos em muitas economias tabilidade que se pode resumir na tismo, o amiguismo e o tráfico de dade de financiamento da econo- mias abertas e de globalização
emergentes e em desenvolvimen- pergunta: qual o seu preço e de influências) – e determinados va- mia declinou, passando a econo- crescente das forças produtivas
to, ricas ou não em petróleo e ou- que modo pode ser financiada? A lores para alguns indicadores de mia a apresentar necessidades de nacionais. A má diversificação é
tros produtos de base. resposta à primeira parte da eficiência (por exemplo o coefi- financiamento eterno em níveis alicerçada em salários baixos,
Com as informações que vão questão exige a disponibilidade ciente capital-produto), chega-se de 2,96% do PIB, agravando-se produtividades incompetitivas e
chegando, os estudos que vão sen- de dados estatísticos e a conside- a uma estimativa do esforço de para 10,7% do PIB em 2015.” num mercado doméstico fecha-
do elaborados e as previsões que ração de uma estrutura do PIB investimento médio anual de ■ “As recentes estimativas sobre do e protector de interesses das
se vão efectuando (em horizontes correspondente a uma malha USD 55042,4 milhões!!!!!!!! a evolução das necessidades de fi- elites económicas e políticas. A
de largo prazo, umas com mais e produtiva desconcentrada. Para Como financiar este montante nanciamento externo da econo- melhoria da competitividade de-
outras com menos credibilidade e a segunda, terei de recorrer à de investimento? O mercado de mia nacional, medidas pelos sal- pende, evidentemente, da exis-
confiança), o ciclo do petróleo Teoria Económica e às equações capital em economia aberta é a dos conjuntos das contas corrente tência de ambientes de negócios
está na verdade a chegar ao fim. caracterizadoras de um mercado modalidade mais adequada e a e de capital, assinalam uma ligeira bem estruturados, transparen-
Não apenas enquanto fonte de fi- de capital em economia aberta. poupança é a única forma de o fa- melhoria em 2016, tendo-se esta- tes e que convidem ao investi-
nanciamento da actividade eco- É consabido que a economia zer. Quando o mercado de capital belecido em cerca de 3% do PIB”. mento privado. Esta é uma res-
nómica de alguns países e finan- angolana depende, directa e indi- está em equilíbrio o investimento ■ “O exercício de programação ponsabilidade do Governo, do
ceira dos seus Estados e Gover- rectamente, das receitas de ex- iguala a soma da poupança priva- económica feito para 2017, sob o Estado e dos seus serviços de
nos, mas igualmente como uma portação do petróleo (produto de da (Sp), poupança pública (Sg) e cenário de um preço médio do apoio ao funcionamento da eco-
componente da produção nacio- base, sujeito às imponderabilida- as entradas líquidas de capital barril do Brent em torno de USD nomia. Mas depende, igualmen-
nal. O ciclo do petróleo – prova- des que mais atrás assinalei e que (ENC). Recorrendo à equação de 48,4, leva a estimar um défice da te, dos privados, mormente pela
velmente a melhor designação podem travar, em certas circuns- equilíbrio deste mercado em eco- balança de pagamentos em torno libertação da sua mentalidade de
será “ciclo do petróleo caro” – está tâncias e contextos, o crescimen- nomia aberta, chega-se à conclu- de 1,46 mil milhões USD e um ní- assistidos pelas instituições pú-
a ser afectado pelo preço desta to económico, tornando-o mais são de que a economia e as suas vel de reservas internacionais lí- blicas de quem, afinal, depen-
commodity e também pelos ex- lento e menos inclusivo), sendo, necessidades de investimento fi- quidas de 19 mil milhões USD”. dem para traçar o essencial das
traordinários ganhos de eficiên- portanto, aconselhável, não ape- nanciam-se com os saldos da ba- suas estratégias empresariais. E
cia que se vão acumulando, ano nas reduzir o seu peso relativo no lança de pagamentos e as entra- Ou seja, o financiamento da di- não deveria ser assim.
após ano, desde 1971/1973, depois Produto Interno Bruto por subs- das líquidas de capitais externos. versificação está dependente da (1) Ministério das Finanças,
da dramática subida do preço mé- tituição de outras mercadorias, A sua positividade depende da efi- capacidade de exportar mais e 3 de Dezembro de 2017
dio em praticamente 100%. como agregar valor interno. ciência geral da economia e da melhor (o petróleo vai continuar Alves da Rocha escreve quinzenalmente
38 EXPANSÃO | 9 de Março 2018

OPINIÃO

CONVIDADO

Ana Regina Silva


Jurista

A importância da auditoria externa


nos mercados regulamentados
A transparência, integridade, fiscal e serviços de contabili-
veracidade e suficiência da in- dade às entidades auditadas.
formação económica e finan- Importa também realçar as
ceira são pilares fundamentais recomendações constantes do
e incontornáveis para o regu- Guia Anotado de Boas Práticas
lar funcionamento do mercado e Governação Corporativa
de valores mobiliários. A quali- (“GABPGC”), quanto a actua-
dade da informação gera credi- ção dos auditores externos,
bilidade e influencia positiva- bem como dos órgãos de gestão
mente a actuação dos agentes das empresas auditadas. Se-
económicos, com particular gundo o GABPGC a auditoria
destaque para os investidores, externa deve ser feita por audi-
que tomam as suas decisões tores independentes, compe-
com base em dados credíveis e tentes e qualificados, segundo
na expectativa de determina- os mais exigentes padrões, sem
dos resultados. prejuízo da existência de me-
É neste quadro que a audito- canismos de auditoria interna.
ria externa exerce um papel O órgão de administração a
crucial, na medida em que responsabilidade de assegurar
transmite a necessária con- que assim aconteça.
fiança aos agentes económi- Uma das medidas para acau-
cos, sobre a qualidade da infor- telar a existência de ameaças à
mação financeira que são cha- independência dos auditores
mados a certificar e, assim, in- decorrentes da prestação de
fluenciar as suas decisões de serviços adicionais é a publica-
investimento. ção de informação sobre o
LÍDIA ONDE

Os escândalos contabilísticos modo como estes serviços são


e financeiros abalaram a con- avaliados e os montantes en-
fiança nos mercados a nível volvidos. Outras informações
mundial, bem como no modelo ta a uma supervisão adminis- Actuação dos auditores devem ser também prestadas e
de governação de determinadas Os auditores, terão trativa. Esta supervisão efecti- Determina o legislador que os prendem-se com a estrutura
empresas. Os reguladores fo- va-se pelo registo prévio dos auditores externos registados de governação dos auditores
ram chamados a reforçar a regu- o desafio de garantir referidos auditores, tendo o le- na CMC devem cumprir, no de- externos, o sistema interno de
lação e supervisão, com objecti- informação isenta gislador confiado à CMC a sempenho das suas funções, controlo de qualidade dos au-
vo de aumentar a transparência e confiável aos competência para o efeito. com as normas aprovadas ou ditores externos, as receitas
da informação financeira, como À CMC compete, igualmen- reconhecidas que regulam o anuais provenientes de servi-
também garantir a qualidade e diversos utilizadores te, e após consulta a Ordem dos exercício da sua actividade, ços de auditoria, entre outras.
credibilidade da mesma. dessa informação Contabilistas e Peritos Conta- quer quanto as normas técni- A análise do tema não pode-
No contexto nacional, são bilistas de Angola (“OCPCA”) a cas de revisão de contas e audi- ria ser mais oportuna. Com a
conhecidas as deficiências que regulamentação do conteúdo, toria, quer quanto as normas implementação do mercado
uma parte considerável do te- organização e apresentação da relativas à idoneidade, inde- regulamentado de bolsa, as
cido empresarial angolano informação económica, finan- pendência e controlo interno empresas (sector público e pri-
apresenta quanto a fiabilidade mações financeiras contidas ceira e estatística utilizada em previstas na lei e demais regu- vado) passaram a ter disponí-
da informação financeira. Tal nos documentos de prestação documentos de prestação de lamentação aplicável. vel uma fonte de financiamen-
facto traz aos reguladores de contas, individuais ou con- contas, bem como das respec- Neste particular, o quesito to adicional, devendo cumprir
enormes desafios na sua actua- solidadas dos agentes de inter- tivas regras de auditoria, har- independência é fundamental os mais elevados requisitos de
ção e eleva a responsabilidade mediação, das sociedades ges- monizadas de acordo com os para garantir a confiança no exigência.
dos próprios auditores, que toras de organismos de inves- padrões internacionais. trabalho de auditoria, tendo o Não será de estranhar as
têm a função (pública) de timento colectivo, bem como Esta solução prima pelo ali- legislador identificado um eventuais dificuldades na veri-
questionar a informação dis- de quaisquer outras entidades nhamento às boas práticas in- conjunto de situações referen- ficação da regularidade dos li-
ponibilizada. cuja auditoria seja exigida por ternacionais, e pelo particular tes a incompatibilidades e im- vros, registos contabilísticos, a
Nos termos da legislação e lei ou regulamento da CMC. respeito aos princípios e reco- pedimentos que podem por em exactidão do balanço e de-
regulamentação em vigor, toda Assim determinou o legisla- mendações da Organização In- causa a independência dos au- monstração de resultados das
informação financeira contida dor no artigo 8.º do Código de ternacional dos Supervisores ditores (artigo 11.º Regula- empresas que queiram estar
nos documentos de prestação Valores Mobiliários e artigo 2.º dos Mercados de Capitais mento n.º 2/1, artigo 434.º da listadas em bolsa.
de contas, individuais ou con- do Regulamento n.º 2/2015 que (IOSCO), referentes a supervi- Lei das Sociedades Comer- Os reguladores, deverão ter
solidadas, em estudo de viabi- estabelece os requisitos de re- são dos auditores. ciais). Nestes casos não podem uma actuação firme e exigente
lidade e em prospectos de dis- gisto e as regras a observar pe- Apenas podem registar-se ser contratados, para realiza- na definição das regras relati-
tribuição ou de admissão à ne- las empresas de auditoria lega- como auditores externos e le- ção de auditoria externa, os au- vas ao conteúdo e qualidade
gociação de valores mobiliá- lizadas e estabelecidas em An- galmente exercer esta activi- ditores registados na CMC. das demonstrações financei-
rios, submetidos à Comissão gola, chamadas a auditar as re- dade, as sociedades de peritos Por outro lado, fica vedado ras. Os auditores, terão o desa-
do Mercado de Capitais (CMC) feridas informações no âmbito contabilistas habilitadas legal- ao auditor externo a prestação fio de garantir uma informa-
ou sujeitos à divulgação, no dos mercados regulamentados. mente em Angola, cuja inscri- simultânea de serviços de au- ção isenta e confiável aos di-
âmbito de pedido de admissão Dado o impacto que o serviço ção na OCPCA não se encontre ditoria e de consultoria que versos utilizadores dessa in-
à negociação em mercado re- prestado pelos auditores ex- suspensa e que sejam dotadas possam traduzir-se numa per- formação. As empresas deve-
gulamentado, deve ser objecto ternos tem sobre as decisões dos meios humanos, materiais da da objectividade e indepen- rão implementar ou reforçar
de parecer elaborado por audi- de investimento e o mercado e financeiros necessários para dência, nomeadamente na as melhores práticas de gover-
tor externo registado na CMC. em geral, a actuação dos audi- assegurar a sua idoneidade, in- prestação de serviços de asses- no corporativo e os respecti-
Ficam, igualmente, sujeitas tores externos no mercado de dependência e competência soria à restruturação, avalia- vos mecanismos de reporte fi-
ao referido parecer as infor- valores mobiliários está sujei- técnica. ção de empresas, assessoria nanceiro.
9 de Março 2018 | EXPANSÃO 39

Bobbi Gray
Directora de pesquisa da fundação Grameen*

O que impulsiona a igualdade entre homens e mulheres


nos países em desenvolvimento?
No dia 8 de Março, será mundial- lhávamos consideravam sentir-
mente celebrado o Dia Interna- -se independentes nas suas casas;
cional da Mulher, uma oportuni- muitas temiam os seus maridos.
dade anual para reafirmar a Actualmente, estes sentimen-
igualdade entre homens e mu- tos estão a mudar lentamente. Ao
lheres. A observância deste ano servir como ponte entre os gru-
chega num momento importante pos de poupança informal e os
para os direitos das mulheres, na bancos, centros de saúde, escolas
medida em que movimentos e serviços de extensão agrícola,
mundiais como o#MeToo e o estamos a ajudar as mulheres a
#TimesUp estão recentrar a tomar decisões mais acertadas
atenção nas práticas discrimina- sobre a utilização dos alimentos,
tórias que as mulheres enfren- as práticas alimentares e o de-
tam na vida social e profissional. sembolso. O nosso objectivo é re-
Contudo, enquanto as mulhe- duzir as taxas de pobreza, refor-
res no mundo desenvolvido estão çando as competências de gestão
a travar grandes batalhas contra de activos, o que permitiria às
os preconceitos de género, as mu- mulheres terem maior voz nas
lheres e as raparigas dos países suas comunidades. As “sessões
em desenvolvimento permane- de diálogo entre os géneros” que

QUINTILIANO DOS SANTOS


cem centradas em pequenas vitó- acolhemos também estão a forta-
rias. No Dia Internacional da Mu- lecer os laços familiares.
lher que agora assinalamos, não Em cada uma das minhas visitas
devemos esquecer que nas comu- ao terreno, senti-me surpreso pela
nidades mais pobres do mundo, a forma como estes esforços afec-
pobreza, a fome, a violência do- tam a vida das mulheres. Em uma
méstica e a discriminação conti- viagem recente, conheci Rasmata,
nuam a ser obstáculos endémicos tudo, tal como as ambulâncias, os de ter acesso ao governo e às agên- uma jovem mãe, que me disse que,
para a paridade entre os géneros. As mulheres das táxis têm de ser pagos adiantada- cias internacionais, caso contrário graças à rede de segurança do seu
Realizei trabalho de investiga- mente, e a mulher não tinha di- não conseguirão escapar à fome e grupo de poupança, foi conseguin-
ção sobre questões de géneros e comunidades pobres nheiro. Felizmente, um vizinho à pobreza. É por isso que a minha do sustentar a sua família, apesar
de desenvolvimento no hemisfé- devem confiar que pertencia a um grupo de pou- organização, a Grameen Founda- de o marido ter emigrado, de o pai
rio Sul durante 15 anos. O meu umas nas outras, pança para a saúde foi capaz de tion, está a utilizar tecnologia digi- ter falecido recentemente e da
trabalho, que incluiu milhares de contribuir e de pagar a corrida de tal e telemóveis para interligar os persistente seca que se fazia sen-
entrevistas a mulheres, desde a mas também táxi. É muito provável que aquele grupos de poupança com outros tir. Ela estava a diversificar os seus
Índia até Burquina Faso, concen- precisam ter acesso acesso imediato ao dinheiro te- prestadores de serviços. rendimentos, gerir as suas finan-
trou-se numa pergunta: Como ao governo nha salvado a vida do rapaz. Um dos nossos maiores projec- ças, e tinha inclusivamente adop-
poderá a comunidade interna- A maioria dos empréstimos tos está situado no Burquina Faso, tado técnicas de agricultura inteli-
cional melhorar o bem-estar das por parte de grupos de poupança um país extremamente pobre da gentes do ponto de vista climático.
mulheres mais pobres do mun- também são igualmente de pe- África Ocidental, onde se estima A melhor parte foi o facto de ela se
do? A resposta, ao que parece, é quena monta. No Benim, por que 55% da população não tem se- descrever a si própria como uma
ajudá-las a fazer o que já estão a nanciar qualquer número de exemplo, o valor médio de cada gurança alimentar, pelo menos, “mulher trabalhadora, respeitá-
fazer a título individual. itens, tais como despesas de pe- empréstimo num grupo é de ape- uma parte do ano. Desde 1993, vel, rigorosa e ambiciosa”.
Uma das formas mais eficazes queno porte, taxas escolares, ou nas nove dólares. No entanto, trabalhámos com mais de 73.000 São adjectivos que as mulheres
de capacitar as mulheres em os custos dos cuidados de saúde. num país onde o rendimento mé- mulheres em cerca de 3.300 gru- de todo o mundo, independente-
qualquer parte, mas especial- Os grupos de poupança comu- dio anual é inferior a 800 dólares, pos de poupança, trazendo os ser- mente da sua situação financeira
mente no mundo em desenvolvi- nitários — que atingem os mi- valores reduzidos podem fazer viços directamente para as mu- ou nível de instrução, merecem
mento, é através da promoção da lhões na Ásia e na África — mu- uma grande diferença. lheres que deles necessitam. A atribuir a si mesmas. Por conse-
independência financeira. Em dam vidas diariamente. Certa Infelizmente, muitos grupos de média das nossas participantes guinte, esta semana, quando o
muitos domínios, tal significa vez, conheci uma mulher no poupança, sendo tão importantes, situa-se nos 40 anos de idade, mundo celebrar o incrível pro-
apoiar “grupos de poupança in- Burkina Faso, cujo filho deve a não são efectivamente considera- analfabetas, com um rendimento gresso realizado pelas mulheres
formais”, redes de mulheres que sua vida aos recursos financeiros dos; a maioria funciona de forma de apenas sete dólares por sema- no longo percurso rumo à parida-
partilham a mesma opinião e que de uma rede de poupança. Certa isolada em relação aos serviços na pela venda de produtos culti- de, vou lembrar mulheres como
pagam a sua contribuição para a noite em que a criança estava oficiais, o que enfraquece a sua efi- vados como o sésamo e o amen- Rasmata, que tanto concretiza-
criação de um conjunto de recur- muito debilitada, com diarreia, a cácia. As mulheres das comunida- doim. Quando começámos o pro- ram, embora tendo tão pouco.
sos partilhados. Este dinheiro mãe chamou um táxi para levá-la des pobres devem confiar umas grama, apenas cerca de metade * Organização sem fins lucrativos dedicada
pode então ser canalizado para fi- para a clínica mais próxima. Con- nas outras, mas também precisam das mulheres com quem traba- a acabar com a pobreza e a fome

PUB

FORMAÇÃO
O PA
ARA PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO
geral@isaf.co.ao EXECUT
TIVO
OS DE RECURSOS HUMANOS
tel (+244) 227 281 005 / 006
AV. COMANDANTE LOY, EDIFÍCIO A
ACADEMIA BAI, MORRO BENTO, ANGOLA
E BENEFÍCIOS SOCIAIS A 03DESETEMBRO
22 MARÇO
40 EXPANSÃO | 9 de Março 2018

DÊ-NOS O Expansão quer saber notícias da(s) sua(s) empresas, do(s) seu(s) negócio(s),
09.03.18 NOTÍCIAS do(s) seu(s) trabalho(s) e do(s) seu(s) eventos.
Informe para redaccao@expansao.co.ao ou para (+244) 938 945 970

DIAMANTES MERCADO CAMBIAL DIZ A INVESTIGAÇÃO


Receitas fiscais Saiba que bancos UTIP falhou
Prémio
Maboque
de melhor
Órgão de
sobem 5% para 14,7 compraram divisas due diligence no caso
Comunicação
Social de
Angola 2013
mil milhões Kz | P. 22 esta semana | P. 24 do fundo tailandês | P. 07

EDITORIAL
Carlos Rosado
de Carvalho
Director

Ventos do comércio livre


sopram em África
Enquanto as principais potências mundiais afiam as facas
do proteccionismo, na sequência da intenção de Donald
Trump, presidente dos Estados Unidos da América, de taxar
as importações de aço e alumínio, em África sopram ventos
favoráveis ao comércio livre.
Os ministros do Comércio da União Africana, entre os quais
o angolano Joffre Van-Duném, estão reunidos em Kigali,
Ruanda, para ultimar o acordo constitutivo da Zona de Comér-
cio Livre Africana que deverá ser assinado pelos Chefes de Es-
tado e de Governo na Cimeira Extraordinária da organização
prevista para o próximo dia 21 também na capital ruandesa.
O comércio de bens e serviços com outros países proporciona
aos consumidores domésticos uma maior variedade de bens e
serviços, com melhor qualidade e a um preço mais baixo.
A eficiência económica também melhora, já que a concor-
rência obriga as empresas a produzir a custo mais baixo, redu-
zindo o desperdício de recursos escassos.
Contudo, da mesma forma que não há almoços grátis, o
comércio livre também tem custos.
NA URBANIZAÇÃO BOA VIDA EM LUANDA

Polícia das bolsas suspende Enquanto as principais potências


mundiais afiam as facas do
vendas de quartos de hotel proteccionismo, a União Africana
última o acordo constitutivo da Zona
A Comissão do Mercado de Ca- ploração hoteleira, oferecendo hotel cinco estrelas com 120 sui- de Comércio Livre Africana
pitais (CMC) ordenou a “sus- como retorno para o investidor, tes previsto para a Urbanização
pensão imediata da venda ao além de um direito de participa- Boa Vida situada na Via Expres-
público” dos produtos que ção no investimento, uma remu- sa Benfica Cacuaco. Os compra- Com a redução ou eliminação das barreiras ao comércio, os in-
e stão a ser comercializados neração periódica resultante da dores não se tornam proprietá- vestimentos tendem a ser canalizados para as regiões mais desen-
pela empresa Urbanização Boa referida exploração”. rios dos quartos, ficando apenas volvidas, potenciando o agravamento das assimetrias regionais.
Vida, S.A.. “Tais “contratos relativos ao com o direito a um rendimento As experiências de integração revelam que os benefícios do
A decisão da CMC tem por investimento em bens corpó- resultante da sua exploração comércio livre superam largamente os custos.
base o facto de a empresa estar a reos” encontram cobertura legal sem que sejam alertados para o Infelizmente, África não tem tirado partido dos benefícios
vender produtos imobiliários de nos termos do n.º 3 do artigo 1.º risco do investimento. do comércio livre. Os países africanos fazem pouco comércio
registo obrigatório na Comissão O levantamento da suspen- internacional e o pouco que fazem é, sobretudo, com terceiros
do Mercado de Capitais, sem es- são está condicionada ao Regis- países e não entre si.
tar registada naquele órgão do Investidores não to da actividade e respectivos Nos anos 60, África pesava à volta de 6% no comércio mun-
sistema financeiro responsável produtos junto da CMA, bem dial de bens, mais de quatro vezes o peso da China que se que-
pela regulação, supervisão, fis- eram alertados para como ao cumprimento de ou- dava pelos 1,3%. Em 2014, o share africano tinha regredido
calização e promoção do merca- os riscos que correm tros pressupostos legais que vi- para pouco menos de 3%, mais de quatro vezes menos do que
do de capitais e das actividades sam fundamentalmente a pro- os mais de 12% que a China detinha no mesmo ano.
que envolvem todos os agentes tecção do investidor. O aumento do peso de África no comércio internacional
que nele intervenham, directa do CódVM, estando a competên- A Urbanização Boa Vida é um deve começar pelo próprio Continente.
ou indirectamente. cia para a sua regulação e supervi- projecto habitacional, de lazer e De acordo com dados da Organização Mundial do Comércio
A ordem de suspensão aos são legalmente confiada à CMC”, negócios iniciado em 2006 e pouco mais 10% das exportações totais dos países africanos
produtos que estão a ser comer- justifica o documento que ordena com previsão de conclusão inte- têm como destino outro país africano. A título de compara-
cializados pela Boa Vida, S.A. re- a suspensão, emitido pelo Conse- gral em 2020. Segundo os pro- ção, na Europa, as trocas intra-europeias valem entre 70% e
fere-se concretamente aos “con- lho de Administração da Comis- motores, o projecto envolve um 80% das exportações totais do Continente, cujo peso nas ex-
tratos de investimento em frac- são do Mercado de Capitais. investimento de cerca de 500 portações mundiais ronda os 42,4%.
ções imobiliárias autónomas, Em causa, apurou o Expansão, milhões USD. Como diz o ditado africano: Se quiseres chegar rápido vai
destinadas exclusivamente à ex- está a venda de quartos de um Isabel Costa Bordalo sozinho, se quiseres chegar longe vai acompanhado.

PUB

SE A TUA MOTA É A TUA VIDA, FAZ O SEGURO OFERTA


ENSA MOTOCICLOS. A PARTIR DE 5.500 KZ
TANTO POR TÃO POUCO KUMBU! 15% DESCONTO
NO SEGURO
DANOS PRÓPRIOS

SORTEIO
PAGAMENTO EM
2 MOTAS*
*Esta Campanha vai decorrer entre 13 de Outubro e 31 de Dezembro de 2017. O Sorteio será 4 PRESTAÇÕES 1 YAMAHA YB E
realizado dia 16 de Fevereiro de 2018. Sabe mais em www.ensa.co.ao 1 MOTA 3 RODAS

Centres d'intérêt liés