Vous êtes sur la page 1sur 2

ESTADO CONSTITUCIONAL VERSUS ESTADO LEGAL

O perigo de ter o Executivo legislando para o bem do partido.

No curso de Administração, na disciplina de Direito Usual aprendi, há mais anos do que


gostaria de admitir, o conceito de País como sendo a nação politicamente organizada. Com o
passar do tempo, ouvindo os que sabem, aprendi que País é a nação juridicamente
organizada, na conceituação de Afonso Arino de Mello Franco, considerado um dos maiores
constitucionalistas Brasileiros

Munidos deste novo conceito, podemos alongar o olhar sobre a história dos povos e
perceber a longa trajetória das nações que fizeram a transição do governo institucional para o
governo constitucional. A leitura revela que a monarquia absolutista foi obrigada a dar o lugar
para a república constitucional. Muitas lutas, muito sofrimento e muito sangue foram
necessários para converter o antigo estado legal para o Estado Democrático Constitucional. Há
quem diga que a democracia é um problema e que precisamos de governos fortes. Esquecem
que governo forte é um governo constitucional. Quem pensa o contrário, é por que ignora as
lições da história e não se dá conta de que mesmo a pior democracia é preferível, quando
comparada com o melhor regime autoritário. Quem tiver dúvidas, deve ler reportagens sobre
Cuba, sobre a Rússia Stalinista, sobre a China de Mao Tse Tung e outros regimes similares.

A estrutura jurídica de uma nação é o resultado de um longo processo de construção onde


mentes selecionadas, analisaram e colocaram princípios e fundamentos conhecidos como
clausulas pétreas. Muitos destes princípios sustentam hoje as constituições das democracias
que merecem este nome.

Quando voltamos o olhar para o aqui e agora, nos enche de preocupação, o que vem
ocorrendo em nosso País. (Não é "neste" País; mas em "nosso" País).

Presenciamos indícios quase diários da venalidade de alguns congressistas e do "toma-lá-


dá-cá" vigente nesta epidemia de falta de ética que assola o Brasil.

Observamos, o poder executivo expedindo em nome da eficiência, inúmeros decretos,


regulamentando leis, num processo que lentamente converte o Estado Republicano
Constitucional em Estado legal. Assim, a discussão democrática do legislativo pode ser
substituída por uma decisão autocrática do executivo. A segurança do debate e do contraditório
do congresso, fica substituída pelo risco da imposição autoritária de interesses de quem está
no poder.

Há exemplos dolorosos, na história do século passado, e que ainda marcam o presente de


algumas nações que permitiram o crescimento do Estado Legal. Na Alemanha nazista, por
exemplo, era "legal" prender pessoas, simplesmente por seu comportamento religioso e sua
tradição cultural. Na Rússia stalinista, membros do Estado, prendiam e executavam quem
discordasse das idéias do partido.

O Estado Democrático Constitucional é legal, quando respeita a Constituição, e assume o


papel oposto, quando atropela os princípios constitucionais. No Estado Legal, o poder central
faz o que é importante para a sobrevivência do Estado (por ele denominado País), sem
qualquer preocupação se aquilo é constitucional, moral ou minimamente importante para a
nação. Vale tudo para perpetuar-se no poder. Até porque há casos em que sair do poder
equivale a expor-se ao julgamento das suas ações durante o exercício do poder.

No Estado Legal, o Executivo mediante leis, decretos e medidas provisórias, infringe


normas constitucionais, à guisa de interpretá-las e dar-lhes eficácia. Legaliza-se o que é
conveniente para o plano de poder, sem a preocupação quanto à sua constitucionalidade ou
moralidade. Quem discorda é seduzido pela estrutura de distribuição de verbas e vende seu
apoio. O preço das pessoas "de bem", que vimos nos palanques, está cada vez mais baixo. A
lei da oferta e da procura, não perdoa nem os dignos representantes do povo. A indignidade,
enlameia todos os que têm preço. Tudo vale pelo partido. Precisamos lembrar a estes
senhores a lógica de que partido é parte e que a parte não pode ser maior que o todo. A nação
será sempre maior que o partido.

Quem pesquisar, descobrirá que o Executivo Federal editou um decreto para distribuir e
legalizar a propriedade dos quilombos para os quilombolas. Estudos antigos dão conta de que
havia uns 500 quilombos no Brasil. Pois já apareceram já mais de 5 mil. E quem é quilombola?
Segundo o decreto, é quilombola quem disser que é quilombola. Resultado: estão pretendendo
dar propriedade a quilombolas auto-declarados de áreas que perfazem extensão maior do que
o Estado de São Paulo.

Como ficam os seus direitos, se alguém chegar e disser que sua casa está em cima de um
terreno que era de um quilombo à 300 anos atrás?

Antes que seja tarde, precisamos sensibilizar nossos representantes a resistir à tentação
de vender seu apoio, sua consciência, sua alma, seu voto, sua liberdade.

Ainda somos livres para semear, mas dependendo do que estamos plantando, poderemos
ser obrigados a colher no futuro, as graves conseqüências das nossas ações e omissões do
presente.

“A liberdade é a melhor de todas as coisas, pois sem ela, nada é bom.”


Epícuro – filósofo grego

Paulo H. Wedderhoff