Vous êtes sur la page 1sur 37

ÍNDICE

Capitulo 1 – Introdução: Qual meu objetivo e quem é


2
Fernando Mello?

Capitulo 2 – A minha trajetória 5

Capitulo 3 – A sua decisão e como passar mesmo


13
sem se “sentir preparado”

Capitulo 4 – A máxima dos 7% 17

Capitulo 5 – Fuja das âncoras 19

Capitulo 6 – Organização do cronograma 23

Capitulo 7 – Seleção do material 27

Capitulo 8 – A pausa para o oxigênio – cinema,


29
churrasco e piscina

Capitulo 9 – Dormir bem ajuda a passar no


31
concurso

Capitulo 10 – A importância de confiar em si mesmo 33

1
Capitulo 1
Introdução: Qual o meu objetivo e quem é o Fernando
Mello?

O meu nome é Fernando Mello, sou Juiz da Justiça Militar


Federal, professor universitário (afastado temporariamente
para me dedicar mais à chegada do primeiro herdeiro), marido
da Ingrid, pai do Eduardo e idealizador do instagram
@ofernandomello – onde busco ajudar as pessoas que
sonham em ver seus nomes nas diversas listas de aprovação
de concursos públicos espalhados pelo país com dicas de
provas, atualidades da jurisprudência e notícias em geral.
Eu venho aqui te contar como realizei meu grande sonho
de ser Juiz. O cargo da magistratura é um dos mais almejados
do país e muitos pensam que é inatingível. Mas não é. E vou
te mostrar nesse e-book que cargos e concursos inatingíveis
ou impossíveis não existem. TUDO é possível, basta
dedicação, esforço, estudo e o principal: NÃO DESISTIR! Só
não passa quem desiste – essa é a maior verdade em
concursos públicos.
Sou carioca de nascimento, e por ser filho de militar das
Forças Armadas, acabei morando em lugares diferentes. Entre
os 10 e 12 anos, morei em Porto Alegre – RS, entre os 13 e 15
anos, em Maryland – MD – EUA e depois Brasília – DF, onde
me formei em Direito em 2006.
2
Capitulo 1
Introdução: Qual o meu objetivo e quem é o Fernando
Mello?

Após a formatura (vou contar os detalhes da minha


trajetória profissional no próximo capítulo), fui morar em
Palmas – TO, retornei para Brasília – DF, voltei novamente
para Palmas – TO, retornei a Brasília – DF (muitas idas e
vindas), fui para Santa Maria – RS, depois à minha cidade
natal, Rio de Janeiro, até que hoje estou morando mais uma
vez no interior do Rio Grande do Sul. Com esse histórico de
mudanças, posso dizer que já morei no centro-oeste, sul,
sudeste e norte – será que o destino ainda me leva ao
nordeste?! Só o tempo vai dizer – e, se acontecer, será um
prazer!
Hoje estou absolutamente realizado no cargo público que
escolhi, o qual me permite ter uma boa qualidade de vida e
exercer a função que sempre quis. No entanto, como você
deve imaginar, o caminho até aqui não foi fácil – foram vários
os obstáculos, várias noites sem dormir, MUITAS reprovações
(só é aprovado quem também já reprovou e aprendeu com
seus erros, não é mesmo?) e quase desistências. Mas eu
persisti. E consegui. E se eu consegui você também consegue
(eu sei que pode parecer clichê, mas é a mais pura verdade).
Assim, eu quero e vou lhe mostrar o que eu fiz e que vai te
3
Capitulo 1
Introdução: Qual o meu objetivo e quem é o Fernando
Mello?

ajudar a encurtar o seu caminho, para evitar que você cometa


erros desnecessários – errar é inevitável, só quero que você
cometa apenas os erros mais imprevisíveis.
Ou seja, vou te mostrar o que você precisa fazer para
conseguir alcançar a aprovação no concurso dos seus sonhos.
Lembro sempre de um amigo, que me disse uma vez “o
concurso público abre uma das portas mais difíceis da vida: o
da liberdade”. E eu te digo: não há nada melhor do que ser
livre, ter estabilidade, planejar seus objetivos pessoais,
familiares, de lazer. O mundo fica pequeno, tudo fica “logo ali”.
Vamos juntos buscar o cargo dos seus sonhos?

4
CAPITULO 2
A minha trajetória

Agora eu vou te contar sobre a minha trajetória, quais os


cargos públicos que exerci antes da Magistratura e os
principais concursos em que logrei aprovação. Acho que meu
relato pode te inspirar, te mostrar que é possível, que pessoas
comuns como eu e você também alcançam seus sonhos.
Antes de ser Juiz eu era um simples estudante – como você.
As oportunidades estão aí para todos e quero te mostrar que
você também vai conseguir chegar onde desejar!
Como você já deve saber, se acompanha o instragram
@ofernandomello, antes de ser Juiz, fui Procurador de Estado,
servidor do Supremo Tribunal Federal e servidor do Ministério
Público Federal, além de ter exercido a advocacia privada por
um bom tempo.
Eu não tenho a conta exata de quantos concursos públicos
eu fiz ao longo de toda a minha caminhada, mas foram vários,
dezenas. Se tivesse que chutar, diria algo em torno de 20
(vinte) ou mais. Sério mesmo. Nunca contabilizei, pois meu
foco era sempre andar em frente até que o dia da tão sonhada
posse chegasse – a reprovação é necessária para o sucesso,
é só não desistir.
Teve um concurso que me marcou especialmente, que foi
5
CAPITULO 2
A minha trajetória

o de Técnico Judiciário do Superior Tribunal de Justiça. Eu


simplesmente não estudei, fiz parte daqueles que se
inscrevem “pra ver no que vai dar”. Como se concurso fosse
uma loteria. Obviamente, saí reprovado, afinal passar é
possível, mas os milagres nessa área de concurso só
acontecem para quem estuda, não é?
Mas, apesar da reprovação, esse concurso do STJ me fez
sentir que era possível, era algo “alcançável”. E isso é
extremamente importante na caminhada, acreditar que o
sucesso é possível.
Pedi demissão do meu emprego (em um curso de inglês) e
me desliguei do estágio. Fui estudar. Estudei muito (MUITO
MESMO), não frequentava mais os churrascos dos amigos, as
confraternizações, nada. Frequentava muito a biblioteca da
minha faculdade (UniCeub, em Brasília – DF). Ficava feliz com
a notícia: “a biblioteca passará a abrir aos domingos!”. Depois:
“aos domingos ficaremos abertos o dia todo!”.
Com seis meses de estudo, veio minha primeira
aprovação, até hoje eu me lembro dessa notícia, quando
minha então namorada (hoje esposa) me ligou quando eu
estava indo ao meu treino de Jiu-Jitsu e disse: “sua nota subiu
6
CAPITULO 2
A minha trajetória

com os recursos, você entrou!”. É uma felicidade que só quem


passa por isso sabe dizer (às vezes até quem passa não sabe
traduzir em palavras essa sensação). Eu havia passado! Após
seis meses de estudo, eu passei para técnico judiciário do
Tribunal Regional do Trabalho da 10a Região – TRT10! Que
felicidade!
Eu era um simples estudante, na metade da faculdade e
jovem – uma pessoa comum. Mas o que me fez ser
aprovado? Dedicação e acreditar em mim. Eu não tinha outra
alternativa a não ser passar... Afinal, eu tinha “queimado
minhas pontes”: não tinha mais emprego, não tinha renda,
almoçava miojo e queria muito mudar de vida. Eu me dediquei
muito e acreditei muito que era possível – isso fez toda a
diferença.
Um parêntese. Esse era meu objetivo principal? Não. O
concurso que eu almejava mesmo era o de Técnico Judiciário
do Superior Tribunal Militar, órgão em que eu havia feito
estágio remunerado e me apaixonado pelas suas atribuições.
Veja que à vitória, precedeu o fracasso. Eu não passei no
concurso dos meus sonhos naquela época. E assim é a vida.
Todos que lograram êxito, assim o fizeram porque não
7
CAPITULO 2
A minha trajetória

desistiram no fracasso.
Acabei não tomando posse na Justiça do Trabalho, mas
sim no Supremo Tribunal Federal – STF. Foi uma surpresa,
um sonho e uma honra trabalhar na Suprema Corte brasileira.
Nesta fase de estudos para concursos de nível médio,
ainda obtive outras aprovações: Técnico Judiciário do Tribunal
Regional Eleitoral – GO e Técnico Administrativo do Ministério
Público da União.
Segui a vida, continuei o curso de Direito e no último ano já
estudava para cargos de Procurador e de Analista Judiciário.
Nunca estudei para o Exame da Ordem dos Advogados –
não que não seja necessário, pelo contrário, mas porque
sentia que ao me preparar para concursos estaria “apto” ao
exame (sem falar que não tinha o objetivo de advogar àquela
época).
Me formei e, também após um semestre, passei para
Analista Judiciário do Tribunal Superior Eleitoral – TSE.
Outro parêntese. Era meu objetivo? Não, uma vez mais,
meu objetivo principal era outro: Analista Processual do
Ministério Público da União – MPU (no qual acabei reprovado).
Fiquei muito feliz, novamente! Havia conquistado outra
8
CAPITULO 2
A minha trajetória

aprovação, agora para um cargo de nível superior, apenas


seis meses após a formatura e que me proporcionaria ainda
mais liberdade e independência.
No entanto, meu objetivo final ainda não havia chegado.
Eu queria ser Juiz, mas como há a exigência da atividade
jurídica de três anos, eu decidi estudar para Procuradorias
(advocacia pública).
Foi então que comecei a fase mais intensa de estudos. De
segunda a segunda. Todos os horários disponíveis. Um ex-
professor, hoje amigo, liberou a sala de estudos que ele
gerenciava e fechava às 23 horas, para mim. Eu passei a ser
o responsável por fechar a sala após o horário normal.
Trabalhava o dia todo e “só tinha” as noites. Calma, “só”?
Eu fazia a noite render nos estudos. Responsável pela
chave da sala de estudos, estabeleci como meta estudar lá até
duas e meia da manhã diariamente (não esqueçam que no dia
seguinte eu acordava cedo para trabalhar – esse caminho não
é fácil para ninguém). E assim eu fiz.
Em um ano, colheria outra excelente aprovação em
concurso público dificílimo: Procurador de Estado!
Foi um ano difícil. Um ano que eu quase não dormia,
9
CAPITULO 2
A minha trajetória

abdiquei de me cuidar (exercício físico e dieta era luxo), eu me


afastei dos meus amigos, não encontrava mais a família nos
finais de semana, investia todo meu dinheiro em material de
estudos e todas minhas horas eram em prol do meu sonho:
estudar para passar em outro concurso. Houve momentos que
achei que não iria conseguir, vivia com um nó na garganta
achando que talvez não fosse aquele o caminho, mas nunca
desisti. Ainda bem.
Novo parêntese: mais uma vez, meu objetivo principal era
outro. Era o concurso de Procurador Federal, da AGU – que
também não passei.
Já neste momento, eu era apresentado como uma pessoa
extremamente inteligente, pois havia sido aprovado em “vários
concursos”. Mas só eu sabia o quão difícil tinha sido, bem
como quantos fracassos eu somei para chegar às aprovações.
Eu acredito em uma coisa: inteligência no que se trata de
concursos públicos é persistência. Só passa quem insiste e
não desiste. Minha vida me mostra isso. E nesse quesito
persistência, aí sim me achava dos mais inteligentes. Desistir
era carta fora do baralho.
Imagina se eu tivesse desistido porque não passei no
10
CAPITULO 2
A minha trajetória

concurso da AGU? Nunca teria prestado o concurso de


procurador do Estado que fui aprovado. Nunca devemos
desanimar, a aprovação pode estar logo ali se soubermos
confiar na nossa capacidade.
Exerci o cargo de Procurador do Estado com devoção e fui
surpreendentemente realizado.
Demorei muito para retomar os estudos, pois me casei, fiz
mudança de Estado por duas oportunidades, comecei a minha
vida de professor universitário.
Um dia, após uma frustração profissional com a estrutura
de carreira ligada ao Poder Executivo, decidi que voltaria a
estudar especialmente por uma razão: a independência
funcional conferida, dentre outras carreiras, à Magistratura
(prerrogativa indispensável à Magistratura e às decisões
judiciais isentas).
Levei três anos. E foram longos anos. Difíceis. Abri mão de
momentos em família, com amigos, investi muito tempo e
dinheiro no projeto (infelizmente, a parte financeira conta e
muito – saber exatamente no que investir, com inteligência e
estratégia), tirei férias para estudar (viajar era luxo
dispensável) e, na reta final, ainda enfrentei um câncer que
11
CAPITULO 2
A minha trajetória

chegou ao meu pai entre a prova de sentença e a prova oral.


Não foi fácil.
Novamente pensei que eu não conseguiria. Muitos
desacreditaram no meu projeto. Muitos “amigos” me julgavam.
Muitos não desejavam que eu fosse aprovado.
O caminho dos estudos é assim: tortuoso. É cansativo, é
solitário, existem dias bons e ruins. Existem dias que achamos
que vamos conseguir e existem dias que temos certeza que é
melhor desistir. Mas uma coisa te digo: vale a pena continuar.
Ninguém precisa acreditar em nós além de nós mesmos.
Se hoje parece “simples” aos olhos dos outros, eu te digo
de novo: não foi pra mim, não é pra ninguém e não será pra
você. Só quero que você evite os erros e tenha certeza de
estar no caminho certo. Espero poder te ajudar nesse caminho
porque ele é possível e, como eu, você também vai conseguir.

12
CAPITULO 3
A Sua Decisão e Como passar mesmo sem se “sentir
preparado”

Estudar para concurso não é uma tarefa fácil, requer


dedicação, abdicação e perseverança. Por isso, você tem que
tomar a decisão de verdadeiramente querer passar, custe o
que custar. VOCÊ TEM QUE ESCOLHER SER APROVADO,
não importa o que os outros digam. Se não fizer isso, ficará
pelo caminho. E eu posso te afirmar: vale a pena.
Não adianta ir para a prova sem estudar. Se quiser jogar
na loteria, aja honestamente consigo: vá à casa lotérica.
Concurso não é loteria, concurso é sinônimo de tempo,
estudo, garra, paciência, energia e paciência.
Também não adianta querer “estudar para daqui a 3 anos”.
O estudo tem que ser imediato, o projeto de alcançar um
cargo público tem que começar imediatamente.
Nunca, NINGUÉM SE SENTIU PREPARADO PARA
PASSAR. Se você estiver esperando esse dia, saiba que ele
não chegará.
Eu passei para Técnico Judiciário, Analista Judiciário,
Advogado de Empresa Estatal, Advogado de Conselho
Federal de Fiscalização, Procurador de Estado e Juiz, mas
sempre tive a sensação de “não estar preparado”. Me lembro
até hoje do momento do sorteio dos pontos para a prova oral
13
CAPITULO 3
A Sua Decisão e Como passar mesmo sem se “sentir
preparado”

da Magistratura e eu “torcendo” para ponto “a” ou “b” não


saírem no meu nome – simplesmente porque eu não saberia
responder!
Vou te falar uma coisa que pode mudar a sua percepção:
“não se sentir preparado” é um bom sinal. Isto porque todos os
amigos e colegas que hoje exercem os mais variados cargos
públicos, sejam jurídicos ou não, foram às provas com a
consciência verdadeira de que “não estavam preparados”.
Essa sensação contagia a todos que efetivamente
estudam, pois quanto mais se estuda, mais vemos a
imensidão de matérias que estão contidas em um edital. É
humanamente impossível conhecer todas as teorias, leis, etc.
Os que não estudam é que usualmente acham que sabem
tudo.
Outra coisa importante: você tem que decidir estudar e
passar, escolher o concurso que mais lhe interesse. Mas uma
coisa é muito importante: você deve prestar todos os
concursos que pintarem – claro, tiverem ao menos algumas
matérias em comum (caso contrário será igual à loteria, como
já tratei).
Vale a pena? Sim, não tenho dúvidas! E isso já aconteceu
14
CAPITULO 3
A Sua Decisão e Como passar mesmo sem se “sentir
preparado”

comigo. Lembra dos “parênteses” do capítulo anterior, dos


concursos que não eram meu objetivo e passei? Fui
profundamente feliz e realizado em cargos públicos que
alcancei estudando para outros! Faça a sua parte, o momento
certo é Deus quem vai definir.
Faça TODOS OS CONCURSOS que você puder. Sabe o
motivo?
Quando você faz um concurso de forma despretensiosa –
tem que levar a prova a sério, você sente menos
responsabilidade, vai mais leve, adquire tempo de prova (o
chamado “timing” das questões), ganha intimidade com as
questões da banca, a forma de abordagem da disciplina. Há
vários pontos positivos.
E negativo, há algum?
Só se você deixar. A reprovação em concursos não serve
para você se desestimular, pelo contrário. A soma de
fracassos é a construção do sucesso. Você aprende com ele.
As questões erradas, mal assimiladas, vão fazer com que
você não erre mais – de repente a mesma questão volta no
concurso dos seus sonhos!
Então, decida estudar, tome as rédeas da sua vida,
15
CAPITULO 3
A Sua Decisão e Como passar mesmo sem se “sentir
preparado”

abdique do que for necessário e possível, escolha o concurso


de sua prioridade, mas faça todos. Isso vai aumentar as suas
chances.

16
CAPITULO 4
A Máxima dos 7%

Em algum momento você já olhou para a quantidade de


inscritos e se desesperou? Se não aconteceu com você, você
é exceção. Aconteceu comigo e muitas vezes. Por isso, vou te
contar sobre a regra dos 7%, que vai mudar a sua forma de
enxergar isso.
Bem, se lembra do que eu disse sobre a forma como
muitos candidatos encaram o concurso público como se
tratasse de um jogo lotérico? Pois então, essa é a chamada
regra dos 7%: no máximo 7% do total de inscritos é que
efetivamente sabem o conteúdo programático da prova.
Talvez em função do cenário do nosso país nas últimas
duas décadas, os concursos públicos se tornaram conhecidos
pela “saída” confortável da estabilidade, segurança, bons
salários. E aí todos querem “passar”. Os que não querem
passar são convencidos de que “devem fazer a prova”. Outros
não querem e não são convencidos, mas parentes fazem as
inscrições, afinal, “não custa nada ir domingo pela manhã
fazer uma prova, vai que dá certo”.
Por isso, não se preocupe.
Não perca um minuto sequer do seu precioso tempo
olhando para a quantidade de inscritos. Os concorrentes de
17
CAPITULO 4
A Máxima dos 7%

verdade, giram em torno de 7%, no máximo.


Use a regra dos 7% em seu favor.
Foque no seu rendimento. 93% daquela galera não sabe
se vai cair português, inglês ou italiano. Você, sim, tem que
saber – e estudar!
Quando eu aprendi a regra dos 7%, eu fazia assim: saiu o
edital, entrava no site da banca, me inscrevia, pagava o boleto
e pronto. Não olhava os dados de inscritos, só acompanhava o
site para ver se haveria alguma notícia importante ou um edital
retificador.
Deu certo pra mim, vai dar pra você.

18
CAPITULO 5
Fuja das âncoras

Uma coisa MUITO importante que aprendi ao longo da


minha caminhada, é a chamada “pessoa âncora”. Eu tenho
certeza que você já conheceu várias, mas talvez só agora vai
perceber que elas eram “âncoras”.
Primeiro, para que serve uma âncora? Em linhas gerais,
para que um barco ou navio não saia do lugar, fique
estagnado em determinado ponto do oceano, lago ou lagoa.
E o que seria a “pessoa âncora”? Aquela que te critica, te
chama de “louco/a”, diz que “você não precisa pensar em
concurso”, “que você pode ir no churrasco e depois você
estuda”, “que é besteira você perder tanto tempo se dedicando
aos estudos”, “que você nunca passa”, “que você já fez X
concursos até hoje e nunca passou”. Você já ouviu alguém te
falar isso?
Essa pessoa é a âncora da sua vida: se você der ouvidos,
a sua vida vai parar naquele exato ponto em que ela te
chamou. Parece exagero, mas não é. Até aqueles amigos que
te querem bem, podem estar minando seu projeto da
aprovação sem você perceber.
Não deixe que a “âncora” seja acionada. Não deixe que
alguém te segure ou te impeça de alcançar seus sonhos. Não
19
CAPITULO 5
Fuja das âncoras

permita que alguém te deixe para baixo ou duvide da sua


capacidade de chegar onde quer.
Vou te falar outra coisa que pode te chocar: elimine essas
pessoas âncoras da sua vida. Ou, no mínimo, se afaste delas
temporariamente.
Os seus verdadeiros amigos te apoiam ou pelo menos
respeitam as suas decisões – e estudar para concurso é uma
das decisões mais importantes e difíceis da sua vida.
SIM, escolher estudar significa abdicar de muito. É abdicar
de tardes de churrasco com os amigos porque precisa estar
na biblioteca, é abdicar de almoços ou saídas mais caras
porque se precisa investir em um bom material de estudos, é
abdicar de estar com a família no domingo porque se precisa
revisar a matéria. E nem sempre somos compreendidos por
essas escolhas.
Eu mesmo, quando era Procurador de Estado, cansei de
ouvir conselhos de “amigos” para parar de estudar, pois eu
podia advogar, tinha liberdade de horários, tinha rateio de
honorários advocatícios e estava numa carreira maravilhosa.
Todas essas características da carreira de Procurador eram
verdadeiras, mas eu queria ser Juiz. Era uma decisão pessoal.
20
CAPITULO 5
Fuja das âncoras

E se eu fosse escutar essas âncoras da minha vida, talvez eu


não estivesse realizado profissionalmente.
O que eu fiz? Tomei outra decisão. Me afastei dessas
pessoas – muitos não queriam minha aprovação por inveja
mesmo – faz parte do caminho, e continuei a estudar. Neguei
os convites de festas, churrascos, barzinhos... e segui o meu
destino.
Se fui criticado? Muito! Fui muito julgado. Mas, somente
nós sabemos as escolhas e decisões que temos que tomar
rumo aos nossos sonhos.
Não me arrependo de ter tirado as âncoras da minha vida.
Tenho absoluta convicção de que tomei a decisão correta e
hoje estou no lugar certo. Todos os dias em que visto a toga,
um filme vem à minha cabeça. Tenho a satisfação de
diariamente tê-la como companheira de vida em prol de uma
magistratura justa e independente.
E você? Qual sonho te alimenta? Como você se vê depois
da aprovação? Porque sim, você será aprovado, você
conseguirá seu sonho. Eu acredito em você. Não importa
quantas pessoas te digam o contrário, não importa que não
acreditem no seu sonho.
21
CAPITULO 5
Fuja das âncoras

Observe as pessoas que estão à sua volta minando suas


energias. Observe quem são suas âncoras e não deixe que
elas te segurem. Não permita que ninguém te impeça de sair
do lugar e ir atrás do que você merece e quer.
Fuja das pessoas âncoras e busque seus sonhos.
Somente você pode fazer isso por você mesmo.

22
CAPITULO 6
Organização do cronograma

A organização para estudar é, sem dúvidas, parte


integrante e muito importante do seu projeto de estudo. É
onde tudo começa e seu cronograma determinará o que você
irá estudar e o caminho que seguirá no dia-a-dia.
Por isso precisa de muita atenção e dedicação para ser
montado da forma correta e evitar que se estude sem
necessidade ou gaste energia, tempo e dinheiro da forma
errada.
Mas, como fazer e por onde começar???
Eu aconselho sempre as pessoas a decidirem o concurso
que querem. Cada concurso tem uma forma diferente de
estudos, de seleção de material e até mesmo uma forma
diferenciada de divisão de horas a serem dedicadas a cada
matéria.
Sim, você deve prestar todos os concursos que te
interessarem, mesmo o que não for o seu sonho no momento,
mas o estudo deve ser focado para um concurso específico.
Por exemplo: seu sonho é ser Analista Judiciário, estude
especifico para esse concurso, mas preste os concursos de
Técnico Judiciário que tem muita matéria em comum. O
mesmo vale se você quiser ser Juiz de Direito – preste
23
CAPITULO 6
Organização do cronograma

também o de Promotor de Justiça.


Para organizar seu cronograma, você precisa pegar o
edital do concurso que você quer e analisar, separar matéria
por matéria e o que costuma cair com mais frequência. Como
fazer essa análise?
Pegue as provas passadas e as faça novamente. Observe:
quantas questões caíram de cada matéria? Geralmente tem
mais matérias com mais questões que são cobradas, como
Direito Administrativo e Direito Constitucional, por exemplo,
que tem um número maior de questões que as outras
matérias. Para essas matérias, mais tempo deverá ser
dedicado aos estudos.
Divida seu edital dessa forma: matérias que são mais
cobradas e matérias menos cobradas. As matérias mais
cobradas requerem mais leitura de doutrina, revisão
aprofundada e muitos exercícios. As menos cobradas
requererem leitura (que pode ser mais superficial), revisão e
muitos exercícios.
Com essa ideia em mente, monte seu estudo diário.
Aconselho que se estude pelo menos duas matérias por dia e
matérias que não são correlatas. Por que isso? Porque já foi
24
CAPITULO 6
Organização do cronograma

comprovado por meio de estudos que dessa forma o cérebro


fixa melhor as matérias e o estudo rende mais.
As matérias mais cobradas terão quer ser estudadas mais
vezes na semana e durante mais horas diárias. As menos
cobradas poderão ser estudadas por menos horas, mas você
deverá estudar semanalmente diferentes matérias.
Também deverá ser separado um tempo DIÁRIO para
exercícios. Os exercícios devem ser muito valorizados por
você porque são eles que te ajudarão a fixar a matéria e te
ensinarão a aprender com seus erros. Errar nos exercícios
ajuda a acertar na hora da prova. Não menospreze essa hora
importante do seu cronograma.
Também deverá ser reservado um espaço para estudo de
informativos. Os informativos dos Tribunais Superiores têm
ganhado cada vez mais espaço nas questões de concursos e
por vezes são o diferencial na aprovação. Mas, não é
necessário que essa leitura de informativo seja feita
diariamente, você pode reservar um dia que gostaria de ter um
estudo mais leve e ler os informativos. Ex: no domingo você
pode se dar ao luxo de ler os informativos por três horas na
manhã e descansar durante o resto do dia.
25
CAPITULO 6
Organização do cronograma

Por último, deve ser separado OBRIGATORIAMENTE um


espaço no seu cronograma para o DESCANSO. Descansar é
importante, desestressa e recarrega as energias. Separe um
momento para estar com quem você ama, vá ao cinema, jante
fora, faça algo que aqueça seu coração e alimente sua alma.
Isso nos ajuda a seguir em frente na certeza que estamos no
caminho certo.
Eu tenho certeza que seguindo essas dicas você
conseguirá montar um cronograma que te levará ao sucesso.
Mas, o mais importante de todo o cronograma é acreditar
que você vai conseguir, que você é capaz de alcançar seu
sonho. O cronograma é a organização que você precisa para
o seu sucesso. Acreditar que está no caminho certo é o que te
levará a cumprir o cronograma confiante. Nunca duvide. Você
é capaz!

26
CAPITULO 7
Seleção do material

Ter o material correto para o estudo é tão importante


quanto ter um cronograma bem estruturado. As questões dos
concursos exigem dos candidatos que estes estejam sempre
atualizados e inteirados do que acontece a sua volta.
JAMAIS estude com um material desatualizado. Ler uma
lei antiga pode ser tão prejudicial quanto não estudar. Fazer
um exercício de um concurso de dez anos atrás pode ser pior
do que não fazer exercício nenhum.
Isso porque material desatualizado ajuda a fixar a matéria
de forma errada. Os entendimentos dos Tribunais e as leis
mudam muito rapidamente, por isso é necessário sempre
estar com um material que te conduza para o que está sendo
exigido no momento.
Escolha livros de doutrina de escritores renomados em
concursos para o estudo das matérias que são mais cobradas
no seu concurso e pode optar por sinopses para as matérias
que são menos cobradas. Claro, uma observação: o nível de
profundidade dependerá do cargo almejado.
Cuidado com as sinopses muito reduzidas ou de pessoas
desconhecidas. Podem não abarcar todo o conteúdo que você
precisa, e isso pode ser muito prejudicial a longo prazo.
27
CAPITULO 7
Seleção do material

Se você tem dificuldade de estar sozinho, talvez seja


importante que escolha um curso de qualidade para ter aulas
e fazer um bom material escrito por você mesmo. Tem
pessoas que fixam com mais facilidade o que escrevem. Se
você for uma dessas pessoas, estude e faça resumos ou
estude pelas suas anotações de aula. Confie na sua
capacidade de fazer seu próprio material, as anotações
pessoais têm um alto valor na fixação de conteúdo.
Aconselho a leitura de todas as leis que são citadas no
edital. Para isso, não existe local melhor para lê-las do que em
vademecuns ou no próprio site do Planalto, onde são
divulgadas oficialmente.
Selecione seus materiais com cuidado. Tenha carinho com
seus livros e cadernos. Não tenha medo de riscar, anotar,
colocar recados. Isso te ajudará a separar o que é importante
do que é uma informação qualquer.

28
CAPITULO 8
A pausa para oxigênio - Cinema, Churrasco e Piscina

Estudar é importante. Dedicar cada segundo pesquisando


sobre concursos, buscando exercícios e provas para serem
feitas, acessando sites com boas notícias e fazendo a leitura
livros é primordial para que o caminho da aprovação seja
galgado com sucesso.
Mas, de nada servirá tanta dedicação se isso só gerar
estresse e desespero. Para fugir desses sentimentos
negativos são necessárias as pausas para o oxigênio – que é
como eu chamo carinhosamente aquele momento de “respiro”
da imersão de estudos do concurseiro.
Claro que deixar de estudar completamente para ir ao
cinema ou um churrasco não é o correto para conseguir ser
aprovado no concurso dos sonhos. Mas, deixar qualquer lazer
de lado também é um tiro no pé.
Ter um tempo livre, dedicado a uma atividade prazeirosa é
imprescindível para um bom rendimento nos estudos. Essa
atividade fica a seu critério. Pense: o que te faz feliz? O que te
ajuda a se sentir leve, traz uma renovada na sua rotina e te
traz alegria?
Para mim o que sempre me ajudou era sair no sábado à
noite e treinar Jiu-Jitsu duas vezes na semana (horário do
29
CAPITULO 8
A pausa para oxigênio - Cinema, Churrasco e Piscina

almoço ou às 6h da manhã). Às vezes eu ia ao cinema com


minha namorada (hoje minha esposa), às vezes saía para
jantar com amigos ou passava o dia em um churrasco com
minha família. Esse respiro era necessário para que eu
conseguisse sentar no dia seguinte sentindo que eu também
fazia algo que não fosse somente uma “obrigação”- não se
engane, uma hora o peso dos estudos cairá como uma
obrigação nas suas costas e é nesse momento que você
deverá buscar um respiro.
Vá correr, brincar com seu sobrinho, vá ao cinema ou
comer chocolate. Faça algo que te relaxe. O objetivo do
respiro é esse: um momento relaxante para que a rotina de
estudante não tenha um peso tão negativo.
São esses respiros que irão te ajudar a chegar lá. Saber
relaxar é tão importante quanto saber estudar.

30
CAPITULO 9
Dormir bem ajuda a passar no concurso

Cuidar da saúde é essencial para qualquer aspecto da vida


e em especial para quem quer passar em um concurso
público. Se alimentar bem, fazer exercícios e dormir uma
quantidade mínima de horas (pelo menos 7 horas diárias)
ajuda o fixar melhor o conteúdo.
Um estudo publicado pela revista “Sciense” no ano de
2014 feito por pesquisadores da Langone Medical Center
(localizada na cidade de Nova Iorque) comprovou que cair em
sono profundo logo depois de estudar, melhora a assimilação
do conteúdo estudado, pois incentiva o crescimento de
conexões cerebrais, o que ajuda a fixar a memorização.
Assim, o sono ajuda os neurônios a formarem conexões
especificas que assimilarão o conteúdo estudado e vão reter
essas memórias a longo prazo.
Conforme a pesquisa, é durante o descanso noturno que
ocorre a síntese de proteínas responsáveis pelas conexões do
cérebro, o que aprimora habilidades como memória e
aprendizado e é isso que te fará fixar de verdade tudo o que
você aprendeu e leu durante o dia.
Desta forma, deixar de dormir para passar mais horas
estudando prejudica o estudo a longo prazo. Essa tática
31
CAPITULO 9
Dormir bem ajuda a passar no concurso

somente deve ser usada nas vésperas da prova para ajudar a


revisar o conteúdo cobrado - e por véspera digo duas
semanas antes, porque nos dias anteriores à prova deve-se
dormir bem para estar descansado.
Não se engane e nem se sabote. Conheça o seu corpo e
saiba a quantidade mínima de horas que te ajuda a descansar
e acordar bem disposto e pronto para aprender novamente.
De nada adianta se matar de estudar se nosso corpo não
assimila corretamente as informações adquiridas.
ESTUDAR – REVISAR – DESCANSAR – essa é a chave
do sucesso.
Estude, mas descanse para que o seu cérebro consiga ter
tempo para guardar tudo o que aprendeu!

32
CAPITULO 10
A importância de confiar em si mesmo

Não existe ninguém no mundo que não seja capaz de


alcançar seus sonhos. O impossível não existe, o que existe é
a nossa incredulidade de tornar algo possível.
“Se você consegue sonhar com algo, consegue realizá-lo”
já diria Walt Disney.
Sim, tudo é possível. Sim, você é capaz de realizar tudo o
que deseja.
Mas, sabe o que pode te impedir de realizar seu sonho, de
te fazer tomar posse no seu tão sonhado cargo público??
Você mesmo.
É chocante ler isso assim, né? Mas, é a mais pura
realidade.
Quantas pessoas você já ouviu serem reprovadas e
desistirem? Quantas pessoas você já ouviu dizer que “não são
capazes” ou “Essa matéria é muito difícil e eu não entendo” ou
“eu nunca vou passar”. Várias, não é mesmo?
Eu vou te dizer uma coisa: essas pessoas são seus
próprios algozes.
Acreditar em si mesmo é muito importante no tortuoso
caminho dos estudos. Porque virão as reprovações, virá o
cansaço, virão comentários indesejados e pessoas que não
33
CAPITULO 10
A importância de confiar em si mesmo

torcem por nós. Você não pode deixar se abalar por nada
disso, você tem que confiar na sua capacidade pessoal de
conquistar o que você deseja.
Quem é aprovado em concurso não é especial, nem super
inteligente (alguns sortudos são, mas a regra não é essa),
nem um ponto fora da curva. Quem é aprovado em concurso
somente é persistente e confiante.
Persistente porque não desistiu no primeiro “não” que a
vida lhe deu e continuou prestando concursos mesmo diante
das inevitáveis reprovações. E confiante porque sabia que um
dia seu nome estaria naquela lista e um dia sua aprovação
chegaria.
Nunca duvide do seu potencial, nunca duvide da sua
capacidade. Seja seu melhor amigo, confie em você e no seu
conhecimento.
Acorde todo dia e repita esse mantra: EU POSSO, EU
SOU CAPAZ E VOU CONSEGUIR PASSAR NO CONCURSO
PÚBLICO PARA ... (preencha aqui com seu sonho).
O impossível é somente algo que ainda não foi feito.
Então, arregace as mangas, e faça! Você é capaz!

34
Sobre o autor

Fernando Mello atualmente exerce o cargo de Juiz da


Justiça Militar da União, é ex-Procurador de Estado, ex-
Servidor do Supremo Tribunal Federal e ex-Servidor do
Ministério Público Federal. Exerceu também, por 7 anos, a
advocacia privada.
Profundo conhecedor da área de concursos públicos, foi
aprovado nos seguintes certames: Magistratura Federal Militar
(STM), Procurador de Estado (TO), Advogado/Procurador da
Petrobrás, Advogado/Procurador do Conselho Federal de
Economia – COFECON, Ministério Público da União (MPU),
Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Tribunal Regional Eleitoral
do Estado de Goiás (TRE/GO), Tribunal Regional do Trabalho
da 10a Região (TRT10 – DF e TO), dentre outros.
Tem experiência em lecionar em concursos preparatórios
para concursos públicos e para exame da OAB nas cidades de
Brasília – DF, Goiânia – GO e Palmas – TO, e professor
universitário desde 2008 (Brasília – DF e Palmas – TO).
Autor de vários livros e artigos jurídicos, também é
palestrante em congressos jurídicos, seminários,
universidades, escolas e cursos preparatórios para concursos
jurídicos e exames da OAB.
35
Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas nesse livro virtual são provenientes de pesquisas


informais, experiências pessoais e trocas de informações com estudantes.
Além disso, em momento nenhum neste livro há intenção de difamar, desrespeitar,
insultar, humilhar ou menosprezar o (a) leitor(a) ou qualquer outra pessoa, cargo ou
instituição.
Caso você acredite que alguma parte desse livro digital seja de alguma forma
desrespeitosa ou indevida e deva ser removida ou alterada, pode entrar em contato direto
conosco através do e-mail ofernandomello@gmail.com.
Esse é o meu canal aberto para uma comunicação direta e respeitosa.

Direitos autorais

Esse e-book está protegido pela lei dos direitos autorais (lei 9610/98). Todos os
direitos sobre esse livro são reservados. Você NÃO tem permissão para comercializar esse
e-book, mas sua reprodução é permitida desde que haja a correspondente indicação de
fonte/autoria. Qualquer tipo de violação a esses direitos estará sujeita às devidas ações
judiciais
Imagem da capa “book table public domain” retirada do www.dreamstime.com

36

Centres d'intérêt liés