Vous êtes sur la page 1sur 1

AIÊ, N'TOTO, NILÉ

De: Sergio Solto


Rap: Márcio Medeiros

         
  

 

  
        
          
               
A - iê Ni - lé A -


  
    
 
          

     

                 
A - iê - iê - iê N' - to - to Ni - lé ô A -



       
                    
  
  
  
    
A - iê Ni - lé A -




A - iê - iê - iê - iê Nh - lé - lé - lé - lé A -

            




 

 
      
     
         
 
 
    
iê N' - to - to Ni - lé N' - to - to


 
       
      
   
    
  

 
          
iê - iê Ni - lé N' - to - to N' - to - to


         
                 
iê Ni - lé N' - to - to

 

 
 
 
 
 
       
iê - iê ni lé n' - to - to
` n' - to - to

RAP
Batatinha quando nasce, esparrama pelo chão
Esse chão essa terra me traz coisas de montão
O que eu planto eu colho com suor e honestidade
Vivo minha vida, tenho minha liberdade

Acredite, essa librdade que se sente


É uma batalha que começa em nossa mente
Como bebo, durmo, brinco, faço o que quiser
Vou saudando minha terra; Aiê, N'toto, Nilé

Outra musica já disse, esse planeta é o mais bonito


Mas ninguenm quer cuidar dele, isso eu acho esquisito
Se é nele que vivemos, porque não protejer?
Preservando direitinho é bom pra mim e pra você

O meu pé se apoia nela, me alimento do seu fruto


Um grão de areia é meu diamante bruto
Alegre-se por tudo que a natureza fez
Solte sua voz, venha cantar mais uma vez

Quero vida, quero amor, quero sentir minha respiração


Mas se respiro o que eu sinto é só poluição
Não tem vergonha, você que está sujando?
Não vê que que é a nós que você está matando?

Eu ainda acredito no potencial do mundo


A humanidade é boa (É), bem lá no fundo
Venha aprender você também essa lição
E cante pra essa terra com todo o coração