Vous êtes sur la page 1sur 36

ELETRICIDADE

Aula 7 – Reatância e Impedância


Prof. Marcio Kimpara

Universidade Federal de
Mato Grosso do Sul
Parâmetros da forma de onda
senoidal

Como representar o
Ciclo
gráfico por uma
Vp equação matemática?
Vpp
VRMS

1
Período (T)  frequência
T

Prof. Marcio Kimpara 2


Forma de onda tensão senoidal
genérica
A forma de onda da tensão
alternada, tem a forma de
uma senóide.

A função seno varia de -1 a 1, ou


Função matemática: sen ( ) seja, a amplitude máxima é 1.

Portanto, para representar uma forma


Função matemática: Vp* sen ( ) de onda senoidal para valores de
pico diferentes de 1, basta fazer a
multiplicação da função seno pelo
valor de pico (Vp) desejado.

Prof. Marcio Kimpara 3


Forma de onda tensão senoidal
genérica
Função matemática: Vp .sen( )

Vp*1
Vp*0,86

Vp*0,5

Vp*(-0,5)

Vp*(-0,86)
Vp*(-1)

Prof. Marcio Kimpara 4


Forma de onda tensão senoidal genérica
Forma de onda tensão senoidal genérica
Para representar uma forma de onda
senoidal de forma genérica (uma
expressão matemática que pode ser
utilizada para representar tensões
alternadas com diferentes
frequências) é preciso inserir um
termo que meça a rapidez com que o
ângulo teta varia.

Função matemática: Vp* sen ( )

Para 1 ciclo completo:


2 - T Regra

 - t de três

2 .t
  . f .t  .t
 2
T 
1
f
T

Prof. Marcio Kimpara 5


Forma de onda tensão senoidal
genérica
Velocidade com que o ângulo varia
no tempo.
Função matemática: Vp*sen (.t )
  frequência angular (rad/s)
t  tempo (s)

.t  É a posição angular


no instante t

Prof. Marcio Kimpara 6


Forma de onda tensão senoidal
genérica
Mas...
A posição angular inicial (para t=0) pode não ser 0°
V2 V1

Para t=0 o ângulo α1 = 0°


Para t=0 o ângulo α2 ≠ 0°

Portanto, existe uma defasagem entre V1 e V2. Este ângulo de


deslocamento é chamado fase Inicial θ.
V 1  V1 p .sen (.t  1)  V1 p .sen (.t  0 )  V1 p .sen (.t )
V 2  V2 p .sen (.t   2)  V2 p .sen (.t  45 )

Prof. Marcio Kimpara 7


Função matemática final

Portanto,

A função matemática que representa uma forma de onda senoidal de


maneira genérica (para qualquer valor de pico e qualquer frequência)
é:
Note que a função matemática

V (t )  VP .sen(.t   )
da forma de onda senoidal
dependente do tempo, ou seja a
equação se refere ao valor
instantâneo. O valor instantâneo
Onde:
de uma grandeza senoidal é o
valor que essa grandeza assume
Vp = valor de pico em Volts
num dado instante de tempo
ω = frequência angular em rad/s
considerado (t)
θ = Ângulo (fase) inicial

Prof. Marcio Kimpara 8


Anote

Um ponto se deslocando em um movimento circular uniforme (movimento


harmônico) pode ser representado através de suas projeções num plano
cartesiano formando uma senóide.

A recíproca também é verdadeira

Toda função senoidal pode ser representada por um fasor. A


representação fasorial é simples. Quando colocamos um vetor girante de
módulo igual ao valor de pico em um círculo trigonométrico, e o fazemos
girar com uma velocidade angular ω, temos a função senoidal originada.

Prof. Marcio Kimpara 9


Fasor

Fasor é um vetor radial girante com frequência ω, com


módulo igual ao valor de pico Vp e com ângulo de fase
inicial θ, que representa uma senóide de iguais
parâmetros.

V  VP .sen(.t   ) V  VP 
Notação fasorial

Um fasor é um número complexo na forma polar.

Prof. Marcio Kimpara 10


Conceito de fasor

Uma senóide pode ser descrita por um vetor radial girante com módulo igual à sua
amplitude (valor de pico) e mesma frequência angular ω

A cada período ou ciclo completado o vetor radial girante está sempre na mesma
posição angular inicial θ

Prof. Marcio Kimpara 11


Ângulo (fase) inicial

Para t=0s
θ=0°

Prof. Marcio Kimpara 12


Ângulo (fase) inicial

Para t=0s
θ=45°

Prof. Marcio Kimpara 13


Ângulo (fase) inicial

Para t=0s
θ=90°

Prof. Marcio Kimpara 14


Vantagem fasor

Fasores podem ser operados através da álgebra dos números complexos.

A álgebra fasorial para sinais senoidais é aplicável somente


para sinais de mesma frequência.

V  Vp   V  Vp  
I  I p   I  I p  

Prof. Marcio Kimpara 15


Resistor (R)

Unidade de medida: Ohm (Ω)


Símbolo:

O resistor é um dispositivo elétrico muito utilizado em eletrônica, ora com a


finalidade de transformar energia elétrica em energia térmica (efeito joule), ora
com a finalidade de limitar a corrente elétrica em um circuito.

Tal como no circuito CC, no circuito com tensão alternada, a constante de


proporcionalidade entre a amplitude da tensão e a amplitude da corrente é a
resistência R. Isto é sempre verdadeiro para qualquer resistência em um circuito
CA.
V  R.i Lei de Ohm

Prof. Marcio Kimpara 16


Corrente no resistor

VP .sen(.t )
iR
VR
iR 
R
VR  V fonte  Vp .sen(.t )
Nos terminais de um resistor
num circuito CA, a corrente
iR  .Vp .sen.t 
1 sempre estará em fase com a
tensão.
R

Prof. Marcio Kimpara 17


Capacitor (C)

Unidade de medida: Farad (F)


Símbolo:

O capacitor é um elemento capaz de armazenar energia elétrica. Um capacitor


só admite corrente em seus terminais enquanto estiver sendo carregado ou
descarregado.

Sob tensão alternada, a corrente admitida pelo capacitor é diretamente


proporcional à variação de tensão no tempo, sendo a capacitância C, a
constante de proporcionalidade, pois:
dV 1
iC  C.
dt
VC 
C  i(t ).dt

Prof. Marcio Kimpara 18


Capacitor (C)

A tensão nos terminais de um capacitor não pode sofrer


variações instantâneas bruscas.
Se ocorresse uma variação instantânea (dt→0) a corrente
tenderia a um valor infinito [iC(t)→∞], o que não é possível
fisicamente. Por esse motivo dizemos que o capacitor se
opõe à variação de tensão (filtro)

Prof. Marcio Kimpara 19


Corrente no capacitor

VP .sen(.t ) ic
dV
ic  C
dt
VC  V fonte  Vp .sen(.t )

ic  C.Vp . cos.t .


Nos terminais de um capacitor
num circuito CA, a corrente
sempre estará adiantada de
Como cos( )  sen (  90) 90°em relação à tensão.


ic  C..V p .sen .t  90  
Prof. Marcio Kimpara 20
Lei de Ohm para o capacitor em CA

VR
Lei de Ohm: R
iR
VC
Analogia com
a lei de ohm:
XC 
iC
Desenvolvendo:

V p .sen.t  V p 0
XC   Fasores
C..V p sen.t  90  C..V p 90 

1
XC    90 1 1
.C XC   j 
.C j.C
Prof. Marcio Kimpara 21
Reatância Capacitiva (Xc)

A reatância capacitiva é a medida da oposição que um capacitor oferece


à variação da tensão entre seus terminais.
O valor em módulo da reatância capacitiva é inversamente proporcional à
capacitância C e à frequência (f) da tensão aplicada.

A reatância capacitiva é dada por:

1 1
XC  
C 2 f C
Onde: ω = frequencia angular em rad/s (ω=2.π.f)
C = Capacitância em Farad (F)

Representação da reatância capacitiva: Xc


Unidade de medida: Ohm (Ω)

Prof. Marcio Kimpara 22


Anote

Portanto:

A Reatância Capacitiva de um capacitor ideal é um número imaginário, pois tem


fase (argumento) sempre igual a -90° (forma polar) ou somente parte imaginária
negativa (forma retangular).

Assim, a Reatância Capacitiva e seu efeito no circuito é representada por:

1 1 1
XC  ou XC   j ou XC    90
j..C .C .C

Note que as representações para Xc acima são equivalentes, mas para


facilitar (padronizar) vamos utilizar a expressão destacada (e sua forma
polar) em nossos exercícios.

Prof. Marcio Kimpara 23


Reatância Capacitiva (Xc)

EXEMPLO:

Determine o módulo da reatância de um capacitor de 440nF aplicado a


uma tensão senoidal onde (a) f = 60Hz e (b) f = 10kHz

1 1
a) XC    6028,6
C 2 .60.440.10 9

1 1
b) XC    36,17
C 2 .10.10 .440.10
3 9

* Note que a reatância capacitiva assume um valor MAIOR para uma


frequência BAIXA e um valor MENOR para uma frequência mais ALTA

Prof. Marcio Kimpara 24


Indutor (L)

Unidade de medida: Henry (H)


Símbolo:

O indutor é um elemento passivo que tem a possibilidade de armazenar energia


na forma de campo magnético, quando percorrido por uma corrente. Quando a
corrente que passa no indutor está variando, o fluxo magnético, provocado pela
corrente, também varia e induz uma força eletromotriz (tensão) nos terminais do
indutor.

No indutor, a tensão auto-induzida é diretamente proporcional à variação de


corrente no tempo, sendo L a constante de proporcionalidade:
di
VL  L.
dt

Prof. Marcio Kimpara 25


Indutor (L)

A corrente nos terminais de um indutor não pode sofrer variações


instantâneas bruscas, pois se ocorrer uma variação instantânea (Δt→0),
a tensão tenderá a um valor infinito (vL(t)→∞), o que não é possível. Por
esse motivo dizemos que o indutor se opõe à variação de corrente
(filtro)
Quando a tensão de alimentação cresce a Quando a tensão de alimentação decresce, a
bobina cria uma força contra-eletromotriz bobina cria uma tensão que tende a manter a
(tensão) que se opõe ao aumento da corrente circulação da corrente no mesmo sentido
(devido à Lei de Lenz). (devido à Lei de Lenz).

Prof. Marcio Kimpara 26


Corrente no indutor

diL
VL  L
dt iL
VP .sen(.t )
diL
 VL   L dt
 V p .sen.t   L. dt
diL

1
iL  .V p .
  cos(.t ) 
Nos terminais de um indutor
num circuito CA, a corrente
L  sempre estará atrasada de
90°em relação à tensão.
Como  cos( )  sen(  90)

iL 
1
L.

Vp .sen .t  90 
Prof. Marcio Kimpara 27
Lei de Ohm para o indutor em CA

VR
Lei de Ohm: R
iR
VL
Analogia com
a lei de ohm:
XL 
iL
Desenvolvendo:

V p .sen .t  V p 0


XL   Fasores
V p sen .t  90 
1 1
V p   90 
L. L.
X L  L.90 
X L  j.C

Prof. Marcio Kimpara 28


Reatância Indutiva (XL)

A reatância indutiva é a medida da oposição que um indutor oferece à


variação da corrente em seus terminais.
O valor em módulo da reatância indutiva é diretamente proporcional à
indutância L e à frequência (f) da tensão aplicada.

A reatância indutiva é dada por:

X L  L  2 f L

Onde: ω = frequencia angular em rad/s (ω=2.π.f)


L = Indutância em Henry (H)

Representação da reatância indutiva: XL


Unidade de medida: Ohm (Ω)

Prof. Marcio Kimpara 29


Anote

Portanto:

a Reatância Indutiva de um indutor ideal é um número imaginário positivo


pois tem fase sempre igual a +90° (forma polar) ou tem somente parte
imaginária positiva (forma retangular).

Assim, a Reatância Indutiva e seu efeito no circuito é representada por:

X L  j..L ou X L  .L90

Prof. Marcio Kimpara 30


Reatância Indutiva (XL)

EXEMPLO:

Determine o módulo da reatância de um capacitor de 330nH aplicado a


uma tensão senoidal onde (a) f = 60Hz e (b) f = 10kHz

a) X L  L  2 .60.330.10 6  0,124

b) X L  L  2 .10.103.330.10 6  20,73
* Note que a reatância indutiva assume um valor MENOR para uma
frequência BAIXA e um valor MAIOR para uma frequência mais ALTA

Prof. Marcio Kimpara 31


Impedância

Em um circuito real a resistência elétrica, que é propriedade física dos


materiais que o constituem, está sempre presente. Ela pode ser
minimizada, mas não eliminada. Portanto, circuitos indutivos e
capacitivos são, na verdade, redes do tipo RL e RC.

A combinação dos efeitos resistivos e reativos dá origem ao que


chamamos de Impedância dos circuitos.

Representação Impedância: Z
Unidade de medida: Ohm (Ω)

Prof. Marcio Kimpara 32


Impedância

A impedância Z, dada pela razão entre o fasor de tensão e o fasor de corrente


num circuito misto, representa a medida da oposição que este circuito oferece à
passagem de uma corrente alternada.

V
Z
I
Z = impedância em ohms
V = Fasor da tensão entre os
terminais A e B
I = Fasor da corrente entre os
terminais A e B

Prof. Marcio Kimpara 33


Impedância
Para um circuito resistivo puro
Num circuito resistivo puro, a impedância Z é igual à resistência R.

ZR número real positivo

Para um circuito indutivo puro


Num circuito indutivo puro, a impedância Z é igual à reatância indutiva XL.

Z  X L  j..L número imaginário positivo

Para um circuito capacitivo puro


Num circuito capacitivo puro, a impedância Z é igual à reatância capacitiva XC
1
Z  XC   j número imaginário negativo
.C
Prof. Marcio Kimpara 34
Impedância

Para um circuito misto

Z  R  jX
Impedância

Resistência Reatância

A impedância de um elemento de
carga misto é um número complexo

Prof. Marcio Kimpara 35


Tabela Resumo

Prof. Marcio Kimpara 36