Vous êtes sur la page 1sur 163

Relatório das

Eleições 2002
TRIBUNAL
SUPERIOR
ELEITORAL

Relatório das
Eleições 2002

Brasília – 2003
Editor: Tribunal Superior Eleitoral
SAS – Praça dos Tribunais Superiores – Bloco C
70096-900 – Brasília – DF
http://www.tse.gov.br

Impressor: Senado Federal


Congresso Nacional
Praça dos Três Poderes s/n – 70168-970 – Brasília – DF
http://www.senado.gov.br

Editoração: Seção de Publicações Técnico-Eleitorais/Cobli/SDI/TSE

Brasil. Tribunal Superior Eleitoral.


Relatório das eleições 2002. – Brasília : TSE, 2003.
274 p.

Acompanhado de 3 CD-ROMs: Análise de desempenho eleitoral das


eleições 2002 : partidos políticos – Análise de desempenho eleitoral das
eleições 2002 : cargos majoritários e deputados federais – Análise de
desempenho eleitoral das eleições 2002 : deputados estaduais, deputados
distritais.
Impressão: Subsecretaria de Edições Técnicas do Senado Federal.

1. Eleições (2002) – Relatório – Tribunal Superior Eleitoral – Brasil.


I. Título.

CDD 341.28091
Tribunal Superior Eleitoral

Presidente
Ministro Nelson Jobim

Vice-Presidente
Ministro Sepúlveda Pertence

Ministros
Ministra Ellen Gracie
Ministro Sálvio de Figueiredo
Ministro Barros Monteiro
Ministro Fernando Neves
Ministro Luiz Carlos Madeira

Procurador-Geral Eleitoral
Dr. Geraldo Brindeiro

Diretor-Geral
Dr. Miguel Augusto Fonseca de Campos

Assessor de Articulação Parlamentar


Dr. Sebastião Evande Jorge

Mesa do Senado Federal

Presidente
José Sarney (PMDB – AP)
1º Vice-Presidente
Paulo Paim (PT – RS)
2º Vice-Presidente
Eduardo Siqueira Campos (PSDB – TO)
1º Secretário
Romeu Tuma (PFL – SP)
2º Secretário
Alberto Silva (PMDB – PI)
3º Secretário
Heráclito Fortes (PFL – RS)
4º Secretário
Sérgio Zambiasi (PTB – RS)

Suplentes de Secretário
João Alberto Souza (PMDB – MA)
Serys Slhessaenko (PT – MT)
Geraldo Mesquita Júnior (PSB – AC)
Marcelo Crivella (PL – RJ)
Prefácio

A publicação do Relatório das Eleições de 2002 e da Análise de


Desempenho Eleitoral é fruto de esforços conjuntos do Tribunal Superior
Eleitoral e do Senado Federal.
Divide-se em duas partes.
Na primeira, está reproduzido o “Relatório das Eleições 2002”, que,
por sua vez, é examinado sob duas vertentes distintas: administrativa e
jurisdicional.
A vertente administrativa traça diagnóstico detalhado das atividades
desempenhadas pela Justiça Eleitoral no planejamento e na execução das
eleições de 2002.
Dentre os temas tratados, destacam-se o exame acerca da segurança
do voto, a questão do dimensionamento das seções eleitorais como uma
das causas para a formação de filas de votação e as inovações e avanços no
sistema de prestações de contas, bem como a apuração do custo do voto e
das campanhas eleitorais.
No que concerne à vertente jurisdicional, são apresentadas as
profundas alterações na sistemática processual eleitoral após o advento do
art. 41-A da Lei no 9.504/97, bem como estão destacados os pontos em que
a jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral evoluiu no sentido da maior
eficiência do processo.
Discute-se, ainda, o desvio de finalidade na utilização do espaço
destinado à propaganda partidária gratuita (art. 45 da Lei no 9.096/95),
reiteradamente utilizado no primeiro semestre de 2002 para o lançamento
de candidaturas.
A segunda parte da publicação, apresentada em forma de três CD-
ROMs, versa sobre a Análise de Desempenho Eleitoral dos candidatos e
partidos políticos nas eleições de 2002.
Trata-se de um estudo detalhado sobre os dados oficiais das
eleições de 2002 que procura mostrar o desempenho exato de cada

Relatório das Eleições 2002 VII


candidato ou partido em sua base geográfica, desenvolvido pela equipe
chefiada pelo cientista político Rondon de Andrade Porto, contratado pela
Justiça Eleitoral.
A análise utiliza-se de ferramentas estatísticas preestabelecidas e
expõe o perfil eleitoral de cada um, município a município.
Oferece os indicadores de fragmentação, concentração e dispersão
eleitoral, exibidos em interface gráfica na forma de mapas geográficos
coloridos.
Em suma, esta publicação busca apresentar o substrato fático para
as contínuas e necessárias transformações e correções no sentido de
aprimorar os sistemas partidário e eleitoral vigentes, medidas que são, por
certo, objeto dos anseios da sociedade brasileira.

Fevereiro de 2003.

Ministro NELSON JOBIM

VIII Relatório das Eleições 2002


Sumário

Tópicos Itens Páginas

Apresentação .............................................................................................................. 1e2 11

Parte I – Administração das Eleições ............................................................... 3 a 147 15 a 35

1. Cadastro .................................................................................................................. 3a7 15


2. Eleitorado
2.1. Evolução ............................................................................................................ 8 a 10 15 e 16
2.2. Distribuição ...................................................................................................... 11 16
3. Eleições 2002
3.1. Cargos e Candidaturas ............................................................................... 12 e 13 17
3.2. Segurança do Voto ........................................................................................ 14 a 18 18
3.2.1. Laudo da Unicamp ...................................................................................... 19 a 22 18
3.2.2. Apresentação aos Partidos .................................................................... 23 a 25 19
3.2.3. Votação Paralela ......................................................................................... 26 a 35 19 e 20
3.2.4. Auditoria em Urnas Adicionais .............................................................. 36 e 37 20
3.2.5. Voto Impresso .............................................................................................. 38 a 55 20 a 22
3.3. Seções Eleitorais ........................................................................................... 56 22
3.3.1. Dimensão ....................................................................................................... 57 a 59 22
3.3.2. Localização das Seções ............................................................................ 60 a 63 23 e 24
3.3.3. Desdobramento de Seções ..................................................................... 64 a 67 24
3.4. Filas ..................................................................................................................... 68 a 70 24
3.5. Identificação do Eleitor ................................................................................ 71 a 80 24 e 25
3.6. Mesários ........................................................................................................... 81 a 84 25 e 26
3.7. Abstenções ...................................................................................................... 85 a 92 26 e 27
3.8. Totalização e Divulgação dos Resultados ............................................ 93 a 96 27
3.9. Prestações de Contas ................................................................................. 97 a 108 27 a 29
3.10. Desempenho Eleitoral ................................................................................. 109 a 113 29
3.11. Campanha Institucional .............................................................................. 114 a 121 29 e 30
3.12. Custo do Voto ................................................................................................. 122 a 130 30 e 31
4. Estrutura Orgânica da Justiça Eleitoral
4.1. Secretarias dos Tribunais Eleitorais ...................................................... 131 a 144 32 a 34
4.2. Cartórios Eleitorais ....................................................................................... 145 a 147 34 e 35
Parte II – Atividades Jurisdicionais .................................................................... 148 a 205 39 a 49

1. Novos Paradigmas Operacionais .................................................................. 152 a 159 39 e 40


2. Captação Ilícita de Sufrágio ............................................................................ 160 a 184 41 a 44
3. Jurisprudência ..................................................................................................... 185 a 197 44 a 48
4. Propaganda Partidária ..................................................................................... 198 a 205 48 e 49

Parte III – Conclusão ................................................................................................ 206 a 215 53 e 54

Anexos
Documento 1 – Substituição de urnas eletrônicas, módulos impressores e seções com
votação manual .................................................................................................................... 57 a 62
Documento 2 – Seções eleitorais por número de eleitores ............................................................... 63 a 67
Documento 3 – Comparecimento, abstenção, votos válidos, brancos, nulos e pendentes
para presidente, governador, senador, deputado federal e deputado esta-
dual/distrital ......................................................................................................................... 69 a 79
Documento 4 – Acompanhamento das totalizações no 1o e 2o turnos ......................................... 81 a 85
Documento 5 – Comparativo do resultado da totalização no 1o e 2o turnos ............................. 87 a 116
Documento 6 – Votação, percentual e número de eleitos por partido (presidente, governado-
res, senadores, deputados federais e deputados estaduais/distritais) ........ 117 a 144
Documento 7 – Análise do desempenho eleitoral dos candidatos .................................................. 145 a 157
Documento 8 – Análise do desempenho eleitoral dos partidos políticos ..................................... 159 a 196
Documento 9 – Custo do voto ......................................................................................................................... 197 a 212
Documento 10 – Planilhas contendo detalhamento dos gastos efetuados pelos comitês
financeiros e candidatos nas eleições de 2002, em cada unidade da Fe-
deração e por partido político, com indicativo do custo por eleitor em rela-
ção ao eleitorado e ao comparecimento nos dois turnos de votação .......... 213 a 274
Apresentação

1. São duas as principais vertentes de atuação da Justiça Eleitoral:

(a) uma, de índole eminentemente administrativa, de funcionamento


como agência reguladora, planejadora e executora das eleições;
(b) outra, de caráter jurisdicional, dedicada a dirimir os contenciosos
eleitorais.

2. Este relatório discorre, em sua primeira parte, sobre as questões


relacionadas à administração das eleições e, na segunda, acerca das atinen-
tes às atividades jurisdicionais.

Relatório das Eleições 2002 11


1
○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○
















Administração






das eleições






○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○
RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002
Administração das Eleições

1. Cadastro

3. O cadastro dos eleitores é a principal base de trabalho na Justiça


Eleitoral:

(a) é o espelho de sua clientela;


(b) é a fonte de informações sobre quantos e quais são os eleitores e
como estão distribuídos;
(c) é a vertente para a tomada de decisões e para as ações gerenciais
e operacionais relativas às eleições;
(d) é absolutamente necessário, porque o voto é obrigatório.

4. Evidencia-se, a contar daí, a necessidade da permanente atualida-


de do Cadastro Nacional de Eleitores, depurando-se erros que nele se con-
tenham e eliminando-se duplicidades e nomes, assim como dando-se bai-
xa de eleitores já falecidos.
5. Considera-se necessário celebrar convênio de cooperação com o
INSS, para cruzamento com os dados do cadastro de óbitos daquele instituto.
6. Imprescindível, a outro passo, providências legislativas objetivando
estabelecer penalidades para os cartórios de registro civil que não prestarem
informações imediatas à Justiça Eleitoral sobre os atos do interesse desta.
7. Essas medidas têm significação para a conformidade do Cadastro
Nacional de Eleitores com a realidade.

2. Eleitorado

2.1. Evolução

8. A evolução do eleitorado brasileiro, de 1945 a 2002, está indicada


no quadro a seguir, juntamente com o percentual que representa da população.

Relatório das Eleições 2002 15


9. Observou-se crescimento considerável do eleitorado: de 16,127%
RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002

em 1945 para 65,716% em 2002, traduzidos em mais de 115 milhões de


eleitores.

10. Considera-se que essa crescente participação popular no processo


político dá maior representatividade aos eleitos para os cargos do poder
político.

2.2. Distribuição

11. A distribuição do eleitorado em 2002 pelas unidades da Federação


e exterior, com indicação também do número de municípios e seções elei-
torais, é a seguinte:

ELEITORADO
UF MUNIC. ELEITORADO SEÇÕES UF MUNIC. ELEITORADO SEÇÕES
AC 22 369.786 1.083 PB 223 2.322.068 7.659
AL 102 1.600.092 4.619 PE 185 5.396.667 15.723
AM 62 1.524.727 4.146 PI 223 1.848.292 6.332
AP 16 290.101 748 PR 399 6.663.381 21.778
BA 417 8.568.602 25.543 RJ 92 10.213.518 26.924
CE 184 4.805.259 15.977 RN 167 1.917.382 5.758
DF 1 1.518.437 3.555 RO 52 882.545 2.568
ES 78 2.146.425 6.282 RR 15 208.524 588
GO 246 3.365.848 10.107 RS 497 7.352.139 23.515
MA 217 3.391.814 11.067 SC 293 3.817.974 11.920
MG 853 12.680.584 38.087 SE 75 1.147.933 3.450
MS 77 1.411.773 4.153 SP 645 25.655.553 49.422
MT 142 1.730.022 5.388 T0 139 785.397 2.613
PA 143 3.569.333 11.180 EXT. 92 69.937 273
ELEITORADO 115.254.113
MUNICÍPIOS 5.657
SEÇÕES 320.458

16 Relatório das Eleições 2002


3. Eleições 2002

RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002
3.1. Cargos e Candidaturas

12. Estiveram em disputa 1.654 cargos nas eleições gerais de 2002,


compreendendo o de presidente da República, de governador, senador (dois
por UF), deputado federal e deputado estadual/distrital, para os quais
foram registradas 18.880 candidaturas, como segue:
CARGOS/CANDIDATURAS
Cargos Cargos em Disputa Candidatos
Deputados Estaduais/Distritais 1.059 13.406
Deputados Federais 513 4.901
Senadores 54 349
Governadores 27 218
Presidente da República 1 6
Total 1.654 18.880

13. A distribuição das candidaturas por UF está indicada no quadro


adiante reproduzido:
CANDIDATURAS POR UF – 2002
UF Governador Senador Deputado Deputado Total
Federal Estadual/Distrital
AC 5 6 75 366 452
AL 7 11 102 265 385
AM 5 7 77 432 521
AP 6 6 67 271 350
BA 9 11 165 569 754
CE 8 10 155 515 688
DF 8 15 117 672 812
ES 8 10 118 383 519
GO 10 14 163 574 761
MA 6 9 154 474 643
MG 9 19 551 921 1.500
MS 7 7 106 236 356
MT 6 9 73 284 372
PA 8 15 140 520 683
PB 7 10 103 220 340
PE 10 13 225 630 878
PI 8 13 88 204 313
PR 13 19 223 495 750
RJ 10 25 602 1.333 1.970
RN 8 12 89 233 342
RO 7 16 121 384 528
RR 5 11 75 470 561
RS 12 19 211 483 725
SC 6 12 147 344 509
SE 8 14 84 237 343
SP 17 29 804 1.583 2.433
TO 5 7 66 308 386
Total 218 349 4.901 13.406 18.874

Relatório das Eleições 2002 17


3.2. Segurança do Voto
RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002

14. A Justiça Eleitoral contou com 406.746 urnas eletrônicas.


15. No ano de 2002 foram adquiridas 51.560 urnas eletrônicas, além de
23.000 módulos impressores externos.
16. Estes últimos foram utilizados para testar o sistema de voto impresso
introduzido pela Lei no 10.408, de 10.1.2002, tornado obrigatório a partir
das eleições municipais de 2004, tema esse que será objeto de abordagem
específica mais adiante.
17. A Justiça Eleitoral vem implantando, desde 1996, rigoroso sistema
de segurança, paralelamente ao processo de informatização, que garante
total inviolabilidade e transparência da votação eletrônica.
18. Em razão de constituir novidade, embora o voto eletrônico coloque
o Brasil em posição de vanguarda aos olhos do mundo, alguns segmentos
da sociedade ainda tinham dúvidas quanto à segurança do processo eletrô-
nico, especialmente em razão dos problemas ocorridos no painel eletrônico
do Senado Federal, amplamente conhecidos.

3.2.1. Laudo da Unicamp

19. Por iniciativa do Tribunal Superior Eleitoral, formalizou-se solici-


tação, em conjunto com os presidentes da Câmara dos Deputados e do
Senado Federal, ao reitor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp),
que realizara a auditoria no painel do Senado, para que apresentasse
proposta de prestação de serviços técnicos especializados de análise do
sistema informatizado de eleições.
20. Essa análise compreenderia os processos de produção e operação
de hardware e software de votação, apuração, transmissão de dados e tota-
lização, bem como sua fiscalização pelos segmentos interessados e órgãos
competentes.
21. O laudo daquela universidade, de domínio público, concluiu:

(a) ser “robusto, seguro e confiável” o sistema eletrônico de votação; e


(b) atender ele a todos os requisitos e às exigências fundamentais
do processo eleitoral brasileiro, ou seja, “o respeito à expressão
do voto e a garantia do seu sigilo”, ou seja, a certeza de que o
voto dado é o voto apurado.

22. Antes da realização do pleito, quase todas as recomendações de


aprimoramento apresentadas pelos auditores foram implementadas,
restando apenas a relativa à substituição do uso de ciframento por assina-
turas digitais como forma de autenticação dos boletins de urna, em vista de
falta de tempo hábil, em 2002, mas que deverá ser adotada em pleitos futuros.

18 Relatório das Eleições 2002


3.2.2. Apresentação aos Partidos

RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002
23. De outra parte, foi realizada apresentação aos partidos políticos de
todos os programas de computação utilizados nas eleições.
24. Isso ocorreu em três oportunidades:

(a) as duas primeiras, antes do primeiro turno das eleições – de 5 a


9 de agosto de 2002 e de 9 a 13 de setembro de 2002; e
(b) a terceira, antes do segundo turno – de 11 a 13 de outubro de
2002.

25. Apresentaram-se para análise dos representantes credenciados das


agremiações partidárias, entre outros:

(a) os sistemas aplicativo e de segurança;


(b) as bibliotecas e os módulos criptográficos;
(c) a assinatura digital de todos os programas, com divulgação na
Internet da chave pública respectiva; e
(d) a lacração.

3.2.3. Votação Paralela

26. Com vistas a assegurar ainda maior transparência e segurança ao


processo de votação, instituiu-se, nestas eleições, o sistema de votação
paralela.
27. Consiste o sistema em auditar, nos tribunais regionais eleitorais,
durante a realização do pleito, em ambiente controlado e apartado, urnas
escolhidas por sorteio um dia antes das eleições, uma da capital e outra do
interior de cada unidade da Federação.
28. Nesse sistema, os votos são compostos em cédulas de papel por
uma comissão.
29. Após abertas as cédulas, os votos são digitados em um computador e
também na urna eletrônica, para todos os cargos em disputa nas eleições.
30. Tudo ocorre na presença de fiscais dos partidos políticos, autoridades
eleitorais e servidores nomeados para o mister, em sessão filmada por duas
câmaras de TV.
31. Para conferência dos dados, as cédulas contêm número e hora de
registro no computador e, ao final, os votos totalizados na urna eletrônica
são confrontados com os apurados no computador.
32. A auditoria por meio de votação paralela, realizada nas eleições de
2002, desenvolveu-se com grau de excelência em todos os tribunais regionais,

Relatório das Eleições 2002 19


nos dois turnos das eleições, e seus resultados comprovaram o correto
RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002

funcionamento do sistema eletrônico de votação.


33. A votação paralela, portanto, incorporou-se de forma definitiva ao
processo eleitoral, já que agrega grande valor aos procedimentos de segu-
rança e transparência do voto, somando-se aos de análise e lacração dos
programas de computador utilizados nas eleições, em cerimônia de que
participaram os fiscais dos partidos políticos.
34. Por cuidado, recomendou-se aos tribunais regionais eleitorais
informarem quais os partidos que credenciaram fiscais para acompanhar
os procedimentos de votação paralela, bem como os nomes das pessoas
que efetivamente compareceram para fiscalizar.
35. Conforme a já citada Lei no 10.408/2002, o sistema de votação
simulada paralela só deveria ser implantado nas eleições municipais de
2004, mas a Justiça Eleitoral resolveu antecipar-se e testá-lo já nas eleições
de 2002.

3.2.4. Auditoria em Urnas Adicionais

36. Os partidos políticos puderam solicitar, até 30 dias após o pleito,


auditoria em urnas adicionais, selecionadas segundo os critérios estabele-
cidos na Resolução-TSE no 21.221/2002.
37. O procedimento foi realizado apenas nos estados da Paraíba e do
Paraná, a pedido das agremiações interessadas, confirmando-se em todas
as urnas resultados probatórios de sua integridade.

3.2.5. Voto Impresso

38. Conforme adiantado no item 16, foram utilizados módulos impres-


sores externos em todo o Distrito Federal, no Estado de Sergipe e em algu-
mas cidades próximas da capital de cada estado.
39. O objetivo foi testar o sistema de voto impresso introduzido pela
Lei no 10.408/2002, tornado obrigatório a partir das eleições municipais
de 2004, assunto que, pela sua relevância, merece destaque neste rela-
tório.
VOTO IMPRESSO 2002
Municípios Seções Eleitores % do Eleitorado
150 19.373 7.128.233 6,18%

40. A experiência demonstrou vários inconvenientes na utilização do


denominado módulo impressor externo.
41. Sua introdução no processo de votação nada agregou em termos de
segurança ou transparência. Por outro lado, criou problemas.
42. Nas seções eleitorais com voto impresso foi:

20 Relatório das Eleições 2002


(a) maior o tamanho das filas;

RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002
(b) maior o número de votos nulos e brancos;
(c) maior o percentual de urnas com votação por cédula – com todo
o risco decorrente desse procedimento;
(d) maior o percentual de urnas que apresentaram defeito, além das
falhas verificadas apenas no módulo impressor.

43. Houve incidência de casos de enredamento de papel, possivelmen-


te devido a umidade e dificuldades de manutenção do módulo impressor,
seu armazenamento em espaços que já eram poucos para acomodar as ur-
nas, quantidade adicional de lacres, que é grande, além de outros pertinen-
tes ao custo do transporte.
44. No Rio de Janeiro, por exemplo, observou-se que cerca de 60% dos
eleitores não examinaram o espelho do voto na impressora, o que sugere
sua desnecessidade.
45. Na Bahia, por problemas de imperícia, o eleitor não conseguia fina-
lizar sua votação, sendo-lhe então facultado votar em cédula de papel, na
urna de lona.
46. Na análise feita na reunião conjunta do Colégio de Presidentes e do
Colégio de Corregedores da Justiça Eleitoral, realizada em Florianópolis/SC,
em 28 e 29 de novembro do ano passado, concluiu-se ser imperativa a
eliminação do voto impresso no processo de votação.
47. Em seu lugar, com vantagens inquestionáveis sobre o modelo do
voto impresso, dever-se-á introduzir o registro eletrônico do voto (cédula
eletrônica), que espelha a composição do voto do eleitor, sem identificá-lo,
e pode ser recuperado e impresso para atender a eventual pedido de verifi-
cação ou auditoria.
48. No Documento no 1 estão reproduzidas planilhas estatísticas que
comprovam os problemas relatados nos itens precedentes, contendo as
quantidades e percentuais das urnas eletrônicas e módulos impressores
externos substituídos em cada unidade da Federação, nos dois turnos
das eleições, destacando-se os resultados verificados em Sergipe e no
Distrito Federal, onde a impressão do voto foi adotada em todos as seções
eleitorais.
49. Para que se possa aquilatar, nas eleições do Distrito Federal, no pri-
meiro turno, o índice de quebra de urna eletrônica foi de 5,30%, enquanto
a média nacional, mesmo majorada por essa elevada marca, foi de apenas
1,41%.
50. O percentual de seções que, em decorrência dessas quebras, passa-
ram para votação manual foi de mais de 1% no Distrito Federal e em Sergi-
pe, enquanto a média nacional ficou em apenas 0,20%. Em números abso-
lutos, isto equivale a dizer que, das 299 seções eleitorais que passaram

Relatório das Eleições 2002 21


para votação manual, em todo o país, 66 delas estavam localizadas nessas
RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002

duas unidades da Federação.


51. Outro dado que impressiona – e muito preocupa –, também ilustra-
do em planilha do Documento no 1, é o fato de, nas seções com voto im-
presso, 30,20% delas terem utilizado o sistema de voto cantado, enquanto
nas seções que utilizaram urna eletrônica, sem voto impresso, o percentual
foi de apenas 0,68%.
52. O voto cantado fragiliza o processo de votação e apuração, na medida
em que possibilita a interferência da ação humana, com todas as suas
conseqüências.
53. Pelos inconvenientes e riscos demonstrados na utilização do deno-
minado módulo impressor externo e em vista de sua desnecessidade, a
posição firmada na reunião conjunta do Colégio de Presidentes e do Colégio
de Corregedores da Justiça Eleitoral, já referida, é no sentido da revogação
da Lei no 10.408/2002.
54. Cumpre observar que nas eleições gerais, em que foram realizados
os testes, as ocorrências desfavoráveis não tiveram impacto no resultado
do pleito.
55. Mas o voto impresso pode ter efeito desastroso em eleições munici-
pais, muitas vezes decididas com diferença de poucas dezenas ou centenas
de votos.

3.3. Seções Eleitorais

56. Foram grandes os investimentos realizados e os avanços obtidos


pela Justiça Eleitoral quanto à segurança do voto. Nada obstante, a comodi-
dade do eleitor não foi sopesada.

3.3.1. Dimensão

57. Uma das principais causas da formação de longas filas está relacio-
nada à dimensão exagerada de milhares de seções eleitorais no país, com
600 e até 700 eleitores inscritos.
58. Dos estudos e da análise feita, concluiu-se que o tamanho máximo
que deva ter uma seção eleitoral, para evitar o problema identificado, é de
400 eleitores.
59. A Justiça Eleitoral conta atualmente com 320.458 seções eleitorais,
sendo que 85.200 seções estão com o número de eleitores acima desse limi-
te, como se verifica na tabela que segue:

22 Relatório das Eleições 2002


Seções Eleitorais – acima de 400 Eleitores

RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002
Total acima de 400 de 401 a 500 de 501 a 600 De 601 a 700
UF Eleitorado % Seções % Seções % Seções % Seções % Seções %
AC 369.786 0,32 1.083 0,34 262 24,19 255 23,55 7 0,65 - -
AL 1.600.092 1,39 4.619 1,44 857 18,55 852 18,45 5 0,11 - -
AM 1.524.727 1,32 4.146 1,29 1.629 39,29 1.612 38,88 14 0,34 3 0,07
AP 290.101 0,25 748 0,23 384 51,34 379 50,67 5 0,67 - -
BA 8.568.602 7,44 25.543 7,98 4.397 17,21 4.300 16,83 96 0,38 1 0,00
CE 4.805.259 4,17 15.977 4,99 2.328 14,57 2.299 14,39 29 0,18 - -
DF 1.518.437 1,32 3.555 1,11 2.476 69,65 2.460 69,20 16 0,45 - -
ES 2.146.425 1,86 6.282 1,96 459 7,31 415 6,61 44 0,70 - -
GO 3.365.848 2,92 10.107 3,16 1.354 13,40 1.341 13,27 13 0,13 - -
MA 3.391.814 2,94 11.067 3,46 1.004 9,07 978 8,84 26 0,23 - -
MG 12.680.584 11,01 38.087 11,90 3.332 8,75 3.280 8,61 52 0,14 - -
MS 1.411.773 1,23 4.153 1,30 806 19,41 797 19,19 9 0,22 - -
MT 1.730.022 1,50 5.388 1,68 739 13,72 699 12,97 40 0,74 - -
PA 3.569.333 3,10 11.180 3,49 1.511 13,52 1.489 13,32 22 0,20 - -
PB 2.322.068 2,02 7.659 2,39 745 9,73 691 9,02 52 0,68 2 0,03
PE 5.396.667 4,69 15.723 4,91 2.068 13,15 2.066 13,14 2 0,01 - -
PI 1.848.292 1,60 6.332 1,98 775 12,24 749 11,83 26 0,41 - -
PR 6.663.381 5,79 21.778 6,80 225 1,03 225 1,03 - - - -
RJ 10.213.518 8,87 26.924 8,41 8.630 32,05 8.549 31,75 80 0,30 1 0,00
RN 1.917.382 1,66 5.758 1,80 832 14,45 824 14,31 8 0,14 - -
RO 882.545 0,77 2.568 0,80 461 17,95 438 17,06 23 0,90 - -
RR 208.524 0,18 588 0,18 191 32,48 191 32,48 - - - -
RS 7.352.139 6,38 23.515 7,34 2.138 9,09 2.132 9,07 6 0,03 - -
SC 3.817.974 3,31 11.920 3,72 846 7,10 842 7,06 4 0,03 - -
SE 1.147.933 1,00 3.450 1,08 658 19,07 658 19,07 - - - -
SP 25.655.553 22,27 49.422 15,44 46.060 93,20 11.789 23,85 34.118 69,03 153 0,31
TO 785.397 0,68 2.613 0,82 31 1,19 31 1,19 - - - -
Brasil 115.184.176 100 320.185 100 85.198 26,61 50.341 15,72 34.697 10,84 160 0,05

3.3.2. Localização das Seções

60. Deverão ser estudadas as condições dos locais de votação, que muitas
vezes comportam a instalação de apenas número diminuto de seções, porque:

(a) corredores comuns de acesso às seções eleitorais, geralmente


estreitos, provocam acumulação de filas e perturbação; e
(b) condições adversas de tráfego e estacionamento nas vias que
atendem os locais de votação podem gerar tumulto e desconforto.

61. Os tribunais regionais adotaram critérios diferenciados de requisi-


ção de estabelecimentos para instalação de seções eleitorais.
62. Para os próximos pleitos, deverá ser efetuado amplo levantamento
dos espaços urbanos disponíveis, públicos e privados, notadamente em
São Paulo, que utiliza somente escolas.

Relatório das Eleições 2002 23


63. Haverão de ser, então, consideradas todas as áreas possíveis, além
RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002

de escolas públicas e privadas, tais como prédios públicos em geral, bancos,


sistema “S” (Sesc, Sesi, SSR, Sest, Senac, Senai, Senar, Senat e Sescoop),
centros de treinamento, condomínios, associações comunitárias, clubes e
outras, dando-se atenção específica ao acesso para deficientes.

3.3.3. Desdobramento de Seções

64. Elaborar-se-á um plano de ação, a exemplo do que fez o TRE do


Paraná, para desdobramento das seções eleitorais com mais de 400 eleitores,
considerando que este é o limite máximo de votantes em uma seção,
conforme estabelecido no Código Eleitoral.
65. A distribuição de eleitores pelas novas seções implicará emissão de
novos títulos.
66. Deverá ser examinada a conveniência de contratação de empresa
especializada em identificação de espaços urbanos e em logística de tráfego,
de forma a realizar-se, em bases técnicas, a escolha dos locais de votação e
a instalação das seções eleitorais.
67. A criação de novas seções eleitorais, conforme se verifica nas pla-
nilhas resultantes de estudo preliminar, constantes do Documento no 2,
acarretará aumento no número atual de urnas, prevendo-se que serão
necessárias cerca de 100.000 urnas eletrônicas adicionais.

3.4. Filas

68. No Estado do Paraná não houve filas significativas, em decorrência


do desmembramento de seções adredemente realizado, tendo-se encerrado
a votação por volta das 17h30min.
69. Já em São Paulo, no primeiro turno, a votação em algumas seções
do interior encerrou-se somente à 1h da manhã do dia seguinte (7 de outu-
bro), registrando-se diversas ocorrências negativas, como tumultos com
danos materiais em escolas onde funcionavam seções eleitorais.
70. Na capital paulista, a votação terminou por volta das 23h. As
filas foram em geral maiores nas seções eleitorais que utilizaram o voto
impresso.

3.5. Identificação do Eleitor

71. Constatou-se a necessidade de ser automatizada a identificação do


eleitor, com vistas à eliminação de inúmeros problemas.
72. Preconiza-se a adoção de um sistema que prescinda, tanto quanto
possível, da intervenção humana, que poderá ensejar vícios de procedi-
mento.

24 Relatório das Eleições 2002


73. A simples retirada do número do título da folha de votação não é

RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002
solução satisfatória, já que não impede, em tese, a ocorrência de fraudes.
74. Deverão ser examinados os diversos métodos conhecidos como:

(a) identificação biométrica;


(b) cartão com código de barra, tarja magnética e memória regravá-
vel; e
(c) cartão com foto do eleitor.

75. Serão pensadas formas seguras de identificação do eleitor e ma-


neiras de liberar automaticamente a urna eletrônica para votação, sem in-
tervenção do mesário.
76. Importantes subprodutos dessas medidas podem ser:

(a) redução do número de mesários na seção;


(b) celeridade na movimentação do eleitor dentro da seção; e
(c) agilização de todo o processo de votação.

77. Outro ponto relevante é o fato de o título de eleitor ter utilização


restrita: serve, tão-somente, para votar e para a comprovação do exercício
do voto, para obtenção de passaporte, participação em concurso, admissão
no serviço público, etc.
78. Em face disso, devem-se procurar soluções para maior aproveita-
mento do título eleitoral.
79. É necessário que se lhe amplie o âmbito de utilização, seja perante
a Receita Federal, seja como requisito para obtenção de carteira de habilita-
ção no Detran, ou para atribuir-lhe outras utilidades, como a de acesso a
planos de saúde e a contas bancárias.
80. Essas e outras alternativas deverão ser levadas à apreciação do Con-
gresso Nacional e do Poder Executivo, com demonstrativo dos custos
correspondentes destas e de outras soluções que vierem a ser sugeridas
pela área técnica.

3.6. Mesários

81. A identificação automática do eleitor na seção eleitoral permitirá


reduzir para 3 (três) membros a composição da mesa receptora de votos.
82. Constatou-se dificuldade em selecionar pessoas com perfil adequado
para atuar como mesários.
83. Examinar-se-á a conveniência de adotar a solução encontrada pelo
TRE/RJ, que celebrou convênios com órgãos públicos para obter pessoal
qualificado, em quantidade suficiente para o atendimento das necessidades
da Justiça Eleitoral.

Relatório das Eleições 2002 25


84. É necessário especial cuidado com a preparação dos mesários –
RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002

figuras centrais na condução do processo de votação –, que devem ser qua-


lificados para esse mister.

3.7. Abstenções

85. No encontro de Florianópolis foram também examinados os índices


de abstenção nos dois turnos das eleições.
86. Identificaram-se diferenças nas taxas de não-comparecimento dos
eleitores.
87. As abstenções foram maiores no dia 27 de outubro, notadamente
nos estados em que não houve segundo turno para governador.
88. Arrolam-se várias razões, tais como:

(a) muitas filas no primeiro turno, desestimulando novo compare-


cimento à seção eleitoral;
(b) eleições proporcionais apenas no primeiro turno, provocando o
desinteresse do eleitor;
(c) transporte de eleitores assegurado por candidatos à eleição
proporcional;
(d) insuficiente divulgação dos novos locais de votação, decorrentes
de rezoneamento e problemas localizados de segurança pública
no segundo turno, notadamente no Rio de Janeiro.

89. Foram elaboradas planilhas, que constituem o Documento no 3, ilus-


trativas do comparecimento e da abstenção nos dois turnos das eleições,
bem como dos percentuais de votos brancos, nulos e pendentes de apura-
ção, para presidente da República, governador, senador, deputado federal e
deputado estadual/distrital, em todas as unidades da Federação/exterior e
no país, no caso de presidente da República.
90. Esse mesmo documento contém ainda comparativo entre o compare-
cimento e os percentuais de abstenção e de votos brancos, nulos e pendentes
nos dois turnos das eleições para presidente da República, em cada unidade
da Federação/exterior e no país.
91. No quadro que segue, faz-se um comparativo desses mesmos
percentuais globais entre as eleições gerais de 1998 e 2002.
ELEIÇÕES 2002/1998
2002 1998
Eleitorado 115.254.113 106.101.067
o o o
1 Turno 2 Turno 1 Turno
Comparec. 94.804.126 91.664.259 83.275.929
Abstenção 20.449.987 17,74% 23.589.188 20,47% 22.773.983 21,47%
Brancos 2.873.720 3,03% 1.727.760 1,88% 6.688.403 8.03%
Nulos 6.976.107 7,36% 3.772.138 4,12% 8.886.895 10,67%
Seções 320.458 320.458

26 Relatório das Eleições 2002


92. Nota-se que, apesar das dificuldades havidas, o percentual de

RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002
abstenções e de votos brancos ou nulos foi menor, nos dois turnos das
eleições de 2002, em comparação com o pleito de 1998.

3.8. Totalização e Divulgação dos Resultados

93. Verifica-se, pelas planilhas constantes do Documento no 4, que,


apesar das dificuldades e retardamentos havidos na votação do primei-
ro turno, a totalização dos resultados, tornada pública em tempo real
pelo sistema DivNet da Justiça Eleitoral, disponível no site dos tribu-
nais eleitorais e em provedores credenciados, alcançou a marca dos
91,74% às 6 horas da manhã do dia seguinte ao da realização do pleito
e 99,66% às 18 horas.
94. No segundo turno, mais de 90% dos votos já haviam sido totalizados
até às 22 horas do mesmo dia da eleição e 96,99% às 24 horas, atingindo-se
a integralidade dos votos apurados por volta das 17 horas do dia seguinte.
95. No Documento no 5, mostra-se o comparativo dos resultados da
totalização no primeiro e segundo turnos das eleições para presidente,
governador e senador, contendo o total de votos obtidos pelos candidatos e
respectivo percentual, em cada turno, bem como o total de votos válidos,
pendentes, brancos e nulos, o número de seções, a quantidade de eleitores
e os níveis de abstenção, no Brasil e em cada unidade da Federação.
96. O Documento no 6 contém informações relativas aos partidos
políticos, indicando, para cada agremiação, nos dois turnos das eleições, a
votação obtida no Brasil e em cada unidade da Federação/exterior, bem
como o percentual de votação relativo aos votos válidos e o número de
eleitos para presidente da República, governador, senador, deputado federal
e deputado estadual/distrital.

3.9. Prestações de Contas

97. Destaquem-se os aperfeiçoamentos e avanços introduzidos no


Sistema de Prestação de Contas de Campanhas Eleitorais.
98. O TSE celebrou convênio com a Secretaria da Receita Federal, que
viabilizou o acesso a informações técnicas importantes à Justiça Eleitoral
para o exercício de fiscalização da regularidade das contas dos candidatos
e comitês financeiros na campanha eleitoral de 2002.
99. O cruzamento das informações, que antes era feito manualmente,
agora está informatizado e permite imediata e segura conferência com os
dados fornecidos à Justiça Eleitoral, tais como:

(a) identificação dos doadores;


(b) validade do CPF e do CNPJ; e

Relatório das Eleições 2002 27


(c) verificação do limite de doação, que no caso de pessoa jurídica é
RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002

de dois por cento do faturamento bruto do ano anterior ao da


eleição e no de pessoa física, de dez por cento dos rendimentos
brutos auferidos nesse mesmo ano.

100. A Justiça Eleitoral solicitou à Receita Federal a inscrição no CNPJ


de todos os candidatos e dos comitês financeiros para abertura de contas
bancárias específicas, e as cerca de dezoito mil inscrições foram disponibi-
lizadas na Internet.
101. Essa aproximação permitirá avanços ainda mais significativos nos
procedimentos implementados, inclusive no que se refere à apresentação
das declarações patrimoniais de candidatos, cuja forma e conteúdo asseme-
lhar-se-ão às declarações de bens e rendas ordinariamente prestadas ao Fisco.
102. Alguns aspectos mereceram apreciação na reunião conjunta de
Florianópolis, notadamente no que concerne às proposições do Grupo
Temático de Prestações de Contas para alterar a legislação que regulamenta
a matéria.
103. Sobre a proposta de estabelecimento de prazo peremptório para a
prestação de contas à Justiça Eleitoral ou imposição de multa pelo atraso,
observou-se que, com a informatização total do seu procedimento e sua
conseqüente simplificação e celeridade, passam a verificar-se os pressu-
postos viabilizadores do estabelecimento futuro de prazo improrrogável
para a sua realização.
104. Dispondo os partidos políticos e candidatos de instrumento ágil e
eficiente para elaborar sua prestação de contas à Justiça Eleitoral, o
procedimento ficará simplificado, dispensando-se o minucioso trabalho ma-
nual em sua confecção, o que permite a todos quantos disputam os pleitos
cumprir efetivamente essa obrigação, no prazo estabelecido pela legislação.
105. Outra sugestão foi a de revogar o art. 27 da Lei no 9.504/97, que
permite aos eleitores a realização de gastos em benefício de candidatos de
sua preferência até o valor de R$1.064,10, não sujeitos a contabilização e à
conseqüente prestação de contas à Justiça Eleitoral.
106. O dispositivo, a par de possibilitar a não-declaração de despesas
ocorridas em campanha eleitoral, ampara efetivamente os gastos legítimos
efetuados por comitês suprapartidários, que passariam a atuar à margem
da legalidade, caso ocorresse a simples revogação sugerida, tendo-se por
isso recomendado fossem encontradas soluções tecnicamente viáveis.
107. Com relação ao instituto que permite a comercialização de bens e
serviços ou realização de eventos em campanha eleitoral, do mesmo modo,
propôs o grupo temático da reunião de Florianópolis a sua revogação, por-
que viabiliza o recebimento de recursos não identificados, ao tempo em
que propicia a ocultação do extrapolamento de limites de doação auferidos

28 Relatório das Eleições 2002


de fontes legítimas e até mesmo o recebimento de recursos provenientes de

RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002
fontes vedadas.
108. De igual sorte, observou-se que o referido instituto viabiliza a pres-
tação de contas à Justiça Eleitoral do quantum arrecadado em campanha
eleitoral, mediante promoção de eventos do tipo. Com a revogação do dis-
positivo que os ampara, tais eventos também seriam relegados à margem
da lei, pelo que eventual encaminhamento de proposta de sua revogação
deve ser acompanhado de substitutivo tecnicamente viável, capaz de corrigir
distorções porventura existentes.

3.10. Desempenho Eleitoral

109. Realizou-se, no Tribunal Superior Eleitoral, criterioso, detalhado,


objetivo e inédito trabalho sobre os dados oficiais das eleições de 2002, em
que se procura mostrar o desempenho exato de cada candidato em sua
respectiva base geográfica, valendo-se de métodos e ferramentas estatísticas
preestabelecidos.
110. Expõe-se o perfil eleitoral de cada candidato, apresentando seu
desempenho, município a município, oferecendo os indicadores de frag-
mentação, concentração e dispersão eleitoral, exibidos em interface gráfica
na forma de mapas geográficos coloridos, conforme modelo inserto no
Documento no 7.
111. Em suma, os dados brutos foram lapidados e deles se retirou o
extrato, cabendo agora aos estudiosos interpretá-los e formular suas conclu-
sões, não mais calcadas em suposições, mas, sim, com a certeza de que há
substrato real e confiável.
112. Os textos, tabelas e gráficos de desempenho eleitoral foram enca-
minhados formalmente pelo presidente do TSE a todos os candidatos eleitos,
do presidente da República aos governadores, senadores, deputados federais
e deputados estaduais/distritais, e serão disponibilizados na Internet, bem
como armazenados em CD, que está sendo elaborado pelo Tribunal Superior
Eleitoral e ficará à disposição dos interessados.
113. Também os partidos políticos irão receber o resultado da análise de
seu desempenho nas eleições de 2002, conforme minutado no Documento
no 8, e os presidentes do Senado Federal, da Câmara dos Deputados e das
assembléias legislativas estaduais/distrital terão um consolidado do
desempenho eleitoral de seus parlamentares.

3.11. Campanha Institucional

114. As assessorias de comunicação social dos tribunais eleitorais en-


frentaram dificuldades na campanha institucional.

Relatório das Eleições 2002 29


115. Houve reconhecimento geral quanto à superioridade e ao avanço
RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002

na qualidade das peças publicitárias deste ano em comparação com as uti-


lizadas em campanhas anteriores, trazendo-se inovações como os novos pro-
cedimentos de escolha e contratação que culminaram por eleger empresa
especializada no ramo e dedicada ao ensino por meio da televisão.
116. Mas foram apontadas falhas que precisam ser evitadas em campa-
nhas futuras, como a fragilidade no acompanhamento da veiculação das
peças, principalmente as de rádio, nos municípios do interior, bem como
as ocorridas na utilização da linguagem de libras.
117. Registrou-se também erro havido nas peças do segundo turno que
falavam sobre a ordem de votação, que estava invertida, o que poderia ter
causado sérios problemas no resultado da eleição.
118. Percebeu-se a ausência de peças de TV que mostrassem melhor e
mais detalhadamente – passo a passo – o processo da votação na urna ele-
trônica e a falta de quadros maiores para anotação dos números dos candi-
datos na chamada “cola”.
119. Diante de problemas havidos com a implementação, pela empresa
contratada para geração dos vídeos e spots da propaganda eleitoral, das
decisões dos juízes auxiliares sobre as representações contra abusos e desvios
cometidos pelos candidatos, deverá ser formada uma comissão de servidores
que se reporte diretamente ao relator das instruções, para atuar na pronta
solução das dificuldades.
120. Isso diz respeito ao treinamento dos técnicos da contratada; à inter-
face com os advogados das partes, para que a tarefa não fique a cargo da
contratada; ao controle da tramitação das representações; à assessoria jurí-
dica e técnica aos juízes auxiliares; e à verificação da efetividade das
decisões.
121. Deverá ser estudada a possibilidade de criação de um mecanismo
de controle de veiculação das inserções, de adoção do rito modificado (de-
cisão do juiz auxiliar proferida em sessão) no processamento das represen-
tações e de realização de sessões plenárias diárias no período da propagan-
da eleitoral gratuita.

3.12. Custo do Voto

122. O TSE contratou a Universidade Federal do Rio de Janeiro para


desenvolver e implantar um sistema de apuração do custo do voto no Brasil,
tendo como fonte de valores a execução das despesas obtida junto ao Sistema
Integrado de Administração Financeira (Siafi).
123. O trabalho está resumido nos gráficos e planilhas que compõem o
Documento no 9.
124. A metodologia utilizada considera:

30 Relatório das Eleições 2002


(a) as depreciações de imóveis em horizonte temporal de 25 anos e

RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002
das urnas eletrônicas em 7 eleições ou 14 anos;
(b) o rateio das despesas do TSE segundo o número de eleitores e a
distribuição do tempo levantada junto aos TREs e cartórios elei-
torais; e
(c) as despesas do exercício anterior (ano ímpar) como preparatórias
para as eleições (ano par).

125. Haverá ajustes no critério e no valor de depreciação das urnas modelo


1996, porque a administração pretende substituir boa parte delas, o que
implicará acelerar sua depreciação.
126. A apuração dos custos de 2002 é preliminar, considerando que:

(a) o Ministério da Defesa ainda não apresentou o detalhamento,


por unidade da Federação, dos gastos com emprego da força fe-
deral e utilização da logística das Forças Armadas;
(b) não foram incluídas as depreciações de móveis e equipamentos
porque alguns regionais não conseguiram extrair, de modo
consistente, os dados de seu sistema de controle patrimonial;
(c) as informações sobre pessoal foram obtidas apenas junto ao
Sistema de Recursos Humanos da Justiça Eleitoral e é necessário
serem apuradas informações sobre pessoas de outros quadros
que atuaram no processo eleitoral, nas fases de preparação,
votação e apuração.

127. Os custos totais foram desdobrados nas categorias de serviços juris-


dicionais, manutenção do cadastro e eleição: as duas primeiras, subdivididas
em custeio (pessoal, serviços e material) e depreciação (imóveis, móveis e
equipamentos), e a terceira, repartida em custeio, pleitos eleitorais, depreci-
ação e urnas (depreciação e manutenção).
128. Há uma disparidade muito grande no custo do voto por estado, que
varia do mais alto, registrado em Roraima, no valor de R$34,76, ao mais
baixo, verificado em São Paulo, de R$3,76, sendo que a média nacional é
de R$6,77 (seis reais e setenta e sete centavos).
129. De 1998 em diante, o custo do voto vem sendo gradualmente redu-
zido, de R$9,04 naquele ano, para R$8,08 em 2000 e R$6,77 em 2002, mas
ainda é considerado muito alto.
130. Será necessário fazer análise criteriosa e minudente das causas de
tal disparidade, notadamente nos estados que se situaram muito acima da
média, com vistas à identificação dos custos fixos e dos variáveis, de seus
elementos componentes, dos fatores determinantes de distorção, e das
medidas a serem adotadas para simplificação do trabalho e racionalização
administrativa, com vistas à adequada composição dos gastos.

Relatório das Eleições 2002 31


4. Estrutura Orgânica da Justiça Eleitoral
RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002

4.1. Secretarias dos Tribunais Eleitorais

131. Há diversas atividades superpostas, entre áreas distintas, na orga-


nização administrativa das secretarias dos tribunais eleitorais ou alocadas
indevidamente em área imprópria, que requerem competência específica e
condução adequada.
132. Sabe-se que, em geral, em qualquer órgão ou ambiente, a superpo-
sição de atribuições e competências gera duplicação de estruturas e dos
custos correspondentes, além de ser fonte de confusão, disputas internas e
conflitos, podendo determinar o desencadeamento de um processo de
entropia organizacional.
133. Considera-se necessário o redesenho da estrutura orgânica da
secretaria dos tribunais eleitorais, reservando-se à área de informática as ati-
vidades que lhe são pertinentes, de desenvolvimento de sistemas, tecnologia,
infra-estrutura de equipamentos e de rede, produção e suporte técnico.
134. Há duas partes bem definidas na realização dos pleitos eleitorais,
uma relativa à segurança do voto, que diz respeito à verdade eleitoral, que
assegura que o eleitor fulano de tal é realmente aquele que votou e que o
voto dado a determinado candidato é o voto contabilizado em favor dele e
é o mesmo voto apurado.
135. Nessa parte incluem-se questões como a identificação do eleitor; os
equipamentos, sistemas e procedimentos de captação do voto, compreen-
dendo composição e votação; e os de contabilização, de totalização e de
divulgação dos resultados.
136. A outra parte diz respeito ao eleitor e sua circunstância, que vai do
alistamento eleitoral às condições que lhe são oferecidas e asseguradas para
ser estimulado a exercer o voto e ter comodidade em seu deslocamento
para o local de votação e durante sua permanência na seção eleitoral.
137. Ficou patente, como se verifica nas ocorrências registradas no pri-
meiro turno, a necessidade de criar na estrutura dos tribunais eleitorais um
segmento incumbido de planejar as ações atinentes aos pleitos eleitorais e de
acompanhar permanentemente tudo o que cerca uma eleição, sendo-lhe per-
tinentes questões como:

(a) estabelecimento de critérios e parâmetros para dimensionamen-


to das seções eleitorais;
(b) formulação de diretrizes e orientação para identificação, pelos
regionais e pelas zonas eleitorais, dos espaços urbanos disponí-
veis;
(c) estudos e metodologias para levantamento da logística de tráfego;
(d) administração do cadastro de eleitores;

32 Relatório das Eleições 2002


(e) elaboração de planos detalhados para as eleições e geração de

RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002
demandas para todas as áreas, notadamente as de informática,
judiciária, de administração, orçamento e finanças e de recursos
humanos;
(f) gestões externas, como as requeridas junto aos órgãos de segu-
rança pública;
(g) definição conjunta de critérios para recrutamento, seleção e trei-
namento de mão-de-obra para atuar durante o período eleitoral;
(h) monitoramento das ações e condições de armazenamento e ma-
nutenção de equipamentos e urnas em toda a Justiça Eleitoral;
(i) gerenciamento e definição dos modelos das estatísticas eleitorais;
(j) formulações para levantamento do desempenho eleitoral dos
candidatos e partidos políticos, e;
(k) outras atividades que tais.

138. Essa nova área seria estruturada como secretaria; e, em tribunais de


menor porte, como coordenadoria, subordinada ao diretor-geral, a exemplo
das demais secretarias especializadas.
139. Ela teria um contingente enxuto de pessoal e a característica de
atuar em regime matricial, com equipes multidisciplinares, agregando em
seus projetos de trabalho, devidamente autorizada pelos escalões superiores,
pessoas das demais áreas dos tribunais e de outras instâncias da Justiça
Eleitoral, em vista de sua condição eminentemente gerencial e da necessi-
dade de execução das ações planejadas por meio da ação de outrem.
140. Registre-se que, à falta de uma área estruturada nos tribunais para
cuidar especificamente das eleições, na vertente ampla e complexa do eleitor e
sua circunstância, tudo aquilo que atualmente não é realizado pela infor-
mática requer a condução pessoal do diretor-geral, que atua freqüentemente
à base do casuísmo-imediatismo, como se fora um gerenciador de crises e
conflitos.
141. A diretriz de criação de uma área própria para planejar e realizar a
gestão coordenada dos pleitos eleitorais no país foi estabelecida durante a
mencionada reunião conjunta dos colégios de presidentes e de corregedo-
res da Justiça Eleitoral, onde se analisaram amplamente as eleições de 2002.
142. Essa diretriz foi incorporada aos trabalhos de reorganização admi-
nistrativa, objeto de projeto de lei de revisão das estruturas orgânicas e de
redimensionamento dos quadros de pessoal na Justiça Eleitoral, em análise
pelo TSE para encaminhamento às duas Casas do Congresso Nacional, para
o qual se espera rápida e tranqüila tramitação, considerando já ter sido
assegurada previsão orçamentária em 2003.
143. A informática continuaria responsável pela parte de segurança do
voto, porque lhe são próprias questões como identificação do eleitor; urna
eletrônica, no que diz respeito aos sistemas de captação, contabilização,

Relatório das Eleições 2002 33


totalização e divulgação de resultados; procedimentos de votação paralela;
RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002

além das atividades descritas no item 133 deste relatório.


144. Note-se que são transitórios, na Justiça Eleitoral, os magistrados e
dirigentes que não têm vínculo efetivo com a administração pública e, nesse
sentido, deve ser fortalecida a estrutura permanente, pois depender apenas
da sorte, diligência e competência pessoais dos dirigentes torna muito vul-
neráveis os serviços; perdem-se com sua saída o histórico e a memória da
instituição e não se formam os capitais intelectuais que são absolutamente
necessários para a estabilidade dos pleitos eleitorais.

4.2. Cartórios Eleitorais

145. Faz-se necessário, de outra parte, que as zonas eleitorais sejam


dotadas de estrutura funcional permanente, evitando-se o cometimento
dos serviços a agentes públicos outros sem qualquer vínculo com a Justi-
ça Eleitoral.
146. O assunto vem sendo reiterado, estando sempre presente na pauta
de reuniões regulares do Colégio de Presidentes e do Colégio de Corregedores
da Justiça Eleitoral, que reclamam solução para os seguintes problemas:

(a) os cartórios eleitorais, desprovidos de pessoal do quadro pró-


prio, valem-se da colaboração apenas de servidores requisitados;
(b) os servidores requisitados para os cartórios nem sempre possuem
a qualificação técnica desejada;
(c) o provimento único, por meio de requisição, gera dependência
perante o órgão cedente;
(d) os requisitados estão sujeitos a eventual influência político-
partidária, comprometendo a autonomia e a isenção no desem-
penho de suas atribuições;
(e) rotatividade da força de trabalho, em razão do limitado tempo
de permanência dos requisitados no cartório;
(f) evasão sistemática do conhecimento técnico e dificuldade de
formação do capital intelectual nos cartórios eleitorais, em razão
dessa rotatividade; e
(g) a presença dos requisitados nos cartórios, sobretudo nos períodos
eleitorais, requer orientação segura pelos servidores do quadro
permanente e supervisão das atividades pela Justiça Eleitoral.

147. Em vista disso, foi elaborado, aprovado pelo TSE e encaminhado


ao Congresso Nacional projeto de lei que recebeu, na Câmara dos Deputados, o
no 7.493, de 2002, versando sobre a criação de quadro próprio na primeira
instância da Justiça Eleitoral, contemplando em sua concepção o atendi-
mento dos seguintes requisitos:

34 Relatório das Eleições 2002


(a) os cartórios devem ser espelho de eficiência e operosidade da

RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002
Justiça Eleitoral perante a sociedade, uma vez que constituem
fonte primeira do contato do cidadão com o aparelho judicial-
eleitoral;
(b) o contingente inicial deve ser mínimo, apenas um analista judi-
ciário e um técnico judiciário, em vista de dificuldades conjun-
turais de ordem orçamentária;
(c) as atividades de escrivania eleitoral devem ser absorvidas pelo
chefe de cartório, eliminando-se a figura do escrivão eleitoral; e
(d) as chefias dos cartórios eleitorais devem ser ocupadas por servi-
dores do quadro próprio.

Relatório das Eleições 2002 35


2
○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○
















Atividades






Jurisdicionais






○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○
RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002
Atividades Jurisdicionais

148. Nos itens subseqüentes, são comentadas as atividades judiciárias,


questões sobre a vertente jurisdicional da atuação da Justiça Eleitoral e as
modificações havidas na jurisprudência da Corte.
149. As áreas judiciárias dos tribunais eleitorais são como que o prosse-
guimento do debate político.
150. Há um descompasso do processo comum com o eleitoral.
151. Enquanto, na Justiça Comum, se recompõe, no presente, uma situa-
ção do passado, na Justiça Eleitoral se decide quem, no futuro, diante de
um conflito, vai formular as políticas públicas do país.

1. Novos Paradigmas Operacionais

152. É necessário, como se entendeu na reunião conjunta de Florianó-


polis, formularem-se novos paradigmas para o serviço judiciário e respec-
tivos procedimentos (informatização do processamento dos feitos) e para
lavratura das decisões, inclusive a tramitação eletrônica de documentos,
de forma a ganhar-se em segurança e celeridade, por meio de procedimento
mais automatizado e padronizado.
153. Isto porque toda a movimentação de documentos entre os gabinetes
e as secretarias é feita por meio de troca de arquivos Word.
154. Daí a dificuldade de controle de versões de arquivos e de padroni-
zação das formatações de texto, cabendo adotar um sistema que permita a
tramitação eletrônica de documentos entre as áreas, com chave digital, sem
necessidade de retrabalho.
155. Será elaborado um diagrama de fluxo de trabalho pelas secretarias
judiciárias, com tratamento diferenciado dos processos de natureza urgen-
te e dos não urgentes, independentemente de normas legais contrárias,
desenvolvendo-se tratativas entre os interessados (Justiça Eleitoral, parti-
dos e advogados) em razão de interesses conflituosos.

Relatório das Eleições 2002 39


156. Dever-se-á priorizar a velocidade em detrimento das tarefas de in-
RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002

dexação inerentes à fase de autuação. Os tribunais precisam encontrar uma


fórmula para que o processo de natureza urgente chegue ao relator em tem-
po inferior ao atual.
157. Para evitar retardamentos decorrentes da retenção dos autos pelo
Ministério Público, recomenda-se o duplo encaminhamento dos autos, ao
relator e ao MP, de forma a ganhar-se em celeridade. Se a retenção prolon-
gar-se, o relator resolve se espera ou não a manifestação do Parquet para
tomar sua decisão.
158. Sugere-se a previsão de conseqüências pelo não-cumprimento de de-
terminados tipos de conduta contidos nos blocos do diagrama. Definido este,
espera-se haver eficácia no serviço e melhorias na relação dos juízes eleitorais
com os regionais, destes com o TSE e das áreas internas com a Judiciária.
159. O quadro a seguir informa sobre a evolução, no Tribunal Superior
Eleitoral, da estatística das demandas judiciais por classe processual, no
período de 1996 a 2002:

ESTATÍSTICA PROCESSUAL NO TSE


Classe 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002
Ação de Impugnação de Mandato Eletivo - - - - - - -
Ação Rescisória 10 7 12 8 62 15 16
Agravo de Instrumento 403 276 618 325 547 334 949
Apuração de Eleições Presidenciais - - 8 - - - 8
Cancelamento de Partido - 02 - - - - -
Conflito de Competência 3 - - - 1 - -
Consulta 199 74 118 52 103 47 104
Criação de Zona Eleitoral 1 78 1 15 - 14 6
Encaminhamento de Lista Tríplice 44 36 49 32 44 29 48
Exceção de Suspeição - 1 1 2 - 1 5
Habeas Corpus 8 13 18 21 35 5 34
Habeas Data - 1 - - - - -
Inquérito 1 2 - 1 - - -
Instruções 10 4 15 5 1 15 3
Mandado de Injunção 1 - - - - - 1
Mandado de Segurança 135 33 81 28 131 42 130
Medida Cautelar 200 35 156 26 407 42 226
Notícia-Crime 1 1 - - 1 - -
Pedido de Desaforamento 1 1 - - - 3 1
Petição 111 109 330 55 77 83 228
Processo Administrativo 117 172 1879 260 170 116 235
Reclamação 12 11 22 10 26 20 71
Recurso Contra Expedição de Diploma - - - 37 - 1 4
Recurso Especial Eleitoral 1962 231 556 377 2905 276 1499
Recurso em Habeas Corpus 6 5 4 7 7 7 13
Recurso em Mandado de Segurança 33 21 5 7 41 26 57
Recurso Ordinário 9 13 295 19 86 16 170
Registro de Partido 5 4 - 1 - - -
Registro de Candidato a Presidência e Vice - - 11 - - - 14
Representação 4 5 154 26 42 33 287
Revisão de Eleitorado 54 128 38 64 1 49 31
Suspensão de Segurança 5 5 11 2 - 1 4
Total 3335 1268 4382 1380 4687 1175 4144

40 Relatório das Eleições 2002


2. Captação Ilícita de Sufrágio

RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002
160. A Lei no 9.840, de 28.9.99, ao acrescentar o art. 41-A na Lei no 9.504/97,
alterou substancialmente o ordenamento jurídico eleitoral vigente.
161. O dispositivo estabelece:

“Art. 41- A. Ressalvado o disposto no art. 26 e seus incisos, constitui


captação de sufrágio, vedada por esta lei, o candidato doar, oferecer,
prometer, ou entregar, ao eleitor, com o fim de obter-lhe o voto, bem ou
vantagem pessoal de qualquer natureza, inclusive, emprego ou função
pública, desde o registro da candidatura, até o dia da eleição, inclusive,
sob pena de multa de mil a cinqüenta mil Ufirs, e cassação do registro ou
do diploma, observado o procedimento previsto no art. 22 da Lei
Complementar no 64, de 18 de maio de 1990”.

162. A sistemática anterior à introdução do art. 41-A da Lei no 9.504/97


baseia-se em três tipos de ação:

a) ação de investigação judicial eleitoral;


b) recurso contra a expedição de diploma; e
c) ação de impugnação de mandato eletivo.

163. As conseqüências da procedência da ação de investigação judicial


eleitoral dependem do momento de seu julgamento:

a) se julgada procedente antes da diplomação, será feita a remessa


dos autos ao MP para a instauração de processo disciplinar, se
for o caso, e de processo-crime, bem como a aplicação das penas
de “(...) inelegibilidade para as eleições a se realizarem nos três
anos subseqüentes (...)” e “(...) cassação do registro do candidato
diretamente beneficiado (...)”;
b) se julgada procedente após a diplomação (LC no 64/90, art. 22,
XV1) será aplicada pena de “(...) inelegibilidade para as eleições
a se realizarem nos três anos subseqüentes (...)”, e serão remetidas
cópias dos autos ao MP, que poderá: pedir o arquivamento;
recorrer, nos três dias subseqüentes à diplomação, contra sua
expedição (CE, art. 262, IV); ou, ajuizar, nos quinze dias subse-
qüentes à diplomação, a ação constitucional de impugnação de
mandato (CF, art. 14, §§ 10 e 11).

Nota: 1 LC no 64/90
“Art. 22. (...)
(...)
XV – se a representação for julgada procedente após a eleição do candidato serão remetidas
cópias de todo o processo ao Ministério Público Eleitoral, para os fins previstos no art. 14,
§§ 10 e 11 da Constituição Federal, e art. 262, inciso IV, do Código Eleitoral.”

Relatório das Eleições 2002 41


164. Se ambos os prazos já estiverem ultrapassados, nada poderá fazer o
RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002

MP, restando a possibilidade da aplicação da pena de inelegibilidade.


165. Além disso, por se tratar de sanção de inelegibilidade, a decisão
somente será executada após o trânsito em julgado (art. 15 da LC no 64/902).
166. Nesse sistema, se julgada procedente após as eleições, a inelegibili-
dade somente poderia atingir o diploma ou mandato do candidato eleito,
qualquer que fosse o motivo da procedência da ação, com a posterior inter-
posição de recurso contra expedição de diploma (CE, art. 262, IV3) ou ajuiza-
mento de ação de impugnação de mandato eletivo (CF, art. 14, §§ 10 e 114).
167. Se por um lado o rito do recurso contra expedição de diploma é
célere, por outro exige-se a prova pré-constituída, que, na maioria das vezes
é a cópia da própria representação/ação de investigação judicial eleitoral
(prova emprestada).
168. Registre-se que já se entendeu por prova pré-constituída a decisão
judicial transitada em julgado, o que foi alterado em recentes precedentes
do TSE5.
169. Entende-se, atualmente, que a prova pré-constituída é “a já formada
em outros autos, sem que haja obrigatoriedade de ter havido sobre ela
pronunciamento judicial, ou trânsito em julgado”6.
170. Quanto à ação de impugnação de mandato eletivo, não se exige a
prova pré-constituída, permitindo-se ampla dilação probatória.
171. Entretanto, por tratar-se de ação que segue o rito ordinário do CPC,
sua tramitação é lenta e incompatível com a desejável celeridade da Justiça
Eleitoral.

Nota: 2 LC no 64/90
“Art. 15. Transitada em julgado a decisão que declarar a inelegibilidade do candidato, ser-lhe-
á negado registro, ou cancelado, se já tiver sido feito, ou declarado nulo o diploma, se já
expedido.”
Notas: 3 CE
“Art. 262. O recurso contra expedição de diploma caberá somente nos seguintes casos:
(...)
IV – concessão ou denegação do diploma em manifesta contradição com a prova dos autos,
nas hipóteses do art. 222 desta lei, e do art. 41-A da Lei no 9.504, de 30 de setembro de
1997;” (Redação dada pela Lei no 9.840/99.)
(Redação original: IV – concessão ou denegação do diploma, em manifesta contradição
com a prova dos autos, na hipótese do art. 222.)
4
CF
“Art. 14. (...)
(...)
§ 10. O mandato eletivo poderá ser impugnado ante a Justiça Eleitoral no prazo de quinze
dias contados da diplomação, instruída a ação com provas de abuso do poder econômico,
corrupção ou fraude.
§ 11. A ação de impugnação de mandato tramitará em segredo de justiça, respondendo o
autor, na forma da lei, se temerária ou de manifesta má-fé.”
Nota: 5 Resp no 19.518, de 30.10.2001, rel. Min. Luiz Carlos Madeira; Resp no 19.568, de
12.3.2002, rel. Min. Fernando Neves.
Nota: 6 Resp no 19.568, de 12.3.2002, rel. Min. Fernando Neves.

42 Relatório das Eleições 2002


172. Tanto em recurso contra a expedição de diploma como em ação de

RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002
impugnação de mandato eletivo, os julgamentos somente são executados
após a decisão do TSE (CE, art. 2167), sendo que a aplicação deste disposi-
tivo à ação de impugnação de mandato eletivo é fruto de extensão jurispru-
dencial, entendimento que tem sido objeto de debates pelo Tribunal.
173. A maior parte das ações de investigação judicial eleitoral julgadas
procedentes o são somente após a eleição, sendo necessário, portanto, o ajui-
zamento do recurso contra a expedição de diploma ou da ação de impugnação
de mandato eletivo.
174. Com isso, são utilizadas duas ações sucessivas, as quais, por vezes,
apresentam substrato fático idêntico, para se atingir o diploma/mandato do
candidato eleito.
175. A superposição de ações traz uma singular complexidade proces-
sual para as causas em disputa na Justiça Eleitoral, o que, na maioria das
vezes, representa um tempo de tramitação maior para o feito, tornando a
sistemática ineficaz e incapaz de responder aos anseios da sociedade.
176. O sistema foi parcialmente aprimorado com o advento da Lei
n o 9.840/99.
177. No sistema vigente, a representação julgada procedente com base
no art. 41-A da Lei no 9.504/97, ou seja, na ocorrência de captação de sufrágio,
mesmo que julgada após as eleições, não exige posterior interposição de
recurso contra a expedição de diploma ou o ajuizamento de ação de impug-
nação de mandato eletivo8.
178. Além disso, o TSE tem entendimento pacífico de que a execução da
decisão com base no art. 41-A é imediata9, pois, por não versar o artigo
sobre inelegibilidade, não há a atração do art. 15 da LC no 64/9010.
179. Outro avanço trazido pela Lei no 9.840/99 é o fato de que o bem
protegido pelo art. 41-A é a vontade do eleitor11.

Nota: 7 CE
“Art. 216. Enquanto o Tribunal Superior não decidir o recurso interposto contra a expedi-
ção do diploma, poderá o diplomado exercer o mandato em toda a sua plenitude.”
Nota: 8 Resp no 19.644, de 3.12.2002, rel. Min. Barros Monteiro; Resp no 19.739, de
13.8.2002, rel. Min. Fernando Neves; Ag no 3.042, de 19.3.2002, rel. Min. Sepúlveda
Pertence.
Notas: 9 AgRgRcl no 143, de 2.5.2002, rel. Min. Ellen Gracie; Resp no 19.587, de 21.3.2002,
rel. Min. Fernando Neves; Ag no 3042, de 19.3.2002, rel. Min. Sepúlveda Pertence;
Ac. no 970, de 1o.3.2001, rel. Min. Waldemar Zveiter; Ac. no 994, de 31.5.2001, rel. Min.
Fernando Neves.
10
LC no 64/90
“Art. 15. Transitada em julgado a decisão que declarar a inelegibilidade do candidato,
ser-lhe-á negado registro, ou cancelado, se já tiver sido feito, ou declarado nulo o diplo-
ma, se já expedido.”
Nota: 11 Resp no 19.553, de 21.3.2002, rel. Min. Sepúlveda Pertence; Resp no 19.739, de
13.8.2002, rel. Min. Fernando Neves.

Relatório das Eleições 2002 43


180. Assim, ao contrário do que ocorre nas representações por abuso de
RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002

poder, não há falar-se, para a incidência do art. 41-A, em potencialidade ou


nexo de causalidade entre a conduta tipificada como captação do sufrágio
e o resultado das eleições.
181. Entretanto, para que a conduta caracterize-se como captação de
sufrágio, exige-se que seja realizada “com o fim de obter-lhe o voto” (dolo
específico)12 e o TSE decidiu recentemente que a identificação dos eleitores
não é imprescindível para caracterizar a captação de sufrágio13.
182. Quanto aos efeitos da decisão no resultado do pleito, o TSE entende
que, nas eleições majoritárias, aplica-se o art. 224 do CE14 nos casos em que
houver a incidência do art. 41-A da Lei 9.504/97, se a nulidade atingir a
mais de metade dos votos15.
183. Nas eleições proporcionais é aplicável o art. 175, § 4o do CE16.
184. Além disso, o candidato que deu causa à anulação da eleição (art. 224,
CE) não poderá participar de sua renovação17.

3. Jurisprudência

185. Devem ser destacadas duas questões em que houve substancial


alteração na jurisprudência do TSE.
186. A primeira delas diz respeito à prova pré-constituída no recurso
contra a expedição de diploma.

Notas: 12 Res. no 20.531/Consulta no 552, de 14.12.99, rel. Min. Maurício Corrêa; Resp
no 19.229, de 15.2.2001, rel. Min. Fernando Neves; Ag no 2.790, de 8.5.2001, rel. Min.
Fernando Neves; AgRgMC no 1.000, de 26.6.2001, rel. Min. Sálvio de Figueiredo.
13
Resp no 21.022, de 5.12.2002, rel. Min. Fernando Neves.
Notas: 14 CE
“Art. 224. Se a nulidade atingir a mais de metade dos votos do país nas eleições presiden-
ciais, do estado nas eleições federais e estaduais ou do município nas eleições municipais,
julgar-se-ão prejudicadas as demais votações e o Tribunal marcará dia para nova eleição
dentro do prazo de 20 (vinte) a 40 (quarenta) dias.”
15
Resp no 19.759, de 10.12.2002, rel. Min. Luiz Carlos Madeira; Resp no 19.878, de 10.9.2002,
rel. Min. Luiz Carlos Madeira.
Nota: 16 CE
“Art. 175. (...)
(...)
§ 3o Serão nulos, para todos os efeitos, os votos dados a candidatos inelegíveis ou não
registrados.
§ 4o O disposto no parágrafo anterior não se aplica quando a decisão de inelegibilidade ou
de cancelamento de registro for proferida após a realização da eleição a que concorreu o
candidato alcançado pela sentença, caso em que os votos serão contados para o partido
pelo qual tiver sido feito o seu registro.”
Nota: 17 Resp no 19.825, de 6.8.2002, rel. Min. Fernando Neves; Resp no 19.878, de 10.9.2002,
rel. Min. Luiz Carlos Madeira.

44 Relatório das Eleições 2002


187. A jurisprudência do TSE é pacífica no sentido de exigir a prova

RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002
pré-constituída como requisito para o ajuizamento do recurso contra a
expedição de diploma.
188. Em 30.10.2001, no Resp no 19.518 (rel. Min. Luiz Carlos Madeira),
o TSE fixou parâmetros para o conceito de “prova pré-constituída” neces-
sária ao ajuizamento do RCED.
189. Entendeu o TSE que a prova pré-constituída não se confunde com
a decisão da ação de investigação judicial eleitoral transitada em julgado.
190. Está na ementa:

“Recurso especial eleitoral. Recurso contra expedição de diploma.


A hipótese do art. 262, IV, do Código Eleitoral, pressupõe prova
pré-constituída em investigação judicial eleitoral (LC no 64/90, art. 22),
independentemente de decisão transitada em julgado.
Recurso conhecido pelo dissenso, mas improvido.” (Luiz Carlos
Madeira, Resp no 19.518, de 30.10.2001)18

Nota: 18 Voto:
“(...)
O centro da controvérsia reside na exigência ou não do trânsito em julgado da decisão na
ação de investigação judicial proposta contra o ora recorrente, quando foi reconhecida a
prática de atos de abuso de poder de autoridade e declarou-se-lhe a inelegibilidade.
Tenho por caracterizado o dissídio. O acórdão recorrido diverge dos acórdãos-TSE nos 15.895,
11.11.99, relator Ministro Edson Vidigal; e 1.280, 5.10.99, relator Ministro Eduardo Alckmin.
Muito embora o disposto no art. 270 do Código Eleitoral, está assentado nesta Corte que o
recurso contra a expedição de diploma com fundamento no inciso IV do art. 262 do mesmo
código deve vir estribado em prova pré-constituída. Colacionei estes precedentes: [cita
precedentes]
O que cabe indagar é se por prova pré-constituída deva ou não se entender prova reconhe-
cida por decisão transitada em julgado.
Observe-se que nos acórdãos elencados se fala em prova pré-constituída; somente nos
acórdãos nos 15.358, 1.280 e 15.895 é que se introduziu a exigência do trânsito em julgado.
(...)
Prescreve o art. 262 do Código Eleitoral:
‘Art. 262. O recurso contra expedição de diploma caberá somente nos seguintes casos:
I – inelegibilidade ou incompatibilidade de candidato;
(...)
IV – concessão ou denegação do diploma, em manifesta contradição com a prova dos
autos, nas hipóteses do art. 222 desta lei e do art.41-A da Lei no 9.504, de 30 de setembro
de 1997’.
Para que a sentença que declara ou decreta a inelegibilidade produza efeitos, exige-se o seu
trânsito em julgado. Confiram-se as alíneas d, e e h do inciso I do art. 1o da LC no 64/90.
No processo de impugnação de registro, transitada em julgado a decisão que declarar a
inelegibilidade – vale dizer, que julgar procedente a impugnação –, será negado o registro,
cancelado se já tiver sido feito ou declarado nulo o diploma se já expedido (art. 15 da LC
no 64/90).

Relatório das Eleições 2002 45


191. Definiu-se ainda, em 12.3.2002, no Resp no 19.568 (rel. Min. Fernando
RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002

Neves), que a prova pré-constituída é a já formada em outros autos, sem


que seja necessário sequer o pronunciamento judicial:

“Recurso contra a diplomação. Inciso IV do art. 262 do Código


Eleitoral. Abuso do poder econômico. Investigação judicial. Procedência.
Manutenção da sentença. Trânsito em julgado. Ausência.
1. Não é necessário que a decisão proferida em investigação judicial
tenha transitado em julgado para embasar recurso contra a diplomação
fundado no inciso IV do art. 262 do Código Eleitoral.
2. O recurso contra a diplomação pode vir instruído com prova
pré-constituída, entendendo-se que essa é a já formada em outros autos,
sem que haja obrigatoriedade de ter havido sobre ela pronunciamento judicial,
ou trânsito em julgado.
3. A declaração de inelegibilidade com trânsito em julgado somente
será imprescindível no caso de o recurso contra a diplomação vir fundado

A perda do diploma, na hipótese do inciso IV do art. 262 do Código Eleitoral, não supõe a
declaração de inelegibilidade por sentença transitada em julgado.
Se assim não fosse, o inciso IV estaria subsumido no inciso I e seria inútil.
A situação posta está relacionada com o inciso XV do art. 22 da LC no 64/90:
‘Art. 22. Qualquer partido político, coligação, candidato ou Ministério Público Eleitoral
poderá representar à Justiça Eleitoral, diretamente ao corregedor-geral ou regional, rela-
tando fatos e indicando provas, indícios e circunstâncias e pedir abertura de investiga-
ção judicial para apurar uso indevido, desvio ou abuso do poder econômico ou do poder
de autoridade, ou utilização indevida de veículos ou meios de comunicação social, em
benefício de candidato ou de partido político, obedecido o seguinte rito:
(...)
XV – se a representação for julgada procedente após a eleição do candidato, serão reme-
tidas cópias de todo o processo ao Ministério Público Eleitoral, para os fins previstos no
art. 14, §§ 10 e 11, da Constituição Federal, e art. 262, inciso IV, do Código Eleitoral’.
O prazo para a propositura da ação de que trata o § 10 do art. 14 da Constituição da Repú-
blica é 15 dias, contados da diplomação; o recurso contra expedição de diploma deve ser
interposto no prazo de três dias (art. 258 do CE).
A exigir-se o trânsito em julgado da ação de investigação eleitoral, na hipótese do inciso XV,
quando ocorresse quinze dias após o ato de diplomação, resultariam inócuas as providências
nele determinadas. Na situação posta, restaria inviabilizado o recurso contra a expedição
de diploma e sem qualquer sentido a ação de impugnação de mandato eletivo.
A investigação judicial eleitoral tem por objetivo: (a) a produção de prova das ‘(...) trans-
gressões pertinentes a origem de valores pecuniários, abuso do poder econômico ou político,
em detrimento da liberdade de voto (...)’ (art. 19, LC n o 64/90) e (b) declaração de
inelegibilidade ‘(...) do representado e de quantos hajam contribuído para a prática do ato
(...)’ (art. 22, XIV, da LC no 64/90).
Quando se cogita de inelegibilidade, exige-se, como visto, sentença transitada em julgado.
A hipótese do inciso IV não projeta, sequer, a idéia de sentença, quanto mais de sentença
transitada em julgado.
(...)”.

46 Relatório das Eleições 2002


no inciso I do mencionado art. 262 do Código Eleitoral, que cuida de

RELATÓRIO
ELEIÇÕES
inelegibilidade.

2002
Agravo regimental a que se negou provimento.” (Fernando Neves,
Resp no 19.568, de 12.3.2002.)

192. A segunda questão refere-se ao fato de que a não-citação do vice em


representação ajuizada contra o candidato ao cargo titular não importa em
nulidade. Não há extinção do feito. Inexistência de litisconsórcio necessário.
193. A hipótese é a dos casos onde há uma ação eleitoral movida contra
o candidato ao cargo titular sem que tenha sido citado o candidato a vice.
194. Na jurisprudência anterior do TSE, essas ações eram extintas sem o
julgamento do mérito devido à ocorrência de nulidade pela não-citação do
vice, então entendido como litisconsorte necessário.
195. Em 6.6.2000, no julgamento dos Embargos de Declaração no Resp
no 15.817, o TSE reformou esse entendimento, firmando posição no sentido
de que “em recurso contra a diplomação do prefeito, não há necessidade
de o vice integrar a lide na qualidade de litisconsorte necessário” (Edson
Vidigal, Ac. no 15.817, de 6.6.2000)19.
196. No mesmo sentido o Ac. no 15.597:

“Em caso de impugnação de mandato eletivo de prefeito, não há a


necessidade de o vice integrar a lide na qualidade de litisconsorte neces-
sário” (Edson Vidigal, Ac. no 15.597, de 20.6.2000).

Nota: 19 Voto de Nelson Jobim:


“Não podemos nos impressionar, pelo fato de ser votação em chapa, que a situação do
vice-prefeito seja absolutamente a mesma do prefeito.
São situações jurídicas distintas.
Daí por que concluo que não estamos necessariamente perante um litisconsórcio unitário,
porque o que se aprecia, quando se discute a inelegibilidade do prefeito, é a sua situação
jurídica.
Decidindo pela sua cassação, porque ele era portador de um vício pessoal, aquela decisão
produz efeitos em relação ao vice-prefeito.
Não é porque a sentença esteja produzindo efeitos sobre a situação do vice-prefeito.
Mas, porque desaparece a condição de sobrevivência e da manutenção da condição do
vice-prefeito ao desaparecer a situação jurídica subordinante, como conseqüência da sen-
tença.
A sentença atinge exclusivamente a situação do prefeito.
(...)
Entendo que não estamos perante um caso de litisconsorciação necessária.
O caso é do efeito, sobre o vice-prefeito, da desconstituição da situação jurídica de prefeito.
A rigor, o reflexo não é da sentença.
O reflexo, no direito material eleitoral, é da existência, ou não, da relação jurídica
subordinante.
Desaparecendo a subordinante, desaparece a subordinada.
Não há que se exigir, para fazer com que a situação jurídica subordinada desapareça, que o
atingido pelo desaparecimento da situação jurídica subordinante integre o processo onde
se discute a situação jurídica subordinante.” (Ac. no 15.817, de 6.6.2000.)

Relatório das Eleições 2002 47


197. A orientação jurisprudencial pacificou-se, desde então, neste sen-
RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002

tido.

4. Propaganda Partidária

198. O art. 45 da Lei no 9.096/9520 prevê a realização semestral de propa-


ganda partidária em bloco e em inserções, nacionais e estaduais.
199. O art. 36, § 2o, da Lei no 9.504/9721, prevê que não haverá propaganda
partidária no segundo semestre do ano da eleição.
200. A penalidade para o não-cumprimento do estabelecido ao art. 45
da Lei no 9.096/95, ou seja, para a utilização indevida do espaço reservado
à propaganda partidária, é a cassação do direito de transmissão no semestre
seguinte ao julgamento da representação (art. 45, § 2o da Lei no 9.504/97;
Res.-TSE no 20.514, de 2.12.99, rel. Min. Eduardo Ribeiro).
201. Entretanto, as discussões presentes na propaganda partidária reali-
zada no primeiro semestre de um ano eleitoral representam testes para
embasar a decisão que tenha de tomar o partido, na sua convenção no mês
de junho, sobre a viabilidade eleitoral dos seus virtuais candidatos.
202. O quadro a seguir demonstra a maciça utilização, no primeiro se-
mestre do ano eleitoral, do espaço dedicado à propaganda partidária para a
veiculação de propaganda eleitoral.

Nota: 20 Lei no 9.096/95


“Art. 45. A propaganda partidária gratuita, gravada ou ao vivo, efetuada mediante transmis-
são por rádio e televisão será realizada entre as dezenove horas e trinta minutos e as vinte
e duas horas para, com exclusividade:
I – difundir os programas partidários;
II – transmitir mensagens aos filiados sobre a execução do programa partidário, dos eventos
com este relacionados e das atividades congressuais do partido;
III – divulgar a posição do partido em relação a temas político- comunitários.
§ 1o Fica vedada, nos programas de que trata este título:
I – a participação de pessoa filiada a partido que não o responsável pelo programa;
II – a divulgação de propaganda de candidatos a cargos eletivos e a defesa de interesses
pessoais ou de outros partidos;
III – a utilização de imagens ou cenas incorretas ou incompletas, efeitos ou quaisquer
outros recursos que distorçam ou falseiem os fatos ou a sua comunicação.
§ 2o O Tribunal Superior Eleitoral, julgando procedente representação de partido, cassará o
direito de transmissão a que faria jus, no semestre seguinte, do partido que contrariar o
disposto neste artigo.
§ 3o A propaganda partidária, no rádio e na televisão, fica restrita aos horários gratuitos
disciplinados nesta lei, com proibição de propaganda paga.”
Nota: 21 Lei no 9.504/97
“Art. 36. (...)
(...)
§ 2o No segundo semestre do ano da eleição, não será veiculada a propaganda partidária
gratuita prevista em lei nem permitido qualquer tipo de propaganda política paga no rádio
e na televisão.”

48 Relatório das Eleições 2002


RELATÓRIO
Julgada na

ELEIÇÕES
RP Decisão Penalidade
sessão de

2002
Cassação de 10 min do programa estadual
360/MT 26.11.2002 Procedente em parte o
do PPB/MT no 1 semestre de 2003
Cassação de 11 min do programa nacional do
365/DF 26.11.2002 Procedente em parte o
PPB no 1 semestre de 2003
Retransmissão do programa estadual do
370/DF 26.11.2002 Procedente em parte o
PT/SP no 1 semestre de 2003
Cassação de 5 min de inserções nacionais,
342/SP 3.12.2002 Procedente destinando 1 min para direito de resposta do
o
PT no 1 semestre de 2003.
Cassação integral do programa estadual do
346/SP 3.12.2002 Procedente em parte o
PPB/SP no 1 semestre de 2003
Cassação de 15min (3/4) do programa
380/RJ 3.12.2002 Procedente em parte o
estadual do PFL/RJ no 1 semestre de 2003
Cassação integral do programa estadual do
331/ES 5.12.2002 Procedente o
PMDB/ES no 1 semestre de 2003
Cassação integral do programa estadual do
347/SP 5.12.2002 Procedente o
PFL/SP no 1 semestre de 2003
Cassação integral do programa estadual do
367/SP 5.12.2002 Procedente o
PSDB/SP no 1 semestre de 2003
Cassação integral do programa estadual do
375/BA 5.12.2002 Procedente o
PMDB/BA no 1 semestre de 2003
Cassação de 10min (1/4) de inserções
386/DF 5.12.2002 Procedente o
nacionais do PTB no 1 semestre de 2003
Cassação de 1min (metade) do programa
352/DF 12.12.2002 Procedente
nacional do PAN.
Cassação integral do programa nacional do
354/DF 12.12.2002 Procedente o
PFL no 1 sem/2003
Cassação integral do programa nacional do
355/DF 12.12.2002 Procedente o
PFL no 2 sem/2003
Cassação do programa estadual do PTB/RS
366/RS 17.12.2002 Procedente em parte o
no 1 semestre de 2003
Cassação integral do programa estadual do
377/DF 17.12.2002 Procedente em parte
PMDB/DF
Cassação de 1min do programa estadual do
378/TO 17.12.2002 Procedente em parte
PT/TO, apenas na TV
Cassação de 16min (4/5) do programa
384/DF 19.12.2002 Procedente em parte
estadual do PSDB/DF
Cassação de 10min (metade) do programa
390/RS 19.12.2002 Procedente em parte
estadual do PDT/RS
Cassação integral do programa estadual do
396/CE 19.12.2002 Procedente o
PTB/CE no 1 semestre de 2003
Cassação de 4min (1/5) do programa
423/CE 19.12.2002 Procedente em parte o
estadual do PTB/CE no 2 semestre de 2003

203. A sanção que efetivamente se aplica à utilização indevida do espaço de


propaganda partidária realizada no primeiro semestre do ano eleitoral é a cassa-
ção do direito de transmissão no primeiro semestre do ano não eleitoral.
204. Há, portanto, nítida relação custo-benefício entre a conduta vedada/
conseqüente benefício eleitoral auferido e a sanção cominada pela lei.
205. É necessário, portanto, que o Congresso Nacional considere a
conveniência de promover alteração legislativa para vedar propaganda
partidária em ano eleitoral ou, mesmo, autorizar o uso do espaço para a
apresentação de seus virtuais candidatos.

Relatório das Eleições 2002 49


3
○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○





















Conclusão





○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○
RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002
Conclusão

206. Estes são os fatos e as considerações mais relevantes sobre as elei-


ções gerais realizadas no ano próximo passado, que o TSE reputa devam
ser apreciados pelas esferas e instâncias competentes dos poderes da União,
notadamente os ilustres membros do Congresso Nacional.
207. Conforme diagnóstico contido neste relatório, a avaliação das eleições
revela, de um lado, a obtenção de resultados significativos no aperfeiçoa-
mento do processo eleitoral, e, de outro, evidencia a necessidade de dar-se
prosseguimento ao programa de modernização da Justiça Eleitoral,
compreendendo o aprimoramento de sua estrutura e dos instrumentos por
ela utilizados.
208. As mudanças preconizadas destinam-se a manter o elevado con-
ceito que as eleições brasileiras desfrutam perante a sociedade local e a
comunidade internacional, de forma que todos os concidadãos possam
continuar se orgulhando da regularidade e transparência dos pleitos;
que sempre prevaleça a verdade eleitoral, imune à corrupção; e que se
assegure, com fidelidade, a vontade do povo, que é o verdadeiro titular
do poder e que legitima, por meio do voto, a democracia representativa
que praticamos.
209. As eleições de 2002, como as anteriores, entende o presidente do
Tribunal, demonstram a necessidade de mudanças no sistema eleitoral que
conduzam ao fortalecimento dos partidos.
210. O modelo do Código de 1932, que muito serviu à República, esgotou-se.
211. A democracia de partidos – nossa opção constitucional – deve pro-
duzir partidos consistentes em que os seus membros deles dependam, e
não o inverso.
212. Por aí passam os temas agudos da fidelidade partidária e sua relação
com o voto uninominal em lista aberta.
213. Mas, estas, são questões da competência exclusiva dos poderes polí-
ticos.

Relatório das Eleições 2002 53


214. O aprofundamento do debate da reforma política se impõe.
RELATÓRIO
ELEIÇÕES
2002

215. Ao finalizar, a Justiça Eleitoral reafirma o compromisso de seus


órgãos na incessante busca do aperfeiçoamento do sistema eleitoral brasi-
leiro, com vistas ao fiel cumprimento da grandiosa missão a ela confiada,
que é a manutenção do estado de direito e a preservação das instituições
democráticas.

Brasília, 4 fevereiro de 2003.

Ministro NELSON JOBIM


Presidente do TSE

54 Relatório das Eleições 2002


○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○





















Anexos





○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○
Documento 1

Substituição de urnas eletrônicas, módulos impressores e


seções com votação manual
Substituição de urnas eletrônicas, módulos impressores e seções com votação manual no 1o e 2o turnos

UE Substituídas MIE Substituídos


Total de
TRE Eleitorado Total de UE Seções 1º Turno 2º Turno 1º Turno
MIE
% sobre % sobre % sobre % sobre % sobre o % sobre %
Qtde o estado o país Qtde o estado o país Qtde estado o país Qtde
AC 369.786 1.264 40 1.083 40 3,16% 0,010% 2 0,16% 0,000% 3 7,50% 0,013% 2
AL 1.600.092 5.853 977 4.619 21 0,36% 0,005% 30 0,51% 0,007% 30 3,07% 0,135% 25
AM 1.524.727 5.236 347 4.146 79 1,51% 0,019% 57 1,09% 0,014% 7 2,02% 0,031% 4
AP 290.101 982 127 748 45 4,58% 0,011% 10 1,02% 0,002% 2 1,57% 0,009% 2
BA 8.568.602 32.779 631 25.543 224 0,68% 0,055% 183 0,56% 0,045% 14 2,22% 0,063% 6
CE 4.805.259 20.507 538 15.977 221 1,08% 0,054% 151 0,74% 0,037% 1 0,19% 0,004% 5
DF 1.518.437 3.961 3.795 3.555 210 5,30% 0,052% 107 2,70% 0,026% 112 2,95% 0,504% 62
ES 2.146.425 7.538 313 6.282 98 1,30% 0,024% 41 0,54% 0,010% 8 2,56% 0,036% 10

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


GO 3.365.848 12.220 384 10.107 86 0,70% 0,021% 59 0,48% 0,015% 6 1,56% 0,027% 1
MA 3.391.814 13.648 467 11.067 210 1,54% 0,052% 103 0,75% 0,025% 10 2,14% 0,045% 15
MG 12.680.584 45.594 603 38.087 239 0,52% 0,059% 143 0,31% 0,035% 9 1,49% 0,040% 2
MS 1.411.773 5.019 546 4.153 77 1,53% 0,019% 34 0,68% 0,008% 13 2,38% 0,058% 8
MT 1.730.022 6.788 2.376 5.388 200 2,95% 0,049% 69 1,02% 0,017% 142 5,98% 0,639% 43
PA 3.569.333 14.153 508 11.180 49 0,35% 0,012% 95 0,67% 0,023% 10 1,97% 0,045% 9
PB 2.322.068 9.971 105 7.659 110 1,10% 0,027% 65 0,65% 0,016% 0 0,00% 0,000% 0
PE 5.396.667 18.593 712 15.723 425 2,29% 0,105% 112 0,60% 0,028% 40 5,62% 0,180% 26
PI 1.848.292 7.969 489 6.332 103 1,29% 0,025% 45 0,56% 0,011% 7 1,43% 0,031% 12
PR 6.663.381 25.453 726 21.778 181 0,71% 0,045% 152 0,60% 0,037% 5 0,69% 0,022% 16
RJ 10.213.518 31.450 775 26.924 590 1,88% 0,145% 344 1,09% 0,085% 10 1,29% 0,045% 6
RN 1.917.382 7.065 581 5.758 51 0,72% 0,013% 62 0,88% 0,015% 3 0,52% 0,013% 12
RO 882.545 3.456 420 2.568 64 1,85% 0,016% 18 0,52% 0,004% 7 1,67% 0,031% 7
RR 208.524 790 39 588 16 2,03% 0,004% 10 1,27% 0,002% 6 15,38% 0,027% 1
RS 7.352.139 29.072 882 23.515 335 1,15% 0,082% 143 0,49% 0,035% 34 3,85% 0,153% 34
SC 3.817.974 15.652 463 11.920 287 1,83% 0,071% 93 0,59% 0,023% 29 6,26% 0,130% 8
SE 1.147.933 4.060 4.132 3.450 112 2,76% 0,028% 90 2,22% 0,022% 170 4,11% 0,765% 131
SP 25.655.553 74.003 812 49.422 1.612 2,18% 0,397% 381 0,51% 0,094% 111 13,67% 0,499% 13
TO 785.397 3.471 440 2.613 34 0,98% 0,008% 22 0,63% 0,005% 10 2,27% 0,045% 11
Brasil 115.184.176 406.547 22.228 320.185 5.719 1,41% 1,407% 2.621 0,64% 0,645% 799 3,59% 3,595% 471

59
Exterior 69.937 273
Total 115.254.113 320.458

ANEXOS
DOCUMENTO
1
1
DOCUMENTO
ANEXOS

Substituição de urnas eletrônicas, módulos impressores e seções com votação manual no 1o e 2o turnos
Continuação

60
MIE Substituídos Seções com votação manual

TRE 1º Turno 2º Turno 1º Turno 2º Turno

% sobre o % sobre % sobre o % sobre % sobre % sobre % sobre % sobre


Qtde estado o país Qtde estado o país Qtde o estado o país Qtde o estado o país
AC 3 7,50% 0,013% 2 5,00% 0,009% 0 0,00% 0,000% 0 0,00% 0,000%
AL 30 3,07% 0,135% 25 2,56% 0,112% 5 0,11% 0,002% 20 0,43% 0,006%
AM 7 2,02% 0,031% 4 1,15% 0,018% 10 0,24% 0,003% 3 0,07% 0,001%
AP 2 1,57% 0,009% 2 1,57% 0,009% 16 2,14% 0,005% 0 0,00% 0,000%
BA 14 2,22% 0,063% 6 0,95% 0,027% 24 0,09% 0,007% 9 0,04% 0,003%
CE 1 0,19% 0,004% 5 0,93% 0,022% 11 0,07% 0,003% 4 0,03% 0,001%
DF 112 2,95% 0,504% 62 1,63% 0,279% 37 1,04% 0,012% 36 1,01% 0,011%
ES 8 2,56% 0,036% 10 3,19% 0,045% 2 0,03% 0,001% 4 0,06% 0,001%
GO 6 1,56% 0,027% 1 0,26% 0,004% 9 0,09% 0,003% 7 0,07% 0,002%
MA 10 2,14% 0,045% 15 3,21% 0,067% 12 0,11% 0,004% 5 0,05% 0,002%
MG 9 1,49% 0,040% 2 0,33% 0,009% 37 0,10% 0,012% 17 0,04% 0,005%
MS 13 2,38% 0,058% 8 1,47% 0,036% 6 0,14% 0,002% 5 0,12% 0,002%
MT 142 5,98% 0,639% 43 1,81% 0,193% 122 2,26% 0,038% 25 0,46% 0,008%
PA 10 1,97% 0,045% 9 1,77% 0,040% 5 0,04% 0,002% 16 0,14% 0,005%
PB 0 0,00% 0,000% 0 0,00% 0,000% 1 0,01% 0,000% 4 0,05% 0,001%
PE 40 5,62% 0,180% 26 3,65% 0,117% 8 0,05% 0,002% 11 0,07% 0,003%
PI 7 1,43% 0,031% 12 2,45% 0,054% 30 0,47% 0,009% 3 0,05% 0,001%
PR 5 0,69% 0,022% 16 2,20% 0,072% 7 0,03% 0,002% 6 0,03% 0,002%
RJ 10 1,29% 0,045% 6 0,77% 0,027% 13 0,05% 0,004% 5 0,02% 0,002%
RN 3 0,52% 0,013% 12 2,07% 0,054% 7 0,12% 0,002% 7 0,12% 0,002%
RO 7 1,67% 0,031% 7 1,67% 0,031% 4 0,16% 0,001% 4 0,16% 0,001%
RR 6 15,38% 0,027% 1 2,56% 0,004% 2 0,34% 0,001% 0 0,00% 0,000%
RS 34 3,85% 0,153% 34 3,85% 0,153% 53 0,23% 0,017% 24 0,10% 0,007%
SC 29 6,26% 0,130% 8 1,73% 0,036% 18 0,15% 0,006% 12 0,10% 0,004%
SE 170 4,11% 0,765% 131 3,17% 0,589% 38 1,10% 0,012% 30 0,87% 0,009%

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


SP 111 13,67% 0,499% 13 1,60% 0,058% 172 0,35% 0,054% 33 0,07% 0,010%
TO 10 2,27% 0,045% 11 2,50% 0,049% 3 0,11% 0,001% 9 0,34% 0,003%
Brasil 799 3,59% 3,595% 471 2,12% 2,119% 652 0,20% 0,203% 299 0,09% 0,093%
Urnas eletrônicas com módulo impressor externo

UF Nº DE MUNICIPIOS Nº DE SEÇÕES

DOCUMENTO
AC 1 29

ANEXOS
AL 1 874

1
AM 3 307
AP 1 116
BA 3 535
CE 4 413
DF 1 3555
ES 3 278
GO 3 351
MA 2 368
MG 3 442
MS 2 489
MT 7 2099
PA 3 389
PB 3 92
PE 2 585
PI 3 372
PR 5 651
RJ 6 659
RN 4 511
RO 2 347
RR 1 25
RS 3 789
SC 3 344
SE 75 3450
SP 4 846
TO 2 457
BRASIL 150 19373

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 61


Módulo impressor externo – Voto Cantado

Seções Seções sem MIE Seções com MIE


DOCUMENTO

UF Eleitorado (Agrupadas) Total Cantado % Total Cantado %


ANEXOS

AC 369.786 1.083 1.054 45 4,27 29 12 41,38


1

AL 1.600.092 4.619 3.745 30 0,80 874 170 19,45


AM 1.524.727 4.146 3.839 34 0,89 307 85 27,69
AP 290.101 748 632 3 0,47 116 30 25,86
BA 8.568.602 25.543 25.008 134 0,54 535 191 35,70
CE 4.805.259 15.977 15.564 125 0,80 413 121 29,30
DF 1.518.437 3.555 - - - 3.555 1.495 42,05
ES 2.146.425 6.282 6.004 1 0,02 278 60 21,58
GO 3.365.848 10.107 9.756 22 0,23 351 77 21,94
MA 3.391.814 11.067 10.598 179 1,69 469 121 25,80
MG 12.680.584 38.087 37.645 486 1,29 442 97 21,95
MS 1.411.773 4.153 3.664 11 0,30 489 107 21,88
MT 1.730.022 5.388 3.289 15 0,46 2.099 667 31,78
PA 3.569.333 11.180 10.791 88 0,82 389 89 22,88
PB 2.322.068 7.659 7.567 53 0,70 92 30 32,61
PE 5.396.667 15.723 15.138 39 0,26 585 169 28,89
PI 1.848.292 6.332 5.960 87 1,46 372 138 37,10
PR 6.663.381 21.778 21.127 16 0,08 651 133 20,43
RJ 10.213.518 26.924 26.262 130 0,50 662 157 23,72
RN 1.917.382 5.758 5.247 88 1,68 511 151 29,55
RO 882.545 2.568 2.221 7 0,32 347 127 36,60
RR 208.524 588 563 2 0,36 25 9 36,00
RS 7.352.139 23.515 22.726 59 0,26 789 209 26,49
SC 3.817.974 11.920 11.576 85 0,73 344 55 15,99
SE 1.147.933 3.450 - - - 3.450 1.038 30,09
SP 25.655.553 49.422 48.576 302 0,62 846 201 23,76
TO 785.397 2.613 2.156 2 0,09 457 144 31,51
115.184.176 320.185 300.708 2.043 0,68 19.477 5.883 30,20

A) Principais falhas que causaram votação manual:

a1) UE sem MIE:


> falha na flash card interna

a2) UE com MIE:


1º eleitor votou por cédula
2º falha no MIE

B) Principais falhas que causaram substituição de UE:

UE com e sem MIE:


1º falha na impressão da zerésima
2º falha no microterminal

62 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


Documento 2

Seções eleitorais por número de eleitores


Seções eleitorais por número de eleitores
Até 400 eleitores
Total até 400 até 50 de 51 a 100
UF Eleitorado % Seções % Seções % Seções % Seções %
AC 369.786 0,32 1.083 0,34 821 75,81 - - 20 1,85
AL 1.600.092 1,39 4.619 1,44 3.762 81,45 - - 7 0,15
AM 1.524.727 1,32 4.146 1,29 2.517 60,71 - - 67 1,62
AP 290.101 0,25 748 0,23 364 48,66 - - 18 2,41
BA 8.568.602 7,44 25.543 7,98 21.146 82,79 7 0,03 322 1,26
CE 4.805.259 4,17 15.977 4,99 13.649 85,43 5 0,03 487 3,05
DF 1.518.437 1,32 3.555 1,11 1.079 30,35 - - 17 0,48
ES 2.146.425 1,86 6.282 1,96 5.823 92,69 2 0,03 77 1,23
GO 3.365.848 2,92 10.107 3,16 8.753 86,60 3 0,03 95 0,94

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


MA 3.391.814 2,94 11.067 3,46 10.063 90,93 9 0,08 246 2,22
MG 12.680.584 11,01 38.087 11,90 34.755 91,25 20 0,05 617 1,62
MS 1.411.773 1,23 4.153 1,30 3.347 80,59 1 0,02 31 0,75
MT 1.730.022 1,50 5.388 1,68 4.649 86,28 14 0,26 117 2,17
PA 3.569.333 3,10 11.180 3,49 9.669 86,48 21 0,19 328 2,93
PB 2.322.068 2,02 7.659 2,39 6.914 90,27 1 0,01 38 0,50
PE 5.396.667 4,69 15.723 4,91 13.655 86,85 3 0,02 72 0,46
PI 1.848.292 1,60 6.332 1,98 5.557 87,76 2 0,03 226 3,57
PR 6.663.381 5,79 21.778 6,80 21.553 98,97 4 0,02 526 2,42
RJ 10.213.518 8,87 26.924 8,41 18.294 67,95 3 0,01 46 0,17
RN 1.917.382 1,66 5.758 1,80 4.926 85,55 1 0,02 54 0,94
RO 882.545 0,77 2.568 0,80 2.107 82,05 3 0,12 13 0,51
RR 208.524 0,18 588 0,18 397 67,52 - - 11 1,87
RS 7.352.139 6,38 23.515 7,34 21.377 90,91 43 0,18 869 3,70
SC 3.817.974 3,31 11.920 3,72 11.074 92,90 12 0,10 343 2,88
SE 1.147.933 1,00 3.450 1,08 2.792 80,93 - - 23 0,67
SP 25.655.553 22,27 49.422 15,44 3.362 6,80 5 0,01 204 0,41
TO 785.397 0,68 2.613 0,82 2.582 98,81 5 0,19 36 1,38
Total Brasil 115.184.176 100 320.185 100 234.987 73,39 164 0,05 4.910 1,53
ZZ 69.937 0,06 273 0,09 271 99,27 35 12,82 20 7,33
Total Geral 115.254.113 100 320.458 100 235.258 73,41 199 0,06 4.930 1,54

65
ANEXOS
DOCUMENTO
2
2
DOCUMENTO
ANEXOS

Seções eleitorais por número de eleitores


Até 400 eleitores

66
de 151 a 200 de 201 a 250 de 251 a 300 de 301 a 350 de 351 a 400
UF Seções % Seções % Seções % Seções % Seções %
AC 28 2,59 93 8,59 166 15,33 223 20,59 258 23,82
AL 24 0,52 568 12,30 920 19,92 1.017 22,02 1.217 26,35
AM 105 2,53 286 6,90 410 9,89 701 16,91 847 20,43
AP 17 2,27 54 7,22 53 7,09 47 6,28 149 19,92
BA 767 3,00 1.844 7,22 4.646 18,19 6.338 24,81 6.633 25,97
CE 1.263 7,91 2.493 15,60 2.699 16,89 3.204 20,05 2.746 17,19
DF 20 0,56 41 1,15 150 4,22 319 8,97 514 14,46
ES 101 1,61 431 6,86 827 13,16 1.270 20,22 3.033 48,28
GO 308 3,05 1.087 10,75 1.696 16,78 2.267 22,43 3.146 31,13
MA 714 6,45 1.603 14,48 1.959 17,70 2.071 18,71 3.035 27,42
MG 1.347 3,54 2.494 6,55 4.870 12,79 9.019 23,68 15.433 40,52
MS 105 2,53 410 9,87 852 20,52 806 19,41 1.104 26,58
MT 279 5,18 608 11,28 739 13,72 1.005 18,65 1.671 31,01
PA 515 4,61 1.115 9,97 1.810 16,19 2.060 18,43 3.400 30,41
PB 603 7,87 1.493 19,49 1.674 21,86 1.449 18,92 1.543 20,15
PE 182 1,16 1.117 7,10 2.606 16,57 4.007 25,49 5.536 35,21
PI 379 5,99 1.156 18,26 1.413 22,32 1.146 18,10 918 14,50
PR 1.354 6,22 2.519 11,57 3.221 14,79 4.086 18,76 8.920 40,96
RJ 276 1,03 551 2,05 1.421 5,28 5.095 18,92 10.689 39,70
RN 147 2,55 631 10,96 1.042 18,10 1.202 20,88 1.764 30,64
RO 54 2,10 151 5,88 439 17,10 616 23,99 793 30,88
RR 22 3,74 35 5,95 66 11,22 132 22,45 116 19,73
RS 1.224 5,21 2.335 9,93 3.262 13,87 4.526 19,25 7.894 33,57
SC 501 4,20 865 7,26 1.704 14,30 2.497 20,95 4.642 38,94
SE 72 2,09 470 13,62 649 18,81 626 18,14 881 25,54
SP 245 0,50 263 0,53 315 0,64 592 1,20 1.499 3,03
TO 78 2,99 404 15,46 525 20,09 842 32,22 635 24,30
Total Brasil 10.730 3,35 25.117 7,84 40.134 12,53 57.163 17,85 89.016 27,80
ZZ 12 4,40 18 6,59 45 16,48 37 13,55 87 31,87

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


Total Geral 10.742 3,35 25.135 7,84 40.179 12,54 57.200 17,85 89.103 27,80
Seções eleitorais por número de eleitores
Acima de 400 eleitores
Total acima de 400 de 401 a 500 de 501 a 600 De
UF Eleitorado % Seções % Seções % Seções % Seções % Seç
AC 369.786 0,32 1.083 0,34 262 24,19 255 23,55 7 0,65
AL 1.600.092 1,39 4.619 1,44 857 18,55 852 18,45 5 0,11
AM 1.524.727 1,32 4.146 1,29 1.629 39,29 1.612 38,88 14 0,34
AP 290.101 0,25 748 0,23 384 51,34 379 50,67 5 0,67
BA 8.568.602 7,44 25.543 7,98 4.397 17,21 4.300 16,83 96 0,38
CE 4.805.259 4,17 15.977 4,99 2.328 14,57 2.299 14,39 29 0,18
DF 1.518.437 1,32 3.555 1,11 2.476 69,65 2.460 69,20 16 0,45
ES 2.146.425 1,86 6.282 1,96 459 7,31 415 6,61 44 0,70
GO 3.365.848 2,92 10.107 3,16 1.354 13,40 1.341 13,27 13 0,13

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


MA 3.391.814 2,94 11.067 3,46 1.004 9,07 978 8,84 26 0,23
MG 12.680.584 11,01 38.087 11,90 3.332 8,75 3.280 8,61 52 0,14
MS 1.411.773 1,23 4.153 1,30 806 19,41 797 19,19 9 0,22
MT 1.730.022 1,50 5.388 1,68 739 13,72 699 12,97 40 0,74
PA 3.569.333 3,10 11.180 3,49 1.511 13,52 1.489 13,32 22 0,20
PB 2.322.068 2,02 7.659 2,39 745 9,73 691 9,02 52 0,68
PE 5.396.667 4,69 15.723 4,91 2.068 13,15 2.066 13,14 2 0,01
PI 1.848.292 1,60 6.332 1,98 775 12,24 749 11,83 26 0,41
PR 6.663.381 5,79 21.778 6,80 225 1,03 225 1,03 - -
RJ 10.213.518 8,87 26.924 8,41 8.630 32,05 8.549 31,75 80 0,30
RN 1.917.382 1,66 5.758 1,80 832 14,45 824 14,31 8 0,14
RO 882.545 0,77 2.568 0,80 461 17,95 438 17,06 23 0,90
RR 208.524 0,18 588 0,18 191 32,48 191 32,48 - -
RS 7.352.139 6,38 23.515 7,34 2.138 9,09 2.132 9,07 6 0,03
SC 3.817.974 3,31 11.920 3,72 846 7,10 842 7,06 4 0,03
SE 1.147.933 1,00 3.450 1,08 658 19,07 658 19,07 - -
SP 25.655.553 22,27 49.422 15,44 46.060 93,20 11.789 23,85 34.118 69,03 1
TO 785.397 0,68 2.613 0,82 31 1,19 31 1,19 - -
Total Brasil 115.184.176 100 320.185 100 85.198 26,61 50.341 15,72 34.697 10,84 1

67
ZZ 69.937 0,06 273 0,09 2 0,73 2 0,73 0 -
Total Geral 115.254.113 100 320.458 100 85.200 26,59 50.343 15,71 34.697 10,83 1

ANEXOS
DOCUMENTO
2
Documento 3

Comparecimento, abstenção, votos válidos, brancos, nulos e


pendentes para presidente, governador, senador, deputado
federal e deputado estadual/distrital
Eleições Presidenciais 2002 – Presidente da República

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


71
ANEXOS
DOCUMENTO
3
3
DOCUMENTO
ANEXOS

Eleições Presidenciais 2002 – Presidente da República

72
Relatório das Eleições 2002 – Anexos
Dados Gerais por Estado – Governadores

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


73
ANEXOS
DOCUMENTO
3
DOCUMENTO
ANEXOS

Dados Gerais por Estado – Governadores


3

74 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


Dados Gerais por Estado – Senadores

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


75
ANEXOS
DOCUMENTO
3
3
DOCUMENTO
ANEXOS

Dados Gerais por Estado – Deputados Federais

76
Relatório das Eleições 2002 – Anexos
Dados Gerais por Estado – Deputados Estaduais/Distritais

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


77
ANEXOS
DOCUMENTO
3
3
DOCUMENTO
ANEXOS

Comparativo 1o e 2o Turnos – Presidente da República (comparecimento, abstenção, brancos e nulos)

78
Relatório das Eleições 2002 – Anexos
Comparativo 1o e 2o Turnos – Presidente da República (comparecimento, abstenção, brancos e nulos)
Continuação

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


79
ANEXOS
DOCUMENTO
3
Documento 4

Acompanhamento das totalizações no 1o e 2o turnos


Acompanhamento das Totalizações no 1o Turno

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


83
ANEXOS
DOCUMENTO
4
4
DOCUMENTO
ANEXOS

Acompanhamento das Totalizações no 2o Turno

84
Relatório das Eleições 2002 – Anexos
Acompanhamento das Totalizações no 2o Turno
Continuação

DOCUMENTO
ANEXOS

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 85


Documento 5

Comparativo do resultado da totalização no 1o e 2o turnos


Comparativo dos Resultados da Totalização no 1o e 2o Turnos,
para Presidente, Governador e Senador

Presidente – Brasil

BRASIL
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 39.454.692 46,44% 52.793.364 61,27%
45 José Serra PSDB 19.705.061 23,20% 33.370.739 38,73%
40 Garotinho PSB 15.179.879 17,87%
23 Ciro PPS 10.170.666 11,97%
16 Zé Maria PSTU 402.232 0,47%
29 Rui Costa Pimenta PCO 38.619 0,05%
TOTAL VOTOS 94.804.126 91.664.259
Votos Válidos 84.951.149 89,61% 86.164.103 94,00%
Pendentes 3.150 0,00% 258 0,00%
Brancos 2.873.720 3,03% 1.727.760 1,88%

DOCUMENTO
ANEXOS
Nulos 6.976.107 7,36% 3.772.138 4,12%
TOTAL SEÇÕES 320.458 100,00% 320.458 100,00%

5
ELEITORADO 115.254.113 115.254.113
ABSTENÇÃO 20.449.690 17,74% 23.589.188 20,47%

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 89


ACRE
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 123.999 46,81% 140.363 59,94%
45 José Serra PSDB 50.250 18,97% 93.803 40,06%
40 Garotinho PSB 46.229 17,45%
23 Ciro PPS 43.995 16,61%
16 Zé Maria PSTU 366 0,14%
29 Rui Costa Pimenta PCO 50 0,02%
TOTAL VOTOS 290.431 244.236
Votos Válidos 264.889 91,21% 234.166 95,88%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 3.968 1,37% 2.523 1,03%
Nulos 21.574 7,43% 7.547 3,09%
TOTAL SEÇÕES 1.083 1.083
ELEITORADO 369.786 369.786
ABSTENÇÃO 79.355 21,46% 125.550 33,95%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
13 Jorge Viana PT 165.574 63,58%
15 Falviano Melo PMDB 87.602 33,64%
23 Mastrângelo PPS 6.078 2,33%
17 Antonio Edson PSL 597 0,23%
DOCUMENTO

28 Gouveia o Tijolinho PRTB 568 0,22%


ANEXOS
5

TOTAL VOTOS 290.431


Votos Válidos 260.419 89,67%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 3.384 1,17%
Nulos 26.628 9,17%
TOTAL SEÇÕES 1.083
ELEITORADO 369.786
ABSTENÇÃO 79.355 21,46%

1º Turno
Senador Votação %
131 MARIA OSMARINA MARINA SILVA DE SOUZA PT 157588 54,26%
400 GERALDO GURGEL DE MESQUITA JÚNIOR PSB 104993 36,15%
152 NABOR TELES DA ROCHA JUNIOR PMDB 61849 21,30%
170 JOSE ALEKSANDRO DA SILVA PSL 14920 5,14%
234 MARCIO MIGUEL BITTAR PPS 82443 28,39%
456 SERGIO SEBASTIÃO DE BARROS PSDB 66192 22,79%
TOTAL VOTOS 580.862
Votos Válidos 487.985 84,01%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 16.929 2,91%
Nulos 75.948 13,08%
TOTAL SEÇÕES 1.083
ELEITORADO 369.786
ABSTENÇÃO 79.355 21,46%

90 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


ALAGOAS
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
45 José Serra PSDB 314.739 29,25% 616.902 56,39%
13 Lula PT 307.751 28,60% 477.009 43,61%
40 Garotinho PSB 281.015 26,11%
23 Ciro PPS 168.925 15,70%
16 Zé Maria PSTU 3.329 0,31%
29 Rui Costa Pimenta PCO 427 0,04%
TOTAL VOTOS 1.261.495 1.161.874
Votos Válidos 1.076.186 85,31% 1.093.911 94,15%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 47.296 3,75% 20.244 1,74%
Nulos 138.013 10,94% 47.719 4,11%
TOTAL SEÇÕES 4.619 4.619
ELEITORADO 1.600.092 1.600.092
ABSTENÇÃO 338.597 21,16% 438.218 27,39%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
40 Ronaldo Lessa PSB 553.035 52,93%
28 Collor PRTB 419.741 40,17%
13 Judson Cabral PT 50.820 4,86%
12 Geraldo Sampaio PDT 17.333 1,66%

DOCUMENTO
ANEXOS
19 Elias Barros Dias PTN 2.331 0,22%
16 Ricardo Barbosa PSTU 1.579 0,15%

5
TOTAL VOTOS 1.261.495
Votos Válidos 1.044.839 82,83%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 45.932 3,64%
Nulos 170.724 13,53
TOTAL SEÇÕES 4.619
ELEITORADO 1.600.092
ABSTENÇÃO 338.597 21,16%

o
1 Turno
Senador Votação %
151 JOSÉ RENAN VASCONCELOS CALHEIROS PMDB 815136 64,62%
456 TEOTONIO BRANDÃO VILELA FILHO PSDB 762675 60,46%
121 HETH CESAR BISMARCK ATHAYDE BARBOSA DE OLIVEIRA PDT 25869 2,05%
161 MANOEL DE ASSIS DA SILVA PSTU 11025 0,87%
190 RAIMUNDO ANTONIO PALMEIRA DE ARAUJO PTN 21891 1,74%
258 GERALDO BULHÕES BARROS PFL 67998 5,39%
333 ILDO RAFAEL DE VASCONCELOS PMN 97736 7,75%
654 EDUARDO BOMFIM GOMES RIBEIRO PCdoB 126023 9,99%
TOTAL VOTOS 2.522.990
Votos Válidos 1.928.353 76,43%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 187.312 7,42%
Nulos 407.325 16,15%
TOTAL SEÇÕES 4.619
ELEITORADO 1.600.092
ABSTENÇÃO 338.597 21,16%

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 91


AMAZONAS
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 530.246 47,73% 722.034 69,88%
40 Garotinho PSB 249.007 22,41%
45 José Serra PSDB 166.145 14,95% 311.175 30,12%
23 Ciro PPS 160.132 14,41%
16 Zé Maria PSTU 5.216 0,47%
29 Rui Costa Pimenta PCO 296 0,03%
TOTAL VOTOS 1.192.308 1.071.184
Votos Válidos 1.111.042 93,18% 1.033.209 96,45%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 16.124 1,35% 12.330 1,15%
Nulos 65.142 5,46% 25.645 2,39%
TOTAL SEÇÕES 4.146 4.146
ELEITORADO 1.524.727 1.524.727
ABSTENÇÃO 332.419 21,80% 453.184 29,72%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
23 Eduardo Braga PPS 568.111 52,37%
15 Gilberto Mestrinho PMDB 226.193 20,85%
40 Serafim Corrêa PSB 225.491 20,79%
13 João Pedro PT 62.715 5,78%
DOCUMENTO

16 Herbert Amazonas M. PSTU 2.202 0,20%


ANEXOS
5

TOTAL VOTOS 1.192.308


Votos Válidos 1.084.712 90,98%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 15.857 1,33%
Nulos 91.739 7,69
TOTAL SEÇÕES 4.146
ELEITORADO 1.524.727
ABSTENÇÃO 332.419 21,80%

1o Turno
Senador Votação %
123 JOSE JEFFERSON CARPINTEIRO PERES PDT 543158 45,56%
451 ARTHUR VIRGILIO DO CARMO RIBEIRO NETO PSDB 608762 51,06%
150 ALBERTO JOSE ALEIXO PMDB 20263 1,70%
161 TARCISIO LUIZ LEÃO E SOUZA PSTU 2815 0,24%
252 JOSE BERNARDO CABRAL PFL 484617 40,65%
432 FRANCISCO PLINIO VALERIO TOMAZ PV 265861 22,30%
654 LUCIA REGINA ANTONY PCdoB 144129 12,09%
TOTAL VOTOS 2.384.616
Votos Válidos 2.069.605 86,79%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 69.308 2,91%
Nulos 245.703 10,30%
TOTAL SEÇÕES 4.146
ELEITORADO 1.524.727
ABSTENÇÃO 332.419 21,80%

92 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


BAHIA
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 2.899.280 55,28% 3.710.900 65,69%
45 José Serra PSDB 884.291 16,86% 1.937.780 34,31%
23 Ciro PPS 738.949 14,09%
40 Garotinho PSB 703.738 13,42%
16 Zé Maria PSTU 15.847 0,30%
29 Rui Costa Pimenta PCO 2.942 0,06%
TOTAL VOTOS 6.399.829 6.041.856
Votos Válidos 5.245.047 81,96% 5.648.680 93,49%
Pendentes 517 0,01% 0 0,00%
Brancos 216.749 3,39% 94.161 1,56%
Nulos 937.516 14,65% 299.015 4,95%
TOTAL SEÇÕES 25.543 25.543
ELEITORADO 8.568.602 8.568.602
ABSTENÇÃO 2.168.773 25,31% 2.526.746 29,49%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
25 Paulo Souto PFL 2.871.025 53,69%
13 Wagner PT 2.057.022 38,47%
15 Prisco Viana PMDB 226.217 4,23%
40 Itaberaba Lyra PSB 122.428 2,29%
26 Da Luz PAN 32.069 0,60%
36 Ricardo Grey PTC 27.595 0,52%
16 PSTU 7.329 0,14%

DOCUMENTO
Zacarias

ANEXOS
29 Antonio Eduardo PCO 3.257 0,06%

5
TOTAL VOTOS 6.399.829
Votos Válidos 5.346.942 83,55%
Pendentes 517 0,01%
Brancos 311.961 4,87%
Nulos 740.409 11,57
TOTAL SEÇÕES 25.543
ELEITORADO 8.568.602
ABSTENÇÃO 2.168.773 25,31%

o
1 Turno
Senador Votação %
251 ANTONIO CARLOS PEIXOTO DE MAGALHÃES PFL 2995559 46,81%
252 CÉSAR AUGUSTO RABELLO BORGES PFL 2731596 42,68%
123 JOÃO DURVAL CARNEIRO PDT 783637 12,24%
133 FRANCISCO WALDIR PIRES DE SOUZA PT 1803228 28,18%
161 LUIS CARLOS FRANÇA PSTU 14416 0,23%
261 JOSÉ SILVA GAZAR PAN 10974 0,17%
299 ALBERTO RODRIGUES NUNES PCO 5249 0,08%
401 RUY CORRÊA SOARES PSB 83863 1,31%
451 MARIA DEL CARMEN FIDALGO SANCHEZ PUGA PSDB 96449 1,51%
651 HAROLDO BORGES RODRIGUES LIMA PCdoB 1266734 19,79%
TOTAL VOTOS 12.799.658
Votos Válidos 9.791.705 76,50%
Pendentes 1.034 0,01%
Brancos 851.621 6,65%
Nulos 2.155.298 16,84%
TOTAL SEÇÕES 25.543
ELEITORADO 8.568.602
ABSTENÇÃO 2.168.773 25,31%

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 93


CEARÁ
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
23 Ciro PPS 1.529.623 44,49%
13 Lula PT 1.353.339 39,36% 2.497.143 71,78%
45 José Serra PSDB 293.425 8,53% 981.609 28,22%
40 Garotinho PSB 256.879 7,47%
16 Zé Maria PSTU 4.456 0,13%
29 Rui Costa Pimenta PCO 652 0,02%
TOTAL VOTOS 3.860.135 3.699.233
Votos Válidos 3.438.734 89,07% 3.478.752 94,04%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 102.111 2,65% 75.630 2,04%
Nulos 319.650 8,28% 144.851 3,92%
TOTAL SEÇÕES 15.977 15.977
ELEITORADO 4.805.259 4.805.259
ABSTENÇÃO 945.124 19,67% 1.106.026 23,02%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
45 Lúcio Alcântara PSDB 1.625.202 49,79% 1.765.726 50,04%
13 José Airton PT 924.690 28,33% 1.762.679 49,96%
15 Sergio Machado PMDB 395.699 12,12%
40 Welington PSB 240.189 7,36%
14 Cláudia Brilhante PTB 37.658 1,15%
12 Pedro Albuquerque PDT 31.102 0,95%
DOCUMENTO

16 Raimundão PSTU 9.707 0,30%


ANEXOS

18 Leví Lafetá PSTU 0 0,00%


5

TOTAL VOTOS 3.860.135 3.699.233


Votos Válidos 3.264.247 84,56% 3.528.405 95,38%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 165.593 4,29% 46.880 1,27%
Nulos 430.295 11,15% 123948 3,35%
TOTAL SEÇÕES 15.977 15.977
ELEITORADO 4.805.259 4.805.259
ABSTENÇÃO 945.124 19,67% 1.106.026 23,02%

1º Turno
Senador Votação %
234 PATRÍCIA LÚCIA SABOYA FERREIRA GOMES PPS 1864404 48,30%
456 TASSO RIBEIRO JEREISSATI PSDB 1915781 49,63%
131 MARIO MAMEDE FILHO PT 908009 23,52%
152 PAULO DE TARSO LUSTOSA DA COSTA PMDB 415854 10,77%
161 RAIMUNDO JOSÉ AGUIAR RIBEIRO PSTU 9810 0,25%
222 GELSON FERRAZ DE MEDEIROS PL 168159 4,36%
310 PAULO DE TARSO MELO LIMA PHS 23224 0,60%
400 EUDORO WALTER DE SANTANA PSB 773027 20,03%
TOTAL VOTOS 7.720.270
Votos Válidos 6.078.268 78,73%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 480.058 6,22%
Nulos 1.161.944 15,05%
TOTAL SEÇÕES 15.977
ELEITORADO 4.805.259
ABSTENÇÃO 945.124 19,67%

94 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


DISTRITO FEDERAL
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 592.977 49,07% 777.708 62,26%
40 Garotinho PSB 220.989 18,29%
45 José Serra PSDB 202.410 16,75% 471.485 37,74%
23 Ciro PPS 184.558 15,27%
16 Zé Maria PSTU 6.684 0,55%
29 Rui Costa Pimenta PCO 797 0,07%
TOTAL VOTOS 1.284.103 1.310.715
Votos Válidos 1.208.415 94,11% 1.249.193 95,31%
Pendentes 1.519 0,12% 0 0,00%
Brancos 17.517 1,36% 18.826 1,44%
Nulos 56.652 4,41% 42.696 3,26%
TOTAL SEÇÕES 3.555 3.555
ELEITORADO 1.518.437 1.518.437
ABSTENÇÃO 234.334 15,43% 207.722 13,68%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
15 Roriz PMDB 521.083 42,98% 642.256 50,62%
13 Magela PT 495.498 40,87% 626.478 49,38%
11 Benedito PPB 88.119 7,27%
40 Rodrigo Rollemberg PSB 82.369 6,79%
23 Carlos Alberto Torres PPS 19.896 1,64%
16 Orlando Cariello PSTU 3.288 0,27%
28 Trota PRTB 1.580 0,13%
29 Expedito Mendonça PCO 616 0,05%

DOCUMENTO
ANEXOS
TOTAL VOTOS 1.284.103 1.310.715
Votos Válidos 1.212.449 94,42% 1.268.734 96,80%

5
Pendentes 1.519 0,12% 0 0,00%
Brancos 22.473 1,75% 12.353 0,94%
Nulos 47.662 3,71% 29.628 2,26
TOTAL SEÇÕES 3.555 3.555
ELEITORADO 1.518.437 1.518.437
ABSTENÇÃO 234.334 15,43% 207.722 13,68%

1o Turno
Senador Votação %
133 CRISTOVAM RICARDO CAVALCANTI BUARQUEPT 680715 53,01%
255 PAULO OCTAVIO ALVES PEREIRA PFL 553707 43,12%
115 JOFRAN FREJAT PPB 433650 33,77%
123 LAURO ALVARES DA SILVA CAMPOS PDT 129106 10,05%
151 JOSÉ CASIMIRO SOBRINHO PMDB 19362 1,51%
161 ANTONIO RICARDO MARTINS GUILLEN PSTU 3726 0,29%
199 MILTON CINTRA E SILVA PTN 304 0,02%
223 GEDALIAS NEVES DA COSTA PL 53103 4,14%
281 PAULO IZAIAS DE MACÊDO FILHO PRTB 2745 0,21%
290 GILSON VASCONCELOS DOBBIN PCO 2329 0,18%
433 JOÃO ARNOLFO CARVALHO DE OLIVEIRA PV 17714 1,38%
565 AURELIO FEITOSA MATTOS FILHO Prona 4138 0,32%
656 FREDO EBLING JÚNIOR PCdoB 362807 28,25%
701 CELSON CARLOS BATISTA DE OLIVEIRA PTdoB 4367 0,34%
TOTAL VOTOS 2.542.618
Votos Válidos 2.245.986 88,33%
Pendentes 3.038 0,12%
Brancos 100.784 3,96%
Nulos 192.810 7,58%
TOTAL SEÇÕES 3.555
ELEITORADO 1.518.437
ABSTENÇÃO 247.128 16,28%

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 95


ESPÍRITO SANTO
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 717.646 44,52% 944.172 59,36%
40 Garotinho PSB 436.028 27,05%
45 José Serra PSDB 334.697 20,76% 646.494 40,64%
23 Ciro PPS 114.308 7,09%
16 Zé Maria PSTU 8.140 0,50%
29 Rui Costa Pimenta PCO 1.177 0,07%
TOTAL VOTOS 1.768.049 1.671.089
Votos Válidos 1.611.996 91,17% 1.590.666 95,19%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 50.398 2,85% 33.220 1,99%
Nulos 105.655 5,98% 47.203 2,82%
TOTAL SEÇÕES 6.282 6.282
ELEITORADO 2.146.425 2.146.425
ABSTENÇÃO 378.376 17,63% 475.336 22,15%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
40 Paulo Hartung PSB 820.949 53,97%
14 Max Mauro PTB 631.326 41,50%
25 Haroldo Santos Filho PFL 31.104 2,04%
45 Paulo Ruy PSB 22.987 1,51%
29 Sônia Santos PCO 6.099 0,40%
16 Silvio Felinto PSTU 5.648 0,37%
DOCUMENTO

19 Walter Maciel PTN 3.138 0,21%


ANEXOS
5

TOTAL VOTOS 1.768.049


Última totalização: Votos Válidos 1.521.251 86,04%
1º turno: 07/out 04:49h Pendentes 0 0,00%
2º turno: Brancos 78.873 4,46%
Nulos 167.925 9,50%
TOTAL SEÇÕES 6.282
ELEITORADO 2.146.425
ABSTENÇÃO 378.376 17,63%

1º Turno
Senador Votação %
155 GERSON CAMATA PMDB 811745 45,91%
222 MAGNO PEREIRA MALTA PL 867434 49,06%
131 JOÃO CARLOS COSER PT 584666 33,07%
234 RICARDO REZENDE FERRAÇO PPS 582318 32,94%
255 LUIZ CARLOS FERNANDES RANGEL PFL 5209 0,29%
290 ELIAS DA COSTA COELHO PCO 14590 0,83%
400 ODMAR PERICLES NASCIMENTO PSB 23191 1,31%
433 RICARDO ROSETTI CONDE PV 56379 3,19%
TOTAL VOTOS 3.536.098
Votos Válidos 2.945.532 83,30%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 223.588 6,32%
Nulos 366.978 10,38%
TOTAL SEÇÕES 6.282
ELEITORADO 2.146.425
ABSTENÇÃO 378.376 17,63%

96 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


GOIÁS
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 1.069.398 42,10% 1.424.236 57,08%
45 José Serra PSDB 709.025 27,91% 1.071.070 42,92%
40 Garotinho PSB 493.038 19,41%
23 Ciro PPS 259.088 10,20%
16 Zé Maria PSTU 8.907 0,35%
29 Rui Costa Pimenta PCO 827 0,03%
TOTAL VOTOS 2.792.801 2.619.102
Última totalização: Votos Válidos 2.540.283 90,96% 2.495.306 95,27%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 62.565 2,24% 40.298 1,54%
Nulos 189.953 6,80% 83.498 3,19%
TOTAL SEÇÕES 10.107 10.107
ELEITORADO 3.365.848 3.365.848
ABSTENÇÃO 573.047 17,03% 746.746 22,19%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
45 Marconi Perillo PSDB 1.301.554 51,20%
15 Maguito PMDB 833.554 32,79%
13 Marina PT 385.524 15,17%
30 Alba Célia PGT 10.672 0,42%
14 Geraldo Lemos PTB 7.461 29,00%
16 Javan Rodrigues PSTU 3.087 0,12%

DOCUMENTO
ANEXOS
TOTAL VOTOS 2.792.801
Votos Válidos 2.541.852 91,01%

5
Pendentes 0 0,00%
Brancos 69.332 2,48%
Nulos 181.617 6,50%
TOTAL SEÇÕES 10.107
ELEITORADO 3.365.848
ABSTENÇÃO 573.047 17,03%

1º Turno
Senador Votação %
251 DEMOSTENES LAZARO XAVIER TORRES PFL 1239352 44,38%
451 LUCIA VANIA ABRAO COSTA PSDB 1057358 37,86%
131 CLELIA BRANDAO ALVARENGA CRAVEIRO PT 305313 10,93%
141 LUIZ AUGUSTO FERRAZ ROMA PTB 5198 0,19%
151 IRIS REZENDE MACHADO PMDB 1047827 37,52%
152 MAURO MIRANDA SOARES PMDB 615070 22,02%
161 FERNANDO BATISTA LEITE PSTU 8228 0,29%
231 LUCIANO PEDROSO BENTO PPS 39337 1,41%
404 MIGUEL ANGEL DAVICO PSB 49792 1,78%
433 MARTINIANO PEREIRA CAVALCANTE NETO PV 267071 9,56%
TOTAL VOTOS 5.585.602
Votos Válidos 4.634.546 82,97%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 334.752 5,99%
Nulos 616.304 11,03%
TOTAL SEÇÕES 10.107
ELEITORADO 3.365.848
ABSTENÇÃO 573.047 17,03%

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 97


MARANHÃO
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 843.132 40,88% 1.229.559 58,48%
40 Garotinho PSB 508.006 24,63%
23 Ciro PPS 455.860 22,10%
45 José Serra PSDB 248.621 12,05% 872.880 41,52%
16 Zé Maria PSTU 5.985 0,29%
29 Rui Costa Pimenta PCO 788 0,04%
TOTAL VOTOS 2.579.150 2.229.107
Votos Válidos 2.062.392 79,96% 2.102.697 94,32%
Pendentes 897 0,03% 258 0,01%
Brancos 89.385 3,47% 36.102 1,62%
Nulos 426.476 16,54% 90.308 4,05%
TOTAL SEÇÕES 11.067 11.067
ELEITORADO 3.391.814 3.391.814
ABSTENÇÃO 812.664 23,96% 1.162.707 34,28%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
25 José Reinaldo PFL 1.076.893 51,05%
12 Jackson Lago PDT 896.930 42,52%
13 Monteiro PT 127.082 6,02%
16 Marcos Silva PSTU 8.391 0,40%
DOCUMENTO
ANEXOS

TOTAL VOTOS 2.579.150


Votos Válidos 2.109.296 81,78%
5

Pendentes 897 0,03%


Brancos 102.178 3,96%
Nulos 366.779 14,22
TOTAL SEÇÕES 11.067
ELEITORADO 3.391.814
ABSTENÇÃO 812.664 23,96%

1º Turno
Senador Votação %
251 EDISON LOBAO PFL 1106151 42,89%
252 ROSEANA SARNEY MURAD PFL 1314524 50,97%
123 EPITACIO CAFETEIRA AFONSO PEREIRA PDT 874573 33,91%
131 HAROLDO FREITAS PIRES DE SABOIA PT 474191 18,39%
163 RAMON SILVA GOMES PSTU 16227 0,63%
212 FREDERICO LUIZ MACIEL DOS SANTOS PCB 16273 0,63%
402 MANOEL ANTONIO VEIGA DA COSTA PSB 35814 1,39%
404 TEREZINHA DE JESUS ALMEIDA SILVA REGO PSB 92769 3,60%
456 ILDEMAR GONCALVES DOS SANTOS PSDB 135382 5,25%
TOTAL VOTOS 5.158.300
Votos Válidos 4.065.904 78,82%
Pendentes 1.794 0,04%
Brancos 294.301 5,71%
Nulos 796.301 15,44%
TOTAL SEÇÕES 11.067
ELEITORADO 3.391.814
ABSTENÇÃO 812.664 23,96%

98 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


MINAS GERAIS
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 4.990.085 53,01% 6.384.690 66,45%
45 José Serra PSDB 2.151.597 22,86% 3.223.960 33,55%
40 Garotinho PSB 1.359.073 14,44%
23 Ciro PPS 862.231 9,16%
16 Zé Maria PSTU 43.881 0,47%
29 Rui Costa Pimenta PCO 6.264 0,07%
TOTAL VOTOS 10.514.082 10.205.689
Votos Válidos 9.413.131 89,53% 9.608.650 94,15%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 369.632 3,52% 197.540 1,93%
Nulos 731.319 6,96% 399.499 3,91%
TOTAL SEÇÕES 38.087 38.087
ELEITORADO 12.680.584 12.680.584
ABSTENÇÃO 2.166.502 17,09% 2.474.895 19,52%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
45 Aécio Neves PSDB 5.282.043 57,68%
13 Nilmário PT 2.813.857 30,73%
15 Newton Cardoso PMDB 612.732 6,69%
40 Margarida Vieira PSB 418.803 4,57%
16 Cacau PSTU 18.265 0,20%
29 Taquinho Carteiro PCO 10.110 0,11%
27 Marco Aurélio Carone PSDC 2.372 0,03%
36 Danilo Simões PTC 0 0,00%
41 Arnaldo José de Oliveira PSD 0 0,00%

DOCUMENTO
ANEXOS
TOTAL VOTOS 10.514.082
Votos Válidos 9.158.182 87,10%

5
Pendentes 0 0,00%
Brancos 546.052 5,19%
Nulos 809.848 7,70%
TOTAL SEÇÕES 38.087
ELEITORADO 12.680.584
ABSTENÇÃO 2.166.502 17,09%

1º Turno
Senador Votação %
150 HÉLIO CALIXTO DA COSTA PMDB 3569376 33,95%
456 EDUARDO BRANDÃO DE AZEREDO PSDB 4157721 39,54%
123 ISRAEL PINHEIRO FILHO PDT 287923 2,74%
131 TILDEN JOSÉ SANTIAGO PT 3301171 31,40%
161 SORAYA ANDREA MENEZES PSTU 157770 1,50%
162 AMÓS LOPES DE CARVALHO PSTU 35305 0,34%
181 MÁRIO DE OLIVEIRA PST 705777 6,71%
233 MARCOS VILLELA DE SANT'ANNA PPS 95509 0,91%
256 JOSÉ PERRELLA DE OLIVEIRA COSTA PFL 2945103 28,01%
299 ANGELA MARIA NERI PERES PCO 154259 1,47%
361 ÂNGELO ELMO DE MELO PTC 2408 0,02%
401 SEBASTIÃO DE BARROS QUINTÃO PSB 622822 5,92%
413 CAMILO DOS SANTOS PSD 3920 0,04%
441 TIBELINDO SOARES RESENDE PRP 7234 0,07%
TOTAL VOTOS 21.028.164
Votos Válidos 16.046.298 76,31%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 1.846.420 8,78%
Nulos 3.135.446 14,91%
TOTAL SEÇÕES 38.087
ELEITORADO 12.680.584
ABSTENÇÃO 2.166.502 17,09%

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 99


MATO GROSSO DO SUL
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 446.438 41,49% 593.939 55,14%
45 José Serra PSDB 308.905 28,71% 483.196 44,86%
40 Garotinho PSB 170.957 15,89%
23 Ciro PPS 145.271 13,50%
16 Zé Maria PSTU 4.144 0,39%
29 Rui Costa Pimenta PCO 393 0,04%
TOTAL VOTOS 1.157.516 1.119.145
Votos Válidos 1.076.108 92,97% 1.077.135 96,25%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 23.218 2,01% 14.344 1,28%
Nulos 58.190 5,03% 27.666 2,47%
TOTAL SEÇÕES 4.153 4.153
ELEITORADO 1.411.773 1.411.773
ABSTENÇÃO 254.257 18,01% 292.628 20,73%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
13 Zeca do PT PT 509.843 48,33% 581.545 53,74%
45 Marisa Serrano PSDB 447.396 42,41% 500.542 46,26%
12 Moacir Kohl PDT 55.350 5,25%
14 Carlos Marun PTB 22.488 2,13%
DOCUMENTO

40 Cláudio Freire PSB 18.222 1,73%


ANEXOS

36 Anache PTC 1.619 0,15%


TOTAL VOTOS 1.157.516 1.119.145
5

Votos Válidos 1.054.918 91,14% 1.082.087 96,69%


Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 28.186 2,44% 10.214 0,91%
Nulos 74.412 6,43 26.844 2,40%
TOTAL SEÇÕES 4.153 4.153
ELEITORADO 1.411.773 1.411.773
ABSTENÇÃO 254.257 18,01% 292.628 20,73%

1º Turno
Senador Votação %
138 DELCIDIO AMARAL GOMEZ PT 496879 42,93%
151 RAMEZ TEBET PMDB 734253 63,43%
180 PEDRO PEDROSSIAN PST 423409 36,58%
234 ATHAYDE NERY DE FREITAS JUNIOR PPS 118841 10,27%
404 UBIRAJARA BORGES MARTINS PSB 63827 5,51%
407 JOAO DERLI FARIAS SOUZA PSB 45759 3,95%
432 CARLOS ANTONIO MENEZES LEITE PV 39388 3,40%
TOTAL VOTOS 2.315.032
Votos Válidos 1.922.356 83,04%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 119.964 5,18%
Nulos 272.712 11,78%
TOTAL SEÇÕES 4.153
ELEITORADO 1.411.773
ABSTENÇÃO 254.257 18,01%

100 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


MATO GROSSO
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 508.610 40,64% 649.100 54,46%
45 José Serra PSDB 371.684 29,70% 542.695 45,54%
40 Garotinho PSB 187.380 14,97%
23 Ciro PPS 180.812 14,45%
16 Zé Maria PSTU 2.581 0,21%
29 Rui Costa Pimenta PCO 314 0,03%
TOTAL VOTOS 1.345.189 1.237.037
Votos Válidos 1.251.381 93,03% 1.191.795 96,34%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 28.842 2,14% 15.390 1,24%
Nulos 64.966 4,83% 29.852 2,41%
TOTAL SEÇÕES 5.388 5.388
ELEITORADO 1.730.022 1.730.022
ABSTENÇÃO 384.833 22,24% 492.985 28,50%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
23 Blairo Maggi PPS 618.740 50,67%
45 Antero PSDB 360.069 29,48%
13 Alexandre César PT 227.403 18,62%
40 Tião Matrinchã PSB 14.278 1,17%

DOCUMENTO
30 Carlos Linguiça PGT 711 0,06%

ANEXOS
TOTAL VOTOS 1.345.189
Votos Válidos 1.221.201 90,78%

5
Pendentes 0 0,00%
Brancos 38.634 2,87%
Nulos 85.354 6,35
TOTAL SEÇÕES 5.388
ELEITORADO 1.730.022
ABSTENÇÃO 384.833 22,24%

1º Turno
Senador Votação %
131 SERYS MARLY SLHESSARENKO PT 574701 42,72%
251 JONAS PINHEIRO DA SILVA PFL 612201 45,51%
121 MARIO MÁRCIO GOMES TORRES PDT 15358 1,14%
141 MURILO DOMINGOS PTB 286976 21,33%
155 CARLOS GOMES BEZERRA PMDB 238742 17,75%
308 JAQUES SOUZA DE CARVALHO PGT 1951 0,15%
404 JACY RIBEIRO DE PROENÇA PSB 45741 3,40%
455 DANTE MARTINS DE OLIVEIRA PSDB 439436 32,67%
TOTAL VOTOS 2.690.378
Votos Válidos 2.215.106 82,33%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 152.855 5,68%
Nulos 322.417 11,98%
TOTAL SEÇÕES 5.388
ELEITORADO 1.730.022
ABSTENÇÃO 384.833 22,24%

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 101


PARÁ
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 1.070.416 42,27% 1.317.472 52,65%
45 José Serra PSDB 673.488 26,60% 1.184.624 47,35%
40 Garotinho PSB 510.470 20,16%
23 Ciro PPS 269.687 10,65%
16 Zé Maria PSTU 7.584 0,30%
29 Rui Costa Pimenta PCO 496 0,02%
TOTAL VOTOS 2.776.995 2.588.852
Votos Válidos 2.532.141 91,18% 2.502.096 96,65%
Pendentes 217 0,01% 0 0,00%
Brancos 53.119 1,91% 24.766 0,96%
Nulos 191.518 6,90% 61.990 2,39%
TOTAL SEÇÕES 11.180 11.180
ELEITORADO 3.569.333 3.569.333
ABSTENÇÃO 792.338 22,20% 980.481 27,47%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
45 Jatene PSDB 863.780 34,49% 1.291.082 51,72%
13 Maria do Carmo PT 725.473 28,97% 1.205.229 48,28%
40 Ademir Andrade PSB 626.632 25,02%
14 Hildegardo Nunes PTB 243.332 9,72%
15 Rubens Britto PMDB 41.805 1,67%
16 Claiton PSTU 3.346 0,13%
36 Abdon PTC 0 0,00%
DOCUMENTO

TOTAL VOTOS 2.776.995 2.588.852


ANEXOS

Votos Válidos 2.504.368 90,18% 2.496.311 96,43%


Pendentes 217 0,01% 0 0,00%
5

Brancos 66.575 2,40% 23.930 0,92%


Nulos 205.835 7,41% 68.611 2,65%
TOTAL SEÇÕES 11.180 11.180
ELEITORADO 3.569.333 3.569.333
ABSTENÇÃO 792.338 22,20% 980.481 27,47%

1o Turno
Senador Votação %
131 ANA JÚLIA DE VASCONCELOS CAREPA PT 1097061 39,51%
411 DUCIOMAR GOMES DA COSTA PSD 1041516 37,51%
111 GERSON DOS SANTOS PERES PPB 863388 31,09%
123 RAIMUNDO PINHEIRO DOS SANTOS PDT 20480 0,74%
141 SAHID XERFAN PTB 114466 4,12%
151 ELCIONE THEREZINHA ZAHLUTH BARBALHO PMDB 962496 34,66%
152 AURELIO CORREA DO CARMO PMDB 97606 3,51%
161 JOÃO ORLANDO GALENO AMARAL PSTU 3419 0,12%
162 RAIMUNDO WANDERLEY CORREIA PADILHA PSTU 2391 0,09%
177 RAUL BATISTA DE SOUZA PSL 181356 6,53%
231 TELMA DE CARVALHO LOBO PPS 15144 0,55%
401 ISABEL MARIA BRITO PIMENTEL PSB 21312 0,77%
654 NEUTON MIRANDA SOBRINHO PCdoB 314943 11,34%
TOTAL VOTOS 5.553.990
Votos Válidos 4.735.578 85,26%
Pendentes 434 0,01%
Brancos 226.242 4,07%
Nulos 591.736 10,65%
TOTAL SEÇÕES 11.180
ELEITORADO 3.569.333
ABSTENÇÃO 792.338 22,20%

102 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


PARAÍBA
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 754.329 47,77% 984.944 57,02%
45 José Serra PSDB 466.346 29,53% 742.486 42,98%
40 Garotinho PSB 215.207 13,63%
23 Ciro PPS 138.789 8,79%
16 Zé Maria PSTU 3.863 0,24%
29 Rui Costa Pimenta PCO 666 0,04%
TOTAL VOTOS 1.905.508 1.894.314
Votos Válidos 1.579.200 82,88% 1.727.430 91,19%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 83.551 4,38% 38.138 2,01%
Nulos 242.757 12,74% 128.746 6,80%
TOTAL SEÇÕES 7.659 7.659
ELEITORADO 2.322.068 2.322.068
ABSTENÇÃO 416.560 17.94% 427.754 18,42%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
45 Cássio Cunha Lima PSDB 752.297 47,20% 889.922 51,35%
15 Roberto Paulino PMDB 637.239 39,98% 843.127 48,65%
13 Avenzoar PT 200.362 12,57%
16 Alexandre Arruda PSTU 1.632 0,10%
29 Lourdes Sarmento PCO 1.434 0,09%
30 Professora Maria José PGT 844 0,05%

DOCUMENTO
ANEXOS
TOTAL VOTOS 1.905.508 1.894.314
Votos Válidos 1.593.808 83,64% 1.733.049 91,49%

5
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 98.779 5,18% 30.474 1,61%
Nulos 212.921 11,17 130.791 6,90%
TOTAL SEÇÕES 7.659 7.659
ELEITORADO 2.322.068 2.322.068
ABSTENÇÃO 416.560 17,94% 427.754 18,42%

1º Turno
Senador Votação %
151 JOSE TARGINO MARANHÃO PMDB 831083 43,61%
251 EFRAIM DE ARAÚJO MORAIS PFL 594191 31,18%
152 TARCÍSIO DE MIRANDA BURITI PMDB 510734 26,80%
161 TANIA MARIA DE OLIVEIRA BRITO PSTU 6543 0,34%
203 ANA LÍGIA COSTA FELICIANO PSC 169895 8,92%
231 HERMANO NEPOMUCENO ARAUJO PPS 14576 0,76%
252 WILSON LEITE BRAGA PFL 591390 31,04%
299 JOSEILSON FREITAS MOURA PCO 2061 0,11%
400 ANTONIO BARBOSA DA SILVA PSB 60290 3,16%
654 SIMÃO DE ALMEIDA NETO PC do B 113405 5,95%
TOTAL VOTOS 3.811.016
Votos Válidos 2.894.168 75,94%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 310.439 8,15%
Nulos 606.409 15,91%
TOTAL SEÇÕES 7.659
ELEITORADO 2.322.068
ABSTENÇÃO 416.560 17,94%

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 103


PERNAMBUCO
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 1.657.476 46,44% 2.198.673 57,07%
45 José Serra PSDB 1.015.496 28,45% 1.654.132 42,93%
40 Garotinho PSB 651.445 18,25%
23 Ciro PPS 235.145 6,59%
16 Zé Maria PSTU 8.838 0,25%
29 Rui Costa Pimenta PCO 922 0,03%
TOTAL VOTOS 4.246.228 4.095.848
Votos Válidos 3.569.322 84,06% 3.852.805 94,07%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 222.637 5,24% 91.291 2,23%
Nulos 454.269 10,70% 151.752 3,71%
TOTAL SEÇÕES 15.723 15.723
ELEITORADO 5.396.667 5.396.667
ABSTENÇÃO 1.150.439 21,32% 1.300.819 24,10%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
15 Jarbas Vasconcelos PMDB 2.064.184 60,42%
13 Humberto PT 1.165.531 34,11%
40 Dilton da Conti PSB 128.814 3,77%
12 Ilo Jorge PDT 36.952 1,08%
16 Ana Lins PSTU 6.547 0,19%
26 Coronel Rui PAN 6.487 0,19%
36 Flávio Lapenda PTC 5.449 0,16%
DOCUMENTO

29 Maurilio PCO 1.415 0,04%


ANEXOS

30 José Carlos PGT 1.271 0,04%


TOTAL VOTOS 4.246.228 0
5

Votos Válidos 3.416.650 80,46%


Pendentes 0 0,00%
Brancos 316.315 7,45%
Nulos 513.263 12,09
TOTAL SEÇÕES 15.723
ELEITORADO 5.396.667
ABSTENÇÃO 1.150.439 21,32%

1º Turno
Senador Votação %
256 MARCO ANTONIO DE OLIVEIRA MACIEL PFL 1799895 42,39%
456 SEVERINO SÉRGIO ESTELITA GUERRA PSDB 1675779 39,47%
131 DILSON DE MOURA PEIXOTO FILHO PT 1112647 26,20%
141 CARLOS WILSON ROCHA DE QUEIROZ CAMPOS PTB 1330451 31,33%
161 KATIA MARIA DA SILVA TELLES PSTU 17234 0,41%
162 JOSÉ CARLOS PANTALEÃO DA SILVA PSTU 10369 0,24%
232 NELSON BORGES GONÇALVES PPS 24284 0,57%
261 OCIDIR POTES VALE PAN 4112 0,10%
262 SAMUEL MARCELINO DA SILVA PAN 3220 0,08%
299 MARYTZ MENDES BARROS PCO 1647 0,04%
300 MILSON XAVIER DE CARVALHO PGT 3244 0,08%
400 JOÃO DE ANDRADE ARRAES PSB 239197 5,63%
TOTAL VOTOS 8.492.456
Votos Válidos 6.222.079 73,27%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 1.008.554 11,88%
Nulos 1.261.823 14,86%
TOTAL SEÇÕES 15.723
ELEITORADO 5.396.667
ABSTENÇÃO 1.150.439 21,32%

104 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


PIAUÍ
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 616.157 46,85% 825.257 60,73%
45 José Serra PSDB 358.986 27,29% 533.603 39,27%
40 Garotinho PSB 196.157 14,91%
23 Ciro PPS 141.624 10,77%
16 Zé Maria PSTU 1.937 0,15%
29 Rui Costa Pimenta PCO 424 0,03%
TOTAL VOTOS 1.556.642 1.441.895
Votos Válidos 1.315.285 84,50% 1.358.860 94,24%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 40.385 2,59% 17.814 1,24%
Nulos 200.972 12,91% 65.221 4,52%
TOTAL SEÇÕES 6.332 6.332
ELEITORADO 1.848.292 1.848.292
ABSTENÇÃO 291.650 15,78% 406.397 21,99%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
13 Wellington Dias PT 688.278 50,96%
25 Hugo PFL 595.200 44,06%
15 Jonatas PMDB 41.881 3,10%
23 Acilino Ribeiro PPS 11.900 0,88%
40 Joaquim Saraiva PSB 9.616 0,71%
43 Judson PV 1.836 0,14%

DOCUMENTO
17 Capitão Avelar PSL 1.038 0,08%

ANEXOS
16 Geraldo Carvalho PSTU 986 0,07%
TOTAL VOTOS 1.556.642 0

5
Votos Válidos 1.350.735 86,77%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 40.827 2,62%
Nulos 165.080 10,60%
TOTAL SEÇÕES 6.332
ELEITORADO 1.848.292
ABSTENÇÃO 291.650 15,78%

1º Turno
Senador Votação %
151 FRANCISCO DE ASSIS DE MORAES SOUZA PMDB 664600 42,69%
251 HERACLITO DE SOUSA FORTES PFL 671076 43,11%
123 PEDRO LAURENTINO REIS PEREIRA PDT 44463 2,86%
131 ROBERTO JOHN GONÇALVES DA SILVA PT 433517 27,85%
152 CARLOS ALBERTO DE MELO LOBO PMDB 42792 2,75%
166 JOÃO GERVASIO DOS SANTOS NETO PSTU 4488 0,29%
300 JEFERSON LEITE FERREIRA PGT 3661 0,24%
331 FRANCISCO BARBOSA DE MACEDO PMN 44887 2,88%
400 LUIZ CARLOS DE OLIVEIRA SILVA PSB 6465 0,42%
432 ROBESPIERRE PEREIRA BASTOS PV 6784 0,44%
456 ANTONIO DE ALMENDRA FREITAS NETO PSDB 559786 35,96%
TOTAL VOTOS 3.113.284
Votos Válidos 2.482.519 79,74%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 171.988 5,52%
Nulos 458.777 14,74%
TOTAL SEÇÕES 6.332
ELEITORADO 1.848.292
ABSTENÇÃO 291.650 15,78%

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 105


PARANÁ
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 2.540.328 50,13% 2.929.427 59,22%
45 José Serra PSDB 1.367.384 26,98% 2.017.198 40,78%
40 Garotinho PSB 722.438 14,16%
23 Ciro PPS 409.135 8,07%
16 Zé Maria PSTU 25.900 0,51%
29 Rui Costa Pimenta PCO 2.044 0,04%
TOTAL VOTOS 5.585.348 5.428.354
Votos Válidos 5.067.229 90,72% 4.946.625 91,13%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 156.028 2,79% 111.205 2,05%
Nulos 362.091 6,48% 370.524 6,83%
TOTAL SEÇÕES 21.778 21.778
ELEITORADO 6.663.381 6.663.381
ABSTENÇÃO 1.078.033 16,18% 1.235.027 18,53%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
12 Alvaro Dias PDT 1.616.047 31,40% 2.180.922 44,85%
15 Roberto Requião PMDB 1.347.353 26,18% 2.681.811 55,15%
45 Beto Richa PSDB 888.837 17,27%
13 Padre Roque Zimmermann PT 842.399 16,37%
23 Rubens Bueno PPS 362.464 7,04%
40 Severino PSB 47.903 0,93%
20 Giovani Gionedis PSC 26.567 0,52%
16 Professor Figueiredo PSTU 5.517 0,11%
41 Cirus Itibere da Cunha PSD 3.351 0,07%
28 Jamil Nakad PRTB 2.869 0,06%
56 Bispo PRONA 1.814 0,04%
DOCUMENTO

36 Abrahão Junior PTC 1.495 0,03%


ANEXOS

TOTAL VOTOS 5.585.348 5.428.354


Votos Válidos 5.146.616 92,14% 4.862.733 89,58%
5

Pendentes 0 0,00% 0 0,00%


Brancos 219.555 3,93% 133.032 2,45%
Nulos 219.177 3,92 432.589 7,97%
TOTAL SEÇÕES 21.778 21.778
ELEITORADO 6.663.381 6.663.381
ABSTENÇÃO 1.078.033 16,18% 1.235.027 18,53%

1º Turno
Senador Votação %
123 OSMAR FERNANDES DIAS PDT 2776368 49,71%
133 FLÁVIO JOSÉ ARNS PT 1995730 35,73%
111 ANTONIO CELSO GARCIA PPB 666227 11,93%
131 EDÉSIO FRANCO PASSOS PT 958962 17,17%
151 PAULO CRUZ PIMENTEL PMDB 1091822 19,55%
161 JULIO CEZAR DE JESUS PSTU 6381 0,11%
200 NELY LIDIA VALENTE DE ALMEIDA PSC 56602 1,01%
231 AFFONSO ANTONIUK PPS 56924 1,02%
252 LUCIANO PIZZATTO PFL 899998 16,11%
270 ANTONIO PROCOPIAK NETO PSDC 11880 0,21%
288 ABEL DE SOUZA MORANGUEIRA PRTB 9205 0,16%
361 ROGÉRIO MIRANDA DE MELLO PTC 1376 0,02%
401 RALPH DURVAL MOREIRA DE SOUZA PSB 19516 0,35%
414 ARISTIDES MOSSAMBANI PSD 8368 0,15%
430 EDA MARIA SLOMP PV 24393 0,44%
452 NITIS JACON DE ARAUJO MOREIRA PSDB 648828 11,62%
560 EVERALDO SILVA PRONA 3330 0,06%
TOTAL VOTOS 11.170.024
Votos Válidos 9.235.354 82,68%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 859.387 7,69%
Nulos 1.075.283 9,63%
TOTAL SEÇÕES 21.778
ELEITORADO 6.663.381
ABSTENÇÃO 1.078.369 16,18%

106 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


RIO DE JANEIRO
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 3.284.258 40,17% 6.318.104 78,97%
45 José Serra PSDB 721.081 8,82% 1.682.472 21,03%
40 Garotinho PSB 3.449.001 42,18%
23 Ciro PPS 657.725 8,04%
16 Zé Maria PSTU 59.244 0,72%
29 Rui Costa Pimenta PCO 4.696 0,06%
TOTAL VOTOS 8.713.783 8.482.533
Votos Válidos 8.176.005 93,83% 8.000.576 94,32%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 160.845 1,85% 158.230 1,87%
Nulos 376.933 4,33% 323.727 3,82%
TOTAL SEÇÕES 26.924 26.924
ELEITORADO 10.213.518 10.213.518
ABSTENÇÃO 1.499.735 14,68% 1.730.985 16,95%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
40 Rosinha Garotinho PSB 4.101.423 51,30%
13 Benedita da Silva PT 1.954.379 24,45%
12 Jorge Roberto Silveira PDT 1.141.060 14,27%
25 Solange Amaral PFL 726.327 9,09%
16 Cyro Garcia PSTU 27.757 0,35%
43 Aspásia PV 20.405 0,26%
56 Antonio Piedade PRONA 12.719 0,16%

DOCUMENTO
26 Gezilda da Silva Nazario PAN 8.100 0,10%

ANEXOS
29 Paulo Sergio PCO 2.284 0,03%
TOTAL VOTOS 8.713.783 0

5
Votos Válidos 7.994.454 91,74%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 218.490 2,51%
Nulos 500.839 5,75%
TOTAL SEÇÕES 26.924
ELEITORADO 10.213.518
ABSTENÇÃO 1.499.735 14,68%

1º Turno
Senador Votação %
155 SERGIO DE OLIVEIRA CABRAL SANTOS FILHO PMDB 4187286 48,05%
222 MARCELO BEZERRA CRIVELLA PL 3243289 37,22%
111 MANOEL FERREIRA PPB 1782219 20,45%
122 LEONEL DE MOURA BRIZOLA PDT 1237488 14,20%
123 CARLOS ROBERTO LUPI PDT 182482 2,09%
131 EDSON SANTOS DE SOUZA PT 1766988 20,28%
161 FLORINDA MOREIRA LOMBARDI PSTU 17683 0,20%
162 OCTACILIO PEREIRA RAMALHO PSTU 6038 0,07%
191 PAULO ROBERTO DE MELLO SANTORO PTN 15370 0,18%
213 LUIS FERNANDO DE OLIVEIRA GUTMAN PCB 79216 0,91%
223 LILIAM SA DE PAULA PL 306099 3,51%
262 ULISSES MARTINS PAN 9197 0,11%
281 JÂNIO CARLOS ALMEIDA DE CARVALHO PRTB 5676 0,07%
282 CARLOS ALBERTO PEREIRA MARQUES PRTB 2000 0,02%
311 JOVELINO RIBEIRO PHS 8615 0,10%
431 WILLY ORTIZ DE OLIVEIRA PV 27309 0,31%
456 PAULO ALBERTO ARTUR DA TAVOLA MORETZSOHN MONTEIRO DE BARROS PSDB 1730722 19,86%
561 MARCILIO ALEXANDRE QUARESMA DE OLIVEIRA PRONA 19014 0,22%
656 FERNANDO PAULO FIGUEIREDO BUARQUE DE GUSMÃO PC do B 394630 4,53%
701 JOAO MIGUEL LIMA ESTEPHANIO PT do B 14808 0,17%
TOTAL VOTOS 17.427.566
Votos Válidos 15.036.129 86,28%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 813.370 4,67%
Nulos 1.578.067 9,06%
TOTAL SEÇÕES 26.924
ELEITORADO 10.213.518
ABSTENÇÃO 1.499.735 14,68%

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 107


RIO GRANDE DO NORTE
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 581.544 43,68% 781.947 58,64%
45 José Serra PSDB 296.856 22,30% 551.628 41,36%
40 Garotinho PSB 229.896 17,27%
23 Ciro PPS 218.880 16,44%
16 Zé Maria PSTU 3.720 0,28%
29 Rui Costa Pimenta PCO 514 0,04%
TOTAL VOTOS 1.579.867 1.520.599
Votos Válidos 1.331.410 84,27% 1.333.575 87,70%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 59.322 3,75% 37.591 2,47%
Nulos 189.135 11,97% 149.433 9,83%
TOTAL SEÇÕES 5.758 5.758
ELEITORADO 1.917.382 1.917.382
ABSTENÇÃO 337.515 17,60% 396.783 20,69%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
40 Vilma PSB 492.756 37,59% 820.541 61,05%
11 Fernando Freire PPB 404.865 30,89% 523.614 38,95%
14 Fernando Bezerra PTB 261.225 19,93%
13 Ruy PT 147.380 11,24%
16 Sônia Godeiro PSTU 2.392 0,18%
20 Marconio Cruz PSC 1.498 0,11%
DOCUMENTO

27 Roberto Ronconi PSDC 614 0,05%


ANEXOS

12 Ronald Gois PDT 0 0,00%


TOTAL VOTOS 1.579.867 1.520.599
5

Votos Válidos 1.310.730 82,96% 1.344.155 88,40%


Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 65.661 4,16% 30.131 1,98%
Nulos 203.476 12,88% 146.313 9,62%
TOTAL SEÇÕES 5.758 5.758
ELEITORADO 1.917.382 1.917.382
ABSTENÇÃO 337.515 17,60% 396.783 20,69%

1º Turno
Senador Votação %
154 GARIBALDI ALVES FILHO PMDB 714363 45,22%
252 JOSÉ AGRIPINO MAIA PFL 594912 37,66%
131 HUGO MANSO JUNIOR PT 217911 13,79%
133 JOSE MARCELO DE SOUZA PT 118438 7,50%
161 ANA CÉLIA SIQUEIRA FERREIRA PSTU 4684 0,30%
162 FERNANDO ANTONIO SOARES DOS SANTOS PSTU 2341 0,15%
253 AUGUSTO CARLOS GARCIA DE VIVEIROS PFL 221147 14,00%
404 ISMAEL WANDERLEY GOMES FILHO PSB 68480 4,33%
444 MAURICIO PEREIRA DANTAS PRP 6697 0,42%
456 GERALDO JOSÉ DA CÂMARA FERREIRA DE MELO PSDB 479723 30,36%
TOTAL VOTOS 3.159.734
Votos Válidos 2.428.696 76,86%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 224.374 7,10%
Nulos 506.664 16,04%
TOTAL SEÇÕES 5.758
ELEITORADO 1.917.382
ABSTENÇÃO 337.515 17,60%

108 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


RONDÔNIA
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 283.279 45,04% 334.264 55,58%
45 José Serra PSDB 128.000 20,35% 267.320 44,45%
40 Garotinho PSB 154.074 24,50%
23 Ciro PPS 60.663 9,64%
16 Zé Maria PSTU 2.785 0,44%
29 Rui Costa Pimenta PCO 170 0,03%
TOTAL VOTOS 693.456 641.443
Votos Válidos 628.971 90,70% 601.584 93,78%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 14.473 2,09% 10.830 1,68%
Nulos 50.012 7,21% 29.029 4,52%
TOTAL SEÇÕES 2.568 2.568
ELEITORADO 882.545 882.545
ABSTENÇÃO 189.089 21,43% 241.102 27,25%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
45 Ivo Cassol PSDB 184.085 29,62% 347.922 59,07%
25 Bianco PFL 125.739 20,23% 241.119 40,93%
12 Acir Gurgacz PDT 105.000 16,89%
40 Dr. Mauro Nazif PSB 96.758 15,57%
28 Amorim PRTB 65.235 10,50%
11 Natanael PPB 43.787 7,05%
56 Edgar Azevedo PRONA 895 0,14%
TOTAL VOTOS 693.456 641.174
Votos Válidos 621.499 89,62% 589.041 91,87%

DOCUMENTO
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%

ANEXOS
Brancos 16.697 2,41% 10.495 1,64%
Nulos 55.260 7,97% 41.638 6,49%

5
TOTAL SEÇÕES 2.568 2.568
ELEITORADO 882.545 882.545
ABSTENÇÃO 189.089 21,43% 241.371 27,35%

1º Turno
Senador Votação %
133 FÁTIMA CLEIDE RODRIGUES DA SILVA PT 233365 33,65%
151 VALDIR RAUPP DE MATOS PMDB 210413 30,34%
111 OSWALDO PIANA FILHO PPB 9958 1,44%
123 EURIPEDES MIRANDA BOTELHO PDT 113331 16,34%
141 ODACIR SOARES RODRIGUES PTB 85922 12,39%
177 SILVANA MOTA DAVIS LOURENÇO PSL 99531 14,35%
199 JOAQUIM CLEMENTINO NETO PTN 1755 0,25%
252 RUBENS MOREIRA MENDES FILHO PFL 172504 24,88%
280 SILVIO RODRIGUES PERSIVO PRTB 2116 0,31%
300 RUBENS COUTINHO DOS SANTOS PGT 3979 0,57%
314 MARCIO NORBERTO DE CASTRO PHS 3040 0,44%
404 ANTONIO JORGE DOS SANTOS PSB 5264 0,76%
451 EXPEDITO GONÇALVES FERREIRA JUNIOR PSDB 185143 26,70%
452 FRANCISCO LUIZ SARTORI PSDB 40769 5,88%
561 FIORELO EDVARD MANOEL AZEVEDO PRONA 485 0,07%
650 NASCIMENTO ANTONIO DA SILVA PC do B 3368 0,49%
TOTAL VOTOS 1.386.912
Votos Válidos 1.170.943 84,43%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 65.936 4,75%
Nulos 150.033 10,82%
TOTAL SEÇÕES 2.568
ELEITORADO 882.545
ABSTENÇÃO 189.089 21,43%

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 109


RORAIMA
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 71.952 44,97% 104.087 65,55%
45 José Serra PSDB 19.195 12,00% 54.692 34,45%
40 Garotinho PSB 39.974 24,98%
23 Ciro PPS 28.063 17,54%
16 Zé Maria PSTU 693 0,43%
29 Rui Costa Pimenta PCO 140 0,09%
TOTAL VOTOS 175.211 170.766
Votos Válidos 160.017 91,33% 158.779 92,98%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 1.944 1,11% 2.564 1,50%
Nulos 13.250 7,56% 9.423 5,52%
TOTAL SEÇÕES 588 588
ELEITORADO 208.524 208.524
ABSTENÇÃO 33.313 15,98% 37.758 18,11%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
14 Ottomar Pinto PTB 76.358 49,25% 75.675 46,51%
17 Flamarion PSL 75.435 48,65% 87.036 53,49%
30 Dr. Petrônio PGT 2.349 1,52%
29 Leopoldo Junior PCO 512 0,33%
28 Carlos Levischi PRTB 388 0,25%
TOTAL VOTOS 175.211 170.766
Votos Válidos 155.042 88,49% 162.711 95,28%
DOCUMENTO

Pendentes 0 0,00% 0 0,00%


ANEXOS

Brancos 1.723 0,98% 849 0,50%


Nulos 18.446 10,53% 7.206 4,22%
5

TOTAL SEÇÕES 588 588


ELEITORADO 208.524 208.524
ABSTENÇÃO 33.313 15,98% 37.758 81,89%

1º Turno
Senador Votação %
121 AUGUSTO AFFONSO BOTELHO NETO PDT 77635 44,31%
456 ROMERO JUCÁ FILHO PSDB 94679 54,04%
133 GETÚLIO ALBERTO DE SOUZA CRUZ PT 31672 18,08%
151 MARIA MARLUCE MOREIRA PINTO PMDB 56296 32,13%
222 FRANCISCO ELAIR DE MORAIS PL 6000 3,42%
251 NEUDO RIBEIRO CAMPOS PFL 33382 19,05%
291 FRANCISCO FERNANDES MONTEIRO PCO 574 0,33%
401 JOSUÉ DOS SANTOS FILHO PSB 1443 0,82%
411 ELI DE ALMEIDA OLIVEIRA PSD 3352 1,91%
445 JOÃO SALAZAR DE OLIVEIRA PRP 1212 0,69%
566 HELY DE DEUS LIMA FERREIRA PRONA 888 0,51%
TOTAL VOTOS 350.422
Votos Válidos 307.133 87,65%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 9.573 2,73%
Nulos 33.716 9,62%
TOTAL SEÇÕES 588
ELEITORADO 208.524
ABSTENÇÃO 33.313 15,98%

110 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


RIO GRANDE DO SUL
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 2.667.451 45,18% 3.297.354 55,84%
45 José Serra PSDB 1.913.186 32,41% 2.608.109 44,16%
40 Garotinho PSB 709.904 12,02%
23 Ciro PPS 588.560 9,97%
16 Zé Maria PSTU 21.930 0,37%
29 Rui Costa Pimenta PCO 2.729 0,05%
TOTAL VOTOS 6.396.989 6.278.208
Votos Válidos 5.903.760 92,29% 5.905.463 94,06%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 204.935 3,20% 137.931 2,20%
Nulos 288.294 4,51% 234.814 3,74%
TOTAL SEÇÕES 23.515 23.515
ELEITORADO 7.352.139 7.352.139
ABSTENÇÃO 955.150 12,99% 1.073.931 14,61%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
15 Rigotto PMDB 2.426.880 41,17% 3.148.788 52,67%
13 Tarso Genro PT 2.196.134 37,25% 2.829.527 47,33%
23 Antonio Britto PPS 725.741 12,31%
11 Bernardi PPB 367.328 6,23%
22 Capitão Medina PL 94.948 1,61%
40 Caleb de Oliveira PSB 59.820 1,01%
16 Julio Flores PSTU 7.027 0,12%
43 José Vilhena PV 6.232 0,11%
20 Carlos Schneider PSC 4.703 0,08%
56 Luiz Carlos Olinto Martins PRONA 4.089 0,07%
29 Oscar PCO 1.429 0,02%
19 Luiz Carlos Prates PTN 1.113 0,02%

DOCUMENTO
ANEXOS
TOTAL VOTOS 6.396.989 6.278.208
Votos Válidos 5.895.444 92,16% 5.978.315 95,22%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%

5
Brancos 240.865 3,77% 105.764 1,68%
Nulos 260.680 4,08% 194.129 3,09%
TOTAL SEÇÕES 23.515 23.515
ELEITORADO 7.352.139 7.352.139
ABSTENÇÃO 955.150 12,99% 6.278.208 85,39%

1º Turno
Senador Votação %
131 PAULO RENATO PAIM PT 2102904 32,87%
144 SÉRGIO PEDRO ZAMBIASI PTB 2902120 45,37%
111 JOSÉ HUGO MARDINI PPB 395095 6,18%
123 JOÃO BOSCO GRANATO VAZ PDT 194718 3,04%
133 EMILIA THEREZINHA XAVIER FERNANDES PT 2018438 31,55%
151 ODACIR KLEIN PMDB 723707 11,31%
161 PAULO ARLETES RIOS BARELA PSTU 7483 0,12%
162 OTAVIO GONÇALVES RÖHRIG PSTU 4426 0,07%
200 ÁGIS CARAÍBA DOS SANTOS PSC 3307 0,05%
222 VALDIR CAETANO DA SILVA PL 213218 3,33%
231 JOSÉ ALBERTO FOGAÇA DE MEDEIROS PPS 1812767 28,34%
290 LUIS GUILHERME TARRAGO GIORDANO PCO 1137 0,02%
401 MARCOS ALEXANDRE CITTOLIN PSB 62481 0,98%
430 RONER ANDERSON FAGUNDES GONÇALVES PV 7137 0,11%
434 PAULO RENATO SCHMITT CARDOSO PV 10610 0,17%
456 VICENTE JOAQUIM BOGO PSDB 549965 8,60%
565 MARISA AMARAL MEDEIROS DA SILVA PRONA 15790 0,25%
TOTAL VOTOS 12.793.376
Votos Válidos 11.024.747 86,18%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 866.059 6,77%
Nulos 902.570 7,06%
TOTAL SEÇÕES 23.515
ELEITORADO 7.352.139
ABSTENÇÃO 955.451 13,00%

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 111


SANTA CATARINA
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 1.719.739 56,60% 1.914.684 64,14%
45 José Serra PSDB 707.239 23,28% 1.070.502 35,86%
40 Garotinho PSB 373.683 12,30%
23 Ciro PPS 217.695 7,16%
16 Zé Maria PSTU 18.678 0,61%
29 Rui Costa Pimenta PCO 1.423 0,05%
TOTAL VOTOS 3.301.569 3.238.941
Votos Válidos 3.038.457 92,03% 2.985.186 92,17%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 80.032 2,42% 59.175 1,83%
Nulos 183.080 5,55% 194.580 6,01%
TOTAL SEÇÕES 11.920 11.920
ELEITORADO 3.817.974 3.817.974
ABSTENÇÃO 516.405 13,53% 579.033 15,17%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
11 Esperidião Amin PPB 1.217.059 39,86% 1.491.723 49,66%
15 Luiz Henrique da Silveira PMDB 918.615 30,08% 1.512.447 50,34%
13 Fritsch PT 834.385 27,33%
40 Bello PSB 48.036 1,57%
23 Sérgio Grando PPS 31.323 1,03%
16 Gilmar Salgado PSTU 4.136 0,14%
TOTAL VOTOS 3.301.569 3.238.941
DOCUMENTO

Votos Válidos 3.053.554 92,49% 3.004.170 92,75%


ANEXOS

Pendentes 0 0,00% 0 0,00%


5

Brancos 101.981 3,09% 45.100 1,39%


Nulos 146.034 4,42% 189.671 5,86%
TOTAL SEÇÕES 11.920 11.920
ELEITORADO 3.817.974 3.817.974
ABSTENÇÃO 516.405 13,53% 579.033 15,17%

1º Turno
Senador Votação %
130 IDELI SALVATTI PT 1054304 31,93%
456 LEONEL ARCANGELO PAVAN PSDB 973401 29,48%
111 HUGO MATIAS BIEHL PPB 958629 29,04%
131 MILTON MENDES DE OLIVEIRA PT 881024 26,69%
151 CASILDO JOÃO MALDANER PMDB 709033 21,48%
161 CARLOS ROGÉRIO MÜLLER PSTU 6589 0,20%
162 VIVIANI BLEYER REMOR PSTU 8438 0,26%
234 ELISIANI SCHMIDT SANCHES PPS 12283 0,37%
252 PAULO ROBERTO BARRETO BORNHAUSEN PFL 892480 27,03%
411 EVALDINO LEITE PSD 94745 2,87%
432 GERSON ANTONIO BASSO PV 14044 0,43%
TOTAL VOTOS 6.603.138
Votos Válidos 5.604.970 84,88%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 454.945 6,89%
Nulos 543.223 8,23%
TOTAL SEÇÕES 11.920
ELEITORADO 3.817.974
ABSTENÇÃO 516.405 13,53%

112 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


SERGIPE
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 357.557 44,27% 490.989 57,50%
45 José Serra PSDB 160.348 19,85% 362.923 42,50%
40 Garotinho PSB 151.155 18,72%
23 Ciro PPS 133.887 16,58%
16 Zé Maria PSTU 4.324 0,54%
29 Rui Costa Pimenta PCO 360 0,04%
TOTAL VOTOS 949.189 945.260
Votos Válidos 807.631 85,09% 853.912 90,34%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 37.003 3,90% 20.240 2,14%
Nulos 104.555 11,02% 71.108 7,52%
TOTAL SEÇÕES 3.450 3.450
ELEITORADO 1.147.933 1.147.933
ABSTENÇÃO 198.744 17,31% 202.673 17,66%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
25 João Alves PFL 343.286 43,63% 481.465 55,00%
13 Ze Eduardo PT 223.699 28,43% 393.970 45,00%
19 Francisco Rollemberg PTN 202.453 25,73%
30 Nilo Metalúrgico de Muribeca PGT 8.057 1,02%
26 Adelmo Macedo PAN 3.587 0,46%
44 Promotor Antonio Carlos PRP 3.368 0,43%
16 Heitor PSTU 2.369 0,30%

DOCUMENTO
TOTAL VOTOS 949.189 945.260

ANEXOS
Votos Válidos 786.819 82,89% 875.435 92,61%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%

5
Brancos 39.488 4,16% 15.273 1,62%
Nulos 122.882 12,95% 54.552 5,77%
TOTAL SEÇÕES 3.450 3.450
ELEITORADO 1.147.933 1.147.933
ABSTENÇÃO 198.744 17,31% 202.673 17,66%

1º Turno
Senador Votação %
123 JOSÉ ALMEIDA LIMA PDT 307326 32,38%
404 ANTONIO CARLOS VALADARES PSB 324670 34,20%
141 JERONIMO DE OLIVEIRA REIS PTB 190669 20,09%
150 BENEDITO DE FIGUEIREDO PMDB 135341 14,26%
161 DALVACIR AZEVEDO DE GOIS PSTU 8911 0,94%
266 JOSÉ AÉLIO DE ARGÔLO PAN 41501 4,37%
267 GENIVALDO MONTEIRO SANTOS PAN 3355 0,35%
282 RAFAEL DE PAULA FARIA PRTB 714 0,08%
301 JOSÉ ANTONIO DE LIMA PGT 7124 0,75%
302 JOSÉ SOARES PINTO PGT 3391 0,36%
333 JOÃO AUGUSTO GAMA DA SILVA PMN 192505 20,28%
444 JOSÉ RENATO LIMA SAMPAIO PRP 75359 7,94%
456 IVAN SANTOS LEITE PSDB 193095 20,34%
TOTAL VOTOS 1.898.378
Votos Válidos 1.483.961 78,17%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 142.579 7,51%
Nulos 271.838 14,32%
TOTAL SEÇÕES 3.450
ELEITORADO 1.147.933
ABSTENÇÃO 198.744 17,31%

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 113


SÃO PAULO
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 9.106.914 46,11% 11.264.282 55,39%
45 José Serra PSDB 5.633.365 28,52% 9.073.187 44,61%
40 Garotinho PSB 2.781.712 14,09%
23 Ciro PPS 2.087.617 10,57%
16 Zé Maria PSTU 130.981 0,66%
29 Rui Costa Pimenta PCO 8.814 0,04%
TOTAL VOTOS 21.568.214 21.493.289
Votos Válidos 19.749.403 91,57% 20.337.469 94,62%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 717.220 3,33% 448.562 2,09%
Nulos 1.101.591 5,11% 707.258 3,29%
TOTAL SEÇÕES 49.422 49.422
ELEITORADO 25.655.553 25.655.553
ABSTENÇÃO 4.087.339 15,93% 4.162.264 16,22%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
45 Geraldo Alckmin PSDB 7.505.486 38,28% 12.008.819 58,64%
13 Genoíno PT 6.361.747 32,45% 8.470.863 41,36%
11 Paulo Maluf PPB 4.190.706 21,37%
30 Carlos Apolinario PGT 703.858 3,59%
15 Lamatine Posella PMDB 259.317 1,32%
40 Carlos Roberto Pittoli PSB 216.369 1,10%
14 Cabrera PTB 200.839 1,02%
43 Pinheiro Pedro PV 52.068 0,27%
56 Robson Malek PRONA 38.545 0,20%
16 Dirceu Travesso PSTU 35.556 0,18%
36 Ciro Moura PTC 17.854 0,09%
28 Lavy Fidelix PRTB 8.654 0,04%
17 Roberto Siqueira PSL 7.648 0,04%
29 Anai PCO 4.634 0,02%
26 Osmar Lins PAN 3.418 0,02%
DOCUMENTO

TOTAL VOTOS 21.568.214 21.493.289


ANEXOS

Votos Válidos 19.606.699 90,91% 20.479.682 95,28%


Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
5

Brancos 892.383 4,14% 366.408 1,70%


Nulos 1.069.132 4,96% 647.199 3,01%
TOTAL SEÇÕES 49.422 49.422
ELEITORADO 25.655.553 25.655.553
ABSTENÇÃO 4.087.339 15,93% 4.162.264 16,22%

1º Turno
Senador Votação %
131 ALOIZIO MERCADANTE OLIVA PT 10497348 48,67%
252 ROMEU TUMA PFL 7281876 33,76%
111 ANTONIO HENRIQUE BITENCOURT CUNHA BUENO PPB 1794415 8,32%
123 ELISEU GABRIEL DE PIERI PDT 259142 1,20%
147 WILLIANS RAFAEL DA SILVA PTB 149606 0,69%
151 ORESTES QUERCIA PMDB 5552875 25,75%
152 FLORIANO LEANDRINI PMDB 72909 0,34%
161 MAURO AILTON PUERRO PSTU 75779 0,35%
162 RENATO BENTO LUIZ PSTU 37732 0,17%
190 THEREZA TINAJERO RUIZ PTN 67802 0,31%
200 JOSE MARIA MARIN PSC 63659 0,30%
266 JOSE COSTA PAN 4439 0,02%
270 PAULO FERNANDO FORTUNATO PSDC 17888 0,08%
281 CARLOS HENRIQUE DARDE PRTB 4845 0,02%
291 WLAMISA CARMO MORAES FELTRIM PCO 6939 0,03%
292 FIRMINO ALVES ROSA PCO 5327 0,02%
301 ADEMAR BARROS BEZERRA PGT 80617 0,37%
312 JOSE RAUL DE ALMEIDA BRASILIENSE CARNEIRO PHS 41395 0,19%
333 LUCAS ALBANO RIBEIRO DOS SANTOS PMN 22934 0,11%
401 RUBENS WAGNER CALVO PSB 220738 1,02%
404 MOHAMAD SAID MOURAD PSB 133925 0,62%
434 JOSE LUIZ DE FRANÇA PENNA PV 226029 1,05%
451 JOSÉ ANIBAL PERES DE PONTES PSDB 4959302 22,99%
561 PAULO CESAR CORREA PRONA 101371 0,47%
651 WAGNER GOMES PC do B 3473198 16,10%
TOTAL VOTOS 43.115.440
Votos Válidos 35.134.208 81,49%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 3.402.071 7,89%
Nulos 4.579.161 10,62%
TOTAL SEÇÕES 49.422
ELEITORADO 25.655.553
ABSTENÇÃO 4.097.833 15,97%

114 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


TOCANTINS
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 225.291 43,10% 288.045 54,03%
45 José Serra PSDB 177.547 33,97% 245.349 45,97%
40 Garotinho PSB 72.256 13,82%
23 Ciro PPS 46.562 8,91%
16 Zé Maria PSTU 881 0,17%
29 Rui Costa Pimenta PCO 130 0,02%
TOTAL VOTOS 623.579 559.827
Votos Válidos 522.667 83,82% 533.754 95,34%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 11.637 1,87% 5.999 1,07%
Nulos 89.275 14,32% 20.074 3,59%
TOTAL SEÇÕES 2.613 2.613
ELEITORADO 785.397 785.397
ABSTENÇÃO 161.818 20,60% 225.570 28,72%

1º Turno 2º Turno
Governador Votação % Votação %
25 Marcelo Miranda PFL 333.332 60,60%
15 Freire Jr. PMDB 185.594 33,74%
13 Lisboa PT 17.752 3,23%
40 Sargento Fernandes PSB 9.993 1,82%

DOCUMENTO
23 Lutero PPS 3.341 0,61%

ANEXOS
TOTAL VOTOS 623.579 0

5
Votos Válidos 550.012 88,20%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 15.234 2,44%
Nulos 58.333 9,35%
TOTAL SEÇÕES 2.613
ELEITORADO 785.397
ABSTENÇÃO 161.818 20,60%

1º Turno
Senador Votação %
252 LEOMAR DE MELO QUINTANILHA PFL 309002 49,55%
258 JOÃO BATISTA DE JESUS RIBEIRO PFL 289781 46,47%
131 DIVINA HERLY DE CARVALHO SANTOS PT 12742 2,04%
151 MOISÉS NOGUEIRA AVELINO PMDB 192481 30,87%
231 RAUL DE JESUS LUSTOSA FILHO PPS 1578 0,25%
400 CÉLIO CARMO DE SOUSA PSB 185498 29,75%
TOTAL VOTOS 1.247.158
Votos Válidos 991.082 79,47%
Pendentes 0 0,00%
Brancos 69.430 5,57%
Nulos 186.646 14,97%
TOTAL SEÇÕES 2.613
ELEITORADO 785.397
ABSTENÇÃO 161.818 20,60%

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 115


EXTERIOR
1º Turno 2º Turno
Presidente Votação % Votação %
13 Lula PT 18.593 50,07% 20.772 60,18%
45 José Serra PSDB 10.218 27,52% 13.742 39,82%
40 Garotinho PSB 4.342 11,69%
23 Ciro PPS 3.675 9,90%
16 Zé Maria PSTU 204 0,55%
29 Rui Costa Pimenta PCO 102 0,27%
TOTAL VOTOS 38.618 36.043
Votos Válidos 37.134 96,16% 34.514 95,76%
Pendentes 0 0,00% 0 0,00%
Brancos 767 1,99% 749 2,08%
Nulos 717 1,86% 780 2,16%
TOTAL SEÇÕES 273 273
ELEITORADO 69.937 69.937
ABSTENÇÃO 31.022 44,55% 33.597 48,24%
DOCUMENTO
ANEXOS
5

116 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


Documento 6

Votação, percentual e número de eleitos por partido


(presidente, governadores, senadores, deputados federais e
deputados estaduais/distritais)
Votação, Percentual e Eleitos por Partido
Presidente – 1o Turno

PT PSDB PSB
Votos %Vt Eleitos e %Vt Eleitos e %Vt Eleitos e
UF Eleitorado (A) Validos_(D) Votação Validos 2º Turno Votação Validos 2º Turno Votação Validos 2º Turno Votação
AC 369.786 264.889 123.999 46,81% 50.250 18,97% 46.229 17,45% 43.
AL 1.600.092 1.076.186 307.751 28,60% 314.739 29,25% 281.015 26,11% 168.
AM 1.524.727 1.111.042 530.246 47,73% 166.145 14,95% 249.007 22,41% 160.
AP 290.101 233.273 116.507 49,94% 20.537 8,80% 61.026 26,16% 34.

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


BA 8.568.602 5.245.047 2.899.280 55,28% 884.291 16,86% 703.738 13,42% 738.
CE 4.805.259 3.438.374 1.353.339 39,36% 293.425 8,53% 256.879 7,47% 1.529.
DF 1.518.437 1.208.415 592.977 49,07% 202.410 16,75% 220.989 18,29% 184.
ES 2.146.425 1.611.996 717.646 44,52% 334.697 20,76% 436.028 27,05% 114.
GO 3.365.848 2.540.283 1.069.398 42,10% 709.025 27,91% 493.038 19,41% 259.
MA 3.391.814 2.062.392 843.132 40,88% 248.621 12,05% 508.006 24,63% 455.
MG 12.680.584 9.413.131 4.990.085 53,01% 2.151.597 22,86% 1.359.073 14,44% 862.
MS 1.411.773 1.076.108 446.438 41,49% 308.905 28,71% 170.957 15,89% 145.
MT 1.730.022 1.251.381 508.610 40,64% 371.684 29,70% 187.380 14,97% 180.
PA 3.569.333 2.532.141 1.070.416 42,27% 673.488 26,60% 510.470 20,16% 269.
PB 2.322.068 1.579.200 754.329 47,77% 466.346 29,53% 215.207 13,63% 138.
PE 5.396.667 3.569.322 1.657.476 46,44% 1.015.496 28,45% 651.445 18,25% 235.
PI 1.848.292 1.315.285 616.157 46,85% 358.986 27,29% 141.624 10,77% 196.
PR 6.663.381 5.067.229 2.540.328 50,13% 1.367.384 26,98% 722.438 14,26% 409.
RJ 10.213.518 8.176.005 3.284.258 40,17% 721.081 8,82% 3.449.001 42,18% 657.
RN 1.917.382 1.331.410 581.544 43,68% 296.856 22,30% 229.896 17,27% 218.
RO 882.545 628.971 283.279 45,04% 128.000 20,35% 154.074 24,50% 60.
RR 208.524 160.017 71.952 44,97% 19.195 12,00% 39.974 24,98% 28.
RS 7.352.139 5.903.760 2.667.451 45,18% 1.913.186 32,41% 709.904 12,02% 588.
SC 3.817.974 3.038.457 1.719.739 56,60% 707.239 23,28% 373.683 12,30% 217.
SE 1.147.933 807.631 357.557 44,27% 160.348 19,85% 151.155 18,72% 133.
SP 25.655.553 19.749.403 9.106.914 46,11% 5.633.365 28,52% 2.781.712 14,09% 2.087.
TO 785.397 522.667 225.291 43,10% 177.547 33,97% 72.256 13,82% 46.
ZZ 69.937 37.134 18.593 50,07% 10.218 27,52% 3.675 9,90% 4.
115.184.176 84.914.015 39.436.099 46,44% 1 19.694.843 23,19% 1 15.176.204 17,87% 0 10.166.3

119
ANEXOS
DOCUMENTO
6
6
DOCUMENTO
ANEXOS

Votação, Percentual e Eleitos por Partido


Presidente – 1o Turno

120
Continuação
PSTU PCO
%Vt Eleitos e %Vt Eleitos e
UF Votação Validos 2º Turno Votação Validos 2º Turno
AC 366 0,14% 50 0,02%
AL 3.329 0,31% 427 0,04%
AM 5.216 0,47% 296 0,03%
AP 1.134 0,49% 62 0,03%
BA 15.847 0,30% 2.942 0,06%
CE 4.456 0,13% 652 0,02%
DF 6.684 0,55% 797 0,07%
ES 8.140 0,50% 1.177 0,07%
GO 8.907 0,35% 827 0,03%
MA 5.985 0,29% 788 0,04%
MG 43.881 0,47% 6.264 0,07%
MS 4.144 0,39% 393 0,04%
MT 2.581 0,21% 314 0,03%
PA 7.584 0,30% 496 0,02%
PB 3.863 0,24% 666 0,04%
PE 8.838 0,25% 922 0,03%
PI 1.937 0,15% 424 0,03%
PR 25.900 0,51% 2.044 0,04%
RJ 59.244 0,72% 4.696 0,06%
RN 3.720 0,28% 514 0,04%
RO 2.785 0,44% 170 0,03%
RR 693 0,43% 140 0,09%
RS 21.930 0,37% 2.729 0,05%
SC 18.678 0,61% 1.423 0,05%
SE 4.324 0,54% 360 0,04%
SP 130.981 0,66% 8.814 0,04%
TO 881 0,17% 130 0,02%
ZZ 204 0,55% 102 0,27%

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


402.028 0,47% 0 38.517 0,05% 0
Votação, Percentual e Eleitos por Partido
Presidente – 2o Turno

PT PSDB
Votos %Vt Eleitos e %Vt Eleitos e
UF Eleitorado (A) Validos_(D) Votação Validos 2º Turno Votação Validos 2º Turno
AC 369.786 234.166 140.363 59,94% 93.803 40,06%
AL 1.600.092 1.093.911 477.009 43,61% 616.902 56,39%
AM 1.524.727 1.033.209 722.034 69,88% 311.175 30,12%
AP 290.101 227.573 171.850 75,51% 55.723 24,49%
BA 8.568.602 5.648.680 3.710.900 65,69% 1.937.780 34,31%
CE 4.805.259 3.478.752 2.497.143 71,78% 981.609 28,22%
DF 1.518.437 1.249.193 777.708 62,26% 471.485 37,74%

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


ES 2.146.425 1.590.666 944.172 59,36% 646.494 40,64%
GO 3.365.848 2.495.306 1.424.236 57,08% 1.071.070 42,92%
MA 3.391.814 2.102.439 1.229.559 58,48% 872.880 41,52%
MG 12.680.584 9.608.650 6.384.690 66,45% 3.223.960 33,55%
MS 1.411.773 1.077.135 593.939 55,14% 483.196 44,86%
MT 1.730.022 1.191.795 649.100 54,46% 542.695 45,54%
PA 3.569.333 2.502.096 1.317.472 52,65% 1.184.624 47,35%
PB 2.322.068 1.727.430 984.944 57,02% 742.486 42,98%
PE 5.396.667 3.852.805 2.198.673 57,07% 1.654.132 42,93%
PI 1.848.292 1.358.860 825.257 60,73% 533.603 39,27%
PR 6.663.381 4.946.625 2.929.427 59,22% 2.017.198 40,78%
RJ 10.213.518 8.000.576 6.318.104 78,97% 1.682.472 21,03%
RN 1.917.382 1.333.575 781.947 58,64% 551.628 41,36%
RO 882.545 601.584 334.264 55,56% 267.320 44,44%
RR 208.524 158.779 104.087 65,55% 54.692 34,45%
RS 7.352.139 5.905.463 3.297.354 55,84% 2.608.109 44,16%
SC 3.817.974 2.985.186 1.914.684 64,14% 1.070.502 35,86%
SE 1.147.933 853.912 490.989 57,50% 362.923 42,50%
SP 25.655.553 20.337.469 11.264.282 55,39% 9.073.187 44,61%
TO 785.397 533.754 288.405 54,03% 245.349 45,97%

121
ZZ 69.937 34.514 20.772 60,18% 13.742 39,82%
115.184.176 86.129.589 52.772.592 61,27% 1 33.356.997 38,73% 0

ANEXOS
DOCUMENTO
6
6
DOCUMENTO
ANEXOS

Votação, Percentual e Eleitos por Partido

122
Governadores – 1o Turno

PT PSDB PMDB
Votos %Vt Eleitos e %Vt Eleitos e %Vt Eleitos e
UF Eleitorado (A) Validos_(D) Votação Validos 2º Turno Votação Validos 2º Turno Votação Validos 2º Turno Votação
AC 369.786 260.419 165.574 63,58% 1 0 0,00% 0 87.602 33,64% 0
AL 1.600.092 1.044.839 50.820 4,86% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AM 1.524.727 1.084.712 62.715 5,78% 0 0 0,00% 0 226.193 20,85% 0
AP 290.101 234.036 59.237 25,31% 1 35.157 15,02% 0 0 0,00% 0
BA 8.568.602 5.346.942 2.057.022 38,47% 0 0 0,00% 0 226.217 4,23% 0 2.871.0
CE 4.805.259 3.264.247 924.690 28,33% 1 1.625.202 49,79% 1 395.699 12,12% 0
DF 1.518.437 1.212.449 495.498 40,87% 1 0 0,00% 0 521.083 42,98% 1
ES 2.146.425 1.521.251 0 0,00% 0 22.987 1,51% 0 0 0,00% 0 31.1
GO 3.365.848 2.541.852 385.524 15,17% 0 1.301.554 51,20% 1 833.554 32,79% 0
MA 3.391.814 2.109.296 127.082 6,02% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 1.076.8
MG 12.680.584 9.158.182 2.813.857 30,73% 0 5.282.043 57,68% 1 612.732 6,69% 0
MS 1.411.773 1.054.918 509.843 48,33% 1 447.396 42,41% 1 0 0,00% 0
MT 1.730.022 1.221.201 227.403 18,62% 0 360.069 29,48% 0 0 0,00% 0
PA 3.569.333 2.504.368 725.473 28,97% 1 863.780 34,49% 1 41.805 1,67% 0
PB 2.322.068 1.593.808 200.362 12,57% 0 752.297 47,20% 1 637.239 39,98% 1
PE 5.396.667 3.416.650 1.165.531 34,11% 0 0 0,00% 0 2.064.184 60,42% 1
PI 1.848.292 1.350.735 688.278 50,96% 1 0 0,00% 0 41.881 3,10% 0 595.2
PR 6.663.381 5.146.616 842.399 16,37% 0 888.837 17,27% 0 1.347.353 26,18% 1
RJ 10.213.518 7.994.454 1.954.379 24,45% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 726.3
RN 1.917.382 1.310.730 147.380 11,24% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RO 882.545 621.499 0 0,00% 0 184.085 29,62% 1 0 0,00% 0 125.7
RR 208.524 155.042 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RS 7.352.139 5.895.444 2.196.134 37,25% 1 0 0,00% 0 2.426.880 41,17% 1
SC 3.817.974 3.053.554 834.385 27,33% 0 0 0,00% 0 918.615 30,08% 1
SE 1.147.933 786.819 223.699 28,43% 1 0 0,00% 0 0 0,00% 0 343.2
SP 25.655.553 19.606.699 6.361.747 32,45% 1 7.505.486 38,28% 1 259.317 1,32% 0
TO 785.397 550.012 17.752 3,23% 0 0 0,00% 0 185.594 33,74% 0 333.3
115.184.176 84.040.774 23.236.784 27,65% 10 19.268.893 22,93% 8 10.825.948 12,88% 6 6.102.9

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


Votação, Percentual e Eleitos por Partido
Governadores – 1o Turno

PSB PDT PPS PPB


%Vt Eleitos e %Vt Eleitos e %Vt Eleitos e %Vt Eleitos e
UF Votação Validos 2º Turno Votação Validos 2º Turno Votação Validos 2º Turno Votação Validos 2º Turno Votação
AC 0 0,00% 0 0 0,00% 0 6.078 2,33% 0 0 0,00% 0
AL 553.035 52,93% 1 17.333 1,66% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AM 225.491 20,79% 0 0 0,00% 0 568.111 52,37% 1 0 0,00% 0
AP 52.134 22,28% 0 86.179 36,82% 1 0 0,00% 0 0 0,00% 0

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


BA 122.428 2,29% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
CE 240.189 7,36% 0 31.102 0,95% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 37.65
DF 82.369 6,79% 0 0 0,00% 0 19.896 1,64% 0 88.119 7,27% 0
ES 820.949 53,97% 1 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 631.32
GO 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 7.46
MA 0 0,00% 0 896.930 42,52% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MG 418.803 4,57% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MS 18.222 1,73% 0 55.350 5,25% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 22.48
MT 14.278 1,17% 0 0 0,00% 0 618.740 50,67% 1 0 0,00% 0
PA 626.632 25,02% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 243.33
PB 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PE 128.814 3,77% 0 36.952 1,08% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PI 9.616 0,71% 0 0 0,00% 0 11.900 0,88% 0 0 0,00% 0
PR 47.903 0,93% 0 1.616.047 31,40% 1 362.464 7,04% 0 0 0,00% 0
RJ 4.101.423 51,30% 1 1.141.060 14,27% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RN 492.756 37,59% 1 0 0,00% 0 0 0,00% 0 404.865 30,89% 1 261.22
RO 96.758 15,57% 0 105.000 16,89% 0 0 0,00% 0 43.787 7,05% 0
RR 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 76.35
RS 59.820 1,01% 0 0 0,00% 0 725.741 12,31% 0 367.328 6,23% 0
SC 48.036 1,57% 0 0 0,00% 0 31.323 1,03% 0 1.217.059 39,86% 1
SE 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
SP 216.369 1,10% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 4.190.706 21,37% 0 200.83
TO 9.993 1,82% 0 0 0,00% 0 3.341 0,61% 0 0 0,00% 0
8.386.018 9,98% 4 3.985.953 4,74% 2 2.347.594 2,79% 2 6.311.864 7,51% 2 1.480.68

123
ANEXOS
DOCUMENTO
6
6
DOCUMENTO
ANEXOS

Votação, Percentual e Eleitos por Partido

124
Governadores – 1o Turno

PSL PSTU PCO PGT


%Vt Eleitos e %Vt Eleitos e %Vt Eleitos e %Vt Eleitos e
UF Votação Validos 2º Turno Votação Validos 2º Turno Votação Validos 2º Turno Votação Validos 2º Turno Votação
AC 597 0,23% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 56
AL 0 0,00% 0 1.579 0,15% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 419.74
AM 0 0,00% 0 2.202 0,20% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AP 0 0,00% 0 1.091 0,47% 0 0 0,00% 0 238 0,10% 0
BA 0 0,00% 0 7.329 0,14% 0 3.257 0,06% 0 0 0,00% 0
CE 0 0,00% 0 9.707 0,30% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
DF 0 0,00% 0 3.288 0,27% 0 616 0,05% 0 0 0,00% 0 1.58
ES 0 0,00% 0 5.648 0,37% 0 6.099 0,40% 0 0 0,00% 0
GO 0 0,00% 0 3.087 0,12% 0 0 0,00% 0 10.672 0,42% 0
MA 0 0,00% 0 8.391 0,40% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MG 0 0,00% 0 18.265 0,20% 0 10.110 0,11% 0 0 0,00% 0
MS 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MT 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 711 0,06% 0
PA 0 0,00% 0 3.346 0,13% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PB 0 0,00% 0 1.632 0,10% 0 1.434 0,09% 0 844 0,05% 0
PE 0 0,00% 0 6.547 0,19% 0 1.415 0,04% 0 1.271 0,04% 0
PI 1.038 0,08% 0 986 0,07% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PR 0 0,00% 0 5.517 0,11% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 2.86
RJ 0 0,00% 0 27.757 0,35% 0 2.284 0,03% 0 0 0,00% 0
RN 0 0,00% 0 2.392 0,18% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RO 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 65.23
RR 75.435 48,65% 1 0 0,00% 0 512 0,33% 0 2.349 1,52% 0 38
RS 0 0,00% 0 7.027 0,12% 0 1.429 0,02% 0 0 0,00% 0
SC 0 0,00% 0 4.136 0,14% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
SE 0 0,00% 0 2.369 0,30% 0 0 0,00% 0 8.057 1,02% 0
SP 7.648 0,04% 0 35.556 0,18% 0 4.634 0,02% 0 703.858 3,59% 0 8.65
TO 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
84.718 0,10% 1 157.852 0,19% 0 31.790 0,04% 0 728.000 0,87% 0 499.03

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


Votação, Percentual e Eleitos por Partido
Governadores – 1o Turno

PAN PRONA PTC PV


%Vt Eleitos e %Vt Eleitos e %Vt Eleitos e %Vt Eleitos e
UF Votação Validos 2º Turno Votação Validos 2º Turno Votação Validos 2º Turno Votação Validos 2º Turno Votação
AC 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AL 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 2.33
AM 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AP 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


BA 32.069 0,60% 0 0 0,00% 0 27.595 0,52% 0 0 0,00% 0
CE 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
DF 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
ES 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 3.13
GO 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MA 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MG 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MS 0 0,00% 0 0 0,00% 0 1.619 0,15% 0 0 0,00% 0
MT 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PA 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PB 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PE 6.487 0,19% 0 0 0,00% 0 5.449 0,16% 0 0 0,00% 0
PI 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 1.836 0,14% 0
PR 0 0,00% 0 1.814 0,04% 0 1.495 0,03% 0 0 0,00% 0
RJ 8.100 0,10% 0 12.719 0,16% 0 0 0,00% 0 20.405 0,26% 0
RN 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RO 0 0,00% 0 895 0,14% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RR 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RS 0 0,00% 0 4.089 0,07% 0 0 0,00% 0 6.232 0,11% 0 1.11
SC 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
SE 3.587 0,46% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 202.45
SP 3.418 0,02% 0 38.545 0,20% 0 17.854 0,09% 0 52.068 0,27% 0
TO 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
53.661 0,06% 0 58.062 0,07% 0 54.012 0,06% 0 80.541 0,10% 0 209.03

125
ANEXOS
DOCUMENTO
6
6
DOCUMENTO
ANEXOS

Votação, Percentual e Eleitos por Partido

126
Governadores – 1o Turno

PSC PSDC PL PSD


%Vt Eleitos e %Vt Eleitos e %Vt Eleitos e %Vt Eleitos e
UF Votação Validos 2º Turno Votação Validos 2º Turno Votação Validos 2º Turno Votação Validos 2º Turno Votação
AC 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AL 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AM 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AP 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
BA 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
CE 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
DF 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
ES 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
GO 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MA 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MG 0 0,00% 0 2.372 0,03% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MS 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MT 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PA 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PB 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PE 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PI 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PR 26.567 0,52% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 3.351 0,07% 0
RJ 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RN 1.498 0,11% 0 614 0,05% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RO 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RR 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RS 4.703 0,08% 0 0 0,00% 0 94.948 1,61% 0 0 0,00% 0
SC 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
SE 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 3.36
SP 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
TO 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
32.768 0,04% 0 2.986 0,00% 0 94.948 0,11% 0 3.351 0,00% 0 3.36

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


Votação, Percentual e Eleitos por Partido
Governadores – 2o Turno

PSDB PMDB PT
Votos %Vt %Vt %Vt
UF Eleitorado (A) Validos_(D) Votação Validos Eleitos Votação Validos Eleitos Votação Validos Eleitos Votação
AP 290.101 230.592 0 0,00% 0 0 0,00% 0 104.764 45,43% 0
CE 4.805.259 3.528.405 1.765.726 50,04% 1 0 0,00% 0 1.762.679 49,96% 0
DF 1.518.437 1.268.734 0 0,00% 0 642.256 50,62% 1 626.478 49,38% 0
MS 1.411.773 1.082.087 500.542 46,26% 0 0 0,00% 0 581.545 53,74% 1
PA 3.569.333 2.496.311 1.291.082 51,72% 1 0 0,00% 0 1.205.229 48,28% 0
PB 2.322.068 1.733.049 889.922 51,35% 1 843.127 48,65% 0 0 0,00% 0
PR 6.663.381 4.862.733 0 0,00% 0 2.681.811 55,15% 1 0 0,00% 0

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


RN 1.917.382 1.344.155 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RO 882.545 589.287 348.081 59,07% 1 0 0,00% 0 0 0,00% 0 241.
RR 208.524 162.711 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RS 7.352.139 5.978.315 0 0,00% 0 3.148.788 52,67% 1 2.829.527 47,33% 0
SC 3.817.974 3.004.170 0 0,00% 0 1.512.447 50,34% 1 0 0,00% 0
SE 1.147.933 875.435 0 0,00% 0 0 0,00% 0 393.970 45,00% 0 481.
SP 25.655.553 20.479.682 12.008.819 58,64% 1 0 0,00% 0 8.470.863 41,36% 0
61.562.402 47.635.666 16.804.172 35,28% 5 8.828.429 18,53% 4 15.975.055 33,54% 1 722.6

127
ANEXOS
DOCUMENTO
6
6
DOCUMENTO
ANEXOS

Votação, Percentual e Eleitos por Partido

128
Senadores

PFL PT
Votos Válidos %Vt %Vt
UF Eleitorado Total de Votos Votação Eleitos Votação Eleitos Votação
(D) Válidos Válidos
AC 369.786 580.862 487.985 0 0,00% 0 157.588 32,29% 1 61.849
AL 1.600.092 2.522.990 1.928.353 67.998 3,53% 0 0 0,00% 0 815.136
AM 1.524.727 2.384.616 2.069.605 484.617 23,42% 0 0 0,00% 0 20.263
AP 290.101 495.684 438.029 0 0,00% 0 32.800 7,49% 0 94.130
BA 8.568.602 12.799.658 9.791.705 5.727.155 58,49% 2 1.803.228 18,42% 0
CE 4.805.259 7.720.270 6.078.268 0 0,00% 0 908.009 14,94% 0 415.854
DF 1.518.437 2.568.206 2.267.773 553.707 24,42% 1 680.715 30,02% 1 19.362
ES 2.146.425 3.536.098 2.945.532 5.209 0,18% 0 584.666 19,85% 0 811.745
GO 3.365.848 5.585.602 4.634.546 1.239.352 26,74% 1 305.313 6,59% 0 1.662.897
MA 3.391.814 5.158.300 4.065.904 2.420.675 59,54% 2 474.191 11,66% 0
MG 12.680.584 21.028.164 16.046.298 2.945.103 18,35% 0 3.301.171 20,57% 0 3.569.376
MS 1.411.773 2.315.032 1.922.356 0 0,00% 0 496.879 25,85% 1 734.253
MT 1.730.022 2.690.378 2.215.106 612.201 27,64% 1 574.701 25,94% 1 238.742
PA 3.569.333 5.553.990 4.765.578 0 0,00% 0 1.097.061 23,17% 1 1.060.102
PB 2.322.068 3.811.016 2.894.168 1.185.581 40,96% 1 0 0,00% 0 1.341.817
PE 5.396.667 8.492.456 6.222.079 1.799.895 28,93% 1 1.112.647 17,88% 0
PI 1.848.292 3.113.284 2.482.519 671.076 27,03% 1 433.517 17,46% 0 707.392
PR 6.663.381 11.170.696 9.235.910 899.998 9,74% 0 2.954.692 31,99% 1 1.091.822
RJ 10.213.518 17.427.566 15.036.129 0 0,00% 0 1.766.988 11,75% 0 4.187.286
RN 1.917.382 3.159.734 2.428.696 816.059 33,60% 1 336.349 13,85% 0 714.363
RO 882.545 1.386.912 1.170.943 172.504 14,73% 0 233.365 19,93% 1 210.413
RR 208.524 350.422 307.133 33.382 10,87% 0 31.672 10,31% 0 56.296
RS 7.352.139 12.793.978 11.025.303 0 0,00% 0 4.121.342 37,38% 1 723.707
SC 3.817.974 6.603.138 5.604.970 892.480 15,92% 0 1.935.328 34,53% 1 709.033
SE 1.147.933 1.898.378 1.483.961 0 0,00% 0 0 0,00% 0 135.341
SP 25.655.553 43.136.428 35.152.090 7.281.876 20,72% 1 10.497.348 29,86% 1 5.625.784
TO 785.397 1.247.258 991.082 598.783 60,42% 2 12.742 1,29% 0 192.481
115.184.176 189.531.116 153.692.021 28.407.651 18,48% 14 33.852.312 22,03% 10 25.199.444

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


Votação, Percentual e Eleitos por Partido
Senadores

PSDB PDT PSB PTB


%Vt %Vt %Vt %Vt
UF Votação Eleitos Votação Eleitos Votação Eleitos Votação Eleitos Votaçã
Válidos Válidos Válidos Válidos
AC 66.192 13,56% 0 0 0,00% 0 104.993 21,52% 1 0 0,00% 0
AL 762.675 39,55% 1 25.869 1,34% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AM 608.762 29,41% 1 543.158 26,24% 1 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AP 28.981 6,62% 0 59.548 13,59% 0 98.153 22,41% 1 124.417 28,40% 1
BA 96.449 0,99% 0 783.637 8,00% 0 83.863 0,86% 0 0 0,00% 0
CE 1.915.781 31,52% 1 0 0,00% 0 773.027 12,72% 0 0 0,00% 0 168

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


DF 0 0,00% 0 129.106 5,69% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 53
ES 0 0,00% 0 0 0,00% 0 23.191 0,79% 0 0 0,00% 0 867
GO 1.057.358 22,81% 1 0 0,00% 0 49.792 1,07% 0 5.198 0,11% 0
MA 135.382 3,33% 0 874.573 21,51% 0 128.583 3,16% 0 0 0,00% 0
MG 4.157.721 25,91% 1 287.923 1,79% 0 622.822 3,88% 0 0 0,00% 0
MS 0 0,00% 0 0 0,00% 0 109.586 5,70% 0 0 0,00% 0
MT 439.436 19,84% 0 15.358 0,69% 0 45.741 2,06% 0 286.976 12,96% 0
PA 0 0,00% 0 20.480 0,43% 0 21.312 0,45% 0 114.466 2,42% 0
PB 0 0,00% 0 0 0,00% 0 60.290 2,08% 0 0 0,00% 0
PE 1.675.779 26,93% 1 0 0,00% 0 239.197 3,84% 0 1.330.451 21,38% 0
PI 559.786 22,55% 0 44.463 1,79% 0 6.465 0,26% 0 0 0,00% 0
PR 648.828 7,03% 0 2.776.368 30,06% 1 19.516 0,21% 0 0 0,00% 0
RJ 1.730.722 11,51% 0 1.419.970 9,44% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 3.549
RN 479.723 19,75% 0 0 0,00% 0 68.480 2,82% 0 0 0,00% 0
RO 225.912 19,29% 0 113.331 9,68% 0 5.264 0,45% 0 85.922 7,34% 0
RR 94.679 30,83% 1 77.635 25,28% 1 1.443 0,47% 0 0 0,00% 0 6
RS 549.965 4,99% 0 194.718 1,77% 0 62.481 0,57% 0 2.902.120 26,32% 1 213
SC 973.401 17,37% 1 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
SE 193.095 13,01% 0 307.326 20,71% 1 324.670 21,88% 1 190.669 12,85% 0
SP 4.959.302 14,11% 0 259.142 0,74% 0 354.663 1,01% 0 149.606 0,43% 0
TO 0 0,00% 0 0 0,00% 0 185.498 18,72% 0 0 0,00% 0
21.359.929 13,90% 8 7.932.605 5,16% 4 3.389.030 2,21% 3 5.189.825 3,38% 2 4.857.

129
ANEXOS
DOCUMENTO
6
6
DOCUMENTO
ANEXOS

Votação, Percentual e Eleitos por Partido

130
Senadores

PPS PSD PSTU PV


%Vt %Vt %Vt %Vt
UF Votação Eleitos Votação Eleitos Votação Eleitos Votação Eleitos Votaçã
Válidos Válidos Válidos Válidos
AC 82.443 16,89% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AL 0 0,00% 0 0 0,00% 0 11.025 0,57% 0 0 0,00% 0
AM 0 0,00% 0 0 0,00% 0 2.815 0,14% 0 265.861 12,85% 0
AP 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
BA 0 0,00% 0 0 0,00% 0 14.416 0,15% 0 0 0,00% 0 5.2
CE 1.864.404 30,67% 1 0 0,00% 0 9.810 0,16% 0 0 0,00% 0
DF 0 0,00% 0 0 0,00% 0 3.726 0,16% 0 17.714 0,78% 0 2.3
ES 582.318 19,77% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 56.379 1,91% 0 14.5
GO 39.337 0,85% 0 0 0,00% 0 8.228 0,18% 0 267.071 5,76% 0
MA 0 0,00% 0 0 0,00% 0 16.227 0,40% 0 0 0,00% 0
MG 95.509 0,60% 0 3.920 0,02% 0 193.075 1,20% 0 0 0,00% 0 154.2
MS 118.841 6,18% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 39.388 2,05% 0
MT 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PA 15.144 0,32% 0 1.041.516 21,99% 1 5.810 0,12% 0 0 0,00% 0
PB 14.576 0,50% 0 0 0,00% 0 6.543 0,23% 0 0 0,00% 0 2.0
PE 24.284 0,39% 0 0 0,00% 0 27.603 0,44% 0 0 0,00% 0 1.6
PI 0 0,00% 0 0 0,00% 0 4.488 0,18% 0 6.784 0,27% 0
PR 56.924 0,62% 0 8.368 0,09% 0 6.381 0,07% 0 24.393 0,26% 0
RJ 0 0,00% 0 0 0,00% 0 23.721 0,16% 0 27.309 0,18% 0
RN 0 0,00% 0 0 0,00% 0 7.025 0,29% 0 0 0,00% 0
RO 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RR 0 0,00% 0 3.352 1,09% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RS 1.812.767 16,44% 0 0 0,00% 0 11.909 0,11% 0 17.747 0,16% 0 1.1
SC 12.283 0,22% 0 94.745 1,69% 0 15.027 0,27% 0 14.044 0,25% 0
SE 0 0,00% 0 0 0,00% 0 8.911 0,60% 0 0 0,00% 0
SP 0 0,00% 0 0 0,00% 0 113.511 0,32% 0 226.029 0,64% 0 12.2
TO 1.578 0,16% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
4.720.408 3,07% 1 1.151.901 0,75% 1 490.251 0,32% 0 962.719 0,63% 0 194.1

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


Votação, Percentual e Eleitos por Partido
Senadores

PC DO B PPB PRTB PGT


%Vt %Vt %Vt %Vt
UF Votação Eleitos Votação Eleitos Votação Eleitos Votação Eleitos Votaçã
Válidos Válidos Válidos Válidos
AC 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AL 126.023 6,54% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AM 144.129 6,96% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AP 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
BA 1.266.734 12,94% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 10.9

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


CE 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
DF 362.807 16,00% 0 433.650 19,12% 0 2.745 0,12% 0 0 0,00% 0
ES 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
GO 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MA 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MG 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MS 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MT 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 1.951 0,09% 0
PA 314.943 6,65% 0 863.388 18,23% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PB 113.405 3,92% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PE 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 3.244 0,05% 0 7.3
PI 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 3.661 0,15% 0
PR 0 0,00% 0 666.227 7,21% 0 9.205 0,10% 0 0 0,00% 0
RJ 394.630 2,62% 0 1.782.219 11,85% 0 7.676 0,05% 0 0 0,00% 0 9.1
RN 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RO 3.368 0,29% 0 9.958 0,85% 0 2.116 0,18% 0 3.979 0,34% 0
RR 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RS 0 0,00% 0 395.095 3,58% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
SC 0 0,00% 0 958.629 17,10% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
SE 0 0,00% 0 0 0,00% 0 714 0,05% 0 10.515 0,71% 0 44.8
SP 3.473.198 9,88% 0 1.794.415 5,10% 0 4.845 0,01% 0 80.617 0,23% 0 4.4
TO 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
6.199.237 4,03% 0 6.903.581 4,49% 0 27.301 0,02% 0 103.967 0,07% 0 76.7

131
ANEXOS
DOCUMENTO
6
6
DOCUMENTO
ANEXOS

Votação, Percentual e Eleitos por Partido

132
Senadores

PRONA PTN PMN PSC


%Vt %Vt %Vt %Vt
UF Votação Eleitos Votação Eleitos Votação Eleitos Votação Eleitos Votação
Válidos Válidos Válidos Válidos
AC 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AL 0 0,00% 0 21.891 1,14% 0 97.736 5,07% 0 0 0,00% 0
AM 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AP 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
BA 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
CE 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 23.22
DF 4.138 0,18% 0 304 0,01% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
ES 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
GO 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MA 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MG 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MS 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MT 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PA 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PB 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 169.895 5,87% 0
PE 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PI 0 0,00% 0 0 0,00% 0 44.887 1,81% 0 0 0,00% 0
PR 3.330 0,04% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 56.602 0,61% 0
RJ 19.014 0,13% 0 15.370 0,10% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 8.61
RN 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RO 485 0,04% 0 1.755 0,15% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 3.04
RR 888 0,29% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RS 15.790 0,14% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 3.307 0,03% 0
SC 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
SE 0 0,00% 0 0 0,00% 0 192.505 12,97% 0 0 0,00% 0
SP 101.371 0,29% 0 67.802 0,19% 0 22.934 0,07% 0 63.659 0,18% 0 41.39
TO 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
145.016 0,09% 0 107.122 0,07% 0 358.062 0,23% 0 293.463 0,19% 0 76.27

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


Votação, Percentual e Eleitos por Partido
Senadores

PRP PSL PST PSDC


%Vt %Vt %Vt %Vt
UF Votação Eleitos Votação Eleitos Votação Eleitos Votação Eleitos Votação
Válidos Válidos Válidos Válidos
AC 0 0,00% 0 14.920 3,06% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0,
AL 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AM 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AP 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


BA 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
CE 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
DF 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 4.367,
ES 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
GO 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MA 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MG 7.234 0,05% 0 0 0,00% 0 705.777 4,40% 0 0 0,00% 0
MS 0 0,00% 0 0 0,00% 0 423.409 22,03% 0 0 0,00% 0
MT 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PA 0 0,00% 0 181.356 3,83% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PB 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PE 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PI 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PR 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 11.880 0,13% 0
RJ 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 14.808,
RN 6.697 0,28% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RO 0 0,00% 0 99.531 8,50% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RR 1.212 0,39% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RS 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
SC 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
SE 75.359 5,08% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
SP 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 17.888 0,05% 0
TO 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
90.502 0,06% 0 295.807 0,19% 0 1.129.186 0,73% 0 29.768 0,02% 0 19.17

133
ANEXOS
DOCUMENTO
6
6
DOCUMENTO
ANEXOS

Votação, Percentual e Eleitos por Partido


Senadores

134
PTC PCB
%Vt
UF Votação Eleitos Votação %Vt Válidos Eleitos
Válidos
AC 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AL 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AM 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AP 0 0,00% 0 0 0,00% 0
BA 0 0,00% 0 0 0,00% 0
CE 0 0,00% 0 0 0,00% 0
DF 0 0,00% 0 0 0,00% 0
ES 0 0,00% 0 0 0,00% 0
GO 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MA 0 0,00% 0 16.273 0,40% 0
MG 2.408 0,02% 0 0 0,00% 0
MS 0 0,00% 0 0 0,00% 0
MT 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PA 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PB 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PE 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PI 0 0,00% 0 0 0,00% 0
PR 1.376 0,01% 0 0 0,00% 0
RJ 0 0,00% 0 79.216 0,53% 0
RN 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RO 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RR 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RS 0 0,00% 0 0 0,00% 0
SC 0 0,00% 0 0 0,00% 0
SE 0 0,00% 0 0 0,00% 0
SP 0 0,00% 0 0 0,00% 0

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


TO 0 0,00% 0 0 0,00% 0
3.784 0,00% 0 95.489 0,06% 0
Votação, Percentual e Eleitos por Partido
Deputados Federais

PT PFL PMDB
Votos %Vt %Vt %Vt
UF Eleitorado (A) Válidos_(D) Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação
AC 369.786 278.558 70.755 25,40% 3 7.062 2,54% 0 29.489 10,59% 1 11.992
AL 1.600.092 1.165.608 48.378 4,15% 0 126.989 10,89% 2 114.619 9,83% 1 94.736
AM 1.524.727 1.148.892 22.532 1,96% 0 369.717 32,18% 3 13.314 1,16% 0 11.559
AP 290.101 236.535 28.065 11,87% 2 4.440 1,88% 0 17.233 7,29% 0 18.493
BA 8.568.602 5.956.123 1.147.520 19,27% 7 2.488.818 41,79% 19 500.418 8,40% 3 358.734
CE 4.805.259 3.628.331 327.646 9,03% 2 427.039 11,77% 2 697.637 19,23% 5 1.142.162

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


DF 1.518.437 1.220.576 325.049 26,63% 2 367.503 30,11% 1 274.097 22,46% 3 19.474
ES 2.146.425 1.652.841 181.075 10,96% 1 135.564 8,20% 0 222.245 13,45% 1 230.950
GO 3.365.848 2.610.673 268.184 10,27% 2 350.221 13,41% 3 563.476 21,58% 4 729.321
MA 3.391.814 2.427.031 161.908 6,67% 1 739.806 30,48% 7 342.786 14,12% 2 307.370
MG 12.680.584 9.605.817 2.186.203 22,76% 11 1.116.906 11,63% 7 1.144.079 11,91% 6 1.417.969
MS 1.411.773 1.095.345 283.428 25,88% 3 100.856 9,21% 1 280.170 25,58% 2 27.764
MT 1.730.022 1.269.818 157.066 12,37% 1 165.165 13,01% 1 183.038 14,41% 1 329.825
PA 3.569.333 2.661.234 398.321 14,97% 3 109.948 4,13% 1 764.437 28,72% 5 524.855
PB 2.322.068 1.723.096 173.674 10,08% 1 196.780 11,42% 1 361.430 20,98% 2 385.278
PE 5.396.667 3.812.927 499.231 13,09% 3 624.256 16,37% 5 574.772 15,07% 4 560.227
PI 1.848.292 1.472.161 243.533 16,54% 1 456.005 30,98% 4 276.978 18,81% 2 284.489
PR 6.663.381 5.147.035 914.275 17,76% 6 363.127 7,06% 2 986.268 19,16% 6 732.984
RJ 10.213.518 8.061.181 1.009.114 12,52% 7 801.923 9,95% 4 745.988 9,25% 6 962.748
RN 1.917.382 1.460.644 241.583 16,54% 1 287.980 19,72% 2 404.415 27,69% 3 14.359
RO 882.545 658.831 105.978 16,09% 2 71.171 10,80% 1 152.861 23,20% 2 78.885
RR 208.524 168.972 3.302 1,95% 0 53.770 31,82% 3 4.105 2,43% 0 1.134
RS 7.352.139 5.943.597 1.452.497 24,44% 8 159.003 2,68% 1 964.643 16,23% 5 361.142
SC 3.817.974 3.066.400 743.858 24,26% 5 490.936 16,01% 2 736.210 24,01% 4 177.938
SE 1.147.933 866.673 121.825 14,06% 1 143.763 16,59% 2 57.961 6,69% 1 117.325
SP 25.655.553 19.620.857 4.931.435 25,13% 18 1.371.092 6,99% 7 1.189.602 6,06% 4 3.483.988
TO 785.397 589.968 47.552 8,06% 0 176.391 29,90% 3 89.727 15,21% 1 149.073
115.184.176 87.549.724 16.093.987 18,38% 91 11.706.231 13,37% 84 11.691.998 13,35% 74 12.534.774

135
ANEXOS
DOCUMENTO
6
6
DOCUMENTO
ANEXOS

Votação, Percentual e Eleitos por Partido

136
Deputados Federais

PPB PL PTB PSB


%Vt %Vt %Vt %Vt
UF Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação
AC 41.059 14,74% 2 4.422 1,59% 0 11.871 4,26% 0 19.876 7,14% 0 4.570
AL 50.339 4,32% 0 93.276 8,00% 1 235.003 20,16% 2 202.556 17,38% 2 22.886
AM 3.430 0,30% 0 257.729 22,43% 3 114.519 9,97% 1 4.342 0,38% 0 11.456
AP 25.392 10,73% 1 21.425 9,06% 0 12.174 5,15% 1 41.414 17,51% 1 42.258
BA 252.602 4,24% 2 150.884 2,53% 0 203.170 3,41% 1 134.932 2,27% 0 157.440
CE 123.392 3,40% 1 151.584 4,18% 2 15.985 0,44% 0 84.702 2,33% 0 79.137
DF 25.076 2,05% 0 15.676 1,28% 0 9.163 0,75% 0 5.058 0,41% 0 6.926
ES 197.237 11,93% 2 50.232 3,04% 1 158.355 9,58% 1 129.536 7,84% 1 186.689
GO 374.890 14,36% 3 9.690 0,37% 0 29.307 1,12% 0 15.932 0,61% 0 45.118
MA 128.474 5,29% 1 81.972 3,38% 1 34.013 1,40% 0 149.541 6,16% 1 266.405
MG 636.387 6,63% 4 507.661 5,28% 4 377.075 3,93% 2 327.570 3,41% 1 405.556
MS 50.137 4,58% 0 35.135 3,21% 0 92.478 8,44% 1 6.629 0,61% 0 80.830
MT 169.834 13,37% 1 155.769 12,27% 1 5.411 0,43% 0 0 0,00% 0 15.064
PA 201.391 7,57% 1 127.862 4,80% 1 170.557 6,41% 1 37.392 1,41% 0 181.196
PB 87.548 5,08% 1 77.458 4,50% 1 194.580 11,29% 2 21.682 1,26% 0 79.158
PE 251.782 6,60% 3 171.850 4,51% 1 21.055 0,55% 0 650.335 17,06% 4 75.050
PI 43.063 2,93% 0 7.614 0,52% 0 6.012 0,41% 0 7.130 0,48% 0 31.456
PR 477.276 9,27% 4 119.490 2,32% 1 416.489 8,09% 3 111.357 2,16% 0 491.760
RJ 870.215 10,80% 6 604.441 7,50% 3 171.108 2,12% 1 986.835 12,24% 6 538.885
RN 154.859 10,60% 1 7.610 0,52% 0 206.020 14,10% 1 18.081 1,24% 0 73.754
RO 71.096 10,79% 0 28.557 4,33% 0 43.814 6,65% 1 8.821 1,34% 0 21.264
RR 18.518 10,96% 1 18.474 10,93% 1 10.278 6,08% 0 1.416 0,84% 0 16.365
RS 1.061.039 17,85% 6 193.676 3,26% 1 530.111 8,92% 3 195.296 3,29% 1 645.108
SC 498.538 16,26% 4 43.990 1,43% 0 61.538 2,01% 0 7.523 0,25% 0 217.253
SE 44.333 5,12% 1 55.631 6,42% 1 2.916 0,34% 0 90.107 10,40% 0 14.305
SP 932.602 4,75% 3 788.151 4,02% 3 905.411 4,61% 5 1.350.720 6,88% 5 763.616
TO 49.532 8,40% 1 0 0 0 13.694 2,32% 0 1.810 0,31% 0 9.023
6.840.041 7,81% 49 3.780.259 4,32% 26 4.052.107 4,63% 26 4.610.593 5,27% 22 4.482.528

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


Votação, Percentual e Eleitos por Partido
Deputados Federais

PPS PC DO B PRONA PV
%Vt %Vt %Vt %Vt
UF Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votaçã
AC 33.863 12,16% 1 22.835 8,20% 1 0 0,00% 0 7.497 2,69% 0
AL 42.274 3,63% 0 11.145 0,96% 0 37.651 3,23% 0 1.074 0,09% 0
AM 9.475 0,82% 0 200.850 17,48% 1 1.998 0,17% 0 1.923 0,17% 0
AP 2.277 0,96% 0 421 0,18% 0 0 0,00% 0 2.953 1,25% 0 8.2
BA 90.584 1,52% 1 229.942 3,86% 2 0 0,00% 0 61.605 1,03% 1 12.9
CE 197.640 5,45% 1 329.150 9,07% 1 0 0,00% 0 4.378 0,12% 0 8.4

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


DF 15.292 1,25% 0 97.052 7,95% 1 501 0,04% 0 0 0,00% 0 32.7
ES 8.900 0,54% 0 16.216 0,98% 0 933 0,06% 0 6.033 0,37% 0 1.1
GO 20.118 0,77% 0 71.411 2,74% 0 0 0,00% 0 1.510 0,06% 0
MA 67.253 2,77% 0 4.780 0,20% 0 0 0,00% 0 10.203 0,42% 0 18.6
MG 436.792 4,55% 3 81.351 0,85% 1 0 0,00% 0 125.199 1,30% 1 138.6
MS 61.239 5,59% 1 146 0,01% 0 1.116 0,10% 0 0 0,00% 0 1.3
MT 40.789 3,21% 0 1.839 0,14% 0 0 0,00% 0 1.536 0,12% 0
PA 20.847 0,78% 0 53.433 2,01% 0 0 0,00% 0 22.349 0,84% 0 15.7
PB 13.660 0,79% 0 10.827 0,63% 0 0 0,00% 0 7.577 0,44% 0 75.2
PE 147.227 3,86% 1 75.671 1,98% 1 0 0,00% 0 27.581 0,72% 0
PI 9.889 0,67% 0 77.709 5,28% 1 0 0,00% 0 2.294 0,16% 0
PR 307.478 5,97% 2 25.262 0,49% 0 5.939 0,12% 0 31.283 0,61% 0 5.8
RJ 72.807 0,90% 0 297.159 3,69% 1 104.108 1,29% 0 204.217 2,53% 1 37.8
RN 9.686 0,66% 0 7.859 0,54% 0 0 0,00% 0 3.588 0,25% 0
RO 39.049 5,93% 1 2.421 0,37% 0 882 0,13% 0 10.610 1,61% 0 5.2
RR 6.456 3,82% 0 2.380 1,41% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
RS 205.701 3,46% 1 56.167 0,95% 0 14.401 0,24% 0 15.656 0,26% 0
SC 31.239 1,02% 0 22.828 0,74% 0 0 0,00% 0 6.460 0,21% 0
SE 45.218 5,22% 0 23.435 2,70% 0 0 0,00% 0 5.876 0,68% 0 1.0
SP 739.400 3,77% 3 245.460 1,25% 2 1.635.393 8,33% 6 620.157 3,16% 2 33.1
TO 7.186 1,22% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 36.9
2.682.339 3,06% 15 1.967.749 2,25% 12 1.802.922 2,06% 6 1.181.559 1,35% 5 433.1

137
ANEXOS
DOCUMENTO
6
6
DOCUMENTO
ANEXOS

Votação, Percentual e Eleitos por Partido

138
Deputados Federais

PST PMN PSC PSDC


%Vt %Vt %Vt %Vt
UF Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação
AC 1.679 0,60% 0 9.911 3,56% 0 276 0,10% 0 0 0,00% 0 528
AL 0 0,00% 0 3.300 0,28% 0 0 0,00% 0 216 0,02% 0 0
AM 7.742 0,67% 0 2.053 0,18% 0 24.367 2,12% 0 2.420 0,21% 0 59.992
AP 0 0,00% 0 391 0,17% 0 249 0,11% 0 0 0,00% 0 7.462
BA 0 0,00% 0 23.148 0,39% 0 8.030 0,13% 0 32.406 0,54% 0 0
CE 5.825 0,16% 0 6.370 0,18% 0 3.370 0,09% 0 5.139 0,14% 0 3.394
DF 0 0,00% 0 641 0,05% 0 2.972 0,24% 0 994 0,08% 0 0
ES 1.037 0,06% 0 39.481 2,39% 0 65.731 3,98% 0 0 0,00% 0 3.571
GO 24.711 0,95% 0 0 0,00% 0 56.929 2,18% 0 1.457 0,06% 0 0
MA 3.107 0,13% 0 5.279 0,22% 0 0 0,00% 0 3.071 0,13% 0 0
MG 286.804 2,99% 2 27.941 0,29% 0 12.590 0,13% 0 10.393 0,11% 0 131.379
MS 9.362 0,85% 0 4.629 0,42% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 35.412
MT 0 0,00% 0 21.538 1,70% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0
PA 0 0,00% 0 1.307 0,05% 0 4.807 0,18% 0 0 0,00% 0 1.366
PB 0 0,00% 0 1.351 0,08% 0 1.655 0,10% 0 1.526 0,09% 0 2.624
PE 12.667 0,33% 0 6.188 0,16% 0 11.147 0,29% 0 17.750 0,47% 0 25.731
PI 0 0,00% 0 1.720 0,12% 0 0 0,00% 0 1.043 0,07% 0 0
PR 6.155 0,12% 0 9.586 0,19% 0 44.634 0,87% 0 0 0,00% 0 5.895
RJ 36.169 0,45% 0 7.639 0,09% 0 206.139 2,56% 1 90.190 1,12% 1 10.626
RN 3.898 0,27% 0 3.057 0,21% 0 1.765 0,12% 0 0 0,00% 0 0
RO 0 0,00% 0 2.917 0,44% 0 0 0,00% 0 151 0,02% 0 3.837
RR 16.097 9,53% 1 521 0,31% 0 0 0,00% 0 8.357 4,95% 0 717
RS 0 0,00% 0 3.012 0,05% 0 6.164 0,10% 0 0 0,00% 0 0
SC 2.247 0,07% 0 6.684 0,22% 0 1.475 0,05% 0 0 0,00% 0 0
SE 1.181 0,14% 0 68.689 7,93% 1 3.448 0,40% 0 0 0,00% 0 0
SP 57.423 0,29% 0 23.826 0,12% 0 42.829 0,22% 0 13.287 0,07% 0 109.923
TO 1.374 0,23% 0 428 0,07% 0 534 0,09% 0 2.162 0,37% 0 0
477.478 0,55% 3 281.607 0,32% 1 499.111 0,57% 1 190.562 0,22% 1 402.457

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


Votação, Percentual e Eleitos por Partido
Deputados Estaduais/Distritais

PT PSDB PMDB PFL


Votos %Vt %Vt %Vt %Vt
UF Eleitorado (A) Validos_(D) Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação Válido
AC 369.786 278.197 68.112 24,45% 5 18.642 6,69% 2 25.966 9,32% 2 12.496 4,49%
AL 1.600.092 1.172.323 57.160 4,90% 1 104.931 9,00% 2 21.242 1,82% 0 40.598 3,48%
AM 1.524.727 1.151.970 41.512 3,61% 1 53.412 4,65% 1 125.173 10,90% 3 197.393 17,18%
AP 290.101 240.960 24.000 10,15% 2 17.895 7,57% 1 25.399 10,74% 4 5.074 2,15%
BA 8.568.602 5.898.001 940.784 15,80% 10 274.831 4,61% 3 299.295 5,02% 3 1.404.083 23,57%
CE 4.805.259 3.605.815 376.791 10,38% 5 1.069.481 29,48% 17 351.332 9,68% 5 81.419 2,24%
DF 1.518.437 1.231.238 248.035 20,32% 5 61.982 5,08% 1 152.781 12,52% 5 119.492 9,79%

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


ES 2.146.425 1.664.687 159.622 9,66% 4 101.915 6,17% 2 139.608 8,45% 1 186.033 11,26%
GO 3.365.848 2.624.528 248.017 9,50% 4 629.368 24,11% 12 514.096 19,69% 9 249.670 9,56%
MA 3.391.814 2.417.261 131.587 5,42% 2 190.579 7,85% 3 162.245 6,68% 3 752.158 30,99%
MG 12.680.584 9.563.911 1.838.216 19,14% 15 1.215.469 12,65% 11 1.074.410 11,18% 9 833.328 8,68%
MS 1.411.773 1.096.824 201.688 18,41% 3 126.372 11,54% 4 143.166 13,07% 2 40.158 3,67%
MT 1.730.022 1.277.241 116.334 9,16% 2 307.772 24,24% 7 136.012 10,71% 3 140.793 11,09%
PA 3.569.333 2.654.852 354.763 13,33% 5 433.346 16,28% 7 498.258 18,72% 8 14.885 0,56%
PB 2.322.068 1.732.752 178.224 10,34% 4 387.470 22,49% 10 447.863 25,99% 9 221.675 12,86%
PE 5.396.667 3.810.081 429.506 11,26% 5 457.415 12,00% 6 560.474 14,70% 7 411.980 10,80%
PI 1.848.292 1.461.948 139.680 9,49% 3 247.145 16,79% 4 267.858 18,19% 6 392.793 26,68%
PR 6.663.381 5.189.997 849.632 16,51% 9 589.652 11,46% 5 726.823 14,12% 8 576.076 11,19%
RJ 10.213.518 8.092.578 954.860 11,85% 8 518.955 6,44% 4 1.127.435 13,99% 12 602.243 7,47%
RN 1.917.382 1.462.608 136.132 9,32% 2 44.751 3,06% 0 220.765 15,11% 4 205.192 14,05%
RO 882.545 658.162 84.558 12,83% 4 65.867 10,00% 3 60.556 9,19% 3 52.850 8,02%
RR 208.524 170.913 3.652 2,16% 1 18.788 11,12% 3 10.895 6,45% 1 15.317 9,06%
RS 7.352.139 5.948.681 1.326.796 22,32% 13 387.986 6,53% 3 858.419 14,44% 9 217.030 3,65%
SC 3.817.974 3.101.844 647.083 21,10% 9 215.597 7,03% 3 544.580 17,76% 7 591.801 19,30%
SE 1.147.933 876.293 90.415 10,43% 1 97.186 11,21% 2 79.700 9,20% 3 163.522 18,87%
SP 25.655.553 19.580.829 4.711.843 24,01% 23 3.650.539 18,61% 18 861.108 4,39% 4 1.161.399 5,92%
TO 785.397 593.097 36.690 6,22% 1 70.462 11,94% 4 86.698 14,70% 4 170.531 28,91%
115.184.176 87.557.591 14.395.692 16,44% 147 11.357.808 12,97% 138 9.522.157 10,88% 134 8.859.989 10,12%

139
ANEXOS
DOCUMENTO
6
6
DOCUMENTO
ANEXOS

Votação, Percentual e Eleitos por Partido


Deputados Estaduais/Distritais

140
PPB PDT PTB PL
%Vt %Vt %Vt %Vt
UF Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação
AC 21.123 7,58% 2 6.150 2,21% 1 10.625 3,81% 0 19.305 6,93% 2 19.957
AL 5.544 0,48% 0 56.296 4,83% 1 250.252 21,47% 7 108.206 9,28% 3 186.416
AM 14.956 1,30% 0 29.668 2,58% 1 59.642 5,19% 2 162.082 14,11% 5 9.172
AP 4.953 2,09% 0 33.745 14,27% 3 9.188 3,88% 1 19.051 8,05% 2 35.916
BA 646.221 10,85% 7 296.828 4,98% 2 391.766 6,58% 4 370.576 6,22% 4 226.570
CE 185.750 5,12% 2 84.401 2,33% 1 69.606 1,92% 0 213.412 5,88% 3 156.376
DF 104.756 8,58% 2 26.052 2,13% 0 60.920 4,99% 1 81.757 6,70% 2 42.934
ES 164.679 9,96% 4 110.504 6,69% 2 145.500 8,80% 3 131.276 7,94% 2 134.731
GO 228.679 8,76% 4 52.062 1,99% 1 54.676 2,09% 0 109.006 4,18% 1 47.335
MA 33.969 1,40% 1 290.556 11,97% 5 80.344 3,31% 2 53.894 2,22% 1 93.282
MG 493.748 5,14% 6 686.313 7,14% 5 693.936 7,22% 6 799.675 8,32% 7 440.117
MS 19.164 1,75% 0 112.091 10,23% 3 68.044 6,21% 2 78.109 7,13% 3 21.967
MT 57.559 4,53% 1 19.778 1,56% 0 60.235 4,74% 1 111.188 8,76% 2 114.077
PA 147.513 5,54% 2 139.697 5,25% 2 263.336 9,90% 4 269.536 10,13% 5 109.864
PB 57.793 3,35% 2 81.433 4,73% 1 77.600 4,50% 2 46.297 2,69% 1 101.589
PE 175.182 4,59% 3 172.752 4,53% 3 125.098 3,28% 1 123.921 3,25% 2 367.052
PI 146.444 9,95% 4 59.046 4,01% 2 81.023 5,50% 1 23.278 1,58% 1 6.326
PR 318.302 6,18% 4 618.719 12,02% 6 338.835 6,58% 3 126.776 2,46% 2 270.136
RJ 662.949 8,22% 6 422.059 5,24% 4 152.377 1,89% 1 431.012 5,35% 4 1.332.740
RN 342.790 23,47% 8 102.849 7,04% 1 88.840 6,08% 1 36.361 2,49% 1 134.044
RO 54.884 8,33% 2 79.931 12,13% 3 52.141 7,91% 2 47.770 7,25% 2 42.392
RR 7.212 4,27% 1 9.602 5,68% 1 9.183 5,43% 2 1.908 1,13% 0 4.184
RS 972.096 16,36% 10 686.205 11,55% 7 676.162 11,38% 6 92.666 1,56% 0 245.848
SC 686.164 22,38% 10 88.105 2,87% 0 100.885 3,29% 2 58.738 1,92% 1 64.818
SE 20.526 2,37% 1 64.816 7,48% 3 29.966 3,46% 0 40.343 4,65% 2 44.763
SP 1.188.635 6,06% 7 836.627 4,26% 4 1.182.627 6,03% 6 670.655 3,42% 2 1.180.655

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


TO 74.438 12,62% 4 7.632 1,29% 0 40.707 6,90% 2 27.197 4,61% 1 6.545
6.836.029 7,81% 93 5.173.917 5,91% 62 5.173.514 5,91% 62 4.253.995 4,86% 61 5.439.806
Votação, Percentual e Eleitos por Partido
Deputados Estaduais/Distritais

PPS PSD PC DO B PST


%Vt %Vt %Vt %Vt
UF Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação
AC 21.760 7,81% 1 0 0,00% 0 8.639 3,10% 2 618 0,22% 0 2.857
AL 60.134 5,16% 2 0 0,00% 0 4.248 0,36% 0 0 0,00% 991
AM 41.738 3,63% 1 8.064 0,70% 0 39.827 3,47% 1 30.620 2,67% 0 75.332
AP 5.331 2,25% 0 15.151 6,41% 2 3.627 1,53% 1 5.961 2,52% 1 6.207
BA 86.030 1,44% 1 55.525 0,93% 2 221.829 3,72% 3 342.871 5,76% 4 62.618
CE 288.880 7,96% 4 161.563 4,45% 1 116.726 3,22% 1 98.557 2,72% 1 7.707
DF 62.704 5,14% 1 113.244 9,28% 3 20.200 1,65% 1 35.543 2,91% 0 25.742

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


ES 114.206 6,91% 2 2.191 0,13% 0 10.553 0,64% 0 836 0,05% 0 23.571
GO 71.491 2,74% 1 37.058 1,42% 1 32.197 1,23% 1 96.300 3,69% 1 63.749
MA 51.685 2,13% 1 302.128 12,45% 6 11.273 0,46% 0 1.205 0,05% 0 40.160
MG 305.229 3,18% 2 150.833 1,57% 2 77.897 0,81% 1 299.297 3,12% 2 14.313
MS 57.124 5,22% 1 21.570 1,97% 1 1.113 0,10% 0 32.840 3,00% 1 220
MT 124.223 9,78% 2 3.243 0,26% 0 12.023 0,95% 0 0 0,00% 3.157
PA 65.186 2,45% 1 170.658 6,41% 2 37.914 1,42% 1 89.594 3,37% 2 1.156
PB 42.685 2,48% 1 10.902 0,63% 0 7.552 0,44% 0 8.543 0,50% 0 3.234
PE 89.684 2,35% 1 210.572 5,52% 3 39.293 1,03% 1 72.115 1,89% 0 167.670
PI 15.964 1,08% 0 26.891 1,83% 0 22.595 1,53% 0 1.027 0,07% 0 689
PR 258.206 5,02% 3 76.186 1,48% 0 18.058 0,35% 0 4.983 0,10% 0 141.920
RJ 74.863 0,93% 1 37.581 0,47% 0 91.681 1,14% 1 43.311 0,54% 0 272.823
RN 33.953 2,32% 1 22.442 1,54% 0 12.366 0,85% 0 7.958 0,54% 0 7.537
RO 39.909 6,06% 1 8.011 1,22% 0 1.562 0,24% 0 0 0,00% 0
RR 6.625 3,92% 1 10.974 6,49% 2 260 0,15% 0 12.379 7,33% 2 669
RS 242.959 4,09% 3 0 0,00% 0 95.453 1,61% 1 0 0,00% 0 3.236
SC 48.782 1,59% 0 2.185 0,07% 0 13.074 0,43% 0 2.152 0,07% 0 11.112
SE 73.371 8,47% 3 878 0,10% 0 4.127 0,48% 0 5.502 0,63% 0 45.626
SP 1.052.379 5,36% 5 82.600 0,42% 0 233.848 1,19% 2 88.510 0,45% 0 52.575
TO 27.981 4,74% 1 3.018 0,51% 0 394 0,07% 0 18.738 3,18% 0 3.838

141
3.363.082 3,84% 41 1.533.468 1,75% 25 1.138.329 1,30% 17 1.299.460 1,48% 14 1.038.709

ANEXOS
DOCUMENTO
6
6
DOCUMENTO
ANEXOS

Votação, Percentual e Eleitos por Partido


Deputados Estaduais/Distritais

142
PSL PV PMN PT DO B
%Vt %Vt %Vt %Vt
UF Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação
AC 4.624 1,66% 0 1.976 0,71% 0 11.507 4,13% 2 2.082 0,75% 0 0
AL 36.333 3,12% 1 1.703 0,15% 0 46.967 4,03% 1 89.825 7,71% 2 41.432
AM 14.135 1,23% 0 14.360 1,25% 0 9.051 0,79% 0 16.053 1,40% 0 1.218
AP 1.493 0,63% 0 8.220 3,48% 1 3.190 1,35% 0 9.714 4,11% 2 50
BA 0 0,00% 0 19.288 0,32% 0 5.850 0,10% 0 64.661 1,09% 0 0
CE 54.447 1,50% 1 27.949 0,77% 0 58.035 1,60% 0 2.857 0,08% 0 0
DF 15.255 1,25% 0 3.812 0,31% 0 1.167 0,10% 0 1.709 0,14% 0 12.636
ES 11.137 0,67% 0 9.079 0,55% 0 67.282 4,07% 1 0 0,00% 0 2.702
GO 16.256 0,62% 0 13.382 0,51% 0 5.739 0,22% 0 12.743 0,49% 0 0
MA 4.901 0,20% 0 21.913 0,90% 0 3.109 0,13% 0 16.375 0,67% 0 0
MG 7.949 0,08% 0 90.176 0,94% 1 123.959 1,29% 0 5.461 0,06% 0 0
MS 58.818 5,37% 2 6.352 0,58% 0 54.749 5,00% 1 18.002 1,64% 0 2.530
MT 4.093 0,32% 0 3.190 0,25% 0 33.543 2,64% 1 681 0,05% 0 0
PA 2.970 0,11% 0 25.280 0,95% 0 3.311 0,12% 0 2.348 0,09% 0 0
PB 15.106 0,88% 0 18.830 1,09% 0 6.951 0,40% 0 710 0,04% 0 0
PE 92.792 2,43% 1 80.026 2,10% 1 3.115 0,08% 0 929 0,02% 0 0
PI 0 0,00% 0 13.957 0,95% 0 4.507 0,31% 0 801 0,05% 0 0
PR 115.394 2,24% 2 12.722 0,25% 0 2.550 0,05% 0 608 0,01% 0 24.354
RJ 178.544 2,21% 2 348.318 4,32% 3 12.919 0,16% 0 322.123 4,00% 3 265.750
RN 0 0,00% 0 0 0,00% 0 12.517 0,86% 0 685 0,05% 0 0
RO 17.240 2,62% 1 11.625 1,76% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 477
RR 14.011 8,29% 3 0 0,00% 0 1.481 0,88% 0 2.013 1,19% 0 6.203
RS 0 0,00% 0 18.206 0,31% 0 6.934 0,12% 0 7.938 0,13% 0 13.849
SC 809 0,03% 0 12.774 0,42% 0 1.765 0,06% 0 0 0,00% 0 0
SE 0 0,00% 0 3.826 0,44% 0 64.700 7,47% 3 7.477 0,86% 0 0
SP 40.550 0,21% 0 1.012.470 5,16% 5 20.459 0,10% 0 51.135 0,26% 0 890.380
TO 12.713 2,15% 0 207 0,04% 0 326 0,06% 0 290 0,05% 0 475

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


719.570 0,82% 13 1.779.641 2,03% 11 565.683 0,65% 9 637.220 0,73% 7 1.262.056
Votação, Percentual e Eleitos por Partido
Deputados Estaduais/Distritais

PRP PSDC PRTB PGT


%Vt %Vt %Vt %Vt
UF Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação
AC 0 0,00% 0 20.673 7,42% 2 1.085 0,39% 0 0 0,00% 0 0
AL 20.485 1,76% 1 1.667 0,14% 0 16.636 1,43% 0 12.581 1,08% 0 1.576
AM 23.595 2,05% 0 55.182 4,80% 2 58.815 5,12% 1 21.392 1,86% 0 6.183
AP 282 0,12% 0 0 0,00% 0 1.744 0,74% 0 389 0,16% 0 0
BA 56.438 0,95% 1 17.396 0,29% 0 8.552 0,14% 0 9.197 0,15% 0 3.076
CE 0 0,00% 0 9.937 0,27% 0 652 0,02% 0 1.386 0,04% 0 2.025
DF 7.680 0,63% 0 1.665 0,14% 0 6.693 0,55% 0 4.814 0,39% 0 3.113

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


ES 1.533 0,09% 0 2.077 0,13% 0 15.803 0,96% 0 72.826 4,41% 1 660
GO 46.439 1,78% 1 34.187 1,31% 1 859 0,03% 0 14.152 0,54% 0 19.304
MA 5.184 0,21% 0 27.946 1,15% 0 61.615 2,54% 1 20.889 0,86% 1 12.259
MG 19.217 0,20% 0 4.477 0,05% 0 247.935 2,58% 2 23.580 0,25% 0 40.546
MS 2.935 0,27% 0 773 0,07% 0 6.737 0,62% 0 2.391 0,22% 0 800
MT 2.902 0,23% 0 14.675 1,16% 0 1.104 0,09% 0 977 0,08% 0 2.892
PA 4.791 0,18% 0 515 0,02% 0 0 0,00% 0 4.779 0,18% 0 1.502
PB 6.696 0,39% 0 515 0,03% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0
PE 9.019 0,24% 0 89.720 2,35% 1 2.992 0,08% 0 2.104 0,06% 0 32.071
PI 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 1.772 0,12% 0 0
PR 66.291 1,29% 1 1.620 0,03% 0 4.796 0,09% 0 14.089 0,27% 0 1.042
RJ 22.346 0,28% 0 53.515 0,66% 0 31.413 0,39% 0 51.019 0,63% 0 11.955
RN 2.651 0,18% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 6.133 0,42% 0 648
RO 9.879 1,50% 0 1.462 0,22% 0 13.996 2,12% 0 1.940 0,29% 0 441
RR 4.625 2,74% 1 7.172 4,24% 0 4.905 2,90% 0 3.995 2,36% 0 5.430
RS 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0 4.992 0,08% 0 2.137
SC 0 0,00% 0 934 0,03% 0 669 0,02% 0 681 0,02% 0 1.074
SE 3.970 0,46% 0 0 0,00% 0 21.059 2,43% 0 4.292 0,50% 0 2.356
SP 113.088 0,58% 1 20.584 0,10% 0 28.897 0,15% 0 180.783 0,92% 1 95.307
TO 1.378 0,23% 0 236 0,04% 0 756 0,13% 0 343 0,06% 0 225

143
431.424 0,49% 6 366.928 0,42% 6 537.713 0,61% 4 461.496 0,53% 3 246.622

ANEXOS
DOCUMENTO
6
6
DOCUMENTO
ANEXOS

Votação, Percentual e Eleitos por Partido

144
Deputados Estaduais/Distritais

PHS PAN PTC


%Vt %Vt %Vt
UF Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos Votação Válido Eleitos
AC 0 0,00% 0 0 0,00% 0 0 0,00% 0
AL 3.080 0,26% 0 2.208 0,19% 0 0 0,00% 0
AM 10.711 0,93% 0 23.339 2,03% 0 6.724 0,59% 0
AP 2.931 1,24% 0 879 0,37% 0 0 0,00% 0
BA 5.334 0,09% 0 17.744 0,30% 0 60.672 1,02% 0
CE 172.722 4,76% 2 7.723 0,21% 0 0 0,00% 0
DF 8.052 0,66% 0 532 0,04% 0 3.854 0,32% 0
ES 1.089 0,07% 0 22.001 1,33% 0 31.035 1,88% 1
GO 13.174 0,50% 0 9.000 0,34% 0 2.621 0,10% 0
MA 8.420 0,35% 0 34.867 1,44% 0 2.014 0,08% 0
MG 38.620 0,40% 0 6.054 0,06% 0 8.131 0,08% 0
MS 18.586 1,70% 0 0 0,00% 0 295 0,03% 0
MT 4.462 0,35% 0 1.490 0,12% 0 838 0,07% 0
PA 7.006 0,26% 0 0 0,00% 0 732 0,03% 0
PB 1.463 0,08% 0 4.626 0,27% 0 1.733 0,10% 0
PE 13.700 0,36% 0 65.227 1,71% 0 3.011 0,08% 0
PI 1.473 0,10% 0 583 0,04% 0 1.991 0,14% 0
PR 15.584 0,30% 0 3.542 0,07% 0 1.258 0,02% 0
RJ 31.420 0,39% 0 9.331 0,12% 0 7.192 0,09% 0
RN 2.096 0,14% 0 38.085 2,61% 0 897 0,06% 0
RO 4.168 0,63% 0 678 0,10% 0 5.482 0,83% 0
RR 1.662 0,98% 0 7.181 4,25% 1 529 0,31% 0
RS 73.042 1,23% 0 3.287 0,06% 0 0 0,00% 0
SC 1.592 0,05% 0 1.081 0,04% 0 1.137 0,04% 0
SE 695 0,08% 0 4.289 0,49% 0 610 0,07% 0
SP 68.242 0,35% 0 12.365 0,06% 0 6.013 0,03% 0
TO 656 0,11% 0 222 0,04% 0 401 0,07% 0

Relatório das Eleições 2002 – Anexos


509.980 0,58% 2 276.334 0,32% 1 147.170 0,17% 1
Documento 7

Análise do desempenho eleitoral dos candidatos


ANÁLISE DE DESEMPENHO ELEITORAL
PARA <cargo>

<nome_candidato> – <partido> –<sigla_uf>

Eleições <ano>

DOCUMENTO
ANEXOS

Tribunal Superior Eleitoral

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 147


Análise do desempenho eleitoral
dos candidatos

1. Introdução

O presente trabalho informa sobre o desempenho do candidato nas


eleições para <cargo> no estado de/do(a) <estado_por_extenso>.
Dessa forma, o candidato poderá definir e direcionar a sua agenda
política em função dos seus redutos eleitorais, formulando políticas e agindo
de acordo com os interesses do eleitorado que o elegeu.
<se_proporcional>
Analisa-se o desempenho do candidato em relação ao seu partido e
aos demais partidos, com indicação das áreas em que contribuiu para o
crescimento do partido e aquelas em que dele se beneficiou.
</se_proporcional>
Foram analisados, primeiramente, os municípios que contribuíram para
a sua eleição, indicando os percentuais de contribuição e o percentual
DOCUMENTO

acumulado.
ANEXOS

Numa segunda etapa, verificou-se seu desempenho frente aos


7

concorrentes, de forma genérica, mas podendo ser comparados os dados


com os de outros candidatos para análise ad hoc.
<se_proporcional>
Na terceira parte do trabalho, demonstra-se o desempenho do candidato
em relação aos outros partidos e ao seu partido, indicando municípios em
que contribuiu com mais de 50% dos votos de seu partido e os municípios
onde a sua votação superou em média a dos outros partidos.
</se_proporcional>
Finalmente, mostra-se como se deu a competição eleitoral, analisando-
se os índices de fragmentação eleitoral, número de candidatos efetivos e a
colocação do candidato, delineando-se os municípios segundo critérios de
concentração eleitoral e dispersão eleitoral, ou seja, onde o eleitorado se
fragmentou mais em vista das opções de voto e onde se compactou em
torno de alguns candidatos.

148 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


2. Análise do Desempenho do Candidato <nome_candidato>

2.1. Nível de Contribuição para a Votação do Candidato

Os Municípios que mais contribuíram para a votação do candidato


<nome_candidato> foram <numero_total_municipios_contribuiram>,
com um total de <percentual_contribuicao_votacao_candidato> dos votos
do candidato. Assim, tem-se: <lista_municipios_contribuicao_candidato>.
Vide tabela abaixo:

Tabela 1

Nível de Contribuição de Votos para o Candidato <nome_ candidato>


– <partido_candidato>
Eleição <ano_eleicao> – <cargo> – <sigla_uf>
(exemplo)

Tal distribuição espacial do voto pode ser notada conforme o mapa


anexo. (P. 157.)
Na análise do mapa atentar para o caráter de contigüidade, ou seja, os
municípios que são contíguos, que possuem conexões entre si, servem de

DOCUMENTO
ANEXOS
referência para o delineamento do foco da campanha do candidato e a
averiguação da distritalização do voto.

7
2.2. Desempenho em relação a outros candidatos

Neste tópico, destacam-se os municípios onde o candidato


<nome_candidato> superou os seus oponentes e os níveis de gradação de
sua força eleitoral.

2.2.1. Desempenho em relação à Votação Média dos Candidatos

A média aritmética é uma medida estatística de tendência central. É


igual ao quociente entre a soma dos valores de um conjunto e o número
total de valores e serve, neste trabalho, para indicar a votação média dos
candidatos no município.

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 149


A média dos votos é expressa pela seguinte fórmula:
n

∑Vc
i =1
i
X =
Onde: n
i é um elemento do conjunto de candidatos; varia de 1 a n
n é o número total de candidatos;
Vc i é a votação obtida pelo candidato i;
X é a média aritmética da votação dos candidatos.
O candidato <nome_candidato> obteve um desempenho

<se_acima_da_média>
acima da média
</se_acima_da_média>

<se_na_média>
na média
</se_na_média>

<se_abaixo_da_média>
abaixo da média
</se_abaixo_da_média>
( )
n n 2
∑d i
2
∑ xi − x
S = i =1 <muncípios_desempenho
da votação dos candidatos nos municípios: = i =1
n n
_candidato_em_relacao_à_média> que mais contribuíram para a sua
eleição. Porém, como a média da votação dos candidatos está sujeita a grande
DOCUMENTO

variação, é necessário analisar outros níveis de sua força, fazendo-se uso


ANEXOS

do desvio-padrão.
7

O desvio-padrão é uma medida estatística de dispersão. É a média


quadrática dos desvios ou afastamentos dos valores de um conjunto em
relação à média aritmética desses valores e serve, neste trabalho, para
verificar a variação dos votos obtidos por determinado candidato em
relação à votação média dos candidatos.

O desvio-padrão dos votos é expresso pela fórmula:

Onde:

150 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


i é um elemento do conjunto de candidatos e varia de 1 a n
n é o número total de candidatos;
x i é a votação obtida pelo candidato i;

x é a votação média dos candidatos;

(
d i = xi − x ) é o desvio dos votos do candidato i em relação à média dos
votos dos candidatos;
n

(
∑ xi − x
i =1
)
2
é o somatório dos quadrados dos desvios; e

S é a raiz quadrada da média dos quadrados dos desvios.

Tabela 2

Desempenho do Candidato em Relação à Média e


ao Desvio-padrão dos Candidatos
<nome_candidato> – <partido> - Eleição <ano> – <cargo> –
<sigla_uf>
(exemplo)

DOCUMENTO
ANEXOS
Município Média Votos % acima Desvio- % acima Soma Média Índice

7
da Média padrão do Desvio- com Desvio- acima da
padrão padrão Soma da
Média com
Desvio-
padrão
PORTO ALEGRE 3772,14 4,30 8786,40 1,28 12558,54 0,59
SAO LEOPOLDO 502,22 22,57 1905,97 5,21 2408,19 3,92
VIAMAO 505,67 18,85 1281,69 6,83 1787,36 4,62
RIO GRANDE 486,23 20,03 2098,91 3,87 2585,14 2,96
SAO JOSE DO NORTE 72,02 98,99 525,37 12,71 597,39 11,05
OSORIO 104,52 67,92 551,02 12,07 655,54 9,99
CANOAS 817,02 9,19 3842,09 1,17 4659,11 0,79
GRAVATAI 540,93 13,63 2097,77 2,77 2638,70 2,00
TRAMANDAI 82,43 68,87 507,67 10,34 590,10 8,76

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 151


2.2.2. Desempenho em relação ao Desvio-padrão
da Votação Média dos Candidatos

Tomando-se como base o desvio-padrão, percebe-se que o candidato


<nome_candidato> teve um desempenho

<se_acima_do desvio_padrao>
acima do desvio-padrão
</se_acima_do_desvio_padrão>

<se_igual_ao_desvio_padrao>
ao nível do desvio_padrão
</se_igual_ao_desvio_padrao>

<se_abaixo_do_desvio_padrao>
abaixo do desvio_padrão
</se_abaixo_do_desvio_padrao>

nos Municípios:
<lista_dos_municipios_com_desempenho_do_candidato_em_relação_ao_
desvio_padrão>.

(Vide Tabela 2).

2.2.3. Desempenho em relação à Soma da Votação Média


dos Candidatos com o Desvio-padrão

Para saber o quanto o candidato se distanciou da votação média dos


DOCUMENTO
ANEXOS

candidatos e do desvio-padrão, deve-se comparar o desempenho do candidato


em relação à soma da votação média dos candidatos com o desvio-padrão.
7

Neste sentido, o desempenho do candidato <nome_candidato> foi

<se_acima_soma_média_com_desvio_padrao>
acima
</se_acima_soma_média_com_desvio_padrao>

<se_abaixo_soma_média_com_desvio_padrao>
abaixo
</se_abaixo_soma_média_com_desvio_padrao>

deste índice nos municípios:


<lista_municípios_candidato_em_relação_média_com_desvio_padrao>

(Vide Tabela 2).

152 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


2.3. Desempenho em relação a outros partidos

O candidato <nome_candidato> teve um desempenho

<se_acima_da_votação_média_dos_partidos>
acima da votação média dos partidos, desvinculando-se da estrutura
partidária. Dado que pode ser verificado avaliando-se o nível de contribuição
de votos para o seu partido, <partido>. O seu desempenho foi acima da
votação média dos partidos nos municípios:
<lista_municípios_votação_acima_media>
</se_acima_da_votação_média_dos_partidos>

<se_na_votação_média_dos_partidos>
mantendo-se na votação média dos partidos, nos municípios:
<lista_municípios_votação_na_media>
</se_na_votação_média_dos_partidos>

<se_abaixo_votação_média_dos_partidos>
mantendo-se abaixo da votação média dos partidos, nos municípios:
<lista_municípios_votação_abaixo_media>
</se_abaixo_da_votação_média_dos_partidos>

(Vide Tabela 3).


Tabela 3

Desempenho do Candidato em Relação à Média e


ao Desvio-padrão dos Partidos
<nome_candidato> – <partido> - Eleição <ano> – <cargo> –

DOCUMENTO
<sigla_uf>

ANEXOS
(exemplo)

7
Municípios Votação % acima Desvio- % acima Votação do % Soma da Indíce acima da
Média dos da média padrão do Partido do Contribui Média de soma da Média c/
Partidos dos Desvio- Candidato ção para Votos do Desvio-padrão
partidos padrão o seu Partido
partido com o
Desvio-
padrão
101657,6
PORTO ALEGRE 41102,65 -0,51 60555,02 -0,67 78703,00 0,25 7 -0,80
SAO LEOPOLDO 5419,25 1,18 9564,93 0,24 16780,00 0,71 14984,18 -0,21
VIAMAO 5567,80 0,80 7516,10 0,34 15764,00 0,64 13083,90 -0,23
RIO GRANDE 5216,75 0,96 7725,56 0,32 22757,00 0,45 12942,31 -0,21
SAO JOSE DO
NORTE 768,55 8,37 1843,89 2,91 8414,00 0,86 2612,44 1,76
OSORIO 1129,05 5,38 1991,64 2,62 8020,00 0,90 3120,69 1,31
CANOAS 8847,15 -0,06 15987,72 -0,48 14141,00 0,59 24834,87 -0,66
GRAVATAI 5874,95 0,35 9401,95 -0,16 11002,00 0,72 15276,90 -0,48
TRAMANDAI 891,10 5,46 1697,63 2,39 6159,00 0,94 2588,73 1,22
TAQUARA 1455,80 2,61 1921,77 1,73 6112,00 0,86 3377,57 0,55

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 153


2.4. Desempenho em relação ao seu partido

O candidato <nome_candidato> contribuiu com mais de 50% dos


votos de seu partido, o <partido>, em vários municípios onde recebeu
mais votos, ou seja, “carregou” o partido nos seguintes pontos:
<lista_municipios_candidato_carregou_partido>.
(Vide Tabela 3).

2.5. Desempenho em relação à Soma da Votação Média


dos Partidos com o Desvio-padrão

Acrescentando-se à votação média dos partidos o desvio-padrão, o


desempenho do candidato <nome_candidato> muda, indicando a sua força
maior nos municípios: <lista_municípios_acima_soma_média_com_
desvio_padrão_partidos>.
(Vide Tabela 3).

3. Competição Eleitoral

As variáveis que medem a competição eleitoral são a fragmentação


eleitoral (Fe) e o número de candidatos efetivos (Ne). Estas indicam o nível
de concentração ou dispersão eleitoral, ou seja, dizem em quantas partes
se fragmentou o eleitorado e o número de candidatos relevantes que
conseguiram abarcar a maioria dos votos.
Trata-se de uma análise relativamente simples, pois basta comparar a
colocação do candidato na eleição, no município, com os indicadores de
fragmentação eleitoral e o número de candidatos que efetivamente
aglutinaram a maioria dos votos, averiguando se a colocação do candidato
DOCUMENTO
ANEXOS

está na faixa do número de candidatos efetivos (Ne).


7

Podem-se caracterizar os valores do Ne em quatro níveis:


• alta concentração eleitoral (valores abaixo de 4,4);
• baixa concentração eleitoral (valores de 4,5 a 6,5);
• baixa dispersão eleitoral (valores entre 6,6 e 11,1); e
• alta dispersão eleitoral (valores acima de 11,2).
No caso, o candidato <nome_candidato>, nos municípios de
<lista_municípios_alta_concentração_eleitoral_Ne=4,4>, houve grande
concentração de votos em torno do candidato.
Nos municípios de <lista_municípios_baixa_concentração_
eleitoral_Ne >4,4 e Ne<6,5> houve baixa concentração de votos.
Nos municípios de <lista_municípios_baixa_concentração_eleitoral_
Ne >4,4 e Ne<6,5> houve baixa dispersão eleitoral.
A alta dispersão eleitoral aconteceu nos municípios <lista_municípios_
baixa_concentração_eleitoral_Ne >11>.

154 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


O candidato <nome_candidato> se manteve competitivo, fazendo
parte do grupo dos candidatos efetivos que aglutinaram a maioria dos votos.
(Vide tabela abaixo).

Tabela 4

Nível de Fragmentação Eleitoral (Fe) e


Número de Candidatos Efetivos (Ne)
<nome_candidato> – Eleição <ano> – <cargo> – <sigla_uf>
(exemplo)

Índice acima da soma da Média c/


Municípios Colocação % Contribuição Desvio-padrão Fe Ne
PORTO ALEGRE 14 0,11 -0,80 0,97 33,33
SAO LEOPOLDO 2 0,06 -0,21 0,93 14,29
VIAMAO 1 0,05 -0,23 0,97 33,33
RIO GRANDE 5 0,05 -0,21 0,91 11,11
SAO JOSE DO NORTE 1 0,04 1,76 0,76 4,17
OSORIO 1 0,04 1,31 0,88 8,33
CANOAS 4 0,04 -0,66 0,90 10,00
GRAVATAI 4 0,04 -0,48 0,93 14,29
TRAMANDAI 1 0,03 1,22 0,83 5,88
TAQUARA 1 0,03 0,55 0,93 14,29
SAPUCAIA DO SUL 2 0,03 -0,49 0,96 25,00
NOVO HAMBURGO 6 0,03 -0,70 0,89 9,09
ESTEIO 1 0,02 -0,49 0,97 33,33

DOCUMENTO
CACHOEIRINHA 5 0,02 -0,61 0,96 25,00

ANEXOS
ALVORADA 7 0,02 -0,57 0,96 25,00

7
PELOTAS 8 0,02 -0,85 0,89 9,09
TAVARES 1 0,01 1,73 0,79 4,76
TERRA DE AREIA 1 0,01 1,03 0,90 10,00
MOSTARDAS 1 0,01 1,00 0,90 10,00
MAQUINE 1 0,01 0,64 0,91 11,11
ROLANTE 1 0,01 0,81 0,92 12,50
TRES COROAS 1 0,01 0,63 0,92 12,50
IMBE 1 0,01 0,51 0,93 14,29
GRAMADO 1 0,01 0,11 0,93 14,29
VACARIA 2 0,01 -0,54 0,64 2,78
BOM JESUS 2 0,01 0,49 0,84 6,25
RIO PARDO 2 0,01 -0,33 0,85 6,67

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 155


4. Conclusão

Analisando-se os redutos do candidato <nome_candidato> e levando-


se em conta os índices de expressão de sua força, tem-se uma idéia dos
municípios onde obteve melhor performance, são eles:
<lista_dos_municípios_que_superou_votação_media_candidatos,desvio_
padrão_candidatos,soma+desvio_padrao_candidatos,média_votação_partidos,
desvio_padrão_partidos, soma+desvio_padrão_partidos>
Os demais municípios expressam a força do candidato
<nome_candidato> que, por estar colocado entre os candidatos efetivos,
manteve a sua competitividade, mas em menor intensidade, devido aos
padrões de fragmentação eleitoral e ao número de candidatos que
disputaram o pleito.
O <partido> recebeu contribuição de mais de 50% dos votos do
candidato <nome_candidato> em <no_municípios_que_partido_
candidato_recebeu + 50%> municípios.
DOCUMENTO
ANEXOS
7

156 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


DOCUMENTO
ANEXOS

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 157


Documento 8

Análise do desempenho eleitoral dos partidos políticos


ANÁLISE DE DESEMPENHO ELEITORAL
PARA <cargo>

<sigla_partido> – <sigla_uf>

Eleições <ano>

DOCUMENTO
ANEXOS

Tribunal Superior Eleitoral

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 161


Análise do desempenho eleitoral
dos partidos políticos

1. Introdução

O presente trabalho informa sobre o desempenho do partido nas


eleições para <cargo> no Estado de/do(a) <estado_por_extenso>.
Foram analisados, primeiramente, os municípios que contribuíram para
a sua eleição, indicando os percentuais de contribuição e o percentual
acumulado.
Numa segunda etapa, verificou-se seu desempenho frente aos
concorrentes, de forma genérica, mas podendo ser comparados os dados
com os de outros partidos para análise ad hoc.
Na terceira parte, mostra-se como se deu a competição eleitoral,
analisando-se os índices de fragmentação eleitoral, número de partidos
efetivos e a colocação do partido, delineando-se os municípios segundo
critérios de concentração eleitoral e dispersão eleitoral, ou seja, onde o
eleitorado se fragmentou mais em vista das opções de voto e onde se
compactou em torno de alguns partidos.
Finalmente, identifica-se o nível de competição intrapartidária e os
quadros do partido. Dessa forma, o partido tem como saber quais são os
DOCUMENTO
ANEXOS

nomes do partido que angariaram mais votos e em quantas partes o eleitorado


8

se fragmentou em torno deles.

2. Análise do Desempenho do Partido <sigla_partido>

2.1. Nível de Contribuição para a Votação do Partido

Os Municípios que mais contribuíram para a votação do <sigla_partido>


foram <numero_total_municipios_contribuiram>, com um total de
<percentual_contribuicao_votacao_partido> dos votos do partido. Assim,
tem-se: <lista_municipios_contribuicao_partido>. Vide tabela abaixo:

162 Relatório das Eleições 2002 – Anexos


Tabela 1

Nível de Contribuição de Votos para o <sigla_partido>


Eleição <ano_eleicao> – <cargo> – <sigla_uf>
(exemplo)

Tal distribuição espacial do voto pode ser notada conforme o mapa


anexo. (P. 169.)
Na análise do mapa atentar para o caráter de contigüidade, ou seja, os
municípios que são contíguos, que possuem conexões entre si, servem de
referência para o delineamento do foco da campanha do partido e a
averiguação da distritalização do voto.
Analisando a concentração dos votos do partido por Mesorregiões, tem-
se: Porto Alegre (66%), Lajeado-Estrela (33%).

2.2. Desempenho em relação a outros partidos

Neste tópico, destacam-se os municípios onde o <sigla_partido>


superou os seus oponentes e os níveis de gradação de sua força eleitoral.

2.2.1. Desempenho em relação à Votação Média dos Partidos

A média aritmética é uma medida estatística de tendência central. É


igual ao quociente entre a soma dos valores de um conjunto e o número
total de valores e serve, neste trabalho, para indicar a votação média dos
partidos no município. DOCUMENTO
ANEXOS

8
A média dos votos é expressa pela seguinte fórmula:

Onde:
i é um elemento do conjunto de partidos; varia de 1 a n
n é o número total de partidos;
é a votação obtida pelo partido i;
é a média aritmética da votação dos partidos.

Relatório das Eleições 2002 – Anexos 163