Vous êtes sur la page 1sur 176

Boletim do Trabalho e Emprego, n.

º 25, 8/7/2016

Conselho Económico e Social ...


Regulamentação do trabalho 1922
Organizações do trabalho 2032
Informação sobre trabalho e emprego ...

Propriedade
Ministério do Trabalho, Solidariedade
e Segurança Social

Edição
N.º Vol. Pág. 2016 Gabinete de Estratégia
e Planeamento
25 83 1918-2093 8 jul
Direção de Serviços de Apoio Técnico
e Documentação

ÍNDICE

Conselho Económico e Social:

Arbitragem para definição de serviços mínimos:


...

Regulamentação do trabalho:

Despachos/portarias:
...

Portarias de condições de trabalho:


...

Portarias de extensão:

- Portaria de extensão do acordo coletivo entre a Açoreana Seguros, SA e outras e o Sindicato dos Trabalhadores da Actividade
Seguradora (STAS) e outro ............................................................................................................................................................. 1922

Convenções coletivas:

- Contrato coletivo entre a Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Pesados de Passageiros - ANTROP e
o Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes da Área Metropolitana do Porto - STTAMP ........................................................ 1924
- Contrato coletivo entre a Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade - CNIS e a FNE - Federação Nacional
da Educação e outros - Revisão global ........................................................................................................................................... 1948
- Contrato coletivo entre a ANIL - Associação Nacional dos Industriais de Lanifícios e outra e a Federação de Sindicatos da
Indústria, Energia e Transportes - COFESINT - Alteração salarial e outras .................................................................................. 2002
- Contrato coletivo entre a ANIL - Associação Nacional dos Industriais de Lanifícios e outra e a Federação dos Sindicatos dos
Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal - FESETE - Alteração salarial e outras ..................... 2004
- Contrato coletivo entre a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição - APED e a FEPCES - Federação Portuguesa
dos Sindicatos do Comércio, Escritórios e Serviços e outros - Alteração salarial e outras ............................................................ 2006
- Contrato coletivo entre a Associação do Comércio e Serviços da Região do Algarve - ACRAL e o CESP - Sindicato dos
Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal e outros - Alteração salarial e outras/texto consolidado ........... 2009
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

- Acordo coletivo entre a REN - Redes Energéticas Nacionais, SGPS, SA e outras e o SINDEL - Sindicato Nacional da Indús-
tria e da Energia e outros (revisão global) - Constituição da comissão paritária ........................................................................... 2029
- Acordo coletivo entre a REN - Redes Energéticas Nacionais, SGPS, SA e outras e a Federação Intersindical das Indústrias
Metalúrgicas, Químicas, Eléctricas, Farmacêutica, Celulose, Papel, Gráfica, Imprensa, Energia e Minas - FIEQUIMETAL e
outros (revisão global) - Constituição da comissão paritária ......................................................................................................... 2029
- Acordo de empresa entre a Saint-Gobain Mondego, SA/Verallia e a Federação Portuguesa dos Sindicatos da Construção,
Cerâmica e Vidro - FEVICCOM - Alteração ................................................................................................................................. 2030
- Contrato coletivo entre a Associação Portuguesa de Hospitalização Privada - APHP e o Sindicato dos Enfermeiros Portu-
gueses - SEP - Integração em níveis de qualificação ...................................................................................................................... 2031
- Contrato coletivo entre a Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Pesados de Passageiros - ANTROP e o Sin-
dicato dos Trabalhadores dos Transportes - SITRA - Integração em níveis de qualificação .......................................................... 2031
- Acordo coletivo entre a Douro Azul - Sociedade Marítimo-Turística, SA e outras e a Federação de Sindicatos dos Trabalha-
dores do Mar - FESMAR - Integração em níveis de qualificação .................................................................................................. 2032

Decisões arbitrais:
...

Avisos de cessação da vigência de convenções coletivas:


...

Acordos de revogação de convenções coletivas:


...

Jurisprudência:
...

Organizações do trabalho:

Associações sindicais:

I – Estatutos:

- Sindicato Nacional de Oficiais de Polícia - SNOP - Alteração .................................................................................................... 2033


- Sindicato dos Trabalhadores do Metropolitano de Lisboa - STML que passa a denominar-se STMETRO - Sindicato dos
Trabalhadores do Metropolitano de Lisboa - Alteração ................................................................................................................. 2033
- Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Centro - Alteração .................... 2039
- Federação Nacional dos Professores - FENPROF - Alteração ..................................................................................................... 2041

II – Direção:

- Sindicato dos Trabalhadores e Técnicos de Serviços - SITESE - Eleição ................................................................................... 2046


- Sindicato dos Trabalhadores do Grupo Portugal Telecom - STPT - Eleição ............................................................................... 2046
- Federação Nacional dos Professores - FENPROF - Eleição ........................................................................................................ 2046

Associações de empregadores:

1919
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

I – Estatutos:

- Associação Empresarial de Águeda - Alteração ........................................................................................................................... 2047

II – Direção:

- Associação dos Industriais Metalúrgicos, Metalomecânicos e Afins de Portugal - AIMMAP - Eleição ..................................... 2053
- Associação Comercial dos Concelhos de Oliveira de Azeméis e Vale de Cambra - Eleição ....................................................... 2053

Comissões de trabalhadores:

I – Estatutos:

- Visteon Portuguesa, L.da - Constituição ........................................................................................................................................ 2054


- LEDR Ingenieria y Servicios, SL - Sucursal em Portugal - Constituição .................................................................................... 2063
- BANIF Gestão de Activos - Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Mobiliário, SA - Constituição .............................. 2073
- BANIF - Banco de Investimento, SA - Constituição ................................................................................................................... 2080

II – Eleições:

- Automóveis Citroën, SA - Eleição ............................................................................................................................................... 2087


- Visteon Portuguesa, L.da - Eleição ................................................................................................................................................ 2087
- EDP Distribuição - Energia, SA - Eleição ..................................................................................................................................... 2087
- LEDR Ingenieria y Servicios, SL - Sucursal em Portugal - Eleição ............................................................................................ 2089
- BANIF Gestão de Activos - Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Mobiliário, SA - Eleição ...................................... 2089
- BANIF - Banco de Investimento, SA - Eleição ........................................................................................................................... 2089
- BRISA - Auto-Estradas de Portugal, SA - Eleição ....................................................................................................................... 2089
- Entidade Reguladora para a Comunicação Social - ERC - Eleição ............................................................................................. 2090
- TAP - Transportes Aéreos Portugueses, SA - Eleição .................................................................................................................. 2090

Representantes dos trabalhadores para a segurança e saúde no trabalho:

I – Convocatórias:

- Câmara Municipal de Azambuja - Convocatória ......................................................................................................................... 2091


- ArcelorMittal Construção Portugal, SA - Convocatória .............................................................................................................. 2092
- Fundação Luíz Bernardo de Almeida - Convocatória .................................................................................................................. 2092

II – Eleição de representantes:

- ADP - Fertilizantes, SA - Eleição .................................................................................................................................................. 2092


- Caixa Económica Montepio Geral (CEMG) - Eleição ................................................................................................................. 2092
- COPAM - Companhia Portuguesa de Amidos, SA - Eleição ....................................................................................................... 2093

1920
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

- Vishay Electrónica Portugal, L.da - Eleição .................................................................................................................................. 2093


- GROHE Portugal, Componentes Sanitários, L. - Eleição .........................................................................................................
da
2093
- Renault Cacia, SA - Eleição ......................................................................................................................................................... 2093

Aviso: Alteração do endereço eletrónico para entrega de documentos a publicar no Boletim do Trabalho e Emprego
O endereço eletrónico da Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho para entrega de documentos a publicar
no Boletim do Trabalho e Emprego passou a ser o seguinte: dsrcot@dgert.msess.pt
De acordo com o Código do Trabalho e a Portaria n.º 1172/2009, de 6 de outubro, a entrega em documento electrónico
respeita aos seguintes documentos:
a) Estatutos de comissões de trabalhadores, de comissões coordenadoras, de associações sindicais e de associações de
empregadores;
b) Identidade dos membros das direcções de associações sindicais e de associações de empregadores;
c) Convenções colectivas e correspondentes textos consolidados, acordos de adesão e decisões arbitrais;
d) Deliberações de comissões paritárias tomadas por unanimidade;
e) Acordos sobre prorrogação da vigência de convenções coletivas, sobre os efeitos decorrentes das mesmas em caso de
caducidade, e de revogação de convenções.

Nota:
- A data de edição transita para o 1.º dia útil seguinte quando coincida com sábados, domingos e feriados.
- O texto do cabeçalho, a ficha técnica e o índice estão escritos conforme o Acordo Ortográfico. O conteúdo dos textos é
da inteira responsabilidade das entidades autoras.

SIGLAS

CC - Contrato coletivo.
AC - Acordo coletivo.
PCT - Portaria de condições de trabalho.
PE - Portaria de extensão.
CT - Comissão técnica.
DA - Decisão arbitral.
AE - Acordo de empresa.

Execução gráfica: Gabinete de Estratégia e Planeamento/Direção de Serviços de Apoio Técnico e Documentação - Depósito legal n.º 8820/85.

1921
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL

ARBITRAGEM PARA DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS MÍNIMOS

...

REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO

DESPACHOS/PORTARIAS

...

PORTARIAS DE CONDIÇÕES DE TRABALHO

...

PORTARIAS DE EXTENSÃO

Portaria de extensão do acordo coletivo entre a 1.ª série, n.º 211, de 31 de outubro, alterada pela Resolução
Açoreana Seguros, SA e outras e o Sindicato dos do Conselho de Ministros n.º 43/2014, publicada no Diário
Trabalhadores da Actividade Seguradora (STAS) e da República, 1.ª série, n.º 122, de 27 de junho de 2014, do-
outro ravante designada por RCM.
Atendendo a que compete às associações de empregado-
res a representação do setor de atividade em que se inserem;
O acordo coletivo entre a Açoreana Seguros, SA e outras
que no interesse dos seus associados cabe às associações de
e o Sindicato dos Trabalhadores da Actividade Seguradora
empregadores o direito à celebração de contratos coletivos
(STAS) e outro, publicado no Boletim do Trabalho e Em-
no respetivo setor de atividade; que o setor da atividade se-
prego, n.º 4, de 29 de janeiro de 2016, abrange as empresas
guradora era representado pela APS - Associação Portugue-
outorgantes que no território nacional se dediquem à ativida-
sa de Seguradores, e que a mesma foi extinta voluntariamen-
de seguradora e trabalhadores ao seu serviço representados
te, como associação de empregadores, em 29 de novembro
pelos sindicatos outorgantes.
de 2015, a presente extensão abrange apenas as relações de
As partes subscritoras requereram a extensão do acordo
trabalho entre as entidades empregadoras outorgantes do
coletivo às empresas não outorgantes da convenção coletiva
acordo coletivo e respetivos trabalhadores não filiados nas
que se dediquem à atividade de seguros, resseguros e fundos
associações sindicais outorgantes.
de pensões, exceto segurança social obrigatória, e trabalha-
Considerando que o âmbito de aplicação da extensão
dores das profissões e categorias nele previstas não filiados
corresponde ao previsto na subalínea v) da alínea b) do nú-
nas associações sindicais outorgantes, observando o disposto
mero 1 da RCM, fica dispensada a verificação do critério da
nas alíneas a) e b) do número 1 da Resolução do Conselho
representatividade, nos termos da alínea c) do número 1 da
de Ministros n.º 90/2012, publicada no Diário da República,

1922
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

RCM, porquanto, assentando no número de trabalhadores ao da CRP é de assinalar que não foi declarada até à data a sua
serviço das entidades empregadoras outorgantes, fica o mes- inconstitucionalidade. Por outro lado, é consabido que a
mo automaticamente preenchido. Consequentemente, fica RCM visa a clarificação das situações em que o serviço
dispensada a consideração das respetivas implicações para a competente pela tramitação da emissão da portaria de ex-
competitividade de outras empresas do setor não outorgantes tensão procede à sua instrução, o que é feito e proposto,
da convenção, uma vez que a extensão não se lhes aplica. conforme refere expressamente a RCM, tendo em conta o
Considerando que o acordo coletivo regula diversas disposto no número 2 do artigo 514.º e no artigo 515.º, ambos
condições de trabalho, procede-se à ressalva genérica de do CT, ou seja, mediante a ponderação das circunstâncias so-
cláusulas contrárias a normas legais imperativas. ciais e económicas que a justifiquem e no respeito pelo prin-
Embora a convenção tenha área nacional, a extensão cípio da subsidiariedade das portarias de extensão.
apenas é aplicável no território do continente, porquanto Deste modo, face à oposição e considerando que assiste
nas Regiões Autónomas a extensão de convenções coletivas ao SINAPSA a defesa dos direitos e interesses dos trabalha-
compete aos respetivos Governos Regionais. dores nela filiados, procede-se à exclusão dos trabalhadores
Foi publicado o aviso relativo ao projeto da presente ex- nela filiados do âmbito da presente extensão.
tensão no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 14, de 15 de Ponderadas as circunstâncias sociais e económicas jus-
abril de 2016, na sequência do qual o SINAPSA - Sin- tificativas da extensão, nos termos do número 2 do artigo
dicato Nacional dos Profissionais de Seguros e Afins dedu- 514.º do Código do Trabalho e observados os critérios
ziu oposição à emissão da portaria de extensão. Em síntese, necessários para o alargamento das condições de trabalho
a oponente alega que a extensão carece de fundamentação previstas em convenção coletiva, inscritos no número 1
legal, porquanto o número 1 do artigo 514.º do Código do da RCM, promove-se a emissão da portaria de extensão do
Trabalho (CT) apenas autoriza a sua emissão para o setor de acordo coletivo em causa. Assim:
atividade e que existe contrato coletivo para a atividade segu- Manda o Governo, pelo Secretário de Estado do Em-
radora, celebrado em 2008 entre a APS - Associação Portu- prego (ao abrigo da delegação de competências que lhe foi
guesa de Seguradores e a oponente, com portaria de extensão conferida pelo Ministro do Trabalho, Solidariedade e Segu-
emitida em 2009, que acautela as necessidades económicas rança Social nos termos do Despacho n.º 1300/2016, de
e sociais a que se refere o número 2 do artigo 514.º do CT. 13 de janeiro, publicado no Diário da República, 2.ª série,
Acresce, ainda, que a emissão de portaria de extensão com n.º 18, de 27 de janeiro de 2016), nos termos do artigo 514.º
fundamento na RCM é inconstitucional por violar a tipicida- e do número 1 do artigo 516.º do Código do Trabalho e da
de dos atos normativos prevista no artigo 112.º da Constitui- Resolução do Conselho de Ministros n.º 90/2012, de 31 de
ção da República Portuguesa (CRP). outubro, alterada pela Resolução do Conselho de Ministros
O argumento da oponente no sentido de que o CT apenas n.º 43/2014, publicada no Diário da República, 1.ª série, n.º
autoriza a emissão de portaria de extensão para o setor de 122, de 27 de junho de 2014, o seguinte:
atividade não tem cabimento na lei. Do disposto nos artigos
Artigo 1.º
514.º e 515.º do CT resulta que, sem prejuízo da pondera-
ção de circunstâncias sociais e económicas, nomeadamente 1- As condições de trabalho constantes do acordo coletivo
a identidade ou semelhança das situações a abranger pela entre a Açoreana Seguros, SA e outras e o Sindicato dos
portaria de extensão e as previstas na convenção a estender, Trabalhadores da Actividade Seguradora (STAS) e outro,
a emissão daquela é admissível desde que existam empre- publicado no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 4, de 29 de
gadores e trabalhadores não abrangidos por regulamentação janeiro de 2016, são estendidas no território do Continente
coletiva de trabalho negocial. Por outro lado, decorre do regi- às relações de trabalho entre as entidades empregadoras ou-
me relativo à concorrência entre portarias de extensão, pre- torgantes e os trabalhadores ao seu serviço, das profissões e
visto no número 2 do artigo 483.º do CT, que a lei não impede categorias profissionais previstas na convenção, não repre-
a emissão de portaria de extensão de outro instrumento de sentados pelas associações sindicais outorgantes.
regulamentação coletiva de trabalho negocial aplicável no 2- Não são objeto de extensão as cláusulas contrárias a
mesmo âmbito. normas legais imperativas.
Acresce que a APS - Associação Portuguesa de Segura- 3- A presente portaria não é aplicável aos trabalhadores
dores, parte empregadora subscritora dos contratos coletivos filiados no SINAPSA - Sindicato Nacional dos Profissionais
para o setor da atividade seguradora, extinguiu-se como de Seguros e Afins.
associação de empregadores. Considerando que compete às
Artigo 2.º
associações de empregadores e associações sindicais a cele-
bração de contratos coletivos nos setores de atividade que 1- A presente portaria entra em vigor no quinto dia após
representam e que embora o legislador não regule expressa- a sua publicação no Diário da República.
mente a extinção de associação de empregadores outorgante 2- A tabela salarial e as prestações de conteúdo pecuni-
de contrato coletivo como causa de cessação de vigência de ário produzem efeitos a partir do primeiro dia do mês da
convenção coletiva, tal efeito está implícito no regime ju- publicação da presente portaria.
rídico, porquanto não é possível conceber uma convenção
coletiva com apenas uma parte. 24 de junho de 2016 - O Secretário de Estado do Empre-
Quanto ao argumento de que a RCM viola o artigo 112.º go, Miguel Filipe Pardal Cabrita.

1923
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

CONVENÇÕES COLETIVAS

Contrato coletivo entre a Associação Nacional de conterá proposta de revisão, total ou parcial, da convenção.
Transportadores Rodoviários de Pesados de Passa- 2- A denúncia só poderá ter lugar nos sessenta dias que
geiros - ANTROP e o Sindicato dos Trabalhadores antecedem o termo do prazo convencionado na cláusula an-
dos Transportes da Área Metropolitana do Porto - terior.
3- A contraproposta à proposta de revisão da convenção
STTAMP
deverá ser feita, por escrito, até trinta dias após a apresenta-
ção da proposta.
CAPÍTULO I
CAPÍTULO II
Âmbito, vigência e revisão
Admissão e carreira profissional
Cláusula 1.ª
Cláusula 4.ª
(Âmbito)
1- A presente regulamentação coletiva de trabalho verti- (Condições de admissão)
cal, adiante designada CCTV, obriga, por um lado, todas as 1- Só pode ser admitido a prestar trabalho a pessoa singu-
empresas representadas pela Associação Nacional de Trans- lar que tenha completado a idade mínima de admissão, tenha
portadores Rodoviários de Pesados de Passageiros (adiante concluído a escolaridade obrigatória e disponha de capacida-
designada ANTROP), da área metropolitana do Porto, que se des físicas e psíquicas adequadas ao posto de trabalho.
dediquem ao transporte público rodoviário de passageiros e, 2- A idade mínima de admissão para prestar trabalho é de
por outro, os trabalhadores ao seu serviço representados pela 16 anos.
associação sindical outorgante. 3- O disposto na presente cláusula é aplicável aos trabalha-
2- O presente CCTV abrangerá cerca de nove empregado- dores admitidos após a data da entrada em vigor do presente
res e cerca de dois mil e quinhentos trabalhadores. CCTV.
Cláusula 2.ª Cláusula 5.ª
(Vigência e denúncia) (Período experimental)
1- Este CCTV entra em vigor 5 dias após a sua publicação 1- No contrato de trabalho por tempo indeterminado, o pe-
no Boletim do Trabalho e Emprego. ríodo experimental tem a seguinte duração:
2- O período de vigência será de 36 meses, sem prejuízo a) 240 dias para as categorias profissionais dos grupos I,
do disposto no número seguinte. II e III das áreas administrativa, manutenção e movimento;
3- Quanto à tabela salarial e às cláusulas de expressão pe- b) 180 dias para as categorias profissionais dos grupos IV
cuniária (Anexo III), o seu período de vigência será de 12 e V das áreas administrativa, manutenção e movimento e do
meses contados a partir da sua produção de efeitos. grupo VI das áreas administrativa e manutenção;
4- As cláusulas de expressão pecuniária (Anexo III) têm c) 90 dias, acrescido do período de tempo despendido com
eficácia a partir do dia 1 de março de cada ano. a formação inicial ministrada, para os trabalhadores com a
5- Decorrido o prazo de vigência referido no número 2 categoria profissional de motorista de serviço público do
desta cláusula, aplica-se o seguinte regime: grupo IV da área movimento;
a) Não tendo havido denúncia, o CCTV renova-se sucessi- d) 90 dias para as demais categorias profissionais não refe-
vamente por períodos de um ano; ridas nas alíneas anteriores.
b) Havendo denúncia, a convenção mantém-se em regime 2- No contrato de trabalho a termo, o período experimental
de sobrevigência durante o período em que decorra a nego- tem a seguinte duração:
ciação, incluindo conciliação, mediação ou arbitragem vo- a) 30 dias em caso de contrato com duração igual ou supe-
luntária, ou no mínimo durante 18 meses; rior a seis meses;
c) Decorrido o período referido na alínea anterior, a con- b) 15 dias em caso de contrato a termo certo com duração
venção mantém-se em vigor durante 60 dias após qualquer inferior a seis meses ou de contrato a termo incerto cuja du-
das partes comunicar ao ministério responsável pela área la- ração previsível não ultrapasse aquele limite.
boral e à outra parte que o processo de negociação terminou 3- No contrato em comissão de serviço, a existência de
sem acordo, após o que caduca. período experimental depende de estipulação expressa no
Cláusula 3.ª acordo, não podendo exceder 180 dias.
4- O período experimental, de acordo com qualquer dos
(Tempo e forma de revisão) números anteriores, é reduzido ou excluído, consoante a du-
1- A denúncia far-se-á, por meio de documento escrito, e ração de anterior contrato a termo para a mesma atividade,

1924
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

ou de contrato de trabalho temporário executado no mesmo 4- Nos estabelecimentos com cinco ou mais técnicos de
posto de trabalho, ou ainda de contrato de prestação de ser- manutenção ou onde não haja um técnico de manutenção
viços celebrado com o mesmo empregador e com o mesmo nível V, tem que haver, pelo menos, um classificado como
objeto, tenha sido inferior ou igual ou superior à duração da- responsável de secção.
quele período. 5- Os estabelecimentos que tiverem ao seu serviço mais
5- A antiguidade do trabalhador conta-se desde o início do de sete técnicos de manutenção têm que classificar um como
período experimental. técnico de manutenção V.
6- Para os trabalhadores da área administrativa é obrigató-
Cláusula 6.ª
ria a existência de:
(Categorias profissionais) a) Um profissional classificado como responsável de sec-
ção II por cada secção diferenciada que tenha um mínimo de
1- Os trabalhadores abrangidos por este CCTV serão clas-
cinco trabalhadores, dentro de cada departamento, divisão
sificados de harmonia com as suas funções, em conformidade
ou serviço;
com as categorias profissionais constantes do anexo I. Para
b) Um profissional classificado como responsável de servi-
os trabalhadores já admitidos na data da entrada em vigor do
ço por cada dois profissionais classificados como responsá-
presente CCTV proceder-se-á à redenominação da categoria
vel de secção II no mesmo sector de serviços, departamento
profissional tendo em conta a tabela de equivalências entre
ou de divisão;
categorias profissionais constante do mesmo anexo.
c) O número de estagiários não poderá exceder em 50 % o
2- É vedado à empresa atribuir aos trabalhadores catego-
de técnicos administrativos, podendo sempre haver um esta-
rias diferentes das previstas neste CCTV, salvo se daí resultar
giário desde que haja um técnico administrativo;
benefício para o trabalhador. Em todos os documentos que
d) O cômputo dos técnicos administrativos será efetuado
sejam elaborados por força dos preceitos regulamentares das
em separado em relação aos escritórios centrais e a cada fi-
relações do trabalho, deve a empresa utilizar a mesma desig-
lial, no caso de haver separações geográficas dos locais de
nação na classificação profissional.
trabalho.
3- Sempre que perante a dispersão regular das funções de
um profissional existam dúvidas sobre a categoria a atribuir- Cláusula 9.ª
-lhe, optar-se-á por aquela a que corresponda a retribuição
mais elevada. (Acesso)
1- Constitui acesso a passagem de um trabalhador à classe
Cláusula 7.ª
superior ou mudança para outras funções a que corresponda
(Quadros de pessoal) uma hierarquia e retribuição mais elevadas.
2- No provimento dos lugares, a empresa dará sempre
1- A empresa obriga-se a organizar, nos termos legais, o
preferência aos trabalhadores ao seu serviço, salvo os casos
quadro do seu pessoal.
especiais em que não lhes seja reconhecida competência pro-
2- Caso o trabalhador apresente declaração de acordo com
fissional.
a lei, a empresa enviará, até ao dia 10 de cada mês, às respeti-
3- O acesso às seguintes categorias profissionais pode ser
vas associações sindicais os mapas de quotização, fornecidos
efetuado, em regime de estágio, por trabalhadores habilita-
gratuitamente por estas, acompanhados da quantia destinada
dos com, no mínimo, cursos de formação que confiram equi-
ao pagamento das quotas.
valência ao 12.º ano de escolaridade: técnico de bilheteira e
3- Os mapas obtidos por meios informáticos poderão subs-
despachos, técnico de manutenção e técnico administrativo.
tituir os mapas das respetivas associações sindicais desde
4- O exercício de funções em regime de estágio nos termos
que contenham os elementos necessários.
do número anterior tem a duração de um ano, no termo do
Cláusula 8.ª qual os trabalhadores terão acesso ao nível inferior da cate-
goria correspondente.
(Regulamentação do quadro - Densidades) 5- Excluem-se do disposto no número 3 os trabalhado-
1- As densidades mínimas para as categorias profissionais res relativamente aos quais não seja obrigatório o 12.º ano
de técnico de manutenção e de técnico administrativo são as de escolaridade, caso em que terão que ter a escolaridade
seguintes: mínima exigida atenta a idade concreta.
6- O período de permanência em cada categoria profissional
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 e as condições de acesso à categoria profissional subsequente
I - 1 1 2 2 3 3 4 4 5 constam do anexo II.
II 1 1 2 2 3 3 4 4 5 5 Cláusula 10.ª
2- Se existir apenas um técnico de manutenção ou um téc-
(Admissão para efeitos de substituição)
nico administrativo, este terá de ser classificado com o nível
II. 1- A admissão de qualquer trabalhador para efeitos de
3- Existindo mais que dez técnicos de manutenção ou mais substituição temporária entende-se sempre feita a termo e
que dez técnicos administrativos, a respetiva classificação desde que esta circunstância e o nome do trabalhador a subs-
manterá as proporções estabelecidas no quadro supra. tituir constem de documento escrito e assinado pelo traba-

1925
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

lhador. de emergência, nos termos previstos na Lei n.º 7/2009, de 12


2- O trabalhador admitido nas condições previstas no nú- de fevereiro, que aprovou o Código do Trabalho;
mero 1 pode pôr termo ao contrato mediante aviso prévio de k) Facultar ao trabalhador, quando ele o solicite por es-
oito dias. crito, a consulta do seu processo individual, do qual devem
3- No caso de o trabalhador admitido nestas condições constar, para além de outros elementos, a categoria profissio-
continuar ao serviço no termo do contrato ou período de nal e acessos, retribuições auferidos, faltas dadas ao trabalho
prorrogação, e tendo-se já verificado o regresso do trabalha- e sua natureza, períodos de férias gozadas, sanções discipli-
dor substituído, deverá a admissão considerar-se definitiva, nares aplicadas e louvores atribuídos;
para todos os efeitos, a contar da data do início do contrato l) Garantir aos trabalhadores com horário fixo que te-
a termo. nham, a título excecional, e por motivos imperiosos de ser-
4- O trabalhador admitido, nos termos do número 1 desta viço, que iniciar ou terminar o serviço fora do horário de
cláusula, tem direito às partes proporcionais do subsídio de trabalho habitualmente praticado, as condições necessárias,
Natal, do período de férias e respetivo subsídio atenta a du- em matéria de deslocação, que lhes permitam o cumprimen-
ração efetiva do contrato de trabalho. to desses horários;
m) Quando utilizado, assinar, na semana imediatamente
CAPÍTULO III posterior àquela a que disserem respeito, os resumos sema-
nais dos livretes individuais de controlo do horário de traba-
Direitos e deveres das partes lho, sob pena de se presumir efetuado o trabalho suplementar
nele registado;
Cláusula 11.ª n) Adquirir o livrete individual de controlo e fornecê-lo ao
trabalhador, quando aplicável;
(Deveres da empresa) o) Proporcionar aos trabalhadores, nas instalações da em-
São deveres da empresa: presa e desde que estas não coincidam com a residência da
a) Cumprir rigorosamente as disposições do presente entidade empregadora, local apropriado para tomarem as
CCTV, bem como prestar às associações sindicais outor- suas refeições, desde que não exista refeitório;
gantes ou aos trabalhadores, nestas filiados, todas as infor- p) Entregar aos trabalhadores que efetuam cobranças em
mações e esclarecimentos que estes solicitem quanto ao seu movimento, aquando da sua admissão, a quantia adequada
cumprimento; para efeito de poder entregar aos utentes os necessários tro-
b) Passar certificados de comportamento e competência cos, decorrentes da venda de títulos de transporte. Esta quan-
profissional aos seus trabalhadores, quando por estes soli- tia é, obrigatoriamente, objeto de restituição aquando da ces-
citados; sação do contrato de trabalho ou em caso da sua suspensão
c) Nos termos e dentro dos limites legais, facilitar a missão por período igual ou superior a sessenta dias, ficando, desde
dos trabalhadores que façam parte das comissões de traba- já, autorizada a sua compensação com os créditos salariais
lhadores, sindicais ou intersindicais e prestar-lhes todos os vencidos na data da respetiva cessação.
esclarecimentos por estes solicitados; Cláusula 12.ª
d) Exigir a cada trabalhador apenas o trabalho compatível
com a respetiva categoria; (Deveres dos trabalhadores)
e) Não deslocar qualquer trabalhador para serviços que São deveres dos trabalhadores:
não sejam exclusivamente os da sua profissão ou não este- a) Comparecer ao serviço com pontualidade e assiduidade;
jam de acordo com o seu nível hierárquico, salvo os casos b) Cumprir com zelo e diligência o trabalho que lhes esteja
previstos na lei e no presente CCTV; confiado dentro do exercício da sua atividade profissional, de
f) Proporcionar boas condições de trabalho, tanto do pon- acordo com o presente CCTV;
to de vista físico como moral; c) Acompanhar com interesse a aprendizagem dos traba-
g) Celebrar contrato de seguro de acidente de trabalho para lhadores que ingressam na profissão;
todos os trabalhadores, no país e no estrangeiro, de acordo d) Informar com verdade, isenção e espírito de justiça a
com a retribuição auferida. O contrato de seguro abrangerá o respeito dos seus subordinados ou sobre quaisquer factos de
trabalhador durante o período de trabalho e nas deslocações serviço que lhe sejam solicitados pela empresa, desde que no
de ida e regresso do trabalho; âmbito da sua definição de funções;
h) Proporcionar aos trabalhadores a necessária formação, e) Velar pela conservação e pela boa utilização dos bens
atualização e aperfeiçoamento profissionais e facilitar horá- relacionados com o seu trabalho, que lhes sejam confiados
rios aos trabalhadores-estudantes; pela empresa, bem como a documentação com eles relacio-
i) Dispensar os trabalhadores pelo tempo necessário ao nada;
exercício das funções sindicais e funções em organismos f) Prestar, regular e pontualmente, contas das importân-
do Estado, assistência social ou outros a ela inerentes, nos cias de cuja cobrança forem incumbidos ou que estejam con-
termos previstos na Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro, que fiadas à sua guarda;
aprovou o Código do Trabalho; g) Participar por escrito, pontualmente, os acidentes ocor-
j) Facilitar todo o tempo necessário aos trabalhadores que ridos em serviço. Prestar os esclarecimentos necessários para
desempenhem serviço como bombeiros voluntários, em caso

1926
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

a descrição detalhada do acidente; Cláusula 14.ª


h) Não negociar por conta própria ou alheia em concorrên-
cia com a empresa; (Direito à greve e proibição de «Lock-out»)
i) Cumprir todas as demais obrigações emergentes do Em conformidade e perante a imperatividade do precei-
contrato de trabalho, das normas que o regem e dos regula- tuado na Constituição da República Portuguesa e na lei:
mentos internos ou ordens de serviço que não sejam contrá- a) É assegurado aos trabalhadores e às suas organizações
rias às disposições do presente CCTV e aos seus direitos e de classe, o direito de preparar, organizar e desenvolver pro-
garantias; cessos de greve;
j) Efetuar a entrega das folhas de registo dos aparelhos ta- b) É proibido às empresas formas de lock-out.
cógrafos, bem como efetuar a descarga do cartão de tacógra-
fo digital, de acordo com o legalmente definido. CAPÍTULO IV
Cláusula 13.ª
Agente único
(Garantias dos trabalhadores)
É vedado à empresa: Cláusula 15.ª
a) Despedir o trabalhador sem justa causa;
(Agente único)
b) Opor-se, por qualquer forma, a que o trabalhador exer-
ça os seus direitos, bem como aplicar-lhe sanções por causa 1- Exerce funções em regime de agente único todo o traba-
desse exercício; lhador com a categoria profissional de motorista de serviço
c) Exercer pressão sobre o trabalhador para que atue no público que, em carreiras de serviço público (urbanas, inte-
sentido de influir desfavoravelmente nas condições de traba- rurbanas e serviços expressos), presta serviço não acompa-
lho dele e/ou dos seus companheiros; nhado de cobrador-bilheteiro e desempenha as funções que a
d) Diminuir-lhe a retribuição; este cargo incumbem:
e) Baixar-lhe a categoria; a) Efetua a emissão, carregamento e cobrança de títulos de
f) Transferir o trabalhador para outro local de trabalho, transporte e verifica a validade de outros títulos de transporte
fora das condições previstas no presente CCTV; de que os passageiros se encontrem munidos;
g) Explorar com fins lucrativos quaisquer cantinas, refei- b) Carrega e descarrega a bagagem dos passageiros, proce-
tórios, economatos ou outros estabelecimentos diretamente dendo à cobrança de eventuais excessos;
relacionados com o trabalho para fornecimento de bens ou c) Presta assistência aos passageiros, nomeadamente dan-
prestação de serviços aos trabalhadores; do informações quanto a percursos, horários e ligações;
h) Fazer cessar, a qualquer título, o contrato de trabalho e d) Procede à receção, conferência e entrega dos despachos
readmitir trabalhadores, mesmo com o seu acordo, havendo que lhe forem confiados, bem como dos documentos que aos
propósito de os prejudicar em direitos ou garantias decorren- mesmos respeitem em agentes ou em qualquer dependência
tes da antiguidade; da empresa;
i) Utilizar os trabalhadores em atividades alheias às que e) Presta contas das cobranças a que procedeu.
correspondem às suas aptidões e classe ou categoria profis- 2- É obrigatório o exercício das funções correspondentes
sional, salvo nos casos de força maior em que haja acordo à categoria profissional de motorista em regime de agente
escrito do trabalhador; único.
j) Modificar o horário de trabalho dos trabalhadores de 3- Sem prejuízo do disposto na cláusula 78.ª, todos os
horário fixo diurno para horário fixo noturno ou vice versa, e trabalhadores com a categoria profissional de motorista de
de fixo para móvel ou vice-versa ou alterar o local de traba- serviço público que exerçam as suas funções em regime de
lho sem o acordo escrito do trabalhador; agente único nos termos previstos no número 1 têm direito
k) Obrigar o trabalhador a trabalhar com máquinas ou via- a um subsídio especial diário correspondente a 25 % sobre
turas que não possuam comprovadas condições de segurança a remuneração da hora normal de trabalho, durante o tempo
ou não estejam devidamente legalizadas ou documentadas efetivo de serviço prestado naquela qualidade, com o paga-
e daí possam resultar sanções legais para os trabalhadores; mento mínimo correspondente a oito horas de trabalho diário
l) Efetuar sem o consentimento escrito do trabalhador nessa situação.
qualquer desconto na sua retribuição, nomeadamente por 4- Anualmente, há lugar ao pagamento do proporcional do
danos causados por acidente ou avaria nas viaturas ou má- subsídio de agente único efetivamente pago nos meses de
quinas com que trabalha, salvo quando tais descontos forem férias, subsídio de férias e subsídio de Natal.
legal ou judicialmente estabelecidos; 5- Para efeito do disposto no número anterior, o valor de
m) Ofender a honra e dignidade dos trabalhadores; cada proporcional do subsídio de agente único é calculado
n) Sem prejuízo do disposto no número 2 da cláusula 6.ª, mediante a divisão por 11 (onze) do valor total recebido pelo
proceder à criação de novas classes ou categorias profissio- desempenho daquela função no ano civil anterior.
nais e respetivas definições de funções sem a aprovação da
comissão paritária.

1927
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

CAPÍTULO V Cláusula 20.ª

Local de trabalho (Tempo de intervalo)


1- Para todos os trabalhadores com horário móvel, o perí-
Cláusula 16.ª odo normal de trabalho diário deve ser interrompido por um
intervalo de duração não inferior a uma hora e não superior a
(Local de trabalho) três, de modo a que os trabalhadores não prestem mais de 5
1- Considera-se local de trabalho aquele para onde o traba- horas de trabalho consecutivo.
lhador foi contratado. 2- Caso a duração máxima de tempo de intervalo não seja
2- O local de início do serviço pode ser alterado para gozada no primeiro intervalo pode ser dado um segundo in-
outro(s) desde que a distância entre esse(s) local(ais) e a re- tervalo até perfazer as três horas referidas no número ante-
sidência do trabalhador informada à empresa no momento rior.
da admissão seja igual ou inferior à distância entre o local de 3- Excetua-se do disposto nos números anteriores todas as
trabalho contratado e a referida residência. situações em que a natureza do serviço ou o interesse dos
3- Caso da aplicação do previsto no número anterior re- trabalhadores requeiram outro regime de intermitência desde
sulte um acréscimo de custo com a deslocação, devidamente que haja acordo escrito entre as partes.
comprovado por meio de documento, tem o trabalhador di- 4- Excecionalmente, o horário de trabalho pode prever a
reito a ser ressarcido de tais custos. prestação até ao limite de seis horas consecutivas caso tal
4- O local de início e termo de cada período de trabalho seja necessário para assegurar a conclusão do serviço em
deve, em cada dia, ser o mesmo. Quando assim não suceda, execução.
o período de tempo necessário à deslocação entre o local de 5- Para todos os demais trabalhadores, o período normal
termo e o local de início é considerado tempo de trabalho. de trabalho diário deve ser interrompido por um intervalo
de duração não inferior a uma hora e não superior a duas
Cláusula 17.ª
horas, salvo se for celebrado entre as partes acordo escrito
(Transferência do local de trabalho) em sentido diverso.
6- Por acordo escrito entre as partes, e para os trabalhado-
1- O trabalhador poderá ser transferido, definitiva ou tem-
res de qualquer uma das áreas administrativa, manutenção e
porariamente, para outro local de trabalho sempre que dê o
movimento, pode ser prevista a prestação de um único pe-
seu acordo, por escrito, em documento do qual constem os
ríodo de trabalho diário, de forma contínua, com a duração
termos dessa transferência.
máxima de sete horas, não havendo lugar à compensação do
2- Se não se verificarem os requisitos de transferência es-
período de tempo em falta por referência à duração do perí-
tabelecidos no número 1 desta cláusula, o trabalhador pode-
odo normal de trabalho diário. Sempre que possível, durante
rá ainda ser transferido, definitiva ou temporariamente, nos
o período de trabalho diário deve ser prevista uma pausa de
termos do definido na Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro, que
quinze minutos, a qual se considera incluída naquele perío-
aprovou o Código do Trabalho.
do.
CAPÍTULO VI Cláusula 21.ª

(Tempo de descanso diário)


Prestação de trabalho
1- O tempo de descanso diário entre duas jornadas de tra-
Cláusula 18.ª balho não pode ser inferior a 11 horas.
2- Aos trabalhadores com horário móvel, quando abrangi-
(Tempo de trabalho) dos pelo âmbito de aplicação do disposto na legislação apli-
Para efeitos do presente CCTV, considera-se tempo de cável, nomeadamente o Regulamento (CE) 561/2006 e as
trabalho qualquer período de tempo em que o trabalhador normas que o complementem, serão observados os tempos
esteja afeto, de acordo com o determinado pela entidade de descanso neles definidos.
empregadora, à execução das funções correspondentes à sua Cláusula 22.ª
categoria profissional.
(Período normal de trabalho)
Cláusula 19.ª
O período normal de trabalho será de quarenta horas se-
(Tempo de descanso) manais, distribuídas em cinco dias, não podendo ser superior
1- Para efeitos do presente CCTV, considera-se tempo de a oito horas diárias, sem prejuízo de outros de menor duração
descanso qualquer período, durante a jornada de trabalho ou em vigor.
entre jornadas de trabalho, em que o trabalhador não esteja Cláusula 23.ª
afeto à realização de qualquer atividade, podendo dispor li-
vremente do seu tempo. (Horário de trabalho - Definição e princípios gerais)
2- O tempo de descanso pode ser tempo de intervalo, tem- 1- Entende-se por horário de trabalho a definição das horas
po de descanso diário e tempo de descanso semanal.

1928
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

de início e termo do período normal de trabalho, bem como 4- As pausas técnicas têm a duração mínima de 30 minutos
os intervalos de descanso. e a duração máxima de três horas em cada dia de trabalho.
2- Compete à empresa estabelecer o horário de trabalho 5- Durante a pausa técnica, o trabalhador está obrigado a
dos trabalhadores ao seu serviço dentro dos condicionalis- manter-se contactável e, caso esta seja interrompida, o tra-
mos legais do presente CCTV. balhador deve apresentar-se ao serviço no prazo máximo
3- Poderão ser praticados os seguintes tipos de horário de equivalente a metade do tempo previsto inicialmente para a
trabalho: pausa técnica.
a) Horário fixo; 6- A partir do momento do contacto efetuado pela empre-
b) Horário móvel. sa, o trabalhador passa a estar na situação de prestação efeti-
4- Os mapas de horário de trabalho fixo serão remetidos ao va de trabalho diário remunerado como tal.
ministério responsável pela área laboral nos casos em que a 7- Os períodos de pausa técnica serão registados no cor-
lei o exija. respondente meio de registo legalmente obrigatório sob o
5- A alteração do tipo de horário de trabalho depende do símbolo:
acordo do trabalhador.
6- Todos os trabalhadores com a categoria profissional de
motorista de serviço público deverão proceder ao registo dos 8- A pausa técnica é aplicada em situação de condução em
tempos de trabalho e dos tempos de descanso em livrete in- equipa apenas para efeito de registo, excluindo-se a aplica-
dividual de controlo ou em tacógrafo analógico ou digital, ção do número 3 da presente cláusula.
de acordo com o legalmente definido, designadamente no 9- Da aplicação da pausa técnica prevista na presente
Decreto-Lei n.º 237/2007. cláusula não resulta a obrigação do trabalhador permanecer
7- Os trabalhadores com horário móvel terão de ter conhe- ao serviço por período superior a oito horas diárias. Para o
cimento da hora do início do trabalho posterior ao período de cômputo das oito horas diárias considera-se quer o tempo de
descanso com a maior antecedência possível, garantindo-se, trabalho quer as pausas técnicas.
que, no mínimo, tal ocorra até antes do início do descanso 10- Não poderá haver lugar á aplicação simultânea de
diário ou semanal. tempo de disponibilidade e de pausa técnica.
8- Se, por motivos de serviço, houver alteração da hora do
Cláusula 26.ª
início de trabalho acima referido, é da responsabilidade da
empresa a informação prévia ao trabalhador de tal alteração. (Trabalho suplementar)
Cláusula 24.ª 1- Considera-se trabalho suplementar o prestado fora do
período normal de trabalho.
(Outros trabalhos) 2- É proibida a prestação de trabalho suplementar com ca-
Na organização do horário de trabalho definido para os rácter de regularidade.
trabalhadores com horário móvel deverá considerar-se o pe- 3- Só em casos inteiramente imprescindíveis e justificados
ríodo total mínimo de quinze minutos para a execução de poderá haver lugar a prestação de trabalho suplementar.
tarefas complementares à tarefa principal de condução, de- 4- Nos casos previstos no número anterior, a prestação de
signadamente, verificação da viatura, abastecimento, presta- trabalho suplementar não excederá duas horas diárias nem
ção de contas, sendo que, pelo menos dez desses minutos ultrapassará, no total, as duzentas horas anuais.
deverão ser previstos no início da jornada de trabalho. 5- Excecionalmente, o período de trabalho suplementar
poderá ultrapassar o limite estipulado no número anterior
Cláusula 25.ª
nos seguintes casos:
(Pausa técnica) a) Serviço de desempanagem de viatura ou equipamento
oficinal;
1- Entende-se por pausa técnica qualquer período,
b) Demoras provocadas pelo embarque e desembarque de
que não seja intervalo de descanso, descanso diário ou
passageiros ou mercadorias;
descanso semanal, cuja duração previsível seja previamente
c) Serviços ocasionais ou transportes eventuais coletivos.
conhecida pelo trabalhador, em que este não esteja obrigado
6- Todo o trabalho suplementar é objeto de registo interno
a permanecer no local de trabalho, embora se mantenha
mediante o recurso a meios informáticos ou manuais.
adstrito à realização da atividade profissional em caso de ne-
cessidade, bem como, no caso de trabalhador que conduza Cláusula 27.ª
em equipa, qualquer período que passe ao lado do condutor
ou num beliche durante a marcha do veículo, nos termos pre- (Trabalho noturno)
vistos no Decreto-Lei n.º 237/2007. 1- Para os trabalhadores já admitidos na data da entrada
2- As pausas técnicas previstas no número anterior não são em vigor do presente CCTV, o trabalho prestado entre as 20
consideradas tempo de trabalho e não substituem o tempo de horas de um dia e as 7 horas do dia seguinte é considerado
intervalo. trabalho noturno.
3- As pausas técnicas que ocorram após o período normal 2- Para os trabalhadores que venham a ser posteriormente
de trabalho diário são remuneradas nos termos previstos na admitidos, o trabalho prestado entre as 20h30 de um dia e as
cláusula 49.ª 6h30 do dia seguinte é considerado trabalho noturno.

1929
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

CAPÍTULO VII b) Os casos de horário de trabalho que envolvam a presta-


ção de serviço normal em dois dias civis.
Suspensão da prestação de trabalho Cláusula 29.ª
Cláusula 28.ª (Feriados)

(Tempo de descanso semanal) 1- São feriados obrigatórios os definidos na Lei n.º 7/2009,
de 12 de fevereiro, que aprovou o Código do Trabalho.
1- Os trabalhadores têm direito a gozar, em cada semana
2- O feriado de Sexta-Feira Santa poderá ser observado em
de trabalho, dois dias de descanso semanal consecutivos: dia
outro dia com significado local no período da Páscoa.
de descanso semanal obrigatório e dia de descanso semanal
3- Além dos feriados obrigatórios, será ainda observado
complementar.
o feriado municipal do local de trabalho, ou, quando aquele
2- Para os trabalhadores que venham a ser admitidos após
não exista, o feriado municipal da respetiva capital de distri-
a entrada em vigor do presente CCTV, o gozo dos dias de
to, bem como o dia de Carnaval.
descanso semanal será observado de forma fixa ou rotativa
de acordo com a escala de serviço periodicamente afixada. Cláusula 30.ª
Para os trabalhadores já admitidos, o gozo dos dias de des-
canso semanal será observado nos termos em vigor. (Direito a férias)
3- O gozo de dia de descanso terá que ocorrer, obrigato- 1- A todos os trabalhadores será concedido um período de
riamente, ao fim de, no máximo, seis dias de condução con- férias em cada ano civil, sem prejuízo da sua remuneração
secutivos. normal, de 22 dias úteis, a partir de 1 de janeiro, com refe-
4- No caso de os dias de descanso semanal serem observa- rência ao trabalho prestado no ano anterior.
dos de forma rotativa haverá lugar à sua definição com perio- 2- O início do período de férias será no primeiro dia a se-
dicidade quinzenal, estando sujeitos a confirmação semanal. guir aos dias de descanso.
5- Havendo lugar à transição de sistema de gozo de dia 3- O direito a férias é irrenunciável e não pode ser substi-
de descanso de forma rotativa para sistema de gozo de dia tuído, fora dos casos expressamente previstos na lei, por re-
de descanso de forma fixa será observado, sucessivamente, muneração suplementar ou qualquer outra vantagem, ainda
o critério de maior antiguidade, estando sempre dependente que o trabalhador dê o seu consentimento.
da aceitação do trabalhador. Para ordenação e aferição do 4- Aos trabalhadores do mesmo agregado familiar que es-
critério de maior antiguidade apenas serão considerados os tejam ao serviço da empresa será concedido a faculdade de
trabalhadores que estejam em igualdade de circunstâncias gozarem as suas férias simultaneamente.
tendo em atenção o posto de trabalho a que serão afetos. 5- No ano da admissão, o trabalhador tem direito a dois
6- Aos trabalhadores com horário móvel, quando abran- dias úteis de férias por cada mês de duração do contrato, até
gidos pelo âmbito de aplicação do disposto na legislação 20 dias, cujo gozo pode ter lugar após seis meses completos
aplicável nomeadamente o Regulamento (CE) 561/2006 e as de execução do contrato.
normas que os complementem, serão observados os tempos 6- No caso de o ano civil terminar antes de decorrido o
de descanso neles definidos. prazo referido no número anterior, as férias são gozadas até
7- Para os trabalhadores com horário fixo, os dias de des- 30 de junho do ano subsequente.
canso semanal obrigatório e complementar coincidirão, sem- 7- Da aplicação do disposto nos números anteriores não
pre que possível, com o sábado e o domingo. Para os traba- pode resultar o gozo, no mesmo ano civil, de mais de 30 dias
lhadores com horário fixo nesta data já admitidos, e salvo úteis de férias.
acordo escrito em sentido diverso, manter-se-á o gozo dos 8- No caso de a duração do contrato de trabalho ser infe-
dias de descanso nos dias atualmente observados. rior a seis meses, o trabalhador tem direito a dois dias úteis
8- Se o trabalhador prestar serviço no dia de descanso se- de férias por cada mês completo de duração do contrato, con-
manal obrigatório tem direito a descansar 1 dia completo tando-se para o efeito todos os dias seguidos ou interpolados
num dos 3 dias imediatamente seguintes. de prestação de trabalho.
9- Os trabalhadores em serviço no estrangeiro gozarão o 9- As férias referidas no número anterior são gozadas ime-
dia ou dias de descanso imediatamente a seguir à sua chega- diatamente antes da cessação do contrato, salvo acordo das
da ao local de trabalho, salvo se por acordo o gozo ocorrer partes.
no estrangeiro. 10- No ano de cessação de impedimento prolongado ini-
10- Considera-se haver sido prestado trabalho em dias de ciado em ano anterior, o trabalhador tem direito a férias nos
descanso semanal obrigatório, dia de descanso semanal com- termos dos números 5 e 6.
plementar ou dia feriado sempre que não se verifiquem pelo 11- Em caso de cessação de contrato no ano civil subse-
menos 24 horas consecutivas de repouso no decurso do dia quente ao da admissão ou cuja duração não seja superior a
civil em que recair, salvaguardando-se e excetuando-se os 12 meses, o cômputo total das férias ou da correspondente
seguintes casos: retribuição a que o trabalhador tenha direito não pode exce-
a) O trabalho que se prolongue até às 3 horas do dia civil der o proporcional ao período anual de férias tendo em conta
de descanso semanal obrigatório, de descanso semanal com- a duração do contrato.
plementar ou dia feriado;

1930
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Cláusula 31.ª parte com o período de férias, considerar-se-ão estas não go-
zadas na parte correspondente.
(Gozo de férias) 3- Quando se verificar a situação prevista no número an-
1- As férias deverão ser gozadas seguidamente, exceto terior relativamente a um período de férias já iniciado, o tra-
quando o trabalhador tenha interesse em gozá-las interpola- balhador deverá comunicar à empresa o dia de início da do-
damente e tal conste de documento escrito, sem prejuízo do ença, bem como o do seu termo, devidamente comprovados.
disposto no número seguinte. 4- Findo o impedimento a que se refere o número 2, pros-
2- As férias devem ser gozadas no decurso do ano civil em seguirá o gozo das férias, nos termos em que as partes acor-
que se vencem, não sendo permitido acumular no mesmo darem, ou, na falta de acordo, logo após a alta.
ano férias de dois ou mais anos.
Cláusula 35.ª
3- As férias podem ser gozadas até 30 de abril do ano ci-
vil seguinte, em cumulação ou não com férias vencidas no (Férias em caso de cessação do contrato)
início deste, por acordo entre a empresa e o trabalhador ou
Cessando o contrato de trabalho, a empresa pagará ao
sempre que este as pretenda gozar com familiar residente no
trabalhador a retribuição, incluindo subsídio, corresponden-
estrangeiro.
te ao período de férias vencido, salvo se o trabalhador já as
Cláusula 32.ª tiver gozado, bem como a retribuição e subsídio correspon-
dente a um período de férias proporcional ao tempo de servi-
(Marcação de férias) ço prestado no ano da cessação.
1- A época de férias deve ser estabelecida de comum acor-
Cláusula 36.ª
do entre o trabalhador e a empresa. Não havendo acordo,
compete à empresa fixar o período de férias, as quais terão (Proibição do exercício de outras atividades durante as férias)
de ser gozadas entre 1 de maio e 30 de setembro, devendo,
O trabalhador não pode exercer durante as férias qual-
contudo, ser dado conhecimento ao trabalhador com uma an-
quer atividade remunerada, salvo se já a viesse exercendo
tecedência nunca inferior a dois meses.
cumulativamente ou a empresa o autorizar a isso, sob pena
2- O plano de férias deverá ser afixado até 31 de março, e
de sanção disciplinar e reembolso da retribuição correspon-
dele será remetido um exemplar à associação sindical. Igual-
dente às férias e subsídio respetivo.
mente serão comunicadas ao trabalhador e à associação sin-
dical respetiva todas as alterações ao plano de férias. Cláusula 37.ª
3- As férias dos trabalhadores da área movimento pode-
rão ser marcadas ao longo de todo o ano civil, devendo, na (Licença sem retribuição)
marcação, ser ouvida a estrutura de representação dos traba- 1- A empresa pode conceder ao trabalhador, a pedido des-
lhadores. te, licença sem retribuição.
2- O período de licença sem retribuição, autorizado pela
Cláusula 33.ª
empresa, contar-se-á para todos os efeitos de antiguidade.
(Férias em caso de impedimento prolongado) 3- Durante o mesmo período cessam os direitos, deveres
e garantias das partes, na medida em que pressuponham a
1- No caso de suspensão do contrato de trabalho, por im-
efetiva prestação de trabalho.
pedimento prolongado respeitante ao trabalhador, nomeada-
4- O trabalhador a quem for concedida licença sem retri-
mente doença, se se verificar a impossibilidade total ou par-
buição mantém o direito ao lugar.
cial do gozo de direito a férias já vencido ou que se vença no
5- Poderá ser contratado um substituto para o trabalhador
ano de admissão, o trabalhador terá direito, após a cessação
na situação de licença sem retribuição.
do impedimento, ao gozo ou à retribuição correspondente ao
período de férias vencido e não gozado e respetivo subsídio. Cláusula 38.ª
2- No ano da cessação do impedimento prolongado, o tra-
balhador terá direito a dois dias úteis de férias por cada mês, (Impedimento prolongado)
nos termos previstos nos números 5 e 6 da cláusula 30.ª 1- Quando o trabalhador esteja temporariamente impedido
por facto que não lhe seja imputável, nomeadamente doença
Cláusula 34.ª
ou acidente, e o impedimento se prolongar por mais de um
(Alteração ou interrupção de férias) mês, cessam os direitos, deveres e garantias das partes, na
medida em que pressuponham a efetiva prestação de traba-
1- Se, depois de fixado o período de férias, a empresa, por
lho, sem prejuízo da manutenção do direito ao lugar com a
motivo de interesse desta, o alterar ou fizer interromper as
categoria, antiguidade e demais regalias, nem da observância
férias já iniciadas, indemnizará o trabalhador dos prejuízos
das disposições legalmente aplicáveis em matéria de segu-
que comprovadamente haja sofrido, na pressuposição de que
rança social.
gozaria o período de férias acordado na época fixada.
2- O disposto no número 1 começará a observar-se mesmo
2- Sempre que um período de doença, devidamente com-
antes de verificado o prazo de um mês, a partir do momento
provado por declaração de estabelecimento hospitalar, ou
em que haja a certeza ou se preveja com segurança que o
centro de saúde ou atestado médico, coincida no todo ou em
impedimento terá duração superior àquele prazo.

1931
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

3- Terminado o impedimento, o trabalhador deve, logo que 3- É considerada injustificada qualquer falta não prevista
possível, comunicar à empresa que pretende retomar o lugar no número anterior.
e apresentar-se dentro dos quinze dias seguintes, a contar da
Cláusula 41.ª
data da comunicação, sob pena de perder o direito ao lugar.
(Efeitos de faltas justificadas)
CAPÍTULO VIII 1- As faltas justificadas não determinam perda de retribui-
ção ou prejuízo de quaisquer direitos ou regalias do trabalha-
Faltas dor, salvo o disposto no número seguinte.
2- Determinam perda de retribuição as seguintes faltas,
Cláusula 39.ª ainda, que justificadas:
a) As referidas na alínea g) da cláusula anterior, salvo dis-
(Conceito de falta)
posição legal em contrário ou tratando-se de faltas dadas por
1- Por falta entende-se a ausência durante um dia de tra- membros de comissões de trabalhadores;
balho. b) As dadas por motivo de doença, acidentes de trabalho e
2- Nos casos de ausência durante períodos inferiores a um parentalidade, sem prejuízo dos benefícios complementares
dia de trabalho, os respetivos períodos serão adicionados, estipulados neste CCTV;
reduzindo-se o total a horas. c) As referidas na alínea i) da cláusula anterior, salvo se
3- Sem prejuízo do disposto no número seguinte, não serão tiverem sido autorizadas sem perda de remuneração.
considerados como faltas os atrasos na hora de entradas in-
feriores a quinze minutos, desde que não excedam uma hora Cláusula 42.ª
por mês.
(Faltas injustificadas e seus efeitos)
4- Ficam expressamente excluídos do disposto no número
anterior todos os trabalhadores da área movimento e, da área 1- As faltas injustificadas determinam perda de retribuição
manutenção, os trabalhadores com as categorias profissio- correspondente ao tempo de falta ou, se o trabalhador assim
nais de técnico de manutenção e técnico de pneus, sob pena o preferir, a diminuição de igual número de dias no período
de aplicação de sanções disciplinares, salvo os casos devida- de férias imediato, não podendo, porém, este período ser re-
mente justificados. duzido a menos de 20 dias úteis de férias.
2- Incorre em infração disciplinar todo o trabalhador que:
Cláusula 40.ª a) Faltar injustificadamente durante cinco dias consecuti-
vos, ou dez interpolados, no mesmo ano civil;
(Tipos de falta)
b) Faltar injustificadamente com a alegação de motivo de
1- A falta pode ser justificada ou injustificada. justificação comprovadamente falso.
2- São consideradas faltas justificadas:
a) As dadas, durante 15 dias seguidos, por altura do casa- Cláusula 43.ª
mento;
(Fórmula de cálculo por perda de remuneração)
b) A motivada por falecimento de cônjuge, parente ou
afim; O montante a deduzir por motivo de falta que implique
c) A motivada pela prestação de prova em estabelecimento perda de remuneração será calculado pela aplicação da se-
de ensino; guinte fórmula:
d) A motivada por impossibilidade de prestar trabalho de- Retribuição base + diuturnidades
= Remuneração diária
vido a facto não imputável ao trabalhador, nomeadamente 30
observância de prescrição médica no seguimento de recurso
a técnica de procriação medicamente assistida, doença, aci-
dente ou cumprimento de obrigação legal; CAPÍTULO IX
e) A motivada pela prestação de assistência inadiável e
imprescindível a filho, a neto ou a membro do agregado fa- Retribuição
miliar de trabalhador;
f) A motivada por deslocação a estabelecimento de ensino Cláusula 44.ª
de responsável pela educação de menor por motivo da situa- (Retribuição do trabalho)
ção educativa deste, pelo tempo estritamente necessário, até
quatro horas por trimestre, por cada um; 1- As retribuições mínimas dos trabalhadores abrangidos
g) A de trabalhador eleito para estrutura de representação por este CCTV são as constantes do anexo III, devendo ser
coletiva dos trabalhadores; pagas até ao último dia do mês a que digam respeito e dentro
h) A de candidato a cargo público, nos termos da corres- do período normal de trabalho.
pondente lei eleitoral; 2- A entidade empregadora entregará mensalmente os reci-
i) A autorizada ou aprovada pelo empregador, consideran- bos de vencimento aos trabalhadores.
do-se, desde já, como tal o dia de aniversário do trabalhador; 3- Com expressa exclusão do disposto na cláusula 48.ª,
j) A que por lei seja como tal considerada. para todos os efeitos, designadamente, cálculo do trabalho
suplementar em dia útil, trabalho noturno e subsídio de agen-

1932
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

te único, o cálculo do valor hora é sempre efetuado de acordo canso semanal obrigatório e de descanso semanal comple-
com a seguinte fórmula: mentar e nos dias feriado será pago pelo mínimo de cinco
(Retribuição base + diuturnidades) x 12 horas, de acordo com os números 1 e 2 desta cláusula.
Período normal de trabalho semanal x 52 4- Cada hora ou fração trabalhada para além do período
normal de trabalho (oito horas) será paga pelo triplo do valor
Cláusula 45.ª resultante da aplicação da fórmula consignada no número 2
desta cláusula.
(Retribuições dos trabalhadores que exerçam funções inerentes a
diversas categorias por substituições temporárias) Cláusula 49.ª
1- Sempre que um trabalhador substitua outro de categoria (Forma de pagamento da pausa técnica)
e retribuição superior receberá desde o início a retribuição
1- Cada hora de pausa técnica não incluída nas oito horas
correspondente à categoria do trabalhador substituído.
de trabalho normal diário é remunerada nos termos da cláu-
2- O disposto no número anterior não é considerado aces-
sula 47.ª quando ocorra em dia útil e nos termos da cláusula
so.
48.ª quando ocorra em dias de descanso semanal obrigatório
3- Se a substituição se prolongar para além de cento e vinte
e em dia de descanso semanal complementar ou em dia fe-
dias consecutivos, o direito à retribuição mais elevada não
riado.
cessa com o regresso do trabalhador substituído.
2- É da responsabilidade da associação de empregadores
Cláusula 46.ª outorgante a indicação às empresas associadas do modo e
da designação sob a qual é efetuado o pagamento das pausas
(Diuturnidades) técnicas garantindo-se, em qualquer caso, que o resultado
1- Para além da remuneração, todos os trabalhadores sem corresponda ao indicado no número anterior.
acesso obrigatório terão direito a uma diuturnidade, no mon-
Cláusula 50.ª
tante previsto no anexo III, de três em três anos, até ao limite
de seis, que fará parte integrante da retribuição, a qual será (Retribuição e subsídio de férias)
atribuível em função das respetivas antiguidades na empresa.
1- Durante o período em que ocorra o gozo de férias, os
2- Cada uma das restantes diuturnidades vencer-se-á de-
trabalhadores receberão da empresa a retribuição e um sub-
pois de decorridos três anos sobre o vencimento da diuturni-
sídio de férias de montante igual à retribuição base e diu-
dade imediatamente anterior.
turnidades, correspondentes ao período de férias a que têm
3- Para os trabalhadores classificados em categorias pro-
direito.
fissionais com acesso obrigatório, o vencimento de cada diu-
2- Para além da retribuição base e diuturnidades, o traba-
turnidade será contabilizado em razão do tempo efetivo de
lhador receberá ainda o proporcional do subsídio de agente
permanência nessa categoria.
único calculado nos termos do previsto na cláusula 15.ª
Cláusula 47.ª 3- Dos proporcionais a serem pagos na retribuição e subsí-
dio de férias exclui-se qualquer outra cláusula de expressão
(Retribuição do trabalho suplementar em dia útil) pecuniária.
O trabalho suplementar prestado em dia útil é remunera- 4- O subsídio de férias será pago no mês anterior ao gozo
do com os seguintes adicionais sobre o valor da hora normal: das férias ou, caso o gozo ocorra de forma interpolada, no
a) 50 % de retribuição normal na primeira hora; mês anterior àquele em que se verificar o gozo do período
b) 75 % de retribuição normal nas horas ou frações mínimo de dez dias úteis consecutivos.
subsequentes.
Cláusula 51.ª
Cláusula 48.ª
(Subsídio de Natal)
(Retribuição do trabalho em dias de descanso e dias feriado) 1- Todos os trabalhadores abrangidos por este CCTV têm
1- O trabalho prestado em dias de descanso semanal obri- direito a um subsídio correspondente a um mês de retribui-
gatório descanso semanal complementar e em dias feriado é ção base e diuturnidades, o qual será pago ou posto à sua
remunerado com o adicional de 200 %. disposição até 15 de dezembro de cada ano.
2- Para efeito de cálculo, o valor do dia será determinado 2- Para além da retribuição base e diuturnidades, o traba-
pela seguinte fórmula: lhador receberá ainda o proporcional do subsídio de agente
(Retribuição base + diuturnidades) único calculado nos termos do previsto na cláusula 15.ª, o
= Remuneração diária qual será pago, o qual será pago aquando do pagamento re-
30
ferido no número 1.
e o valor da hora será também determinado pela seguinte 3- Os trabalhadores que no ano de admissão não tenham
fórmula: concluído um ano de serviço terão direito a tantos duodéci-
Remuneração diária mos daquele subsídio quantos os meses de serviço que com-
= Remuneração hora
Horário de trabalho diário (8) pletarem até 31 de dezembro desse ano.
3- Qualquer período de trabalho prestado nos dias de des- 4- Cessando o contrato de trabalho o trabalhador tem direi-

1933
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

to ao subsídio fixado no número 1, em proporção ao tempo horas de trabalho entre as 0 e as 5 horas, de acordo com os
de serviço prestado no próprio ano de cessação. valores constantes do anexo III.
5- Para efeitos do disposto nos números 3 e 4, entende-se 4- O trabalhador terá direito a pagamento do pequeno-al-
como um mês completo qualquer fração do mesmo. moço sempre que esteja deslocado em serviço e na sequência
6- Tem direito ao subsídio de Natal, pela parte proporcio- de pernoita por conta da entidade empregadora, de acordo
nal ao tempo de trabalho efetivo, o trabalhador que esteja com os valores constantes do anexo III.
ou tenha estado na situação de impedimento prolongado por 5- As refeições tomadas no estrangeiro, sempre que não
motivo de doença, devidamente comprovada por declaração haja lugar a pernoita, serão pagas, sob a forma de ajuda de
de estabelecimento hospitalar, centro de saúde ou atestado custo, de acordo com o valor constante do anexo III.
médico. 6- Quando o trabalhador estiver deslocado do seu local de
7- A empresa adiantará o subsídio de Natal que o trabalha- trabalho e possa e queira tomar as refeições na sua residên-
dor tiver direito a receber da Segurança Social. cia, dentro dos períodos para refeição previstos no número
8- O pagamento do subsídio referido no número 6 e o 2 desta cláusula, não terá direito a qualquer quantia de re-
adiantamento do subsídio referido no número serão pagos embolso, salvaguardando-se, porém, as situações de acordos
dentro do prazo estabelecido no número 1, obrigando-se o existentes.
trabalhador a reembolsar a empresa no quantitativo recebido
Cláusula 55.ª
da Segurança Social, quando o receber.
Cláusula 52.ª (Subsídio de alimentação)
1- As empresas atribuirão um subsídio de refeição de valor
(Abono para falhas) igual para todos os trabalhadores abrangidos por este CCTV,
1- Os trabalhadores com as categorias profissionais de téc- independentemente da sua categoria profissional, o qual não
nico de bilheteira e despachos e técnico de tesouraria recebe- fará parte da sua retribuição.
rão, a título de abono para falhas, a quantia mensal constante 2- O subsídio terá o valor constante do anexo III por cada
do anexo III, a qual será paga nos meses em que haja lugar a dia em que haja um mínimo de quatro horas de trabalho
prestação efetiva de trabalho. prestado. Para este efeito, entende-se por dia de trabalho o
2- Sempre que os trabalhadores referidos nos números período normal de trabalho, o qual pode iniciar-se num dia e
anteriores sejam substituídos no desempenho das respetivas prolongar-se no dia seguinte.
funções, o substituto receberá o abono correspondente ao 3- O pagamento poderá ser efetuado em numerário ou
tempo de substituição. através de vale de refeição.
4- Caso as empresas pretendam efetuar o pagamento do
Cláusula 53.ª
subsídio de refeição através de vale de refeição deve publi-
(Retribuição do trabalho noturno) citar tal intenção, por escrito, a todos os trabalhadores. Os
trabalhadores dispõem do prazo de 15 dias para informarem,
O trabalho noturno será remunerado com um adicional
também por escrito, a empresa que pretendem continuar a
de 25 % em relação à retribuição a que dá direito o trabalho
receber o subsídio de refeição em numerário. Após o decurso
equivalente prestado durante o dia.
do prazo de 15 dias, e na ausência de manifestação contrária
dentro deste prazo, pode a empresas efetuar o pagamento do
CAPÍTULO X subsídio de alimentação através de vale de refeição.

(Refeições e deslocações) Cláusula 56.ª

(Alojamento e deslocações no continente)


Cláusula 54.ª
1- O trabalhador que for deslocado para prestar serviço
(Refeições) fora do seu local de trabalho tem direito, para além da sua
1- A empresa reembolsará os trabalhadores deslocados das retribuição normal ou de outros subsídios neste CCTV:
despesas efetuadas com as refeições que estes, por motivo de a) A transporte, não só na ida como na volta, para onde
serviço, hajam tomado fora do local de trabalho definido nos tenha sido deslocado a prestar serviço, desde que esse trans-
termos dos números 1 e 2 da cláusula 16.ª, de acordo com os porte lhe não seja assegurado pela empresa e sendo o tempo
valores constantes do anexo III. despendido na deslocação remunerado como tempo de tra-
2- A empresa reembolsará igualmente os trabalhadores das balho;
despesas com as refeições que estes hajam tomado no local b) A ajuda de custo diária, sempre que haja lugar a pernoi-
de trabalho quando a execução do serviço os impedir de ini- ta determinada pela empresa, correspondente ao valor cons-
ciarem e terminarem o almoço entre as 11 horas e as 14 horas tante do anexo III, o qual engloba o subsídio de refeição, a
e 30 minutos e o jantar entre as 19 horas e 30 minutos e as dormida e todas as refeições a que haja lugar, o que inclui o
22 horas, de acordo com os valores constantes do anexo III. pequeno almoço, salvo se entre empresa e trabalhador for
3- A empresa reembolsará ainda os trabalhadores que ter- acordado regime diverso ou o trabalhador solicitar à empresa
minem o serviço depois da 1 hora ou o iniciem antes das 6 a marcação de alojamento.
horas, bem como aqueles que prestarem o mínimo de três 2- Caso a empresa suporte diretamente os custos decorren-

1934
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

tes das refeições e/ou da dormida, haverá lugar à redução CAPÍTULO XIII
correspondente do valor referido na alínea b) do número an-
terior na proporção constante do anexo III. Poder disciplinar
Cláusula 57.ª
Cláusula 60.ª
(Deslocações ao estrangeiro - Alojamento e refeições)
(Sanções disciplinares)
1- Consideram-se nesta situação todos os trabalhadores
A inobservância por parte dos trabalhadores, das normas
que se encontram fora de Portugal Continental.
constantes do presente CCTV e na Lei n.º 7/2009 de 12 de
2- Os trabalhadores terão direito a receber, por cada dia
fevereiro, que aprovou o Código do Trabalho, será punida
completo de trabalho prestado no estrageiro, uma ajuda de
com as sanções seguintes:
custo diária indicada no anexo III, a qual inclui todas as cláu-
a) Repreensão;
sulas de expressão pecuniária previstas no presente CCTV,
b) Repreensão registada;
salvo se entre empresa e trabalhador for acordado regime
c) Sanção pecuniária;
diverso ou o trabalhador solicitar à empresa a marcação de
d) Perda de dias de férias;
alojamento.
e) Suspensão do trabalho com perda de retribuição e de
3- Caso a empresa suporte diretamente os custos decorren-
antiguidade;
tes das refeições e/ou da dormida, haverá lugar à redução
f) Despedimento sem qualquer indemnização ou compen-
correspondente do valor referido no número anterior na pro-
sação.
porção constante do anexo III.
Cláusula 61.ª
CAPÍTULO XI
(Sanções abusivas)

Condições particulares de trabalho 1- Consideram-se sanções abusivas as sanções disciplina-


res motivadas pelo facto de o trabalhador:
Cláusula 58.ª a) Haver reclamado legitimamente contra as condições de
trabalho;
(Parentalidade, trabalhadores menores e trabalhadores estudantes) b) Recusar-se a cumprir ordens a que não deve obediência;
À parentalidade, aos trabalhadores menores e aos traba- c) Exercer ou candidatar-se a funções em estrutura de re-
lhadores-estudantes aplica-se o regime da Lei n.º 7/2009 de presentação coletiva de trabalhadores;
12 de fevereiro, que aprovou o Código do Trabalho. d) Em geral, exercer, ter exercido, pretender exercer ou in-
vocar os direitos e garantias que lhe assistem.
CAPÍTULO XII 2- Até prova em contrário, presume-se abusivo o despedi-
mento ou a aplicação de qualquer sanção, quando levada a
Cessação do contrato de trabalho efeito até 6 meses após qualquer dos factos mencionados nas
alíneas do número anterior.
Cláusula 59.ª Cláusula 62.ª
(Cessação do contrato de trabalho) (Consequência da aplicação de sanção abusiva)
1- O contrato de trabalho pode cessar nos termos e con- A aplicação de alguma sanção abusiva, nos termos da
dições previstas na Lei n.º 7/2009 de 12 de fevereiro, que cláusula anterior, para além de responsabilizar a empresa por
aprovou o Código do Trabalho. violação das leis do trabalho, dá direito ao trabalhador lesado
2- A cessação do contrato de trabalho conferirá ao traba- a ser indemnizado nos termos gerais.
lhador, sem prejuízo de outros devidos por força da lei ou do
presente CCTV, o direito: Cláusula 63.ª
a) Ao subsídio de Natal proporcional ao tempo de trabalho (Tramitação processual disciplinar)
efetivo prestado no ano da cessação;
1- O processo disciplinar será escrito e iniciar-se-á com a
b) Às férias vencidas e não gozadas, bem como ao respe-
notificação da nota de culpa da qual conste a descrição fun-
tivo subsídio;
damentada dos factos imputados ao trabalhador, no prazo
c) Às férias proporcionais ao tempo de trabalho efetivo no
máximo de sessenta dias após àquele em que a empresa, ou
ano da cessação e ao subsídio correspondente.
o superior hierárquico com competência disciplinar, teve co-

1935
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

nhecimento da infração. tura de representação de trabalhadores não tem direito, nos


2- A acusação tem de ser fundamentada na violação dos termos da lei, a acumular o crédito de horas.
princípios, deveres e garantias das partes consignadas no
presente CCTV e na lei geral, e a nota de culpa transmitida CAPÍTULO XV
ao arguido por escrito, com aviso de receção ou termo de
entrega. Apoio aos trabalhadores
3- O trabalhador dispõe do prazo máximo de dez dias úteis
para deduzir por escrito os elementos considerados relevan- Cláusula 65.ª
tes para o esclarecimento da verdade.
4- O prazo referido no número 1 é reduzido a trinta dias (Higiene e segurança no trabalho)
nos casos em que houver lugar à suspensão preventiva do 1- A empresa proporcionará aos seus trabalhadores boas
trabalhador. condições de higiene e deverá prover os locais de trabalho
5- A instrução terá de ser concluída no prazo máximo de com os indispensáveis requisitos de segurança.
um ano após a receção da nota de culpa pelo arguido. 2- Aos trabalhadores que laborem com óleos e combustí-
6- Finda a instrução, o processo será presente, por cópia, veis ou sujeitos à humidade e intempérie, a empresa obriga-
à comissão de trabalhadores, a qual se pronunciará no prazo -se a fornecer gratuitamente equipamento de proteção, de-
máximo de cinco dias úteis. signadamente botas de borracha forradas, tamancos, luvas de
7- Decorrido o prazo referido no número anterior, a empre- borracha, calças e casaco PVC equipado com capuz.
sa proferirá, no prazo de trinta dias, a decisão final, ponde- 3- O trabalhador técnico de manutenção que trabalhe com
rando todas as circunstâncias do caso e referenciando obri- corrente alternada terá sempre direito a recusar cumprir or-
gatoriamente as razões aduzidas num e noutro sentido pela dens contrárias à boa técnica profissional, nomeadamente
comissão de trabalhadores. normas de segurança de instalações elétricas.
8- A decisão final fundamentada constará de documento 4- O trabalhador técnico de manutenção que trabalhe com
escrito, de que será sempre entregue cópias ao trabalhador corrente alternada pode também recusar obediência a ordens
e à comissão de trabalhadores, estando o processo, a partir de natureza técnica referentes à execução de serviços quando
dessa altura, para consulta, à disposição do trabalhador. não provenientes de superior hierárquico devidamente habi-
9- Quando a sanção aplicada for o despedimento, o docu- litado, designadamente, com carteira profissional, engenhei-
mento referido no número anterior será igualmente remetido ro ou engenheiro técnico do ramo de eletrotecnia.
à associação sindical. 5- Sempre que no exercício da profissão o trabalhador téc-
nico de manutenção corra risco de eletrocussão, não poderá
CAPÍTULO XIV trabalhar sem ser acompanhado por outro trabalhador.
Cláusula 66.ª
Direito coletivo
(Complemento de subsídio de doença)
Cláusula 64.ª
Em caso de doença, a empresa pagará a diferença entre
(Crédito de horas) a retribuição auferida à data do início da incapacidade tem-
porária para o trabalho por motivo de doença e o subsídio
1- Os dirigentes e os delegados sindicais têm direito a cré-
atribuído pela Segurança Social, até ao limite de 30 dias por
dito de horas para o exercício das suas funções nos termos
ano, seguidos ou interpolados, desde que se verifique uma
previstos na Lei n.º 7/2009 de 12 de fevereiro, que aprovou
situação de internamento em estabelecimento hospitalar ou
o Código do Trabalho.
de convalescença motivada pela hospitalização.
2- A direção da associação sindical deve comunicar à em-
presa, até 15 de janeiro de cada ano e nos 15 dias seguintes à Cláusula 67.ª
verificação de qualquer alteração, a identidade dos dirigentes
(Complemento da pensão por acidente de trabalho ou doença
e dos delegados sindicais que beneficiam do crédito de horas.
profissional)
3- A direção da associação sindical pode atribuir crédito
de horas a outro dirigente e/ou delegado sindical, desde que No caso de incapacidade temporária, absoluta ou parcial,
não ultrapasse o montante global dos créditos atribuídos e resultante de acidente de trabalho ou doença profissional, a
informe a empresa da alteração da repartição do crédito com empresa garantirá, enquanto durar a incapacidade, a indem-
a antecedência mínima de 15 dias. nização legal a que o trabalhador tenha direito, na base da
4- O trabalhador que seja membro de mais de uma estru- retribuição auferida à data da baixa.

1936
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Cláusula 68.ª 2- Quando a viagem for interrompida por causa indepen-


dente da vontade do trabalhador e lhe seja impossível regres-
(Incapacidade permanente por acidente de trabalho ou doença sar com o veículo que conduz ao local da sua residência,
profissional)
o trabalhador tem direito à viagem de regresso a custas da
Em caso de incapacidade permanente, parcial ou abso- empresa. A viagem de regresso far-se-á em conformidade
luta, para o trabalho habitual, proveniente de acidente de com as instruções da empresa e de acordo com o trabalhador.
trabalho ou doença profissional ao serviço da empresa, esta
diligenciará a reconversão dos trabalhadores incapazes para Cláusula 71.ª
função compatível com as incapacidades verificadas.
(Transportes)
Cláusula 69.ª Têm direito a transporte gratuito nas carreiras regulares
da empresa:
(Apoio por aplicação de sanção acessória de inibição de conduzir)
a) Os trabalhadores da empresa;
1- A todos os motoristas a quem tenha sido aplicada sanção b) Os trabalhadores da empresa que estiverem ou passem à
acessória de inibição de conduzir em razão de atos cometi- situação de reformados;
dos no exercício ou por causa do exercício das suas funções, c) De segunda a sexta-feira, o cônjuge ou o unido de facto;
será garantido trabalho em qualquer outro sector da empresa d) Os filhos estudantes, durante o período escolar e para
compatível com as suas aptidões, sem diminuição da sua re- frequência das aulas e exames. Caso estes gozem de direito a
tribuição normal. transporte suportado, total ou parcialmente, pela autoridade
2- Esta responsabilidade cessa caso a aplicação da sanção de transportes competente, o direito a transporte previsto na
referida no número anterior ocorra na sequência da adoção presente cláusula será sempre subsidiário do direito assegu-
de comportamento que constitua contra-ordenação muito rado pela referida autoridade.
grave ou, em caso de contra-ordenação grave, em caso de
reincidência. Cláusula 72.ª
3- As situações também ocorridas fora do período normal
(Formação profissional)
de trabalho que impliquem a aplicação de sanção acessória
de inibição de conduzir determinam a suspensão do contrato 1- A empresa obriga-se a suportar os custos com a ob-
de trabalho pelo período correspondente à duração da inibi- tenção e a renovação da carta de qualificação de motorista
ção de conduzir. (CQM), do certificado de aptidão para motorista (CAM), do
certificado de transporte coletivo de crianças (TCC) e do car-
Cláusula 70.ª tão de tacógrafo digital.
2- No caso da obtenção dos títulos referidos no número
(Ocorrências durante as deslocações)
anterior, o trabalhador fica obrigado a um período mínimo
1- Quando o trabalhador se encontre fora do local de tra- de permanência na empresa de cinco anos. Exclui-se desta
balho, por motivo de serviço e for vítima de acidente de obrigação de permanência a formação ministrada para a re-
trabalho, ou acometido de doença comprovada por atestado novação daqueles títulos.
médico, tem direito, a custas da empresa, na medida em que 3- Caso o contrato de trabalho cesse antes de esgotado esse
não lhe for atribuído subsídio equivalente, por força da legis- período, por motivos imputáveis ao trabalhador, este terá que
lação nacional, ou acordo internacional: devolver o valor proporcional tendo em conta o período em
a) A todos os cuidados médicos de que possa ter efetiva- falta até ao termo da data de validade do título cujo custo foi
mente necessidade; suportado pela empresa.
b) A qualquer outro subsídio a que tenha direito pela legis- 4- Exclui-se do disposto do número 1 os custos decorren-
lação nacional aplicável, no caso de o acidente de trabalho tes do pagamento das taxas administrativas devidas.
ou doença se ter verificado no país; 5- A formação ministrada nos termos da presente cláusula
c) A alojamento e alimentação até que o seu estado de é considerada para efeito do crédito de horas de formação
saúde lhe permita regressar ao local da sua residência. A previsto na lei geral do trabalho.
responsabilidade da empresa pelo pagamento das despesas
referidas nesta alínea fica limitada a seis meses nos casos em CAPÍTULO XVI
que se conclua que a doença do trabalhador resulta de um
estado anterior e se teria declarado mesmo que o trabalhador
Comissão paritária
não saísse do país;
d) A viagem de regresso ao local da sua residência e, no Cláusula 73.ª
caso de falecimento, para local a indicar pela família ou por
quem a represente, desde que seja em Portugal Continental; (Comissão paritária)
e) Ao pagamento das despesas com a deslocação de um fa- 1- Será constituída uma comissão paritária, com sede em
miliar para o acompanhar, inclusive no regresso, em caso de Lisboa, que integrará dois elementos de cada uma das partes
absoluta necessidade e só quando requerido pelos serviços outorgantes, os quais poderão ser assessorados.
clínicos em que o trabalhador esteja a ser assistido e como 2- Cada parte indicará à outra, por escrito, nos trinta dias
condição necessária para o tratamento. subsequentes à entrada em vigor deste CCTV, os nomes dos

1937
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

respetivos representantes na comissão paritária. Conjunta- balho, mantendo-o ao seu serviço, exceto no que respeita à
mente com os representantes efetivos serão designados dois responsabilidade do adquirente pelo pagamento de coima
suplentes para substituir os efetivos em casos de impedimen- aplicada pela prática de contra-ordenação laboral.
to. 5- Considera-se unidade económica o conjunto de meios
3- Tanto os elementos efetivos como os suplentes podem organizados com o objetivo de exercer uma atividade econó-
ser substituídos a qualquer tempo pela parte que os manda- mica, principal ou acessória.
tou. 6- A presente cláusula é aplicável em todas as situações
4- A comissão paritária terá, designadamente, as seguintes de transmissão de estabelecimento, designadamente as que
atribuições: ocorram na sequência de procedimento concursal para pres-
a) Interpretação do presente CCTV; tação de serviços de transporte em linha ou rede e em que se
b) Deliberação sobre questões de natureza técnica, nome- verifique a existência anterior de trabalhador ou trabalhado-
adamente a criação de novas categorias profissionais e sua res contratados para o efeito.
integração na tabela salarial. 7- A transmissão operada nos termos do número anterior
5- As deliberações da comissão paritária relativas a ques- determina a garantia, para o trabalhador transferido, de to-
tões da competência atribuída por força da alínea a) do nú- das as condições praticadas no momento em que se verificar
mero anterior constituem a interpretação autêntica do pre- a transmissão, designadamente as decorrentes do presente
sente CCTV. CCTV em matéria remuneratória e de organização do tempo
6- A comissão paritária só poderá deliberar com a presença de trabalho.
de, pelo menos, um representante de cada uma das partes, e 8- Não há lugar à aplicação do regime anteriormente
para cada deliberação só poderá pronunciar-se igual número previsto aos trabalhadores contratados, por qualquer via, nos
de elementos de cada parte. últimos seis meses por referência à data de início do contrato
7- As deliberações da comissão paritária não podem con- de prestação de serviços que venha a ser celebrado.
trariar a lei ou a substância deste CCTV e são tomadas por 9- De igual modo, e caso o procedimento concursal englo-
maioria dos elementos presentes com direito a voto, nos ter- be apenas parte da rede de transporte, beneficiarão da aplica-
mos do número 6, sendo aplicáveis após publicação no Bole- ção do regime previsto na presente cláusula os trabalhadores
tim do Trabalho e Emprego. afetos à exploração da mesma nos últimos doze meses.
8- A comissão paritária estará apta a funcionar logo que
Cláusula 75.ª
cada uma das partes dê cumprimento ao disposto no número
2. (Insolvência)
9- Na sua primeira reunião a comissão paritária elaborará
1- A declaração judicial da insolvência da empresa não faz
o respetivo regulamento de funcionamento.
caducar os contratos de trabalho.
2- O administrador de insolvência satisfará integralmente
CAPÍTULO XVII as retribuições que se forem vencendo, se o estabelecimento
não for encerrado e enquanto o não for.
Transmissão do estabelecimento e insolvência 3- A cessação dos contratos de trabalho, no caso previsto
nesta cláusula, fica sujeito ao regime geral estabelecido na
Cláusula 74.ª lei.
(Transmissão do estabelecimento)
CAPÍTULO XVIII
1- Em caso de transmissão, por qualquer título, da titu-
laridade de empresa, ou estabelecimento ou ainda de parte
Disposições finais e transitórias
de empresa ou estabelecimento que constitua uma unidade
económica, transmitem-se para o adquirente a posição do
Cláusula 76.ª
empregador nos contratos de trabalho dos respetivos traba-
lhadores, bem como a responsabilidade pelo pagamento de (Articulação de regimes)
coima aplicada pela prática de contra-ordenação laboral.
1- Aos trabalhadores que, na data da entrada em vigor do
2- O transmitente responde solidariamente pelas obriga-
presente CCTV, seja aplicável regime resultante, no todo
ções vencidas até à data da transmissão, durante o ano sub-
ou em parte, de acordo de empresa cuja caducidade tenha
sequente a esta.
já sido objeto de publicação no Boletim do Trabalho e Em-
3- O disposto nos números anteriores é igualmente aplicá-
prego, ou cuja caducidade venha a ser publicada durante a
vel à transmissão, cessão ou reversão da exploração de em-
vigência do presente CCTV, será aplicável o disposto no
presa, estabelecimento ou unidade económica, sendo solida-
presente CCTV, com exceção das cláusulas respeitantes à or-
riamente responsável, em caso de cessão ou reversão, quem
ganização do tempo de trabalho (cláusulas 20.ª e 22.ª) e das
imediatamente antes tenha exercido a exploração.
cláusulas de expressão pecuniária (cláusulas 15.ª, 44.ª, 46.ª,
4- O disposto nos números anteriores não é aplicável em
47.ª, 48.ª, 54.ª, 55.ª, 56.ª e 57.ª).
caso de trabalhador que o transmitente, antes da transmissão,
2- As dúvidas que possam resultar da aplicação do dispos-
transfira para outro estabelecimento ou unidade económica,
to na presente cláusula são, obrigatoriamente, colocadas por
nos termos do disposto no artigo 194.º do Código do Tra-

1938
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

escrito à comissão paritária a qual, no prazo máximo de trin- rável do que a anterior regulamentação coletiva aplicável,
ta dias, deverá adotar deliberação a respeito das questões que cujas disposições são integralmente revogadas.
lhe sejam apresentadas.
Cláusula 77.ª ANEXO I

(Aplicação do CCTV) Categorias profissionais


1- Da aplicação do presente CCTV aos trabalhadores atu- Designação profissional
almente abrangidos pelo CCTV ora revisto não poderão re- Assistente de bordo
sultar quaisquer prejuízos, designadamente alteração para
categoria inferior, bem como diminuição de retribuição, Conteúdo funcional
subsídios e outras regalias de carácter regular ou permanen- Colabora diretamente com o motorista de forma a que
te não contemplados neste CCTV mas que os trabalhadores seja prestada assistência aos passageiros, assegurando o seu
vinham auferindo regularmente por força da aplicação de conforto e segurança nos termos das normas estabelecidas
outras regulamentações coletivas de trabalho. pela empresa, tendo em conta os meios disponíveis na via-
2- Quaisquer condições mais favoráveis que venham a ser tura;
estabelecidas por via administrativa para as categorias pro- Compete-lhe ainda conferir e, quando necessário, emitir
fissionais abrangidas por este CCTV passam a fazer parte e cobrar títulos de transportes durante a viagem;
integrante do mesmo. Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu-
3- As dúvidas que possam resultar da aplicação do dispos- rança da empresa.
to no número anterior são, obrigatoriamente, colocadas por
escrito à comissão paritária a qual, no prazo máximo de trin- Designação profissional
ta dias, deverá adotar deliberação a respeito das questões que Assistente de direção ou secretário(a) de direção
lhe sejam apresentadas. Conteúdo funcional
Cláusula 78.ª Ocupa-se do secretariado específico da administração ou
direção da empresa;
(Subsídio de agente único - Disposição transitória)
Assegura o trabalho de rotina da direção que assiste;
1- O pagamento do mínimo de oito horas de trabalho diá- Receciona, regista, classifica, distribui e emite a corres-
rio em regime de agente único previsto na cláusula 15.ª será pondência externa ou interna;
efetuado de forma progressiva, nos seguintes termos: Lê e traduz a correspondência recebida, juntando a cor-
a) A partir da data da entrada em vigor do presente CCTV respondência anterior sobre o mesmo assunto, organizando
- 6 horas; o respetivo processo;
c) Em junho de 2017 - 7 horas; Presta colaboração ao responsável do órgão que secreta-
d) Em junho de 2018 - 8 horas. ria na recolha e análise de informações e prepara a redação
2- A aplicação do disposto no número 5 da cláusula 15.ª de documentos a emitir;
será efetuada de modo progressivo nos seguintes termos, nos Redige a correspondência e outros documentos, nomea-
casos em que ainda não esteja a ser observada: damente em língua estrangeira;
a) No ano de 2016 - será efetuado o pagamento equivalen- Organiza, mantém e atualiza o arquivo ou arquivos do
te a dois vírgula cinco proporcionais; órgão que secretaria;
b) No ano de 2017 - será efetuado o pagamento equivalen- Elabora relatórios, atas, cartas, ofícios e comunicações;
te a três proporcionais. Prepara reuniões de trabalho e redige as respetivas atas;
Cláusula 79.ª Coordena e executa trabalhos auxiliares de secretariado;
Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu-
(Período normal de trabalho e descanso semanal) rança da empresa.
1- Em todas as empresas em que o período normal de tra- Designação profissional
balho de quarenta horas semanais seja, na data do início do Contabilista
processo negocial (29 de julho de 2015), distribuído por até
cinco dias e meio manter-se-á o regime em aplicação. Conteúdo funcional
2- Os trabalhadores abrangidos pelo disposto no número Organiza e dirige os serviços de contabilidade;
anterior terão direito, em cada semana de trabalho, a um dia Estuda e planifica os circuitos contabilísticos, analisan-
de descanso semanal obrigatório e a um dia ou meio dia de do os diversos sectores de atividade da empresa, de forma
descanso semanal complementar. a assegurar uma recolha de elementos precisos, com vista à
Cláusula 80.ª determinação de custos e resultados da exploração;
Elabora o plano de contas a utilizar para a obtenção dos
(Natureza globalmente mais favorável) elementos mais adequados à gestão económico-financeira e
Sem prejuízo do disposto na cláusula anterior, as partes cumprimento da legislação comercial e fiscal;
consideram que o presente CCTV é globalmente mais favo- Supervisiona a estruturação dos registos e livros de con-

1939
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

tabilidade, coordenando, orientado e dirigindo os trabalha- Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu-
dores encarregados dessa execução; rança da empresa.
Fornece os elementos contabilísticos necessários à defi-
Designação profissional
nição da política orçamental e organiza e assegura o controlo
Motorista de pesados
da execução do orçamento;
Elabora ou certifica os balancetes e outras informações Conteúdo funcional
contabilísticas a submeter à administração ou a fornecer a
Tem a seu cargo a condução de veículos automóveis pe-
serviços públicos;
sados;
Procede ao apuramento de resultados, dirigindo o encer-
Compete-lhe zelar pelo bom estado de funcionamento,
ramento das contas e a elaboração do respetivo balanço, que
conservação e limpeza da viatura e proceder à verificação
apresenta e assina;
direta dos níveis de óleo, água e combustível e do estado e
Elabora o relatório explicativo que acompanha a apresen-
pressão dos pneumáticos;
tação de contas ou fornece indicações para essa indicação;
Em caso de avaria ou acidente, toma as providências ne-
Efetua as revisões contabilísticas necessárias, verifican-
cessárias adequadas e recolhe os elementos necessários para
do os livros ou registos, para se certificar da correção da res-
apreciação das entidades competentes;
petiva escrituração;
Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu-
Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu-
rança da empresa.
rança da empresa.
Designação profissional
Designação profissional
Motorista de serviço público
Estagiário
Conteúdo funcional
Conteúdo funcional
Conduz veículos automóveis pesados de passageiros e
Executa, em regime de aprendizagem, as funções refe-
quaisquer outros veículos para o qual esteja habilitado;
rentes à área funcional a que está afeto;
Vela, em geral, pelo correto estado de conservação e
Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu-
funcionamento dos veículos e equipamentos com os quais
rança da empresa.
o mesmo esteja equipado (designadamente, aparelho tacó-
Designação profissional grafo, máquina de cobrança, sinalética, equipamentos de se-
Fiscal gurança);
Garante a guarda, durante o período de execução da ativi-
Conteúdo funcional
dade, de todos os documentos legais necessários à prestação
Fiscaliza o serviço dos transportes de passageiros e pro- de serviços de transporte, onde se incluem os documentos
cede à revisão dos títulos de transporte, competindo-lhe, das viaturas e dos serviços a realizar;
quando necessário, a orientação do serviço na via pública e Procede à verificação direta da manutenção dos níveis de
nas estações de camionagem; óleo, água e pressão dos pneumáticos e limpeza da viatura;
Fiscaliza a movimentação da bagagem despachada, po- Assegura, com execução, o abastecimento de combustí-
dendo ser-lhe cometida a tarefa de receber contas dos agen- vel em viatura que lhe seja distribuída, caso, na data de início
tes; do processo negocial, 29 de julho de 2015, não exista traba-
Elabora relatórios, em impresso próprio, sobre as ações lhador afeto à execução de tal função e o trabalhador com a
de fiscalização realizadas, ocorrências verificadas e informa categoria profissional de motorista de serviço público nunca
sobre as deficiências e alterações dos serviços; se tenha formalmente recusado a realizar tal atividade;
Fiscaliza o cumprimento dos procedimentos estabeleci- Realiza, por referência a cada dia de trabalho, o registo
dos pela empresa; em impresso próprio dos quilómetros percorridos (com pas-
Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu- sageiros e em vazio) e dos quilómetros registados no mo-
rança da empresa. mento de cada abastecimento;
Realiza, por referência a cada dia de trabalho, os registos
Designação profissional
dos tempos de trabalho de acordo com a legislação em vigor;
Motorista de ligeiros
Efetua, a bordo, a emissão, carregamento e cobrança de
Conteúdo funcional títulos de transporte e verifica a validade de outros títulos de
Tem a seu cargo a condução de veículos automóveis li- transporte de que os passageiros se encontrem munidos;
Presta contas, de acordo com o procedimento definido
geiros;
pela empresa, dos valores das cobranças recebidas, exibindo
Compete-lhe zelar pelo bom estado de funcionamento,
os títulos de transporte manuais que lhe estejam confiados;
conservação e limpeza da viatura e proceder à verificação
Em caso de avaria ou acidente, adota as providências
direta dos níveis de óleo, água e combustível e do estado e
adequadas de acordo com o definido pela empresa e recolhe
pressão dos pneumáticos;
todos os elementos necessários para a correta apreciação da
Em caso de avaria ou acidente, toma as providências ne-
situação por parte das entidades competentes. Logo que pos-
cessárias adequadas e recolhe os elementos necessários para
sível, dá conhecimento aos respetivos superiores hierárqui-
apreciação das entidades competentes;

1940
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

cos de quaisquer outras anomalias na execução dos serviços; lísticas;


Presta assistência aos passageiros, nomeadamente, dando Prepara e trata os documentos de suporte à informação
informações, quando solicitado, quanto aos percursos, horá- de gestão;
rios e ligações; Recolhe candidaturas apresentadas para preenchimento
Receciona, confere, manuseia, acondiciona e entrega os de vagas e informa os candidatos das condições de admissão.
despachos e bagagens que lhe forem confiados, bem como os Efetua registos de pessoal e preenche formulários próprios;
documentos que aos mesmos respeitem; Trata do arquivo da empresa;
Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu- Conduz viaturas automóveis sempre que necessário e
rança da empresa. desde que legalmente habilitado;
Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu-
Designação profissional
rança da empresa.
Responsável de departamento
Designação profissional
Conteúdo funcional
Técnico de armazém
Estuda, organiza, dirige, coordena e gere, nos limites dos
Conteúdo funcional
poderes que lhe estão conferidos, as atividades da empresa
ou de um ou vários dos seus departamentos; Coordena as operações de entrada e saída de mercadorias
Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu- e materiais;
rança da empresa. Confere as mercadorias e materiais rececionados aferin-
do da sua concordância com as notas de encomenda, guias de
Designação profissional
remessa, faturas, recibos e outros documentos. Anota todas
Responsável de secção
as não conformidades verificadas na sequência da conferên-
Conteúdo funcional cia, dando conhecimento das mesmas ao superior hierárqui-
Chefia uma secção ou grupo de trabalhadores; co;
Executa, em regime de subordinação, todas as funções Assegura a arrumação e organização do armazém, velan-
cometidas ao responsável de serviço; do pela conservação das mercadorias e ou materiais, e con-
Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu- trolando as existências;
rança da empresa. Elabora o inventário do armazém;
Conduz viaturas automóveis sempre que necessário e
Designação profissional desde que legalmente habilitado;
Responsável de serviço Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu-
Conteúdo funcional rança da empresa.

Estuda, organiza, dirige e coordena, sob orientação do Designação profissional


seu superior hierárquico, num ou vários dos departamentos Técnico de bilheteira e despachos
da empresa, todas as atividades que lhe são próprias; Conteúdo funcional
Exerce, dentro do serviço que dirige e nos limites da sua
competência, funções de direção, orientação e fiscalização Efetua a venda de títulos de transporte, realizando, quan-
do pessoal sob as suas ordens e de planeamento das ativida- do necessário, a marcação de lugares nos autocarros;
des do serviço, segundo orientações e fins definidos; Controla a existência de títulos em quantidade suficiente,
Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu- evitando desta forma a rutura de stocks, e alerta para as ne-
rança da empresa. cessidades de encomenda;
Procede diariamente à entrega dos valores e documentos
Designação profissional referentes às transações efetuadas;
Técnico administrativo Presta informações aos clientes e ao público em geral,
Conteúdo funcional diretamente ou através de sistemas próprios;
Verifica e assegura, quando for caso disso, as boas condi-
Redige e elabora os documentos e informação que lhe ções de utilização e funcionamento dos equipamentos e ser-
sejam solicitados, dando-lhes o seguimento apropriado; viços da empresa, na sua área de intervenção, em temos de
Receciona e examina o correio recebido, separa-o, classi- segurança, conforto e qualidade;
fica-o, regista-o, e compila os dados que lhe são necessários Alerta o superior hierárquico em caso de anomalia no
para preparar as respostas; serviço ou na rede;
Elabora e ordena ou prepara os documentos relativos a Atende pedidos e reclamações dos clientes e remete-as
encomenda, distribuição e regularização das compras e ven- superiormente;
das; Efetua a receção de mercadorias e procede ao seu
Recebe pedidos de informação e transmite-os aos servi- despacho ou entrega ao cliente, realizando a cobrança das
ços competentes; põe em caixa os pagamentos de contas e quantias respetivas; assegura, com execução, a entrega e a
entrega recibos; controla as receitas e despesas registando-as receção das mercadorias no e do autocarro, controlando e
em impresso próprio, assim como outras operações contabi- verificando o movimento das partidas e chegadas, bem como

1941
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

o respetivo expediente; Efetua o recebimento dos valores pagos pelos clientes ou


Efetua a conferência de mercadorias ou despachos fa- trabalhadores, os quais, depois, entrega à empresa, designa-
zendo ainda a sua pesagem, quando necessário, zelando pela damente mediante depósito;
conservação e armazenamento das mesmas; Efetua os pagamentos que lhe sejam indicados pela em-
Elabora mapas e controla todos os fluxos associados aos presa;
despachos efetuados e recebidos; Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu-
Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu- rança da empresa.
rança da empresa.
Designação profissional
Designação profissional Técnico de formação
Técnico de bilhética
Conteúdo funcional
Conteúdo funcional
Ministra a formação teórica e prática na empresa;
Gere os sistemas de bilhética, implementa, supervisiona Assegura o aperfeiçoamento profissional dos trabalhado-
e assegura o funcionamento adequado do sistema de infor- res formandos;
mação de bilhética; Colabora na programação dos cursos de formação e seu
Forma e acompanha os utilizadores no aproveitamento desenvolvimento, bem como nas matérias a ministrar aos
do (s) sistema (s) de bilhética; formandos;
Implementa as tabelas de bordo de bilhética; Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu-
Integra os sistemas de bilhética existentes, tendo em con- rança da empresa.
ta as reais necessidades, ganhos potenciais e custos associa-
Designação profissional
dos;
Técnico de informática
Assegura o seguimento da manutenção do (s) sistema (s)
de bilhética existente; Conteúdo funcional
Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu-
Efetua a instalação, atualização e manutenção de har-
rança da empresa.
dware e software ao nível de toda a empresa;
Designação profissional Presta apoio aos utilizadores por iniciativa própria ou
Técnico comercial sempre que solicitado;
Diagnostica, em caso de anomalia, o mau funcionamento
Conteúdo funcional
dos sistemas informáticos, localizando as avarias de equipa-
Dinamiza, angaria e gere a carteira de clientes dos servi- mento e de software;
ços comerciais de transporte, podendo promover campanhas Identifica e corrige os erros detetados servindo-se de
promocionais nos serviços de alugueres, conceber novos mensagens transmitidas pelos computadores e utilizando um
produtos, melhorando a comunicação com os clientes; ficheiro de erros próprios de cada software reportados e cor-
Elabora propostas comerciais de resposta a pedidos de rigidos pelo construtor;
consultas de clientes, e acompanha as mesmas; Instala, sempre que necessário, novas versões dos siste-
Assegura a produção de informação de gestão comercial mas de operação ou outros;
interna, e acompanha os indicadores de gestão respetivos; Recolhe todas as informações disponíveis sobre as ava-
Participa na interface entre os serviços comerciais e os rias que são detetadas e regista-as;
serviços de exploração, nomeadamente no reporting das ano- Assegura a reparação das avarias assinaladas e efetua os
malias detetadas e medidas corretivas a implementar; ensaios respeitantes aos procedimentos de retoma da opera-
Gere, em articulação com o serviço administrativo e fi- ção e salvaguarda do software;
nanceiro, a faturação e recebimentos dos alugueres, desen- Elabora relatórios assinalando as causas de cada avaria,
volvendo as ações necessárias à boa cobrança dos créditos assim como a duração de cada reparação e os procedimentos
sobre os clientes; adotados;
Gere as reclamações/sugestões efetuadas com referência Assegura o funcionamento e o controlo dos computado-
ao sector comercial; res e dos respetivos periféricos para registar, armazenar em
Conduz viaturas automóveis sempre que necessário e memória, transmitir e tratar dados para posterior divulgação;
desde que legalmente habilitado; Efetua as operações relativas às cópias de segurança apli-
Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu- cando as normas e os métodos estabelecidos;
rança da empresa. Instala, monta e manda reparar em tempo útil o hardware;
Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu-
Designação profissional
rança da empresa.
Técnico de cobrança
Designação profissional
Conteúdo funcional
Técnico de lubrificação
Efetua contactos, telefónicos, presenciais ou por qual-
Conteúdo funcional
quer outra via, com os clientes ou os trabalhadores da em-
presa para recebimento dos valores em dívida; Procede à lubrificação dos veículos automóveis e à mu-

1942
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

dança de óleo do motor, caixa de velocidades e diferencial e à sua reparação;


atesta os mesmos com os óleos indicados; Analisa e assegura que as viaturas cumprem com requi-
Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu- sitos legais, ao nível dos pneumáticos (pressão, piso, etc..),
rança da empresa. intervindo sempre que necessário;
Verifica e controla o estado e as condições de uso dos
Designação profissional
pneumáticos;
Técnico de manutenção
Conduz viaturas automóveis sempre que necessário e
Conteúdo funcional desde que legalmente habilitado;
Efetua a manutenção e reparação dos veículos e outros Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu-
equipamentos afetos ao exercício da atividade, em todas as rança da empresa.
áreas de intervenção, cumprindo os planos de manutenção e Designação profissional
as indicações transmitidas; Técnico de portaria, segurança e limpeza
Executa as ordens de trabalho diariamente transmitidas
Conteúdo funcional
e regista os consumos de tempo e materiais verificados na-
quela execução, bem como quaisquer outros dados que lhe Vigia a entrada e saída do pessoal ou visitantes das ins-
sejam solicitados; talações, controla as entradas e saídas e recebe correspon-
Realiza medidas de avaliação do funcionamento dos veí- dência;
culos e outros equipamentos e diagnostica avarias; Procede à limpeza das instalações, móveis e utensílios,
Assegura assistência técnica às viaturas, quer nas insta- bem como do interior e exterior das viaturas;
lações da empresa, quer no exterior, sempre que solicitada; Conduz viaturas automóveis sempre que necessário e
Conduz viaturas automóveis sempre que necessário e desde que legalmente habilitado;
desde que legalmente habilitado; Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu-
Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu- rança da empresa.
rança da empresa.
Designação profissional
Designação profissional Técnico de tesouraria
Técnico de movimento
Conteúdo funcional
Conteúdo funcional
Dirige a tesouraria, tendo a responsabilidade dos valores
Colabora na preparação das escalas de serviço; de caixa que lhe estão confiados;
Assegura a eficiência dos transportes, providencia na dis- Verifica as diversas caixas e confere as respetivas exis-
tribuição dos meios humanos e materiais de acordo com as tências;
necessidades de tráfego de passageiros e bagagens; Prepara os fundos para serem depositados nos bancos e
Providencia pelo cumprimento do serviço programado, toma as disposições necessárias para os levantamentos;
coordenando as partidas e chegadas e analisando as causas Verifica periodicamente se o montante e valores em caixa
dos atrasos, elabora relatórios sobre as ocorrências do movi- coincidem com os documentos contabilísticos;
mento geral, podendo por vezes proceder a venda e a revisão Pode autorizar, mediante indicação do superior hierár-
de títulos de transporte e a fiscalização da carga transportada. quico, certas despesas e executar outras tarefas relacionadas
Assegura a existência a bordo dos veículos da documentação com operações financeiras;
legalmente necessária ao exercício da atividade; Tem a seu cargo as operações de caixa e o registo de mo-
Mantém atualizados mapas de movimento de veículos, vimento relativo a transações de gestão da empresa;
podendo elaborar registos e verificar a sua exatidão no que Recebe numerário e outros valores verificando a sua cor-
respeita a combustíveis; respondência com os respetivos documentos;
Coordena a informação ao público na estação; Prepara os sobrescritos segundo as folhas de pagamento
Procede ao registo e movimento diário do expediente da e os fundos destinados a serem depositados e toma as dispo-
própria estação e orienta e dirige esse movimento; sições necessárias para os levantamentos;
Coordena e acompanha o movimento das estações, con- Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu-
trola e informa sobre reclamações (perda, estado de conser- rança da empresa.
vação e sua validade, desvio, etc.), bem como outras recla-
Designação profissional
mações de utentes do serviço; dirige o movimento em feiras,
Trabalhador não especializado
festas ou mercados sempre que se justifique;
Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu- Conteúdo funcional
rança da empresa.
Executa tarefas não específicas, abrangendo as diversas
Designação profissional áreas da empresa;
Técnico de pneus Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu-
rança da empresa.
Conteúdo funcional
Procede à montagem e desmontagem de pneumáticos e

1943
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Designação profissional Chefe de equipa metalúrgico Responsável de secção I


Telefonista Chefe de equipa eletricista Responsável de secção I
Conteúdo funcional Oficial principal (metalúrgico
Técnico de manutenção IV
ou eletricista)
Presta serviço de atendimento telefónico, transmitindo IV
Escriturário principal Técnico administrativo III
aos telefones internos as chamadas recebidas;
Chefe de estação Técnico movimento I
Estabelece ligações internas ou para o exterior, podendo
Chefe de central Técnico movimento I
rececionar pessoas, coisas ou documentos dando-lhe o respe-
Encarregado de garagens Técnico movimento I
tivo encaminhamento;
Presta as informações que, com referência à atividade da Escriturário de 1.ª Técnico administrativo II
empresa, lhe sejam telefonicamente solicitadas; Monitor Técnico de formação
Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu- Caixa Técnico de tesouraria I
rança da empresa. Operador mecanográfico Técnico de informática I
Esteno-dactilógrafo em
Designação profissional Eliminada
línguas estrangeiras
Vigilante de crianças V
Técnico de eletrónica Técnico de informática III
Conteúdo funcional Fiel de armazém (mais de 1
Técnico de armazém
ano)
Zela pela segurança de crianças aquando da realização de
Electricista (mais de 3 anos) Técnico de manutenção III
transporte coletivo de crianças, designadamente de e para os
Oficial de 1.ª Técnico de manutenção III
respetivos estabelecimentos de ensino;
Assegura que, a cada criança, corresponde um lugar sen- Fiscal Fiscal
tado e que as mesmas colocam adequadamente os cintos de V-A Motorista de serviço público Motorista de serviço público
segurança (quando aplicável), assim como acompanha-as no Escriturário de 2.ª Técnico administrativo I
atravessamento de via pública, utilizando colete retro-reflec- Operador de máquinas de
Eliminada
tor e raqueta de sinalização; contabilidade
Cumpre com a Política da Qualidade, Ambiente e Segu- Operador-verificador
Eliminada
mecanográfico
rança da empresa.
Esteno-dactilógrado em língua
Eliminada
Portuguesa
Tabela de equivalência entre categorias profissionais Operador de telex Eliminada
VI Cobrador Técnico de cobrança
Grupos CCTV revisto CCTV atual
Empregado de serviços
Técnico administrativo I
externos
Diretor de serviços
I Responsável de departamento Motorista de pesados Motorista de pesados
Chefe de escritório
Técnico de bilheteira e des-
Chefe de departamento Responsável de serviço Despachante
pachos II
Contabilista Contabilista II Técnico de bilheteira e
Chefe de divisão ou de Expedidor
Responsável de serviço despachos II
II serviços
Coordenador Eliminada
Tesoureiro Técnico de tesouraria II
Oficial de 2.ª Técnico de manutenção II
Analista de sistemas Técnico de tesouraria II
Apontador (mais de 1 ano) Eliminada
Programador Técnico de tesouraria II
Electricista (menos de 3 anos) Técnico de manutenção II
Assistente de direção ou
Secretário de direção Encarregado de cargas e
secretária (o) de direção Técnico de manutenção II
descargas
Chefe de secção Responsável de secção II
Anotador-recepcionista Eliminada
Guarda-livros Contabilista I VII Cobrador-bilheteiro Eliminada
III Programador mecanográfico Eliminada
Assistente de bordo Assistente de bordo
Operador de computador Técnico de informática II
Técnico de bilheteira e
Encarregado eletricista Técnico de manutenção V Bilheteiro
despachos I
Encarregado metalúrgico Técnico de manutenção V Motorista de ligeiros Motorista de ligeiros
Chefe de movimento Técnico de movimento II Entregador de ferramentas
Eliminada
de 1.ª
Telefonista Telefonista
VII Ajudante de motorista Eliminada
Lubrificador Técnico de lubrificação

1944
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Técnico de portaria, segurança Aprendiz de electricista do 1.º


Guarda Eliminada
e limpeza período
Técnico de portaria, segurança Aprendiz de metalúrgico do
Contínuo (mais de 21 anos) Eliminada
e limpeza 3.º ano (Admissão 14/15 anos)
XVII
Técnico de portaria, segurança Aprendiz de metalúrgico do
Porteiro Eliminada
e limpeza 2.º ano (Admissão 16 anos)
Pré-oficial electricista do 1.º Aprendiz de metalúrgico do
Técnico de manutenção I Eliminada
ano 1.º ano (Admissão 17 anos)
Lavadeiro (ou lavandeiro) Aprendiz de metalúrgico do
IX Técnico de manutenção I Eliminada
oficial de 1.ª 2.º ano (Admissão 14/15 anos)
Apontador (menos de 1 ano) Eliminada XVIII Aprendiz de metalúrgico do
Eliminada
Chefe de grupo Eliminada 1.º ano (Admissão 16 anos)
Paquete 14 anos Eliminada
Vulcanizador Técnico de pneus
Aprendiz de metalúrgico do
Manobrador de máquinas Eliminada XIX Eliminada
1.º ano (Admissão 14/15 anos)
Montador de pneus Técnico de pneus
Técnico de portaria, segurança
Lavador
e limpeza
ANEXO II
Operário não especializado Trabalhador não especializado
Período de permanência e acesso
Estagiário do 3.º ano Estagiário
Dactilógrafo do 3.º ano Eliminada
Lavadeiro (ou lavandeiro) Área administrativa
Eliminada
oficial de 2.ª
X
Servente Trabalhador não especializado Categorias profissionais Tempo de permanência
Carregador Trabalhador não especializado
Responsável de departamento
Abastecedor de carburantes Eliminada Avaliação
Responsável de serviço
Técnico de portaria, segurança
Servente de limpeza Técnico comercial III
e limpeza
Técnico de informática III Avaliação
Ajudante lubrificador Eliminada
Técnico administrativo III
Ajudante electricista do 2.º
Eliminada Responsável de secção II
período
Contínuo (menos de 21 anos) Eliminada Contabilista II
XI
Estagiário do 2.º ano Eliminada Técnico comercial II
Avaliação
Técnico de tesouraria II
Praticante 2.º ano Eliminada
Técnico de informática II
Ajudante de lavador Eliminada
Técnico administrativo II
Estagiário do 1.º ano Eliminada
Responsável de secção I
Dactilógrafo do 1.º ano Eliminada
Contabilista I
XII Praticante 1.º ano
Eliminada Técnico comercial I
(metalúrgico) + 3 anos
Técnico de tesouraria I
Ajudante de electricista do 1.º
Eliminada Técnico de informática I
período
Praticante de bilheteiro Eliminada Técnico administrativo I
Praticante de cobrador- Estagiário 1 ano
XIII Eliminada
-bilheteiro
Praticante de despachante Eliminada Área manutenção
XIV Paquete de 17 anos Eliminada
Aprendiz de metalúrgico do Categorias profissionais Tempo de permanência
Eliminada
XV 4.º ano
Paquete de 16 anos Eliminada Responsável de departamento
Avaliação
Paquete de 15 anos Eliminada Responsável de serviço
XVI Aprendiz de electricista do 2.º Técnico de manutenção V Avaliação
Eliminada
período Técnico de manutenção IV Avaliação
Técnico de manutenção III Avaliação
Responsável de secção II
Avaliação
Técnico de manutenção II

1945
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Responsável de secção I Telefonista


VII 530,00 €
Técnico de armazém I + 3 anos Trabalhador não especializado
Técnico de manutenção I VIII Estagiário 530,00 €

Estagiário 1 ano
Área manutenção
Área movimento
Grupos Categorias profissionais Retribuição base

Categorias profissionais Tempo de permanência I Responsável de departamento 798,23 €


II Responsável de serviço 725,45 €
Responsável de departamento
Avaliação Responsável de secção II
Responsável de serviço III 664,90 €
Técnico manutenção V
Técnico de bilhética III Avaliação
Técnico de manutenção IV
Responsável de secção II IV 630,00 €
Responsável de secção I
Técnico de movimento II
Avaliação Técnico de manutenção III
Técnico de bilhética II V 630,00 €
Técnico de armazém II
Técnico de bilheteira e despachos II
Técnico de manutenção II
Técnico movimento I VI 567,04 €
Técnico de armazém I
Responsável de secção I
+ 3 anos Técnico de manutenção I
Técnico de bilhética I
Técnico de pneus
Técnico de bilheteira e despachos I VII 530,00 €
Técnico de lubrificação
Estagiário 1 ano Trabalhador não especializado
VIII Estagiário 530,00 €
ANEXO III
Área movimento
Cláusulas de expressão pecuniária
Grupos Categorias profissionais Retribuição base
Cláusula 44.ª
I Responsável de departamento 798,23 €
(Retribuição do trabalho) II Responsável de serviço 725,45 €
Responsável de secção II
Área administrativa III Técnico de movimento II 664,90 €
Técnico de bilhética III
Grupos Categorias profissionais Retribuição base Técnico de movimento I
IV Responsável de secção I 630,00 €
I Responsável de departamento 798,23 € Técnico de bilhética II
Responsável de serviço Técnico de bilhética I
V 630,00 €
Contabilista II Fiscal
II 725,45 €
Técnico de informática III VI Motorista de serviço público 630,00 €
Técnico de tesouraria II Técnico de bilheteira e despachos II
VII 591,49 €
Assistente de direção ou secretária Motorista de pesados
(o) de direção Técnico de bilheteira e despachos I
Responsável de secção II VIII Assistente de bordo 564,07 €
III 664,90 €
Contabilista I Motorista de ligeiros
Técnico de informática II Vigilante de crianças
Técnico comercial III Técnico de portaria, segurança e
IX 530,00 €
Técnico administrativo III limpeza
IV Técnico comercial II 630,00 € Trabalhador não especializado
Responsável de secção I X Estagiário 530,00 €
Técnico administrativo II
A retribuição base constante das tabelas anteriores será
Técnico de tesouraria I
objeto de aplicação no mês de publicação do presente CCTV
V Técnico de informática I 630,00 €
no Boletim do Trabalho e Emprego.
Técnico de formação
Técnico comercial I No dia 1 de março de 2017, efetuar-se-á a atualização
Técnico administrativo I da retribuição base correspondente à taxa de inflação efetiva
VI 591,49 € verificada no ano de 2016 e publicada pelo INE, acrescida
Técnico de cobranças
de 0,25 %.

1946
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Cláusula 46.ª Cláusula 55.ª

(Diuturnidades) (Subsídio de alimentação)


1- Valor da diuturnidade - 14,00 € 2- Subsídio de alimentação - 2,55 €
Cláusula 52.ª Cláusula 56.ª

(Abono para falhas) (Alojamento e deslocações no continente)


1- Valor do abono para falhas - 18,50 € 1- b) Ajuda de custo diária nacional completa (serviços
iniciados antes das 14h30) - 45,00 €
Cláusula 54.ª
Ajuda de custo diária nacional parcial (serviços iniciados
(Refeições) depois das 14h30) - 38,10 €
2- Almoço/jantar - 6,90 €, por cada refeição
1- Refeição deslocada nacional - 6,90 €
Dormida - 22,65 €
2- Refeição penalizada - 2,20 €
3- Trabalhadores que terminem o serviço depois da 1 hora Cláusula 57.ª
ou o iniciem antes das 6 horas - 1,35 €
Trabalhadores que prestarem o mínimo de três horas de (Deslocações ao estrangeiro - Alojamento e refeições)
trabalho entre as 0 e as 5 horas - 2,55 € 2- Ajuda de custo diária estrangeiro completa (serviços
4- Pequeno-almoço - 1,45 € iniciados antes das 14h30) - 65,00 €
5- Refeição deslocada estrangeiro - 13,50 €. Ajuda de custo diária estrangeiro parcial (serviços inicia-
dos depois das 14h30) - 51,50 €
3- Almoço/jantar - 13,50 €, por cada refeição
Dormida - 23,32 €

Cálculo das cláusulas de expressão pecuniária


Retribuição base - 630,00 €
Diuturnidades - 14,00 €
N.º diuturnidades

Valores hora* Fórmula 0 1 2 3 4 5 6

Cláusula 15.ª
(VB + Diut) / 173,33 * 25 % 0,90867 0,92886 0,94906 0,96925 0,98944 1,00963 1,02983
(Agente único)

Cláusula 43.ª
(VB + Diut) / 240 2,62500 2,68333 2,74167 2,80000 2,85833 2,91667 2,97500
(Perda de remuneração)

Cláusula 47.ª
(Trabalho suplementar em dia útil 50 % (VB + Diut) / 173,33 * 1,5 5,45203 5,57318 5,69434 5,81550 5,93665 6,05781 6,17896
(1.ª hora)

Cláusula 47.ª
(Trabalho suplementar em dia útil 75 % (VB + Diut) / 173,33 * 1,75 6,36070 6,50205 6,64340 6,78475 6,92609 7,06744 7,20879
(a partir da 2.ª hora)
Cláusula 48.ª n.º 1
(Trabalho em dias de descanso e feriados) - (VB + Diut) / 240 * 2 5,25000 5,36667 5,48333 5,60000 5,71667 5,83333 5,95000
1as 8 horas
Cláusula 48.ª n.º 4
(Trabalho em dias de descanso e feriados) (VB + Diut) / 240 * 3 7,87500 8,05000 8,22500 8,40000 8,57500 8,75000 8,92500
a partir da 9.ª hora

Cláusula 49.ª
(VB + Diut) / 173,33 * 1,5 5,45203 5,57318 5,69434 5,81550 5,93665 6,05781 6,17896
(Pausa técnica dia útil 50 %)

Cláusula 49.ª
(VB + Diut) / 173,33 * 1,75 6,36070 6,50205 6,64340 6,78475 6,92609 7,06744 7,20879
(Pausa técnica dia útil 75 %)

1947
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Cláusula 49.ª
(Pausa técnica dias de descanso e feriados -
(VB + Diut) / 240 * 2 5,25000 5,36667 5,48333 5,60000 5,71667 5,83333 5,95000
1.as 8 horas)
(1.as 8 horas)
Cláusula 49.ª
(Pausa técnica dias de descanso e feriados a
(VB + Diut) / 240 * 3 7,87500 8,05000 8,22500 8,40000 8,57500 8,75000 8,92500
partir da 9.ª hora)
(a partir da 9.ª hora)
Cláusula 53.ª
(VB + Diut) / 173,33 * 25 % 0,90867 0,92886 0,94906 0,96925 0,98944 1,00963 1,02983
(Trabalho noturno)
*Os valores estão expressos em euros.

Porto, aos oito dias do mês de junho do ano de dois mil e dezasseis.
O STTAMP - Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes da Área Metropolitana do Porto:
Zeferino Alberto Moreira da Silva, na qualidade de mandatário.
Boaventura Luís Pereira Neto, na qualidade de mandatário.
A Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Pesados de Passageiros - ANTROP:
Luís Manuel Delicado Cabaço Martins, na qualidade de presidente do conselho diretivo e mandatário.
Arménio de Oliveira Raimundo, na qualidade de vice presidente do conselho diretivo e mandatário.

Depositado em 22 de junho de 2016, a fl. 194 do livro n.º 11, com o n.º 94/2016, nos termos do artigo 494.º do Código do
Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro.

Contrato coletivo entre a Confederação Nacional Cláusula 2.ª


das Instituições de Solidariedade - CNIS e a FNE -
Vigência e denúncia
Federação Nacional da Educação e outros - Revisão
global 1- A presente convenção entra em vigor no 5.º dia poste-
rior ao da sua publicação no Boletim do Trabalho e Emprego
e terá uma vigência de dois anos, sem prejuízo do disposto
no número seguinte.
CAPÍTULO I 2- As tabelas salariais e demais cláusulas de expressão pe-
cuniária terão uma vigência de um ano, produzem efeitos a
Disposições gerais partir de 1 de Janeiro e serão revistas anualmente.
3- O processo de revisão das tabelas salariais e cláusulas
Cláusula 1.ª de expressão pecuniária deverá ser iniciado no prazo de 10
meses contados a partir da data de início da respectiva vi-
Âmbito de aplicação
gência.
1- A presente convenção regula as relações de trabalho en- 4- No caso de não haver denúncia, a convenção renova-se,
tre as instituições particulares de solidariedade social (IPSS) sucessivamente, por períodos de um ano, mantendo-se em
representadas pela Confederação Nacional das Instituições vigor até ser substituída por outra.
de Solidariedade - CNIS, doravante também abreviadamente 5- A denúncia far-se-á com o envio à contraparte da pro-
designadas por instituições, e os trabalhadores ao seu ser- posta de revisão, através de carta registada com aviso de
viço que sejam ou venham a ser membros das associações recepção, protocolo ou outro meio que faça prova da sua
sindicais outorgantes, sendo aplicável em todo o território entrega.
nacional com excepção da Região Autónoma dos Açores. 6- A contraparte deverá enviar à denunciante uma contra-
2- Para cumprimento do disposto na alínea g) do artigo proposta até 30 dias após a recepção da comunicação de de-
492.º, conjugado com o artigo 496.º do Código do Trabalho, núncia de revisão, presumindo-se a respectiva aceitação caso
refere-se que serão abrangidos por esta convenção 4000 em- não seja apresentada contraproposta.
pregadores e 70 000 trabalhadores. 7- Será considerada como contraproposta a declaração ex-

1948
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

pressa da vontade de negociar. h) Duração do período experimental, quando exista;


8- A parte denunciante disporá de até 20 dias para exa- i) Data de início do trabalho;
minar a contraproposta e as negociações iniciar-se-ão, sem j) Indicação do tempo de serviço prestado pelo trabalha-
qualquer dilação, nos primeiros 10 dias úteis a contar do ter- dor em outras IPSS;
mo do prazo acima referido. k) Justificação clara dos motivos do contrato, quando apli-
9- Havendo denúncia, as partes comprometem-se a iniciar cável;
o processo negocial utilizando as fases processuais que en- l) Indicação do instrumento de regulação colectiva de tra-
tenderem, incluindo a arbitragem voluntária. balho aplicável, quando seja o caso.
Cláusula 3.ª Cláusula 6.ª

Responsabilidade social das instituições Categorias e carreiras profissionais


As instituições devem, na medida do possível, organizar 1- Os trabalhadores abrangidos na presente convenção
a prestação de trabalho de forma a obter o maior grau de serão classificados nas profissões e categorias profissionais
compatibilização entre a vida familiar e a vida profissional constantes do anexo I, tendo em atenção a actividade princi-
dos seus trabalhadores. pal para que sejam contratados.
2- As carreiras profissionais dos trabalhadores abrangi-
Cláusula 4.ª
dos pela presente convenção são regulamentadas no anexo
Objecto do contrato de trabalho II, sendo que a fixação de períodos de exercício profissio-
nal para efeitos de progressão na carreira não impede que
1- Cabe às partes definir a actividade para que o trabalha-
as instituições promovam os seus trabalhadores antes do seu
dor é contratado.
decurso.
2- A definição a que se refere o número anterior pode ser
feita por remissão para uma das categorias profissionais Cláusula 7.ª
constantes do anexo I.
Avaliação do desempenho
Cláusula 5.ª
1- As instituições podem construir um sistema de avalia-
Admissão ção do desempenho dos seus trabalhadores subordinado aos
princípios da justiça, igualdade e imparcialidade.
1- São condições gerais de admissão:
2- A avaliação do desempenho tem por objectivo a melho-
a) Idade mínima não inferior a 16 anos;
ria da qualidade de serviços e da produtividade do trabalho,
b) Escolaridade obrigatória.
devendo ser tomada em linha de conta para efeitos de desen-
2- São condições específicas de admissão as discrimina-
volvimento profissional e de progressão na carreira.
das no anexo II, designadamente a formação profissional
3- As instituições ficam obrigadas a dar adequada publici-
adequada ao posto de trabalho ou a certificação profissional,
dade aos parâmetros a utilizar na avaliação do desempenho
quando exigidas.
e à respectiva valorização, devendo elaborar um plano que,
3- Para o preenchimento de lugares nas instituições e des-
equilibradamente, tenha em conta os interesses e expectati-
de que os trabalhadores reúnam os requisitos necessários
vas quer das instituições quer dos seus trabalhadores.
para o efeito, será dada preferência:
4- O plano de objectivos a que se reporta o número an-
a) Aos trabalhadores já em serviço, a fim de proporcionar
terior será submetido ao parecer prévio de uma comissão
a promoção e melhoria das suas condições de trabalho;
paritária, constituída por quatro membros designados pelas
b) Aos trabalhadores com capacidade de trabalho reduzi-
instituições e eleitos pelos seus trabalhadores.
da, pessoas com deficiência ou doença crónica.
5- Para o efeito consignado no número anterior, a comis-
4- Os trabalhadores com responsabilidades familiares, com
são reúne anualmente até ao dia 31 de Março.
capacidade de trabalho reduzida, com deficiência ou doença
crónica, bem como os que frequentem estabelecimentos de Cláusula 8.ª
ensino secundário ou superior, têm preferência na admissão
em regime de tempo parcial. Enquadramento e níveis de qualificação
5- Sem prejuízo do disposto nas normas legais aplicáveis, As profissões previstas na presente convenção são enqua-
a instituição deverá prestar ao trabalhador, por escrito, as dradas em níveis de qualificação de acordo com o anexo III.
seguintes informações relativas ao seu contrato de trabalho:
Cláusula 9.ª
a) Nome ou denominação e domicílio ou sede das partes;
b) Categoria profissional; Período experimental
c) Período normal de trabalho;
1- Durante o período experimental, salvo acordo escrito
d) Local de trabalho;
em contrário, qualquer das partes pode rescindir o contrato
e) Tipo de contrato e respetivo prazo, quando aplicável;
sem aviso prévio e sem necessidade de invocação de justa
f) Retribuição, indicando o montante das prestações aces-
causa, não havendo direito a qualquer indemnização.
sórias e complementares;
2- Tendo o período experimental durado mais de 60 dias,
g) Condições particulares de trabalho, quando existam;
para denunciar o contrato nos termos previstos no número

1949
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

anterior a instituição tem de dar um aviso prévio de 7 dias. aplicação das prescrições legais e convencionais vigentes;
3- O período experimental corresponde ao período inicial j) Fornecer ao trabalhador a informação e a formação ade-
de execução do contrato, compreende as acções de formação quadas à prevenção de riscos de acidente e doença e propor-
ministradas pelo empregador ou frequentadas por determina- cionar aos trabalhadores as condições necessárias à realiza-
ção deste, nos termos legais, e tem a seguinte duração: ção do exame médico anual;
a) 90 dias para a generalidade dos trabalhadores; k) Passar certificados de trabalho, conforme a lei em vigor.
b) 180 dias para os trabalhadores que exerçam cargos de
Cláusula 11.ª
complexidade técnica, elevado grau de responsabilidade ou
que pressuponham uma especial qualificação, bem como os Deveres dos trabalhadores
que desempenhem funções de confiança;
1- Sem prejuízo de outras obrigações, o trabalhador deve:
c) 240 dias para trabalhador que exerça cargo de direcção
a) Observar o disposto no contrato de trabalho e nas dispo-
ou quadro superior.
sições legais e convencionais que o regem;
4- Salvo acordo em contrário, nos contratos a termo o pe-
b) Respeitar e tratar com urbanidade e probidade o empre-
ríodo experimental tem a seguinte duração:
gador, os superiores hierárquicos, os companheiros de traba-
a) 30 dias para os contratos com duração igual ou superior
lho e as demais pessoas que estejam ou entrem em relação
a seis meses;
com a instituição;
b) 15 dias nos contratos a termo certo de duração inferior
c) Comparecer ao serviço com assiduidade e pontualidade;
a seis meses e nos contratos a termo incerto cuja duração se
d) Realizar o trabalho com zelo e diligência;
preveja não vir a ser superior àquele limite.
e) Cumprir as ordens e instruções do empregador em tudo
5- A antiguidade do trabalhador conta-se desde o início do
o que respeite à execução e disciplina do trabalho, salvo na
período experimental.
medida em que se mostrem contrárias aos seus direitos e ga-
6- A admissão do trabalhador considerar-se-á feita por
rantias;
tempo indeterminado, não havendo lugar a período experi-
f) Guardar lealdade ao empregador, nomeadamente não
mental, quando o trabalhador haja sido convidado para inte-
negociando por conta própria ou alheia em concorrência com
grar o quadro de pessoal da instituição, tendo, para isso, com
ele, nem divulgando informações relativas à instituição ou
conhecimento prévio da mesma, revogado ou rescindido
seus utentes, salvo no cumprimento de obrigação legalmente
qualquer contrato de trabalho anterior.
instituída;
g) Velar pela conservação e boa utilização dos bens, equi-
CAPÍTULO II pamentos e instrumentos relacionados com o seu trabalho;
h) Contribuir para a optimização da qualidade dos servi-
Direitos, deveres e garantias das partes ços prestados pela instituição e para a melhoria do respectivo
funcionamento, designadamente participando com empenho
Cláusula 10.ª nas acções de formação que lhe forem proporcionadas pela
entidade patronal;
Deveres da entidade patronal
i) Zelar pela sua segurança e saúde, submetendo-se, no-
São deveres da entidade patronal: meadamente, ao exame médico anual e aos exames médicos,
a) Cumprir o disposto no presente contrato e na legislação ainda que ocasionais, para que seja convocado.
de trabalho aplicável; 2- O dever de obediência a que se refere a alínea e) do
b) Respeitar e tratar com urbanidade e probidade o traba- número anterior respeita tanto às ordens e instruções dadas
lhador; directamente pelo empregador como às emanadas dos supe-
c) Pagar pontualmente a retribuição; riores hierárquicos do trabalhador, dentro dos poderes que
d) Proporcionar boas condições de trabalho, tanto do pon- por aquele lhes forem atribuídos.
to de vista físico, como moral; 3- Às acções de formação profissional prestadas pelas ins-
e) Contribuir para a elevação do nível de produtividade do tituições é aplicável:
trabalhador, nomeadamente proporcionando-lhe formação a) O regime de trabalho suplementar, na parte em que ex-
profissional; cedam mais de duas horas o período normal de trabalho;
f) Respeitar a autonomia técnica do trabalhador que exer- b) O disposto nas cláusulas 20.ª e 21.ª, sempre que realiza-
ça actividades cuja regulamentação profissional a exija; das fora do local de trabalho.
g) Possibilitar o exercício de cargos em organizações re-
presentativas dos trabalhadores, bem como facilitar o exercí- Cláusula 12.ª
cio, nos termos legais, de actividade sindical na instituição;
Garantias dos trabalhadores
h) Prevenir riscos e doenças profissionais, tendo em conta
a protecção da saúde e a segurança do trabalhador, devendo É proibido ao empregador:
indemnizá-lo dos prejuízos resultantes de acidentes de traba- a) Opor-se, por qualquer forma, a que o trabalhador exer-
lho e doenças profissionais, transferindo a respectiva respon- ça os seus direitos, bem como despedi-lo, aplicar-lhe outras
sabilidade para uma seguradora; sanções ou tratá-lo desfavoravelmente por causa desse exer-
i) Adoptar, no que se refere à higiene, segurança e saúde cício;
no trabalho, as medidas que decorram para a instituição da b) Obstar, injustificadamente, à prestação efectiva do tra-

1950
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

balho; que a actividade que se pretenda qualificar como afim ou


c) Exercer pressão sobre o trabalhador para que actue no funcionalmente ligada exceder em um grau o nível de quali-
sentido de influir desfavoravelmente nas condições de traba- ficação em que o trabalhador se insere.
lho dele ou dos companheiros; 5- O disposto nos números anteriores confere ao trabalha-
d) Diminuir a retribuição, baixar a categoria ou transferir dor, sempre que o exercício das funções acessórias exigir
o trabalhador para outro local de trabalho, salvo nos casos especiais qualificações, o direito a formação profissional não
legal ou convencionalmente previstos; inferior a dez horas anuais.
e) Ceder trabalhadores do quadro de pessoal próprio para 6- As instituições devem procurar atribuir a cada traba-
utilização de terceiros, salvo nos casos especialmente pre- lhador, no âmbito da actividade para que foi contratado, as
vistos; funções mais adequadas às suas aptidões e qualificação pro-
f) Obrigar o trabalhador a adquirir bens ou a utilizar ser- fissional.
viços fornecidos pelo empregador ou por pessoa por ele in- 7- A determinação pelo empregador do exercício, ainda
dicada; que acessório, das funções referidas no número 2 a que cor-
g) Explorar, com fins lucrativos, quaisquer cantinas, refei- responda uma retribuição, ou qualquer outra regalia, mais
tórios, economatos ou outros estabelecimentos directamente elevada confere ao trabalhador o direito a estas enquanto tal
relacionados com o trabalho para fornecimento de bens ou exercício se mantiver.
prestação de serviços aos trabalhadores;
Cláusula 16.ª
h) Fazer cessar o contrato e readmitir o trabalhador, mes-
mo com o seu acordo, havendo o propósito de o prejudicar Reclassificação profissional
em direitos ou garantias decorrentes da antiguidade.
1- Sempre que haja alteração consistente da actividade
Cláusula 13.ª principal para a qual o trabalhador foi contratado, deverá a
instituição proceder à respectiva reclassificação profissional,
Remissão não podendo daí resultar a baixa de categoria.
Às matérias relativas a férias, ao contrato a termo, ao 2- Presume-se consistente a alteração da actividade prin-
exercício do direito de desenvolver actividade sindical na cipal para a qual o trabalhador foi contratado, sempre que
instituição, ao exercício do direito à greve, à suspensão do decorra um período entre 6 e 12 meses sobre o início da mes-
contrato de trabalho por impedimento respeitante à enti- ma.
dade patronal ou ao trabalhador e à cessação dos contratos 3- A presunção a que se reporta o número anterior pode ser
de trabalho, entre outras não especialmente reguladas nesta ilidida pela instituição, competindo-lhe a prova da natureza
convenção, são aplicáveis as normas legais em vigor a cada transitória da alteração.
momento. 4- A reclassificação produz efeitos por iniciativa da insti-
tuição ou, sendo caso disso, a partir da data de requerimento
CAPÍTULO III do trabalhador interessado nesse sentido.
Cláusula 17.ª
Prestação do trabalho
Local de trabalho
Cláusula 14.ª 1- O trabalhador deve, em princípio, realizar a sua presta-
ção no local de trabalho contratualmente definido.
Poder de direcção
2- Na falta de indicação expressa, considera-se local de
Compete às instituições, dentro dos limites decorrentes trabalho o que resultar da natureza da actividade do traba-
do contrato e das normas que o regem, fixar os termos em lhador e da necessidade da instituição que tenha levado à sua
que deve ser prestado o trabalho. admissão, desde que aquela fosse ou devesse ser conhecida
Cláusula 15.ª do trabalhador.
Cláusula 18.ª
Funções desempenhadas
1- O trabalhador deve, em princípio, exercer funções cor- Trabalhador com local de trabalho não fixo
respondentes à actividade para que foi contratado. 1- Nos casos em que o trabalhador exerça a sua actividade
2- A actividade contratada, ainda que descrita por remis- indistintamente em diversos lugares, terá direito ao paga-
são para uma das categorias profissionais previstas no anexo mento das despesas e à compensação de todos os encargos
I, compreende as funções que lhe sejam afins ou funcional- directamente decorrentes daquela situação, nos termos ex-
mente ligadas, para as quais o trabalhador detenha a qualifi- pressamente acordados com a instituição.
cação profissional adequada e que não impliquem desvalori- 2- Na falta de acordo haverá reembolso das despesas rea-
zação pessoal e profissional. lizadas impostas directamente pelas deslocações, desde que
3- Para efeitos do número anterior, consideram-se afins comprovadas e observando-se critérios de razoabilidade.
ou funcionalmente ligadas, designadamente, as actividades 3- O tempo normal de deslocação conta para todos os efei-
compreendidas no mesmo grupo ou carreira profissional. tos como tempo efectivo de serviço.
4- Considera-se haver desvalorização profissional sempre

1951
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Cláusula 19.ª proceder à mudança definitiva do local de trabalho, desde


que tal não implique prejuízo sério para o trabalhador.
Deslocações 2- A instituição pode ainda transferir o trabalhador para
1- O trabalhador encontra-se adstrito às deslocações ine- outro local de trabalho, se a alteração resultar da mudança,
rentes às suas funções ou indispensáveis à sua formação pro- total ou parcial, do estabelecimento onde aquele presta ser-
fissional. viço.
2- Designa-se por deslocação a realização transitória da 3- No caso previsto no número anterior, o trabalhador pode
prestação de trabalho fora do local de trabalho. resolver o contrato com justa causa se houver prejuízo sério,
3- Consideram-se deslocações com regresso diário à resi- tendo nesse caso direito à indemnização legalmente prevista.
dência aquelas em que o período de tempo despendido, in- 4- A instituição custeará as despesas do trabalhador impos-
cluindo a prestação de trabalho e as viagens impostas pela tas pela transferência, decorrentes do acréscimo dos custos
deslocação, não ultrapasse em mais de duas horas o período de deslocação e resultantes da mudança de residência.
normal de trabalho, acrescido do tempo consumido nas via- 5- A transferência do trabalhador entre os serviços ou
gens habituais. equipamentos da mesma instituição não afecta a respectiva
4- Consideram-se deslocações sem regresso diário à resi- antiguidade, contando para todos os efeitos a data de admis-
dência as não previstas no número anterior, salvo se o tra- são na mesma.
balhador optar pelo regresso à residência, caso em que será 6- Em caso de transferência temporária, a respectiva or-
aplicável o regime estabelecido para as deslocações com re- dem, além da justificação, deve conter o tempo previsível da
gresso diário à mesma. alteração, que, salvo condições especiais, não pode exceder
seis meses.
Cláusula 20.ª
Cláusula 23.ª
Deslocações com regresso diário à residência
1- Os trabalhadores deslocados nos termos do número 2 da Comissão de serviço
cláusula anterior terão direito: 1- Podem ser exercidos em comissão de serviço os cargos
a) Ao pagamento das despesas de transporte de ida e volta de administração ou equivalentes, de direcção técnica ou de
ou à garantia de transporte gratuito fornecido pela institui- coordenação de equipamentos, bem como as funções de se-
ção, na parte que vá além do percurso usual entre a residên- cretariado pessoal relativamente aos titulares desses cargos e
cia do trabalhador e o seu local habitual de trabalho; ainda as funções de chefia ou outras cuja natureza pressupo-
b) Ao fornecimento ou pagamento das refeições, conso- nha especial relação de confiança com a instituição.
ante as horas ocupadas, podendo a instituição exigir docu- 2- Gozam de preferência para o exercício dos cargos e fun-
mento comprovativo da despesa efectuada para efeitos de ções previstos no número anterior os trabalhadores já ao ser-
reembolso; viço da instituição, vinculados por contrato de trabalho por
c) Ao pagamento da retribuição equivalente ao período tempo indeterminado ou por contrato de trabalho a termo,
que decorrer entre a saída e o regresso à residência, deduzido com antiguidade mínima de três meses.
do tempo habitualmente gasto nas viagens de ida e regresso 3- São directamente aplicáveis ao exercício da actividade
do local de trabalho. em comissão de serviço as normas legais em vigor relativas
2- Os limites máximos do montante do reembolso previsto às formalidades, à cessação e efeitos da cessação da comis-
na alínea b) do número anterior serão previamente acordados são de serviço, bem como à contagem de tempo de serviço.
entre os trabalhadores e a instituição, observando-se critérios
de razoabilidade. CAPÍTULO IV
Cláusula 21.ª
Duração do trabalho
Deslocações sem regresso diário à residência
O trabalhador deslocado sem regresso diário à residência Cláusula 24.ª
tem direito:
Período normal de trabalho
a) Ao pagamento ou fornecimento integral da alimentação
e do alojamento; 1- Os limites máximos dos períodos normais de trabalho
b) Ao transporte gratuito ou reembolso das despesas de dos trabalhadores abrangidos pela presente convenção são
transporte realizadas, nos termos previamente acordados os seguintes:
com a instituição; a) Trinta e cinco horas - para médicos, psicólogos e so-
c) Ao pagamento de um subsídio correspondente a 20 % ciólogos, trabalhadores com funções técnicas, enfermeiros,
da retribuição diária. técnicos superiores de habilitação, reabilitação e emprego
protegido e técnicos de diagnóstico e terapêutica, técnicos
Cláusula 22.ª superiores de animação sócio-cultural, educação social e me-
diação social, bem como para os assistentes sociais;
Mobilidade geográfica
b) Trinta e seis horas - para os restantes trabalhadores so-
1- A instituição pode, quando o seu interesse assim o exija, ciais;

1952
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

c) Trinta e sete horas - para os ajudantes de acção directa; seu período normal de trabalho não tivesse sido definido em
d) Trinta e oito horas - para trabalhadores administrativos, termos médios.
trabalhadores de apoio, restantes trabalhadores de habilita-
Cláusula 26.ª
ção, reabilitação e emprego protegido e de diagnóstico e te-
rapêutica, auxiliares de educação e prefeitos; Período normal de trabalho dos trabalhadores com funções
e) Quarenta horas - para os restantes trabalhadores. pedagógicas
2- Poderá ser negociado individualmente, por acordo en- 1- Para os trabalhadores com funções pedagógicas o perí-
tre a instituição e o trabalhador, o horário normal semanal odo normal de trabalho semanal é o seguinte:
de quarenta horas, nas carreiras dos trabalhadores de apoio a) Educador de infância - trinta e cinco horas, sendo trinta
- ajudantes de acção directa, ajudantes de acção educativa, horas destinadas a trabalho directo com as crianças e as res-
ajudantes de estabelecimento de apoio a pessoas com defi- tantes a outras actividades, incluindo estas, designadamente,
ciência, ajudantes de ocupação e auxiliares de acção médica a preparação daquele trabalho e, ainda, o acompanhamento e
-, ao que corresponde a retribuição diferenciada estabelecida a avaliação individual das crianças, bem como o atendimen-
no anexo V. to das famílias;
3- São salvaguardados os períodos normais de trabalho b) Professor do 1.º ciclo do ensino básico - vinte e cinco
com menor duração praticados à data da entrada em vigor da horas lectivas semanais e três horas para coordenação;
presente convenção. c) Professor dos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico - vinte
Cláusula 25.ª e duas horas lectivas semanais, mais quatro horas mensais
destinadas a reuniões;
Fixação do horário de trabalho d) Professor do ensino secundário - vinte horas lectivas
1- Compete às entidades patronais estabelecer os horários semanais mais quatro horas mensais destinadas a reuniões;
de trabalho, dentro dos condicionalismos da lei e do presente e) Professor do ensino especial - vinte e duas horas lecti-
contrato. vas semanais acrescidas de três horas semanais exclusiva-
2- Na elaboração dos horários de trabalho devem ser pon- mente destinadas à preparação de aulas.
deradas as preferências manifestadas pelos trabalhadores. 2- Para além dos tempos referidos no número anterior, o
3- Sempre que tal considerem adequado ao respectivo fun- período normal de trabalho dos trabalhadores com funções
cionamento, as instituições deverão desenvolver os horários pedagógicas inclui, ainda, as reuniões de avaliação, uma
de trabalho em cinco dias semanais, entre segunda-feira e reunião trimestral com encarregados de educação e, salvo
sexta-feira. no que diz respeito aos educadores de infância, o serviço de
4- As instituições ficam obrigadas a elaborar e a afixar anu- exames.
almente, em local acessível, o mapa de horário de trabalho. Cláusula 27.ª
5- A prestação de trabalho deve ser realizada nos termos
previstos nos mapas de horário de trabalho. Particularidades do regime de organização do trabalho dos professores
6- O período normal de trabalho pode ser definido em ter- dos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e do ensino secundário
mos médios, tendo como referência períodos de quatro me- 1- Aos professores dos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e
ses. do ensino secundário será assegurado, em cada ano lectivo,
7- O período normal de trabalho diário pode ser aumenta- um período de trabalho lectivo semanal igual àquele que ha-
do até ao limite máximo de duas horas, sem que a duração jam praticado no ano lectivo imediatamente anterior.
semanal exceda cinquenta horas, só não contando para este 2- O período de trabalho a que se reporta o número ante-
limite o trabalho suplementar prestado por motivo de força rior poderá ser reduzido quanto aos professores com número
maior, salvo nas seguintes situações: de horas de trabalho semanal superior aos mínimos dos pe-
a) Pessoal operacional de vigilância, transporte e trata- ríodos normais de trabalho definidos, mas o período normal
mento de sistemas electrónicos de segurança, designada- de trabalho semanal assegurado não poderá ser inferior a este
mente quando se trate de guardas ou porteiros; limite.
b) Pessoal cujo trabalho seja acentuadamente intermitente 3- Quando não for possível assegurar a um destes profes-
ou de simples presença; sores o período de trabalho lectivo semanal que tiver desen-
c) Pessoal que preste serviço em actividades em que se volvido no ano anterior, em consequência, entre outros, da
mostre absolutamente incomportável a sujeição do seu perí- alteração do currículo ou da diminuição das necessidades de
odo de trabalho a esses limites. docência de uma disciplina, ser-lhe-á assegurado, se nisso
8- As comissões de trabalhadores ou os delegados sindi- manifestar interesse, o mesmo número de horas de trabalho
cais devem ser consultados previamente sobre organização e semanal que no ano transacto, sendo as horas excedentes
definição dos mapas de horário de trabalho. aplicadas em outras actividades, preferencialmente de natu-
9- Nas situações de cessação do contrato de trabalho no reza técnico-pedagógica.
decurso do período de referência, o trabalhador será com- 4- Salvo acordo em contrário, o horário dos professores,
pensado no montante correspondente à diferença de remu- uma vez atribuído, manter-se-á inalterado até à conclusão do
neração entre as horas que tenha efectivamente trabalhado ano escolar.
naquele mesmo período e aquelas que teria praticado caso o 5- Caso se verifiquem alterações que se repercutam no ho-

1953
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

rário lectivo e daí resultar diminuição do número de horas de em que resultar excedido o limite de vinte e cinco horas se-
trabalho lectivo, o professor deverá completar as suas horas manais.
de serviço lectivo mediante desempenho de outras activida-
Cláusula 30.ª
des, definidas pela direcção da instituição, preferencialmente
de natureza técnico-pedagógica. Trabalho a tempo parcial
6- No preenchimento das necessidades de docência, de-
1- Considera-se trabalho a tempo parcial o que correspon-
vem as instituições dar preferência aos professores com ho-
da a um período normal de trabalho semanal igual ou infe-
rário de trabalho a tempo parcial, desde que estes possuam os
rior a 75 % do praticado a tempo completo numa situação
requisitos legais exigidos.
comparável.
Cláusula 28.ª 2- O trabalho a tempo parcial pode, salvo estipulação em
contrário, ser prestado em todos ou alguns dias da semana,
Regras quanto à elaboração dos horários dos professores dos 2.º e 3.º sem prejuízo do descanso semanal, devendo o número de
ciclos do ensino básico e do ensino secundário
dias de trabalho ser fixado por acordo.
1- A organização do horário dos professores será a que 3- Aos trabalhadores em regime de tempo parcial aplicam-
resultar da elaboração dos horários das aulas, tendo-se em -se todos os direitos e regalias previstos na presente conven-
conta as exigências do ensino, as disposições aplicáveis e a ção colectiva, ou praticados nas instituições, na proporção do
consulta aos professores nos casos de horário incompleto. tempo de trabalho prestado em relação ao tempo completo,
2- Salvo acordo em contrário, os horários de trabalho dos incluindo, nomeadamente, a retribuição mensal e as demais
professores a que a presente cláusula se reporta deverão ser prestações de natureza pecuniária.
organizados por forma a impedir que os mesmos sejam sujei- 4- A retribuição dos trabalhadores em regime de tempo
tos a intervalos sem aulas que excedam uma hora diária, até parcial não poderá ser inferior à fracção de regime de traba-
ao máximo de duas horas semanais. lho em tempo completo correspondente ao período de traba-
3- Sempre que se mostrem ultrapassados os limites fixados lho ajustado.
no número anterior, considerar-se-á como tempo efectivo de
serviço o período correspondente aos intervalos registados, Cláusula 31.ª
sendo que o professor deverá nesses períodos desempenhar
Contratos de trabalho a tempo parcial
outras actividades indicadas pela direcção da instituição,
preferencialmente de natureza técnico-pedagógica. 1- O contrato de trabalho a tempo parcial deve revestir for-
4- Haverá lugar à redução do horário de trabalho dos pro- ma escrita, ficando cada parte com um exemplar, e conter a
fessores sempre que seja invocada e comprovada a necessi- indicação do período normal de trabalho diário e semanal
dade de cumprimento de imposições legais ou de obrigações com referência comparativa ao trabalho a tempo completo.
voluntariamente contraídas antes do início do ano lectivo, 2- Quando não tenha sido observada a forma escrita, pre-
desde que conhecidas da entidade empregadora, de harmonia sume-se que o contrato foi celebrado por tempo completo.
com as necessidades de serviço. 3- Se faltar no contrato a indicação do período normal de
5- A instituição não poderá impor ao professor um horário trabalho semanal, presume-se que o contrato foi celebrado
normal de trabalho que ocupe os três períodos de aulas (ma- para a duração máxima do período normal de trabalho admi-
nhã, tarde e noite) ou que contenha mais de cinco horas de tida para o contrato a tempo parcial.
aulas seguidas ou de sete interpoladas. 4- O trabalhador a tempo parcial pode passar a trabalhar
6- Os professores dos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e do a tempo completo, ou o inverso, a título definitivo ou por
ensino secundário não poderão ter um horário lectivo supe- período determinado, mediante acordo escrito com o empre-
rior a trinta e três horas, ainda que leccionem em mais de um gador.
estabelecimento de ensino. 5- Os trabalhadores em regime de trabalho a tempo parcial
7- O não cumprimento do disposto no número anterior podem exercer actividade profissional noutras empresas ou
constitui justa causa de rescisão de contrato quando se dever instituições.
à prestação de falsas declarações ou à não declaração de acu- Cláusula 32.ª
mulação pelo professor.
Isenção de horário de trabalho
Cláusula 29.ª
1- Por acordo escrito, podem ser isentos de horário de tra-
Redução de horário lectivo para professores com funções especiais balho os trabalhadores que se encontrem numa das seguintes
1- O horário lectivo dos professores referidos nas alíne- situações:
as c) e d) do número 1 da cláusula 26.ª será reduzido num a) Exercício de cargos de administração, de direcção, de
mínimo de duas horas semanais, sempre que desempenhem confiança, de fiscalização ou de apoio aos titulares desses
funções de direcção de turma ou coordenação pedagógica cargos, bem como os trabalhadores com funções de chefia;
(delegados de grupo ou disciplina ou outras). b) Execução de trabalhos preparatórios ou complementa-
2- As horas de redução referidas no número anterior fa- res que, pela sua natureza, só possam ser efectuados fora dos
zem parte do horário normal de trabalho, não podendo ser limites dos horários normais de trabalho;
consideradas como trabalho suplementar, salvo e na medida c) Exercício regular da actividade fora do estabelecimen-

1954
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

to, sem controlo imediato da hierarquia. de transporte ou de alimentação.


2- O acordo referido no número anterior deve ser enviado 7- O trabalho prestado em cada dia de descanso semanal
à Autoridade para as Condições de Trabalho. ou feriado não poderá exceder o período de trabalho normal.
3- Os trabalhadores isentos de horário de trabalho não es-
Cláusula 35.ª
tão sujeitos aos limites máximos dos períodos normais de
trabalho, mas a isenção não prejudica o direito aos dias de Descanso compensatório
descanso semanal, aos feriados obrigatórios e aos dias e
1- Nas instituições com mais de 10 trabalhadores, a presta-
meios dias de descanso semanal complementar.
ção de trabalho suplementar em dia útil, em dia de descanso
4- Os trabalhadores isentos de horário de trabalho têm di-
complementar e em dia feriado confere ao trabalhador o di-
reito à remuneração especial prevista na cláusula 61.ª
reito a um descanso compensatório remunerado correspon-
Cláusula 33.ª dente a 25 % das horas de trabalho suplementar realizado.
2- O descanso compensatório vence-se quando perfizer um
Intervalo de descanso número de horas igual ao período normal de trabalho diário e
1- O período de trabalho diário deverá ser interrompido deve ser gozado nos 90 dias seguintes.
por um intervalo de duração não inferior a uma hora nem 3- Nos casos de prestação de trabalho em dias de descanso
superior a duas, de modo a que os trabalhadores não prestem semanal obrigatório, o trabalhador terá direito a um dia de
mais de cinco horas de trabalho consecutivo. descanso compensatório remunerado, a gozar num dos três
2- Para os motoristas e outros trabalhadores de apoio ads- dias úteis seguintes.
tritos ao serviço de transporte de utentes e para os trabalha- 4- Na falta de acordo, o dia de descanso compensatório
dores com profissões ligadas a tarefas de hotelaria, poderá será fixado pela instituição.
ser estabelecido um intervalo de duração superior a duas 5- Por acordo entre o empregador e o trabalhador, quando
horas. o descanso compensatório for devido por trabalho suplemen-
3- O disposto no número anterior é aplicável aos auxiliares tar não prestado em dias de descanso semanal, obrigatório
de educação que a 30 de Junho de 2005 pratiquem o interva- ou complementar, pode o mesmo ser substituído pelo paga-
lo de descanso a que o mesmo se reporta. mento da remuneração correspondente com acréscimo não
4- Salvo disposição legal em contrário, por acordo entre inferior a 100 %.
a instituição e os trabalhadores, pode ser estabelecida a dis-
Cláusula 36.ª
pensa ou a redução dos intervalos de descanso.
Cláusula 34.ª Trabalho nocturno
1- Considera-se nocturno o trabalho prestado no período
Trabalho suplementar que decorre entre as 21 horas de um dia e as 7 horas do dia
1- Considera-se trabalho suplementar todo aquele que imediato.
é prestado, por solicitação do empregador, fora do horário 2- Considera-se também trabalho nocturno aquele que for
normal de trabalho. prestado depois das 7 horas, desde que em prolongamento de
2- Os trabalhadores estão obrigados à prestação de traba- um período nocturno.
lho suplementar, salvo quando, havendo motivos atendíveis,
Cláusula 37.ª
expressamente solicitem a sua dispensa.
3- Não estão sujeitas à obrigação estabelecida no número Trabalho por turnos rotativos
anterior as seguintes categorias de trabalhadores:
1- Sempre que as necessidades de serviço o determinarem,
a) Mulheres grávidas ou com filhos com idade inferior a
as instituições podem organizar a prestação do trabalho em
1 ano;
regime de turnos rotativos.
b) Menores;
2- Apenas é considerado trabalho em regime de turnos ro-
c) Trabalhadores-estudantes.
tativos aquele em que o trabalhador fica sujeito à variação
4- O trabalho suplementar só pode ser prestado quando as
contínua ou descontínua dos seus períodos de trabalho pelas
instituições tenham de fazer face a acréscimos eventuais e
diferentes partes do dia.
transitórios de trabalho que não justifiquem a admissão de
3- Os turnos deverão, na medida do possível, ser organiza-
trabalhador, bem assim como em casos de força maior ou
dos de acordo com os interesses e as preferências manifesta-
quando se torne indispensável para a viabilidade da insti-
dos pelos trabalhadores.
tuição ou para prevenir ou reparar prejuízos graves para a
4- A duração do trabalho de cada turno não pode ultrapas-
mesma.
sar os limites máximos dos períodos normais de trabalho e
5- Quando o trabalhador tiver prestado trabalho suple-
o pessoal só poderá ser mudado de turno após o dia de des-
mentar na sequência do seu período normal de trabalho, não
canso semanal.
deverá reiniciar a respectiva actividade antes que tenham de-
5- A prestação de trabalho em regime de turnos rotativos
corrido, pelo menos, onze horas.
confere ao trabalhador o direito a um especial complemento
6- A instituição fica obrigada a indemnizar o trabalhador
de retribuição, salvo nos casos em que a rotação se mostre
por todos os encargos decorrentes do trabalho suplementar,
ligada aos interesses dos trabalhadores e desde que a duração
designadamente dos que resultem de necessidades especiais

1955
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

dos turnos seja fixada por períodos não inferiores a quatro ídas em cada ano civil.
meses. 2- O direito a férias adquire-se com a celebração do con-
trato de trabalho e vence-se no dia 1 de Janeiro de cada ano
Cláusula 38.ª
civil.
Jornada contínua 3- No ano da contratação, o trabalhador tem direito, após
seis meses completos de execução do contrato, a gozar 2 dias
1- A jornada contínua consiste na prestação ininterrupta de
úteis de férias por cada mês de duração do contrato, até ao
trabalho, salvo num período de descanso de trinta minutos
máximo de 20 dias úteis.
para refeição dentro do próprio estabelecimento ou serviço,
4- No caso de sobrevir o termo do ano civil antes de decor-
que, para todos os efeitos, se considera tempo de trabalho.
rido o prazo referido no número anterior ou antes de gozado
2- A jornada contínua pode ser adoptada pelas instituições
o direito a férias, pode o trabalhador usufrui-lo até 30 de Ju-
nos casos em que tal modalidade se mostre adequada às res-
nho do ano civil subsequente.
pectivas necessidades de funcionamento.
5- Em caso de cessação do contrato de trabalho, as insti-
3- A adopção do regime de jornada contínua não prejudica
tuições ficam obrigadas a proporcionar o gozo de férias no
o disposto nesta convenção sobre remuneração de trabalho
momento imediatamente anterior.
nocturno e de trabalho suplementar.
Cláusula 42.ª
CAPÍTULO V
Duração do período de férias
Suspensão da prestação de serviço 1- O período anual de férias tem a duração mínima de 22
dias úteis.
Cláusula 39.ª 2- Para efeitos de férias, são úteis os dias da semana de
segunda-feira a sexta-feira, com excepção dos feriados, não
Descanso semanal podendo as férias ter início em dia de descanso semanal do
1- O dia de descanso semanal obrigatório deve, em regra, trabalhador.
coincidir com o domingo. 3- A duração do período de férias é aumentada no caso
2- Pode deixar de coincidir com o domingo o dia de des- de o trabalhador não ter faltado ou na eventualidade de ter
canso semanal obrigatório dos trabalhadores necessários apenas faltas justificadas, no ano a que as férias se reportam,
para assegurar o normal funcionamento da instituição. nos seguintes termos:
3- No caso previsto no número anterior, a instituição as- a) Três dias de férias até ao máximo de uma falta ou dois
segurará aos seus trabalhadores o gozo do dia de repouso meios dias;
semanal ao domingo, no mínimo, de sete em sete semanas. b) Dois dias de férias até ao máximo de duas faltas ou qua-
4- Para além do dia de descanso obrigatório será concedido tro meios dias;
ao trabalhador um dia de descanso semanal complementar. c) Um dia de férias até ao máximo de três faltas ou seis
5- O dia de descanso complementar, para além de reparti- meios dias.
do, pode ser diária e semanalmente descontinuado nos ter- 4- Para efeitos do número anterior, são equiparadas a faltas
mos previstos nos mapas de horário de trabalho. os dias de suspensão do contrato de trabalho por facto respei-
6- O dia de descanso semanal obrigatório e o dia ou meio tante ao trabalhador.
dia de descanso complementar serão consecutivos, pelo me-
Cláusula 43.ª
nos uma vez de sete em sete semanas.
Cláusula 40.ª Encerramento da instituição ou do estabelecimento
As instituições podem encerrar total ou parcialmente os
Feriados seus serviços e equipamentos, entre 1 de Maio e 31 de Outu-
1- Deverão ser observados como feriados obrigatórios os bro, pelo período necessário à concessão das férias dos res-
dias 1 de Janeiro, Terça-Feira de Carnaval, Sexta-Feira San- pectivos trabalhadores.
ta, Domingo de Páscoa, 25 de Abril, 1 de Maio, 10 de Junho,
Cláusula 44.ª
15 de Agosto, 5 de Outubro, 1, 8 e 25 de Dezembro e o fe-
riado municipal. Marcação do período de férias
2- O feriado de Sexta-feira Santa poderá ser observado
1- O período de férias é marcado por acordo entre empre-
noutro dia com significado local no período da Páscoa.
gador e trabalhador.
3- Em substituição do feriado municipal ou da Terça-Feira
2- Na falta de acordo, cabe ao empregador marcar as férias
de Carnaval poderá ser observado, a título de feriado, qual-
e elaborar o respectivo mapa, ouvindo para o efeito a comis-
quer outro dia em que acordem a instituição e os trabalha-
são de trabalhadores ou os delegados sindicais.
dores.
3- Sem prejuízo do disposto no número anterior, o empre-
Cláusula 41.ª gador só pode marcar o período de férias entre 1 de Maio e
31 de Outubro, salvo parecer favorável em contrário daque-
Direito a férias las entidades.
1- O trabalhador tem direito a um período de férias retribu-

1956
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

4- Na marcação das férias, os períodos mais pretendidos reito a receber a retribuição correspondente a um período de
devem ser rateados, sempre que possível, beneficiando, al- férias proporcional ao tempo de serviço prestado até à data
ternadamente, os trabalhadores em função dos períodos go- da cessação, bem como ao respectivo subsídio.
zados nos dois anos anteriores. 2- Se o contrato cessar antes de gozado o período de férias
5- Salvo se houver prejuízo grave para o empregador, de- vencido no início do ano da cessação, o trabalhador tem ain-
vem gozar férias em idêntico período os cônjuges, os filhos, da direito a receber a retribuição e o subsídio corresponden-
que trabalhem na mesma empresa ou estabelecimento, bem tes a esse período, o qual é sempre considerado para efeitos
como as pessoas que vivam em união de facto ou economia de antiguidade.
comum nos termos previstos em legislação especial.
Cláusula 48.ª
6- O gozo do período de férias pode ser interpolado, por
acordo entre empregador e trabalhador e desde que sejam Faltas - Noção
gozados, no mínimo, 10 dias úteis consecutivos.
1- Falta é a ausência do trabalhador no local de trabalho e
7- O mapa de férias, com indicação do início e termo dos
durante o período em que devia desempenhar a actividade a
períodos de férias de cada trabalhador, deve ser elaborado
que está adstrito.
até 15 de Abril de cada ano e afixado nos locais de trabalho
2- Nos casos de ausência do trabalhador por períodos infe-
entre esta data e 31 de Outubro.
riores ao período de trabalho a que está obrigado, os respecti-
8- A instituição deverá marcar as férias do trabalhador-es-
vos tempos são adicionados para determinação dos períodos
tudante respeitando o cumprimento das obrigações escola-
normais de trabalho diário em falta.
res, salvo se daí resultar incompatibilidade com o seu plano
3- Para efeito do disposto no número anterior, caso os pe-
de férias.
ríodos de trabalho diário não sejam uniformes, considera-se
9- A instituição pode marcar as férias dos trabalhadores da
sempre o de menor duração relativo a um dia completo de
agricultura para os períodos de menor actividade agrícola.
trabalho.
Cláusula 45.ª 4- O período de ausência a considerar no caso de um tra-
balhador docente não comparecer a uma reunião de presença
Férias dos trabalhadores com funções pedagógicas obrigatória é de duas horas.
1- O período de férias dos professores e dos prefeitos deve 5- Relativamente aos trabalhadores docentes dos 2.º e 3.º
ser marcada no período compreendido entre a conclusão do ciclo do ensino básico e do ensino secundário, será tida como
processo de avaliação final dos alunos e o início do ano es- dia de falta a ausência ao serviço por cinco horas lectivas
colar. seguidas ou interpoladas.
2- O período de férias dos educadores de infância deverá, 6- O regime previsto no número anterior não se aplica aos
por via de regra, ser marcado entre 15 de Junho e 15 de Se- professores com horário incompleto, relativamente aos quais
tembro. se contará um dia de falta quando o número de horas lectivas
de ausência perfizer o resultado da divisão do número de ho-
Cláusula 46.ª
ras lectivas semanais por cinco.
Férias e impedimento prolongado 7- São também consideradas faltas as provenientes de re-
cusa infundada de participação em acções de formação ou
1- No ano da suspensão do contrato de trabalho por im-
cursos de aperfeiçoamento ou reciclagem realizados nos ter-
pedimento prolongado, respeitante ao trabalhador, se se ve-
mos do disposto na cláusula 11.ª
rificar a impossibilidade total ou parcial do gozo do direito
a férias já vencido, o trabalhador tem direito à retribuição Cláusula 49.ª
correspondente ao período de férias não gozado e respectivo
subsídio. Tipos de faltas
2- No ano da cessação do impedimento prolongado, o tra- 1- As faltas podem ser justificadas e injustificadas.
balhador tem direito, após a prestação de seis meses de efec- 2- São consideradas faltas justificadas:
tivo serviço, ao período de férias e respectivo subsídio. a) As dadas, durante 15 dias seguidos, por altura do casa-
3- No caso de sobrevir o termo do ano civil antes de decor- mento;
rido o prazo referido no número anterior ou antes de goza- b) As dadas até cinco dias consecutivos por falecimento
do o direito a férias, pode o trabalhador usufruí-lo até 30 de de cônjuge não separado de pessoas e bens ou de parente
Abril do ano civil subsequente. ou afim no 1.º grau da linha recta (pais e filhos, mesmo que
4- Cessando o contrato após impedimento prolongado res- adoptivos, enteados, padrastos, madrastas, sogros, genros e
peitante ao trabalhador, este tem direito à retribuição e ao noras);
subsídio de férias correspondentes ao tempo de serviço pres- c) As dadas até dois dias consecutivos por falecimento de
tado no ano de início da suspensão. outro parente ou afim da linha recta ou do 2.º grau da linha
colateral (avós e bisavós, netos e bisnetos, irmãos e cunha-
Cláusula 47.ª
dos) e de outras pessoas que vivam em comunhão de vida e
Efeitos da cessação do contrato de trabalho habitação com o trabalhador;
d) As dadas ao abrigo do regime jurídico do trabalhador-
1- Cessando o contrato de trabalho, o trabalhador tem di-
-estudante;

1957
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

e) As motivadas por impossibilidade de prestar trabalho dirigido à segurança social.


devido a facto que não seja imputável ao trabalhador, nome- 4- No caso de a segurança social não indicar o médico a
adamente nos casos de: que se refere o número anterior no prazo de vinte e quatro
1- Doença, acidente ou cumprimento de obrigações legais; horas, o empregador designa o médico para efectuar a fis-
2- Prestação de assistência inadiável e imprescindível, até calização, não podendo este ter qualquer vínculo contratual
15 dias por ano, a cônjuge, parente ou afim na linha recta anterior ao empregador.
ascendente (avô, bisavô do trabalhador ou do homem/mulher 5- Em caso de desacordo entre os pareceres médicos refe-
deste), a parente ou afim do 2.º grau da linha colateral (irmão ridos nos números anteriores, pode ser requerida a interven-
do trabalhador ou do homem/mulher deste), a filho, adoptado ção de junta médica.
ou enteado com mais de 12 anos de idade; 6- Em caso de incumprimento das obrigações previstas na
3- Detenção ou prisão preventiva, caso se não venha a ve- cláusula anterior e nos números 1 e 2 desta cláusula, bem
rificar decisão condenatória. como de oposição, sem motivo atendível, à fiscalização re-
f) As ausências não superiores a quatro horas e só pelo ferida nos números 3, 4 e 5, as faltas são consideradas injus-
tempo estritamente necessário para deslocação à escola do tificadas.
responsável pela educação de menor, uma vez por trimestre, 7- A apresentação ao empregador de declaração médica
a fim de se inteirar da respectiva situação educativa; com intuito fraudulento constitui falsa declaração para efei-
g) As dadas pelos trabalhadores eleitos para as estruturas tos de justa causa de despedimento.
de representação colectiva, nos termos das normas legais
Cláusula 52.ª
aplicáveis;
h) As dadas por candidatos a eleições para cargos públicos, Efeitos das faltas justificadas
durante o período legal da respectiva campanha eleitoral;
1- As faltas justificadas não determinam a perda ou preju-
i) As dadas pelo período adequado à dádiva de sangue;
ízo de quaisquer direitos do trabalhador, salvo o disposto no
j) As dadas ao abrigo do regime jurídico do voluntariado
número seguinte.
social;
2- Salvo disposição legal em contrário, determinam a per-
k) As autorizadas ou aprovadas pelo empregador;
da de retribuição as seguintes faltas ainda que justificadas:
l) As que por lei forem como tal qualificadas.
a) Por motivo de doença, desde que o trabalhador beneficie
3- No caso de o trabalhador ter prestado já o 1.º período
de um regime de segurança social de protecção na doença;
de trabalho aquando do conhecimento dos motivos consi-
b) Por motivo de acidente no trabalho, desde que o traba-
derados nas alíneas b) e c) do número 2 desta cláusula, o
lhador tenha direito a qualquer subsídio ou seguro;
período de faltas a considerar só começa a contar a partir do
c) Por motivos de cumprimento de disposições legais;
dia seguinte.
d) As previstas na subalínea 2 da alínea e) do número 2 da
4- São consideradas injustificadas as faltas não previstas
cláusula 49.ª;
no número 2.
e) As previstas na subalínea 3 da alínea e) do número 2 da
Cláusula 50.ª cláusula 49.ª;
f) As previstas na alínea l) do número 2 da cláusula 49.ª,
Comunicação das faltas justificadas quando superiores a 30 dias por ano;
1- As faltas justificadas, quando previsíveis, serão obriga- g) As autorizadas ou aprovadas pelo empregador, com ex-
toriamente comunicadas à entidade patronal com a antece- cepção das que este, expressamente e por escrito, entenda
dência mínima de cinco dias. dever retribuir.
2- Quando imprevistas, as faltas justificadas serão obriga- 3- Nos casos previstos na alínea e) do número 2 da cláusu-
toriamente comunicadas à entidade patronal logo que pos- la 49.ª, se o impedimento do trabalhador se prolongar efec-
sível. tiva ou previsivelmente para além de um mês, aplica-se o
3- A comunicação tem de ser reiterada para as faltas justi- regime de suspensão da prestação do trabalho por impedi-
ficadas imediatamente subsequentes às previstas nas comu- mento prolongado.
nicações indicadas nos números anteriores. 4- No caso previsto na alínea h) do número 2 da cláusula
49.ª, as faltas justificadas conferem, no máximo, direito à re-
Cláusula 51.ª
tribuição relativa a um terço do período de duração da cam-
Prova das faltas justificadas panha eleitoral, só podendo o trabalhador faltar meios dias
ou dias completos com aviso prévio de quarenta e oito horas.
1- O empregador pode, nos 15 dias seguintes à comunica-
ção referida no artigo anterior, exigir ao trabalhador prova Cláusula 53.ª
dos factos invocados para a justificação.
2- A prova da situação de doença prevista na alínea e) do Efeitos das faltas injustificadas
número 2 da cláusula 49.ª é feita por estabelecimento hos- 1- As faltas injustificadas constituem violação do dever
pitalar, por declaração do centro de saúde ou por atestado de assiduidade e determinam perda da retribuição corres-
médico. pondente ao período de ausência, o qual será descontado na
3- A doença referida no número anterior pode ser fisca- antiguidade do trabalhador.
lizada por médico, mediante requerimento do empregador 2- Tratando-se de faltas injustificadas a um ou meio perí-

1958
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

odo normal de trabalho diário, imediatamente anteriores ou tratando-se de trabalhadores incluídos em níveis de qualifi-
posteriores aos dias ou meios dias de descanso ou feriados, cação de direcção, de chefia, quadros ou pessoal qualificado,
considera-se que o trabalhador praticou uma infracção grave. quando não seja possível a substituição dos mesmos durante
3- No caso de a apresentação do trabalhador, para início o período de licença, sem prejuízo sério para o funcionamen-
ou reinício da prestação de trabalho, se verificar com atraso to da instituição.
injustificado superior a trinta ou sessenta minutos, pode o 3- Considera-se de longa duração a licença não inferior a
empregador recusar a aceitação da prestação durante parte 60 dias.
ou todo o período normal de trabalho, respectivamente.
4- Sem prejuízo, designadamente, do efeito disciplinar CAPÍTULO VI
inerente à injustificação de faltas, exceptuam-se do disposto
no número anterior os professores dos 2.º e 3.º ciclo do ensi- Retribuição e outras atribuições patrimoniais
no básico e os professores do ensino secundário.
Cláusula 54.ª Cláusula 56.ª

Licença sem retribuição Disposições gerais

1- As instituições podem atribuir ao trabalhador, a pedido 1- Considera-se retribuição aquilo a que, nos termos do
deste, licença sem retribuição. contrato, das normas que o regem ou dos usos, o trabalhador
2- O pedido deverá ser formulado por escrito, nele se ex- tem direito como contrapartida do seu trabalho.
pondo os motivos que justificam a atribuição da licença. 2- Na contrapartida do trabalho inclui-se a retribuição base
3- A resposta deverá ser dada igualmente por escrito nos e todas as prestações regulares e periódicas feitas, directa ou
30 dias úteis seguintes ao recebimento do pedido. indirectamente, em dinheiro ou em espécie.
4- A ausência de resposta dentro do prazo previsto no nú- 3- Até prova em contrário, presume-se constituir retribui-
mero anterior equivale a aceitação do pedido. ção toda e qualquer prestação do empregador ao trabalhador.
5- O período de licença sem retribuição conta-se para efei- 4- A base de cálculo das prestações complementares e
tos de antiguidade. acessórias estabelecidas na presente convenção é constituída
6- Durante o mesmo período cessam os direitos, deveres apenas pela retribuição base e diuturnidades.
e garantias das partes, na medida em que pressuponham a Cláusula 57.ª
efectiva prestação de trabalho.
7- O trabalhador beneficiário da licença sem retribuição Enquadramento em níveis retributivos
mantém o direito ao lugar. As profissões e categorias profissionais previstas na pre-
8- Terminado o período de licença sem retribuição, o tra- sente convenção são enquadradas em níveis retributivos de
balhador deve apresentar-se ao serviço. base de acordo com o anexo IV.
Cláusula 55.ª Cláusula 58.ª
Licença sem retribuição para formação Retribuição mínima mensal de base
1- Sem prejuízo do disposto em legislação especial, o A todos os trabalhadores abrangidos pela presente con-
trabalhador tem direito a licenças sem retribuição de longa venção são mensalmente assegurados os montantes retribu-
duração para frequência de cursos de formação ministrados tivos de base mínimos constantes do anexo V.
sob a responsabilidade de uma instituição de ensino ou de
formação profissional ou no âmbito de programa específico Cláusula 59.ª
aprovado por autoridade competente e executado sob o seu Remuneração horária
controlo pedagógico ou cursos ministrados em estabeleci-
mentos de ensino. 1- O valor da remuneração horária é determinado pela fór-
2- A instituição pode recusar a concessão da licença pre- mula (Rm × 12) / (52 × n), sendo Rm o valor da retribuição
vista no número anterior nas seguintes situações: mensal de base e n o período de trabalho semanal a que o
a) Quando ao trabalhador tenha sido proporcionada forma- trabalhador estiver obrigado.
ção profissional adequada ou licença para o mesmo fim nos 2- Relativamente aos professores dos 2.º e 3.º ciclos do
últimos 24 meses; ensino básico e aos professores do ensino secundário, o perí-
b) Quando a antiguidade do trabalhador na instituição seja odo de trabalho a considerar para efeitos de determinação da
inferior a três anos; remuneração horária é o correspondente, apenas, ao número
c) Quando o trabalhador não tenha requerido a licença de horas lectivas semanais estabelecido para o sector em que
com antecedência mínima de 45 dias em relação à data do o docente se integra.
seu início; Cláusula 60.ª
d) Quando a instituição tenha um número de trabalhadores
não superior a 20 e não seja possível a substituição adequada Compensações e descontos
do trabalhador, caso necessário; 1- Na pendência do contrato de trabalho, as instituições
e) Para além das situações referidas nas alíneas anteriores, não podem compensar a retribuição em dívida com créditos

1959
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

que tenham sobre o trabalhador, nem fazer quaisquer des- Cláusula 64.ª
contos ou deduções no montante da referida retribuição.
2- O disposto no número anterior não se aplica: Retribuição de trabalho por turnos
a) Aos descontos a favor do Estado, da segurança social ou 1- A prestação de trabalho em regime de turnos rotativos
de outras entidades, ordenados por lei, por decisão judicial confere ao trabalhador, nos termos do disposto no número
transitada em julgado ou por auto de conciliação, quando da 5 da cláusula 37.ª, o direito aos seguintes complementos de
decisão ou do auto tenha sido notificado o empregador; retribuição:
b) Às indemnizações devidas pelo trabalhador ao empre- a) Em regime de dois turnos em que apenas um seja total
gador, quando se acharem liquidadas por decisão judicial ou parcialmente nocturno - 15 %;
transitada em julgado ou por auto de conciliação; b) Em regime de três turnos ou de dois turnos total ou par-
c) Às sanções pecuniárias aplicadas nos termos legais; cialmente nocturnos - 25 %.
d) Às amortizações de capital e pagamento de juros de em- 2- O complemento previsto no número anterior inclui o
préstimos concedidos pelo empregador ao trabalhador; acréscimo de retribuição pelo trabalho nocturno prestado em
e) Aos preços de refeições no local de trabalho, de alo- regime de turnos.
jamento, de utilização de telefones, de fornecimento de gé-
Cláusula 65.ª
neros, de combustíveis ou de materiais, quando solicitados
pelo trabalhador, bem como a outras despesas efectuadas Remuneração do trabalho nocturno
pelo empregador por conta do trabalhador e consentidas por
A retribuição do trabalho nocturno será superior em 25 %
este;
à retribuição a que dá direito o trabalho equivalente prestado
f) Aos abonos ou adiantamentos por conta da retribuição.
durante o dia.
3- Com excepção das alíneas a) e f) os descontos referidos
no número anterior não podem exceder, no seu conjunto, um Cláusula 66.ª
sexto da retribuição.
Retribuição do período de férias
Cláusula 61.ª 1- A retribuição do período de férias corresponde à que o
Retribuição especial para os trabalhadores isentos de horário de trabalhador receberia se estivesse em serviço efectivo.
trabalho 2- Além da retribuição mencionada no número anterior, o
Os trabalhadores isentos do horário de trabalho têm di- trabalhador tem direito a um subsídio de férias cujo mon-
reito a uma remuneração especial, no mínimo, igual a 20 % tante compreende a retribuição base e as demais prestações
da retribuição mensal ou à retribuição correspondente a uma retributivas que sejam contrapartida do modo específico da
hora de trabalho suplementar por dia, conforme o que lhes execução do trabalho.
for mais favorável. 3- Salvo acordo escrito em contrário, o subsídio de férias
deve ser pago antes do início do período de férias e propor-
Cláusula 62.ª cionalmente nos casos de gozo interpolado.
Remuneração do trabalho suplementar Cláusula 67.ª
1- O trabalho suplementar prestado em dia normal de tra- Subsídio de Natal
balho será remunerado com os seguintes acréscimos míni-
mos: 1- Todos os trabalhadores abrangidos por esta convenção
a) 50 % da retribuição normal na primeira hora; têm direito a um subsídio de Natal de montante igual ao da
b) 75 % da retribuição normal nas horas ou fracções se- retribuição mensal.
guintes. 2- Os trabalhadores que no ano de admissão não tenham
2- O trabalho suplementar prestado em dia de descanso concluído um ano de serviço terão direito a tantos duodéci-
semanal, obrigatório ou complementar e em dia feriado será mos daquele subsídio quantos os meses de serviço que com-
remunerado com o acréscimo mínimo de 100 % da retribui- pletarem até 31 de Dezembro desse ano.
ção normal. 3- Suspendendo-se o contrato de trabalho por impedimen-
3- Não é exigível o pagamento de trabalho suplementar to prolongado do trabalhador, este terá direito:
cuja prestação não tenha sido prévia e expressamente deter- a) No ano de suspensão, a um subsídio de Natal de mon-
minada pela instituição. tante proporcional ao número de meses completos de serviço
prestado nesse ano;
Cláusula 63.ª b) No ano de regresso à prestação de trabalho, a um subsí-
dio de Natal de montante proporcional ao número de meses
Retribuição de trabalho normal em dia feriado
completos de serviço até 31 de Dezembro, a contar da data
O trabalho em horário normal prestado em dia feriado, de regresso.
em instituição não obrigada a suspender o seu funcionamen- 4- Cessando o contrato de trabalho, a instituição pagará ao
to nesse dia, confere ao trabalhador o direito à prestação em trabalhador a parte de um subsídio de Natal proporcional ao
cada momento definida no Código do Trabalho para essa si- número de meses completos de serviço no ano da cessação.
tuação. 5- O subsídio de Natal será pago até 30 de Novembro de

1960
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

cada ano, salvo no caso da cessação do contrato de trabalho, 6- A refeição e a compensação monetária a que se referem
em que o pagamento se efectuará na data da cessação refe- os números anteriores não assumem a natureza de retribui-
rida. ção.
Cláusula 68.ª
CAPÍTULO VII
Diuturnidades
1- Os trabalhadores que estejam a prestar serviço em re- Condições especiais de trabalho
gime de tempo completo têm direito a uma diuturnidade no
valor de 21 €, em 2015, por cada cinco anos de serviço, até Cláusula 71.ª
ao limite de cinco diuturnidades.
Remissão
2- Os trabalhadores que prestem serviço em regime de ho-
rário parcial têm direito às diuturnidades vencidas à data do As matérias relativas a direitos de personalidade, igual-
exercício de funções naquele regime e às que se vierem a dade e não discriminação, protecção da maternidade e da
vencer nos termos previstos no número seguinte. paternidade, trabalho de menores, trabalhadores com capa-
3- O trabalho prestado a tempo parcial contará proporcio- cidade de trabalho reduzida, trabalhadores com deficiência
nalmente para efeitos de atribuição de diuturnidades. ou doença crónica, trabalhadores-estudantes e trabalhadores
4- Para atribuição de diuturnidades será levado em conta estrangeiros são reguladas pelas disposições do Código do
o tempo de serviço prestado anteriormente a outras institui- Trabalho e legislação complementar, designadamente pelas
ções particulares de solidariedade social, desde que, antes da que se transcrevem nas cláusulas seguintes.
admissão e por meios idóneos, o trabalhador faça a respec-
tiva prova. SECÇÃO I
5- Não é devido o pagamento de diuturnidades aos traba-
lhadores abrangidos pela tabela B do anexo V. Protecção da maternidade e da paternidade
Cláusula 69.ª Cláusula 72.ª
Abono para falhas Protecção da segurança e saúde
1- O trabalhador que, no desempenho das suas funções, As trabalhadoras puérperas, grávidas e lactantes têm di-
tenha responsabilidade efectiva de caixa tem direito a um reito, nos termos legais, a especiais condições de segurança e
abono mensal para falhas no valor de 29 €, em 2015. saúde nos locais de trabalho, de modo a evitar as exposições
2- Se o trabalhador referido no número anterior for substi- a riscos para a sua segurança e saúde.
tuído no desempenho das respectivas funções, o abono para
falhas reverterá para o substituto na proporção do tempo de Cláusula 73.ª
substituição.
Licença parental
Cláusula 70.ª 1- A mãe e o pai trabalhadores têm direito, por nascimento
de filho, a licença parental inicial de 120 ou 150 dias conse-
Refeição
cutivos, cujo gozo podem partilhar após o parto, sem preju-
1- Os trabalhadores têm direito ao fornecimento de uma ízo dos direitos da mãe a que se refere a cláusula seguinte.
refeição principal por cada dia completo de trabalho. 2- A licença referida no número anterior é acrescida em 30
2- Em alternativa ao efectivo fornecimento de refeições, as dias, no caso de cada um dos progenitores gozar, em exclu-
instituições podem atribuir ao trabalhador uma compensação sivo, um período de 30 dias consecutivos, ou dois períodos
monetária no valor de 3,00 €, em 2015, por cada dia comple- de 15 dias consecutivos, após o período de gozo obrigatório
to de trabalho. pela mãe a que se refere o número 2 da cláusula seguinte.
3- Aos trabalhadores que, no interesse da instituição, nela 3- Nos casos de nascimentos múltiplos, o período de li-
devam permanecer no período nocturno será fornecida ali- cença previsto no número anterior é acrescido de 30 dias por
mentação e alojamento gratuitos. cada gemelar além do primeiro.
4- Ressalvados os casos de alteração anormal de circuns- 4- Em caso de partilha do gozo da licença, a mãe e o pai
tâncias, não é aplicável o disposto no número 2 às institui- informam os respectivos empregadores, até sete dias após o
ções cujos equipamentos venham já garantindo o cumpri- parto, do início e termo dos períodos a gozar por cada um,
mento em espécie do direito consagrado no número 1 desta entregando, para o efeito, declaração conjunta.
cláusula. 5- Caso a licença parental não seja partilhada pela mãe e
5- Aos trabalhadores a tempo parcial será devida a refei- pelo pai, e sem prejuízo dos direitos da mãe a que se refere a
ção ou a compensação monetária quando o horário normal cláusula seguinte, o progenitor que gozar a licença informa
de trabalho se distribuir por dois períodos diários ou quando o respectivo empregador, até sete dias após o parto, da du-
tiverem quatro ou mais horas de trabalho no mesmo período ração da licença e do início do respectivo período, juntando
do dia. declaração do outro progenitor da qual conste que o mesmo
exerce actividade profissional e que não goza a licença pa-

1961
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

rental inicial. 2- Após o gozo da licença prevista no número anterior, o


6- Na falta da declaração referida nos números 4 e 5, a pai tem ainda direito a 10 dias úteis de licença, seguidos ou
licença é gozada pela mãe. interpolados, desde que gozados em simultâneo com o gozo
7- Em caso de internamento hospitalar da criança ou do da licença parental inicial por parte da mãe.
progenitor que estiver a gozar a licença prevista nos números 3- No caso de nascimentos múltiplos, à licença prevista
1, 2 ou 3 durante o período após o parto, o período de licença nos números anteriores acrescem dois dias por cada gémeo
suspende-se, a pedido do progenitor, pelo tempo de duração além do primeiro.
do internamento. 4- Para efeitos do disposto nos números anteriores, o
8- A suspensão da licença no caso previsto no número an- trabalhador deve avisar o empregador com a antecedência
terior é feita mediante comunicação ao empregador, acom- possível, que, no caso previsto no número 2, não deve ser
panhada de declaração emitida pelo estabelecimento hospi- inferior a cinco dias.
talar.
Cláusula 77.ª
Cláusula 74.ª
Adopção
Períodos de licença parental exclusiva da mãe 1- Em caso de adopção de menor de 15 anos, o trabalhador
1- A mãe pode gozar até 30 dias da licença parental inicial candidato a adoptante tem direito à licença referida nos nú-
antes do parto. meros 1 ou 2 da cláusula 73.ª
2- É obrigatório o gozo, por parte da mãe, de seis semanas 2- No caso de adopções múltiplas, o período de licença
de licença a seguir ao parto. referido é acrescido de 30 dias por cada adopção além da
3- A trabalhadora que pretenda gozar parte da licença an- primeira.
tes do parto deve informar desse propósito o empregador e 3- Havendo dois candidatos a adoptantes, a licença deve
apresentar atestado médico que indique a data previsível do ser gozada nos termos do dos números 1 e 2 da cláusula 73.ª
parto, prestando essa informação com a antecedência de 10 4- O candidato a adoptante não tem direito a licença em
dias ou, em caso de urgência comprovada pelo médico, logo caso de adopção de filho do cônjuge ou de pessoa com quem
que possível. viva em união de facto.
5- Em caso de incapacidade ou falecimento do candidato
Cláusula 75.ª
a adoptante durante a licença, o cônjuge sobrevivo, que não
Licença parental inicial a gozar por um progenitor em caso de seja candidato a adoptante e com quem o adoptado viva em
impossibilidade do outro comunhão de mesa e habitação, tem direito a licença corres-
1- O pai ou a mãe tem direito a licença, com a duração re- pondente ao período não gozado ou a um mínimo de 14 dias.
ferida nos números 1, 2 ou 3 da cláusula 73.ª, ou do período 6- A licença tem início a partir da confiança judicial ou
remanescente da licença, nos casos seguintes: administrativa, nos termos do regime jurídico da adopção.
a) Incapacidade física ou psíquica do progenitor que esti- 7- Quando a confiança administrativa consistir na confir-
ver a gozar a licença, enquanto esta se mantiver; mação da permanência do menor a cargo do adoptante, este
b) Morte do progenitor que estiver a gozar a licença. tem direito a licença, pelo período remanescente, desde que
2- Apenas há lugar à duração total da licença referida no a data em que o menor ficou de facto a seu cargo tenha ocor-
número 2 da cláusula 73.ª caso se verifiquem as condições rido antes do termo da licença parental inicial.
aí previstas à data dos factos referidos no número anterior. 8- Em caso de internamento hospitalar do candidato a
3- Em caso de morte ou incapacidade física ou psíquica da adoptante ou do adoptando, o período de licença é suspenso
mãe, a licença parental inicial a gozar pelo pai tem a duração pelo tempo de duração do internamento, devendo aquele co-
mínima de 30 dias. municar esse facto ao empregador, apresentando declaração
4- Em caso de morte ou incapacidade física ou psíquica de comprovativa passada pelo estabelecimento hospitalar.
mãe não trabalhadora nos 120 dias a seguir ao parto, o pai 9- Em caso de partilha do gozo da licença, os candidatos
tem direito a licença nos termos do número 1, com a neces- a adoptantes informam os respectivos empregadores, com a
sária adaptação, ou do número anterior. antecedência de 10 dias ou, em caso de urgência comprova-
5- Para efeito do disposto nos números anteriores, o pai da, logo que possível, fazendo prova da confiança judicial
informa o empregador, logo que possível e, consoante a si- ou administrativa do adoptando e da idade deste, do início e
tuação, apresenta atestado médico comprovativo ou certidão termo dos períodos a gozar por cada um, entregando para o
de óbito e, sendo caso disso, declara o período de licença já efeito declaração conjunta.
gozado pela mãe. 10- Caso a licença por adopção não seja partilhada, o can-
didato a adoptante que gozar a licença informa o respectivo
Cláusula 76.ª empregador, nos prazos referidos no número anterior, da du-
ração da licença e do início do respectivo período.
Licença parental exclusiva do pai
1- É obrigatório o gozo pelo pai de uma licença parental de Cláusula 78.ª
15 dias úteis, seguidos ou interpolados, nos 30 dias seguintes
Dispensas para consultas e amamentação
ao nascimento do filho, 5 dos quais gozados de modo conse-
cutivo imediatamente a seguir a este. 1- As trabalhadoras grávidas têm direito a dispensa de tra-

1962
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

balho para se deslocarem a consultas pré-natais pelo tempo e progenitores, para prestar assistência inadiável e imprescin-
número de vezes necessário e justificado, sendo a preparação dível, em caso de acidente ou doença, a neto menor ou, inde-
para o parto equiparada a consulta pré-natal. pendentemente da idade, com deficiência ou doença crónica.
2- O pai tem direito a três dispensas do trabalho para 4- O disposto nesta cláusula é aplicável a tutor do adoles-
acompanhar a trabalhadora às consultas pré-natais. cente, a trabalhador a quem tenha sido deferida a confiança
3- A mãe que, comprovadamente, amamenta o filho tem judicial ou administrativa do mesmo, bem como ao seu côn-
direito a ser dispensada em cada dia de trabalho por dois juge ou pessoa em união de facto.
períodos distintos de duração máxima de uma hora para o
Cláusula 81.ª
cumprimento dessa missão, durante todo o tempo que durar
a amamentação. Licença parental complementar
4- No caso de não haver lugar à amamentação, a mãe ou o 1- Para assistência a filho ou adoptado e até aos 6 anos de
pai trabalhador têm direito, por decisão conjunta, à dispensa idade da criança, o pai e a mãe que não estejam impedidos ou
referida no número anterior para aleitação até o filho perfa- inibidos totalmente de exercer o poder paternal têm direito
zer 1 ano. a licença parental complementar, em qualquer das seguintes
5- No caso de nascimentos múltiplos, a dispensa em cau- modalidades:
sa é acrescida de mais 30 minutos por cada gémeo além do a) A licença parental alargada, de três meses;
primeiro. b) A trabalhar a tempo parcial durante 12 meses, com um
6- Se qualquer dos progenitores trabalhar a tempo parcial, período normal de trabalho igual a metade do tempo com-
a dispensa diária para amamentação ou aleitação é reduzida pleto.
na proporção do respectivo período normal de trabalho, não 2- O pai e a mãe podem gozar qualquer dos direitos referi-
podendo ser inferior a 30 minutos. dos no número anterior de modo consecutivo ou até três pe-
7- As dispensas para consulta, amamentação e aleitação ríodos interpolados, não sendo permitida a acumulação por
não determinam perda de quaisquer direitos e são considera- um dos progenitores do direito do outro.
das como prestação efectiva de serviço. 3- Depois de esgotado qualquer dos direitos referidos nos
Cláusula 79.ª números anteriores, o pai ou a mãe têm direito a licença es-
pecial para assistência a filho ou adoptado, de modo conse-
Faltas para assistência a filhos cutivo ou interpolado, até ao limite de dois anos.
1- Os trabalhadores têm direito a faltar ao trabalho, até 30 4- No caso de nascimento de um terceiro filho ou mais, a
dias por ano, para prestar assistência inadiável e imprescin- licença prevista no número anterior pode ser prorrogável até
dível, em caso de doença ou acidente, a filhos ou a enteados três anos.
menores de 12 anos. 5- Nos casos dos números 3 e 4 da presente cláusula, o tra-
2- Em caso de hospitalização, o direito a faltar estende-se balhador tem direito à licença se o outro progenitor exercer
ao período em que aquela durar, se se tratar de menores de 12 actividade profissional ou estiver impedido ou inibido total-
anos, mas não pode ser exercido simultaneamente pelo pai e mente de exercer o poder paternal.
pela mãe ou equiparados. 6- O trabalhador tem direito a licença para assistência a
3- O trabalhador pode faltar ao trabalho até 15 dias por filho de cônjuge ou de pessoa em união de facto, que com
ano, para prestar assistência inadiável e imprescindível, em este resida, nos termos da presente cláusula.
caso de acidente ou doença, a filho ou enteado com 12 ou 7- O exercício dos direitos referidos nos números anterio-
mais anos de idade que, no caso de ser maior, faça parte do res depende de aviso prévio dirigido à instituição com an-
seu agregado familiar. tecedência de 30 dias relativamente ao início do período de
4- Aos períodos de ausência previstos nos números ante- licença ou de trabalho a tempo parcial.
riores acresce um dia por cada filho além do primeiro. 8- Em alternativa ao disposto no número 1 e mediante
5- A possibilidade de faltar prevista nos números anterio- acordo escrito com a instituição, o pai e a mãe podem ter
res não pode ser exercida simultaneamente pelo pai e pela ausências interpoladas ao trabalho com duração igual aos
mãe. períodos normais de trabalho de três meses.
9- Durante o período de licença parental complementar em
Cláusula 80.ª
qualquer das modalidades ou de licença para assistência a
Falta para assistência a neto filho, o trabalhador não pode exercer outra actividade incom-
patível com a respectiva finalidade, nomeadamente trabalho
1- O trabalhador pode faltar até 30 dias consecutivos, a se-
subordinado ou prestação continuada de serviços fora da sua
guir ao nascimento de neto que consigo viva em comunhão
residência habitual.
de mesa e habitação e que seja filho de adolescente com ida-
de inferior a 16 anos. Cláusula 82.ª
2- Se houver dois titulares do direito, há apenas lugar a um
período de faltas, a gozar por um deles, ou por ambos em Licença para assistência a filho com deficiência ou doença crónica
tempo parcial ou em períodos sucessivos, conforme decisão 1- O pai ou a mãe têm direito a licença por período até seis
conjunta. meses, prorrogável com limite de quatro anos, para acom-
3- O trabalhador pode também faltar, em substituição dos panhamento de filho, adoptado ou filho de cônjuge que com

1963
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

este resida, que seja portador de deficiência ou doença cróni- odo de quatro semanas.
ca, que será confirmada por atestado médico quando o filho 6- É correspondentemente aplicável o disposto no número
tenha 12 ou mais anos de idade. 9 da cláusula 81.ª
2- À licença prevista no número anterior é aplicável, com
Cláusula 85.ª
as necessárias adaptações, inclusivamente quanto ao seu
exercício, o estabelecido para a licença especial de assistên- Dispensa de algumas formas de organização do tempo de trabalho
cia a filhos prevista na cláusula anterior.
1- A trabalhadora grávida, puérpera ou lactante tem direito
Cláusula 83.ª a ser dispensada de prestar trabalho em horário de trabalho
organizado de acordo com regime de adaptabilidade, de ban-
Redução do tempo de trabalho para assistência a filho menor com co de horas ou de horário concentrado.
deficiência ou doença crónica
2- O direito referido aplica-se a qualquer dos progenitores
1- Os progenitores de menor com deficiência ou doença em caso de aleitação, quando a prestação de trabalho nos
crónica, com idade não superior a um ano, têm direito a redu- regimes nele referidos afecte a sua regularidade.
ção de cinco horas do período normal de trabalho semanal,
ou outras condições de trabalho especiais, para assistência Cláusula 86.ª
ao filho.
Dispensa de prestação de trabalho suplementar
2- Não há lugar ao exercício do direito referido no número
anterior quando um dos progenitores não exerça actividade 1- A trabalhadora grávida, bem como o trabalhador ou tra-
profissional e não esteja impedido ou inibido totalmente de balhadora com filho de idade inferior a 12 meses, não está
exercer o poder paternal. obrigada a prestar trabalho suplementar.
3- Se ambos os progenitores forem titulares do direito, a 2- A trabalhadora não está obrigada a prestar trabalho su-
redução do período normal de trabalho pode ser utilizada por plementar durante todo o tempo que durar a amamentação,
qualquer deles ou por ambos em períodos sucessivos. se for necessário para a sua saúde ou para a da criança.
4- O empregador deve adequar o horário de trabalho re- Cláusula 87.ª
sultante da redução do período normal de trabalho tendo em
conta a preferência do trabalhador, sem prejuízo de exigên- Dispensa de trabalho nocturno
cias imperiosas de funcionamento da empresa. 1- As trabalhadoras são dispensadas de prestar trabalho
5- A redução do período normal de trabalho semanal não entre as 20 horas de um dia e as 7 horas do dia seguinte:
implica diminuição de direitos consagrados na lei, salvo a) Durante um período de 112 dias antes e depois do parto,
quanto à retribuição, que só é devida na medida em que a re- dos quais pelo menos metade antes da data presumível do
dução, em cada ano, exceda o número de faltas substituíveis parto;
por perda de gozo de dias de férias. b) Durante o restante período de gravidez, se for apresen-
Cláusula 84.ª tado atestado médico que certifique que tal é necessário para
a sua saúde ou para a do nascituro;
Trabalho a tempo parcial e horário flexível de trabalhador com c) Durante todo o tempo que durar a amamentação, se for
responsabilidades familiares apresentado atestado médico que certifique que tal é neces-
1- O trabalhador com filho menor de 12 anos ou, indepen- sário para a sua saúde ou para a da criança.
dentemente da idade, filho com deficiência ou doença cróni- 2- À trabalhadora dispensada da prestação de trabalho
ca que com ele viva em comunhão de mesa e habitação tem nocturno deve ser atribuído, sempre que possível, um horário
direito a trabalhar a tempo parcial ou a que lhe seja atribuído de trabalho diurno compatível.
horário flexível, nos termos da lei. 3- A trabalhadora é dispensada do trabalho sempre que não
2- O direito pode ser exercido por qualquer dos progenito- seja possível aplicar o disposto no número anterior.
res ou por ambos em períodos sucessivos, depois da licença Cláusula 88.ª
parental complementar, em qualquer das suas modalidades.
3- Salvo acordo em contrário, o período normal de tra- Regimes das licenças, faltas e dispensas
balho a tempo parcial corresponde a metade do praticado a 1- As ausências de trabalho previstas nas cláusulas 73.ª,
tempo completo numa situação comparável e, conforme o 74.ª, 75.ª, 76.ª, 77.ª, 79.ª, 80.ª e 81.ª não determinam perda de
pedido do trabalhador, é prestado diariamente, de manhã ou quaisquer direitos e são consideradas, para todos os efeitos
de tarde, ou em três dias por semana. legais, salvo quanto à retribuição, como prestação efectiva
4- A prestação de trabalho a tempo parcial pode ser prorro- de serviço, o mesmo se aplicando às faltas por licença em
gada até dois anos ou, no caso de terceiro filho, ou mais, ou, situação de risco clínico durante a gravidez, à licença por
ainda, no caso de filho com deficiência ou doença crónica, interrupção da gravidez, às devidas a dispensa da prestação
até quatro anos. de trabalho por parte de trabalhadora grávida, puérpera ou
5- O trabalhador que trabalhe em regime de horário flexí- lactante, por motivo da protecção da sua segurança e saúde e
vel pode efectuar até seis horas consecutivas de trabalho e dispensa para avaliação para adopção.
até dez horas em cada dia e deve cumprir o correspondente 2- A dispensa para consulta pré-natal, amamentação ou
período normal de trabalho semanal, em média de cada perí- aleitação não determina perda de quaisquer direitos e é con-

1964
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

siderada como prestação efectiva de trabalho. Cláusula 91.ª


3- A licença para assistência a filho ou para assistência a
filho com deficiência ou doença crónica suspende os direitos, Admissão de menores
deveres e garantias das partes na medida em que pressupo- Só pode ser admitido a prestar trabalho, qualquer que seja
nham a efectiva prestação de trabalho, designadamente a re- a espécie e modalidade de pagamento, o menor que tenha
tribuição, mas não prejudica os benefícios complementares completado a idade mínima de admissão, tenha concluído a
de assistência médica e medicamentosa a que o trabalhador escolaridade obrigatória e disponha de capacidades física e
tenha direito. psíquica adequadas ao posto de trabalho.
Cláusula 89.ª
SECÇÃO III
Protecção no despedimento
1- O despedimento de trabalhadora grávida, puérpera ou Trabalhadores-estudantes
lactante ou de trabalhador no gozo de licença parental carece
sempre de parecer prévio de entidade que tenha competên- Cláusula 92.ª
cia na área de igualdade de oportunidades entre homens e Noção
mulheres.
1- Considera-se trabalhador-estudante aquele que presta
2- O despedimento por facto imputável a trabalhadora em
uma actividade sob autoridade e direcção de outrem e que
qualquer das referidas situações presume-se feito sem justa
frequenta qualquer nível de educação escolar, incluindo cur-
causa.
sos de pós-graduação, em instituição de ensino.
3- O parecer referido no número 1 deve ser comunicado à
2- A manutenção do estatuto do trabalhador-estudante é
instituição e à trabalhadora nos 30 dias subsequentes à recep-
condicionada pela obtenção de aproveitamento escolar.
ção do despedimento pela entidade competente, consideran-
do-se em sentido favorável ao despedimento quando não for Cláusula 93.ª
emitido dentro do referido prazo.
4- É inválido o procedimento de despedimento de traba- Horário de trabalho
lhadora grávida, puérpera e lactante ou no gozo de licença 1- O trabalhador-estudante deve beneficiar de horários de
parental caso não tenha sido solicitado o parecer referido no trabalho específicos, com flexibilidade ajustável à frequência
número 1, cabendo o ónus da prova deste facto à instituição. das aulas e à inerente deslocação para os respectivos estabe-
5- Se o parecer referido no número 1 for desfavorável ao lecimentos de ensino.
despedimento, este só pode ser efectuado após decisão judi- 2- Quando não seja possível a aplicação do regime previs-
cial que reconheça o motivo justificativo, devendo a acção to no número anterior o trabalhador-estudante beneficia de
ser intentada nos 30 dias subsequentes à notificação do pa- dispensa de trabalho para frequência de aulas, nos termos
recer. previstos nos números seguintes.
6- Se o despedimento de trabalhadora for declarado ilíci- 3- O trabalhador-estudante beneficia de dispensa de traba-
to, o empregador não se pode opor à reintegração, podendo lho até seis horas semanais, sem perda de quaisquer direitos,
aquela, em alternativa à reintegração, optar pela indemniza- contando como prestação efectiva de serviço, se assim o exi-
ção especial calculada nos termos legais, sem prejuízo, de- gir o respectivo horário escolar.
signadamente, de indemnização por danos não patrimoniais. 4- A dispensa de trabalho para frequência de aulas previs-
ta no número anterior pode ser utilizada de uma só vez ou
SECÇÃO II fraccionadamente, à escolha do trabalhador-estudante, de-
pendendo do período normal de trabalho semanal aplicável,
Trabalho de menores nos seguintes termos:
a) Igual ou superior a 20 horas e inferior a 30 horas: dis-
Cláusula 90.ª pensa até três horas semanais;
b) Igual ou superior a 30 horas e inferior a 34 horas: dis-
Trabalho de menores pensa até quatro horas semanais;
1- A entidade patronal deve proporcionar aos menores que c) Igual ou superior a 34 horas e inferior a 38 horas: dis-
se encontrem ao seu serviço condições de trabalho adequa- pensa até cinco horas semanais;
das à sua idade, promovendo a respectiva formação pessoal d) Igual ou superior a 38 horas: dispensa até seis horas se-
e profissional e prevenindo, de modo especial, quaisquer ris- manais.
cos para o respectivo desenvolvimento físico e psíquico. 5- O empregador pode, nos 15 dias seguintes à utilização
2- Os menores não podem ser obrigados à prestação de da dispensa de trabalho, exigir a prova da frequência de au-
trabalho antes das 8 horas, nem depois das 18 horas, no caso las, sempre que o estabelecimento de ensino proceder ao
de frequentarem cursos nocturnos oficiais, oficializados ou controlo da frequência.
equiparados, e antes das 7 horas e depois das 20 horas no
caso de os não frequentarem.

1965
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Cláusula 94.ª Cláusula 97.ª

Prestação de provas de avaliação Princípio geral


1- O trabalhador-estudante tem direito a faltar justificada- 1- A instituição deve proporcionar ao trabalhador acções
mente ao trabalho para prestação de provas de avaliação, nos de formação profissional adequadas à sua qualificação.
termos seguintes: 2- O trabalhador deve participar de modo diligente nas ac-
a) Até dois dias por cada prova de avaliação, sendo um o ções de formação profissional que lhe sejam proporcionadas,
da realização da prova e o outro o imediatamente anterior, aí salvo se houver motivo atendível, devendo, neste caso, obri-
se incluindo sábados, domingos e feriados; gatória e expressamente, solicitar a sua dispensa.
b) No caso de provas em dias consecutivos ou de mais de 3- As acções de formação devem ocorrer durante o perío-
uma prova no mesmo dia, os dias anteriores são tantos quan- do normal de trabalho, sempre que possível, contando a res-
tas as provas de avaliação a efectuar, aí se incluindo sábados, pectiva frequência para todos os efeitos como tempo efectivo
domingos e feriados; de serviço.
c) Os dias de ausência referidos nas alíneas anteriores não 4- Caso seja possível a sua substituição adequada, o tra-
podem exceder um máximo de quatro por disciplina em cada balhador tem direito a dispensa de trabalho com perda de
ano lectivo. retribuição para a frequência de acções de formação de curta
2- O direito previsto no número anterior só pode ser exer- duração com vista à sua valorização profissional.
cido em dois anos lectivos relativamente a cada disciplina. 5- As instituições obrigam-se a passar certificados de fre-
3- Consideram-se ainda justificadas as faltas dadas pelo quência e de aproveitamento das acções de formação profis-
trabalhador-estudante na estrita medida das necessidades sional por si promovidas.
impostas pelas deslocações para prestar provas de avaliação,
Cláusula 98.ª
não sendo retribuídas, independentemente do número de dis-
ciplinas, mais de 10 faltas. Objectivos
4- Para efeitos de aplicação desta cláusula, consideram-se
São, designadamente, objectivos da formação profissio-
provas de avaliação os exames e outras provas escritas ou
nal:
orais, bem como a apresentação de trabalhos, quando estes
a) Promover a formação contínua dos trabalhadores, en-
os substituem ou os complementam, desde que determinem
quanto instrumento para a valorização e actualização profis-
directa ou indirectamente o aproveitamento escolar.
sional e para a melhoria da qualidade dos serviços prestados
Cláusula 95.ª pelas instituições;
b) Promover a reabilitação profissional de pessoas com
Efeitos profissionais da valorização escolar deficiência, em particular daqueles cuja incapacidade foi ad-
1- Ao trabalhador-estudante devem ser proporcionadas quirida em consequência de acidente de trabalho;
oportunidades de promoção profissional adequada à valori- c) Promover a integração sócio-profissional de grupos
zação obtida por efeito de cursos ou conhecimentos adquiri- com particulares dificuldades de inserção, através do desen-
dos, não sendo, todavia, obrigatória a reclassificação profis- volvimento de acções de formação profissional especial;
sional por simples obtenção desses cursos ou conhecimentos. d) Garantir o direito individual à formação, criando con-
2- Têm direito, em igualdade de condições, ao preenchi- dições para que o mesmo possa ser exercido independente-
mento de cargos para os quais se achem habilitados, por mente da condição laboral do trabalhador.
virtude dos cursos ou conhecimentos adquiridos, todos os
Cláusula 99.ª
trabalhadores que os tenham obtido na qualidade de traba-
lhador-estudante. Formação contínua
Cláusula 96.ª 1- No âmbito da formação contínua, as instituições devem:
a) Elaborar planos anuais ou plurianuais de formação;
Excesso de candidatos à frequência de cursos b) Reconhecer e valorizar as qualificações adquiridas pe-
Sempre que o número de pretensões formuladas por los trabalhadores de modo a estimular a sua participação na
trabalhadores-estudantes no sentido de lhes ser aplicado formação.
o regime especial de organização de tempo de trabalho se 2- A formação contínua de activos deve abranger, em cada
revelar, manifesta e comprovadamente, comprometedor do ano, pelo menos 10 % dos trabalhadores com contrato sem
funcionamento normal da instituição, fixar-se-á por acordo termo de cada instituição.
entre esta, os interessados e as estruturas representativas dos 3- O número mínimo de horas anuais de formação certifi-
trabalhadores o número e as condições em que serão deferi- cada a que se refere o número anterior é de 35 horas a partir
das as pretensões apresentadas. de 2006.
4- As horas de formação certificada que não foram organi-
CAPÍTULO VIII zadas sob a responsabilidade do empregador por motivo que
lhe seja imputável são transformadas em créditos acumulá-
Formação profissional veis ao longo de três anos, no máximo.
5- O trabalhador pode utilizar o crédito acumulado a que

1966
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

se refere o número anterior para frequentar, por sua inicia- Cláusula 104.ª
tiva, acções de formação certificada que tenham correspon-
dência com a actividade prestada, mediante comunicação à Obrigações do trabalhador
instituição com a antecedência mínima de 10 dias. O trabalhador tem obrigação de zelar:
6- Sempre que o trabalhador adquira nova qualificação a) Pela segurança e saúde próprias, designadamente, sujei-
profissional ou grau académico, por aprovação em curso de tando-se à realização dos exames médicos, promovidos pela
formação profissional ou escolar, com interesse para a en- entidade empregadora;
tidade empregadora, tem preferência no preenchimento de b) Pela segurança e saúde das pessoas que possam ser
vagas que correspondam à formação ou educação adquirida. afectadas pelas suas acções ou omissões.
Cláusula 100.ª Cláusula 105.ª

Formação de reconversão Representantes dos trabalhadores


1- A instituição promoverá acções de formação profissio-
1- Os representantes dos trabalhadores para a segurança,
nal de requalificação e de reconversão pelas seguintes razões:
higiene e saúde no trabalho são eleitos pelos trabalhadores
a) Condições de saúde do trabalhador que imponham in-
por voto directo e secreto, segundo o princípio da represen-
capacidades ou limitações no exercício das respectivas fun-
tatividade e da proporcionalidade.
ções;
2- Os representantes dos trabalhadores não poderão exce-
b) Necessidades de reorganização de serviços ou por mo-
der:
dificações tecnológicas e sempre que se demonstre a inviabi-
a) Empresas com menos de 61 trabalhadores - um repre-
lidade de manutenção de certas categorias profissionais.
sentante;
2- Tais acções destinam-se, sendo tal possível, a preparar
b) Empresas de 61 a 150 trabalhadores - dois representan-
os trabalhadores delas objecto para o exercício de uma nova
tes;
actividade, na mesma ou noutra entidade.
c) Empresas de 151 a 300 trabalhadores - três represen-
Cláusula 101.ª tantes;
d) Empresas de 301 a 500 trabalhadores - quatro represen-
Formação nos contratos de trabalho para jovens tantes;
Sempre que admitam trabalhadores com menos de 25 e) Empresas de 501 a 1000 trabalhadores - cinco repre-
anos e sem a escolaridade mínima obrigatória, as institui- sentantes;
ções, por si ou com o apoio de entidades públicas ou pri- f) Empresas de 1001 a 1500 trabalhadores - seis represen-
vadas, devidamente certificadas, devem promover acções tantes;
de formação profissional ou educacional que garantam a g) Empresas com mais de 1500 trabalhadores - sete repre-
aquisição daquela escolaridade e, pelo menos, o nível II de sentantes.
qualificação. 3- O mandato dos representantes dos trabalhadores é de
três anos.
CAPÍTULO IX 4- Os representantes dos trabalhadores dispõem, para o
exercício das suas funções, de um crédito de cinco horas por
Segurança, higiene e saúde no trabalho mês.
Cláusula 106.ª
Cláusula 102.ª
Comissões de segurança, higiene e saúde
Princípios gerais
Podem ser criadas comissões de segurança, higiene e
1- O trabalhador tem direito à prestação de trabalho em saúde no trabalho, de composição paritária, com vista a pla-
condições de segurança, higiene e saúde, asseguradas pela nificar e propor a adopção de medidas tendentes a optimizar
instituição. o nível da prestação de serviços de segurança, higiene e saú-
2- A instituição é obrigada a organizar as actividades de se- de no trabalho, bem como avaliar o impacto da respectiva
gurança, higiene e saúde no trabalho que visem a prevenção aplicação.
de riscos profissionais e a promoção da saúde do trabalhador.
Cláusula 103.ª CAPÍTULO X

Obrigações do empregador Cessação do contrato de trabalho


As instituições são obrigadas a assegurar aos trabalhado-
res condições de segurança, higiene e saúde em todos os as- Cláusula 107.ª
pectos relacionados com o trabalho, devendo aplicar e fazer
aplicar as medidas necessárias e adequadas, tendo em conta Princípio geral
os princípios legalmente consignados. A cessação do contrato de trabalho fica sujeita ao regime
legal em vigor a cada momento.

1967
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Cláusula 108.ª pelas partes.


2- A comissão paritária reúne a pedido de qualquer das
Exercício da acção disciplinar partes mediante convocatória a enviar com a antecedência
1- O procedimento disciplinar deve exercer-se nos 60 dias mínima de 15 dias de que conste o dia, hora e agenda de
subsequentes àquele em que o empregador ou superior hie- trabalhos, cabendo o secretariado à parte que convocar a reu-
rárquico com competência disciplinar teve conhecimento da nião.
infracção. 3- No final da reunião será lavrada e assinada a respectiva
2- A infracção disciplinar prescreve ao fim de um ano a acta.
contar do momento em que teve lugar, sem prejuízo da apli- 4- As partes podem fazer-se assessorar nas reuniões da co-
cação de prazos prescricionais da lei penal, quando aplicável. missão.
Cláusula 113.ª
CAPÍTULO XI
Competências
Segurança social 1- Compete à comissão paritária:
a) Interpretar e integrar o disposto nesta convenção;
Cláusula 109.ª b) Criar e eliminar profissões e categorias profissionais,
bem como proceder à definição de funções inerentes às no-
Segurança social - Princípios gerais
vas profissões, ao seu enquadramento nos níveis de qualifi-
As instituições e os trabalhadores ao seu serviço contri- cação e determinar a respectiva integração num dos níveis
buirão para as instituições de segurança social que os abran- de remuneração.
jam nos termos dos respectivos estatutos e demais legislação 2- Quando proceder à extinção de uma profissão ou cate-
aplicável. goria profissional, a comissão deverá determinar a reclassi-
Cláusula 110.ª ficação dos trabalhadores noutra profissão ou categoria pro-
fissional.
Invalidez
Cláusula 114.ª
No caso de incapacidade parcial ou absoluta para o traba-
lho habitual proveniente de acidente de trabalho ou doença Deliberações
profissional contraída ao serviço da entidade empregadora, 1- A comissão paritária só poderá deliberar desde que este-
esta diligenciará conseguir a reconversão dos trabalhadores jam presentes dois membros de cada uma das partes.
diminuídos para funções compatíveis com as diminuições 2- As deliberações da comissão são tomadas por unanimi-
verificadas. dade e passam a fazer parte integrante da presente conven-
ção, logo que publicadas no Boletim do Trabalho e Emprego.
CAPÍTULO XII
CAPÍTULO XIII
Comissão paritária
Disposições transitórias e finais
Cláusula 111.ª
Cláusula 115.ª
Constituição
1- É constituída uma comissão paritária formada por três Diferenças salariais
representantes de cada uma das partes outorgantes da pre- As diferenças salariais resultantes da aplicação da pre-
sente convenção. sente convenção serão pagas em duas prestações mensais,
2- Por cada representante efectivo será designado um su- iguais, até ao final do corrente ano.
plente para desempenho de funções em caso de ausência do
efectivo. Cláusula 116.ª
3- Cada uma das partes indicará por escrito à outra, nos 30
Regime
dias subsequentes à publicação desta convenção, os mem-
bros efectivos e suplentes por si designados, considerando-se 1- A presente convenção estabelece um regime globalmen-
a comissão paritária constituída logo após esta indicação. te mais favorável do que os anteriores instrumentos de regu-
4- A comissão paritária funcionará enquanto estiver em lamentação colectiva de trabalho.
vigor a presente convenção, podendo qualquer dos contraen- 2- A aplicação das tabelas de remunerações mínimas cons-
tes, em qualquer altura, substituir os membros que nomeou, tantes do anexo V, bem como da cláusula anterior, não preju-
mediante comunicação escrita à outra parte. dica a vigência de retribuições mais elevadas auferidas pelos
trabalhadores, nomeadamente, no âmbito de projectos ou de
Cláusula 112.ª acordos de cooperação celebrados com entidades públicas,
sociais ou privadas.
Normas de funcionamento
1- A comissão paritária funcionará em local a determinar

1968
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

ANEXO I Fogueiro - Alimenta e conduz geradores de vapor, com-


petindo-lhe, além do estabelecido pelo regulamento da pro-
Definição de funções fissão, a limpeza do tubular, fornalhas e condutas e providen-
ciar pelo bom funcionamento de todos os acessórios, bem
Barbeiros e cabeleireiros
como pelas bombas de alimentação de água e combustível.
Barbeiro-cabeleireiro - Executa corte de cabelos e barba, Chegador ou ajudante de fogueiro - Assegura o abaste-
bem como penteados, permanentes e tinturas de cabelo. cimento de combustível para o gerador de vapor, de carrega-
Barbeiro - Procede à lavagem da cabeça e executa corte mento manual ou automático, e procede à limpeza do mesmo
de cabelo e barba. e da secção em que está instalado, sob a orientação e respon-
Cabeleireiro - Executa corte de cabelo, mise-en-plis, sabilidade do fogueiro.
penteados e tinturas de cabelo.
Médicos
Cobradores
Director de serviços clínicos - Organiza e dirige os ser-
Cobrador - Procede, fora da instituição, a recebimentos, viços clínicos.
pagamentos e depósitos, considerando-se-lhe equiparado o Médico de clínica geral - Efectua exames médicos, re-
empregado de serviços externos. quisita exames auxiliares de diagnóstico e faz diagnósticos;
envia criteriosamente o doente para médicos especialistas, se
Contínuos, guardas e porteiros
necessário, para exames ou tratamentos específicos; institui
Contínuo - Anuncia, acompanha e informa os visitantes; terapêutica medicamentosa e outras adequadas às diferentes
faz a entrega de mensagens e objectos inerentes ao serviço doenças, afecções e lesões do organismo; efectua pequenas
interno e estampilha e entrega correspondência, a distribuir intervenções cirúrgicas.
pelos serviços a que é destinada; executa o serviço de repro- Médico especialista - Desempenha as funções funda-
dução de documentos e de endereçamentos e faz recados. mentais do médico de clínica geral, mas especializa-se no
Guarda ou guarda-rondista - Assegura a defesa, vigilân- tratamento de certo tipo de doenças ou num ramo particular
cia e conservação das instalações e valores que lhe estejam de medicina, sendo designado em conformidade.
confiados; regista entradas e saídas de pessoas, veículos e
Psicólogo e sociólogo
mercadorias.
Paquete - É o trabalhador, menor de 18 anos, que presta Psicólogo - Estuda o comportamento e os mecanismos
unicamente os serviços referidos na definição de funções de mentais do homem e procede a investigações sobre proble-
contínuo. mas psicológicos em domínios tais como o fisiológico, so-
Porteiro - Atende os visitantes, informa-se das suas cial, pedagógico e patológico, utilizando técnicas específicas
pretensões e anuncia-os ou indica-lhes os serviços a que se que, por vezes, elabora; analisa os problemas resultantes da
devem dirigir; vigia e controla entradas e saídas de utentes; interacção entre indivíduos, instituições e grupos; estuda
recebe a correspondência e controla as entradas e saídas de todas as perturbações internas e relacionais que afectam o
mercadorias e veículos. indivíduo; investiga os factores diferenciais, biológicos, am-
bientais e pessoais do seu desenvolvimento, assim como o
Electricistas
crescimento progressivo das capacidades motoras e das apti-
Ajudante - É o electricista que completou a sua aprendi- dões intelectivas e sensitivas; estuda as bases fisiológicas do
zagem e coadjuva os oficiais enquanto não ascende à catego- comportamento e mecanismos mentais do homem, sobretu-
ria de pré-oficial. do nos seus aspectos métricos.
Aprendiz - É o trabalhador que, sob a orientação perma- Pode investigar um ramo de psicologia, psicossociologia,
nente do oficial, faz a aprendizagem da profissão. psicopatologia, psicofisiologia ou ser especializado numa
Chefe de equipa/oficial principal - Executa as tarefas que aplicação particular da psicologia, como, por exemplo, o
exigem um nível de conhecimentos e polivalência superior diagnóstico e tratamento de desvios de personalidade e de
ao exigível ao oficial electricista ou, executando as tarefas inadaptações sociais, em problemas psicológicos que surgem
mais exigentes, dirige os trabalhos de um nível de electricis- durante a educação e o desenvolvimento das crianças e jo-
tas; substitui o chefe de equipa nas suas ausências. vens ou em problemas psicológicos de ordem profissional,
Encarregado - Controla e coordena os serviços de um tais como os da selecção, formação e orientação profissional
nível de profissionais electricistas nos locais de trabalho. dos trabalhadores, e ser designado em conformidade.
Oficial electricista - Instala, conserva e prepara circuitos Sociólogo - Estuda a origem, evolução, estrutura, carac-
e aparelhagem eléctrica em habitações, estabelecimentos e terísticas e interdependências das sociedades humanas. In-
outros locais, para o que lê e interpreta desenhos, esquemas terpreta as condições e transformações do meio sociocultural
e outras especificações técnicas. em que o indivíduo age e reage para determinar as incidên-
Pré-oficial - É o electricista que coadjuva os oficiais e cias de tais condições e transformações sobre os comporta-
que, em cooperação com eles, executa trabalhos de menor mentos individuais e de grupo; analisa os processos de for-
responsabilidade. mação, evolução e extinção dos grupos sociais e investiga
Fogueiros os tipos de comunicação e interacção que neles e entre eles
se desenvolvem; investiga de que modo todo e qualquer tipo

1969
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

de manifestação da actividade humana influencia e depen- cerramento das contas e a elaboração do respectivo balanço,
de de condições socioculturais em que existe; estuda de que que apresenta e assina; elabora o relatório explicativo que
modo os comportamentos, as actividades e as relações dos acompanha a apresentação de contas ou fornece indicações
indivíduos e grupos se integram num sistema de organização para essa elaboração; efectua as revisões contabilísticas ne-
social; procura explicar como e porquê se processa a evolu- cessárias, verificando os livros ou registos para se certificar
ção social; interpreta os resultados obtidos tendo em conta, da correcção da respectiva escrituração. Pode subscrever a
sempre que necessário, elementos fornecidos por outros in- escrita da instituição e nesse caso é-lhe atribuído o título pro-
vestigadores que trabalham em domínios conexos; apresenta fissional de técnico de contas.
as suas conclusões de modo a poderem ser utilizadas pela Director de serviços - Estuda, organiza e dirige, nos li-
instituição. mites dos poderes de que está investido, as actividades da
instituição; colabora na determinação da política da institui-
Telefonistas
ção; planeia a utilização mais conveniente da mão-de-obra,
Telefonista - Presta serviço numa central telefónica, equipamento, materiais, instalações e capitais; orienta, dirige
transmitindo aos telefones internos as chamadas recebidas e e fiscaliza a actividade da instituição segundo os planos es-
estabelecendo ligações internas ou para o exterior; responde, tabelecidos, a política adoptada e as normas e regulamentos
se necessário, a pedidos de informações telefónicas. prescritos; cria e mantém uma estrutura administrativa que
permita explorar e dirigir a instituição de maneira eficaz; co-
Trabalhadores administrativos
labora na fixação da política financeira e exerce a verificação
Caixa - Tem a seu cargo as operações de caixa e registo dos custos.
do movimento relativo a transacções respeitantes à gestão da Documentalista - Organiza o núcleo de documentação
instituição; recebe numerário e outros valores e verifica se a e assegura o seu funcionamento ou, inserido num departa-
sua importância corresponde à indicada nas notas de venda mento, trata a documentação tendo em vista as necessidades
ou nos recibos; prepara os sobrescritos segundo as folhas de de um ou mais sectores da instituição; faz a selecção, com-
pagamento; prepara os fundos destinados a serem deposita- pilação, codificação e tratamento da documentação; elabora
dos e toma as disposições necessárias para os levantamentos. resumos de artigos e de documentos importantes e estabelece
Chefe de departamento - Estuda, organiza e coordena, a circulação destes e de outros documentos pelos diversos
sob a orientação do seu superior hierárquico, num ou em sectores da instituição; organiza e mantém actualizados os
vários dos departamentos da instituição, as actividades que ficheiros especializados; promove a aquisição da documen-
lhe são próprias; exerce, dentro do departamento que chefia tação necessária aos objectivos a prosseguir; faz arquivo e ou
e nos limites da sua competência, a orientação e a fiscali- registo de entrada e saída da documentação.
zação do pessoal sob as suas ordens e de planeamento das Escriturário - Executa várias tarefas, que variam conso-
actividades de departamento, segundo as orientações e fins ante a natureza e importância do escritório onde trabalha;
definidos; propõe a aquisição de equipamento e materiais e redige relatórios, cartas, notas informativas e outros docu-
a admissão de pessoal necessário ao bom funcionamento do mentos, manualmente ou à máquina, dando-lhe o seguimen-
departamento e executa outras funções semelhantes. to apropriado; examina o correio recebido, separa-o, classifi-
As categorias de chefe de serviços, chefe de escritório e ca-o e compila os dados que são necessários para preparar as
chefe de divisão, que correspondem a esta profissão, serão respostas; elabora, ordena e prepara os documentos relativos
atribuídas de acordo com o departamento chefiado e grau de à encomenda, distribuição, facturação e realização das com-
responsabilidade requerido. pras e vendas; recebe pedidos de informação e transmite-os
Chefe de secção - Coordena e controla o trabalho numa à pessoa ou serviços competentes; põe em caixa os paga-
secção administrativa. mentos de contas e entregas recebidos; escreve em livros
Contabilista - Organiza e dirige os serviços de contabi- as receitas e despesas, assim como outras operações conta-
lidade e dá conselhos sobre problemas de natureza conta- bilísticas; estabelece o extracto das operações efectuadas e
bilística; estuda a planificação dos circuitos contabilísticos, de outros documentos para informação superior; atende os
analisando os diversos sectores da actividade da empresa, candidatos às vagas existentes e informa-os das condições de
de forma a assegurar uma recolha de elementos precisos, admissão e efectua registos do pessoal; preenche formulários
com vista à determinação de custos e resultados de explora- oficiais relativos ao pessoal ou à instituição; ordena e arqui-
ção; elabora o plano de contas a utilizar para a obtenção dos va notas de livrança, recibos, cartas ou outros documentos e
elementos mais adequados à gestão económico-financeira e elabora dados estatísticos; escreve à máquina e opera com
cumprimento da legislação comercial e fiscal; supervisiona máquinas de escritório; prepara e organiza processos; presta
a escrituração dos registos e livros de contabilidade, coor- informações e outros esclarecimentos aos utentes e ao públi-
denando, orientando e dirigindo os empregados encarrega- co em geral.
dos dessa execução; fornece os elementos contabilísticos Escriturário principal/subchefe de secção - Executa as
necessários à definição da política orçamental e organiza e tarefas mais exigentes que competem ao escriturário, no-
assegura o controlo de execução do orçamento; elabora ou meadamente tarefas relativas a determinados assuntos de
certifica os balancetes e outras informações contabilísticas pessoal, de legislação ou fiscais, apuramentos e cálculos
a submeter à administração ou a fornecer a serviços públi- contabilísticos e estatísticos complexos e tarefas de relação
cos; procede ao apuramento de resultados, dirigindo o en- com fornecedores e ou clientes que obriguem à tomada de

1970
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

decisões correntes, ou executando as tarefas mais exigentes Secretário-geral - Dirige exclusivamente, na dependên-
da secção; colabora directamente com o chefe da secção e cia da direcção, administração ou da mesa administrativa da
no impedimento deste coordena ou controla as tarefas de um instituição, todos os seus serviços; apoia a direcção, prepa-
nível de trabalhadores administrativos ou actividades afins. rando as questões a por ela decidir.
Estagiário - Auxilia os escriturários ou outros trabalha- Tesoureiro - Superintende os serviços da tesouraria, em
dores de escritório, preparando-se para o exercício das fun- escritórios em que haja departamento próprio, tendo a res-
ções que vier a assumir. ponsabilidade dos valores da caixa que lhe estão confiados;
Guarda-livros - Ocupa-se da escrituração de registos ou verifica as diversas caixas e confere as respectivas existên-
de livros de contabilidade, gerais ou especiais, selados ou cias; prepara os fundos para serem depositados nos bancos e
não selados, analíticos e sintéticos, executando, nomeada- toma as disposições necessárias para levantamentos; verifica
mente, trabalhos contabilísticos relativos ao balanço anual periodicamente se o montante do valor em caixa coincide
e apuramento dos resultados de exploração e do exercício; com o que os livros indicam. Pode, por vezes, autorizar cer-
colabora nos inventários das existências; prepara ou manda tas despesas e executar outras tarefas relacionadas com ope-
preparar extractos de contas simples ou com juros e executa rações financeiras.
trabalhos conexos; superintende nos respectivos serviços e
Trabalhadores da agricultura
tem a seu cargo a elaboração dos balanços e a escrituração
dos livros selados, sendo responsável pela boa ordem e exe- Ajudante de feitor - Coadjuva o feitor e substitui-o na sua
cução dos trabalhos. Pode subscrever a escrita da instituição ausência.
e nesse caso é-lhe atribuído o título profissional de técnico Capataz - Coordena e controla as tarefas executadas por
de contas. um nível de trabalhadores agrícolas; executa tarefas do mes-
Operador de computador - Opera e controla o computa- mo tipo das realizadas pelos trabalhadores que dirige.
dor através do seu órgão principal, prepara-o para a execução Caseiro - Superintende, de acordo com as instruções da
dos programas e é responsável pelo cumprimento dos prazos entidade empregadora, trabalhadores contratados com carác-
previstos para cada operação, ou seja, não é apenas um mero ter eventual, apenas para satisfazer necessidades de semen-
utilizador, mas encarregado de todo o trabalho de tratamento teiras e colheita; executa, quando necessário, trabalhos ine-
e funcionamento do computador; vigia o tratamento da infor- rentes à produção de produtos agrícolas e hortícolas. Habita
mação; prepara o equipamento consoante os trabalhos a exe- em casa situada em determinada propriedade ou exploração,
cutar pelo escriturário e executa as manipulações necessárias tendo a seu cargo zelar por ela.
e mais sensíveis; retira o papel impresso, corrige os possíveis Encarregado de exploração ou feitor - Coordena a exe-
erros detectados, anota os tempos utilizados nas diferentes cução dos trabalhos de todos os sectores da exploração agrí-
máquinas e mantém actualizados os registos e os quadros cola, pecuária ou silvícola, sendo o responsável pela gestão
relativos ao andamento dos diferentes trabalhos. Responde da respectiva exploração.
directamente e perante o chefe hierárquico respectivo por to- Guarda de propriedades ou florestal - Tem a seu cargo
das as tarefas de operação e controlo informático. a vigilância dos terrenos agrícolas e florestais, bem como as
Operador de máquinas auxiliares - Opera com máquinas respectivas culturas.
auxiliares de escritório, tais como fotocopiadores e duplica- Hortelão ou trabalhador horto florícola - Executa os
dores, com vista à reprodução de documentos, máquinas de mais diversos trabalhos de horticultura e floricultura, tais
imprimir endereços e outras indicações análogas e máquinas como regas, adubações, mondas, arranque ou apanha de pro-
de corte e separação de papel. dutos hortícolas e de flores.
Operador de processamento de texto - Escreve cartas, Jardineiro - Ocupa-se do arranjo e conservação dos jar-
notas e textos baseados em documentos escritos ou infor- dins.
mações, utilizando máquina de escrever ou processador de Operador de máquinas agrícolas - Conduz e manobra
texto; revê a documentação a fim de detectar erros e procede uma ou mais máquinas e alfaias agrícolas e cuida da sua ma-
às necessárias correcções; opera fotocopiadoras ou outros nutenção e conservação mecânica.
equipamentos a fim de reproduzir documentos, executa ta- Trabalhador agrícola - Executa, no domínio da explora-
refas de arquivo. ção agro-pecuária e silvícola, todas as tarefas necessárias ao
Recepcionista - Recebe clientes e orienta o público, seu funcionamento que não exijam especialização.
transmitindo indicações dos respectivos departamentos; as- Tratador ou guardador de gado - Alimenta, trata e guar-
siste na portaria, recebendo e atendendo visitantes que pre- da o gado bovino, equino, suíno ou ovino, procede à limpe-
tendam encaminhar-se para qualquer secção ou atendendo za das instalações e dos animais e, eventualmente, zela pela
outros visitantes com orientação das suas visitas e transmis- conservação de vedações. É designado por maioral ou cam-
são de indicações várias. pino quando maneia gado bravo.
Secretário - Ocupa-se de secretariado específico da ad-
Trabalhadores de apoio
ministração ou direcção da instituição; redige actas das
reuniões de trabalho, assegura, por sua própria iniciativa, o Ajudante de acção directa:
trabalho de rotina diária do gabinete; providencia pela reali- 1- Trabalha directamente com os utentes, quer individual-
zação de assembleias gerais, reuniões de trabalho, contratos mente, quer em grupo, tendo em vista o seu bem-estar, pelo
e escrituras. que executa a totalidade ou parte das seguintes tarefas:

1971
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

a) Recebe os utentes e faz a sua integração no período ini- dicamentos e produtos de consumo corrente necessários ao
cial de utilização dos equipamentos ou serviços; funcionamento dos serviços; procede à recepção, arrumação
b) Procede ao acompanhamento diurno e ou nocturno de roupas lavadas e à recolha de roupas sujas e suas entre-
dos utentes, dentro e fora dos estabelecimentos e serviços, gas, prepara refeições ligeiras nos serviços e distribui dietas
guiando-os, auxiliando-os, estimulando-os através da con- (regime geral e dietas terapêuticas); colabora na prestação de
versação, detectando os seus interesses e motivações e parti- cuidados de higiene e conforto aos doentes, sob orientação
cipando na ocupação de tempos livres; do pessoal de enfermagem; transporta e distribui as balas de
c) Assegura a alimentação regular dos utentes; oxigénio e os materiais esterilizados pelos serviços de acção
d) Recolhe e cuida dos utensílios e equipamentos utiliza- médica.
dos nas refeições; Auxiliar de laboratório - Lava, prepara e esteriliza o ma-
e) Presta cuidados de higiene e conforto aos utentes e co- terial de uso corrente; faz pequenos serviços externos refe-
labora na prestação de cuidados de saúde que não requei- rentes ao funcionamento do laboratório.
ram conhecimentos específicos, nomeadamente, aplicando Maqueiro - Procede ao acompanhamento e transporte
cremes medicinais, executando pequenos pensos e admi- de doentes a pé, de cama, maca ou cadeira, para todos os
nistrando medicamentos, nas horas prescritas e segundo as serviços de internamento, vindos dos serviços de urgência
instruções recebidas; ou das consultas externas; efectua o transporte de cadáveres;
f) Substitui as roupas de cama e da casa de banho, bem colabora com os respectivos serviços na realização dos trâ-
como o vestuário dos utentes, procede ao acondicionamento, mites administrativos relacionados com as suas actividades;
arrumação, distribuição, transporte e controlo das roupas la- procede à limpeza das macas.
vadas e à recolha de roupas sujas e sua entrega na lavandaria;
Trabalhadores auxiliares
g) Requisita, recebe, controla e distribui os artigos de hi-
giene e conforto; Trabalhador auxiliar (serviços gerais) - Procede à lim-
h) Reporta à instituição ocorrências relevantes no âmbito peza e arrumação das instalações; assegura o transporte de
das funções exercidas; alimentos e outros artigos; serve refeições em refeitórios;
i) Conduz, se habilitado, as viaturas da instituição. desempenha funções de estafeta e procede à distribuição de
2- Caso a instituição assegure apoio domiciliário, compete correspondência e valores por protocolo; efectua o transporte
ainda ao ajudante de acção directa providenciar pela manu- de cadáveres; desempenha outras tarefas não específicas que
tenção das condições de higiene e salubridade do domicílio se enquadrem no âmbito da sua categoria profissional e não
dos utentes. excedam o nível de indiferenciação em que esta se integra.
3- Sempre que haja motivo atendível expressamente invo-
Trabalhadores de comércio e armazém
cado pelo utente, pode a instituição dispensar o trabalhador
da prestação de trabalho no domicílio daquele. Caixa de balcão - Efectua o recebimento das importân-
Ajudante de acção educativa - Participa nas actividades cias devidas por fornecimento; emite recibos e efectua o re-
sócio-educativas; ajuda nas tarefas de alimentação, cuidados gisto das operações em folhas de caixa.
de higiene e conforto directamente relacionados com a crian- Caixeiro - Vende mercadorias directamente ao público,
ça; vigia as crianças durante o repouso e na sala de aula; fala com o cliente no local de venda e informa-se do género
assiste as crianças nos transportes, nos recreios, nos passeios de produtos que este deseja, anuncia o preço e esforça-se por
e visitas de estudo. concluir a venda; recebe encomendas; colabora na realização
Ajudante de estabelecimento de apoio a pessoas com de- dos inventários.
ficiência - Procede ao acompanhamento diurno ou nocturno Caixeiro-chefe de secção - Coordena e orienta o serviço
dos utentes, dentro e fora do serviço ou estabelecimento; de uma secção especializada de um sector de vendas.
participa na ocupação de tempos livres; apoia a realização Caixeiro-encarregado - Coordena e controla o serviço e
de actividades sócio-educativas; auxilia nas tarefas de ali- o pessoal de balcão.
mentação dos utentes; apoia-os nos trabalhos que tenham de Empregado de armazém - Cuida da arrumação das mer-
realizar. cadorias ou produtos nas áreas de armazenamento; acondi-
Ajudante de ocupação - Desempenha a sua actividade ciona e ou desembala por métodos manuais ou mecânicos;
junto de crianças em idade escolar, com vista à sua ocupação procede à distribuição das mercadorias ou produtos pelos
durante o tempo deixado livre pela escola, proporcionando- sectores de venda ou de utilização; fornece, no local de ar-
-lhes ambiente adequado e actividades de carácter educativo mazenamento, mercadorias ou produtos contra a entrega de
e recreativo, segundo o plano de actividades apreciado pela requisição; assegura a limpeza das instalações; colabora na
técnica de actividades de tempos livres. Colabora no atendi- realização de inventários.
mento dos pais das crianças. Encarregado de armazém - Coordena e controla o servi-
Auxiliar de acção médica - Assegura o serviço de men- ço e o pessoal de armazém.
sageiro e procede à limpeza específica dos serviços de acção Encarregado do sector de armazém - Coordena e contro-
médica; prepara e lava o material dos serviços técnicos; pro- la o serviço e o pessoal de um sector do armazém.
cede ao acompanhamento e transporte de doentes em camas, Fiel de armazém - Superintende nas operações de entrada
macas, cadeiras de rodas ou a pé, dentro e fora do hospital; e saída de mercadorias e ou materiais no armazém, executa
assegura o serviço externo e interno de transporte de me- ou fiscaliza os respectivos documentos e responsabiliza-se

1972
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

pela arrumação e conservação das mercadorias e ou mate- -chefes na definição de normas e critérios para a prestação
riais; comunica os níveis de stocks; colabora na realização dos cuidados de enfermagem e na avaliação da qualidade dos
de inventários. cuidados de enfermagem prestados; promove o intercâmbio
das experiências dos enfermeiros-chefes, coordenando reu-
Trabalhadores de construção civil
niões periódicas; avalia os enfermeiros-chefes e participa na
Auxiliar menor - É o trabalhador sem qualquer especiali- avaliação de enfermeiros de outras categorias; participa nas
zação profissional com idade inferior a 18 anos. comissões de escolha de material e equipamento a adquirir
Capataz - É o trabalhador designado de um nível de indi- para a prestação de cuidados; elabora o plano de acção anu-
ferenciados para dirigir os mesmos. al articulado com os enfermeiros-chefes do seu sector, bem
Carpinteiro de limpos - Trabalha em madeiras, incluindo como o respectivo relatório.
os respectivos acabamentos no banco de oficina ou na obra.
Trabalhadores de farmácia
Carpinteiro de tosco ou cofragem - Executa e monta es-
truturas de madeira sem moldes para fundir betão. A) Farmacêuticos
Encarregado fiscal - Fiscaliza as diversas frentes de obras
Director técnico - Assume a responsabilidade pela execu-
em curso, verificando o andamento dos trabalhos, comparan-
ção de todos os actos farmacêuticos praticados na farmácia,
do-os com o projecto inicial e o caderno de encargos.
cumprindo-lhe respeitar e fazer respeitar os regulamentos
Encarregado de obras - Superintende na execução de
referentes ao exercício da profissão farmacêutica, bem como
uma obra, sendo responsável pela gestão dos recursos huma-
as regras da deontologia, por todas as pessoas que trabalham
nos e materiais à sua disposição.
na farmácia ou que têm qualquer relação com ela; presta ao
Estucador - Executa esboços, estuques e lambris e res-
público os esclarecimentos por ele solicitados, sem prejuízo
pectivos alinhamentos.
da prescrição médica e fornece informações ou conselhos so-
Pedreiro - Executa alvenarias de tijolos, pedras ou blo-
bre os cuidados a observar com a utilização dos medicamen-
cos; faz assentamento de manilhas, tubos ou cantarias, rebo-
tos, aquando da entrega dos mesmos, sempre que, no âmbito
cos ou outros trabalhos similares ou complementares. Pode
das suas funções, o julgue útil ou conveniente; mantém os
ser designado por trolha.
medicamentos e substâncias medicamentosas em bom esta-
Pintor - Executa qualquer trabalho de pintura; procede ao
do de conservação, de modo a serem fornecidos nas devidas
assentamento de vidros.
condições de pureza e eficiência; diligencia no sentido de
Servente - Executa tarefas não específicas.
que sejam observadas boas condições de higiene e segurança
Enfermeiros na farmácia; presta colaboração às entidades oficiais e pro-
move as medidas destinadas a manter um aprovisionamento
1- O título de enfermeiro reconhece competência específi-
suficiente de medicamentos.
ca, técnica e humana para a prestação de cuidados de enfer-
Farmacêutico - Coadjuva o director técnico no
magem gerais ao indivíduo, à família e à comunidade, nos
exercício das suas funções e substitui-o nas suas ausências
três níveis de prevenção.
e impedimentos.
2- O título de enfermeiro é atribuído ao membro titular
Técnico de farmácia - Desenvolve actividades no cir-
de cédula profissional provisória, que faça prova de apro-
cuito do medicamento, tais como análises e ensaios farma-
veitamento no final de um período de experiência profissio-
cológicos; interpreta a prescrição terapêutica e as fórmulas
nal tutelado ou que comprove exercício anterior efectivo da
farmacêuticas, sua preparação, identificação e distribuição,
profissão por um prazo de duração mínima igual ao previsto
exerce o controlo da conservação, distribuição e stocks de
nesse regime.
medicamentos e outros produtos, informa e aconselha sobre
Enfermeiro-chefe - Chefia o serviço de enfermagem e ava-
o uso do medicamento.
lia os enfermeiros da unidade e ou serviço prestadores de cui-
dados (Lei n.º 111/2009, de 16 de Setembro, particularmente B) Profissionais de farmácia
o artigo 7.º - Estatuto da Ordem dos Enfermeiros).
Ajudante técnico de farmácia - Executa todos os actos
Enfermeiro especialista
inerentes ao exercício farmacêutico, sob controlo do farma-
1- O título de enfermeiro especialista reconhece compe-
cêutico; vende medicamentos ou produtos afins e zela pela
tência científica, técnica e humana para prestar, além de cui-
sua conservação; prepara manipulados, tais como solutos,
dados gerais, cuidados de enfermagem especializados em
pomadas, xaropes e outros.
áreas específicas de enfermagem.
(Trata-se de profissão a extinguir quando vagarem os lu-
2- O título de enfermeiro especialista é atribuído ao de-
gares ocupados pelos ajudantes técnicos de farmácia que não
tentor do título de enfermeiro, após ponderação dos pro-
foram reclassificados em técnicos de farmácia)
cessos formativos e de certificação de competências, numa
Auxiliar de farmácia - Coadjuva o ajudante técnico de
área de especialização (Lei n.º 111/2009, de 16 de Setembro,
farmácia, ou os técnicos de farmácia, sob controlo do farma-
particularmente o artigo 7.º - Estatuto da Ordem dos
cêutico, nas tarefas que são cometidas àqueles trabalhadores
Enfermeiros).
e já descritas, não podendo exercer autonomamente actos
Enfermeiro supervisor - Colabora com o enfermeiro-di-
farmacêuticos quer na farmácia quer nos postos de medica-
rector na definição dos padrões de cuidados de enfermagem
mento.
para o estabelecimento ou serviços; orienta os enfermeiros-

1973
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Trabalhadores com funções de chefia nos serviços gerais brio técnico-funcional do conjunto, colaborando com outros
especialistas; faz planos pormenorizados e elabora o caderno
Chefe dos serviços gerais - Organiza e promove o bom
de encargos; executa desenhos e maquetas como auxiliar do
funcionamento dos serviços gerais; superintende a coorde-
seu trabalho; presta assistência técnica no decurso da obra
nação geral de todas as chefias da área dos serviços gerais.
e orienta a execução dos trabalhos de acordo com as espe-
Encarregado (serviços gerais) - Coordena e orienta a ac-
cificações do projecto. Elabora, por vezes, projectos para a
tividade dos trabalhadores da área dos serviços gerais sob a
reconstituição, transformação ou reparação de edifícios.
sua responsabilidade.
Conservador de museu - Organiza, adquire, avalia e
Encarregado geral (serviços gerais) - Coordena e orienta
conserva em museu colecções de obras de arte, objectos de
a actividade dos trabalhadores da área dos serviços gerais
carácter histórico, científico, técnico ou outros; orienta ou
sob a sua responsabilidade.
realiza trabalhos de investigação nesses domínios e coordena
Encarregado de sector - Coordena e distribui o pessoal
a actividade dos vários departamentos do museu a fim de as-
do sector de acordo com as necessidades dos serviços; veri-
segurar o seu perfeito funcionamento; procura tornar conhe-
fica o desempenho das tarefas atribuídas; zela pelo cumpri-
cidas as obras de arte existentes, promovendo exposições, vi-
mento das regras de segurança e higiene no trabalho; requi-
sitas com fins educativos ou outros processos de divulgação;
sita produtos indispensáveis ao normal funcionamento dos
organiza o intercâmbio das colecções entre museus e procura
serviços; verifica periodicamente os inventários e as existên-
obter por empréstimo peças de instituições particulares.
cias e informa superiormente das necessidades de aquisição,
Por vezes guia visitas de estudo e faz conferências sobre
reparação ou substituição dos bens ou equipamentos; man-
as colecções existentes no museu.
tém em ordem o inventário do respectivo sector.
Consultor jurídico - Consulta, estuda e interpreta leis;
Encarregado de serviços gerais - Organiza, coordena
elabora pareceres jurídicos sobre assuntos pessoais, comer-
e orienta a actividade desenvolvida pelos encarregados de
ciais ou administrativos, baseando-se na doutrina e na juris-
sector sob a sua responsabilidade; estabelece, em colabora-
prudência.
ção com os encarregados de sector, os horários de trabalho,
Engenheiro agrónomo - Estuda, concebe e orienta a exe-
escalas e dispensas de pessoal, bem como o modo de funcio-
cução de trabalhos relativos à produção agrícola e faz pes-
namento dos serviços; mantém em ordem os inventários sob
quisas e ensaios, de modo a obter um maior rendimento e
a sua responsabilidade.
uma melhor qualidade dos produtos. Pode dedicar-se a um
Trabalhadores com funções pedagógicas campo específico de actividades, como, por exemplo, peda-
gogia, genética, sanidade vegetal, construções rurais, hidráu-
Auxiliar de educação - Elabora planos de actividade das
lica agrícola, horticultura, arboricultura, forragem, nutrição
classes, submetendo-os à apreciação dos educadores de in-
animal e vitivinicultura.
fância e colaborando com estes no exercício da sua activi-
Engenheiro civil (construção de edifícios) - Concebe e
dade.
elabora planos de estruturas de edificações e prepara, organi-
Educador de estabelecimento - Exerce funções educati-
za e superintende a sua construção, manutenção e reparação;
vas em estabelecimentos sócio-educativos, incluindo os diri-
executa os cálculos, assegurando a resistência e estabilida-
gidos às pessoas com deficiência, prestando aos respectivos
de da obra considerada e tendo em atenção factores como
utilizadores todos os cuidados e orientações necessários ao
a natureza dos materiais de construção a utilizar, pressões
seu desenvolvimento físico, psíquico e afectivo.
de água, resistência aos ventos e mudanças de temperatura;
Educador de infância - Organiza e aplica os meios edu-
consulta outros especialistas, como engenheiros mecânicos,
cativos adequados em ordem ao desenvolvimento integral
electrotécnicos e químicos, arquitectos e arquitectos paisa-
da criança, nomeadamente psicomotor, afectivo, intelectual,
gistas, no que respeita a elementos técnicos e a exigências
social e moral; acompanha a evolução da criança e estabele-
de ordem estética; concebe e realiza planos de obras e esta-
ce contactos com os pais no sentido de se obter uma acção
belece um orçamento, planos de trabalho e especificações,
educativa integrada.
indicando o tipo de materiais, máquinas e outro equipamento
Prefeito - Acompanha as crianças e os jovens, em regime
necessário; consulta os clientes e os serviços públicos a fim
de internato ou semi-internato, nas actividades diárias extra-
de obter a aprovação dos planos; prepara o programa e dirige
-aulas, refeições, sala de estudo, recreio, passeio, repouso,
as operações à medida que os trabalhos prosseguem.
procurando consciencializá-los dos deveres de civilidade e
Engenheiro electrotécnico - Estuda, concebe e estabele-
bom aproveitamento escolar.
ce planos ou dá pareceres sobre instalações e equipamentos
Professor - Exerce actividade pedagógica em estabeleci-
e estabelece planos de execução, indicando os materiais a
mentos sócio-educativos.
utilizar e os métodos de fabrico; calcula o custo da mão-de-
Trabalhadores com funções técnicas -obra e dos materiais, assim como outras despesas de fabrico,
Arquitecto - Concebe e projecta, segundo o seu sentido montagem, funcionamento, manutenção e reparação de apa-
estético e intuição do espaço, mas tendo em consideração relhagem eléctrica, e certifica-se de que o trabalho concluído
determinadas normas gerais e regulamentos, conjuntos urba- corresponde às especificações dos cadernos de encargos e às
nos e edificações; concebe o arranjo geral das estruturas e a normas de segurança.
distribuição dos diversos equipamentos com vista ao equilí- Engenheiro silvicultor - Estuda, concebe e orienta a exe-
cução de trabalhos relativos à cultura e conservação de ma-

1974
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

tas, à fixação de terrenos e à melhor economia da água; apli- de garantir as condições higiénicas necessárias; inspecciona
ca os processos de exploração que assegurem a renovação da alimentos de origem animal que se destinam ao consumo
floresta; determina as medidas mais adequadas de protecção público, para se certificar que estão nas condições exigidas.
dos povoamentos florestais; faz pesquisas e ensaios, tendo
Trabalhadores gráficos
em vista a produção, selecção e dispersão de sementes e a
germinação das diferentes espécies; organiza e superinten- Compositor manual - Combina tipos, filetes, vinhetas e
de a exploração de viveiros; indica as práticas adequadas outros materiais tipográficos; dispõe ordenadamente textos,
de desbaste, a fim de assegurar um rendimento máximo e fotografias, gravuras, composição mecânica; efectua a pagi-
permanente; orienta os trabalhos de exploração das madeiras nação, distribuindo a composição por páginas, numerando-
quando atingem a idade do aproveitamento. -as ordenadamente e impondo-as para a sua impressão;
Pode dedicar-se a um campo específico de actividade, tal concebe e prepara a disposição tipográfica nos trabalhos de
como silvo-pastorícia, protecção e fomento de caça e pesca fantasia; faz todas as emendas e alterações necessárias; faz
(em águas interiores.) a distribuição após a impressão. A operação de composição
Engenheiro técnico (construção civil) - Projecta, orga- pode ser efectuada utilizando máquina adequada (exemplo,
niza, orienta e fiscaliza trabalhos relativos à construção de ludlouw), que funde, através da junção de matrizes, linhas
edifícios, funcionamento e conservação de sistemas de dis- blocos, a que junta entrelinhas e material branco, que pode
tribuição ou escoamento de águas para serviços de higiene, ter de cortar utilizando serra mecânica, destinando-se geral-
salubridade e irrigação; executa as funções do engenheiro mente para títulos, notícias e anúncios.
civil no âmbito da sua qualificação profissional e dentro das Compositor mecânico (linotipista) - Opera uma máquina
limitações impostas pela lei. de composição mecânica a quente (tipo linotype ou inter-
Engenheiro técnico agrário - Dirige trabalhos de natu- type); executa composição mecânica, regulando e accionan-
reza agro-pecuária, pondo em execução processos eficien- do a máquina dentro das mesmas regras tipográficas; tecla
tes para a concretização de programas de desenvolvimento um original que recebe com indicações, ou ele mesmo as
agrícola; presta assistência técnica, indicando os processos faz, sobre a medida, corpo e tipo de letra; regula o molde
mais adequados para obter uma melhor qualidade dos pro- expulsor, mordente, navalhas e componedor; liga o sistema
dutos e garantir a eficácia das operações agrícolas; estuda de arrefecimento e regula a posição do armazém de matriz
problemas inerentes à criação de animais, sua alimentação pretendido; verifica a qualidade de fundição e vigia o rea-
e alojamento para melhoramento de raças. Pode dedicar-se bastecimento normal da caldeira com metal; retira o granel
a um campo específico da agricultura, como, por exemplo, acumulado na galé; zela pela conservação e lubrifica regu-
zootecnia, hidráulica agrícola, viticultura, floricultura, hor- larmente a máquina; resolve os problemas resultantes de
ticultura e outros. acidente ou avaria com carácter normal que impeçam o fun-
Engenheiro técnico (electromecânica) - Estuda, concebe cionamento.
e projecta diversos tipos de instalações eléctricas e equipa- Costureiro de encadernação - Cose manual e ordenada-
mentos de indústria mecânica; prepara e fiscaliza a sua fabri- mente os cadernos que constituem o livro, ligando-os uns aos
cação, montagem, funcionamento e conservação; executa as outros, de modo a constituírem um corpo único; informa-se
funções de engenheiro electrotécnico ou engenheiro mecâ- do tipo de costura pretendido e verifica se a obra está apta
nico no âmbito da sua qualificação profissional e dentro das a ser cosida e disposta ordenadamente. Pode ainda exercer
limitações impostas por lei. funções de operador de máquina de coser.
Técnico superior de laboratório - Planeia, orienta e su- Encadernador - Executa a totalidade ou as principais ta-
pervisiona o trabalho técnico de um ou mais sectores do la- refas em que se decompõe o trabalho de encadernação; vigia
boratório; testa e controla os métodos usados na execução e orienta a dobragem, alceamento e passagem à letra; abre os
das análises; investiga e executa as análises mais complexas, sulcos do tipo de costura e dimensão da obra; faz o lombo e
de grande responsabilidade e de nível técnico altamente es- o revestimento; prepara previamente as peles; prepara e cola
pecializado. as guardas; confecciona ainda álbuns, pastas de secretária,
Veterinário - Procede a exames clínicos, estabelece diag- caixas de arquivo e outros artigos e obras de encadernação;
nósticos e prescreve ou administra tratamentos médicos ou dá às peles diferentes tonalidades e efeitos; encaderna livros
cirúrgicos para debelar ou prevenir doenças dos animais; usados ou restaura obras antigas; gofra ou aplica títulos e
acompanha a evolução da doença e introduz alterações no desenhos a ouro por meio de balancé.
tratamento, sempre que necessário; estuda o melhoramento Encadernador-dourador - Desempenha a generalidade
das espécies animais, seleccionando reprodutores e estabe- das funções referidas quer para o dourador quer para o en-
lecendo as rações e tipos de alojamento mais indicados em cadernador.
função da espécie e raça, idade e fim a que os animais se des- Fotocompositor - Opera uma máquina de composição
tinam; indica aos proprietários dos animais as medidas sani- mecânica a frio; carrega a câmara fotográfica; regula o com-
tárias a tomar, o tipo de forragens ou outros alimentos a uti- ponedor e dispositivos de justificação; assegura o tipo de le-
lizar e os cuidados de ordem genérica; examina animais que tra, espaços e disposições do original da maqueta; corrige a
se destinam ao matadouro e inspecciona os locais de abate luz e elimina linhas incorrectas. Em algumas unidades, ter-
e os estabelecimentos onde são preparados ou transforma- minada a operação ou exposto todo o filme, envia-o para o
dos alimentos de origem animal, providenciando no sentido laboratório. Zela pela conservação e lubrificação.

1975
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Fotógrafo - Fotografa ilustrações ou textos para obter ou outro suporte adequado, composição justificada ou sem
películas tramadas ou não, destinadas à sensibilidade de cha- qualquer justificação, destinada a codificação e revelação;
pas metálicas para impressão a uma cor ou mais; avalia com monta a unidade de contagem segundo o tipo de letra; abas-
densitómetro as densidades máxima e mínima dos motivos tece a máquina; retira a fita perfurada.
e calcula coeficientes de correcção; calcula os factores para Restaurador de folhas - Restaura pergaminhos e folhas
cada cor em trabalhos a cor e utiliza os filtros adequados para de papel manuscritos e impressos; limpa folhas e procede ao
obter os negativos de selecção nas cores base; revela, fixa, restauro, aplicando pedaços de pergaminho e papel japonês
lava e sobrepõe tramas adequadas e tira positivos tramados; e dando-lhe a tonalidade adequada, faz a pré-encadernação
utiliza equipamento electrónico para o desempenho das suas dos livros.
funções. Teclista monotipista - Perfura, em papel, uma memória
Impressor (litografia) - Regula e assegura o funciona- de código para o comando das fundidoras-compositoras; tem
mento e vigia uma máquina de imprimir folhas ou bobinas conhecimentos básicos de composição manual, prepara o te-
de papel, ou folha-de-flandres, indirectamente, a partir de clado, através de indicações recebidas no original ou que ele
uma chapa fotolitografada e por meio de um cilindro reves- mesmo faz, sobre medida, corpo e operações de regular o
tido de borracha; imprime em plano directamente folhas de tambor de justificação, caixa de calibragem e outros acessó-
papel ou chapas de folha-de-flandres; faz o alceamento; esti- rios e elementos eventuais para o trabalho a realizar; elabora
ca a chapa; abastece de tinta e água máquina; providencia a um memorando dos intermediários utilizados na perfuração,
alimentação do papel; regula a distribuição de tinta; examina a fim de o fundidor introduzir as matrizes necessárias para a
as provas e a perfeição do ponto nas meias tintas; efectua fundição; retira a fita perfurada para a entregar ao fundidor;
correcções e afinações necessárias; regula a marginação; vi- procede às operações de manutenção, limpeza e lubrificação.
gia a tiragem; assegura a lavagem dos tinteiros tomadores Transportador - Transporta, por meio de prensa adequa-
e distribuidores nos trabalhos a cores; efectua impressões da, motivos, textos ou desenhos, em gravura, para um papel-
sucessivas ou utiliza máquinas com diferentes corpos de im- -matriz resinoso (flan), que depois molda, através da pressão
pressão, ajustando as chapas pelas miras ou traços dos mo- e do calor em máquina adequada, num cliché de borracha
tivos; prepara as tintas que utiliza, dando tonalidades e grau vulcanizada ou termoplásticos; elimina resíduos e verifica a
de fluidez e secante adequado à matéria a utilizar; tira prova altura da gravação e espessura do cliché.
em prelos mecânicos.
Trabalhadores de hotelaria
Impressor tipográfico - Regula e assegura o funciona-
mento e vigia uma máquina de imprimir por meio de com- Ajudante de cozinheiro - Trabalha sob as ordens de um
posição tipográfica; uniformiza a altura da composição, cozinheiro, auxiliando-o na execução das suas tarefas; limpa
efectua os ajustamentos necessários na justificação e aperto e corta legumes, carnes, peixe ou outros alimentos; prepara
da forma; faz a almofada e regula a distância, a pressão e a guarnições para os pratos; executa e colabora nos trabalhos
tintagem para uma distribuição uniforme; corrige a afinação de arrumação e limpeza da sua secção; colabora no serviço
da máquina e efectua os alceamentos necessários; ajusta os de refeitório.
alceamentos sob a composição ou almofada; regula os dis- Chefe de compras/ecónomo - Procede à aquisição de gé-
positivos de aspiração; prepara as tintas que utiliza; executa neros, mercadorias e outros artigos, sendo responsável pelo
trabalhos a mais de uma cor, acertando as diversas impres- regular abastecimento da instituição; armazena, conserva,
sões pelos motivos ou referências; assegura a manutenção controla e fornece às secções as mercadorias e artigos neces-
da máquina. Pode ser especializado num tipo particular de sários ao seu funcionamento; procede à recepção dos artigos
máquina. e verifica a sua concordância com as respectivas requisições;
Montador - Monta manualmente ou com ajuda mecânica organiza e mantém actualizados os ficheiros de mercadorias
os clichés nos cilindros das máquinas de impressão. à sua guarda, pelas quais é responsável; executa ou colabora
Operador manual - Auxilia directamente os operadores na execução de inventários periódicos.
das máquinas de acabamentos; procede a operações manuais Cozinheiro - Prepara, tempera e cozinha os alimentos
sobre bancadas ou mesas de escolha, tais como contagem, destinados às refeições; elabora ou contribui para a confec-
escolha ou embalagem de trabalhos expressos; faz a retira- ção das ementas; recebe os víveres e outros produtos neces-
ção junto às esquinas de imprimir ou desintercalar nas me- sários à sua confecção, sendo responsável pela sua conserva-
sas; efectua correcções manuais a defeitos ou emendas. ção; amanha o peixe, prepara os legumes e a carne e procede
Operador de máquinas (encadernação ou acabamen- à execução das operações culinárias; emprata-os, guarnece-
tos) - Regula e conduz uma máquina de encadernação ou de -os e confecciona os doces destinados às refeições, quando
acabamentos: dobra, cose, alça (folhas ou cadernos), encasa, não haja pasteleiro; executa ou zela pela limpeza da cozinha
brocha, pauta, plastifica, enverniza, doura (por purpurina, e dos utensílios.
por película ou em balancé), executa colagem ou contracola- Cozinheiro-chefe - Organiza, coordena, dirige e verifica
gem; observa a perfeição do trabalho e corrige-o sempre que os trabalhos de cozinha; elabora ou contribui para a elabo-
necessário; assegura a manutenção. Pode operar máquinas ração das ementas, tendo em atenção a natureza e o número
polivalentes. de pessoas a servir, os víveres existentes ou susceptíveis de
Perfurador de fotocomposição - Perfura, numa unidade aquisição e requisita às secções respectivas os géneros de
de compor com teclado próprio, fita de papel, fita magnética que necessita para a sua confecção; dá instruções ao pessoal

1976
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

de cozinha sobre a preparação e confecção dos pratos, tipos utensílios e quaisquer outros produtos necessários ao nor-
de guarnição e quantidades a servir; acompanha o andamen- mal funcionamento dos serviços; fixa ou colabora no esta-
to dos cozinhados e assegura-se da perfeição dos pratos e belecimento das ementas, tomando em consideração o tipo
da sua concordância com o estabelecido; verifica a ordem e de trabalhadores a que se destinam e o valor dietético dos
a limpeza de todas as secções de pessoal e mantém em dia alimentos; distribui as tarefas ao pessoal, velando pelo cum-
o inventário de todo o material de cozinha; é responsável primento das regras de higiene, eficiência e disciplina; veri-
pela conservação dos alimentos entregues na cozinha; é en- fica a qualidade e quantidade das refeições; elabora mapas
carregado do aprovisionamento da cozinha e de elaborar um explicativos das refeições fornecidas, para posterior conta-
registo diário dos consumos; dá informações sobre quantida- bilização; é encarregado de receber os produtos e verificar
des necessárias às confecções dos pratos e ementas; é ainda se coincidem, em quantidade e qualidade, com os produtos
o responsável pela elaboração das ementas do pessoal e pela descritos.
boa confecção das respectivas refeições qualitativa e quan- Encarregado de parque de campismo - Dirige, colabora,
titativamente. orienta e vigia todos os serviços do parque de campismo e
Despenseiro - Armazena, conserva e distribui géneros turismo de acordo com as directrizes superiores; vela pelo
alimentícios e outros produtos; recebe produtos e verifica se cumprimento das regras de higiene e assegura a eficiência
coincidem em quantidade e qualidade com os discriminados da organização geral do parque; comunica às autoridades
nas notas de encomenda; arruma-os em câmaras frigoríficas, competentes a prática de irregularidade pelos campistas; é
tulhas, salgadeiras, prateleiras e outros locais apropriados; o responsável pelo controlo das receitas e despesas, com-
cuida da sua conservação, protegendo-os convenientemente; petindo-lhe fornecer aos serviços de contabilidade todos
fornece, mediante requisição, os produtos que lhe sejam so- os elementos de que estes careçam; informa a direcção das
licitados; mantém actualizados os registos; verifica periodi- ocorrências na actividade do parque e instrui os seus subor-
camente as existências e informa superiormente das necessi- dinados sobre os trabalhos que lhes estão confiados.
dades de aquisição; efectua a compra de géneros de consumo Pasteleiro - Confecciona e guarnece produtos de pas-
diário e outras mercadorias ou artigos diversos. telaria compostos por diversas massas e cremes, utilizando
Empregado de balcão - Ocupa-se do serviço de balcão, máquinas e utensílios apropriados: elabora receitas para
servindo directamente as preparações de cafetaria, bebidas e bolos, determinando as quantidades de matérias-primas e
doçaria para consumo no local; cobra as respectivas impor- ingredientes necessários à obtenção dos produtos pretendi-
tâncias e observa as regras de controlo aplicáveis; colabora dos; pesa e doseia as matérias-primas de acordo com as re-
nos trabalhos de asseio e higiene e na arrumação da secção; ceitas; prepara massas, cremes, xaropes e outros produtos,
elabora os inventários periódicos das existências da mesma por processos tradicionais ou mecânicos, com utensílios
secção. apropriados; verifica e corrige, se necessário, a consistência
Empregado de mesa - Serve refeições, limpa os aparado- das massas, adicionando-lhes os produtos adequados; unta
res e guarnece-os com todos os utensílios necessários; põe as formas ou forra o seu interior com papel ou dá orientações
a mesa, colocando toalhas e guardanapos, pratos, talheres, nesse sentido; corta a massa, manual ou mecanicamente, ou
copos e recipientes com condimentos; apresenta a ementa distribui-a em formas, consoante o tipo e o produto a fabri-
e fornece, quando solicitadas, indicações acerca dos vários car, servindo-se de utensílios e máquinas próprios; coloca a
tipos de pratos e vinhos; anota os pedidos ou fixa-os men- massa em tabuleiros, a fim de ser cozida no forno; dá orien-
talmente e transmite-os às secções respectivas; serve os di- tações, se necessário, relativamente aos tempos de cozedura;
versos pratos, os vinhos e outras bebidas; retira e substitui a decora os artigos de pastelaria com cremes, frutos, choco-
roupa e a louça servidas; recebe a conta ou envia-a à secção late, massapão e outros produtos; mantém os utensílios e o
respectiva para debitar; levanta ou manda levantar as mesas. local de trabalho nas condições de higiene requeridas.
Empregado de quartos/camaratas/enfermarias - Arruma
Trabalhadores de lavandaria e de roupas
e limpa os quartos de um andar/camaratas ou enfermarias,
bem como os respectivos acessos, e transporta a roupa ne- Costureira/alfaiate - Executa vários trabalhos de corte
cessária para o efeito; serve refeições nos quartos e enfer- e costura manuais e ou à máquina necessários à confecção,
marias. consertos e aproveitamento de peças de vestuário, roupas de
Empregado de refeitório - Executa nos diversos sectores serviço e trabalhos afins. Pode dedicar-se apenas a trabalho
de um refeitório trabalhos relativos ao serviço de refeições; de confecção.
prepara as salas, levando e dispondo mesas e cadeiras da for- Engomador - Ocupa-se dos trabalhos de passar a ferro e
ma mais conveniente; coloca nos balcões e nas mesas pão, dobrar as roupas; assegura outros trabalhos da secção.
fruta, sumos e outros artigos de consumo; recebe e distribui Lavadeiro - Procede à lavagem manual ou mecânica das
refeições; levanta tabuleiros das mesas e transporta-os para a roupas de serviço e dos utentes; engoma a roupa, arruma-a e
copa; lava as louças, recipientes e outros utensílios; procede assegura outros trabalhos da secção.
a serviços de preparação de refeições, embora não as confec- Roupeiro - Ocupa-se do recebimento, tratamento, arru-
cionando. Executa ainda os serviços de limpeza e asseio dos mação e distribuição das roupas; assegura outros trabalhos
diversos sectores. da secção.
Encarregado de refeitório - Organiza, coordena, orienta Trabalhadores de madeiras, mobiliário e decoração
e vigia os serviços de um refeitório e requisita os géneros,

1977
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Bordadeira (tapeçarias) - Borda tapeçarias, seguindo a espessura e aumentar a superfície; funde, vaza e lamina o
padrões e técnicas determinados, com pontos diversos, utili- ouro antes de o bater.
zando uma tela de base. Pode dedicar-se a um tipo de ponto, Canalizador (picheleiro) - Procede à montagem, conser-
sendo designado em conformidade, como, por exemplo, bor- vação e reparação de tubagens e acessórios de canalizações
dadeira de tapetes de Arraiolos. para fins predominantemente domésticos; procede, quando
Carpinteiro - Constrói, monta e repara estruturas de ma- necessário, à montagem, reparação e conservação de caleiras
deira e equipamentos, utilizando ferramentas manuais ou e algerozes.
mecânicas. Cinzelador de metais não preciosos - Executa trabalhos
Dourador de ouro fino - Procede à aplicação de folhas de em relevo ou lavrados nas chapas de metal não precioso, ser-
ouro fino em obras de talha, molduras, mobiliário e outras vindo-se de cinzéis e outras ferramentas manuais. Trabalha
superfícies de madeira, que previamente aparelha, com pri- a partir de modelos ou desenhos que lhe são fornecidos ou
mários específicos; executa acabamentos e patinados. segundo a própria inspiração.
Ebanista - Fabrica, normalmente com madeiras precio- Encarregado - Controla e coordena os profissionais de
sas, móveis e outros objectos de elevado valor artístico, com actividades afins.
embutidos, utilizando ferramentas manuais ou mecânicas. Fundidor-moldador em caixas - Executa moldações em
Possui conhecimentos específicos sobre concepção, desenho areia, em cujo interior são vazadas ligas metálicas em fusão,
e execução de móveis e embutidos de elevada qualidade. Por a fim de obter peças fundidas.
vezes é incumbido de efectuar restauros. Serralheiro civil - Constrói e ou monta e repara estrutu-
Encarregado - Controla e coordena os profissionais com ras metálicas, tubos condutores de combustíveis, ar ou va-
actividades afins. por, carroçarias de veículos automóveis, andaimes e simila-
Entalhador - Escolhe, predominantemente, motivos em res para edifícios, pontes, navios, caldeiras, cofres e outras
madeira em alto ou em baixo-relevo; procede à restauração obras.
ou conserto de determinadas peças, tais como imagens e mó- Serralheiro mecânico - Executa peças, monta, repara e
veis de estilo. conserva vários tipos de máquinas, motores e outros conjun-
Estofador - Executa operações de traçar, talhar, coser, en- tos mecânicos, com excepção dos instrumentos de precisão
chumaçar, pegar ou grampar na confecção de estofos, arran- e das instalações eléctricas. Incluem-se nesta categoria os
jos e outras reparações em móveis ou superfícies a estofar. profissionais que, para aproveitamento de órgãos mecânicos,
Marceneiro - Fabrica, monta, transforma, folheia e re- procedem à sua desmontagem, nomeadamente de máquinas
para móveis de madeira, utilizando ferramentas manuais e e veículos automóveis considerados sucata.
mecânicas. Subencarregado - Auxilia o encarregado e substitui-o nas
Mecânico de madeiras - Opera com máquinas de traba- suas faltas e impedimentos.
lhar madeira, designadamente máquinas combinadas, má-
Trabalhadores de panificação
quinas de orlar, engenhos de furar, garlopas, desengrossadei-
ras, plainas, tornos, tupias e outros. Ajudante de padaria - Corta, pesa, enrola e tende a massa
Pintor-decorador - Executa e restaura decorações em a panificar, a fim de lhe transmitir as características requeri-
superfícies diversas, servindo-se de tintas, massas e outros das, para o que utiliza faca e balança ou máquinas divisoras,
materiais. Por vezes pinta e restaura mobiliários de elevado pesadoras, enroladoras ou outras com que trabalha, cuidando
valor artístico e executa douramentos a ouro. da sua limpeza e arrumação, podendo ainda colaborar com
Pintor de lisos (madeira) - Executa pinturas, douramen- o amassador e o forneiro. Pode também ser designado por
tos e respectivos restauros em madeira lisa, a que previamen- manipulador ou panificador.
te aplica adequado tratamento com aparelho de cré e uma Amassador - Amassa manualmente ou alimenta, regula e
lavagem com cola de pelica. Executa as tarefas do dourador assegura o funcionamento de máquinas utilizadas na amas-
de madeira quando necessita de dourar. sadura da farinha a panificar, sendo responsável pelo bom
Pintor de móveis - Executa todos os trabalhos de pintura fabrico do pão e produtos afins; manipula as massas e re-
de móveis, assim como engessar, amassar, preparar e lixar; fresca os iscos nas regiões em que tal sistema de fabrico seja
pinta também letras e traços. adoptado; substitui o encarregado de fabrico nas suas faltas
Polidor de móveis - Dá polimento na madeira, transmi- e impedimentos.
tindo-lhe a tonalidade e brilho desejados. Aprendiz - Faz a aprendizagem para desempenhar as tare-
Serrador de serra de fita - Regula e manobra uma máqui- fas de amassador ou forneiro.
na com uma ou mais serras de fita com ou sem alimentador. Encarregado de fabrico - É o responsável pela aquisição
Subencarregado - Auxilia o encarregado e substitui-o nas de matérias-primas, pelo fabrico em tempo para a expedi-
suas faltas e impedimentos. ção e pela elaboração dos respectivos mapas, competindo-
-lhe ainda assegurar a boa qualidade do pão e a disciplina do
Trabalhadores metalúrgicos
pessoal de fabrico.
Bate-chapas - Procede à execução e reparação de peças Forneiro - Alimenta, regula e assegura o funcionamento
em chapa fina, enforma e desempena por martelagem. do forno destinado a cozer pão e produtos afins, sendo res-
Batedor de ouro em folha - Bate ouro em folha, servindo- ponsável pela boa cozedura do pão bem como pelo enforna-
-se de martelos e livros apropriados, a fim de lhe diminuir mento e saída.

1978
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Trabalhadores de habilitação e reabilitação e emprego mente demonstrativos e as técnicas pedagógicas a utilizar


protegido de acordo com os objectivos, a temática e as características
dos formandos; define, prepara e ou elabora meios e supor-
Técnico superior de educação especial e reabilitação/
tes didácticos de apoio, tais como documentação, materiais
reabilitação psicomotora - É o trabalhador que, de acor-
e equipamentos, ferramentas, visitas de estudo; desenvolve
do com modelos, técnicas e instrumentos, avalia, planeia e
as sessões, transmitindo e desenvolvendo conhecimentos de
intervém, junto dos utentes de todas as faixas etárias, nas
natureza teórico-prática, demonstrando a execução do gesto
áreas da psicomotricidade (intervenção precoce, reeduca-
profissional e promovendo a respectiva repetição e correc-
ção e terapia psicomotora), da actividade motora adaptada
ção; elabora, aplica e classifica testes de avaliação tais como
(condição física, recreação e desporto adaptado), da autono-
questionários e inquéritos. Elabora ou participa na elabora-
mia social (competências sociais, cognitivas e de adaptação
ção de programas de formação e ou no processo de selecção
conducentes à autonomia e independência do indivíduo em
de candidatos e formandos.
diferentes contextos, ao nível do indivíduo, da família e da
Revisor - Procede à leitura de provas de texto.
comunidade), e ainda nos domínios das acessibilidades e das
Técnico de braille - Ensina invisuais a ler e escrever
ajudas técnicas.
braille.
Auxiliar de actividades ocupacionais - É o trabalhador
Técnico de reabilitação - Aplica determinado sistema de
que acompanha os jovens dentro e fora do estabelecimento,
reabilitação numa área específica de deficientes.
participa na ocupação dos tempos livres, apoia os jovens na
Tradutor - Traduz para braille textos de natureza diversa,
realização de actividades, dentro ou fora da sala, auxilia nas
designadamente técnica e cultural, após leitura dos mesmos,
tarefas de prestação de alimentos, higiene e conforto.
para que não haja alteração das ideias fundamentais do ori-
Arquivista - Classifica e arquiva as obras recebidas no
ginal.
arquivo; regista as entradas e saídas de livros; elabora fichas
Monitor de CAO (actividades ocupacionais) - De acordo
dos utentes para envio de obras pelo correio, confrontando
com os planos individuais de desenvolvimento dos utentes,
e registando os nomes e endereços em negro e em braille;
participa na definição das actividades a desenvolver, elabo-
mantém-se actualizado relativamente à saída de novas publi-
ra os programas das áreas temáticas definidas, selecciona os
cações em braille.
métodos essencialmente demonstrativos a utilizar, prepara e
Encarregados de emprego protegido e empresas de in-
desenvolve as actividades diárias, participa nos projectos de
serção - Coordena e controla as tarefas executadas por um
centro e nos processos de avaliação individual.
número de trabalhadores, executa tarefas do mesmo tipo das
Monitor/formador de habilitação e reabilitação - É o tra-
realizadas pelos trabalhadores que dirige.
balhador que ministra cursos de formação a indivíduos por-
Encarregado de oficina - Coordena e dirige os trabalhos
tadores de deficiência, independentemente da sua tipologia
da oficina; ministra formação e aperfeiçoamento profissio-
ou grau, ou a indivíduos com problemas de aprendizagem.
nal.
Elabora e desenvolve os programas e instrumentos práticos,
Formador - Planeia, prepara, desenvolve e avalia sessões
técnicos e pedagógicos, necessários ao desenvolvimento e
de formação de uma área científico-tecnológica específica,
realização de acções de formação.
utilizando métodos e técnicas pedagógicas adequadas: ela-
bora o programa da área formativa a ministrar, definindo os Trabalhadores rodoviários e de postos de abastecimento
objectivos e os conteúdos programáticos de acordo com as
Abastecedor - Fornece carburantes nos postos e bombas
competências terminais a atingir; define critérios e seleccio-
abastecedoras, competindo-lhe também cuidar das referidas
na os métodos e técnicas pedagógicas a utilizar de acordo
bombas; presta assistência aos clientes, nomeadamente na
com os objectivos, a temática e as características dos forma-
verificação do óleo do motor, da água e da pressão dos pneus.
dores; define, prepara e ou elabora meios e suportes didác-
Ajudante de motorista - Acompanha o motorista, compe-
ticos de apoio, tais como áudio-visuais, jogos pedagógicos
tindo-lhe auxiliá-lo na manutenção do veículo; vigia, indica
e documentação; desenvolve as sessões, transmitindo e de-
as manobras; arruma as mercadorias no veículo e auxilia na
senvolvendo conhecimentos; avalia as sessões de formação,
descarga, fazendo no veículo a entrega das mercadorias a
utilizando técnicas e instrumentos de avaliação, tais como
quem as carrega e transporta para o local a que se destinam;
inquéritos, questionários, trabalhos práticos e observação.
entrega directamente ao destinatário pequenos volumes de
Por vezes elabora, aplica e classifica testes de avaliação.
mercadorias com pouco peso.
Pode elaborar ou participar na elaboração de programas de
Encarregado - É o trabalhador que nas garagens, esta-
formação.
ções de serviço, postos de abastecimento, parques de esta-
Impressor - Predominantemente, assegura o funciona-
cionamento e estabelecimentos de venda de combustíveis,
mento de máquinas de impressão, para impressão em braille.
lubrificantes e pneus representa a entidade empregadora;
Monitor - Planeia, prepara, desenvolve e avalia sessões
atende os clientes, cobra e paga facturas; orienta o movimen-
de formação de uma área específica utilizando métodos e
to interno; fiscaliza e auxilia o restante pessoal.
técnicas pedagógicas adequadas; elabora o programa da área
Motorista de ligeiros - Conduz veículos ligeiros, pos-
temática a ministrar, definindo os objectivos e os conteúdos
suindo para o efeito carta de condução profissional; zela,
programáticos de acordo com as competências terminais a
sem execução, pela boa conservação e limpeza dos veículos;
atingir; define critérios e selecciona os métodos essencial-
verifica diariamente os níveis de óleo e de água e a pressão

1979
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

dos pneus; zela pela carga que transporta e efectua a carga logia e cirurgia cardiotorácica.
e descarga. Técnico dietista - Aplica conhecimentos de nutrição e
Motorista de pesados - Conduz veículos automóveis dietética na saúde em geral e na educação de grupos e indiví-
com mais de 3500 kg de carga ou mais de nove passageiros, duos, quer em situação de bem-estar quer na doença, desig-
possuindo para o efeito carta de condução profissional; com- nadamente no domínio da promoção e tratamento e da gestão
pete-lhe ainda zelar, sem execução, pela boa conservação e de recursos alimentares.
limpeza do veículo e pela carga que transporta, orientando Técnico de medicina nuclear - Desenvolve acções nas
também a sua carga e descarga; verifica os níveis de óleo e áreas de laboratório clínico, de medicina nuclear e de técnica
de água. fotográfica com manuseamento de aparelhagem e produtos
radioactivos, bem como executa exames morfológicos asso-
Trabalhadores dos serviços de diagnóstico e terapêutica
ciados ao emprego de agentes radioactivos e estudos dinâ-
A) Técnicos superiores micos e cinéticos com os mesmos agentes e com testagem
de produtos radioactivos, utilizando técnicas e normas de
Higienista oral - Realiza actividades de promoção da
protecção e segurança radiológica no manuseamento de ra-
saúde oral dos indivíduos e das comunidades, visando mé-
diações ionizantes.
todos epidemiológicos e acções de educação para a saúde;
Técnico de neurofisiologia - Realiza registos da activi-
presta cuidados individuais que visem prevenir e tratar as
dade bioeléctrica do sistema nervoso central e periférico,
doenças orais.
como meio de diagnóstico na área da neurofisiologia, com
Ortoprotésico - Avalia os indivíduos com problemas
particular incidência nas patologias do foro neurológico e
motores ou posturais, com a finalidade de conceber, dese-
neurocirúrgico, recorrendo a técnicas convencionais e ou
nhar e aplicar os dispositivos necessários e mais adequados
computorizadas.
à correcção do aparelho locomotor, ou à sua substituição no
Técnico de prótese dentária - Realiza actividades no do-
caso de amputações e desenvolve acções visando assegurar
mínio do desenho, preparação, fabrico, modificação e repa-
a colocação dos dispositivos fabricados e respectivo ajusta-
ração de próteses dentárias, mediante a utilização de produ-
mento, quando necessário.
tos, técnicas e procedimentos adequados.
Ortoptista - Desenvolve actividades no campo do diag-
Técnico de radiologia - Realiza todos os exames da área
nóstico e tratamento dos distúrbios da motilidade ocular, vi-
de radiologia de diagnóstico médico; programa, executa e
são binocular e anomalias associadas; realiza exames para
avalia todas as técnicas radiológicas que intervêm na pre-
correcção refractiva e adaptação de lentes de contacto, bem
venção e promoção da saúde; utiliza técnicas e normas de
como para análise da função visual e avaliação da condução
protecção e segurança radiológica no manuseamento de ra-
nervosa do estímulo visual e das deficiências do campo vi-
diações ionizantes.
sual; programa e utiliza terapêuticas específicas de recupe-
Técnico de radioterapia - Desenvolve actividades tera-
ração e reeducação das perturbações da visão binocular e da
pêuticas através da utilização de radiação ionizante para tra-
subvisão; leva a cabo acções de sensibilização, programas
tamentos, incluindo o pré-diagnóstico e follow-up do doente;
de rastreio e prevenção no âmbito da promoção e educação
prepara a verificação, assentamento e manobras de aparelhos
para a saúde.
de radioterapia; actua nas áreas de utilização de técnicas e
Técnico de análises clínicas e saúde pública - Desen-
normas de protecção e segurança radiológica no manusea-
volve actividades ao nível da patologia clínica, imunologia,
mento de radiações ionizantes.
hematologia clínica, genética e saúde pública, através do es-
Técnico de reabilitação/fisioterapeuta - Analisa e ava-
tudo, aplicação e avaliação das técnicas e modelos analíticos
lia o movimento e a postura, baseadas na estrutura e função
próprios, com fins de diagnóstico e de rastreio.
do corpo, utilizando modalidades educativas e terapêuticas
Técnico de anatomia patológica, citológica e tanatológi-
específicas, com base, essencialmente, no movimento, nas
ca - Trata tecidos biológicos colhidos no organismo vivo ou
terapias manipulativas e em meios físicos e naturais, com
morto, com observação macroscópica e microscópica, óptica
a finalidade da promoção da saúde e prevenção da doença,
e electrónica, com vista ao diagnóstico anatomopatológico;
da deficiência, da incapacidade e da inadaptação e de tratar,
realiza montagem de peças anatómicas para fins de ensino
habilitar ou reabilitar indivíduos com disfunções de nature-
e formação; executa e controla as diversas fases da técnica
za física, mental, de desenvolvimento ou outras, incluindo a
citológica.
dor, com o objectivo de os ajudar a atingir a máxima funcio-
Técnico de audiologia - Desenvolve actividades no âm-
nalidade e qualidade de vida.
bito da prevenção e conservação da audição, do diagnóstico
Técnico de reabilitação/terapeuta da fala - Desenvolve
e reabilitação auditiva, bem como no domínio da funciona-
actividades no âmbito da prevenção, avaliação e tratamento
lidade vestibular.
das perturbações da comunicação humana, englobando não
Técnico de cardiopneumologia - Desenvolve actividades
só todas as funções associadas à compreensão e expressão
técnicas para o estudo funcional e da capacidade anatomofi-
da linguagem oral e escrita, mas também outras formas de
siopatológica do coração, vasos e pulmões, e de actividades
comunicação não verbal.
ao nível da programação, aplicação de meios de diagnóstico
Técnico de reabilitação/terapeuta ocupacional - Avalia,
e sua avaliação, bem como no desenvolvimento de acções
trata e habilita indivíduos com disfunção física, mental, de
terapêuticas específicas, no âmbito da cardiologia, pneumo-
desenvolvimento, social ou outras, utilizando técnicas tera-

1980
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

pêuticas integradas em actividades seleccionadas consoante ser especializado em aparelhos de alta complexidade técnica,
o objectivo pretendido e enquadradas na relação terapeuta/ como analisadores automáticos, similares e outros.
utente; actua ao nível da prevenção da incapacidade, através Radiografista - Obtém radiografias, utilizando aparelhos
de estratégias adequadas com vista a proporcionar ao indiví- de raios X, para o que prepara o doente, tendo em vista o tipo
duo o máximo de desempenho e autonomia nas suas funções de exame pretendido; manipula os comandos do aparelho
pessoais e, se necessário, o estudo e desenvolvimento das para regular a duração da exposição e a intensidade da pe-
respectivas ajudas técnicas, em ordem a contribuir para uma netração da radiação; faz registos dos trabalhos executados.
melhoria da qualidade de vida. Radioterapeuta - Utiliza aparelhos de radiações ionizan-
Técnico de saúde ambiental - Desenvolve actividades de tes com fins terapêuticos; prepara o doente de acordo com o
identificação, caracterização e redução de factores de risco tipo de tratamento a efectuar; controla o desenrolar dos trata-
para a saúde originados no ambiente, participação no plane- mentos, vigiando aparelhos apropriados, regista os trabalhos
amento de acções de saúde ambiental e em acções de educa- efectuados.
ção para a saúde em grupos específicos da comunidade, bem Técnico de análises clínicas - Procede à colheita de to-
como desenvolvimento de acções de controlo e vigilância mas para análises; prepara e ensaia reagentes, meios de cul-
sanitária de sistemas, estruturas e actividades com interacção tura e solutos padrão correntes; manipula, pesquisa e doseia
no ambiente, no âmbito da legislação sobre higiene e saúde produtos biológicos, executa culturas, técnicas e caracteri-
ambiental. zações hematológicas; escolhe a técnica e o equipamento
mais adequados ao trabalho a efectuar; faz a testagem das
B) Técnicos
técnicas usadas e a usar, calculando os factores aferidos da
Cardiografista - Executa electrocardiogramas, vetocar- precisão e exactidão dos métodos e o respectivo coeficiente
diogramas, fonocardiogramas e outros, utilizando aparelhos de averiguação; observa os diferentes fenómenos, identifica-
apropriados; prepara o doente para o exame e observa duran- -os e regista-os conforme os padrões estabelecidos. É o pri-
te a sua execução tudo quanto possa contribuir para uma boa meiro responsável pelos dados fornecidos de acordo com os
interpretação dos traçados. estudos e determinações que efectua. Pode desenvolver a sua
Dietista - Elabora regimes alimentares para indivíduos actividade, entre outras, nas áreas de bioquímica, endocrino-
sãos e doentes; recolhe elementos (condições físicas, tipo de logia, genética, hematologia, microbiologia, parasitologia,
trabalho, idade) respeitantes ao indivíduo a quem as dietas hemoterapia e saúde pública.
se destinam; calcula as percentagens de proteínas, hidratos Técnico de audiometria - Faz diversos tipos de exames
de carbono e gorduras necessárias ao indivíduo; consulta ta- audiométricos, utilizando aparelhagem e técnicas apropria-
belas sobre valor calórico dos alimentos; procede a inquéri- das; faz a testagem das capacidades auditivas dos doentes e
tos alimentares, à inspecção de alimentos e verifica as suas das próteses auditivas; prepara as inserções moldadas para o
características organolépticas. Por vezes fornece indicações ouvido; treina os doentes portadores de aparelhos de próteses
quanto à conservação e confecção de alimentos. auditivas.
Electroencefalografista - Faz electroencefalogramas, Técnico de cardiopneumografia - Actua no âmbito de
utilizando um electroencefalógrafo; prepara o doente para cardiologia, angiologia, pneumologia e cirurgia torácica;
esse tipo de exame (colocação dos eléctrodos e preparação executa e regista actividades cardiopneumovasculares do
psicológica do examinado); observa durante a sua execução doente, designadamente electrocardiogramas, fonomeca-
tudo quanto possa contribuir para uma boa interpretação do nogramas, ecocardiogramas e vetocardiogramas; actua e
traçado. colabora na análise, medição e registo de diversos valores
Fisioterapeuta - Utiliza, sob prescrição médica, diferen- de parâmetros nas áreas do pacing cardíaco, electrofisiolo-
tes técnicas e métodos, designadamente exercícios terapêuti- gia e hemodinâmica; determina pulsos arteriais e venosos;
cos, treino funcional para as actividades da vida diária, técni- realiza espirogramas, pneumotacogramas, pletasmogramas,
cas de facilitação neuromuscular, cinesiterapia respiratória, provas ergométricas, provas farmacodinâmicas e gasometria
drenagem e outros, a fim de evitar a incapacidade quanto arterial; assegura a preparação do doente para os exames e
possível e obter a máxima recuperação funcional do indiví- verifica o correcto estado de funcionamento dos aparelhos,
duo. Pode utilizar outras técnicas, como sejam a hidrotera- colabora na implementação da técnica (ou técnicas) dentro
pia, as massagens e a electroterapia. do serviço a que pertença, nomeadamente na organização de
Pneumografista - Executa exames funcionais respirató- organogramas, montagem e manuseamento de arquivos.
rios (espirometria, mecânica ventilatória, provas farmacodi- Técnico de locomoção - Ensina, com vista ao desenvol-
nâmicas, difusão, gasometria arterial e ergometria), utilizan- vimento dos deficientes visuais, técnicas de locomoção e
do aparelhos apropriados; prepara o doente de acordo com o orientação na via pública, transportes, etc.
tipo de exame a efectuar; controla o desenrolar dos exames, Técnico de neurofisiografia - Executa os registos de teste
vigiando os aparelhos da função respiratória e a reacção do da actividade cerebral (electroencefalograma e neuromuscu-
doente; regista e efectua os cálculos dos resultados obtidos. lar); no âmbito da electroencefalografia executa o traçado e
Preparador de análises clínicas - Executa análises, de- no da electromielografia colabora, preparando o material e
pois de ter recebido ou feito colheita de amostras de produtos tomando notas dos actos técnicos executados pelo médico
biológicos; observa os fenómenos, identifica-os e regista-os; durante o exame; elabora fichas individuais dos doentes,
lava e procede à manutenção do material específico. Pode onde lança os dados colhidos dos registos efectuados.

1981
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Técnico de ortóptica - Aplica técnicas para correcção e miliar e doméstica.


recuperação dos desequilíbrios motores do globo ocular e Animador cultural - Organiza, coordena e ou desenvolve
perturbações da visão binocular (heterofacias, estrabismos e actividades de animação e desenvolvimento sócio-cultural
paralisias oculomotoras); desempenha tarefas de perimetria, junto dos utentes no âmbito dos objectivos da instituição;
fazendo campos visuais, tonometria e tonografia, bem como acompanha e procura desenvolver o espírito de pertença, co-
exames de adaptometrista, visão de cores, electroculagrafia e operação e solidariedade das pessoas, bem como proporcio-
fotografia dos olhos a curta distância; elabora fichas indivi- nar o desenvolvimento das suas capacidades de expressão
duais de observação, onde regista os dados obtidos nos exa- e realização, utilizando para tal métodos pedagógicos e de
mes efectuados; executa tratamento ortóptico de recuperação animação.
pós-operatória. (A anterior categoria de animador cultural de grau II
Técnico ortoprotésico - Executa, segundo prescrição mé- passou a designar-se animador cultural a partir do CCT pu-
dica, próteses e ortóteses; assegura a colocação dos membros blicado no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 6, de 15 de
artificiais e outros aparelhos ortopédicos, tendo em vista a Fevereiro de 2012.)
correcção de deformações. Educador social - Presta ajuda técnica com carácter edu-
Terapeuta da fala - Elabora, sob prescrição médica, a cativo e social, em ordem ao aperfeiçoamento das condições
partir da observação directa do doente e conhecimento dos de vida dos grupos etários e sociais com que trabalha; realiza
respectivos antecedentes, o plano terapêutico, consoante a e apoia actividades de carácter recreativo, para crianças, ado-
deficiência da fala diagnosticada pelo médico; reeduca alte- lescentes, jovens e idosos.
rações de linguagem, nomeadamente perturbações de articu- Técnico de actividades de tempos livres (ATL) - Orienta
lação, voz, fluência, atrasos no seu desenvolvimento e perda e coordena a actividade dos ajudantes de ocupação. Actua
da capacidade da fala, utilizando os métodos e técnicas mais junto de crianças em idade escolar, com vista à sua ocupação
apropriados; orienta o doente, a família e os professores, ten- durante o tempo deixado livre pela escola, proporcionando-
do em vista complementar a acção terapêutica. -lhes ambiente adequado e actividades de carácter educativo;
Terapeuta ocupacional - Elabora, sob prescrição médica, acompanha a evolução da criança e estabelece contactos com
a partir da observação directa do doente e conhecimento dos os pais e professores no sentido de obter uma acção educa-
respectivos antecedentes, o plano terapêutico, consoante a tiva integrada e de despiste de eventuais casos sociais e de
deficiência diagnosticada pelo médico; procede ao tratamen- problemas de foro psíquico que careçam de especial atenção
to do doente, através da orientação do uso de actividades es- e encaminhamento. Em alguns casos conta com o apoio do
colhidas, tais como domésticas, jardinagem, artesanais, des- psicólogo.
portivas, artísticas e sócio-recreativas, e orienta o doente, a Técnico auxiliar de serviço social - Ajuda os utentes em
família e outros elementos do seu agregado laboral e social. situação de carência social a melhorar as suas condições de
vida; coadjuva ou organiza actividades de carácter educativo
C) Técnicos auxiliares
e recreativo para crianças, adolescentes e jovens, bem como
Ajudante técnico de análises clínicas - Executa trabalhos actividades de ocupação de tempos livres para idosos; apoia
técnicos simples, nomeadamente análises de urina correntes, os indivíduos na sua formação social e na obtenção de um
preparação de lâminas, de reagentes e de meios de cultura maior bem-estar; promove ou apoia cursos e campanhas de
simples; observa os fenómenos, identifica-os e regista-os; educação sanitária, de formação familiar e outros. Pode tam-
efectua colheitas e auxilia nas tarefas conducentes às trans- bém ser designado por auxiliar social.
fusões de sangue. Assistente social - Estuda e define normas gerais, esque-
Ajudante técnico de fisioterapia - Executa algumas ta- mas e regras de actuação do serviço social das instituições;
refas nos domínios de electroterapia e da hidroterapia de- procede à análise de problemas de serviço social directamen-
signadamente infravermelhos e ultravioletas, correntes de te relacionados com os serviços das instituições; assegura e
alta frequência e correntes galvânicas, banho de remoinho, promove a colaboração com os serviços sociais de outras ins-
calor húmido, local ou geral, parafinas, banhos de contraste tituições ou entidades; estuda com os indivíduos as soluções
e outros: coloca o doente nos aparelhos de mecanoterapia e possíveis dos seus problemas (descoberta do equipamento
aplica aerossóis. social de que podem dispor); ajuda os utentes a resolver ade-
Ortopédico - Assegura a colocação dos membros artifi- quadamente os seus problemas de adaptação e readaptação
ciais e outros aparelhos ortopédicos, segundo prescrição mé- social, fomentando uma decisão responsável.
dica, tendo em vista a correcção de deformações. Técnico superior de educação social - É o trabalhador
que concebe, investiga, executa, articula, potencia, apoia,
Trabalhadores sociais
gere, avalia projectos e programas assentes em redes, acto-
Agente de educação familiar - Promove a melhoria da res e parcerias sociais, assentes na prática sócio-educativa e
vida familiar, através da consciencialização do sentido e con- pedagógica, desenvolvida em contexto social, fomentando
teúdo dos papéis familiares e educação dos filhos e do ensino a aprendizagem permanente, a minimização e resolução de
de técnicas de simplificação e racionalização das tarefas do- problemas. Acompanha processos de socialização e inserção
mésticas; procura solucionar os problemas apresentados ou das pessoas reforçando as suas competências pessoais, so-
proporciona no domicílio, mediante a análise das condições ciais e profissionais.
reais do lar, os conselhos adequados à melhoria da vida fa- (Os educadores sociais de grau I, de 1.ª, de 2.ª ou de 3.ª,

1982
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

que detinham essa categoria anteriormente ao CCT publica- Arrumador - Observa os bilhetes e indica os lugares aos
do no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 6, de 15 de Feve- espectadores; distribui programas e prospectos dentro da
reiro de 2012, passaram a ser designados técnicos superiores sala.
de educação social, respectivamente de 1.ª, de 2.ª ou de 3.ª, Bilheteiro - Tem a responsabilidade integral dos serviços
mantendo todo o tempo de serviço que detinham naquelas de bilheteira, assegurando a venda de bilhetes, a elaboração
categorias, que foram então extintas) das folhas de bilheteira e os pagamentos e recebimentos
Técnico superior de animação sociocultural - É o traba- efectuados na bilheteira.
lhador que investiga, integrado em equipas multidisciplina- Projeccionista - Faz a projecção de filmes.
res, o grupo alvo e o seu meio envolvente, diagnosticando e
Encarregados gerais
analisando situações de risco e áreas de intervenção sob as
quais actuar. Planeia e implementa projectos de intervenção Encarregado geral - Controla e coordena directamente
comunitária. Planeia, organiza e promove/desenvolve acti- os encarregados.
vidades de carácter educativo, cultural, desportivo, social,
Reparação de calçado
lúdico, turístico e recreativo, em contexto institucional, na
comunidade ou ao domicílio, tendo em conta o serviço em Sapateiro - Repara sapatos usados, substituindo as solas,
que está integrado e as necessidades do grupo e dos indiví- palmilhas, saltos ou outras peças, que cose, prega e cola, uti-
duos, com vista a melhorar a sua qualidade de vida e a quali- lizando ferramentas manuais; limpa e engraxa o calçado.
dade da sua inserção e interacção social. Incentiva, fomenta Técnicos de desenho
e estimula as iniciativas dos indivíduos para que se organi-
zem e decidam o seu projecto lúdico ou social, dependendo Desenhador-projectista - Concebe, a partir de um pro-
do grupo alvo e dos objectivos da intervenção. Acompanha grama dado, verbal ou escrito, anteprojectos e projectos de
as alterações que se verifiquem na situação dos utentes que um conjunto ou partes de um conjunto, procedendo ao seu
afectem o seu bem-estar e actua de forma a ultrapassar pos- estudo, esboço ou desenho e efectuando os cálculos que,
síveis situações de isolamento, solidão e outras. não sendo específicos de engenharia, sejam necessários à
(Os animadores culturais de grau I, de 1.ª, de 2.ª ou de 3.ª, sua estruturação e interligação; elabora memórias ou notas
que detinham essa categoria anteriormente ao CCT publica- discriminativas que completem ou esclareçam aspectos par-
do no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 6, de 15 de Feve- ticulares das peças desenhadas, com perfeita observância de
reiro de 2012, passam a ser designados técnicos superiores normas, especificações técnicas e textos legais; colabora na
de animação sociocultural, respectivamente de 1.ª, de 2.ª ou elaboração de cadernos de encargos.
de 3.ª, mantendo todo o tempo de serviço que detinham na- Outros trabalhadores da saúde
quelas categorias, que foram então extintas.)
Técnico superior de mediação social - É o trabalhador Parteira - Dispensa cuidados a parturientes com o fim de
que, de forma autónoma, atende e avalia beneficiários e uten- auxiliar no momento do parto e no período pós-parto.
tes, procede à análise das situações individuais e promove Os trabalhadores que ainda subsistam nas Instituições,
o seu encaminhamento para as respostas adequadas a cada qualificados nas categorias de enfermeiro sem curso de pro-
situação, estabelece os contactos e assegura a articulação moção, auxiliar de enfermagem e ajudante de enfermagem,
necessários com serviços e entidades, públicos ou particu- categorias que foram legalmente extintas, são reclassifi-
lares, com vista à integração e inserção pessoal, social ou cados na categoria de auxiliar de acção médica, contando,
profissional das pessoas atendidas, nomeadamente as mais para a sua integração na carreira, todo o tempo de serviço
desfavorecidas perante o mercado de trabalho ou em situa- que possuem nas referidas categorias, extintas pelo CCT
ção ou risco de exclusão social, acompanha, segue, avalia e publicado no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 6, de 15 de
investiga as situações por si trabalhadas. Fevereiro de 2012.
Mediador sociocultural - É o trabalhador que tem por Nota - Os trabalhadores que, actualmente, se encontrem ao serviço de
função colaborar na integração dos imigrantes e minorias ét- instituições, integrados em qualquer uma das categorias extintas a partir de
data da publicação da revisão do CCT publicado no Boletim do Trabalho e
nicas, na perspectiva do reforço do diálogo intercultural e da
Emprego, n.º 6, de 15 de Fevereiro de 2012, nomeadamente, correspondente
coesão e inclusões sociais, para tal colaborando na resolução em línguas estrangeiras, cinzelador de metais não preciosos, dourador, en-
de conflitos socioculturais e na definição de estratégias de carregado de câmara escura, ebanista, entalhador, estereotipador, fundidor-
intervenção social; colaborando activamente com todos os -monotipista, impressor (flexografia), preparador de máquinas e ferramen-
tas, teclista, correeiro, ferramenteiro, funileiro-latoeiro, batedor de ouro em
intervenientes dos processos de intervenção social e educati-
folha, fotocompositor, mecânico de madeiras, perfurador de fotocomposi-
va; facilitando a comunicação entre profissionais e utentes de ção, restaurador de folhas - mantêm o enquadramento, o conteúdo funcional
origem cultural diferente; assessorando os utentes na relação e o nível de remuneração actualmente em relação a si praticado, com o di-
com profissionais e serviços públicos e privados; promoven- reito às variações salariais que forem sendo aplicadas a idênticas categorias.
Os correspondentes lugares serão, no entanto, a extinguir quando vaga-
do a inclusão de cidadãos de diferentes origens sociais e cul-
rem, não havendo, no âmbito do enquadramento da contratação colectiva,
turais em igualdade de condições novas admissões para as referidas categorias.
Outros trabalhadores
ANEXO II
Cinema
Condições específicas

1983
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Cobradores Telefonistas
Admissão Carreira
Constitui condição de admissão para a profissão de co- 1- A carreira do trabalhador com a profissão de telefonista
brador a idade mínima de 18 anos. desenvolve-se pelas categorias de 2.ª, 1.ª e principal.
2- Constitui requisito da promoção a telefonista de 1.ª e
Contínuos, guardas e barbeiros
principal a prestação de cinco anos de bom e efectivo serviço
Admissão na categoria imediatamente inferior.
Constitui condição de admissão para a profissão de guar- Trabalhadores administrativos
da ou guarda-rondista a idade mínima de 21 anos.
Admissão
Carreira
1- As habilitações mínimas exigíveis para a admissão de
1- A carreira do trabalhador com a profissão de contínuo, trabalhador com a profissão de documentalista, escriturário,
de guarda ou guarda-rondista e porteiro desenvolve-se pelas operador de computador, operador de máquinas auxiliares,
categorias de 2.ª e 1.ª operador de processamento de texto, recepcionista e secre-
2- Constitui requisito da promoção a prestação de cinco tário são o 9.º ano de escolaridade ou habilitações equiva-
anos de bom e efectivo serviço na categoria de contínuo, lentes.
guarda ou guarda-rondista e porteiro de 2.ª 2- As condições de admissão para as profissões de caixa,
chefe de escritório, chefe de departamento, chefe de secção,
Electricistas
escriturário principal, subchefe de secção, guarda-livros e te-
Aprendizagem, acesso e carreira soureiro são as seguintes:
1- O aprendiz será promovido a ajudante após dois anos a) Idade mínima de 18 anos;
de aprendizagem. b) 9.º ano de escolaridade ou habilitações equivalentes.
2- O ajudante será promovido a pré-oficial logo que com- 3- Constitui condição de admissão para a profissão de con-
plete dois anos naquela profissão. tabilista a titularidade de adequado curso de ensino superior.
3- Será admitido, no mínimo, como pré-oficial o trabalha- Estágio
dor diplomado pelas escolas oficiais nos cursos de electri-
1- O ingresso nas profissões de escriturário, operador de
cista ou electricista montador e ainda os diplomados com o
computador, operador de máquinas auxiliares e recepcionis-
curso de electricista da Casa Pia de Lisboa, Instituto Técnico
ta poderá ser precedido de estágio.
Militar dos Pupilos do Exército, 2.º grau de torpedeiros e
2- O estágio para escriturário terá a duração de dois anos,
electricistas da Marinha de Guerra Portuguesa, Escola de
sem prejuízo do disposto no número seguinte.
Marinheiros e Mecânicos da Marinha Mercante Portuguesa e
3- Para os trabalhadores admitidos com idade igual ou su-
cursos de formação adequada do extinto Fundo de Desenvol-
perior a 21 anos ou que completem 21 anos durante o está-
vimento de Mão-de-Obra ou do actual Instituto do Emprego
gio, este não poderá exceder um ano.
e Formação Profissional.
4- O estágio para operador de computador terá a duração
4- O pré-oficial será promovido a oficial electricista de 3.ª
de um ano.
logo que complete dois anos de bom e efectivo serviço na-
5- O estágio para operador de máquinas auxiliares e recep-
quela profissão.
cionista terá a duração de quatro meses.
5- A carreira do trabalhador com a profissão de oficial
electricista desenvolve-se pelas categorias de 3.ª, 2.ª e 1.ª Acesso e carreiras
6- Constitui requisito de promoção a oficial electricista de
1- Logo que completem o estágio, os estagiários ingres-
2.ª e 1.ª a prestação de três anos de bom e efectivo serviço na
sam na categoria mais baixa prevista na carreira para que
categoria imediatamente inferior.
estagiaram.
Fogueiros 2- A carreira do trabalhador com a profissão de escriturá-
rio desenvolve-se pelas categorias de terceiro-escriturário,
Admissão
segundo-escriturário e primeiro-escriturário.
As condições mínimas de admissão para o exercício de 3- Constitui requisito da promoção a segundo-escriturário
funções inerentes a qualquer das profissões incluídas neste e primeiro-escriturário a prestação de três anos de bom e
nível profissional são as constantes do Regulamento da Pro- efectivo serviço na categoria imediatamente inferior.
fissão de Fogueiro. 4- A carreira do trabalhador com a profissão de operador
Carreira de computador desenvolve-se pelas categorias de operador
de computador de 1.ª e 2.ª
1- A carreira do trabalhador com a profissão de fogueiro 5- Constitui requisito da promoção a operador de 1.ª a
desenvolve-se pelas categorias de 3.ª, 2.ª e 1.ª prestação de três anos de bom e efectivo serviço na categoria
2- Constitui requisito da promoção a fogueiro de 2.ª ou 1.ª de operador de computador de 2.ª
a prestação de três anos de bom e efectivo serviço na catego- 6- A carreira do trabalhador com a profissão de máquinas
ria imediatamente inferior. auxiliares, operador de processamento de texto e recepcio-

1984
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

nista desenvolve-se pelas categorias de 2.ª, 1.ª e principal. caixa de balcão, caixeiro-chefe de secção, caixeiro-encar-
7- Constitui requisito de promoção a operador de máqui- regado, encarregado de armazém, encarregado de sector de
nas auxiliares, operador de processamento de texto e recep- armazém e fiel de armazém a idade mínima de 18 anos.
cionista de 1.ª e principal a prestação de cinco anos de bom e
Carreira
efectivo serviço na categoria imediatamente inferior.
1- A carreira do trabalhador com a profissão de fiel de ar-
Trabalhadores da agricultura
mazém desenvolve-se pelas categorias de fiel de armazém
Admissão de 2.ª e 1.ª
2- Constitui requisito da promoção a prestação de cinco
1- Constitui condição de admissão para a profissão de fei-
anos de bom e efectivo serviço na categoria de fiel de arma-
tor a idade mínima de 18 anos.
zém de 2.ª
2- As condições mínimas de admissão para a profissão de
3- A carreira do trabalhador com a profissão de caixeiro
tractorista são:
desenvolve-se pelas categorias de caixeiro de 3.ª, 2.ª e 1.ª
a) Idade mínima de 18 anos;
4- Constitui requisito de promoção a caixeiro de 2.ª e 1.ª
b) Experiência e habilitações profissionais adequadas.
prestação de três anos de bom e efectivo serviço na categoria
Trabalhadores de apoio imediatamente inferior.
Carreira Trabalhadores da construção civil
1- A carreira do trabalhador com a profissão de ajudante de Aprendizagem e estágio
acção directa, de ajudante de acção educativa, de ajudante de
1- A aprendizagem para as profissões de carpinteiro de
estabelecimento de apoio a crianças deficientes e de auxiliar
limpos, carpinteiro de tosco ou cofragem, estucador, pedrei-
de acção média desenvolve-se pelas categorias de 3.ª, 2.ª e
ro e pintor tem a duração de dois anos.
1.ª
2- O aprendiz com mais de 18 anos de idade tem um perí-
2- Constitui requisito de promoção a ajudante de acção
odo mínimo de aprendizagem de 12 meses.
directa de 2.ª e 1.ª, a ajudante de acção educativa de 2.ª e
3- O aprendiz ascenderá a praticante logo que complete a
1.ª, a ajudante de estabelecimento de apoio a crianças
aprendizagem.
deficientes de 2.ª e 1.ª e a auxiliar de acção médica de 2.ª e
4- O período de tirocínio do praticante é de dois anos.
1.ª, a prestação de cinco anos de bom e efectivo serviço na
categoria imediatamente anterior. Acesso e carreira
3- No cômputo dos cinco anos necessários de permanência
1- O praticante ascende à categoria mais baixa da carreira
na categoria de ajudante de acção directa de 2.ª, para promo-
estabelecida para a respectiva profissão logo que complete
ção a ajudante de acção directa de 1.ª, será contado todo o
o tirocínio.
tempo de serviço prestado pelo trabalhador na extinta cate-
2- A carreira do trabalhador com a profissão de carpinteiro
goria de ajudante de lar e centro de dia e de ajudante familiar
de limpos, carpinteiro de tosco ou cofragem, estucador, pe-
domiciliário, ou noutras categorias de nível idêntico, nos ca-
dreiro e pintor desenvolve-se pelas categorias de 3.ª, 2.ª e 1.ª
sos em que a instituição tenha reclassificado os trabalhadores
3- Constitui requisito da promoção a carpinteiro de lim-
como ajudantes de acção directa.
pos, carpinteiro de tosco ou cofragem, estucador, pedreiro e
4- Os trabalhadores que, antes da entrada em vigor do CCT
pintor de 2.ª a 1.ª a prestação de três anos de bom e efectivo
publicado no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 17, de 8
serviço na categoria imediatamente inferior.
de Maio de 2006, detivessem a categoria de ajudante de lar e
centro de dia e de ajudante familiar de 1.ª, passaram a deter Auxiliar menor
a categoria de ajudante de acção directa de 1.ª, mantendo a
Logo que complete um ano de exercício de funções, o
antiguidade na nova categoria.
auxiliar menor transitará para aprendiz, salvo se, por ter
Trabalhadores auxiliares completado 18 anos de idade, tiver transitado para servente.
Carreira Trabalhadores de farmácia - Farmacêuticos
1- A carreira dos trabalhadores auxiliares de serviços Categorias profissionais
gerais desenvolve-se pelas categorias de auxiliar até cinco
1- As categorias profissionais são as seguintes:
anos, e auxiliar com mais de cinco anos.
a) Director técnico;
2- Constitui requisito de promoção a trabalhador auxiliar
b) Farmacêutico;
de serviços gerais com mais de cinco anos, a prestação de
c) Técnico de farmácia.
cinco anos de bom e efectivo serviço na categoria imediata-
2- A carreira dos trabalhadores com a profissão de técnico
mente inferior.
de farmácia desenvolve-se pelas categorias de 3.ª, 2.ª , 1.ª e
Trabalhadores do comércio e armazém principal.
3- Constitui condição de admissão na categoria de técnico
Admissão
de farmácia a titularidade de licenciatura oficialmente reco-
Constitui condição de admissão para as profissões de nhecida, ou equiparação a ela.

1985
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

4- Constitui requisito de promoção a técnico de farmácia remuneração previstas no anexo IV, conta-se como tempo de
de 2.º, de 1.ª ou principal a prestação de três anos de bom e serviço não apenas o tempo de serviço, efectivo e classifica-
efectivo serviço na categoria imediatamente anterior. do de bom, prestado no mesmo estabelecimento de ensino
ou em estabelecimentos de ensino pertencentes à mesma en-
Trabalhadores de farmácia - Profissionais de farmácia
tidade empregadora, mas também o serviço prestado noutros
Categorias profissionais estabelecimentos de ensino particular ou público, desde que
devidamente comprovado e classificado de bom e que a tal
As categorias profissionais são as seguintes:
não se oponham quaisquer disposições legais.
a) Ajudante técnico de farmácia (categoria residual);
Os docentes com a categoria de educador de infância e
b) Auxiliar de farmácia.
de professor do 1.º ciclo do ensino básico e com grau de
2- É ajudante técnico de farmácia o trabalhador que, ha-
licenciatura são remunerados pela tabela B-4, contando para
bilitado com o 9.º ano de escolaridade ou habilitações
o efeito todo o tempo de serviço docente prestado naquela
equivalentes, tenha completado 3 anos de prática na extinta
categoria.
categoria de ajudante de farmácia, com um mínimo de 250
Os docentes que obtiverem a profissionalização em servi-
dias de presença efectiva com bom aproveitamento. Trata-se
ço serão integrados nas respectivas carreiras de acordo com
de categoria residual, abrangendo apenas os ajudantes técni-
as suas habilitações académicas e profissionais e tempo de
cos de farmácia que não foram reclassificados em técnicos
serviço prestado, com efeitos a 1 de Setembro do ano civil
de farmácia, nos termos do Decreto-Lei n.º 320/99, de 11 de
em que a concluirem.
Agosto, sendo os respectivos lugares extintos à medida que
Os docentes legalmente dispensados da profissionaliza-
vagarem.
ção integram-se nos níveis correspondentes dos docentes
3- Só poderão ser admitidos como auxiliares de farmácia
profissionalizados, de acordo com o respectivo tempo de
os trabalhadores habilitados com a escolaridade obrigatória.
serviço.
Trabalhadores com funções de chefia dos serviços gerais
Psicólogo, sociólogo
Admissão
Carreira
1- As condições de admissão para chefe dos serviços ge-
1- A carreira dos trabalhadores com a profissão de psicó-
rais são as seguintes:
logo e sociólogo desenvolve-se pelas categorias de 3.ª, 2.ª,
a) Idade não inferior a 21 anos;
1.ª e principal.
b) 9.º ano de escolaridade obrigatória ou habilitações equi-
2- Constitui requisito de promoção a psicólogo e sociólogo
valentes;
de 2.ª, 1.ª e principal a prestação de três anos de bom e efec-
c) Experiência e habilitações profissionais adequadas.
tivo serviço na categoria imediatamente anterior.
2- As condições de admissão para encarregado, encarre-
gado geral, encarregado de sector e encarregado de serviços Trabalhadores gráficos
gerais são as seguintes:
Aprendizagem e tirocínio
a) Idade não inferior a 21 anos;
b) Experiência e habilitações profissionais adequadas. 1- A aprendizagem para as profissões de compositor ma-
nual, compositor mecânico (linotipista), costureiro de enca-
Trabalhadores com funções pedagógicas
dernação, encadernador, encadernador-dourador, fotocom-
Admissão positor, fotógrafo, impressor tipográfico, montador, operador
manual, operador de máquinas (de encadernação ou de aca-
1- Constitui condição de admissão para as profissões de
bamentos), perfurador de fotocomposição, restaurador de
professor e educador de infância a titularidade das habilita-
folhas, teclista monotipista e transportador tem a duração de
ções legalmente exigidas.
três anos.
2- Constitui condição de admissão para a profissão de au-
2- O aprendiz ascenderá a praticante logo que complete a
xiliar de educação a titularidade de diploma para o exercício
aprendizagem.
da profissão.
3- O período de tirocínio do praticante é de quatro anos.
3- As habilitações mínimas exigíveis para a admissão de
trabalhador com a profissão de educador de estabelecimento Acesso e carreira
e de prefeito são o 9.º ano de escolaridade ou habilitações
1- O praticante ascende à categoria mais baixa estabeleci-
equivalentes.
da para a respectiva profissão logo que complete o tirocínio.
4- A aquisição de grau superior ou equiparado que de acor-
2- A carreira do trabalhador com a profissão de compo-
do com a legislação em vigor determine uma reclassificação
sitor manual, compositor mecânico (linotipista), costureiro
na carreira docente produz efeitos a partir do dia 1 do mês
de encadernação, encadernador, encadernador-dourador,
seguinte à data da sua conclusão, desde que o docente o com-
fotocompositor, fotógrafo, impressor (litografia), impressor
prove em tempo oportuno.
tipográfico, montador, operador manual, operador de má-
Contagem do tempo de serviço quinas (de encadernação ou de acabamentos), perfurador de
fotocomposição, restaurador de folhas, teclista monotipista e
Para efeitos quer de ingresso quer de progressão dos edu-
transportador desenvolve-se pelas categorias de 3.ª, 2.ª e 1.ª
cadores de infância e dos professores nos vários níveis de

1986
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

3- Constitui requisito de promoção a compositor manual, cozinha desenvolve-se pelas categorias de ajudante de cozi-
compositor mecânico (linotipista), costureiro de encaderna- nha até 5 anos e de ajudante de cozinha com mais de cinco
ção, encadernador, encadernador-dourador, fotocompositor, anos.
fotógrafo, impressor (litografia), impressor tipográfico, mon- 4- Constitui requisito de promoção a ajudante de cozinha
tador, operador manual, operador de máquinas (de encader- com mais de cinco anos a prestação de cinco anos de bom e
nação ou de acabamentos), perfurador de fotocomposição, efectivo serviço na categoria imediatamente inferior.
restaurador de folhas, teclista monotipista e transportador de 5- A carreira dos trabalhadores com a profissão de empre-
2.ª e 1.ª a prestação de três anos de bom e efectivo serviço na gado de balcão, empregado de mesa e empregado de refeitó-
categoria imediatamente inferior. rio desenvolve-se pelas categorias de empregado de balcão,
4- As profissões de fotocompositor, perfurador de com- empregado de mesa e empregado de refeitório até cinco anos
posição, restaurador de folhas e teclista monotipista são a e com mais de cinco anos.
extinguir quando vagarem os lugares das carreiras corres- 6- Constitui requisito de promoção de empregado de bal-
pondentes actualmente ocupados. cão, empregado de mesa e empregado de refeitório com mais
de cinco anos a prestação de cinco anos de bom e efectivo
Trabalhadores de hotelaria
serviço na categoria imediatamente inferior.
Admissão 7- As carreiras do trabalhador com a profissão de cozinhei-
ro e pasteleiro desenvolvem-se pelas categorias de 3.ª, 2.ª e
As condições mínimas de admissão para o exercício de
1.ª
funções inerentes a qualquer das profissões incluída no nível
8- Constitui requisito da promoção a cozinheiro e paste-
profissional dos trabalhadores de hotelaria são as seguintes:
leiro de 2.ª e 1.ª a prestação de cinco anos de bom e efectivo
a) Robustez física suficiente para o exercício da activida-
serviço na categoria imediatamente inferior.
de, a comprovar pelo boletim de sanidade, quando exigido
por lei; Trabalhadores de lavandaria e de roupas
b) Titularidade de carteira profissional, quando obrigatória
Aprendizagem
para a respectiva profissão.
1- Os trabalhadores admitidos com menos de 18 anos de
Aprendizagem
idade têm um período de aprendizagem nunca inferior a 12
1- Os trabalhadores admitidos com menos de 18 anos de meses.
idade terão um período de aprendizagem nunca inferior a 12 2- A aprendizagem para a profissão de costureira/alfaiate
meses. tem a duração de dois anos, independentemente da idade de
2- A aprendizagem para as profissões de cozinheiro, des- admissão.
penseiro e pasteleiro terá a duração de dois anos, indepen- 3- A aprendizagem para as profissões de engomador, la-
dentemente da idade de admissão. vadeiro e roupeiro, quando a admissão ocorra depois dos 18
3- A aprendizagem para as profissões de empregado de anos, tem a duração de um ano.
balcão, empregado de mesa e empregado de refeitório, quan- 4- O aprendiz ascenderá a estagiário logo que complete a
do a admissão ocorra depois dos 18 anos, tem a duração de aprendizagem.
um ano.
Estágio
4- A aprendizagem para as profissões de empregado de
quartos/camaratas/enfermarias e empregado de refeitório, 1- O estágio para a profissão de costureiro/alfaiate tem a
quando a admissão ocorra depois dos 18 anos, tem a duração duração de 12 meses.
de seis meses. 2- O estágio para a profissão de engomador, lavadeiro e
5- O aprendiz ascenderá a estagiário logo que complete a roupeiro tem a duração de seis meses.
aprendizagem. 3- O estagiário ingressa na profissão logo que complete o
período de estágio.
Estágio
Trabalhadores de madeiras, mobiliário e decoração
1- O estágio para cozinheiro e pasteleiro terá a duração de
quatro anos, subdividido em períodos iguais. Aprendizagem e tirocínio
2- O estágio para despenseiro, empregado de balcão, em-
1- A aprendizagem para as profissões de bordadeira (ta-
pregado de mesa empregado de refeitório tem a duração de
peçarias), carpinteiro, dourador de ouro fino, ebanista, en-
12 meses.
talhador, estofador, marceneiro, mecânico de madeiras, pin-
3- O estágio para a profissão de empregado de quartos/ca-
tor-decorador, pintor de lisos (madeira), pintor de móveis,
maratas/enfermarias tem a duração de seis meses.
polidor de móveis e serrador de serra (fita) tem a duração de
Acesso e carreira dois anos.
2- O aprendiz com mais de 18 anos de idade tem um perí-
1- O estagiário ingressa na profissão logo que complete o
odo mínimo de aprendizagem de 12 meses.
período de estágio.
3- O aprendiz ascenderá a praticante logo que complete a
2- O estagiário para cozinheiro e pasteleiro ascende à cate-
aprendizagem.
goria mais baixa estabelecida para as respectivas profissões.
4- O período de tirocínio do praticante é de dois anos.
3- A carreira do trabalhador com a profissão de ajudante de

1987
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Acesso e carreira da carteira profissional, nos casos em que estes constituam


título obrigatório para o exercício da profissão.
1- O praticante ascende à categoria mais baixa estabeleci-
da para a respectiva profissão logo que complete o tirocínio. Aprendizagem
2- A carreira do trabalhador com a profissão de bordadei-
1- A aprendizagem tem a duração de dois anos.
ra (tapeçarias), carpinteiro, dourador de ouro fino, ebanista,
2- O aprendiz ascenderá a ajudante de padaria logo que
entalhador, estofador, marceneiro, mecânico de madeiras,
complete o período de aprendizagem.
pintor-decorador, pintor de lisos (madeira), pintor de móveis,
3- O aprendiz com mais de 18 anos de idade ascenderá
polidor de móveis e serrador de serra (fita) desenvolve-se
a ajudante desde que permaneça um mínimo de 12 meses
pelas categorias de 3.ª, 2.ª e 1.ª
como aprendiz.
3- Constitui requisito da promoção a bordadeira (tapeça-
rias), carpinteiro, dourador de ouro fino, ebanista, entalha- Trabalhadores de habilitação e reabilitação e emprego
dor, estofador, marceneiro, mecânico de madeiras, pintor-de- protegido
corador, pintor de lisos (madeira), pintor de móveis, polidor
A) Técnicos superiores
de móveis e serrador de serra (fita) de 2.ª e 1.ª a prestação de
três anos de bom e efectivo serviço na categoria imediata- Admissão
mente inferior. Constitui condição de admissão para o exercício de fun-
4- As profissões de ebanista, entalhador e mecânico de ma- ções inerentes a técnico superior de educação especial e rea-
deiras são a extinguir quando vagarem os lugares das catego- bilitação/reabilitação psicomotora a titularidade de licencia-
rias correspondentes actualmente ocupados. tura oficialmente reconhecida.
Trabalhadores metalúrgicos Carreira
Aprendizagem e tirocínio 1- A carreira dos trabalhadores com a profissão de técni-
1- A aprendizagem para as profissões de bate-chapas, ba- co superior de educação especial e reabilitação/reabilitação
tedor de ouro em folha, canalizador (picheleiro), cinzelador psicomotora desenvolve-se pelas categorias de 3.ª, 2.ª, 1.ª e
de metais não preciosos, fundidor-moldador em caixas, funi- principal
leiro-latoeiro, serralheiro civil e serralheiro mecânico tem a 2- Constitui requisito de promoção a técnico superior de
duração de dois anos. educação especial e reabilitação/reabilitação psicomotora de
2- O aprendiz com mais de 18 anos de idade tem um perí- 2.ª, 1.ª e principal a prestação de três anos de bom e efectivo
odo mínimo de aprendizagem de 12 meses. serviço na categoria imediatamente anterior.
3- O aprendiz ascenderá a praticante logo que complete a B) Técnicos
aprendizagem.
4- O período de tirocínio do praticante é de dois anos. Admissão
Acesso e carreira 1- As condições de admissão para a profissão de impressor
são as seguintes:
1- O praticante ascende à categoria mais baixa estabeleci- a) Idade não inferior a 18 anos;
da para a respectiva profissão logo que complete o tirocínio. b) Experiência profissional adequada.
2- A carreira do trabalhador com a profissão de bate- 2- As condições de admissão para as profissões de arqui-
-chapas, batedor de ouro em folha, canalizador (picheleiro), vista, encarregado de oficina, revisor, técnico de braille, téc-
cinzelador de metais não preciosos, fundidor-moldador em nico de reabilitação e tradutor são as seguintes:
caixas, funileiro-latoeiro, serralheiro civil e serralheiro me- a) Idade não inferior a 18 anos;
cânico desenvolve-se pelas categorias de 3.ª, 2.ª e 1.ª b) Habilitações profissionais adequadas.
3- Constitui requisito da promoção a bate-chapas, batedor 3- Constitui condição de admissão para a profissão de for-
de ouro em folha, canalizador (picheleiro), cinzelador de me- mador a titularidade das habilitações legalmente exigidas.
tais não preciosos, fundidor-moldador em caixas, funileiro- 4- Constitui condição de admissão para a profissão de au-
-latoeiro, serralheiro civil e serralheiro mecânico de 2.ª e 1.ª xiliar de actividades ocupacionais a titularidade para o exer-
a prestação de três anos de bom e efectivo serviço na catego- cício da profissão.
ria imediatamente inferior. 5- Constitui condição de admissão para a profissão de mo-
4- As profissões de batedor de ouro em folha, cinzelador nitor de actividades ocupacionais e monitor/formador de ha-
de metais não preciosos e funileiro-latoeiro são a extinguir bilitação e reabilitação as habilitações legalmente exigidas
quando vagarem os lugares das categorias correspondentes para o exercício da profissão ou equiparadas.
actualmente ocupados.
Carreira
Trabalhadores de panificação
1- A carreira do trabalhador com a profissão de revisor e
Admissão tradutor desenvolve-se pelas categorias 2.ª, 1.ª e principal.
Constitui condição de admissão para os trabalhadores de 2- Constitui requisito da promoção a revisor e tradutor de
panificação a titularidade do boletim de sanidade, bem como 1.ª e principal a prestação de cinco anos de bom e efectivo

1988
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

serviço na categoria imediatamente inferior. B) Técnicos


3- A carreira do trabalhador com a profissão de monitor
Admissão
de actividades ocupacionais e monitor/formador de habilita-
ção e reabilitação desenvolve-se pelas categorias de 2.ª, 1.ª Constitui condição de admissão para a profissão de técni-
e principal. co de diagnóstico e terapêutica a titularidade das habilitações
4- Constitui requisito da promoção de 2.ª a 1.ª, a perma- legalmente exigidas e cédula profissional.
nência de três anos de bom e efectivo serviço.
Carreira
5- Constituem requisitos da promoção a monitor de acti-
vidades ocupacionais principal e monitor/formador de habi- 1- A carreira dos trabalhadores de uma das profissões men-
litação e reabilitação principal a prestação de cinco anos de cionadas, desenvolve-se pelas categorias 3.ª, 2.ª e 1.ª
bom e efectivo serviço e a titularidade de curso profissional 2- Constitui requisito da promoção a 2.ª e 1.ª a prestação
específico na área que lecciona. de três anos de bom e efectivo serviço na categoria imedia-
6- A carreira do trabalhador com a profissão de monitor tamente inferior.
desenvolve-se pelas categorias de 2.ª, 1.ª e principal. C) Auxiliares técnicos
7- Constitui requisito da promoção a monitor de 1.ª a pres-
tação de três anos de bom e efectivo serviço. Trabalhadores não detentores de cédula profissional, mas
8- Constituem requisitos da promoção a monitor principal que possuem uma autorização de exercício concedida pelo
a prestação de cinco anos de bom e efectivo serviço e a titula- Ministério da Saúde, sendo as suas categorias a extinguir
ridade de curso profissional específico na área que lecciona. quando vagarem. Exercem a actividade enquadrada por pro-
fissionais legalmente titulados.
C) Outros trabalhadores
Reclassificações
Constitui condição de admissão para a profissão de au-
xiliar de actividades ocupacionais a titularidade de diploma 1- Os técnicos de diagnóstico e terapêutica portadores de
para o exercício da profissão. licenciatura e cédula profissional foram reclassificados da
seguinte forma, nos termos do CCT publicado no Boletim
Trabalhadores rodoviários e de postos de abastecimentos do Trabalho e Emprego, n.º 6, de 15 de Fevereiro de 2012:
Admissão O dietista em técnico dietista;
O preparador de análises clínicas e o técnico de análises
1- As condições de admissão para o exercício das funções
clínicas em técnico de análises clínicas e saúde pública;
inerentes às profissões de motoristas ligeiros e de pesados
O técnico de audiometria em técnico de audiologia;
são as exigidas por lei.
O cardiografista, o pneumografista e o técnico de car-
2- Constitui condição de admissão para a profissão de
diopneumografia em técnico de cardiopneumologia;
abastecedor, ajudante de motorista e encarregado a idade mí-
O electroencefalogista e o técnico de neurofisiografia em
nima de 18 anos.
técnico de neurofisiologia;
Carreira O técnico de ortóptica em ortoptista;
O técnico ortoprotésico em ortoprotésico;
1- A carreira do trabalhador com as profissões de motorista
O radiografista em técnico de radiologia;
de ligeiros e de motorista de pesados desenvolve-se pelas
O radioterapeuta em técnico de radioterapia;
categorias de 2.ª e 1.ª
Os técnicos de reabilitação/fisioterapeutas, técnicos de
2- Constitui requisito de promoção a prestação de cinco
reabilitação/terapeutas da fala e técnicos de reabilitação/
anos de bom e efectivo serviço na categoria de motorista de
terapeutas ocupacionais detentores de licenciatura e cédula
2.ª
profissional mantêm a actual designação de categoria pro-
Trabalhadores de diagnóstico e terapêutica fissional.
2- Os técnicos de diagnóstico e terapêutica com licen-
A) Técnicos superiores
ciatura e cédula profissional, que foram reclassificados nos
Admissão termos do número anterior, ou das profissões de técnico de
anatomia patológica, técnico de medicina nuclear, técnico de
Constitui condição de admissão para a profissão de téc-
saúde ambiental, higienista oral e técnico de prótese dentária
nico superior de diagnóstico e terapêutica a posse da corres-
terão contado o tempo de serviço na nova categoria, para
pondente licenciatura e cédula profissional.
efeito de enquadramento na carreira, desde 22 de Fevereiro
Carreira de 2009 ou desde a data da conclusão de licenciatura, se pos-
1- A carreira dos técnicos superiores de diagnóstico e tera- terior a essa data.
pêutica desenvolve-se pelas categorias de 3.ª, 2.ª, 1.ª e prin- 3- Os trabalhadores dos serviços de diagnóstico e terapêu-
cipal. tica actualmente existentes, que não tenham obtido a licen-
2- Constitui requisito da promoção a 2.ª, 1.ª e principal a ciatura, mas que prossigam as suas funções ao abrigo de uma
prestação de três anos de bom e efectivo serviço na categoria autorização de exercício do Ministério da Saúde, mantém o
imediatamente inferior. enquadramento, designação de categorias, conteúdo funcio-
nal e em enquadramento de nível remuneratório descritos no

1989
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

CCT publicado no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 6, técnico superior de educação social, a partir da data em que
de 15 de Fevereiro de 2012, não podendo, no entanto, veri- adquiram o grau de licenciatura, ou 2.º ciclo de estudos su-
ficar-se novas admissões para essas categorias de quem não periores especializados nos termos do Processo de Bolonha
tenha habilitação correspondente ao 2.º ciclo de estudos su- e com efeitos a partir da mesma data.
periores, extinguindo-se os respectivos lugares à medida que 6- A carreira do trabalhador com a profissão de agente fa-
forem vagando, sendo designados de técnicos da categoria miliar, educador social e técnico auxiliar de serviço social
correspondente (sem curso). desenvolve-se pelas categorias de 2.ª e 1.ª
7- Constitui requisito da promoção a prestação de cinco
Trabalhadores sociais
anos de bom e efectivo serviço na categoria de agente de
Admissão educação familiar, educador social e técnico auxiliar de ser-
viço social de 2.ª
1- Constitui condição de admissão para o exercício de fun-
ções inerentes a assistente social, técnico superior de ani- Outros trabalhadores
mação sociocultural e técnico superior de educação social a
Cinema
titularidade de licenciatura oficialmente reconhecida.
2- Constitui condição de admissão para o exercício de fun- Admissão
ções inerentes a técnico superior de mediação social a titu-
1- As condições de admissão para a profissão de projeccio-
laridade de licenciatura anterior ao Processo de Bolonha ou
nista são as seguintes:
do 2.º ciclo de estudos superiores especializados, num caso
a) Idade não inferior a 18 anos;
ou noutro oficialmente reconhecidos, na área das Ciências
b) Habilitações profissionais adequadas.
Sociais e Humanas.
2- Constitui condição de admissão para a profissão de bi-
3- Constituem condições de admissão para a profissão de
lheteiro a idade mínima de 18 anos.
animador cultural:
a) 12.º ano de escolaridade ou habilitação equivalentes; Encarregados gerais
b) Formação profissional específica. Admissão
4- Constituem condições de admissão para a profissão de
mediador sociocultural: As condições de admissão para a profissão de encarrega-
a) 9.º ano de escolaridade ou habilitação equivalente; do geral são as seguintes:
b) Formação profissional conferente do nível II de qualifi- a) Idade não inferior a 21 anos;
cação profissional. b) Habilitações profissionais adequadas.
Carreira Enfermeiros
1- A carreira do trabalhador com a profissão de assistente Carreira
social, técnico superior de animação sociocultural, técnico A carreira dos trabalhadores com a profissão de enfermei-
superior de educação social e técnico superior de mediação ro desenvolve-se pelas categorias de enfermeiro, enfermeiro
social desenvolve-se pelas categorias de 3.ª, 2.ª, 1.ª e prin- com cinco ou mais anos de bom e efectivo serviço, enfermei-
cipal. ro especialista, enfermeiro-chefe e enfermeiro-supervisor.
2- Constitui requisito da promoção a assistente social, téc-
nico superior de animação sociocultural, técnico superior de
ANEXO III
educação social, técnico superior de mediação social de 3.ª
a 2.ª, de 2.ª a 1.ª e 1.ª a principal, a prestação de três anos de
bom e efectivo serviço na categoria imediatamente inferior. Enquadramento das profissões em níveis de
3- Os trabalhadores das extintas categorias de animadores qualificação
culturais de grau I e os educadores sociais de grau I com 1- Quadros superiores:
licenciatura transitaram para a nova categoria de técnicos Arquitecto;
superiores de animação sociocultural e técnicos superiores Assistente social;
de educação social, nos termos do CCT publicado no Bo- Conservador de museu;
letim do Trabalho e Emprego, n.º 6, de 15 de Fevereiro de Consultor jurídico;
2012, contando o tempo de serviço na nova categoria, para Contabilista;
efeito de enquadramento na carreira, desde 22 de Fevereiro Director de serviços;
de 2009, ou desde a data da conclusão da licenciatura, se Director dos serviços clínicos;
posterior a essa data. Director técnico (farmácia);
4- As categorias de animador cultural de grau II e de edu- Educador de infância;
cador social de grau II passaram a designar-se animador cul- Educador de estabelecimento com grau superior;
tural e educador social, extinguindo-se as anteriores designa- Enfermeiro;
ções, nos termos do mesmo CCT. Enfermeiro-chefe;
5- Os respectivos trabalhadores foram ou serão reclassi- Enfermeiro especialista;
ficados em técnicos superiores de animação sociocultural e Engenheiro técnico agrário;

1990
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Engenheiro técnico (construção civil); Técnico de locomoção;


Engenheiro técnico (electromecânica); Técnico de neurofisiologia;
Enfermeiro-supervisor; Técnico de ortóptica de reabilitação;
Engenheiro agrónomo; Técnico ortoprotésico;
Engenheiro civil; Terapeuta da fala;
Engenheiro electrotécnico; Terapeuta ocupacional.
Engenheiro silvicultor;
3- Encarregados, contramestres, mestres e chefes de
Farmacêutico;
equipa:
Formador;
Caixeiro-encarregado;
Higienista oral;
Cozinheiro-chefe;
Médico;
Encarregado de armazém;
Médico especialista;
Encarregado de exploração ou feitor;
Ortoptista;
Encarregado de fabrico;
Ortoprotésico;
Encarregado de obras;
Professor;
Encarregado de oficina;
Psicólogo;
Encarregado de parque de campismo;
Secretário-geral;
Encarregado de refeitório (hotelaria);
Sociólogo;
Encarregado de sector (serviços gerais);
Técnico de análises clínicas e saúde pública;
Encarregado de serviços gerais (serviços gerais);
Técnico de anatomia patológica, citológica e tanatológi-
Encarregado electricista;
ca;
Encarregado fiscal;
Técnico de audiologia;
Encarregado geral;
Técnico de cardiopneumologia;
Encarregados gerais (serviços gerais);
Técnico dietista;
Encarregado (madeiras);
Técnico de farmácia;
Encarregado (metalúrgicos);
Técnico de medicina nuclear;
Encarregado (rodoviários);
Técnico de neurofisiologia;
Encarregado (serviços gerais).
Técnico de prótese dentária;
Técnico de radiologia; 4- Profissionais altamente qualificados:
Técnico de radioterapia; 4.1- Administrativos, comércio e outros:
Técnico de reabilitação/terapeuta da fala; Agente de educação familiar;
Técnico de reabilitação/terapeuta ocupacional; Ajudante técnico de farmácia;
Técnico de reabilitação/fisioterapeuta; Animador cultural;
Técnico de saúde ambiental; Dietista;
Técnico superior de animação sociocultural; Documentalista;
Técnico superior de educação especial e reabilitação/rea- Educador social;
bilitação psicomotora; Educadora de infância com diploma;
Técnico superior de educação social; Encarregado fiscal;
Técnico superior de laboratório; Escriturário principal/subchefe de secção;
Técnico superior de mediação social; Enfermeiro sem curso de promoção;
Veterinário. Mediador sociocultural;
Monitor;
2- Quadros médios:
Monitor de CAO (actividades ocupacionais);
2.1- Técnicos administrativos:
Monitor/formador de habilitação e reabilitação;
Tesoureiro.
Preparador de análises clínicas;
2.2- Técnicos de produção e outros: Professor sem magistério;
Cardiografista; Revisor;
Educador de infância; Secretário;
Electroencefalografista; Técnico auxiliar de serviço social;
Fisioterapeuta; Técnico de actividades de tempos livres (ATL);
Pneumografista; Tradutor.
Radiografista; 4.2- Produção:
Radioterapeuta; Desenhador-projectista;
Técnico de análises clínicas; Estereotipador;
Técnico de audiometria; Fotógrafo (gráficos);
Técnico de braille; Impressor (litografia);
Técnico de cardiopneumografia; Pintor-decorador;
Técnico de farmácia (Cédula prof. s/licenciatura) Pintor de lisos (madeiras).

1991
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

5- Profissionais qualificados: Correeiro;


5.1- Administrativos: Cozinheiro;
Arquivista; Despenseiro;
Caixa; Educador de estabelecimento sem grau superior;
Escriturário; Encarregado de emprego protegido e empresas de inser-
Esteno-dactilógrafo; ção;
Operador de computador. Enfermeiro (sem curso de promoção);
Fiel de armazém;
5.2- Comércio:
Motorista de ligeiros;
Caixeiro.
Motorista de pesados;
5.3- Produção: Operador de máquinas agrícolas;
Amassador; Ortopédico;
Bate-chapas; Parteira (curso de partos);
Batedor de ouro em folha; Pasteleiro;
Bordadeira (tapeçarias); Prefeito;
Canalizador (picheleiro); Tractorista.
Carpinteiro;
6- Profissionais semiqualificados (especializados):
Carpinteiro de limpos;
6.1- Administrativos, comércio e outros:
Carpinteiro de tosco ou cofragens;
Abastecedor;
Compositor manual;
Ajudante de acção directa;
Compositor mecânico (linotipista);
Ajudante de acção educativa;
Encadernador;
Ajudante de cozinheiro;
Encadernador-dourador;
Ajudante de enfermaria;
Estofador;
Ajudante de estabelecimento de apoio a pessoas com de-
Estucador;
ficiência;
Fogueiro;
Ajudante de motorista;
Forneiro;
Ajudante de ocupação;
Fotocompositor;
Auxiliar de acção médica;
Fundidor-moldador em caixas;
Auxiliar de actividades ocupacionais;
Impressor (braille);
Auxiliar de laboratório;
Impressor tipográfico;
Barbeiro;
Marceneiro;
Bilheteiro;
Mecânico de madeiras;
Caixa de balcão;
Montador;
Capataz (agrícolas);
Oficial (electricista);
Caseiro (agrícolas);
Pedreiro;
Empregado de armazém;
Perfurador de fotocomposição;
Empregado de balcão;
Pintor;
Empregado de mesa;
Pintor de móveis;
Empregado de quartos/camaratas/enfermarias;
Polidor de móveis;
Empregado de refeitório;
Serrador de serra de fita;
Jardineiro;
Serralheiro civil;
Operador de máquinas auxiliares;
Serralheiro mecânico;
Operador de processamento de texto;
Restaurador de folhas;
Maqueiro;
Teclista monotipista;
Projeccionista;
Transportador.
Sapateiro;
5.4- Outros: Telefonista;
Ajudante de farmácia; Tratador ou guardador de gado.
Ajudante de feitor;
6.2- Produção:
Ajudante técnico de análises clínicas;
Ajudante de padaria;
Ajudante técnico de fisioterapia;
Capataz (construção civil);
Auxiliar de actividades ocupacionais;
Chegador ou ajudante de fogueiro;
Auxiliar de educação;
Costureiro de encadernação;
Auxiliar de enfermagem;
Operador de máquinas (encadernação e acabamentos);
Barbeiro-cabeleireiro;
Operador manual (encadernação e acabamentos).
Cabeleireiro;
Chefe de compras/ecónomo; 7- Profissionais não qualificados (indiferenciados):

1992
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

7.1- Administrativos, comércio e outros: (a) Profissão integrável em dois níveis de qualificação, consoante a di-
Arrumador. mensão do serviço ou secção chefiada e inerente grau de responsabilidade.
Auxiliar menor;
Contínuo; ANEXO IV
Engomador;
Guarda de propriedades ou florestal; Enquadramento das profissões e categorias
Guarda ou guarda-rondista; profissionais em níveis de remuneração
Hortelão ou trabalhador horto-florícola;
Lavadeiro; A - Geral
Paquete (*);
Porteiro; Nível I
Roupeiro; Director de serviços.
Trabalhador agrícola; Director de serviços clínicos.
Trabalhador auxiliar (serviços gerais). Enfermeiro-supervisor.
(*) O paquete desempenha as mesmas tarefas do contínuo, não consti- Secretário-geral.
tuindo a idade um elemento de diferenciação de profissão. Deve assim ter o
mesmo nível do contínuo. Nível II

7.2- Produção: Assistente social principal;


Servente (construção civil). Chefe de divisão;
Enfermeiro-chefe;
A- Praticantes e aprendizes: Higienista oral principal;
Ajudante de electricista; Ortoptista principal;
Aprendiz; Ortoprotésico principal;
Aspirante; Psicólogo principal;
Estagiário; Sociólogo principal;
Praticante; Técnico de análises clínicas e saúde pública principal;
Pré-oficial (electricista). Técnico de anatomia patológica, citológica e tanatológi-
ca principal;
Profissões integráveis em dois níveis Técnico de audiologia principal;
1- Quadros superiores/quadros médios - técnicos admi- Técnico de cardiopneumologia principal;
nistrativos: Técnico dietista principal (com licenciatura e cédula);
Chefe de departamento (chefe de serviços, chefe de escri- Técnico de farmácia principal;
tório e chefe de divisão) (a). Técnico de medicina nuclear principal;
2.1/3- Quadros médios - técnicos da produção e outros/ Técnico de neurofisiologia principal;
encarregados: Técnico de prótese dentária principal;
Chefe de serviços gerais (a). Técnico de radiologia principal;
3/5.2- Encarregados/profissionais qualificados - comércio: Técnico de radioterapia principal;
Caixeiro/chefe de secção. Técnico de reabilitação/fisioterapeuta principal;
3/5.3- Encarregados/profissionais qualificados - produção: Técnico de reabilitação/terapeuta da fala principal;
Chefe de equipa/oficial principal (electricistas); Técnico de reabilitação/terapeuta ocupacional principal;
Subencarregado (madeiras) e subencarregado (metalúr- Técnico de saúde ambiental principal;
gicos). Técnico superior de animação sócio-cultural principal;
3/5.4- Encarregados/profissionais qualificados - outros: Técnico superior de educação especial e reabilitação/rea-
Encarregado do sector de armazém. bilitação psicomotora principal;
5.1/6.1- Profissionais qualificados - administrativos/pro- Técnico superior de educação social principal;
fissionais semiqualificados - administrativos, comércio e Técnico superior de mediação social principal.
outros: Nível III
Cobrador;
Assistente social de 1.ª
Recepcionista.
Director técnico (FARM).
5.4/6.1- Profissionais qualificados - outros/profissionais
Enfermeiro especialista.
semiqualificados - administrativos, comércio e outros:
Higienista oral de 1.ª
Costureira/alfaiate.
Médico especialista.
5.3/6.2- Profissionais qualificados - produção/profissionais
Ortoptista de 1.ª
semiqualificados - produção:
Ortoprotésico de 1.ª
Restaurador de folhas.
Psicólogo de 1.ª
Sociólogo de 1.ª

1993
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Técnico de análises clínicas e saúde pública de 1.ª Técnico superior de educação especial e reabilitação/rea-
Técnico de anatomia patológica, citológica e tanatológi- bilitação psicomotora de 2.ª
ca de 1.ª Técnico superior de educação social de 2.ª
Técnico de audiologia de 1.ª Técnico superior de laboratório.
Técnico de cardiopneumologia de 1.ª Técnico superior de mediação social de 2.ª
Técnico dietista de 1.ª (com licenciatura e cédula). Veterinário.
Técnico de farmácia de 1.ª Nível V
Técnico de medicina nuclear de 1.ª
Assistente social de 3.ª
Técnico de neurofisiologia de 1.ª
Enfermeiro.
Técnico de prótese dentária de 1.ª
Higienista oral de 31.ª
Técnico de radiologia de 1.ª
Ortoptista de 3.ª
Técnico de radioterapia de 1.ª
Ortoprotésico de 3.ª
Técnico de reabilitação/fisioterapeuta de 1.ª
Psicólogo de 3.ª
Técnico de reabilitação/terapeuta da fala de 1.ª
Sociólogo de 3.ª
Técnico de reabilitação/terapeuta ocupacional de 1.ª
Técnico de análises clínicas e saúde pública de 3.ª
Técnico de saúde ambiental de 1.ª
Técnico de anatomia patológica, citológica e tanatológi-
Técnico superior de animação sociocultural de 1.ª
ca de 3.ª
Técnico superior de educação especial e reabilitação/rea-
Técnico de audiologia de 3.ª
bilitação psicomotora de 1.ª
Técnico de cardiopneumologia de 3.ª
Técnico superior de educação social de 1.ª
Técnico dietista de 3.ª (com licenciatura e cédula).
Técnico superior de mediação social de 1.ª
Técnico de farmácia de 3.ª
Nível IV Técnico de medicina nuclear de 3.ª
Técnico de neurofisiologia de 3.ª
Arquitecto.
Técnico de prótese dentária de 3ª
Assistente social de 2.ª
Técnico de radiologia de 3.ª
Conservador de museu.
Técnico de radioterapia de 3.ª
Consultor jurídico.
Técnico de reabilitação/fisioterapeuta de 3.ª
Enfermeiro com cinco ou mais anos de bom e efectivo
Técnico de reabilitação/terapeuta da fala de 3.ª
serviço.
Técnico de reabilitação/terapeuta ocupacional de 3.ª
Engenheiro agrónomo.
Técnico de saúde ambiental de 3ª
Engenheiro civil.
Técnico superior de animação sociocultural de 3.ª
Engenheiro electrotécnico.
Técnico superior de educação especial e reabilitação/rea-
Engenheiro silvicultor.
bilitação psicomotora de 3.ª
Farmacêutico.
Técnico superior de educação social de 3.ª
Formador.
Técnico superior de mediação social de 3.ª
Higienista oral de 2.ª
Médico (clínica geral). Nível VI
Ortoptista de 2.ª
Contabilista/técnico oficial de contas.
Ortoprotésico de 2.ª
Psicólogo de 2.ª Nível VII
Sociólogo de 2.ª Cardiografista principal.
Técnico de análises clínicas e saúde pública de 2.ª Chefe de departamento.
Técnico de anatomia patológica, citológica e tanatológi- Chefe de escritório.
ca de 2.ª Chefe de serviços.
Técnico de audiologia de 2.ª Dietista principal.
Técnico de cardiopneumologia de 2.ª Electroencefalografista principal.
Técnico dietista de 2.ª (com licenciatura e cédula). Engenheiro técnico agrário.
Técnico de farmácia de 2.ª Engenheiro técnico (construção civil).
Técnico de medicina nuclear de 2.ª Engenheiro técnico (electromecânico).
Técnico de neurofisiologia de 2.ª Fisioterapeuta principal.
Técnico de prótese dentária de 2ª Pneumografista principal.
Técnico de radiologia de 2.ª Preparador de análises clínicas principal.
Técnico de radioterapia de 2.ª Radiografista principal.
Técnico de reabilitação/fisioterapeuta de 2.ª Radioterapeuta principal.
Técnico de reabilitação/terapeuta da fala de 2.ª Técnico de análises clínicas principal.
Técnico de reabilitação/terapeuta ocupacional de 2.ª Técnico de audiometria principal.
Técnico de saúde ambiental de 2.ª Técnico de cardiopneumografia principal.
Técnico superior de animação sociocultural de 2.ª Técnico de locomoção principal.

1994
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Técnico de neurofisiografia principal. Radioterapeuta de 2.ª


Técnico ortoprotésico principal. Técnico de análises clínicas de 2.ª
Técnico de ortóptica principal. Técnico de audiometria de 2.ª
Terapeuta da fala principal. Técnico auxiliar de serviço social de 1.ª
Terapeuta ocupacional principal. Técnico de cardiopneumografia de 2.ª
Tesoureiro. Técnico de locomoção de 2.ª
Técnico de neurofisiografia de 2.ª
Nível VIII
Terapeuta da fala de 2.ª
Agente de educação familiar de 1.ª Terapeuta ocupacional de 2.ª
Ajudante técnico de farmácia (residual). Técnico ortoprotésico de 2.ª
Cardiografista de 1.ª Técnico de ortóptica de 2.ª
Chefe de secção (ADM).
Nível X
Chefe dos serviços gerais.
Desenhador projectista. Caixeiro chefe de secção.
Dietista de 1.ª Cinzelador de metais não preciosos de 1.ª
Educador social de 1.ª Chefe de equipa/oficial principal (EL).
Electroencefalografista de 1.ª Cozinheiro-chefe.
Encarregado geral. Documentalista.
Fisioterapeuta de 1.ª Dourador de ouro fino de 1.ª
Guarda-livros. Ebanista de 1.ª
Pneumografista de 1.ª Encarregado fiscal.
Preparador de análises clínicas de 1.ª Encarregado de sector de armazém.
Radiografista de 1.ª Encarregado geral de serviços gerais.
Radioterapeuta de 1.ª Entalhador de 1.ª
Técnico de actividades de tempos livres. Escriturário principal/subchefe de secção.
Técnico de análises clínicas de 1.ª Esteriotipador principal.
Técnico de audiometria de 1.ª Fotógrafo de 1.ª
Técnico de cardiopneumografia de 1.ª Impressor (litografia) de1.ª
Técnico de locomoção de 1.ª Monitor de 1.ª
Técnico de neurofisiografia de 1.ª Monitor/formador de habilitação e reabilitação de 1.ª
Técnico ortoprotésico de 1.ª Monitor de CAO principal.
Técnico de ortóptica de 1.ª Pintor-decorador de 1.ª
Terapeuta da fala de 1.ª Pintor de lisos (madeira) de 1.ª
Terapeuta ocupacional de 1.ª Revisor principal.
Secretário.
Nível IX
Subencarregado (MAD).
Agente de educação familiar de 2.ª Subencarregado (MET).
Animador cultural. Técnico auxiliar de serviço social de 2.ª
Caixeiro-encarregado. Técnico de braille.
Cardiografista de 2.ª Técnico de reabilitação.
Dietista de 2.ª Tradutor principal.
Educador social de 2.ª
Nível XI
Electroencefalografista de 2.ª
Encarregado (EL). Ajudante de farmácia do 3.º ano (residual).
Encarregado (MAD). Ajudante técnico de análises clínicas.
Encarregado (MET). Ajudante técnico de fisioterapia.
Encarregado de exploração ou feitor. Chefe de compras/ecónomo.
Encarregado de armazém. Dourador de ouro fino de 2.ª
Encarregado de fabrico. Ebanista de 2.ª
Encarregado de obras. Encarregado de serviços gerais.
Encarregado de oficina. Encarregado de refeitório.
Fisioterapeuta de 2.ª Enfermeiro sem curso de promoção.
Mediador sociocultural. Entalhador de 2.ª
Monitor/formador de habilitação e reabilitação principal. Estereotipador de 1.ª
Monitor principal. Fotógrafo de 2.ª
Pneumografista de 2.ª Impressor (litografia) de 2.ª
Preparador de análises clínicas de 2.ª Monitor de 2.ª
Radiografista de 2.ª Monitor/formador de habilitação e reabilitação de 2.ª

1995
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Monitor de CAO de 1.ª Pasteleiro de 1.ª


Ortopédico. Pedreiro/trolha de 1.ª
Parteira. Perfurador de fotocomposição de 1.ª
Pintor-decorador de 2.ª Pintor de 1.ª
Pintor de lisos (madeira) de 2.ª Pintor-decorador de 3.ª
Revisor de 1.ª Pintor de lisos (madeira) de 3.ª
Técnicos auxiliares de diagnóstico e terapêutica com au- Pintor de móveis de 1.ª
torização de exercício Polidor de móveis de 1.ª
Tradutor de 1.ª Revisor de 2.ª
Serrador de serra de fita de 1.ª
Nível XII
Serralheiro civil de 1.ª
Ajudante de acção directa de 1.ª Serralheiro mecânico de 1.ª
Ajudante de farmácia do 2.º ano (residual). Teclista monotipista de 1.ª
Ajudante de feitor. Tradutor de 2.ª
Arquivista. Transportador de 1.ª
Auxiliar de actividades ocupacionais com 11 ou mais
Nível XIII
anos de bom e efectivo serviço.
Auxiliar de educação com 11 ou mais anos de bom e Ajudante de acção directa de 2.ª
efectivo serviço. Ajudante de acção educativa de 1.ª
Auxiliar de enfermagem. Ajudante de estabelecimento de apoio a pessoas com de-
Barbeiro-cabeleireiro. ficiência de 1.ª
Bate-chapas de 1.ª Ajudante de farmácia do 1.º ano.
Batedor de ouro em folha de 1.ª Amassador.
Bordadeira (tapeçarias) de 1.ª Auxiliar de actividades ocupacionais com cinco anos de
Cabeleireiro. bom e efectivo serviço.
Caixa. Auxiliar de educação com cinco anos de bom e efectivo
Caixeiro de 1.ª serviço.
Canalizador (picheleiro) de 1.ª Bate-chapas de 2.ª
Carpinteiro de 1.ª Batedor de ouro em folha de 2.ª
Carpinteiro de limpos de 1.ª Bordadeira (tapeçarias) de 2.ª
Carpinteiro de tosco ou cofragem de 1.ª Caixeiro de 2.ª
Compositor manual de 1.ª Canalizador (picheleiro) de 2.ª
Compositor mecânico (linotipista) de 1.ª Carpinteiro de 2.ª
Cozinheiro de 1.ª Carpinteiro de limpos de 2.ª
Despenseiro. Carpinteiro de tosco ou cofragem de 2.ª
Dourador de ouro fino de 3.ª Cobrador.
Electricista (oficial) de 1.ª Compositor manual de 2.ª
Encadernador de 1.ª Compositor mecânico (linotipista) de 2.ª
Encadernador-dourador de 1.ª encarregado (ROD). Cozinheiro de 2.ª
Encarregado de parque de campismo. Electricista (oficial) de 2.ª
Encarregado de sector (serviços gerais). Encadernador de 2.ª
Escriturário de 1.ª Encadernador-dourador de 2.ª
Estofador de 1.ª Escriturário de 2.ª
Estucador de 1.ª Estofador de 2.ª
Fiel de armazém de 1.ª Estucador de 2.ª
Fogueiro de 1.ª Fiel de armazém de 2.ª
Fotocompositor de 1.ª Fogueiro de 2.ª
Fotógrafo de 3.ª Forneiro.
Fundidor-moldador em caixas de 1.ª Fotocompositor de 2.ª
Impressor (litografia) de 3.ª Fundidor-moldador em caixas de 2.ª
Impressor (braille). Impressor tipográfico de 2.ª
Impressor tipográfico de 1.ª Marceneiro de 2.ª
Marceneiro de 1.ª Mecânico de madeiras de 2.ª
Mecânico de madeiras de 1.ª Montador de 2.ª
Monitor de CAO de 2.ª Motorista de ligeiros de 1.ª
Montador de 1.ª Motorista de pesados de 2.ª
Motorista de pesados de 1.ª Operador de computadores de 2.ª
Operador de computador de 1.ª Operador de máquinas auxiliares principal.

1996
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Pasteleiro de 2.ª Pintor de móveis de 3.ª


Pedreiro/trolha de 2.ª Polidor de móveis de 3.ª
Perfurador de fotocomposição de 2.ª Prefeito.
Pintor de 2.ª Projeccionista.
Pintor de móveis de 2.ª Recepcionista principal.
Polidor de móveis de 2.ª Restaurador de folhas de 1.ª
Serrador de serra de fita de 2.ª Serrador de serra de fita de 3.ª
Serralheiro civil de 2.ª Serralheiro civil de 3.ª
Serralheiro mecânico de 2.ª Serralheiro mecânico de 3.ª
Teclista monotipista de 2.ª Teclista monotipista de 3.ª
Tractorista. Telefonista principal.
Transportador de 2.ª Transportador de 3.ª
Tratador ou guardador de gado.
Nível XIV
Nível XV
Ajudante de acção directa de 3.ª
Ajudante de acção educativa de 2.ª Ajudante de acção educativa de 3.ª
Ajudante de estabelecimento de apoio a pessoas com de- Ajudante de cozinheiro com mais de 5 anos de bom e
ficiência de 2.ª efectivo serviço.
Auxiliar de acção médica de 1.ª Ajudante de estabelecimento de apoio a pessoas com de-
Auxiliar de actividades ocupacionais. ficiência de 3.ª
Auxiliar de educação. Ajudante de enfermaria.
Bate-chapas de 3.ª Ajudante de ocupação.
Bordadeira (tapeçarias) de 3.ª Auxiliar de acção médica de 2.ª
Caixa de balcão. Capataz.
Caixeiro de 3.ª Costureira/alfaiate.
Canalizador (picheleiro) de 3.ª Costureiro de encadernação de 2.ª
Capataz (CC). Operador de processamento de texto de 1.ª
Carpinteiro de 3.ª Empregado de balcão com mais de cinco anos de bom e
Carpinteiro de limpos de 3.ª efectivo serviço.
Carpinteiro de tosco ou cofragem de 3.ª Empregado de mesa com mais de cinco anos de bom e
Compositor manual de 3.ª efectivo serviço.
Compositor mecânico (linotipista) de 3.ª Empregado de refeitório com mais de cinco anos de bom
Costureiro de encadernação de 1.ª e efectivo serviço.
Cozinheiro de 3.ª Estagiário do 2.º ano (ADM).
Operador de processamento de texto principal. Operador de computador estagiário.
Electricista (oficial) de 3.ª Operador de máquinas auxiliares de 2.ª
Empregado de armazém. Operador de máquinas (de encadernação ou de acaba-
Encadernador de 3.ª mentos) de 2.ª
Encadernador-dourador de 3.ª Operador manual de 2.ª
Encarregado de emprego protegido e empresas de inser- Pré-oficial do 2.º ano (EL).
ção. Recepcionista de 1.ª
Escriturário de 3.ª Restaurador de folhas de 2.ª
Estofador de 3.ª Sapateiro.
Estucador de 3.ª Telefonista de 1.ª
Fogueiro de 3.ª
Nível XVI
Fundidor-moldador em caixas de 3.ª
Impressor tipográfico de 3.ª Abastecedor.
Marceneiro de 3.ª Ajudante de cozinheiro até cinco anos.
Montador de 3.ª Ajudante de motorista.
Motorista de ligeiros de 2.ª Ajudante de padaria.
Operador de máquinas agrícolas. Auxiliar de acção médica de 3.ª
Operador de máquinas auxiliares de 1.ª Auxiliar de laboratório.
Operador de máquinas (de encadernação ou de acaba- Barbeiro.
mentos) de 1.ª Bilheteiro.
Operador manual de 1.ª Caseiro.
Pasteleiro de 3.ª Chegador ou ajudante de fogueiro.
Pedreiro/trolha de 3.ª Contínuo de 1.ª
Pintor de 3.ª Costureiro de encadernação de 3.ª

1997
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Empregado de balcão até cinco anos. Paquete de 17 anos.


Empregado de mesa até cinco anos.
Nível XXI
Empregado de refeitório até cinco anos.
Estagiário de operador de máquinas auxiliares. Aprendiz do 1.º ano (CC, EL, GRAF, HOT, LAV e ROUP,
Estagiário do 1.º ano (ADM). MAD, MET e PAN).
Guarda ou guarda-rondista de 1.ª Paquete de 16 anos.
Maqueiro.
Operador de máquinas (de encadernação ou de acaba- Notas:
mentos) de 3.ª
Operador manual de 3.ª 1- Os trabalhadores de apoio (ajudante de acção directa,
Operador de processamento de texto de 2.ª ajudante de acção educativa, ajudante de estabelecimento de
Porteiro de 1.ª apoio a pessoas com deficiência, auxiliar de acção médica)
Pré-oficial do 1.º ano (EL). que se encontrem posicionados na categoria de 1.ª mantêm
Recepcionista de 2.ª essa categoria e a actual retribuição, acedendo, no entanto,
Restaurador de folhas de 3.ª ao nível imediatamente superior do anexo IV a partir do mo-
Telefonista de 2.ª mento em que perfaçam cinco anos de bom e efetivo serviço
na actual categoria de 1.º, contados a partir de 1 de Janeiro
Nível XVII de 2012.
Ajudante do 2.º ano (EL). Os trabalhadores das mesmas carreiras actualmente po-
Arrumador. sicionados na categoria de 2.ª mantêm a referida categoria,
Contínuo de 2.ª progredindo, sem alteração nominal de categoria, ao nível
Empregado de quartos/camaratas/enfermarias. imediatamente superior do anexo IV ao fim de cinco anos
Engomador. de bom e efetivo serviço nessa categoria, e progredindo à
Estagiário de recepcionista. categoria de 1.ª após cinco anos de bem e efetivo serviço no
Guarda de propriedades ou florestal. nível referido.
Guarda ou guarda-rondista de 2.ª As admissões para estas carreiras serão doravante efectu-
Hortelão ou trabalhador horto-florícola. adas para a categoria de ingresso de 3.ª
Jardineiro. 2- Os trabalhadores ajudante de cozinheiro que, contados
Lavadeiro. desde 1 de Janeiro de 2012, perfaçam cinco anos de bom e
Porteiro de 2.ª efectivo serviço, ascendem automaticamente a ajudante de
Roupeiro. cozinheiro com mais de cinco anos.
Trabalhador agrícola. Os trabalhadores ajudante de cozinheiro com menos de
Trabalhador auxiliar (serviços gerais) com mais de cinco cinco anos de serviço mantém essa categoria e actual retri-
anos de bom e efectivo serviço. buição, acedendo ao nível imediatamente superior do anexo
IV, a partir do momento que perfaçam cinco anos de bom e
Nível XVIII efetivo serviço na actual categoria, contados a partir de 1 de
Ajudante do 1.º ano (EL). Janeiro de 2012.
Estagiário do 3.º e 4.º anos (HOT). As admissões para esta carreira serão doravante efectua-
Praticante do 2.º ano (CC, FARM, MAD e MET). das para a nova categoria de ingresso.
Praticante dos 3.º e 4.º anos (GRAF). 3- Os trabalhadores auxiliares de serviços gerais que, a
Servente (CC). partir de 1 de Janeiro de 2012, perfaçam cinco anos de bom e
Trabalhador auxiliar (serviços gerais) até cinco anos de efetivo serviço serão remunerados pelo nível XVII do anexo
serviço. IV.
4- Os trabalhadores com a categoria de ajudante de acção
Nível XIX directa , que tenham acordado o horário de trabalho normal
Estagiário (LAV e ROUP). semanal de quarenta horas, têm direito à retribuição cor-
Estagiário do 1.º e 2.º anos (HOT). respondente aos níveis respectivos da tabela A do anexo V,
Praticante do 1.º ano (CC, FARM, MAD e MET). acrescida de 8,1 %.
Praticante do 1.º e 2.º anos (GRAF). 5- Os trabalhadores com as categorias de ajudante de ac-
ção educativa, ajudante de estabelecimento de apoio a pes-
Nível XX soas com deficiência, ajudante de ocupação e auxiliar de
Aprendiz do 2.º ano (CC, EL, HOT, LAV e ROUP, MAD, acção médica, que tenham acordado o horário de trabalho
MET e PAN). normal semanal de quarenta horas, têm direito à retribuição
Aprendiz do 2.º e 3.º anos (GRAF). correspondente aos níveis respectivos da tabela A do anexo
Auxiliar menor. V, acrescida de 5,3 %.

1998
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

ANEXO V Professores do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico


II e ensino secundário, profissionalizado, sem grau 1 477
Tabela de retribuições mínimas superior e mais de 15 anos
Professores do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico
(de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2015) e ensino secundário, não profissionalizado, com
III 1 387
habilitação própria, de grau superior e mais de 10
anos
Tabela A Professores do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico
IV e ensino secundário, profissionalizado, sem grau 1 348
Nível Valores em euros
superior e mais de 10 anos
I 1 177
Professores do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e
II 1 098 V ensino secundário, não profissionalizado, com ha- 1 208
III 1 035 bilitação própria, de grau superior mais de 5 anos
IV 987 Restantes professores do 2.º e 3.º ciclos do ensino
VI 1 193
V 937 básico e ensino secundário com mais de 25 anos
VI 889 Professores do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico
e ensino secundário, não profissionalizado, com
VII 840 VII 1 155
habilitação própria, sem grau superior e mais de
VIII 793 10 anos
IX 746 Professores do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico
X 698 e ensino secundário, não profissionalizado, com
XI 650 habilitação própria, de grau superior
Professores do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico
XII 607 VIII 1 137
e ensino secundário, profissionalizado, sem grau
XIII 563 superior e mais de 5 anos
XIV 527 Restantes professores do 2.º e 3.º ciclos do ensino
XV 517 básico e ensino secundário com mais de 20 anos
XVI 513 Restantes professores do 2.º e 3.º ciclos do ensino
IX 1 081
básico e ensino secundário com mais de 15 anos
XVII 509
Professores do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico
XVIII 505
e ensino secundário, profissionalizado, sem grau
superior
Tabelas B Professores do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico
X e ensino secundário, não profissionalizado, com 960
1- Professores do 2.º e 3.º 2- Professores dos habilitação própria, sem grau superior e mais de
ciclos do ensino básico e 2.º e 3.º ciclos ensino 5 anos
Anos de secundário profissionali- básico e secundário Restantes professores do 2.º e 3.º ciclos do ensino
Níveis zado com licenciatura profissionalizado com básico e ensino secundário com mais de 10 anos
serviço
bacharelato Restantes professores do 2.º e 3.º ciclos ensino
XI 840
Valores em euros Valores em euros básico e ensino secundário com mais de 5 anos
I 26 ou mais 3 028 2 491 Professores do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico
XII e ensino secundário, não profissionalizado, com 819
II de 23 a 25 2 382 2 292
habilitação própria, sem grau superior
III de 20 a 22 2 035 1 920
Restantes professores do 2.º e 3.º ciclos do ensino
IV de 16 a 19 1 920 1 855 XIII 766
básico e ensino secundário
V de 13 a 15 1 855 1 707
VI de 9 a 12 1 707 1 473 4 - Educadores de 5 - Educadores de
VII de 4 a 8 1 473 1 359 Anos de infância e professo- infância e professores
Níveis
VIII de 1 a 3 994 994 serviço res com licenciatura do ensino básico com
profissionalizados habilitação
IX 0 840 840
Valores em euros Valores em euros

3- Outros professores do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico I 26 ou mais 2 546 2 492
e do ensino secundário: II de 23 a 25 1 927 1 883
III de 20 a 22 1 810 1 762
Valores em
Níveis Grau académico/anos de serviço IV de 16 a 19 1 649 1 605
euros
V de 13 a 15 1 480 1 448
Professores do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico
I e ensino secundário, profissionalizado, sem grau 1 731 VI de 9 a 12 1 400 1 345
superior e com 20 ou mais anos de serviço VII de 4 a 8 1 146 1 098
VIII de 1 a 3 993 971
IX 0 840 833

1999
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

6 - Restantes educadores e professores sem funções Educadores de infância sem curso, com diploma e
docentes, com funções educativas curso complementar e mais de 5 anos
Professores do 1.º ciclo do ensino básico, sem
Valores em magistério, com diploma e curso complementar e
Níveis Grau académico/anos de serviço
euros mais de 5 anos
Educadores de infância sem curso, com diploma Professores com grau superior e mais de 5 anos
e curso complementar e mais de 26 anos Educadores de estabelecimento com grau superior
I Professores do 1.º ciclo do ensino básico, sem 1 208 VII e mais de 10 anos 765
magistério, com diploma e curso complementar e Educadores de infância sem curso, com diploma e
mais de 26 anos mais de 10 anos
Educadores de infância sem curso, com diploma Professores do 1.º ciclo do ensino básico, sem
e mais de 26 anos magistério, com diploma e mais de 10 anos
II 1 151 Professores sem grau superior e mais de 15 anos
Professores do 1.º ciclo do ensino básico, sem
magistério, com diploma e mais de 26 anos Educadores de estabelecimento sem grau superior
e mais de 15 anos
Educadores de infância sem curso, com diploma
e curso complementar e mais de 25 anos Educadores de estabelecimento com grau superior
Professores do 1.º ciclo do ensino básico, sem Educadores de infância sem curso, com diploma e
III 1 136 mais de 5 anos
magistério, com diploma e curso complementar e
mais de 25 anos Professores do 1.º ciclo do ensino básico, sem
VIII 721
Professores com grau superior e mais de 25 anos magistério, com diploma e mais de 5 anos
Professores sem grau superior e mais de 10 anos
Educadores de infância sem curso, com diploma
Educadores de estabelecimento sem grau superior
e curso complementar e mais de 20 anos
e mais de 10 anos
Professores com 1.º ciclo do ensino básico, sem
magistério, com diploma e curso complementar e Educadores de infância sem curso, com diploma e
mais de 20 anos curso complementar
Professores com grau superior e mais de 20 anos Professores do 1.º ciclo do ensino básico, sem
IV 1 078 magistério, com diploma e curso complementar
Educadores de estabelecimento com grau supe- IX 696
rior e mais de 25 anos Professores com grau superior
Educadores de infância sem curso, com diploma Professores sem grau superior e mais de 5 anos
e mais de 25 anos Educadores de estabelecimento sem grau superior
Professores do 1.º ciclo do ensino básico, sem e mais de 5 anos
magistério, com diploma e mais de 25 anos Educadores de infância sem curso, com diploma
Educadores de infância sem curso, com diploma Professores do 1.º ciclo do ensino básico, sem
e curso complementar e mais de 15 anos magistério, com diploma
Professores do 1.º ciclo do ensino básico, sem Professores sem grau superior
magistério, com diploma e curso complementar e Educadores de estabelecimento sem grau superior
X 634
mais de 15 anos Professores do 1.º ciclo do ensino básico, com
Professores com grau superior e mais de 15 anos diploma para as povoações rurais
Educadores de estabelecimento com grau Professores autorizados do 1.º ciclo do ensino
V superior e mais de 20 anos 959 básico
Educadores de infância sem curso, com diploma Educadores de infância autorizados
e mais de 20 anos
Notas:
Professores do 1.º ciclo do ensino básico, sem
magistério, com diploma e mais de 20 anos 1- A progressão na carreira dos educadores de infância e
Professores sem grau superior e mais de 25 anos professores do 1.º ciclo do ensino básico com habilitação
Educadores de estabelecimento sem grau
superior e mais de 25 anos
profissional e licenciatura que se não encontrem no exercício
Educadores de infância sem curso, com diploma e
efectivo de funções docentes tem por limite máximo o nível
curso complementar e mais de 10 anos IV da tabela B 4.
Professores do 1.º ciclo do ensino básico, sem 2- A progressão na carreira dos educadores de infância e
magistério, com diploma e curso complementar e professores do 1.º ciclo do ensino básico com habilitação
mais de 10 anos profissional que se não encontrem no exercício efectivo de
Professores com grau superior e mais de 10 anos
Educadores de estabelecimento com grau superior
funções docentes tem por limite máximo o nível IV da tabela
VI e mais de 15 anos 867 B 5.
Educadores de infância sem curso, com diploma e 3- Será suspensa a contagem de tempo de serviço dos
mais de 15 anos educadores e professores a que se referem as tabelas B-1,
Professores do 1.º ciclo do ensino básico, sem B-2, B-3, B-4, B-5 e B-6 da presente convenção, para efeitos
magistério, com diploma e mais de 15 anos
Professores sem grau superior e mais de 20 anos
de progressão na carreira, durante o período de dois anos
Educadores de estabelecimento sem grau superior a contar da data da publicação da presente convenção, sem
e mais de 20 anos prejuízo da reavaliação da duração da medida, na sequência

2000
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

da análise, a realizar em Dezembro de 2016, entre a CNIS e 7- As remunerações mínimas correspondentes às profis-
a FSUGT, sobre a situação económica e social do país e da sões e categorias profissionais enquadradas nos níveis XIX a
perspectiva de crescimento dos apoios do Estado às Institui- XXI do anexo IV são as resultantes da aplicação do disposto
ções de Solidariedade. no artigo 273.º do Código do Trabalho.
Tal suspensão não será aplicável aos trabalhadores do- 8- O presente CCT substitui a convenção publicada no
centes abrangidos pela tabela B-1, B-2, B-4 e B-5, durante a Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 6, de 15 de
permanência no nível IX - menos de um ano de serviço. Fevereiro de 2012.
4- Os montantes retributivos constantes das tabelas B 4 e
B 5 são aplicáveis aos professores e educadores, enquanto Porto, 9 de Março de 2016.
se mantiverem no exercício efectivo de funções docentes,
Pela Confederação Nacional das Instituições de Solida-
devendo aplicar-se o disposto nos números 1 e 2 quando ces-
riedade - CNIS:
sarem funções dessa natureza.
5- Salvo convenção escrita em contrário, nomeadamente José Macário Correia, mandatário.
constante de contrato de comissão de serviço, o trabalhador João Carlos Gomes Dias, mandatário.
que exerça funções de direcção ou coordenação técnica ou Henrique Manuel de Queirós Pereira Rodrigues, man-
de direcção pedagógica terá direito a receber, pelo exercício datário.
de tais funções, uma remuneração complementar determina- Pela FNE - Federação Nacional da Educação, que fazem
da nos termos seguintes: parte:
–– direcção ou coordenação técnica de apenas uma respos-
ta social até 50 utentes - 80 euros; SPZN - Sindicato dos Professores da Zona Norte;
–– direcção ou coordenação técnica de apenas uma respos- SPZC - Sindicato dos Professores da Zona Centro;
ta social com mais de 50 utentes - 100 euros; SDPGL - Sindicato Democrático dos Professores da
–– direcção ou coordenação técnica de duas respostas so- Grande Lisboa e Vale do Tejo;
ciais até 50 utentes - 120 euros; SDPSul - Sindicato Democrático dos Professores do Sul;
–– direcção ou coordenação técnica de duas respostas so- SDPA - Sindicato Democrático dos Professores dos Aço-
ciais, sendo uma até 50 utentes e outra com mais de 50 uten- res;
tes - 140 euros; SDPM - Sindicato Democrático dos Professores da Ma-
–– direcção ou coordenação técnica de duas respostas so- deira;
ciais com mais de 50 utentes - 160 euros; SPCL - Sindicato dos Professores nas Comunidades Lu-
–– direcção pedagógica de estabelecimento de educação síadas;
pré-escolar até 3 salas - 80 euros; STAAE-ZN - Sindicato dos Técnicos Superiores, Assis-
–– direcção pedagógica de estabelecimento de educação tente e Auxiliares de Educação da Zona Norte;
pré-escolar com mais de 3 e menos de 7 salas - 100 euros; STAAE-ZC - Sindicato dos Técnicos Superiores, Assis-
–– direcção pedagógica de estabelecimento de educação tente e Auxiliares de Educação da Zona Centro;
pré-escolar até 3 salas, em acumulação com a direcção ou STAAE Sul RA - Sindicato dos Técnicos Administrati-
coordenação técnica de outra resposta social - 120 euros; vos e Auxiliares de Educação do Sul e Regiões Autónomas;
–– direcção pedagógica de estabelecimento de educação SINDITE - Sindicato dos Técnicos Superiores de Diag-
pré-escolar com mais de 3 e menos de 7 salas, em acumula- nóstico e Terapêutica;
ção com a direcção ou coordenação técnica de outra resposta SITRA - Sindicato dos Trabalhadores de Transportes;
social - 140 euros; SETAA - Sindicato da Agricultura, Alimentação e Flo-
–– direcção pedagógica de estabelecimento de educação restas;
pré-escolar com mais de 7 salas - 140 euros; SINAPE - Sindicato Nacional dos Profissionais da Edu-
–– direcção técnica de estabelecimento de educação pré- cação.
-escolar com mais de 7 salas, em acumulação com a direcção Todos estes representados por:
ou coordenação técnica de outra resposta social - 160 euros. José Manuel Ricardo Nunes Coelho, mandatário.
Tratando-se de uma resposta ou serviço que se não enqua-
dre nos critérios quantitativos referidos, mas cuja comple- SITESE - Sindicato dos Trabalhadores e Técnicos de
xidade justifique a existência de direcção técnica, a mesma Serviços, representado por:
será igualmente objecto de uma remuneração complementar, António Silva Santos, mandatário.
que, salvo convenção escrita em contrário, nomeadamente
constante de contrato de comissão de serviço, é fixada no SINTAP - Sindicato dos Trabalhadores da Administração
valor de 120 euros. Pública e de Entidades com Fins Públicos, representado por:
6- Cessando o exercício de funções de direcção ou coorde- José Joaquim Abraão, mandatário.
nação técnica, bem como as de direcção pedagógica, seja por
iniciativa do trabalhador seja por iniciativa da instituição, os Depositado em 21 de Junho de 2016, a fl. 194 do livro
trabalhadores referidos nos números anteriores passarão a n.º 11, com o n.º 93/2016, nos termos do artigo 494.º do Có-
ser remunerados pelo nível correspondente à sua situação na digo do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de
carreira profissional. fevereiro.

2001
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Contrato coletivo entre a ANIL - Associação Nacional b) As tabelas salariais B e B1, vigorarão de 1 de Junho de
dos Industriais de Lanifícios e outra e a Federação 2016 a 28 de Fevereiro de 2017.
de Sindicatos da Indústria, Energia e Transportes 3, 4, 5, 6 e 7- (Mantém-se.)
- COFESINT - Alteração salarial e outras Cláusula 4.ª

Alteração salarial e outras ao contrato colectivo de tra- (Contratos a termo)


balho celebrado entre a ANIL - Associação Nacional dos In- 1, 2, 3, 4 e 5- (Mantém-se.)
dustriais de Lanifícios e a ANIT-LAR, Associação Nacional § único. (Eliminado.)
das Indústrias de Têxteis-Lar e a Federação de Sindicatos Cláusula 33.ª
da Indústria, Energia e Transportes - COFESINT, publicado
no Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 25, de 8 (Remuneração do trabalho em regime de turnos)
de Julho de 2006, com as alterações publicadas nos Boletins 1- (Mantém-se.)
do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 29, de 8 de Agosto de 2- Sempre que o acréscimo da retribuição do trabalho pres-
2007, 1.ª série, n.º 26, de 15 de Julho de 2008, 1.ª série, n.º 21, tado no período nocturno fixado na convenção colectiva for
de 8 de Junho de 2009 (1.ª republicação), 1.ª série, n.º 17, de superior ao fixado na lei, os complementos de retribuição de-
8 de Maio de 2010, 1.ª série, n.º 30, de 15 de Agosto de 2011, vidos pela prestação de trabalho em regime de turnos serão
1.ª série, n.º 29, de 8 de Agosto de 2014 (2.ª republicação) e estabelecidos através da multiplicação da retribuição mensal
n.º 39, de 22 de Outubro de 2015. efectiva pelo resultado obtido com a seguinte fórmula:
Cláusula 1.ª
15h + Pi x H
(Área e âmbito)
100 x H
1- O presente contrato colectivo de trabalho aplica-se em
todo o território nacional e obriga, por um lado, todas as em- Sendo: h o número de horas de trabalho prestadas no ano
presas que exerçam quaisquer actividades representadas pela no período nocturno; Pi o valor, 15, 25 ou 30, consoante as
ANIL - Associação Nacional dos Industriais de Lanifícios situações estabelecidas respectivamente, nas alíneas a), b)
e pela ANIT-LAR, Associação Nacional das Indústrias de ou c) do número um desta cláusula; H o número total de
Têxteis-Lar e, por outro lado, os trabalhadores ao seu servi- horas de trabalho prestado durante o ano.
ço representados pela Federação de Sindicatos da Indústria, 3- (Mantém-se.)
Energia e Tranasportes - COFESINT e sindicatos outorgan- Claúsula 42.ª
tes.
2- O presente contrato colectivo de trabalho aplica-se às (Feriados obrigatórios)
empresas e aos trabalhadores da indústria de lanifícios, têx- 1- São feriados obrigatórios:
teis-lar, têxtil algodoeira e fibras, rendas, bordados, passama- 1 de Janeiro; Sexta-Feira Santa; Domingo de Páscoa; 25 de
narias e tapeçaria. Abril; 1 de Maio; Corpo de Deus; 10 de Junho; 15 de Agosto;
3- As partes outorgantes vinculam-se a requerer ao minis- 5 de Outubro; 1 de Novembro; 1 de Dezembro; 8 de Dezem-
tério responsável pela área laboral, no momento do depó- bro; 25 de Dezembro.
sito do presente contrato colectivo de trabalho, a aplicação 2- (Mantém-se.)
da tabela salarial e subsídio de refeição, com efeitos a par-
tir da entrada em vigor, às empresas e aos trabalhadores da Cláusula 53.ª
indústria de lanifícios, têxteis-lar, têxtil algodoeira e fibras,
(Tipos de faltas)
rendas, bordados, passamanarias e tapeçaria não filiados nos
organismos outorgantes. 1- (Mantém-se.)
4- O presente contrato colectivo de trabalho aplica-se aos 2-
trabalhadores ao serviço das associações patronais referidas a), b), c), d), e), g), h), i), j), k)- (Mantém-se.)
no número 1 desta cláusula. f) A motivada por deslocação a estabelecimento de ensino
5- O presente contrato colectivo de trabalho abrange 180 de responsável pela educação do menor por motivo da situa-
empresas e 27 300 trabalhadores. ção educativa deste, pelo tempo estritamente necessário, até
quatro horas por trimestre, por cada um.
Cláusula 2.ª 3- (Mantém-se.)
(Vigência e denúncia) Cláusula 92.ª
1- (Mantém-se.)
(Disposição final)
2- A tabela salarial e o subsídio de refeição vigorarão por
12 meses, produzindo efeitos a partir de 1 de Março de 2016 1- Dão-se por reproduzidas todas as matérias em vigor
e até 28 de Fevereiro de 2017, nos seguintes termos: constantes do Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º
a) As tabelas salariais A e A1, vigorarão de 1 de Março de 25, de 8 de Julho de 2006, com as alterações publicadas nos
2016 a 31 de Maio de 2016; Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 29, de 8 de
Agosto de 2007, Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série,

2002
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

n.º 26, de 15 de Julho de 2008, Boletim do Trabalho e Em- 3- Tabela salarial A, em vigor de 1 de Março de 2016 a 31
prego, 1.ª série, n.º 21, de 8 de Junho de 2009, Boletim do de Maio de 2016:
Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 17, de 8 de Maio de 2010,
Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 30, de 15 de Grupo Remuneração mensal
Agosto de 2011, Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 29, de A 908,50 €
8 de Agosto de 2014 e Boletim do Trabalho e Emprego, n.º B 786,50 €
39, de 22 de Outubro de 2015, que não foram objecto da C 684,00 €
presente revisão. D 612,50 €
2- O regime constante do presente contrato colectivo de tra- E 569,50 €
F 530,00 €
balho entende-se globalmente mais favorável que os anteriores.
G 530,00 €
H 530,00 €
ANEXO I I 530,00 €
J 530,00 €
6- Áreas complementares
6.2- Portaria Tabela salarial B, em vigor de 1 de Junho de 2016 a 28 de
Porteiro/a - É o(a) trabalhador(a), devidamente habilitado, Fevereiro de 2017:
integrado nos serviços internos da empresa nos termos da
lei, que atende os visitantes, informa-se das suas pretensões Grupo Remuneração mensal
e anuncia-os ou indica-lhes a quem se devem dirigir. Por ve- A 925,00 €
zes é incumbido de controlar entradas e saídas de visitantes, B 800,00 €
mercadorias e veículos. Pode ser encarregado da recepção da C 694,00 €
correspondência. D 622,00 €
E 580,00 €
F 536,50 €
ANEXO I-A G 533,00 €
6- Áreas complementares H 532,50 €
I 531,50 €
6.2- Portaria
J 531,00 €
Porteiro/a - É o(a) trabalhador(a), devidamente habilitado,
integrado nos serviços internos da empresa nos termos da
lei, que atende os visitantes, informa-se das suas pretensões ANEXO V
e anuncia-os ou indica-lhes a quem se devem dirigir. Por ve-
zes é incumbido de controlar entradas e saídas de visitantes, Sector administrativo
mercadorias e veículos. Pode ser encarregado da recepção da Tabela salarial e subsídio de refeição
correspondência.
Têxteis-lar, têxtil algodoeira e fibras, rendas, bordados,
passamanarias e tapeçaria
ANEXO I-B
1- A tabela salarial e o subsídio de refeição a seguir indica-
7- Áreas complementares
dos vigoram para o período compreendido entre 1 de Março
7.2- Portaria
de 2016 e 28 de Fevereiro de 2017, nos termos do número 2
Porteiro/a - É o(a) trabalhador(a), devidamente habilitado,
da cláusula 2.ª
integrado nos serviços internos da empresa nos termos da
2- O subsídio de refeição para o período compreendido en-
lei, que atende os visitantes, informa-se das suas pretensões
tre 1 de Março de 2016 e 28 de Fevereiro de 2017 é fixado
e anuncia-os ou indica-lhes a quem se devem dirigir. Por ve-
em 2,35 € por dia de trabalho, nos termos da cláusula 75.ª
zes é incumbido de controlar entradas e saídas de visitantes,
deste contrato colectivo de trabalho.
mercadorias e veículos. Pode ser encarregado da recepção da
3- Tabela salarial A1, em vigor de 1 de Março de 2016 a
correspondência.
31 de Maio de 2016:

ANEXO IV Grupo Remuneração mensal


A 872,00 €
Tabela salarial e subsídio de refeição B 809,00 €
C 762,50 €
1- A tabela salarial e o subsídio de refeição a seguir indica-
D 701,50 €
dos vigoram para o período compreendido entre 1 de Março E 685,50 €
de 2016 e 28 de Fevereiro de 2017, nos termos do número 2 F 611,50 €
da cláusula 2.ª G 549,50 €
2- O subsídio de refeição para o período compreendido en- H 530,00 €
tre 1 de Março de 2016 e 28 de Fevereiro de 2017 é fixado
em 2,35 € por dia de trabalho, nos termos da cláusula 75.ª Tabela salarial B1, em vigor de 1 de Junho de 2016 a 28
deste contrato colectivo de trabalho. de Fevereiro de 2017:

2003
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Grupo Remuneração mensal de Maio de 2008, 1.ª série, n.º 17, de 8 de Maio de 2009 (1.ª
republicação), 1.ª série, n.º 16, de 29 de Abril de 2010, 1.ª
A 887,00 € série, n.º 18, de 15 de Maio de 2010, 1.ª série, n.º 30, de 15 de
B 823,00 €
Agosto de 2011, 1.ª série, n.º 29, de 8 de Agosto de 2014 (2.ª
C 775,50 €
D 713,50 € republicação) e 1.ª série, n.º 39, de 22 de Outubro de 2015.
E 697,00 € Cláusula 1.ª
F 622,00 €
G 559,00 € (Área e âmbito)
H 531,00 €
1- O presente contrato colectivo de trabalho aplica-se em
todo o território nacional e obriga, por um lado, todas as em-
Porto, 9 de Junho de 2016. presas que exerçam quaisquer actividades representadas pela
Pela ANIL - Associação Nacional dos Industriais de La- ANIL - Associação Nacional dos Industriais de Lanifícios
nifícios: e pela ANIT-LAR, Associação Nacional das Indústrias de
Têxteis-Lar e, por outro lado, os trabalhadores ao seu servi-
Luís Carlos Sousa Ribeiro de Fontes, na qualidade de ço representados pela Federação dos Sindicatos dos Traba-
mandatário. lhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de
Pela ANIT-LAR, Associação Nacional das Indústrias de Portugal - FESETE e sindicatos outorgantes.
Têxteis-Lar: 2- O presente contrato colectivo de trabalho aplica-se às
empresas e aos trabalhadores da indústria de lanifícios, têx-
Luís Carlos Sousa Ribeiro de Fontes, na qualidade de teis-lar, têxtil algodoeira e fibras, rendas, bordados, passama-
mandatário. narias e tapeçaria.
Pela Federação de Sindicatos de Indústria, Energia e 3- As partes outorgantes vinculam-se a requerer ao minis-
Transportes - COFESINT, na qualidade de mandatários: tério responsável pela área laboral, no momento do depó-
sito do presente contrato colectivo de trabalho, a aplicação
Osvaldo Fernandes de Pinho.
da tabela salarial e subsídio de refeição, com efeitos a par-
Fernando Ferreira Marmelo
tir da entrada em vigor, às empresas e aos trabalhadores da
indústria de lanifícios, têxteis-lar, têxtil algodoeira e fibras,
Declaração rendas, bordados, passamanarias e tapeçaria não filiados nos
A Federação de Sindicatos da Indústria, Energia e Trans- organismos outorgantes.
portes - COFESINT, por si e em representação das organiza- 4- O presente contrato colectivo de trabalho aplica-se aos
ções sindicais, filiadas: trabalhadores ao serviço das associações patronais referidas
no número 1 desta cláusula.
SINDEQ - Sindicato das Indústrias e Afins. 5- O presente contrato colectivo de trabalho abrange 180
SITEMAQ - Sindicato da Mestrança e Marinhagem de empresas e 27 300 trabalhadores.
Marinha Mercante, Energia e Fogueiros de Terra.
Cláusula 2.ª
Depositado em 24 de junho de 2016, a fl. 194 do livro (Vigência e denúncia)
n.º 11, com o n.º 97/2016, nos termos do artigo 494.º do Có-
digo do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de 1- (Mantém-se.)
fevereiro. 2- A tabela salarial e o subsídio de refeição vigorarão por
12 meses, produzindo efeitos a partir de 1 de Março de 2016
e até 28 de Fevereiro de 2017, nos seguintes termos:
a) As tabelas salariais A e A1, vigorarão de 1 de Março de
2016 a 31 de Maio de 2016;
Contrato coletivo entre a ANIL - Associação Na- b) As tabelas salariais B e B1, vigorarão de 1 de Junho de
cional dos Industriais de Lanifícios e outra e a Fe- 2016 a 28 de Fevereiro de 2017.
deração dos Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, 3, 4, 5, 6 e 7- (Mantém-se.)
Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal Cláusula 4.ª
- FESETE - Alteração salarial e outras
(Contratos a termo)
Alteração salarial e outras ao contrato colectivo de tra- 1, 2, 3, 4 e 5- (Mantém-se.)
balho celebrado entre a ANIL - Associação Nacional dos In- § único. (Eliminado.)
dustriais de Lanifícios e a ANIT-LAR, Associação Nacional
Cláusula 33.ª
das Indústrias de Têxteis-Lar e a Federação dos Sindicatos
dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e (Remuneração do trabalho em regime de turnos)
Peles de Portugal - FESETE, publicado nos Boletins do Tra-
1- (Mantém-se.)
balho e Emprego, 1.ª série, n.º 19, de 22 de Maio de 2006,
2- Sempre que o acréscimo da retribuição do trabalho pres-
1.ª série, n.º 25, de 8 de Julho de 2007, 1.ª série, n.º 20, de 29

2004
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

tado no período nocturno fixado na convenção colectiva for 6.2- Portaria


superior ao fixado na lei, os complementos de retribuição de- Porteiro/a - É o(a) trabalhador(a), devidamente habilitado,
vidos pela prestação de trabalho em regime de turnos serão integrado nos serviços internos da empresa nos termos da
estabelecidos através da multiplicação da retribuição mensal lei, que atende os visitantes, informa-se das suas pretensões
efectiva pelo resultado obtido com a seguinte fórmula: e anuncia-os ou indica-lhes a quem se devem dirigir. Por ve-
zes é incumbido de controlar entradas e saídas de visitantes,
15h + Pi x H mercadorias e veículos. Pode ser encarregado da recepção da
100 x H correspondência.

Sendo: h o número de horas de trabalho prestadas no ano ANEXO I-A


no período nocturno; Pi o valor, 15, 25 ou 30, consoante as
situações estabelecidas respectivamente, nas alíneas a), b) 6- Áreas complementares
ou c) do número um desta cláusula; H o número total de 6.2- Portaria
horas de trabalho prestado durante o ano. Porteiro/a - É o(a) trabalhador(a), devidamente habilitado,
3- (Mantém-se.) integrado nos serviços internos da empresa nos termos da
lei, que atende os visitantes, informa-se das suas pretensões
Claúsula 42.ª
e anuncia-os ou indica-lhes a quem se devem dirigir. Por ve-
(Feriados obrigatórios) zes é incumbido de controlar entradas e saídas de visitantes,
mercadorias e veículos. Pode ser encarregado da recepção da
1- São feriados obrigatórios:
correspondência.
1 de Janeiro; Sexta-Feira Santa; Domingo de Páscoa; 25 de
Abril; 1 de Maio; Corpo de Deus; 10 de Junho; 15 de Agosto;
5 de Outubro; 1 de Novembro; 1 de Dezembro; 8 de Dezem- ANEXO I-B
bro; 25 de Dezembro. 7- Áreas complementares
2- (Mantém-se.) 7.2- Portaria
Cláusula 53.ª Porteiro/a - É o(a) trabalhador(a), devidamente habilitado,
integrado nos serviços internos da empresa nos termos da
(Tipos de faltas) lei, que atende os visitantes, informa-se das suas pretensões
1- (Mantém-se.) e anuncia-os ou indica-lhes a quem se devem dirigir. Por ve-
2- zes é incumbido de controlar entradas e saídas de visitantes,
a), b), c), d), e), g), h), i), j), k)- (Mantém-se.) mercadorias e veículos. Pode ser encarregado da recepção da
f) A motivada por deslocação a estabelecimento de ensino correspondência.
responsável pela educação do menor por motivo da situação
educativa deste, pelo tempo estritamente necessário, até qua- ANEXO IV
tro horas por trimestre, por cada um.
3- (Mantém-se.) Tabela salarial e subsídio de refeição
Cláusula 92.ª 1- A tabela salarial e o subsídio de refeição a seguir indica-
(Disposição final)
dos vigoram para o período compreendido entre 1 de Março
de 2016 e 28 de Fevereiro de 2017, nos termos do número 2
1- Dão-se por reproduzidas todas as matérias em vigor
da cláusula 2.ª
constantes do Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º
2- O subsídio de refeição para o período compreendido en-
19, de 22 de Maio de 2006, com as alterações publicadas
tre 1 de Março de 2016 e 28 de Fevereiro de 2017 é fixado
nos Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 25, de 8 de
em 2,35 € por dia de trabalho, nos termos da cláusula 75.ª
Julho de 2007, Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º
deste contrato colectivo de trabalho.
20, de 29 de Maio de 2008, Boletim do Trabalho e Emprego,
3- Tabela salarial A, em vigor de 1 de Março de 2016 a 31
1.ª série, n.º 17, de 8 de Maio de 2009, Boletim do Trabalho
de Maio de 2016:
e Emprego, 1.ª série, n.º 16, de 29 de Abril de 2010, Boletim
do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 18, de 15 de Maio de Grupo Remuneração mensal
2010, Boletim do Trabalho e Emprego, 1.ª série, n.º 30, de 15
A 908,50 €
de Agosto de 2011, Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 29, B 786,50 €
de 8 de Agosto de 2014 e Boletim do Trabalho e Emprego, C 684,00 €
1.ª série, n.º 39, de 22 de Outubro de 2015 e que não foram D 612,50 €
objecto da presente revisão. E 569,50 €
2- O regime constante do presente contrato colectivo de tra- F 530,00 €
balho entende-se globalmente mais favorável que os anteriores. G 530,00 €
H 530,00 €
I 530,00 €
ANEXO I J 530,00 €
6- Áreas complementares

2005
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Tabela salarial B, em vigor de 1 de Junho de 2016 a 28 de Luís Carlos Sousa Ribeiro de Fontes, na qualidade de
Fevereiro de 2017: mandatário.

Grupo Remuneração mensal Pela ANIT-LAR, Associação Nacional das Indústrias de


Têxteis-Lar:
A 925,00 €
B 800,00 € Luís Carlos Sousa Ribeiro de Fontes, na qualidade de
C 694,00 € mandatário.
D 622,00 €
E 580,00 € Pela Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Têx-
F 536,50 € teis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal -
G 533,00 € FESETE e na qualidade de mandatários:
H 532,50 €
I 531,50 € Manuel António Teixeira de Freitas.
J 531,00 € Carlos João Teodoro Tomás.

ANEXO V Declaração
Para os devidos efeitos se declara que a Federação dos
Sector administrativo Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário,
Tabela salarial e subsídio de refeição Calçado e Peles de Portugal - FESETE, representa os seguin-
tes sindicatos:
Têxteis-lar, têxtil algodoeira e fibras, rendas, bordados,
passamanarias e tapeçaria Sindicato Têxtil do Minho e Trás-os-Montes;
SINTEVECC - Sindicato dos Trabalhadores dos Sectores
1- A tabela salarial e o subsídio de refeição a seguir indica- Têxteis, Vestuário, Calçado e Curtumes do distrito do Porto;
dos vigoram para o período compreendido entre 1 de Março Sindicato dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios e Vestu-
de 2016 e 28 de Fevereiro de 2017, nos termos do número 2 ário do Centro;
da cláusula 2.ª Sindicato dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios e Vestu-
2- O subsídio de refeição para o período compreendido en- ário, Calçado e Curtumes do Sul;
tre 1 de Março de 2016 e 28 de Fevereiro de 2017 é fixado Sindicato dos Trabalhadores do Sector Têxtil do distrito
em 2,35 € por dia de trabalho, nos termos da cláusula 75.ª de Aveiro;
deste contrato colectivo de trabalho. Sindicato dos Trabalhadores do Sector Têxtil da Beira
3- Tabela salarial A1, em vigor de 1 de Março de 2016 a Baixa;
31 de Maio de 2016: Sindicato dos Trabalhadores do Sector Têxtil da Beira
Alta;
Grupo Remuneração mensal
SINPICVAT - Sindicato Nacional dos Profissionais da
A 872,00 € Indústria e Comércio de Vestuário e Artigos Têxteis;
B 809,00 € Sindicato dos Trabalhadores do Vestuário, Confecção e
C 762,50 €
Têxtil do Norte;
D 701,50 €
Sindicato do Calçado, Malas e Afins Componentes, For-
E 685,50 €
F 611,50 € mas e Curtumes do Minho e Trás-os-Montes;
G 549,50 € Sindicato dos Operários da Indústria do Calçado, Malas e
H 530,00 € Afins do distrito de Aveiro e Coimbra.
Tabela salarial B1, em vigor de 1 de Junho de 2016 a 28
Depositado em 27 de junho de 2016, a fl. 195 do livro
de Fevereiro de 2017:
n.º 11, com o n.º 98/2016, nos termos do artigo 494.º do Có-
Grupo Remuneração mensal digo do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de
fevereiro.
A 887,00 €
B 823,00 €
C 775,50 €
D 713,50 €
E 697,00 €
F 622,00 € Contrato coletivo entre a Associação Portuguesa de
G 559,00 € Empresas de Distribuição - APED e a FEPCES - Fe-
H 531,00 € deração Portuguesa dos Sindicatos do Comércio,
Escritórios e Serviços e outros - Alteração salarial
Porto, 9 de Junho de 2016. e outras
Pela ANIL - Associação Nacional dos Industriais de La-
nifícios: Contrato colectivo de trabalho entre a Associação Por-

2006
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

tuguesa de Empresas de Distribuição - APED e a FEPCES retalhista de supermercados, hipermercados e grandes super-
- Federação Portuguesa dos Sindicatos do Comércio, Escri- fícies especializadas, não filiadas na associação outorgante.
tórios e Serviços e outros, publicado no Boletim do Trabalho
Cláusula 2.ª
e Emprego, n.º 22, de 15 de Junho de 2008, com última alte-
ração publicada no Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 18, Vigência e denúncia
de 15 de Maio de 2010.
1- O presente CCT entra em vigor cinco dias após a sua
publicação no Boletim do Trabalho e Emprego e tem um
CAPÍTULO I período mínimo de vigência de dois anos, sem prejuízo do
disposto no número seguinte.
Área, âmbito e vigência 2- As tabelas salariais constantes dos anexos III e IV pro-
duzem efeitos a partir de 1 de Janeiro de 2016 e vigoram pelo
Cláusula 1.ª período mínimo de um ano.
3- A denúncia é feita, por qualquer das partes outorgantes
Área e âmbito
até ao 90.º dia anterior ao termo da vigência previsto nos nú-
1- A presente convenção colectiva de trabalho é vertical meros 1 e 2, acompanhada de uma proposta para negociação.
e abrange por um lado, as pessoas singulares ou colectivas 4- A parte receptora da proposta responde nos 30 dias se-
filiadas na Associação Portuguesa de Empresas de Distri- guintes, iniciando-se as negociações nos 15 dias seguintes à
buição - APED, que disponham de área total de exposição recepção da contraproposta.
e venda superior a 200 m2 e desenvolvam uma actividade (…)
retalhista alimentar e/ou não alimentar de venda de produtos
de grande consumo em regime predominante de livre serviço
Anexo I
e, por outro, os trabalhadores representados pelas organiza-
ções sindicais outorgantes qualquer que seja o seu local de
Descrição de funções
trabalho.
2- A presente CCT abrange todo o território Continental e (…)
Regiões Autónomas. Técnico licenciado - É o trabalhador com licenciatura
3- O âmbito profissional é o constante dos anexos I e II. que exerce funções de cariz técnico, em qualquer das áreas
4- Os outorgantes propõem-se a requerer em conjunto ao funcionais da empresa, e que não seja abrangida por nenhu-
Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, ma profissão constante deste contrato, podendo ou não coor-
no momento do depósito desta CCT e das suas subsequentes denar uma equipa, na área da sua especialidade técnica.
alterações, a respectiva portaria de extensão a todos os traba- (…)
lhadores e a todas as empresas que desenvolvam a actividade

ANEXO III

Tabelas salariais
(De 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2016)
Nível Âmbito profissional Tabela A Tabela B
I Director
Remuneração no mínimo de 20 %
II Director de loja.
acima do nível IV
III Analista de sistemas A; Chefe de serviços; Supervisor de zona; Técnico licenciado A.
Analista de sistemas B; Chefe de departamento; Coordenador de loja; Gerente de loja; Gestor
IV 1 168,92 € 1 100,58 €
de produto comercial A; Programador informático de 1.ª; Técnico licenciado B.
Chefe de sector; Chefe secção administrativo; Comprador; Encarregado (carnes); Encarregado
de armazém; Encarregado de loja A; Gestor de produto comercial B; Programador informático
V 1 003,68 € 944,52 €
de 2.ª; Secretário de administração; Supervisor de secção; Técnico licenciado C; Técnico/Téc-
nico administrativo A.
Encarregado de loja B; Chefe de secção/Operador encarregado; Encarregado/Chefe de snack;
VI 839,97 € 781,83 €
Oficial carnes principal; Secretário de direcção; Técnico/Técnico administrativo B.
Electricista principal; Escriturário principal; Fiel de armazém; Oficial carnes especializado;
VII Operador principal; Panificador principal; Pasteleiro principal; Secretário; Sub-chefe de secção 712,47 € 673,20 €
administrativo; Técnico/Técnico administrativo C; Sub-chefe de secção.
Conferente; Cozinheiro especializado; Decorador especializado; Desenhador especializado;
Electricista especializado; Empregado de mesa/bar/balcão/snack especializado; Escriturário
VIII especializado; Motorista de pesados; Oficial carnes 1.ª; Oficial serralheiro civil; Oficial serra- 626,79 € 585,99 €
lheiro mecânico; Operador especializado; Operador informático de 1.ª; Panificador especializa-
do; Pasteleiro especializado; Telefonista/Recepcionista especializado; Vigilante especializado.

2007
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Cozinheiro de 1.ª; Decorador de 1.ª; Desenhador de 1.ª; Electricista de 1.ª; Empregado de mesa/
bar/balcão/snack de 1.ª; Empregado de serviços externos de 1.ª; Escriturário de 1.ª; Motorista
IX 571,71 € 545,00 €
de ligeiros; Oficial carnes 2.ª; Operador de supermercado de 1.ª; Operador informático de 2.ª;
Panificador de 1.ª; Pasteleiro de 1.ª; Telefonista/Recepcionista de 1.ª;Vigilante de 1.ª
Cozinheiro de 2.ª; Decorador de 2.ª; Desenhador de 2.ª; Electricista de 2.ª; Empregado de mesa/
bar/balcão/snack de 2.ª; Empregado de serviços externos de 2.ª; Escriturário de 2.ª; Operador de
X armazém A; Operador de supermercado de 2.ª; Operador informático estagiário; Panificador de 540,60 € 540,60 €
2.ª; Pasteleiro de 2.ª; Telefonista/Recepcionista de 2.ª;
Vigilante de 2.ª
Auxiliar de cozinha; Contínuo; Guarda; Operador de armazém B; Paquete; Praticante carnes 2.º
XI 535,00 € 535,00 €
ano; Servente/Ajudante motorista; Servente de limpeza.
Desenhador-ajudante do 2.º ano; Escriturário estagiário do 2.º ano; Operador ajudante do 2.º
ano; Praticante carnes 1.º ano; Praticante de mesa/bar/balcão/snack do 2.º ano; Praticante de
XII 530,00 € 530,00 €
cozinha do 2.º ano; Praticante de electricista do 2.º ano; Praticante de padaria/Pastelaria do 2.º
ano.
Auxiliar de cozinha do 1.º ano; Desenhador-ajudante do 1.º ano; Escriturário estagiário do 1.º
XIII ano; Operador-ajudante do 1.º ano; Praticante de electricista do 1.º ano; Praticante de mesa/bar/ 530,00€ 530€
balcão/snack do 1.º ano; Praticante de pastelaria/Padaria do 1.º ano.
Nota - A tabela A é aplicável aos distritos do Porto, Lisboa e Setúbal.
A tabela B é aplicável a todos os restantes distritos e Regiões Autónomas dos Açores e Madeira

Regulamentação em vigor mandatária.


Maria Isabel Delgado Justino Fernandes, na qualidade
Mantêm-se, em vigor, todas as demais disposições e ma-
de mandatária.
térias que não sejam expressamente substituídas ou derroga-
Fernando José Coelho Pais, na qualidade de mandatário.
das pelo presente IRCT.
STICCS - Sindicato dos Trabalhadores da Indústria e Co-
Compromissos sobre revisão do CCT mércio de Carnes do Sul:
As partes assumem o compromisso de iniciar um proces- Rui José Basto Santos, na qualidade de mandatário.
so de revisão do CCT a partir de 15 de Setembro do corren- Pela FESAHT - Federação dos Sindicatos da Agricultura,
te ano, no âmbito do qual conferirão prioridade, no quadro Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal:
do processo negocial, à revisão das categorias profissionais,
nomeadamente no que respeita aos operadores de armazém. Manuel Jorge da Costa Graça, na qualidade de manda-
tário.
Declaração Final Pela FETESE - Federação dos Sindicatos da Indústria e
Para efeitos de cumprimento da alínea g) do número 1 do Serviços, em representação do seguinte sindicato filiado:
artigo 492.º do Código do Trabalho, a associação de empre- SITESE - Sindicato dos Trabalhadores e Técnicos de
gadores outorgante declara que o presente CCT abrange, à Serviços:
presente data, 131 empresas e as associações sindicais outor- Victor Manuel Vicente Coelho, na qualidade de manda-
gantes estimam que serão abrangidos 85 000 trabalhadores. tário.
FEPCES - Federação Portuguesa dos Sindicatos do Co-
Lisboa, 9 de Junho de 2016. mércio, Escritórios e Serviços - Lista de sindicatos filiados:
Pela Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição CESP - Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escri-
- APED: tórios e Serviços de Portugal;
Dr.a Ana Isabel Trigo de Morais, na qualidade de man- Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e
datária. Serviços do Minho;
Sindicato dos Trabalhadores Aduaneiros em Despachan-
Pela FEPCES - Federação Portuguesa dos Sindicatos do tes e Empresas;
Comércio, Escritórios e Serviços: Sindicato dos Trabalhadores de Serviços de Portaria, Vi-
Marisa Rosário Talhas Macedo Ribeiro, na qualidade de gilância, Limpeza, Domésticas, Profissões Similares e Acti-
mandatária. vidades Diversas;
Maria Isabel Delgado Justino Fernandes, na qualidade Sindicato dos Empregados de Escritório, Comércio e
de mandatária. Serviços da Horta.
Fernando José Coelho Pais, na qualidade de mandatário. FECTRANS - Federação dos Sindicatos dos Transportes
Pela FECTRANS - Federação dos Sindicatos de Trans- e Comunicações, representa os seguintes sindicatos:
portes e Comunicações: STRUP - Sindicato dos Trabalhadores de Transportes
Marisa Rosário Talhas Macedo Ribeiro, na qualidade de Rodoviários e Urbanos de Portugal;

2008
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

STRUN - Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Cláusula 2.ª


Rodoviários e Urbanos do Norte;
SNTSF - Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Sec- Vigência, denúncia e revisão
tor Ferroviário; 1- - A presente convenção entra em vigor a partir do quinto
SIMAMEVIP - Sindicato dos Trabalhadores da Marinha dia posterior ao da sua publicação no Boletim do Trabalho
Mercante, Agências de Viagens, Transitários e Pesca; e Emprego.
OFICIAISMAR - Sindicato dos Capitães, Oficiais Pilo- 2- As tabelas salariais e demais cláusulas de expressão pe-
tos, Comissários e Engenheiros da Marinha Mercante; cuniária terão uma vigência de doze meses, contados a partir
STFCMM - Sindicato dos Transportes Fluviais, Costei- de 1 de Abril de 2016 e serão revistas anualmente.
ros e da Marinha Mercante; 3- A denúncia desta CCT, na parte que respeita à tabela
STRAMM - Sindicatos dos Trabalhadores de Transpor- salarial e cláusulas de expressão pecuniária será feita, de-
tes Rodoviários da Região Autónoma da Madeira; corridos até 9 meses contados a partir da data referida no
SPTTOSH - Sindicato dos Profissionais dos Transportes, número 2.
Turismo e Outros Serviços da Horta; 4- A denúncia da CCT referida no número 1 pode ser fei-
SPTTOSSMSM - Sindicato dos Profissionais dos Trans- ta, decorridos 2 anos, contados a partir da referida data e
portes, Turismo e Outros Serviços de São Miguel e Santa renova-se por iguais períodos até ser substituída por outra
Maria. que a revogue.
5- As denúncias far-se-ão com o envio às demais partes
Depositado em 24 de junho de 2016, a fl. 194 do livro contratantes da proposta de revisão, através de carta regista-
n.º 11, com o n.º 95/2016, nos termos do artigo 494.º do Có- da com aviso de recepção, protocolo ou outro meio que faça
digo do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de prova da sua entrega à contraparte.
fevereiro. 6- As contrapartes deverão enviar às partes denunciantes
uma contraproposta até trinta dias após a recepção das pro-
postas de revisão, presumindo-se que a outra parte aceita o
proposto sempre que não apresentem proposta específica
para cada matéria; porém, haver-se-á como contraproposta a
Contrato coletivo entre a Associação do Comércio e declaração expressa da vontade de negociar.
Serviços da Região do Algarve - ACRAL e o CESP 7- As partes denunciantes disporão até dez dias para exa-
- Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escri- minar as contrapropostas.
tórios e Serviços de Portugal e outros - Alteração 8- As negociações iniciar-se-ão, sem qualquer dilação, nos
salarial e outras/texto consolidado primeiros dez dias úteis após o termo dos prazos referidos
nos números anteriores.
9- A CCT denunciada mantém-se em vigor até à entrada de
CCT entre a Associação do Comércio e Serviços da Re-
outra que a revogue.
gião do Algarve - ACRAL e o CESP - Sindicato dos Tra-
10- Na reunião protocolar deve(m) ser defenido(s) qual a
balhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal
entidade(s) secretariante(s) do processo de revisão.
e outros, com última publicação no Boletim do Trabalho e
11- Da proposta e contraproposta serão enviadas cópias ao
Emprego, 1.ª série, n.º 41 de 8 de Novembro de 2014.
Ministério da Segurança Social e do Trabalho.
Capítulo I Cláusula 3.ª

(Substituição da CCT)
Área, âmbito e vigência
1- A presente CCT mantém-se em vigor até que seja subs-
Cláusula 1.ª tituída por outra que expressamente a revogue na totalidade.
2- Sempre que se verifique, pelo menos, 3 alterações ou re-
Área e âmbito vistas mais de 10 cláusulas, com excepção da tabela salarial
A presente convenção colectiva de trabalho, a seguir de- e cláusulas de expressão pecuniária, será feita a republicação
signada por CCT, obriga, por um lado, todas as empresas automática de novo texto consolidado, do clausulado geral,
que desenvolvam actividade de comércio no distrito de Faro, no Boletim do Trabalho e Emprego.
(CAE 47112, 47191, 47210, 47220, 47230, 47250, 47260,
47291, 47293, 47740, 47750, 47510, 47711, 47712, 47721, CAPÍTULO II
47722, 47591, 47592, 47530, 47593, 47430, 47540, 47593,
47630, 47521, 47522, 47523, 47620, 47410, 47770, 47650, Actividade sindical na empresa
47640, 47761, 47783, 47420, 47762, 47784, 47790, 47910,
47810, 47820, 47890, e 95210), representadas pela ACRAL, Cláusula 4.ª
do outro lado, os trabalhadores ao seu serviço representados
pelos sindicatos signatários, qualquer que seja o seu local de Princípios gerais
trabalho, abrangendo 4500 empresas e 7500 trabalhadores. 1- Os trabalhadores e os sindicatos têm o direito de organi-

2009
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

zar, defender e desenvolver a sua actividade sindical dentro da actividade sindical.


da empresa. 2- O despedimento dos trabalhadores candidatos aos cor-
2- À entidade patronal é vedada qualquer interferência na pos gerentes das associações sindicais, bem como dos que
actividade sindical dos trabalhadores ao seu serviço. exerçam ou hajam exercido funções nos mesmos corpos ge-
rentes há menos de cinco anos, presume-se feito sem justa
Cláusula 5.ª
causa.
Comunicações à empresa 3- O despedimento de que, nos termos do número ante-
rior, se não prove justa causa dará ao trabalhador despedido
1- As direcções sindicais comunicarão à entidade patronal
o direito de optar entre a reintegração na empresa com os
a identificação dos seus delegados sindicais por meio de car-
direitos que tinha à data do despedimento ou a uma indemni-
ta registada e com aviso de recepção, de que será afixada
zação correspondente ao dobro daquela que lhe caberia nos
cópia nos locais de trabalho reservados às comunicações sin-
termos da lei e do contrato de trabalho e nunca inferior a 12
dicais, bem como daquelas que integram comissões sindicais
meses de serviço.
de empresa.
4- Se a pena aplicada for inferior ao despedimento e se for
2- O mesmo procedimento deverá ser observado no caso
julgado que se trata de pena injustificada tem direito a uma
de substituição ou cessação de funções.
indemnização dupla da que, em idêntico caso, seria devida a
Cláusula 6.ª outro trabalhador.

Comissões sindicais e intersindicais da empresa


Direitos e deveres dos delegados sindicais
1- A comissão sindical da empresa (CSE) é a organização
dos delegados sindicais do mesmo sindicato na empresa. 1- Aos delegados sindicais são assegurados os seguintes
2- A comissão intersindical da empresa (CE) é a organiza- direitos:
ção dos delegados das comissões sindicais da empresa. a) Para o exercício das suas funções, um crédito de oito
3- A comissão de trabalhadores é a organização dos traba- horas por mês ou de doze horas, tratando-se de delegado que
lhadores e é eleita em plenário com a presença da maioria faça parte da comissão intersindical;
dos trabalhadores da empresa. b) Para os efeitos da alínea anterior, deverão os delegados
4- Os delegados sindicais são os representantes na empre- avisar, por escrito, a entidade patronal com antecedência mí-
sa. nima de um dia;
5- As comissões sindicais e intersindicais da empresa têm c) Não serem transferidos do local de trabalho sem o seu
competência para intervir, nos termos da lei, propor e ser acordo e sem o prévio conhecimento da direcção do sindica-
ouvidas no que diga respeito e seja do interesse dos traba- to respectivo.
lhadores da empresa respectiva, nomeadamente circular em 2- Aplica-se aos delegados sindicais o regime previsto nos
todas as secções da empresa no exercício das suas funções. números 2, 3 e 4 da primeira parte desta cláusula «Garantias
dos dirigentes sindicais».
Cláusula 7.ª
Cláusula 8.ª
Garantias dos dirigentes sindicais
Deveres da entidade patronal face a actividade sindical na empresa
1- Aos trabalhadores que sejam dirigentes das associações
sindicais são assegurados os seguintes direitos: São deveres da entidade patronal:
a) As ausências dadas no desempenho das suas funções a) Pôr à disposição dos delegados sindicais, sempre que
sindicais são consideradas justificadas e contam como tempo estes o requeiram, um local apropriado para o exercício das
de serviço efectivo para todos os efeitos, excepto o da remu- suas funções. Este local, situado no interior da empresa ou
neração; na sua proximidade, será atribuído a título permanente se se
b) Os mesmos trabalhadores beneficiam, para o exercício tratar de empresas com mais de 150 trabalhadores;
das funções indicadas na alínea anterior, do crédito de seis b) Facultar aos trabalhadores a realização de reuniões nos
dias por mês, que são remunerados; locais de trabalho, fora de hora normal, desde que convo-
c) Para aplicação do regime das alíneas anteriores deverá cados por um mínimo de um terço ou 50 trabalhadores do
a direcção do sindicato interessado comunicar, por escrito, respectivo estabelecimento ou pela comissão sindical ou in-
com um dia de antecedência, os dados e o número de dias tersindical de delegados e desde que sejam assegurados os
que os directores necessitam para o exercício das suas fun- serviços de natureza urgente;
ções. Em caso de impossibilidade, a comunicação será feita c) Facultar local apropriado para os delegados sindicais po-
nos dias seguintes ao primeiro em que se verificar a falta; derem afixar, no interior da empresa, textos, convocatórias,
d) Não serem transferidos do local de trabalho sem o seu comunicados ou informações relativos à vida sindical e aos in-
acordo, regime que se aplicará igualmente aos membros dos teresses sócio-profissionais dos trabalhadores e permitir-lhes a
demais corpos gerentes das associações sindicais; distribuição dos mesmos documentos no interior da empresa,
e) Não serem afectados na sua promoção profissional ou mas sem prejuízo, em qualquer caso, da laboração normal;
salarial nem serem objecto igualmente de uma discriminação d) Sem prejuízo da normalidade de trabalho, autorizar
face aos demais trabalhadores em consequência do exercício reuniões dos trabalhadores durante o horário normal, até ao
máximo de quinze horas por ano, sem perda de retribuição

2010
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

ou de outros direitos decorrentes da efectividade de serviço, curso geral dos liceus, curso geral do comércio, cursos ofi-
desde que convocadas pela comissão sindical ou intersindi- ciais ou oficializados que não tenham duração inferior à da-
cal de delegados, devendo dar-se conhecimento à entidade queles ou cursos equivalentes.
patronal com antecedência mínima de um dia e com afixação
Grupo F
da convocatória;
e) Autorizar a participação de dirigentes sindicais nas reu- Motoristas - Habilitações mínimas legais.
niões referidas nas alíneas b) e d), desde que avisada do facto
Grupo G
com antecedência mínima de seis horas.
Electricistas:
CAPÍTULO III 1- Nas categorias profissionais inferiores a oficial obser-
var-se-ão as seguintes normas de acesso:
Admissão e carreira profissional a) Os ajudantes, após dois períodos de um ano de perma-
nência nesta categoria, serão promovidos a pré-oficiais;
Cláusula 9.ª b) Os pré-oficiais, após dois períodos de um ano de perma-
nência nesta categoria, serão promovidos a oficiais.
Classificação profissional 2- a) Os trabalhadores electricistas diplomados pelas esco-
Os trabalhadores abrangidos por este CCT são obrigato- las oficiais portuguesas nos cursos industriais de electricista
riamente classificados nas categorias profissionais constan- ou de montador electricista e ainda os diplomados com os
tes do anexo I. cursos de electricista da Casa Pia de Lisboa, Instituto Militar
dos Pupilos do Exército, 2.º grau de torpedeiros electricistas
Cláusula 10.ª da marinha de guerra portuguesa e curso de mecânica electri-
cista ou de rádio-montador da Escola Militar de Electrome-
Condições de admissão
cânica e com 16 anos de idade terão, no mínimo, a categoria
As condições de admissão para o exercício das funções ine- de pré-oficial do 2.º período.
rentes às categorias enumeradas no anexo I são as seguintes: b) Os trabalhadores electricistas diplomados com cursos
Grupo A do Ministério do Trabalho, através do Fundo de Desenvol-
vimento da Mão-de-Obra, terão, no mínimo, a categoria de
Profissionais do comércio: pré-oficial do 1.º período.
a) Idade mínima de 16 anos completos e as habilitações
literárias mínimas exigidas por lei, ciclo complementar do Grupo H
ensino primário, ciclo preparatório de ensino secundário ou Têxteis:
equivalentes; 1) As habilitações legais mínimas;
b) Os trabalhadores que ingressem na profissão com idade 2) As habilitações referidas nas alíneas do número anterior
igual ou superior a 18 anos não poderão ser classificados em não são exigíveis aos trabalhadores que à data da entrada
categoria inferior a caixeiro-ajudante. em vigor do presente contrato colectivo desempenhem ou te-
Grupo B nham desempenhado funções que correspondam a qualquer
das profissões nele previstas nem àqueles que residam em
Trabalhadores de serviços de portaria, vigilância, limpe- localidades onde não existam escolas oficiais que ministrem
za e actividades similares - Só poderão ser admitidos para o tais habilitações.
exercício destas funções os indivíduos que possuam as habi-
litações mínimas e com as seguintes idades mínimas: Cláusula 11.ª
1- De 18 anos, para trabalhadores de limpeza e contínuos;
Período experimental
2- De 18 anos, para porteiro, guarda ou vigilante.
1- A admissão do trabalhador será feita a título experimen-
Grupo C tal pelo período máximo de 60 dias, porém nas empresas
Telefonistas - Idade não inferior a 16 anos e as habilita- com 20 ou menos trabalhadores esse prazo é de 90 dias.
ções literárias mínimas exigidas por lei - ciclo complementar 2- No período experimental a entidade patronal só poderá
do ensino primário, ciclo preparatório do ensino secundário despedir o trabalhador desde que este revele inaptidão para o
ou equivalente. posto de trabalho ou cargo para o qual foi contratado, desde
que tal facto e as razões justificativas constem de documento
Grupo D escrito.
Cobradores - Habilitações exigidas por lei ou ciclo com- 3- À comissão sindical ou, na sua falta, ao delegado sindi-
plementar do ensino primário, ciclo preparatório do ensino cal respectivo será obrigatoriamente dado conhecimento do
secundário ou equivalente; documento referido no número 2, desta cláusula na data da
Admissão - 18 anos de idade. sua entrega ao trabalhador, sob pena de aquele e respectivos
efeitos serem considerados improcedentes.
Grupo E
4- Não há lugar a período experimental sempre que o tra-
Profissionais de escritório - Habilitações literárias do balhador ingresse na nova firma por aliciamento ou promes-
sa de melhores condições de trabalho e remunerações, desde

2011
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

que conste de documento subscrito por ambas as partes. encontre devidamente habilitado para o exercício dessas fun-
5- Findo o período de experiência, a admissão torna-se ções;
efectiva, contando-se a antiguidade do trabalhador desde a e) Nos estabelecimentos ou secções diferenciadas cujo
data da sua admissão. serviço seja assegurado pelo trabalhador, este não poderá es-
tar classificado em categoria inferior a caixeiro;
Cláusula 12.ª
f) Consideram-se secções diferenciadas as que, estando ou
Admissão para efeitos de substituição não fisicamente separadas, têm trabalhadores cujos serviços
são exclusiva ou predominantemente específicos dessas sec-
1- A admissão de qualquer trabalhador para efeitos de
ções;
substituição temporária entende-se feita a este título, mas
g) As entidades patronais poderão ter ao seu serviço um
apenas durante o período de ausência do substituído e desde
número de praticantes que não exceda 25 % dos empregados
que esta circunstância conste, por forma inequívoca, de do-
constantes do respectivo quadro de pessoal, fazendo-se no
cumento escrito.
cálculo o arredondamento para a unidade superior. Caso não
2- No caso de o trabalhador admitido nestas condições
existam empregados, poderá haver um só praticante;
continuar ao serviço por mais de 10 dias úteis após a data de
h) Na classificação dos profissionais do comércio que
apresentação do trabalhador substituído deverá a sua admis-
exerçam as funções de caixeiro serão observadas as propor-
são considerar-se definitiva, para todos os efeitos, a contar da
ções mínimas estabelecidas no quadro de densidade constan-
data da sua admissão para substituição.
te do anexo III, podendo, no entanto, o número de caixeiros
3- O trabalhador admitido nos termos e para os efeitos do
ser superior aos mínimos fixados para cada uma das classes,
disposto no número 1, desta cláusula, desde que tenha pres-
desde que salvaguardada a relação mínima.
tado serviço por um período igual ou superior a um trimes-
II - Trabalhadores de escritório
tre, tem direito a uma indemnização de 8,5 % da retribuição
1- :
mensal por cada mês de trabalho logo que sejam dispensados
a) É obrigatória a existência de um chefe de escritório nos
os seus serviços.
escritórios em que haja 25 ou mais trabalhadores de escritó-
4- A categoria profissional e a retribuição do trabalhador
rio e correlativos;
substituto não poderão ser inferiores à do substituído, pre-
b) É obrigatória a existência de um chefe de serviços nos
vistas neste contrato, quer durante o impedimento deste, quer
escritórios em que haja um mínimo de 15 trabalhadores de
após o seu regresso, no caso de se verificar a admissão defi-
escritório e correlativos;
nitiva de acordo com o número 2, desta cláusula.
c) É obrigatória a existência de um chefe de secção, ou
5- Se durante a vigência dos contratos dos trabalhadores
equiparado, nos escritórios com um mínimo de cinco traba-
admitidos para efeitos de substituição se verificarem vagas
lhadores de escritório e correlativos.
nas categorias da sua profissão, ser-lhes-á dada sempre pre-
2- Na elaboração do quadro de pessoal serão observadas as
ferência no preenchimento dessas vagas, desde que reúnam
seguintes proporções:
as condições necessárias, reconhecidas pela entidade patro-
a) Os chefes de secção serão em número nunca inferior a
nal.
10 % dos trabalhadores de escritório e correlativos existen-
Cláusula 13.ª tes, arredondado para a unidade imediatamente superior;
b) Os estagiários serão em número nunca superior ao dos
Relações nominais terceiros-escriturários;
As entidades patronais ficam obrigadas a dar cumprimen- c) O número de dactilógrafos não poderá exceder 25 %
to à legislação em vigor sobre quadros de pessoal e relações dos escriturários estagiários, com arredondamento imedia-
nominais dos trabalhadores ao seu serviço. tamente superior, sem prejuízo de ser permitida a existência
Cláusula 14.ª de um dactilógrafo nos escritórios com menos de quatro tra-
balhadores;
Quadro de pessoal d) Os escriturários serão classificados de acordo com o
I - Trabalhadores do comércio: quadro de base de densidades constante no anexo III, sem
a) Será atribuída a categoria de caixeiro chefe de secção prejuízo de o número de primeiros-escriturários e segundos-
aos profissionais que dirigem uma secção própria, salvo se, -escriturários poder ser superior aos mínimos fixados.
efectivamente, o número de caixeiros for inferior a três; III - Trabalhadores de armazém:
b) Nos estabelecimentos em que não haja empregado com 1) Um encarregado geral de armazém sempre que existam
funções privativas de caixa de balcão pode essa função ser 50 profissionais de armazém;
cumprida por qualquer trabalhador ao serviço, desde que de- 2) Um encarregado de armazém sempre que existam 30
vidamente habilitado para o exercício dessas funções; profissionais de armazém;
c) Os caixas podem prestar serviço misto em caso de im- 3) Um fiel de armazém sempre que existam dez profissio-
pedimento ocasional de um colega, desde que para tal este- nais de armazém.
jam habilitados e as suas funções não sejam incompatíveis; IV - Trabalhadores electricistas
d) O caixa privativo será substituído durante as suas au- Para os trabalhadores electricistas será obrigatoriamente
sências pela entidade patronal ou outro trabalhador que se observado o seguinte:

2012
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

a) Havendo apenas um trabalhador, será remunerado como a) Cumprir rigorosamente as disposições do presente con-
oficial; trato;
b) As empresas que tiverem ao seu serviço cinco oficiais b) Passar ao trabalhador um certificado de trabalho donde
têm de classificar um como encarregado; conste o tempo durante o qual o trabalhador esteve ao seu
c) Sempre que a empresa possua vários locais de trabalho serviço e o cargo ou cargos que desempenhou. O certificado
de carácter permanente, observar-se-ão em cada um deles as só poderá conter outras referências quando expressamente
normas estabelecidas nas alíneas a) e b). solicitadas pelo trabalhador;
c) Tratar com urbanidade os seus trabalhadores e sempre
Cláusula 15.ª
que tiver de lhes fazer qualquer observação ou admoestação
Acesso automático que elas sejam feitas de forma a não ferir a sua dignidade;
d) Exigir do trabalhador apenas o trabalho compatível com
1- Após um ano de permanência na categoria, o caixeiro-
a respectiva categoria e possibilidades físicas;
-ajudante ascenderá a terceiro-caixeiro.
e) Não deslocar qualquer trabalhador para serviços que
2- Os terceiros e segundos-caixeiros ascenderão à catego-
não sejam os da sua profissão ou não estejam de acordo com
ria imediatamente superior logo que completem quatro anos
a sua categoria hierárquica;
de permanência naquelas categorias.
f) Acompanhar com todo o interesse a aprendizagem dos
3- Os estagiários e dactilógrafos, após três anos de per-
que ingressam na profissão;
manência nestas categorias ou logo que atinjam 21 anos de
g) Providenciar para que haja bom ambiente de trabalho,
idade, ascenderão a terceiros-escriturários, sem prejuízo de
moral e boas condições materiais no local de trabalho, nome-
continuarem adstritos ao seu serviço próprio e às funções de
adamente no que concerne a higiene, segurança no trabalho e
dactilógrafo.
doenças profissionais;
4- Os terceiros-escriturários e segundos-escriturários as-
h) Facilitar a missão dos trabalhadores que sejam dirigen-
cenderão à categoria imediatamente superior logo que com-
tes de organismos sindicais, instituições de previdência ou
pletem três anos de permanência naquelas categorias.
membros de comissões paritárias e outras;
5- Para os efeitos do previsto nesta cláusula conta-se a
i) Facultar, sem prejuízo da retribuição, aos seus empre-
antiguidade que o trabalhador tiver na categoria à data da
gados que frequentem estabelecimentos de ensino oficial
entrada em vigor do contrato colectivo de trabalho referido
ou particular o tempo necessário à prestação de provas de
no preâmbulo.
exame, bem como facilitar-lhes, quando possível, a assistên-
6- O operador-ajudante de supermercado é o trabalhador
cia às aulas, ficando os profissionais nas referidas condições
admitido na profissão com mais de 18 anos e menos de 20
dispensados dos prolongamentos de horário de trabalho. À
anos de idade.
entidade patronal serão comunicados pelo empregado, logo
7- Operador de supermercado de 2.ª é o trabalhador que
que possível, os horários dos exames e das aulas, podendo
complete dois anos de permanência na categoria de ajudan-
aquela solicitar do estabelecimento do ensino a confirmação
te, excepto se tiver sido admitido com mais de 20 anos de
da assiduidade dos empregados.
idade, caso em que a permanência naquela categoria será de
um ano. Cláusula 17.ª
8- O operador de supermercado de 1.ª é o trabalhador que
complete três anos de permanência na categoria de operador Garantias dos trabalhadores
de 2.ª 1- É proibido à entidade patronal:
9- Operador especializado é o trabalhador que complete a) Opor-se, por qualquer forma, a que o trabalhador exerça
três anos de permanência na categoria de operador de 1.ª os seus direitos, bem como despedi-lo ou aplicar-lhe sanções
10- O ajudante de relojoeiro é o trabalhador que é admitido por causa desse exercício;
na profissão com idade igual ou superior a 18 anos. b) Exercer pressão sobre o trabalhador para que actue no
11- O oficial relojoeiro de 3.ª é o trabalhador que complete sentido de influir desfavoravelmente nas condições de traba-
dois anos de permanência na categoria de ajudante. lho dele ou dos seus companheiros;
12- O oficial relojoeiro de 2.ª é o trabalhador que complete c) Encarregar temporariamente o trabalhador de serviços
três anos de permanência na categoria de oficial de 3.ª não compreendidos no objecto de contrato, excepto nos ca-
13- O oficial relojoeiro de 1.ª é o trabalhador que complete sos admitidos neste contrato;
três anos de permanência na categoria de oficial de 2.ª d) Transferir o trabalhador para outro local ou zona, salvo
o disposto na cláusula seguinte;
CAPÍTULO IV e) Obrigar o trabalhador a adquirir bens ou a utilizar servi-
ços fornecidos pela entidade patronal ou por pessoa por ela
Direitos, deveres e garantias das partes indicada;
f) Explorar com fins lucrativos quaisquer cantinas, refei-
Cláusula 16.ª tórios, economatos ou outros estabelecimentos para forne-
cimento de bens ou prestação de serviços aos trabalhadores.
Deveres da entidade patronal 2- A prática pela entidade patronal de qualquer acto em
São deveres da entidade patronal: contravenção ao disposto no número anterior considera-se

2013
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

violação do contrato e dá ao trabalhador a faculdade de res- de que, em compensação, descansem nos dias 26 de Dezem-
cindir o contrato com justa causa, com a indemnização cor- bro e 2 de Janeiro, ou nos dias úteis imediatos, caso aqueles
respondente. coincidam com dias de descanso obrigatório.
2- No caso de os trabalhadores trabalharem ao sábado na
Cláusula 18.ª
parte da tarde, o horário de trabalho será de quarenta horas
Deveres dos trabalhadores para os profissionais do comércio e de trinta e sete horas e
meia para os de escritório; de qualquer modo o dia de des-
São deveres dos trabalhadores:
canso semanal será o domingo, sendo o descanso comple-
a) Exercer com competência, zelo e assiduidade as fun-
mentar de meio dia feito por escala rotativa.
ções que lhe tiverem sido confiadas;
3- No caso de os trabalhadores trabalharem ao domingo, o
b) Não praticar deliberadamente qualquer acto que preju-
horário de trabalho será de quarenta horas para os profissio-
dique ou possa prejudicar a entidade patronal nem negociar
nais do comércio e de trinta e cinco horas para os de escri-
por conta própria ou alheia em concorrência com esta;
tório. Neste regime os trabalhadores folgarão dois dias por
c) Obedecer à entidade patronal ou a quem a representar
semana consecutivos e rotativamente.
em tudo o que respeita a trabalho, salvo quando as ordens e
4- Os trabalhadores terão direito a um subsídio de 100 %
instruções daquela se mostrarem contrárias aos seus direitos
sobre o salário efectivo nos domingos em que houver lugar a
e garantias;
prestação de trabalho.
d) Respeitar e fazer-se respeitar dentro dos locais de tra-
5- Em todo o caso serão salvaguardados os horários de me-
balho;
nor duração já praticados.
e) Zelar pelo bom estado e conservação do material que
6- O período de trabalho diário que não poderá exceder as
lhe tenha sido confiado;
8 horas deverá ser interrompido por um intervalo de duração
f) Usar de urbanidade nas relações com o público;
não inferior a uma hora, nem superior a duas horas, de modo
g) Proceder com justiça em relação às infracções discipli-
que os trabalhadores não prestem mais de cinco horas de tra-
nares dos seus subordinados;
balho consecutivo.
h) Informar com verdade, isenção e espírito de justiça a
respeito dos seus inferiores hierárquicos; Cláusula 21.ª
i) Dar estrito cumprimento ao presente contrato;
j) Aumentar a sua cultura e, em especial, cuidar do seu Trabalho extraordinário
aperfeiçoamento profissional; 1- Considera-se trabalho extraordinário o prestado fora do
k) Desempenhar, na medida do possível, as funções dos período normal de trabalho.
colegas impossibilitados de as prestar por causas fortuitas ou 2- É abolido, em princípio, o trabalho extraordinário.
de força maior, nos termos do presente contrato. 3- A realização de trabalho extraordinário só é permitida
em casos ponderosos (acidentes, trabalho urgente, imprevis-
Cláusula 19.ª
tos, trabalhos que não devam ser interrompidos ou adiados,
Transferência do trabalhador etc.) e desde que daí não resulte um prejuízo grave para o
trabalhador.
1- A entidade patronal pode transferir o trabalhador para
4- Por motivo de balanço e até ao limite de trinta dias em
outro local de trabalho desde que essa mudança não lhe acar-
cada ano, pode o período normal diário ser prolongado, mas
rete prejuízo. No caso de o trabalhador não concordar com
esse prolongamento diário não poderá ir além das vinte e
a transferência, querendo rescindir o contrato, terá direito às
duas horas e trinta minutos, com um intervalo mínimo de
indemnizações previstas na presente convenção, salvo se a
trinta minutos para descanso antes do início daquele prolon-
entidade patronal provar que da mudança não resulta prejuí-
gamento.
zo para o trabalhador.
2- A entidade patronal custeará sempre as despesas feitas Cláusula 22.ª
pelo trabalhador directamente impostas pela transferência.
Remuneração do trabalho extraordinário

CAPÍTULO V 1- O trabalho extraordinário dá direito a remuneração es-


pecial, a qual será igual à retribuição normal acrescida da
Duração da prestação do trabalho percentagem de 100 %.
2- A fórmula a considerar no cálculo de horas simples para
Cláusula 20.ª a remuneração do trabalho extraordinário é a seguinte:

Horário de trabalho Vencimento mensal x 12


1- Nos meses de Janeiro a Novembro, no caso de os tra- Horas de trabalho mensal x 52
balhadores cessarem a sua actividade às 13 horas de sábado,
3- O pagamento do trabalho extraordinário deverá ser
com encerramento ao domingo, o horário a praticar será de
efectuado até ao limite da primeira semana do mês seguinte
quarenta horas semanais.
àquele em que foi prestado, mediante recibo correctamente
No mês de Dezembro, os trabalhadores podem praticar ao
discriminado.
sábado o horário normal dos restantes dias (oito horas), des-

2014
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Cláusula 22.ª-A descanso semanal ou feriados, subsídios, descontos e mon-


tante líquido a receber.
Trabalho em dias de descanso e feriados 6- O pagamento deve ser efectuado até ao último dia útil
1- O trabalho prestado em dias de descanso normal será de cada mês, dentro do período normal de trabalho.
pago com acréscimo de 100 % sobre a retribuição normal e 7- Não é permitida qualquer forma de retribuição diferente
dá ao trabalhador direito a descansar num dos três dias úteis das empresas nos esquemas referidos no presente contrato,
seguintes, sem perda de retribuição. nomeadamente a remuneração baseada exclusivamente em
A obrigatoriedade do descanso total aplica-se seja qual for comissões.
a duração do trabalho prestado, não podendo o profissional
Cláusula 24.ª-A
receber em relação a esse trabalho uma remuneração inferior
à devida pelo mínimo de meio-dia de trabalho. Subsídio de refeição
2- Aplica-se ao trabalho nos dias feriados obrigatórios o
1- Os trabalhadores terão direito a um subsídio de refeição
disposto no número anterior quanto à retribuição e ao des-
no valor de 3,50 € por cada dia de trabalho efectivo, sem pre-
canso, salvo nas empresas legalmente dispensadas de sus-
juízo de valores mais elevados já em prática nas empresas.
pender o trabalho nesses dias, cujo pessoal terá apenas direi-
2- Aos trabalhadores com horário de trabalho incompleto
to ao pagamento pelo dobro da retribuição normal.
será assegurado um subsídio de refeição proporcional às ho-
Cláusula 23.ª ras de trabalho diário prestado.

Trabalho nocturno Cláusula 25.ª


1- Considera-se nocturno o trabalho prestado entre as 20 Retribuições dos trabalhadores que exerçam funções inerente a
e as 7 horas. diversas categorias
2- Não se considera trabalho nocturno, para efeitos de re- Quando algum trabalhador exerça, com carácter de regu-
muneração superior à normal, o trabalho prestado no perí- laridade, funções inerentes a diversas categorias receberá a
odo indicado no número 1 desta cláusula em empresas que retribuição estipulada para a mais elevada.
adoptem o regime de turnos de pessoal, sendo, neste caso,
aplicáveis as disposições da lei geral para o regime de turnos. Cláusula 26.ª
3- O trabalho nocturno será pago com um acréscimo de 25 %
Substituições temporárias
sobre a remuneração normal.
1- Sempre que um trabalhador substitua integralmente ou-
tro de categoria superior passará a receber esta última retri-
CAPÍTULO VI
buição, durante o tempo em que a substituição durar.
2- Sempre que um trabalhador substitua outro de categoria
Remunerações mínimas
superior além de 180 dias, passará a receber o vencimento
correspondente ao exercício dessa categoria, mesmo finda a
Cláusula 24.ª
substituição, quando o trabalhador substituído regressar ao
Retribuições certas mínimas desempenho das funções anteriores.
3- Exceptuam-se do preceituado no número anterior os
1- As remunerações certas mínimas garantidas aos traba-
casos de impedimento por prestação de serviço militar por
lhadores pelo presente contrato são as que constam do anexo
parte do trabalhador substituído.
IV.
2- Quando um trabalhador aufira uma remuneração mista, Cláusula 27.ª
isto é, constituída por uma parte certa e por uma parte vari-
ável, ser-lhe-á sempre assegurada a parte certa prevista na Diuturnidades
tabela em anexo, independentemente da retribuição variável. 1- As retribuições certas auferidas pelos profissionais sem
3- O pagamento dos valores correspondentes a comissões acesso obrigatório são acrescidas de uma diuturnidade por
sobre vendas deverá ser efectuado logo que as vendas se cada três anos de permanência na categoria, até ao limite de
concretizem através da sua facturação. três diuturnidades.
4- Aos trabalhadores com funções de caixa ou que tenham 2- O valor pecuniário de cada diuturnidade é de 12,00 eu-
a seu cargo recebimento de numerário, será atribuído um ros.
abono mensal de 15,00 €, desde que sejam responsáveis pe- 3- No ano de cessação do contrato, este será devido na par-
las falhas. te proporcional aos meses de duração do contrato naquele
5- A empresa é obrigada a entregar aos trabalhadores, no ano civil.
acto do pagamento da retribuição, um talão, preenchido de 4- Idêntica proporcionalidade será aplicada no caso de o
forma indelével, no qual figurem o nome completo do traba- contrato ter estado suspenso por impedimento prolongado
lhador, categoria profissional, número de inscrição na caixa respeitante ao trabalhador por motivo que não seja imputá-
de previdência, período de trabalho a que corresponde a re- vel, designadamente cumprimento de serviço militar, doença
tribuição discriminando as importâncias relativas a trabalho ou acidente de trabalho.
normal e a horas extraordinárias ou a trabalho nos dias de 5- Para os efeitos do disposto nos números 2, 3 e 4, as frac-

2015
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

ções do mês serão também pagas na proporção dos dias de dos decretados como obrigatórios, o feriado municipal da
trabalho prestado. localidade onde se situam os respectivos estabelecimentos e
o de Terça-Feira de Carnaval, que será observado em confor-
Cláusula 28.ª
midade com a disposição camarária do respectivo concelho.
Subsídio de Natal Cláusula 31.ª
1- As entidades patronais obrigam-se a pagar até ao dia 15
de Dezembro um subsídio correspondente a 100 % da retri- Duração das férias
buição global mensal. 1- Os trabalhadores abrangidos por este contrato terão di-
2- Nos anos de admissão ou de cessação de contrato, este reito a gozar em cada ano civil e sem prejuízo da retribuição
subsídio será pago na proporcionalidade dos meses de servi- um período de férias correspondente a 22 dias úteis.
ço prestado. 2- O direito a férias vence-se no dia 1 de Janeiro do ano
3- No ano de cessação do contrato, este será devido na par- civil seguinte àquele a que diz respeito.
te proporcional aos meses de duração do contrato naquele 3- Para efeito do disposto do número 1, conta-se o tempo
ano civil. de antiguidade que o trabalhador tiver na empresa até ao ter-
4- Idêntica proporcionalidade será aplicada no caso de o mo do ano civil a que as férias digam respeito.
contrato ter estado suspenso por impedimento prolongado 4- O trabalhador terá direito a gozar férias no próprio ano
respeitante ao trabalhador por motivo que não lhe seja im- de admissão um período de férias correspondente dois dias
putável, designadamente cumprimento de serviço militar, por cada mês de trabalho já prestado, desde que o total de
doença ou acidente de trabalho. férias gozadas nesse ano não ultrapasse 20 dias úteis.
5- Para os efeitos do disposto nos números 2, 3 e 4, as frac- 5- A época de férias deve ser estabelecida de comum acordo
ções do mês serão também pagas na proporção dos dias de entre o trabalhador e a entidade patronal. Se não existir acor-
trabalho prestado. do, a entidade patronal fixará a época de férias de 1 de Maio
a 31 de Outubro, devendo, no entanto, dar conhecimento ao
Cláusula 29.ª
trabalhador com uma antecedência não inferior 30 dias.
Deslocações 6- Aos trabalhadores chamados a prestar serviço militar será
concedido o período de férias e respectivo subsídio antes da
Aos trabalhadores deslocados em serviço da empresa se-
incorporação, devendo aqueles avisar do facto a entidade pa-
rão assegurados os seguintes direitos:
tronal logo que convocados. Na impossibilidade do seu gozo,
a) Pagamento das refeições, alojamentos e transporte ne-
dever-lhes-ão ser pagas as retribuições correspondentes.
cessários, nos seguintes termos:
7- No caso de impossibilidade de gozo de férias já vencidas
Diária - 32,07 euros;
por motivo não imputável ao trabalhador, nomeadamente por
Alojamento e pequeno-almoço - 17,76 euros;
doença ou acidente de trabalho, poderão as mesmas ser go-
Pequeno-almoço - 2,23 euros;
zadas até ao fim do 1.º trimestre do ano seguinte. Se mesmo
Almoço, jantar ou ceia - 9,64 euros.
assim persistir a impossibilidade, o trabalhador tem direito a
Ou pagamento das despesas contra a apresentação de do-
receber a retribuição correspondente e respectivo subsídio.
cumentos comprovativos;
8- Para efeitos de férias, são úteis os dias da semana de
b) O disposto na alínea a) não se aplica às refeições toma-
segunda-feira a sexta-feira, com excepção dos feriados, não
das no estrangeiro, que serão pagas mediante factura;
podendo as férias ter início em dia de descanso semanal do
c) Se o trabalhador utilizar o seu próprio veículo ao ser-
trabalhador.
viço da empresa, esta obriga-se a pagar-lhe pelo valor do
9- A duração do período de férias é aumentada no caso
coeficiente 0,25 sobre o preço em vigor do litro de gasolina
de o trabalhador não ter faltado, ou na eventualidade de ter
super por cada quilómetro percorrido.
apenas faltas justificadas no ano a que as férias se reportam,
nos seguintes termos:
CAPÍTULO VII a) Três dias de férias até ao máximo de uma falta ou dois
meios-dias;
Suspensão da prestação do trabalho b) Dois dias de férias até ao máximo de duas faltas ou qua-
tro meios-dias;
Cláusula 30.ª c) Um dia de férias até ao máximo de três falta ou seis
Descanso semanal e feriados
meios-dias.
10- O trabalhador pode renunciar parcialmente ao direito
1- É considerado dia de descanso semanal o domingo, ex- a férias, recebendo retribuição e o subsídio respectivo, sem
cepto para sectores comerciais legalmente autorizados a es- prejuízo de ser assegurado o gozo efectivo de 20 dias úteis
tar abertos ao público nesse dia. de férias.
2- São considerados feriados obrigatórios os decretados
pela lei. Cláusula 32.ª
3- O feriado de Sexta-Feira Santa poderá ser observado na
Subsídio de férias
segunda-feira seguinte à Páscoa.
4- São para todos os efeitos considerados feriados, além 1- As entidades patronais obrigam-se a pagar a todos os tra-

2016
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

balhadores, antes do início das férias, um subsídio de 100 % i) Dia do funeral, por falecimento dos familiares da linha
da retribuição mensal. colateral até ao 3.º grau, tios/tias, sobrinhos/sobrinhas, devi-
2- Nos casos previstos nos números 4 a 7 da cláusula ante- damente comprovado.
rior, os trabalhadores têm direito ao subsídio correspondente
Cláusula 35.ª
ao número de dias de férias a que tiveram direito.
3- Aos trabalhadores com retribuição mista, o subsídio de Consequência das faltas justificadas
férias é pago tendo como base a média das remunerações.
1- As faltas, prévias ou posteriormente, autorizadas pela
4- Cessando o contrato de trabalho, os trabalhadores têm
entidade patronal serão pagas, salvo estipulação em contrá-
direito à retribuição correspondente ao período de férias ven-
rio.
cido e ao respectivo subsídio, salvo se já as tiverem gozado,
2- As faltas previstas nas alíneas b), c), d), e), f), g), h), i),
bem como as férias e subsídio proporcional aos meses de
j) e k) da cláusula anterior não implicarão perda de remune-
serviço prestado no próprio ano de cessação do contrato.
ração.
5- Este subsídio beneficiará de qualquer aumento de retri-
3- Os trabalhadores podem faltar no dia da prova de exa-
buição que se verifique até ao início das férias.
me e véspera, sem prejuízo da sua remuneração e demais
Cláusula 33.ª regalias.

Definição de falta Cláusula 36.ª


1- Por falta entende-se a ausência por inteiro de um dia de Consequência das faltas não justificadas
trabalho.
1- As faltas não justificadas dão direito à entidade patronal
2- Nos casos de ausência durante períodos inferiores a um
de descontar na retribuição a importância correspondente ao
dia de trabalho, os respectivos tempos serão adicionados,
número de faltas.
contando-se essas ausências como faltas, na medida em que
2- As faltas dadas pelos motivos previstos nas alíneas do
perfaçam um ou mais dias completos de trabalho.
número 1 da cláusula 34.ª, quando não se prove a veracidade
3- Todas as ausências deverão ser justificadas logo que o
dos factos alegados, além de se considerarem como não jus-
trabalhador se apresente ao serviço, com excepção das re-
tificadas, constituem infracção disciplinar.
feridas nas alíneas c) e h) da cláusula seguinte, que deverão
3- As faltas não justificadas poderão constituir infracção
ser comunicadas com a antecedência mínima de 10 dias, no
disciplinar quando excederem 5 dias seguidos ou 10 interpo-
primeiro caso, e pelo menos de véspera, no segundo.
lados no mesmo ano civil.
Cláusula 34.ª
Cláusula 37.ª
Faltas justificadas
Licenças sem retribuição
1- Consideram-se justificadas as faltas prévia ou poste-
1- A entidade patronal pode conceder ou recusar ao traba-
riormente autorizadas pela entidade patronal, bem como as
lhador, a pedido deste, licença sem retribuição.
motivadas por:
2- O período de licença sem retribuição autorizado pela
a) Impossibilidade de prestar trabalho por facto para o
entidade patronal conta-se para efeitos de antiguidade.
qual o trabalhador de nenhum modo haja contribuído, nome-
adamente doença ou acidente, cumprimento de obrigações Cláusula 38.ª
legais ou pela necessidade de prestar assistência inadiável
aos membros do seu agregado familiar, em casos de acidente Impedimentos prolongados
ou doença; 1- Quando o trabalhador esteja temporariamente impedido
b) Prática de actos necessários ou inadiáveis ao exercício de comparecer ao trabalho por facto que não lhe seja im-
de funções em organismos sindicais, instituições de previ- putável, nomeadamente serviço militar, doença ou acidente,
dência ou comissões paritárias ou outras a estas inerentes; manterá o direito ao lugar na categoria, antiguidade e demais
c) Casamento, durante 11 dias úteis; regalias que por este contrato colectivo ou iniciativa da en-
d) Falecimento do cônjuge, companheiro, pai, mãe, sogro, tidade patronal lhe estejam sendo atribuídas, salvo as que
padrasto, madrasta, filho(a) enteado(a) genro, nora, durante pressuponham a efectiva prestação de trabalho.
cinco dias; 2- O contrato caducará, porém, no momento em que se tor-
e) Falecimento de irmão, irmã, cunhado(a), avô, avó, bi- ne certo que o impedimento é definitivo.
savô, bisavó, neto(a), bisneto(a) do próprio ou do cônjuge e
ainda de outras pessoas que viviam em comunhão de vida e CAPÍTULO VIII
habitação com o trabalhador, dois dias;
f) Prestação de provas de exame em estabelecimento de Cessação do contrato de trabalho
ensino, no próprio dia e véspera;
g) Prestação, por parte dos trabalhadores que sejam bom- Cláusula 39.ª
beiros voluntários, do cumprimento das respectivas funções,
durante o tempo indispensável; Causas de cessação do contrato de trabalho
h) Doação de sangue, durante o dia da doação; O contrato cessa:

2017
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

a) Por mútuo acordo das partes; Cláusula 42.ª


b) Por caducidade;
c) Por rescisão de qualquer das partes ocorrendo justa causa; Rescisão por parte da entidade patronal ocorrendo justa causa
d) Por denúncia unilateral por parte do trabalhador. 1- O despedimento do trabalhador tem de resultar sempre
de justa causa.
Cláusula 40.ª
2- A justa causa tem de ser apurada e aprovada em proces-
Justa causa de rescisão por iniciativa da entidade patronal so disciplinar, conforme o preceituado na cláusula 43.ª
3- A inexistência de justa causa ou a inadequação da san-
1- Considera-se justa causa o comportamento culposo do
ção ao comportamento verificado determina a nulidade da
trabalhador que, pela sua gravidade e consequência, torne
sanção que, apesar disso, tenha sido aplicada.
imediata e praticamente impossível a subsistência da relação
4- A inexistência de justa causa, a inadequação da sanção
de trabalho.
ao comportamento verificado e a nulidade ou inexistência de
2- Constituirão, nomeadamente, justa causa de despedi-
processo disciplinar determinam a nulidade do despedimen-
mento os seguintes comportamentos do trabalhador:
to com base nos comportamentos concretos invocados.
a) Desobediência ilegítima às ordens dadas por responsá-
5- O trabalhador tem direito, no caso referido no número
veis hierarquicamente superiores;
anterior, às prestações pecuniárias que deveria ter normal-
b) Violação de direitos e garantias de trabalhadores da em-
mente auferido desde a data do despedimento até à data da
presa;
sentença, bem como à reintegração na empresa no respecti-
c) Provocação repetida de conflitos com outros trabalha-
vo cargo ou posto de trabalho e com a antiguidade que lhe
dores da empresa;
pertencia.
d) Desinteresse repetido pelo cumprimento, com a diligên-
6- Em substituição da reintegração, o trabalhador pode op-
cia devida, das obrigações inerentes ao exercício do cargo ou
tar pela indemnização de antiguidade correspondente a um
posto de trabalho que lhe esteja confiado;
mês de retribuição por cada ano ou fracção, não podendo ser
e) Prática intencional, no âmbito da empresa, de actos lesi-
inferior a três meses.
vos da economia nacional;
7- Tratando-se do despedimento de trabalhadores candida-
f) Lesão de interesses patrimoniais sérios da empresa;
tos aos corpos gerentes das associações sindicais e de traba-
g) Faltas não justificadas ao trabalho que determinem di-
lhadores que desempenham funções de delegados sindicais,
rectamente prejuízos ou riscos graves para a empresa ou, in-
em ambos os casos, desde que exerçam ou hajam desempe-
dependentemente de qualquer prejuízo grave ou risco, quan-
nhado as respectivas funções há menos de cinco anos, com
do o número de faltas injustificadas atingir, em cada ano, 5
início em data posterior a 25 de Abril de 1974, presume-se
seguidas ou 10 interpoladas;
feito sem justa causa e dá ao trabalhador despedido o direito
h) Falta de observância de normas de higiene e segurança
de optar entre a reintegração na empresa, com os direitos que
no trabalho;
tinha à data do despedimento, e indemnização correspon-
i) Prática, no âmbito da empresa, de violências físicas, de
dente ao dobro da estabelecida no número anterior e nunca
injúrias ou outras ofensas punidas por lei sobre os trabalha-
inferior à retribuição correspondente a 12 meses de serviço.
dores da empresa, elementos dos corpos sociais ou sobre a
entidade patronal individual não pertencente aos mesmos ór- Cláusula 43.ª
gãos, seus delegados ou representantes;
j) Incumprimento ou oposição ao cumprimento de deci- Processo disciplinar
sões judiciais ou actos administrativos definitivos e execu- 1- Nos casos em que se verifique algum dos comporta-
tórios; mentos de justa causa previstos na cláusula 40.ª, a entidade
k) Reduções anormais da produtividade do trabalhador; patronal comunicará, por escrito, ao trabalhador que tenha
l) Falsas declarações relativas a justificação de faltas. incorrido nas respectivas infracções e à comissão de traba-
lhadores da empresa, se a houver, a sua intenção de proce-
Cláusula 41.ª
der ao despedimento, o que fará acompanhar de uma nota de
Justa causa de rescisão por iniciativa do trabalhador culpa com a descrição fundamentada dos factos imputados
ao trabalhador.
O trabalhador poderá rescindir o contrato, sem observân-
2- O trabalhador dispõe de um prazo de dez dias úteis para
cia de aviso prévio, nas seguintes situações:
deduzir, por escrito, os elementos que considere relevantes
a) Necessidade de cumprir obrigações legais incompatí-
para o esclarecimento da verdade.
veis com a continuação dos serviços;
3- A comissão de trabalhadores pronunciar-se-á seguida-
b) Falta de pagamento pontual da retribuição na forma de-
mente, fundamentando o seu parecer, no prazo de dois dias
vida;
úteis a contar do momento em que o processo lhe seja entre-
c) Violação das garantias legais e convencionais do traba-
gue por cópia.
lhador;
4- Decorrido o prazo referido no número anterior, a entida-
d) Aplicação de sanção abusiva;
de patronal poderá ou não proferir o despedimento, devendo
e) Falta de condições de higiene e segurança no trabalho;
a decisão fundamentada constar sempre de documento es-
f) Lesão de interesses patrimoniais do trabalhador ou
crito, de que será sempre entregue cópia ao trabalhador e à
ofensa à sua honra ou dignidade.

2018
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

comissão de trabalhadores. 4- Quando a transmissão do estabelecimento tiver em vista


5- Caso a decisão fundamentada da comissão de trabalha- iludir a responsabilidade que dos contratos decorre para o
dores seja contrária ao despedimento, o trabalhador dispõe transmitente, o trabalhador poderá rescindir o contrato, com
de um prazo de três dias a contar da decisão do despedimento direito às indemnizações que lhe competiriam se fosse des-
para requerer judicialmente a suspensão do despedimento. pedido sem justa causa.
6- Nas empresas em que, por impossibilidade legal, não
Cláusula 46.ª
haja comissão de trabalhadores, o trabalhador dispõe da fa-
culdade de pedir a suspensão do despedimento, nos termos Falência ou insolvência
do número anterior.
1- A declaração de falência ou insolvência da entidade pa-
7- O tribunal competente, ouvidas as partes interessadas
tronal não faz caducar os contratos de trabalho.
no prazo de quarenta e oito horas, deverá pronunciar-se no
2- O administrador da falência ou insolvência satisfará in-
prazo máximo de 30 dias relativamente ao pedido de suspen-
tegralmente as retribuições que se forem vencendo se o esta-
são do despedimento.
belecimento não for encerrado e enquanto o não for.
8- A suspensão só será decretada se o tribunal, ponderadas
3- A cessação dos contratos de trabalho, no caso previsto
todas as circunstâncias relevantes, concluir pela não exis-
nesta cláusula, fica sujeita ao regime geral estabelecido no
tência de probabilidade séria de verificação efectiva de justa
presente capítulo e na lei.
causa de despedimento invocada.
9- O pedido de suspensão ou a suspensão do despedimen- Cláusula 47.ª
to já decretada ficam sem efeito se o trabalhador, dentro do
prazo de 30 dias, não propuser acção de impugnação judi- Cessação ou interrupção de actividade
cial do despedimento ou se esta for julgada improcedente, No caso de a entidade patronal cessar ou interromper a
considerando-se, entretanto, suspenso o prazo se e enquanto sua actividade, aplicar-se-á o regime estabelecido na lei ge-
o caso estiver pendente de conciliação. ral em vigor, salvo se a entidade patronal, com o acordo do
10- A entidade patronal poderá suspender preventivamen- trabalhador, o transferir para outro estabelecimento, sendo-
te o trabalhador, sem perda de retribuição, quando se verifi- -lhe então garantidos, por escrito, todos os direitos decorren-
quem os comportamentos previstos nas alíneas c), i) e j) do tes da antiguidade ao serviço da entidade patronal que cessou
número 2 da cláusula 40.ª ou interrompeu a sua actividade.
Cláusula 44.ª
CAPÍTULO IX
Denúncia unilateral pelo trabalhador
1- O trabalhador tem direito de rescindir o contrato indivi- Condições particulares de trabalho
dual de trabalho por decisão unilateral, devendo comunicá-lo
por escrito, com aviso prévio de dois meses. Cláusula 48.ª
2- No caso de o trabalhador ter menos de dois anos com- Parentalidade
pletos de serviço, o aviso prévio será de um mês.
3- Se o trabalhador não cumprir, total ou parcialmente, o Além do estipulado no presente contrato para a genera-
prazo de aviso prévio, pagará à outra parte, a título de inde- lidade dos trabalhadores abrangidos, são ainda assegurados
mnização, o valor da retribuição correspondente ao período os direitos a seguir mencionados, sem prejuízo, em qualquer
do aviso prévio em falta. caso, da garantia do lugar, do período de férias ou de qual-
quer outro benefício concedido pela empresa:
Cláusula 45.ª 1- Durante o período de gravidez e até três meses após o
parto, as mulheres que desempenham tarefas incompatíveis
Transmissão do estabelecimento
com o seu estado, designadamente as de grande esforço fí-
1- A posição que do contrato decorre para a entidade patro- sico, trepidação, contactos com substâncias tóxicas ou po-
nal transmite-se ao adquirente, por qualquer título, do esta- sições incómodas ou transportes inadequados, deverão ser
belecimento onde os trabalhadores exerçam a sua profissão, imediatamente transferidas no posto de trabalho, quando for
salvo se antes da transmissão o contrato de trabalho houver clinicamente prescrito, para trabalhos compatíveis, sem pre-
deixado de vigorar. juízo da retribuição correspondente à sua categoria;
2- O adquirente do estabelecimento é solidariamente res- 2- O(a) trabalhador(a) tem direito a uma licença nascimen-
ponsável por todas as obrigações do transmitente vencidas to de filho a uma licença parental inicial de 120 ou 150 dias
nos 12 meses anteriores à transmissão, ainda que respeitem consecutivos, cujo gozo podem partilhar após o parto, sem
a empregados cujos contratos hajam cessado, desde que re- prejuízo dos direitos da mãe que é obrigatório o gozo de 6 se-
clamados pelos interessados até ao momento da transmissão. manas a seguir ao parto. No caso de nascimentos múltiplos,
3- Para efeitos do número 2, deve o adquirente, durante os o período de licença previsto, é acrescido de 30 dias por cada
15 dias anteriores à transmissão, fazer afixar avisos nos lo- gémeo, além do primeiro;
cais de trabalho ou levar ao conhecimento dos trabalhadores 3- A mãe que comprovadamente amamenta o filho tem
ausentes, por motivos justificados, de que devem reclamar direito a ser dispensada em cada dia de trabalho, por dois
os seus créditos. períodos distintos de duração máxima de uma hora para o

2019
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

cumprimento dessa missão, durante todo o tempo que durar anos escolares consecutivos, entendendo-se por aproveita-
a amamentação; mento a aprovação num terço das disciplinas que compõem
4- No caso de não haver lugar a amamentação, a mãe ou o o currículo do ano lectivo.
pai trabalhador tem direito por decisão conjunta à dispensa
Cláusula 51.ª
referida na alínea anterior para aleitação até o filho perfazer
1 ano; Complemento do subsídio de doença
5- A dispensa quando pedida, da comparência ao trabalho
Em caso de doença devidamente comprovada, a entidade
até dois dias cada mês, sendo facultativa a retribuição;
patronal pagará a diferença entre a retribuição mensal aufe-
6- O emprego a meio tempo, com a remuneração proporcio-
rida pelo trabalhador e o subsídio atribuído pela Segurança
nal, desde que os interesses familiares do (a) trabalhador(a)
Social até ao limite de 20 dias por ano, seguidos ou interpo-
o exijam e o empregador apenas pode recusar o pedido, com
lados.
fundamento em exigências imperiosos do funcionamento da
empresa; Cláusula 52.ª
7- Direito de ir às consultas pré-natais nas horas de traba-
lho, sem perda de retribuição, desde que devidamente com- Complemento de pensão por acidente de trabalho
provadas; 1- Em caso de incapacidade temporária do trabalhador
8- As entidades patronais são obrigadas a dispensar os(as) proveniente de acidente de trabalho ou doença profissional
trabalhadores(as) que tenham encargos familiares, da presta- ao serviço da empresa, a entidade patronal pagará nos pri-
ção de trabalho em horas extraordinárias, sempre que aque- meiros 30 dias 100 % e nos 90 dias subsequentes 50 % da
las o solicitem e sem que tal facto importe tratamento menos diferença entre o salário real e o montante pago pelo seguro.
favorável; 2- Em caso de incapacidade permanente do trabalhador
9- Todas as matérias não previstas nesta cláusula, aplica-se proveniente de acidente de trabalho ou doença profissional
a legislação de trabalho em vigor. ao serviço da empresa, a entidade patronal diligenciará a
sua transferência para funções compatíveis com a sua di-
Cláusula 49.ª
minuição, mantendo o seu salário total à data do acidente,
Direitos especiais dos menores não sendo abrangido por novas promoções da tarefa anterior,
passando a ficar abrangido contratualmente nas novas fun-
1- Os menores, com menos de 18 anos de idade, não são
ções com o salário antigo estagnado só até estas lá chegarem.
obrigados a prestação de trabalho antes das 7 horas e depois
Logo que tal suceda, o trabalhador passa ao regime da nova
das 20 horas.
função.
2- A entidade patronal deve proporcionar aos menores que
3- Em caso de incapacidade do trabalhador proveniente de
se encontrem ao seu serviço condições de trabalho adequa-
acidente que não possa ser considerado como acidente de
das à sua idade, prevenindo, de modo especial, quaisquer da-
trabalho, aplicar-se-á o regime de doença comprovada, ex-
nos ao seu desenvolvimento físico, espiritual ou moral.
cepto quando o trabalhador receba pagamento por qualquer
Cláusula 50.ª outra via.

Trabalhadores-estudantes
CAPÍTULO X
1- Os trabalhadores que frequentem cursos de reciclagem
ou de aperfeiçoamento profissional têm direito a redução de Higiene e segurança no trabalho
horário, conforme as necessidades, sem prejuízo da sua re-
muneração e demais regalias, até ao limite de cento e vinte Cláusula 53.ª
horas anuais.
2- Os trabalhadores que frequentem o ensino preparatório Higiene e segurança no trabalho
geral, complementar ou superior, oficial ou equiparado, terão A entidade patronal obriga-se a proporcionar aos traba-
direito a redução de uma hora, durante o período escolar, lhadores condições humanas de trabalho, criando e manten-
sem prejuízo da sua remuneração e demais regalias. do para tal nos locais de trabalho todas as estruturas e ser-
3- Os trabalhadores podem faltar no dia de provas de exa- viços necessários, nomeadamente dos sectores de higiene,
me e véspera da parte da tarde, sem prejuízo da sua remune- segurança e saúde, previstos na legislação específica ou nas
ração e demais regalias. resoluções da OIT, com preferência nas condições mais fa-
4- O trabalhador deve informar a entidade patronal nos voráveis para a saúde dos trabalhadores.
cinco dias subsequentes ao da matrícula nos cursos a que se
refere o número 2 desta cláusula. Cláusula 54.ª
5- Nos casos de frequência dos cursos de reciclagem ou de Higiene e segurança no trabalho - Normas especiais
aperfeiçoamento profissional, o trabalhador deve informar a
entidade patronal com a antecedência mínima de uma sema- 1- Os estabelecimentos devem ser permanentemente man-
na da data de início da frequência efectiva do curso. tidos limpos, competindo à entidade patronal mandar proce-
6- As faculdades referidas nos números 1 e 2 serão retira- der às necessárias operações de limpeza.
das sempre que se verifique falta de aproveitamento em dois 2- Os locais de trabalho devem ser iluminados com luz

2020
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

natural, recorrendo-se a artificial quando aquela for insufi- neas do número 1, desta cláusula pode o trabalhador visado
ciente. reclamar nos termos da lei em vigor.
3- Nos locais de trabalho onde tal seja necessário, desig- 7- As sanções disciplinares previstas nas alíneas c) e d)
nadamente em armazéns, devem ser estabelecidos sistemas do número 1, desta cláusula não podem ser aplicadas sem
de iluminação nas escadas principais e respectivas vias de instauração do prévio processo disciplinar, sob pena de nu-
acesso. lidade.
4- Nos locais de trabalho devem manter-se boas condições
de ventilação natural, recorrendo-se a artificial quando aque- CAPÍTULO XII
la seja insuficiente.
5- Os trabalhadores cujas tarefas se localizem no exterior Interpretação, integração e resolução de conflitos
dos edifícios devem estar protegidos contra as intempéries e
exposições excessivas ao sol. Cláusula 56.ª
6- Nos estabelecimentos de vendas, bem como nos arma-
zéns, devem adoptar-se as medidas adequadas para prevenir (Comissão paritária)
incêndios e preservar a segurança em caso de incêndio. É constituída uma comissão paritária com competência
7- Deve ser posta à disposição dos trabalhadores, em lo- para interpretar e integrar as disposições desta CCT.
cais facilmente acessíveis, água potável em quantidade su-
ficiente. Constituição, funcionamento e deliberação
8- As instalações sanitárias devem satisfazer os seguintes
requisitos: Constituição:
a) Disporem de água canalizada; 1- É constituída uma comissão formada por três represen-
b) Serem iluminadas e ventiladas; tantes de cada uma das partes outorgantes; que poderão ser
c) Possuírem um lavatório para cada grupo de 10 trabalha- assessorados. Os assessores, todavia, não terão direito a voto;
dores ou fracção; 2- Por cada representante efectivo, será designado um
d) Uma bacia sanitária por cada grupo de 25 trabalhadores substituto para desempenho de funções, no caso de ausência
do sexo masculino ou 15 do sexo feminino; do efectivo;
e) Os lavatórios devem estar providos de sabão não irri- 3- Cada uma das partes indicará por escrito à outra, nos
tante. trinta dias subsequentes à publicação desta CCT, os nomes
respectivos dos representantes efectivos e suplentes, consi-
CAPÍTULO XI derando-se a comissão paritária apta a funcionar, logo que
indicados os nomes dos seus membros;
4- A identificação dos membros que constituem a comis-
Sanções disciplinares
são paritária, terá que ser objecto de publicação no Boletim
Cláusula 55.ª do Trabalho e Emprego, cabendo à parte sindical proceder
ao depósito dos respectivos documentos;
Sanções disciplinares 5- A comissão paritária funcionará enquanto estiver em
1- A entidade patronal pode aplicar as seguintes sanções vigor a presente CCT, podendo os seus membros ser substi-
disciplinares, sem prejuízo dos direitos e garantias gerais dos tuídos pela parte que os nomearam, em qualquer altura, me-
trabalhadores: diante comunicação por escrito, à outra parte, tendo que ser
a) Repreensão; também esta alteração publicada no Boletim do Trabalho e
b) Repreensão registada; Emprego.
c) Suspensão do trabalho com perda de retribuição; Normas de funcionamento:
d) Despedimento nas condições previstas neste contrato. 1- Salvo acordo em contrário, a comissão paritária funcio-
2- A sanção disciplinar não pode ser aplicada sem audiên- nará em local a determinar pelas partes;
cia prévia do trabalhador e a sua execução só pode ter lugar 2- A comissão paritária funcionará a pedido de qualquer
nos três meses seguintes à decisão. das partes mediante convocatória com a antecedência míni-
3- Para efeitos de graduação das penas, deverá atender-se à ma de quinze dias, com a indicação da agenda de trabalhos,
natureza e gravidade da infracção, à culpabilidade do infrac- local, dia e hora da reunião, cabendo o secretariado à parte
tor, não podendo aplicar-se mais de uma pena pela mesma que convocar a reunião;
infracção. 3- A entidade secretariante deverá elaborar as actas das
4- A infracção disciplinar prescreve ao fim de um ano, a reuniões, bem como remeter aos organismos outorgantes có-
contar do momento em que teve lugar, ou logo que cesse o pias das deliberações tomadas.
contrato de trabalho.
5- O disposto nos números anteriores não prejudica o di- Atribuições:
reito de a entidade patronal exigir indemnização de prejuízos Interpretação de cláusulas e integração de lacunas da pre-
ou promover a aplicação da sanção penal a que a infracção sente CCT.
eventualmente dê lugar. Deliberações:
6- Da aplicação das penalidades previstas nas diversas alí- 1- A comissão paritária só poderá deliberar desde que es-

2021
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

tejam presentes, pelo menos, dois membros de cada uma das Operador de grua;
partes; Operador de balança ou báscula.
2- Para deliberação, só poderão pronunciar-se igual nú- 6- Caixa de balcão - É o trabalhador que recebe numerá-
mero de membros de cada uma das partes, cabendo a cada rio em pagamento de mercadorias ou serviços no comércio;
elemento 1 voto; verifica as somas devidas, recebe o dinheiro, passa um recibo
3- As deliberações da comissão paritária, tomadas por ou bilhete, conforme o caso, regista operações em folhas de
unanimidade, são automaticamente aplicáveis às empresas caixa e recebe cheques.
abrangidas, por esta CCT e aos trabalhadores; 7- Repositor(a) - É o trabalhador que coloca os produtos
4- As deliberações, devem ser remetidas, pela entidade nas prateleiras e locais de venda, procedendo à sua reposição
secretariante, ao Ministério do Trabalho, Solidariedade e Se- em caso de falta.
gurança Social, passando a partir da sua publicação a fazer 8- Caixeiro - É o trabalhador que vende mercadorias di-
parte integrante da convenção. rectamente ao público, fala com o cliente no local da venda,
informa-o do género de produtos que deseja, enuncia o preço
CAPÍTULO XIII e se esforça por concluir a venda.
9- Propagandista - É o trabalhador que promove a divul-
Disposições transitórias gação de produtos através da publicidade directa, expondo as
vantagens da aquisição dos artigos, dando sugestões sobre a
Cláusula 57.ª utilização e distribuindo folhetos, catálogos e amostras.
10- Demonstrador - É o trabalhador que faz demonstra-
Manutenção de regalias adquiridas ções de artigos em estabelecimentos industriais, exposições
1- Da aplicação do presente contrato não poderá resultar ou domicílios, antes e depois da venda.
redução das remunerações ou de outras condições de traba- 11- Conferente - É o trabalhador que controla e eventual-
lho mais favoráveis que estejam a ser praticadas à data da sua mente regista a entrada e ou saída das mercadorias em arma-
entrada em vigor. zém ou câmaras.
2- Consideram-se expressamente aplicáveis todas as dis- 12- Fiel de armazém - É o trabalhador que superintende
posições legais que estabeleçam tratamento mais favorável nas operações de entrada e saída de mercadorias e ou mate-
do que o presente contrato. riais; executa ou fiscaliza os respectivos documentos; se res-
ponsabiliza pela arrumação e conservação das mercadorias
Cláusula 58.ª ou materiais; examina as concordâncias entre as mercadorias
Quotizações
recebidas e as notas de encomenda, recibos ou outros docu-
mentos; toma nota dos danos e perdas; orienta e controla a
As entidades patronais abrangidas por este contrato efec- distribuição de mercadorias pelos sectores da empresa, uten-
tuarão, até ao dia 10 do mês seguinte àquele a que respeitam, tes ou clientes; promove a elaboração de inventários; cola-
a entrega do produto das quotizações dos trabalhadores ao bora com o superior hierárquico na organização do material
seu serviço, desde que sindicalizados e hajam manifestado, de armazém e é responsável pelas mercadorias ou materiais
por escrito, vontade nesse sentido. existentes em armazém.
13- Vendedor - É o trabalhador que, predominantemente
ANEXO I fora do estabelecimento, solicita as encomendas, promove e
vende mercadorias, por conta da entidade patronal. Transmi-
Categorias profissionais e definição de funções te as encomendas ao escritório central ou delegações a que
I) Caixeiros e trabalhadores de armazém se encontra adstrito e envia relatórios sobre as transacções
comerciais que efectuou. Pode ser designado por:
1- Servente - É o trabalhador que cuida do arrumo das a) Caixeiro-viajante, quando exerce a sua actividade numa
mercadorias ou produtos no estabelecimento ou armazém e zona geográfica determinada, fora da área definida para o
de outras tarefas indiferenciadas. caixeiro de praça;
2- Caixeiro-ajudante - É o trabalhador que estagia para b) Caixeiro de praça, quando exerce a sua actividade na
terceiro caixeiro. área onde está instalada a sede da entidade patronal e conce-
3- Distribuidor - É o trabalhador que distribui as mercado- lhos limítrofes;
rias por clientes ou sectores de vendas. c) Caixeiro de mar, quando se ocupa de fornecimento para
4- Embalador - É o trabalhador que acondiciona e ou de- navios.
sembala produtos diversos por métodos manuais ou mecâni- 14- Encarregado de armazém - É o trabalhador que dirige
cos, com vista à sua expedição ou armazenamento. o pessoal e o serviço no armazém, assumindo a responsabili-
5- Operador de máquinas - É o trabalhador cuja activida- dade pelo bom funcionamento do mesmo.
de se processa manobrando ou utilizando máquinas. É desig- 15- Inspector de vendas - É o trabalhador que inspeccio-
nado, conforme a máquina que manobra ou utiliza: na o serviço dos vendedores, caixeiros-viajantes e de praça,
Operador de empilhador; recebe as reclamações dos clientes, verifica a acção dos seus
Operador de monta-cargas; inspeccionados pelas notas de encomenda, auscultação da
Operador de ponte móvel; praça, programas cumpridos, etc.

2022
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

16- Chefe de vendas - É o trabalhador que dirige e coorde- mentos ou de paredes em alcatifas, papel ou outros materiais.
na um ou mais sectores de vendas da empresa. 29- Operador fiscal de caixa - É o trabalhador que no su-
17- Promotor de vendas - É o trabalhador que, actuando permercado ou hipermercado, sob a orientação do superior
em pontos directos e indirectos de consumo, procede no sen- hierárquico, abre as caixas registadoras e distribui trocos,
tido de esclarecer o mercado com o fim específico de incre- fiscaliza a correcção das operações das caixas registadoras,
mentar as vendas da empresa. presta assistência aos trabalhadores adstritos às caixas e aos
18- Chefe de compras - É o trabalhador especialmente en- clientes. Faz o recebimento dos cheques passados por clien-
carregado de apreciar e adquirir os artigos para uso e venda tes; fiscaliza e assina talões de vasilhame, assim como vales
no estabelecimento. de reembolso. No final do dia, em conjunto com o encarre-
19- Prospector de vendas - É o trabalhador que verifica as gado de secção, recebe as receitas das operadoras adstritas às
possibilidades do mercado nos seus vários aspectos e pre- caixas registadoras.
ferências, poder aquisitivo e solvabilidade; estuda os meios
II) Trabalhadores de escritório
mais eficazes de publicidade de acordo com as caracterís-
ticas do público a que os produtos se destinam e observa 1- Dactilógrafo - É o trabalhador que predominantemente
os produtos quanto à sua aceitação pelo público e a melhor executa trabalhos dactilografados, minutados ou redigidos
maneira de os vender. Pode eventualmente organizar expo- por outrem, e acessoriamente serviços de arquivo, registo ou
sições. cópia de correspondência.
20- Vendedor especializado ou técnico de vendas - É o tra- 2- Recepcionista - É o trabalhador que recebe clientes e
balhador que vende mercadorias, cujas características e ou dá explicações sobre os artigos, transmitindo indicações dos
funcionamento exijam conhecimentos especiais. respectivos departamentos, assiste na portaria, recebendo e
21- Expositor e ou decorador - É o trabalhador que conce- atendendo visitantes que pretendem encaminhar-se para a
be e executa o arranjo de montras ou outros locais de exposi- administração ou para funcionários superiores ou atendendo
ção, segundo o seu sentido estético. outros visitantes com orientação das visitas e transmissão de
22- Caixeiro-encarregado ou chefe de secção - É o traba- indicações várias.
lhador que no estabelecimento se encontra apto a dirigir o 3- Estagiário - É o trabalhador que auxilia o escriturário e
pessoal e o serviço, coordena, dirige e controla o trabalho e se prepara para essa função.
as vendas do estabelecimento ou da secção. 4- Escriturário (primeiro-escriturário, segundo-escritu-
23- Encarregado geral - É o trabalhador que dirige e co- rário ou terceiro-escriturário) - É o trabalhador que executa
ordena a acção de dois caixeiros-encarregados e ou encarre- várias tarefas, que variam consoante a natureza e impor-
gados de armazém. tância do escritório onde trabalha; redige relatórios, cartas,
24- Encarregado de loja - É o trabalhador que num su- notas afirmativas e outros documentos, manualmente ou à
permercado ou hipermercado dirige e coordena o serviço e máquina, dando-lhes o seguimento apropriado; tira notas ne-
o trabalho dentro do estabelecimento, controla as compras e cessárias à execução das tarefas que lhe competem; examina
vendas e orienta a actividade de todos os trabalhadores do o correio recebido, separa-o, classifica-o, e compila os da-
estabelecimento. dos que são necessários para preparar as respostas; elabora,
25- Operador de supermercado - É o trabalhador que num ordena ou prepara, os documentos relativos a encomenda,
supermercado ou hipermercado desempenha as tarefas ine- distribuição e regularização das compras e vendas; recebe
rentes à recepção e conferência de mercadorias, sua marca- pedidos de informações e transmite-os à pessoa ou serviço
ção, transporte para os locais de exposição e manutenção em competente; põe em caixa os pagamentos de contas e entrega
boas condições de limpeza e apresentação; controla a saída de recibos; escreve em livros as receitas e despesas, assim
de mercadorias vendidas e o recebimento do respectivo valor; como outras operações contabilísticas; estabelece o extracto
colabora nos inventários periódicos. Pode exercer as tarefas das operações efectuadas e de outros documentos para infor-
inerentes às funções atrás descritas em regime de adstrição mação da direcção; atende os candidatos às vagas existentes;
a cada uma das funções ou em regime de rotação por todas informa-os das condições de admissão e efectua registos de
as funções. Pode também proceder à reposição dos produtos pessoal; preenche formulários oficiais relativos ao pessoal
nas prateleiras ou locais de vendas. Quando executa funções ou à empresa; ordena e arquiva notas de heranças, recibos,
de caixa, a categoria mínima atribuível é de operador de 2.ª cartas, e outros documentos e elabora estatísticas; acesso-
26- Montador de móveis - É o trabalhador que predomi- riamente, nota em estenografia, escreve à máquina e opera
nantemente monta, prepara ou afina no local móveis de ma- com máquina de escritório; verifica e regista a assiduidade
deira ou outros materiais de modo a deixá-los em perfeito do pessoal, assim como os tempos gastos na execução da
estado de funcionamento. tarefa, com vista ao pagamento de salários ou outros afins.
27- Acabador de móveis - É o trabalhador que executa os Para esse efeito, percorre os locais de trabalho para anotar
acabamentos em móveis de madeira e efectua uma criteriosa faltas ou saídas e verifica as horas de presença do pessoal,
revisão, a fim de localizar e reparar possíveis pequenas defi- segundo as respectivas fichas de ponto, e calcula, através das
ciências de fabrico. Pode também ter a seu cargo a colocação fichas de trabalho, os tempos consagrados à execução de ta-
de ferragens. refas determinadas; verifica se o conjunto de tempos gastos
28- Assentador de revestimentos - É o trabalhador que indicados nas fichas de trabalho correspondem às horas de
aplica, usando técnicas apropriadas, revestimentos de pavi- presença. Pode também assistir à entrada e saída de pessoal

2023
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

junto dos relógios de ponto ou outros dispositivos de con- além de executar tarefas de correspondente e ou esteno-dac-
trolo; por vezes, comunica ou faz as justificações de faltas e tilografia, tem conhecimento de línguas estrangeiras e cola-
atrasos dos trabalhadores aos respectivos chefes. bora directamente com entidades cujas funções sejam a nível
5- Caixa - É o trabalhador que tem a seu cargo as opera- de direcção de empresa, libertando-os ainda de trabalhos de
ções de caixa e registo de movimento relativo a transacções escritório de carácter geral.
respeitantes à gestão da empresa; recebe numerário e outros 16- Correspondente em línguas estrangeiras - É o traba-
valores e verifica se a sua importância corresponde à indica- lhador que tem como principal função redigir, traduzir e ou
da nas notas de venda ou nos recibos; prepara os subscritos retroverter correspondência num ou mais idiomas estrangei-
segundo as folhas de pagamento; pode preparar os fundos ros.
destinados a serem depositados e tomar as disposições ne- 17- Analista de sistemas - É o trabalhador que sob direcção
cessárias para os levantamentos. geral determina quais os problemas existentes e cria rotinas
6- Chefe de secção - É o trabalhador que coordena e con- para a sua solução; trabalha a maior parte do tempo sozinho
trola o trabalho de um grupo de profissionais. e tem geralmente competência para trabalhar ao mais alto ní-
7- Chefe de serviços - É o trabalhador que dirige ou chefia vel nas fases técnicas de análise de sistemas. Pode dirigir os
um sector de serviços. Consideram-se, nomeadamente, nesta níveis mais baixos. Analisa as dificuldades lógicas existentes
categoria os profissionais que chefiam secções próprias de e revê a lógica e as rotinas necessárias. Desenvolve a lógica
contabilidade, tesouraria e mecanografia. e procedimentos necessários para a mais eficiente operação.
8- Chefe de escritório - É o trabalhador que superintende 18- Esteno-dactilógrafo em línguas estrangeiras - É o tra-
em todos os serviços administrativos. balhador que, predominantemente, executa trabalhos esteno-
9- Guarda-livros - É o trabalhador que se ocupa da escri- -dactilografados num ou mais idiomas estrangeiros.
turação de registos ou de livros de contabilidade, gerais ou 19- Esteno-dactilógrafo em língua portuguesa - É o tra-
especiais, analíticos ou sintéticos, selados ou não selados, balhador que, predominantemente, executa trabalhos esteno-
executando nomeadamente trabalhos contabilísticos rela- -dactilográficos em língua portuguesa.
tivos ao balanço anual e apuramento dos resultados da ex- 20- Assistente administrativo(a) - É o trabalhador que
ploração e do exercício. Pode colaborar nos inventários das adopta processos e técnicas de natureza comunicacional, uti-
existências e preparar ou mandar preparar extractos de con- liza meios informáticos e assegura a organização dos proces-
tas simples ou com juros e executar conexos. Não havendo sos de informação para decisão superior.
secção de contabilidade, superintende os referidos serviços e
III) Trabalhadores de serviços de portaria, vigilância,
tem a seu cargo a elaboração dos balanços e escrituração dos
limpeza e actividades similares
livros selados ou não selados e é responsável pela boa ordem
e execução dos trabalhos. 1- Auxiliar ou servente de limpeza - É o trabalhador cuja
10- Estagiário de programação - É o trabalhador que es- actividade consiste principalmente em proceder à limpeza
tagia para programador, tendo o estágio a duração máxima das instalações.
de quatro meses. 2- Guarda - É o trabalhador cuja actividade se limita a
11- Operador mecanográfico - É o trabalhador que abas- velar pela defesa e conservação das instalações e de outros
tece e opera com máquinas mecanográficas, tais como in- valores que lhe estejam confiados.
terpretadoras, separadoras, reprodutoras, intercaladoras e 3- Porteiro - É o trabalhador cuja missão consiste princi-
tabuladoras; prepara a máquina para o trabalho a realizar palmente em vigiar as entradas e saídas do pessoal ou visi-
mediante o programa que lhe é fornecido; assegura o funcio- tante das instalações e receber correspondência.
namento do sistema de alimentação; vigia o funcionamen- 4- Contínuo - É o trabalhador cuja missão consiste em
to e executa o trabalho consoante as indicações recebidas; anunciar visitantes, fazer entrega de documentos, mensagens
recolhe os resultados obtidos; regista o trabalho realizado e objectos inerentes ao serviço interno, estampilhar ou entre-
e comunica superiormente as anomalias verificadas na sua gar correspondência.
execução.
IV) Telefonistas
12- Perfurador-verificador - É o trabalhador que trabalha
com máquinas de registo primário de dados ou verificações Telefonista - É o trabalhador que se ocupa exclusivamen-
numéricas ou alfanuméricas para registos de cartões, banda te das ligações telefónicas.
ou disco magnético. V) Cobradores
13- Operador de máquinas de contabilidade - É o traba-
lhador que trabalha com máquinas de registo de operações Cobrador - É o trabalhador que, normal e predominante-
contabilísticas; faz lançamentos, simples registos ou cálcu- mente, efectua fora dos escritórios recebimentos, pagamen-
los estatísticos; verifica a exactidão das facturas, recibos e tos e depósitos, considerando-se-lhe equiparado o profissio-
outros documentos. Por vezes, executa diversos trabalhos de nal de serviço externo que executa outros serviços análogos,
escritório relacionados com as operações de contabilidade. nomeadamente leitura, informação e fiscalização, relaciona-
14- Programador - É o trabalhador que transforma a des- dos com o escritório.
crição de um processamento mecanográfico em instrução VI) Trabalhadores motoristas
para o computador e para os operadores.
15- Secretário(a) de direcção - É o(a) trabalhador(a) que, Motorista (pesados ou ligeiros) - É o trabalhador que,

2024
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

possuindo carta de condução profissional, tem a seu cargo sua aprendizagem e coadjuva os oficiais e que, cooperando
a condução de veículos automóveis (ligeiros ou pesados), com eles, executa trabalhos de menor responsabilidade.
competindo-lhe ainda zelar pela boa conservação e limpeza
Deontologia profissional dos trabalhadores electricistas
do veículo, pela carga que transporta e orientação da carga e
1- O trabalhador electricista terá sempre direito a recusar
descarga e a verificação diária dos níveis de óleo e de água.
cumprir ordens contrárias à boa técnica profissional, nomea-
Os veículos ligeiros com distribuição e pesados terão, obri-
damente normas de segurança de instalações eléctricas.
gatoriamente, ajudante de motorista.
2- O trabalhador electricista pode também recusar obe-
VII) Trabalhadores têxteis diência a ordens de natureza técnica referentes à execução
de serviços quando não provenientes do superior habilitado
Neste sector enquadram-se os trabalhadores ocupados
com a carteira profissional, engenheiro ou engenheiro técni-
na confecção de todo o género de vestuário por medida ou
co do ramo electrónico.
emendas ao serviço de empresas do comércio retalhista.
3- Sempre que, no exercício da profissão, o trabalhador
Categorias profissionais electricista, no desempenho das suas funções, corra riscos
1- Mestre ou mestra - É o(a) trabalhador(a) que corta, pro- de electrocussão, não poderá trabalhar sem ser acompanhado
va, acerta e dirige a parte técnica da indústria. por outro trabalhador.
2- Ajudante de mestre ou mestra - É o(a) trabalhador(a)
IX) Trabalhadores relojoeiros
que auxilia o mestre ou mestra.
3- Oficial especializado - É o(a) trabalhador(a) que con- 1- Ajudante - É o trabalhador que termina a idade da
fecciona, total ou parcialmente, qualquer obra de vestuário, aprendizagem e estagia para oficial.
sem obrigação de cortar e provar, e que dirige a sua equipa. 2- Relojoeiro reparador - É o trabalhador que desmonta,
4- Oficial - É o(a) trabalhador(a) que auxilia o oficial es- limpa, repara, monta e afina vários tipos de relógios, exa-
pecializado, trabalhando sob a sua orientação. Será promo- mina, normalmente com lupa, o mecanismo do relógio a
vido obrigatoriamente à categoria imediata no período má- reparar ou retira o balanço, escape, rodas, tambor e outras
ximo de três anos. peças com o auxílio de pinças, chave de parafusos, alavancas
5- Costureira especializada - É a trabalhadora que cose, e outras ferramentas adequadas, repara ou substitui as peças
manualmente ou à máquina, no todo ou em parte uma ou defeituosas, limpa manual ou mecanicamente as peças com
mais peças de vestuário. benzina ou uma substância análoga, monta de novo e afina
6- Costureira - É a trabalhadora que auxilia a costureira as peças do mecanismo, lubrifica, com pequenas quantida-
especializada ou o oficial. Será promovida obrigatoriamente des de óleo, as partes sujeitas a atritos, regula o movimento
à categoria imediata no período máximo de três anos. do relógio de harmonia com o padrão de medida de tempo,
7- Bordadora especializada - É a trabalhadora especiali- verifica por vezes a estanquidade da caixa ou a magnetiza-
zada que borda à mão ou à máquina. ção do mecanismo, procedendo às necessárias correcções.
8- Bordadora - É a trabalhadora que borda à mão ou à Pode ser incumbido de fabricar peças utilizando um forno
máquina. Será promovida obrigatoriamente à categoria de de relojoeiro.
bordadora especializada no período máximo de três anos.
9- Estagiário(a) - É o(a) trabalhador(a) que tirocina para ANEXO II
oficial ou costureira durante o período máximo de dois anos.
10- Costureira de emendas - É a trabalhadora que de for- Enquadramento das profissões por níveis salariais
ma exclusiva efectua tarefas relativas às emendas de peça e
de vestuário previamente confeccionadas. 1- Trabalhadores de escritórios, caixeiros e armazéns
A) Chefe de escritório, gerente comercial, chefe de servi-
VIII) Trabalhadores electricistas ços, analista de sistemas e encarregado geral.
Definição de categorias B) Encarregado de loja, secretária de direcção, esteno-dac-
1- Encarregado - É o trabalhador electricista com a cate- tilógrafo em línguas estrangeiras, chefe de secção, guarda-
goria de oficial que controla e dirige os serviços nos locais -livros, correspondente em línguas estrangeiras, caixeiro-
de trabalho. -encarregado, caixeiro chefe de secção, inspector de vendas,
2- Chefia de equipa - É o trabalhador com a categoria de chefe de vendas, chefe de compras, programador, encarrega-
oficial responsável pelos trabalhos da sua especialidade, sob do de armazém, operador fiscal de caixa e assistente admi-
as ordens do encarregado, podendo substituí-lo nas suas au- nistrativo.
sências e dirigir uma equipa de trabalhadores da sua função. C) Estagiário de programação, operador de supermerca-
3- Oficial - É o trabalhador electricista que executa todos do especializado, promotor de vendas, primeiro-escriturário,
os trabalhos da sua especialidade e assume a responsabilida- caixa de escritório, operador de máquinas de contabilidade,
de dessa execução. primeiro-caixeiro, caixeiro-viajante, caixeiro de praça, ex-
4- Pré-oficial - É o trabalhador electricista que coadjuva positor-decorador, vendedor, fiel de armazém, prospector de
os oficiais e que, cooperando com eles, executa trabalhos de vendas, vendedor especializado ou técnico de vendas, opera-
menor responsabilidade. dor mecanográfico, assentador de revestimentos, montador
5- Ajudante - É o trabalhador electricista que completou a de móveis, esteno-dactilógrafo em língua portuguesa, acaba-
dor de móveis de 1.º e oficial relojoeiro de 1.ª

2025
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

D) Segundo-escriturário, segundo-caixeiro, conferente, E) Ajudante de motorista.


demonstrador, propagandista, recepcionista, perfurador-ve-
3 - Trabalhadores electricistas
rificador e acabador de móveis de 2.ª, oficial relojoeiro de 2.ª
A) Encarregado.
e operador de supermercado de 1.ª
B) Chefe de equipa.
E) Terceiro-escriturário, terceiro-caixeiro, caixa de balcão,
C) Oficial.
cobrador, contínuo, porteiro, telefonista, guarda, oficial relo-
E) Pré-oficial.
joeiro de 3.ª e operador supermercado de 2.ª
H) Ajudante.
F) Repositor, embalador, servente, servente de limpeza,
distribuidor e operador de máquinas. 4 - Trabalhadores têxteis
G) Estagiário do 3.º ano, dactilógrafo do 3.º ano e caixeiro- B) Mestre ou mestra.
-ajudante, ajudante de relojoeiro e operador-ajudante de su- C) Ajudante de mestre ou mestra.
permercado. D) Oficial especializado.
H) Estagiário do 2.º ano, dactilógrafo do 1.º ano e auxiliar E) Oficial, costureira especializada e bordadora especia-
ou servente de limpeza. lizada.
I) Estagiário do 1.º ano, dactilógrafo do 1.º ano. F) Costureira, bordadora, estagiário do 2.º ano (80 % do
vencimento da categoria para que tirocina) e estagiário do
2 - Trabalhadores rodoviários
1.º ano (60 % do vencimento da categoria para que tirocina).
C) Motorista de pesados.
H) Costureira de emendas.
D) Motorista de ligeiros.

Enquadramento das profissões por níveis funcionais

Chefe serviços
1.1) Técnico de produção e outros
Chefe de escritório
Quadros superiores
1.2) Técnicos administrativos e do Analista de sistemas
comércio Gerente comercial

2.1) Técnicos de produção e outros Programador


Quadros médios
2.2) Técnicos administrativos Chefe secção

Encarregado armazém
Caixeiro encarregado
Chefe de vendas
Caixeiro chefe de secção
Chefe de compras
Encarregados, contramestres, mestres
_____ Inspector de vendas
e chefes de equipa
Encarregado geral
Encarregado (elec.)
Encarregado loja
Mestre ou mestra
Chefe de equipa

Assistente administrativo
Secretária direcção
Guarda livros
Profissionais altamente qualificados 4.2) Administrativos, comércio e outros Esteno-dactilógrafo em línguas
(administrativos, comércio, produção estrangeiras
e outros) Correspondente em línguas
estrangeiras

4.2) Produção ____

2026
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

Estagiário de programador
Escriturário
Esteno-dactilógrafo em língua
5.1) Administrativos portuguesa
Operador máquinas de contabilidade
Operador mecanográfico
Caixa de escritório

Caixeiro
Montador de revestimentos
Profissionais qualificados Vendedor
Montador de móveis
Caixeiro viajante
5.2) Comércio
Caixeiro de praça
Expositor decorador
Fiel de armazém
Caixa de balcão
Operador de supermercado

5.3) Produção ____

Motorista
Oficial especializado
Oficial
5.4) Outros
Costureira
Bordadora
Relojoeiro

Recepcionista
Dactilógrafo
Perfurador-verificador
Propagandista
Conferente
Profissionais semi-qualificados 6.1) Administrativos, comércio e outros
Demonstrador
Pré-oficial
Cobrador
Telefonista
Operador de máquinas

Contínuo
Servente
Porteiro
Distribuidor
7.1) Administrativos e outros Auxiliar ou servente limpeza
Profissionais não qualificados
Embalador
(indiferenciados)
Guarda
Repositor
Ajudante de motorista

7.2) Produção ___

A.1) Praticantes e administrativos Estagiário

Caixeiro ajudante
Estágio e aprendizagem A.2) Praticantes da produção
Operador ajud. supermercado
Estagiário (têxteis)
A.3) Praticantes da produção
Ajudante (electricista)

2027
Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 25, 8/7/2016

ANEXO III

Quadro de densidades
1- Quadro de densidades dos profissionais de comércio

Número de trabalhadores

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

A)............ - - - - 1 1 1 1 1 2 2 2 2 2 2 2 2 2 3 3
B)............ - - 1 2 1 1 2 2 2 2 2 2 2 2 3 3 3 4 4 4
C)............ 1 1 1 1 1 2 2 2 3 3 3 4 4 4 4 5 5 5 5 6
D)............ - 1 1 1 2 2 2 3 3 3 4 4 5 6 6 6 7 7 7 7

A) Primeiro-caixeiro/Operador especializado Chefe vendas


B) Segundo-caixeiro/Operador de supermercado 1.ª Correspondente em línguas estrangeiras
C) Terceiro-caixeiro/Operador de supermercado 2.ª Encarregado armazém
D) Caixeiro-ajudante/Operador-ajudante de supermerca- Encarregado loja
Esteno-dactilografo em língua estrangeira
do B Guarda livros 645,00 €
Nota - Havendo mais de 20 caixeiros, observar-se-ão, quanto aos que Inspector vendas
excedam as duas dezenas, as proporções mínimas fixadas neste quadro. Mestre ou mestra
Operador fiscal caixa
Programador
2- Quadro de densidades dos profissionais de escritório Secretária direcção

1.º caixeiro
Número de trabalhadores 1.º escriturário