Vous êtes sur la page 1sur 5

AS NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO-APRENDIZAGEM DA LÍNGUA

INGLESA

Tamires Vieira Pinheiro de Castro (G-UENP/ CJ)


Guilherme Magri da Rocha (UENP/ CJ)

RESUMO

Esta pesquisa segue com objetivo de discutir e reconhecer a importância das


novas tecnologias ou, mais especificamente, o uso do CALL (Computer
Assisted Language Learning - Aprendizagem de Línguas Assistida por
Computador) no ensino da língua inglesa nas escolas públicas brasileiras com
o intuito de melhorar e aprimorar o ensino-aprendizagem dela em sala de aula,
mediado pelas inovações tecnológicas, em especial, o computador, dado que
de acordo com o relatório apresentado em novembro de 2010 pelo CGI
(Comitê Gestor da Internet no Brasil1), a utilização da internet no Brasil
aumentou de “37 milhões de usuários, em 2005”, para aproximadamente 65
milhões, em 2009” (CGI, 2010, p. 14). A tecnologia disponível no mundo atual
transformou a comunicação em todos os sentidos, porém as salas de aula
continuam com o quadro negro como uma tecnologia de certa forma bastante
ultrapassada sendo assim, de acordo os Parâmetros Curriculares Nacionais
(PCN), é dever da escola proporcionar aos discentes a inclusão social e digital,
“[...] por ser uma instituição social com o propósito explicitamente educativo,
tem o compromisso de intervir efetivamente para promover o desenvolvimento
e a socialização de seus alunos” (Brasil, 1997, p. 34).

É possível o aprendizado de uma língua estrangeira por meio da utilização da


tecnologia, onde os alunos possam utilizar os meios tecnológicos com
propósitos reais, realizando conversas com falantes nativos, se comunicando
em diversas situações e até criando amigos virtuais. Além disso, o computador
como recurso educacional auxilia os professores e aos discentes a adquirir
novas formas de aprendizagem. Ou seja, o computador não irá ensinar
determinada língua, mas sim segundo Moreira (2003) “[...] atuar como
instrumento enriquecedor ou facilitador da aprendizagem”. Com isso, o intuito
do trabalho é de mostrar e intensificar o ensino da língua inglesa com o auxílio
do computador por meio de dados teóricos propondo a valorização das
tecnologias em sala de aula para um ensino de aprendizagem inovador.

1. INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA

As diversas tecnologias estão presentes desde os lugares mais remotos até em


centros urbanos em todo o mundo. Com a globalização, o acesso a
informações se tornou mais fácil e instantâneo, permitindo que qualquer
pessoa que tenha acesso a Internet em qualquer lugar do mundo, busque o
conhecimento desejado. De acordo com o relatório apresentado em novembro
de 2010 pelo CGI (Comitê Gestor da Internet no Brasil), a utilização da internet
no Brasil aumentou de “37 milhões de usuários, em 2005”, para
aproximadamente 65 milhões, em 2009” (CGI, 2010, p. 14).

Nas ultimas décadas, o ensino da língua inglesa deixa de ser uma aula
cansativa e monótona e vem se transformando para uma aula mais interativa e
dinâmica graças à tecnologia A velocidade da internet nos ajuda na
comunicação e está cada vez mais presente em todos os níveis da sociedade,
facilitando assim a interação entre as pessoas de diversas regiões não só do
Brasil como no mundo todo.

A partir dos anos 90, quando o computador surge no Brasil, passa a ser
utilizado tanto pelos docentes como também pelos alunos de língua inglesa
como uma forma de emergir na língua alvo: CALL (Computer Assisted
Language Learning) ou Aprendizagem de Línguas Assistida por Computador -
termo utilizado para descrever o uso do computador no ensino de línguas. Levy
(1997) afirma que “a rapidez com a qual a tecnologia tem se desenvolvido
desde a invenção do computador tem sido extraordinariamente e
supreendentemente mantida.” Norte (1997) diz ainda que “A internet, além de
interligar continentes nos dá a oportunidade de uma realidade comunicativa
ímpar (...). Por meio dela, podemos nos comunicar constantemente com
falantes nativos. O aluno brasileiro não mais está isolado das outras línguas,
pois temos programas que permitem amenizar essa distância e proporcionar
comunicação com qualquer parte do mundo (NORTE, 1997, p. 88)”.

Com a rápida troca de informações advindas do computador, é possível estar


em constante contato com o idioma por meio de vários tipos de serviços como
softwares, CD-ROMs, bate-papos eletrônicos (chats), redes sociais (social
networking), correios eletrônicos (e-mails), aplicativos, vídeos do Youtube,
podcasts, entre outros meios de aprendizagem. A tecnologia disponível no
mundo atual transformou a comunicação em todos os sentidos, porém as salas
de aula continuam com o quadro negro como uma tecnologia de certa forma
bastante ultrapassada.

Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), é dever da escola


proporcionar aos discentes a inclusão social e digital, “[...] por ser uma
instituição social com o propósito explicitamente educativo, tem o compromisso
de intervir efetivamente para promover o desenvolvimento e a socialização de
seus alunos” (Brasil, 1997, p. 34).

Almeida Filho e Barbirato (2000) defendem que nos dias de hoje, há uma
necessidade em buscar novas experiências inovadoras nas salas de aula para
o aprendizado de uma língua estrangeira a partir de oportunidades de
experiências mais reais na língua-alvo como forma de possibilitar conteúdo de
melhor qualidade, sendo assim, mais significativo para o aluno. É possível o
aprendizado de uma língua estrangeira por meio da utilização da tecnologia,
onde os alunos possam utilizar os meios tecnológicos com propósitos reais,
realizando conversas com falantes nativos, se comunicando em diversas
situações e até criando amigos virtuais. Além disso, o computador como
recurso educacional auxilia os professores e aos discentes a adquirir novas
formas de aprendizagem. Ou seja, o computador não irá ensinar determinada
língua, mas sim segundo Moreira (2003) “[...] atuar como instrumento
enriquecedor ou facilitador da aprendizagem”. Segundo Moran (2000):
O computador permite cada vez mais pesquisar, simular situações,
testar conhecimentos específicos, descobrir novos conceitos, lugar
e ideias. Com a Internet pode-se modificar mais facilmente a forma
de ensinar e aprender. Procurar estabelecer uma relação de
empatia com os alunos, procurando conhecer seus interesses,
formação e perspectivas para o futuro. É importante para o
sucesso pedagógico a forma de relacionamento professor/aluno.
(MORAN, 2000, p.6)

O ensino/aprendizagem da língua inglesa em sala de aula é um desafio, pois


além de vários empecilhos presentes na sala de aula, é preciso despertar o
interesse e atenção dos alunos para a matéria.

O ensino da língua inglesa por meio das tecnologias em sala de aula ainda é
um desafio

estamos em contato com a língua sem perceber, seja na internet, nas


músicas, nos filmes, entre outros.

2. OBJETIVOS

2.1. Objetivo Geral

Despertar o conhecimento das diversas tecnologias no ensino da língua


inglesa;

2.2. Objetivo(s) específico(s)

Direcionar determinadas tecnologias no ensino da língua inglesa; reconhecer a


importância da tecnologia em sala de aula; ; reconhecer a necessidade de
integração da tecnologia no ensino; propor a utilização da tecnologia no ensino
da língua inglesa nas escolas públicas;

3. METODOLOGIA

4. CRONOGRAMA
5. RESULTADOS ESPERADOS

6. REFERÊNCIAS

ALMEIDA FILHO, J.C.P. e BARBIRATO, R.C. Ambientes comunicativos para


aprender Língua Estrangeira. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas,
vol. 36, 2000, p.23-42.

BRASIL, S.F.E. 1997. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos


parâmetros curriculares nacionais. Brasília, MEC/SEF, 126 p.34

LEVY, M. Computer-Assisted Language Learning: concept and


conceptualization. Nova York: Oxford University Press, 1997.

MORAN, José Manuel Moran. A integração das tecnologias na educação.


Disponível em:
http://www.eca.usp.br/prof/moran/site/textos/tecnologias_eduacacao/integracao
.pdf

MORAN, José Manuel et al. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 6. ed.


Campinas: Papirus, 2000.

MOREIRA, Francisca Helga Savir. Evolução do uso do computador no ensino


de línguas. Revista Letras, Curitiba, n. 59, p. 281-290, jan./jun. 2003.

NORTE, M. B. Formatando o computador no ensino de línguas. Tese de


Doutorado. UNESP/ FCL. Assis, 1997.

PAIVA, V. L. M . O. A formação do professor para uso da tecnologia. In: SILVA,


K.. A.; DANIEL, F. G.; KANEKO-MARQUES, S. M.; SALOMÃO, A. C. B. (Orgs)
A formação de professores de línguas: Novos Olhares - Volume 2. Campinas,
SP: Pontes Editores, 2013. pg. 209-230.

PAIVA, Vera Lúcia Menezes de Oliveira e. O uso da tecnologia no ensino de


línguas estrangeiras: breve retrospectiva histórica. Disponível em
<http://www.veramenezes.com/techist.pdf>.

REIS, Susana Cristina dos, GOMES, Adilson Fernandes. Podcasts para o


ensino de Língua Inglesa: análise e prática de Letramento Digital.Unisinos, Vol.
12, n. 3, p. 367-379, set/dez 2014

SILVA, Flaviana S., SCHLÜNZEN, Elisa T. M., SILVA, Maria G. M. A Internet


no contexto escolar: uma mídia pedagógica para promover a inclusão digital e
social de alunos do ensino fundamental. Disponível em: http://www.br-
ie.org/pub/index.php/sbie/article/view/534
TICS: CONCEPÇÕES NO ENSINO/APRENDIZAGEM DE
LÍNGUAS

http://www.todospelaeducacao.org.br/educacao-na-midia/indice/27028/so-2-
dos-professores-usam-tecnologia/