Vous êtes sur la page 1sur 13

O PAPEL DA EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DA

*1
FÍSICA

Marie-Geneviève Séré
DidaScO – Université ParisXI
Orsay – França
Suzana Maria Coelho
António Dias Nunes
Faculdade de Física – PUCRS
Porto Alegre – RS

Resumo

Discute-se o papel da experimentação no ensino da Física com base


em alguns exemplos práticos relacionados com a lei de Snell-
Descartes. Sugerem-se diferentes abordagens no ensino experimental
desta lei, mostrando-se a importância da exploração de aspectos
conceituais e procedurais na atividade experimental que reflitam a
atividade científica. Concebe-se a experimentação como uma forma
de favorecer o estabelecimento de um elo entre o mundo dos objetos,
o mundo dos conceitos, leis e teorias e o das linguagens simbólicas.

Palavras-chave: Experimentação, abordagens, ensino de Física.

I. Introdução

Um experimento pode ser concebido considerando-se diferentes


2
abordagens .

* Publicado no Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 20, n. 1, abr. 2003.


1
O presente artigo é fruto de um seminário, ministrado pela Dra Marie-Geneviève Séré (Doutora
em Didática da Física, Coordenadora do Grupo de Pesquisa em Didática das Ciências Físicas da
Universidade de Paris Sud -XI de Orsay), na Faculdade de Física da PUCRS, em dezembro de
2000, durante o evento Reflexões sobre a Didática das Ciências, apoiado pela FAPERGS, PUCRS,
ADPPUCRS, CEPERS e SINPRO.

31
A maneira clássica de utilizar o experimento é aquela em que o aluno
não tem que discutir; ele aprende como se servir de um material, de um método; a
manipular uma lei fazendo variar os parâmetros e a observar um fenômeno.
Há outro tipo de abordagem onde a lei não é questionada, ela é
conhecida e utilizada para calcular um parâmetro, analogamente ao que é feito em um
laboratório de metrologia ou de testes. No ensino podem ser mencionados alguns
exemplos, como comparar métodos experimentais ou determinar a velocidade do som
no ar. Nesse caso, é preciso fazer uso de uma competência suplementar que é a de
avaliar. Essa competência é raramente utilizada no ensino. Assim, ao resolver um
problema aplicando as leis de Newton, geralmente, encontra-se um único resultado.
Ao contrário, ao pedir ao aluno que meça um parâmetro, o professor tenta fazê-lo
perceber que o resultado é uma informação (COELHO, 1993,1998; SÉRÉ et al.,
1993), um meio de comunicação entre duas pessoas, duas comunidades e que ele vai
julgar esse parâmetro sem ter que fornecer um único resultado.
Um enfoque cada vez mais considerado graças ao uso da informática
consiste em traduzir sob diferentes formas um conjunto de dados relativos a um
fenômeno: coletar dados e selecioná-los eventualmente; encontrar modelos diferentes
e testá-los no computador. Essa é uma maneira de servir-se da teoria. Assim, é
possível comparar modelos e determinar o domínio de validade de uma lei. Pode-se
também, antes de ensinar uma lei, pedir aos alunos que imaginem um modelo.
Outra possibilidade é a que remete às atividades de produção, onde a
relação entre a teoria e o experimento é bastante interessante. O que se aprende de
teórico é utilizado de forma diferente da habitual, pois mesmo um engenheiro em
uma construção não está todo o tempo servindo-se da física, mas agindo
freqüentemente por tentativa e erro. As operações intelectuais utilizadas durante a
ação diferem das necessárias para a resolução de problemas do tipo papel e lápis.
Teorias modernas da psicologia e da ergonomia, pouco conhecidas, mostram que os
físicos aplicam com freqüência regras intuitivas, derivadas de seus conhecimentos
procedurais, de hábitos adquiridos ou simplesmente do bom senso, ao invés de
princípios físicos elaborados.
Portanto, o professor pode optar por diferentes enfoques ao propor um
experimento, o que implicaria em diferentes atividades para o aluno.
Neste artigo, discute-se o papel do experimento no ensino da Física, não
em termos de uma grande teoria pedagógica, mas com base em alguns exemplos
práticos. Considerando-se um determinado objetivo (cognitivo), são apresentadas

2
Embora seja difícil expressar o significado da palavra francesa “enjeu” em português, optou-se
pelo uso das palavras “abordagem” e “enfoque” como possíveis traduções. Convém notar que entre
os objetivos propostos, em geral, pelos professores, alguns podem ser entendidos como abordagens.

32
possíveis abordagens relacionadas à lei de Snell-Descartes e algumas considerações
finais referentes ao papel dos conceitos, das leis e dos procedimentos na
experimentação.

II. Diferentes abordagens de um experimento envolvendo a lei de Snell-


Descartes

O material experimental, constituído de uma fonte de luz com uma fenda


vertical, um disco graduado que pode girar em torno de um eixo central e um dioptro
plano de forma semicilíndrica em acrílico, é comumente utilizado em aula na
realização de experiências demonstrativas.
Para que a experiência “funcione”, a montagem exige certos cuidados
que, contudo, não são explícitos para os alunos. Após montar e regular o dispositivo
experimental, o professor deve apenas acionar o interruptor para que a lâmpada
acenda: imediatamente o feixe é desviado, as luzes parasitas praticamente inexistem e
observam-se os feixes incidente e refratado. Portanto, com esse equipamento, pode-se
realizar uma experiência demonstrativa que “funciona”.

(a) Vista lateral

(b) Vista superior

Fig. 1 – Equipamento experimental constituído de uma fonte de luz com uma


fenda vertical, um disco graduado que pode girar em torno de um eixo central e um dióptro

33
plano de forma semicilíndrica.
Entretanto, existem outras maneiras de explorar esse material de forma
que os próprios alunos possam realizar o experimento. Nesse sentido, mostra-se como
um mesmo experimento, tendo um objetivo central comum (estudar a lei de Snell-
Descartes) pode ser concebido considerando-se diferentes abordagens.3

Fig. 2 - Esquema óptico relativo ao fenômeno da refração da luz.

II.1 Verificar a lei de Snell-Descartes


Informa-se ao aluno que deve verificar a existência de uma relação
simples entre o seno do ângulo de incidência e o seno do ângulo de refração.

Roteiro do aluno
• Ajustar o dispositivo de forma que o feixe luminoso penetre no
semicilindro passando pelo centro de sua face plana.
• Realizar as medições e preencher a tabela abaixo:
i1(°) 0 5 10 15 20 25 30 35 60 65 75 80 85
i2(°)
sen i1
sen i2
seni1/seni2

• “Verificar” a existência de uma relação simples entre o seno do


ângulo de incidência (i1) e o seno do ângulo de refração (i2).

3
Para as abordagens explicitadas em II.1, II.2 e II.3, é utilizada a montagem da Fig 1, enquanto que
para a abordagem explicitada em II.4 outros materiais são colocados à disposição dos alunos e
utilizados conforme sua própria escolha.

34
Análise das medidas
• Determinar o valor central do intervalo de valores obtidos na última
linha da tabela.
• Determinar os desvios percentuais em relação ao valor central.
• Você obteve um valor constante para seni1/seni2?
• O desvio é inferior a 5%?

Nessa primeira abordagem, o experimento está a serviço do aprendizado


da lei. Observa-se que foi colocado um título e fornecido um objetivo ao aluno. E
essa é a maneira mais usual de utilizar esse equipamento. Para a análise dos dados, os
alunos são orientados passo a passo.
O objetivo do professor é enfocar a teoria buscando estabelecer uma
primeira relação entre ela e o mundo dos objetos. Dispondo-se de um único
equipamento, o ajuste faz-se de forma relativamente rápida, não exigindo uma
atividade de reflexão por parte do aluno. As atividades de ajuste e escolha dos dados
são excluídas em benefício da teoria. O aluno não tem escolha. Observa-se que as
medidas não são independentes, pois, uma vez feito o ajuste, se for cometido um erro
na primeira medida, todas serão acometidas desse mesmo erro. É por isso que é
determinado um valor central, não sendo, contudo, atribuição do aluno realizar uma
avaliação sobre o procedimento utilizado.

II.2 Comparar modelos


Outro enfoque possível, utilizando-se o mesmo tipo de equipamento, que
permite ao aluno uma atividade intelectual diferente é a comparação de modelos. Não
se trata de propor aos alunos a comparação de “modelos teóricos” (modelos que
explicariam a causa do desvio de um raio luminoso por um dioptro), mas de “modelos
4
de comportamento” . Este é um tipo de modelo freqüente em Física e ao qual, em
Física Básica, precisamos nos limitar muitas vezes (a lei de Ohm, por exemplo, é
comumente abordada como um “modelo de comportamento” e em mecânica dos
fluidos existem vários modelos desse tipo).

Roteiro do aluno
• Realizar os ajustes.
• Realizar uma quinzena de medidas (i1, i2), sendo que aproximadamente
a metade dos valores de i1 devem estar no intervalo [0,30o].

4
Em inglês, “Behaviour model”.

35
Análise das medidas
• A modelagem por uma reta deste conjunto de pontos (i1,i2) lhe parece
satisfatória? Forneça argumentos que serão discutidos no final da aula
• Kepler julgava que a lei i1=k.i2 podia convir para pequenos ângulos.
Determinar para qual intervalo de valores de i1 essa lei lhe parece válida.
• Descartes formulou uma relação de proporcionalidade entre as
grandezas seni1 e seni2. Represente, num sistema de eixos, os pontos experimentais.
• A modelagem por uma reta deste conjunto de pontos lhe parece
satisfatória? Forneça argumentos que serão discutidos no final da aula.

No roteiro do aluno nenhum objetivo é apresentado. Ele só existe na


mente do professor que pretende fazer com que os alunos percebam a possibilidade
de que um mesmo conjunto de dados pode ser modelado diferentemente. Essa
abordagem diferencia-se da anterior, pois as tarefas propostas implicam uma escolha
e uma decisão por parte do aluno.

II.3 Comparar métodos experimentais


Pretende-se com esta atividade que seja determinado o índice de refração
do acrílico em relação ao ar n por dois métodos diferentes: um deles exige a medição
do ângulo de refração enquanto o outro considera o fenômeno da reflexão total. Em
5
ambos os casos, solicita-se ao aluno uma avaliação da exatidão das medidas.

Roteiro do aluno
Método 1 (ar para acrílico)
• Ângulo de incidência i1= 35,0°;
• medir o ângulo de refração i2;
• determinar um valor de n com no máximo três algarismos;
• registrar na tabela abaixo o valor encontrado assim como os valores
obtidos pelos demais grupos.
grupo n° 1 2 3 4 5 6 7 8
valor de n

5
Adotou-se o termo exatidão ao invés de precisão segundo a concepção que relaciona exatidão ao
conceito de incerteza, ou seja, um sistema é tanto mais exato, quanto menor for a incerteza do
resultado que produz (GONELLA, 1983).

36
Método 2 (acrílico para ar)
• Obter a reflexão total sobre a face plana;
• medir o ângulo limite;
• determinar um valor de n com no máximo três algarismos;
• registrar na tabela abaixo o valor encontrado assim como os valores
obtidos pelos demais grupos.
grupo n° 1 2 3 4 5 6 7 8
valor de n

Análise das medidas


• Para cada um dos métodos, comparar a dispersão dos resultados.
• Refletir sobre os argumentos a serem expostos na discussão final.

Portanto, nessa situação experimental, a teoria é usada apenas como


suporte para uma avaliação da exatidão dos resultados experimentais. Não existe uma
preocupação com a teoria, pois se supõe que essa seja conhecida. A teoria está a
serviço de um savoir-faire específico da experimentação. Contudo, um certo número
de trabalhos mostra que se apoiar na teoria em favor da prática e da experimentação é
também um excelente meio de aprendê-la. No método 1, o ângulo de incidência é
fixado pelo professor. No método 2 , busca-se obter a reflexão total e o ângulo limite
que possibilita a determinação do índice de refração. Solicita-se ao aluno que
compare a dispersão dos resultados para cada um dos métodos e que reflita nos
argumentos a serem apresentados na discussão final. Logo, o professor pretende
familiarizar o aluno com a medição, utilizando a teoria para encontrar o melhor
método. Nesse caso é considerada a média, visto que a condição da independência
das medidas é satisfeita.

II.4 Conceber um experimento


Uma outra abordagem muito diferente das anteriores é aquela em que o
aluno concebe seu próprio experimento.
Para isso, o material relacionado abaixo é colocado à disposição do
mesmo:
- cubas de diferentes formas;
- água;
- papel milimetrado;
- fonte que permita isolar um feixe luminoso estreito;
- pranchas para desenho e percevejos;
37
- disco graduado (instrumento de medida).

Roteiro do aluno
Determinar o índice de refração da água, escolhendo os materiais para
realizar os experimentos e descrevendo-os detalhadamente a seguir.

Nesse tipo de abordagem, o professor muitas vezes surpreende-se pelas


dificuldades dos alunos. Observa-se que mesmo aqueles capazes de conhecer
perfeitamente o esquema óptico (Fig. 2), quando se vêem diante de uma cuba, não
conseguem identificar a normal à superfície do dioptro, ou seja, não reconhecem na
cuba cheia de água os elementos da figura teórica. A ação de introduzir o instrumento
de medida é extremamente simples, desde que se estabeleça no centro do disco
graduado o ponto onde o raio atinge a cuba. Observa-se que essa é uma operação
geralmente difícil para os alunos. Existe um tipo de “negociação” entre a limitação do
instrumento de medida e as limitações dos equipamentos que mostram o fenômeno. O
instrumento de medida fornecido é particularmente simples, mas é interessante para
um aluno elaborar um experimento, provocar o fenômeno e adaptar o instrumento de
medida a esse fenômeno.
Ao conceber um experimento, o aluno tem escolha, seja considerando
um ângulo ou vários ângulos, a ordem de grandeza do ângulo ou o número de
algarismos a serem mantidos. Tem-se a impressão de que nesse tipo de manipulação
perde-se muito tempo, mas, na realidade, o nível de aprofundamento dos
conhecimentos adquiridos é maior. Mesmo o experimento sendo bastante simples,
surgem questionamentos quanto à ordem de grandeza, dada pela teoria, e quanto ao
número de algarismos a serem mantidos. Tais questionamentos constituem, assim,
uma oportunidade para utilizar e aprender a teoria.

III. Considerações finais

III.1 O papel dos conceitos e das leis na experimentação


O princípio das ciências físicas está na articulação dos conceitos, leis e
teorias. Para compreender os papéis da experimentação no ensino de ciências é
preciso levar em conta os seguintes elementos:
- Observa-se que o aluno, na prática da Física, aprende a utilizar
esquemas, a servir-se de relações matemáticas (principalmente a não se enganar nos
cálculos). É preciso considerar a importância das linguagens simbólicas na
aprendizagem da Física (BEAUFILS, 2000);

38
- “o mundo dos objetos” intervém na experimentação. Segundo vários
autores (MARTINAND, 1996; JOHSUA, 1989), denomina-se referencial empírico
aquilo que é real, organizado especificamente para a experimentação, de forma a
permitir o estudo dos fenômenos. Em um laboratório de Física, por exemplo,
raramente observam-se, de forma direta, os fenômenos a serem estudados. O estudo
pressupõe vários aparelhos de medida e computadores: é a primeira visão que se tem
quando se entra em um laboratório. Francis Bacon, que vivia na época da rainha
Elisabeth I da Inglaterra, expressava uma idéia semelhante de forma figurada: dizia
que fazer ciência experimental não era simplesmente "observar o leão, mas também
torcer o seu rabo". Sobre um leão que dorme pode-se fazer algumas observações, mas
ao torcer o seu rabo obter-se-ão outras observações (é bem mais perigoso!).
Através dos trabalhos práticos e das atividades experimentais, o aluno
deve se dar conta de que para desvendar um fenômeno é necessária uma teoria. Além
disso, para obter uma medida e também para fabricar os instrumentos de medida é
preciso muita teoria. Pode-se dizer que a experimentação pode ser descrita
considerando-se três pólos: o referencial empírico; os conceitos, leis e teorias; e as
diferentes linguagens e simbolismos utilizados em física (Fig.3). As atividades
experimentais têm o papel de permitir o estabelecimento de relações entre esses três
pólos.

linguagens: conceitos, leis, teorias


natural
matemática
Experimento
simbólica

Experimento

REFERENCIAL EMPÍRICO
(O mundo real transformado pelos
procedimentos e pelas técnicas)

Fig. 3- Esquema representativo dos pólos considerados na descrição da


experimentação.

Graças às atividades experimentais, o aluno é incitado a não permanecer


no mundo dos conceitos e no mundo das “linguagens”, tendo a oportunidade de
relacionar esses dois mundos com o mundo empírico. Compreende-se, então, como as

39
atividades experimentais são enriquecedoras para o aluno, uma vez que elas dão um
verdadeiro sentido ao mundo abstrato e formal das linguagens. Elas permitem o
controle do meio ambiente, a autonomia face aos objetos técnicos, ensinam as
técnicas de investigação, possibilitam um olhar crítico sobre os resultados. Assim, o
aluno é preparado para poder tomar decisões na investigação e na discussão dos
resultados. O aluno só conseguirá questionar o mundo, manipular os modelos e
desenvolver os métodos se ele mesmo entrar nessa dinâmica de decisão, de escolha,
de inter-relação entre a teoria e o experimento.
A partir desta descrição da experimentação, pode-se atribuir papéis
diferentes à experiência demonstrativa em sala de aula e ao experimento feito em
laboratório.
Mostrou-se a grande riqueza das abordagens que podem ser adotadas no
decorrer de atividades experimentais. Pode-se assim dizer que por meio de atividades
experimentais o aluno consegue mais facilmente ser “ator” na construção da ciência,
já que a experiência demonstrativa seria mais propícia para um enfoque dos
resultados de uma “ciência acabada”.
Para participar na construção da ciência, o aluno deve apropriar-se de
técnicas, "abordagens" e métodos. Ele deve também ter a possibilidade de debater a
validação do experimento e dos resultados experimentais. As palavras importantes
são técnicas, métodos e debates.
É preciso, enfim, salientar que a noção de “objetivo”, utilizada por
professores de todo o mundo, é uma noção muito diferente da noção de “abordagem”.
Como foi visto nos exemplos, podem existir várias abordagens para um mesmo
objetivo (cognitivo) ou, ainda, uma mesma “abordagem” pode auxiliar a assimilação
de muitos conhecimentos. Pode-se dizer então que:
♦ A prática está "a serviço" da aquisição dos conhecimentos conceituais
quando se trata, como no exemplo 2.1, de verificar uma teoria. O risco que se corre é
de que o aluno permaneça em um nível puramente conceitual, sem realmente ver o
interesse desses conhecimentos para a atividade experimental;
♦ a teoria está "a serviço" da prática quando se permite ao aluno
comparar modelos, utilizando as leis e os modelos com uma finalidade prática. Ele
pode discernir o interesse específico da prática.
Um exemplo em que a teoria está a serviço da prática é o da avaliação
de ordens de grandeza. Quando o aluno necessita realmente desta para organizar o
experimento, é indispensável que o mesmo utilize a própria teoria.
Da mesma forma, para fazer predições é preciso considerar alguns
conhecimentos teóricos. É possível, então, organizar o experimento com maior
eficácia.

40
Um outro caso ainda em que a teoria está a serviço da prática é quando
se escolhe um instrumento de medida. O próprio princípio dos instrumentos de
medida repousa sobre considerações teóricas. Compreendê-los e manipulá-los supõe
compreender os modelos e teorias subjacentes.
Em todos esses casos, a teoria se torna realmente útil para manipular e
experimentar.

IV.2 O papel dos procedimentos na experimentação


Quando se trata de conceber um experimento, não se pode dispensar um
determinado número de procedimentos. Na verdade, todo experimento pressupõe a
organização da coleta de dados. É o que se chama de construção do referencial
empírico. Trata-se, portanto, de uma escolha de métodos. Assim, é possível decidir
trabalhar ou não com um grupo de controle e um grupo experimental. É preciso
escolher os parâmetros a serem variados. Pode-se também organizar o experimento
com base em uma analogia. Todos esses métodos constituem objetivos procedurais,
indispensáveis quando se quer realmente experimentar. Entre os métodos que podem
constituir tais objetivos, deve-se considerar as técnicas de medição. Existe um tipo de
“negociação” entre a manifestação do fenômeno e a técnica de medição, que consiste
em satisfazer, da melhor forma possível, as condições de realização do fenômeno e da
técnica de medição. Outros métodos, como os métodos de tratamento de dados,
constituem também saberes procedurais. É preciso saber escolher entre utilizar ou não
um resultado estatístico, otimizar a exatidão, evitar os erros sistemáticos, etc.
Enfim, um último tipo de objetivo procedural requer conhecimentos
práticos de informática, indispensáveis em todos os experimentos nos quais o
computador está presente.
Através dos objetivos procedurais há a possibilidade de julgar resultados,
julgar a validade de uma lei e, portanto, de decidir. Os procedimentos e as tentativas
são as ferramentas da autonomia, o fio condutor na realização dos experimentos, o
meio de evitar a passividade (SÉRÉ, 1998).
Para que os alunos se tornem realmente experimentadores, sejam ativos
durante a experimentação e construam seu saber ativamente, é preciso propor
objetivos conceituais e procedurais.

V. Perspectivas para o ensino

Pretende-se que, uma vez definidos e fixados cuidadosamente os


objetivos, seja possível conceber e realizar experimentos sob diferentes abordagens.

41
Supõe-se que seja esta uma forma de alcançar um objetivo suplementar novo e não
clássico: o de ajudar o aluno a adquirir uma boa imagem das ciências (SÉRÉ, 2001).
Ao diversificar as atividades e as abordagens, dando-lhes uma conotação
mais de acordo com as atividades científicas, cria-se no aluno uma nova motivação e
um novo interesse para as atividades experimentais.

Referências Bibliográficas

BEAUFILS, D. Les logiciels de simulation peuvent-ils modifier les activités


cognitives et les apprentissages en sciences? (à propos de la physique) In : ACTES
DES JOURNÉES INTERNATIONALES D’ ORSAY SUR LES SCIENCES
COGNITIVES, 2000, Orsay.

COELHO, S. M. Contribution a l’etude didactique du mesurage en Physique


dans l’enseignement secondaire. Description et analyse de l’ activité intellectuelle
et pratique des élèves et des enseignants. 1993. 256 f. Thèse (Doctorat en
Didactique des Disciplines, option Sciences Physiques) - U. F. de Didactique des
Disciplines, Université de Paris VII, Paris.

COELHO, S. M.; SÉRÉ, M. G. Pupils’ reasoning and practice during hands-on


activities in the measurement phase. Research in Science & Technological
Education, Oxfordshire, v. 16, n. 1, p. 79-96, may. 1998.

GONELLA, L. Meaning and limits of measurement accuracy. In: THEORETICAL


AND PRATICAL LIMITS OF MEASUREMENTS ACCURACY 2ND SYNPOSIUM
OF IMEKO. TECHNICAL COMMITTEE ON METROLOGY TC8, 1983, Budapest.

JOHSUA, S.; DUPIN J. J. Représentations et modélisations: le "débat


scientifique" dans la classe et l'apprentissage de la physique. Berne: Peter Lang,
1989.

MARTINAND, J. L. Rapport de la recherche "Modélisation". Paris: INRP, 1996.

SÉRÉ, M. G.; JOURNEAUX, R.; LARCHER, C. Learning statistical analysis of


measurement errors (First year of University). Students' conceptions and obstacles.
International Journal of Science Education, Reading, v. 15, n. 4, p. 427-438, 1993.

SÉRÉ, M. G. Rapport final du projet européen "Labwork in Science Education".


Luxembourg: Édition de la Commission Européenne, 1998. Disponível em:
<http://formation.etud.u-psud.fr/didasco/index.htm>.

42
SÉRÉ, M. G. A Imagem das Ciências Experimentais e a Formação para a Cidadania e
a Pesquisa. Educação, Porto Alegre, v. XXIV, n. 44, p. 57-81, 2001.

Agradecimentos

Agradecemos à professora Vitória Kessler, pelo auxílio na tradução e


transcrição do seminário, ao acadêmico Anderson Jackle Ferreira, pela confecção dos
desenhos, e aos árbitros, cujas sugestões nos ajudaram a dar maior clareza ao texto.

43