Vous êtes sur la page 1sur 4

CENTRO DE EDUCAÇÃO E, CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E FILOSOFIA


CURSO DE FILOSOFIA

História da Filosofia Antiga


Filósofos Naturalistas
Prof. Dr. Francisco Valdério
Características da filosofia nascente.
 Período: século VI a.C ao início do século IV a.C.
 Cosmologia: o logos que governa o mundo (origem, forma, transformações,
repetições e término);
 Pressuposto: “nada vem do nada e nada retorna ao nada”;
 O fundo imortal e perene é a physis;
 Ocupa-se com: o devir, movimento (kínesis) e repouso;
 Como o uno (o idêntico a si mesmo) se torna múltiplo (diferente de si mesmo)?
Como a physis (uno) se torna kósmos (múltiplo) e vice versa?
 O devir leva à distinção entre o aparente (experiência sensorial) e a essência (o
ser das coisas visível apenas ao pensamento;
✓ Semelhante ao invisível dos antigos poetas e adivinhos, porém, agora, esse
invisível pode ser apreendido racional e logicamente;
✓ Physis como manifestação visível da arkhé, sempre oculta, mas que se manifesta
ao pensamento;
 Quanto ao conteúdo a filosofia visa explicar a totalidade das coisas, i.e., toda a
realidade;
 Quanto ao método a filosofia quer ser a explicação puramente racional da
totalidade que é seu objeto;
✓ A filosofia busca as causas ultimas e primeiras da realidade;
 Quanto ao seu escopo a filosofia é puramente teórica, i.e., contemplativa;
✓ Busca da verdade por si mesma, i.e., sem qualquer outra finalidade ou
utilizações práticas;
✓ Nesse sentido, a filosofia é “livre” (liberdade especulativa), pois amor
desinteressado ao saber, ao verdadeiro, à verdade;

1
CENTRO DE EDUCAÇÃO E, CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS
DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E FILOSOFIA
CURSO DE FILOSOFIA

História da Filosofia Antiga


Filósofos Naturalistas
Prof. Dr. Francisco Valdério
 Problema da physis:
✓ O problema cosmológico traduz a totalidade do real, a própria physis, o qual se
subdivide em problemas particulares que se vinculam;
✓ Como surge o cosmos (mundo)?
✓ Qual a origem de todas as coisas?
✓ Qual o seu princípio (arkhé)?
✓ Como um único princípio pode dar origem à multiplicidade das coisas?
✓ Como o uno pode dá origem ao múltiplo?
✓ Quais as fases e os momentos de sua geração?
✓ Como e por que as coisas se movem?
✓ Como o imutável pode dar origem ao mutável?
✓ Como o múltiplo retorna ao uno?

As Escolas
 Quatro grandes escolas, não sucessivas, mas coexistentes;
✓ Escola Jônica: (Ásia Menor) – Tales de Mileto, Anaximandro de Mileto,
Anaxímenes de Mileto e Heráclito de Éfeso;
✓ Escola Pitágórica ou itálica (Magna Grécia) – Pitágoras de Samos, Alcmeão de
Crotona, Filolau de Crotona e Árquitas de Tarento;
✓ Escola Eleata (Magna Grécia) – Xenófanes de Colofão, Parmênides de Eléia,
Zenão de Eléia e Melissos de Samos;
✓ Escola Pluralista – Empédocles de Agrigento e Anaxágoras de Clazômenas
✓ Escola Atomista (Trácia) – Leucipo de Abdera e Demócrito de Abdera;
✓ Escola dos Físicos Ecléticos – Diógenes de Apolônia e Arquelau de Atenas;

2
CENTRO DE EDUCAÇÃO E, CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS
DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E FILOSOFIA
CURSO DE FILOSOFIA

História da Filosofia Antiga


Filósofos Naturalistas
Prof. Dr. Francisco Valdério
Tales de Mileto (últimos decênios do século VII a.C. – primeira metade do século VI
a.C., aproximadamente);
 Vida:
✓ Previu um eclipse solar (o de 610 ou 597 ou 548 a.C.) e descobriu a constelação
da Ursa Menor, calculou as enchentes do Nilo e a altura de uma pirâmide
(teorema que leva seu nome);
✓ Não escreveu nada, o que se sabe dele deve-se a fontes indiretas (especialmente
Aristóteles, Teofrasto e Simplício);
✓ Considerado um político importante, engenheiro habilidoso e hábil comerciante
 Pensamento:
 Iniciador da filosofia da physis por afirmar a existência de um princípio único
(arkhé), causa de todas as coisas, que para, ele, é a água;
✓ A água é um em muitos (estados: sólido, líquido e gasoso);
✓ Água é vida (o úmido nas coisas: sementes, sêmen, etc.);
✓ Água é geração, devir movimento (kínesis);
 Disse também: “tudo está cheio de deuses”;
✓ Porque tudo é penetrado pelo princípio-água;
 É a psykhé é a causa da kínesis, a alma é motora do kósmos;

Anaximandro de Mileto (611 a.C. – 547/546 a.C.)


 Vida
✓ Geógrafo (criador do mapa-múndi), matemático (introduziu o esquadro),
astrônomo (relógio de sol e medição da distância entre as estrelas) e político;
✓ Escreveu um livro Perì physeos = Sobre a natureza (perdido);
✓ Justificativa da centralidade e imobilidade da terra por razões lógicas
(“equilíbrio de forças”);
✓ Quem primeiro introduziu o termo arkhé

3
CENTRO DE EDUCAÇÃO E, CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS
DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E FILOSOFIA
CURSO DE FILOSOFIA

História da Filosofia Antiga


Filósofos Naturalistas
Prof. Dr. Francisco Valdério
 Pensamento:

✓ A arkhé não é água e nem qualquer outro elemento (úmido, seco, quente,
frio, etc.), mas ápeiron (infinito/ilimitado/indefinido/indeterminado);
✓ Á – peiron que não tem peras, limites e determinações sejam externas ou
internas, e mesmo não sendo nenhuma dessas coisas, dá origem a todas elas;
✓ Identificação entre arkhé e physis como o que só pode ser alcançado pelo
logos;
✓ Arkhé como algo quantitativamente sem limites e qualitativamente
indeterminado, assim eterno e origem de tudo o que é determinado e
limitado;
✓ Eternidade da arkhé, o ápeiron (imortal, imperecível) em contraposição aos
antigos deuses, não eternos já que foram gerados;
✓ Distinção entre “perenidade imortal” da arkhé, i.e., sua eternidade e
ordenação do tempo (geração), o devir;
✓ Necessitarismo da ordem do tempo que separa os elementos, gera a
multiplicidade, a luta dos contrários e depois se reagrupa novamente no
princípio;
✓ A origem do kósmo ocorre pela culpa que fere a justiça (díke) ou pela guerra
entre os elementos no interior do ápeiron, cabe ao tempo reparar essa culpa
pela separação originária;
✓ Admiração (pathos) com as oposições que constituem o kósmos;
✓ O kósmos surge por um turbilhão irrompido em vários pontos do ápeiron
separando dele as determinações contrárias, como o quente e o frio, que, ao
se chocarem, produzem todos os seres;
✓ O devir é a luta ininterrupta dos contrários tendente para a reabsorção de
todas as coisas no ápeiron;