Vous êtes sur la page 1sur 4

Universidade de Brası́lia

Faculdade do Gama

Disciplina: Cálculo III


Profa. Taı́s Calliero Tognetti

Lista de Exercı́cios 4
Extra 1. Usando o teorema visto sobre campos vetoriais conservativos, o que se pode afirmar sobre
o campo vetorial dado?

(a) f~(x, y) = (ex seny, ex cosy) em R2

(b) f~(x, y) = ( (x2 +yx2 )3/2 , (x2 +yx2 )3/2 ) em D = {(x, y); x2 + y 2 < 1}

(c) f~(x, y, z) = (x2 seny + z, ycosy + 1, z 2 − xy) em R3

Extra 2. Determine se o campo vetorial é conservativo ou não. Se conservativo, determine uma


função f tal que f~ = ∇f (chamada função potencial).

(a) f~(x, y, z) = yz~i + xz~j + xy~k

(b) f~(x, y, z) = ye−x~i + e−x~j + 2z~k

(c) f~(x, y, z) = 2xy~i + (x2 + 2yz)~j + y 2~k

1. Determine a área da superfı́cie:

(a) O pedaço do plano x + 2y + z = 4 que está dentro do cilindro x2 + y 2 = 4.

(b) A parte do plano com equação vetorial ~r(u, v) = h1 + v, u − 2v, 3 − 5u + vi com 0 ≤ u ≤ 1 e


0 ≤ v ≤ 1.

(c) O pedaço da esfera x2 + y 2 + z 2 = a2 que está dentro do cilindro x2 + y 2 = ax.

2. Calcule a integral de superfı́cie:


p
z 2 dS, S é a porção do cone z =
RR
(a) S
x2 + y 2 entre os planos z = 1 e z = 2.

x2 yzdS, S é o pedaço do plano z = 1 + 2x + 3y que está acima do retângulo [0, 3] × [0, 2].
RR
(b) S

3 3
ydS, S é a superfı́cie z = 32 (x 2 + y 2 ),
RR
(c) S
0 ≤ x ≤ 1, 0 ≤ y ≤ 1.

(d) S xydS, S é a fronteira da região delimitada pelo cilindro x2 + z 2 = 1 e os planos y = 0 e


RR

x + y = 2.
x2 z + y 2 zdS, S é o hemisfério x2 + y 2 + z 2 = 4, z ≥ 0.
RR
(e) S

3. Calcule a integral de superfı́cie S f~ · d~s para o campo vetorial f~ e superfı́cie orientada S. Em


RR

outras palavras determine o fluxo de f~ através de S:

(a) f~(x, y, z) = x~i + y~j + 2z~k, S é a porção da superfı́cie z = 1 − x2 + y 2 acima do plano xy, com
orientação para cima.

(b) f~(x, y, z) = xy~i + 4x2~j + yz~k, S é a superfı́cie z = xey , 0 ≤ x ≤ 1, 0 ≤ y ≤ 1 com orientação


para cima.

(c) f~(x, y, z) = xzey~i − xzey~j + z~k, S é a parte do plano x + y + z = 1, no primeiro octante com
orientação para baixo.

(d) f~(x, y, z) = xz~i + x~j + y~k, S é o hemisfério x2 + y 2 + z 2 = 25, y ≥ 0, com orientação na


direção positiva do eixo y.

(e) f~(x, y, z) = y~j + ~k, S é a porção da superfı́cie z = x2 + y 2 abaixo do plano z = y, com


orientação para baixo.

4. Use o teorema de Stokes para calcular S rot(f~) · d~s de f~(x, y, z) = yz~i + xz~j + xy~k, S é a parte
RR

do parabolóide z = 9 − x2 − y 2 que está acima do plano z = 5, com orientação para cima.

5. Use o teorema de Stokes para determinar a integral de linha C (y 2 dx + x2 dz), em que C é o


R

contorno da parte do plano 2x + y + z = 4 que está no primeiro octante, no sentido anti-horário.

f~ · d~r, em cada caso C é orientada


R
6. Use o teorema de Stokes para determinar a integral de linha C
no sentido anti-horário quando visto de cima:

(a) f~(x, y, z) = (x + y 2)~i + (y + z 2 )~j + (z + x2 )~k, C é o triângulo com vértices (1, 0, 0), (0, 1, 0) e
(0, 0, 1).

(b) f~(x, y, z) = e−x~i + ex~j + ez~k, C é a fronteira da parte do plano 2x + y + 2z = 2 no primeiro


octante.

(c) f~(x, y, z) = yz~i + 2xz~j + exy~k, C é o cı́rculo x2 + y 2 = 16, z = 5.

7. Verifique que o teorema de Stokes é verdadeiro para um campo vetorial f~ dado e a superfı́cie S:

(a) f~(x, y, z) = y 2~i + x~j + z 2~k, S é a parte do parabolóide z = x2 + y 2 que está abaixo do plano
z = 1, com orientação para cima.
Solução : A fronteira da curva C é o cı́rculo x2 + y 2 = 1, z = 1, orientada no sentido anti-horário
quando visto de cima. Parametrizando C por:

~r(t) = cost~i + sent~j + ~k, 0 ≤ t ≤ 2π


~r′ (t) = −sent~i + cost~j
f~(~r(t)) = sen2 t~i + cost~j + ~k
f~(~r(t)) · ~r′ (t) = cos2 t~i − sen3 t~j + ~k

Portanto, Z Z 2π
f~ · d~r = (cos2 t − sen3 t) dt = π
C 0

Agora, rotf~ = (1 − 2y)~k, e a projeção D de S no plano xy é o disco x2 + y 2 ≤ 1, então


z = g(x, y) = x2 + y 2 e assim
ZZ ZZ Z 2πZ 1
~
rotf · d~s = (1 − 2y) dA = (1 − 2rsenθ) rdrdθ = π
S D 0 0

Logo, conclui-se que Z ZZ


f~ · d~r = rotf~ · d~s
C S

(b) f~(x, y, z) = x~i + y~j + xyz~k, S é a parte do plano 2x + y + z = 2 que está no primeiro octante,
com orientação para cima.

8. Verifique que o teorema da Divergência é verdadeiro para o campo vetorial f~ na região E:

(a) f~(x, y, z) = 3x~i + xy~j + 2xz~k, E é o cubo limitado pelos planos x = 0, x = 1, y = 0, y =


1, z = 0 e z = 1.

(b) f~(x, y, z) = x2~i+xy~j +z~k, E é o sólido limitado pelo parabolóide z = 4−x2 −y 2 e o plano xy.

9. Use o teorema da Divergência para calcular o fluxo de f~ através de S:

(a) f~(x, y, z) = (x2 + y)~i + z 2~j + (ey − z)~k, S é a superfı́cie do sólido retangular limitado pelos
planos coordenados e os planos x = 3, y = 1 e z = 2.

(b) f~(x, y, z) = 3xy 2~i + xez~j + z 3~k, S é a superfı́cie do sólido limitado pelo cilindro y 2 + z 2 = 1
e os planos x = −1 e x = 2.

(c) f~(x, y, z) = x2 y~i + xy 2~j + 2xyz~k, S é a superfı́cie do tetraedro limitado pelos planos x =
0, y = 0, z = 0 e x + 2y + z = 2.

(d) f~(x, y, z) = x4~i − x3 z 2~j + 4xy 2 z~k, S é a superfı́cie do sólido limitado pelo cilindro x2 + y 2 = 1
e o plano z = x + 2 e z = 0.

(e) f~(x, y, z)p= (x3 + ysenz)~i +p


(y 3 + zsenx)~j + 3z~k, S é a superfı́cie do sólido limitado pelos
hemisférios z = 4 − x − y , z = 1 − x2 − y 2 e pelo plano z = 0.
2 2

Respostas:
√ √
1. (a) 4 6π ; (b) 107; (c) 2a( π − 2).

15
√ √ 4
√ √ √
2. (a) 2
2π; (b) 171 14; (c) 105
(9 3 + 4 2 − 2) (d) 14 (8 + 2)π, (e) 16π.

3. (a) 2π; (b) 1 − e; (c) − 61 , (d) 0, (e) 4π.

4. 0

5. −16

6. (a) −1; (b) 2e − 4; (c) 80π

7. (b) 0

8. (a) 29 ; (b) 8π

9. (a) 12; (b) 9 pi2 ; (c) 2


5
(d) 23 π, (e) 194
5
π.