Vous êtes sur la page 1sur 4

MEMORIAL DE ALEGAÇÕES FINAIS EM DIREITO DE FAMÍLIA

Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da 7ª Vara de Família da Comarca de Catalão

Processo nº 8509361.12.2016

Memoriais apresentados pela requerida: LUMA DA SILVA SILVESTRE, já


qualificada nos autos da Ação 8509361.12.2016, em que lhe move o JORGE
ANTÔNIO SILVESTRE, igualmente qualificado, processo em epígrafe, por sua
advogada que a esta subscreve, vem, à presença de Vossa Excelência, oferecer,
por memoriais, as suas ALEGAÇÕES FINAIS, nos termos a seguir expostos:

DOS FATOS

a) A AÇÃO DE EXONERAÇÃO DE OBRIGAÇÃO ALIMENTÍCIA, ajuizada


em 10 de abril de 2013, para com a requerida exonerar do valor anteriormente
fixado em sentença, no ACORDO DE DISSOLUÇÃO DE CONCUBINATO
C/C PENSÃO ALIMENTÍCIA, a qual foi protocolada no dia 14 de agosto de
1997, quando a requerida tinha 1 ano de idade, sendo acertado entre o
requerente e a mãe da requerida o pagamento da pensão alimentícia no valor
de 50% do salário mínimo vigente, depositado em poupança em nome da
mãe, todo dia 10 de todo mês, a partir de setembro de 1997, sem prazo final
de pagamento. O requerente alega estar com idade avançada e que seus
rendimentos são insuficientes para cobrir suas despesas básicas e cuidar de
sua saúde. Alega que a requerida é maior de idade, possui trabalho fixo e
não estuda.

b) A requerida foi citada, apresentando a CONTESTAÇÃO no dia 30 de junho


de 2014, requerendo a improcedência da AÇÃO DE EXONERAÇÃO DE
OBRIGAÇÃO ALIMENTÍCIA em todos os seus termos, para que seu pai, o
requerente, continue arcando com a pensão alimentícia até o término dos
estudos da requerida. Uma vez que o requerente tem plenas condições de
arcar com a pensão, é proprietário de 7 (sete) automóveis e 1 (um) imóvel,
sendo que um dos automóveis é utilizado pelo mesmo para seu sustento, já
que é ele quem dirige o caminhão fazendo fretes, não havendo justificativa
para a alegação de seus rendimentos não serem suficientes para cobrir as
suas despesas básicas e cuidar de sua saúde, até porque não apresentou
nos autos nada que comprove que sua saúde é fragilizada.
A requerida trabalha na IFutura, percebendo salário mínimo mensalmente, foi
aprovada no CESUC no vestibular 2/2014, onde fará a matrícula entre os dias
14 e 15 de julho de 2014, quando não pôde apresentar o documento da
matrícula, por ainda não estar no prazo estipulado pela instituição de ensino.
Mora de aluguel juntamente com sua mãe, que recebe salário mínimo
também, não tendo condições de sustentar a casa sozinha, sendo assim a
ajuda nas despesas da casa.

c) O requerente apresentou IMPUGNAÇÃO À CONTESTAÇÃO no dia 25 de


julho de 2014, alegando que a documentação fornecida não tem o condão de
comprovar a necessidade especial por parte da alimentanda, a mesma não
comprovou a matrícula na instituição de ensino superior. Bem como o
requerente explicou que 2 de seus automóveis já foram vendidos, não sendo
efetivada a transferência dos mesmos.

d) Na audiência de instrução realizada no dia 12 de maio de 2015, a requerida,


através de sua advogada a qual lhe subscreve solicitou o prazo de 5 (cinco)
dias para a juntada de novos documentos, quando o requerente foi contrário
à juntada de novos documentos, sendo indeferido pelo juiz.

DOS FUNDAMENTOS

Caso o pai seja exonerado do pagamento da pensão alimentícia a


requerida poderá ter seu futuro prejudicado, pois não terá condições de
conseguir melhor colocação no mercado de trabalho e consequentemente,
conseguir sua independência financeira.
É indispensável o auxílio financeiro do genitor, apesar de já ter havido a
extinção do poder familiar, a teor do Art. 1635, III, CC, cessando também o dever
se sustento, ainda há relação de parentesco, conforme Art. 1696, CC,
fundamento pelo qual é possível impor ao requerente o pagamento da pensão
alimentícia para sua filha.
A requerida não fez sua matrícula na instituição de ensino CESUC quando
passou no vestibular, pois logo após ficou desempregada, tendo a necessidade
de ajudar com as despesas de casa e com o pedido de exoneração de sua
pensão alimentícia, ficou receosa em se matricular e não poder arcar com o
compromisso de fazer o curso superior.
O veículo evidenciado nos autos o qual o requerido presenteou a
requerente, a mesma utiliza para seu transporte quando necessário, gerando
gastos para manutenção e deslocamento da mesma.
Há despesas básicas como alimentos em sentido estrito, de vestimentas,
de lazer, de artigos de higiene, medicamentos, moradia e seus acessórios, e têm
ainda outras necessidades vitais básicas, que a requerente jamais poderá suprir
estando desempregada e caso a sua pensão alimentícia venha a ser exonerada.
O que a lei prevê, após a maioridade atingida, é que, estando presentes
algumas situações, no caso a realização de estudos pagos, como o cursinho
preparatório para o vestibular, o filho, não possuindo condições próprias de
manutenção, poderá requerer a ajuda financeira do pai.

EMBARGOS DECLARATÓRIOS EM
APELAÇÃO. DÚVIDA, OBSCURIDADE, CONTRADIÇÃO E
OMISSÃO. INOCORRÊNCIA. ACÓRDÃO QUE, À UNANIMIDADE
DE VOTOS, DEU PROVIMENTO À APELAÇÃO E REFORMOU
SENTENÇA DO JUÍZO A QUO, MANTENDO PENSÃO
ALIMENTÍCIA. REAPRECIAÇÃO DOS ARGUMENTOS
RECURSAIS. IMPOSSIBILIDADE. EMBARGOS REJEITADOS Na
especificidade dos autos, não assiste razão ao embargante, pois,
da leitura do texto embargado conclui-se não existir omissão,
contradição ou qualquer outro vício no acórdão, por ser claro,
expresso e linear ao concluir pela manutenção da pensão
alimentícia, por estar presente o requisito da necessidade, posto
que a embargada é estudante de cursinho pré-vestibular,
necessitando ainda de apoio financeiro para complementação de
seus estudos. Ao contrário do quanto sustentado pelo
embargante, não há qualquer contradição ou obscuridade entre
a jurisprudência citada pelo então Relator do Apelação e a sua
conclusão. Em verdade, o trecho jurisprudencial citado à fl. 152
apenas busca salientar a possibilidade de manutenção da
obrigação alimentar, mesmo que atingida a maioridade, tendo
como justificativa a matrícula em curso pré-vestibular. Assim, o
texto embargado apontou de forma minuciosa e linear todos os
motivos determinantes à formação do convencimento deste
Turma julgadora. Alegando genericamente a existência de
dúvida, obscuridade, contradição e omissão, pretende o
embargante apenas provocar a rediscussão de tópicos já
apreciados, finalidade a que não se prestam os presentes
Embargos. DECLARATÓRIOS REJEITADOS. (TJ-BA - ED:
00419880320118050001 BA 0041988-03.2011.8.05.0001, Relator:
Maria do Socorro Barreto Santiago, Data de Julgamento:
03/12/2013, Terceira Câmara Cível, Data de Publicação:
05/12/2013)

https://tj-
ba.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/115753780/embargos-de-
declaracao-ed-419880320118050001-ba-0041988-0320118050001

No decorrer da ação, o requerente não conseguiu comprovar que ocorreu


uma modificação na sua situação econômica, ou seja, uma redução de sua
capacidade financeira impossibilitando o pagamento dos alimentos no
percentual fixado.

204887 – ALIMENTOS – AÇÃO DE


REVISÃO DE ALIMENTOS – ART 1.60004 – DO NOVO CÓDIGO
CIVIL – ART – 471, I DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL – Se o autor
não comprovou, como lhe competia, a redução das necessidades dos
filhos credores nem o depauperamento de suas condições, não há
como acolher o pedido revisional de alimentos. (TJPR – AC 38.451-8
– Ac. 11.57000 – 2ª C. Civ. – Rel. Des. Negi Calixto – J. 23.08.0005)

CIVIL E PROCESSUAL CIVIL - ALIMENTOS -


FILHO MAIOR - ESTUDANTE DE PRÉ-VESTIBULAR - REVISÃO
DA VERBA DE ACORDO COM O BINÔMIO NECESSIDADE E
POSSIBILIDADE - RECURSO QUE PERSEGUE REFORMA DA
SENTENÇA COM O FIM DE DESOBRIGAR O ALIMENTANTE OU
REDUZIR A VERBA FIXADA- IMPROVIMENTO DO RECURSO.(TJ-
DF - APC: 20040111091137 DF, Relator: DÁCIO VIEIRA, Data de
Julgamento: 21/11/2007, 5ª Turma Cível, Data de Publicação: DJU
28/02/2008 Pág. : 1837,DJU 28/02/2008 Pág. : 1837)
https://tj-
df.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/2620937/apelacao-civel-apc-
20040111091137

PROCESSUAL CIVIL - APELAÇÃO CÍVEL


- AÇÃO DE EXONERAÇÃO DE ALIMENTOS - MAIORIDADE CIVIL
DO ALIMENTANDO - A MAIORIDADE CIVIL NÃO EXTINGUE,
MODO AUTOMÁTICO, O DIREITO À PERCEPÇÃO DE
ALIMENTOS - IMPOSSIBILIDADE DE MANTER O SEU PRÓPRIO
SUSTENTO - EMBORA MAIOR E CAPAZ, O RÉU É ESTUDANTE
DE CURSO PRÉ-VESTIBULAR PREPARATÓRIO DO VALE DO
SÃO FRANCISCO-UNIVASF - POSSIBILIDADE DE CONTINUAR A
PRESTAR ASSISTÊNCIA MATERIAL- RECURSO DE APELAÇÃO
NÃO PROVIDO POR UNANIMIDADE, MANTENDO A SENTENÇA
INCÓLUME PELOS SEUS PRÓPRIOS FUNDAMENTOS. (TJ-PE -
APL: 2949691 PE, Relator: Eduardo Augusto Paura Peres, Data
de Julgamento: 23/04/2013, 6ª Câmara Cível, Data de Publicação:
03/05/2013)

https://tj-
pe.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/155249916/apelacao-apl-
2949691-pe

DOS PEDIDOS

Diante do acima exposto, vem a partir da presente para requerer a Vossa


Excelência, a improcedência dos pedidos do requerente na AÇÃO DE
EXONERAÇÃO DE OBRIGAÇÃO ALIMENTÍCIA em todos os seus termos, para
manter o valor mensal da pensão alimentícia devida à requerida no percentual
anteriormente fixado.

Nestes termos,

Pedem deferimento.

Catalão, 18 de maio de 2015.

Rhaiana Domingos Carvalho

OAB nº 46.284 / GO