Vous êtes sur la page 1sur 306
enco! D ITE C PROGRAMAÇAO CONTROLE DE DE SERVIÇO QUALIDADE DA (PS) EXECUÇÃO (CW£) caderno
enco! D ITE C PROGRAMAÇAO CONTROLE DE DE SERVIÇO QUALIDADE DA (PS) EXECUÇÃO (CW£) caderno
enco! D ITE C PROGRAMAÇAO CONTROLE DE DE SERVIÇO QUALIDADE DA (PS) EXECUÇÃO (CW£) caderno
enco! D ITE C PROGRAMAÇAO CONTROLE DE DE SERVIÇO QUALIDADE DA (PS) EXECUÇÃO (CW£) caderno

enco!

D ITE C

PROGRAMAÇAO

CONTROLE

DE

DE

SERVIÇO

QUALIDADE

DA

(PS)

EXECUÇÃO

(CW£)

caderno

de

referencia

|

I

^

L.

^.^^s^J^^J

.**

_

^

.

J?

/

9*CO/ >

PROGRAMACS O

H>

EU

X

C O

(PS )

CONTROL E

D A

QUA L

I DADE I

D A

EXECUC 2

CADERN O

<

CQ E

>

D E

REFERÊNCI A

EA. VERS20 - AGOSTO DE 1990

laboracão deste Caderno: Equipe de Assistentes Técnico da Ditec

'•ordenação

Flávio Augusto Picchj. Damiao Francisco

PROGRAMAÇÃ O

D

E

SER V

I C O

C

F>S

>

controle :

d a

qualidade :

d a

execljcs o

CADERN O

<

cq e

>

D E

REEERÊNCI A

EA. VERSSa - AGOSTO DE 1990

Elaboração deste Caderno: Equipe de Assistentes Técnico? da Ditec

Coordenação

Flávio Augusto Picch J. Damiào Francisco

CADERN O

H>EU

REFEREN C

X A

APRESENTAÇÍSO

— R-S/CtU E

Este caderno de referencia tem o objetivo de orientar as obras no processo de elaboração da Programação de Serviço (PS) e do Controle da Qualidade da Execução (CQE). Os textos das PS e CQE aqui apresentados foram elaborados pelos Assistentes Técnicos da DITEC-Matriz, e encontram-se compatibilizados com as normas Encol. Como o próprio nome deste

caderno indica, estes textos são uma referência, não

tendo o

objetiva de serem simplesmente copiados pelas obras.

mas' sim

discutidos pela equipe da obra (engenheira, mestre, encarregado do

serviço,

técnico), que através de um processo participativo

resolvem

com antecedência

detalhes

específicos d a obra e

acrescentam sua experiência e criatividade. Os índices de consumo de materiais e mão de obra apresentados são médias nacionais, e devem ser revistos pelas Regionais, adaptando-os aos seus padrões.

As Regionais e as obras tem portanto flexibilidade para

elaborar suas PS/CQE,

o apoio dos Assistentes

Técnicos da Regional, que trarão nos seus assuntos a experiência acumulada nos desenvolvimentos tecnológicos e nas obras anteriores.

Este Caderno apresenta o maior numero possível de PS/CQE, de forma que as obras possam cantar com uma referência inicial na maioria dos casos. Observe-se que algumas PS/CQE referem-se ao

mesmo serviço (ex.: fundação, revestimento de piso, revestimento de fachad a), apresentando—se diversas opcces, que dificilmente existiriam simultaneamente em uma obra. Alem disso, cada obra deve

que

merecerão a elaboração de PS/CQE, chegando-se para cada obra a um numera total de serviços com PS/CQE menor que o aqui apresentada.

Esperamos que este Caderno sirva como elemento inicial de

discussão e seja enriquecida com a contribuição das equipes das

de registro e veiculacão de

baseadas neste caderno de referência,

seguindo as normas

Encol e contando com

fazer uma análise de prioridades e selecionar os serviços

obras, criando-se um processo

tecnologias e de difusão de boas idéias.

DITEC

SUM^F=' X O

N. DA PS- SERVIÇO

1 -

2 -

3 -

4 -

5 -

6

7

8 -

9 -

10 -

11 -

12 -

13 -

14 -

15 -

16 -

-

-

-

-

21

-

-

-

2 4

-

-

2 2

2 3

2 0

-

-

17

1S

19

2 5

LOCAÇÃ O

DE

OBR A

FUNDAÇÃ O

DIRET A

-

SAPAT A

ISOLAD A

 

FUNDAÇÃ O

DIRET A

-

TUBULÃ O

A

CÉ U

ABERT O

NÃ O

ENCAMISAD O

FUNDAÇÃ O

INDIRET A

-

ESTAC A

PREMOLDAD A

DE

CONCRET O

FUNDAÇÃ O

INDIRET A

-

ESTAC A

TIP O

FRANK I

BLOC O

CINTA S

D E

OU

COROAMENT O

BALDRAME S

DE

ESTACA S

CONFECÇÃ O

E

RECEBIMENT O

DE

FORM A

 

MONTAGE M

D E

FORMA

MARCAÇÃ O

DE

PASSAGEN S

E

TÜBUL .

EMBUT .

EM

LAJE S

-

HIDROS .

MONTAGE M

DA

ARMADURA

PASSAGEN S

E

TUBULAÇÃ O

EMBUTID A

NA

LAJ E

-

ELÉTRIC A

 

CONCRETAGE M

 

DESFORM A

MARCAÇÃ O

DE

ALVENARI A

 

EXECUÇÃ O

D E

COLUNA S

HIDROSANITÁRIA S

 

ALVENARI A

D E

VEDAÇÃ O

COM

TIJOLO S

FURADO S

RAMAI S

D E

HIDROSANITARIA S

DESVIO S

DE

COLUNA S

HIDROSANITARIA S

RECALQU

E

DE

ÁGUA S

TUBULAÇÃ O

E

PRUMAD A

EM

DESVIO S

ALVENARI A

-

ELÉTRIC A

-

ELÉTRIC A

ENGRADAMENT O

DE

ADUELA S

ASSENTAMENT O

DE

ADUELA S

CONTRAMARCO S

DE

ALUMÍNI O

2 6

-

ESQUADRIA S

METÁLICA S

2

7

-

GESS O

LIS O

(TETO )

2 8

-

MASS A

ÚNIC A

EM

TET O

(FERRO )

2 CONTRAPIS O

0

31

3 2

3 3

3 4

3 5

3 6

3 7

3 8

9

0

4

3

3 REVESTIMENT O

9

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

INTERN O

PAR A

(MASS A

ÚNICA )

REGULARIZAÇÃ O

IMPERMEABILIZAÇÃ O

MANT A

ELETOMÉRIC A

-

BUTI L

OU

EPD M

MANT A

ASFALTIC A

COM

ARMADURA

MEMBRANA

-

EMULSÃ O

 

ASFÁLT .

E

ARMADUR A

VÉ U

FIBR A

D E

VIDR O

ARGAMASS A

IMPERMEÁVE L

 

PROTEÇÃ O

D E

IMPERMEABILIZAÇÃ O

EM

ARGAMASS A

PROTEÇÃ O

DE

PIS O

TRANSITÁVE L

PO R

VEÍCULO S

PROTEÇÃ O

DE

IMPERM .

COM

ISOL .

TERM. -

POLIEST .

MASS A

ÚNIC A

PAR A

PINTUR A

EM

FACHADA

S

EMBOÇO

DE

FACHAD A

 

CERÂMIC A

EM

FACHAD A

 

PASTILH A

 

LÁTE X

TINT A

TEXTURAD O

GEL-O-PLAS T

ACRÍLIC O

L&HÍ J

L

BARRILETE S

AZULEJO S

E

-

U

C

\

J

EXTRUDAD O

41

4 2

4 3

4 4

45

4 6

encoi

\

47 - FÜRRÜ DE GESSO <EM PLACAS)

48 - FORRO DE MADEIRA

49 - PISO CERÂMICO

50 - PISO DE PEDRA

51 - FIAÇÃO

52 - MASSA PVA

53 - MASSA ACRÍLICA

54 - ASSOALHO

55 - PARQUET

56 - RODAPÉ DE MADEIRA

57 - ALIZAR

58 - FOLHAS DE PORTAS

59 - FERRAGENS

60 - FOLHAS DE ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO

61 - VIDROS (COM MASSA)

62 - VIDROS (COM BORRACHA)

63 - INTERRUPTORES, TOMADAS E LUMINÁRIAS

64 - LOUÇAS E METAIS

65 - TINTA PVA

66 - LÁTEX ACRÍLICO

67 - ESMALTE SINTÉTICO BRILHANTE SOBRE FERRO

68 - ESMALTE SINTÉTICO ACETINADO SOBRE MADEIRA

69 - VERNIZ COPAL SOBRE MADEIRA

70 - CARPETE

71 - MONTAGEM DE QUADRO GERAIS

72 - COLETORES EM TERRENO NATURAL

73 - ANTENAS

74 - PARA—RAIOS

encoi

N.

índic e

DA PS- SERVIÇO

1 - LOCAÇÃO DE OBRA

pü r

assunt o

FUNDAÇÕES

2 - FUNDAÇÃO DIRETA - SAPATA ISOLADA

3 - FUNDAÇÃO DIRETA - TUBULÃO A CÉU ABERTO NÃO ENCAMISADO

4 - FUNDAÇÃO INDIRETA - ESTACA PREMOLDADA DE CONCRETO

5 - FUNDAÇÃO INDIRETA - ESTACA TIPO FRANKI

6 - BLOCO DE COROAMENTO DE ESTACAS

7 - CINTAS OU BALDRAMES

N.

DA PS- SERVIÇO

ESTRUTURA

S

- CONFECÇÃO E RECEBIMENTO DE FORMA

9

- MONTAGEM DE FORMA

10

- MARCAÇÃO DE PASSAGENS E TUBUL. EMBUT. EM LAJES - HIDROS.

11

- MONTAGEM DA ARMADURA

12

- PASSAGENS E TUBULAÇÃO EMBUTIDA NA LAJE - ELÉTRICA

. 13 - CONCRETAGEM

14 - DESFORMA

ALVENARIA E REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS

N. DA PS- SERVIÇO

15

- MARCAÇÃO DE ALVENARIA

17

- ALVENARIA DE VEDAÇÃO COM TIJOLOS FURADOS

27

- GESSO LISO (TETO)

2B

- MASSA ÚNICA EM TETO

* 29 - CONTRAPISO

30

- REVESTIMENTO INTERNO (MASSA ÚNICA?

39

- MASSA ÚNICA PARA PINTURA EM FACHADAS

AO'

41

- EMBOÇO DE FACHADA

— CERÂMICA EM FACHADA

42

- PASTILHA

46

- AZULEJOS

47

- FORRO DE GESSO (EM PLACAS)

49

- PISO CERÂMICO

50

- PISO DE PEDRA

PASTILHA 46 - AZULEJOS 47 - FORRO DE GESSO (EM PLACAS) 49 - PISO CERÂMICO 50
PASTILHA 46 - AZULEJOS 47 - FORRO DE GESSO (EM PLACAS) 49 - PISO CERÂMICO 50
PASTILHA 46 - AZULEJOS 47 - FORRO DE GESSO (EM PLACAS) 49 - PISO CERÂMICO 50
PASTILHA 46 - AZULEJOS 47 - FORRO DE GESSO (EM PLACAS) 49 - PISO CERÂMICO 50

encoi

r

INSTALAÇÕES HIDROSANITARIAS

N.

DA PS- SERVIÇO

 

16

- EXECUÇÃO DE COLUNAS HIDROSANITÁRIAS

18

- RAMAIS DE HIDROSANITARIAS

19

- DESVIOS DE COLUNAS HIDROSANITARIAS

EO - RECALQUE DE ÁGUAS

2E - PRUMADA E DESVIOS - ELÉTRICA

45

- BARRILETES

64

- LOUÇAS E METAIS

7E - COLETORES EM TERRENO NATURAL

 

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

N.

DA PS- SERVIÇO

 

£1 - TUBULAÇÃO EM ALVENARIA - ELÉTRICA •

63

- INTERRUPTORES, TOMADAS E LUMINÁRIAS

51

- FIAÇÃO

71

- MONTAGEM DE QUADRO GERAIS

73

- ANTENAS

74

- PARA—RAIOS

 

ARTEFATOS DE MADEIRA

N.

DA PS- SERVIÇO

E3 - ENGRADAMENTO DE ADUEiLAS

8.4 - ASSENTAMENTO DE ADUE:LAS

48

- FORRO DE MADEIRA

54

- ASSOALHO

55

- PARQUET

56

- RODAPÉ DE MADEIRA

57

- ALIZAR

58

- FOLHAS DE PORTAS

59

- FERRAGENS

70

- CARPETE

ehcoi

N.

N.

ESQUADRIAS

DA PS- SERVIÇO

ES - CONTRAMARCOS DE ALUMÍNIO

26

- ESQUADRIAS METÁLICAS (FERRO)

- FOLHAS DE ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO

MASSA)

60

6 1 - VIDROS (COM

'62 - VIDROS (COM BORRACHA)

IMPERMEABILIZAÇÃO

DA PS- SERVIÇO

31 - REGULARIZAÇÃO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO

32 - MANTA ELETOMÉRICA - BUTIL OU EPDM

33 - MANTA ASFÁLTICA COM ARMADURA

34 - MEMBRANA - EMULSÃO ASFÁLT. E ARMADURA VÉU FIBRA DE VIDRO

35 - ARGAMASSA IMPERMEÁVEL

36 - PROTEÇÃO DE IMPERMEABILIZAÇÃO EM ARGAMASSA

- 37 - PROTEÇÃO DE PISO TRANSITÁVEL POR VEÍCULOS

38 - PROTEÇÃG DE IMPERM. COM ISOL. TERM.- POLIEST. EXTRUDADO

N.

DA PS- SERVIÇO

PINTURA

43

- LÁTEX TEXTURADO ACRÍLICO

 

44

-

TINTA

GEL-O-PLAST: "

^ c .,

52

- MASSA PVA

53

- MASSA ACRÍLICA

63

- TINTA PVA

66

- LÁTEX ACRÍLICO

67

- ESMALTE SINTÉTICO BRILHANTE SOBRE FERRO

68

- ESMALTE SINTÉTICO ACETINADQ SOBRE MADEIRA

69

- VERNIZ COPAL SOBRE MADEIRA

•nco!

^SERVIÇ O

^SERVIÇ O

L

(PS

HW6AAMAÇA 0

D E

SERVIÇ O

-

LOCAÇÃO DE OBRA

HWIAIOKA L

NOM E

D A

OBR A

1

-

PROCEDIMENT O

DE

EXECUÇÃ O

>

R » T

L

D A

91

M

3

1- Identificar o R.N. da obra.

2- Fixar os pilaretes

de

sustentação do gabarito a cada 2 (dois)

metros e afastados da divisa 50 cm.

3- Fixar as

tábuas de 15 cm nos pilaretes a uma altura de 1,lOm.

1 / 3

Estas tábuas deverão ser alinhadas, niveladas e no esquadro.

4- As tábuas deverão ser emendadas de topo.

5- Proceder a marcação dos eixos dos pilares. Estes eixos deve-

rão ser identificados no gabarito. (Utilizar um preço e es-

crever o número do pilar).

6- A marcação dos eixos deve ser feita com cota acumulada

7- Fixar no terreno os piquetes correspondentes a cada cr uzamen

to dos eixos dos pilares e protegê-los .com areia.

<

/

8- 0 gabarito deverá ser bem travado para evitar que a su a movi

mentação prejudique a locação.

2

-

PR E

-

REQUISITOS

PARA

INICIO

DOS

SERVIÇO S

-

V

N

1- Serviços de trerraplenagem.

2- Limpeza do terreno.

3- P.S. de escavação de sub-solo (caso haja)

S - V N 1- Serviços de trerraplenagem. 2 - Limpeza do terreno. 3 - P.S.
S - V N 1- Serviços de trerraplenagem. 2 - Limpeza do terreno. 3 - P.S.
o SERVIÇ O AVJTI/1 PROGRAMAÇÃO LOCAÇÃO DA OBRA DE SERVIÇ O ^ 4 - PROGRAMAÇÃ
o
SERVIÇ O
AVJTI/1
PROGRAMAÇÃO
LOCAÇÃO DA OBRA
DE
SERVIÇ
O
^
4 -
PROGRAMAÇÃ O
UMIDAD E
D E
SERVIÇ O
:
M 2
M 2
TOTA L
D E
UNIDADE S
D E
P
R O
S R
A
M AÇA O
N A
OBR
A
SERVIÇ O
PO R
UNID .
D E
PROSR
.
SUB-TOTA L
-
1
OUTRO S
LOCAI S
/ QUANT
.
D E
SER
V
SUB-TOTA L
-
2
SUB -
TOTA L
-
3
SUB-TOTA L
-
A
QUANTIDAD E
D E
SERVIÇ O
-
TOTA
L
:
C
ICL O
:
DURAÇA O
D O
SERVIÇ O
:
INICIO :
TERMIN O
:
5
-
EQUIP E
QUANTIDAD E
D E
"
HORA S
QUANTIDAD
QUANTIDAD E
E
PAR A
SERV.
CATEGORI A
CATEGORI
A
P O R
UNID .
CONSUM O
D
D
E
E
POR
CICL O
TOTA L
PROG R
PROFISSIONAI S
PROFISSIONAI S
(HH/UN.SERV.)
ENCARREGADO
CARPINTEIRO
SERVENTE
|
L
- •
-
-J
6
-
MATERIAI S
ÍNDIC E
D E
QUANTIDAD E
QUANTIDAD E
CONSUM O
ESPECIFICAÇÃ O
UNIDAD E
CONS .
P /
P/UNID .
P /
SERV .
DIÁRI O
UNIO .
SERV .
D E
PR06R .
TOTA L

TÁBUAS DE 15 cm

m

ESTACAS DE MADEIRA (PIQUETE)

un.

PREGOS

Kg

LINHA DE NYLON

m

PONTALETES 8x8

m

LATA DE TINTA

U n .

LÁPIS

Un.

-

02

PREGOS K g LINHA DE NYLON m PONTALETES 8x8 m LATA DE TINTA U n .
PREGOS K g LINHA DE NYLON m PONTALETES 8x8 m LATA DE TINTA U n .
PREGOS K g LINHA DE NYLON m PONTALETES 8x8 m LATA DE TINTA U n .

r P*OGRJM*CÍO\ f^Rviço

DE

SERVIÇO ,

LOCAÇÃO DA OBRA

 

7

-

FERRAMENTA S

TRFIN A

METRO

PICARETA

MARRETA

TALHADEIRA

PÃ DE CORTE

NlVEL DE PEDREIRO PRUMO DE CENTRO MANGUEIRA DE NlVEL

 
 

8

-

EQUIPAMENTO S

9 -

OBSERVAÇÕE S

R «?B A

V

01

/

>IKA\

13/3

QUANTIDAD E

QUANT I

(JAD E

OI/OPERÁRI

O

J

-J

1- Deverá ser feito ura gabarito por junta de dilatação, não ultra-

passando o comprimento de 40 m.

OBS .

E M

ANEX

O

-

PLANILH A

 

C O

E

D O

 

10

-

PARTICIPANTE S

 

D A

ELEBORAÇA O

O A

APROVAÇÃ O

D

O

ENSC N

HC 1

R O

:

SERVIÇ O

ELABORAÇA O

PS :

DA

PS

-^ÁJA^ I WÈÊÊÊ&íU-^

DAT A

:

03

J

encoi

CQE

R LOCA L

DA

CONTROL E

QUALIDAD E

EXECUÇÃ O

AMOSTR A

LOCAÇÃO DA OBRA

rs r«E«K)KALNOM E DA OBR A

DA

DA

INICI O

TERMIN O

PREVIST O

LOCA L

DO

ENCARREGAD O

PROFISSIONAI S

V

1

3

1

-

VERIFICAÇÕE S

DE

SERVIÇO S

ANTERIORE S

PS DE ESCAVAÇÃO DE SUBSOLO (CASO HAJA) SERVIÇOS DE TERRAPLENAGEM

LIMPEZA DO TERRENO

SERVIÇ O

LIBERAÇÃ O

DAT A

^

I

2

3

â

5

6

7

8

Z

Z

-AVALIAÇÕE S

-AVALIAÇÕE S

DO

DO

SERVIÇ O

SERVIÇ O

ALINHAMENTO DO GABARITO

ESQUADRO DO GABARITO

NIVELAMENTO DO GABARITO

RIGIDEZ E TRAVAMENTO DO GABARITO

ESPAÇAMENTO ENTRE OS PILARETES

MARCAÇÃO DOS EIXOS DO PILARES

IDENTIFICAÇÃO DOS EIXOS

MARCAÇÃO E FIXAÇÃO DOS PIQUETES

DURANT E

TOLERÂNCI A

TOLERÂNCI A

 

11 2 3

1

4

|

5

|

10 mm

1

5 mm

í

*

5 mm

i í

50 mm

-

2 mm

-

 

|

 

1

1

 

|

 

FINAL ^

S

|

7

ENCÍTEC.

 

!

 

!

 

i

i

i

;

.   !   !   i i i ; CODIGO S DA S AVALIAÇÕE S
.   !   !   i i i ; CODIGO S DA S AVALIAÇÕE S
.   !   !   i i i ; CODIGO S DA S AVALIAÇÕE S
.   !   !   i i i ; CODIGO S DA S AVALIAÇÕE S
.   !   !   i i i ; CODIGO S DA S AVALIAÇÕE S
.   !   !   i i i ; CODIGO S DA S AVALIAÇÕE S

CODIGO S

DA S

AVALIAÇÕE S

:

VIST O

DO

AVALIADO R

i ; CODIGO S DA S AVALIAÇÕE S : VIST O DO AVALIADO R A -

A

-

APROVAD O

®

-

REPROVAD O

DAT A

DA

E PERÍOD O
E
PERÍOD O

AVALIAÇÃ O

3

-

OBSERVAÇOE S

/

PROVIDENCIA S

\

04

ENCERRAMENT O

DO

CQ E

TÉCNIC O

DAT A

ENGENHEIR O

DAT A

-i

N

X

tncol

SERVIÇ O

FUNDAÇÃ O

DIRETA-SAPAT A

ISOLAD A

D

D A

Q2

páaittv

1/S

0 PS

 

PROSRAMAÇA O

R RE6IONA L

NOM E

DA

OBR A

D E

SERVIÇ O

 
 

- PROCEDIMENT O

DE

EXECUÇÃ O

 

1

- Identificar o centro da sapata através do gabarito e projetá-lo sobre o terreno utilizando o prumo de centro e um piquete para marca-lo.

2

- Com a trena metálica ou metro mede-se as dimensões em planta da

 

peça sobre o terreno, a partir do piquete, de acordo com o j eto.

pro

3

- Dar uma folga nas dimensões em planta para permitir o trabalho do operário e ou a colocação da forma. Esta folga varia de acor do com o tipo de terreno, dimensões da peça e tipo da forma.

4

-

Efetua-se a seguir a escavação.- A profundidade será determinada através do projeto de fundação.

5

- A regularização do fundo da vala deve ser feita em duas camadas:

- CAMADA: 5cm de brita 2 compactada

 

- 2§ CAMADA: 5cm de concreto macrro

 

6

- Antes da pega do concreto magro lançar graoas pa:

rrxaçao e

 

vamento da forma.

 
 

2

-

P R É

-

REQUISITOS

PARA

INÍCIO

DOS

SERVIÇO S

1

- Limpeza do terreno

 

2

- PS de locação da obra

 

3

- PS

de

escavação do subsolo (caso ha j a)

 

4

- PS de concretagem

 

5

- PS de montagem de armação

 
 

3

-

ANEXO S

 

1

- Planta de locação dos pilares

 

2

- Planta de formas da sapatas

 

3

- Planta de armação das sapatas

 

4

- Planta de armação

de arranque de pilares

 

"

A

\

•ncol ( P S

SERVIÇ O

FUNDAÇÃO~• DI RETA SAPATA "ISOLADA-' ^ Cont

'.

 

^"REGIONA L

NOM E

DA

OBR A

PROGRAMAÇA O

 

D E

SERVIÇ O

V

 

1

-

PROCEDIMENT O

D E

EXECUÇÃ O

) JGDTTT

T

\

7 - Monta-se a forma com o auxílio do gabarito e prumo de centro , para assegurar a localização e as dimensões da sapata.

8 - Monta-se a armação(ver PS de montagem de armação) observando os cobrimentos laterais e principalmente do fundo. Para ga rantir os cobrimentos (ver projeto de armação) utilizar pasti lhas.

f!

9 - Efetua-se o travamento final e arremates com a colocação dos colarinhos ou* pescocos" de pilares com as ariiiaçStes (ver PS de montagem de armação).

10 - Feita a conferência da forma e armações liberar a concretagem (ver PS de concretagem).

L

-

-

-

^

 

2

-

PR E

-

REQUISITOS

 

PARA

INICI O

DOS

SERVIÇO S

 

V

'

3

-

ANEXO S

 
E - REQUISITOS   PARA INICI O DOS SERVIÇO S   V ' 3 - ANEXO

fpnOGRAfcttçZo

DE

SERVIÇO

^SERVIÇ O

FUNDAÇÃO DIRETA-SAPATA ISOLADA

oí n

02

P*«IK A

2/3

4 - PROGRAMAÇÃO

UMIDAD E

UMIOAO E

 

D E

TOTA L

O E

UMIOADC S

O E

P

R O

«

R A

M A ÇA O

W A

OBR

A

SERVIÇ O

SERVIÇ O

SERVIÇ O

OUTRO S

OUTRO S

OUTRO S

P O »

LOTAI S

nu m

/QU A

n E

W T

P P

PROGR .

*FR

V

QUANTIDAD E

D E

IERVIÇ O

-

TOTA

L

:

CICL

O

:

DURAÇÃ O

 

0 0

1 MI C

10

:

T É R

MIN O

:

CATEGORI

CATEGORI A

A

- ENCARREGADO

- CARPINTEIRO

- SERVENTE

- ARMADOR

5

-

EQUIP E

CONSUM O

IHH/U N .SERVI

PAR A

TOTA L

SERVIÇ O

 

:

 

íiiB .

m

u

i

-

i

SLL R

-

TOTA L

-

2

SUB -

TOTA L

-

3

 

.

4

SERVIÇO :

 

QUANTIDAD E

 

O E

SER V

P O R

 

UNI D

 

m

3

HORA S

POR

QUANTIDAD E

QUANTIDAD E

CICL O

OE

OE

PROGF .

PROFISSIONAIS

PROFISSIONAIS

OUANTIDAO E

QUANTIDAO E

P/UN10 .

D E

PR08R .

P /

S E

TOTA L

R

V .

CONSUM O

DIÁRI O

6 -

MATERIAI S

UMIOAO E

ÍNDIC E

CONS .

UNID .

D E

ESPECIFICAÇÃ O

P /

SERV .

- TÁBUAS DE 15cm

m

- TÁBUAS DE 10cm

m

- SARRAFO DE 7cm

T f

- PONTALETE 8x8

m

- PREGOS

KCT

- AÇO

Kc

- CONCRETO ESTRUTURAL fck= ?

m 3

- BRITA 2

TP

3

- CONCRETO MAGRO

m 3

- LINHA DE NYLON

m

- ARAME RECOZIDO

Kc

0 7 ,

FHOOtAMWUAU

D E

SERVIÇ O

»

-

7 -

- PÃ DE CORTE

- PICARETA

- MARRETA

- PONTEIRO/TALHADEIRA

- TRENA

- METRO

- MANGUEIRA DE NlVEL

- BALDE

- COLHER DE PEDREIRO

- PRUMO DE CENTRO

FUNDAÇÃO DIRETA - SAPATA ISOLADA

FERRAMENTA S

V

8 -

EQUIPAMENTO S

- COMPRESSOR (CASO HAJA ROCHA )

SI

0 8S:

EM

ANEXO

PARTICIPANTE S

0 8

APROVAÇÃ O

D O

-

D A

PLANILHA

COE

E L

E

10

FTORAÇAO

-

D A

EN6ENHEIR 0

:

9 -

OBSERVAQOE S

00

SERVIÇO

ELABORAÇÃ O

PS :

DA

PS

DAT A

:

02

HZE T

QUANTIDAD E

OUANTI D

A

D

E

\

-J

9Ti CO (CQE r L O C A L D A SERVIÇO CONTROL E OUA
9Ti CO (CQE r L O C A L D A SERVIÇO CONTROL E OUA
9Ti CO
9Ti CO

(CQE

r LOCA L

DA

SERVIÇO

CONTROL E OUA L tOADE EXECUÇÃ O

DA

DA

AMOSTR A

ENCARREGAD O

^

FUNDAÇÃO DIRETA - SAPATA ISOLADA

R

W.

RE3IONA L

,

NOM E

INICI O

PROFISSIONAI S

OA

OSR A

TERMIN O

PREVIST O

LOCA L

00

i

?

?

1

-

VERIFICAÇÕE S

DE

SERVIÇO S

-

LIMPEZA DO TERRENO

 

-

PS DE LOCAÇÃO DA OBRA

_

p c n^ ESCAVAÇÃO

HF

SURSOT. O

ÍPAS O

ANTERIORE S

FTA.TA ^

2

2

S

-AVALIAÇÕE S

-AVALIAÇÕE

DO

DO

SERVIÇ O

SERVIÇ O

TOLERÂNCI

TOLERÂNCI A

A

1

2

SERVIÇ O

LIBERAÇÃ O

1

DURANT E

3

|

4

1

5

|

6

 

DO

C3E

0 2

 

A

A

J

 

DAT A

^

F! N A

L^

1

7

ENCTEC .

i

2

3

4

S

6

7

8

9

10

-

-

-

-

_

-

-

-

-

— TRAÇO DO CONCRETO

COTA DA BASE (PROFUNDIDADE) NIVELAMENTO DO CONCRETO MAGRO

CENTRO DA

DIMENSÕES

SAPATA DA FORMA DA. SAPATA

D A

PORM A

TRAVAMKNT O

ARMADURA DA SAPATA EIXOS DO PILAR OU PILARES DA SAPATA LIMPEZA PARA A CONCRETAGEM ARMADURA DE ARRANQUE DOS PILARES

20mm

lOmm

5mm

5 mm

2mm

i

1

I

Í

1

Í

1

1 1

1

I

1

!

!

I

!

1

Í

!

1

M

I

|

Í

I

M

i

i

i

i

|

|

j

!

I

CODIGOS DAS AVALIAÇÕES :

VIST O

DO

AVALIADO F

i | | j ! I CODIGOS DAS AVALIAÇÕES : VIST O DO AVALIADO F A
i | | j ! I CODIGOS DAS AVALIAÇÕES : VIST O DO AVALIADO F A

A APROVADO

®

REPROVADO

DATA

OA

E

: VIST O DO AVALIADO F A APROVADO ® REPROVADO DATA OA E PEHIOO O AVALIAÇÃ

PEHIOO O

AVALIAÇÃ O

F A APROVADO ® REPROVADO DATA OA E PEHIOO O AVALIAÇÃ O r   3 -

r

 

3

-

f-

OBSERVAÇÕE S

TÉCNIC O

^ ENCERRAMENTO DO CQE

/

PROVIDENCIA S

DAT A

ENGENHEIR O

DAT A

09 V

sncol

Í PS

SERVIÇ O

FUND.DIRETA-TUBULÃO , A CÉU ABERTO NÃO ENCAMISADO

PNO6RAMAÇA O

DE

SERVIÇ O

R RE«IOXÀ L

NOM E

DA

OBR A

1

-

PROCEDIMENT O

DE

EXECUÇÃ O

T

D A

W

IKA\

1/3

" A

J

1- Identificar o centro do tubulão através do gabarito e proje- tá-io sobre o terreno utilizando o prumo de centro, e um pi- quete para marcã-lo. 2- Com a trena metálica ou metro mede-se as dimensões do tubu- lão sobre o terreno, sem folga, a partir do piquete de acor- do com o projeto. 3- Efetua-se a seguir a escavação. A profundidade será determi- nada através do projeto de fundação.

4- Atingida a cota da base, faz-se a abertura da mesma.

5- Após a abertura da base procede-se a concretagem (ver PS con

cretagem) do tubulão.

6- Antes de atingir a cota de arrasamento, faz-se a colocação

da armação de ligação.

7- Efetua-se a seguir o acabamento da cabeca do tubulão e faz-

se a proteção da mesma com areia lavada.

r

2

-

PRÉ

-

REQUISITOS

PARA

INÍCIO

DOS

SERVIÇO S

1- Limpeza do terreno.

2- PS de locacão da obra.

3- PS de escavação do subsolc: (caso haja)

4- PS de concretagem.

V.

c

3

-

ANEXO S

Planta de locacão do pilares.

Planta de locação dos tubulões.

JL j

-

10

PROGRAMAÇZÕ^ f SERVIC ° FUNDAÇÃO DIRETA- ~~TUBULÃO a. CÉU ABERTO J

yDE

SERVIÇO

NÃO ENCAMISADO

4 -

PR0 6 RAMAÇA O

03

x

,2/3

>

m UNIDAD E D E SERVIÇ O : m - — tça o MA OBR
m
UNIDAD E
D E
SERVIÇ O
:
m
- —
tça o
MA
OBR A
:
TOTA L
D E
UNIDADE S
D E
PR O
SERVIÇ O
PO R
UNID .
D E
PR06R .
;
SUB-TOTA L
-
1
OUTRO S
LOCAI S
/ QUANT .
DE
SERV .
SUB-TOTA L
-
2
SUB -
TOTA
L
-
3
SUB-TOTA L
-
4
QUANTIDAD E
D E
SERVIÇ O
-
TOTA L
:
DURAÇÃ O
D O
SERVIÇ O
:
CICL O
TERMIN O
;
INICI O
r-
\
5 -
EQUIP E
QUANTIDAD E
DE
HORA S
QUANTIDAD E
QUANTIDAD E
PARA
SERV.
POR
UNID .
CATEGORI
CATEGORI A
A
CONSUM O
DE
DE
POR
CICL O
TOTA L
PROGR
PROFISSIONAIS
PROFISSIONAIS
(HH/UN.SERV.)
*
CARPINTEIRO
á*
éà
SERVENTE
&
*
J
*
6 -
MATERIAI S
*
ÍNDIC E
D E
QUANTIDAD E
QUANTIDAD E
CONSUM O
ESPECIFICAÇÃ O
UNIDAD E
CONS .
P/
P/
U N
ID
.
P/
SERV .
DIÁRI O
UNIO.
SERV .
D E
PROGR .
TOTA L
AREIA
m 3
I
CONCRETO DO TUBULÃO FCK
m 3
E-STACAS DE MADEIRA (PIQUETE)
un.
PREGO
Kg.
•5
PONTALETE 8x8
m
1
TSRTTA
m
LINHA DE NYLON
m
c
-
*
-
11
J
3

(PROGRAMAÇÃO 1

K DE

SER VIÇO j

Cs

^ FUNDAÇÃO NÃO ENCAMISADO DIRETA- TUBULÃO A CÉU ABERTO

ERVIC O

 

7

-

FERRAMENTA S

PÂ DE CORTE

PICARETA

MARRETA

TRENA

METRO

TALHADKTRA

MANGUEIRA DE NÍVEL

 

BALDE

PRUMO DE CENTRO

 

8

-

EQUIPAMENTO S

OSS .

E M

ANEX O

PARTICIPANTE S

APROVAÇÃ O

D O

-

D A

PLANILH A

C O

E

E L

10

E BORACA O

EN8ENMEIR 0

.

0 0

-

DA

9 -

OBSERVAÇOE S

SERVIÇ O

ELABORAÇÃ O

PS :

DA

PS

j

DATA :

r »tO A

03

P» ^

J

13/3 J

OUA N

T

ÍDAO E

1

2

J

\

\

encol

(CQE

r

LOCA L

DA

CONTROL E

QUALIDAD E

EXECUÇÃ O

AMOSTR A

0A"\

DA

FUNUAWAU 1JJ.KLIA- ENCAMISADO

'"REGIONA L

V

NOM E

DA

INICI O

OBR A

TERMIN O

n U1.U

PREVIST O

LOCA L

DO

V

ENCARREGAD O

PROFISSIONAI S

1

2

3

1

-

.

VERIFICAÇÕE S

DE

SERVIÇO S

LIMPEZA DO TERRENO

PS DE LOCAÇÃO DA OBRA

PS DE ESCAVAÇÃO DO SUBSOLO (CASO HAJA)

ANTERIORE S

2

2

-AVALIAÇÕE

-AVALIAÇÕE S

S

DO

DO

SERVIÇ O

SERVIÇ O

COTA DA BASE (PROFUNDIDADE) CENTRO DO TUBULÂO DIMENSÕES DO TUBULÃO ARMADURA DE LIGAÇÃO ARRASAMENTO ACABAMENTO DA CABEÇA

PROTEÇÃO

DA

CABEÇA

TRAÇO DO CONCRETO

TOLERÂNCI A

TOLERÂNCI A

-

1

1

1

JL 03

J SERVIQ O ~ • \ ) LIBERAÇÃ O DAT A ^ D U R
J
SERVIQ O
~
\
)
LIBERAÇÃ O
DAT A
^
D U
R A
N
T E
FINAL ^
i
2
1
3
|
4
5
|
6
7 ENC1TEC.
!
!
!
i
|
|
|
|
| |
1 j
.
1
|
!
!
i
I

C0DIG0S DAS AVALIAÇÕES :

A - APROVADO

®

- REPROVADO

DO AVALIADO R E PERÍOD O
DO
AVALIADO R
E
PERÍOD O

AVALIAÇÃ O

VIST O

DAT A

DA

3

-

OBSERVAÇOE S

/

PROVIDENCIA S

f

TÉCNIC O

ENCERRAMENTO DO CQE

DAT A

ENGENHEIR O

j

DAT A

1

9üC0l

SERVIÇ O

L FUNDAÇÃO INDIRETA-ESTACA PRS-MOLDADA DE CONCRETO,

O L FUNDAÇÃO INDIRETA-ESTACA PRS-MOLDADA DE CONCRETO, F R E 6 I 0 N A L
O L FUNDAÇÃO INDIRETA-ESTACA PRS-MOLDADA DE CONCRETO, F R E 6 I 0 N A L

FRE6I0NA L

NOM E

DA

OBR A

1

-

PROCEDIMENT O

DE

EXECUÇÃ O

R K L

D A

^ -04 , 1/1

D

1 - Identificar o centro da estaca através do gabarito e projetá-lo sobre o terreno utilizando o prumo de centro e u~. pique.t~ par.-, marcá-lo.

2 - Posicionar o bate-estaca conforme estratégia de cravação ( ver

plano de cravacão das estacas)

3 - Verificar o prumo e a locação do bate-estaca.

4 - de Verificar fundação. a altura de queda do pilão de carga conforme projeto

5 - Iniciar a cravação fazendo o controle através do boletim de era.

vação de acordo com o estabelecido pelo consultor de fundações.

6 - Acompanhar a execução da emenda da estaca (oaso haja).

7 - jeto. Verificar o arrasamento da estaca conforme estabelecido no pro

r

2

-

PR É

-

REQUISITOS

PARA

INÍCIO

DOS

SERVIÇO S

\

1 - Limpeza do terreno

2 — PS de escavação de subsolo (caso haja)

3 - PS de locacão da obra

4 - Plano de cravacão das es~acas

5 - Confecção da proteção das cabecas de estacas.

3

-

ANEXO S

- Planta de locacão dos pilares

-

-

-

-J

- Planta de locacão das estacas (projeto de fundação)

  5 -   CATEGORI A CATEGORI A - CARPINTEIRO   - SERVENTE   6
  5 -   CATEGORI A CATEGORI A - CARPINTEIRO   - SERVENTE   6
 

5

-

 

CATEGORI A

CATEGORI A

-

CARPINTEIRO

 

-

SERVENTE

 

6

-

 

ESPECIFICAÇÃ O

-

ESTACAS

-

TÁBUAS

-

PONTALETE 8x8

 

-

ELETRODO

-

ESTACAS DE MADETRA7 PTOTTETE)

 

-

PREGO

15

EQUIP E

ÍNDIC E

ÍNDIC E

DE

DE

CONSUM O

CONSUM O

IHH/UN

IHH/UN

SERV I

SERV I

PAR A

TOTA L

aUANTlDA.D E

D E

SER V

POR

PROG R

UNID .

(4

MATERIAI S

ÚMIDA

D E

m

m

m

UN

UN

Kg

ÍNDIC E

CONS .

UNID .

D E

p/

SERV .

QUANTIDAD E

P/UNID .

D E

PROGR .

HORA S

POR

C1CL C

QUANTIDAD E

P/

SERV .

TOTA L

OUANT1 DA

OUANT1 DA

DE

DE

DE

DE

PROFISSIONAIS

PROFISSIONAIS

-J

CONSUM O

DIA

RI

-

C

J

o wõõuããpô DE SERVIÇ O SERVIÇ O JUND. INDIRETA—ESTACAS PRfi MOLDADA DE CONCRETG 7 -

o wõõuããpô

DE

SERVIÇ O

SERVIÇ O

JUND. INDIRETA—ESTACAS PRfi MOLDADA DE CONCRETG

7 -

FERRAMENTA S

- MANGUEIRA DE NÍVEL

- PRUMO DE CENTRO

- PRUMO DE FACE

METRO

- ENXADA

- PA

- GABARITO PARA PRUMO DA ESTACA

8 -

- BATE ESTACAS

- MÁQUINA DE SOLDA

- MAÇARICO

EQUIPAMENTO S

9 -

OBSERVAÇOE S

«TOAPS

04

SOLDA - MAÇARICO EQUIPAMENTO S 9 - OBSERVAÇOE S «TOAPS 04 -V QUAUTIOAO E   V

-V

QUAUTIOAO E

 

V

OUANTI D

A

0 E

 

J

Manter constantemente durante a execução do estaqueamento um corra to com o-consultor de fundações para evitar desvios.

O Plano de cravação das estacas deverá ser elaborado em conjunto ' com o consultor de fundações e o executor do estaqueamento.

OSS -

E M

ANEX O

PARTICIPANTE S

APROVAÇÃ O

DO'

D A

PLANILH A

CQ E

E L

E

10

B0RAÇA 0

EN8ENHEIR 0

0 0

-

0 A

SERVIÇ O

ELABORAÇA O

P S

DA

PS

OAT A

16

encoí

CQE

R LOCA L

DA

MRVIÇ O

FUNDAÇÃO INDIRETA-ESTACAS PRÉ-MOLDADA DE CONCRETO

CONTROL E

OUALIDAD E

EXECUÇÃ O

DA"\

DA

_J

AMOSTR A

/'"RESIO

NA L

NOM E

DA

INICI O

OBR A

TERMIN O

PREVIST O

LOCA L

DO

SERVIÇ O

JTI DO

04

CQ E

J

s

$

ENCARREGAD O

PROFISSIONAI S

1

-

VERIFICAÇÕE S

DE

SERVIÇO S

ANTERIORE S

1 - LIMPEZA DO TERRENO

2 - PS DE LOCAÇÃO DA OBRA

3 - PS DE ESCRAVACÃO DE SUBSOLO (CASO HAJA)

 

>

LIBERAÇÃ O

DAT i

 

-

2-AVALIAÇÕE S

2-AVALIAÇÕE S

DO

DO

SERVIÇ O

SERVIÇ O

" - EMPENO DA ESTACA

_

T7T çqp-RAC

-PqTi^pa

3 - PRUMO DA ESTACA

4

5

6 ' - ALTURA DE OUEDA DO PILÃO

7 - EMENDA DA ESTACA (CASO HAJA)

8 - ARRASAMENTO DA ESTACA

- NEGA - LOCAÇÃO DO CENTRO DA ESTACA

TOLERÂNCI A

TOLERÂNCI A

1

DURANT E

FINAL ^

.

2 1 3 I 45 | 6 1 ENCJTEC7 í

!.

|

1

j

j

1

!

!

I

1

I

|

|

!

|

!.•'

!

.i

1

I

!

CODIGOS

DAS

AVALIAÇÕES :

A

-

APROVADO

®

-

REPROVADO

!

i

!

|

|

!

i

i

1