Vous êtes sur la page 1sur 14

ROBERTA SANTOS DE OLIVEIRA LIMA

OS DESAFIOS DA MULHER EMPREENDEDORA NA ECONOMIA


BRASILEIRA
GUARULHOS
2018

ROBERTA SANTOS DE OLIVEIRA LIMA

OS DESAFIOS DA MULHER EMPREENDEDORA NA ECONOMIA


BRASILEIRA

Projeto apresentado ao curso de Administração


Da Faculdade Anhanguera
Orientador: Gilmara Ferreira
GUARULHOS
2018

SUMARIO

1 INTRODUÇÃO ..............................................................................................4
• O PROBLEMA ...........................................................................................5
• OBJETIVOS. ..............................................................................................5
• OBJETIVO GERAL ....................................................................................5
• OBJETIVOS ESPECÍFICOS.......................................................................5
• JUSTIFICATIVA .........................................................................................6
4

1 INTRODUÇÃO

Entende-se que a mulher dos dias atuais mudou, ela ganhou espaço no mercado de
trabalho e também tem uma representação significativa em todas as áreas da economia
Brasileira, por iniciativa própria ou por necessidade, já que muitas vezes a mulher encontra-
se em uma situação onde sua única saída financeira é empreender. Ela usa de suas
habilidades e expertise para atuar em seu próprio negócio e esta mesma mulher com suas
características naturais consegue muitas vezes driblar a situação e empreender com êxito.

Tendo em vista o cenário econômico atual, elaborou-se uma pesquisa com foco em
identificar as principais dificuldades que a mulher empreendedora enfrenta para introduzir um
produto ou serviço no mercado, uma delas é a desigualdade frente ao homem na hora de
buscar investimento e desenvolvimento, e também entender as estratégias utilizadas para
que este negócio seja sustentável.
Acredita-se que esta pesquisa trará enriquecimento ao público, por meio de um
estudo mais assertivo, contemplando as dificuldades enfrentadas por estas mulheres, bem
como as estratégias e os caminhos que as levam a posição de mulheres bem sucedidas.

5
1.1 O PROBLEMA

Quais os desafios e as estratégias que a mulher empreendedora enfrenta na


economia brasileira?

2 OBJETIVOS

2.1 OBJETIVO GERAL

Entender quais são os maiores desafios enfrentados por mulheres empreendedoras e


conhecer as estratégias adotadas para reversão de quadro.

2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS OU SECUNDÁRIOS

• Descrever os principais desafios, e as estratégias utilizadas pela mulher


empreendedora.
• Citar quais os cenários mais frequentes a mulher está inserida na economia
brasileira.
• Explicar as razões que levam mulheres a empreenderem no Brasil.

3 JUSTIFICATIVA

Elaborou-se uma pesquisa que aborda a realidade de mulheres Brasileiras que


aventuram-se ao empreendedorismo. Muitos são os contratempos e as adversidades, porém
a pesquisa mostra que ainda assim o mercado permanece aquecido pela atuação de
mulheres empreendedoras.

A pesquisa tem como objetivo central, entender quais são as adversidades impostas
pelo mercado e pela sociedade, que ainda traz consigo uma certa resistência e um
preconceito velado, quando o assunto é negócios gerenciados por mulheres.

Entende-se que a pesquisa agrega conhecimento para este público feminino, tendo
em vista que muitas mulheres tem o desejo ou ainda a necessidade de empreender,
entretanto, muitas vezes a falta informação, acaba desencorajando a empreendedora.
4 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

4.1 Conceito de Empreendedorismo

Empreendedorismo significa Empreender e muitas vezes no ambiente empresarial


está ligado a criar empresas ou novos produtos, conseguir enxergar oportunidades de
negocios em meio a crises e transformar esta oportunidade em negocios lucrativos.
Schumpeter (1950) definiu bem o espirito empreendedor, afirmando que o
empreendedor é aquele que destroi a ordem economica existente pela introdução de novos
produtos e serviços, pela novas formas de organização ou pela exploração de novos
recursos e materiais.
Segundo Robbins (2000) o empreendedorismo é o processo de iniciar um negocio,
organizar os recursos necessarios, assumir riscos e recompensas.
Segundo Dolabela (2006) o empreendedor é um ser insatisfeito que transforma seu
inconformismo em descobertas e propostas positivas para si mesmo e para os outros.
Para Chiavenato (2008) os empreendedores são herois populares no mundo dos
negocios , fornecem empregos, introduzem inovação e incentivam o crescimento
economico.Não são somente provedores de mercadorias ou serviços ,mas fontes de energia
que assumem riscos em uma economia em mudanças, transformações e crescimento.
De acordo com Dornelas (2005), existem vários tipos de empreendedores: o
empreendedor nato, o empreendedor que aprende, o empreendedor serial, o
empreendedor corporativo, o empreendedor social, o empreendedor por necessidade e o
empreendedor herdeiro. O autor ainda afirma que o momento atual pode ser chamado de
era do empreendedorismo, pois são os empreendedores que estão eliminando barreiras
comerciais e culturais, encurtando distâncias, globalizando e renovando os conceitos
econômicos, criando novas relações de trabalho e novos empregos, quebrando
paradigmas e gerando riqueza para a sociedade.
Então o empreendedor é aquele que detecta uma oportunidade e cria um negocio ou
serviço para obter lucro.
De acordo com o SEBRAE a taxa de empreendedorismo no Brasil em 2015 foi de
39,3%, e indica que o os brasileiros de 18 a 64 anos são os empreendedores que se
enquadram nestes numeros, novos empreendedores e empreendedores já estabelecidos no
mercado.
Segundo os conceitos e metodologia adotados pelo GEM (Global Entrepreneurship
Monitor,2015), projeto de pesquisa sem fins lucrativos que tem por objetivo a geração e a
divulgação de informações sobre a atividade empreendedora em ambito mundial, esta
pesquisa é realizada desde 1999 tendo já participado mais de 100 paises.
No caso do Brasil em 2015, o pais apresentou uma taxa de crescimento em relação ao
ano anterior 2014,que foi de 34,4% e vem consolidando uma trajetoria de crescimento desde
que vem sendo monitorado por este órgão, criatividade e resiliencia são caracterisiticas do
empreendedor brasileiro o que acaba favorecendo o empreendedorismo.

4.2 Por que as pessoas querem empreender?

O cenario economico do país nos ultimos anos vem apresentando queda no emprego,
e isto acaba levando as pessoas à empreender muitas vezes como uma forma de garantir o
sustento.
Outra razão que leva as pessoas a empreender é a fuga de empregos onde a mesma
tenha que trabalhar por no minimo 8 horas diaria, sem flexibilidade e muitas das vezes em
areas onde a pessoa encontra-se infeliz e não consegue realização profissional.
Natividade (2009) afirma que, entre as duas principais razões que motivam os
indivíduos a empreenderem, identificam-se aqueles que o fazem por oportunidade, quando
o empreendedor identifica uma boa oportunidade de negócios e se sente motivado a entrar
no mercado com essa perspectiva; e as pessoas que encaram o empreendedorismo como
uma alternativa, quando a abertura do negócio próprio passa a ser uma necessidade para
a própria sobrevivência.
Segundo Lezana e Tonelli (1998), são as necessidades que iniciam o processo de
aprendizado contínuo, tornando o ser humano capaz e hábil para trilhar os caminhos que a
vida lhes oportuniza.
O processo empreendedor é uma sequência de passos a partir da existência de
uma oportunidade. O empreendedor, por conta de suas características e habilidades
pessoais, e de como ele atua no ambiente, decide pela exploração da oportunidade. Parte
em busca dos recursos necessários, após o qual estabelece a sua estratégia
empreendedora, organiza o processo e o coloca em ação (SHANE, 2003).
4.3 Empreendedorismo feminino

Segundo Ariès (1981), que estudou a semelhança entre a familia burguesa do seculo
passado e a familia moderna atual, as mulheres tinham que criar e educar os filhos, manter o
lar e cuidar das necessidades do marido, deixando de lado transformações politicas e
economicas que se processam a volta delas. (ARIÈS, 1981,p.188).
As novas gerações buscam sua independencia financeira, tem projetos de vida mais
individualistas. Investem em sua formação escolar e profissional, mas ainda existem grandes
entraves a ser enfrentados pela mulher, já que por questões culturais e economicas elas
ainda levam desvantagens em relação aos homens no mercado de trabalho.Mas as
mulheres estão buscando equiparação no mercado para vencer obstaculos e quebrar
paradigmas.
As mulheres estão empreendendo e investindo em seus sonhos,já que muitas optam
por abrir seu proprio negócio para onseguir conciliar familia e carreira. A mulher tem um perfil
onde não se permite ser razoavel em nenhuma area da sua vida , ela quer ser a melhor
profissional, melhor esposa, melhor mãe.
Por muitas vezes a mulher tomou a figura de provedora do lar esta é uma das
caracteristica da mulher empreendedora, ela entra no mundo do empreendedorismo por
necessidade usando como ferramenta sua experiencia profissional, geralmente os
empreendimentos feminino estão ligados à alguma habilidade que a mulher tem e usa este
para ganhar dinheiro.
Segundo Machado (2003) as mulheres empreendem mais por necessidade do que por
oportunidade; isso ocorre por diversos motivos: realização pessoal,frustação no emprego
atual, mudança na situação pessoal, a exemplo de morte ou separação do conjuge, ou ainda
pela necessidade de buscar alternativas para suprir o sustento da familia ou para
autossustentar-se.
O Relatorio Mundial da Global Entrepreneurship Monitor (GEM 2015) mostrou que o
publico feminino investe em negocios tradicionalmente relacionados ao mundo feminino,
como vestuarios, serviços coletivos, sociais e pessoais, educação, comercio varejista,
beleza, perfumaria e cosmeticos, bem como fornecimento de comidas preparadas.
Para Ana Fontes, diretora da Rede Mulher Empreendedora, as mulheres tem um jeito
diferente de fazer negocios: elas são mais participativas e menos agressivas na gestão." Elas
gostam de trocar ideias com parceiros,funcionarios e colaboradores e tambem são mais
cautelosas",explica.

5 METODOLOGIA

Quanto aos fins, a pesquisa será descritiva. Gil (1987) afirma que a pesquisa
descritiva tem por objetivo básico descrever as características de determinada população ou
fenômeno e estabelecer possíveis relações entre variáveis. Segundo Churchill (1987) a
pesquisa descritiva tem por objetivo conhecer e interpretar a realidade sem nela interferir
para modificá-la.

Será utilizado metodo descritivo buscando um estudo baseado na literatura para


compreender o perfil, as dificuldades e as oportunidades para as mulheres empreendedoras,
o periodo dos artigos e obras pesquisados será do ano 2008 até o ano de 2016 como base
de informações para elaboração da pesquisa, como também a utlização de livros e artigos
cientificos para enriquecimento da pesquisa que será apresentada.

Palavras chaves: Empreendedorismo, Empreendedorismo Feminino, Empreendedorismo


Feminino no Brasil.

6 CRONOGRAMA DE DESENVOLVIMENTO

Quadro 1 – Cronograma de execução das atividades do Projeto e do Trabalho de Conclusão


de Curso.

ATIVIDADES 2018 2018


JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ
Escolha do tema. X X X X
Definição do problema
de pesquisa
Definição dos X X X X
objetivos, justificativa.

Definição da X X
metodologia.
Pesquisa bibliográfica X X
e elaboração da
fundamentação teórica.
Entrega da primeira X
versão do projeto.
Entrega da versão final X X
do projeto.
Revisão das X X X X X X
referências para
elaboração do TCC.
Elaboração do Capítulo X X X X X X
1.
Revisão e X X X X X X
reestruturação do
Capítulo 1 e
elaboração do Capítulo
2.
Revisão e X X X X X X
reestruturação dos
Capítulos 1 e 2.
Elaboração do Capítulo
3.
Elaboração das X X X X X X
considerações finais.
Revisão da Introdução.
Reestruturação e X X X X X X
revisão de todo o texto.
Verificação das
referências utilizadas.
Elaboração de todos os X X X X X X
elementos pré e pós-
textuais.
Entrega da X X X X X X
monografia.
Defesa da monografia. X X X X X X

REFERÊNCIAS

Listar todas as obras citadas ao longo do trabalho, em ordem alfabética pelo sobrenome do
autor. Lembrando que as referências devem ser alinhadas à esquerda com espaçamento
entrelinhas simples e separadas entre si por espaço de 12 pt depois.
• Atente-se para as formas corretas de apresentar cada tipo de obra.
• A diferença entre artigos impressos daqueles encontrados em endereços eletrônicos é
que nestes últimos, acrescentamos o endereço eletrônico e a data de acesso.
• Para saber mais sobre como apresentar as obras, ou como referenciar, acesse o material
de apoio no AVA, ou entre em contato com o seu tutor.

Exemplos:

Livro com um autor:

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. 6. ed. São


Paulo: Loyola, 2007. 119 p.

Livro com dois ou três autores, separados por ponto e vírgula:

AMARAL, Emília; SEVERINO, Antônio; PATROCÍNIO, Mauro Ferreira do. Novo manual de
redação: gramática, literatura, interpretação de texto. São Paulo: Círculo do Livro, 1995. 432
p.

Livro com mais de 3 autores:

URANI, André et al. Constituição de uma matriz de contabilidade social para o Brasil.
Brasília: IPEA, 1994. 49 p.

Para artigos publicados em revistas, o nome dos autores segue a mesma estrutura,
entretanto o nome da revista é que fica em negrito, não da obra:

MASETTO, Marcos Tarciso. Inovação curricular no ensino superior. Revista e-curriculum,


São Paulo, v. 7, n. 2, p. 1 -20, ago 2011.

Documentos jurídicos (Leis, decretos, portarias, etc.)

BRASIL. Decreto-lei n° 2423, de 7 de abril de 1998. Estabelece critérios para pagamento de


gratificações e vantagens pecuniárias as titulares de cargos e empregos da Administração
Federal direta e autárquica e dá outras providências. Diário Oficial [da] República
Federativa do Brasil, Brasília, D.F., 8 abr. 1998. Seção 1, pt. 1, p. 6009.

Trabalhos acadêmicos (monografias, dissertações e teses):

NIEL, Marcelo. Anestesiologistas e uso de drogas: um estudo qualitativo. 2006. 149 f.


Dissertação (Mestrado em Ciências) – Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de
São Paulo, São Paulo, 2006.

Obs.: Na primeira vez que aparece o ano refere-se ao ano da defesa e na segunda o ano da
entrega.

Trabalhos extraídos no meio eletrônico:

Páginas da internet

CALDAS, Juarez. O fim da economia: o começo de tudo. Disponível em:


<http:/www.caldasecon.com.br >. Acesso em: 23 abr. 2010.

Artigos consultados online:


BAGGIO, Rodrigo. A sociedade da informação e a infoexclusão. Ciência da
Informação, Brasília, v. 29, n. 2, maio/ago. 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/cgi-
bin/wxis.exe/iah>. Acesso em: 26 jul. 2010.