Vous êtes sur la page 1sur 4

E M E N T A HABEAS CORPUS. DIREITO PENAL.

PRINCÍPIO
DA INSIGNIFICÂNCIA. CIRCUNSTÂNCIAS DO CRIME.
REPROVABILIDADE DA CONDUTA. A pertinência do
princípio da insignificância deve ser avaliada, em casos de
pequenos furtos, considerando não só o valor do bem
subtraído, mas igualmente outros aspectos relevantes da
conduta imputada. Não tem pertinência o princípio da
insignificância se o crime de furto é praticado mediante
ingresso subreptício na residência da vítima, com violação da
privacidade e tranquilidade pessoal desta.

(STF - HC: 106490 RS, Relator: Min. ROSA WEBER, Data de


Julgamento: 29/05/2012, Primeira Turma, Data de Publicação:
DJe-162 DIVULG 16-08-2012 PUBLIC 17-08-2012)

EMENTA HABEAS CORPUS. DIREITO PENAL. CRIME DE


FURTO. LIVROS DE BIBLIOTECA DE UNIVERSIDADE
FEDERAL. PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA.
APLICABILIDADE. TRANCAMENTO DA AÇÃO PENAL.
ORDEM CONCEDIDA. 1. A pertinência do princípio da
insignificância deve ser avaliada considerando os
aspectos relevantes da conduta imputada. 2. O valor
irrisório dos bens furtados cinco livros da Biblioteca de
Universidade Federal, a restituição do objeto do crime à
vítima, a ausência de violência, de grave ameaça ou de
circunstâncias desfavoráveis, autorizam, na hipótese, a
aplicação do princípio da insignificância com o
trancamento da ação penal. 3. Ordem concedida.

(STF - HC: 116754 CE, Relator: Min. ROSA WEBER, Data de


Julgamento: 05/11/2013, Primeira Turma, Data de Publicação:
DJe-240 DIVULG 05-12-2013 PUBLIC 06-12-2013)
TESES STF –

1.

O delito de descaminho reiterado e figuras assemelhadas impede o reconhecimento do


princípio da insignificância, ainda que o valor apurado esteja dentro dos limites fixados pela
jurisprudência pacífica desta Corte para fins de reconhecimento da atipicidade (HC 122348
AgR, Relator (a): Min. Luiz Fux, Primeira Turma, julgado em 09/11/2016).

2.

O elevado grau de reprovabilidade de conduta criminosa praticada por militar no interior de


organização militar impede a aplicação do princípio da insignificância (HC 135674, Relator (a):
Min. Ricardo Lewandowski, Segunda Turma, julgado em 27/09/2016).

3.

Descabe cogitar da insignificância do ato praticado uma vez imputado o crime de circulação
de moeda falsa (HC 126285, Relator (a): Min. Marco Aurélio, Primeira Turma, julgado em
13/09/2016).

4.

O princípio da insignificância não incide na hipótese de contrabando de cigarros, tendo em


vista que, além do valor material, os bens jurídicos que o ordenamento jurídico busca tutelar
são os valores éticos-jurídicos e a saúde pública (HC 129382 AgR, Relator (a): Min. Luiz Fux,
Primeira Turma, julgado em 23/08/2016).

5.

A habitualidade delitiva revela reprovabilidade suficiente a afastar a aplicação do princípio da


insignificância (ressalva de entendimento da Relatora) (HC 133956 AgR, Relator (a): Min.
Rosa Weber, Primeira Turma, julgado em 21/06/2016).

6.
Excepcionalmente, adotou-se o princípio da insignificância ao delito de porte de munição de
uso restrito, tipificado no art. 16 da Lei n. 10.826/2003 (HC 133984, Relator (a): Min. Cármen
Lúcia, Segunda Turma, julgado em 17/05/2016).

7.

Não se pode aplicar o princípio da insignificância a crime com violência contra a mulher (RHC
133043, Relator (a): Min. Cármen Lúcia, Segunda Turma, julgado em 10/05/2016).

8.

ESTELIONATO – SEGURO-DESEMPREGO – INSIGNIFICÂNCIA. Descabe, em se tratando


de bem protegido a partir do interesse público, como é o seguro-desemprego, cogitar da
insignificância da prática delituosa presente o valor envolvido (HC 108352, Relator (a): Min.
Marco Aurélio, Primeira Turma, julgado em 10/11/2015).

9.

O princípio da insignificância é inaplicável para o crime militar de posse de substância


entorpecente (ARE 918616 AgR, Relator (a): Min. Gilmar Mendes, Segunda Turma, julgado
em 03/11/2015).

10.

O caso envolve a prática do crime de contrabando de veículo usado, comportamento dotado


de intenso grau de reprovabilidade, dados os bens jurídicos envolvidos, o que impede a
aplicação do princípio da insignificância (HC 114315, Relator (a): Min. Teori Zavascki,
Segunda Turma, julgado em 15/09/2015).

11.

Furto (artigo 155, § 4º, inciso IV, do CP). Bens de pequeno valor (sucata de peças
automotivas, avaliadas em R$ 4,00). Condenação à pena de 2 anos e 4 meses de reclusão.
3. Registro de antecedentes criminais (homicídio). Ausência de vínculo entre as infrações.
Não caracterização da reincidência específica. 4. Aplicação do princípio da bagatela.
Possibilidade (HC 126866, Relator (a): Min. Gilmar Mendes, Segunda Turma, julgado em
02/06/2015).
Obs.: esta decisão demonstra que, não havendo vínculo entre o fato ao qual se pretende
aplicar o princípio da insignificância e o fato delituoso anterior, é possível o reconhecimento
da atipicidade.

12.

A informação incontroversa de que os pacientes são infratores contumazes e com


personalidade voltada à prática delitiva obsta a aplicação do princípio da insignificância, na
linha da pacífica jurisprudência contemporânea da Corte (HC 127795 AgR, Relator (a): Min.
Dias Toffoli, Segunda Turma, julgado em 26/05/2015)

13.

No crime de descaminho, o Supremo Tribunal Federal tem considerado, para a avaliação da


insignificância, o patamar de R$ 20.000,00 previsto no art. 20 da Lei nº 10.522/2002,
atualizado pelas Portarias nº 75 e nº 130/2012 do Ministério da Fazenda (HC 126191, Relator
(a): Min. Dias Toffoli, Primeira Turma, julgado em 03/03/2015).

14.

Não tem pertinência o princípio da insignificância em crime de furto qualificado cometido


mediante rompimento de obstáculo (HC 121760, Relator (a): Min. Rosa Weber, Primeira
Turma, julgado em 14/10/2014).

15.

A subtração de munições de uso restrito, de propriedade das Forças Armadas, não permite a
aplicação do princípio da insignificância penal (HC 108168, Relator (a): Min. Roberto Barroso,
Primeira Turma, julgado em 19/08/2014).

16.

“Serviço de Rádio Cidadão”. Exploração clandestina de atividade de telecomunicações. 3.


Aplicação do princípio da insignificância. Impossibilidade. Periculosidade social da ação (HC
122535, Relator (a): Min. Gilmar Mendes, Segunda Turma, julgado em 12/08/2014).