Vous êtes sur la page 1sur 89

DADOS

DE COPYRIGHT

Sobre a obra:

A presente obra é disponibilizada pela equipe Le Livros e seus diversos parceiros, com o objetivo de
oferecer conteúdo para uso parcial em pesquisas e estudos acadêmicos, bem como o simples teste da
qualidade da obra, com o fim exclusivo de compra futura.

É expressamente proibida e totalmente repudíavel a venda, aluguel, ou quaisquer uso comercial do


presente conteúdo

Sobre nós:

O Le Livros e seus parceiros disponibilizam conteúdo de dominio publico e propriedade intelectual de


forma totalmente gratuita, por acreditar que o conhecimento e a educação devem ser acessíveis e livres a
toda e qualquer pessoa. Você pode encontrar mais obras em nosso site: lelivros.love ou em qualquer um
dos sites parceiros apresentados neste link.

"Quando o mundo estiver unido na busca do conhecimento, e não mais lutando por dinheiro e
poder, então nossa sociedade poderá enfim evoluir a um novo nível."
A TEORIA DUOHEXADIMENSIONAL
DO DIREITO
José Antônio da Silva
(Tônio Verve)

Amazon
(Create Space)
Título original em português: A Teoria Duohexadimensional do Direito
Copyright © 2016 by José Antônio da Silva (Tônio Verve)
Publicado pela Editora Amazon.
Este livro contempla as regras do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Editor: José Antônio da Silva (Tônio Verve)


Produção editorial: José Antônio da Silva (Tônio Verve)

Revisão de prova: José Antônio da Silva (Tônio Verve)


Diagramação: José Antônio da Silva (Tônio Verve).
Ilustração e Capa: José Antônio da Silva (Tônio Verve)

DADOS DE CATALOGAÇÃO NA PUBLICAÇÃO

Silva, José Antônio (Tônio Verve).


A Teoria Duohexadimensional do Direito / José Antônio da Silva (Tônio Verve);
Capa: José Antônio da Silva
Rio de Janeiro, RJ – Create Space, 2016.
Título original: A Teoria Duohexadimensional do Direito
ISBN – 13: 978-1533689917
TÍTLE ID: 6332840
1.Direito - Teoria Jurídica. 2. Ciência Jurídica – Seis dimensões.
3. Conexões: linguagem. Seguimentos conhecimento humano,

Índices para catálogo sistemático:


1.Direito: Dimensões: Cultura: Conhecimento humano: Anexos.
Nenhuma parte deste livro poderá ser reproduzida, por qualquer processo, sem a permissão expressa do autor.
É proibida a reprodução por xerox.
A Editora Amazon é filiada nos Estados Unidos da América.
Edição brasileira- 2016.
Direitos em língua portuguesa adquiridos por
José Antônio da Silva (Tônio Vever)
Impresso no Brasil.
SOBRE O AUTOR
José Antônio da Silva (Tônio Verve): nasceu em 01 de Janeiro de 1959, na cidade do Rio de
Janeiro – RJ, Brasil. Professor de Direito Tributário, Empresarial e Civil da Universidade Estácio de Sá.
Técnico de Contabilidade; Bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade Federal Rural do Rio
de Janeiro, Bacharel em Direito pela Faculdade Brasileira de Ciências Jurídicas, Bacharel em Educação
Física pela Universidade Estácio de Sá, Pós-graduação lato senso em Docência do Ensino Superior pela
Universidade Castelo Branco. Cursou Direito Público e Privado pela Escola da Magistratura do Estado
do Rio de Janeiro, Fundação Escola Superior da Defensoria do Estado do Rio de Janeiro e Programme in
Sport Management and Law (Gestão, Marketing e Direito do Esporte), pelo CIES – Centre International
d’Étude du Sport, FGV - Fundação Getúlio Vargas e FIFA. - Fédération Internationale de Football
Association. Poeta, Compositor, Músico Violonista Profissional. Professor de Teoria Musical e Violão
Popular. Escritor Brasileiro.

DEDICATÓRIAS
“– Dedico essa obra científica, ideias e ideais, ao meu Pai: José Pedro da Silva. Homem que
me apontou o caminho do bem. Ensinou-me que o amor é a mais poderosa energia que existe no
universo, e me iluminou ao afirmar que a minha maior missão aqui na Terra seria propagar a minha
Arte e conhecimento aos meus semelhantes. O seu amor está presente em todas as partículas do
meu corpo e em cada expressão da minha alma”.

“- Para os meus alunos e pra ti sociedade brasileira, as minhas primeiras ideias e proposições
para o amanhã”.
SUMÁRIO
1. PREFÁCIO I ...........................................................9
1.1 PREFÁCIO II ......................................................14
2 A DICOTOMIA EXISTENCIAL DAS ORDENS NATURAL E
CULTURAL ........................................16
2.1 AS ORDENS NATURAL, CULTURAL E SEUS ELEMENTO
..............................................................16
2.1.2 Os Planos da existência, das concepções e da eficácia ...............................................................16
2.1.3 O Homem Primitivo como Fruto da Ordem Natural
.....................................................................17
2.1.4 O homem natural e o homem cultural .........19
2.1.5 As coisas materiais e imateriais como objetos mediatos ................................................... 20
2.1.6 As ações, condutas e atividades humanas como objetos imediato ......................................... 21
2.1.7 As concepções criadas pelo Homem ......... 24
2.1.8 O homem, a sociedade e a cultura ............. 26
2.1.9 As culturas, popular, religiosa, intelectual e
desportiva .............................................................. 27
2.2 AS RELAÇÕES JURÍDICAS-SUJEITOS DE DIREITO, O DIREITO OBJETIVO E
OBJETOS DE INCIDÊNCIA DA NORMA JURÍDICA .................... 34
2.2.1 A sociedade, o Estado e o Direito .............. 34

2.2.2 O Homem Sujeito Titular de Direito, as Relações Jurídicas e seus


elementos ................. 37
2.2.3 As atividades humanas - objetos imediatos das relações
jurídicas ........................................... 42
2.2.4 As coisas e os bens - objetos mediatos das relações
jurídicas .................................................. 51
2.2.5 A atividade desportiva - objeto imediato de relações
jurídicas .................................................. 53
3 A TEORIA DUOHEXADIMENSIONAL DO DIREITO

.................................................................................. 70

3.1 PRELIMINARES ............................................... 70

3.1.1 Introdução ..................................................... 70

3.1.2 Objetivos ....................................................... 73

3.1.3 Fundamentação teórica ............................... 76

3.1.4 Metodologia .................................................. 79

3.2 A TEORIA DUOHEXADIMENSIONAL DO

DIREITO ................................................................. 80

3.2.1 Primeira Dimensão - As ordens natural e

cultural ................................................................... 80
3.2.2 Segunda Dimensão - As concepções materializáveis as meramente abstratas ............ 84
3.2.3 Terceira Dimensão - Atos de cooperação e de concorrência-objetos imediatos das relações
jurídicas .................................................................. 88
3.2.4 Quarta Dimensão - O espaço e o tempo
jurídicos ................................................................ 110
3.2.5 Quinta Dimensão - As dialéticas anímica, substancial e
processual .................................... 126
3.2.6 Sexta Dimensão - Os poderes individual e social. Seus respectivos
deveres ...................... 131
3.3 CONCLUSÕES ............................................... 154
4 ANEXOS ............................................................ 159
4.1 ANEXO I - PROPOSTA DE UMA NOVA ORDEM JURÍDICA DESPORTIVA
BRASILEIRA .............. 159
4.1.1 Proposta de reforma da nossa Constituição
Desportiva ............................................................ 159
4.1.2 Propostas de alterações no Código Civil Brasileiro para a consolidação de um novo Sistema
Desportivo Nacional ............................. 174
4.1.3 Propostas de alterações da Lei das Sociedades Anônimas para a consolidação de um novo
Sistema Desportivo Nacional ................... 182
4.1.4 Propostas de alterações do Estatuto da Microempresa e da Empresa de pequeno porte para a
consolidação de um novo Sistema Desportivo Nacional ............................................ 194
4.1.5 Propostas de alterações da Lei Pelé – um novo Sistema Desportivo
Nacional ................... 198
4.2 ANEXO II ......................................................... 253
4.2.1 Proposta de Emenda à Constituição nº de 2015 enviada ao congresso nacional ................ 253
4.2.2 Dispositivos da Constituição alterados ... 257
4.2.3 Justificativa ................................................. 259
4.3 ANEXO III - POESIAS MUSICALIZADAS ...... 274
4.3.1 Pra que Deus Aqui Possa Cantar .............. 274
4.3.2 Conversas de Vidas .................................... 276
4.3.3 Mistério da Vida ........................................... 277
4.3.4 Ridícula Partícula ....................................... 278
4.3.5 Arte Nordestina ........................................... 279
4.3.6 A Vida .......................................................... 280
4.3.7 De mãos Dadas ........................................... 281
5 BIBLIOGRAFIA .................................................. 282
1.PREFÁCIO I

Não há palavras para descrever o quão me senti honrado e importante ao ser convidado a prefaciar
a obra do amigo e Professor José Antônio da Silva. Ser humano leve, irmão de alma. Talvez pela nossa
similitude poética de ver o mundo o tenha cativado a este convite. Tenho com ele muito mais a aprender
e, certamente, a minha maior dificuldade em nominar o brilhantismo e o ineditismo da abordagem de um
tema complexo, dada a interdisciplinaridade do Direito, com a filosofia, antropologia, sociologia
jurídica, ciência política e econômica.
O Professor Antônio foi quem me oportunizou o ingresso na docência universitária e agradeço a ele
este passo importante que dei na vida, pelo qual serei eternamente grato. Nasceu daí a grande relação de
discípulo que sou dele, razão pela qual será meu eterno Professor, hoje, também amigo, e por amor a
coerência, que minhas impressões trazidas no prefácio possuem um grau de limitação que está muito
longe de superar o Mestre.
À influência antropológica à teoria acaba por remeter o Homem não somente pessoa, ao lembrar
que cada sociedade possui uma herança de ordem natural e cultural, sublimada nos seus desejos, tão
mencionados por Plantão (Eros), Aristóteles (philia) e Jesus (ágape), mas inicia uma jornada inédita à
Ciência do Direito, que tem como tradição a demonstração de uma construção primordialmente de
relações de poder, desconsiderando as origens humanas, resultando, obviamente nas insolúveis anomias
do sistema jurídico, tão criticadas por Kelsen e Bobbio, e que vivemos atualmente.
Não é por outro motivo que as soluções aos conflitos sistêmicos do Direito Objetivo apresentam-se
no retorno dos valores do homem como ser humano e não somente como expressão de uma relação de
poder e dominação, reavivando a proteção destes direitos pelos tratados de direitos humanos, em
especial o Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, como valores inerentes à
natureza humana, documento de ordem universal, vinculativo aos Estados-partes, o que somente reafirma
a necessidade das novas perspectivas hermenêuticas sobre os vínculos que tornam coesas, e acima de
tudo, legitimadas a gerir os conflitos do homem e da sociedade em uma relação sinalagmática e
simbiótica entre o Homem e a Ciência Jurídica, que não deixou de ser considerada, como cita o autor,
pelo parágrafo primeiro do artigo 1◦ da Lei 9.615/98.
Nas palavras do Professor Antônio a “cultura é construção da humanidade” e na senda de seus
ensinamentos a ela deve servir como “fonte material do homem cultural”, e é em razão dela que o Direito
deve ser construído sob o manto protetor da “Reserva de Domínio Social ou Estatal”, sob pena de
vivenciarmos o colapso de legitimação do poder que hoje somos testemunhas, efeito colateral do
utilitarismo custo/benefício oriundo do Capitalismo, ao que parece única fonte de domínio econômico
norteadora dos valores normativos declarados pelo Estado, inclusive as destinadas para incidir sobre as
atividades desportivas, deixando ao largo seu escopo de ser bem cultural material da pessoa humana.
A construção da Teoria Duohexadimensional do Direito, de alcance pleno em todas as searas da
Ciência Jurídica atribui ao Direito Desportivo caráter de valor transindividual de categoria social
humanística e indissociável à unidade de sentido e valor, expressão da dignidade da pessoa humana,
fazendo integrar sua teoria na teoria dos cinco componentes de Podlech mencionados por Canotilho
criando, com isso, um mecanismo teórico sólido contra a coisificação do Homem, navegando nas mesmas
águas epistemológicas que Peter Härbele em sua Fórmula-objeto de Düring.
Fui verdadeiramente premiado ao me deliciar na leitura da obra do Professor e perceber que seu
texto, como disse Schopenhauer é a mais “pura intuição sensível do espaço e do tempo”, mas com o
toque de Midas de pé no chão do autor, pois, A Teoria Duohexadimensional do Direito passa a ser um
referencial teórico para transformar a Ciência Jurídica na sua mais genuína expressão da regulação
humana com base em um espírito humanístico, categórico da verdade como processo fenomenológico e
emancipatório da vontade humana sem desconsiderar nenhum caráter anímico do ser, e ao mesmo tempo
servirá de anteparo aos abusos do poder seja ele econômico, religioso ou moral, que sempre construíram
um categórico de verdade na qual não suporta o passar de um tempo globalizado ou de um conceito de
tempo e espaço tridimensional sem o reconhecimento de sua inadequação social com o tempo.
Espero que o leitor perceba que apesar da complexidade dos argumentos há nas entranhas dessa
obra um movimento visceral humanístico sensível à nossa realidade, fruto da necessidade de novos
tempos e novos pensamentos, que somente poderiam fluir da alma de um poeta, compositor, músico e
jurista, meu amigo, Professor e Mestre José Antônio da Silva (Tônio Verve). Meu apreço a obra e na
esperança que nossos legisladores vejam nessas ideias uma luz no fim do túnel para uma nova era para a
Ciência Jurídica.
RUCHESTER MARREIROS BARBOSA

1.1PREFÁCIO II
Muito me congratula o convite feito pelo Professor José Antônio da Silva, para prefaciar a sua mais nova
empreitada jurídica: o livro A TEORIA DUOHEXADIMENSIONAL DO DIREITO.
José é um estudioso de rara estirpe. Seus textos, sempre precisos e embebidos da orientação jurídica
mais clássica, conduzem com segurança o leitor pelos corredores do conhecimento, especialmente em
momentos atribulados como este. Afinal, atravessamos diversas mudanças nos mais variados aspectos da
vida: sociais, políticos, culturais, entre muitos outros que tornam necessárias certas reflexões para que
ajustes sejam realizados.
A metodologia apresentada é segura e eficiente. Capítulos foram muito bem organizados e o texto
igualmente redigido, em linguagem clara sem descurar do tecnicismo em nenhum momento. É realmente
impressionante o conteúdo, mormente se for considerada a elevada produtividade de José, seja em
artigos e textos jurídicos nos mais variados meios (do físico ao eletrônico), além da presença em aulas,
palestra e outros eventos.
Se antes já admirava o seu trabalho, fico ainda mais impressionado após me debruçar sobre estas novas
linhas, que comprovam todo este esmero, cuidado e amor no exercício da docência e na divulgação do
conhecimento.
É, realmente, um novo tempo para um novo ser humano! E, com ele precisamos de pessoas corajosas e
conhecedoras da boa técnica que possam ajudar os demais que tanto se debruçam sobre questões do dia-
a-dia. E José é, justamente, uma destas pessoas para nos conduzir.
Parabenizo-o por mais esta empreitada jurídica. Que José continue com suas paixões pelo Direito, pela
cátedra, e, principalmente, que continue a trilhar esse caminho maravilhoso de lutas e conquistas. Todos
nós agradecemos. Sucesso do amigo dos tempos da Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro,
quando foi reforçado nosso vínculo, respeito e comprometimento com o Direito.

RODOLFO KRONEMBERG HARTMANN.


Juiz Federal. Professor da EMERJ.
Mestre em Direito. Escritor Brasileiro.

2 A DICOTOMIA EXISTENCIAL DAS ORDENS


NATURAL E CULTURAL

2.1 AS ORDENS NATURAL, CULTURAL E SEUS ELEMENTOS

2.1.2 Os Planos da existência, das concepções e


da eficácia
Para o desenvolvimento da teoria que se propõe, fundamental a análise de no mínimo três
dimensões, que aliadas poderão revelar conteúdos e formas coerentes com a proposição formulada, a
saber: da existência, das concepções (das ideias) e da eficácia (dos efeitos), sem olvidar de uma
premissa básica, também essencial que a ordem natural nos denuncia, qual seja: de que tudo e todos são
frutos da causalidade, generalizada ou objetivada pelo Homem, que revela o liame existente entre os
pressupostos, os elementos, e os efeitos de um evento, todos envolvidos ou não por concepções
meramente abstratas ou materializáveis pelo Homem criadas.
Esses três planos revelam a construção celular ideal para demonstrar os elementos, fático,
concepcional e consequencial, que traduzem respectivamente as ordens natural, cultural e os efeitos por
eles produzidos nos meios natural e social, o que nos autoriza defender que há o ser humano natural e o
cultural, o primeiro balizado com qualquer outro animal que habita o nosso planeta, o segundo revestido
por seus conceitos, ideias e proposições. Ademais, temos os elementos que compõem a ordem natural
que rotulamos como coisas, que se adornados de valor econômico são definidos como bens, e o trabalho
orgânico-fisiológico humano revestido de técnicas produtivas, que se inserido num processo produtivo
passa a ter valor econômico e fundamenta o conceito de objeto imediato de uma relação jurídica
trabalhista, entre outros exemplos.

2.1.3 O Homem Primitivo como Fruto da Ordem


Natural
É inquestionável que o indivíduo humano é fruto da ordem natural que o sustenta, e que a ela está
vinculado, com todos os seres que com ela se movem, o que revela a impossibilidade de dissociação
entre os mesmos, por representar essa ligação a expressão da vida, que se apresenta como energia
adornada por uma estrutura bioquímica organicamente sistematizada dotada de autonomia dissociada e
integrada a essa pedra úmida e fértil, que denominamos Planeta Terra, presente que ganhamos sem fazer
ofício, o lar da humanidade. Podemos afirmar assim que não escolhemos para participar desse ambiente
natural que estamos colados num grau de dependência vital, pois ele é ambiente indissociável da raça
humana.
Dessa forma, em face das autonomias, biológica e psíquica humanas, temos num primeiro plano a
óbvia dualidade entre a ordem natural previamente estabelecida e o Homem primitivo ou racional, esse
último indubitavelmente um ser social, tendo em vista que, para manter-se na derme planetária, se
organiza em grupo, não só para procriar, mas também para produzir, consumir e se manter vivo, bem
como criar concepções materializáveis ou meramente abstratas, para potencializar a satisfação de suas
necessidades, utilidades e volúpias que emergem do meio social por ele formado e planificado no seu
imaginário individualista.
2.1.4 O homem natural e o homem cultural
Constrói-se assim a ideia de que o Homem é um elemento da ordem natural, que o criou e o
alimentou numa primeira fase de seu desenvolvimento civilizatório, que podemos classificar de era
primitiva, haja vista, o mesmo ter através dos tempos desenvolvido a sua inteligência e construído um
ambiente concepcional, que podemos chamar de cultural.
Essa argumentação nos leva a reconhecer que houve e há uma ordem natural que precedeu ao
Homem, e uma concepcional por ele criada. Essa última tem como agente idealizador e propulsor o
Homem cultural, que assumiu também o papel de transformador das duas ordens, e destinatário de todos
os efeitos, positivos e negativos, gerados por essa construção humanitária.
Portanto, as duas ordens em tela coexistem, e tem como protagonista o Homem Cultural, elemento
subjetivo que se apresenta como o início, meio e fim da ordem cultural, que a Ciência Jurídica
caracteriza como sujeito de direito dotado de personalidade, se nasce com vida (Código Civil, art. 1º).

2.1.5 As coisas materiais e imateriais como


objetos mediatos
Não podemos parar por aqui. Além do Homem natural e Cultural sujeito de direito, vimos afirmar
que há outros elementos daquelas duas ordens que o circunda, e que os sensos comum, religioso e
intelectual (científico, literário, artístico) e desportivo caracterizam como coisas ou bens, que se
apresentam na vida relacional como materiais e imateriais.
As primeiras resultantes da ordem natural, as últimas sempre produto da criação cultural do
Homem, que assumem o conceito de objetos mediatos das relações humanas negociais se dotadas de
valor econômico, que lhe atribui o status de bens no ambiente jurídico científico, que são ofertados e
negociados nos ambientes mercadológicos, outra instituição criada pelo Homem cultural, que, apesar de
ser uma de suas concepções abstratas, revela-se capaz de viabilizar a produção e a circulação da riqueza
por ele criada. Portanto, a mais concreta das concepções criadas pelo Homem Cultural. Sem abdicar de
bens de caráter extrapatrimonial que compõem o patrimônio jurídico de um sujeito de direito, como a sua
moral subjetiva, objetiva, integridade física, entre outros objetos mediatos dessa natureza.

2.1.6 As ações, condutas e atividades humanas


como objetos imediatos
Não podemos abdicar da análise das ações, condutas e atividades humanas, tendo em vista que
são fundamentais para a sustentação da tese que queremos afirmar, por representarem fatores de interação
do meio natural e da vida de relação, elementos impulsionadores do desenvolvimento civilizatório da
humanidade, que denominaremos a partir dessa alusão, de elementos do objeto imediato das relações
humanas. O conceito de objeto imediato de Direito pode ser unitário ou plural. Unitário se ele é formado
apenas uma ação, conduta ou atividade, plural se constituído de várias.
Destarte, temos na ordem natural homens e mulheres, caracterizados pelo Estado como pessoas
naturais, sujeitos de direitos, titulares de poderes, direitos, faculdades, deveres e obrigações, nesse
oceano revolto formado pelas relações humanas naturais ou jurídicas, essas últimas disciplinadas pelo
Direito Objetivo Positivo ou Consuetudinário, que traduzem o conjunto de postulados, conceitos,
princípios e normas que tentam planificar a estrutura social de cada grupo social organizado no planeta.
Intuitivo afirmar que o ser humano se apropria das coisas materiais que a ordem natural os oferece para a
satisfação de suas necessidades na forma in natura, desde a sua aparição na superfície terrestre, fato
natural que, diante da escassez provocada pela gradativa exaustão desses recursos, se tornou nuclear para
obrigar o Homem a explorá-los, não só para a satisfação de suas necessidades vitais, mas principalmente
para inseri-los em processos produtivos por ele idealizados materializados e desenvolvidos, o que nos
revela que dentro do contexto do Homem Cultural, se apresenta o Homem Produtivo, que se tornou apto
para produzir bens e serviços, para a satisfação de suas múltiplas pretensões, o que fez emergir, com o
seu desenvolvimento civilizatório, para além de suas necessidades básicas, os planos das utilidades e
volúpias criadas em seu imaginário individual e coletivo. Essa vertiginosa e crescente aptidão produtiva,
aliada à procura incessante por meios mais aptos para potencializá-la através de invenções tecnológicas
mutantes, sempre esteve em confronto como a evolução exponencial de suas demandas por inovações,
criando o Homem Cultural, além dos valores econômicos e jurídicos, o valor modal, que influencia o
estado anímico dos sujeitos e o imaginário social, e impulsiona cada vez mais a circulação da riqueza no
planeta, o que tornou o mercado, a mais concreta das abstrações humanas, que para se revelar eficiente e
eficaz deve estar adornado e vinculado aos princípios da liberdade, probidade, lealdade, socialidade e
eticidade. Ideal que o tornaria um semideus garantidor do Princípio da dignidade humana, quer no plano
material, quer no espiritual, o que nos leva a concluir e declarar que, se dissociado dos mesmos,
apresentar-se-ia, como em tantos grupos sociais, como um monstro invisível cruel, destruidor de todas as
virtudes e valores positivos criados pela humanidade. Revela-se assim, que o Homem
produtivo diante da crescente, complexa e mutante estrutura social por ele criada fez eclodir, para a
planificação e harmonia da ordem social, a sua criatividade normativa e jurídica, o que o levou a
inventar, para além dos valores econômicos, os valores morais, éticos, jurídicos, bem como institutos e
instituições, todos conexos a métodos, normas técnicas e jurídicas, para garantir a cada indivíduo o que
legitimamente é seu. Evolução essa que revelou também o Homem Jurídico, construtor de ordens
jurídicas dirigidas para solucionar os conflitos humanos e harmonizar as relações sociais, mediante a
técnica denominada tipificação, que declara os pressupostos, institui os requisitos, declara os poderes e
normas sedimentados no meio social de um fato considerado juridicamente relevante, bem como seus
efeitos. Portanto, a incidência de uma norma jurídica declarada pelo Estado, ou simplesmente
sedimentada no meio social, depende, na visão clássica do filósofo Miguel Reale, de um elemento fático,
o valor a ele atribuído pela sociedade, e a norma posta pelo Estado, quer pela edição do Direito
Positivo, quer pela sedimentação no imaginário social de um Direito consuetudinário, que se apresentam
como elementos da Teoria Tridimensional do Direito por ele criada. Para esse ilustre Mestre o Direito é
fato, valor e norma.

2.1.7 As concepções criadas pelo homem.


É cediço que a humanidade foi além da condição natural que lhe foi inicialmente imposta, por ter
construído um ambiente autônomo fundado em sistemas de comunicação que denominamos linguagem,
que lhe deram a aptidão para construir conceitos ideias proposições e invenções que estruturaram a
atmosfera cultural humana dotada de uma diversidade inventiva fascinante repleta de concepções
materializáveis e meramente abstratas. Essas construções do pensamento humano têm como pressupostos
subjetivos as suas representações ou imagens do entorno natural ou cultural, que tem o poder de gerar a
vontade de inventar ou criar, que se projeta no mundo fenomênico como declarações dos sensos comum,
religioso, intelectual e desportivo, nas suas várias modalidades, que são materializadas em ações
condutas e atividades, por nós caracterizadas como objetos imediatos das relações humanas.
Todas essas atividades podem se tornar aptas para deflagrar processos de produção e
negociação, se os seus produtos, bens materiais ou imateriais, como afirmado (as obras de arte, bens e
serviços) são adornados de valor, representados e aceitos como ativos atraentes para o consumo ou
acumulação de riqueza.
Portanto, o Homem cultural conquistou também o status de Homem Produtivo, idealizador de
inúmeros meios, métodos, processos e técnicas de produção, que são aperfeiçoados através dos tempos,
para atender as suas necessidades, utilidades e volúpias, todas reveladas por demandas em locais
especializados para a circulação da riqueza por ele gerada, que chamamos de mercado.
Temos, a partir dessa breve síntese das estruturas das ordens natural e cultural, a representação
de que essa, constituída por concepções idealizadas pelo Homem está contida naquela, o que nos autoriza
a assumir a filosofia do austríaco Karl Popper, quando afirma que realidade natural existe
independentemente da realidade cultural humana, pois são autônomas. Significa dizer que a ordem natural
é radicalmente diferente da ordem cultural, pois ambas apresentam experiências inconfundíveis, apesar
dessa promover transformações impactantes na primeira, conforme defende esse brilhante filósofo.
(História da Filosofia. p. 222. Bryan Magee. Edições Loyola).

2.1.8 O homem, a sociedade e a cultura


Estabelecida a imagem dual composta pelas ordens natural e cultural é histórico que o “Homem
Naturalis” adornado e impregnado de concepções pelo “Homem Culturalis”, por suas características
naturais aliadas ao sentimento de pertencimento desenvolvido na sua evolução civilizatória, se organizou
em grupo, para garantir e fomentar: a) a sua existência (fome); b) a sua presença no planeta (sexo); c) e,
diante da escassez de coisas necessárias à sua alimentação e equilíbrio orgânico, a produção, tendo em
vista que também se apresentou nas ordens estabelecidas como “Homem Produtivo”.
Revela-se assim, que o conceito de sociedade está ligado à construção de uma ordem cultural
criada e desenvolvida por grupos humanos, que adotam hábitos, costumes, normas morais, religiosas,
éticas, técnicas e jurídicas, bem como sanções para aqueles que agridem a ordem natural e concepcional
estabelecidas, para planificar e dar equilíbrio à vida grupal.

2.1.9 As culturas, popular, religiosa, intelectual e desportiva


Estabelecida a base dualista com a Ordem Natural e a Ordem Cultural, fundamental pontuar que a
última é construção humana, e se apresenta na visão desse autor em quatro planos: a cultura popular, a
cultura religiosa, a cultura intelectual (científica, literária e artística) e a desportiva, todas dotadas de
concepções criadas a partir da capacidade humana de representar imagens do entorno natural
(representação), processá-las em seu sistema neural, e gerar vontades formadas na sua psique, que
adornadas por uma decisão individual, se projetam no mundo circundante com declarações de vontade,
que se materializam em ações, condutas ou atividades por ele desenvolvidas, para satisfação de suas
pretensões pessoais ou do grupo social que ele está inserido.
Dessa forma, o Homem se projeta na natureza não só como seu elemento natural, mas também
como um elemento transformador a partir do fato inicial que deflagrou o processo de desenvolvimento da
linguagem, que se apresenta em todos os períodos de seu desenvolvimento civilizatório, como a técnica
mediadora e interativa de todas as relações humanas, nos planos de suas atuações, individual ou coletiva.
O Homem, portanto, constitui-se como um indivíduo em busca permanente pelo conhecimento nas
suas várias acepções, para estudar a sua própria figura biológica, a sua participação no meio sócio
cultural, a sua origem e destino, as influências de um ser supremo sobre a sua existência e sobrevivência,
entre outras abordagens possíveis sobre si mesmo e a natureza que lhe dá suporte vivencial. Essa
perseguição cognitiva pode ter por fundamento o senso comum, o religioso, o intelectual científico,
artístico, literário e filosófico (esse considerado por alguns pensadores como literário), ou o desportivo.
Deflui dos argumentos acima os conceitos de Conhecimento Popular, Conhecimento Religioso,
Conhecimento Intelectual e Conhecimento Desportivo, todos em permanente mutação e evolução através
dos tempos, processo que tem o seu fundamental fator realizado a partir da aptidão do Homem de
construir ideias, ideais, conceitos, teorias e proposições como suportes de sua aptidão de produzir
cultura, atributo que o diferencia de todos os outros seres que se movem na nossa microscópica ordem
natural planetária.
O conhecimento popular funda-se na opinião despida de metodologia e lógica voltadas para a
sistematização de pressupostos e elementos, para a explicação dos fenômenos do meio ambiente natural e
do meio cultural. Aleatórias, portanto, essas invenções construídas no meio sócio cultural, tendo em vista
o empirismo puro das ideias e proposições formuladas e aceitas por um determinado grupo social. Surge
assim a figura do Homem leigo, diante do confronto com os conceitos de conhecimentos religioso,
intelectual e desportivo profissional, esses últimos impregnados de conceitos dogmáticos ou científicos,
institutos, normas morais, técnicas ou jurídicas, para a formulação de metodologias processos e meios de
dominação ou produção, com a finalidade de planificar e harmonizar a vida em sociedade.
Frise-se que as várias formas de conhecimento podem coexistir num único espírito humano, pois
um cientista jurídico poderá ter fé nos postulados e dogmas de uma religião, criar ideias, teorias e
proposições filosóficas, agir na sua vida ordinária em muitas experiências com fundamento em conceitos
e rótulos agregados ao senso comum, ser um escritor e ter uma produção literária, ter uma produção
autoral poética e compor melodias sobre as mesmas, e praticar qualquer desporto, em suas várias
modalidades, quer num ambiente educacional, lúdico, competitivo, profissionalmente ou não.
Parece que não podemos negar o atributo da transversalidade de todos os seguimentos do
conhecimento no espírito humano.
Podemos afirmar numa síntese apertada que o conhecimento popular ou senso comum é
genuinamente empírico e fundado na imitação e na experiência pessoal sem vinculação a qualquer
conceito de educação formal, e repercute de geração para geração espontaneamente.
Noutro giro, temos o conhecimento intelectual, que abarca o científico, o artístico, o literário e o
filosófico. Todos percebidos e sedimentados no imaginário individual ou coletivo por um processo
racional anímico e ou substancial. O científico visa explicar o porquê e como os fenômenos naturais e
humanos ocorrem. O artístico visa formular uma obra de arte fundada numa representação subjetiva de
uma realidade humana natural ou cultural, a partir de uma perspectiva personalíssima do autor artista, que
abarca também a vocação literária, quando o conteúdo exposto reúne um processo interno espiritual do
artista. O conhecimento popular, segundo Babini: "É o saber que preenche a nossa vida diária e que se
possui sem o haver procurado ou estudado, sem a aplicação de um método e sem se haver refletido sobre
algo". (Babini, 1957, p.21). Portanto, o saber intelectual nas suas várias acepções demanda conceitos,
princípios, normas, métodos, processos e procedimentos para explicar os fenômenos naturais e sociais.
Não podemos olvidar que ambos buscam a racionalidade e objetividade. Entretanto, o que os diferencia
são os meios métodos e processos para a observação das fenomenologias natural e cultural, o que nos
autoriza afirmar que a ciência, a filosofia, a religião e a arte não são os únicos meios de acesso ao
conhecimento.
Podemos afirmar as características principais das várias modalidades do conhecimento cultural:
a)O Popular apresenta-se superficial, pois, a aparência lhe é suficiente para tentar explicar um fenômeno
vivenciado, que é percebido a partir de emoções e estados de ânimo do indivíduo. Não há sistematização
na sua formulação e aquisição, e não se manifestam de uma forma crítica.

b)O conhecimento filosófico apresenta-se carregado de racionalidade, pois reúne enunciados vinculados
com lógica, apesar de não poder ser confirmado ou refutado por testes de observação ou experimentação.
De intenso conteúdo valorativo e hipotético fundado na experiência, que tem por escopo uma
representação coerente do fenômeno estudado, o que revela sistematização das ideias e proposições
defendidas. De caráter generalista busca concepções unificadoras que sintonizem o espírito humano às
leis universais numa busca incessante de harmonização entre a ciência e o espírito humano.

c)O Religioso é sistemático que tenta explicar a origem, o significado, a finalidade e destino da vida e do
mundo, que são invenções de um criador supremo e divino. Apresenta seu ideal numa ação, conduta ou
atividade fundada na fé diante de uma experiência vivida. Os conceitos, ideias e proposições são
infalíveis e indiscutíveis, pois fundada em dogmas e normas morais rígidas, haja vista, retratarem
revelações de uma divindade que tem a sua existência para além da percepção humana.

d)O científico apresenta-se na ordem cultural como factual, visto que explica fatos naturais e culturais,
mediante experimentação baseada na razão, como ocorre na construção do conhecimento filosófico,
assim é também contingente, e sistemático tendo em vista que é fundado em teorias, que retratam um
conjunto de ideias conexas e harmoniosas, o que o torna verificável, superável e falível, apesar de ser
taxado de ter o atributo de exatidão aproximada.

2.2 As relações jurídicas - sujeitos de direito, o direito objetivo e objetos de incidência da norma
jurídica

2.2.1 A sociedade, o Estado e o Direito


O Homes Societatis, produto do Homem Cultural, diante da complexidade organizacional dos
sistemas e regimes por ele criados idealizou inúmeras instituições, cujas funções foram definidas a partir
da presença de necessidades, interesses e conflitos individuais e coletivos, que deveriam ser satisfeitos e
resolvidos, através dos tempos.
Entre muitas instituições sociais o Homem criou o Estado, concepção meramente abstrata
representativa das experiências culturais de cada grupo social organizado no planeta, em seus vários
seguimentos de atividade, como o econômico, social, político, científico, entre outros. Portanto, a
organização do Homem em sociedade exigiu a construção dessa concepção para nas várias fases de seu
processo de evolução civilizatória exercer atividades de interesse difuso, coletivo, individuais
homogêneos e individuais caracterizadas como um poder supremo terrestre, de império sobre os seus
administrados, cuja razão de ser está numa autoridade máxima, conforme artigo 174 da Constituição da
nossa república, dotada dos poderes, normativo, fiscalizador, sancionador e planificador das relações
sociais e produtivas, a fim de buscar a harmonia na vida de relação.
Para a efetividade desses poderes, o ambiente sócio cultural criou, sedimentou normas fundadas
em conceitos princípios e valores para disciplinar as relações sociais, daí a consciência primitiva
humana ter dado um salto para a consciência jurídica, o que provocou numa primeira fase, a criação de
um Direito Objetivo denominado consuetudinário, fundado nos costumes sedimentados em cada grupo
social, até chegar a construção de um Direito Positivo, fundado em processo legislativo estatal, editor de
leis, constituições e Códigos sistematizados, todos com força coercitiva para submeter todos os
indivíduos alcançados pela ordem jurídica declarada, impondo-lhes obediência às prescrições
normativas postas, cujo descumprimento os submetem às sanções por ela cominadas.
Surge desse processo social a Ciência Jurídica, como meio de repressão planificador das
relações sociais, cujo objeto imediato de incidência é a ação conduta ou atividade humana, que devem
estar em sintonia com as normas produzidas pela sociedade, para assumirem o atributo de conduta lícita.
Por outro giro, como afirmado, temos os objetos mediatos, que são as coisas materiais ou imateriais
dotadas de valor econômico, que a ciência jurídica denomina de bens, e que são levadas ao mercado
como objetos de negócios jurídicos translativos dos direitos de propriedade, posse ou domínio útil.
Ademais, o Direito Consuetudinário ou Positivo também reconhece declara e tutela outros bens de cunho
não econômico-financeiro, que são também reconhecidos por esse autor como objetos mediatos de
Direito, conhecidos na linguagem jurídica atual como bens extrapatrimoniais, expressão não aceita pelo
mesmo, tendo em vista que o conceito de patrimônio jurídico abarca o conceito econômico dessa
universalidade e de todos os poderes jurídicos titulados pelo sujeito de direito na vida em sociedade,
como veremos adiante.
2.2.2 O Homem Sujeito Titular de Direito, as
Relações Jurídicas e seus Elementos
A partir da classificação binária da vida de relação em Ordem Natural e Ordem Cultural, que
revelam respectivamente, como protagonistas dos respectivos processos causais, as figuras do Homem
Primitivo e do Homem Cultural, e da tetra-classificação da segunda, em Cultura Popular, Cultura
Religiosa, Cultura Intelectual e Desportiva, torna-se necessária a classificação da Ciência Jurídica como
espécie da penúltima, por ser ela produto do meio sócio-econômico-cultural criado pelo Homem.
Portanto, a Ciência Jurídica é um fenômeno histórico, que veio à tona a partir de concepções criadas nas
quatro searas culturais supracitadas. Assertiva que nos autoriza ratificar o jargão, adotado por todos os
cientistas sociais, que o Homem é o início, o meio e o fim de todas as suas criações, haja vista, ser ele o
criador do meio cultural que o circunda (Homem Sapiens), o agente que o impulsiona com sua energia
intelectual e laboral (Homem Faber), e o destinatário imediato de todos os efeitos por ela produzidos,
que emergem de sua capacidade intelectual que fundou e mantém um ambiente mutante, interdisciplinar,
multiprofissional e transversal de criatividades, composições e arranjos, que representam a riqueza
cultural humana, consolidada num mundo fenomênico repleto de bens e serviços que são ofertados no
mercado para a satisfação de suas pretensões necessárias, utilitárias e voluptuárias.
É uníssono o som em todas as ordens jurídicas contemporâneas, a figura do Homem como pessoa
natural, dotado de corpo e espírito, conceito que o especifica como sujeito de direito que, por prescrição
técnica inventiva e normativa, adquire personalidade, titula poderes e deveres jurídicos a partir do seu
nascimento com vida, sem desconsiderar outras interpretações que defendem que basta a sua concepção
para a produção de todos esses efeitos.
Destarte, o Homem Cultural como sujeito de direito é fato natural adornado de concepções
jurídicas, que o torna protagonista de todas as relações e vínculos de que participa na vida social,
mediante o exercício de ações, condutas e atividades individuais ou praticadas em grupo dirigidas por
sua vontade autônoma ou por vontades heterônomas legitimadas socialmente, para a satisfação de suas
pretensões pessoais ou produtivas, essas últimas materializadas pelo exercício de atividade econômica,
organizada ou não, para a produção ou circulação de bens e serviços, que são direcionados para um local
especializado denominado mercado, viabilizador da circulação da riqueza produzida pelo Homem Faber.
Portanto, são homens e mulheres que exercem as atividades que compõem os objetos imediatos de
incidência das normas jurídicas com ou sem a cooperação de terceiros, com fins individualistas ou
ideais. Os primeiros, com finalidade lucrativa realizados por empresários e sociedades, simples ou
empresárias, bem como por outros agentes econômicos, como os profissionais liberais. Os últimos
inseridos numa contextualização conjuntural grupal que rotulamos de várias formas: familiar, religiosa,
ideal, altruística ou estritamente social, que tem como protagonistas, respectivamente, a família, as
entidades religiosas, os partidos políticos, as associações e o Estado, nas suas várias acepções -
autarquias, fundações públicas, privadas e associações.
Na ordem jurídica posta brasileira essa ideia é declarada na Lei n◦10.406/02 – o Código Civil,
que afirma no seu artigo 104, os pressupostos e requisitos de validade das relações jurídicas formadas a
partir de negócios e atos jurídicos, para que eles possam produzir os efeitos esperados pelos sujeitos de
direito relacionados juridicamente, ou definidos pela sociedade e declarados pelo Estado legislador, in
verbis:

Art. 104. A validade do negócio jurídico requer:


I - Agente capaz;
II - Objeto lícito, possível, determinado ou determinável;
III - Forma prescrita ou não defesa em lei.

Frise-se que o agente declarado no inciso I, por força de técnica jurídica sedimentada na Ciência
Jurídica se apresenta nas relações jurídicas como pessoa natural, jurídica ou ente despersonalizado, esse
último nas figuras jurídicas do nascituro, massa falida, espólio, condomínio edilício, sociedade em
comum, entre outras. As duas primeiras dotadas de personalidade, a última dela despida. Todos são
caracterizados como sujeitos de Direito e considerados um centro de imputação jurídica para que possam
administrar e proteger os seus interesses, bens, universalidades de fato e de direito. Ademais, não
podemos olvidar que todos têm capacidade de direito, mesmo sem capacidade pessoal de fato, situação
que exige, para os sujeitos absoluta ou relativamente incapazes, representação ou assistência, para
aperfeiçoar negócios e atos jurídicos válidos na vida jurídica de relação.
Finalmente, os sujeitos de direito se organizam em grupo e se vinculam para satisfazer as suas
pretensões materiais e ideais, e para tal assumem deveres jurídicos que são traduzidos em ações
comissivas ou passivas, mediante objetivação de suas vontades que são emitidas e unidas para a
formação de vínculos intersubjetivos ou de sujeição passiva indeterminada, que se dotados de relevância
social assumem o status de relação jurídica, cujos elementos são: a) os sujeitos de direito relacionados;
b) as vontades autônomas e heterônomas que se unem; c) os objetos imediatos definidos pelos deveres
jurídicos assumidos; d) o bem jurídico patrimonial ou extrapatrimonial com seus respectivos valores
econômico ou social; e) os poderes por aqueles titulados (direitos subjetivos, potestativo e faculdades).

2.2.3 As atividades humanas - objetos imediatos das relações jurídicas


Identificados os sujeitos que compõem as relações jurídicas, torna-se necessária a análise do
inciso II do artigo 104 em tela, para a identificação da natureza jurídica do objeto nele declarado, que se
manifesta, diante de uma interpretação sistemática do Direito Objetivo Positivo posto, com múltiplas
versões.
A primeira acepção do objeto jurídico é a imediata, por ser ele alvo de incidência direta das
normas jurídicas criadas pela sociedade, declaradas ou não pelo Estado legislador. Ela é caracterizada
como objeto imediato das relações jurídicas, que é constituído por ações, condutas e atividades
exercidas pelos sujeitos e que representam deveres jurídicos assumidos pelos mesmos, ao se vincularem
juridicamente com outros, com uma classe de sujeitos ou a sociedade como um todo.
Portanto, me sinto autorizado para afirmar que o objeto imediato é para a Ciência Jurídica,
qualquer agir humano valorado pela sociedade como juridicamente relevante, que evidencia no contexto
social, um dever jurídico assumido por um sujeito de direito ao formar uma relação jurídica. Destarte, o
vocábulo objeto revela-se por um verbo, que significa uma ação, positiva ou negativa de um sujeito, que
deve ser lícita, possível, determinada ou determinável. Frise-se que a doutrina jurídica também o
denomina objeto da obrigação, objeto obrigacional ou objeto imediato obrigacional.
Imperativo ressaltar que aos agentes, a ordem jurídica impõe o elemento valorativo capacidade, e
em determinados casos a legitimidade, para que possam se vincular em relações jurídicas obrigacionais.
Aos objetos imediatos são atribuídos os valores da licitude, da possibilidade, da determinação atual ou
futura, para que as relações jurídicas sejam válidas e produzam os efeitos esperados pela sociedade e
pelos sujeitos. Desses argumentos podemos concluir que os objetos imediatos das relações jurídicas são
elementos objetivos que apresentam, além de outros, conteúdo patrimonial translativo do direito de
propriedade, de posse ou de domínio útil, e são considerados tecnicamente elementos dos vínculos
jurídicos intersubjetivos ou de sujeição passiva indeterminada, que vinculam os sujeitos à realização de
condutas ativas ou passivas, diante de poderes e direitos titulados pelo outro sujeito da relação.
Para criar uma imagem real dessa proposição basta analisarmos os pressupostos e elementos de
contrato de compra e venda na sua estrutura básica tipificada pelo Código Civil Brasileiro nos artigos
481 a 504, cujo bem negociado (objeto mediato) é um conjunto de uniformes para uma equipe de futebol
de campo.
Vejamos a causalidade para a formação e execução do contrato em tela:
Preliminarmente, vamos nos aliar aos fundamentos do conceito de causalidade perseguido de
forma intensa pelos filósofos David Hume e Emanuel Kant.
O primeiro com a argumentação de que a nossa ideia de causa é derivada da experiência sensível da
regularidade de eventos conjuntos, e o segundo que afirma que nós necessitamos do conceito de causa
para obter qualquer experiência objetiva. Decidimos por escolher a argumentação Kantiana, a partir da
identificação de uma causa tópica, que chamaremos de eficiente, para desenvolver o conteúdo de nossas
proposições, a partir de sua argumentação analítica da experiência humana que tenta elucidar os
pressupostos para o conhecimento, que é centrada na assertiva de que ele “é fundamentado em
experiências, que são engendradas por entidades externas que afetam os sentidos”. (Collinson, Diané,
Grandes filósofos da Grécia antiga ao século XX, pag. 156).
Defende Kant que: “toda nossa intuição não é nada senão a representação da aparência. As coisas
que intuímos não constituem em si mesmas, o que nós intuímos delas enquanto ser, nem são relações
constituídas em si mesmas como aparecem a nós. Como aparências elas não podem existir em si mesmas,
mas somente em nós. O que os objetos podem ser em si mesmos, e separados de toda a receptividade de
nossa sensibilidade, permanece completamente desconhecido para nós”. (Kant, Crítica da razão pura, A
42, B 59.)
A escolha dessa vertente filosófica nos direciona e autoriza afirmar que qualquer experiência
natural ou cultural humana se torna realizável no mundo fenomênico com a formação de uma primeira
imagem que se forma na psique do sujeito, a dita representação declarada por Kant e Hume. Essa é fator
essencial para a formação da vontade, que se projeta no mundo para além do interior do sistema
neuromuscular humano, com uma ou várias declarações e ações, que podem ser consideradas
preparatórias ou executórias para consumação ou formação de um fato normatizado ou não pelo Direito
Objetivo, portanto, jurídico ou não. Exterioriza-se assim, num primeiro momento, uma causalidade
psíquica que provoca uma causalidade material que se projeta no mundo social humano. Revela-se a
primeira dissociada do ambiente social externo, pois fenômeno bioquímico e psíquico de autonomia
individualizada; a segunda, efeito da primeira, se revela no ambiente exterior por declarações unilaterais,
bilaterais, plurilaterais, ações, condutas ou atividades exercidas pelo Homem cultural multifacetado em
sujeitos de direito – entes despersonalizados, pessoas naturais e pessoas jurídicas.
Por todo o exposto é intuitivo que todo agir humano pressupõe a formação de representações e
vontades, que são projetadas no mundo fenomênico mediante a execução de um verbo (declarar, fazer,
não fazer, dar) que é alvo direto imediato de normatização pela sociedade, por isso aqui denominado
objeto imediato que a sociedade legitima e o Estado reconhece e declara, ora por sentenças ou acórdãos
prolatados pelo Poder Judiciário, se fundadas em usos e costumes sedimentados no meio social, ora pela
formalização do Direito Positivo. Podemos assim poetizar e afirmar que os princípios, as normas e
regimes jurídicos criados representam todas as expressões da razão do agir ideal para se viver numa
sociedade planificada e harmonizada pelos atributos da legalidade e legitimidade. Formam eles
finalmente um arcabouço poético que resumo da seguinte forma: “É o Direito Objetivo uma
universalidade de poesias cientificamente declarada”.
Podemos assim defender a tese de que qualquer relação jurídica será formada a partir de uma ou
várias manifestações de vontade que podem ser exteriorizadas de múltiplas formas. Vontades autônomas
fundadas no Princípio da Liberdade ou heterônomas, quando manifestadas por um terceiro alheio à
estrutura da relação jurídica com poder jurídico para nela intervir, como a vontade expressa na lei
positivada que emana do Estado, ou dos usos e costumes sedimentados no meio social.
Quando suficiente apenas uma, o negócio ou ato jurídico, espécies de fatos jurídicos no sentido
estrito, é classificado no plano existencial como unilateral. Se duas vontades são necessárias são
considerados bilaterais, se mais de duas plurilaterais. Frise-se que, quando duas ou mais vontades são
manifestadas e unidas há a formação de um instituto jurídico denominado consenso, que é também
considerado elemento subjetivo, e ato jurídico apto para a formação relacional de conteúdo jurídico.
Vamos ao exemplo. No contrato de compra e venda na sequência causal estará sempre presente,
quer no plano subjetivo, quer no objetivo: a) o vendedor (fornecedor, empresário individual ou coletivo),
cria a representação da operação de venda, dos meios necessários, atos preparatórios e executórios, para
a formação do contrato; b) essa representação provoca a vontade de aperfeiçoar o mesmo; c) ato
sucessivo manifesta a sua vontade mediante oferta pública do objeto mediato (bem), que poderá ser
negociado ou não, com a finalidade de provocar novas representações em potenciais compradores
(consumidores); d) se alguma dessas representações for capaz de gerar uma nova vontade, a de adquirir o
bem ofertado; e) o consumidor comprador irá exteriorizar aquela com outra manifestação unilateral de
vontade, que a doutrina jurídica denomina aceitação, outra espécie de ato jurídico que; f) é apto para
formar o consenso, também elemento subjetivo, que provoca a formação do contrato de compra e venda
com todos os seus elementos essenciais e acidentais.
A causalidade desenvolvida demonstra a sequência de manifestações sensíveis, convicções e
aspirações que caracterizam as manifestações psíquicas de um sujeito de direito, as manifestações de
vontade que se projetam no mundo exterior, a partir de signos e símbolos característicos da linguagem,
que representam manifestações unilaterais de vontade, reconhecidas pela doutrina como atos jurídicos
preparatórios e executórios para o aperfeiçoamento da relação jurídica contratual analisada.
Uma síntese estreita demonstra a causalidade necessária e eficiente para a formação de uma
relação jurídica contratual, qual seja: a) representações criadas nos estados anímicos do vendedor e do
comprador – imagens de elementos externos; b) vontades formadas pelas representações – de vender e de
comprar; c) manifestações de vontades dos potenciais sujeitos contratantes. Primeiro a oferta, ato
preparatório, que provoca a aceitação, ato executório para a formação do contrato; d) formação do
consenso, que é apto para o aperfeiçoamento do contrato ou relação jurídica.
Podemos afirmar que as representações, vontades e o consenso formado são elementos subjetivos
naturais do contrato de compra e venda em virtude dos primeiros se manifestarem no estado anímico dos
sujeitos, e o último produto da união dos mesmos. Todas as manifestações ou os atos posteriores das
construções psíquicas são condutas que se projetam no mundo fenomênico, que as tornam elementos
objetivos como todos os outros elementos que compõem a relação jurídica contratual, para além da mente
do agente, como: o objeto mediato negociado (mercadoria ou serviço); o seu preço ou valor; os objetos
imediatos assumidos pelos contratantes, a entrega da coisa ao comprador (tradição), o pagamento do
preço pelo último, os direitos subjetivos de crédito e os deveres jurídicos adquiridos e assumidos por
ambos os contratantes, bem como outros elementos acidentais que compõem a relação por vontade das
partes contratantes ou implicitamente insertos na relação jurídica, como o tempo e espaço definidos para
o cumprimento dos deveres jurídicos ou para dirimir conflitos gerados pelo não cumprimento das
convenções pactuadas.

2.2.4 As coisas e os bens - objetos mediatos das relações jurídicas


Importante ressaltar que não podemos confundir objeto imediato do Direito Objetivo, com objeto
mediato. O primeiro revela-se por ações, condutas, atividades que são realizadas pelos sujeitos de
direito, e que representam deveres jurídicos assumidos nas relações jurídicas aperfeiçoadas. O segundo
é formado por coisas materiais ou imateriais, que dotadas de valor econômico são chamados de bens ou
serviços, que compõem a riqueza que circula no ambiente econômico social, que não podem no meu
sentir serem declarados como lícitos ou ilícitos, mas sim como materiais ou imateriais, atuais ou futuros,
fungíveis ou infungíveis, públicos ou privados, no mercado ou fora dele, móveis ou imóveis, alienáveis
ou inalienáveis, penhoráveis ou não, contaminados ou não de vícios materiais, ocultos ou aparentes
(redibitórios), ou jurídicos (evicção), entre outras classificações. Ademais temos outros objetos
mediatos que não apresentam valor econômico e que são mediatamente alvos das normas legitimadas no
meio ambiente social.
Destarte, argumentando sobre o contrato de compra e venda acima explorado, se um sujeito de
direito transfere para outro a posse ilegal do mesmo conjunto de uniformes de futebol, após furtá-lo de
um estabelecimento empresarial que comercializa material esportivo, sabendo o adquirente do ato ilícito,
não podemos afirmar que estamos diante de uma relação jurídica contratual, porque não há negócio
jurídico, haja vista, a operação estar despida dos valores da licitude, possibilidade jurídica, e da
determinação lícita das condutas. Assim sendo, há apenas negócio que se manifesta apenas no meio
econômico, envolvido pelo injusto constituído pela carga negativa de ilicitude das condutas realizadas
pelos agentes do fato antijurídico. Portanto, não podemos afirmar que o bem negociado é ilícito, mas sim
as condutas de subtrair coisa alheia móvel para si ou para outrem, e receptá-la, praticadas pelos
delinquentes, conforme as prescrições típicas insertas nos artigos 155 e 180 do Código Penal Brasileiro.
Elementos objetivos de cunho patrimonial, as coisas dotadas de valor econômico, que a Ciência
Jurídica chama de Bens, são classificados por ela como objeto mediato de relações jurídicas. Assim
sendo, diante da indagação sobre a natureza jurídica de bens materiais ou imateriais podemos afirmar,
sem medo de errar que aqueles são objetos mediatos do Direito Objetivo, e num plano mais restrito e
técnico, objetos mediatos de relações jurídicas.

2.2.5 A atividade desportiva - objeto imediato de relações jurídicas


Para a análise e interpretação jurídica da diversidade das atividades técnicas e métodos criados,
desenvolvidos e exercidos no ambiente social vamos destacar apenas as de caráter econômico, com ou
sem finalidade lucrativa, e seus protagonistas declarados pelo legislador brasileiro, porque sintonizam
com o objetivo desse trabalho científico, quais sejam: os sujeitos de direito e atividades econômicas
organizadas ou não dirigidas para a produção ou circulação de bens e serviços, inclusive as intelectuais,
essas declaradas e especificadas como, científicas, artísticas e literárias, cujas estruturas produtivas
poderão ou não apresentar uma organização complexa de fatores de produção, trabalho, capital, recursos
naturais e tecnologia, para a sua gestão.
O conceito de sujeito de direito é dogmático e se apresenta na ordem jurídica posta pelo Estado
como todos os agentes que participam da vida em sociedade mediante a formação de relações
intersubjetivas ou de sujeição passiva indeterminada, disciplinadas, pelo Direito Objetivo. Portanto, são
os protagonistas de todas as experiências e fatos sociais chamados de fatos jurídicos. São classificados
num primeiro plano como entes personalizados e despersonalizados. Os primeiros dotados personalidade
jurídica, concepção jurídica abstrata que atribui ao agente, pessoa natural ou jurídica, capacidade de
direito tornando-o sujeito titular de poderes, deveres, direitos, obrigações e faculdades. Os últimos,
despidos desse instituto jurídico apresentam-se na ordem social com múltiplas versões. Entre essas o
nascituro, que traduz o ser humano durante a vida intrauterina; dois tipos societários, a sociedade em
comum e a sociedade em conta de participação, que desenvolvem atividade econômica com finalidade
lucrativa; o espólio, que é a universalidade formada pelos bens, direitos e obrigações, de pessoa natural
após a sua morte; a massa falida, que é o patrimônio de um empresário ou sociedade empresária, que
assume o estado jurídico de falidos após o trânsito em julgado de uma sentença ou acórdão prolatado
pelo Poder Judiciário, comprovado o seu estado de insolvência (Código Civil, artigo 955), entre outros.
O Código de Direito Privado Brasileiro, Lei n◦10.406/02 declara no artigo 1◦ a existência da
pessoa natural, que ao adquirir capacidade de fato aos dezoito anos ou mediante emancipação (parágrafo
único do artigo 5◦do Código Civil Brasileiro), pelo exercício pleno da liberdade de ofício e profissão
declarado no inciso XIII do artigo 5◦ da Constituição da República, poderá assumir o estado jurídico
profissional de empresário individual (artigo 966), profissional liberal ou autônomo (parágrafo único do
mesmo artigo), Microempreendedor individual (artigo18 da Lei Complementar 123/06), ou em última
instância exercer atividade econômica irregularmente, a margem da ordem legal estabelecida, sem
registro, autorização ou habilitação.
O mesmo estatuto legal declara no artigo 41,42 e 44, as pessoas jurídicas de direito público interno
e externo e as pessoas jurídicas de direito privado, respectivamente, in verbis:

Art. 40. As pessoas jurídicas são de direito público, interno ou externo, e de direito privado.

Art. 41. São pessoas jurídicas de direito público interno:


I - a União;
II - os Estados, o Distrito Federal e os Territórios;
III - os Municípios;
IV - as autarquias, inclusive as associações públicas;
V - as demais entidades de caráter público criadas por lei.
Parágrafo único. Salvo disposição em contrário, as pessoas jurídicas de direito público, a que se tenha
dado estrutura de direito privado, regem-se, no que couber, quanto ao seu funcionamento, pelas normas
deste Código.

Art. 42. São pessoas jurídicas de direito público externo os Estados estrangeiros e todas as pessoas que
forem regidas pelo direito internacional público.

Art. 44. São pessoas jurídicas de direito privado:


I - as associações;
II - as sociedades;
III - as fundações.
IV - as organizações religiosas;
V - os partidos políticos.
VI - as empresas individuais de responsabilidade limitada.
O exercício de atividade econômica sem a complexidade organizacional dos fatores da produção
pode ser realizado por qualquer sujeito de direito: pessoas naturais, pessoas jurídicas ou entes
despersonalizados, esses últimos formados por grupamento de pessoas que contratam sociedade,
conforme artigo 981 do estatuto civil brasileiro, cujos instrumentos constitutivos, contrato social ou
estatuto, não são registrados e arquivados no órgão competente de registro (Código Civil, artigos, 45,
985, 1150), e que o Direito posto pelo Estado brasileiro caracterizou, ora como um ente societário
irregular, denominado sociedade em comum, ora como um tipo societário regular não dotado de
personalidade jurídica (sociedade em conta de participação), que também são considerados centros de
imputações jurídicas dotado de poderes e deveres jurídicos.
As pessoas naturais quando exercem atividades econômicas típicas de empresário sujeita ao
registro, sem organização complexa de fatores trabalho, recursos naturais, capital e tecnologia podem
assumir os estados jurídicos profissionais de Microempreendedor Individual (Lei Complementar nº
123/06, artigo 18) ou Profissionais autônomos. Se, exercem atividades intelectuais podem assumir, em
regra, o estado jurídico de profissional Liberal.
Se as atividades intelectuais são exercidas por um grupo de pessoas que constituem sociedade
pela formação de um contrato social, essa em regra será tipificada como sociedades simples (Código
Civil, artigo 997 e seguintes), exceto se o tipo societário escolhido pelos empreendedores sócios é
sociedade por ações (Código Civil, artigos 1.088 a 1092 c/c com a Lei n◦6.404/76), fato esse que torna
irrelevante a análise da atividade ou atividades que formam o objeto social imediato, pois a sociedade
em comandita por ações, ou as sociedades anônimas, nas suas várias modalidades atuais ou futuras terão
sempre uma classificação legal, portanto impositiva, qual seja: a de sociedade empresária (parágrafo
único do artigo 982 Código Civil Brasileiro).
Se presente a complexidade organizacional daqueles fatores, independentemente da análise das
atividades econômicas exercidas que formam o objeto imediato, as pessoas naturais exercerão atividade
econômica organizada e assumirão o estado jurídico profissional de empresário individual, conforme
dispõe o caput do artigo 966 e seu parágrafo único do Código de Direito Privado acima citado.
Entretanto, se as atividades típicas de empresário sujeitas a registro (atividade econômica organizada
para a produção ou circulação de bens e serviços), forem exercidas por um grupamento de pessoas que
contratam sociedade (Código Civil, art. 981), estaremos em regra, diante de uma sociedade empresária,
conforme caput do artigo 982 do Código em tela.
Essa é a redação atual do artigo 996 do estatuto civil, in verbis:
Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para
a produção ou a circulação de bens ou de serviços.
Parágrafo único. Não se considera empresário quem exerce profissão intelectual, de natureza científica,
literária ou artística, ainda com o concurso de auxiliares ou colaboradores, salvo se o exercício da
profissão constituir elemento de empresa.
Art. 981. Celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir,
com bens ou serviços, para o exercício de atividade econômica e a partilha, entre si, dos resultados.
Parágrafo único. A atividade pode restringir-se à realização de um ou mais negócios determinados.
Art. 982. Salvo as exceções expressas, considera-se empresária a sociedade que tem por objeto o
exercício de atividade própria de empresário sujeito o registro (art. 967); e, simples, as demais.
Parágrafo único. Independentemente de seu objeto, considera-se empresária a sociedade por ações;
e, simples, a cooperativa.
Art. 983. A sociedade empresária deve constituir-se segundo um dos tipos regulados nos arts.
1.039 a 1.092; a sociedade simples pode constituir-se de conformidade com um desses tipos, e, não o
fazendo, subordina-se às normas que lhe são próprias.
Parágrafo único. Ressalvam-se as disposições concernentes à sociedade em conta de participação
e à cooperativa, bem como as constantes de leis especiais que, para o exercício de certas atividades,
imponham a constituição da sociedade segundo determinado tipo.
Art. 984. A sociedade que tenha por objeto o exercício de atividade própria de empresário rural e
seja constituída, ou transformada, de acordo com um dos tipos de sociedade empresária, pode, com as
formalidades do art. 968, requerer inscrição no Registro Público de Empresas Mercantis da sua sede,
caso em que, depois de inscrita, ficará equiparada, para todos os efeitos, à sociedade empresária.
Parágrafo único. Embora já constituída a sociedade segundo um daqueles tipos, o pedido de
inscrição se subordinará, no que for aplicável, às normas que regem a transformação.
Art. 985. A sociedade adquire personalidade jurídica com a inscrição, no registro próprio e na
forma da lei, dos seus atos constitutivos (arts. 45 e 1.150).
Insatisfeito com a limitada classificação da ordem jurídica brasileira das atividades humanas,
declarada no parágrafo único do artigo 966 da Lei 10.406/02 – Código Civil Brasileiro, esse autor
propõe a alteração do mesmo para incluir a atividade desportiva como espécie de atividade autônoma,
tendo em vista que ela se apresenta na atualidade repleta de elementos de outros campos do
conhecimento humano, portanto, a sua formação se apresenta híbrida, pois composta de elementos
subjetivos e objetivos intelectuais, científicos e artísticos, bem como cercada de atividades típicas de
empresário individual sujeitas a registro, quando assume os caracteres do desporto profissional.
Ademais, todas impregnadas do conhecimento popular, desde as suas primeiras manifestações culturais,
do conhecimento intelectual, científico, principalmente, quando estamos diante do desporto educacional,
do desporto de rendimento, exercidos profissionalmente ou não, conceituados pelo Estado Legislador,
nos incisos I e III do artigo 3º, e seu parágrafo único, prescritos na Lei 9.615/98 - Lei Pelé, que também
os classifica no seu artigo 1º, como prática desportiva formal, por exigir para a realização dos seus
programas de trabalho, profissional especializado e habilitado, graduado nos cursos de Educação Física,
nas modalidades de Licenciatura ou Bacharelado, conforme a parte final do inciso XIII, do artigo 5 º da
Constituição da República Federativa do Brasil. Destarte, em virtude de seu caráter multidisciplinar e
multiprofissional merece revisão a norma em tela para dar sustentáculo científico às inovações jurídicas
propostas nesse trabalho. Essa é a nova redação proposta para o artigo 996 e parágrafo único do estatuto
civil brasileiro, in verbis:

LIVRO II
Do Direito de Empresa
TÍTULO I
Do Empresário
CAPÍTULO I
Da Caracterização e da Inscrição

Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada
para a produção ou a circulação de bens ou de serviços, com finalidade lucrativa, inclusive a de desporto
profissional. (Proposta de alteração do Código Civil Brasileiro - inovação)
Dispositivo alterado. Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade
econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços. (Redação do Código
Civil Brasileiro)
Parágrafo único. Não se considera empresário quem exerce profissão intelectual de naturezas
científica, literária ou artística, e a de desporto não profissional, com o concurso ou não de auxiliares ou
colaboradores, salvo se o exercício da profissão constituir elemento de empresa. (Proposta de alteração
do Código Civil Brasileiro - inovação)
Parágrafo único. Não se considera empresário quem exerce profissão intelectual, de natureza
científica, literária ou artística, ainda com o concurso de auxiliares ou colaboradores, salvo se o
exercício da profissão constituir elemento de empresa. (Redação do Código Civil Brasileiro)

Portanto, num primeiro plano, se uma pessoa natural desenvolver atividade desportiva poderá ser atleta
profissional ou autônomo, ambos vinculados a uma entidade de administração esportiva. O primeiro
vinculado às entidades de prática desportiva, pela formação de contrato profissional de atleta, o segundo
por contrato de natureza privada (civil), de acordo com o artigo 28 – A da Lei Pelé. Num segundo, sem
organização complexa dos fatores da produção ela irá assumir vários estados jurídicos profissional,
como por exemplo, o de microempreendedor individual. Quando afirmamos que o senso comum é
idealizador e fator de criação de jogos e de suas regras técnicas é porque eles surgiram na História do
Homem a partir de imagens e representações do sumo da realidade socialmente posta, que desde as suas
primeiras manifestações e organizações fez emergir conflitos e competições da vida de relação. Portanto,
dessa energia social a inteligência criativa do Homem idealizou, projetou, concretizou e fez repercutir,
inspirado nesses fenômenos conflituosos carregados de energia primitiva, inúmeros jogos competitivos,
individuais ou coletivos, impregnados de virtudes e ética, como forma de apelo espiritual, para revelar
meios mais eficientes e eficazes para solução dos confrontos humanos.
Quanto aos fatores do conhecimento científico é cediço que o desporto educacional e o de rendimento,
para terem os seus programas de trabalho materializados pelo Estado ou pela iniciativa privada
necessitam, pelo menos, de profissionais graduados em nível superior, em Licenciatura ou bacharelado
em Educação Física. Ademais, quando tratamos do desporto de rendimento, praticado profissionalmente
ou não, os atletas autônomos ou entidades de prática desportiva, na busca incessante de resultados e
títulos, tentam formar equipes multiprofissionais para potencializar o rendimento atlético, e para tal fim
alocam profissionais especializados em Psicologia do Esporte, Fisiologia, Biomecânica, Treinamento
Desportivo, entre outros, além de investirem maciçamente, quando dotados de capacidade econômico-
financeira, com recursos próprios e de terceiros, em tecnologia, instalações, máquinas e equipamentos
sofisticados para elevar a desempenho atlético individual e das equipes.
Revela-se, portanto, que a atividade desportiva se apresenta no meio social, como qualquer outra
atividade econômica que pode ser exercida de forma organizada ou não, com ou sem finalidade lucrativa,
por pessoas naturais vinculadas às entidades de prática desportiva ou educacionais sob diversos regimes
jurídicos, ou por pessoas jurídicas, nas formas de associação ou sociedade empresária, conforme
inovação legislativa realizada pela Lei n◦10.672/03, que incluiu o parágrafo 9◦ no artigo 27 da Lei n◦
9.615/98 – Lei Pelé.
Importante destacar que também é necessária a mudança na redação originária do parágrafo nono
do artigo 27 em destaque, haja vista, apresentar impropriedade técnica na sua formulação, tendo em vista
que, as entidades de prática desportiva e as entidades de administração do desporto nacional,
apresentarem-se, como regra, no cenário econômico e jurídico nacional, na forma de associação.
Significa dizer que já estão constituídas, e para assumirem formatação diversa das possíveis elencadas
no artigo 44 do Código Civil Brasileiro, que declara os tipos de pessoas jurídicas de direito privado,
seria necessário a transformação daquelas em sociedade empresária, mutação formal essa não
disciplinada pelo Direito posto pelo Estado brasileiro até o presente momento.
Diante da ausência de técnica jurídica na formulação normativa supracitada, resta-nos fazer uma
análise dos elementos fáticos relevantes desse tema para propor inovações legislativas para sanar as
impropriedades que revelamos, conforme a seguir se expõe:
Num primeiro giro podemos afirmar que qualquer empreendedor nacional ou estrangeiro, diante do
princípio da livre iniciativa declarado no artigo 170 da Constituição da República, pode desenvolver
atividade desportiva individualmente ou com a colaboração de outros sujeitos de direito. No primeiro
caso há as possibilidades jurídicas de constituição das figuras jurídicas: a) de um profissional liberal,
devidamente habilitado, conforme a parte final do inciso XIII, do artigo 5◦ da Carta Política; b) a figura
jurídica do empresário individual, se a atividade desportiva se tornar elemento da empresa (atividade
econômica organizada); ou ainda c) a constituição da Empresa Individual de Responsabilidade Limitada,
conforme as normas estabelecidas no artigo 980-A do mesmo código. No segundo, atividade econômica
desenvolvida em grupo, teremos a figura jurídica da sociedade empresária, que diante da correção
técnica proposta do parágrafo 9◦ em tela, poderá ser constituída, atualmente, na forma de qualquer
espécie societária tipificada nos artigos 1.039 a 1.092 do estatuto civil brasileiro.

Proposta de redação do supracitado parágrafo nono:

§ 9o É obrigatório às entidades desportivas profissionais constituídas na forma de associação, que


exerçam a atividade desportiva profissional constituir sociedade empresária de fins específicos para
esse objeto, segundo um dos tipos regulados na Lei nº 6.404/76, e na Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de
2002 - Código Civil Brasileiro. Às entidades de administração desportiva profissional e as ligas
nacionais, regionais e locais também lhes são obrigadas constituírem-se segundo um desses tipos.
(Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação e alteração).
§ 9o É facultado às entidades desportivas profissionais constituírem-se regularmente em sociedade
empresária, segundo um dos tipos regulados nos arts. 1.039 a 1.092 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro
de 2002 - Código Civil. (Redação da Lei n. 9.615/98 - alterada).
Noutro giro devemos destacar também o status fático-jurídico consolidado nas ordens econômica e
jurídica nacional para a prática do desporto, que é a escolha histórica dos ativistas desportivos pela
forma jurídica associação, quer para a prática do desporto amador, quer para o desporto profissional,
fato jurídico esse que merece revisão nos planos, fático e valorativo, para sintonizar as realidades
econômica e jurídica, de acordo com os interesses da sociedade brasileira, quiçá mundial. O autor
propõe uma revolução concepcional jurídica para transformar os paradigmas até hoje postos pelo Direito
Objetivo nacional, com o escopo de promover uma reforma normativa ampla de alcance constitucional e
infraconstitucional em todos os seguimentos especializados da Ciência Jurídica, planificar as ações,
condutas e atividades vinculadas ao desporto que passarão a ter, diante das proposições formuladas
caráter de ordem pública, por ser o desporto uma instituição humana que deve ser preservada dos ataques
ilegítimos e ilegais, de indivíduos dissociados dos valores positivos que engrandecem as virtudes
humanas sedimentados no meio social como princípios que norteiam a busca pela harmonia das relações
sociais. Todas as proposições legislativas estão expostas nos anexos, ao final dessa obra literária.

3 A TEORIA DUOHEXADIMENSIONAL DO DIREITO


3.1 PRELIMINARES
3.1.1 Introdução
Esse projeto científico tem por fundamento a criação de uma Teoria inédita para explicar a
concepção meramente abstrata que rotulamos como Direito, que se apresenta na percepção desse autor
como um poder titulado por um sujeito de direito, que o legitima a exigir de outro a ele relacionado
juridicamente uma prestação previamente estabelecida por força da emissão de uma vontade autônoma ou
heterônoma juridicamente valorada como relevante pela sociedade. Essa Teoria que denominamos de
Duohexadimensional do Direito vai ao encontro de uma perspectiva interdisciplinar e transversal que se
revela multifacetada diante da diversidade cultural construída pela humanidade, que move e sustenta
todas as manifestações de poder sedimentadas e legitimadas pelas organizações sociais implantadas no
nosso planeta. Para a sua construção adotamos como norma a composição de vários argumentos
vinculados a premissas, conceitos, institutos e instituições que assumem o papel de sustentáculos para
estabelecermos conclusões pela análise, substancial ou concepcional de várias sentenças, que se
apresentam como evidências, cujas declarações serão consideradas premissas, que representamos como
verdadeiras.
O escopo principal é estabelecer uma lógica fundada em conexões objetivas entre todas as
declarações, sem se afastar da perspectiva de que não há a intenção de esgotar os seus fundamentos,
ideias e conclusões sobre a teoria apresentada, mas sim de estabelecer um ponto de partida para o
desenvolvimento e aperfeiçoamento da mesma.
Essa inovadora proposição científica vai de encontro com outras teorias sedimentadas no meio
jurídico, em especial as Teorias Tridimensionais que tentam explicar o fenômeno jurídico e o Direito,
sem identificar seus pressupostos e elementos, em especial a do filósofo Miguel Reale que domina o
meio acadêmico desde a década dos anos sessenta do século passado, que afirma ser o Direito, fato,
valor e norma, composição que não assumimos, tendo em vista que, na nossa visão o Direito é elemento
do fato, o valor, concepção meramente abstrata criada pelo Homem Cultural, é pressuposto subjetivo que
influencia o estado anímico do sujeito para a sua constituição como poder, e a norma, concepção jurídica
concebida no meio social, que legitima o sujeito a exercer cada poder por ele titulado, dentro dos limites
estabelecidos pelo Direito Objetivo, declarado ora pelo Poder Legislativo, ora pelo Poder Judiciário.
Há também nessa proposição científica, além de uma intervenção corretiva técnica em textos legislativos
e doutrinários, a criação de novos institutos e instituições jurídicos que o autor acredita serem capazes de
tornar o processo de ensino e aprendizagem da Ciência Jurídica mais eficiente e eficaz, bem como elevar
a ordem jurídica nacional e internacional a um patamar de segurança técnica e científica que proporcione
aos profissionais do Direito segurança e harmonia no exercício de sua função social, que deve estar
visceralmente sempre ligado aos princípios e normas sedimentados no meio social.
3.1.2 Objetivos
A relevância da Teoria Duohexadimensional do Direito está na possibilidade de reconstrução dos
ambientes jurídicos até hoje consolidados, que ao sentir do autor se apresentam desprovidos de
cientificidade segura, autenticidade, interdisciplinaridade e transversalidade com outros ramos das
Ciências Sociais, fatores que comprometem a segurança e transparência nas soluções dos conflitos
humanos, além de comprometer o domínio do conhecimento científico nas faculdades de Direito e
instituições estatais. Destarte, apresenta-se essa nova proposição científica com a aptidão de assegurar
um saber jurídico fundado em conceitos, premissas e proposições seguros, capaz de garantir o exercício
de um poder jurisdicional eficiente e eficaz dirigido para a consolidação dos direitos difusos, coletivos,
individuais homogêneos e individuais com liberdade e igualdade, qualquer que seja a relação jurídica
idealizada pela humanidade.3.1.2. Objetivos
A construção desse livro tem a finalidade de apresentar à comunidade científica jurídica
fundamentos, conceitos, meios e processos de uma nova teoria jurídica, a Teoria Duohexadimensional do
Direito, que tem a proposta de demonstrar a causalidade necessária para identificar os elementos das
relações humanas planificadas e normatizadas pela sociedade, bem como a estrutura do conjunto
composto pelos vínculos intersubjetivos e de sujeição passiva indeterminada, que compõe o conceito
jurídico de universalidade de direito, com uma especial abordagem sobre o seu principal elemento, o
Direito nas suas três versões, quais sejam: subjetivo, potestativo e faculdade. Os dois primeiros
estudados nas suas duas acepções primordiais de “poder sobre” e “poder de”, que legitimam os sujeitos
de direito exigirem de outro ou outros, o cumprimento de um dever jurídico não adimplido, ou sujeitá-lo
a uma conduta legitimada pelo Direito. A terceira, como o poder de fazer algo sem a participação
volitiva de outro sujeito, com observância apenas dos limites impostos pela ordem jurídica. Ademais, o
presente projeto servirá de base para uma reforma sistêmica na ordem desportiva nacional, com a
formulação de novos conceitos, institutos e instituições de alcance constitucional e infraconstitucional, no
sentido de instaurar um processo dialético substancial democrático que seja capaz de dar ao desporto um
tratamento jurídico técnico científico inovador, que revele sintonia com os aspectos, econômico, social e
político apresentados atualmente pelo desporto profissional e não profissional no meio ambiente social
brasileiro; afastar os males que contaminam o desporto nacional, com a positivação de princípios e
normas na nossa Carta Política; e uma reforma ampla na legislação desportiva infraconstitucional que o
consolide como uma instituição social fundamental para a formação integral do indivíduo como cidadão.
Essa reforma, com um maior grau de profundidade será ofertada aos brasileiros e ao mundo pelo livro
“O Desporto que os Brasileiros Merecem”, de autoria do Professor José Antônio da Silva, que será em
breve lançado.
Frise-se que, as proposições que fundamentam a teoria tem a finalidade de identificar as
estruturas dimensionais duais, que autonomamente conectadas à estrutura tetradimensional do
conhecimento humano, formam a unidade hexa dimensional idealizada, sem desconsiderar que todas as
dimensões primordiais formuladas se apresentam para a humanidade sobrepostas, configurando-se como
uma única massa cultural, também dual em suas dimensões, dotada de linguagens peculiares para cada
organização social estabelecida no planeta, com conceitos, institutos, instituições, meios e processos
protagonizados por mulheres e homens, que representam o início o meio e o fim de todos esses mares de
proposições sedimentados na vida de relação.
3.1.3 Fundamentação teórica
Para a construção e desenvolvimento da Teoria Duohexadimensional do Direito adotamos como
seu elemento objetivo principal o Direito, e a definição de que ele é poder jurídico titulado por um
sujeito de direito proprietário, possuidor ou titular do domínio útil de uma universalidade denominada
patrimônio jurídico, que consiste no complexo de relações jurídicas ativas e passivas vigentes num
determinado momento histórico. Definimos, portanto, como base material desse trabalho o sujeito de
direito, as suas relações jurídicas e os seus bens jurídicos para compor o arcabouço das proposições
defendidas. Frise-se que o tema proposto foi objeto de várias teorias tridimensionais formuladas, entre
outros, pelos autores Emil Lask, Gustav Radbruch, Roscoe Pound, Wilhelm Sauer e Werner Goldschimidt
(1963) em especial a idealizada pelo filósofo brasileiro Miguel Reale nos anos sessenta do século vinte,
e Hans Kelsen, filósofo e jurista austríaco, idealizador da Teoria Pura do Direito (1934).
De acordo com a teoria do filósofo Miguel Reale, o Direito é constituído da união de três
aspectos das seguintes concepções unilaterais: o normativo, o fático e o axiológico. O primeiro presente
no ordenamento do Direito objetivo, o segundo, o seu nicho social e histórico, e o terceiro fundado nos
valores sedimentados pela sociedade. Frise-se que a sua alusão sobre o Direito é relativa ao Direito
Objetivo, que no seu entender é produzido pelo Estado. Entretanto, a nossa teoria proposta revela outra
perspectiva, qual seja: o Direito como “poder sobre” e “poder de”, uma realidade material, que no nosso
sentir, tem a natureza jurídica mediata de instituto jurídico do Direito Objetivo, e imediata de elemento
objetivo de relações jurídicas, pois representado por um verbo, porquanto, ação, conduta, atividade
humana planificada e legitimada no meio social “poder de” e “poder sobre”, que se torna objeto de
positivação por meio do processo legislativo ou de objetivação por um processo judicial, quando o
Estado, por opção política ou pela superintendência de um processo judicial, tem o poder e dever de
declarar todos os direitos, portanto, todos os poderes legitimados nas entranhas das experiências sociais.
Basta para comprovar a nossa argumentação a interpretação do parágrafo único do artigo 1º da nossa
Carta Política, que declara, in verbis:
“Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos, ou diretamente,
nos termos dessa Constituição”. Norma que sustenta os fundamentos da teoria aqui proposta. Portanto, o
Estado é apenas mais um sujeito de Direito, titular de um patrimônio jurídico social, que atua na ordem
sócio-política exercendo poderes ordinários comuns a qualquer outro sujeito de direito, e outros
institucionais peculiares declarados na Constituição, entre tantos, o de declarar todos os poderes
jurídicos sedimentados na ordem social estabelecida pela organização social estabelecida num
determinado ponto espacial do planeta.

3.1.4. Metodologia.
O presente trabalho científico caracteriza-se, num primeiro giro, como uma obra autoral inédita
constituída de proposições filosóficas e jurídicas que vão ao encontro da formulação de uma inovadora
teoria e de uma nova ordem jurídica, tendo em vista, que é reveladora de novos princípios, normas,
conceitos, institutos e instituições inéditos, até hoje não questionados na doutrina e jurisprudência do
nosso país. E para tal adotamos o método dedutivo, na construção do entendimento das seis dimensões
que fundamentam a teoria, sem abdicar da metodologia hipotético-dedutiva para afirmar a
tetradimensional estrutura do conhecimento humano. Ademais, adotamos o método dialético para assumir
e afastar proposições filosóficas e jurídicas de pensadores clássicos e contemporâneos, para buscar o
espaço e o tempo necessários para inaugurar no cenário jurídico-científico, uma nova dialética sobre os
temas propostos. Entretanto, com o fim específico de solidificar o conhecimento de fatos sociais
relativos ao desporto, suplementamos a base concepcional supracitada com proposições sucintas, para
dar uma matriz normativa constitucional e infraconstitucional para essa importantíssima instituição
humanitária, o desporto, de sensível expressão no território nacional e planetário, que merecerá atenção
especial e de maior profundidade na próxima obra literária do autor, que projetará para o mundo
proposições revolucionárias para dar ao desporto profissional e não profissional a dignidade que os
brasileiros merecem.

3.2 A TEORIA DUOHEXADIMENSIONAL DO


DIREITO

3.2.1 Primeira Dimensão - As ordens natural e cultural


Cediço é que a ordem natural se apresenta como um pressuposto substancial para a existência da
humanidade e viabilização de sua evolução civilizatória, essa marcada primeiramente por uma fase
primitiva, em que mulheres e homens para sobreviverem interagiam com seus semelhantes e com a
natureza, se apropriavam dos seus elementos, pelos meios mais simples de aquisição, a extrativista, sem
qualquer técnica ou método produtivo, caracterizando-se nessa primeira fase, como um ser primitivo,
cuja energia era direcionada instintivamente para saciar a sua fome alimentar e sexual.
Não podemos olvidar da transformação daqueles entes primitivos em culturais que se
apresentaram como construtores de representações e ideias, materializáveis ou meramente abstratas,
efeitos de sua inteligência e criatividade, capazes de transformar a ordem natural para atender além de
suas necessidades primitivas, as culturais por eles criadas, bem como criar utilidades e volúpias, para
atender às suas pretensões emergidas do meio ambiente sócio cultural por eles criado.
Podemos afirmar, portanto, que há duas iniciais premissas maiores que se apresentam como
ponto de partida para as argumentações posteriores, quais sejam: a Ordem Natural e a Ordem Cultural,
essa fragmentada em várias versões de acordo com as estruturas econômica, social e política de cada
nação organizada no planeta. Essas duas ordens estruturadas e autônomas formam a primeira dualidade
justificadora da nossa teoria. A primeira disponibiliza para a segunda, três elementos básicos para a sua
construção: o Homem, as suas ações e as coisas materiais, todos formadores do espaço que traduz sua
estrutura material, como será aqui defendido. Frise-se desde já, que o sistema cultural humano sempre
será subjacente ao sistema natural, haja vista, esse se apresentar como a maior das estruturas e forças
percebidas pela humanidade.
Podemos detalhar os elementos da primeira: o Homem, produto da ordem natural, se
apresenta como unidade autônoma bioenergética e psíquica; As suas ações, condutas e atividades, nesse
primeiro estágio evolutivo eram impulsionadas apenas por estímulos externos e internos geradores de
representações aptas para criar sensações e vontades no seu estado anímico, exteriorizadas por
manifestações sonoras, gestuais, corporais e simbólicas, sequência que nos revela fatores subjetivos e
objetivos para explicar a causalidade de um fato humano, primitivo ou cultural, quais sejam:
representação, vontade, manifestação de vontade, atos preparatórios, atos executórios e consumação,
apesar das ideias aparentemente contrárias defendidas por Emmanuel Kant e David Hume (2004) sobre a
causalidade.
A ordem natural, que se mostra para o ser humano, dentro das limitações estabelecidas do
seu sistema sensorial é na minha razão, o núcleo fático substancial para a construção da ordem cultural,
tendo em vista que o Homem Cultural, em qualquer momento de sua evolução civilizatória, nunca poderá
abdicar daquela, que o acolhe e sustenta, quer por ações produtivas extrativistas puras, como a simples
colheita de alimentos da natureza para a satisfação de suas sensações de fome, quer por ações produtivas
dotadas de técnicas, métodos e processos, transformadoras de elementos naturais ou artificiais por ele
criados, ou ainda por ações dirigidas para a circulação da riqueza material ou imaterial por ele geradas.
Essa premissa construída da ordem natural se apresenta verdadeira, porque as afirmações
conexas ao seu conhecimento são justificadas sem apelar para a experiência ou à observação, haja vista,
as existências da ordem planetária, das coisas que a compõe, e da própria humanidade que a habita serem
incontestáveis, pois recepcionadas pelos nossos sentidos sem a necessidade de inovações concepcionais
criadas pelo homem, essas sim que representam o início, o meio e o fim da Cultura humana, em constante
movimento e mutação, o que nos autoriza afirmar que a cultura é construção da humanidade.

3.2.2 Segunda Dimensão - As concepções


materializáveis e as meramente abstratas
Delimitado o núcleo fático material formado pela ordem planetária, pois é aqui que as sociedades
humanas implantam as suas organizações e instituições, podemos afirmar que as coisas que a compõe, os
indivíduos vivos que a habitam, e as atividades por eles exercidas, são alvos constantes do Homem
cultural, que provocou e ainda provoca, com suas linguagens, ideias, conceitos, concepções, proposições
e ideologias, transformações em todos aqueles objetos e indivíduos, inclusive em si mesmo, causalidade
essa incessante provocadora de transformações das duas ordens, processo que podemos nominar de
História Cultural Humana, que tem como sustentáculo as linguagens por ele criadas, que proporcionaram,
em virtude de sua transversalidade universal, a construção dos conhecimentos, popular, religioso,
intelectual científico, filosófico, artístico e literário, e desportivo, todos interagindo no sentido de
estabelecer ordens sociais harmoniosas, com lastros em atos de cooperação e de concorrência
planificados e normatizados pelo Direito Objetivo, consuetudinário ou positivo, estabelecidos pelos
grupos sociais a partir das energias e forças dos processos dialéticos consolidados por indivíduos
integrantes de um acordo intersubjetivo, coletivo ou social, ou pela vontade imperativa do Estado.
O processo dialético apresenta-se na ordem cultural como forma de sustentação de um conceito,
ideia, invenção, processo, método, entre outros, e depende da exteriorização da vontade dos integrantes
de uma relação jurídica, que se apresenta ora com dois polos definidos, pois intersubjetiva, ora com um
dos polos indeterminados, quando estamos diante de direitos denominados absolutos, como o direito de
propriedade, ou os decorrentes da posse ou domínio útil, o que nos revela, com clareza solar, que todo
fato cultural tem a sua origem na objetivação da vontade de um sujeito de direito, pelos múltiplos meios
de comunicação criados pelo Homem, que pressupõe no plano individual ou intersubjetivo, uma
causalidade bioquímica formadora de representações e vontades consolidadas no estado anímico de um
ou vários sujeitos, a partir de estímulos do ambiente exterior e, no plano coletivo, uma causalidade
substancial, com base em concepções enraizadas no imaginário social formadoras de usos e costumes
geralmente aceitos.
Podemos assumir a ideia de que todas as forças concepcionais criadas pelo Homem cultural se
revelam por declarações unilaterais, bilaterais, ou plurilaterais, que se tornam aptas para gerar múltiplos
efeitos jurídicos nos ambientes, econômico, social, político, quando disciplinados pelo Direito Objetivo.
Não há diferença em outras ações, condutas e atividades por ele realizadas nas inúmeras
organizações humanas, como na família, na escola, nas associações, nas sociedades, nas entidades
religiosas, nas fundações, nos partidos políticos. A Ciência Jurídica e o Direito Objetivo tratam esses
atos, ora como negócio jurídico ora como ato jurídico, que são julgados como, justos ou injustos, lícitos
ou ilícitos, morais ou imorais, éticos ou antiéticos, públicos ou privados, pessoais ou impessoais,
eficientes ou ineficientes, entre outros predicados, sem olvidar que negócios e atos jurídicos são
categorias de fato jurídico no sentido estrito, que se apresenta em contraponto com o conceito de fato
jurídico no sentido lato, fenômeno natural conceituado e disciplinado pelo Direito Positivo, ambas as
espécies de fatos jurídicos. Outra premissa importante para o desenvolvimento desse
trabalho é estabelecer que todas as inovações humanas, para além da ordem natural, são consolidadas na
ordem social por concepções, ideias que se apresentam como meramente abstratas ou materializáveis, as
duas dotadas ou não de valor econômico. Quando dotadas são consideradas como bens imateriais ou
materiais. Quando não dotadas daquele valor como coisas imateriais. Destarte, as concepções meramente
abstratas por não terem expressão material no mundo fenomênico, se apresentam na vida de relação por
declarações escritas documentais, ou por atividades individuais ou coletivas exercidas por homens e
mulheres pelo desprendimento de sua energia laboral. Já as concepções materializáveis, projetam-se no
mundo socializado como coisa dotada de valor que, se apresentar viabilidade econômica, passa a ser
potencial objeto mediato de relações jurídicas, e do Direito Objetivo, a ser materializado no meio
produtivo humano para ser ofertado no mercado.
Fica assim, definido o segundo binômio, composto pelas concepções meramente abstratas e as
materializáveis, frutos da inteligência e criatividade do Homem, que paulatinamente construiu a sua
história revelando todas as suas virtudes e fraquezas, e consolidando-as nas culturas, popular, religiosa,
intelectual e desportiva, todas envolvidas num movimento construtivo de hábitos, usos, costumes,
conceitos, preconceitos, institutos e instituições, que impulsionaram a criação de culturas jurídicas
consuetudinárias e positivadas pelas sociedades, que são representadas pela maior das instituições
criadas pela humanidade, o Estado, sujeito de direito que, através dos tempos assumiu as funções
administrativa, legislativa e judicial, para planificar e gerir o patrimônio jurídico social, bem como
declarar pelo processo legislativo ou judicial, as suas normas garantidoras disciplinadoras das ordens
sociais estabelecidas no nosso planeta.

3.2.3 Terceira Dimensão - Atos de cooperação e de concorrência - objetos imediatos das relações
jurídicas.
Vamos explorar, para dar continuidade a nossa teoria, uma das grandiosas virtudes humanas, a
partir da consolidação de uma imagem macro de subsistemas culturais autônomos unidos, quais sejam: o
popular, o religioso, o desportivo e o intelectual científico, filosófico, artístico e literário, o terceiro que
passamos a considerar como cultura autônoma, haja vista, terem sistemas organizacionais inconfundíveis
com outros idealizados pelo homem, dotados de sujeitos animicamente motivados para a sua prática, que
manifestam as suas vontades para a realização de ações, condutas e atividades específicas do desporto,
com linguagem, conceitos, normas, técnicas, métodos, processos, institutos e instituições, estruturas
ambientais e administrativas peculiares próprias, bem como objetos mediatos, (bens materiais e
imateriais), específicos para a viabilização de sua prática. Inconfundível, portanto, o desporto com
qualquer outro seguimento cultural humano. Declaração essa que nos autoriza, além das três dualidades
anteriormente propostas, idealizar uma composição tetradimensional da cultura, que é formada pelos
subsistemas cognitivos supracitados, que adornam a ordem natural minimalista humana, que se mantêm
entrelaçados numa incessante fenomenologia, caracterizada por uma infinitesimal dialética composta de
atos de cooperação e de concorrência experimentados no mundo fenomênico pelos seus agentes centrais,
homens e mulheres, que assumiram o início, o meio e o fim desse processo cultural mutante, que se tornou
vital para a permanência da raça humana no planeta Terra.
Sabemos que as sociedades avançaram de uma convivência primitiva nômade desordenada e
despida de linguagem para uma ordenação associativa, que se revelou num primeiro plano básico pela
constituição da família, que unidas por vários fatores e conquistas, avançaram para uma associação
maior, a tribo, que evoluiu de forma espetacular para uma ordenação lógica e racional que chamamos de
sociedade. Essa evolução sempre teve como fundamento a criação de concepções, como afirmado. É esse
adorno que determina os conceitos de cultura e de homem cultural, que nos leva defender que não é
apenas o fato que é elemento de qualquer organização ou sistema criado pelo homem, mas sim ele
adornado de inúmeras concepções. Entre as primeiras concepções estão os símbolos, demonstrados por
gestos, expressões faciais, fonemas, desenhos, imagens, literalidades, essas últimas sistematizadas até
assumir o status particular da linguagem, concepção cultural transversal em qualquer organização micro
ou macro criada pelo homem, por ser ferramenta capaz de definir todos os seus vínculos objetivos e
subjetivos, desde a era primitiva até para sempre, concepção meramente abstrata que funciona como o
alicerce, e porque não dizer, como lastro formal essencial de toda evolução civilizatória humana, sempre
eficiente e eficaz de consolidar, pela formulação de conceitos determinados e indeterminados, nos planos
físicos e metafísicos, em todos os seguimentos de sua atuação, os imaginários culturais de cada
sociedade organizada no planeta, numa escalada incessante pela busca da segurança, da liberdade e da
felicidade, independentemente da veracidade ou validade das ideias por ele criadas. Destarte, os fatos
culturais não são apenas fatos ou eventos, são esses adornados de concepções meramente abstratas ou
materializáveis, ideias humanas que consubstanciaram todas as culturas, impregnadas de valores,
institutos e instituições socialmente aceitos e consolidados no meio ambiente social.
Percebemos, portanto, que o Homem Cultural idealizou e idealiza composições e arranjos para
realização de atos de cooperação e de concorrência, individualmente ou em grupo, pelo exercício de
atividades econômicas organizadas ou não, com fins altruístico ou lucrativo, num ambiente especializado
que assumiu contornos institucionais que denominamos mercado, que garante e viabiliza, até hoje, a
existência e sobrevivência das ordens sócio-políticas idealizadas e construídas pela humanidade.
Assertiva que revela sintonia com a ideia de alienação criada por Hegel, cujo conteúdo afirma que “o
homem, no processo de construção de sua própria civilização, cria toda a sorte de instituições, regras e
ideias, que se tornam coerções sobre ele, externas as ele, apesar de terem sido sua própria invenção”.
(2001, pag. 162), e nos faz representar, que as inovações culturais o submete, o que nos dá um conceito
prévio e amplo de norma, haja vista o sentido estrito, demonstrar um preceito primário criado pelas
experiências sociais dotado de um secundário de conteúdo sancionatório, legitimadores e garantidores
dos poderes jurídicos sedimentados no meio ambiente social.
A Filosofia é parte, mas vamos mergulhar na realidade a partir desse momento, para analisar o
Desporto, o Direito Desportivo, e o Direito Objetivo Desportivo, como fatos culturais relevantes para a
nossa proposição teórica. O primeiro, atividade humana, portanto, objeto imediato de relações jurídicas
e do Direito Objetivo. O segundo se apresenta como poder de um sujeito de direito sobre outro – “Poder
sobre” ou o “poder de” agir, independentemente de outra vontade. O terceiro, como um complexo de
declarações de normas jurídicas desportivas positivadas pelo Estado ou reconhecida pelos usos e
costumes reconhecidos e sedimentados por um grupo social organizado, e que tem a função de planificar
e disciplinar positivamente as relações desportivas, quer na prática do jogo, quer nas relações jurídicas
aperfeiçoadas no ambiente socioeconômico desportivo conexas àquelas. Proposição essa que abarca
todos os seguimentos especializados da Ciência Jurídica, no nosso entender. Quando o fato é natural, ele
é apenas declarado pelo Direito Objetivo como fato jurídico no sentido lato, tendo em vista um valor
social enraizado na cultura do grupo organizado, como se verifica com o evento natural concepção de
uma pessoa, o seu nascimento e a sua morte. São substâncias, como afirmou Aristóteles, tendo em vista
que não dependem de nada mais para as suas existências. Portanto, representado o fato natural como
juridicamente relevante, as organizações sociais criam normas protetivas para resolver os conflitos que
porventura surjam pela disputa ou agressão ao objeto mediato jurídico valorado, por intermédio da
aplicação de sanções cominadas. É a Ciência Jurídica que trata desses fenômenos ligados à natureza e a
individualidade orgânico-psicológica humana, como fatos Jurídicos no sentido lato, pois despidos de
conceitos jurídicos determinados ou indeterminados, o que nos autoriza também afirmar que o Direito
objetivo, quer posto pelo Estado legislador, quer declarado pelo Estado Jurisdição - Poder Judiciário,
apenas constata a sua importância no meio social, e os declara como institutos jurídicos, pois são frutos
de uma consciência socialmente inventada pelo Homem Cultural. Destarte, podemos afirmar que a
evolução espiritual humana está ligada, primeiramente à nomeação e rotulação dos sujeitos, coisas e
atividades para construir adornos valorativos aos fatos naturais e aos elementos culturais, que inseridos
em eventos provocam reações também culturais internas e externas ao Homem.
As primeiras reações, que são processadas no estado anímico do sujeito, são as representações e
vontades, que são projetadas no mundo fenomênico social por declarações, unilateral, bilateral ou
plurilateral, materializadas pelas ações, condutas e atividades humanas, reveladoras de hábitos, usos,
costumes, rituais, métodos, processos, inseridos ou não em um processo produtivo. Essas condutas sim
são planificadas e normatizadas num primeiro plano no meio social, para depois, pelo exercício de uma
faculdade política declará-las e regulamentá-las pela produção do Direito objetivo, ambos os processos
de construção normativa fundados, em conceitos atributivos, como certo ou errado, justo e injusto, lícito
e ilícito, jurídico e injurídico, moral e imoral, ético e antiético, que não são valores no sentido estrito,
mas sim adjetivos positivos ou negativos criados e projetados no mundo fenomênico social.
Revela-se, portanto, que as invenções humanas determinam os tipos de atividades que
serão exercidas no meio social e os bens que serão produzidos e negociados no mercado. As atividades,
o Direito Objetivo define como elementos formadores do conceito jurídico que rotulamos de objeto
imediato, que é constituído e materializado no mundo substancial por ações, dirigidas para o fim de
apropriar elementos do mundo natural ou cultural, para o Homem consumi-los ou inseri-los num processo
transformador produtivo ou de mera circulação de riqueza, material ou imaterial, vinculados a uma
atividade econômica organizada que denominamos empresa, gerida por empresários individuais ou
sociedades empresárias, ou a uma atividade econômica intelectual, exercida por profissionais liberais ou
sociedade simples, ou ainda a uma atividade sem uma estrutura organizacional de fatores da produção,
exercida por profissionais autônomos e liberais, entre outros agentes econômicos.
Podemos afirmar, diante das premissas e argumentos expostos, que o desporto é ação, atividade,
conduta humana, portanto, objeto imediato de relações jurídicas, portanto, do Direito Objetivo, fenômeno
cultural planificado normatizado pelo Direito consuetudinário ou posto pelo Estado.
Sabemos que o exercício da atividade desportiva foi consolidado em todas as sociedades do
planeta, assumiu caráter institucional, e por isso passou a exigir a organização dos fatores da produção:
trabalho, capital, recursos naturais e tecnologia, para a realização de jogos e competições idealizadas
pelo Homem. Realidade histórico-cultural que não pode dispensar a intervenção do Estado como agente
normativo e regulador dessa atividade, principalmente por potencializar ameaças de lesão à estrutura
corporal e psicológica do ser humano adulto ou em desenvolvimento, bem como ser uma ferramenta
eficiente e eficaz para a manutenção de sua saúde e desenvolvimento intelectual, que se alinhada aos
princípios e normas da educação formal, proporcionaria a construção de um ambiente impregnado de
virtudes capaz de banir os malfeitores de suas estruturas organizacionais.
É notório que a atividade desportiva quando exercida formalmente é administrada pelo próprio
Estado ou por pessoas naturais e jurídicas de direito privado (Código Civil Brasileiro, 2014, artigos 41,
44 e 966), e de acordo com o parágrafo primeiro do artigo 1º da Lei 9.615/98 (Lei Pelé) é regida por
normas especiais, nacionais e internacionais, bem como por regras de prática desportiva de cada
modalidade, que são aceitas pelas respectivas entidades nacionais de administração do desporto.
Quanto às regras do jogo sabemos que evoluíram a partir do conhecimento popular sedimentado
em cada sociedade por processos espontâneos de construção, e que hoje são declarados e aperfeiçoados
por regulamentos editados pelas entidades de administração do desporto. Entretanto, a intervenção estatal
nas atividades e relações jurídicas privadas conexas ao ambiente desportivo que lhe dão suporte
institucional e jurídico, carece de regimes jurídicos de responsabilidade sérios que protejam uma das
mais belas e virtuosas invenções humanas, o desporto, instituição social e humanitária, que deve estar a
serviço dos anseios da humanidade, e não de indivíduos inescrupulosos despidos de luz e dos valores
positivos que engrandecem o espírito humano.
Essa reflexão se tornou um impulso para defendermos uma intervenção legislativa estatal rígida
no desporto, a começar por reformas constitucionais que sintonizem as normas matrizes da educação à
sua realidade, tornando-o uma instituição protegida por uma blindagem jurídica formada pelo instituto da
Reserva de Domínio Social ou Estatal, instituto jurídico fundamental que idealizamos para tornar o
desporto e o mercado desportivo, ambientes éticos direcionados para a construção de sociedades
melhores. Assim o declaramos na ordem jurídica constitucional brasileira, como fundamental instituto
jurídico transformador do ambiente individualista e corrupto em que se encontra o Desporto nacional,
que demandará o processamento de um projeto de emenda constitucional a ser votado no Congresso
Nacional, com fundamento no poder constituinte derivado, no sentido de inserir as seguintes matérias na
nossa Carta Política, a seguir expostas:
a) - O desporto passa a ser um direito social.
b) - Instituir o instituto jurídico Reserva de Domínio Social ou Estatal e ampliar o alcance dos
dispositivos constitucionais que tratam dos bens dos entes federativos, para disciplinar também os
poderes jurídicos por eles titulados.
c) - As competências materiais dos mesmos passam a ser mais abrangentes, com definição mais ampla
dos poderes e competências materiais, que passam a ser de domínio social e econômico.
d) - Os Desportos, educacional e de rendimento não profissional assumem o status de direito de todos os
brasileiros, e dever do Estado e da família.
e) - Regular com mais precisão o Princípio da Autonomia das entidades de administração do desporto;
f) - Instituir os Princípios: a) da Destinação Social específica de recursos públicos; b) da Diferenciação
Substancial, que impõe tratamento diferenciado para o desporto profissional e o não profissional; c) da
Diferenciação Biológica e psicológica do desporto praticado por crianças e adolescentes; d) Da
Legitimidade dos resultados desportivos; e) da Economicidade Lucrativa do desporto profissional; f) da
Distribuição Igualitária dos efeitos econômico-financeiros da prática desportiva profissional;
g) - Declarar o dever jurídico da União de instituir o Conselho Nacional de Justiça Desportiva, órgão
colegiado superior de jurisdição específica, vinculado ao Ministério do Esporte, titular do poder jurídico
de declarar a ineficácia de atos contrários ao Princípio da Legitimidade dos Resultados Desportivos;
h) - Facultar aos Estados instituir órgãos com conteúdo e alcance similares ao Conselho Nacional de
Justiça Desportiva, para resolver os conflitos locais da mesma natureza.
As alterações acima propostas representam um arcabouço normativo constitucional capaz de
estabelecer uma nova Ordem Desportiva Nacional, com o ideal de afastar os inúmeros males que
contaminam o nosso desporto.
Podemos concluir que as atividades desportivas, como qualquer outra atividade humana
assumem o papel de elementos de objeto imediato de relações jurídicas, pois é alvo de incidência das
normas produzidas no meio social, o que nos revela que a licitude, a probidade, a lealdade, a boa-fé e a
moralidade ética são valores inquestionáveis que devem estar sempre presentes nas organizações
desportivas e nas competições por elas administradas.
Por tudo que foi construído cabe-nos agora contextualizar o Desporto e o Direito
Desportivo dentro do processo cultural humano, e situá-lo na Teoria Duohexadimensional do Direito.
Uma primeira indagação é necessária para identificar a natureza jurídica do desporto
dentro da Ordem Cultural humana. O Desporto é sujeito, é coisa ou atividade? A resposta é conclusiva
por tudo que foi defendido. É atividade humana, portanto, objeto imediato de relações jurídicas e do
Direito Objetivo, Consuetudinário ou Positivo, e para os outros ramos objetivados da Ciência Jurídica,
que incidirão sobre os objetos imediatos das relações jurídicas conexas às atividades desportivas, o que
demonstra o caráter interdisciplinar e transversal daquele ramo especializado.
Outras indagações se impõem. O que é o Direito Objetivo? O que é o Direito Positivo
Desportivo? O que é o Direito Desportivo consuetudinário?
Numa breve síntese, o primeiro é o conjunto de princípios, normas, institutos e instituições que
planificam e disciplinam qualquer atividade humana, sedimentados no ambiente social pelos costumes ou
por leis editadas pelo Estado. O segundo, que pressupõe processo legislativo estatal é o Direito Objetivo
escrito, com as mesmas características do primeiro. O terceiro, complexo de princípios e normas que
emergem do meio social é o declarado pelos órgãos do Poder Judiciário, quando provocado para
resolver conflitos, ou afirmar segurança jurídica em determinados atos considerados relevantes pela
sociedade, como se dá na jurisdição voluntária. Portanto, reúne os mesmos predicados e aptidões do
segundo, e ambos planificam e normatizam a atividade desportiva, formal ou informal. Ambos são
categorizados como ramos especializados do Direito Objetivo, pois apresentam, no seu meio ambiente
cultural, uma dualidade marcante formada de normas técnicas de jogo, e de normas gerais e especiais,
que alcançam todas as relações jurídicas que gravitam em torno do seu ambiente produtivo, além de
conceitos, institutos e instituições que são inconfundíveis com outras instituições sociais, e que dão lastro
cultural para todos os sistemas e subsistemas lógicos e racionais construídos para reger as ordens
desportivas locais, regionais, nacionais e internacionais, todos com o fim de viabilizar social, econômica
e politicamente o exercício de todas as modalidades desportivas idealizadas pela humanidade.
Tem-se pelo exposto, que o Desporto e o Direito Objetivo Desportivo, por serem fenômenos
histórico-culturais são instituições sociais e jurídicas. Muito mais, são instituições da humanidade que
têm as seguintes características: a) cosmopolita quanto às regras técnicas do jogo, pois, não se mantêm
dentro das balizas territoriais, culturais e das forças da dialética de cada sociedade organizada, pois, por
si repercutem e invadem todas as culturas organizacionais sociais humanas, observadas pouquíssimas
exceções; b) da fragmentação, haja vista, as inúmeras concepções de modalidades desportivas criadas
pela humanidade; c) da economicidade, tendo em vista que para a sua prática, mesmo se informal, há a
necessária alocação de fatores da produção, com ou sem organização empresarial, como mão de obra
qualificada, recursos naturais, capital e tecnologia; d) da onerosidade agregada, mesmo quando o
desporto definido como não profissional é praticado por entidades sem fins lucrativos, como as
associações desportivas, tendo em vista que buscam sempre, apesar do princípio do equilíbrio
orçamentário que rege o planejamento econômico-financeiro das mesmas, o superávit, excesso financeiro
auferido pelo confronto entre receitas e despesas, que é reinvestido em estruturas desportivas para o
aperfeiçoamento do processo produtivo desportivo; e) da sociabilidade, por ser o desporto e o Direito
Objetivo que o regula, reveladores de uma cultura voltada para enaltecer a prevalência dos poderes,
valores e fins coletivos diante dos individuais, sem abdicar é claro, dos valores fundamentais da vida, da
integridade física, e da dignidade da pessoa humana; f) da eticidade, pois deve sempre cultuar a
legitimidade e a legalidade dos meios e dos fins, no sentido de buscar a equidade, a probidade, e a boa-
fé do desporto como valores fundamentais para consolidar no meio social a sua função social, por meio
da concretização do equilíbrio das competições, e a busca incessante do equilíbrio econômico-financeiro
e dos resultados gerados pelos espetáculos desportivos; g) da operabilidade, no sentido de que qualquer
modalidade desportiva deverá ser planificada e disciplinada por normas técnicas que afastem as
complexidades, dúvidas, e por que não dizer as perplexidades, para garantir o resultado legítimo e justo,
e torná-las de fácil percepção pelos membros da sociedade.
Muito mais se exige. Diante de conflitos emergentes do próprio jogo, os órgãos da justiça
desportiva devem ser céleres e efetivos, frente à dinâmica tópica e operacional de qualquer atividade
desportiva, quando organizada a sua execução em torneios e campeonatos. A simplicidade e a
transparência são atributos indispensáveis para a operabilidade eficiente e eficaz de qualquer
modalidade desportiva.
Uma terceira indagação também é necessária. O Direito Positivo Desportivo, conjunto de
princípios e normas editados pelo Estado legislador pode ser caracterizado como Direito? Ou é ele
apenas o produto de meios e processos técnicos de produção legislativa que se valem as sociedades para
declarar as normas criadas e sedimentadas no seu seio?
Temos a percepção que esse conceito de Direito, como qualquer expressão formal e escrita dos
outros ramos do Direito Posto pelo Estado é apenas um complexo de declarações de poderes humanos,
“poder sobre” e “poder de” sedimentados no meio social, seja ele substancial ou processual, judicial,
administrativo ou legislativo.
Dessa perspectiva afirmamos que o Direito, na sua expressão material como poder, para ser
afirmado é necessário um processo experimental dialético, quer para a capacitação, habilitação ou
legitimação dos sujeitos para a prática de qualquer ato da vida de relação, direta ou indiretamente, ou
para o exercício de qualquer atividade ordinária, econômica ou intelectual.Destarte, formamos a
representação que o Direito como poder é elemento de uma relação jurídica aperfeiçoada, fato cultural e
jurídico que é bombardeado de conceitos, ideias, valores e proposições, que definem entre os sujeitos de
direito os poderes que serão exercidos e os deveres que serão assumidos, e no caso de conflito de
interesses, o poder (direito) que deverá prevalecer. Frise-se que, até os fenômenos percebidos
inicialmente pelo Homem como fenômenos puros da natureza, como o seu nascimento com vida ou a sua
morte, impregnados que são de concepções, tornam-se fatos jurídicos, o que nos faz defender também a
ideia de que o valor não é elemento do Direito, mas sim um pressuposto autônomo que pode influenciar
ou não na exteriorização de vontades, de acordo com as circunstâncias de um determinado evento, que
leva o sujeito de direito agir e conquistar a titularidade de um poder, o Direito no sentido estrito e
técnico que queremos demonstrar. Portanto, o Direito propriamente dito é fenômeno relacional
incontestável, portanto, elemento de relação jurídica, no nosso sentir.
Destarte, o Direito Positivo, em qualquer seguimento da Ciência Jurídica, apenas tipifica e
declara literalmente esse fenômeno social de construção dos poderes que emergem das relações sociais
e, torna-se uma ferramenta do Estado, objetivada pelo processo legislativo, para a ratificação daqueles
quando violados pelos sujeitos da relação.
Quando a sociedade opta pelo Direito consuetudinário, a ratificação dos poderes, portanto, dos
direitos constituídos nas relações jurídicas, constatada qualquer lesão ou ameaça de lesão ao patrimônio
jurídico de um dos sujeitos, é feita por um provimento judicial (sentença ou acórdão) declarado pelo
Estado jurisdição – Poder Judiciário, sem abdicar da possibilidade de conciliação entre os sujeitos
conflitantes (auto composição).
Salta aos olhos pelo exposto, que é fundamental o processo dialético em todos os seus sentidos,
não só para a constituição do direito como poder jurídico e elemento de uma relação jurídica, mas
também quando se constata a sua violação, pois os sujeitos de direito, o Estado, ou quem faça a sua vez,
irá afirmar qual o Direito poder presente ou qual o que deve prevalecer. Assim, o provimento judicial
final, que resolve o conflito de uma pretensão deduzida em juízo é meramente declaratório do direito
constituído no momento do aperfeiçoamento da relação jurídica. Essa sentença emanada do poder de
império do Estado faz prevalecer o poder legítimo, o Direito que fora produzido de acordo como os
valores sociais no momento da formação da relação jurídica. Significa dizer que o valor que subsiste, no
confronto dialético interno, é que adere ao Direito afirmado na relação jurídica, e que diante de um
conflito é ratificado e afirmado pelo Estado por um provimento judicial (sentença ou acórdão). Fato
jurídico esse que, após o trânsito em jurgado, resolve a lide e dá estabilidade à relação jurídica
contaminada, quer seja ela meramente declaratória, constitutiva, condenatória, mandamental ou executivo
lato senso, ou por um negócio ou ato jurídico aperfeiçoado pelos sujeitos conflitantes. Destarte são os
poderes legítimos e legais que são afirmados na sentença ou acórdão, o Direito no sentido técnico e
estrito.
Finalmente, por ser a dialética necessária para afirmar direitos, interesses e valores, quer nos
estados anímicos dos sujeitos da relação jurídica (dialética anímica), quer na fenomenologia social
(dialética substancial), quer na processual conflituosa ou não (dialética processual), não podemos
caracterizar os valores como elementos do direito afirmado pela sociedade, mas sim um ente que o
precede e o acompanha sem perder a sua autonomia, haja vista, serem objetos de confrontos dialéticos
futuros, marca essencial e indispensável da vida em sociedade.
Noutra perspectiva podemos afirmar que o valor é um pressuposto que se apresenta como
impulso para a formação do motivo, que estimula o sujeito de direito, a agir no sentido de adquirir
poderes e assumir deveres, porquanto é fator que influencia o sujeito a agir para realização dos seus
interesses. Portanto, o valor não faz parte da estrutura do direito ou poder, haja vista, ele aderir, aos
objetos mediatos e imediatos de direito. Os valores são sim elementos de outra dialética que se processa
no interior da mente do sujeito, que denominamos de dialética anímica, que é consumada pela definição
do valor que deve prevalecer. O Direito como “poder de” ou “poder sobre” adquirem o seu próprio
valor social e jurídico quando constituídos numa determinada relação jurídica aperfeiçoada, valor esse
que não se confunde com os valores que consubstanciam as dialéticas anímicas e substanciais que
precedem à sua formação e da relação que o contém.

3.2.4 Quarta Dimensão - O espaço e o tempo jurídicos


É cediço que todo ser humano nasce sem fazer opção pela sua existência, quer pelo
processo que determinou a sua evolução como ser dotado de vida e movimento, quer por ser fruto de uma
concepção realizada pela união de dois gametas gerados por dois sujeitos de sexos opostos. Por isso
podemos afirmar que ele é puro efeito da natureza realizado sem manifestação de vontade própria. É o
que também constatamos sobre a nossa ordem planetária que chamamos de Terra, estrutura formada, aos
nossos olhos, por um espaço tridimensional e tempo, conceitos que são objetos de interessantes
proposições filosóficas, desde os filósofos pré-socráticos, até Emanuel Kant, Arthur Schopenhauer, Karl
Pooper, Newton, Einstein entre outros.
Diante de tantas versões sobre o conceito de espaço nas Ciências Naturais e na Filosofia
propomos um mergulho cognitivo para tentar sintetizar uma nova proposição sobre o conceito de espaço,
tendo em vista, que assumimos o relativo ao tempo idealizado por Kant e Schopenhauer (2004) com as
devidas adaptações necessárias para a realidade jurídica.
Todas as argumentações e proposições desses ilustres pensadores sobre esses dois conceitos
estão em confronto, e como são fundamentais para os questionamentos da nossa existência e experiências
passamos a descrever as ideias desses pensadores, para ao final com as nossas próprias razões,
argumentar para sentir até aonde elas podem nos levar, com a perspectiva de que pelo menos sirva de
fundamento para novos confrontos dialéticos, em especial os disciplinados pela Ciência Jurídica.
A remota filosofia de Thales (2004), por volta do século VI a.C. indagava: de que é feito o
mundo? Afirmou ele que tudo devia ser de um único elemento. Hoje sabemos que todos os objetos
materiais são redutíveis a energia, em face do desenvolvimento científico da Física.
Portanto, não podemos negar que o universo é uno, um sistema complexo formado de inúmeros
subsistemas dotados de autonomia, como as galáxias, os sistemas solares, os planetas, as estruturas
inanimadas, e os organismos vivos, com seus órgãos, tecidos, células, moléculas e átomos, todos unidos
pelos, na minha percepção, pelos princípios materiais, da continuidade, da conexão, da superposição e
mobilidade das estruturas, que dotadas de meios e processos produtores de energia provocam a formação
e a deterioração das mesmas, num círculo virtuoso que contempla a vida como o seu maior efeito.
Também da Escola Mileto, Heráclito (2004), século VI a.C. afirmava que tudo é uma reunião de
opostos, ou pelo menos, de tendências opostas, o que significava que a luta e a contradição se uniram
para formar o mundo. Para esse filósofo não é diferente na dimensão concepcional cultural humana. Para
ele a mudança é a lei da vida e do universo, visão que sintoniza com a segunda dimensão defendida nesse
livro, que é composta pelas concepções materializáveis e meramente abstratas criadas pela humanidade.
Assertiva que se revela no mundo cultural pelos processos dialéticos, que afirmamos acontecer em três
planos: no estado anímico do sujeito, na vida de relação para a formação das relações jurídicas, e no
plano processual, diante de um conflito de interesses formado pelo descumprimento de um dever
jurídico, ou por construção política de um grupo social que decide positivar os poderes, deveres e
relações jurídicas sedimentados no meio social. Daí construirmos os conceitos de dialética anímica,
substancial e processual, que vamos enfrentar no momento adequado.
Outro filósofo pré-socrático chamado de Parmênides (2004) afirmou que “tudo deve ter
sempre existido, e não é possível a coisa alguma transformar-se em nada, bem como não pode existir
lacunas na realidade, todo o espaço deve ser preenchido, e o universo é uma única entidade”. Portanto,
tudo é um. Ideias muito parecida com as de Newton (2001), no século XVII, e de Einstein (2001), no
século XX. Essas proposições de Parmênides influenciam muitos a acreditar que somente do ponto de
vista subjetivo de um sujeito poderia haver um agora, que é tópico, momentâneo.
Outras grandes ideias também foram desenvolvidas pela escola Atomista antes de Sócrates pelos
filósofos Leucipo e Demócrito (2001). O primeiro afirmou que tudo e todos são compostos de átomos,
portanto, tudo consiste em uma universalidade de átomos, que compõe o universo. Ao contrário de
Parmênides (2004) que afirmava que o universo era uma realidade contínua. Tudo leva a crer que eles
inauguraram a Física que denominamos hoje de Atômica, pressuposto para o desenvolvimento científico
da Física Quântica.
Importante também para a reflexão que se propõe sobre o espaço são os argumentos de Pitágoras
(2004), que foi o primeiro pensador a fazer a matemática relacionar-se simbioticamente com a filosofia e
as ciências, o que levou Einstein (2001) a crer na existência de uma inteligência construtora,
planificadora, reguladora do universo.
O maravilhoso Emanuel Kant, tal como era chamado pelo filósofo Arthur Schopenhauer, no
século XVIII afirmou que os objetos existem lado a lado, inclusive o Homem, num espaço tridimensional,
e todos eles se atraem mutuamente pela força da gravidade. Já os movimentos e processos se dão ao lado
um do outro numa quarta dimensão. Defende ele que os objetos materiais existem numa estrutura espaço-
temporal, e que se movem em modos que se interconectam causalmente. Espaço e tempo para Kant são
formas de nossa sensibilidade, que não são características das coisas, mas sim da experiência.
Schopenhauer ao tratar do conceito de espaço se identifica com Kant, quando em sua tese
de doutorado intitulada “Sobre a raiz quadrada do princípio da razão suficiente” afirma que a
humanidade tem uma pura intuição dele, e que as verdades matemáticas são conhecidas pelo Homem
porque ele tem por referência o que ele descreve como “a pura intuição sensível do espaço e do tempo”.
Ao nosso sentir, a mais surpreendente de todas as ideias, mesmo diante da ausência de uma razão
científica consolidada, são as proposições filosóficas dos atomistas pré-socráticos, que se sustentam na
afirmativa de que tudo consiste em uma universalidade de átomos, e que o universo é um processo
contínuo e sua estrutura é formada de entidades separadas, demonstrando assim a autonomia contida nos
sistemas presentes no universo. Não há como negar essa visão prematura, que hoje está consolidada pela
física.
Após um breve estudo das ideias e proposições de Schopenhauer e Kant, que declaram não ser o
espaço carácter das coisas, por ser ele pura intuição humana, surgiu uma energia contraditória que
instaurou processos dialéticos anímicos para superarmos a nossa inquietude, que deflagrou a construção
de uma antítese desafiadora das argumentações desses dois ilustres mestres da Filosofia, e que passamos
a demonstrar, para ao final defender que a noção de espaço para o Direito é dissociada da noção de
espaço do mundo fenomênico natural, tendo em vista que a Ciência Jurídica demanda, para a eficiência e
eficácia de suas proposições normativas, formulações específicas culturais, para a realização das suas
funções, social, econômica e política.
Fundamentamos nossas proposições assumindo duas ideias de Karl Popper, quais sejam: a) que a
realidade física existe independentemente da realidade humana, por ser aquela pura e primitiva,
dissociada de qualquer concepção criada pelo Homem, fato que a torna radicalmente diferente da
experiência cultural; b) que a certeza não está disponível na ordem cultural humana, pois impossível
provar e manter para sempre qualquer teoria ou proposição científica, quer nas Ciências da Natureza,
quer nas Ciências Sociais, que abarca a jurídica.
Por tudo que afirmamos fica claro que o espaço é primeiramente percebido pelo homem como um
recurso natural onde ele habita, vive e se movimenta. Mas, com o advento do homem cultural surge o
conceito de território delimitado objetivamente, que além de manter as suas aptidões naturais, passa a ser
objeto de incidências de normas consuetudinárias e positivadas, com base no princípio da soberania
estatal, que determinam que as mesmas tenham, em regra, aplicação dentro do território delimitado pelas
fronteiras do Estado. Esse é o Princípio da Territorialidade (Direito Civil I, 2014, pag.85). Entretanto, há
exceções a esse princípio, que formam o substrato para viabilizar o intercâmbio entre indivíduos
pertencentes a Estados diferentes. Surge assim o sistema da extraterritorialidade que permite que lei
estrangeira, em determinadas situações tenha eficácia no território de um determinado Estado, e vice-
versa.
Destarte, o Princípio da Territorialidade e o conceito de território são flexíveis diante do Direito
Objetivo haja vista, esse sistema normativo definir um alcance mais amplo para o conceito de território,
definindo-o com um alcance objetivo mais amplo, que abarca as embaixadas, consulados, navios de
guerra onde quer que se encontrem navios mercantes em águas territoriais ou em alto-mar, navios
estrangeiros, exceto os de guerra em águas territoriais, aeronaves no espaço aéreo do Estado, e barcos
onde quer que se encontrem.
Revela-se pelo exposto, que o nosso país adotou o sistema da territorialidade moderada, que
admite um conceito mais amplo de espaço, que inclui o subsolo, a superfície, as águas territoriais, o
espaço aéreo, e os espaços formados pelas embarcações e aeronaves.
Fundamental assim o conceito de território estatal para a consolidação dos poderes, deveres,
normas e sanções legitimados nos grupos sociais organizados politicamente no planeta. Portanto, a
solução para as indagações sobre o conceito de espaço, ao nosso sentir está no âmago dos planos dos
conhecimentos, filosófico e jurídico, não nos das Ciências Naturais. Assertiva que fundamenta as nossas
razões contrárias às proposições de Kant (2004) e Schopenhauer (2001), apesar da racionalidade de suas
ideias.
Percebemos ao contrário deles, que o espaço natural não é uma forma de sensibilidade humana,
mas sim uma construção intrínseca da própria existência de todos os elementos e sistemas que compõem
a natureza, nos seus infinitos arranjos, incluindo a própria estrutura orgânica humana. Dessa forma, seja
um elemento químico, um átomo, um próton, um elétron, um nêutron, uma molécula, um tecido, um órgão,
um organismo, ou qualquer sistema autônomo, vivo ou não, todos formam com as suas próprias estruturas
os espaços que ocupam no universo. Assim, exprimem com seus corpos os seus próprios espaços, que
unidos por ligações químicas ou bioquímicas, compõem a ordem natural, que é resultado de todas as
conexões materiais provocadas pelos diversos tipos de energias e forças produzidas pela natureza, seja
pela força da gravidade defendida por Newton, seja pela força da estrutura de espaço-tempo defendida
por Einstein, ou qualquer outra desconhecida pelo Homem. Ademais, quanto à Teoria Geral da
Relatividade criada por esse último espetacular cientista tenho a percepção que as curvaturas no universo
percebidas e declaradas por ele são apenas formas geradas pelas conexões necessárias entre as matérias
e entre os sistemas naturais, porquanto plasticidade imposta pelas energias e forças inerentes à ordem
natural, o que nos autoriza a propor defender a existência do Princípio da Unidade Material e Espacial
do Universo, sem me preocupar, é claro, com as fórmulas matemáticas que podem vir explicá-lo.
Destarte, na nossa visão as matérias não ocupam espaço, elas formam os próprios espaços com
suas estruturas. Revela-se assim, com todos os argumentos e premissas expostos, que o espaço é matéria
e a matéria é espaço. É assim que o percebemos, pois ambos se confundem. O espaço é real por ser a
própria matéria ou matérias unidas, fato natural que é dissociado e não se confunde com as imagens
formadas pelo Homem, representações que o seu sistema neural cria sobre ele, quer estejam no seu
entorno, quer no seu interior orgânico, haja vista, serem os sentidos humanos capazes de criar formas
particulares quando está dentro do seu habitat, conforme as suas características anatômicas, fisiológicas e
psíquicas, que são predeterminadas pelas forças da natureza, pois queiramos ou não somos a própria
personificação da matéria e do espaço, dotada de um sistema autônomo de produção energética, geradora
de forças positivas e negativas, em confronto constante com as outras produzidas pela natureza,
características essas que repercutem na ordem cultural humana, para estabelecer um mundo social
apartado e particular da humanidade, que é bombardeado continuamente, pelas energias e forças criadas
pelas concepções materializáveis ou meramente abstratas, e que se apresentam na vida de relação
cultural como substratos para os conceitos, de dialética anímica, dialética substancial e dialética
processual, por nós criados e defendidos. A primeira, elemento da segunda. Essa compõe uma das seis
dualidades que sustentam a Teoria Duohexadimensional do Direito aqui concebida, desenvolvida e
estruturada, como será demonstrado.
Mesmo diante da extraordinária evolução da Física Quântica nas razões de Albert Einstein
e de Stephen Hawking, que defendem os conceitos de tempo astral e tempo terrestre será necessário para
a defesa das razões que sustentam a nossa teoria, apenas a visão e a ideia do tempo como ele é percebido
pelo ser humano no seu habitat natural, e de sua interação com as normas jurídicas concebidas e vigentes
em cada sociedade estabelecida no planeta.
Entendemos que o tempo, não é uma quarta dimensão, mas sim elemento dela, uma concepção
meramente abstrata inventada pelo homem cultural, que é representada no estado anímico humano a partir
da percepção de elementos que estão no seu entorno, em contínuo movimento gerado pelas energias e
forças da natureza, provocadoras de uma causalidade sistêmica formadora da sensação de que há no
universo, um contínuo processo de transformação, que adornado pelas concepções e métodos específicos
definidos pela Matemática, é mensurado objetivamente por números e fórmulas para delimitar os termos,
a partir de uma data inicial e final de todos os eventos que se revelam no mundo fenomênico cultural
humano, que se inseridos na vida de relação social tornam-se alvos de conceitos jurídicos determinados
e indeterminados, normas e sanções com o escopo de planificar e disciplinar o processo de evolução
civilizatória de cada grupo social presente no planeta, para garantir os poderes de cada sujeito de direito
ou coletivos, consolidados e relacionados na vida socializada. Temos assim a imagem do tempo como
uma invenção humana, concepção meramente abstrata que aliada às fórmulas e métodos da Matemática
tenta delimitar objetivamente a causalidade dos eventos naturais e culturais experimentados pela
humanidade, objetos imediatos de normas jurídicas consuetudinárias ou positivas, que também, pela
constante mutabilidade dos conceitos e valores humanos determinados pelas dialéticas anímica,
substancial e processual, tornam-se objeto de delimitações temporais, para atender a insuperável
finalidade de harmonizar a vida de relação nos seus aspectos, social, econômico e político.
Essa argumentação é que sustenta a doutrina jurídica sobre a vigência e o conflito das leis no
tempo, e cria o postulado que o tempo não é elemento substancial dos fatos jurídicos, mas sim acidental,
premissa firmada que confirma a tese de que ele é uma mera abstração criada pela humanidade, que tem a
aptidão para delimitar a duração ideal de uma relação jurídica, na sua fase lícita ou ilícita, bem como
delimitar no tempo o exercício de um poder jurídico, em suas várias acepções, pela regulamentação dos
institutos da prescrição e da decadência, sem olvidar que há a possibilidade jurídica de exercício de
múltiplos poderes sem os balizamentos temporais declarados pelo Direito positivado pelo Estado ou
reconhecido no seio social, como se apresenta os direitos inerentes à personalidade.
É cediço que as normas e sanções criadas no ambiente social, em regra valem para o futuro, tendo
em vista que a partir de suas sedimentações, outras que incidiam sobre as relações sociais pretéritas
tornam-se banidas do meio social. Esse fenômeno jurídico se dá com as normas de conduta de caráter
geral, bem como com as normas técnicas do ambiente social desportivo, que defendemos como cultura
autônoma no contexto social humanitário. Entretanto, quando a opção do grupo social é pela produção do
Direito Positivo, que pressupõe processos dialéticos legislativos, surge possibilidade de aplicação das
normas positivadas às relações jurídicas pretéritas, com a utilização de dois critérios: o das disposições
transitórias e o da irretroatividade das normas. O primeiro, que tem vigência temporária, tem por escopo
solucionar conflitos entre a incidência da norma nova e a revogada. O segundo tem a finalidade de
garantir a segurança e o equilíbrio da vida de relação, pela preservação de situações jurídicas em que os
direitos e interesses individuais prevalecem, e obviamente não apresentam potencial ameaça de lesão aos
interesses coletivos. Assim, podemos afirmar que a irretroatividade da lei é a regra, mas há a
possibilidade jurídica, diante dos dois critérios usados, de o Direito Positivo definir critérios para a
norma ser retroativa nos seus efeitos em determinados casos específicos.
Outro aspecto interessante sobre a eficiência e eficácia das normas é a possibilidade de
delimitação temporal ou não para a sua vigência. Característica comum é a eficácia das normas gerais
por prazo indeterminado, até que outras as revoguem, mas há possibilidade de produção de normas com
prazo determinado de vigência, definido pelos seguintes critérios objetivos: a delimitação objetiva do
lapso temporal ou enquanto durar circunstâncias fáticas declaradas na lei posta. Mas não podemos
olvidar das peculiaridades das normas técnicas aplicáveis ao desporto, quando se trata da planificação e
regulamentação de competições, que se apresentam com delimitação temporal precisa, enquanto durar a
competição, tendo em vista que esses regimes jurídicos são aperfeiçoados a partir de assembleias
realizadas pelas entidades de prática desportiva ou por determinação das entidades de administração do
desporto, fundada em poderes a elas outorgados. Portanto, o caráter da temporalidade limitada é peculiar
para esse tipo de norma.
Por todos os fundamentos expostos defendemos que a quarta dimensão é formada pela dualidade
espaço e tempo. Não como defendida por Kant, Schopenhauer e Einstein, mas com uma representação de
que o espaço é e sempre será expressão da própria matéria, pois com ela se confunde, por ser produto da
própria existência e experiência universal. O tempo sim, o sentimos apenas, e criamos pressupostos e
elementos concepcionais técnicos e jurídicos para planificar e normatizar a formação, a execução e
resolução das relações jurídicas e dos poderes e deveres que as compõem.

3.2.5 Quinta Dimensão - As dialéticas anímica, substancial e processual


Das premissas e argumentos até agora apresentados, identificamos quatro das seis dimensões
duais necessárias para a formulação de uma primeira representação da teoria proposta, quais sejam: a
primeira constituída pelas ordens natural e cultural. A segunda, formada por uma estrutura ideal cognitiva
composta por concepções meramente abstratas e materializáveis, que atuam no sistema neural humano
como indutoras de representações e vontades geradas, que são objetivadas no plano existencial por
manifestações de vontade, unilateral, bilateral ou plurilateral. A terceira, que substancializa a segunda é
composta por atos de cooperação ou de concorrência praticados pelos sujeitos de Direito no mundo
fenomênico social, traduzidos pelo Direito Objetivo como fatos jurídicos no sentido estrito,
representados por atos e negócios jurídicos, que são consolidados para além dos estados anímicos dos
sujeitos, elementos objetivos, portanto. A quarta, cujo arranjo se apresenta como uma dimensão neutra
transversal às demais é formada pelos conceitos jurídicos estritos de espaço e tempo jurídicos
dissociados dos fenômenos espaço e tempo, que são explicados pela Física, apesar da apropriação
legítima de suas estruturas conceituais.
Conclui-se até onde chegamos que há quatro dualidades dimensionais que sustentam a Teoria
proposta, para explicar o Direito nas suas acepções primordiais, quais sejam: o Direito como “poder
sobre”, e o Direito como “poder de”.
Como efeito dessa primeira tetra-dualidade dimensional, as energias e forças culturais humanas
formaram outro quadrante que é formado pelos vários tipos de conhecimento, quais sejam: o popular, o
religioso, o desportivo e o intelectual, esse último com as versões, científico, filosófico, artístico e
literário, que sempre interagiram, interagem e interagirão para manter o confronto contínuo das energias e
forças materiais e concepcionais, no sentido de garantir o caráter evolutivo transformador das culturas
sedimentadas nas organizações humanas estabelecidas no nosso sítio planetário.
Esse processo cultural demonstra outra dimensão da teoria aqui proposta, que rotulamos como
dimensão dialética, num primeiro plano formado pelas dialéticas anímica e social, que são elementos da
dialética substancial, e da dialética processual. Essa última composta a partir da presença de um conflito
de interesses entre sujeitos relacionados, ou mediante processo legislativo que tem por escopo declarar
os poderes e deveres que são criados no meio social, dois fenômenos que fundamentam os conceitos de
Direito Positivo e Consuetudinário, respectivamente, como afirmado.
Destarte, o Direito como poder para ser constituído em suas várias acepções necessita dessa
batalha ideal cognitiva. A anímica, produto da experiência individual interna, que é eficiente e eficaz
para a objetivação de vontades, mediante declarações formais ou tácitas, que poderão ser materializadas
por ações, condutas e atividades preparatórias e executórias, até a consumação da relação jurídica, com
a união ou não de outras vontades. Formada a relação jurídica, os sujeitos titulam poderes e assumem
deveres jurídicos que serão resolvidos na fase objetiva posterior à formação desse vínculo jurídico.
Quando há o descumprimento dos deveres na fase objetiva, de execução, a ilicitude contamina o vínculo
jurídico, que poderá ser afastada por meios, técnicas e processos idealizados e construídos pelas
organizações sociais, cujos exemplos clássicos são a auto composição, o processo judicial ou
administrativo. O primeiro realizado pelos próprios sujeitos da relação jurídica material, o segundo pelo
Estado administração ou Estado Juiz, ou por quem faça a sua vez, no caso de convencionada a técnica de
arbitragem. Portanto, a ilicitude provocada pelo inadimplemento de um dever jurídico é causa da
construção de outra dialética apartada da dialética substancial, que passamos a chamar de dialética
processual.
Essa dialética, quando travada nas entranhas das organizações estatais é fundada por causas
consideradas pela sociedade como juridicamente relevantes, denominadas de causas de pedir remota e
próxima. A primeira é traduzida pela relação jurídica aperfeiçoada entre sujeitos de direito, ou uma
universalidade formada de relações jurídicas. A segunda por uma ameaça de lesão ou lesão provocada
pelo inadimplemento de um dever jurídico (Constituição da República, artigo 5º, XXXV). Da segunda
causa, emerge o instituto jurídico rotulado juridicamente como pretensão processual, que é materializado
no documento de legitimação petição inicial, que protocolada e distribuída para um órgão do poder
judiciário ou administrativo, mediante o aperfeiçoamento do ato processual citação ou notificação, há a
formação da relação jurídica processual, que será resolvida após a ultimação da denominada dialética
processual por um provimento judicial transitado em julgado (sentença ou acórdão), declaração
unilateral com força coercitiva que emana do Estado. Essa declaração estatal tem a aptidão para
declarar, com o atributo da estabilidade jurídica, o poder que deve prevalecer. Portanto, são atos
jurídicos judiciais que tem a função de pacificar os sujeitos da relação e o ambiente social
desestabilizado pelo descumprimento de um dever jurídico.
Identificamos assim uma nova dualidade formada pela dialética substancial e a dialética
processual. A primeira constituída pela anímica e a substancial no sentido estrito, fenômeno marcado por
atos anteriores ao aperfeiçoamento do vínculo jurídico idealizado pelos sujeitos. A segunda formada pelo
processo, que é uma relação jurídica com aptidão para afastar conflitos de interesse, afirmar e garantir
poderes, com a força de império que o Estado detém, quer por um provimento judicial transitado em
julgado, quer por um processo legislativo produtor de declarações unilaterais do Estado em forma de
Constituições, Emendas Constitucionais, Leis Complementares, Leis Ordinárias, Leis Delegadas,
Decretos Legislativos, e outros atos jurídicos legislativos, executivos e judiciários com poderes estatais
regulamentares.

3.2.6 Sexta Dimensão - Os poderes individual e


social - seus respectivos deveres
Ao descrever as premissas e consubstanciar as proposições da primeira dimensão da teoria aqui
defendida descrevemos os elementos que consideramos fundamentais da ordem natural para a sua
sustentação científica, quais sejam: o Homem, as suas ações, condutas e atividades, e as coisas materiais.
Também demonstramos os fatores subjetivos e objetivos para explicar a causalidade de um fato
vivenciado pelo ser humano, quais sejam: representação, vontade, manifestação da vontade, atos
preparatórios, atos executórios e consumação.
Afirmamos também a aptidão humana para inventar símbolos, como a linguagem falada e escrita,
elementos essenciais para a formação e desenvolvimento da diversidade cultural estabelecida no planeta,
máxime para construir conceitos, institutos, instituições, meios, métodos e processos, proposições e
teorias, desde as ações extrativistas puras até as dotadas de elementos culturais com diversos graus de
sofisticação e tecnologia, como hoje se apresenta.
Defendemos ao propor a segunda dimensão, que a ordem natural limitada ao planeta Terra
representa o seu núcleo fático material que alicerçou e alicerça a construção da ordem cultural, numa
conexão e interação contínuas que foi capaz de consolidar um complexo processo causal, eficiente e
eficaz para a construção dos conhecimentos, popular, religioso, desportivo e intelectual, lastreados pela
segunda dimensão, composta pelo binômio formado por concepções meramente abstratas e as
materializáveis, invenções humanas impulsionadoras de energias e forças que promoveram movimentos
construtivos de hábitos, usos, costumes, conceitos, preconceitos, institutos e instituições, que sustentaram
a criação de inúmeras culturas, e de uma das maiores instituições criadas pela humanidade, o Estado,
composto de pessoas jurídicas de direito público (Código Civil, artigo 41), portanto, sujeito de direito
que assumiu, a partir de um contrato social, acomodação ou submissão, a função de garantir todos os
poderes e deveres jurídicos titulados pelos indivíduos que compõem um determinado grupo social que o
legitimou para tal mister.
Demonstrou-se também que há uma dimensão transversal a todas às outras propostas, formada
pelos quatro tipos de conhecimento criados pelo homem cultural que, a partir de suas interações
produzem energias e forças na estrutura anímica humana, que impulsionam a realização de atos de
cooperação e de concorrência nos diversos ambientes socializados, condutas responsáveis pela formação
de relações jurídicas intersubjetivas ou de sujeição passiva indeterminada, criadoras de poderes e
deveres no meio social, planificadas e declaradas pelo Direito Objetivo, que sustentaram a criação dos
conceitos de legalidade, legitimidade, reprovabilidade e culpabilidade, bem como a manutenção dos
mesmos no meio ambiente socializado.
Demonstra-se com essas razões a terceira dimensão, formada por atos de cooperação e
concorrência, lastros materiais dos ambientes culturais construídos no decorrer da história da
humanidade. Essas ações, condutas e atividades provocaram alterações substanciais exponenciais nas
condutas minimalistas do Homem primitivo, até chegarmos ao complexo estágio civilizatório atual,
impregnado cada vez mais de proposições, teorias e tecnologia.
Declaramos antes de afirmar a quarta dimensão que a lógica da natureza se impõe sobre a lógica
cultural e lastreia todas as ações, condutas e atividades humanas, que bombardeadas ou não de elementos
culturais devem ser realizadas num ponto espacial e, por uma construção pragmática humana, num
determinado lapso temporal, independentemente da determinação ou não do momento, que reflita o
conceito de data ou termo inicial ou final de um determinado evento, ambos declarados e afirmados em
calendários criados pelos grupos sociais, fundamentados por critérios objetivos matemáticos e pelas
lógicas de seus postulados e princípios. Esses elementos, espaço e tempo, formam a quarta dimensão
proposta para explicar o que é o Direito nas suas duas acepções, como “poder sobre” ou “poder de”, que
são, em nosso entendimento, declarados em dois sistemas de princípios e normas que disciplinam os atos
de cooperação e de concorrência operados na vida em sociedade, o Direito Positivo ou Consuetudinário,
que unidos compõem o que chamamos de Direito Objetivo. Persiste assim a proposição das dualidades,
que são alimentadas pela estrutura tetradimensional do conhecimento humano.
A quinta dimensão, formada pelas dialéticas substancial e processual reflete um confronto
permanente entre teses e antíteses, teorias, concepções, proposições, que tentam estruturar e justificar as
condutas e o conhecimento humano, numa incessante produção de premissas, argumentos e proposições,
que se atraem ou se repelem, provocando uniões ou batalhas ideais, que tem por consequência a
sobrevivência ou a sucumbência dos mesmos, e que ao final de seus ciclos determinam qual o poder
jurídico ou ideal que será elemento de uma relação jurídica aperfeiçoada, seja ela material ou
processual. Tudo isso demonstra a natureza mutante da ordem cultural criada pela humanidade.
Por efeito das batalhas campais e ideais travadas no planeta, a humanidade construiu o conceito
de valor, de alcance abrangente entre os seres humanos, diante do universo terrestre multifacetado das
culturas construídas. Os valores, econômico, moral, religioso, ético, jurídico entre outros, passam
revestir todos os elementos da ordem natural e cultural, e se apresentam como energias culturais que
estruturam os motivos que levam os sujeitos a decidir pela apropriação do que é necessário útil ou
voluptuário, para a satisfação de suas pretensões, sem olvidar do valor de sua própria energia pessoal
vital, fator indispensável para exercício de qualquer ação humana, máxime de atividades econômicas,
organizadas ou não, para a produção ou circulação de bens e serviços.
Verifica-se assim que cada confronto dialético tem início no estado anímico do sujeito, cujas
representações e vontades são impregnadas por várias espécies de valores, consubstanciados pelas
sensações de felicidade e do bem gerados pelo potencial efeito a ser alcançado por uma relação pessoal
ou vínculo objetivo com um determinado bem. Fenômenos que justificam a ideia aqui defendida, de que
as dialéticas substancial e processual têm como pressuposto uma ou várias dialéticas anímicas, que
levam o indivíduo decidir pela vontade que deve ser objetivada para viabilizar a formação da relação
jurídica para a apropriação ou manutenção de poderes vinculados a outros sujeitos, bem como a bens
materiais e imateriais que são ofertados no mercado, outra instituição social de indiscutível valor em
qualquer organização sócio-política inventada pelo Homem.
Podemos afirmar por tudo que construímos que vivemos num incessante processo de apropriação
de bens, não só para consumir, usar, gozar, fruir, ou inseri-los num determinado processo produtivo, mas
principalmente para acumular as riquezas produzidas nos sistemas econômicos. Esse processo é
sustentado pela formação de relações jurídicas, também rotuladas de obrigações, fatos jurídicos no
sentido estrito, que são vínculos jurídicos formados entre sujeitos de direito, que assumem poderes e
deveres, nos planos social e individual.
É cediço que um único sujeito, ao participar da vida socializada acumula inúmeras relações, e
esse conjunto composto constitui outro instituto que a Ciência Jurídica chama de Universalidade de
Direito, cuja tipicidade está declarada no artigo 91 (noventa e um) do Código Civil Brasileiro que
abarca, além de outros institutos jurídicos, o instituto denominado patrimônio jurídico de uma pessoa
natural, jurídica ou ente despersonalizado. Esse patrimônio tem uma estrutura também dual revelada por
duas forças jurídicas reveladoras de valores positivos e negativos, como se fossem prótons e elétrons
que constituem um átomo. A face positiva, denominada ativo patrimonial, é formada por relações
jurídicas intersubjetivas ou de sujeição passiva indeterminada. Nas primeiras, o sujeito assume a
situação jurídica de credor, titular de direitos subjetivos de crédito, potestativos; nas outras, titular de
poderes que impõe a todos os outros sujeitos que compõem a sociedade o dever de abstenção, como no
exercício das faculdades e no exercício dos poderes inerentes ao direito de propriedade, posse ou
domínio útil, quais sejam: de dispor, usar, gozar, fruir e reivindicar, um bem material ou imaterial. Assim
sendo, qualquer sujeito, para exercer esses poderes deve ter a permissão dos seus titulares ou da
sociedade que participa.
A face negativa, chamada de passivo obrigacional reúne todas as relações intersubjetivas em que
o titular da universalidade assume o papel de devedor, ou como titular de dever jurídico de se abster
diante dos mesmos poderes que titula no seu ativo patrimonial, mas agora vinculados e titulados por
outros sujeitos de direito.
Todas as reflexões processadas em nossos sistemas neurais e aqui declaradas criaram a
representação de que esse sítio que habitamos chamado de planeta Terra é o universo cultural da
humanidade, portanto, uma universalidade que é constituída de sujeitos de direito, titulares de
universalidades de direito denominadas de patrimônio jurídico, que é composto de relações jurídicas
dotadas ou não de valor econômico, que atribuem aos seus titulares, poderes e deveres jurídicos, de
alcances intersubjetivo ou social, imagem que nos autoriza nominá-los respectivamente, como poder
individual e poder social, circunscritos nas esferas da individualidade de cada sujeito de direito, que são
refletidos nos patrimônios de outros sujeitos de direito como dever individual e dever social, todos,
respectivamente, elementos ativos e passivos que compõem os patrimônios, individual ou social das
pessoas naturais, jurídicas de direito público ou privado, e dos entes despersonalizados. Impregnada,
portanto, a ordem cultural de poderes e deveres, de alcance limitado entre os sujeitos da relação jurídica
intersubjetiva ou de alcance social. São esses poderes e deveres, individual e social, que formam a
última estrutura dimensional da Teoria Duohexadimensional do Direito, e que dão substrato cultural ao
Direito como o poder que tem o seu titular de exigir o cumprimento do objeto imediato assumido pelo
sujeito passivo da relação jurídica, formada pela manifestação livre de vontade, ou pela vontade
coercitiva da sociedade, que é declarada na lei positivada pelo Estado legislador ou jurisdição. Destarte,
o Direito na acepção de poder individual revela-se como “poder sobre”, de alcance intersubjetivo,
portanto limitado aos sujeitos vinculados, haja vista, obrigar apenas o sujeito passivo da relação
jurídica, enquanto o poder social tem sujeição passiva indeterminada, eficácia erga omnes, pois alcança
todos os indivíduos que compõem a sociedade.
Diante das assertivas expostas, cabível uma indagação, em face de o vocábulo poder ter um
sentido lato e um sentido estrito, qual seja: qual o sentido de poder aplicável à Ciência Jurídica?
Antes de responder vamos apontar outra premissa: a de que os dois sentidos de poder emergem
da formação de relações jurídicas, o que nos autoriza afirmar que o Direito como poder e seu respectivo
dever, se apresentam para o sujeito e a sociedade como elementos daquelas relações, que unidas
constituem uma universalidade de direito.
Vamos construir uma sugestão de resposta: o poder é presente na vida de relação. É no primeiro
plano natural poder de fazer, significa dizer que é representado por um verbo. Juridicamente assume duas
acepções, o “poder de” e “poder sobre”. A primeira, que tem um sentido lato, revela ações, condutas,
atividades possíveis, a segunda, que é uma forma da primeira, significa a dominação real sobre outro
sujeito, que é o poder no sentido estrito. O primeiro é considerado potência, a ação possível, como o
poder de ir, vir, ficar, falar, cantar, dançar, compor uma canção. O segundo é o poder de mando que faz
outro sujeito obedecer, que revela uma ordem, restrição, controle. Portanto, poder no sentido estrito, é a
força jurídica de um sujeito de direito sobre um ou uma indeterminação de sujeitos, instituto jurídico
criado pelo Homem, que se materializa em ações, condutas e atividades. Assim, não há poder e dever
senão na vida em sociedade, que é estruturada pelas relações jurídicas e pelas universalidades por elas
formadas.
Frise-se que os dois sentidos de poder são exercidos também pelo Estado, por
ser sujeito de direitos e deveres. Revela-se o Estado, portanto, como sujeito de direito titular de um
patrimônio jurídico formado de relações jurídicas com os mesmos arranjos dos sujeitos privados, mas
com funções especiais. Entre elas está a de produzir o Direito Objetivo escrito que a Ciência jurídica
rotulou de Direito Positivo, que tem por fim planificar e normatizar as relações jurídicas formadas na
vida de relação, inclusive as suas próprias, e para tal o declara formalmente, mediante processos
legislativos fundamentados em dialéticas processuais, realizados pelos parlamentos; e o Direito
Consuetudinário criado e sedimentado pelos grupos sociais organizados politicamente, declarados pelo
Estado jurisdição.
Esse poder de fazer assumido pelo Estado é legitimado pela sociedade e como todos os outros
poderes é fruto dos usos e costumes sedimentados no seio social, que também o legitima responsabilizar
aqueles que não observam as normas jurídicas. Tem também o Estado o “poder sobre”, significa dizer, de
exigir de qualquer sujeito a ele relacionado juridicamente o cumprimento de um dever jurídico assumido
não adimplido.
Frise-se que, quando a sociedade não toma a decisão política de produzir o Direito Positivo,
caberá ao Poder Judiciário diante de conflitos surgidos no ambiente social, declarar o Direito, o poder
que deve prevalecer, mediante a prolação de sentenças ou acórdãos fundado em normas, conceitos,
institutos, instituições e valores sedimentados pela sociedade. Surge assim o conceito de Direito
Consuetudinário, espécie do gênero Direito Objetivo.
Advogamos nesse trabalho, que essa dualidade formada pelo Direito Positivo e Consuetudinário,
não é expressão substancial ou concepcional do Direito que aqui estamos tratando, o “poder sobre” e o
“poder de”, mas sim de declarações que emanam de uma instituição denominada Estado, que fora
legitimado como o representante de todos os sujeitos de direito integrantes de uma sociedade. Portanto, o
Direito objetivo não representa o direito no sentido estrito, mas sim a sua expressão formal, e de todos os
conceitos, institutos, instituições, meios e processos que estruturam o conhecimento jurídico, um dos
seguimentos do conhecimento intelectual científico, rotulado como Ciência Jurídica, que é transversal a
todas as experiências humanas valoradas pela sociedade.
Importante ressaltar que, se as manifestações do Estado são contrárias aos anseios e valores
sociais consolidados, estaremos diante de um falso poder, portanto, de um falso Direito Objetivo
declarado, pois não há “direito sobre” ou “direito de” dissociado das demandas e aspirações da
sociedade. Estaremos assim diante dos conceitos ilegitimidade e reprovabilidade, apesar do conceito de
legalidade muitas vezes esconder os dois primeiros. Também não podemos olvidar que todo o poder
emana do povo, pelo menos nas sociedades que fazem a opção política por um Estado Democrático de
Direito.
Comprova-se por todos os argumentos expostos que o Direito como poder real sobre outro sujeito
é elemento das relações jurídicas, e o Estado apenas o declara, ora por um processo legislativo
construtor do Direito Positivo, ora por um provimento judicial, após uma causalidade dialética
desenvolvida na essência de outra relação jurídica, que a comunidade jurídica científica rotula de
processual, que é fundada numa lesão ou ameaça de lesão provocada por um sujeito de direito ao
patrimônio jurídico de outro.
Cabível assim uma nova indagação: como surge o Direito poder, elemento das relações
jurídicas?
A resposta exige a reflexão de todas as dimensões aqui dispostas. São necessários os elementos
da ordem natural: o ser humano, suas ações, condutas e atividades, as coisas que estão no seu entorno,
que aculturadas são promovidas às seguintes categorias jurídicas: sujeito de direito, fatos jurídicos (atos
e negócios jurídicos – objetos imediatos) e os bens materiais ou imateriais, objetos mediatos de vínculos
jurídicos e do Direito Objetivo. Essa tríade básica é coberta por um campo de força formado pelas
energias culturais produzidas pelas concepções meramente abstratas e materializáveis contidas na
estrutura tetradimensional do conhecimento humano.
Da conscientização coletiva dos quatro seguimentos culturais, os sujeitos de direito passam a
realizar no meio social, atos de cooperação ou de concorrência, que são realizados no espaço e no
tempo, de acordo com os limites territoriais e temporais estabelecidos nas organizações sociais
constituídas. Esses atos consubstanciam a própria história de cada sociedade, e num plano global da
própria humanidade. Essa contextualização material das relações jurídicas formadas por aqueles atos
demonstra a autônoma dimensão formada pelos conceitos de espaço e tempo, para formação do direito
como “poder sobre” e como “poder de”. Essa quarta dimensão é fundamental para definir qual o modus
operandi para a sua formação e exercício, quer no plano material, quer no processual.
Podemos defender, portanto, que não há poder constituído, quer numa relação jurídica tópica,
quer na consciência da sociedade, sem a realização de confrontos dialéticos. O primeiro confronto,
denominamos de dialética anímica, que ocorre no sistema neural de cada sujeito, que valora todas as
concepções positivas e negativas do mundo cultural para, diante de várias vontades geradas, escolher a
que deve ser emitida para o mundo socializado, além de decidir qual a direção de suas ações, para a
formação de uma relação jurídica. O segundo confronto rotulamos de dialética substancial, que contém a
primeira, e que se processa no ambiente social pelo confronto ideal entre os sujeitos de direito. O
terceiro, de dialética processual, que emerge quando, diante de uma lesão ou ameaça de lesão ao
patrimônio jurídico de um sujeito de direito, esse procura uma autoridade maior, em regra o Estado, para
resolver o conflito de interesse instaurado. Sem olvidar da dialética processual que se desenvolve nos
parlamentos para a declaração dos poderes e deveres consolidados na vida de relação, que denominamos
de processo dialético legislativo.
Essas lutas constantes determinam qual o poder que deve prevalecer, quer titulado pelo Estado,
quer pelo sujeito privado.
Todas as dimensões afirmadas conjugadas apresentam-se em contínua transformação e
movimento, cujos fatores são as forças geradas pelas energias dos quatro seguimentos do conhecimento
humano, que interagem provocando a combustão cultural criadora de poderes e deveres.
Por uma lógica indutiva podemos defender a tese de que o poder individual e o poder social se
apresentam, numa última instância, como elementos das relações jurídicas formadas na vida de relação,
que unidas nas esferas individuais de cada sujeito de direito formam os conceitos jurídicos de patrimônio
individual ou social, que unidos formam a estrutura social, que nada mais é do que o complexo de
relações jurídicas aperfeiçoadas em uma determinada sociedade. Sem almejar qualquer tipo de excesso,
afirmamos que todas as sociedades unidas formam a macro vida social planetária, que consiste afinal
num macro complexo de relações jurídicas dotado de inúmeros valores e poderes idealizados pela
humanidade.
Noutro giro, por uma lógica dedutiva ratificadora podemos concluir que a humanidade é do ponto
de vista jurídico, um complexo global de relações jurídicas, que nos dá a ideia de patrimônio jurídico da
humanidade. Esse patrimônio global é fragmentado em vários outros patrimônios nacionais formados nos
limites territoriais de cada país. Esse complexo de relações jurídicas nacionais consiste na soma de
todos os patrimônios jurídicos de cada sujeito de direito, e cada patrimônio individual, um conjunto
composto de relações jurídicas aperfeiçoadas pelos seus titulares, que são estruturadas pelos sujeitos,
objetos imediatos, objetos mediatos com seus respectivos valores, e pelos poderes e deveres titulados
pelos primeiros.
A partir do conceito jurídico de patrimônio, individual ou social, é que podemos identificar as
duas acepções do Direito, como “poder sobre” e como “poder de”. O primeiro sentido, elemento
essencial de qualquer relação jurídica, é revelado por um poder individual que legitima um dos sujeitos
da relação exigir do outro, de outros ou de todos que compõem a sociedade, o cumprimento de um dever.
Emerge, portanto, desse poder individual, o conceito jurídico de direito subjetivo, nas modalidades
definas como direito subjetivo de crédito ou direito potestativo. Portanto, abarca os sentidos poder
individual e social. O segundo demonstra a ideia de poder social frente a todos os outros sujeitos de
direito, que é traduzido pelas faculdades, que independem de manifestação de vontade de outros sujeitos
para a sua objetivação, como o direito ir vir e ficar, desde que não haja invasão na esfera jurídica alheia.
Numa outra perspectiva podemos também concluir que a constituição de um Direito, impõe uma
conexão necessária com um dever recíproco de outro sujeito, o que nos revela que poder e dever são
elementos de uma relação jurídica, e essa se apresenta para os sujeitos relacionados com duas
perspectivas: vínculo ativo e vínculo passivo. A primeira é elemento do patrimônio ativo do sujeito, a
segunda, do seu patrimônio passivo. A soma de todas as relações jurídicas, ativas e passivas, de um
sujeito constitui o que a Ciência Jurídica denomina de Patrimônio jurídico. A totalidade de todas essas
universalidades forma a estrutura social.
Por tudo que até agora construímos podemos afirmar que o Direito, na acepção de poder é
produto das experiências sociais, fenômeno histórico cultural enraizado no imaginário das diversas
organizações sociais implantadas no planeta, que traduz uma concepção de poder, individual ou social,
potencialmente apropriável, que se consolida no meio social pela formação de relações jurídicas.
Portanto, é o Direito elemento da relação jurídica, que para se tornar real na vida dos sujeitos,
necessário o aperfeiçoamento de vínculos jurídicos, subjetivos ou objetivos, esses caracterizados pela
apropriação de um objeto mediato, que pode revelar os poderes jurídicos inerentes ao instituto da
propriedade, posse ou domínio útil.
Chega-se à conclusão que a Teoria Duohexadimensional do Direito alcança todas as atividades
humanas, inclusive a desportiva que declaramos como formadoras da cultura desportiva, por ter essa
também natureza jurídica elemento formador do conceito jurídico de objeto imediato de relações
jurídicas e do Direito objetivo, que tem a peculiaridade de apresentar, além de normas gerais de conduta
aplicáveis a outros seguimentos de atuação humana, normas especiais do próprio jogo, além de uma
justiça desportiva especializada administrativa para solucionar os conflitos surgidos pelo
descumprimento dessas normas técnicas, atividade jurisdicional que é regulamentada primariamente por
normas especiais de processo administrativo, e subsidiariamente pelas normas do Código de Processo
Civil Brasileiro. Assim, o Direito Desportivo na acepção substancial aqui defendida é o poder jurídico
que atletas, entidades de administração e de prática desportiva titulam quando contextualizados numa
relação jurídica formada no seio da economia jurídica desportiva. O conceito de Direito Objetivo
Desportivo, Positivo ou Consuetudinário, apresenta a mesma estrutura dos demais ramos da Ciência
Jurídica.
Finalmente, concluímos que o Direito é poder, elemento de uma relação jurídica. Assim, é
produto das dialéticas anímicas e substanciais que se processam no meio social, e de processos culturais
sustentados sintetizados e degradados nas entranhas do espaço e nos limites do tempo jurídicos.
Temos assim, uma estrutura dual de poder e uma estrutura dual dialética, ambas bombardeadas
pela dimensão tetradimensional do conhecimento. Ademais, não podemos esquecer que a expressão
“Direito Objetivo”, nas acepções Positivo ou Consuetudinário é aqui tratada, apenas como o complexo
de declarações estatais do Direito-poder criado na ordem sócio cultural, com fundamento nas dialéticas
substanciais, e nas processuais realizadas nos parlamentos e no Poder Judiciário, de cada sociedade
organizada no sítio terrestre.
A teoria proposta é Duohexadimensional, tendo em vista que todas as dualidades primordiais
elencadas sofrem a influência da estrutura tetradimensional do conhecimento humano. Mais, as seis
estruturas demonstradas revelam de forma objetiva todas as fases eficientes e eficazes do processo
cultural necessárias para formar todos os poderes e deveres elementos das relações jurídicas
aperfeiçoadas entre sujeitos de direito na vida de relação, entre eles o Direito nos seus vários sentidos
(faculdade, direito subjetivo e direito potestativo), como instituto jurídico consolidado no imaginário
coletivo de todas as organizações sociais construídas.
Diante de todo o exposto afirmamos que o Direito nas suas acepções de “Direito sobre” e
“Direito de”:
a) Não é fato, é elemento dele. Significa dizer, de qualquer relação jurídica material ou
processual aperfeiçoada na vida de relação;
b) Não é valor, pois esse conceito é abrangente a todos os fenômenos naturais e culturais que
geram segurança e felicidade para a humanidade, por traduzir uma sensação positiva pessoal ou
social no meio cultural. Portanto, pressuposto concepcional abstrato que bombardeia o estado
anímico do sujeito de direito, que ao final do processo dialético anímico, escolherá qual deverá
prevalecer para a formação da vontade que será exteriorizada, manifestada, e finalmente;
c) Não é norma, tendo em vista que essa é concepção meramente abstrata crida pelo Homem,
outro produto do meio cultural que legitima todos os poderes e deveres por ele idealizados,
inclusive as espécies de direito contidos nas relações jurídicas. E por ser o Direito elemento
dessas últimas, também o legitima e o reconhece como “poder sobre” e “poder de”.

3.3 CONCLUSÕES

Por todos os fundamentos, conceitos, institutos, instituições e proposições expostos no


desenvolvimento desse trabalho científico, concluímos que a explicação do instituto jurídico rotulado
como Direito é elemento das relações jurídicas aperfeiçoadas no meio social, que estão sempre
vinculadas às seis dimensões descritas que elegemos como aptas para a demonstração dessa
fenomenologia histórica, portanto, cultural presente na vida de qualquer cidadão integrado ao mundo
socializado. A primeira dimensão é constituída pela a ordem natural terrestre, onde se processa no plano
material todas as concepções criadas pelo Homem, que formam as entranhas da autônoma ordem cultural,
também seu elemento, protagonizada pelos seres humanos denominados pela Ciência Jurídica de sujeitos
de direito. A segunda, contida na primeira dimensão dual, na sua estrutura cultural, tem como elementos
as concepções meramente abstratas e materializáveis, que bombardeiam a consciência dos sujeitos de
direito, para gerar energias, forças, reações e movimentos internos, fisiológicos e psíquicos capazes de
instaurar um processo dialético anímico, que consumado leva o sujeito decidir pela vontade que deve ser
emitida para deflagrar um processo substancial capaz de aperfeiçoar uma determinada relação jurídica. A
vontade, individual ou coletiva é objetivada por manifestações que assumem as categorias jurídicas de
atos ou negócios jurídicos.
As vontades emitidas na vida de relação materializam-se em atos de cooperação ou atos de
concorrência que compõem a terceira dimensão. Portanto, com caráter objetivo, precedida de uma fase
subjetiva.
A quarta dimensão espaço-tempo, reveladora da característica de neutralidade acolhe as demais.
É constituída por conceitos jurídicos limitados, que não apresentam afinidade com os conceitos e
fórmulas construídos pela Física para explicar o espaço e o tempo no plano natural, o que demonstra que
há um conceito jurídico específico para essas duas manifestações naturais.
Demonstramos também que o processo dialético anímico é pressuposto do fenômeno que
titulamos de processo dialético substancial que precede a formação do Direito poder, e que há o
contraponto do dever em todas as relações jurídicas, de dar, fazer ou não fazer. Descumprido o dever
jurídico ou ameaçado o patrimônio jurídico titulado por um sujeito de direito surge possibilidade da
formação de um processo dialético processual, cuja superintendência é titulada pelo Estado ou por um
sujeito de direito que faça a sua vez. A decisão proferida por um desses faz nascer outro poder, o de
execução fundado no Princípio da Responsabilização Patrimonial, ou quando a reprovabilidade social da
conduta lesiva é de alto grau, terá a vez a responsabilidade pessoal, que tem a sua máxima expressão nas
penas restritivas de liberdade, sem abdicar da ideia de que há também o processo dialético processual no
processo legislativo para a produção do Direito Positivo, e no processo administrativo, quando a lei
legitima as pessoas jurídicas de direito público resolver conflitos de interesse entre o Estado-
administração e o administrado.
Demonstramos também que o Direito no sentido estrito é poder de um sujeito de direito sobre
outro ou sobre uma indeterminação de sujeitos, ou o poder de agir, fazer, realizar, como se verifica nas
faculdades valoradas e legitimadas no meio social. Buscamos também a claridade para explicar que
essas duas acepções do vocábulo Direito é produto de todas as causalidades sociais contínuas e
autônomas dos processos dialéticos experimentados no meio ambiente cultural pelos sujeitos das
relações jurídicas.
Não deixamos também de demonstrar que esses poderes, o “Direito sobre” e o “Direito de”
podem assumir alcance intersubjetivo ou social, o que justifica os conceitos de poder individual e poder
social, aqui idealizados e declarados.Frisamos numa abordagem inédita que esses poderes que emergem
do meio social são declarados de duas formas: a) pelo Poder Constituinte ou Legislativo, fenômeno
precedido por um processo dialético processual legislativo que consubstancia o Direito Positivo, espécie
de Direito Objetivo, ou b) pelo Poder Judiciário, quando a opção política do grupo social para a
declaração das normas criadas revela-se pelo reconhecimento de usos e costumes sedimentados no meio
sócio cultural, que rotulamos de Direito Consuetudinário, Demonstrou-se, portanto, que essas duas
espécies de Direito Objetivo não se apresentam como o Direito poder nos sentido estrito, portanto
técnico, nas acepções que aqui rotulamos, mas sim, meras universalidades de declarações estatais que
legitimam e declaram quais os poderes que devem produzir efeito nas relações jurídicas, máxime quando
há conflito de interesses entre dois sujeitos de direito.
Finalmente, afirmamos: a) que a Teoria Duohexadimensional do Direito está lastreada nessa
causalidade eficiente e eficaz formadora de relações jurídicas, presente em todas as sociedades
organizadas no planeta, b) e na representação de que as seis dimensões duais aqui demonstradas aliadas
à estrutura tetradimensional do conhecimento humano, formam uma estrutura causal abstrata e ou material
hexa dimensional que viabiliza a produção do Direito Poder nas infinitas relações jurídicas formadas
entre os sujeitos, posto que a diversidade cognitiva humana é transversal e presente em todas as
manifestações culturais produzidas pelo Homem.

4 ANEXOS

4.1 ANEXO I – PROPOSTA DE UMA NOVA ORDEM

JURÍDICA DESPORTIVA BRASILEIRA

4.1.1 Proposta de reforma da nossa Constituição


Desportiva
TÍTULO II
Dos Direitos e Garantias Fundamentais
CAPÍTULO I
Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos
SEÇÃO I
CAPÍTULO II
Dos Direitos Sociais
Art. 6º. São direitos sociais a educação, o desporto, a cultura, a alimentação, o trabalho, a
moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência
aos desamparados, na forma desta Constituição. (Proposta de Emenda Constitucional - alteração)

Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a
segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados,
na forma desta Constituição. (Redação atual da Constituição da República Federativa do Brasil).

TÍTULO III
DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO
Capítulo I
Da Organização Político-administrativa

Art. 20. São bens e poderes jurídicos da União: (Proposta de Emenda Constitucional - alteração)

I - ...; II - ...; III - ...;IV -...; V - ...; VI -...; VII -...; VIII -...; IX -...; X -...; XI -....;

XII - As competências materiais de domínio social e econômico declaradas no artigo 21 desta


Constituição. (Proposta de Emenda Constitucional - alteração)

§ 3º. É considerada competência material de domínio social ou econômico, qualquer ação, conduta
ou atividade exercida pelos entes da federação, direta ou indiretamente mediante concessão, permissão
ou autorização, com exclusividade ou concorrência entre eles, nos termos desta Constituição. (Proposta
de Emenda Constitucional - inovação)

§ 4º. A competência material de domínio social ou econômico é inalienável, admitida a sua


delegação nos termos do artigo 175 desta Constituição, garantida a Reserva de Domínio Social ou
Estatal, que constitui o Poder Jurídico do ente da federação de definir nos contratos e atos
administrativos de delegação pertinentes aos seus objetos imediatos definidos, tempo e espaço nos
programas de trabalho dos agentes econômicos concessionários, permissionários ou autorizados, para a
promoção de publicidade de políticas públicas definidas na Lei de Diretrizes Orçamentárias, na Lei
Orçamentária Anual e no Plano Plurianual de Investimento, intervir extrajudicialmente na gestão e na
organização de suas competências, no sentido de recuperar as universalidades de direito e de fato
afetadas e seus elementos titulados pela sociedade brasileira, garantir e proteger os interesses e direitos
difusos, coletivos, individuais homogêneos e individuais lesados ou ameaçados, bem como
responsabilizar os agentes provocadores de atos ilícitos. (Proposta de Emenda Constitucional -
inovação)

Art. 20. São bens da União: (Redação atual da Constituição da República Federativa do Brasil).
Art. 21. À União são atribuídos os seguintes poderes e competências materiais de domínios social e
econômico: (Proposta de Emenda Constitucional - alteração)

Art. 21. Compete à União: (Redação atual da Constituição da República Federativa do Brasil).

Art. 23. São poderes e competências materiais de domínio social ou econômico comuns da União,
dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios: (Proposta de Emenda Constitucional - alteração)
I – ...; II- ...; III-...; IV-...;

V – Proporcionar os meios de acesso à educação, à cultura, ao desporto educacional e de rendimento


não profissional, à ciência, à tecnologia, à pesquisa e à inovação; (Proposta de Emenda Constitucional
- alteração)

Dispositivo alterado. V – Proporcionar os meios de acesso à cultura, à educação, à ciência, à


tecnologia, à pesquisa e à inovação; (Redação atual da Constituição da República Federativa do
Brasil).

CAPÍTULO III
DOS ESTADOS FEDERADOS
Art. 25. Os Estados organizam-se e regem-se pelas Constituições e leis que adotarem, observados os
princípios desta Constituição. (Redação atual da Constituição da República Federativa do Brasil).

§ 1º São reservados aos Estados os poderes e as competências materiais de domínios social e


econômico que não lhes sejam vedados por esta Constituição. (Proposta de Emenda Constitucional -
alteração)

§ 1º São reservadas aos Estados as competências que não lhes sejam vedadas por esta Constituição.
(Redação atual da Constituição da República Federativa do Brasil).

Art. 26. Incluem-se entre os bens e poderes dos Estados: (Proposta de Emenda Constitucional -
alteração)

Art. 26. Incluem-se entre os bens e poderes dos Estados: (Redação atual da Constituição da
República Federativa do Brasil).

I - ...; II - ...; III -...; IV -....;

V – As competências materiais de domínios social e econômico que não lhes sejam vedadas por esta
Constituição. (Proposta de Emenda Constitucional - alteração)

Art. 30. Aos Municípios são atribuídos os poderes e as seguintes competências legislativas e
materiais de domínio social e econômico. (Proposta de Emenda Constitucional - alteração)
Dispositivo alterado. Art. 30. Compete aos Municípios: (Redação atual da Constituição da
República Federativa do Brasil).
:I - ...; II - ...; III - ...; IV - ...; V - ...;

VI – Manter, com a cooperação técnica e financeira da união e do Estado, programas de educação


infantil, ensino fundamental e médio, culturais, desportivos e de educação física, esses três últimos
contextualizados e transversais nos três primeiros; (Proposta de alteração da Constituição da
República Federativa do Brasil).

Dispositivo alterado. VI - Manter, com a cooperação técnica e financeira da União e do Estado,


programas de educação infantil e de ensino fundamental; (Redação atual da Constituição da República
Federativa do Brasil).

VII - ...; VIII - ...; IX - ....


CAPÍTULO V
DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS
SEÇÃO I
DO DISTRITO FEDERAL
Art. 32. O Distrito Federal, vedada sua divisão em Municípios, reger-se-á por lei orgânica, votada
em dois turnos com interstício mínimo de dez dias, e aprovada por dois terços da Câmara Legislativa,
que a promulgará, atendidos os princípios estabelecidos nesta Constituição. (Redação atual da
Constituição da República Federativa do Brasil).

§ 1º Ao Distrito Federal são atribuídos os poderes, as competências legislativas, materiais e


dominiais reservadas aos Estados e Municípios. (Proposta de Emenda Constitucional - alteração)

§1º Ao Distrito Federal são atribuídas as competências legislativas reservadas aos Estados e
Municípios. (Redação atual da Constituição da República Federativa do Brasil).

Título VI
DA TRIBUTAÇÃO E DO ORÇAMENTO
Capítulo I
DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL
Seção I
Dos Princípios Gerais
Art. 145....; I - ...; II - ...; III - ....
§ 1.º Os impostos diretos terão caráter pessoal e serão graduados segundo a capacidade econômica
do contribuinte, facultado à administração tributária, especialmente para conferir eficiência e eficácia
aos seus objetivos identificar, respeitados os direitos individuais e nos termos da lei, as atividades
econômicas exercidas pelo contribuinte, o seu patrimônio e as disponibilidades financeiras e jurídicas
delas oriundas. Os impostos indiretos, cujas prestações pecuniárias estabelecidas nas relações jurídicas
tributárias são pagas pelo contribuinte de fato, constituem Reserva de Domínio Social ou Estatal, e a sua
retenção pelos contribuintes de direito constituirá crime contra a ordem tributária do tipo Apropriação
Indébita, cujo regime de responsabilidade será o estabelecido para a Apropriação Indébita
Previdenciária, definido em lei. (Proposta de Emenda Constitucional - alteração)

§ 1.º Sempre que possível, os impostos terão caráter pessoal e serão graduados segundo a
capacidade econômica do contribuinte, facultado à administração tributária, especialmente para conferir
efetividade a esses objetivos, identificar, respeitados os direitos individuais e nos termos da lei, o
patrimônio, os rendimentos e as atividades econômicas do contribuinte. (Redação atual da Constituição
da República Federativa do Brasil).

TÍTULO VIII
Da Ordem Social
CAPÍTULO I
Disposição geral
Art. 193. A ordem social tem como base o primado do trabalho e como objetivo o bem-estar e a
justiça social. (Redação atual da Constituição da República Federativa do Brasil).

CAPÍTULO II
Da Seguridade Social
Art. 194 a 204.
CAPÍTULO III
Da Educação, da Cultura e do Desporto
Seção I
Seção II
Seção III
Do Desporto
Art. 217. O Desporto educacional e de rendimento não profissional é direito de todos e dever do
Estado e da família, e serão promovidos e incentivados com a colaboração da sociedade, com o escopo
de potencializar o desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania, sua
qualificação para o trabalho e socialização de suas vocações e aptidões, observados os seguintes
princípios: (Proposta de Emenda Constitucional - alteração)

Art. 217. É dever do Estado fomentar práticas desportivas formais e não formais, como direito de
cada um, observados: (Redação atual da Constituição da República Federativa do Brasil).

I – Da autonomia das entidades de administração do desporto e de prática desportiva, restrita quanto


à sua organização, funcionamento e aplicabilidade de normas técnicas e disciplinares de jogo, sem
prejuízo da aplicabilidade das normas de Direito Público e Privado, em especial do Direito de Empresa,
quando essas entidades assumirem o estado jurídico de entidade desportiva profissional. (Proposta de
Emenda Constitucional - inovação)

I - A autonomia das entidades desportivas dirigentes e associações, quanto a sua organização e


funcionamento; (Redação atual da Constituição da República Federativa do Brasil).

II – Da Destinação Social específica de recursos públicos para a promoção prioritária do desporto


educacional e em casos específicos, para o desporto de rendimento não profissional. (Proposta de
Emenda Constitucional - inovação)

II - A destinação de recursos públicos para a promoção prioritária do desporto educacional e, em


casos específicos, para a do desporto de alto rendimento; (Redação atual da Constituição da República
Federativa do Brasil).

III – Da Diferenciação Substancial, que impõe tratamento diferenciado para o desporto profissional
e o não profissional nos planos social, econômico e jurídico, vedada a transferência de recursos públicos
a qualquer título ou forma contratual da administração pública direta e indireta, inclusive das empresas
públicas e sociedades de economia mista, para as entidades desportivas profissionais. (Proposta de
Emenda Constitucional - inovação)

III - o tratamento diferenciado para o desporto profissional e o não- profissional; (Redação atual da
Constituição da República Federativa do Brasil).
IV - Da Proteção e incentivo às manifestações desportivas de criação nacional. (Proposta de
Emenda Constitucional - inovação)
IV - Da proteção, promoção e incentivo às manifestações desportivas de criação nacional. (Redação
atual da Constituição da República Federativa do Brasil).
V - Da Diferenciação Biológica e Psicológica do desporto praticado por crianças e adolescentes nas
entidades educacionais de ensino e de prática desportiva profissional ou não profissional, que terá a
natureza de Reserva de Domínio Social ou Estatal, subordinado aos princípios e normas dessa
Constituição aplicáveis à educação. (Proposta de Emenda Constitucional - inovação)
VI – Da Legitimidade dos resultados desportivos, que consiste na garantia de expurgar do ambiente
desportivo qualquer ação, conduta ou atividade, capazes de alterar a função social do Desporto e seus
resultados, independentemente da comprovação de dolo ou culpa dos juízes superintendentes do jogo ou
competição. (Proposta de Emenda Constitucional - inovação)
VII - Da Economicidade Lucrativa do desporto profissional, que subordina a prática de atividades
desportivas e outras a elas conexas, aos princípios e normas prescritos no artigo 170 dessa Constituição,
e às demais normas de Direito privado aplicáveis ao exercício da empresa. (Proposta de Emenda
Constitucional - inovação)
VIII – Da Distribuição Igualitária dos efeitos econômico-financeiros da prática desportiva
profissional, que impõe a distribuição igualitária das rendas geradas pela formação de negócios jurídicos
que envolvam a licença de uso de imagem, cujos objetos são a captação, fixação, emissão, transmissão,
retransmissão ou reprodução de imagens, por qualquer meio ou processo, de espetáculo desportivo
profissional de que participem as entidades de prática desportiva profissional e os atletas profissionais,
garantida a participação isonômica percentual nessas rendas geradas pelos últimos na forma da lei
(inciso XXVIII, artigo 5º da Constituição da República). (Proposta de Emenda Constitucional -
inovação)

§ 1º...; § 2º...; § 3º...;

§ 4º. A União instituirá o Conselho Nacional de Justiça Desportiva, órgão colegiado superior de
jurisdição administrativa específica e imediata, vinculado ao Ministério do Esporte, com competência
para processar e julgar eletronicamente, questões polêmicas de jogos em competições profissionais
nacionais e regionais, cuja solução jurídica dependa apenas de meios, processos e recursos tecnológicos,
que demonstre com plenitude e certeza, erro de julgamento nas decisões dos juízes competentes das
partidas, que confronte com o Princípio da legitimidade dos Resultados desportivos, insculpido no inciso
VI deste artigo. (Proposta de Emenda Constitucional - inovação)

§ 5º. O Conselho Nacional de Justiça Desportiva, titular do poder jurídico de declarar a ineficácia
das decisões contrárias ao princípio do inciso VI do caput desse artigo, será composto de 11 (onze)
conselheiros e seus suplentes, de comprovada reputação ilibada e contribuição histórica para o desporto
profissional do nosso país, representantes de 10 (dez) Estados e o Distrito Federal, desvinculados da
Justiça Desportiva comum, escolhidos pelo Ministro de Estado do Esporte, para um mandato de 2 (dois)
anos, permitida uma recondução. (Proposta de Emenda Constitucional - inovação)

§ 6º. É facultado aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios instituir órgãos com conteúdo
e alcance similares ao Conselho Nacional de Justiça Desportiva, para resolver conflitos relativos
às competições administradas por ligas com circunscrição regional e local. (Proposta de
Emenda Constitucional - inovação)

4.1.2 Propostas de alterações no Código Civil


Brasileiro para a consolidação de um
novo Sistema Desportivo Nacional

CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO


Lei n º 10.406/02
TÍTULO II
DAS PESSOAS JURÍDICAS
CAPÍTULO I
DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 44. São pessoas jurídicas de direito privado:
I - ...; II - ...; III -... ; IV - ...; V - ...; VI - ....,
§ 1o ....; § 2o....; § 3o....;

§ 4◦. As pessoas jurídicas de direito privado que desenvolvem atividade desportiva profissional na
forma de associação devem constituir sociedade empresária de fins específicos desportivos, observando
a tipicidade de um dos tipos de Subsidiária Integral Desportiva Limitada (Lei nº 10.406/02, art. 1.052),
Companhia Subsidiária Desportiva Integral (Art. 251-A da Lei nº 6.404/76, ou Sociedade Desportiva de
Economia Mista (Art. 240-A da Lei nº 6.404/76). Os respectivos patrimônios sociais serão formados no
dois primeiros tipos, exclusivamente com a integralização de bens materiais e imateriais vinculados à
atividade profissional da pessoa jurídica primária fundadora, e no segundo, com esses agregados ativos a
outros ativos patrimoniais de outras pessoas naturais, pessoas jurídicas de direito privado ou entes
despersonalizados constituídos conforme as leis brasileiras. (Proposta de alteração do Código Civil
Brasileiro - inovação)

§ 5◦. É obrigatória a constituição e funcionamento dos conselhos de administração e fiscal nas sociedades
desportivas de economia mista. (Proposta de alteração do Código Civil Brasileiro - inovação)

§ 6◦. Os mandatos, a avaliação de desempenho e a responsabilidade dos administradores, no primeiro


tipo do parágrafo § 4◦ subordinam-se às normas aplicáveis às sociedades limitadas, e no segundo, às
normas das sociedades anônimas. (Proposta de alteração do Código Civil Brasileiro - inovação)

CAPÍTULO II
DAS ASSOCIAÇÕES
Art. 53. Constituem-se as associações pela união de pessoas que se organizem para o exercício de
atividade econômica sem finalidade lucrativa, de cunho social ou altruístico. (Proposta de alteração do
Código Civil Brasileiro - inovação)

Dispositivo alterado. Art. 53. Constituem-se as associações pela união de pessoas que se organizem para
fins não econômicos. (Redação atual do Código Civil Brasileiro - inovação)

§ 1◦. Não há entre os associados direitos e obrigações recíprocos. (Redação atual do Código Civil
Brasileiro - inovação)

Dispositivo alterado numericamente. Parágrafo único. Não há entre os associados direitos e obrigações
recíprocos. (Proposta de alteração numérica do Código Civil Brasileiro – alteração numérica)

§ 2◦. A Associação que exercer atividade desportiva profissional deverá constituir, de acordo com
as normas aplicáveis às sociedades empresárias, um dos tipos societários descritos no § 4◦ do artigo 44.
(Proposta de alteração do Código Civil Brasileiro - inovação)

CAPÍTULO III
DAS FUNDAÇÕES
Art. 62. Para criar uma fundação, o seu instituidor fará, por escritura pública ou testamento,
dotação especial de bens livres, especificando o fim a que se destina, e declarando, se quiser, a maneira
de administrá-la.
Parágrafo único. A fundação somente poderá constituir-se para fins de:
I – ...; II – ...; III – ...; IV – ...; V – ...; VI – ...; VII – ...; VIII – ...; IX – ...; e

X – desporto. (Proposta de alteração do Código Civil Brasileiro - inovação)


Dispositivo alterado. X – (Revogado). (Redação atual do Código Civil Brasileiro -
inovação)

LIVRO II
Do Direito de Empresa
TÍTULO I
Do Empresário
CAPÍTULO I
Da Caracterização e da Inscrição

Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para
a produção ou a circulação de bens ou de serviços, com finalidade lucrativa, inclusive a do desporto
profissional. (Proposta de alteração do Código Civil Brasileiro - inovação)

Dispositivo alterado. Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade
econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços. (Redação atual do
Código Civil Brasileiro - inovação)

Parágrafo único. Não se considera empresário quem exerce profissão intelectual de naturezas científica,
literária ou artística, e a desportiva não profissional, com o concurso ou não de auxiliares ou
colaboradores, salvo se o exercício da profissão constituir elemento de empresa. (Proposta de alteração
do Código Civil Brasileiro - inovação)

Parágrafo único. Não se considera empresário quem exerce profissão intelectual, de natureza científica,
literária ou artística, ainda com o concurso de auxiliares ou colaboradores, salvo se o exercício da
profissão constituir elemento de empresa. (Redação atual do Código Civil Brasileiro - inovação)

Da Sociedade Limitada
CAPÍTULO IV
Das Sociedades Limitadas
Seção I
Disposições Preliminares

Art. 1.052. Na sociedade limitada, a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas,
mas todos respondem solidariamente pela integralização do capital social. (Redação atual do Código
Civil Brasileiro - inovação)

Art. 1.052 – A. A Subsidiária Desportiva Integral Limitada, que terá por objeto social o exercício de
atividade desportiva profissional será constituída por uma única associação ou fundação caracterizada
como entidade de prática desportiva profissional, que será titular da totalidade do capital social.
(Proposta de alteração do Código Civil Brasileiro - inovação)

§ 1º O nome empresarial deverá ser formado pelo nome, título de estabelecimento ou qualquer signo
identificador do sócio fundador sedimentado no imaginário social, com a inclusão da expressão "SDIL"
no final da firma ou denominação social da Subsidiária Desportiva Integral Limitada. (Proposta de
alteração do Código Civil Brasileiro - inovação)

§ 2º A pessoa jurídica que constituir Subsidiária Desportiva Integral Limitada, somente poderá figurar em
uma única sociedade desse tipo. (Proposta de alteração do Código Civil Brasileiro - inovação)

§ 3º A Subsidiária Desportiva Integral Limitada também poderá resultar da concentração das quotas de
outra modalidade societária, que tenha o seu quadro social reduzido a um único sócio, independentemente
das razões que motivaram tal concentração, desde que sejam observadas as normas aplicáveis ao
instituto da transformação. (Proposta de alteração do Código Civil Brasileiro - inovação)

§ 4º Poderá ser atribuída à Subsidiária Desportiva Integral Limitada constituída por associações e
fundações, a remuneração decorrente da cessão de direitos patrimoniais decorrentes da exploração da
imagem, nome, título de estabelecimento, marca, e outros direitos da personalidade, titulados por essas
pessoas jurídicas fundadoras. (Proposta de alteração da Código Civil Brasileiro - inovação)

4.1.3 Propostas de alterações da Lei das


Sociedades Anônimas para a consolidação
de um novo Sistema Desportivo Nacional

Lei nº 6.404/76 de 15 de dezembro de 1976


Capítulo XIX
Título I
Das Sociedades de Economia Mista

(Art. 235... Art. 236... Art. 240....)

Título II
Da Sociedade Desportiva de Economia Mista

DA CONSTITUIÇÃO

Art. 240-A. As sociedades desportivas de economia mista, entidade estatutária dotada de personalidade
jurídica de direito privado, idealizada para a exploração de atividade desportiva profissional estão
sujeitas a esta lei, e subsidiariamente às normas da Lei nº 10.406/02 - Código Civil Brasileiro, e serão
constituídas após o cumprimento dos seguintes pressupostos e requisitos: (Proposta de alteração da Lei
das Sociedades Anônimas - inovação)

I – Subscrição de todas as ações ordinárias e preferenciais emitidas em que se divide o capital


social, pelo menos por duas pessoas, sendo uma delas, única e necessariamente, entidade de prática
desportiva envolvida em competições de atletas profissionais, conforme prescrições normativas contidas
nos §§ 9º e 10 do artigo 27 da Lei nº 9.615 de 24 de março de 1998, constituída na forma associativa ou
fundacional, conforme as prescrições normativas dos Capítulos II e III do Título II da Lei nº 10.406/02
(artigos 53 a 69) - Código Civil Brasileiro. (Proposta de alteração da Lei das Sociedades Anônimas -
inovação)
II – Integralização à vista de 50% (cinquenta por cento) do valor nominal das ações emitidas,
representativas do capital social subscritas em dinheiro, cuja prova será produzida por documento que
declare o depósito dos valores em qualquer instituição financeira pública ou privada do Sistema
Financeiro Nacional (CRFB, art. 192), ou em Instituição financeira nacional autorizada pela Comissão de
Valores Mobiliários, quando a sociedade assumir o estado jurídico de Companhia Aberta, de acordo com
o artigo 4º desta lei. O valor remanescente será integralizado nos prazos definidos no estatuto social, que
não poderão ser superiores a 12 (doze) meses. (Proposta de alteração da Lei das Sociedades
Anônimas - inovação)

III – Integralização em qualquer espécie de bens suscetíveis de avaliação monetária, observadas as


normas prescritas no artigo 8º desta lei, que será representativa de pagamentos relativos, à aquisição de
ações ordinárias quando realizada pelas pessoas jurídicas de direito privado declaradas no inciso I, sem
prejuízo da norma estabelecida no § 2º do artigo 27 da Lei nº 9.615/98, e à aquisição de ações
preferenciais, quando realizada por outros investidores subscritores. (Proposta de alteração da Lei das
Sociedades Anônimas - inovação)

IV – A constituição da sociedade desportiva de economia mista poderá ser aperfeiçoada por


subscrição pública ou particular (artigos 82 a 93), e observará os requisitos e as formalidades
complementares prescritas no capítulo VIII (artigos 94 a 99). (Proposta de alteração da Lei das
Sociedades Anônimas - inovação)

Parágrafo único. Apenas os associados de entidade de prática desportiva subscritora de ações ordinárias,
constituídas na forma jurídica de associação poderão subscrever ações preferenciais com direito de voto.
(Proposta de alteração da Lei das Sociedades Anônimas - inovação)

DA SOCIEDADE DESPORTIVA DE CAPITAL ABERTO

Art. 240-B. As sociedades desportivas de economia mista, quando caracterizadas como companhias
abertas, ficarão sujeitas às normas expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários, observadas as
normas especiais limitadoras desse capítulo. (Proposta de alteração da Lei das Sociedades Anônimas -
inovação)

VEDAÇÃO DE COLIGAÇÃO E CONTROLE SOCIETÁRIO EXTERNO OU ALIENÍGENA

Art. 240-C. É vedada à sociedade desportiva de economia mista assumir os estados jurídicos de
sociedade coligada, sociedade controladora ou sociedade controlada, de outra sociedade desportiva.
(Proposta de alteração da Lei das Sociedades Anônimas - inovação)

DA AQUISIÇÃO DO CONTROLE ACIONÁRIO

Art. 240-D. O controle acionário será definido originariamente na constituição da sociedade, e será
exercido exclusivamente pelas pessoas jurídicas de direito privado descrita no inciso I do artigo 240-A,
que subscreverão e integralizarão a maioria das ações com direito de voto, situação jurídica que a
subordina às normas relativas aos deveres jurídicos e responsabilidades do acionista controlador (arts.
116 e 117). (Proposta de alteração da Lei das Sociedades Anônimas - inovação)
DO OBJETO
Art. 240-E. As sociedades desportivas de economia mista terão como atividade econômica principal
formadora do objeto social, a prática do desporto de rendimento, organizado e praticado de modo
profissional, conforme as normas prescritas no inciso III do artigo 3º da Lei nº 9.615/98, na forma do
inciso I do parágrafo único do mesmo dispositivo legal. (Proposta de alteração da Lei das Sociedades
Anônimas - inovação)

Parágrafo único. São consideradas atividades econômicas subsidiárias do objeto social das sociedades
desportivas de economia mista: a administração e investimentos em estádios, ginásios e praças
desportivas, de patrocínio, de licenciamento de uso de marcas e símbolos, de publicidade e de
propaganda; desenvolver: a Educação Física entre os seus sócios, direta ou indiretamente, mediante
contrato aperfeiçoado por associações instituídas por esses, e a comunidade; todos os tipos de esporte
amador e olímpico, diretamente ou em parceria com qualquer sujeito de direito; promover atividades de
caráter artístico, cultural, social e cívico; desenvolver atividades econômicas típicas de empresário em
suas instalações ou virtualmente, desde que ligadas à atividade principal; desenvolver a exploração
econômica de suas instalações, quer por autogestão, ou de forma terceirizada, sob sua supervisão;
explorar economicamente o seu nome, seu título de estabelecimento, e sua marca; planejar e ministrar
cursos de formação intelectual técnica e científica nas áreas, do desporto, da educação e de todas as
culturas humanas, entre outras afins à atividade principal. (Proposta de alteração da Lei das Sociedades
Anônimas - inovação)

DA ADMINISTRAÇÃO (ART. 239 LSA)

Art. 240-F. As sociedades desportivas de economia mista terão obrigatoriamente Conselho de


Administração, assegurado aos sócios preferencialistas o direito de eleger um dos conselheiros.
(Proposta de alteração da Lei das Sociedades Anônimas - inovação)

Parágrafo único. Os poderes, deveres e responsabilidades dos conselheiros são os mesmos dos
administradores das companhias abertas. (Proposta de alteração da Lei das Sociedades Anônimas -
inovação)

DO CONSELHO FISCAL (ART. 240 LSA)

Art. 240-G. Será obrigatória a constituição de Conselho Fiscal com funcionamento permanente, nas
sociedades desportivas de economia mista. (Proposta de alteração da Lei das Sociedades Anônimas -
inovação)

Parágrafo único. O Conselho Fiscal será composto por três conselheiros e três suplentes, que
ostentem a situação jurídica de sócios preferencialistas, que serão eleitos em assembleia geral por voto
aberto dos mesmos. (Proposta de alteração da Lei das Sociedades Anônimas - inovação)

DA EMISSÃO DOS VALORES MOBILÁRIOS

Art. 240-H. É vedado às sociedades desportivas de economia mista emitir Partes Beneficiárias,
Bônus de subscrição, Opção de Compra de Ações, bem como se valer da técnica de autorização para
aumento de capital, independentemente de reforma estatutária, disciplinada no art. 168 desta Lei. (LSA,
ARTS. 46/51; 75/79; 168). (Proposta de alteração da Lei das Sociedades Anônimas - inovação)

Art. 240-i. É vedado às sociedades desportivas de economia mista se valer da técnica de amortização
para emitir ações de fruição (§ 5◦, do art. 44). (Proposta de alteração da Lei das Sociedades Anônimas
- inovação)

Art. 240-J. A sociedade desportiva de economia mista que tiver menos de 20 (vinte) acionistas, e que
apresente patrimônio líquido inferior a R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais), poderá fazer incidir as
normas contidas no artigo 294 desta lei, exceto a contida no seu parágrafo terceiro. (Proposta de
alteração da Lei das Sociedades Anônimas - inovação)

Art. 240-k. As sociedades desportivas de economia mista, desde que observados os pressupostos
e requisitos prescritos na Lei Complementar 123/06, em especial as declaradas no inciso X, do § 4º, do
artigo 3º, poderão ser caracterizadas como microempresário ou empresário de pequeno porte. (Proposta
de alteração da Lei das Sociedades Anônimas - inovação)

Art. 240 L. A denominação da sociedade desportiva de economia mista deverá ser composta
pelo título de estabelecimento ou qualquer signo identificador do sócio fundador sedimentado no
imaginário social, com a inclusão da expressão "SDEM" no final. (Proposta de alteração da Lei das
Sociedades Anônimas - inovação)

SEÇÃO V
Subsidiária Integral
Das subsidiárias Integrais

Art. 251. A companhia pode ser constituída, mediante escritura pública, tendo como único acionista,
sociedade brasileira. (Redação atual da Lei das Sociedades Anônimas)

§ lº A sociedade que subscrever em bens o capital de subsidiária integral deverá aprovar o


laudo de avaliação de que trata o artigo 8º, respondendo nos termos do § 6º do artigo 8º e do artigo 10 e
seu parágrafo único. (Redação atual da Lei das Sociedades Anônimas)

§ 2º A companhia pode ser convertida em subsidiária integral mediante aquisição, por sociedade
brasileira, de todas as suas ações, ou nos termos do artigo 252. (Redação atual da Lei das Sociedades
Anônimas)

Art. 251- A. A Companhia Subsidiária Desportiva Integral, que terá por objeto social o exercício de
atividade desportiva profissional, será constituída mediante escritura pública, por uma única associação
ou fundação, qualificada como entidade de prática desportiva profissional, que será titular da totalidade
do seu capital social. (Proposta de alteração da Lei das Sociedades Anônimas - inovação)

§ 1º O nome empresarial deverá ser formado pelo título de estabelecimento ou qualquer signo
identificador do sócio fundador sedimentado no imaginário social, com a inclusão da expressão
sigla "CSDI" ou por extenso no final da denominação social da Companhia Subsidiária Desportiva
Integral. (Proposta de alteração da Lei das Sociedades Anônimas - inovação)

§ 2º A pessoa jurídica que constituir Companhia Subsidiária Desportiva Integral, somente poderá
figurar em uma única sociedade desse tipo. (Proposta de alteração da Lei das Sociedades Anônimas -
inovação)

§ 3º A Companhia Subsidiária Desportiva Integral também poderá resultar da concentração das


quotas de outra modalidade societária, que tenha o seu quadro social reduzido a um único sócio,
independentemente das razões que motivaram tal concentração, desde que sejam observadas as normas
aplicáveis ao instituto da transformação. (Proposta de alteração da Lei das Sociedades Anônimas -
inovação)

§ 4º Poderá ser atribuída à Companhia Subsidiária Desportiva Integral constituída por associações e
fundações, a remuneração decorrente da cessão de direitos patrimoniais decorrentes da exploração da
imagem, nome, título de estabelecimento, marca, e outros direitos da personalidade, titulados por essas
pessoas jurídicas fundadoras. (Proposta de alteração da Lei das Sociedades Anônimas - inovação)

4.1.4 Propostas de alterações do Estatuto da Microempresa e da Empresa de pequeno porte para a


consolidação de um novo Sistema Desportivo Nacional

ESTATUTO DA MICROEMPRESA
Lei Complementar n◦ 123/06

Art. 1o Esta Lei Complementar estabelece normas gerais relativas ao tratamento diferenciado e
favorecido a ser dispensado às microempresas e empresas de pequeno porte no âmbito dos Poderes da
União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, especialmente no que se refere: (Redação
atual do Estatuto da Microempresa)

DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA E DE EMPRESA DE PEQUENO PORTE

Art. 3º Para os efeitos desta Lei Complementar consideram-se microempresas ou empresas de pequeno
porte, a sociedade empresária, a sociedade simples, a empresa individual de responsabilidade limitada e
o empresário a que se refere o art. 966 da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil),
devidamente registrados no Registro de Empresas Mercantis ou no Registro Civil de Pessoas Jurídicas,
conforme o caso, desde que: (Redação atual do Estatuto da Microempresa)

I -...; II - ...; § 1º.... § 2º...; §3º...;

§ 4º Não poderá se beneficiar do tratamento jurídico diferenciado previsto nesta Lei


Complementar, incluído o regime de que trata o art. 12 desta Lei Complementar, para nenhum
efeito legal, a pessoa jurídica: (Redação atual do Estatuto da Microempresa)

I - ... ; II - ...; III -...; IV - ...; V - ...; VI - ...; VII - ... ; VIII - ...; IX - ...

X – constituída sob a forma de sociedade por ações, exceto se constituída na modalidade de


Sociedade Desportiva de Economia Mista, ou Companhia Subsidiária Desportiva Integral, que ficarão
obrigadas, para gozarem dos benefícios dessa lei investir 50% (cinquenta por cento) dos valores
recebidos sob o título de cláusula indenizatória desportiva, prescrita no artigo 28, inciso I, alíneas “a” e
“b”, da Lei 9.615/98, em infraestrutura desportiva e recursos humanos especializados em pesquisa e
treinamento do desporto de rendimento profissional e às categorias de base. Do total da receita sob esse
título 50% será investido nas categorias de base. A prestação de contas da aplicação desses recursos no
desporto profissional será realizada anualmente, na Confederação Brasileira de Futebol – CBF, e nas
categorias de base ao Ministério Público Estadual sob pena de suspensão ou desfiliação das entidades de
prática desportiva profissional transgressoras. (Proposta de alteração do Estatuto da Microempresa -
inovação)
X - constituída sob a forma de sociedade por ações. (Redação atual do Estatuto da Microempresa)

ALTERAÇÃO DO PARÁGRAFO PRIMEIRO DO ARTIGO 18 – A DA LEI COMPLEMENTAR


nº 123/05 PARA ENQUADRAR O ATLETA PROFISSIONAL AUTÔNOMO COMO
MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

Art. 18 – A...
§ 1º. Para os efeitos desta Lei Complementar considera-se MEI o empresário individual a que se
refere o artigo 966 da Lei nº 10.406/02 (Código Civil Brasileiro) e o atleta profissional autônomo
declarado nos termos do seu parágrafo único, que tenham auferido receita bruta no ano-calendário
anterior, de até R$ 60.000,00 (sessenta mil reais), optante pelo Simples Nacional, e que não esteja
impedido de optar pela sistemática prevista nesse artigo. (Proposta de alteração do Estatuto da
Microempresa - inovação)

4.1.5 Propostas de alterações da Lei Pelé para a


consolidação de um novo Sistema
Desportivo Nacional

ALTERAÇÕES DA LEI N 9.615/98


Lei Pelé
CAPÍTULO I
DISPOSIÇÕES INICIAIS
Art. 1o ...
§ 1o ...; § 2o ....

Art. 2◦. O desporto educacional e de rendimento não profissional é direito de todos e dever do
Estado e da Família, e terão como base os seguintes princípios: (Proposta de alteração da Lei Pelé -
inovação)

Art. 2o O desporto, como direito individual, tem como base os princípios: (Redação atual da Lei
n. 9.615/98)

I - ...; II -...; III -...; IV -...;

V – do direito social caracterizado pelo dever do Estado em planejar, promover e fomentar


práticas desportivas formais e não-formais; (Proposta de alteração da Lei Pelé - inovação)

V - do direito social, caracterizado pelo dever do Estado em fomentar as práticas desportivas


formais e não-formais; (Redação atual da Lei n. 9.615/98)

VI – da diferenciação, consubstanciado no tratamento específico dado ao desporto educacional,


de participação e de rendimento não profissional. O desporto profissional subordina-se ao Direito da
Empresa. (Proposta de alteração da Lei Pelé - inovação)

VI - da diferenciação, consubstanciado no tratamento específico dado ao desporto profissional e


não profissional; (Proposta de alteração da Lei Pelé - inovação)
VII -...; VIII -...; IX -...; X -...; XI -...; XII - ...

§ 1◦. O dever do Estado com o desporto não profissional será transversal a todas as suas ações,
condutas e atividades garantidoras declaradas no artigo 208 desta Constituição, relativas à educação.
(Proposta de alteração da Lei Pelé - inovação)

§ 2◦. A exploração e gestão do desporto profissional constitui exercício de atividade econômica


com finalidade lucrativa que se subordinará ao Direito da Empresa, regulado nas Leis, nº 10.406/02 –
Código Civil Brasileiro, nº 6.404;76, Lei Complementar 123/06 – Estatuto da Microempresa e Empresa
de Pequeno Porte, e às leis especiais com pertinência objetiva, além de atender aos seguintes princípios:
(Proposta de alteração da Lei Pelé - inovação)

I - ...; II - ...; III - ...;

IV – do tratamento diferenciado em relação ao desporto não profissional, inclusive ao praticado


nas categorias de base das entidades de prática desportiva profissional, que terá a natureza de Reserva
de Domínio social ou Estatal, subordinando-se aos princípios e normas do Estatuto da Criança e do
Adolescente - lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 e da Constituição aplicáveis à educação; (Proposta
de alteração da Lei Pelé - inovação)
Dispositivo alterado. IV - do tratamento diferenciado em relação ao desporto não profissional. (Redação
da Lei n. 9.615/98)

CAPÍTULO III
DA NATUREZA E DAS FINALIDADES DO DESPORTO
Art. 3o O desporto pode ser reconhecido em qualquer das seguintes manifestações:
I – desporto educacional, praticado obrigatoriamente nos sistemas de ensino formal, e em formas
assistemáticas de educação, com os fins primordiais de alcançar o desenvolvimento integral do indivíduo
com base na seletividade meritória, sua formação para o exercício da cidadania, e a prática do lazer,
todos sem o estímulo do alto rendimento, que se apresentado como vocação e aptidão do desportista, será
sempre realizado mediante o planejamento, gerenciamento e execução de equipe multiprofissional
experiente e de capacidade científico-profissional comprovada no meio acadêmico e científico, da
Biomecânica, Educação Física, Fisiologia, Medicina, Nutrição e Psicologia do Esporte. (Proposta de
alteração da Lei Pelé - inovação)
I - desporto educacional, praticado nos sistemas de ensino e em formas assistemáticas de
educação, evitando-se a seletividade, a hipercompetitividade de seus praticantes, com a finalidade de
alcançar o desenvolvimento integral do indivíduo e a sua formação para o exercício da cidadania e a
prática do lazer; (Redação atual da Lei n. 9.615/98)

II - ...;

III – desporto de rendimento, praticado segundo princípios e normas da Constituição da República,


desta Lei e normas de prática desportiva, nacionais e internacionais, tem a finalidade de obter resultados
e integrar pessoas e comunidades do País, e estas com as de outras nações, observada a parte final do
inciso I deste artigo. (Proposta de alteração da Lei Pelé - inovação)
III - desporto de rendimento, praticado segundo normas gerais desta Lei e regras de prática
desportiva, nacionais e internacionais, com a finalidade de obter resultados e integrar pessoas e
comunidades do País e estas com as de outras nações. (Redação atual da Lei n. 9.615/98)

IV – desporto de formação, caracterizado pelo fomento e aquisição inicial dos conhecimentos


desportivos que garantam competência técnica em intervenções desportivas, com o objetivo de promover
o aperfeiçoamento qualitativo e quantitativo da prática desportiva, em termos recreativos, competitivos
ou de alto rendimento, observada para esse último a parte final do inciso I deste artigo. (Proposta de
alteração da Lei Pelé - inovação)

IV - desporto de formação, caracterizado pelo fomento e aquisição inicial dos conhecimentos


desportivos que garantam competência técnica na intervenção desportiva, com o objetivo de promover o
aperfeiçoamento qualitativo e quantitativo da prática desportiva em termos recreativos, competitivos ou
de alta competição. (Redação atual da Lei n. 9.615/98)

CAPÍTULO IV
DO SISTEMA BRASILEIRO DO DESPORTO
Seção I
Da composição e dos objetivos

Art. 4o O Sistema Brasileiro do Desporto compreende:


I - O Ministério do Esporte;
II - (Revogado)
III - O Conselho Nacional do Esporte - CNE;
IV - O sistema nacional do desporto e os sistemas de desporto dos Estados, do Distrito Federal e
dos Municípios, organizados de forma autônoma e em regime de colaboração, integrados por vínculos de
natureza técnica específicos de cada modalidade desportiva.

§ 1 ◦....

§ 2 ◦. A organização desportiva do País é considerada de relevância pública e de elevado interesse


nacional, integra o patrimônio cultural brasileiro, inclusive para os fins do disposto nos incisos I, II, “d”
e III, “e” e V, “a” do art. 5◦ da Lei Complementar n◦ 75, de 20 de maio de 1993, será fundada no
Princípio da Liberdade de Associação quando o desporto for praticado de forma não profissional, e
constitui Reserva de Domínio Social ou Estatal, de acordo com os §§ 1◦ e 2◦ do art. 20 da Constituição
da República. (Proposta de alteração da Lei Pelé - inovação)

§ 2o A organização desportiva do País, fundada na liberdade de associação, integra o patrimônio


cultural brasileiro e é considerada de elevado interesse social, inclusive para os fins do disposto nos
incisos I e III do art. 5o da Lei Complementar no 75, de 20 de maio de 1993. (Redação atual da Lei n.
9.615/98)

§ 3 ◦ Quando o desporto for organizado e praticado de modo profissional obedecerá aos Princípios
Gerais da Atividade Econômica declarados no artigo 170 da Constituição da República e ao Direito da
Empresa. (Proposta de alteração da Lei Pelé - inovação)
Seção II

DOS RECURSOS DO MINISTÉRIO DO ESPORTE



Art. 5o Os recursos do Ministério do Esporte serão aplicados conforme dispuser o Plano Nacional
do Desporto, observado o disposto nesta Seção.
§ 1◦...; § 2 ◦ ...; § 3º

Art. 6o Constituem recursos do Ministério do Esporte:


I - ...; II - ...; III - ...; IV - ...; V - ...; VI - ...; VII - (VETADO);

§ 1o ....

§ 2o. Do valor total do adicional de 4,5 % (quatro e meio por cento) de que trata o inciso II deste
artigo, e do valor total dos prêmios de concursos de prognósticos não reclamados do inciso IV, 1/3 será
repassado aos Estados e ao Distrito Federal, proporcionalmente ao montante das apostas efetuadas em
cada unidade da Federação, para a aplicação prioritária no desporto educacional olímpico e
paraolímpico, admitida sua aplicação nas destinações previstas nos incisos I, VI e VIII do artigo 7o desta
Lei. (Proposta de alteração da Lei Pelé - inovação)

§ 2o Do adicional de 4,5% (quatro e meio por cento) de que trata o inciso II deste artigo, 1/3 (um
terço) será repassado às Secretarias de Esporte dos Estados e do Distrito Federal ou, na inexistência
destas, a órgãos que tenham atribuições semelhantes na área do esporte, proporcionalmente ao montante
das apostas efetuadas em cada unidade da Federação, para aplicação prioritária em jogos escolares de
esportes olímpicos e paraolímpicos, admitida também sua aplicação nas destinações previstas nos
incisos I, VI e VIII do art. 7o desta Lei. (Redação atual da Lei Pelé)

§ 3o. Do valor total repassado aos Estados e ao Distrito Federal na forma do § 2o, 50% (cinquenta
por cento) pertence aos municípios, cujos valores serão repassados imediatamente pelos primeiros aos
seus respectivos municípios, observada a proporção do montante das apostas realizadas em seus
territórios. Todos os recursos financeiros transferidos serão aplicados integralmente e prioritariamente
em atividades finalísticas do desporto educacional olímpico e paraolímpico, e de rendimento não
profissional, este, observados os pressupostos e requisitos da parte final do inciso I do artigo 3 ◦ desta
Lei. (Proposta de alteração da Lei Pelé - inovação)

§ 3o. A parcela repassada aos Estados e ao Distrito Federal na forma do § 2o será aplicada
integralmente em atividades finalísticas do esporte, sendo pelo menos 50% (cinquenta por cento)
investidos em projetos apresentados pelos Municípios ou, na falta de projetos, em ações governamentais
em benefício dos Municípios. (Redação atual da Lei n. 9.615/98)
§ 4o. ....
Art. 7o. ...

Art. 8o. A arrecadação total obtida nos testes da Loteria Esportiva e em todos os jogos de concurso
de prognósticos autorizados pelo governo federal terá a seguinte destinação: (Proposta de alteração da
Lei Pelé – inovação)

I – 40 % (quarenta por cento) para pagamento dos prêmios, incluindo o valor correspondente ao
imposto de renda; (Proposta de alteração da Lei Pelé - inovação)

I - quarenta e cinco por cento para pagamento dos prêmios, incluindo o valor correspondente ao
imposto sobre a renda; (Redação atual da Lei n. 9.615/98)

II – 5 % (três por cento) para a Caixa Econômica Federal – CEF, destinados ao custeio total da
administração dos recursos e prognósticos desportivos; (Proposta de alteração da Lei Pelé - inovação)

II - vinte por cento para a Caixa Econômica Federal - CEF, destinados ao custeio total da
administração dos recursos e prognósticos desportivos; (Redação atual da Lei n. 9.615/98)
III - ...; IV - ....;

V – 15 % (quinze por cento) para a Seguridade Social. (Proposta de alteração da Lei Pelé -
inovação)

V - 10% (dez por cento) para a Seguridade Social. (Redação atual da Lei n. 9.615/98)

VI – 5 % (cinco por cento) para os Estados, cujas rendas serão distribuídas proporcionalmente ao
montante das apostas efetuadas em cada unidade da Federação, para a aplicação prioritária no desporto
educacional, olímpico e paraolímpico, admitida sua aplicação nas destinações previstas nos incisos I, VI
e VIII do artigo 7o desta Lei. (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação. Agregado esse inciso)

VII - 10 % (dez por cento) para o Distrito Federal e os municípios, que serão distribuídos
proporcionalmente ao montante das apostas efetuadas em cada unidade da Federação, para a aplicação
prioritária no desporto educacional, olímpico e paraolímpico, admitida sua aplicação nas destinações
previstas nos incisos I, VI e VIII do artigo 7o desta Lei. (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação.
Agregado esse inciso)

Parágrafo Único. Os Estados, O Distrito Federal e os Municípios poderão delegar a execução dos
programas de trabalho desportivos, definidos na Lei Orçamentária Anual, na Lei de Diretrizes
Orçamentárias e no Plano Plurianual de Investimento às fundações públicas por eles instituídas, desde
que observados os pressupostos e requisitos do inciso XIX do artigo 37 da Constituição da República, e
as prescrições legais pertinentes às suas constituições. (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação.
Agregado esse parágrafo único)

OBSERVAÇÕES

As alterações propostas nos incisos I, II, V do artigo 8o da Lei Pelé, bem como a criação dos
incisos VI e VII proporcionarão aos estados e municípios uma receita de aproximadamente 1,5 bilhões de
reais ao ano para investirem no desporto educacional, olímpico e paraolímpico, quer em recursos
humanos, quer em infraestrutura, tendo em vista que a arrecadação dos jogos de prognósticos autorizados
pelo poder público, e administrados pela Caixa Econômica Federal em 2014 somaram aproximadamente
R$ 13,5 bilhões de reais, que corrigidos pela inflação chega a 15 bilhões de reais. Portanto, 750 milhões
de reais serão destinados para a Caixa Econômica Federal, 2,250 bilhões para a seguridade social, 750
milhões para os Estados, e 1,5 bilhões para o Distrito Federal e Municípios. Frise-se que o percentual de
20 % destinado a um Banco Comercial, para promover sorteios e distribuir os recursos fere o Princípio
da Moralidade prescrito no caput do artigo 37 da Constituição da República.

Seção IV
DO SISTEMA NACIONAL DO DESPORTO

Art. 13. O Sistema Nacional do Desporto tem por finalidade promover e aprimorar as práticas
desportivas de rendimento.

§ 1o O Sistema Nacional do Desporto congrega as pessoas naturais, jurídicas de direito público


e privado e entes despersonalizados que tenham por objeto atividades encarregadas da
administração, coordenação, normatização, apoio e prática do desporto de rendimento, exercidas
com ou sem fim lucrativo, bem como as incumbidas da Justiça Desportiva e especialmente:
(Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação)

Parágrafo único. O Sistema Nacional do Desporto congrega as pessoas físicas e jurídicas de direito
privado, com ou sem fins lucrativos, encarregadas da coordenação, administração, normatização, apoio e
prática do desporto, bem como as incumbidas da Justiça Desportiva e, especialmente: (Redação atual da
Lei n. 9.615/98 - alterada)

I - o Comitê Olímpico Brasileiro - COB;


II - o Comitê Paraolímpico Brasileiro - CPB;
III - as entidades nacionais de administração do desporto;
IV - as entidades regionais de administração do desporto;
V - as ligas regionais e nacionais;
VI - as entidades de prática desportiva filiadas ou não àquelas referidas nos incisos anteriores.
VII - a Confederação Brasileira de Clubes.

O ARTIGO 13 DA LEI PELÉ PASSA A TER O INCISO VIII E O PARÁGRAFO SEGUNDO,


COM OS SEGUINTES TEORES NORMATIVOS:

VIII – As fundações instituídas pelos entes da federação da República, observados os


pressupostos e requisitos do inciso XIX do artigo 37 da Constituição. (Proposta de alteração da Lei
Pelé – inovação. Agregado esse inciso)

§ 2o. As entidades desportivas do inciso III, IV, V e VI constituídas sob a forma de associação,
que tem por objeto a administração, coordenação e normatização técnica de desporto profissional
deverão adotar uma das formas de sociedade empresária de propósito específico, com a aplicação ou
não das técnicas de reorganização societária, de acordo com as tipicidades elencadas na Lei n. 10.406/02
- Código Civil Brasileiro, e na Lei n. 6.404/76 – Lei das Sociedades Anônimas. Aplicam-se a essas
sociedades constituídas ou transformadas as normas de responsabilização do tipo societário constituído,
e subsidiariamente, e no que com ela for compatível, o disposto para a sociedade simples (Código Civil,
artigos 1010 a 1021). (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação. Agregado esse parágrafo)

Art. 14. O Comitê Olímpico Brasileiro - COB, o Comitê Paraolímpico Brasileiro - CPB e as
entidades nacionais de administração do desporto, que lhes são filiadas ou vinculadas, constituem
subsistema específico do Sistema Nacional do Desporto. (Redação atual da Lei n. 9.615/98)

§ 1 ◦ Aplica-se aos comitês e às entidades referidas no parágrafo primeiro o disposto no inciso III
do art. 217 da Constituição da República, desde que seus estatutos ou contratos sociais estejam
plenamente de acordo com as disposições constitucionais e legais aplicáveis, e que os recursos públicos
não tenham destinação para o desporto profissional. O desvio dos recursos para outras atividades ou
objetos imediatos constituirá crime contra a ordem desportiva, e obrigará os administradores e terceiros
que concorreram para o ato ilícito o ressarcimento das quantias desviadas, com correção monetária,
juros e o pagamento de multa proporcional de 100 % sobre o valor corrigido. (Proposta de alteração da
Lei Pelé – inovação e alteração)

§ 1o. Aplica-se aos comitês e às entidades referidas no caput o disposto no inciso II do art. 217 da
Constituição Federal, desde que seus estatutos ou contratos sociais estejam plenamente de acordo com
as disposições constitucionais e legais aplicáveis. (Redação atual da Lei n. 9.615/98)
§ 2o....
Art. 16. As entidades de prática desportiva e as entidades de administração do desporto não
profissional, bem como as ligas de que trata o art. 20, são pessoas jurídicas de direito público ou
privado, com organização e funcionamento autônomos, e terão as competências definidas em seus
estatutos ou contratos sociais. (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação e alteração)

Art. 16. As entidades de prática desportiva e as entidades de administração do desporto, bem como
as ligas de que trata o art. 20, são pessoas jurídicas de direito privado, com organização e funcionamento
autônomo, e terão as competências definidas em seus estatutos ou contratos sociais. (Redação da Lei n.
9.615/98)
§ 1o. As entidades nacionais de administração do desporto poderão filiar, nos termos de
seus estatutos ou contratos sociais, entidades regionais de administração e entidades de prática
desportiva, desde que tenha pertinência quanto ao objeto imediato exercido. (Proposta de alteração da
Lei Pelé – inovação)

§ 1o. As entidades nacionais de administração do desporto poderão filiar, nos termos de seus
estatutos ou contratos sociais, entidades regionais de administração e entidades de prática
desportiva. (Redação da Lei n. 9.615/98)
§ 2o....
§ 3o. É facultada a filiação direta de atletas profissionais ou não profissionais, nos termos previstos
nos estatutos ou contratos sociais das respectivas entidades de administração do desporto. (Proposta de
alteração da Lei Pelé – inovação e alteração)

§ 3o. É facultada a filiação direta de atletas nos termos previstos nos estatutos ou contratos sociais
das respectivas entidades de administração do desporto. (Redação da Lei n. 9.615/98 - alterada)

Art. 18. Somente serão beneficiadas com isenções fiscais e repasses de recursos públicos da União,
dos Estados, do Distrito Federal e Municípios, da administração direta e indireta, nos termos do inciso
III do art. 217 da Constituição da República, as entidades do Sistema Nacional do Desporto que tenha
por objeto imediato exclusivo o desporto não profissional que: (Proposta de alteração da Lei Pelé –
inovação e alteração)

Art. 18. Somente serão beneficiadas com isenções fiscais e repasses de recursos públicos federais
da administração direta e indireta, nos termos do inciso II do art. 217 da Constituição Federal, as
entidades do Sistema Nacional do Desporto que: (Redação da Lei n. 9.615/98 - alterada)

I - ...; II - ...; III - ...; IV - V - ....


Parágrafo único. ....
Art. 20. As entidades de prática desportiva participantes de competições do Sistema Nacional do
Desporto poderão organizar ligas regionais ou nacionais, observadas as normas prescritas no parágrafo
segundo do artigo 13 desta Lei. (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação)

Art. 20. As entidades de prática desportiva participantes de competições do Sistema Nacional do


Desporto poderão organizar ligas regionais ou nacionais. (Redação da Lei n. 9.615/98 - alterada)

CAPÍTULO V

DA PRÁTICA DESPORTIVA PROFISSIONAL


Art. 26. Atletas e entidades de prática desportiva profissional são livres para organizar a atividade
desportiva de qualquer modalidade, caracterizada ou não como atividade econômica organizada para
produção ou circulação de bens e serviços, típica de empresário sujeita a registro, respeitados os
princípios insculpidos nos artigos 170 e 217 da Constituição da República, as normas e princípios
prescritos nesta lei, e as relativas ao Direito da Empresa prescritas na Lei n◦ 10.406/02 – Código Civil
Brasileiro, na Lei n◦ 6.404/76, em especial as aplicáveis às sociedades anônimas, e as na Lei
Complementar nº 123/06 – Estatuto da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. (Proposta de
alteração da Lei Pelé – inovação)

Art. 26. Atletas e entidades de prática desportiva são livres para organizar a atividade profissional,
qualquer que seja sua modalidade, respeitados os termos desta Lei. (Redação da Lei n. 9.615/98 -
alterada)

§ 1o. Considera-se competição profissional para os efeitos desta Lei aquela promovida para obter
disponibilidade financeira ou jurídica, e disputada por atletas profissionais cuja remuneração decorra de
contrato de trabalho desportivo. (Proposta de alteração numérica da Lei Pelé – inovação)

Dispositivo alterado numericamente. Parágrafo único. Considera-se competição profissional para os


efeitos desta Lei aquela promovida para obter renda e disputada por atletas profissionais cuja
remuneração decorra de contrato de trabalho desportivo. (Redação atual da Lei n. 9.615/98 - alterada)

O artigo 26 da lei Pelé passa a ter mais dois parágrafos, segundo e terceiro com as seguintes
prescrições normativa.

§ 2o. É vedada a participação das entidades de administração desportiva nas receitas e rendas dos
espetáculos desportivos, em percentual acima de 5 % (cinco por cento). Constitui crime contra a ordem
desportiva a cobrança, por qualquer sujeito de direito, de participação percentual na remuneração paga, a
qualquer título, ao atleta profissional ou amador. (Proposta de alteração da Lei Pelé – agregado esse
parágrafo)

§ 3o. Os atletas profissionais autônomos e as entidades de prática desportiva profissional poderão,


respectivamente, ser caracterizados como Microempreendedor Individual, Microempresário ou
Empresário de Pequeno Porte, se atendidos os pressupostos e requisitos prescritos na Lei complementar
n◦ 123/06, permitido aos primeiros ampliar a contratação de mão de obra especializada para a formação
de equipe multidisciplinar com pertinência objetiva com a modalidade desportiva praticada (parágrafo
primeiro do artigo 18 – A do Estatuto da Microempresa e Empresário de Pequeno Porte). (Redação da
Lei n. 9.615/98 – inovação - agregado esse parágrafo)

Art. 27. Às entidades de prática desportiva participantes de competições profissionais e as


entidades de administração de desporto, ou ligas em que se organizarem, independentemente da forma
jurídica adotada, aplicam-se as normas prescritas no art. 50 da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002,
e as pertinentes às responsabilidades dos administradores de cada tipo societário adotado, observada, a
incidência subsidiária das normas das sociedades limitadas e sociedades simples, quando aquelas
entidades adotarem um dos tipos específicos de sociedade anônima desportiva. (Proposta de alteração
da Lei Pelé – inovação)
Dispositivo alterado. Art. 27. As entidades de prática desportiva participantes de competições
profissionais e as entidades de administração de desporto ou ligas em que se organizarem,
independentemente da forma jurídica adotada, sujeitam os bens particulares de seus dirigentes ao
disposto no art. 50 da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002, além das sanções e responsabilidades
previstas no caput do art. 1.017 da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002, na hipótese de aplicarem
créditos ou bens sociais da entidade desportiva em proveito próprio ou de terceiros. (Redação da Lei n.
9.615/98 - alterada)

O parágrafo primeiro do artigo 27 passa a ter a seguinte redação

§ 1o As entidades de prática desportiva profissional, constituídas sob a forma de associação


poderão utilizar seus bens materiais e imateriais vinculados à prática desportiva profissional, para
subscrever e integralizar parte ou total do capital social de sociedade empresária constituída para esse
objeto imediato específico, caracterizar-se como companhia aberta, para captar recursos no mercado de
capitais, para constituir ou aumentar o capital social, se adotarem um dos tipos de sociedade anônima
tipificada na Lei no 6.404/76, observadas as normas do seu artigo 4o, bem como a legislação especial
pertinente àquele mercado. (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação e alteração)

Dispositivo alterado. § 1o (revogado) (Redação atual da Lei n. 9.615/98 - alterada)

§ 2o. As entidades a que se refere este artigo não poderão participar do capital social de outra
entidade de prática desportiva profissional, nem utilizar seus bens patrimoniais, desportivos ou sociais
para oferecê-los como garantia, salvo neste último caso, com a concordância da maioria absoluta dos
sócios apurada em assembleia geral, em conformidade com o estatuto ou contrato social. (Proposta de
alteração da Lei Pelé – inovação e alteração)

§ 2o. A entidade a que se refere este artigo não poderá utilizar seus bens patrimoniais, desportivos
ou sociais para integralizar sua parcela de capital ou oferecê-los como garantia, salvo com a
concordância da maioria absoluta da assembleia geral dos associados ou sócios e na conformidade do
respectivo estatuto ou contrato social. (Redação atual da Lei n. 9.615/98 - alterada)

§ 3 o ....; § 4 o ....;§ 5o ....

§ 6º Sem prejuízo de outros requisitos previstos em lei, as entidades de que trata o caput deste
artigo somente poderão obter financiamento de instituições financeiras públicas ou fazer jus a programas
de recuperação econômico-financeiros, inclusive as disciplinadas na Lei nº 11.101/05 se,
cumulativamente, atenderem às seguintes condições: (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação e
alteração)

Dispositivo alterado. § 6º Sem prejuízo de outros requisitos previstos em lei, as entidades de que trata o
caput deste artigo somente poderão obter financiamento com recursos públicos ou fazer jus a programas
de recuperação econômico-financeiros se, cumulativamente, atenderem às seguintes condições: (Redação
atual da Lei n. 9.615/98 - alterada)

I -...; II - ...; III - ...; IV - ...; V - ....

§ 7o ...: I - ... e; II - ...;

§ 8o ....

§ 9o É obrigatório às entidades desportivas profissionais constituídas na forma de associação, que


exerçam a atividade futebolística profissional constituir sociedade empresária de fins específicos para
esse objeto segundo um dos tipos regulados nas Leis nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - Código Civil
Brasileiro, e nº 6.404/76 – Lei das Sociedades Anônimas. Às entidades de administração desportiva
profissional e as ligas nacionais, regionais e locais também lhes são obrigadas constituírem-se segundo
um desses tipos. (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação e alteração)

§ 9o É facultado às entidades desportivas profissionais constituírem-se regularmente em sociedade


empresária, segundo um dos tipos regulados nos arts. 1.039 a 1.092 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro
de 2002 - Código Civil. (Redação atual da Lei n. 9.615/98 - alterada)
§ 10....; § 11....; § 12.... ; § 13....
Art. 28. A atividade do atleta profissional é caracterizada por remuneração pactuada em contrato
especial de trabalho desportivo, firmado com entidade de prática desportiva, no qual deverá constar,
obrigatoriamente: (Redação atual da Lei n. 9.615/98)
I - : a)...; ou b)...; e II - ...; § 1º...: I -...; e II -....

§ 2º É responsável pelo pagamento da cláusula indenizatória desportiva de que trata o inciso I do


caput deste artigo a nova entidade de prática desportiva empregadora. (Proposta de alteração da Lei
Pelé – inovação)

§ 2º São solidariamente responsáveis pelo pagamento da cláusula indenizatória desportiva de que


trata o inciso I do caput deste artigo o atleta e a nova entidade de prática desportiva empregadora.
(Redação atual da Lei n. 9.615/98 - alterada)
§ 3º ....; § 4º ....; I - ...; II - ...; III - ...; IV - V - ...; VI - ....

§ 5º O vínculo desportivo do atleta com a entidade de prática desportiva contratante é instituto


jurídico exclusivo desses dois sujeitos de direito, e constitui-se com o registro do contrato especial de
trabalho desportivo na entidade de administração do desporto, tendo natureza acessória ao respectivo
vínculo empregatício, dissolvendo-se, para todos os efeitos legais: (Proposta de alteração da Lei Pelé –
inovação e alteração)

§ 5º O vínculo desportivo do atleta com a entidade de prática desportiva contratante constitui-se


com o registro do contrato especial de trabalho desportivo na entidade de administração do desporto,
tendo natureza acessória ao respectivo vínculo empregatício, dissolvendo-se, para todos os efeitos
legais: (Redação atual da Lei n. 9.615/98)
I -...; II - ...; III - ...; IV - ...; V.

O PARÁGRAFO SEXTO DO ARTIGO 28, REVOGADO PASSA A TER A SEGUINTE


PRESCRIÇÃO NORMATIVA:
§ 6º. O direito subjetivo de crédito da cláusula indenizatória desportiva do inciso I desse artigo,
não pode ser objeto de negócio jurídico com terceiros, pessoas naturais e jurídicas ou entes
despersonalizados, constituindo-se, além da nulidade de pleno direito, crime contra a ordem desportiva
qualquer tentativa ou consumação de negócio contrário a essa norma. (Proposta de alteração da Lei
Pelé – inovação e alteração)
§ 6º. (revogado) (Parágrafo revogado da Lei n. 9.615/98)
§ 7º.... § 8º .... § 9º .... § 10.

O ARTIGO 28 DA LEI PELÉ PASSA A TER O PARÁGRAFO 11, COM A SEGUINTE


PRESCRIÇÃO NORMATIVA:

§ 11. É vedada a participação percentual de qualquer sujeito de direito (pessoas naturais, pessoas
jurídicas ou entes despersonalizados) na remuneração pactuada entre o atleta profissional e entidade de
prática desportiva contratante, em contrato especial de trabalho desportivo, na participação percentual do
atleta prescrita no § 1º do artigo 42 desta lei, bem como em qualquer outra remuneração paga ao atleta,
constituindo-se crime contra a ordem desportiva qualquer conduta atentatória a essa norma. (Proposta de
alteração da Lei Pelé - agrega o parágrafo onze)

Art. 29. A entidade de prática desportiva formadora do atleta terá o direito de assinar com ele, a
partir de 16 (dezesseis) anos de idade, o primeiro contrato especial de trabalho desportivo, cujo prazo
não poderá ser superior a 5 (cinco) anos.

§ 12. A contratação do atleta em formação será feita diretamente pela entidade de prática desportiva
formadora e os representantes legais do atleta, quando esse for incapaz, sendo obrigatório em qualquer
caso, a subscrição do mesmo por bacharel em Direito devidamente habilitado pela Ordem dos
Advogados do Brasil. (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação)

§ 12. A contratação do atleta em formação será feita diretamente pela entidade de prática
desportiva formadora, sendo vedada a sua realização por meio de terceiros. (Redação atual da Lei n.
9.615/98 - alterada)

§ 13. A forma e o registro dos contratos do caput do artigo 29 e do seu § 12 são elementos
essenciais desses negócios jurídicos, e as entidades de prática desportiva contratantes deverão registrá-
los na entidade de administração da respectiva modalidade desportiva, sob pena de nulidade absoluta.
(Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação)
Dispositivo alterado. § 13. A entidade de prática desportiva formadora deverá registrar o contrato de
formação desportiva do atleta em formação na entidade de administração da respectiva modalidade
desportiva. (Redação atual da Lei n. 9.615/98)

Art. 29-A. Sempre que ocorrer transferência nacional ou internacional, definitiva ou temporária de
atleta profissional, 5% (cinco por cento) dos valores pagos pela nova entidade de prática desportiva
contratante à entidade de prática desportiva cedente, inclusive os valores pagos pela remuneração de
atletas cedidos por contrato de empréstimo, serão obrigatoriamente pagos às entidades de práticas
desportivas que contribuíram para a formação do atleta, na proporção de: (Proposta de alteração da Lei
Pelé – inovação)

Art. 29-A. Sempre que ocorrer transferência nacional, definitiva ou temporária, de atleta profissional,
até 5% (cinco por cento) do valor pago pela nova entidade de prática desportiva serão obrigatoriamente
distribuídos entre as entidades de práticas desportivas que contribuíram para a formação do atleta, na
proporção de: (Redação atual da Lei n. 9.615/98)

I - 1% (um por cento) para cada ano de formação do atleta, dos 14 (quatorze) aos 17 (dezessete)
anos de idade, inclusive; e
II - 0,5% (meio por cento) para cada ano de formação, dos 18 (dezoito) aos 19 (dezenove) anos de
idade, inclusive.

§ 1º Caberá à entidade de prática desportiva cessionária do atleta, quando a transferência for


nacional, reter dos valores que serão pagos à entidade de prática desportiva cedente, 5% (cinco por
cento) dos valores contratados para a transferência, depositando-os 48 (quarenta e oito) horas depois do
pagamento, em conta bancária remunerada específica para esse fim, titulada pela entidade nacional de
administração da respectiva modalidade desportiva, que assumirá o estado jurídico de depositário fiel
das quantias a serem distribuídas às entidades de prática desportiva que contribuíram para a formação do
atleta, em conta corrente bancária remunerada de sua titularidade, vinculada a esse fim específico.
Quando a transferência for internacional ou por empréstimo de atleta, a entidade cedente assumirá os
deveres jurídicos nesse parágrafo prescritos, além de assumir o dever jurídico de arquivar e averbar o
pertinente contrato de câmbio e de adiantamento de câmbio, na entidade nacional supracitada. (Proposta
de alteração da Lei Pelé – inovação)

§ 1º Caberá à entidade de prática desportiva cessionária do atleta reter do valor a ser pago à entidade de
prática desportiva cedente 5% (cinco por cento) do valor acordado para a transferência, distribuindo-os
às entidades de prática desportiva que contribuíram para a formação do atleta. (Redação atual da Lei n.
9.615/98 – alterada)

§ 2º Como exceção à regra estabelecida no § 1o deste artigo, caso o atleta se desvincule da


entidade de prática desportiva de forma unilateral, mediante pagamento da cláusula indenizatória
desportiva prevista no inciso I do art. 28 desta Lei, caberá à entidade de prática desportiva que recebeu a
cláusula indenizatória desportiva observar as normas procedimentais do parágrafo § 1º. (Proposta de
alteração da Lei Pelé – inovação)

‘ § 2º Como exceção à regra estabelecida no § 1o deste artigo, caso o atleta se desvincule da


entidade de prática desportiva de forma unilateral, mediante pagamento da cláusula indenizatória
desportiva prevista no inciso I do art. 28 desta Lei, caberá à entidade de prática desportiva que recebeu a
cláusula indenizatória desportiva distribuir 5% (cinco por cento) de tal montante às entidades de prática
desportiva, responsáveis pela formação do atleta. (Redação atual da Lei n. 9.615/98)

§ 3º O percentual devido às entidades de prática desportiva formadoras do atleta deverá ser


calculado sempre de acordo com certidão a ser fornecida pela entidade nacional de administração do
desporto às entidades beneficiárias, e os valores, observado o critério de distribuição prescrito no caput
e incisos I e II do artigo 29-A, serão pagos em até 30 (trinta) dias da efetiva transferência, com os
acréscimos remuneratórios creditados pela instituição financeira depositária. (Proposta de alteração da
Lei Pelé – inovação e alteração)

§ 3º O percentual devido às entidades de prática desportiva formadoras do atleta deverá ser


calculado sempre de acordo com certidão a ser fornecida pela entidade nacional de administração do
desporto, e os valores distribuídos proporcionalmente em até 30 (trinta) dias da efetiva transferência,
cabendo-lhe exigir o cumprimento do que dispõe este parágrafo. (Redação da Lei n. 9.615/98 -
alterada)
O ARTIGO 29 - A PASSA A TER OS PARÁGRAFOS § 4º E § 5º QUE TERÃO AS SEGUINTES
PRESCRIÇÕES NORMATIVAS:

§ 4º. Do total dos valores pagos descritos no caput do artigo 29 – A, relativos aos contratos de
transferência de atleta profissional, formados entre entidades de prática desportiva cedente e cessionária,
1 % (um por cento) será distribuído entre os representantes legais dos atletas, titulares do poder familiar,
a título de indenização pelos investimentos, trabalho, apoio material e espiritual, realizados durante a sua
formação atlética, observadas as normas procedimentais dos parágrafos anteriores. (Proposta de
alteração da Lei Pelé – inovação - agregada esse parágrafo)

§ 5º. O total dos valores pagos pela nova entidade de prática desportiva contratante à
entidade de prática desportiva cedente, pela negociação de transferência dos direitos econômicos de
atleta profissional será composto de todas as quantias pagas pelo aperfeiçoamento desse negócio
jurídico, vedada a formação de qualquer outra convenção particular ou negócios jurídicos com outros
sujeitos de direito para fragmentar o valor total da negociação. Essa conduta, além de caracterizar abuso
de direito, que não poderá ser oposta a qualquer sujeito de direito titular de direitos oriundos da
negociação, inclusive a Fazenda Pública, constituirá crime contra a ordem desportiva. (Proposta de
alteração da Lei Pelé – inovação - agregada esse parágrafo)

Art. 33. A atividade do Treinador Profissional de Futebol é caracterizada por remuneração


pactuada em contrato de trabalho desportivo, firmado entre o Técnico Profissional de Futebol e as
entidades de prática e de administração desportiva. (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação)

§1º. No contrato de trabalho de Técnico Profissional de Futebol constará, obrigatoriamente:


(Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação)

I – O objeto imediato do contrato de trabalho, que consiste no treinamento de atletas de futebol


profissional, amador ou categorias de base, para ministrar-lhes fundamentos, técnicas e regras do jogo,
com o escopo de planificar e criar para equipe, meios e processos aptos para consolidar conhecimentos
técnicos e táticos para a prática desse desporto; (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação)

II – Cláusula que declare a autonomia profissional para planejar e implantar os programas de


trabalho relativos à orientação técnica e tática da equipe de futebol; (Proposta de alteração da Lei Pelé
– inovação)

III – Cláusula que declare o prazo de vigência do contrato de trabalho, que não poderá ser inferior a
3 (três) meses. (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação)

IV – Cláusula que demonstre objetivamente o salário, gratificações, prêmios, bonificações, valor de


luvas quando ajustadas, bem como a forma, tempo e local de pagamento. (Proposta de alteração da Lei
Pelé – inovação)

§ 2º. Para o exercício da profissão de Treinador Profissional de Futebol são exigidos os seguintes
pressupostos e requisitos: (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação)

I - Diplomação em curso de bacharelado em Educação Física ministrado em Instituição de Ensino


Superior reconhecida pelo Ministério da Educação e, Habilitação profissional do Conselho Federal ou
Regional de Educação Física (CFEF e CREFs); (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação)
II – Ter exercido o desporto profissional como atleta de futebol, por prazo não inferior a 3 (três)
anos, desde que comprovados os vínculos mediante certidão emitida pelas entidades regionais ou
nacional de administração desse desporto, e ter realizado curso de formação específico ministrado por
essas entidades. (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação normativa)

§ 3º. São direitos do Treinador Profissional de Futebol: (Proposta de alteração da Lei Pelé –
inovação)

I – Ampla e total autonomia para planejar e promover a orientação técnica e tática da equipe;
II – Apoio logístico material e moral do empregador para exercício de suas funções;
III – Ter as informações estatísticas e técnico-científicas necessárias de outros órgãos da entidade
de prática ou administração desportiva, vinculados à pratica do futebol, para o desenvolvimento seguro e
democrático dos programas de trabalho definidos em seu planejamento;
IV – Ter o laudo formal do controle bioquímicos dos atletas emitido pelo departamento médico ou
de Fisiologia da entidade de prática desportiva contratante, para poder zelar, com o departamento de
Preparação Física, pela integridade física dos atletas.
V – Ter as informações sobre o cumprimento das normas técnicas do jogo relativas aos atletas,
quanto à sua condição administrativa para participar das competições e jogos.

§ 4º. São deveres do Treinador Profissional de Futebol: (Proposta de alteração da Lei Pelé –
inovação)
I – Manter sigilo profissional;
II – Zelar pela disciplina dos atletas e orientá-los sobre as normas das competições, jogos e de suas
regras, bem como sobre as determinações institucionais definidas no estatuto ou contrato social das
instituições de prática desportiva.
§ 5º. Para o exercício da profissão de Treinador de Futebol Profissional, por ex atletas profissionais do futebol nas categorias de base
das entidades de prática desportiva, é obrigatório a certificação de sua habilitação por entidade de administração desportiva nacional (CBF),
após conclusão de curso especializado planejado e estruturado para entender psicológica e fisiologicamente os estágios de formação das
crianças e adolescentes. A não observância dessa norma constitui contravenção penal de exercício ilegal de profissão, sem prejuízo de outras
tipificações penais, como maus tratos contra a criança ou adolescente. (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação)

§ 6º. Aos contratos dos auxiliares técnicos e profissionais bacharéis em Educação Física, que
comporão a equipe técnica profissional de futebol, são aplicáveis as normas relativas ao Técnico de
Futebol Profissional, quando compatíveis ao exercício de suas funções, principalmente as descritas no
parágrafo anterior. (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação)

§ 7º. O contrato de Trabalho do Técnico de Futebol Profissional será arquivado, registrado e


publicado na íntegra nas entidades regionais e nacional de administração do futebol, Confederação
Brasileira de Futebol, Federações regionais e Ligas de que trata o artigo 20 dessa lei. (Proposta de
alteração da Lei Pelé – inovação)

§ 8º. O Técnico de Futebol Profissional que tiver seu contrato de trabalho desportivo rescindido,
observado o termo mínimo declarado no inciso III, do § 1º, desse artigo, fica impedido de contratar com
outra entidade de prática desportiva na mesma competição, e se acumular duas rescisões num único ano
civil ficará impedido de atuar na mesma série na mesma temporada. (Proposta de alteração da Lei Pelé
– inovação)

§ 9º. . É vedada a participação percentual de qualquer sujeito de direito na remuneração pactuada,


sob qualquer título, entre o Técnico de Futebol Profissional, seus auxiliares técnicos e profissionais da
Educação Física e as entidades de prática desportiva contratante, constituindo-se crime contra a ordem
desportiva qualquer conduta atentatória a essa norma. (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação)

Art. 34. São deveres da entidade de prática desportiva empregadora, em especial:


I - Registrar o contrato especial de trabalho desportivo e os contratos de transferência nacional e
internacional do atleta profissional, bem como os contratos de câmbio ou adiantamento de câmbio quando
formado o último tipo de negócio jurídico, na entidade nacional de administração da respectiva
modalidade desportiva; (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação)

I - registrar o contrato especial de trabalho desportivo do atleta profissional na entidade de


administração da respectiva modalidade desportiva; (Redação atual da Lei n. 9.615/98 - alterada)

Art. 42. Pertence às entidades de prática desportiva o direito de arena, fundado no Princípio da
Igualdade prescrito no caput do artigo 5º e inciso VIII do artigo 217 da Constituição da República,
consistente na prerrogativa exclusiva de negociar, autorizar ou proibir, individual ou coletivamente, a
captação, a fixação, a emissão, a transmissão, a retransmissão ou a reprodução de imagens, por qualquer
meio ou processo, de espetáculo desportivo de que participem. (Proposta de alteração da Lei Pelé –
alteração)
Art. 42. Pertence às entidades de prática desportiva o direito de arena, consistente na prerrogativa
exclusiva de negociar, autorizar ou proibir a captação, a fixação, a emissão, a transmissão, a
retransmissão ou a reprodução de imagens, por qualquer meio ou processo, de espetáculo desportivo de
que participem. (Redação da Lei n. 9.615/98 - alterada)

§ 1º Com fundamento no inciso XXVIII do artigo 5º da Constituição da República, 5% (cinco por


cento) de todas as receitas provenientes dos negócios jurídicos relativos ao direito de arena disposto no
caput desse artigo pertencem aos atletas profissionais serão repassados aos sindicatos de atletas
profissionais, e estes distribuirão, em partes iguais, aos atletas profissionais participantes do espetáculo,
como remuneração de natureza estritamente privada pela exposição de sua imagem. (Proposta de
alteração da Lei Pelé – inovação)

§ 1º Salvo convenção coletiva de trabalho em contrário, 5% (cinco por cento) da receita


proveniente da exploração de direitos desportivos audiovisuais serão repassados aos sindicatos de
atletas profissionais, e estes distribuirão, em partes iguais, aos atletas profissionais participantes do
espetáculo, como parcela de natureza civil. (Redação atual da Lei n. 9.615/98 - alterada)
§ 1o-A. (VETADO); § 2o; I - ...; II - ...; III - ...; § 3o ....

CAPÍTULO VI
DA ORDEM DESPORTIVA
Seção I
Normas Gerais

Art.47. A ordem desportiva tem por fundamento os princípios prescritos no artigo 217 da
Constituição da República, e tem como objetivo, a realização do bem-estar social, mediante o
planejamento e execução de políticas públicas direcionadas para a consolidação do desporto como meio
de formação e desenvolvimento integral do indivíduo, nos aspectos físico e espiritual. (Proposta de
alteração da Lei Pelé – inovação – altera o caput do art. 47 – a redação anterior do caput passa a ser
parágrafo segundo com alteração)
§ 1º. A exploração do desporto profissional observará os princípios declarados no artigo 170 da
Constituição da República, e as normas aplicáveis ao Direito da Empresa. (Proposta de alteração da
Lei Pelé – inovação)

§ 2º. Art. No âmbito de suas atribuições, os Comitês Olímpico e Paraolímpico Brasileiros e as


entidades nacionais de administração do desporto têm competência para decidir, de ofício ou quando lhes
forem submetidas pelos seus filiados, as questões relativas ao cumprimento das normas e regras de
prática desportiva. (Proposta de alteração da Lei Pelé – renumerado. Antes era caput do artigo)

Art. 47. No âmbito de suas atribuições, os Comitês Olímpico e Paraolímpico Brasileiros e as


entidades nacionais de administração do desporto têm competência para decidir, de ofício ou quando lhes
forem submetidas pelos seus filiados, as questões relativas ao cumprimento das normas e regras de
prática desportiva. (Redação atual da Lei n. 9.615/98 - alterada)

§ 3º. Com o objetivo de manter a ordem desportiva, o respeito aos atos emanados de seus poderes
internos, poderão ser aplicadas, pelas entidades de administração do desporto e de prática desportiva, as
seguintes sanções: (Proposta de alteração da Lei Pelé – O artigo 48 passa a ser o parágrafo terceiro
do artigo 47)
I - advertência;
II - censura escrita;
III - multa;
IV - suspensão;
V - desfiliação ou desvinculação.
Dispositivo renumerado. Art. 48. Com o objetivo de manter a ordem desportiva, o respeito aos atos
emanados de seus poderes internos, poderão ser aplicadas, pelas entidades de administração do desporto
e de prática desportiva, as seguintes sanções: (O artigo 48 passa a ser o parágrafo terceiro do artigo
47)
I - advertência;
II - censura escrita;
III - multa;
IV - suspensão;
V - desfiliação ou desvinculação.
§ 4o A aplicação das sanções previstas neste artigo não prescinde do processo administrativo no
qual sejam assegurados o contraditório e a ampla defesa. (O parágrafo primeiro do artigo 48 passa a
ser o parágrafo quarto do artigo 47)

§ 1o A aplicação das sanções previstas neste artigo não prescinde do processo administrativo no
qual sejam assegurados o contraditório e a ampla defesa. (Redação atual da Lei n. 9.615/98 - alterada)

§ 5o. As penalidades de que tratam os incisos IV e V deste artigo somente poderão ser aplicadas
após decisão definitiva da Justiça Desportiva. (O parágrafo segundo do artigo 48 passa a ser o
parágrafo quinto do artigo 47)

§ 2o As penalidades de que tratam os incisos IV e V deste artigo somente poderão ser aplicadas
após decisão definitiva da Justiça Desportiva. (Redação da Lei n. 9.615/98 - alterada)
Seção II
DOS CRIMES CONTRA A ORDEM DESPORTIVA

Art. 48. Expor a perigo a vida ou a saúde de crianças ou adolescente atletas sob sua autoridade,
guarda ou vigilância, para fins de treinamento físico ou técnico desportivos, sem os cuidados
indispensáveis, sujeitando-os a treinamento excessivo ou inadequado para a sua idade, ou abusando de
meios de correção ou disciplina. (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação)

Pena: detenção de 6 (seis) meses a 1 (um) ano ou suspensão da habilitação profissional pelo prazo
da pena aplicada.
§ 1o. Se do fato resulta lesão corporal de natureza grave:
Pena: reclusão de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, multa e suspensão da habilitação profissional pelo
prazo da pena aplicada.
§ 2o. Se resulta na morte da criança ou adolescente:
Pena: detenção de 6 (seis) a 15 (quinze) anos, multa e suspensão da habilitação pelo prazo da pena
aplicada.

Art. 48 – A. Exercer profissão ou atividade econômica na ordem desportiva, ou anunciar que a


exerce, sem preencher os pressupostos e requisitos determinados em lei. (Proposta de alteração da Lei
Pelé – inovação)

Pena: detenção de 6 (seis) meses ou multa.


§ 1o. Se o exercício ilegal da profissão ou atividade for relativo ao treinamento desportivo, de
criança ou adolescente:
Pena: detenção de 6 (seis) meses a 1 (um ano) ou multa.
§ 2o. Incorres na pena o superior hierárquico responsável pela admissão do profissional habilitado
para o exercício da profissão.

Art. 48 – B. Patrocinar ou intervir, direta ou indiretamente, interesse de criança ou adolescente


atletas, perante entidade de prática desportiva, valendo-se da vulnerabilidade econômica, jurídica ou
técnica da família do menor. (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação)

Pena: detenção de 6 (seis) meses a um ano e multa.


Art. 48 – C. Exigir para si ou para outrem, ou receber, direta ou indiretamente, participação
financeira, proporcional ou nominal, em qualquer tipo de remuneração paga a atleta amador ou
profissional. (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação)

Pena: Reclusão de 2 (dois) a 8 (oito) anos, e multa de valor equivalente às vantagens percebidas.
Parágrafo Único. Se a exigência alcança a remuneração de atleta menor:
Pena: Reclusão de 3 (três) a 10 (dez) anos e multa de valor equivalente.

Art. 48 – D. Solicitar ou receber, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, no exercício de


função exercida nas entidades de administração ou de prática desportiva, ou a elas vinculadas, vantagem
econômica ou financeira, ou aceitar promessa de tal vantagem, para alterar o resultado legítimo de
espetáculo ou competição desportiva, ou qualquer outra disputa do ambiente esportivo, que exija apenas
a observância de critérios estabelecidos em edital. (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação)

Pena: Reclusão de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa.


Parágrafo único. A pena é aumentada de um terço, se o espetáculo ou competição desportivo é
disputado por crianças e adolescentes.

Art. 48 – E. Oferecer ou prometer, direta ou indiretamente, vantagem econômica ou financeira, a


agente que exerça função, nas entidades de administração ou de prática desportiva ou a elas vinculadas,
para alterar o resultado legítimo de espetáculo ou competição desportiva, ou qualquer outra disputa do
ambiente esportivo, que exija apenas a observância de critérios estabelecidos em edital. (Proposta de
alteração da Lei Pelé – inovação)

Pena: Reclusão de 2 (dois) a 12 (doze) anos.


Parágrafo único. A pena é aumentada de um terço, se o espetáculo ou competição desportivo é
disputado por crianças e adolescentes.

Art. 48 – F. Solicitar, exigir ou receber, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, vantagem
econômica ou financeira, para contratar, convocar ou escalar atleta profissional ou amador para
participar de espetáculos ou competições desportivas. (Proposta de alteração da Lei Pelé – inovação)
Pena: Reclusão de 2 (dois) a 12 (doze) anos e multa.
Parágrafo Único. Incorre na pena, aumentada de um terço, se o ato de convocação ou escalação diz
respeito à participação do atleta na Seleção Brasileira, nas suas várias categorias, ou se os atos
supracitados alcançam espetáculos e competições disputadas por crianças e adolescentes atletas.
Art. 49. Simular negociação de direitos econômicos de atleta profissional para se eximir de
obrigações tributárias, ou descumprir outras obrigações pecuniárias formadas em virtude do negócio
jurídico a ela relativos, tituladas por terceiros por imposição de lei.
Penas: Reclusão de 2 (dois) 12 (doze) anos e multa de 100 % (cem por cento) do valor fraudado.

4.2 ANEXOS II

4.2.1 Proposta de Emenda à Constituição nº, de


2015 enviada ao congresso nacional

(Do Senhor Deputado Federal.........)

Altera dispositivos da Constituição da República Federativa do Brasil para a positivação de uma nova
ordem jurídica para a Administração Pública brasileira, fundada no Princípio da Moralidade Ética, que
norteie de forma legal e legítima as estratégias de publicidade dos entes da federação brasileira, e dá
outras providências.

O Congresso Nacional decreta:

As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do § 3º, do art. 60, da Constituição
Federal, promulgam a seguinte emenda ao texto constitucional:
Art. 1º. O caput do artigo 37 da Constituição da República Federativa do Brasil, e seu parágrafo
primeiro passam a vigorar com as seguintes redações:
“Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do
Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade
ética, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: (Proposta de alteração da Constituição –
inovação normativa)
I - ......; II - ......; ...... ; XXII - ................

§ 1º. A publicidade dos atos, programas de trabalho, obras, serviços e campanhas de todos os órgãos da
administração pública direta e indireta, inclusive as sociedades de economia mista e empresas públicas,
deverá ser sempre gratuita e veiculada por órgãos especializados dos entes da federação, ou por pessoas
naturais ou jurídicas de direito privado, que explorem regularmente serviços de imprensa escrita ou
virtual, de telecomunicações, radiodifusão sonora, e de sons e imagens, mediante autorização, concessão
ou permissão do poder público, todas subordinadas ao instituto de Reserva de Domínio Social ou Estatal
definido no parágrafo primeiro do artigo 175 dessa Constituição. (Proposta de alteração da
Constituição – inovação normativa)

§1◦ - A. As lacunas reservadas nas programações dos concessionários, autorizados ou permissionários


para veiculação da publicidade estatal, bem como o tempo de duração das mesmas são considerados
elementos da Reserva de Domínio Social ou Estatal. (Proposta de alteração da Constituição –
inovação normativa)

§1◦- B. A União organizará, com base nos alcances local, regional e nacional da publicidade estatal
veiculada, o Sistema Federal de Publicidade, e exercerá função distributiva das tecnologias e estratégias,
de informação, publicidade e marketing, mediante a prestação de assistência técnica aos Estados, Distrito
Federal, municípios, e suas respectivas empresas públicas e sociedades de economia mista, de forma a
garantir, além da transparência, eficiência e eficácia dos programas de trabalho dessas entidades, o
acesso às informações a toda a sociedade brasileira. (Proposta de alteração da Constituição –
inovação normativa)
Art. 2◦. O artigo 175 da Constituição passa a vigorar com a seguinte redação e estrutura: (Proposta de
alteração da Constituição – inovação normativa)

Art. 175. Incumbe ao Poder Público na forma da lei, diretamente ou sob regime de concessão, permissão
ou autorização, respeitadas as Reservas de Domínio Social ou Estatal estabelecidas, e sempre através de
licitação, a prestação de serviços públicos. (Proposta de alteração da Constituição – inovação
normativa)

§ 1º. São poderes jurídicos inalienáveis as competências materiais da União, dos Estados, do Distrito
Federal e dos Municípios declaradas nesta Constituição, que se exercidas sob os regimes de concessão,
permissão ou autorização ficarão subordinadas ao instituto Reserva de Domínio Social ou Estatal, que
atribui aos entes da federação o poder de reservar lacunas de tempo ou momentos, nas programações de
trabalho ou publicidade dos concessionários, permissionários ou autorizados, para a veiculação de
publicidade estatal pertinente aos serviços prestados. (Proposta de alteração da Constituição –
inovação normativa)

§ 2º. A lei disporá sobre:


I - o regime das empresas concessionárias, permissionárias e autorizadas que prestem serviços públicos,
o caráter especial de seu contrato, de sua prorrogação, declaração de caducidade e fiscalização; a
definição dos limites espaciais, temporais para o exercício dos poderes inerentes à Reserva de Domínio
Social ou Estatal, e os pressupostos e requisitos para a rescisão da concessão, permissão ou autorização:
(Proposta de alteração da Constituição – inovação normativa)
II - os direitos dos usuários;
III - política tarifária;
IV - a obrigação de manter serviço adequado.
4.2.2 Dispositivos da Constituição da República alterados

Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados,
do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade,
moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: (Redação atual da Constituição da
República Federativa do Brasil).
I -...; II - ...; .........XXII - ....

§ 1º A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter
caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou
imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos. (Redação atual da
Constituição da República Federativa do Brasil).

Art. 175. Incumbe ao Poder Público, na forma da lei, diretamente ou sob regime de concessão ou
permissão, sempre através de licitação, a prestação de serviços públicos. (Redação atual da
Constituição da República Federativa do Brasil).

Parágrafo único. A lei disporá sobre:

I - o regime das empresas concessionárias e permissionárias de serviços públicos, o caráter especial


de seu contrato e de sua prorrogação, bem como as condições de caducidade, fiscalização e rescisão da
concessão ou permissão; (Redação atual da Constituição da República Federativa do Brasil).
II - os direitos dos usuários;
III - política tarifária;
IV - a obrigação de manter serviço adequado.

4.2.3 Justificativa

A presente proposta de emenda à Constituição da República Federativa do Brasil é fruto de dois


processos, um causal e outro concepcional, que consolidados revelam a premente necessidade de uma
reação da sociedade brasileira para combater a corrupção estatal e fortalecer as instituições de nossa
República. O primeiro, caracterizado por proposições colonialistas reinantes nos séculos XIV e XV, que
impôs ao processo histórico de formação da nossa sociedade, regimes corruptos, de privilégios,
patrimonialistas, predatórios dos valores humanos e das riquezas nacionais, contempladores, não das
virtudes humanas, mas sim de um individualismo perverso impulsionador de sentimentos egoístas, que
tornaram a política institucional brasileira, um balcão de negócios escusos fomentador da impunidade e
do enriquecimento ilícito, e que se apresentou como o principal fator de todos os males sociais que
enfrentam a nação brasileira, apesar de a nossa Carta Política revesti-la de todos os valores, princípios e
garantias norteadores para o seu amadurecimento econômico, social e político. O segundo, que avança e
se fortalece a cada dia, tem como protagonistas Homens de boa vontade, comprometidos com a ciência,
com os interesses sociais e com os princípios que sustentam o conceito de Estado republicano, que
ocupam cargos públicos para materializar no exercício de suas funções, os princípios da legalidade, da
impessoalidade, da moralidade e da eficiência, elevados pela ética de suas ações e pela perspectiva de
construirmos uma sociedade capaz de assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a
liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça, como valores supremos
de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida
com a solução pacífica das controvérsias, como determina o preâmbulo da nossa Carta Magna.
Ademais, é inegável o amadurecimento da consciência política da sociedade brasileira nas últimas
décadas, que cada vez mais clama, por mudanças estruturais no sistema político institucional brasileiro,
pelo fortalecimento de nossas instituições, pela presença da ética na formação e execução dos programas
de trabalho de governo consolidados nas Leis de Diretrizes Orçamentárias, Leis Orçamentárias Anuais, e
Planos Plurianuais de Investimento dos entes da federação, e nos contratos privados em que os mesmos
participam como contratantes, como os de publicidade e assessoria, esses últimos alvos constantes de
corrupção por agentes públicos criminosos, que tem por finalidade única a satisfação de seus interesses
individuais, mediante a prática de atos ilícitos.
Portanto, diante dos abusos constantes perpetrados pela administração pública na formação e execução
de contratos de publicidade; da constatação de que o regime jurídico posto pelo Estado brasileiro para
planificá-los é objeto de fácil subversão para atender a interesses pessoais de agentes públicos
corruptos; da notória incompetência do mesmo em fiscalizar e responsabilizá-los; e principalmente diante
do desperdício dos recursos financeiros direcionados para a formação desses contratos, que poderiam
ser canalizados para a execução de programas de trabalho do governo nas áreas de saúde, educação,
segurança pública, funções tradicionalmente atacadas pela ineficiência e ineficácia da Administração
Pública é imperativo que nós, representantes do povo brasileiro, comecemos a quebrar paradigmas,
processos e métodos, que se tornaram imprestáveis e obsoletos diante do estágio atual da evolução
civilizatória humana, e que particularmente confrontam com os princípios e valores sedimentados nas
culturas, popular, religiosa, intelectual (científica, artística e literária) e desportiva da sociedade
brasileira, que clama por um Estado democrático de direito legítimo comprometido com os interesses
sociais.
As estatísticas dos órgãos governamentais e as leis orçamentárias anuais, da União, Estados, Distrito
Federal e Municípios das últimas décadas revelam crescimento contínuo das despesas com publicidade,
mesmo diante da materialização de inúmeros projetos que consolidaram nas estruturas organizacionais
dos três poderes da nossa República, órgãos especializados eficientes que exploram diretamente os
serviços de telecomunicações, radiodifusão sonora, e de sons e imagens, como A voz do Brasil, a TV
Justiça, TV Senado, entre outras, todos dotados de recursos humanos de alta qualidade, e de tecnologia
de ponta para a publicidade dos atos, programas de trabalho, obras, serviços e campanhas educativas,
culturais e esportivas, e que deveriam ser considerados como modelos e meios inovadores e eficientes
de organização publicitária e de marketing, para a veiculação de informações de todas as ações, condutas
e atividades da Administração Pública brasileira, que se encontra atualmente usurpada pela formação de
contratos de publicidade de valores astronômicos, que realizam mais os interesses de agentes públicos e
terceiros corruptos, do que os do povo brasileiro.
A simples análise dos gastos dos entes federativos em publicidade nos últimos dois governos
demonstram as assertivas acima, como abaixo se articula:

1. A administração da presidenta Dilma Rousseff destinou nos primeiros 4 (quatro) anos de seu
governo vestibular, R$ 9.000.000.000,00 (nove bilhões de reais) para publicidade, em
emissoras rádio, televisão, jornais, revistas, sites de internet, outdoors, cinemas, e em outros
tipos de mídia.
2. No seu primeiro mandato a presidenta gastou 23% (vinte e três por centos) a mais com
propaganda do que o seu antecessor, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que gastou R$
7.300.000.000,00 (sete bilhões e trezentos milhões de reais) no seu segundo mandato (2007-
2010) com publicidade estatal.
3. Nos seus primeiros 4 (quatro) anos no Palácio do Planalto (2003-2006), Lula gastou R$
5.900.000.000,00 (cinco bilhões e novecentos milhões de reais) com esse tipo de programa
de trabalho. Essas cifras são todas atualizadas monetariamente pelo IGP-M, que é o índice
usado no mercado publicitário e pelo governo para atualizar informações dessa área de
atuação do Estado.
4. Já a administração do antecessor de Lula, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso gastou
R$ 4.100.000,000,00 (quatro bilhões e cem milhões de reais) com publicidade, em seus
últimos três anos de mandato (2000 a 2002). Não há dados disponíveis anteriores ao ano
2000.
5. Assim sendo, o total de dispêndios da União, apenas com publicidade do Poder Executivo,
entre os anos de 2000 a 2014 é da ordem de R$ 26.300.000.000,00 (vinte e seis bilhões e
trezentos milhões de reais).
6. Aproximadamente os estados e o Distrito Federal gastaram com o mesmo tipo de despesa, no
mesmo período a quantia de 10.500.000.000,00 (dez bilhões e quinhentos milhões de reais).

7. Quanto aos municípios, se considerarmos apenas a média dos gastos das dez maiores capitais
da federação brasileira, que gira aproximadamente em torno de R$ 100.000.000,00 (cem
milhões de reais) ano, teríamos a soma de R$ 1.000.000.000,00 (um bilhão de reais), que
multiplicados por quatorze anos chegaríamos a uma quantia próxima de R$ 14.000.000.000,00
(quatorze bilhões de reais).
8. Portanto, a soma de todo o dispêndio público com publicidade dos entes da federação
brasileira nos últimos 14 (quatorze) anos gira em torno de R$ 50.800.000.000,00 (cinquenta
bilhões e oitocentos milhões de reais), aproximadamente.

Frise-se, que a sociedade brasileira, por intermédio de seus representantes reunidos em Assembleia
Nacional Constituinte, ou no exercício do poder constituinte derivado estabeleceu a organização do
Estado brasileiro, no Título III da nossa Carta Política, e determinou no capítulo II, respectivamente nos
incisos XI e XII do artigo 21, as competências materiais da União, para explorar, diretamente ou
mediante autorização, concessão ou permissão, os serviços de telecomunicações, de radiodifusão sonora,
e de sons e imagens, in verbis:
TÍTULO III
DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO
CAPÍTULO I
DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA
CAPÍTULO II
DA UNIÃO
Art. 21. Compete à União:
XI - explorar, diretamente ou mediante autorização, concessão ou permissão, os serviços de
telecomunicações, nos termos da lei, que disporá sobre a organização dos serviços, a criação de um
órgão regulador e outros aspectos institucionais;
XII - explorar, diretamente ou mediante autorização, concessão ou permissão:

a)Os serviços de radiodifusão sonora, e de sons e imagens.


b)É cediço que internamente, a União atua como uma das pessoas jurídicas de direito público que
compõem a federação brasileira. Portanto, autonomamente exerce, como os outros entes federativos, as
competências administrativas ou materiais que lhe são atribuídas pela Constituição. Significa dizer que
essas competências são poderes jurídicos inalienáveis, que devem ser realizados diretamente ou
indiretamente, mediante autorização, concessão ou permissão, para atender aos interesses nacionais e da
sociedade brasileira. Destarte, essas competências administrativas declaradas no inciso XI e alínea “a”
do XII, do artigo 21 em tela devem ser exercidas em conformidade com os princípios e normas que
norteiam a atividade administrativa pública, cujas normas matrizes estão insculpidas nos artigos 37, 174
e 175 da nossa Carta Magna, todas sob o manto dos poderes soberanos da República Federativa do
Brasil. in verbis:

Art. 174. Como agente normativo e regulador da atividade econômica, o Estado exercerá, na forma da
lei, as funções de fiscalização, incentivo e planejamento, sendo este determinante para o setor público e
indicativo para o setor privado.
§ 1º A lei estabelecerá as diretrizes e bases do planejamento do desenvolvimento nacional
equilibrado, o qual incorporará e compatibilizará os planos nacionais e regionais de desenvolvimento.
§ 2º ...; § 3º ...; § 4º ...
Art. 175. Incumbe ao Poder Público, na forma da lei, diretamente ou sob regime de concessão ou
permissão, sempre através de licitação, a prestação de serviços públicos.
Parágrafo único. A lei disporá sobre:
I - o regime das empresas concessionárias e permissionárias de serviços públicos, o caráter especial
de seu contrato e de sua prorrogação, bem como as condições de caducidade, fiscalização e rescisão da
concessão ou permissão;
Relevante ressaltar que, diante das crises, conjuntural econômica nas suas várias acepções, fiscal e
político-institucional instauradas no Brasil, por inúmeros fatores internos e externos, máxime a corrupção
instaurada em todos os órgãos da administração federal, inclusive nas sociedades de economia mista e
empresas públicas brasileiras, urge a apresentação da presente emenda, como um primeiro passo para
promover um processo irreversível de saneamento da Administração Pública Brasileira, que mergulha, a
cada governo, mais fundo nos mares imundos da corrupção, da incompetência e da ineficácia de suas
ações, distanciando-se cada vez mais dos anseios do nosso povo e privilegiando agentes corruptos,
públicos e privados, que despidos de qualquer princípio ou valor ético usurpam o patrimônio da
sociedade brasileira, para enriquecer ilicitamente. Destarte, todos os recursos financeiros destinados
para a formação de contratos de publicidade para veicular propaganda dos atos, programas de trabalho,
obras, serviços e campanhas de todos os órgãos da administração pública direta e indireta deveriam ser
aplicados em despesas de custeio ou de capital para financiar os programas de trabalho do governo nas
áreas da saúde, educação e segurança, as mais abandonadas e sucateadas da estrutura organizacional da
administração pública brasileira, tendo em vista que:
a) Todas as despesas com publicidade paga estão dissociadas de interesse público;
b) A sociedade brasileira é titular dos domínios de exploração das atividades econômicas declaradas nos
incisos XI e XII, “a”;
c) São desviados recursos do patrimônio público, para pagar publicidade de suas realizações em seu
próprio domínio;
d) Esses contratos representam um dos meios ordinários e sórdidos realizados por agentes corruptos para
enriquecer ilicitamente;
e) O Estado brasileiro tem o domínio tecnológico suficiente para executar programas de trabalho
direcionados para informar a sociedade das suas realizações.
Portanto, não é de difícil leitura e entendimento, que todas as ações ilícitas perpetradas por
bandidos que dilapidam o patrimônio da sociedade brasileira, representam um dos mais potentes fatores
que promovem as doenças sociais, pois, colocam o cidadão e a sociedade brasileiros, como os menores
valores da ordem social, se é que para esses bandidos existem valores, ameaçando todas as nossas
famílias em sua dignidade material e moral.
Por todo o exposto, esse deputado federal proponente acredita que é hora de revolucionar a
Administração Pública brasileira com novas ideias, técnicas processos e métodos, para criar uma nova
estrutura organizacional com base no Princípio da Moralidade Ética, que afaste do cenário político
institucional a ilegalidade, a pessoalidade, a ineficiência e ineficácia, organelas podres que geram a
energia da corrupção. Assim sendo, urge a sua reestruturação que terá como marco inicial, as alterações
de dispositivos e normas constitucionais previstos no artigo 37 da Constituição da Re pública declarados
nessa proposta de emenda constitucional, que faz alterações literais mínimas na nossa Carta Política, mas
de alcances material e programático amplos, que serão planificados e disciplinados pelos processos
legislativos da União, e de todos os entes federativos, observados os princípios e normas constitucionais
que regulam a atividade administrativa estatal.
O princípio que fundamenta a presente proposta é o da moralidade ética que deve sempre adornar
o conceito de Estado Democrático de Direito Republicano. Destacam-se, portanto, as seguintes
proposições de emenda à Constituição da República:

1. Altera-se o caput do artigo 37, para ampliar o conteúdo e alcance do vetusto Princípio da
Moralidade, que passa a ser elemento do Princípio da Moralidade Ética, para garantir de
forma eficiente e eficaz a legalidade e legitimidade do todos os atos administrativos estatais.

1. Altera-se também o § 1◦ do mesmo artigo, que inova ao revelar norma matriz constitucional
garantidora dos poderes jurídicos que são titulados pela União, ao prescrever que a
publicidade de todas as ações, condutas e atividades administrativas dos entes da federação
devem ser gratuitos tendo em vista que qualquer autorização, concessão ou permissão
deferidas à iniciativa privada, não retira do Estado brasileiro o seu domínio sobre as
atividades econômicas declaradas nos artigos 21 e 23, em especial nos incisos XI e XII, “a”,
que são objetos dessa reforma constitucional proposta, que afastará definitivamente a
possibilidade jurídica de cobrança de preços pela divulgação de publicidade estatal, por
qualquer agente econômico concessionário, autorizado ou permissionário, em lacunas,
momentos e tempo em suas programações, caracterizados na Constituição como Reserva de
Domínio Social da nossa República, definidos e disciplinados em lei de alcance nacional.

2. Cria-se o § 1◦ - A, cujo conteúdo normativo tem o poder de afastar qualquer especulação


jurídico-normativa direcionada para desviar a finalidade social que a reforma proposta carrega,
tendo em vista que declara, com a clareza da luz solar, que é exclusivo do Estado brasileiro o poder
jurídico de exercer as atividades declaradas no §1◦, diretamente ou por meio de delegação, essa
última condicionada ao instituto Reserva de Domínio Social, mediante a determinação de lacunas,
momentos, e tempo nas programações dos autorizados, concessionários ou permissionários, para a
veiculação de publicidade estatal.
3. Ademais, há também no conteúdo da proposta, norma conciliadora dos interesses de todos os
entes da federação, em aperfeiçoar um sistema nacional capaz de informar a sociedade sobre todas
as ações governamentais. É o que revela o § 1◦ - B, que atribui à União o dever de organizar o
Sistema Federal de Publicidade, e exercer função distributiva de tecnologia da informação e
publicidade, em suas várias modalidades, aos outros entes da federação.
4. Finalmente, é importante pontuar que a reformar constitucional proposta é de fundamental
importância para a sociedade brasileira e para o Estado que a representa, tendo em vista que, além
de sedimentar um novo paradigma sobre a propriedade e poderes titulados pelo Estado brasileiro,
marca o início de uma reestruturação na política fiscal dos entes da nossa federação, que durante
toda a nossa história revelou-se frágil diante de ações de agentes predadores do patrimônio público.

Sala das Sessões, Brasília, 06 de setembro de 2015.


Deputado Federal
4.3 ANEXO III – POESIAS MUSICALIZADAS
PELO AUTOR

4.3.1 Pra que Deus Aqui Possa Cantar


Autor: Tônio Verve em 2015

Minha arte
Precisa de simulações
Segue o dom da natureza
Inventa amores pra viver paixões
Aventuras, incertezas...
O processo é divino
Requer explosões,
Áleas soltas de impurezas
Que se unem pra compor emoções
Um sistema de clareiras, vulcões,
Pedra úmida envolta de canções...
Apesar das correntezas
Que nos traz tantas surpresas
Desses rios de ilusões...

Minha alma
Repele preceitos, sanções
Nesse evento de belezas
Revela batuques, arranjos, bordões
Melodias e poemas
O processo também é humano
Impõe invasões
É esbulho com certeza
Que me toma pra soar orações
Um sistema de versões, ilações...
Mentes secas envolvidas de ambições
Apesar das harmonias
Que nos traz mil teorias
Desses mares de proposições...
Minha Arte, nossa Arte,
Só faz parte de outra Arte,
Que é divina nos ilumina
Pra que Deus aqui possa cantar...

4.3.2 Conversas de Vidas


Autor: Tônio Verve em 2001

Tenho que salvar o que é belo


Mas preciso ponderar as posições
Tentar reaprender o que é singelo
Sem lesar as minhas emoções...
Tenho que sonhar com o paraíso
Encantar, tocar meu coração,
Sem me retratar com o meu juízo
Semear, somar com a redenção...

Tenho que matar o que não presta


Mas pra começar digo-me não
Revelar, cantar pra todo mundo,
Tudo que agride a criação
Que ganhamos sem fazer ofício
Pra manchar por mera diversão,
Por poder, com ardis ou artifícios,
Pra subjugar os corações
E o meu eu, o teu meu,
O seu, o nosso eu, o vosso meu,
Que é de todos que sentirem essa canção...
Vem recompor o som das nossas cinzas
Reciclar o limo das visões...
4.3.3 Mistério da Vida
Autor: Tônio Verve em 1979
Qual a arte desse seu mistério
Sinto que não posso ver
Nem toda a minha existência
Torna-me um pouco de você
Nem tudo em minha volta
É fruto de belas paixões
Mas sim de grandes violências...
As pessoas são de medo
Sofrem, entregam-se a qualquer versão
E se iludem, destroem,
Em busca de qualquer razão
Essa inteligência
Arco-íris de outra invenção
Nos torna uma triste experiência...
Eles são muitos,
Religiosamente frágeis
Dos sonhos,
Poucos são violentamente fraudes…
O fato e a norma, laranjas vazias
São cascas vadias, nada tem a dizer
Se o nosso valor não gera harmonia
Não há melodia, a essência do ser...
4.3.4 Ridícula Partícula
Autor: Tônio Verve em 1977

Nos Caminhos da história


Agora vou me perder
Sem contar com a verdade
Que eles tentam vender
Criando mitos, soberanos
Leis, tratados de cor
Com o dedo no gatilho
Conduzindo essa manada
Cultuando o terror...
Esse vírus cabeludo
Que se chama poder
Que provoca hemorragia
E que começa a feder
Mergulhou num grande abismo
Que ninguém sabe o fim
E continua ruminando lama, grana e capim...
Uma ridícula
Uma ridícula partícula
Uma ridícula partícula do sonho e da dor...

4.3.5 Arte Nordestina


Autor: Tônio Verve em 1990

Vamos cantar a cor da arte nordestina


Que cumpre o sonho de exercer o seu papel
Com o talento raro de uma andorinha
Que abraça a flor da vida passeando pelo céu...

Como explicar o xote, o baião,


O dom do frevo que brota do chão
O ritmo marcado na pele
Que inspira e que fere o dom da paixão...

Iô, iô, iô, iô.


A arte nordestina é encantada de amor...
Iô, iô, iô, iô.
A fêmea nordestina é “arretada” de calor...

A vida em riba dos conceitos que dominam


Que acalenta a sina de sobreviver
Que representa a arte pura
Verdadeira origem derradeira do direito de viver...

Como explicar os ramos que crescem


Sem gotejar o pranto
E a emoção que nunca perde
O forró da luta que nasce da fruta da imaginação...

Iô, iô, iô, iô.


A arte nordestina é encantada de amor...
Iô, iô, iô, iô.
A fêmea nordestina é arretada de calor...

4.3.6 A Vida
Autor: Tônio Verve em 2016

A vida, energia dos mistérios


Pouco fala, age sério
Oceano de ilusões...
A vida, um resíduo do universo
Um poder que fica perto
Dos abismos, dos desertos
Das armadilhas da paixões...
A vida, é criança inocente
Vem de um plano inteligente
Torna livre uma prisão
A vida é um rio muito torto
Que transforma o tudo em pouco
Um jardim em calabouço
Muitos gritos em canções...
Deixa eu te tocar, amar, te conquistar
Sem os vícios das versões
Das mentiras, fantasias
Que iludem os corações...
Deixa eu penetrar com força
Nos teus lábios, sem ardis, concepções
Sentir a larva primitiva no teu ventre
Voar nas tuas sensações...
4.3.7 De Mãos Dadas
Autor: Tônio Verve em 2016
Das entranhas dos meus pensamentos
Das rasuras das constelações
Nascem mil ideias e delícias
Que me lavam às fronteiras das canções...
A cada travessia experimento
Os sabores, riscos da emoção
Enfrento as cordilheiras e abismos
Com a energia e armaduras da razão...
Mas quando a paixão me enlouquece
Não consigo harmonizar a construção
Nem seque ouvir sua melodias
Apenas o seu ritmo e pulsação...
Quanto mais eu sonho
Quanto mais componho
Quanto mais eu toco e canto as ilusões
Quanto mais eu voo
Quanto mais mergulho
Sempre sigo minhas travessas
De mãos dadas aos corações...

5 BIBLIOGRAFIA

COLLINSON, Diané. 50 Grandes Filósofos. Da Grécia antiga ao século XX. São Paulo: Contexto, 2004,
287 p.
DUOLIO, J. De galos, homens e Futebol. Revista da Educação Física/UEM, Maringá: 1994, v. 5, n 1.
FREITAS JR., Miguel Arcanjo de. Razão e paixão no futebol: tentativas de implantação de um projeto
modernizador. In: RIBEIRO, Luiz (Org.). Futebol e globalização. Jundiaí, SP: Fontoura, 2007.
GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil 1. Esquematizado. 4ª ed., São Paulo: Saraiva, 2014.
MAGEE, Bryan. História da Filosofia. 3ª ed., São Paulo: Edições Loyola, 2001.
MAURÍCIO, Murad. A Violência no Futebol Brasileiro. 1ª ed. São Paulo: Saraiva, 2007, p.17.
NETO, José Moraes dos Santos. Visão do Jogo – Primórdios do Futebol no Brasil. São Paulo: COSAC
NAIFY, 2002, p.18.
REALE, Miguel. Lições Preliminares de Direito. 27ª ed. São Paulo: Saraiva, 2003.