Vous êtes sur la page 1sur 127

KING ABDULLAH II

Yasser Arafat

Bashar al-Assad

Menachem Begin

SILVIO BERLUSCONI

TONY BLAIR

GEORGE W. BUSH

JIMMY CARTER FIDEL

CASTRO Recep Tayyip

ERDOG˘ AN

VICENTE FOX

SADDAM HUSSEIN

Hamid Karzai

Kim Il Sung E KIM JONG-IL

Hosni Mubarak,

Pervez Musharraf

VLADIMIR PUTIN

MOHAMMED Reza Pahlavi

Anuar Sadat A

família real saudita

Gerhard Schroeder,

ARIEL SHARON

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA

Muammar Kadafi
Bashar
Assad

Susan muaddi darraj

Filadélfia
Tampa: Retrato do presidente sírio, Bashar al-Assad, durante uma visita com a família real da Espanha, em Maio

de 2001.

Frontispício: Presidente Bashar al-Assad, em 2004, uma entrevista de maio, com uma estação de televisão síria. Durante
a entrevista, Bashar condenou a guerra liderada pelos EUA no Iraque, dizendo que a força de ocupação dos EUA no
Iraque não havia libertado o país e não conseguiu trazer a paz ea democracia prometida. Ele também repreendeu Israel
sobre a sua política de assassinatos, e reiterou seu apoio para o líder palestino Yasser Arafat “apesar das grandes
diferenças políticas.”

CHELSEA House Publishers

VP, N ai credo P RODUTO D ESENVOLVIMENTO Sally Cheney D IRECTOR


DE P RODUÇÃO Kim C Shinners reativa M ANAGER Takeshi
Takahashi M anufacturing M ANAGER Diann Grasse

Staff de Bashar al-Assad

E XECUTIVO E ditor Lee Marcott E DITORIAL UMA SSISTANT Carla Greenberg P RODUÇÃO
E ditor Noelle Nardone P icture R NVESTIGAÇÃO Robin Bonner I nterior D ESIGN Takeshi
Takahashi C SOBRE D ESIGN Keith Trego L ayout 21st Century Publishing and
Communications, Inc.

© 2005 por Chelsea House Publishers, uma subsidiária da Haights Cruz Communications. Todos os direitos reservados.
Impresso e encadernado na China.

http://www.chelseahouse.com

primeira impressão

135798642

Biblioteca do Congresso de Dados de Catalogação na Publicação

Darraj, Susan Muaddi.


Bashar Assad / susan muaddi darraj.
p. cm .- (principais líderes mundiais)
Inclui referências bibliográficas (p.) E índice. ISBN
0-7910-8262-8 (capa dura)
1. Assad, Bashar, 1965- literatura -Juvenile. 2. literatura presidentes-Síria-Biography- juvenil. 3.
Síria-Política e governo-2000- literatura -Juvenile.
I. Título. II. Series.
DS98.6.D37 2005
956.9104'2'092-DC22
2004027146

Todos os links e endereços da web foram verificados e verificado para estar correto no momento da
publicação. Devido à natureza dinâmica da web, alguns endereços e links podem ter mudado desde a
publicação e pode não ser mais válido.
MESA DO CONTEÚDO

Prefácio: Na Liderança
Arthur M. Schlesinger, jr. 6

1 Um Herdeiro relutante Aparente 12

2 A história do colonialismo 16

3 A ascensão do Partido Ba'ath 28

4 O Leão de Damasco 44

5 Uma vida mais tranquila 56

6 Um regime intolerante 72

7 O Início de uma Nova Era 83

8 Tudo muda 98

Cronologia 112

Leitura adicional 114

Índice 116
na Liderança
Arthur M. Schlesinger, jr.

eu Amor sem dúvida suaviza a passagem; mas o amor é uma transação privada entre adultos

IDERANÇA,
com consentimento. pode-seé dizer,
A liderança é realmente
uma transação o que
público fazaohistória.
com mundoAgirar.
idéia de liderança

afirma a capacidade dos indivíduos de se mover, inspirar e mobilizar as massas de pessoas para

que eles agem em conjunto em busca de um fim. Às vezes liderança serve bons propósitos, às

vezes ruins; mas se o fim é benigno ou maligno, os grandes líderes são aqueles homens e

mulheres que deixam a sua marca pessoal na história.

Agora, o próprio conceito de liderança implica a proposição de que os indivíduos


podem fazer a diferença. Essa proposta nunca foi universalmente aceito. Desde os
tempos clássicos até os dias atuais, eminentes pensadores têm considerado indivíduos
como não mais do que os agentes e peões de forças maiores, se os deuses e deusas do
mundo antigo ou, na era moderna, raça, classe, nação, a dialética, a vontade do povo, o
espírito dos tempos, a própria história. Contra tais forças, o indivíduo diminui na
insignificância.

Assim, defende a tese do determinismo histórico. grande romance de Tolstoi Guerra e


Paz oferece uma declaração famosa do caso. Por que, Tolstoi perguntou, fez milhões de
homens nas guerras napoleônicas, negando seus sentimentos humanos e seu senso comum,
frente e para trás em toda a Europa abate seus companheiros? “A guerra”, Tolstoy respondeu:
“estava prestes a acontecer simplesmente porque ele estava prestes a acontecer.” Toda a
história prévia determinou. Quanto aos líderes, eles, Tolstoy disse, “são apenas os rótulos que
servem para dar um nome ao fim e, como rótulos, eles têm o mínimo possível conexão com o
evento.” Quanto maior for o líder, “o mais evidente a inevitabilidade e a predestinação de cada
ato que ele comete.”o líder, disse Tolstoy, é‘o escravo da história’.

Determinismo assume muitas formas. O marxismo é o determinismo de classe. Nazismo o

determinismo da corrida. Mas a ideia de homens e mulheres como os escravos da história corre

athwart os mais profundos instintos humanos. determinismo rígida abole a idéia de liberdade, o ser

humano suposição de livre escolha que subjaz cada movimento que fazemos, cada palavra que

falamos, cada pensamento que pensamos. Ele elimina a idéia de responsabilidade humana,

6
uma vez que é manifestamente injusto para premiar ou punir as pessoas por ações que são, por

definição, além de seu controle. Ninguém pode viver de forma consistente por qualquer credo

determinista. Os estados marxistas provar isso se pela sua extrema susceptibilidade ao culto de

liderança.

Mais do que isso, a história refuta a idéia de que os indivíduos não fazem diferença. Em
dezembro 1931 um político britânico cruzar Fifth Avenue em Nova York entre 76 º e 77 º Ruas
ao redor 10:30 PM olhou na direção errada e foi derrubado por um automobile- um momento,
recordou mais tarde, de um homem horrorizado, um aglare mundo: “Eu não entendo por que
eu não estava quebrado como uma casca de ovo ou comprimida como uma groselha.”
Quatorze meses mais tarde um político americano, sentado em um carro aberto em Miami,
Flórida, foi alvejada por um assassino; o homem ao lado dele foi atingido. Aqueles que
acreditam que os indivíduos não fazem diferença para a história pode muito bem ponderar se
as próximas duas décadas teria sido o mesmo teve o carro de Mario Constasino matado
Winston Churchill em 1931 e bala de Giuseppe Zangara matou Franklin Roosevelt em 1933.
Suponha que, além disso, que Lenin tinha morreu de tifo na Sibéria em 1895 e que Hitler
tinha sido morto na Frente Ocidental em 1916. o que seria o 20 º século ter parecido agora?

Para melhor ou para pior, as pessoas fazem a diferença. “A noção de que um povo pode

executar a si mesmo e seus assuntos anonimamente”, escreveu o filósofo William James “, está

agora bem conhecido por ser o mais tolo dos absurdos. A humanidade não faz nada salvar através

de iniciativas por parte dos inventores, grandes ou pequenas, e imitação pelo resto de nós, estes

são os únicos fatores para o progresso humano. Indivíduos de gênio mostrar o caminho, e definir os

padrões, que as pessoas comuns, em seguida, adotar e seguir.”

Liderança, James sugere, significa liderança em pensamento, bem como em ação. No

longo prazo, os líderes do pensamento pode muito bem fazer a maior diferença para o mundo.

“As idéias de economistas e filósofos políticos, quando eles estão certos e quando eles estão

errados”, escreveu John Maynard Keynes, “são mais poderosos do que é comumente

entendido. Na verdade, o mundo é governado por pouco mais. homens práticos, que acreditam

ser bastante isentos de quaisquer influências intelectuais, geralmente são escravos de algum

economista defunto. . . . O poder dos interesses escusos é vastamente exagerada em

comparação com o avanço gradual das ideias “.

7
8 PREFÁCIO

Mas, como Woodrow Wilson disse uma vez: “Aqueles são apenas os líderes dos homens, no

olho geral, que levam em ação. . . . É em suas mãos que o novo pensamento recebe a sua tradução

para a linguagem crua de ações.”Líderes no pensamento muitas vezes inventar na solidão e

obscuridade, deixando para as gerações posteriores as tarefas de imitação. Líderes em ação-líderes

retratados nesta série-tem que ser eficaz em seu próprio tempo.

E eles não podem ser eficazes por si mesmos. Eles devem agir em resposta aos
ritmos de sua idade. Seu gênio deve ser adaptada, em uma frase de William James,
“para os receptivities do momento.” Líderes são inúteis sem seguidores. “Lá vai a
multidão”, disse o político francês, ouvir um clamor nas ruas. “Eu sou seu líder. Eu devo
segui-los.”Os grandes líderes transformar as emoções incipientes da multidão para fins
próprios. Eles aproveitar as oportunidades do seu tempo, as esperanças, medos,
frustrações, crises, potencialidades. Eles conseguem quando os eventos têm preparado
o caminho para eles, quando a comunidade está aguardando para ser despertada,
quando eles podem fornecer as idéias de esclarecimento e organização. Liderança
completa o circuito entre o indivíduo ea massa e história, assim, altera.

Pode alterar a história para melhor ou para pior. Líderes têm sido responsáveis ​por as

loucuras mais extravagantes e crimes mais monstruosos que afligem a humanidade sofredora.

Eles também têm sido vital em tais ganhos como a humanidade tem feito na liberdade individual, a

tolerância religiosa e racial, justiça social e respeito pelos direitos humanos.

Não há nenhuma maneira de dizer de antemão que vai levar para o bem e que para o mal.
Mas um olhar para a galeria de homens e mulheres em M RINCIPAIS W ORLD eu eaders sugere alguns
testes úteis.

Um teste é esta: os líderes fazem levar pela força ou pela persuasão? Por comando ou por

consentimento? Durante a maior parte da liderança a história foi exercida pelo direito divino de

autoridade. O dever de seguidores foi a diferir e obedecer. “Deles não raciocinar por que / Deles,

mas para fazer e morrer.” Na ocasião, como acontece com os chamados déspotas esclarecidos do

18 º século na Europa, liderança absolutista foi animada por fins humanitários. Mais

frequentemente, o absolutismo alimentou a paixão pela dominação, terras, ouro e conquista e

resultaram em tirania.

A grande revolução dos tempos modernos tem sido a revolução da igualdade. “Talvez

nenhuma forma de governo”, escreveu o historiador britânico James Bryce em seu estudo sobre os

Estados Unidos, The American Commonwealth,

“Necessita de grandes líderes tanto como a democracia.” A ideia de que todas as pessoas
na Liderança 9

deve ser igual em sua condição legal tem prejudicado a velha estrutura de autoridade,
hierarquia e deferência. A revolução da igualdade teve dois efeitos contrários sobre a
natureza da liderança. Pela igualdade, como Alexis de Tocqueville apontou em seu grande
estudo Democracia na América,
pode significar a igualdade na servidão, bem como a igualdade em liberdade.

“Sei de apenas dois métodos para estabelecer a igualdade no mundo político”,


escreveu Tocqueville. “Direitos deve ser dada a todos os cidadãos, ou mesmo nenhum a
ninguém. . . senão um, que é o mestre de todos.”Não havia meio termo‘entre a soberania
de todos e o poder absoluto de um homem.’Em sua previsão surpreendente de 20 º- ditadura
totalitária do século, Tocqueville explicou como a revolução da igualdade poderia levar à Führerprinzip
e mais absolutismo terrível do que o mundo já conheceu.

Mas quando os direitos são dadas a todos os cidadãos ea soberania de todos é


estabelecida, o problema da liderança toma uma nova forma, torna-se mais exigente do que
nunca. É fácil para emitir comandos e aplicá-las pela corda eo jogo, o campo de
concentração eo gulag. É muito mais difícil de usar argumento e realização para superar a
oposição e ganhar consentimento. Os fundadores dos Estados Unidos compreendeu a
dificuldade. Eles acreditavam que a história lhes tinha dado a oportunidade de decidir, como
Alexander Hamilton escreveu no primeiro papel federalista, se os homens são realmente
capazes de basear governo sobre “reflexão e escolha, ou se eles estão sempre destinado a
depender. . . no acidente e força “.

Governo pela reflexão e pela escolha chamada para um novo estilo de liderança e uma

nova qualidade de seguidores. Foi necessária líderes de ser sensível às preocupações

populares, e foi necessário seguidores a ser participantes ativos e informados no processo.

Democracia não elimina a emoção da política; às vezes promove demagogia; mas está

confiante de que, como o maior dos líderes democráticos colocá-lo, você não pode enganar

todas as pessoas o tempo todo. Ele mede liderança por resultados e se aposenta aqueles que

estique nem vacilar ou falhar.

É verdade que nos déspotas longo prazo são medidos por resultados também. Mas
eles podem adiar o dia do juízo, às vezes indefinidamente, e, entretanto, eles podem fazer
mal infinito. Também é verdade que a democracia não é garantia de virtude e inteligência
no governo, para a voz do povo não é necessariamente a voz de Deus. Mas a democracia,
assegurando o direito de oposição, oferece built-in resistência aos males
10 PREFÁCIO

inerente ao absolutismo. Como o teólogo Reinhold Niebuhr resumiu: “A capacidade do homem

para a justiça torna a democracia possível, mas a inclinação do homem à justiça torna a

democracia necessária.”

Um segundo teste para a liderança é o fim para o qual o poder é procurado. Quando os
líderes têm como objetivo a supremacia de uma raça superior ou a promoção de revolução
totalitária ou a aquisição e exploração de colônias ou de protecção da ganância e privilégio ou
a preservação do poder pessoal, é provável que a sua liderança vai fazer pouco para avançar a
causa da humanidade. Quando seu objetivo é a abolição da escravatura, a libertação das
mulheres, a ampliação de oportunidades para os pobres e impotentes, a extensão da igualdade
de direitos para as minorias raciais, a defesa das liberdades de expressão e de oposição, é
provável que a sua liderança vai aumentar a soma de liberdade e bem-estar humano.

Os líderes têm feito um grande mal ao mundo. Eles também têm grandes benefícios

conferidos. Você vai encontrar dois tipos desta série. Mesmo “bons” os líderes devem ser

considerados com uma certa desconfiança. Os líderes não são semideuses; eles colocaram em

suas calças uma perna após a outra, assim como os mortais comuns. Nenhum líder é infalível, e

cada líder precisa ser lembrado disso em intervalos regulares. Irreverência irrita líderes, mas é a

sua salvação. submissão inquestionável corrompe os líderes e avilta seguidores. Fazendo um

culto de um líder é sempre um erro. Felizmente culto do herói gera o seu próprio antídoto. “Todo

herói”, disse Emerson, “torna-se um furo no passado.”

O benefício sinal dos grandes líderes conferir é para encorajar o resto de nós para viver de

acordo com nossos próprios melhor de nós, para ser ativo, insistente e decidido em afirmar o

nosso próprio sentido das coisas. Para grandes líderes atestar a realidade da liberdade humana

contra os supostos inevitáveis ​da história. E atestam a sabedoria e poder que pode estar dentro o

mais improvável de nós, e é por Abraham Lincoln continua a ser o exemplo supremo de uma

grande liderança. Um grande líder, disse Emerson, apresenta novas possibilidades para toda a

humanidade. “Nós alimentam de gênio. . . . Existem grandes homens que pode haver maiores

homens “.

Grandes líderes, em suma, justificar-se por emancipar e capacitar seus seguidores.


Assim, a humanidade se esforça para dominar o seu destino, lembrando-se com Alexis de
Tocqueville: “É verdade que em cada homem um círculo fatal é rastreada para além do qual
ele não pode passar; mas dentro da ampla beira do círculo ele é poderoso e livre; como é
com homem, assim com as comunidades.”
CAPÍTULO

1
Um Herdeiro
relutante Aparente

Eu O presidente George W. Bush declarou à nação que existia um “eixo do mal”,


uma aliança moderna
n Janeiro de três
de 2002, países
durante que criados
seu discurso o terrorismo
do Estado e ódio contra os
da União, American

Estados Unidos. O termo “eixo do mal” foi um lembrete da aliança fatal do Japão,
Itália e Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial, regimes fascistas que
declarou abertamente guerra contra seus vizinhos democráticos. O moderno paralela
foi a Coréia do Norte, Irã e Iraque.

Ao nomear estes três países o novo “eixo do mal”, o presidente Bush não surpreendeu

muitas pessoas. Uma vez que um regime fundamentalista islâmico tomou o controle de seu

governo na década de 1970, o Irã havia sido desde há muito envolvida em conspirações

terroristas, incluindo o seqüestro de aviões americanos e a tomada de reféns. Iraque,

apesar de ter sido uma vez um aliado dos Estados Unidos, tinha invadido a vizinha
Um Herdeiro relutante Aparente 13

Kuwait em 1990, o que provocou uma guerra durante a qual uma coalizão liderada pelos

Estados Unidos quase derrubou o regime de Saddam Hussein. A Coreia do Norte também

não foi popular, por causa de sua proliferação de armas nucleares.

Parte da motivação para a listagem de estados inimigos e à clarificação de


que as nações dos Estados Unidos estava assistindo de perto foi o resultado dos
ataques terroristas de 11 de setembro de 2001. Não seria muito antes de a Síria,
um dos estados do Oriente Médio mais fortes , também se encontraria em
desfavor severa com os Estados Unidos. Em maio de 2004, os Estados Unidos
impuseram formalmente sanções econômicas contra a Síria. Ao explicar sua
decisão, o presidente George W. Bush acusou a Síria de “apoiar o terrorismo,
continuando a sua ocupação do Líbano, perseguindo programas de armas de
destruição em massa e de mísseis, e minando Estados Unidos e os esforços
internacionais no que diz respeito à estabilização e reconstrução do Iraque.”

As acusações contra a Síria surpreendeu muitas pessoas, tanto nos


Estados Unidos e no Oriente Médio. Embora a Síria tem sido no centro da
situação política volátil do Oriente Médio por décadas, muito poucos
considerou uma séria ameaça para os Estados Unidos. Agora, no
entanto, da Síria o presidente Bashar al-Assad, que só tinha estado no
poder por um tempo curto, de repente tinha razão para se preocupar que
seu país tinha sido colocado em uma lista informal de inimigos dos
Estados Unidos. Uma de suas preocupações era que a guerra de 1991
entre o Iraque ea coalizão liderada pelos americanos tinha quase destruiu
a infra-estrutura do vizinho Iraque. Al-Assad não podia deixar de pensar
se o seu país iria sofrer um destino semelhante. De fato,
14 BASHARAL - ASSAD

Bashar al-Assad faz um punho no ar como ele segue o caixão de seu

pai na mesquita de Qurdaha, a aldeia natal do líder sírio tarde, 13 de

junho de 2000. Trinta anos antes, nesta aldeia, Hafez al-Assad

começou sua subir da pobreza para se tornar governante da Síria.

Seu filho Bashar sucedeu.

de Hafez al-Assad (o nome da família “disse al-Assad,” significa “leão” em


árabe, um sentido que muitos acharam ser apropriado). Além disso, Bashar
al-Assad pertencia à minoria Alawite religiosa, uma seita do Islã xiita,
embora a maioria dos sírios são muçulmanos sunitas. Aos olhos de muitos,
isso o fez (e seu pai antes dele) um governante ilegítimo.
Um Herdeiro relutante Aparente 15

Problemas com Israel também ameaçou o governo de Bashar


al-Assad. Israel ocupou as Colinas de Golã, a terra da Síria, durante a
guerra árabe-israelense de 1967 e este fato sempre tinha marcado as
relações da Síria com o Estado judaico. Hafez al-Assad tinha se recusou
a negociar um acordo de paz com os israelenses até que eles voltaram as
Colinas de Golã, enquanto os israelenses queria seguir um tipo de
terreno-em-exchangefor-paz de liquidação. Após a morte de Hafez, os
israelenses esperava ter mais sucesso com o mais jovem Bashar, mais
moderno. A pressão montado no novo presidente; sua decisão de seguir
as políticas de seu pai só lhe rendeu ainda mais a desaprovação dos
Estados Unidos, que havia se tornado o principal negociador no processo
de paz do Médio Oriente. De acordo com o analista político Martin Asser,

Outra questão make-or-break para a longevidade de Bashar al-Assad como


presidente foi a instabilidade econômica da Síria, o que poderia causar
inquietação e frustração por parte de seus eleitores. Como Charmaine Seitz
escreveu: “Provavelmente o maior desafio para a Síria, hoje, é a redução da
pobreza e a introdução do estado para a economia mundial. . . . renda anual per
capita do país é atualmente menos de US $ 1.000, em comparação com Israel,
de US $ 17.500. Uma taxa de desemprego estimada em 25 por cento
permanece envolta em overhiring governo “.

Todos esses problemas e desafios-especialmente as reivindicações dos

Estados Unidos de que a Síria era parte de uma lista de desonestos,-apoiar o

terrorismo nações-enfrentado um jovem Bashar al-Assad, que não quis nem esperar

para se tornar presidente da Síria. Como um analista não muito otimista comentou à

BBC, “Ele tem os instintos certos, mas ele é uma quantidade desconhecida, e ele é

muito jovem. Desejo-lhe sorte.”


CAPÍTULO

2
A história do
colonialismo

O Acordo Sykes-Picot

T de seu maior modelo e mentor, seu pai. Quando Hafez al-Assad nasceu na

o entender
pequena Bashar
aldeia síria al-Assad,em
de Qurdaha é preciso primeiro
6 de Outubro olhar para
de 1930, a vida
a Síria era uma colônia

francesa, tendo caído sob o mandato francês após a Segunda Guerra Mundial. Ele

também era uma colônia repleta de resistência e hostilidade para com os colonos

franceses.

Síria, como a maioria do resto do mundo árabe, estava sob o domínio do Império
Turco Otomano durante 400 anos. Quando a Primeira Guerra Mundial estourou,
Grã-Bretanha formaram alianças com vários líderes árabes locais, prometendo que,
se os árabes ajudou a derrotar os turcos otomanos, nações árabes seria concedido a
independência. Depois da Alemanha e do Império Otomano foram derrotados, Emir
Faisal, o líder sírio que tinha levado a recaptura de Damasco,
A história do colonialismo 17

argumentou que a Síria deve ser uma nação auto-regulam. Faisal foi visto
como um herói, eo herói queria que seus frutos. Em março de 1920, o
sírio Congresso Nacional proclamou Faisal, rei da Síria. O novo reino
deveria incluir todo o Levante: moderna Síria, Líbano, partes da Jordânia,
Israel e os Territórios Palestinos.

A idéia de uma Síria independente foi apoiada por muitos, incluindo o


homem que ajudou a forjar um forte vínculo de lealdade entre os britânicos e
os árabes: “Lawrence da Arábia” TE Lawrence, também conhecido como um
oficial da inteligência britânica, Lawrence tinha ajudado os árabes derrotar os
turcos, e ele mergulhou na cultura árabe a tal ponto que muitos pensavam
que ele mesmo era de origem árabe. Ele falava árabe, vestido com as
vestes compridas e touca tradicional de homens árabes, e sabia o
funcionamento da sociedade árabe. Ele era leal a Faisal, e ele acreditava
que Faisal seria um excelente líder.

de Faisal reino e o objetivo de independence- Árabe foi de curta duração.


Desconhecido para os árabes, que tinha forjado uma aliança com os britânicos
e assumiu que os termos da aliança seria uma honra, os britânicos haviam
assinado um pacto secreto com os franceses em 1916. Ele era conhecido
como o Acordo Sykes-Picot, e afirmou que uma vez que a guerra estava
ganha, as terras árabes não seria independente. Em vez disso, eles seria
dividido e colocado sob mandatos britânicos e franceses. De acordo com John
Morrison, “A existência do acordo Sykes-Picot foi mantida em segredo pelas
potências ocidentais, mas foi revelado mais tarde, pelos russos, após a
Revolução Bolchevique de 1917”. Sob o novo mandato, Síria e Líbano se
tornou colônias francesas, enquanto a Palestina (atual Israel e os territórios
palestinos) tornou-se uma colônia britânica.

Faisal e os árabes, é claro, protestou, mas em julho de


1920, o exército francês apreendeu Damasco, capital da Síria, forçando o rei Faisal
para o exílio no exterior. O movimento chocou muitos, e os árabes considerou esta
uma traição pelos franceses ea
18 BASHARAL - ASSAD

outras potências ocidentais. Lawrence, que tinha trabalhado para forjar a aliança
entre Grã-Bretanha e Faisal, foi especialmente perturbado pela remoção de
Faisal. Como um historiador escreveu: “O breve momento de independência síria
acendido suas esperanças de que seus irmãos árabes poderia de fato alcançar a
liberdade.” Na verdade, Lawrence estava tão irritado com a traição britânica e
francesa dos árabes que ele recusou as várias medalhas e honrarias que seu
próprio governo queria conceder a ele. No mês seguinte, as forças coloniais
francesas declarou que os territórios da Síria e do Líbano seria conhecido como
Grande Líbano.

Como Albert Hourani, um historiador e especialista em Oriente Médio,


observou: “Para a Grã-Bretanha ea França, o controle sobre os países árabes foi
importante não só por causa de seus interesses na própria região, mas porque
reforçou a sua posição no mundo. . . . O mundo árabe ainda era principalmente
importante para a Europa como uma fonte de matérias-primas, e uma grande
proporção de investimento britânicos e franceses foi dedicada a criar as
condições para exigente e explorá-los.”

Segurando um mandato sobre uma terra de pessoas ressentidas exigiu


muita astúcia, e os franceses empregaram a estratégia clássica dominante de
dividir para conquistar. Em 1922, as forças coloniais francesas exploradas as
diferenças étnicas e religiosas que existiam no seio da população síria. No sul,
eles esculpiram uma região independente para os drusos, uma seita do Islã xiita.
Os alauítas, uma outra, mais extremo seita do Islã xiita, foram dadas uma área
separada de seu país na costa. Como autor Peter Mansfield observou, “A grande
maioria dos sírios, e especialmente a elite educada, se recusou a aceitar esta
partição.”

Apesar dos melhores esforços dos franceses para sufocar qualquer


resistência, um movimento nacionalista surgiu, exigindo a independência sírias do
domínio francês. A minoria drusa no sul se rebelou em 1925. Junto com rebeldes
em Damasco, eles montaram uma força de resistência formidável. Ele foi
derrotado pelo bombardeio francês de Damasco, que derrubou a oposição
rebelde, mas deixou muitos sentimentos amargos em sua esteira.
A história do colonialismo 19

Faisal, filho de Hussein de Meca, com os delegados e conselheiros na Conferência de Paz de

Versalhes, em 1919, onde, com base em promessas dos britânicos, Faisal reivindicou o

direito de estabelecer um reino árabe. Ele não teve sucesso. Consequentemente, Faisal foi

brevemente rei da Síria, e mais tarde o Iraque. Atrás dele estão (da esquerda para a direita)

seu secretário particular e companheiro delegado Rustem Haidar; Brigadeiro-general Nuri Dito

de Bagdá; Capitão Pisani da França; Coronel

TE Lawrence “da Arábia”; e Hassan Kadri.

Em uma tentativa de mitigar os danos que haviam feito, o francês empurrado

através de uma nova constituição que fez a Síria um “república parlamentar”. Como

Mansfield observou, no entanto, a França manteve “controle sobre assuntos

externos e de segurança.” Os protestos continuaram. A população síria, divididos

em termos
20 BASHARAL - ASSAD

O mundo ficou chocado com a notícia do bombardeio francês da bela cidade

oriental de Damasco. Geral Sarrail, o general francês que ordenou o bombardeio,

foi chamado de volta e um civil enviou em seu lugar. Sarrail afirmou que o

bombardeio foi necessário tropas francesas livres durante uma revolta civil. Duas

mil pessoas teriam sido mortas, entre os muitos estrangeiros não-combatentes.

Esta foto, tirada 11 novembro de 1925, mostra uma mesquita, completamente

destruído.

de filiação religiosa, status econômico, e etnia, unidos contra o


colonialismo francês.
Foi para este turbilhão político que Hafez al-Assad nasceu. Foi este
encontro histórico com o colonialismo ocidental que forma opiniões políticas
dele e seu filho.
A história do colonialismo 21

A INFLUÊNCIA do sionismo
Houve outra grande força de trabalho no Oriente Médio, bem como, uma
que estava influenciando as atitudes da Inglaterra e da França para a
população árabe e esperanças árabes pela independência. Esta força era o
sionismo, movimento que surgiram na Europa no final de 1800.

Em 1896, Theodor Herzl publicada Der Judenstaat (O Estado Judeu), propondo

que uma nação deve ser estabelecido para os judeus do mundo. Nascido em

Budapeste, em 1860, Herzl ganhou um doutorado em Direito pela Universidade de

Viena em 1884. Enquanto na faculdade de direito, ele percebeu que o anti-semitismo,

ou ódio pelo povo semita, incluindo judeus, era galopante na Europa. Ele acreditava

que os judeus só poderia ser livre desse ódio, vivendo separadamente dos

não-judeus. Como sua carreira desenvolveu, ele virou-se para a escrita. Ele trabalhou

como jornalista em Paris durante muitos anos e até mesmo escreveu uma peça, O

gueto, em 1894, que abordou o problema do anti-semitismo.

Der Judenstaat, publicado dois anos depois, causou um furor na Europa.


“Somos um povo e uma pessoas”, escreveu ele. “Nós sinceramente se
esforçaram em todos os lugares para nos unir na vida social das comunidades
vizinhas e preservar a fé de nossos pais. Nós não estão autorizados a fazê-lo. . .
. Em países onde viveram durante séculos, somos ainda chamados de
estrangeiros, e muitas vezes por aqueles cujos ancestrais ainda não tinham
domicílio na terra onde os judeus já tinha tido experiência de sofrimento.”Herzl
rejeitou a idéia de que os judeus poderiam e deveriam assimilar cultura europeia,
e ele defendeu a criação de um estado judeu no qual os judeus podiam praticar
sua religião e desfrutar de sua cultura sem restrições e sem opressão.

esforços de Herzl foram ridicularizados por muitos e retratado como ridículo


e impossível. Muitos judeus europeus ricos e influentes não iria apoiar a sua
ideia. Muitos outros judeus, no entanto, fez, e os esforços de Herzl levou à
convocação do primeiro Congresso Sionista na Suíça em 29 de agosto de 1897.
O Congresso declarou que um dos principais objectivos de judeus de todo
22 BASHARAL - ASSAD

o mundo deveria ser estabelecer um Estado judeu. A localização deste estado


seria na Palestina, que o Congresso considerado o lar bíblico dos judeus. “O
objetivo do sionismo”, conforme definido durante o Congresso, foi “para criar para
o povo judeu um lar na Palestina assegurado pelo direito público.” Alguns dos
passos para a consecução deste objetivo, delineado no que veio a ser conhecido
como o Basileia declaração, foram “a promoção, nas linhas adequadas, da
colonização da Palestina por parte dos trabalhadores agrícolas e industriais
judeus” e “passos preparatórios para a obtenção de consentimento do governo,
se necessário, para a realização do objectivo do sionismo”.

Quando os britânicos e franceses assinaram o Acordo Sykes-Picot,


em 1916, a Organização Sionista Mundial, que havia sido fundada como o
ramo político do Congresso Sionista, agiu rapidamente para garantir seus
próprios interesses. Desde os britânicos passaram a deter o mandato
sobre a Palestina, os sionistas apelou ao governo britânico para promover
sua agenda. A Declaração Balfour, assinado em 1917, delineou uma
promessa britânica para colocar parte de terras árabes para Jews-
Europeia muito contra a vontade-e árabes compromisso britânico definido
para o estabelecimento de uma nação judaica na Palestina. Em essência,
os britânicos haviam prometido terras palestinas, tanto para árabes, que
eram nativas para a terra, e com a Organização Sionista Mundial. Esta
decisão iria causar estragos no Oriente Médio,

Grupos de judeus europeus começaram a imigrar para a Palestina, e,


como o seu número aumentou, a população árabe nativa cresceu inquieto e
desconfiado do governo colonial britânico. Depois de séculos de opressão
pelos turcos otomanos, que tinha sido prometido a independência, mas agora a
demografia ea população em geral estavam mudando por causa do afluxo
maciço de imigrantes.

Os árabes na Palestina tentou protestar a situação, enviando uma petição ao

primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Winston Churchill,


A história do colonialismo 23

estadista escocês e filósofo Arthur James Balfour, um político ativo

responsável para a Declaração de Balfour (1917), que prometeu um lar

nacional para os sionistas. Logo após a declaração foi feita, os judeus

começaram a emigrar para a Palestina britânica de capital aberto.

Winston Churchill prometeu que não árabes seriam despojados-a

promessa de que provou ser um oco.

para deter a imigração completamente ou pelo menos até que pudessem


estabelecer a fundação de um governo palestino. Churchill, no entanto, ficou
pela Declaração de Balfour. "Isto é
24 BASHARAL - ASSAD

manifestamente certo que os judeus, que estão espalhadas por todo o


mundo, deve ter um centro nacional e um lar nacional, onde alguns deles
podem se reunir “, afirmou. “E onde mais poderia ser, além nesta terra da
Palestina, com o qual há mais de três mil anos eles têm sido intimamente e
profundamente associado?”

Colonialismo francês NA SÍRIA


Hafez al-Assad nasceu em uma família pobre em Qurdaha, uma
pequena aldeia na Síria. Ele e sua família foram alauítas. Os alauítas, que
são uma seita do Islã xiita, acreditam que o Imam Ali, que era o primo e
filho-de-lei de Maomé, deveria ter conseguido o Profeta e se tornar o califa,
ou líder, dos muçulmanos. (Em árabe, “Alawi” significa “seguidor de Ali”.) Ali
foi califa apenas brevemente; ele foi assassinado no ano 661. xiitas, entre
eles os alauítas, segure Ali na mais alta estima e considerá-lo quase divina;
eles acreditam que mesmo que outros líderes tornou-se califas, somente os
descendentes de Ali tinha o direito de fazê-lo.

Uma das principais subdivisões do islamismo xiita é chamado o Ithna


Ashariyya, ou o Twelvers. Os membros desta seita seguir os ensinamentos
dos doze imãs que levaram a seita, começando com Ali. O imã duodécimo
desapareceu misteriosamente no ano 873, mas muitos xiitas acreditam que
ele vai voltar como um messias.

Os alauítas são uma ramificação deste Ithna Ashariyya, e eles acreditam em

sete pilares que servem como diretrizes para a conduta e fé. Os cinco primeiros

destes são os principais pilares de todos os muçulmanos. Os muçulmanos acreditam

que “não há outro deus senão Deus, e Maomé é seu Profeta,” eles fazem um hajj, ou

peregrinação a Meca; eles pagaram zakat, ou esmolas para a pobre; oram cinco

vezes por dia; e jejuarem durante o mês de Ramadan.

Os outros dois pilares para que os alauítas aderem são


waliya, o que significa que está sendo dedicada aos descendentes do Imam Ali, e jihad,
o que significa a realização de uma guerra santa
A história do colonialismo 25

ao longo da vida. A seita secreta, os alauítas tentar manter seus costumes e


rituais religiosos escondidos. Eles são considerados radical, e seus números
estão concentradas na Síria, onde eles são uma minoria e não constituem mais
de 15 por cento da população. Vivendo principalmente nas montanhas da Síria,
eram, no início do século, uma das comunidades mais pobres da região; de
acordo com Peter Mansfield, “[alauítas] formou a camada social mais pobres e
menos educados na Síria. meninas alauítas foram amplamente empregadas
como criadas em de classe média famílias sírias “.

Embora radicalmente diferente da maioria sunita da região, os alauítas,


como outros sírios, se ressentiam da colonização francesa de seu país.
Como uma criança, Hafez al-Assad foi ensinado que os franceses eram os
ocupantes e que deve ser resistida. Sua infância em Qurdaha, localizado
nas montanhas de Ansariya perto da costa do Mediterrâneo, teria sido uma
tranquila e sem incidentes, se não fosse para o colonialismo francês. Neste
sentido, o colonialismo ocidental em forma de sua vida e carreira política;
ele iria passar o resto de seus dias criticá-lo.

Quando al-Assad nasceu, Qurdaha era uma aldeia agrícola, isolado de e

imperturbável pelas outras vilas e cidades na Síria devido à sua localização nas

montanhas. Ela consistia de talvez 100 pequenas casas. Os moradores tiveram que

viajar em outros lugares para visitar uma mesquita ou compra itens necessários ou

bens, porque há mesquitas ou lojas existia na Qurdaha. Também não houve escolas

maioria dos moradores são analfabetos, e as crianças cresceram e trabalhou nas

fazendas com suas famílias.

O pai de Al-Assad foi uma notável na aldeia, e ele tinha duas esposas. A
família de onze filhos e seus pais viviam em uma casa de pedra que consistia
em apenas dois quartos. Tal fundo empobrecida não parecia provável para
promover um futuro líder nacional, mas o colonialismo francês mudou tudo
isso. Nos anos mais tarde, Hafez Assad atraiu uma sensação de força e
determinação das suas raízes modesto.
26 BASHARAL - ASSAD

Percebendo que a paisagem sírio abrangeu muitas comunidades étnicas e


religiosas diferentes, os franceses tentaram mantê-los lutando entre si, a
estratégia clássica de “dividir e conquistar”. Eles tentaram ganhar o favor dos
alauítas e começou a estabelecer escolas na aldeia . Quando as escolas
abertas em Qurdaha, o pai de al-Assad queria que seus filhos para participar e
receber uma educação. Talvez ele viu que suas chances eram limitados na
pequena aldeia, com sono, ou talvez ele sabiamente reconheceu que a
situação pós-guerra e da colonização pelos franceses teria um impacto sobre a
nação. De qualquer forma, ele queria que seus filhos, pelo menos os mais
jovens, para ter todas as vantagens possíveis. Por esta razão, Hafez e seus
irmãos foram enviados para a escola.

O sistema escolar francês era desafiador e causou controvérsia entre os


sírios. Os franceses operado as escolas que estabelecidos na Síria tanto
quanto eles administrados escolas de volta à França: estudantes sírios
aprendeu a língua francesa e foram ensinados suas aulas em francês, bem
como em árabe. Em algumas partes da Síria e no vizinho Líbano, que a
França também mandatado, árabe tornou-se a língua desejada. Esta era uma
prática comum entre as potências coloniais. Na Índia, por exemplo, as
autoridades britânicas promoveu o idioma Inglês e suprimiu as línguas
nativas, como Hindi. Na Síria, Peter Mansfield escreveu, “crianças árabes
foram ensinados uma interpretação francesa de história e até aprendeu a
cantar

La Marseillaise. ”Ele acrescentou, no entanto, que‘Só o francófobo mais


comprometidos negaria que algo de valor permaneceu: a relação Francês para a
aprendizagem em si, para maior clareza de expressão e estilo intelectual’.

Hafez al-Assad também se beneficiou da herança intelectual árabe.


Seu pai teve um papel na educação de seus filhos, mantendo a par do que
eles estavam aprendendo e promover a cultura árabe com eles da melhor
forma que podia. Por exemplo, ele desafiou-os a aprender poemas longos
de alguns dos poetas árabes clássicas. Na sociedade árabe, poesia
A história do colonialismo 27

está profundamente enraizada na cultura; em muitas tribos árabes, poetas eram

reverenciados como grandes estudiosos, e há uma grande tradição oral da poesia.

Portanto, enquanto ele não tem um fundo financeiramente confortável, Hafez

al-Assad tinha os benefícios de uma educação rigorosa, tanto em casa como na

escola.
CAPÍTULO

3
A ascensão do
Partido Ba'ath

Mudanças na sociedade SÍRIA

UMA juntou-se ao Partido Baath, que foi varrendo a nação em reação ao


colonialismo francês.
t 16 Em
anosárabe, Ba'ath
de idade, quandosignifica
ele ainda “renascimento” ou “ressurreição”.
era um estudante, Hafez al-Assad

Fundada em 1940 por Michel Aflaq e Salah ad Din al Bittar, o partido Ba'ath recrutou
membros da crescente classe média da Síria e profissionais, incluindo professores,
advogados, empresários e estudantes. Como John Morrison escreveu, “O
surgimento de uma classe média estava se tornando fundamental para mudar a
sociedade síria, porque isso significava uma mudança da ampla tradicional divisão
entre ricos e pobres em direção a um sistema mais democrático.”

A classe média havia surgido após a Primeira Guerra Mundial, quando a indústria e um

sistema educacional mais amplo tinha começado a desenvolver em


A ascensão do Partido Ba'ath 29

Síria. Um dos fundadores do partido Ba'ath, Michel Aflaq, era um cristão árabe.
Ele havia estudado na Universidade de Paris em 1920 e observou o estilo
francês de governo. Se a Síria e no mundo árabe foram a avançar, ele supôs,
eles teriam de rejeitar ocupantes estrangeiros enquanto eles trabalharam para
estabelecer a igualdade socioeconômica entre os seus cidadãos.

O socialismo também foi uma força internacional no momento, com seu foco na

igualdade social e solidariedade. Era o oposto do capitalismo, em que o sistema de

livre empresa permite que algumas pessoas subir ao topo, enquanto outros

permanecem na parte inferior da escada social. Um governo socialista possui e

mantém um rígido controle sobre negócios; este governo está teoricamente

dominado por trabalhadores, e não por aristocratas. Aflaq viu isso como um sistema

governamental ideal para um futuro Síria independente. Em 1953, o partido Ba'ath na

Síria juntou forças com o Partido Socialista Sírio, formando o Partido Baath Árabe

Socialista. Na verdade, o lema do partido tornou-se “Unidade, liberdade e socialismo”

-liberdade do francês e todos os ocupantes estrangeiros e influências e do socialismo

como o núcleo de sua estrutura governamental.

“Unidade” no lema referida unidade árabe e ao movimento pan-arabista, que


também estava se formando na região. ênfase principal do pan-arabismo era
sobre a identidade comum de todos os árabes e a superficialidade das fronteiras
nacionais. Estados como Síria, Jordânia, Palestina, Iraque e Líbano, os
proponentes pan-Arabist argumentou, tinha sido criado pelas potências
ocidentais, sob seu mandato para dividir e conquistar o Oriente Médio.
Pan-arabismo foi um dos primeiros movimentos anti-coloniais para ganhar apoio
popular no Oriente Médio, e sua adoção pelo partido Ba'ath de Aflaq ajudou a
popularizá-lo em toda a região.

Desde suas origens em Damasco, o Partido Ba'ath logo se espalhou para o


resto do Oriente Médio, com ramos formando em quase todas as nações árabes.
Foi um momento emocionante para jovens como Hafez al-Assad. O crescimento do
Partido Ba'ath ea propagação do pan-arabismo promoveu um sentimento de
orgulho árabe e um renascimento árabe iminente. “Parecia justo e razoável
30 BASHARAL - ASSAD

para quebrar todos os laços com as potências europeias e para recuperar o controle total

e independente dos seus próprios países e recursos “, escreveu Martin Mulloy.

Havia um forte governo pan-arabista no Egito na época, liderado por


Gamal Abdel Nasser, o presidente egípcio carismático e dinâmico. Nasser
era um ex-militar que tinha sido parte de uma revolução para derrubar o
monarca egípcia, o rei Farouk. Como Assad, ele veio de uma origem humilde,
e ele acreditava na independência árabe, especialmente a partir de potências
ocidentais. Com sua mensagem de igualdade para todos os árabes e a
queda das monarquias corruptas do Oriente Médio, Nasser apelou para as
massas comuns. Ele se tornou o maior porta-voz da unidade árabe e de
solidariedade, e suas idéias atraído muita atenção na Síria. Como explicou
Peter Mansfield, “a Síria, o coração ea alma do nacionalismo árabe, foi o país
que parecia mais provável de se juntar ao acampamento nasserista.”

Nem todos, porém, gostou das ideologias ba'atistas. Devido à influência da


União Soviética, houve também um forte movimento comunista no mundo árabe, e
simpatizantes comunistas tiveram problemas com a plataforma do Partido Baath:
“Os baathistas gostei do conceito marxista de uma sociedade utópica, mas didn' t
cuidados para o comunismo “, explicou John Morrison. “Os membros sentiram que
os comunistas foram muito intimamente ligada com a União Soviética e os
baathistas oposição alinhamento com qualquer das superpotências.” Além disso,
como Morrison acrescentou: “O super-Estado árabe imaginado pelos baathistas
era para ser baseada na uma secular, ao invés de um sistema religioso. Isso não
se coaduna com os líderes religiosos conservadores.”

Para Hafez al-Assad ea minoria Alawite, no entanto, a visão baathista de


um estado secular era ideal, pois em tal estado, os alauítas, que eram uma
minoria religiosa, seria não- teoricamente, pelo menos, sofrem discriminação.
Esta foi provavelmente uma das razões pelas quais Michel Aflaq haviam
trabalhado para criar o partido. Como cristão, ele percebeu que a minoria cristã
A ascensão do Partido Ba'ath 31

na Síria e no mundo árabe em geral iria prosperar sob uma forma de


governo secular.

O FIM DA era colonial


O renascimento provocada pela ascensão do partido Ba'ath ea
propagação do pan-arabismo coincidiu com outro grande evento na
história da Síria: o fim do mandato francês. razões da França para sair
foram inumeráveis. Ela havia sido fortemente envolvido, como a
Grã-Bretanha era, na II Guerra Mundial, e as despesas de guerra tinha
feito a administração de suas colônias distantes quase impossível. Além
disso, os sírios foram decididamente focado em tornar-se independente
do mandato francês tinha estado em vigor desde 1920, um quarto de
século de ocupação estrangeira. Em 1945, os sírios se rebelou contra o
governo colonial francês, e só através de um bombardeio de Damasco
que o francês recuperar o controle. As negociações que se seguiram, o
que envolveu a Grã-Bretanha,

A história dos povos árabes, acrescentando que a retirada pela França era
incondicional. “Assim, a Síria eo Líbano obteve a independência completa, sem
as limitações que os tratados com a Grã-Bretanha havia imposto sobre o Egito
e no Iraque.”
Em 17 de abril de 1946, o francês terminou seu mandato sobre a nação
síria, eo último soldado francês partiu, fazendo com que a Síria a primeira nação
árabe a tornar-se independente do domínio estrangeiro. O grande partido político
na época era o Bloco Nacional, que consistiu dos líderes de classe alta e os
homens ricos na Síria. “Eles tinham sido educados em universidades francesas e
turcos ou pelo francesa e faculdades americanas operado no Líbano e Egito, e
eles tendem a ser um pouco esnobe”, explicou John Morrison. “Eles quase não
tinha contato com os cidadãos comuns e parecia desinteressado em suas
necessidades.” O Bloco Nacional queria preservar o status quo, permitindo que
as classes mais altas para manter sua riqueza e dominância política.
32 BASHARAL - ASSAD

Na verdade, o Bloco Nacional estava em contraste direto com o Partido


Ba'ath emergente em termos de seu interesse, apoio e visão nacional. Os
baathistas apelou a e puxou seu apoio da classe média e tinha começado a
chegar às classes mais baixas. Outras partes importantes incluíram o Partido
Nacional e Partido Popular, bem como o Partido Socialista Árabe e do
Partido Comunista da Síria.

primeiro governo independente da Síria era uma democracia


parlamentar. Sob este sistema de governo, um primeiro-ministro lidera a
nação e um parlamento de ministros cria as leis. briga interpartidária logo
surgiu, no entanto, assim como problemas entre as diferentes comunidades
que habitavam Síria. No entanto, o país foi brevemente Unidos durante
1948, respondendo a um evento que mudaria para sempre a paisagem e
política do Oriente Médio.

O movimento sionista na Europa nunca tinha deixado de aplicar pressão


sobre o governo britânico para estabelecer uma pátria judaica na Palestina. Os
britânicos, durante o seu mandato sobre a Palestina, tinha estragado a situação,
fazendo muitas promessas contraditórias tanto para os judeus imigrar e os
árabes nativos. Grã-Bretanha estava sob pressão de todos os lados para
resolver o conflito. Os árabes alegaram que haviam habitado a terra por séculos
e não queria ser deslocado por imigrantes europeus que tinham sido em
streaming desde o início do século e foi lentamente-se entrincheirar na região.
Os judeus que já haviam imigrado para a área tinha começado a estabelecer
milícias, e “ataques judeus sobre funcionários e instalações na Palestina
britânica veio perto do ponto de revolta aberta”, explicou Hourani. Outros países
europeus, chocado com os horrores que haviam sido descobertos após a
Segunda Guerra Mundial em campos de concentração da Alemanha, mas não
estão dispostos a estabelecer uma nação judaica dentro de suas próprias
fronteiras, pediu aos britânicos para permitir que os judeus a emigrar para o
Oriente Médio e construir sua própria nação lá. Mesmo os americanos se
envolveram. Os Estados Unidos, explicou Hourani, “estando sob
A ascensão do Partido Ba'ath 33

alguma pressão de sua grande e politicamente ativa comunidade judaica, estava


inclinado a usar sua influência em favor das demandas sionistas para a
imigração e soberania “. Outros governos árabes rejeitaram o estabelecimento
de um Estado judeu em uma região de maioria árabe, muçulmano, acusando os
europeus de resolver os seus próprios problemas à custa dos árabes palestinos
que já habitavam a região.

NAÇÕES UNIDAS passos na


Em 1947, os britânicos transformou a questão sobre a Organização
das Nações Unidas para a resolução. A ONU decidiu sobre um plano de
partição que atribuído 55 por cento das terras palestinas, incluindo grande
parte da costa, para os judeus. Os árabes foram furiosa, porque imigrantes
judeus no momento numeradas aproximadamente 30 por cento da
população. Além disso, árabes acreditavam que os judeus mais tarde iria
tentar reivindicar ainda mais terras e expulsar os palestinos nativos. Essa
crença foi apoiado por declarações feitas por vários líderes judeus na
época, incluindo David Ben Gurion, que afirmou: “Depois que se tornar uma
força forte, como resultado da criação de um Estado, que deve suprimir
partição e expandir para toda da Palestina “. na Assembleia da ONU, as
nações árabes rejeitaram o plano de partição embora principais poderes,
como os Estados Unidos ea Rússia aceitaram. Grã Bretanha,

Nesse mesmo dia, a comunidade judaica declarou o estabelecimento do


estado de Israel, e os países do Egito, Jordânia, Iraque, Síria e Líbano atacou
imediatamente, indignados com o que foi amplamente visto como uma outra
imposição estrangeira em suas terras. A população judaica, no entanto, já tinha
reunido um exército e tinha obtido armas de outros países. muitos
surpreendente, Israel ganhou a guerra, mas os efeitos da guerra complicou
ainda mais a paisagem da região. Israel agora controlada em 75 por cento da
Palestina, e milhares de árabes palestinos tinham sido forçados para fora e
agora eram refugiados.
34 BASHARAL - ASSAD

Em 29 de novembro de 1947, membros da assembléia das Nações Unidas votou para

separar Israel em um árabe e um Estado judaico. Em 14 de maio,

1948, os judeus proclamaram o Estado de Israel. Esses atos, precedida pela Declaração

de Balfour de 1917, resultou em estatuto de refugiado por muitos árabes palestinos e da

violência e derramamento de sangue, que dura no século XXI.

Como parte do armistício que pôs fim à guerra, o Egito concordou em administrar a
Faixa de Gaza, a terra, no lado ocidental da Palestina que tinha sido atribuído pela
ONU para os árabes palestinos. rei da Jordânia concordaram em administrar a
Cisjordânia, terra árabe no lado oriental da Palestina ao longo da margem
ocidental do rio Jordão.

Síria, como as outras nações árabes, sentiu-se humilhado pelo resultado


da guerra e não tinha certeza do que fazer sobre a nova entidade, Israel, que
tinha surgido na região. A questão dos refugiados também foi um controverso
na época, porque
A ascensão do Partido Ba'ath 35

Particionar Dia em Israel, 30 de novembro de 1947, no dia seguinte a votação

da ONU que separava Israel em seções judeus e árabes. Naquele dia, os

judeus celebravam o nascimento de sua terra natal, alguns com canto e dança.

Aqui, os civis montar em um carro da polícia britânica blindado e voar uma

bandeira israelense caseiro. A partição atribuído aos judeus uma parcela

desproporcionalmente grande da terra para sua população, um fato não perdeu

nos árabes nativos.


36 BASHARAL - ASSAD

milhares de palestinos deslocados haviam se fixaram temporariamente na Jordânia,

Líbano e Síria. Como Hourani observou:

O governo israelense. . . recusou retirar qualquer número substancial de

refugiados árabes; mas foi geralmente aceite pelos britânicos, os governos

americanos e israelenses que, mais cedo ou mais tarde, ser absorvidos pela

população dos países onde tinham encontrado refúgio, e que, se não a paz,

então pelo menos um estábulo modus vivendi entre Israel e seus vizinhos

pode ser alcançado.

Para as nações árabes, a maioria dos quais tinha ganhado apenas recentemente

independência e cujos líderes estavam tentando atender às necessidades de suas próprias

populações, a instabilidade dentro de seus próprios países foi agora agravada pela

instabilidade na região e a crise dos refugiados. A questão não resolvida dos refugiados

também manteve as tensões entre árabes e israelenses alta.

Na Síria, a guerra quebrou moral nacional, e em pouco tempo, as várias


facções dentro do governo estavam em guerra um com o outro. Uma série de
golpes se seguiu, e líder depois que o líder foi deposto. Após a guerra de 1948 com
Israel, líder sírio Shukri al-Quwwatli foi deposto e substituído pelo coronel Husni
Zaim que foi ele próprio derrubado um ano mais tarde e executado pelo coronel
Sami Hinnawi. Hinnawi, por sua vez, foi deposto pelo coronel Adib Shishakli.
Shishakli supervisionou uma grande mudança na constituição da Síria. Em 1953,
foi determinado que a Síria seria agora uma república, liderado por um presidente,
em vez de um primeiro-ministro. Shishakli não durou muito tempo como governante
da Síria. Depois brutalmente suprimir um levante pela população drusa do país, ele
foi forçado a fugir Síria depois ainda um outro golpe de Estado em 1954.

Os líderes do Partido Ba'ath observou a estrutura governamental caótica

cuidadosamente e apreendeu sua chance. Eles se fundiu com o Partido Socialista

Árabe em 1953, uma aliança da qual ambas as partes se beneficiaram. Uma tentativa

semelhante para se fundir com


A ascensão do Partido Ba'ath 37

o Partido Comunista sírio não provaria tão frutífero. Para o desânimo dos
baathistas de tendência socialista, os comunistas começaram a dominar a
cena política.

A ASCENSÃO DO MILITAR
Hafez al-Assad foi o primeiro membro de sua família a se formar no ensino

médio, e ele foi reconhecido como o aluno mais academicamente realizado em sua

classe. Em 1951, al-Assad se matriculou na Academia Militar Homs. Seu pai não

podia dar ao luxo de mandá-lo para uma universidade, por isso uma educação militar

livre foi a melhor opção. A disciplina Hafez al-Assad ganhou na academia e no

serviço militar se tornaria uma grande influência em sua vida e carreira política. Ele

treinou como um piloto e se formou como um tenente da força aérea em 1955,

reconhecido por sua habilidade em acrobacias. Ele subiu rapidamente através das

fileiras e era conhecido por sua capacidade e motivação. Em 1958, ele estudou na

União Soviética, completando cursos de noite e de dia de combate aéreo.

Nesse mesmo ano, Hafez al-Assad servido em um esquadrão de combate


do ar no Cairo como parte da nova união que havia sido formado entre os
governos pan-Arabist do Egito e da Síria em 01 fevereiro de 1958: a República
Árabe Unida (UAR). Procurando uma maneira de suprimir a influência dos
comunistas em seu governo, os baathistas na Síria apoiou esta fusão. O
presidente egípcio carismático e muito popular, Gamal Abdel Nasser, foi
proclamado o novo presidente da UAR e Cairo foi escolhida como a nova
capital. Árabes em todo o Oriente Médio viu o estabelecimento da UAR como o
primeiro passo, sólida para unificar todas as nações e povos árabes, um sonho
que parecia morrer depois do Acordo Sykes-Picot dividiu a região entre a
Inglaterra ea França. A nova bandeira foi projetada para representar a UAR.
Ele tinha três grandes listras horizontais: uma vermelha, um branco, e um
preto. No centro, ao longo da faixa branca, eram duas estrelas verdes, um
representando o Egito e um representando Síria. Esta bandeira continua a ser
a bandeira atual da Síria moderna. (Vizinho Iraque, que tinha esperanças de
38 BASHARAL - ASSAD

O presidente egípcio Gamal Abdel Nasser (esquerda) e presidente sírio Shukri

al-Quwwatli, na chegada do Quwwatli no Cairo, 3 de fevereiro de 1958. As duas mãos

fecho para simbolizar a fusão dos dois países na República Árabe Unida. Eles

encorajaram outros países árabes para se juntar a eles. Ninguém jamais fez, no entanto,

e a coalizão durou apenas três anos, quando a Síria, que tinha se tornado pouco mais do

que um satélite do Egito, desistiu do acordo.


A ascensão do Partido Ba'ath 39

eventualmente, ser incluído na UAR, adotou uma bandeira similar, com uma terceira

estrela verde inserido).

Jovem Hafez al-Assad, que agora estava subindo rapidamente através das

fileiras e se tornando mais reconhecido amplamente por suas habilidades e

inteligência, realmente se opôs à UAR. Como muitos outros na Síria, ele acreditava

em um pan-arabista ideologia de que ele era, afinal, um membro do Partido Baath

Party-mas ele sentiu que as ambições da Síria seria ofuscado pelo Egito, que

parecia ser o parceiro dominante a União. Além disso, ele se sentiu desconfortável

com o fato de que Cairo era a nova capital desta entidade, governador da Síria a

partir de uma distância.

A UAR não durou muito tempo, dissolvendo apenas três anos após ter
sido criado. Em setembro de 1961, um golpe de Estado ocorrido na Síria-o
quinto em apenas doze anos-durante o qual os militares tomaram o governo.
O Partido Nacional e Partido Popular encontraram-se em controle político
mais uma vez. Em setembro, a Síria retirou-se da República Árabe Unida.
Como explicado Morrison, o novo governo foi ineficaz eo caos se seguiu na
Síria: “Houve golpes e contragolpes, combates de rua entre nasseristas, que
queriam retornar à união com o Egito, e comunistas e baathistas, bem como
as batalhas entre o exército rival facções “.

A sucessão de golpes de Estado e do caos em sua terra natal, a Síria não


escapou à observação e análise de Hafez al-Assad, que viram os eventos
como lições políticas. Talvez ele já estava se formando um plano pelo qual ele
um dia se tornaria o presidente da Síria, dada a sua inteligência natural,
motivação e disciplina, ele certamente possuía o potencial. Em 1960, enquanto
servia no Egito, al-Assad havia ajudado a fundar o Comité Militar, um grupo
secreto de oficiais que planejava assumir o controle da UAR do Egito. Eles
foram motivados, em parte, pelas ações de Gamal Abdel Nasser, presidente do
Egito, bem como presidente da UAR. Nasser não gostava de partidos políticos
e, como líder da UAR, havia ordenado o Partido Baath sírio para ser dissolvido.
Furioso e frustrado que a Síria estava jogando um
40 BASHARAL - ASSAD

papel secundário na União, os membros do Comité Militar queria


restaurar a integridade eo respeito de sua nação.
Depois de 1961 golpe acabou com a UAR, o Comité Militar redirecionou
seu foco, desta vez, definindo suas vistas em ganhar controle político dentro da
própria Síria. O caos que se seguiu após a 1961 golpe forneceu-lhes com toda a
evidência que eles precisavam que um novo governo, mais eficaz era
necessário para estabilizar o país.

Aderindo ao slogan do Partido Baath de “Unidade, liberdade e socialismo”,


o Comité Militar derrubou o governo em Março de 1963, encenando um sexto
golpe de Estado. O Partido Ba'ath foi agora totalmente no controle, mas o novo
governo em breve desviado dos ideais políticos originais estabelecidos por
Michel Aflaq e outros que haviam estabelecido o Partido Ba'ath. Ao invés de
focalizar as necessidades de todos os cidadãos igualmente, o partido dividiu-se
em duas linhas: a facção “civil”, que teve uma plataforma moderada e ideológica,
ea facção “militar”, que era muito mais radical e acredita em ordem aplicação por
qualquer meio necessário. Alarmados com este desenvolvimento, Aflaq ergueu
as preocupações, mas encontrou sua voz abafada pelos encarregados.

Hafez al-Assad, que apoiou a facção militar dentro do Partido Ba'ath,


continuou a subir na hierarquia. Em 1963, tornou-se comandante da
Força Aérea síria. Em fevereiro
1966, a facção militar liderado um golpe contra os líderes civis dentro do
partido, e al-Assad, um dos líderes e organizadores do golpe, foi promovido
para o cargo de secretário da Defesa. Os baathistas, com a sua nova visão
para a Síria mais forte, expulso Michel Aflaq do partido. Desiludido, ele deixou
a Síria e se estabeleceram no Líbano. Ele deixou para trás um partido Ba'ath
radical muito mais, que, como Peter Mansfield descreve “, não tinha amor por
Nasser, mas eles eram mais fortemente hostil para com os reis árabes e, se
possível, ainda mais belicosa do que seus antecessores em relação a Israel.
”Talvez por respeito para o fundo militar de Nasser e para o ideal de árabe
A ascensão do Partido Ba'ath 41

unidade, os novos ba'athistas reabertas as linhas de comunicação com Nasser,

formando uma aliança tentativa. Talvez ambos os lados, embora conscientes de suas

diferenças, reconheceu Israel como um inimigo maior.

Outra guerra
O líder do novo, redefiniu Partido Baath era Salah al-Jadid, que,
como al-Assad, foi um Alawite. Al-Jadid tinha servido com al-Assad no
Egito em 1960 e também foi membro fundador do Comité Militar que
tinham derrubado o regime anterior. Como o primeiro líder Alawite da
Síria, al-Jadid era bastante consciente de sua aderência tênue no poder.
Junto com al-Assad, ele purgado os militares de nonBa'athists, garantindo
que não haveria golpe militar contra seu governo uma lição aprendida de
assistir tantos governos anteriores cair.

Em pouco tempo, porém, al-Jadid começaram a deixar as questões militares


apenas aos al-Assad para decidir, enquanto ele se concentrou em reformar a
sociedade síria. Al-Jadid era um esquerdista e acreditava na igualdade social; Ele
também apoiou a rebelião palestina contra os militares israelenses e do governo. A
Organização de Libertação da Palestina (OLP), formado em 1964 para expulsar
Israel de terras árabes palestinos, teve o pleno apoio do governo de al-Jadid. Os
seus objectivos não eram muito diferentes dos ba'atista visa: A Carta Nacional
Palestina, aprovada pela OLP em

1964, chamado de um Estado palestino secular, democrática. O apoio da


Síria para o PLO provocou os israelenses, que ameaçaram derrubar o
Partido Ba'ath. A ameaça levou os baathistas para assinar um acordo com
Nasser em
1966, prometendo que a Síria eo Egito iria defender um ao outro no caso de um
ataque. Em menos de um ano, que tratado de defesa seriam testados.

Em 1967, a terceira guerra árabe-israelense estourou. A razão para a guerra ainda

está em discussão, mas muitos concordam que foi provocado pela tentativa de Israel de

cultivar a terra que estava na contestada


42 BASHARAL - ASSAD

zona desmilitarizada israelense-síria. De acordo com Peter Mansfield, “Soviética, da

Síria, e inteligência egípcia combinado para avisar Nasser que um ataque israelense à

Síria era iminente.” A Síria apelou para o Egito, que reuniu as suas tropas ao longo do

Sinai; Nasser também ordenou que as Forças de Emergência das Nações Unidas

(UNEF) para evacuar a região, e ele fechou um porto israelense chave. Todos

estavam prontos para uma guerra total.

Os israelenses atacaram primeiro. Em 5 de junho de 1967, forças aéreas e

terrestres israelenses destruíram mais de metade da força aérea egípcia e mais de

500 dos tanques do exército egípcio. Depois de violentos combates, a guerra

terminou em 10 de Junho, com ambos os lados sofrendo pesadas baixas. Os egípcios

tinham perdido

11.500 soldados, os israelenses tinham perdido 2.000, e os sírios tinham


perdido 700. Além disso, Israel havia capturado ainda mais território do que
as terras já disputadas. Ele tinha apreendido a Cisjordânia da Jordânia, a
Faixa de Gaza do Egito, e as Colinas de Golã da Síria.

Para os sírios, a perda das Colinas de Golã foi um tremendo golpe em


termos de geografia, política e moral nacional. O Golan, cerca de 500 milhas
quadradas no tamanho, é um planalto que supervisiona o Mar da Galiléia. O
termo “Golan” vem da palavra árabe “ajwal”, que significa “terra poeirenta” -a
planalto ganhou este nome porque é ventoso, e os ventos fortes que pó
redemoinho. Antes da guerra, 250.000 sírios vivia nas Colinas de Golã; depois,
de apenas 8.000 permaneceram.

Por todas as contas da guerra, os israelenses capturaram o Golan


Heights com grande dificuldade. As pessoas do Golan tinha habitado
planalto durante séculos, e eles tinham se acostumado a se defender
contra os invasores. “A luta pela Golan foi difícil para Israel, porque os
sírios ordenou o terreno elevado e foram capazes de disparar para baixo
sobre os israelenses que avançam”, explicou John Morrison. Ele
comentou ainda que “na parte norte de Golan, sírios estendeu
heroicamente contra o inimigo.” No final, porém, força ar superior de Israel
foi capaz de dominar os sírios, eo
A ascensão do Partido Ba'ath 43

Golan foi capturado-o primeiro território a Síria tinha perdido desde a sua

independência da França.

Quando a fumaça se dissipou, o povo sírio estavam atordoados pela


perda. Hafez al-Assad, ministro da Defesa durante o que ficou conhecido
como a Guerra dos Seis Dias, foi especialmente humilhado pela derrota.
Quase imediatamente, o governo sírio exigiu que as Colinas de Golã ser
devolvido. As Nações Unidas aprovou a Resolução do Conselho de Segurança
# 242, que enfatizou “a inadmissibilidade da aquisição de territórios pela
guerra e a necessidade de trabalhar para uma paz justa e duradoura em que
cada estado da região possam viver em segurança.” A resolução clarificado
que, para que haja uma solução pacífica na região, a “retirada das forças
armadas israelenses dos territórios de recente conflito” seria necessário.

Os israelenses recusaram-se a devolver o Golan, ignorando exigências sírias e

desafiando a resolução do Conselho de Segurança da ONU. O Golan, eles

argumentaram, estava sendo usado por rebeldes palestinos para lançar ataques contra

Israel. A questão das Colinas de Golã se tornaria um pára-raios em todas política do

Oriente Médio, especialmente na relação entre Israel e Síria.


CAPÍTULO

4
O Leão de
Damasco
A questão palestina

T
Estados
governo havia solicitado líderes árabes no Oriente Médio para formar a Liga dos
eleÁrabes,
final datambém
Segunda Guerra Mundial
conhecida como a eLiga
o incentivo dos1945.
Árabe, em britânicos
Originalmente, os
Estados membros da liga foram Egito, Iraque, Líbano, Arábia Saudita, Síria, Jordânia e os
palestinos . objetivo inicial da Liga Árabe foi para formar um corpo coletivo de nações
árabes independentes para discutir e tomar decisões sobre questões que afetaram o
mundo árabe, incluindo questões culturais da região. Sua intenção era trabalhar em
estreita colaboração com as Nações Unidas para relatar e representam muitas das
questões que foram motivo de preocupação para seus vinte países membros. Algumas de
suas realizações incluem o estabelecimento de uniões de comunicação e de
telecomunicações postais e sem fio árabes.
O Leão de Damasco 45

Os líderes árabes reunidos com o presidente americano Franklin Roosevelt antes de

formar a Liga dos Estados Árabes, em fevereiro de 1945. Durante muitos anos, as

nações árabes buscaram se unir a fim de expressar-se como um grupo politicamente.

membros originais incluídos Egito, Síria, Líbano, Transjordânia (hoje Jordânia), Iraque,

Arábia Saudita e Iêmen. Um representante de árabes palestinos foi dado o status

completo e um voto na Liga Árabe, ea Organização de Libertação da Palestina (OLP)

foi concedida a adesão plena em 1976. Outros membros atuais incluem Argélia,

Bahrein, Comores, Djibouti, Kuwait, Líbia, Mauritânia, Marrocos, Oman, Qatar,

Somália, Sudão, Tunísia e Emirados Árabes Unidos.


46 BASHARAL - ASSAD

O propósito da Liga Árabe expandido como a situação política na região


mudou, especialmente em relação ao estado de Israel. Em 1948, por
exemplo, a Liga Árabe iniciou um boicote econômico contra Israel. Mais
tarde, os países membros da Liga Árabe iria tomar decisões para travar uma
guerra contra Israel juntos. No dele Dicionário do Oriente Médio moderno,

Dilip Hiro escreveu: “Em 1950, os membros da Liga Árabe assinaram um


Tratado de Defesa Conjunta e Cooperação Económica (JDECT),
principalmente para fornecer proteção aos estados-membros contra Israel.”
Após o fim da guerra de 1967, a Liga Árabe convocou para várias dias e
proclamou sua nova política em relação a Israel, conhecido como os “três
nãos”. os membros da liga não iria fazer a paz com Israel, não reconheceria
Israel, e não negociar com Israel sobre a sua ocupação do território palestino.
Esta política reflete a atitude das nações árabes contra Israel para as
próximas décadas.

É interessante considerar como a devastação da guerra de 1967, bem


como a nova política oficial da Liga Árabe, afetada Hafez al-Assad. Muitos
políticos que trabalharam com ele nos próximos anos comentou que ele parecia
amargo sobre a presença de Israel na região. De todos os líderes árabes, foi
al-Assad, que parecia mais resoluta sobre recusando-se a fazer a paz com os
israelenses.

No final dos anos 1960, Hafez al-Assad, convencido de que al-Jadid era um
líder ineficiente, passaram a se concentrar em alcançar o próprio presidência. A
fim de fazer isso, ele assumiu um aperto ainda mais apertado sobre os militares,
certificando-se de que seria leal a ele exclusivamente. Como al-Assad lentamente
apertou sua mão e afirmou sua presença e autoridade dentro das forças armadas,
a questão dos palestinos continuaram a dominar a política da região. Na vizinha
Jordânia e Líbano, por exemplo, grupos de palestinos tinham estabelecido
campos de treinamento e tinha mesmo conduziram ataques menores em toda a
fronteira para Israel. Estes grupos foram fiel para várias fracções do PLO, que era
um grupo de guarda-chuva para toda a resistência palestina.
O Leão de Damasco 47

Fatah, liderada por Yasser Arafat, foi o maior grupo; a Frente Popular para a
Libertação da Palestina (FPLP) foi uma facção menor, mas mais agressivo.
Outra pequena facção que abraçou meios violentos de restaurar um estado
palestino foi a Frente Democrática para a Libertação da Palestina (FDLP).

Setembro Negro de 1970


vários grupos da OLP tinha estabelecido a sua sede oficial na
Jordânia, o que causou monarca do país, o rei Hussein, muita
consternação. Dezenas de milhares de palestinos se tinham estabelecido
na Jordânia desde a guerra árabe-israelense de 1948, e enquanto o rei
Hussein apoiado externamente seus esforços para restaurar a
independência palestina, ordenou que suas forças armadas para manter
um olhar cuidadoso sobre as atividades da OLP. Os combatentes
palestinos, ele sentiu, foram colocando Jordan em uma posição perigosa
no que diz respeito à sua relação com Israel e também ameaçou a
estabilidade interna do Jordão. De acordo com Peter Mansfield,

De fato, os combatentes palestinos tinham muitos pequenos sucessos contra


Israel, que eles ganharam o respeito pela maioria dos jordanianos, muitos dos
quais eram eles próprios refugiados palestinos. Por exemplo, em março de 1968, o
exército israelense lançou um ataque a Al Karamah, uma aldeia jordaniana que
abrigava muitos combatentes palestinos. Depois de uma batalha feroz entre os
israelenses e os palestinos, pesadas baixas, eventualmente, empurrou os
israelenses para trás e forçou-os a recuar. O incidente foi viewed- entre os
palestinos e em todo o mundo árabe, como uma grande vitória contra o poderoso
exército israelense, que teve
48 BASHARAL - ASSAD

sido realizado por alguns, guerrilheiros grosseiramente treinados. A publicidade


que ganhou para a OLP foi substancial.
Na verdade, os palestinos foram se tornando mais popular do que o próprio
Rei Hussein. Monarquias não eram terrivelmente populares no Oriente Médio,
para começar, por isso Hussein percebeu seu poder sobre o país estava se
tornando muito tênues. O avô do rei Hussein, o rei Abdullah (o primeiro rei da
Jordânia), havia sido assassinado por um palestino em 1951, e o neto não estava
disposto a arriscar sua própria vida pela causa palestina. Ele também não estava
disposto a permitir que o território jordaniano para vir sob fogo israelense sobre a
causa palestina. Após a vitória palestino Al Karamah, por exemplo, Israel
atacaram duas cidades-Irbid Jordânia e sal.

Os combatentes palestinos, no entanto, tornou-se mais ousado e mais ousados.

Sediada principalmente nos campos de refugiados que pontilhavam a paisagem de

Jordan, que governou os campos como se fossem cidades independentes. Os

lutadores se tornou a força policial, sistema de bem-estar, e administração destes

campos, demonstrando assim a autoridade e ganhar a lealdade dos outros refugiados.

Eles também recrutaram refugiados dos acampamentos para ajudar a realizar ataques

através da fronteira contra os israelenses.

Os palestinos tinham, com efeito, formaram uma nação dentro de uma nação,

agindo com um certo nível de autonomia dentro das fronteiras da Jordânia. Rei

Hussein permitiu isso, acreditando que era necessário algum nível de compromisso

com os combatentes palestinos. No entanto, o próximo imunidade com que os

palestinos operado causou confrontos ocasionais com o exército jordaniano, que foi

composta principalmente de jordanianos beduínos nativos. Os beduínos, como

resultado do afluxo maciço de imigrantes palestinos e refugiados que se instalaram

dentro das fronteiras da Jordânia, tinha realmente se tornar uma minoria na

Jordânia. Além disso, os palestinos insistiu em seu direito de usar o solo jordaniano

para lançar ataques contra Israel, argumentando que uma vez que todas as nações

árabes tinha sido incapaz de derrotar Israel, eles teriam que fazer por si próprios.
O Leão de Damasco 49

rei da Jordânia também enfrentou outros problemas. O governo da Síria criticou

as ações do exército jordaniano; se reservava crítica especial para o rei Hussein, a

quem o partido Ba'ath não gostava. Os ba'athistas defendia uma ideologia socialista

e foram assim oposição a monarchies. Além disso, era uma suposição generalizada

de que o rei Hussein era suscetível às influências dos governos americanos e

britânicos; ele não fez segredo de suas tentativas de manter um relacionamento

aberto com esses poderes, especialmente com os americanos. Os esforços de se

Hussein eram uma tentativa de conciliar as hostilidades ocidentais e orientais ou

para ganhar proteção contra essas superpotências, sua reputação sofreu com a

associação. Em contraste, a Síria orgulhava-se de ser responsável perante nenhuma

potência estrangeira.

O governo de Al-Jadid na Síria demonstrou apoio aos combatentes palestinos


e a OLP, em geral, embora se suspeite que esta era uma estratégia política
projetados mais para enfraquecer o governo do rei Hussein do que para ajudar os
palestinos a restabelecer um Estado palestino. Havia uma razão por trás dessa
suspeita. combatentes palestinos operado dentro da Síria, bem como na Jordânia,
mas os militares sírios, provavelmente sob as ordens de Hafez al-Assad,
manteve-los sob controle. Os sírios, como explicado John Morrison “, foram
especialmente atento do radical Como Saiqa ( Raio). como Saiqa não foi autorizado
a usar a Síria como base para ataques contra Israel por medo de represálias
israelenses.”Hafez al-Assad, um militar experiente por este ponto, já tinha
experimentado o poder militar de Israel, pelo menos duas vezes.

Na Jordânia, o problema entre o governo e os combatentes


palestinos e agentes da OLP atingiu o seu clímax em
1970. Em setembro do mesmo ano, os palestinos controlado várias áreas
dentro Jordan, incluindo pelo menos uma refinaria de petróleo, e estavam
organizando greves e manifestações contra o governo do rei. Membros da
Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP) seqüestraram três
vôos internacionais e tentou sem sucesso roubar uma quarta. Porque
operava a partir da Jordânia, a FPLP colocar Rei Hussein
50 BASHARAL - ASSAD

em situação precária; ameaçava comprometer suas relações com as potências


ocidentais e apresentou um desafio direto à sua autoridade em sua própria
nação.
Em resposta, o rei declarou lei marcial e planejado para expulsar a OLP e
todas as suas facções de Jordan. Ele deu o exército, que consistia de beduínos
leais ao seu trono, rédea livre contra os palestinos. A guerra civil eclodiu em
Jordan. Para as duas semanas que durou a maior parte do mundo assistiu para
ver se o rei Hussein iria sobreviver a este desafio de seu governo.

O governo sírio apoiou abertamente os combatentes palestinos. Em 20


de setembro, a Síria enviou cerca de 200 tanques blindados do outro lado da
fronteira sírio-jordaniana para dar apoio militar para a causa palestina. A
guerra civil dentro Jordan escalou e mudou; Agora, uma nação árabe estava
lutando contra outro.

Com a ajuda dos sírios, os palestinos travaram uma dura batalha. Mesmo
que eles grandes perdas, eles foram capazes de derrotar o exército jordaniano
durante várias batalhas importantes. Temendo que seu governo seria
derrubado, o rei Hussein apelou para os britânicos e os americanos. Ele
contatou o primeiro-ministro e gabinete britânico através da Embaixada
britânica em Amã, incapaz de fazer o apelo mais diretamente por causa da
guerra em curso. Um resumo da reunião de gabinete britânico, realizada em 21
de setembro de 1970, oferece uma imagem clara de quão horrenda é a
situação era:

O exército jordaniano parece estar segurando a sua própria, embora o


Fedayeen [os combatentes palestinos] ainda controlam várias áreas.
No norte, no entanto, as forças sírias já cruzou a fronteira e parecem
ter ganhado o controle, em conjunto com o Fedayeen, de Irbid, Ramtha
e uma parte considerável da Jordânia noroeste. Os últimos relatórios
sugerem que eles estão agora consolidando a sua posição em torno de
Irbid e que o Exército jordaniano retirou em face de superiores
O Leão de Damasco 51

números. A situação em torno de Mafraq, onde os Fedayeen parecem estar

no controle e também há forças iraquianas substanciais, é incerto.

Embora os iraquianos não entrar na Jordânia, reuniram suas tropas ao longo

da fronteira com o Iraque, da Jordânia, um ato que implicava eles podem invadir.

Isso deu Rei Hussein ainda mais motivo para se preocupar. O resumo da reunião de

gabinete britânico discutiu como desesperada Rei Hussein havia se tornado:

Uma série de mensagens foram recebidas de rei Hussein da Jordânia,


refletindo a ansiedade extrema com que ele agora considerado a
situação. A mais clara delas, cujo conteúdo, em vista de suas
implicações extremamente sensíveis e perigosas, em nenhum caso
deve ser divulgado, tinha não só apelou para o apoio moral e
diplomático do Reino Unido e dos Estados Unidos, juntamente com
uma ameaça de internacional ação, mas também havia pedido um
ataque aéreo de Israel contra as tropas sírias. . . . Nós tinha recebido a
confirmação de que ele nos queria transmitir o seu apelo ao Governo
israelita; e nós tínhamos sido confrontados com uma decisão difícil se
a fazê-lo. Após discussão entre os ministros mais estreitamente
envolvidas, foi decidido transmitir a mensagem para o Governo dos
Estados Unidos somente,

Os norte-americanos, aparentemente, fez passar a mensagem junto ao


governo israelense, mas os israelenses não realizou o ataque solicitado. A
importância do pedido, no entanto, é bastante surpreendente. Pela primeira vez, um
país árabe tinha procurado a ajuda de Israel contra outro país árabe. Isto é
especialmente surpreendente quando se considera que, em 1967, a Jordânia ea
Síria tinha sido aliados na guerra contra o Estado judeu. pedido do rei Hussein teria
um impacto profundo sobre a política do Oriente Médio.
52 BASHARAL - ASSAD

A ameaça da Síria era bastante real, e Rei Hussein sabia disso. No


entanto, ele não poderia ter sabido que havia grandes divisões dentro do
governo sírio sobre como abordar as hostilidades PLO-Jordânia. Al-Jadid,
o líder do Partido Ba'ath, queria apoiar a OLP de forma mais substancial,
chegando ao ponto de enviar mais tropas através da fronteira para ajudar
os combatentes palestinos em sua luta contra o exército jordaniano
welltrained. Hafez al-Assad, no entanto, rejeitou a idéia de enviar a força
aérea para apoiar a divisão tanque blindado sírio que já tinha cruzado a
fronteira. O ministro da Defesa inteligente sabia que um ataque total
contra vizinho da Síria, cujo rei já tinha laços bastante positivas com as
potências ocidentais e com Israel, provocaria um ataque de retorno.

Os Estados Unidos ea Grã-Bretanha recusou-se a intervir diretamente, mas

observava os acontecimentos com atenção. Muitos nos governos americanos e

britânicos estavam convencidos de que a União Soviética, que tinha sido tentar

estabelecer a sua influência mais concretamente no Oriente Médio, iria explorar a

situação. Como medida preventiva, os Estados Unidos enviaram uma frota de

navios para o Mediterrâneo, antecipando qualquer turno surpresa de eventos.

No final, no entanto, o exército jordaniano derrotaram os combatentes


palestinos e empurrou para trás a divisão tanque blindado sírio, poupando
assim trono do rei Hussein. O mês de derramamento de sangue depois foi
referido como “Setembro Negro”, e que causou anos de amargura entre os
palestinos e a monarquia jordaniana. Quase 5.000 pessoas morreram na luta,
mas Jordan tinha destruído a autonomia que a OLP havia estabelecido dentro
de suas fronteiras. No ano seguinte, todos os combatentes palestinos haviam
sido expulsos da Jordânia.

Rei Hussein tinha sobrevivido ao ataque no seu trono, e ele tinha


derrotado tanto a OLP e os sírios. Ele também conseguiu neutralizar a
ameaça potencial do Iraque. "Ao custo
O Leão de Damasco 53

do ódio amargo do fedayeen, o que levou à criação da organização


Setembro Negro e a matança de vingança do primeiro-ministro Wasfi Tal “,
escreveu Peter Mansfield,‘Jordan destruiu o 'Estado dentro do Estado', que
as organizações guerrilheiras havia criado.’

A ASCENSÃO DE AL-ASSAD

No caos após a derrota da Síria por Jordan ea expulsão dos combatentes


palestinos de fronteiras da Jordânia, Hafez al-Assad decidiu aproveitar sua
chance de se tornar o presidente da república síria. Dois meses após o
Setembro Negro, em 13 de Novembro, 1970, al-Jadid e seus conselheiros mais
próximos foram presos por soldados leais a Hafez al-Assad. Sob a direção de
al-Assad, o Partido Ba'ath emitiu um comunicado afirmando que o poder dentro
do partido tivesse simplesmente sofrido um “movimento de correção”,
enfatizando que o que aconteceu não foi apenas mais um golpe de Estado. A
declaração também explicou que um novo governo frente nacional seria
organizada; um congresso seria convocada para reorganizar o partido, e seria
estabelecido um conselho das pessoas.

Havia, na verdade, muito mais alterações feitas à estrutura do governo do


que a declaração implícita. Hafez al-Assad, de fato, assumiu o controle
completo e total do governo, com a lealdade completa dos militares para
apoiá-lo e impor sua vontade. Ele purgado o governo de qualquer leais a
al-Jadid e preenchido cargos no governo com aquelas pessoas cuja lealdade a
ele estava certo e indiscutível. Ele também nomeou a si mesmo
primeiro-ministro da Síria e do secretário-geral do Partido Baath na Síria. Ele
manteve o seu título de ministro da Defesa. Inicialmente, ele nomeou um de
seus associados, Ahmad Khatib, como presidente, assumindo que este título
se em 12 de março,

1971. O sétimo e último-golpe de Estado foi completa. Hafez al-Assad, pode-se

argumentar, jogou o jogo de sobrevivência muito melhor do que seus antecessores.

Ele tinha observado cuidadosamente o que tinha causado outros governos antes de

sua desmoronar e
54 BASHARAL - ASSAD

tomou nota do que ele viu como seus fatais erros-permitindo que os militares se
tornar desleal, colocando a Síria em risco indevida, não manter abas cuidadosos
sobre as atividades dos palestinos e outros grupos dentro do país, e permitindo
que a Síria tornar-se influenciado por potências estrangeiras . O novo líder seria
a certeza de não fazer qualquer um desses erros. Síria, mutilado por golpes e
guerras políticas, não podia pagar para ele falhar. Até o início da década de
1970, quando al-Assad se tornou líder do partido, presidente e primeiro-ministro,
os problemas nacionais e estrangeiros da Síria eram múltiplos. A guerra de 1967
contra Israel, de 1970 conflito com a Jordânia, ea perda das Colinas de Golã
havia deixado o povo sírio deprimido e decepcionado com um militar que tinha
assumido era forte e intacta. Anos de golpes políticos também causou atrito
dentro da população; as pessoas ficaram com medo de falar politicamente por
medo de acabar no lado errado. Novos grupos dentro da Síria estavam se
formando, grupos que abraçaram a ideologia fundamentalista islâmico que
dominaria o vizinho Irã no final da década. Estes grupos fundamentalistas
islâmicos se opôs à ideologia secular, socialista dos baathistas, eo choque em
crenças políticas acabaria por desencadear novos conflitos dentro da Síria.

A reputação da Síria entre os seus vizinhos do Oriente Médio também tinha

sofrido um golpe. Como resultado da República Árabe Unida falhou, Síria teve uma

relação tensa com o Egito. Relações com o Iraque, cujo próprio Partido Ba'ath tinha

desenvolvido ao longo de diferentes linhas, também eram hostis. Além disso, a

tentativa da Síria de minar o trono de rei Hussein durante o Setembro Negro, em

1970, tinha azedou sua relação com Jordan. Síria e Israel, é claro, continuaram a

considerar uns aos outros como inimigos amargos.

As tensões também existia com o mundo além do Oriente Médio. Grã-Bretanha

e os Estados Unidos estavam profundamente desconfiados da Síria, devido à sua

tentativa de invadir Jordan durante o Setembro Negro. A falta de confiança era

mútua. Al-Assad, que estava ciente da história colonial, não era provável que querem

as potências ocidentais como aliados. Ele acreditava que o colonial britânico


O Leão de Damasco 55

era no Oriente Médio levou à divisão na região e tinha, assim, criado um grande
obstáculo para a unidade árabe, que era o objetivo final do Partido Baath. Os
Estados Unidos, que havia se envolver na política da região após a Segunda
Guerra Mundial, era geralmente visto como um aliado de Israel. Devido a esta
percepção,
o envolvimento dos EUA no Oriente Médio foi vista com desconfiança pela Síria ea

maioria dos outros países árabes. Nem Grã-Bretanha nem os Estados Unidos estava

entusiasmado com a investir no futuro político de al-Assad de qualquer maneira. Dadas

as mudanças de poder tumultuados na Síria durante a década anterior, as potências

ocidentais provavelmente pensou que o regime de al-Assad não iria durar muito tempo.

Al-Assad, no entanto, entendeu que a Síria não poderia sobreviver em

isolamento. Se a Síria esperava recuperar as Colinas de Golã e recuperar o seu

antigo estatuto no mundo árabe, que teria de forjar alianças com outras nações.

Al-Assad sabia disso e começou a trabalhar em refrescante relacionamento da Síria,

e visão comum de unidade árabe, com o Egito.


CAPÍTULO

Uma vida mais tranquila

O NASCIMENTO DE Bashar al-Assad

H uma mulher de uma família Alawite proeminente. O casal teve cinco filhos,
incluindo uma filha
afez al-Assad, e quatro
antes filhos:
de se tornar Basil, Bashar,
presidente, havia se Majd,
casado ecom
Maher. Al-Assad manteve
Aniseh,

sua família fora dos holofotes, e sua esposa Aniseh focada em criar os filhos em
tão tranquila e normal forma possível. Nos últimos anos, no entanto, Basil e
Bashar, o mais velho dos filhos de Hafez al-Assad, viria a ter um impacto sobre a
história da Síria.

Desde o início, al-Assad levantou Basil para ser seu herdeiro político. Basil, a quem
muitos consideravam ser carismático e inteligente, partiu para seguir os passos de seu
pai. Ele entrou para o exército sírio e distinguiu-se em seus estudos e serviço. Ele
gostava de esportes e se tornou uma figura popular, até mesmo como um homem muito
jovem.
Uma vida mais tranquila 57

Mesmo que a Síria era uma república, era evidente para muitos que Hafez
al-Assad planejado para ter seu filho tomar as rédeas políticos após sua
própria morte. Assumindo que este jovem seria seu futuro presidente, sírios
assistiu de perto a evolução da manjericão e crescente carreira.

Bashar al-Assad foi permitida uma vida mais calma, mais independente.

Nascido em 11 de setembro de 1965, Bashar não foi sequer dois anos quando a

Guerra dos Seis Dias de 1967 eclodiu na região. Como resultado dessa guerra, a

Síria perdeu as Colinas de Golã, os palestinos perderam a Cisjordânia ea Faixa de

Gaza, e todo o Oriente Médio foi transformada. Ele tinha cinco anos de idade quando

seu pai assumiu as rédeas políticos na Síria.

Bashar era um jovem moderno, e ele gostava de tecnologia e ciência. Ele

cursou o ensino médio na Academia de Freedom School (ou Al-Hurriyeh Escola) na

Síria, uma instituição de elite onde os cursos foram realizados em francês e árabe

(um remanescente do legado colonial francês da Síria). Ele formou-se em medicina

pela Universidade de Damasco. Na idade de 23, ele se matriculou em um programa

para estudar oftalmologia em um hospital militar de Damasco. Em seguida, ele

continuou seus estudos em Londres, onde aperfeiçoou sua proficiência em Inglês.

Bashar prosseguiu os seus estudos e dava pouca atenção à política, desde que foi

geralmente entendida na família que seria Basil, o filho mais velho, que herdaria a

posição de liderança de seu pai.

Bashar, no entanto, tinha herdado o interesse de seu pai em questões políticas

fundamentais que preocupavam Síria. Ele era um cuidadoso observador, atento do mundo e

eventos regionais. Sua infância e adolescência proporcionado muitas oportunidades para

aprender, coincidindo como fizeram com grandes conflitos regionais, especialmente aqueles

que envolvem Israel. Como o filho de Hafez al-Assad, ele foi muitas vezes capaz de

testemunhar de perto os processos políticos que moldaram o papel da Síria no Oriente Médio

e no mundo. Um dos eventos históricos significativos que testemunhou foi o esforço de seu pai

para estabilizar relações da Síria com o Egito.

Hafez al-Assad sabia que ele precisava de aliados para sobreviver como o
novo líder da Síria. Para esse fim, ele virou-se para
58 BASHARAL - ASSAD

Egito e seu presidente, Gamal Abdel Nasser, com o objectivo de restaurar uma
amizade embora desconfortável idade. Na época, Gamal Abdel Nasser era o líder
mais dinâmico e popular no Oriente Médio, e Hafez al-Assad estava determinado
a desenvolver o tipo de poder de permanência que Nasser possuía.

THE LEGEND OF NASSER

A história de vida de Nasser não difere muito da de al-Assad. Nascido na pobreza

perto de Alexandria, Nasser veio de uma família que tinha sido originalmente

agricultores. Seu pai tinha completado alguma educação elementar, o que lhe permitiu

ganhar um emprego como balconista em uma estação de correios. Quando jovem,

Nasser passou grande parte de seu tempo participando de manifestações populares

contra as forças coloniais britânicas, uma atividade familiar para al-Assad, cujo início

anos e perspectiva foram moldados pelo colonialismo francês na Síria. Nasser também

gostava de história e política; devorava livros sobre estes temas, bem como biografias de

líderes mundiais influentes.

Porque a família de Nasser era pobre, uma educação universitária não era uma

opção. Assim, como um homem jovem, Nasser entrou para o exército. Ele e um

pequeno grupo de outros oficiais defendido a ideologia socialista e inventou um

esquema para derrubar a monarquia egípcia, liderado na época pelo corrupto e

impopular rei Farouk.

Em 1952, o Rei foi deposto, eo governo foi substituído pelos oficiais


militares que haviam encenado o golpe, Nasser entre eles. A lei de reforma,
passou quase que imediatamente após o golpe, fez Nasser e seus
associados bastante popular. De acordo com Peter Mansfield:

Menos da metade de um por cento dos proprietários de terra entre as possuíam

mais de um terço de todas as terras cultiváveis ​no Egito, enquanto 72 por cento

dos cultivadores de propriedade menos de um feddan ( 1,038 acres), cada um,

valor de apenas 13 por cento da terra. A reforma agrária limitados

todo-propriedades de terra para 200 feddans e redistribuído a terra confiscada

para

fellahin [ agricultores] famílias em lotes de 04:58 feddans.


Uma vida mais tranquila 59

Presidente Nasser do Egito aborda a Assembléia Geral das Nações Unidas em Nova York,

em setembro de 1960. Nasser chamado para uma reunião pessoal entre US Presidente

Eisenhower e URSS Premier Khrushchev para discutir o desarmamento completo em todo o

mundo. Ele também pediu a admissão da China à Organização das Nações Unidas. Muitos

árabes foram atraídos para Nasser, um estadista talentoso e carismático.

o fellahin poderia agora sustentar a si e suas famílias, e seu trabalho


não foi perdido para impostos ou rendas exorbitantes pagos aos
proprietários ricos. Como explicado Mansfield, o principal objetivo da
reforma, que ficou em linha com
60 BASHARAL - ASSAD

a ideologia socialista de Nasser e seus companheiros oficiais militares, foi “reduzir os

poderes políticos esmagadora dos grandes proprietários de terras que haviam

bloqueado com sucesso as reformas sociais e políticas para as gerações.”

Era parte da nova visão de Nasser para o Egito, que ele estava determinado a

forjar uma nação livre de desigualdade social, a pobreza ea dominação estrangeira.

Esta foi a mesma visão que motivou Hafez al-Assad, um homem que também tinha

nascido na pobreza, fez sua carreira no serviço militar, e havia participado de um

golpe militar para ganhar uma posição de liderança. Ambos al-Assad e Nasser viveu

um estilo de vida simples, rejeitando as mansões e palácios de líderes do passado

em favor de uma simples casa; os dois homens também eram conhecidos para

trabalhar longos dias, enquanto dezoito horas, em uma base regular. Muito

provavelmente, eles tinham aprendido tal disciplina de seus anos no serviço militar.

Se alguém entendeu o desejo de al-Assad a reformar a Síria e se livrar das


influências ocidentais, se alguém sabia o amargo desapontamento al-Assad sentiu
em ter perdido grandes guerras de Israel, essa pessoa era Gamal Abdel Nasser.
Nasser tinha especialmente sentiu-se humilhado pela derrota 1967 e em um
discurso para o povo egípcio, ele anunciou sua renúncia. Ele teve que assumir a
responsabilidade pela derrota, explicou, e estava profundamente angustiado pela
perda de vidas egípcios. Cerca de 11.500 soldados tinham morrido, muitos de
sede depois de ter sido preso nos desertos da Península do Sinai, o triângulo de
terra que liga a África ao Oriente Médio.

Para surpresa de Nasser, o povo egípcio se recusou a aceitar a


decisão de renunciar. Nasser havia subestimado o quanto ele era admirado.
Após o anúncio, milhões de egípcios marcharam em manifestações,
insistindo que ele retrair sua renúncia. Atordoado, ele fez.

Dada uma segunda chance, Nasser estabelecido para implementar muitas


novas reformas no Egito, tanto nacional como internacionalmente. Sua relação
com Israel, no entanto, nunca melhorou; ele realmente piorou quando a Guerra
de Atrito entre os dois
Uma vida mais tranquila 61

A Guerra de Atrito, esquecido pela maior parte do mundo, foi declarada contra Israel

pelo presidente egípcio Nasser março de 1969. A guerra se arrastou por 17 meses e

causou milhares de vítimas. Tanques de petróleo pertencentes às refinarias Suez do

Egito foram incendiados pelo fogo israelense, visto aqui contra as montanhas egípcias

de Jebel Ataka.

países entrou em erupção em 1968. Nasser, no entanto, conseguiu melhorar o


relacionamento do seu país com outras nações árabes, cujas pessoas viam como
o porta-voz proeminente para o pan-arabismo. Várias dessas nações se virou para
ele para resolver disputas inter-árabes.

No outono de 1970, Nasser envolveu-se como um mediador nas batalhas

Setembro Negro entre os combatentes da resistência da OLP e do Exército

jordaniano. As negociações colocar uma pressão


62 BASHARAL - ASSAD

em Nasser, que muitos afirmavam foi doloroso ver árabes lutando entre si.
Sempre um defensor da unidade árabe, Nasser testemunhou Setembro
Negro e da Síria interferência com muita amargura. Ele teve sucesso na
mediação do conflito, mas entrou em colapso por exaustão pouco depois.
Mais tarde, ele sofreu um ataque fatal do coração, deslumbrante da região e
do mundo com sua morte súbita. No Egito, o cortejo fúnebre pelas ruas de
Cairo atraiu milhões de enlutados e ainda é considerado um dos maiores
funerais na história do mundo.

Na Síria, os apoiantes pró-Nasser cambaleou em estado de choque com a


notícia. Os baathistas também sentiu a perda do presidente egípcio. Embora o
movimento pan-arabista tinha nascido na Síria com a ascensão do Partido Ba'ath,
que tinha realmente desenvolvido asas e levantado voo no Egito depois Nasser
ascendeu à presidência em 1954. sírios admirava o homem que tinha saído de
humilde raízes e restaurou a esperança de unidade árabe, que tinha erodido
depois de anos de colonialismo.

Na esteira da morte repentina de Nasser, Hafez al-Assad continuou sendo um

dos poucos líderes pró-árabes. Não havia dúvida de que a Al-Assad tinha sido

“inspirado pelo nacionalismo árabe pregado por [Nasser]. . . e como muitos de sua

geração, ele procurou para herdar o papel de Nasser como a voz de unidade árabe

“, explicou Neil MacFarquhar. Setembro Negro eo conflito com a Jordânia tinha

diminuído o movimento para a unificação, mas a visão era de modo algum morto. Ele

estava apenas aguardando uma liderança forte que poderia se concentrar para além

das fronteiras nacionais. Al-Assad, no entanto, não foi o líder que Nasser tinha sido.

Al-Assad queria popularidade de Nasser, mas ele também queria preservar o

caráter e identidade nacional na Síria, bem como sua permanência no poder. Ele

refinou seu estilo de liderança nos anos após a morte de Nasser, voltando seu foco

para fazer a Síria uma força mais poderosa na região. O primeiro passo para

realizar esta tarefa era recuperar a terra que havia sido perdida para Israel, as

Colinas de Golã, que sempre tinha sido um ponto de discórdia nas negociações

com o vizinho da Síria.


Uma vida mais tranquila 63

1973 WAR
Em 1973, Hafez al-Assad abriu comunicações com o novo presidente egípcio,

Anwar Sadat, que tinha sido vice-presidente de Nasser e também foi um militar.

Como al-Assad, Sadat tinha a intenção de recapturar terras perdidas para Israel em

guerras anteriores. Juntas, elas formulado um plano de batalha.

Em 06 de outubro de 1973, as forças egípcias e sírias lançaram um ataque contra

Israel, levando o país de surpresa, pouco antes do dia sagrado judaico de Yom Kippur.

Nos dois primeiros dias da guerra, os egípcios faziam ganhos significativos,

aproveitando parte do Sinai. exército da Síria também se deu bem, capturando partes

do Golan. Dois dias depois, os Estados Unidos, temendo que Israel perderia, começou

o transporte aéreo de armas e armas ao seu aliado-chave no Oriente Médio. Os

israelenses recuperaram seu poder militar, ea guerra começou a virar a seu favor.

As acções dos Estados Unidos levaram a União Soviética, trancado em uma guerra

fria com a América, a envolver-se. Em 9 de outubro, os soviéticos começaram o

transporte aéreo de armas para a Síria e Egito, numa tentativa de conter a influência dos

norte-americanos sobre o resultado da guerra. Em 16 de outubro, nações árabes

colocado um embargo de petróleo em todos os países que militarmente ou

financeiramente apoiados Israel. Os Estados Unidos, dependente das importações de

petróleo do Oriente Médio, sofreu desta embargo mais do que qualquer outro país.

A guerra continuou a crescer. No Golan Heights, as forças sírias começaram


a perder terreno, apesar do afluxo de armas soviéticas. Al-Assad, no entanto,
continuou apelando para os soviéticos, sabendo que a guerra está sendo jogado
para fora na região foi realmente um microcosmo de uma guerra entre os
americanos e os soviéticos. Porque os americanos favoreceram os israelenses, ele
acreditava que a Síria tinha de manter o apoio dos soviéticos para sobreviver.

A guerra se alastrou por 20 dias. Então, em 25 de outubro, as Nações


Unidas apelou para um cessar-fogo. O cessar-fogo foi aceite, mas a taxa,
como vítima no anterior árabe-israelense
64 BASHARAL - ASSAD

Restos de tanques sírios destruído pela Força Aérea de Israel, após a Síria Yom Kippur

guerra de 1973. outubro Neste dia sagrado judaico, apoiado pelos soviéticos e Egito

invadiu Israel simultaneamente. Apesar do ataque surpresa, com a ajuda dos EUA,

Israel foi capaz de repelir e invadir a Síria e Egito, virar a maré da guerra. Em 10 de

outubro, uma trégua foi negociada que deixou nenhum partido satisfeito e levou a

conflitos futuros. A guerra trouxe dos Estados Unidos e da União Soviética, o mais

próximo que tinha sido a guerra uns com os outros desde a crise dos mísseis cubanos

de 1962.

guerras, era pesado. Os egípcios perderam 9.000 soldados, os israelenses perderam 2.552, e

os sírios perderam 3.500.

No final, a Síria não tinha recuperado a importante Golan Heights. Ele foi mais

uma derrota para Hafez al-Assad, que finalmente percebeu que ele teria que

concentrar seus esforços em questões domésticas ao invés de questões

internacionais. A frente doméstica, no entanto, foi possivelmente mais assustador do

que o internacional
Uma vida mais tranquila 65

um, como várias forças ameaçou desestabilizar a Síria durante o final dos anos 1970

e início de 1980.

A ascensão do fundamentalismo
O primeiro grande problema foi a ascensão do fundamentalismo islâmico na
Síria, um fenômeno que estava surgindo em outros países em toda a região
também. É importante compreender que duas forças trabalharam no Oriente Médio
após a era do colonialismo ocidental: a secularização e do fundamentalismo.
Ambos tinham a intenção de rejeitar o Ocidente e construção de nações fortes; no
entanto, os seus métodos são radicalmente diferentes.

Líderes como Gamal Abdel Nasser e Hafez Assad promovido


secularização; Eles queriam construir países árabes fortes,
independentes, que não dependem do Ocidente, mas mesmo assim
seguiram um modelo democrático. Outros líderes queria rejeitar o
Ocidente completamente, e isso significava rejeitar um estilo ocidental de
governo. Eles queriam estabelecer governos com base na Lei-teocracias
islâmicas em vez de democracias. Após as várias guerras
árabe-israelense e a derrota dos árabes nas mãos dos israelenses
apoiados pelos EUA, muitos no Oriente Médio começaram a acreditar que
um retorno à religião era o único curso viável. De acordo com Milton
Viorst: “No final do século XX, os muçulmanos não estavam sozinhos na
organização para restaurar a crença religiosa ao governo. Os cristãos na
América, os judeus em Israel, até mesmo os hindus na Índia estavam
promovendo o mesmo fim.”De fato,

Na Síria, os muçulmanos sunitas, que formaram a maioria da população,


opôs o governo de Hafez al-Assad, porque ele era um membro da minoria
Alawite, uma seita do Islã xiita. Al-Assad tinha se preparado para tal oposição por
volume para cima suas forças de segurança e as posições do gabinete com
outros alauítas, especialmente os membros da família. Seu irmão Rifaat, por
exemplo, tornou-se líder de uma das forças de defesa e do lado direito
66 BASHARAL - ASSAD

homem do presidente. (Hafez al-Assad acabaria por saber que ele não deve e não

podia confiar em ninguém). Al-Assad, determinada a não ser vítima de mais um

golpe de Estado, também manteve um olhar atento sobre as atividades dos

fundamentalistas islâmicos dentro de suas fronteiras.

Fundamentalismo, no entanto, se espalhou por todo o Oriente Médio


rapidamente no final de 1970, solicitado pela revolução islâmica no Irã. Em
1963, Shah Mohammad Reza Pahlevi subiu ao poder no Irã, anteriormente
conhecido como Pérsia, e iniciou a “Revolução Branca”, um plano para
modernizar o país. Modernização significou também a ocidentalização do
Irã social e economicamente, e clérigos islâmicos do país resistiu às
mudanças. Uma delas resistindo foi o aiatolá Khomeini Rudollah, a quem o
xá banido em 1964 por se opor ao seu regime. O que o aiatolá realmente
rejeitado foi a secularização do Irã, o resultado da Revolução Branca do
xá. Mesmo com o aiatolá no exílio, outros clérigos continuou a criticar o xá,
acusando-o de permitir uma colonização cultural do Irã pelas nações
ocidentais.

Em setembro de 1978, o caos irrompeu nas ruas do Irã como o clero


encorajou as pessoas a se rebelar contra o xá e suas políticas. forças do xá
impôs a lei marcial, mas era difícil de conter os protestos e manifestações
que eclodiram em todo o país. Em janeiro de 1979, o Xá Pahlevi e sua
família foram forçados ao exílio, e Ayatollah Khomeini retornou ao Irã.
Mudança seguiu em um ritmo de tirar o fôlego, como o Irã, uma vez que um
país secular e moderno, foi renomeado República Islâmica do Irã em abril
do mesmo ano. A revolução islâmica no Irã aumentaram as esperanças de
outros simpatizantes fundamentalistas no Oriente Médio. Os partidos Baath
na vizinha Síria e do Iraque, tanto secular governos- temia que os
fundamentalistas iria derrubar sua própria liderança como haviam
derrubado o xá.

Ironicamente, foi no Egito que os líderes seculares logo seria derrubado.


fundamentalistas islâmicos haviam sido estabelecendo
Uma vida mais tranquila 67

-se no Egito por algum tempo. Muitos grupos seguiu os ensinamentos de


Sayyid Qutb, que acreditava na formação de uma nação islâmica. De
acordo com Albert Hourani:

Sayyid Qutb tinha definido a verdadeira sociedade islâmica em termos

inflexíveis. Era um que aceite a autoridade soberana de Deus; isto é, que

considerava o Alcorão como a fonte de toda a orientação para a vida

humana, porque só ela poderia dar origem a um sistema de moralidade e

de direito que correspondeu a natureza da realidade. Todas as outras

sociedades eram sociedades de jahiliyya ( ignorância da verdade religiosa),

o que quer que seus princípios: se eram comunista, capitalista,

nacionalista, com base em outros, falsas religiões, ou dizia ser

muçulmano, mas não obedeceram à sharia [ A lei islâmica].

Síria, Iraque e Egito foram consideradas na última categoria, as nações


muçulmanas, mas as nações não islâmicos. Este, e outros circunstâncias,
fez-os alvos de movimentos fundamentalistas na região.

Acordos de paz egípcio e ISRAELITAS


Após a desastrosa 1973 guerra para retomar o Sinai, o presidente egípcio
Anwar Sadat começou a repensar a estratégia do Egito em direção a Israel.
Claramente, os Estados Unidos apoiaram Israel, e isso tornou impossível, como a
história mostrou, para derrotar Israel militarmente. Sadat decidiu tentar outra
estratégia. Em 1977, com o apoio do governo americano, ele anunciou à
Assembleia do Povo egípcia que ele estava disposto a fazer a paz com os
israelenses. Egípcios ficaram furiosos, assim como os outros árabes na região,
lembrando-lhe que Nasser nunca teria feito tal movimento. Sadat respondeu que
Nasser e nasserismo tinha morrido com o fracasso de 1967, uma declaração de
que não foi bem recebido em uma região de pessoas ainda agarrados aos ideais
do pan-arabismo e a unidade árabe.
68 BASHARAL - ASSAD

Presidente Anwar Sadat do Egito (direita) e primeiro-ministro israelense Menachem Begin,

juntos numa conferência de imprensa em Jerusalém, 21 de novembro de 1977. Sadat

provou muito mais pronto para negociar com os israelenses do que tinha sido o seu

antecessor, Gamal Abdel Nasser.

Além disso, os próprios israelenses suspeitavam de sua súbita mudança na


atitude de Sadat. Para levantar o véu de suspeita, Sadat voou para Israel em
novembro de 1977 e dirigiu-se ao Knesset israelense, ou parlamento. Ele
declarou ao conjunto dos legisladores israelenses de que era sua intenção de
fazer a paz:

Tomei esta decisão depois de pensar muito tempo, sabendo que ela constitui um

grande risco, porque Deus Todo-Poderoso tornou meu destino para assumir a

responsabilidade em nome do povo egípcio, para partilhar a responsabilidade da

nação árabe, o principal dever dos quais, ditada pela responsabilidade, é explorar

todos e todos os meios em uma tentativa de salvar a minha egípcia Arab


Uma vida mais tranquila 69

povo e da nação pan-árabe dos horrores da nova sofrimento e guerras


destrutivas, cujas dimensões estão previstas apenas pelo próprio Deus.

Depois de pensar muito tempo, eu estava convencido de que a obrigação

de responsabilidade diante de Deus e diante do povo torná-lo Compete-me que

eu deveria ir para os cantos mais distantes do mundo, até Jerusalém para

resolver membros do Knesset e familiarizá-los com toda a fatos surgindo em

mim, então eu iria deixá-lo decidir por si mesmos.

Senhoras e senhores, há momentos na vida das nações e dos povos

quando cabe aqueles conhecidos por sua sabedoria e clareza de visão para

o levantamento do problema, com todas as suas complexidades e memórias

vãs, em uma unidade ousado para novos horizontes.

A jogada de Sadat abriu o caminho para as negociações de paz IsraeliEgyptian

históricos, mediadas pelo presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter. As

negociações tiveram lugar em Camp David em 1978 e resultou em um tratado de paz

entre Israel e Egito em 1979. Sadat ganhou um Prêmio Nobel da Paz por seus

esforços, mas volta no Oriente Médio, ele era visto como um traidor por fazer a paz

com o nação que ainda ocupavam terras árabes.

Os fundamentalistas islâmicos no Egito foram especialmente indignado. Na sua

opinião, Sadat, desde o fim da guerra de 1973, tinha-se tornado muito

ocidentalizada. Como Peter Mansfield observou:

A aproximação entre o Egito e os Estados Unidos, que tinha sido um dos

principais objetivos de Sadat e foi exemplificado pela relação

excepcionalmente quente que estabeleceu com Henry Kissinger, teve

consequências importantes dentro do Egito. O balanço para o Ocidente

tornou-se mais pronunciado. Como homens de negócios americanos e outros

ocidentais derramado em Cairo, uma série de novas leis destinadas a

incentivar e garantir o investimento privado estrangeiro foram promulgados

como parte da nova política de infitah ou 'porta aberta'.


70 BASHARAL - ASSAD

O presidente egípcio Anwar Sadat, presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter, eo

primeiro-ministro israelense Menachem Begin share um aperto de mão de três vias em 26 de

março de 1979. Este evento histórico seguido assinatura do Egito e Israel do Tratado de Paz

Acordos de Camp David, em setembro de 1978, que teve sido facilitada pelo presidente

Carter. Após a conclusão dos Acordos, Sadat e Begin foram conjuntamente o Prêmio Nobel

da Paz 1978, o que Sadat foi considerado um traidor por outras nações árabes para negociar

uma paz em separado com Israel.

O acordo de paz com Israel foi a gota d'água para os fundamentalistas. Eles
tinham vindo a emergir como uma força a ser reconhecida, mesmo durante o
governo de Gamal Abdel Nasser, mas Nasser, um secularista, lhes tinha preso e
reprimido seu movimento. Após a morte de Nasser, que tinham ganhado força, e
em 06 de outubro de 1981, durante um desfile militar para comemorar
Uma vida mais tranquila 71

a guerra de 1973, os membros do grupo fundamentalista islâmico Al-Jihad


assassinou o presidente Sadat. O assassinato de Anwar Sadat foi um show
definitivo da energia para o movimento fundamentalista, emprestando força
para outros tais movimentos para desenvolver e estabelecer-se em toda a
região.
CAPÍTULO

6
um intolerante
Regime
Reprimir em Hama

UMA convulsão no Egito. O assassinato de Anwar Sadat ensinou-lhe duas coisas: que
a paz com Israel só poderia
é, antes,vir a umal-Assad
Hafez preço elevado,
aprendeueuma
quelição
o crescente movimento
política do

fundamentalista islâmico teve que ser tratado com força se ele fosse sobreviver a si
mesmo. Talvez tenha sido o assassinato de Sadat que influenciou a política brutal de
al-Assad no sentido de fundamentalismo dentro de seu país. Esta brutalidade culminou
com o cerco de Hama.

Em junho de 1980, a al-Assad tinha uma escova de perto com a morte, quando

extremistas islâmicos tentaram assassiná-lo. Enquanto ele estava fora em público, um dia,

os pretensos assassinos atiraram duas granadas para ele. Al-Assad conseguiu chutar a

primeira granada longe dele antes de explodir; seu guarda-costas se jogou em cima da

segunda granada
Um regime intolerante 73

é morreu. Em retaliação, o abalado “Leão” despachou seu irmão Rifaat para


ensinar os fundamentalistas uma lição. Na cidade síria de Palmyra, as tropas de
Rifaat entrou na prisão e abriu fogo contra os simpatizantes fundamentalistas que
tinha sido preso lá. Duzentos e cinquenta prisioneiros morreram em suas celas.

A cidade bíblica de Hama (registrado como “Hamate” na Bíblia) está


localizado ao norte de Damasco e tornou-se, de acordo com Dilip Hiro, o
“principal centro da instituição religiosa sunita.” Uma insurreição eclodiu
há em fevereiro de
1982, desafiando a legitimidade da minoria de al-Assad, o governo Alawite.
Vários líderes do Partido Baath foram mortos. Hafez al-Assad respondeu
prontamente à insurreição, e as ações dos militares sírio em Hama, liderado
por Rifaat al-Assad, têm sido descritos como horrível. Como Scott Peterson
observou, “No ampla cânone da violência política no Oriente Médio, a palavra
'Hama' ressoa como nenhum outro, e diz muito sobre o exercício crua de
poder e como pendurar nele.”

O cerco da cidade durou quase um mês. No momento em que o exército


sírio, liderado por alauítas, retirou-se Hama, um terço da cidade tinham sido
demolidas; edifícios antigos, bem como igrejas modernas, mesquitas e escolas,
foram niveladas. Quase
10.000 pessoas foram mortas (muitos afirmam que o número de mortos, na
verdade, chegou a 25.000 a 30.000 civis). O poder da Irmandade Muçulmana foi
completamente destruída, mas em todo o mundo, as pessoas ficaram
consternados ao preço de sua remoção. O biógrafo de Al-Assad, Patrick Seale,
explicou a razão para a brutalidade: “Atrás do massacre Hama reside a
agressividade da comunidade Alawite, agora na sela exibindo seu poder, mas
com medo para a sobrevivência no meio de uma grande maioria muçulmana
sunita-lo tinha feito muito para antagonizar.”o assassinato de Sadat no Egito e a
derrubada do xá no Irã haviam contribuído para esse medo.

O outro grande desafio para a presidência de Hafez al-Assad foi a questão


palestina não resolvido. Depois Setembro Negro, o PLO tinha movido seus
campos de treinamento e operações de
74 BASHARAL - ASSAD

sul do Líbano. líderes da OLP tinha tido nenhuma sorte tentando afirmar
qualquer autoridade na Síria como Hafez al-Assad não permitiria que a OLP
para se tornar uma força poderosa que pode ameaçar sua própria autoridade. A
crise no Líbano, no entanto, logo chamou al-Assad em um conflito diferente
com a OLP. A crise envolveu uma luta de poder entre a minoria cristã do Líbano
ea OLP, bem como as comunidades xiitas e drusos. Síria apoiou a minoria
cristã. Como Neil MacFarquhar observou: “Os críticos dizem que sua defesa da
minoria cristã reflete sua própria insegurança que a regra da maioria no Líbano
pode inspirar tentativas para derrubar sua minoria Alawite. A intervenção no
Líbano, embora sancionada pela Liga Árabe, também deu Assad uma chance
para tentar reafirmar o controle sobre a OLP “.

A guerra civil eclodiu no Líbano em 1975, resultando na destruição quase


do país e sua sociedade. Na esperança de controlar os palestinos, al-Assad
enviou forças sírias no Líbano no
1976. Em 1978, Israel invadiu o país e ocuparam a maior parte do sul do
Líbano. Dois países vizinhos agora ocupado terras libanesas. Síria começou
a patrocinar grupos guerrilheiros no Líbano para minar e contra a presença
israelense, uma política que ganhou Hafez al-Assad muitas críticas.

Após a guerra terminou em 1983, os Estados Unidos encorajaram o


governo libanês a assinar um tratado de paz com Israel, o que fez, tanto para o
ressentimento de Hafez al-Assad, que insistiu que os libaneses não devem
sequer considerar tal tratado. De acordo com Dilip Hiro, “O envolvimento da
al-Assad na guerra civil libanesa foi baseada em sua doutrina de que uma
relação especial existente entre o Líbano ea Síria, e que a deserção do Líbano
para o acampamento EUA-Israel iria apresentar perigo extremo para a
segurança da Síria. ”

Al-Assad ainda estava irritado com a ocupação israelense das Colinas de


Golã; ele insistiu que um tratado de paz entre a Síria e Israel seria impossível
até que Israel voltou esta terra. Ao mesmo tempo, ele fez certo de que seus
vizinhos também não teria uma paz duradoura com Israel. Em essência, a Síria
eo
Um regime intolerante 75

Israel estavam lutando uma guerra, mas esta guerra estava sendo travada em
solo libanês.

LONDRES ESCOLARIDADE

Apesar da turbulência política em seu país, Hafez al-Assad tentou manter vida

de seus filhos tão normal quanto possível. A família vivia uma vida simples,

recusando-se a opulência e grandeza em que muitos chefes de Estado no Oriente

Médio viveu. Como explicou Neil MacFarquhar “casa e escritório, onde ele muitas

vezes trabalhava 18 horas por dia, consistiu em duas moradias modestas que

enfrentaram uns aos outros em um bairro residencial em Damasco.” Al-Assad No

entanto, as crianças Assad não estavam imunes à política acontecimentos da

época, e eles pagaram muita atenção ao que estava acontecendo.

Bashar al-Assad tinha 17 anos quando o massacre em Hama ocorreu


nas mãos de militares de seu pai sob o comando de seu tio Rifaat. Para o
jovem, foi, sem dúvida, difícil de ouvir a crítica mundial de seu pai.
Presidência de seu pai seria testado duas vezes mais no ano seguinte.

Em novembro de 1983, Hafez al-Assad sofreu um grande ataque cardíaco.


Era incerto se ele iria recuperar o suficiente para retomar a sua posição, e
assim uma corrida secreta para poder começou. Um dos desafios para o poder
veio de alguém dentro do círculo mais próximo de al-Assad. Seu irmão mais
novo Rifaat viu a doença de Hafez como uma oportunidade para derrubá-lo.
Um militar de formação, Rifaat al-Assad tinha ajudado seu irmão Hafez para
derrubar o governo de Salah al-Jadid, em 1970. Como recompensa, ele tinha
sido dado o controle sobre uma grande Brigada Militar. Foi ele quem organizou
o bombardeio de Hama em 1982, e agora, ao saber da fraqueza de seu irmão,
ele enviou forças leais a ele em Damasco para apreender posições-chave.
Estas forças, no entanto, foram repelidos por soldados leais a Hafez, e Rifaat
recuou.

Quando se recuperou, Hafez al-Assad arranjado para sua mãe idosa para ser

levado de avião para Damasco a partir de sua aldeia,


76 BASHARAL - ASSAD

al-Qurdaha. Ele confrontou Rifaat na presença de sua mãe, e exigiu lealdade


de seu irmão. “Você quer derrubar o regime?”, Perguntou Rifaat. "Aqui estou.
Eu sou o regime.”Rifaat foi envergonhado em prometendo não desafiar a
autoridade de seu irmão novamente. A traição, no entanto, não foi esquecido,
e foi provavelmente o incidente que levou Hafez al-Assad para começar a
preparação de seu filho, Basil, para a presidência. Eventualmente, Hafez
al-Assad baniria Rifaat da Síria.

Em 1992, Bashar al-Assad, removido da intriga política e fala de sucessão


em Damasco, voou para Londres para começar um programa médico em
oftalmologia. Ele havia concluído um curso de graduação na Universidade de
Damasco e outros estudos médicos no Hospital Medical Tishrin na Síria antes
de se matricular no programa de residência no Hospital St. Mary, em Londres.
Enquanto estava lá, ele expandiu seu interesse na Internet, um desenvolvimento
tecnológico cuja usar seu pai tinha em grande parte bloqueado na Síria por
medo de que ela seria usada para lançar um desafio ao seu regime.

Bashar assimilado bem na sociedade ocidental; ele passou o pouco


tempo livre que ele tinha em seu hobby, a fotografia, e ouvir música Inglês. Em
Londres, Bashar também se reuniu Asma al-Akhras, uma jovem britânica de
ascendência síria. O pai de Asma foi um cardiologista altamente respeitado;
sua mãe foi empregada pela embaixada síria em Londres. Os Akhrases eram
muçulmanos sunitas da cidade síria de Homs, ao sul de Hama. Apesar de suas
diferenças religiosas, Bashar e Asma se apaixonou.

Asma foi elegante e atraente, bem como educado. Ela tinha cursou o ensino

médio no Colégio Rainha e mais tarde formou-se em ciência da computação pela

Faculdade do rei. Ela, então, trabalhou em um banco de Londres, um trabalho que

exigia que ela viaja frequentemente para os Estados Unidos e Oriente Médio. Não

está claro quando a relação entre Bashar e Asma começou, mas o romance foi

interrompido quando Bashar foi chamado de volta para a Síria por causa de uma

tragédia familiar.
Um regime intolerante 77

A mudança de planos
Em Setembro de 1994, Bashar foi notificado de que ele deve retornar

imediatamente para a Síria. Seu irmão Basil al-Assad havia sido morto em um acidente

automobilístico. Sua morte foi um choque e um revés para seu pai, que tinha colocado

todas as suas esperanças para um herdeiro político de seu filho mais velho carismático

e popular. Ainda hoje, há memoriais e cartazes de Basil al-Assad por toda a Síria

referentes ao jovem como o “mártir Basil.”

Quando ele voltou para Damasco, “Dr. Bashar”foi informado por seu pai
que ele iria substituir seu irmão. Deve ter sido um choque completo para o
jovem que contava em ter uma vida tranquila, sem intercorrências, talvez no
exterior, como um oftalmologista. Agora, o pai de luto disse, ele teria que
preparar-se para assumir a presidência da nação.

Muitos relatos afirmam que, inicialmente, Bashar recusou, dizendo que ele
queria seguir sua carreira médica e estabelecer uma prática de oftalmologia em
Londres. Seu pai aflito não aceitam um “não” como resposta, e ele insistiu que o
destino de Bashar estava à frente da nação síria. Dr. Bashar, apenas 28 anos,
finalmente consentiu com a vontade de seu pai. Ele voltou para casa, com
relutância, a aceitar seu destino.

recusa inicial de Bashar não foi surpreendente; em muitos aspectos, ele era
um sucessor improvável que a presidência. Muitos sírios pensou que o irmão mais
novo al-Assad, Maher, seria escolhido por seu pai por causa de sua capacidade
militar e habilidade política. Bashar, em contraste, era muito tímido e fala mansa.
Alto e muito magro, com olhos azuis e um pequeno bigode, Bashar se
assemelhava a seu pai na aparência, mas ele parecia não ter personalidade forte
e assertivo de seu pai. Um observador político observou que “Bashar não tem o
'instinto assassino' vital para quem quisesse governar o país”, enquanto outro
afirmou: “Não só Bashar falta de maturidade, experiência e autoconfiança, Síria
observadores em geral concordam que Bashar também não tem carisma e
qualidades de liderança.”Outros observadores notaram que ele não parecia
confortável no centro das atenções do público, mas
78 BASHARAL - ASSAD

A imagem do poster presidente sírio, Hafez al-Assad (centro), ladeado por seus dois filhos,

Basil (esquerda) e Bashar. Quando Basil foi morto em um acidente de carro em 1994,

Bashar, o filho mais novo e um oftalmologista treinado, tornou-se o sucessor escolhido de

Hafez.

seu pai foi determinado que seu segundo mais velho seria o único para
sucedê-lo.
Bashar nunca mais voltou para seus estudos médicos. Os próximos anos
foram focados em moldar o jovem médico em um herdeiro político viável. Porque
ele não tinha a experiência militar do falecido Basil, Bashar foi enviado para
Homs Academia Militar, onde seu pai tinha estudado. Ele se tornou um coronel
em janeiro de 1999. Logo, Hafez al-Assad começou a despachar seu herdeiro
em missões diplomáticas, enviando-o em viagens para Omã, Arábia Saudita e
França. “Durante Bashar" treino”, explicou John Morrison,“seu pai lhe deu
tarefas diplomáticas para executar, e ele foi empurrado para o palco público,
tanto quanto possível, para que ele não seria um desconhecido total, quando o
seu
Um regime intolerante 79

pai morreu.”Quando ele viajou para Paris, relatórios alegou que o herdeiro chamou

a atenção da mídia significativas para si mesmo, explorando a cidade sem seus

guarda-costas. Fluente na língua francesa, Bashar parecia confortável e sem medo;

sua atitude casual e comportamento impressionou muita gente.

UM FUTURO CHALLENGING

Para Bashar, era difícil conciliar seus pontos de vista modernos com a polícia

afirmar que seu pai havia criado. Na Síria, no final de 1990, as máquinas da Internet e

até mesmo fax foram amplamente proibidos. Embora o próprio Bashar foi presidente

da Sociedade Científica Sírio de Tecnologia da Informação, que promoveu a

educação e as habilidades de computador, a maioria dos sírios não poderia mesmo

comprar computadores. Décadas de envolvimento do governo e está perto de

monitoramento dos negócios, bem como uma série de guerras devastadoras, resultou

em uma economia síria lento. Até o final da década de 1990, a renda média do sírio

era um mero $ 1.000, ea taxa de desemprego foi de 25 por cento.

A crise econômica na Síria foi significativa. Síria não produzir ou exportar

qualquer coisa de grande importância; ao contrário de outras ex-colônias (como a

Índia, por exemplo), não tinha desenvolvido uma base tecnológica sólida para criar

empregos e estudiosos de exportação, especialistas em computação e engenheiros.

Na verdade, parecia ter estagnado nas décadas durante a presidência de Hafez

al-Assad, parado, enquanto o resto do mundo havia modernizado.

Hafez al-Assad também tinha criado um estado em que as pessoas viviam com

medo. Ele havia investido milhões em agências de inteligência, e havia dezenas de

tais agências estabelecidas sob seu domínio, cada um responsável por descobrir se

havia qualquer ameaça, no entanto pequeno ou insignificante, ao poder do regime.

Além disso, milhares de prisioneiros políticos definhou nas prisões de al-Assad. Para

um homem como Bashar al-Assad, que tinha passado algum tempo na Grã-Bretanha,

bem como em outras partes da Europa, era evidente que a Síria precisava adotar

políticas mais democráticas, a fim de manter o ritmo com o resto do mundo.


80 BASHARAL - ASSAD

Um desafio ainda maior era a opinião do mundo da Síria. Os Estados


Unidos, por exemplo, há muito visto a Síria como um Estado terrorista.
Em 1986, um terrorista que tentou detonar explosivos em um avião
israelense de deixar Londres “foi dado refúgio na embaixada síria antes
de se entregar”, explicou Neil MacFarquhar. Como resultado, a
Grã-Bretanha romperam relações diplomáticas com a Síria e outras
nações ocidentais se retiraram temporariamente seus embaixadores do
país. Embora o Departamento de Estado dos EUA reconheceu que a Síria
não tinham sido directamente implicado em qualquer ato terrorista desde
aquela época, ele insistiu que a Síria continuou a permitir que grupos
palestinos, como a Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP),
para operar em Damasco. Funcionários do Departamento de Estado
também afirmou que a Síria apoiou as atividades de grupos
fundamentalistas como o Hezbollah no Líbano. Havia motivos para tais
afirmações. Dentro de suas fronteiras, Hafez al-Assad brutalmente
reprimida fundamentalistas islâmicos que se inspirou em Iran. Ele, no
entanto, encontrar os iranianos úteis para atacar Israel. Sempre tentando
voltar o Golan Heights, al-Assad ajudou armas canal Irã a grupos
fundamentalistas no Líbano; estes grupos, como o Hizbollah, usou os
braços para lançar ataques contra Israel. Na verdade, Hafez al-Assad
manteve um exército sírio no Líbano, insistindo que era uma medida de
paz. Muitos libaneses, no entanto, considerava-a como uma ocupação
direta de suas terras. Simultaneamente, os israelenses acusaram a Síria
de permitir que o Hizbollah para lançar ataques em solo israelense do sul
do Líbano.

Finalmente, houve o problema da corrupção dentro do governo sírio. Hafez


al-Assad tinha sido sempre o cuidado de proteger a sua autoridade,
especialmente desde que ele trabalhou em uma atmosfera que era cova dos
leões política. O povo sírio apreciado o fato de que al-Assad tinha terminado
anos de militares e golpes políticos e proporcionada alguma estabilidade à
nação
Um regime intolerante 81

mesmo que ele governou como um Estado policial. Sua guarda foi
sempre, e ele confiava quase ninguém, um instinto que tinha sido provada
correta quando seu próprio irmão Rifaat tentou tomar o controle no final de
1980. Havia outros dentro do governo que queria ver um fim ao seu
governo, e ele sentiu que precisava para eliminar essas pessoas antes de
virar a presidência para seu filho Bashar.

Em 1998, Hafez al-Assad removido seu irmão Rifaat do gabinete do


vice-presidente. Embora a posição havia sido um cerimonial (Rifaat, depois de
seu desafio à autoridade de seu irmão, nunca tinham sido atribuídas
responsabilidades real novamente), o movimento foi uma clara indicação de
que Bashar e não Rifaat iria substituir o enfermo Hafez al-Assad. Rifaat tinha
algum apoio dentro Damasco e dentro das fileiras do exército, mas a maioria
dos sírios não aprovou-o como um futuro presidente, principalmente por causa
de seu estilo máfia da liderança e seu estilo de vida pessoal. Enquanto estilo
de vida de Hafez al-Assad foi modesto, em linha com a da média sírio, Rifaat
teve quatro esposas e viveu mais luxuosamente. Ele viajou por toda a Europa
com frequência enquanto Hafez raramente deixou a Síria e passou todo o seu
tempo de trabalho. Depois que ele foi removido do escritório do
vice-presidente,

Pai e filho, então lançou uma campanha anti-corrupção. Tinha sido


uma prática corrente na Síria para os políticos a tomar subornos de
empresas em troca de adjudicação de contratos de negócios, enchendo
os próprios bolsos enquanto a maioria dos sírios afundou num mar de
pobreza. O Bashar visão de futuro definido para eliminar este tipo de
corrupção, e sua campanha logo alcançou os mais altos níveis de
governo. Duas das pessoas afectadas por suas reformas foram Bashir
al-Najar, o ex-chefe da inteligência síria, e Mohammed Haider, o
ex-vice-premiê. Uma das acusações mais surpreendentes foi movida
contra o ex-primeiro-ministro, Mahmoud Zoubi, que supostamente
aceitaram milhões de dólares em subornos durante seus 13 anos no
cargo.
82 BASHARAL - ASSAD

Ao ser carregada, Zoubi cometeu suicídio ao invés de investigação face.

Bashar al-Assad, embora jovem e inexperiente, ganhou muito respeito do


povo sírio por seus esforços para limpar a política. Esta campanha, no entanto,
levaria muito mais tempo do que o previsto. Porque a corrupção foi tão
arraigada dentro do sistema político sírio, que se tornaria uma tarefa ao longo
da vida.
O mais jovem al-Assad certamente seria herdar uma nação repleta de
problemas e conflitos. Mais cedo do que ele ou qualquer um tinha imaginado, a
sua formação tinha acabado e ele foi posto à prova.
CAPÍTULO

7
O Início de uma
Nova Era
A MORTE DO LEÃO

Eu começou nos Estados Unidos. Isto marcou a primeira vez que representantes oficiais dos

dois países se encontraram


n dezembro paraasdiscutir
de 1999, a possibilidade
negociações preliminaresde paz.a Síria
entre Como esperado, a principal
e Israel

preocupação da Síria foi o retorno das Colinas de Golã. As negociações não prosseguir sem

problemas, mas ambos os lados se comprometeram a continuar tentando. Infelizmente, seus

esforços históricos em breve seria adiado indefinidamente.

Em 10 de junho de 2000, o presidente Hafez al-Assad estava falando ao telefone com

o presidente libanês, quando sofreu um ataque cardíaco fulminante. Ele morreu pouco

depois, pondo fim a uma regra de quase três décadas. Ele tinha 69 anos.

a morte de Hafez Assad trazido reacções mistas. Na Síria, onde foi um ícone e
admirado como um homem que tinha trazido, se não
84 BASHARAL - ASSAD

Uma multidão de milhares despede-se de Hafez al-Assad, governante da Síria por mais de 30

anos. Nesta foto Junho de 2000, o caixão de al-Assad é levada pelas ruas de Damasco

durante seu funeral de Estado, no seu caminho para Qurdaha, aldeia natal de al-Assad, para

o enterro.

prosperidade, pelo menos estabilidade, as pessoas lamentaram abertamente. Era

uma reminiscência do tipo de luto que acompanhou a notícia da morte de Gamal

Abdel Nasser do Egito, mostrando que al-Assad pode ter atingido um de seus

objetivos a ser tão popular e tão admirado como o seu homólogo egípcio tinha sido.
O Início de uma Nova Era 85

Em Damasco, capital da Síria, as pessoas se aglomeravam nas ruas,


chorando e orando. Algumas pessoas perturbados mesmo cortado sua própria
pele com facas para demonstrar sua dor. televisão síria anunciou a morte do
presidente, afirmando que al-Assad havia “lutado por mais de meio século por
causa do árabe orgulho, unidade, liberdade, e por uma questão de
salvaguardar a sua dignidade e restauração de seus direitos. Sua coragem
nunca foi enfraquecido, sua visão nunca foi reduzida, e suas convicções nunca
foram abaladas.”Os membros do Parlamento sírio foram mostrados na
televisão, abertamente chorando como eles aprenderam a notícia. Um locutor
de rádio chamado nas ondas do rádio, “Sua alma se foi, mas você ainda está
conosco”, em um discurso triste ao presidente morto. Nas nações em todo o
Oriente Médio e partes da Ásia,

No Ocidente e em Israel, no entanto, a morte de al-Assad não era visto com


pesar a todos. Israel ainda estava em um estado não-oficial da guerra com a Síria,
e sua mídia reflete a reação da nação. Ha'aretz, um jornal liberal, relatou: “inimigo
mais difícil de Israel durante os últimos 30 anos faleceu ontem. . . . Assad
construiu uma estatal síria em sua própria imagem. . . uma fechada, resistente,
estado ascético que faltava em liberdades pessoais e acorrentada em um regime
ditatorial, que nos últimos anos tinha chegado à beira da falência.” The Jerusalem
Post, um papel mais conservador, abruptamente declarou que a morte de al-Assad
seria “benéfico” para Israel. Nos Estados Unidos, o presidente Bill Clinton
comentou educadamente, mas sem emoção sobre a notícia da morte de al-Assad.
A história entre Clinton eo líder sírio era rochosa na melhor das hipóteses. Clinton
havia intermediado um tratado de paz entre Israel e os palestinos em 1993, mas
ele não conseguiu convencer a Síria a assiná-lo. Ele continuou, até a morte de
al-Assad, para envolvê-lo em uma negociação de paz com Israel, mas al-Assad
continuou a insistir no retorno das Colinas de Golã. Com a morte de al-Assad, as
negociações começaram entre a Síria e Israel apenas seis meses antes, agora
parecia condenado ao fracasso. No entanto, Clinton reconheceu, “Nós tivemos
nossa
86 BASHARAL - ASSAD

diferenças, mas eu sempre o respeitei.”A secretária de Estado Madeleine Albright

compareceram ao funeral de al-Assad.

Al-Assad foi enterrado em sua aldeia de Qurdaha, perto do corpo de seu


filho mais velho, Basil. Bashar manteve uma casa aberta na casa da família na
aldeia, recebendo dignitários estrangeiros do Oriente Médio e em todo o mundo.

Uma lenda tinha sido enterrado. Agora, o verdadeiro trabalho de seu filho

começou. A primeira tarefa de Bashar foi estabelecer-se como o sucessor para a

presidência de seu pai. O primeiro obstáculo prático foi facilmente superada. De

acordo com a Constituição síria, uma pessoa tinha que ter pelo menos 40 anos de

idade para ser eleito presidente, e “Dr. Bashar”era somente 34. O Parlamento sírio

sabia que Hafez al-Assad, a quem a maioria deles sentiu uma intensa lealdade,

tinha escolhido pessoalmente Bashar como seu sucessor, e eles votaram para

mudar a Constituição. Isso foi feito muito rapidamente, e alguns dias após o enterro

de seu pai, Bashar al-Assad foi eleito como o novo presidente da república síria. Ele

também foi promovido de coronel a tenente-general e nomeado

comandante-em-chefe das forças armadas da Síria.

O tio de Bashar, Rifaat, no entanto, reentrou na imagem, na esperança de

tomar o poder para si próprio. Sentindo que seu jovem sobrinho, acadêmico seria

demasiado tímida para montar uma defesa, Rifaat, que ainda estava no exílio na

Europa, pediu publicamente Bashar incapaz de liderar a Síria e sugeriu que ele era o

legítimo herdeiro cadeira presidencial de seu irmão. O fato de Hafez al-Assad tinha

passado o cetro do poder para seu filho, como um monarca faria, era “uma faca nas

costas da nação síria”, Rifaat declarou.

Muitos especularam que Rifaat voltaria para a Síria para desafiar a


ascendência de Bashar, mas este potencial problema também foi resolvido
rapidamente. Poucos dias depois do funeral do Hafez al-Assad, Rifaat pareceu
mudar sua posição. Seu filho e primo de Bashar, Sumar al-Assad, falou em seu
nome. Sumar, que era dono de uma rede de televisão árabe por satélite
britânica, afirmou que seu pai não tinha interesse em desafiar Bashar para a
presidência. Ele observou ainda, “ambição [Meu pai] é
O Início de uma Nova Era 87

devolver a liberdade ea democracia para o povo da Síria. . . . Não é a sua


ambição de se tornar presidente “. Apesar destas palavras, apenas para se
certificar de que Rifaat não voltou a ameaçar a presidência de Bashar,
autoridades sírias emitiu um mandado de prisão deve ele sempre tentar reentrar
no país. O segundo obstáculo foi eliminado mesmo que Rifaat al-Assad tinha
conseguido pintar a eleição de Bashar como o início de uma dinastia corrupto e
o fim da democracia na Síria. Foi um ponto discutível. Qualquer um que viveu na
Síria rigorosamente policiada de Hafez al-Assad sabia que a democracia nunca
tinha sido um problema.

Com a presidência de Bashar, no entanto, algumas pessoas esperavam para a

reforma. Afinal, ele foi educado e confortável em ambas as culturas da Europa Oriental

e do Oriente, e ele parecia progressiva. Em março de 2000, antes da morte de seu pai,

ele tinha até apoiou a nomeação de uma mulher como ministro de assuntos-A sociais

pela primeira vez para o governo sírio. Além disso, Bashar tinha sido citado como

dizendo, “Eu sou um crente na democracia e respeito da opinião dos outros.” As

pessoas que esperam por mudanças também esperava estes não eram apenas

palavras vazias.

O Oriente Médio ea mídia internacional expressou abertamente suas


esperanças de que Bashar ajudaria a modernizar e democratizar a Síria. Vários
jornais especularam que o Bashar Internet-savvy, que falava Inglês, árabe e
francês, conduziria a política da Síria e da sociedade em uma nova era. Mesmo
antigos inimigos de seu pai tinha esperanças mais otimistas para o filho. O
Jerusalem Post escreveu: “No longo prazo, Bashar parece mais pessoal flexível e
orientada para o tipo de políticas que faria a paz com Israel uma prioridade mais
elevada.” Aqueles mais próximos ao novo presidente também expressou
confiança na capacidade de Bashar governar bem. Logo após a eleição, um
repórter da BBC perguntou um dos amigos mais próximos do novo presidente se
Bashar iria governar a Síria com o mesmo “punho de ferro” seu pai tinha. O amigo
respondeu: “Ele é um oftalmologista; ele se aproxima tudo com muita precisão “, o
que implica que Bashar faria alterações ao regime sírio de uma maneira lenta e
prático.
88 BASHARAL - ASSAD

SRA. Bashar al-Assad


Seis meses depois de tomar posse, Bashar al-Assad estabeleceu-se com
seus ministros, com o seu próprio grupo de assessores, e com um exército sírio
que estava visivelmente leais a ele. Agora que ele tinha cuidado de detalhes
políticos, foi tempo para resolver detalhes pessoais.

Em dezembro de 2000, seis meses depois de ter sido eleito


presidente, Bashar al-Assad casado Asma al-Akhras. A notícia de seu
casamento não foi anunciado ao público sírio eo resto do mundo até o
início de janeiro. Alguns especularam que este era por respeito a seu pai;
a notícia foi adiada até o aniversário de seis meses da morte de Hafez
al-Assad tinha passado.

O anúncio da união, quando veio, foi peculiar.


Tishreen, o jornal nacional, publicou uma pequena história sobre o casamento em
sua primeira página, acompanhada por uma foto de Bashar al-Assad, mas não um
de sua nova noiva. O artigo dizia que Asma al-Akhras era de uma família
muçulmana sunita de Homs e que ela tinha sido levantada em Londres, onde seu
pai era um cardiologista muito conhecido. Ele também mencionou que a jovem
tinha uma licenciatura em ciência da computação.

A maneira tranquila em que a notícia foi tratada, com nenhuma fotografia da

nova Sra Bashar al-Assad, imediatamente atraiu comparações com a forma como

Hafez al-Assad tinha conseguido seus assuntos pessoais. O presidente tarde tinha

mantido sua esposa e família fora dos holofotes nacionais, tanto quanto possível.

Sua esposa, Aniseh al-Assad, quase nunca tinha aparecido em público, e muito

pouco foi mencionado sobre ela na imprensa nacional, uma indicação de quão bem

o marido controlava a mídia. A Síria é uma nação secular; é duvidoso que Aniseh

al-Assad foi forçado pela religião ou tradição a ausentar-se do centro das atenções.

Em vez disso, é geralmente pensado que ela preferiu se concentrar exclusivamente

em sua família, em contraste com as esposas dos líderes ocidentais, que muitas

vezes são obrigados a assumir funções públicas de caridade e trabalho humanitário.


O Início de uma Nova Era 89

Asma al-Assad, esposa do presidente sírio, Bashar al-Assad, fala com as mulheres locais

que receberam um empréstimo para iniciar uma fazenda de gado perto da aldeia central da

Homs, Setembro de 2004. Pouco depois de seu casamento com o al-Assad, Asma começou

a supervisionar programas destinados a desenvolver as áreas rurais do estado árabe

através de empréstimos em condições favoráveis ​e programas de formação profissional e

especialmente aqueles que beneficiem as mulheres empresárias.

Bashar Assad, no entanto, foi quebrar tradição, de uma forma significativa.


Casando-se com um muçulmano sunita, em vez de uma mulher Alawite, ele havia
derrubado uma das principais barreiras religiosas na Síria. Afinal, a Síria era um
país em que a maioria das pessoas, os sunitas, foram governados por uma
minoria, os alauítas. Alguns viam o casamento como uma ilustração de apoio
professado de Bashar al-Assad da sociedade secular e até mesmo como uma
tentativa de ganhar o favor da maioria sunita a quem as forças de seu pai tinham
esmagado durante a rebelião em Hama quase duas décadas antes.

Não seria muito antes de Asma al-Assad fez sua estréia pública, e
quando o fez, ela provou que seu marido era
90 BASHARAL - ASSAD

na verdade, um homem moderno. Três meses depois de seu casamento, ela


acompanhou o marido como ele cumprimentou o presidente búlgaro que estava em
uma visita de Estado à Síria. televisão síria transmitir esta primeira aparição da
esposa do presidente, e muitos comentou sobre o fato de que ela não era velada e
estava vestido em um terno crisp profissional. Nos meses seguintes, ela apareceu
ao lado de Bashar muitas vezes, durante as visitas de dignitários estrangeiros,
como o Papa, e durante as viagens para visitar os líderes de outras nações. Na
Tunísia, ela foi televisionada visita crianças carentes, assim como a esposa de um
líder ocidental pode fazer. Ela também fez questão de se associar com as esposas
de outros líderes, enquanto o marido estava em reuniões.

Na verdade, Asma mais tarde afirmou que ela passou os três meses entre
seu casamento e sua primeira aparição pública fazendo seu próprio tipo de
investigação sobre a Síria, seu novo lar. “Para ser honesto,” ela disse em uma
entrevista: “Eu queria conhecer [sírios comuns] antes de me conhecer. Antes que
o mundo me conheceu, eu era capaz de passar o primeiro par de meses
vagando, conhecer outras pessoas sírias. Foi o meu curso intensivo “Ela ainda
comentou.:

Gostaria apenas de tag along com um dos muitos programas que estão sendo

executados nas áreas rurais. Porque as pessoas não tinha idéia de quem eu era, eu

era capaz de ver as pessoas completamente honesta, eu era capaz de ver o que

seus problemas estavam no chão, o que as pessoas estão reclamando, quais são

os problemas. Que esperanças e aspirações das pessoas são. E vê-lo em primeira

mão significa que você não está vendo através dos olhos de outra pessoa. Não era

para espioná-los. Foi realmente só para ver quem eles são, o que estão fazendo.

Ainda hoje, Asma al-Assad vive um estilo de vida mais independente do


que os de seus antecessores, talvez porque é um estilo de vida ao qual o jovem
nascido em Londres sempre foi acostumado. Bashar parece ter a encorajou a
fazer o seu próprio
O Início de uma Nova Era 91

caminho, e ela tem seu próprio escritório, perto do marido, onde ela
realiza reuniões e conduz seu próprio trabalho. Asma al-Assad
modelou-se na forma de primeiras-damas ocidentais e envolve-se em
questões das crianças e das mulheres. Em abril de 2002, por exemplo,
ela organizou e sediou uma conferência para empresárias árabes, que iria
fornecer mulheres árabes com oportunidades de networking e
treinamento sobre como iniciar e manter seus próprios negócios. A
conferência foi o primeiro de seu tipo já realizada na Síria e ganhou Asma
al-Assad elogios. Além disso, observando que quase metade da
população da Síria estava sob a idade de 15 anos, Asma lançou vários
programas para se concentrar nas necessidades de saúde, educacionais
e sociais das crianças. Amplamente considerado como inteligente e
carismático,

Asma e Bashar ter trabalhado com cuidado, no entanto, não parecer muito
moderno ou muito ocidentalizada, certificando-se de manter certas tradições.
Por exemplo, quando Asma deu à luz o filho do casal de um ano depois de seu
casamento, a criança foi nomeado Hafez, em homenagem a seu avô, um
tradicional gesto de respeito em países árabes.

Desde os primeiros dias do governo de Bashar, Asma al-Assad trouxe muita

credibilidade ao seu marido. Enquanto ele tenta criar uma imagem pública de si

mesmo como um presidente moderno, o líder da próxima geração de sírios, ela

continua a projetar uma imagem positiva de uma mulher que é capaz de equilibrar

sua herança árabe com as exigências do mundo moderno. Para que os críticos

afirmam que Asma é muito ocidental, ela disse enfaticamente: “Eu sou britânico e eu

sou um árabe. Eu não sou um ou outro. Faço parte de ambos os mundos.”

Um homem moderno

Foi fundamental para a legitimidade de Bashar al-Assad como presidente que ele

convencer seu próprio povo, e especialmente os líderes estrangeiros, que ele era realmente

um homem moderno. Ele instituiu vários


92 BASHARAL - ASSAD

Syrian primeira-dama Asma al-Assad, com o filho de Hafez e Rainha Sofia de Espanha,

deixando um restaurante em Madrid, Espanha, Junho de 2004. Hafez, em homenagem a

seu avô, olha timidamente para a câmera.


O Início de uma Nova Era 93

reformas nos primeiros dias de sua liderança, um período de tempo que foi referida

como a “Primavera de Damasco” e foi visto como um renascimento para a nação síria.

Primeiro de tudo, ele queria mudar a atmosfera política no país, para mover a

Síria de ser um estado policial rigidamente controlado para uma sociedade mais

aberta, democrática. Ele declarou que ele convidou críticas a seu governo e feedback

do público. Ele fechou várias prisões que seguravam dissidentes políticos,

estabelecendo a maioria deles livre. Ele também instituiu mudanças na mídia,

liberalizando-lo de muitas maneiras. De acordo com um observador, “Ele aprovou

novas leis para estabelecer bancos privados, e introduziu medidas de criação de um

mercado de ações e universidades privadas e para liberalizar o sistema monetário.”

Bashar também prometeu ter 200.000 novas linhas de Internet criadas em todo o

país, de modo que os sírios poderiam acessar a World Wide web a partir de

cibercafés locais ou, para aqueles com dinheiro suficiente, mesmo a partir de suas

próprias casas.

Bashar também o conhecimento utilizado ganhou de estudar e trabalhar


no estrangeiro para ajudar a estimular a economia da Síria. De acordo com
Charmaine Seitz, “A nova lei permite sírios que estudaram no exterior e, em
seguida, ficou fora do país para evitar o recrutamento obrigatório para voltar
para casa, pagando uma taxa de vários milhares de dólares.” Com a
implementação desta nova lei, Bashar esperava dar médicos sírios, advogados
e empresários incentivo para voltar para casa e investir o dinheiro que ganhou
na economia síria.

A maioria destas mudanças foram implementadas dentro de seu primeiro ano como

president.With as rápidas mudanças e com o seu moderno, esposa glamourosa por seu lado,

Bashar al-Assad foi se tornando bastante popular no país que ele governou. Para o Ocidente,

no entanto, ele ainda tinha que provar a si mesmo.

Mesmo Hafez al-Assad havia reconhecido a importância de, eventualmente,

estabelecer uma relação diplomática aberta com os países ocidentais, especialmente

depois da queda da União Soviética na década de 1990. Com a queda dos soviéticos,

América permaneceu como


94 BASHARAL - ASSAD

a única superpotência mundial. Sempre inteligente, Hafez al-Assad começou a cortejar o

favor dos Estados Unidos, indo tão longe como a dizer que iria considerar conversações

de paz com os israelenses, embora ele nunca realmente seguido através sobre este

assunto. No final, as negociações sempre desmoronar por causa de sua insistência sobre

o retorno das Colinas de Golã. “A terra é importante”, disse uma vez a um diplomata

americano. “Ele tem a conotação de dignidade e honra. Um homem não é escolhido para

ir para o paraíso a menos que ele pode fazê-lo de uma forma digna.”

Bashar al-Assad desapontou muitos quando ele deixou claro que ele iria
seguir os passos de seu pai quando ele veio para as Colinas de Golã. Na
verdade, Bashar al-Assad fez vários ataques verbais públicos, contra Israel,
demonstrando que ele não estava disposto a sentar e negociar com o governo
israelense, embora seu pai tinha flertado com esta idéia para o final de seu
próprio reinado. Quando o Papa João Paulo II visitou Damasco em maio de
2001, Bashar fez várias declarações que foram depois criticadas como
anti-Semitic.With o Papa em pé ao seu lado, Bashar rotulado os israelenses
como “traidores de Jesus”, levando críticas internacionais de que ele era um
racista. Durante a visita, Bashar a certeza que o Papa visitou parte das Colinas
de Golã, em seguida, ele falou sobre as maneiras pelas quais os israelenses
continuaram a devastar a área.

Bashar removeu a maioria das tropas da Síria do Líbano, mas manteve


uma presença militar no país. Líbano era continuar a servir como uma zona
tampão entre Israel e Síria e para suportar o peso da guerra em curso entre
eles. Além disso, Bashar al-Assad fez amizade publicamente líderes do
Hizbollah e permitiu que grupos de resistência palestinos para manter a sua
presença em Damasco, uma política que provocou a ira do israelense e os
governos americano. De acordo com Eyal Zisser, “Os sírios. . . ignorados US
pede para regular a atividade do Hizbollah e cortar na indulgência síria de
grupos terroristas palestinos localizados em Damasco. Este não fez nada para
ajudar a Síria a ganhar amigos e influenciar pessoas em Washington “.
O Início de uma Nova Era 95

Papa João Paulo II compartilha uma conversa com o presidente Bashar al-Assad, após um

discurso de boas vindas al-Assad entregue para o pontífice no aeroporto de Damasco, no dia

5 de maio de 2001. O Papa João Paulo, que chegou à Síria para começar uma peregrinação

através do Christian Terra Santa, fez um apelo aos partidos rivais no conflito árabe-israelense

a buscar uma paz duradoura no conturbado Oriente Médio.

Para o novo, o Presidente Young, no entanto, a manutenção de uma relação

hostil com Israel foi crucial para sua sobrevivência. Seu pai, Hafez al-Assad, havia

rejeitado o acordo de paz de 1993 entre a OLP e os israelenses que foi moderado

pelo presidente norte-americano Bill Clinton. Quando perguntado por que ele havia

se recusado a participar do acordo de paz, ele respondeu, “Os árabes são um povo.

Se eu fosse para assinar um acordo semelhante ao assinado por Arafat, eu teria

enfrentado grandes problemas. Vocês todos sabem que existem líderes árabes que

pagaram com suas vidas como o preço para tal comportamento separado.”
96 BASHARAL - ASSAD

O presidente sírio, Hafez al-Assad e PLO líder Yasser Arafat, em janeiro 1978 da foto.

Embora amargos inimigos longos, presumivelmente porque al-Assad se recusou a

permitir que a OLP para obter uma fortaleza na Síria, no funeral de al-Assad, Arafat

saudou e beijou Bashar, filho de Hafez e novo governante da Síria.

A referência à assassinado o presidente egípcio Anwar Sadat foi um feito


muitas vezes por Hafez al-Assad. Além disso, ele acreditava que Israel, que
abraçou o sionismo, era um obstáculo principal para a unidade árabe. Sozinho
neste momento, ele considerou a paz com Israel como uma traição de
pan-arabismo. Como historiador ávido, Hafez al-Assad nunca tinha esquecido o
fato de que as potências ocidentais, Grã-Bretanha e França, tinham colonizado e
depois dividiu o suporte Oriente East.Western de Israel, em sua opinião, não era
nada mais do que uma continuação do que divisão, um mecanismo para manter a
idéia de unidade nada árabe mais que um sonho.
O Início de uma Nova Era 97

Bashar al-Assad, que atacou verbalmente Israel durante seus primeiros


meses no cargo, parecia ter herdado perspectiva de seu pai em Israel. A maioria
dos conselheiros de Bashar e membros de seu círculo íntimo eram homens que
tinham servido e aconselhou seu pai. Eles, assim como a maioria dos sírios, ainda
rejeitou a idéia de paz com Israel. Enquanto as Colinas de Golã permaneceu em
mãos israelenses e enquanto Israel recusou-se a retirar-se do território
palestiniano na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, não haveria paz. Portanto,
embora Bashar empurrado para a modernização a nível social e económico,
quando ele veio para as relações com Israel, parecia que nada havia mudado.
CAPÍTULO

8
Tudo muda

11 de setembro de 2001

O mas na Síria, as notícias sobre a rua não era o aniversário do presidente, mas
n 11 deterroristas
sim os ataques setembrocontra
de 2001, Bashar Unidos.
os Estados al-Assadaviões
virou sequestrados
36 anos, haviam se
chocou contra o World Trade Center em Nova York, o símbolo de América do sucesso
financeiro; as torres gêmeas desabaram, com as pessoas que ainda estão presos
dentro. Outro avião caiu contra o Pentágono, em Washington, DC, destruindo parte do
edifício a partir do qual a América guiado suas atividades militares e de inteligência. Um
quarto avião, possivelmente destinado a outro alvo icónico em Washington, DC, caiu
misteriosamente em um campo na Pensilvânia rural. No final do dia horrível, cerca de
3.000 pessoas foram mortas, incluindo os passageiros aterrorizados a bordo dos aviões
sequestrados.
Tudo muda 99

Desse ponto em diante, derrotar o terrorismo se tornou uma das


principais prioridades do governo americano. O presidente George W. Bush
declarou a “guerra ao terrorismo” e insistiu que os terroristas seriam
procurados e derrotado, não importa onde eles existiram no mundo.

Esta foi uma guerra diferente das guerras anteriores, em que uma nação

declararam guerra a outro. Aqui, o governo americano estava declarando guerra

contra grupos de pessoas; Além disso, qualquer país conhecida por abrigar esses

grupos seria considerado um inimigo dos Estados Unidos.

Os seqüestradores que realizaram os ataques terroristas de 11 de


Setembro foram encontrados para ser ligado a Osama bin Laden, o líder do
grupo fundamentalista Al Qaeda, que era conhecido por operar no
Afeganistão sob a proteção do regime talibã.

Uma invasão americana do Afeganistão em 2001 derrubou o Taliban.


Internacionalmente, George W. Bush recebeu a aprovação da maioria das nações
ocidentais, bem como de algumas nações do Oriente, como o Paquistão e nas
Filipinas.
A segunda guerra, a invasão do Iraque, era muito mais controversa e ganhou

menos aliados. O governo dos Estados Unidos afirmou que o Iraque, que tinha

derrotado em 1991, abrigou terroristas da Al Qaeda e que seu presidente, Saddam

Hussein, estava desenvolvendo armas de destruição em massa. Além disso, o governo

alegou que o Iraque estava ativamente envolvido no planejamento de atividades

anti-americanas, incluindo ataques terroristas. Muitos países, incluindo Grã-Bretanha,

Itália e Espanha, apoiou o esforço americano e concordou em se juntar à coalizão

liderada pelos Estados Unidos em uma guerra contra o Iraque.

Muitos críticos dentro dos Estados Unidos e ao redor do mundo discordou, no

entanto, alegando que não havia provas para fundamentar as acusações contra o

Iraque. Na verdade, alguns afirmaram que a administração Bush estava indo longe

demais no planejamento para invadir uma nação sem prova. Três dos críticos mais

vocais foram a França, Alemanha e Síria.


100 BASHARAL - ASSAD

França declararam, nas Nações Unidas, que apressando-se para a guerra contra o

Iraque foi um movimento apressado, desnecessário. Em vez disso, o presidente Jean

Chirac argumentou, América deve permitir inspetores de armas das Nações Unidas para

continuar sua busca por armas de destruição em massa. Um porta-voz do presidente

francês disse: “Não há nenhuma razão hoje para interromper as inspeções e ir para uma

outra lógica que levaria à guerra.” Ministro do Interior francês, Nicolas Sarkozy,

expressou oposição da França mais diretamente, dizendo: “Não pode haver uma

superpotência que administra os assuntos do mundo.”

Alemanha tinha apoiado a guerra dos EUA no Afeganistão, mas o


chanceler Gerhard Schroeder se recusou a se juntar à coalizão de invadir o
Iraque. Como presidente francês Chirac, o chanceler Schroeder não acho que
derrubar Saddam Hussein era necessário.

Bashar al-Assad também criticou o plano americano de invadir o Iraque,


afirmando que os Estados Unidos foi a eliminação lenta e metodicamente os
inimigos de Israel na região. repentina apoio dos iraquianos de Bashar
surpreendeu alguns, porque Saddam Hussein e Hafez al-Assad nunca tinham
sido amigos. Iraque, como a Síria, foi governada pelo Partido Ba'ath, eo mais
velho al-Assad e Hussein tinha competido, cada um esperando para fazer seu
próprio país a mais poderosa nação governada-Baath na região. Agora, porém,
Bashar viu o ataque iminente contra o Iraque como um ataque a todos os países
árabes.

Guerra no Iraque

Apesar das críticas internacionais, os Estados Unidos enviaram tropas americanas,

juntamente com uma pequena coalizão de forças a partir de um punhado de outros

países, para invadir o Iraque no início de 2003. As tropas americanas iniciaram um

bombardeio massivo de cidades iraquianas principais, encontrando pouca resistência. A

administração norte-americana chamou o bombardeio de uma campanha de “choque e

pavor”, e certamente viveu até a promessa de seu nome. Relatos da mídia mostrou o

céu noturno de cidades iraquianas iluminada pelo


Tudo muda 101

brilho de bombas, e é ainda desconhecido quantos iraquianos morreram nesta


fase inicial da guerra.
Em abril, Bagdá tinha caído, e o governo de Saddam Hussein foi
derrubado. Dois eventos importantes sinalizou o fim do seu regime. Seus dois
filhos, Udai e Qusai Hussein, que estavam sendo preparadas para assumir a
liderança depois de seu pai, foram mortos por tropas americanas. Em segundo
lugar, em um espetáculo midiático que capturou as manchetes dos jornais de
todo o mundo, uma estátua grande de ferro fundido do presidente Hussein foi
derrubado e destruído por uma multidão de iraquianos e soldados americanos.
Saddam Hussein foi capturado no outono do mesmo ano e preso pelas forças
americanas.

A remoção repentina de Saddam Hussein do Iraque, onde ele tinha


governado durante décadas, chocou o Oriente Médio e seus líderes. Mais do
que nunca, tornou-se claro que os Estados Unidos foi uma força poderosa na
região. apoio militar americano de Israel, a moderação dos Acordos de Paz
de Camp David do presidente Jimmy Carter entre os egípcios e israelenses,
patrocínio do Tratado 1993 de paz entre Israel ea OLP, e do presidente Bill
Clinton agora invasão americana ao Iraque, eram símbolos desta força.
Também ficou claro que qualquer líder na região que estava interessado em
sobrevivência política teria de garantir uma relação sólida e uma aliança com
o governo americano.

influência dos EUA na região estava mudando o clima do Oriente Médio


rapidamente. George W. Bush declarou “guerra ao terrorismo” foi remodelar as
coisas, e em maio de 2003, a administração Bush voltou sua atenção para a
Síria, que muitos temiam seria o próximo na lista da América.

Na primavera de 2003, os Estados Unidos afirmaram que a Síria tinha

canalizado armas para o Iraque durante a guerra. Embora a guerra tinha terminado

oficialmente em maio de 2003, grupos de iraquianos continuaram a lutar contra as

tropas americanas e da coalizão que agora ocupados Iraque. A luta foi realizada em

uma escala menor, mas ainda devastadora. De fato, a situação pós-guerra tornou-se
102 BASHARAL - ASSAD

tão perigoso quanto a própria guerra, como os iraquianos realizado atentados

suicidas, carros-bomba, ataques a caravanas americanas e da coalizão, e seqüestro

de trabalhadores estrangeiros. Os Estados Unidos acusam a Síria de permitir que os

iraquianos leais a Saddam Hussein para cruzar a fronteira do Iraque-Síria e se

refugiar em Damasco. A segunda alegação foi que o governo sírio estava enviando

armas e braços através de sua fronteira com o Iraque para apoiar o desafio de

ocupação da coalizão.

Bashar al-Assad rejeitou as acusações. Quando o secretário de Estado Colin

Powell fez uma visita ao Oriente Médio, sua primeira parada foi a Damasco para se

encontrar com Bashar al-Assad.

TENSÃO COM OS ESTADOS UNIDOS


O governo americano queria a Síria a parar de fornecer apoio a grupos
como o FPLP eo Hizbollah, para entrar em negociações de paz com Israel, e
parar de abrigar ex-membros do regime iraquiano de Saddam Hussein. “O que
conta agora é o desempenho”, disse Powell em uma entrevista depois de sua
visita. “Estamos à procura de uma nova atitude por parte da Síria.”

A resposta da Síria foi direta e não qualificado. Apesar da grande pressão

internacional a aderir às exigências americanas, Bashar al-Assad se recusou a

cumprir, insistindo que os grupos palestinos que autorizados a trabalhar dentro Síria

não eram terroristas, mas combatentes da resistência que estavam tentando

recuperar terras árabes atualmente ocupadas por Israel. Era o mesmo se seu pai

sempre tinha tomado sobre a questão.

Além disso, Bashar declarou que os Estados Unidos deveriam estar colocando

pressão sobre Israel, e não sobre a Síria, para deter os ataques contra os palestinos

que vivem na Cisjordânia e na Faixa de Gaza e para evacuar suas forças das

Colinas de Golã. Pouco depois da visita de Powell, quando o primeiro-ministro de

Israel, Ariel Sharon mencionou que ele gostaria de receber uma nova tentativa de

paz com a Síria, a resposta de Damasco foi legal. Mais uma vez, os sírios disse, sem

o retorno das Colinas de Golã, não havia nenhuma chance para os dois vizinhos para

sentar e negociar.
Tudo muda 103

EUA e embaixadores britânicos votar nas Nações Unidas em Nova York em 22 de maio de

2003, para acabar com os 13 anos de idade sanções contra o Iraque. Este movimento deu

aos Estados Unidos e Grã-Bretanha poderes extraordinários para governar o país e sua

indústria de petróleo lucrativo. Síria (lugar vago nesta foto) não apareceu no momento da

votação, em protesto.

Mais tarde naquele mês, para o final de maio, a Síria tomou uma posição
ainda mais forte. Durante a votação no Conselho de Segurança das Nações
Unidas, no final do mesmo mês, com uma resolução sobre o Iraque estava sobre a
mesa, o representante sírio na ONU estava ausente. A resolução, que foi
aprovada, declarou o levantamento das sanções económicas contra o Iraque e o
apoio da ONU para os Estados Unidos para administrar caso da nação para o
presente. ausência da Síria durante as discussões enviou uma mensagem clara: a
Síria não aprovou as políticas americanas para com o Iraque e para a região em
geral. É especialmente não aprovava a administração norte-americana que regula
Iraque, vendo isso como uma outra forma de colonialismo.
104 BASHARAL - ASSAD

O stand da Bashar contra a política dos EUA no Iraque encontraste graça

diante de seus eleitores, e reflete a opinião da maioria dos sírios. Dentro Al-Thawrah, um

jornal sírio, o autor de um artigo sobre a presença dos EUA no Iraque

sarcasticamente afirmou: “No Iraque há agora a fome, a cólera. . . e 'democracia' é

claro!”

Como seu pai, Bashar al-Assad não aceitaria a influência ocidental nas
decisões de seu governo mesmo que isso significasse ferir relações cruciais com
países importantes e poderosos. Secretário de Estado Powell tinha avisado
Bashar al-Assad de que a Síria iria enfrentar consequência grave por não cumprir
com os pedidos dos Estados Unidos. Pouco depois, os detalhes do preço Síria
pagaria foram revelados.

Em 21 de julho de 2003, dois meses depois de no-show da Síria na votação do Conselho de

Segurança da ONU sobre o Iraque, presidente americano George

W. Bush fez uma declaração surpreendente em que ele alertou a Síria eo vizinho Irã

que suas ações estavam sendo cuidadosamente observado. Ele atacou o seu

comportamento em grupos como o Hizbollah de apoio como “completamente

inaceitável” e acrescentou que “apoiar e abrigar terroristas compromete as

perspectivas de paz no Oriente Médio e trai os verdadeiros interesses de um Estado

palestino.” Finalmente, ele declarou que qualquer nação que continuou para apoiar

grupos terroristas seria realizada “responsável”, uma declaração que foi interpretado

por todos como uma ameaça potencial de guerra.

O Irã já havia sido chamado parte de um “eixo do mal”, uma lista das nações
que o presidente Bush considerado como participar e apoiar o terrorismo. Agora, a
Síria tinha sido adicionado a essa lista. Bashar al-Assad rejeitou declaração de
Bush, comentando que a Síria nunca tinha apoiado o terrorismo e, desde 11 de
setembro, havia ainda participado em campanhas anti-terroristas. A nova ameaça
do presidente Bush era apenas a mesma pressão velho Washington tinha vindo a
colocar em Damasco há anos, o governo sírio respondeu.

A ameaça de Washington era real. O Congresso dos Estados Unidos começou a debater

uma nova lei, chamada de “Lei de Responsabilidade Síria”,


Tudo muda 105

o que exigiria a Síria para atender às demandas americanas ou enfrentar sanções

econômicas impostas pelos Estados Unidos. O ato, se aprovada, seria uma ameaça

para as reformas económicas que Bashar al-Assad tinha se esforçado para

implementar em seus esforços para reanimar a economia síria. No entanto, os

Estados Unidos insistiram que as sanções seriam necessárias para conter

atividades sírios que atualmente contribuíram para a ameaça internacional de

terrorismo.

O governo sírio, em um editorial no jornal do partido, Al-Baath, alegou que


a Lei de Responsabilidade sírio foi “política israelense puro”, acrescentando
que “o problema não reside com a Síria, mas com as crises causadas pela
ocupação do Iraque e Palestina. . . . [A Lei de Responsabilidade Síria] é uma
lógica ditatorial, tirânico que contradiz a base do direito internacional e a lógica
das relações entre os países “. O porta-voz do ministério das Relações
Exteriores sírio, Buthainah Sha'ban, também criticou o ato e as acusações
contra a Síria . “Acreditamos que o mundo inteiro sabe que todas as
acusações sendo feitas a Síria são infundadas”, disse ela. “Em vez de lidar
com os problemas que está enfrentando no Iraque, e em vez de olhar para as
causas, os Estados Unidos estão tentando desviar a atenção em outro lugar.”
Outras nações do Oriente Médio também condenou a ameaça americana
contra a Síria.

Apesar do apoio de seus vizinhos, Bashar al-Assad agora tinha verdadeira razão para

se preocupar. Os ataques de 11 de Setembro tinha assegurado que a política externa dos

Estados Unidos iria incidir sobre terrorismo internacional no momento em que ele estava

tentando reconstruir seu país. Todos os seus planos para a Síria foram agora ameaçada.

DIGNIDADE SÍRIA
Em outubro de 2003, Israel fez um movimento surpreendente. Ele realizou um

ataque aéreo contra um campo de treinamento palestino, que estava dentro das

fronteiras da Síria. Com efeito, foi um ataque à própria Síria. Furioso, Bashar rejeitou a

acusação de que o alvo do ataque aéreo era um campo de treinamento. “[O ataque] é

uma tentativa
106 BASHARAL - ASSAD

pelo Governo israelita para extrair-se de sua grande crise, tentando


aterrorizar Síria e arraste-e a região em outras guerras,”Bashar declarou em
uma entrevista. O governo de Israel, acrescentou, “é um dos guerra e guerra
é a justificativa para sua existência.”

A montagem de um ataque retorno seria infrutífera, uma Bashar frustrado

realizado, porque o exército de Israel, talvez apoiado pelo exército americano, iria

esmagar o seu próprio exército e talvez até mesmo aproveitar mais terra síria. Bashar

al-Assad foi ainda mais irritado com a recusa dos Estados Unidos para condenar o

ataque aéreo. A administração Bush simplesmente declarou que a liderança da Síria

era “no lado errado da guerra contra o terror.” Notícia pior ainda estava por vir.

Após os ataques aéreos por parte de Israel, Bashar al-Assad reavaliada


sua situação. Ele não podia arriscar irritar os norte-americanos mais, não
importa quão injusto ele sentiu suas ações eram. Um mês depois, em novembro
de 2003, ele tentou chegar ao governo americano. O ministro da Informação
sírio afirmou que Damasco ainda estava disposto a se envolver em discussões
com os Estados Unidos. “A Síria não vai fechar a porta para o diálogo com o
governo norte-americano”, disse ele, “mesmo que os falcões em que a
administração quer empurrar para a escalada de uma forma injustificável.”
Al-Assad pediu “um diálogo franco e construtivo” com o governo americano,
mas ele se recusou a mudar sua posição principal. Ele não considerou grupos
palestinos para ser terroristas, e ele não se moveu em sua insistência de que as
Colinas de Golã ser devolvidos à Síria.

Em dezembro daquele mesmo ano, Bashar al-Assad também estendeu o


convite aos israelenses para reiniciar as negociações de paz. O movimento não
era uma um evidente e não atrair muita atenção, como foi feito para um político
israelense que não era um representante do primeiro-ministro Ariel Sharon. A
oferta propôs que a reunião potencial ser realizada nem em solo sírio nem
israelense, mas no vizinho Egito. Embora muitos legisladores israelenses
encorajou o governo a aceitar a oferta para
Tudo muda 107

reiniciar o processo de paz, a Síria ainda era vista com desconfiança. Se Bashar

al-Assad estava falando sério sobre as negociações de paz, alguns políticos

israelenses disseram, ele iria parar apoio financeiro do Hizbollah em primeiro lugar.

Síria rebateu dizendo que, se os israelenses eram sérios sobre a paz, eles iriam

retirar as suas tropas do Golan Heights, de acordo com a Resolução de Segurança

da ONU # 242.

No final, aberturas de Bashar al-Assad para os americanos e os


israelenses não eram vistos como seja genuína ou eficaz pelo governo
americano. A ameaça de sanções, que Bashar al-Assad queria evitar a todo
o custo, ainda apareceu.

Problemas em casa
Além dos problemas na frente internacional, Bashar al-Assad, também teve
de lidar com várias questões domésticas. A economia ainda estava em condições
terríveis, e quase um quarto da população síria estava vivendo abaixo do nível da
pobreza. Na verdade, a guerra liderada pelos EUA no Iraque resultou em um
golpe devastador para a economia síria desde que o Iraque foi um dos parceiros
industriais e comerciais primários da Síria. Além disso, a economia síria ainda foi
dominado pelo Estado e de Governo, apesar dos esforços de Bashar para
incentivar o investimento privado. A “Primavera de Damasco” tinha-se
desvanecido, e apesar do otimismo inicial em ascensão de Bashar à presidência,
as expectativas sírios tinham caído.

As pessoas começaram a questionar a capacidade de Bashar para governar a

Síria, e isso fez os baathistas nervoso. Um lento retorno às políticas do ex-presidente

começou. Por exemplo, Bashar tinha inicialmente encorajou grupos de direitos

humanos para conhecer e discutir questões abertamente. Em abril de 2004, no entanto,

o advogado sírio e ativista Aktham Naisse foi preso pelos militares para organizar uma

demonstração antes de gabinetes do Parlamento em Damasco em março. Durante a

manifestação, realizada no quadragésimo primeiro aniversário da ascensão do regime

baathista ao poder na Síria, os manifestantes havia chamado para maiores liberdades

pessoais e civis
108 BASHARAL - ASSAD

a ser dada aos cidadãos sírios. polícia sírios desceram sobre os


manifestantes e quebrou-se a demonstração, prendendo 30 pessoas no
processo. A maioria foi libertada, mas a prisão de Aktham Naisse indicou
que Bashar al-Assad não iria tolerar desafios à sua autoridade,
especialmente em um momento de hostilidade entre Síria e Estados Unidos.

Também em março, os membros da comunidade curda na região nordeste


da Síria entraram em confronto com os militares sírios. Os curdos, longa referidos
como uma “nacionalidade sem uma nação,” existia em partes da Síria, Iraque e
Turquia. Durante décadas, eles fizeram lobby para um Estado próprio, a ser
chamado Curdistão. No Iraque, insurreições curdos contra o regime de Saddam
Hussein tinha sido brutalmente reprimida. Na Síria, o número de curdos 2 milhões
de pessoas, ou pouco mais de 10 por cento da população nacional.

No início de março de 2004, ocorreram tumultos como resultado de uma briga de

futebol em uma pequena cidade curda perto da fronteira iraquiana-turco. Quando as

tropas sírias se mudou, nove pessoas foram mortas nos confrontos que se seguiram,

e quase 300 curdos foram presos. Várias escolas e outros edifícios foram danificados

durante os combates. Poucos dias depois, o exército sírio abriram fogo contra curdos

que haviam se reunido para comemorar o 1988 aniversário da gasificação de uma

aldeia curda no Iraque. Sete pessoas morreram e ainda mais foram presos, o que

levou os curdos em todo o mundo para condenar o governo sírio para a repressão

enérgica.

Relatórios dos motins, no entanto, foram rapidamente eclipsado por outras

notícias. Em 28 de abril de 2004, uma equipe de homens-bomba realizaram um

ataque em Damasco. Os bombardeiros colocado uma bomba sob um carro

estacionado na zona das embaixadas da capital da Síria, perto das embaixadas

iranianas, britânicos e canadenses. A bomba foi detonada, assustando todos na área

vizinha e causando caos. Embora as embaixadas estavam intactas, a explosão de

uma bomba queimou um edifício antigo que tinha sido anteriormente utilizada pelas

Nações Unidas. As janelas estavam arrancada eo próprio edifício enegrecido. Os

bombardeiros fugiu em outro


Tudo muda 109

Um edifício que outrora abrigava escritórios das Nações Unidas em Damasco, depois

de explosões e tiros abalou a capital da Síria, em 28 de abril de 2004. Tal ataque teria

sido incomum durante de Hafez 30 anos de regra, quando as forças de inteligência e

os militares mantiveram facções terroristas em cheque.

carro, lançar granadas contra as forças de segurança sírias que estavam em

perseguição. Dois bombardeiros foram mortos; um policial e um pedestre feminino

também morreu como tiros foi trocado e granadas explodiram durante a perseguição

de carro. Muito tempo depois de o caos se acalmou, as pessoas se perguntou quem

estava por trás dos ataques. fundamentalistas islâmicos foram imediatamente suspeita,

mas a suspeita não foi confirmada.

Tal ataque foi sem precedentes na Síria onde, sob de Hafez al-Assad de
30 anos de governo, forças de inteligência e os militares fizeram protesto
público de qualquer tipo difícil. A única rebelião principal que tinha ocorrido
tinha sido brutalmente reprimido com o bombardeio de Hama. Para os sírios, e
no resto do
110 BASHARAL - ASSAD

o mundo, Bashar al-Assad estava começando a parecer menos e menos como um

presidente que estava no controle dos eventos em seu país.

Sanções à Síria
Assim como Bashar estava tentando restaurar a calma, a notícia chegou em

maio de 2004, que os Estados Unidos haviam seguido em sua advertência e impôs

sanções econômicas e diplomáticas sobre a Síria. Anger queimado na região, como

foi anunciado que as sanções oficialmente havia sido implementada.

Síria e os Estados Unidos têm apenas US $ 150 milhões em comércio (embora

alguns relatórios dizem que é tão elevado quanto $ 300 milhões), o que não é uma

quantidade significativa por quaisquer padrões, e da Síria não recebe nenhuma ajuda

externa dos EUA. Várias empresas americanas, no entanto, operado dentro da Síria, e

as sanções proibiu essas empresas de realização de negócios há mais tempo. O

golpe para a economia síria foi espelhado por um golpe para a reputação da Síria ao

redor do mundo.

Em resposta, da Síria legislatura-sem dúvida com elaborou-encorajamento um

de Bashar al-Assad “Accountability Act americano”, que, se aprovada, iria torná-lo

ilegal para quaisquer empresas sírias a conduzir o comércio com os Estados Unidos.

Em outras palavras, a Síria iria impor sanções de seu próprio contra os Estados

Unidos como um movimento de retaliação. O movimento foi concebido para

preservar a dignidade da Síria, um insulto trocado por um insulto.

Hoje, a Síria está em um ponto crucial na sua history.With um jovem


presidente que está determinado a modernizar seu país e uma economia precisa
desesperadamente de estimulação, a Síria precisa avançar, a fim de competir com
os países vizinhos, como Israel e Jordânia. Politicamente, a Síria também se
encontra em uma encruzilhada. Ele ainda se vê como o coração do nacionalismo
árabe; como o berço do movimento Ba'ath, considera-se o campeão de causas
árabes, especialmente o direito dos palestinos à autodeterminação e um estado
independente.

espera de Bashar al-Assad no poder parece forte agora, principalmente porque as

pessoas ainda o vêem como um defensor da mudança.


Tudo muda 111

Sírios também lembrar o legado de seu pai, cujo reinado trouxe três décadas de
estabilidade para a nação. Uma coisa é certa. Nos quatro anos em que foi
presidente, Bashar al-Assad tem certamente ganhou uma grande quantidade de
experiência, um “curso intensivo” chocante em como governar. No entanto, a fim
de manter suas aspirações políticas vivo, ele terá que lidar com as influências
externas, tais como os Estados Unidos, e com questões internacionais, tais como
o terrorismo eo relacionamento da Síria com Israel. Ele também terá de trabalhar
imediatamente para melhorar a crise econômica da Síria. Só o tempo vai dizer se
ele vai ou não ter a mesma longevidade no cargo de seu pai teve.
CRONOLOGIA

1919 França ocupa a Síria como parte de um mandato pós-Primeira Guerra Mundial.

1920 Sírios batalha tropas francesas, rejeitando o colonialismo francês.

1940 Sob Michel Aflaq e outros, o movimento do Partido Baath, uma

pan-arabista força, nasce na Síria.

1946 As forças francesas retirar-Síria, pondo fim a 27 anos de colonialismo.

1947 A ONU decide dividir a terra da Palestina em


entidades separadas para os rivais árabes nativos e imigrando judeus. Os árabes rejeitam o

plano, enquanto os representantes sionistas aceitá-lo.

1948 Israel é estabelecida, e é imediatamente atacado por Egito, Síria e outras nações
árabes.

1954 Depois de anos de golpes e instabilidade política, o Partido Ba'ath vem

ao poder na Síria.

1955 Hafez Assad graduados como um piloto da força de ar a partir do Homs

Academia Militar.

1958 Síria e Egito formam a República Árabe Unida, uma união que dura
apenas alguns anos.

1961 Síria retira da República Árabe Unida.


1965 Bashar al-Assad nasce, o segundo filho de Hafez al-Assad.

1967 Em uma guerra entre Israel e os países árabes, Israel conquista e ocupa os
territórios palestinianos da Cisjordânia e da Faixa de Gaza, bem como Jerusalém
Oriental. Israel também capta o território sírio das Colinas de Golã.

1970 Em confrontos que levam a milhares de mortes, a Organização de Libertação da

Palestina batalhas com o exército jordaniano no que vem a ser conhecido como

Setembro Negro. A Síria, que rejeita a monarquia jordaniana, aproveita a oportunidade

para tentar atravessar a fronteira com a Jordânia, mas é empurrado para trás.

1971 Em um golpe de Estado que ele rotula como uma “correção” do governo, Hafez

al-Assad derruba primeiro-ministro al-Jadid e toma o poder. Logo, ele assume o papel

de presidente. É o início de 30 anos de estabilidade, se não a prosperidade, para a

Síria.

1973 A Guerra dos Seis Dias ocorre, na qual Israel, auxiliado pelas Nações

Unidos, derrota Síria e Egito.

1976 A guerra civil eclode no Líbano entre cristãos e da nação


Muçulmanos. Síria intervém, temendo Israel vai se envolver, e envia milhares de
suas tropas para ocupar parte do Líbano.

112
CRONOLOGIA

1979 A Revolução Iraniana força o xá do Irã para o exílio e puts


o aiatolá Khomeini no poder, dando início à ascensão do fundamentalismo
islâmico na região.

1980 extremistas islâmicos na Síria tentar assassinar Hafez al-Assad.

1982 Hafez al-Assad ordena um ataque devastador sobre a cidade de Hama

onde os fundamentalistas islâmicos são conhecidos para operar. Milhares morrem e

grande parte da cidade antiga é destruída.

1988 Bashar Assad entra num programa oftalmologia Tishrin


Hospital Militar em Damasco.

1992 Bashar al-Assad desloca-se para Londres, onde ele estuda e práticas

oftalmologia.

1994 Basil al-Assad morre em um acidente de carro. Bashar é convocado casa

de Londres para começar a treinar para assumir o papel de presidente.

1999 Bashar Assad graduados como coronel do Homs Militar


Academia.

1999 conversações experimentais entre a Síria e Israel começar sobre o futuro da

as Colinas de Golã.

2000 Hafez al-Assad tem um ataque cardíaco fatal enquanto fala no telefone

com o presidente libanês. Bashar al-Assad é eleito presidente da República Árabe


da Síria.

2000 As negociações sírio-israelense são adiado indefinidamente.

2001 O casamento de Bashar al-Assad a de origem britânica Asma al-Akhras é tranquilo

anunciou na mídia síria.

2001 tropas sírias retirar-se do Líbano.

2002 Síria é nomeado pelos Estados Unidos como um dos países que
formar um “eixo do mal” por causa do apoio do país para o terrorismo.

2004 forças sírias suprimir um levante curdo na região do nordeste de


Síria e uma demonstração dos direitos humanos em Damasco.

2004 Estados Unidos impõem sanções à Síria.

113
Leituraadicional

livros

Hinnebusch, Raymond. Síria: revolução de cima. Contemporâneo Oriente Series Médio.


New York: Routledge, 2002.

Hiro, Dilip. Dicionário do Oriente Médio moderno. New York: St. Martin Press, 1996.

Hourani, Albert. A história dos povos árabes. Nova Iorque: MJF Livros,
1991.

Laqueur, Walter, e Barry Rubin. O leitor árabe-israelense: Uma História


Documental do Oriente Conflito Oriente. Nova Iorque: Penguin Books, 1984.

Mansfield, Peter. Os árabes. Nova Iorque: Penguin Books, 1985.

Morrison, John. Síria. Criação da série do Oriente Médio moderno. Philadelphia:


Chelsea House, 2003.

Mulloy, Martin. Síria. Maior Série nações do mundo. Philadelphia: Chelsea House,
1999.

artigos

“Análise:. Desafios Bashar” BBC Online. 13 de junho de 2000. Disponível on-line em http://news.bbc.co.uk/1/hi/world/middle_ea

“Assad: pranteado por amigos e inimigos.” BBC Online. 10 de junho de 2000. Disponível on-line
em www.news.bbc.co.uk/2/hi/middle_east/785559.stm

Butt, Gerald. “Outro obstáculo para o processo de paz?” BBC Online. 13 de junho de
2000. Disponível on-line em www.news.bbc.co.uk/2/hi/middle_east/787834.stm

“A partir da estudante Emma para Asma, o ícone da Síria.” Observador.


15 de dezembro de 2002. Disponível on-line em http://observer.guardian.co.uk/ internacional /
história / 0,6903,860252,00.html

“Hafez Assad.” Enciclopédia do Oriente. Disponível on-line em


www.lexicorient.com/eo/assad_hafiz.htm

Reynolds, Paul. “Iraque:. The Last Lap Diplomática” BBC Online. 25 de fevereiro de 2003.
Disponível on-line em http://news.bbc.co.uk/1/hi/ Mundo / Europa / 2795135.stm

114
Leituraadicional

Síria Online. http://www.syriaonline.com/

“Timeline: o Irã.” BBC News Online. Disponível on-line em http://news.bbc.co.uk/ 1 / oi / world /


middle_east / country_profiles / 806268.stm

Viorst, Milton. “Ayatullah Ruhollah Khomeini.” Revista Time.


13 de abril de 1998. Disponível on-line em http://www.time.com/ tempo /
time100 / líderes / perfil / khomeini.html

115
ÍNDICE

Abdullah I, King, 48 como oftalmologista, 57, 76, 77 e


Academy of Freedom Escola palestinos, 94, 102, 106,
(Ou Al-Hurriyeh Escola) (Síria), Bashar 107, 110
frequentar, 57 e personalidade, 77, 79 e repressão,
Afeganistão, invasão americana do, 107-108 e da secularização, 89 e Síria
99 como parte de “eixo do mal”,
Aflaq, Michel, 28, 29, 30-31, 40 al Bittar,
Salah ad Din, 28 Al Karamah, Jordan, 12-13, 15
47, 48 al Qaeda, 99 e negociações com Israel sobre Golan
Heights, 106-107 e tecnologia, 76,
al-Akhras, Asma (mulher), 76, 88-91, 93 al-Assad, 79, 87, 93 e terrorismo, 13, 15,
significado de, 14 101-102,
Assad, Aniseh (mãe), 56, 88 al-Assad, 105-106, 108-110 e treinamento
Bashar para ser presidente,
como Alawita, 14 e 76-79
aparência, 77 e as tropas puxado para fora
e do Partido Ba'ath, 107-108, 110 nascimento Lebanon, 94
de, 57 e Estados Unidos, 12-13, 15, 99,
e desafio pelo tio, 86-87 infância, 100-102, 103-106, 107, 110, 111
57 e crianças, 91 como coronel,
86 e Estados Unidos impondo
sanções, 13, 104-105, 107, 110
e da corrupção, 81-82 e
democracia, 93 e de guerra dos Estados Unidos contra
e interesse precoce pela política, 57 e Iraque, 13, 99, 100-102, 103-104 e
economia, 15, 93, 97, impopularidad, 107-110 e Oeste, 76, 87,
104-105, 107, 110, 111 de formação, 91, 93-94.
57, 76, 78 e presidente eleito, 13, 86 Veja também Síria
família de, 56. Veja também Assad, Assad, manjericão (irmão), 56-57, 76,
77, 86
Hafez Assad, Hafez (pai)
e a morte do pai, 86 e futuro, 110-111 e como piloto da força aérea, 37 como Alawite,
Guerra do Golfo, 13 como chefe militar, 14, 24-25, 65-66 e Liga Árabe, 46 e tentativas
86 e os direitos humanos, 107-108 e de assassinato, 72-73 e Partido Baath, 28,
Israel, 87, 94-97, 100, 102, 29, 30-31,

39, 40, 53
105-107, 111 e se tornar presidente, de 53 anos de
e levante curdo, 108 como nascimento de, 16, 20, 24 e traição do
tenente-general, 86 e casamento, irmão, 75-76, 81 de infância, 25-27, 58 e
76, 88-91, 93 e modernização da crianças, 56-57, 76, 77, 86.
Síria,
13-14, 87, 97, 110 Veja também Assad, Bashar

116
ÍNDICE

e da corrupção, 80-82 e golpe e República Árabe Unida, 39,


derrubar al-Jadid, 40 visão de, 60 e Oeste, 54-55,
53, 75 60, 65, 80,
e morte de ataque cardíaco, 13,
83-86 85-86, 94, 96 e Yom Kippur, 62-64
e economia, 79 de educação, 26-27, 37 e Assad, Hafez (filho), 91 al-Assad,
Egipto, 54, 55, 57-62, 63 família de, 25, Maher (irmão), 56, 77 al-Assad, Majd
26-27 e o primeiro ataque de coração, 75 e (irmão), 56 al-Assad , Rifaat (tio), 65-66,
concentrando-se em presidência, 46 e 73,
Hama cerco, 73, 75, 89, 109 e no Iraque,
100 75-76, 81, 86-87 Assad, Sumar
(primo), 86-87 Alawita (s), 24-25, 89

e os fundamentalistas islâmicos, e Ali, 24 al-Jadid como, 41 e Parte


65-66, 67, 72-73, 75, 80, 89, 109 Baas, 30-31 Bashar como, 14 e
Francês, 26 Hafez como, 14, 24-25,
e Israel, 15, 43, 46, 54, 60, 65-66 e Hama, 73 e Ithna Ashariyya,
62-64, 74, 80, 83, 85, 94, 95, 96 24 área separada da Síria para, 18 e
sete colunas, 24-25
e guerra civil, da Jordânia, 52, 54 e
guerra civil libanesa, 74-75 e
casamento, 56, 88
e do Comité Militar, 39-40 e Nasser,
58-62 Al-Baath, 105 Albright,
e palestinos, 49, 54, 73-74, Madeleine, 86 Ali, 24
80
e pan-arabismo, 96 como al-Jadid, Salah, 46, 49, 53, 75
primeiro-ministro, de 53 anos Al-Jihad, 71 al-Najar, Bashir, 81
e repressão, 13-14, 72-73, 79, al-Quwwatli, Shukri, 36
80-81, 89, 109 ascensão do como
presidente, 53-55 e Guerra dos Seis Dias, Al-Thawrah, 104 Accountability Act
43, 46, 54 e União Soviética, 63 e americano, 110 Ansariya Mountains, 25
sucessão, 56-57, 75-76, anti-semitismo, 21, 32 Liga Árabe (League
of Arab
77-79, 81, 86
e Síria como colônia francesa, Unidos), 44, 46, 74 revolta
25-26, 58, 96 e da Força Aérea síria, árabe, 17 PS árabe, 32 Arafat,
40 e conversas com Israel sobre Golan Yasser, 47, 95, 101

Heights, 83, 85, 94 e Como Saiqa ( Thunderbolt), 49 Asser, Martin,


terrorismo, 80 15 “eixo do mal”, a Síria parte, 12-13,
e as tropas de ocupação do Líbano,
80 15

117
ÍNDICE

Ba'ath Party, 32 Acordos de Camp David Paz, 69, 101 Carter,


e al-Jadid, 41, 46, 49, 53 e Jimmy, 69, questões 101 crianças, e Asma,
árabe PS, 36 e a unidade árabe, 91 Chirac, Jean, 100 Churchill, Winston,
55 e Bashar, 107-108, 110 e 22-24 Clinton, Bill, 85-86, 95, 101
comunistas, 30, 36-37 no Comunismo, e Ba' Partido Ath,
controle, 40-41 e Egipto, 41

30, 36-37
e Hafez como presidente, 53 Hafez em, constituição, e Bashar como
28, 29, 30-31, 39, 40 e Hama, 73 e presidente, 86
Hussein, de 49 anos no Iraque, 54, 66, corrupção
100 e Bashar, 81 e
Hafez, 80-82
e os fundamentalistas islâmicos,
54, 66 Primavera de Damasco, 93, 107
e Israel, 41 Universidade de Damasco, Bashar
e pan-arabismo, 62 aumento atendendo, 57, 76 democracia,
de, 28-31 e Bashar, 93 Frente Democrática
e República Árabe Unida, 37, para a
39 Libertação de Palestina (DFLP), 47
e “Unidade, Liberdade, e Druzo, 18, 36
Socialismo”como lema, 29, 40
Declaração Balfour, 22-24 Declaração
Basileia, O, 22 beduínos, 48, 50 Ben economia
Gurion, David, 33 bin Laden, Osama, 99 e Bashar, 15, 93, 97, 104-105,
Setembro Negro, 47-53, 54, 107, 110, 111
e Hafez, 79
e sanções dos Estados Unidos, 13,
61-62 104-105, 107, 110
Bush, George W. educação
e no Afeganistão invasão, 99 e e cultura árabe, 26-27 francês
Bashar, 12-13, 15, 99, colonial, 26 Egito
100-102, 103-106, 107, 110, 111
e da Liga Árabe, 44 e Farouk, 58 e
e guerra do Iraque, 13, 99-102, na Faixa de Gaza, 34, 42 e Hafez,
103-104, 107 54, 55, 57-62, 63 fundamentalistas
e as sanções impostas à Síria, islâmicos em,
13, 104-105, 107, 110
e 11 set 2001 terrorista 66-67, 71, 72, 73 e Israel, 15,
ataques, 98-99 33-34, 36, 41-43,
ea Síria como parte de “eixo do mal”, 60, 60-61, 63, 63-64, 67, 67-71,
12-13, 15, 104 100
e guerra contra o terrorismo, 98-105 e guerra civil da Jordânia, 61-62

118
ÍNDICE

e Nasser, 30, 37, 39, 40-41, Alemanha


58-62, 65, 67, 70, 84 e 1948 ataque e anti-semitismo, de 32 anos e a guerra
em Israel, 33-34, contra o Iraque, 99, 100
36 Gueto, O ( Teodoro Herzl), 21 Golan
e pan-arabismo, 30, 61, 62, 67 e Heights, 15, 42-43, 54, 55,
com paz Israel, 67-71, 57, 62-64, 74, 83, 85, 94, 97,
100 102, 106
e Sadat, 63, 67-71, 72, 96 e Grã Bretanha
Sinai, 63, 67 e al-Assad, 54-55 Bashar frequentar a
e Guerra dos Seis Dias, 15, 41-43, 60, escola em, 57,
67 76
e República Árabe Unida, 37, e traição dos árabes, 16-18 e
39-40 divisão de Otomano
e Guerra de Atrito, 60-61 e Guerra do Império, 16-18, 22 e Hafez, 80 e
Yom Kippur, 63-64, 67 Jordan, 49-51, 52 e Palestina, 17, 22-24,
32, 33 e Síria, 55 e guerra contra o
Faisal, 16-18 Iraque, 99 ea Segunda Guerra Mundial,
Farouk, 30, 58 31 Grande Líbano, 18
Fatah, 47
fedayeen, 50-51, 53
fellahin, 59
Primeiro Congresso Sionista
(Suíça), 21-22 de Ha'aretz, 85 Haider,
France Mohammed, 81
e traição dos árabes, 17-18 e hajj, 24
divisão de Otomano Hama, na Síria, o ataque de Hafez em
Império, 16-18, 22 e Líbano como fundamentalistas islâmicos em, 73,
colônia, 17-18, 75, 89, 109
26 Herzl, Theodor, 21 Hinnawi,
e Síria como colônia, 16, 17-20, Sami, 36 Hiro, Dilip, 46, 73, 74
25, 26, 28-29, 58, 96 Hizbollah, 80, 94, 102, 107 Homs
e sírios lutando contra, Academia Militar
18-20, 31
e a guerra contra o Iraque, 99, 100 e Bashar participando, 78 Hafez participando,
retirada do Líbano, 37 Hourani, Albert, 18, 31, 32-33, 34,
31
e retirada da Síria, 31 e Segunda Guerra 36, 67
Mundial, 31 fundamentalistas. Vejo funda- direitos humanos e Bashar, 107-108 Hussein,
islâmica King, 47, 54 Hussein, Qusai, 101 Hussein,
mentalists Saddam, 13, 99, 100, 101,

Galiléia, Mar de, 42 102, 108


Faixa de Gaza, 34, 42, 57, 97, 102 Hussein, Udai, 101

119
ÍNDICE

Irã e em Jerusalém Oriental e no Egito, 15,


fundamentalistas islâmicos em, 80 e 33-34, 36, 41-43,
revolução islâmica, 66, 73, como parte de 60, 60-61, 63, 63-64, 67, 67-71,
“eixo do mal”, 12, 104 Iraque 100, 101 no reino de Faisal, 17 e
Gaza, 34, 42, 57, 97,
e Liga Árabe, 44 Baas partido em,
54, 66, 100 bandeira de, 37, 39 102
e Golan Heights, 15, 42-43,
e Guerra do Golfo, 12-13 e 54, 55, 57, 62-64, 74, 80, 83,
Hafez, 100 85, 94, 97, 102, 106, 107
e Hussein, 13, 99, 100, 101, e Hafez, 15, 43, 46, 54, 60,
102, 108 62-64, 74, 80, 83, 85, 94, 95, 96
fundamentalistas islâmicos em, 67 e da guerra
civil da Jordânia, 51, 52-53 curdos na, 108 e fundamentalistas islâmicos, 65 e
Jordan, 33-34, 36, 51, 52 e Lebanon,
e 1948 ataque a Israel, 33-34, 33-34, 36, 74 e 1948 ataque por árabes,
36 33-34,
como parte do “eixo do mal”, 12-13 36
Estados Unidos reconstrução, e de Libertação da Palestina
13 negócio organização paz, 95 e
Estados Unidos guerra contra, 13, paz com o Egito, 67-71,
99-102, 103-104, 107 Irbid, 101
Jordan, 48 Islam e paz com o Líbano, 74 e Guerra dos
Seis Dias (1967), 15,
e drusos, 18 cinco pilares, 24-25 41-43, 46, 51, 54, 57, 60, 67 e
xiitas, 18, 24-25. Veja também Síria, 15, 33-34, 36, 41-43,
46, 51, 57. Veja também Colinas de
Alawita (s) Golã
Sunita, 24, 25, 65, 73, 89 e conversações com a Síria mais de Golan
fundamentalistas islâmicos Heights, 15, 83, 85, 94 e dos Estados
no Egito, 66-67, 69-71, 72, 73 e Hafez, Unidos, 55, 63, 67, 69,
72-73, 75, 80, 89, 109 no Irã, 66, 73, 80 no 74, 83, 85, 95, 101, 106
Líbano, 80 surgimento de, 65-67 e Guerra de Atrito, 60-61 e West
Bank, 34, 42, 57, 97,
102
e assassinato de Sadat, 70-71 na Síria, e Yom Kipur Guerra, 62-64, 67 e
65-66, 67, 72-73 e terrorismo sob sionismo, 21-24, 32-33, 96.
Bashar, 109 Israel Veja também Palestina; Palestina
Organização para a Libertação;
e da Liga Árabe, 46 Palestinos Itália, e a guerra contra o Iraque,
e Bashar, 15, 87, 94, 94-97, 99 Ithna Ashariyya (a Twelvers), 24.
100, 102, 105-107, 111
criação de 33 Veja também Alawita (s)

120
ÍNDICE

Jerusalem Post, The, 85, 87 judeus, na e guerra civil, 73-74 no reino de


Palestina, 22-24, 32, 33. Faisal, 17 France desistir, 31 como
Veja também Israel colônia francesa, 17-18, 26
jihad, 24-25 fundamentalistas islâmicos em, 80 e
João Paulo II, Papa, 94 Defesa Israel, 33-34, 36, 74 e 1948 ataque a
Conjunta e Económica Israel,
Tratado de Cooperação (JDECT), 46 Jordan
33-34, 36 de Libertação
e Abdullah I, 48 e Liga Árabe, 44 e da Palestina
beduínos, 40, 48 e guerra civil, 50-53, Organização na, 73-74
54, 61-62, no reino de Faisal, 17 e palestinos, 34, 36 e paz com Israel,
Hussein, 47-52, 54 e Israel, 33-34, 36 , 74 e Síria retirando tropas,
51, 52 e 1948 ataque em Israel, 33-34,
94
tropas sírias ocupando, 13,
80
36 Levant, 17
e palestinos, 34, 36, 47-53 e Guerra dos
Seis Dias, de 51 anos e na Síria, 49, 54 e MacFarquhar, Neil, 62, 75, 80 Mansfield,
Estados Unidos, 51, 52 e Ocidente, 49-51, Peter, 18, 19, 25, 26, 30,
52 e Cisjordânia, 34 40, 42, 47, 53, 58-60, 69
Meca, peregrinação a, 24 de classe média,
e do Partido Ba'ath, 32 Comité Militar,
Judenstaat, os estados Jewish 39-40, 41 modernização e Bashar, 13-14,
(Teodoro Herzl), 21
87, 97, 110
Khatib, Ahmad, de 53 anos Morrison, John, 17, 28, 30, 31, 39,
Khomeini, o aiatolá Rudollah, 66 Curdistão, 42, 49, 78-79
108 curdos Muhammad, 24 Mulloy, Martin,
30 Irmandade Muçulmana, 73
e Bashar, 108 e
Iraque, 108 e
Curdistão, 108 Naisse, Aktham, 107-108 Nasser, Gamal
Kuwait, ea invasão do Iraque, 12-13 Abdel, 30, 37, 39,
40-41, 58-62, 65, 67, 70, 84 Bloco
Lawrence, TE ( “Lawrence de Nacional, 31-32 Partido Nacional, de 32 anos,
Arábia”), 17-18 Liga dos Estados Árabes. Guerra 39 1967 árabe-israelense, 15 Coréia do
Vejo árabe Norte, como parte do “eixo do
liga
Líbano mal “, 13
e da Liga Árabe, 44 Bashar retirar
tropas da Síria óleo, embargo árabe on, 63 Império
a partir de, 94 Otomano, 16-17, 22

121
ÍNDICE

Pahlevi, Shah Mohammad Reza, pan-Arabism


66, 73 e Parte Baas, 62 e Egipto, 30,
Palestina 62, 67 e Hafez, 96 e Síria,
Árabes, 22-24, 32, 33 e Declaração 29-30, 31, 37, 39,
Balfour, 22-24 e Gaza, 34, 42, 57,
97, 40-41, 62
102 e República Árabe Unida, 37,
e Grã-Bretanha, 17, 22-24, 32, Partido 39-40 Popular, 32, 39
33 Peterson, Scott, 73 Frente Popular para a
Judeus em, 22-24, 32, 33 de partição, 33, 34. Veja Libertação
também Israel e Estados Unidos, 32-33 e
Cisjordânia, 34, 42, 57, 97, da Palestina (FPLP), 47, 49-50,
80, 102
102 pobreza
Organização para a Libertação da Palestina e Bashar, 15, 107 e
(OLP), 46-47 Hafez, 79 Powell, Colin,
criação de, 41 102, 104
facções, 46-47, 49-50 e acordo de
paz israelense, 95, 101 e Jordan, Qurdaha
47-53 no Líbano, 73-74 e Síria, 41 Hafez nascido em, 16, 24 Hafez
enterrado em, 86 primeiros jears de Hafez
em, 25-27 Qutb, Sayyid, 67
Carta Palestina Nacional, 41 territórios
palestinos, em Faisal de
reino, 17 Ramadã, 24
palestinos, 47-53
e Liga Árabe, 44 ataques em Israel, Sadat, Anwar, 63, 67-71, 73, 96 Hospital
46, 47-48 e Bashar, 94, 102, 106, de Santa Maria (Londres),
107, Bashar como residente em, 76 Sal,
110 Jordan, 48
e Gaza, 34, 42, 57, 97, sanções, Estados Unidos impondo
102 contra Síria, 13, 104-105, 107, 110
e Hafez, 54, 73-74, 80 e
Jordan, 47-53 como Sarkozy, Nicolas, 100 Arábia Saudita e da
refugiados, 33, 34, 36 e Síria, Liga Árabe, 44 Schroeder, Gerhard, 100
49 Seale, Patrick, 73 secularização, 65, 66, 89
e West Bank, 34, 42, 57, 97, Seitz, Charmaine, 15, 93 11 setembro de
102. 2001 terrorista
Veja também Libertação da Palestina
Organização
Palmyra, Síria, ataque de Hafez ataques, 13, 98-99 Sha'ban,
em fundamentalistas islâmicos em, 73 Buthainah, 105 Sharon, Ariel,
102, 106

122
ÍNDICE

Islã xiita, 18, 24-25 e 1948 ataque a Israel, 33-34,


e Ithna Ashariyya, 24. Veja também 36
Alawita (s) e Império Otomano, 16-17 e
Shishakli, Adib, 36 Sinai, Libertação da Palestina
63, 67 Organização, 41 e palestinos, 34,
Guerra dos Seis Dias, 15, 41-43, 51, 54, 57, 36, 49 e pan-arabismo, 29-30, 31, 37,
60, 67
socialismo, e do partido Ba'ath, 29, 37 União 39, 40-41, 62
Soviética como democracia parlamentar, república 32
eo movimento comunista na como parlamentar, 19 e partidos políticos,
o mundo árabe, 30 queda 31-32, 36-37,
de, 93-94 39. Veja também Partido Ba'ath como
Hafez frequentar a escola em, 37 e república, 36 e ascensão do militar, 39-41 e
Palestina, 33 e Yom Kippur War, 63 Spain, Guerra dos Seis Dias com Israel, 15,
e a guerra contra o Iraque, 99 islamismo
sunita, 24, 25, 65, 73, 89 Acordo 41-43, 46, 51, 57 e República
Sykes-Picot, 17, 22, 37 Síria Árabe Unida, 37,
39-40, 54.
Veja também Assad, Bashar; Assad,
e al-Jadid, 41, 46, 49, 53 e da Hafez
Liga Árabe, 44 e de luta contra a Act Syrian Accountability, 13, 104-105 Syrian
França, Air Force, e Hafez como
18-20, 31 e comandante, 40 Sírio Partido Comunista,
constituições, 36 32, 36-37 sírio Congresso Nacional, 17 síria
e golpes depois de 1948, 36-37, 39-41, Sociedade Científica de
53, 54. Veja também Assad, Hafez e
Egipto, 41, 54, 55, 57-62, 63 e Faisal como Tecnologia da Informação, 79
rei, 16-18 de bandeira, 37
Tal, Wasfi, 53
ea França desistir, 31 como colônia Taliban, 99
francesa, 16, 17-20, 25, tecnologia
26, 28-29, 58, 96 e Bashar, 76, 79, 87, 93 e
e Golan Heights, 15, 42-43, Hafez, 76, 79 terrorismo
54, 55, 57, 62-64, 74, 80, 83,
94, 97, 102, 106, 107 e Bashar, 13, 15, 101-102,
e no Iraque, 54 105-106, 108-110 e Hafez, 80 e
fundamentalistas islâmicos em, 54 e Iraque, 99, 100 e 11 de setembro de
Israel, 15, 33-34, 36, 41-43, 2001 ataques
46, 51, 57. Veja também Colinas de
Golã no Estados Unidos, 13, 98-99, 105 Síria de
e guerra civil da Jordânia, de 49 anos, apoio, 13 guerra contra, 98-105. Veja também Arbusto,
50-52, 53, 54, 62 e classe
média, 28-29, 32 George W.

123
ÍNDICE

Tishreen, 88 e a guerra contra o Iraque, 13, 99-102,


Tishrin Hospital Medical (Síria), 103-104, 107 e Guerra do Yom
Bashar frequentar, 76 Twelvers. Vejo Kippur, 63.
Ithna Ashiryya Veja também Bush, George W.

desemprego Viorst, Milton, 65


e Bashar, 15 e
Hafez, 79 waliya, 24 Guerra de Atrito, 60-61
República Árabe Unida (UAR), 37, armas de destruição maciça
39-40, 54
United Nations e no Iraque, 99, 100 e
Liga e árabe, 44 e Síria, 13 Oeste
Israel, 43
e levantando as sanções contra o Iraque, e Asma, 88-91 e Bashar, 76, 87, 91, 93-94
103 e fundamentalismo, 65-67 e Hafez, 54-55,
e partilha da Palestina, 33, 34 e Guerra dos 60, 65, 80, 94 e Nasser, 65 e secularização,
Seis Dias, 43 65 West Bank, 34 , 42, 57, 97, 102
e da Síria na política dos Estados Unidos Revolução Branca, 66, 73 mulheres e Asma,
no Iraque, 103 91 Primeira Guerra Mundial, 16 a Segunda
e Guerra do Yom Kippur, 63 Guerra Mundial, 31, 32 Organização sionista
United States Mundial, 22
e al-Assad, 54-55 e
Bashar, 111 e Guerra do
Golfo, 12-13
e Hafez, 15, 80, 83, 85, 85-86,
94
e Israel, 55, 63, 67, 69, 74, 83, Zaim, Husni, 36
85, 95, 101, 106 zakat, 24
e Jordan, 49-50, 51, 52 e Sionismo, 21-24, 32-33, 96 Zisser,
Palestina, 32-33 Eyal, 94 Zoubi, Mahmoud, 81-82
e 11 set 2001 terrorista
ataques, 13, 98-99, 105

124
CENÁRIO CRÉDITOS

página:

11: Cortesia da Central de Inteligência 61: © David Rubinger / CORBIS 64: © Alan Dejean /
Agência. Disponível através do site da Sygma / Corbis 68: © Bettmann / CORBIS 70: ©
Universidade do Texas em Austin 14: © Reuters / Bettmann / CORBIS 78: © Time Life Pictures / Getty
CORBIS 19: © Bettmann / CORBIS 20: © Bettmann / Images 84: © Reuters / CORBIS 89: © Khaled
CORBIS 23: © Michael Nicholson / CORBIS 34: © Al-Hariri / Reuters / CORBIS 92: © Getty Imagens 95:
Bettmann / CORBIS 35: © David Rubinger / CORBIS © Reuters / CORBIS 96: © Tempo vida / imagens de
38 : © Bettmann / CORBIS 45: © Getty Images 59: © Getty 103: © Reuters / CORBIS 109: © Kaled
Bettmann / Corbis al-Hariri / Reuters / CORBIS

Capa: © Despotović Dusko / Frontispício CORBIS SYGMA: ©


AFP / Getty Images

125
ABOUTTHECONTRIBUTORS

Susan muaddi darraj ( http://www.SusanMuaddiDarraj.com) é um escritor freelance baseado em


Baltimore, Maryland. É autora de numerosos artigos, contos e livros, e ela também ensina de
nível universitário cursos de escrita Inglês e. Ela está atualmente trabalhando em outras
biografias e uma coleção de ficção curta.

Arthur M. Schlesinger, jr. é a principal historiador americano do nosso tempo. Ele ganhou o
Prêmio Pulitzer por seu livro The Age of Jackson ( 1945) e de novo para uma crónica da
administração Kennedy, Mil Dias ( 1965), que também ganhou o National Book Award.
Professor Schlesinger é o Albert Schweitzer Professor de Humanidades da Universidade da
Cidade de Nova York e tem sido envolvido em vários outros projetos Chelsea Casa, incluindo
a série R EVOLUTIVA W AR eu eaders, C OLONIAL eu eaders, e Y NOSSO G OVERNO.

126