Vous êtes sur la page 1sur 40

Análise de

Sistemas Elétricos
Prof. Washington Neves

Abril de 2018
Análise de Sistemas Elétricos
• Conceitos básicos;

• Modelagem dos elementos


(geradores, linhas de transmissão,
transformadores, cargas, etc.);
• Uso de técnicas apropriadas de
resolução de circuitos;
• Estudo de fluxo de carga, cálculo de
curto-circuito e estabilidade;
• Análise e simulação de cenários de
operação;
• Avaliação crítica dos resultados.

2
Tópicos Abordados

• Análise em regime permanente


– Modelagem de componentes
– Representação de redes elétricas
– Estudos de fluxo de carga

– Estudo de curto-circuitos
• Componentes simétricos

• Cálculo de curto-circuitos

– Estabilidade e Compensação
Reativa
• Tipos de estabilidade
• Análise gráfica
• Métodos de controle de tensão

3
Sistema Interligado Nacional (SIN)
• Sistema Elétrico:
✓ Centrais de Geração;
✓ Transformadores;
✓ Linhas de Transmissão;
✓ Centros de Consumo (cargas);
✓ Sistemas de Proteção;
✓ Sistemas de Medição;
✓ Subestações;
▪ Elevadoras;
▪ Abaixadoras;
▪ Conversoras (CA/CC ou CC/CA);
▪ Reguladoras;
✓ Centros de Operação
(supervisão e controle).
4
Área Nordeste (SIN)

5
Plataformas de Simulação

• ATP
• Anarede (CEPEL)
• Anafas (CEPEL)
• PowerWorld Simulator
• Simulink
• Matlab
• PSS/E (Shaw Power Tech.)

6
unidade 1
Conceitos
Básicos
e Valores
por unidade
7
Conceitos Básicos e valores por unidade

• Introdução

• Fasores

• Potência Ativa, Reativa e Aparente

• Potência Complexa

• Sistema Trifásico Equilibrado

• Valores por unidade

8
Introdução

9
Introdução

• Um sistema de
potência ...

• ... e seus circuitos equivalentes


– Geradores

– Transformadores

– Linhas de Transmissão

– Carga

10
Introdução

• Geradores

– Circuito Equivalente - Thévenin

jXG

Eg

11
Introdução

• Transformador

– Circuito Equivalente
Zp n t :1 Zs
+ I ex +
Ip I1 + + I2 = I s
+
E1 E
Vp Gc Vm -jB m 2 Vs
- - -
- -

12
Introdução

• Linhas de
Transmissão
– Circuito Equivalente
RL jXL
l m

CL/2 CL/2

13
Introdução

• Carga

• Modelo da Carga
– Impedância constante

– Corrente constante

– Potência Constante

14
Fasores

• Funções Sinusoidais
v(t ) = Vmax cos(t + v )
i (t ) = I max cos(t + i )

• Valor rms de uma onda sinusoidal


1 T Vmax
=  v(t ) dt =
2
Vrms
T 0
2

15
Fasores

Identidade de Euler : e j = cos  + jsen 

Notação Fasorial cos  = Re e j  


v(t ) = Vmax cos(t + v )
v(t ) = Re{Vmaxe j ( t + v ) } = Re{Vmaxe jv e jt } = Re{ 2Vrms e jv e jt }

V = Vrms v  é a frequência angular do sistema

16
Fasores

Dispositiv o Equação Fasor


resistor v(t ) = Ri(t ) V = RI
di
indutor v(t ) = L V = jLI
dt
dv
capacitor i (t ) = C I = jCV
dt

Z = impedância = R + jX = Z 
R = resistênci a Z é apenas um número
X = reatância complexo. Não é fasor!
X
Z = R2 + X 2  = arctan 
R 17
Fasores
Diagrama fasorial quando mais de uma grandeza é envolvida

V
v(t ) = Vmax cos t
i(t ) = I maxsen t = I max cos (t − 900 )
I

Exemplo 1:
Numa determinada carga a tensão de alimentação é
v(t)=311.13sen(t+300) e a corrente é i(t)= 28.28 cos (t-300). Obtenha
os valores rms para a tensão e corrente; a expressão fasorial nas formas
polar e retangular; o diagrama fasorial da tensão e corrente tomando
cost como referência; A impedância equivalente vista dos terminais da
carga. O circuito é indutivo ou capacitivo?
18
Potência Ativa, Reativa e Aparente
ikm(t)
pkm(t) k m

Circuito
vk(t) linear A

pkm (t ) = v k (t )  ikm (t ) Potência instantânea

v k (t ) = Vmax cos(t )
ikm (t ) = I max cos(t − )
cos(a − b) = cos a cosb + sena senb

Vmax I max V I
pkm (t ) = cos (1 + cos 2t ) + max max sen sen 2t 19
2 2
Potência Ativa, Reativa e Aparente

VmaxI max VmaxI max


pkm (t ) = cos (1 + cos 2t ) + sen sen 2t
2 2
pkm (t ) = p(t ) = p1 (t ) + p2 (t )

1 Vmax I max VmaxI max


Q= sen 
T
P=
T  p1 (t )dt =
2
cos 
2
S = Pmax − P
0

Vmax I max
= 20
2
Potência Ativa, Reativa e Aparente

Significado Físico

Potência ativa P – Valor médio da potência instantânea


Potência reativa Q – valor máximo do termo de potência oscilante p2(t)
Potencia aparente |S| - valor máximo da oscilação da potência instantânea em
torno da potência média.
VmaxI max Vmax I max
P=
1

T V I
p1 (t )dt = max max cos  Q= sen  S = Pmax − P =
T 0 2 2 2

P = VI cos  Q = VIsen  S = P2 + Q2 21
Potência Complexa
P – Potência ativa (W, kW, MW)
S = P + jQ
Q – Potência reativa (var, kvar, Mvar)
S – Potência complexa (VA, kVA, MVA)
cos – fator de potência ativa (f.p.)
se a corrente estiver adiantada da tensão – f.p. em avanço;
se a corrente estiver atrasada da tensão – f.p. em atraso.

Dispositivo Equação
2
resistor P = R I res
2
indutor QL = X L I L X L = L
2 1
capacitor Qc = − X c I c XC =
C
22
Potência Complexa

vkm (t ) = Vmax cos(t ) S = VI *


ikm (t ) = I max cos(t − ) S = P + jQ
I
IR V

 IR Ix
Ix
R jX
I

Exemplo 2:
Determinar o ângulo do fator de potência , a potência complexa S e reativa Q
para uma carga de 100 kW com f.p.= 0.85 em atraso.

23
Potência Complexa

 = a cos (0,85) = 31,80


P 100 S
S = = = 117.6 kVA Q
cos 0,85
Q = S sen  = 62.0 k var 
P
Exemplo 3:
Quanto de reativo capacitivo deve ser adicionado à carga para que o fator de
potência passe a ser 0.95 em atraso?
Qcap
S
 N = a cos (0,95) = 18,20
SN
P 100
SN = = = 105.3 kVA 
cos N 0,95 N QN

QN = S sen  N = 32.9 k var P


Qcap = QN − Q = 32.9 − 62.0 = 29.1 k var 24
Potência Complexa

S = P + jQ
Convenção de Sinal: Icarga

Convenção da carga. Corrente entra no Ecarga


Scarga
terminal positivo do elemento de circuito.

Se P é positivo indica absorção de energia
ativa, se Q é positivo indica absorção de
energia reativa.

Ig
Convenção do gerador. Corrente sai do
terminal positivo do elemento de circuito. Eg
Se P é positivo indica geração de energia  Sg
ativa, se Q é positivo indica geração de
energia reativa.
25
Potência Complexa
Exemplo 4:
Determinar as potências ativa e reativa geradas por cada máquina da figura
abaixo. Utilizar convenção da carga. Qual das máquinas é o gerador? Determinar
também P e Q “absorvidos pela impedância”.
I Z
E1 E2 E1 = 10000 V
 S1 S2  E 2 = 10030 0 V
Z = 0 + j5 

E − E2
Máquina E2 é gerador
I= 1 = −10 − j 2.68 = 10,351950 A
Z
S1 = E1 (− I )* = P1 + jQ1 = 100(10 − j 2.68) = 1000 − j 268 VA
S 2 = E 2 I * = P2 + jQ2 = (86.6 + j 50)(−10 + j 2.68) = −1000 − j 268 VA
2 2
XI = 5  10.35 = 536 var
26
Potência Complexa

S = P + jQ
Carga Indutiva Sind
Sind = VI * Qind

Sind = P ind + jQind ind

Pind
P P
cos  = =
S P2 + Q2
Pcap

Carga Capacitiva cap

S = VI * Qcap
Scap
S cap = Pcap − jQcap 27
Potência Complexa

Grupo de Cargas na mesma barra – Soma vetorial de cargas individuais


P3
S2
Q2 Q3
S=P+jQ S1 P2 S3
Q1 S
Q

P1 P

S = S1 + S 2 + S3
S = ( P1 + P2 + P3 ) + j (Q1 + Q2 + Q3 )

28
Sistema Trifásico Equilibrado
c
Ecn Ean = Emax cos t

Ean Ebn = Emax cos(t − 120 0 )


n a Ecn = Emax cos(t − 2400 )

Ebn

b
Ecn a = 1120 0

Seq+
Seq + (abc )
Ean
Ean = E 0 0

Seq- Ebn = a 2 Ean = E  − 120 0


Ebn
Ecn = aEan = E 120 0
29
Sistema Trifásico Equilibrado
Z Icn

Z Ian
B
a A
c Ean ZY
ZY
Ecn In
n
N

Ebn ZY

Z Ibn
b
B

Sistema Equilibrado
In=0, basta resolver o sistema como se fosse monofásico com neutro ideal.
30
Sistema Trifásico Equilibrado
Z Ic

Z Ia
A
a
Ean C Z
c
Ecn ICA
n
IBC IAB
Z Z
Ebn

Z Ib
b
B

Sistema Equilibrado
Existe um sistema Y equivalente. Novamente, basta resolver o
sistema como se fosse monofásico com neutro ideal. 31
Sistema Trifásico Equilibrado
Z Icn

Z Ian

a A B
Ean Z / 3
c
Ecn Z / 3
n
N

Ebn
Z / 3

Z Ibn
b
B

32
Sistema Trifásico
Z Ic
C
Z Ia
A
Carga
a Ib
c Ean Z B Trifásica
Ecn
n

Na carga
Ebn
S3 = VAn I a* + VBn Ib* + VCn I c*
b
Sistema Equilibrado

S3 = 3 VAB I a

33
Sistema por unidade

Sistema de normalização em que tensão, corrente,


potência, impedância, admitância, e outras grandezas
elétricas são expressas como uma fração de uma
quantidade base:

Quantidade Física
Quantidade pu =
Quantidade base

As quantidades base definir o sistema pu são obtidas a


partir de duas quantidades base, geralmente tensão e
potência:
Vbase , Sbase 34
Sistema Monofásico
Para calcular valores base para correntes e impedâncias:
2
Sbase Vbase Vbase
I base = Z base = =
Vbase I base Sbase
As grandezas p.u. são:
V físico I físico
V p .u . = I p.u . =
Vbase I base
S físico Z físico
S p.u . = Z p.u . =
S base Z base

Z % = Z p.u . 100% Valor percentual

35
Sistema 3

Costuma-se utilizar o seguinte procedimento:

1. Definir Sbase 3 para todo o sistema


2. Utilizar uma tensão Vbase para cada nível de tensão do
sistema. Vbase é tensão de linha.
3. Calcular as impedâncias na forma usual

2
Vbase Vbase
Z base = =
I base Sbase

36
Mudança de Base
Dados p.u. de fabricantes de equipamentos podem ter bases
diferentes e precisam ser convertidos para uma mesma base
Z físico Z físico
Z p.u.base1 = Z p.u.base 2 =
Z base1 Z base 2

Z base1
Z p.u.base 2 = Z p.u.base1
Z base 2

2
 Vbase1  S base 2
Z p.u.,base 2 = Z p.u.base1  
 S
 Vbase 2  base1

37
Mudança de Base
Exemplo 5

Um gerador trifásico de 18 kV, 500 MVA, tem reatância XG”


de 25% a partir dos dados de placa. Encontrar XG” na base
20kV, 100 MVA.
2
 Vbase1  Sbase 2
Z p.u.,base 2 = Z p.u.,base1  
 Vbase 2  Sbase1
2
 18  100
= 0.25  = 0.0405 p.u.
"
XG p.u .,base 2
 20  500

38
Exercício

Numa máquina trifásica a tensão fase-neutro na fase a é va(t)=311.13cos


t V e a corrente é ia(t)= 141.42 cos (t-300) A. Obtenha
a) os diagramas fasoriais para a tensão e corrente tomando cost como
referência;
b) a impedância equivalente da carga, considerando que a tensão
aplicada tem sequência abc;
c) a corrente e a impedância por unidade numa base de 380 V (valor
eficaz da tensão de linha) e 20kVA (potência trifásica);
d) a impedância por unidade numa nova base de 250 V (valor eficaz da
tensão de linha), 50 kVA (potência trifásica).

39
Exercícios 1.1, 1.4, 1.8, 1.11, 1.16, 1.19, 1.22,
1.23.
Livro: Grainger, J.J., Stevenson Jr., W. D., Power System Analysis,
New York: McGraw-Hill, 1994. ISBN 0-07-061293-5.

40