Vous êtes sur la page 1sur 26

VIRTUALIZAÇÃO

Conceitos básicos

Carlos Veríssimo
Ismael Lunkes
Rodrigo Portella

Unijuí – Universidade Regional do Noroeste


do Estado do Rio Grande do Sul
CRONOGRAMA
• Conceitos básicos;
• Porque utilizar;
• Aplicação;
• Benefícios;
• Arquitetura
• Técnicas:
– Virtualização Completa;
– Paravirtualização;
– Recompilação Dinâmica;
• Inovações;
Conceito
• Consiste na emulação de ambientes
isolados, onde há a capacidade de
rodar diferentes sistemas
operacionais dentro de uma mesma
máquina;
• Fornece ambientes de execução
independentes a diferentes usuários
em um mesmo equipamento físico,
aproveitando melhor a capacidade
do hardware;
Por que utilizar?

• A capacidade de usar uma máquina real em


várias virtuais e trabalhar nas mesmas
separadamente, implica na possibilidade de
obter-se mais rendimento da máquina;
• Melhor aproveitamento dos recursos do
servidor;
• Melhor gerenciamento;
• Aumento da segurança;
Uso & Aplicação da
Virtualização
• 1. Laboratório de computadores para
ensino;
• 2. Consolidação de computadores
servidores;
• 3. Migração de aplicações;
• 4. Execução de aplicações;
• 5. Plano de Contingência;
• 6. Detecção de Intrusão;
• 7. Hospedagem de sites;
Beneficios da Virtualização
• 1. Reduzir a quantidade de
computadores servidores em uma rede
local;
• 2. Aumentar a utilização dos recursos de
computadores com hardware potente;
• 3. Eliminar computadores antigos e não
confiáveis;
• 4. Reduzir os gastos com novos
computadores e infra-estrutura básica –
energia elétrica, ar condicionado, espaço
físico;
Beneficios da Virtualização
• 5. Facilitar o gerenciamento de
computadores servidores, migração
e replicação de serviços;
• 6. Aumentar a confiabilidade,
escalabilidade e disponibilidade dos
serviços;
• 7. Garantir o funcionamento de
aplicações legadas;
• 8. Permitir a realização de testes e
simulações sem colocar em risco o
ambiente deprodução
Arquitetura
• Uma classificação de VMs é conforme a plataforma sobre a
qual são executadas. Segundo essa classificação, as máquinas
virtuais podem ser de 2 tipos:
• Tipo I - O VMM é implementado diretamente sobre o
hardware físico subjacente. Os VMMs Xen e VMware ESX
Server são exemplos desse tipo de máquinas virtuais.
Arquitetura
• Tipo II - O VMM é implementado
completamente sobre o sistema
operacional host. Exemplos desse tipo de
máquinas virtuais são o VMware Server o
VirtualPC.
Técnicas
• Utilizada para permitir que
qualquer SO possa ser executado,
em uma arquitetura diferente da
projetada, sem alterações.
• Toda a infra-estrutura do hardware
subjacente é virtualizada.
• Todas as instruções solicitadas pelo
sistema convidado são
interpretadas no MMV.
Técnicas - Virtualização Completa:
• Implica em representar o conjunto de instruções do
processador, a memória principal, interrupções,
exceções e acesso aos diversos dispositivos
existentes.
Técnicas - Paravirtualização

• A Máquina Virtual, por meio de uma Application


Programming Interface (API) disponibilizada pelo
host, faz com que o SO hospedado acesse
diretamente partes do hardware.
• O SO interage com o MMV e seleciona quais
instruções devem ser interpretadas nele ou
diretamente no hardware hospedeiro.
• São necessárias modificações nos sistemas
operacionais convidados.
Técnicas - Paravirtualização
Recompilação Dinâmica

• Acontece quando o programa binário nativo é


transcrito para o binário da máquina hospedira.
• Cada instrução deve ser recompilada para uma
ou mais instruções do sistema hospedeiro de
maneira que o resultado da execução seja o
mesmo.
• Para isto é feita uma engenharia reversa do SO
original e então realizada uma nova compilação.
• Ex: JIT (just-in-time) do Java.
Máquina Virtual X Emulador
Comparação de algumas ferramentas e sua forma de
implementação

Tabela de comparação entre ferramentas e a forma de suas implementações


Vieira, 2008
Inovações
• Ao contrário dos concorrentes que
adotam a “one-size-fits” em todas as
abordagens, a Sun adota uma
abordagem abrangente à virtualização
que amplia o datacenter, aumentando
significativamente a utilização dos
recursos e reduzindo os custos.

• Desde o início do ano de 2009 a SUN


pertence a Oracle;
Sun Virtual Desktop Infrastructure Oracle Virtual Desktop Infrastructure

Sun VirtualBox Oracle VM VirtualBox

Sun Secure Global Desktop Software Oracle Secure Global Desktop

Sun Ray Software Sun Ray Software

Sun Ray Thin Clients Sun Ray Clients

Sun Logical Domains Oracle VM Server for SPARC


– Gerenciamento de Virtualização (System Center)

 Virtualização de terminal

 Virtualização de estação de trabalho


 Virtual PC
 Desktop Virtualization

 Virtualização de armazenamento
 Data Protection Manager
 Windows Storage Server

 Virtualização de aplicações
 Virtuzalização de servidores
 Banco Central virtualiza servidores com Hyper-V do Windows
Server 2008
• Última versão: May 4, 2010, QEMU version
0.12.4

• Open Source

• Emulador/paravirtualizador

• Suporta virtualização quando executado sob


hypevisor XEN, ou usando o módulo Kernel KVM
no Linux;
• Base para o Parallels Virtuozzo
Containers;

• Solução Open Source (GNU GPL)


disponível para Linux;

• Última atualização: Kernel 2.6.32


budarin.1 released (24 Jun 2010);

• Requer que o host e máquina virtual


estejam utilizando Linux;
• Prometem melhor custo-benefício
que o Hyper-V da Microsoft;
• Intel VT
– Método/tecnologia pelo qual SO’s em plataformas X86 são
executados sob outros SO’s nessa mesma plataforma com
nenhuma ou com mínima interferência no hardware;
– Suportado por programas como o Vmware, KVM (módulo
do linux), e o Xen;

• Intel ® Core ™ I7 Extreme


– 3,33 GHz de velocidade por núcleo
– Até 3,6 GHz com a tecnologia Intel® Turbo Boost
– 6 núcleos e 12 segmentos de processamento com a
tecnologia Intel® Hyper-Threading
– 12 MB de Intel® Smart Cache
– 3 canais de memória DDR3 de 1066 MHz
– Tecnologia de processo de fabricação de 32nm
• AMD V™ Technology
– Arquitetura x86
– Hardware que possibilita a comunicação eficiente
entre máquinas virtualizadas;
– RVI (Acelera o desempenho de aplicativos virtualizados)
– AMD V ™ Extend Migration: Auxilia na migração de
máquinas virtuais;

• Server Virtualization
• Client Virtualization
– AMD com DAS 1.0: plataforma aberta que permite a
gestão de recursos de virtualização e segurança sem
prender-se a recursos proprietários;