Vous êtes sur la page 1sur 21

PREFÁCIO

A Divisão de Serviços Náuticos Yamaha publicou este texto de treinamento.


Ele foi compilado e feito para as aulas de treinamento YTA Bronze e será
uma grande ferramenta quando você iniciar seu treinamento YTA ou as aulas
de certificação YTA Bronze.

O QUE NÓS
APRENDEMOS NO
VOLUME
OLUME
INTRODUÇÃO
Neste capítulo você aprende sobre o sistema
de combustível com um foco nos motores de
popa. Você aprende em detalhe sobre os tipos
de combustíveis, mecanismos e recursos de
um sistema de combustível e assim por diante.
Para detalhes sobre a construção e as funções
do carburador e FI/HPDI, consulte o Capítulo
9 FI/HPDI.

Texto de Treinamento YT A
Bronze

2008 por Yamaha Motor do Brasil Ltda.


2ª Edição, Abril de 2008
Todos os direitos reservados.
É expressamente proibida qualquer
reimpressão ou uso não-autorizado
sem a permissão por escrito da
Yamaha Motor do Brasil Ltda.
Impresso no Japão
CAPÍTULO 1 CAPÍTULO 3
SOBRE O COMBUSTÍVEL SISTEMA DE COMBUSTÍVEL
DO MOTOR EM MOTORES DE POPA

INTRODUÇÃO ............................................ 1-1 INTRODUÇÃO ............................................ 3-1


O QUE NÓS APRENDEMOS NO O QUE NÓS APRENDEMOS NO
CAPÍTULO 1 ........................................ 1-1 CAPÍTULO 3 ........................................ 3-1
A COMBUSTÃO COMO UM SIGNIFICADO DE BOM COMBUSTÍVEL . 3-1
FENÔMENO ................................................ 1-1 O QUE É BOM COMBUSTÍVEL ............. 3-1
OXIDAÇÃO E COMBUSTÃO .................. 1-1 CONSTRUÇÃO E FUNÇÃO DO SISTEMA
IGNIÇÃO E AUTO-IGNIÇÃO .................. 1-2 DE COMBUSTÍVEL .................................... 3-2
TIPOS DE COMBUSTÍVEIS E SUAS CONSTRUÇÃO E FUNÇÃO DE CADA
PROPRIEDADES ........................................ 1-2 PARTE .................................................. 3-2
TIPOS DE COMBUSTÍVEIS ................... 1-2 COMPATIBILIDADE COM QUEROSENE . 3-5
ADAPTABILIDADE A MOTORES DE SOBRE O COMBUSTÍVEL
COMBUSTÃO INTERNA ..................... 1-3 QUEROSENE ...................................... 3-5
TIPOS DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS .... 1-3 MOTOR .................................................... 3-5
TIPOS DE COMBUSTÍVEIS BOMBA DE COMBUSTÍVEL ................... 3-6
LÍQUIDOS ............................................ 1-3 CARBURADOR ....................................... 3-6

CAPÍTULO 2
COMBUSTÍVEIS UTILIZADOS
EM MOTORES DE POPA

INTRODUÇÃO ............................................. 2-1


O QUE NÓS APRENDEMOS NO
CAPÍTULO 2 ........................................ 2-1
GASOLINA ................................................. 2-1
CARACTERÍSTICAS DA GASOLINA ..... 2-1
USOS DA GASOLINA ............................. 2-1
TIPOS DE GASOLINA ............................ 2-2
PROPRIEDADES DA GASOLINA .......... 2-3
QUEROSENE ............................................. 2-4
USOS DO QUEROSENE ....................... 2-4
DIFERENÇAS ENTRE QUEROSENE
E GASOLINA ....................................... 2-4
ÁLCOOL ..................................................... 2-5
SOBRE O COMBUSTÍVEL ADITIVADO
COM ÁLCOOL ..................................... 2-5
CARACTERÍSTICAS DO COMBUSTÍVEL
ADITIVADO COM ÁLCOOL ................ 2-5
CAPÍTULO 1 - SOBRE O COMBUSTÍVEL DO MOTOR

INTRODUÇÃO
O QUE NÓS APRENDEMOS NO
CAPÍTULO 1
Neste capítulo você aprende sobre os ele-
mentos e tipos requeridos de combustíveis
aplicáveis aos motores de combustão inter-
na. Este capítulo fornece uma introdução
GLP Gasolina e querosene
detalhada da significância da combustão
junto com a adaptabilidade de um combus-
tível como meio de se obter potência.

Óleo leve Óleo pesado

A COMBUSTÃO COMO UM
FENÔMENO
OXIDAÇÃO E COMBUSTÃO
De acordo com sua velocidade de reação, a
oxidação ocorre também no estado de “corro-
são (ferrugem)”, “queima” ou “deflagração”.
A queima libera calor e luz intensos.

Corrosão Combustão Explosão

Lenta Velocidade da reação Rápida

Ignição Auto-ignição
1. Ignição e auto-ignição
A energia é extraída de um combustível por
meio de sua ignição e queima. Além disso, o
combustível também pode se auto-inflamar
quando submetido a uma condição acima de
determinado limite.

unidade: °C
Propriedades Temp. ebulição Temp. ignição Temp. auto-
do combustível ignição

Gasolina 30-200 -45 300

‘ Querosene 150-300 40 255

Óleo leve 200-350 45 250

1-1
CAPÍTULO 1 - SOBRE O COMBUSTÍVEL DO MOTOR

IGNIÇÃO E AUTO-IGNIÇÃO
Chamamos de combustível à substância cujo
calor gerado por ela durante a queima pode
Combustão ser utilizado economicamente. Os combus-
tíveis podem ser classificados genericamente
Luz Calor
entre os que se destinam a serem fontes de
calor e aqueles utilizados para gerar potência
nos motores térmicos. Esta seção explica os
combustíveis utilizados somente para a gera-
Calor

Fonte de luz
ção de energia.
Potência

TIPOS DE COMBUSTÍVEIS E
SUAS PROPRIEDADES
TIPOS DE COMBUSTÍVEIS
Geralmente, quando falamos em combustí-
Energia natural veis, nos referimos aos combustíveis fósseis
(Energia hidráulica;
Energia solar) (energia). A energia fóssil pode ser encontra-
Energia nuclear
(Energia atômica)
da na Natureza no estado de líquidos como o
petróleo, sólidos como o carvão e gases como
Bioenergia
(Biomassa;
Etanolamina)
o gás natural. Como a energia fóssil depende
de recursos naturais, ela não pode ser repro-
Energia fóssil
(Petróleo; Carvão;
Gás natural)
duzida. É imperativo que seja feito um uso
eficaz de tal energia.

MÉRITO 1. Combustível gasoso


De acordo com sua condição sob tempera-
tura e pressão normais, os combustíveis fós-
Combustão completa
seis podem ser categorizados em combustí-
Fácil de abastecer Fácil de ajustar
vel líquido, combustível sólido e combustível
DEMÉRITO gasoso. Os combustíveis gasosos estão dis-
poníveis na forma de gás natural, gás de car-
vão e gás de petróleo. Seus recursos são
Pouco calor radiante Armazenamento/
transporte difícil
Risco de
envenenamento
mostrados ao lado.

MÉRITO
MÉRITO 2. Combustível sólido
Os combustíveis sólidos, representados pelo
carvão, incluem também o coque, o carvão
Alto poder calorífico
vegetal e assim por diante. Seus recursos
Fácil de armazenar Reserva abundante por volume
são mostrados ao lado.
DEMÉRITO
DEMÉRITO

Baixa eficiência
Difícil de abastecer Difícil de controlar térmica

1-2
CAPÍTULO 1 - SOBRE O COMBUSTÍVEL DO MOTOR

MÉRITO
MÉRITO 3. Combustível líquido
Os combustíveis líquidos, representados pelos
produtos petroquímicos, também incluem o
Combustão completa
álcool. Seus recursos são mostrados ao lado.
Fácil de abastecer Fácil de ajustar

DEMÉRITO

Transporte é perigoso Geração de gases


Reserva limitada nocivos

ADAPTABILIDADE A MOTORES DE
COMBUSTÃO INTERNA
Combustível
gasoso
Combustível
sólido
Combustível
líquido No que diz respeito aos combustíveis para
geração de energia, o combustível líquido
Valor calorífico (gasoso em alguns casos) pode ser conside-
rado o melhor adequado sob diversos pontos
Armazenamento de vista.

Venenoso

Ajuste da combustão

TIPOS DE COMBUSTÍVEIS
LÍQUIDOS
TIPOS DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS
GLP
Gás sob
temperatura e
Os principais combustíveis líquidos são refi-
pressão normais

Gasolina
Baixa nados a partir do óleo cru. O processo de
refino extrai diversos combustíveis líquidos a
Querosene
partir do óleo cru (gasolina, querosene, com-
Resfriador Combustível
de aviação Temp.
destilação bustível de aviação, óleo leve, óleo pesado),
Óleo leve GLP (Gás Liquefeito de Petróleo), nafta, óleo
Óleo
pesado
lubrificante, asfalto, etc. Para os combustíveis,
Alta em particular, eles são classificados conforme
mostrado de acordo com as temperaturas de
destilação (= diferenças no ponto de ebulição).
1. Gasolina
A volatilidade e a propriedade antidetonante
(número de octanas) são os elementos mais
importantes do combustível gasolina para o
motor. Porque o combustível é misturado com
o ar por um carburador ou injetor e queimado,
é requerido que ele tenha não somente a
Motor de popa Automóvel volatilidade apropriada, mas também as pro-
Área de ebulição 30 a 200°C
priedades antidetonantes para evitar a ocor-
Valor calorífico 44000 kJ/kg rência de detonação devido à ignição espon-
tânea.

1-3
CAPÍTULO 1 - SOBRE O COMBUSTÍVEL DO MOTOR

2. Querosene
O querosene é um líquido incolor e transpa-
rente com um odor exclusivo que é destilado
em um ponto de ebulição de aproximadamente
150 a 300°C. Ele possui um alto ponto de
ignição de 40°C ou mais e é fácil de manipu-
lar, portanto ele é amplamente utilizado como
Aquecedor Motor a querosene
combustível para aquecedores domésticos e
Área de ebulição 150 a 300°C produtos industriais. Quando finamente refi-
Valor calorífico 43000 kJ/kg
nado, ele também é utilizado como combus-
tível para aviões a jato.

Locomotiva a diesel 3. Óleo leve


O óleo leve é o menos pesado (menor peso
molecular) dos óleos refinados a partir do
óleo cru e é utilizado principalmente para
motores diesel. O óleo leve possui caracterís-
ticas de ignição excelentes.
Caminhão a diesel

Área de ebulição 2000 a 350°C


Valor calorífico 42000 kJ/kg

4. Óleo pesado
O óleo pesado consiste de substâncias desti-
ladas que são obtidas quando aquecidas em
alta temperatura de 300°C ou mais elevadas
Grandes navios
e então ajustadas quanto à viscosidade. Este
óleo possui um ponto de ebulição mais ele-
Caldeira
vado do que a gasolina e o óleo leve. Ele é
classificado em óleos pesados A, B e C de
Área de ebulição a partir de 300°C
Valor calorífico 41000 kJ/kg acordo com sua viscosidade. O óleo pesado A
se destina ao uso não-automotivo e como
combustível em motores diesel e caldeiras
compactas. Os óleos pesados B e C são
utilizados como combustíveis em grandes
motores diesel marítimos e grandes caldeiras.

5. GLP
O GLP, que significa Gás Liquefeito de Petró-
leo, é produzido por destilação e refino, e se
encontra no estado gasoso sob temperatura
e pressão normais. Na forma de GLP, lique-
Táxi
feito sob alta pressão, ele é abastecido em
Botijão de aço reservatórios de alta pressão e utilizado como
combustível.
Recursos Gás sob temperatura normal
Liquefeito sob alta pressão

1-4
CAPÍTULO 2 - COMBUSTÍVEIS UTILIZADOS EM MOTORES DE POPA

INTRODUÇÃO
O QUE NÓS APRENDEMOS NO
CAPÍTULO 2
Este capítulo fornece uma explicação deta-
lhada sobre a gasolina e o querosene utiliza-
dos para os motores de popa, além dos
álcoois utilizados como aditivos para eles.

Modelo com motor a gasolina Modelo com motor a querosene

GASOLINA
CARACTERÍSTICAS DA GASOLINA
O combustível mais freqüentemente utilizado
nos motores de popa atualmente é a gaso-
lina. Seus recursos são mostrados ao lado.
Gás sob tempe- Alto poder Alta eficiência térmica
ratura normal calorífico

Altamente volátil Inflamável

Fácil de manipular Permite obter Bom consumo


muita energia de combustível

Fácil obtenção da Boa capacidade


mistura ar-combustível de partida

USOS DE GASOLINA
Para uso Automotivo A gasolina é classificada em três categorias
genéricas de acordo com a utilização, res-
pectivamente a gasolina para automóveis
(incluindo os motores de popa), a gasolina
de aviação e a gasolina industrial.

Para uso na Aviação Para uso Industrial


(limpeza a seco)

2-1
CAPÍTULO 2 - COMBUSTÍVEIS UTILIZADOS EM MOTORES DE POPA

TIPOS DE GASOLINA
Gasolina sem
Nenhum alquil-chumbo é adicionado.
A gasolina para automóveis (motores de po-
chumbo
Adição de
chumbo Alquil-chumbo é adicionado para aumentar o
pa) pode ser classificada nas categorias
Com chumbo número de octanas (o uso de alquil-chumbo
é proibido no Japão). mostradas ao lado.
Gasolina cujas substâncias evaporativas
A próxima seção explica o alquil-chumbo, o
Gasolina de verão são reduzidas para evitar o bloqueio por
Estação
vapor no verão. número de octanas e o bloqueio por vapor.
Gasolina cujas substâncias evaporativas são
Gasolina de inverno aumentadas para intensificar a capacidade
de partida do motor no inverno. NT: No Brasil, são comercializados atualmente os seguintes tipos de gasolina:
Tipo A (gasolina amarela - 73 octanas)
Tipo B (gasolina azul - 82 octanas)
Tipo C (gasolina + álcool - 76 octanas)
Gasolina regular Número de octanas de 91 ou mais.
Verde (110 a 130 octanas - uso exclusivo na aviação)
Classifi-
cação
Gasolina premium Número de octanas de 89 ou mais.

1. Número de octanas
Número =Índice de resistência à ocorrência de detonação do motor A resistência de um combustível à detonação
de octanas A detonação é medida quanto à ocorrência em diferentes
taxas de compressão em cada rotação de teste. é indicada pelo seu número de octanas.
O número de octanas é comparado ao número
RON .............. em baixa rotação (600 r/min) de iso-octanas como 100 e ao número normal
MON .............. em alta rotação (900 r/min) de heptanas como 0.
PON .................. RON +
MON 2

Quando a gasolina premium é utilizada em


um modelo para gasolina regular
1) Número apropriado de octanas

Consumo de
Controle da detonação Potência melhorada combustível melhorado

Quando a gasolina regular é utilizada em um


veículo para gasolina premium

Consumo de
Controle da detonação Potência melhorada combustível melhorado

2. Alquil-chumbo
As propriedades
antidetonantes são
intensificadas.
Altamente venenosa O alquil-chumbo costumava ser misturado
para melhorar o número de octanas da gaso-
lina. Esta mistura é comumente referida como
gasolina com chumbo. No entanto, o alquil-
As peças do
motor são sujeitas chumbo raramente tem sido utilizado recen-
a desgaste.
temente porque é altamente venenoso para
o corpo humano e produz efeitos muito
adversos tais como a deterioração do
catalisador de emissões, desgaste dos anéis
do pistão e sedes de válvulas, e assim por
diante.

2-2
CAPÍTULO 2 - COMBUSTÍVEIS UTILIZADOS EM MOTORES DE POPA

PROPRIEDADES DE GASOLINA
A gasolina possui diversas propriedades.
Propriedades Propriedade de
antidetonantes destilação É importante possuir um entendimento apro-
priado dos efeitos que essas propriedades
produzem nos motores.
Impedimento de Tipos e efeitos
bloqueio por vapor de aditivos

Gasolina de verão
e inverno

Gasolina de verão
1. Gasolina de verão e de inverno
Em áreas onde há quatro estações, os cons-
Gasolina de inverno tituintes da gasolina utilizada como combus-
tível são ajustados para cada estação. Isso é
feito por causa das mudanças nos requisitos
GLP Gasolina Querosene
para a capacidade de partida do motor, etc.
que ocorrem devido às diferenças na tempe-
ratura, umidade e outros. Por essa razão, se
Alta Baixa houver uma diferença entre as estações
Volatilidade
quando a gasolina for adquirida e utilizada, a
gasolina poderá falhar em produzir seu desem-
penho original. Para se obter o máximo da
gasolina, a gasolina adquirida em uma deter-
minada estação deverá ser utilizada na mes-
ma estação.

Temperatura de evaporação de 10%


2. Propriedades e efeitos da destilação
Bloqueio por vapor/ capacidade de
partida em baixa temperatura
As características de destilação possuem um
grande efeito sobre a capacidade de partida
Temperatura de evaporação de 50% e o desempenho de aceleração de um motor.
Desempenho de captação; consumo
de combustível; formação de gelo Estas características são representadas pelas
temperaturas que destilam (evaporam) 10%,
Temperatura de evaporação de 90%
Óleo do motor contaminado/ 50% e 90% respectivamente da gasolina
combustão deficiente
sendo aquecida. A figura mostra o efeito das
características de destilação em um motor
em cada porcentagem.

Produção
Possibilidade
3. Fenômeno de bloqueio por vapor
de fluxo
de bolhas
insuficiente O bloqueio por vapor é uma condição na
qual parte da gasolina na passagem de com-
Combustível
bustível se evapora devido ao sol escaldante
ou em altas temperaturas atmosféricas e blo-
queia o fornecimento de combustível, com a
Combustível
aquecido conseqüente alimentação insuficiente de
combustível. Para evitar esse bloqueio por
vapor, a gasolina é ajustada para uso na
temporada de verão por meio da diminuição
de sua temperatura de destilação por 10%.

2-3
CAPÍTULO 2 - COMBUSTÍVEIS UTILIZADOS EM MOTORES DE POPA
Ponto morto superior 4. Propriedades antidetonantes
Enquanto um motor a combustão é operado,
o combustível pode se auto-inflamar. Caso
Ignição
espontânea
ocorra uma combustão anormal, será ouvido
um ruído intenso como se o cilindro estivese
Compressão sendo golpeado com um martelo, causando
uma queda na potência, danos ao pistão/
cilindro, etc. Este fenômeno é referido como
“detonação” e a resistência à detonação é
referida como propriedade antidetonante.
Um maior número de octanas é eficaz para
intensificar a propriedade antidetonante.

Tipo Finalidade
5. Tipos e finalidades dos aditivos
Agente de limpeza Prevenção de substâncias nocivas
A gasolina sem chumbo possui diversos
Limpeza interna do motor
aditivos adicionados a ela para várias fina-
Impede que o filtro ou carburador seja lidades.
Antioxidante obstruído pela goma acumulada.

Agente metálico A gasolina é protegida contra a oxidação e


inerte a deterioração devido ao metal
(principalmente cobre).
Preventivo Impede que o tanque e o duto de
de ferrugem combustível sejam corroídos pela água
contida na gasolina.
A gasolina, originalmente transparente e
Agente colorante incolor, é colorida de laranja para distingui-la
do querosene.

QUEROSENE
USOS DO QUEROSENE
O querosene é utilizado para aquecedores
domésticos em geral e como combustível de
aviação quando finamente refinado, incluindo
outros usos como solventes, para finalidades
Uso após
Aquecedor doméstico filtragem adicional
de limpeza e assim por diante. Os motores
de popa a querosene combinado com gaso-
lina também estão disponíveis e são ampla-
mente utilizados em alguns países (utilizando
Solventes; para limpeza Motor a querosene
querosene como combustível principal com
alguma gasolina adicionada).

DIFERENÇAS ENTRE QUEROSENE E


GASOLINA
A comparação entre o querosene e a gasoli-
Querosene Gasolina
na mostra as diferenças indicadas ao lado.
Viscosidade Alta Baixa

Atomização Difícil Fácil

Volatilidade Ruim Boa


Propriedades
detergentes de óleo Alta Baixa

Número de octanas Baixo Alto

2-4
CAPÍTULO 2 - COMBUSTÍVEIS UTILIZADOS EM MOTORES DE POPA

ÁLCOOL
SOBRE O COMBUSTÍVEL ADITIVADO
COM ÁLCOOL
O álcool pode ser utilizado como combustível
Adição de
para motores de combustão interna de duas
pequenas
quantidades
Utilização normal do motor a maneiras, uma delas a mistura da gasolina
gasolina.
de álcool com um pouco de álcool, e a outra sendo a
utilização principalmente do álcool como
combustível. Esta seção explica a primeira
Ajuste
principalmente A modificação do motor e a delas.
com álcool alteração
da regulagem são necessárias.

CARACTERÍSTICAS DO
COMBUSTÍVEL ADITIVADO COM
ÁLCOOL
Falha na partida Ferrugem do metal
As características do combustível aditivado
com álcool são diferentes da gasolina ori-
Consumo de
ginal. O uso de álcool se baseia em tais
Combustão anormal combustível
prejudicado características.

Inchaço Alteração das


de borrachas emissões

1. Oxigênio contido
Consumo elevado
Combustão anormal de combustível

Alteração das
Falha na partida emissões

Oxigênio
Álcool

2-5
CAPÍTULO 2 - COMBUSTÍVEIS UTILIZADOS EM MOTORES DE POPA

Álcool
2. Água contida

Gasolina

Água

Álcool

A água e a gasolina se misturam.

3. Outros recursos
O número de Redução nos
octanas é elevado custos de produção

Número de octanas
da gasolina
80 a 100

Número de octanas de
100 ou mais

2-6
CAPÍTULO 3 - SISTEMA DE COMBUSTÍVEL EM MOTORES DE POPA

INTRODUÇÃO
O QUE NÓS APRENDEMOS NO
CAPÍTULO 3
Este capítulo fornece detalhes sobre o siste-
ma de combustível em motores de popa,
desde sua construção até o manuseio de
uma variedade de combustíveis envolvidos.

SIGNIFICADO DE BOM
COMBUSTÍVEL
O QUE É BOM COMBUSTÍVEL
Há diversos tipos de motores de popa e um
Combustível isento combustível apropriado é determinado para
de impurezas
cada um deles. Qualquer combustível deve
ser isento de impurezas, de modo a se obter
a mistura ar-combustível melhor adequada
para o cruzeiro.
Combustível
apropriado

Ar-combustível
apropriados

1. Combustível apropriado
Os motores de popa podem ser classificados
em categorias genéricas de modelos a gaso-
lina e a querosene. Os motores a gasolina
Gasolina de verão
utilizam somente gasolina, enquanto os mo-
tores a querosene utilizam querosene ou ga-
solina conforme a necessidade. Além disso, a
gasolina tornada disponível para uso na tem-
Gasolina de
porada de verão ou de inverno costuma
inverno
atender melhor às necessidades da estação.
Extraia somente o
líquido transparente
2. Combustível isento de impurezas
próximo à superfície.
Uso após O combustível alimentado contém água ou
filtragem
adicional impurezas. Quando utilizado conforme rece-
bido, ele pode obstruir a passagem de com-
bustível com o conseqüente mau-funciona-
mento do motor. Assim, o combustível deve
ser passado através de um filtro para remover
suas impurezas.
Quando a gasolina é deixada sem uso
no interior do tanque, poeira ou água se
acumulam no fundo do tanque.

3-1
CAPÍTULO 3 - COMBUSTÍVEIS UTILIZADOS EM MOTORES DE POPA

3. Mistura ar-combustível apropriada


A condição de cruzeiro e o ambiente circun-
Explicação Ar-
Proporção da mistura
dante determinam a mistura ar-combustível
da operação combustível
melhor adequada para o motor. É importante
Partida do motor 2-5
Uma mistura rica é requerida porque a
temperatura do motor é baixa e o fornecer a mistura ar-combustível ideal.
(a frio) combustível é atomizado insuficientemente.

Baixas rotações/ Utilizam uma proporção ar-combustível no lado


13-14 um pouco mais rico para compensar a
Marcha lenta combustão insuficiente.

Utiliza uma mistura um pouco mais pobre


Funcionamento 14-17 para controlar a combustão desnecessária
normal por causa da baixa carga.

Utiliza uma proporção ar-combustível


mais rica para impedir que a mistura se
Aceleração 7-8 torne pobre porque há um aumento
acentuado na admissão.

Potência Utiliza uma proporção ar-combustível que


12-13 torna a velocidade de combustão a mais
máxima rápida.

CONSTRUÇÃO E FUNÇÃO DO
SISTEMA DE COMBUSTÍVEL
CONSTRUÇÃO E FUNÇÃO DE CADA
PARTE
Tanque de
combustível O sistema de combustível nos motores de
popa é disposto conforme mostrado. O com-
bustível é limpo das impurezas aspiradas do
Carburador tanque de combustível e é alimentado para o
Filtro
motor com boa sincronização.

Bomba de
combustível

1. Tanque de combustível e conexão de


combustível
O tanque de combustível é projetado para
manter o combustível em segurança e para
isso dispõe de vários separadores para refor-
ço. O tanque de combustível também é dota-
do de um respiro para evitar o aumento da
pressão em seu interior.
Combustível
As conexões do tanque, filtro, etc. são de
construção valvulada, de modo que sua remo-
ção não permite que o combustível seja libe-
rado para o exterior.

3-2
CAPÍTULO 3 - COMBUSTÍVEIS UTILIZADOS EM MOTORES DE POPA

2. Bomba primária
A bomba primária atua para melhorar a capa-
cidade de partida de um motor por meio da
pré-alimentação do combustível do tanque
Válvula de retenção (entrada) para o carburador, antes da partida do motor.

Válvula de retenção (saída) Combustível

3. Filtro de combustível
Corpo do filtro
Um filtro de combustível deve ser instalado
Anel de vedação para remover a água e as impurezas do com-
bustível. O filtro serve para acumular as im-
purezas e removê-las.

Elemento
Copo

Elemento

Bomba para motor 4 tempos Bomba para motor 2 tempos


4. Bomba de combustível
As bombas de combustível estão disponíveis
para uso em motores 4 tempos e 2 tempos.
Em ambos os motores 4 tempos e 2 tempos,
o diafragma desenvolve uma pressão que
força o combustível a fluir em uma direção
através de uma válvula. A única diferença
entre as bombas nos motores 2 tempos e 4
tempos está no modo como o diafragma é
operado.

3-3
CAPÍTULO 3 - COMBUSTÍVEIS UTILIZADOS EM MOTORES DE POPA

1) Bomba para motor 4 tempos


Em um motor 4 tempos, o diafragma é alter-
nado mecanicamente por meio de um came
que possibilita o desenvolvimento da pres-
são.

Combustível

Combustível

Carburador 2) Bomba para motor 2 tempos


Em um motor 2 tempos, o diafragma é alter-
nado por meio da pressão da pulsação na
Combustível
carcaça do motor, de modo a possibilitar o
Pressão positiva desenvolvimento da pressão.
Pressão negativa

Carburador

Combustível
Pressão positiva
Pressão negativa

5. Produção da mistura ar-combustível


A mistura ar-combustível é produzida por um
carburador ou um injetor. Para detalhes, con-
Carburador sulte o Capítulo 9 FI/HPDI.

3-4
CAPÍTULO 3 - COMBUSTÍVEIS UTILIZADOS EM MOTORES DE POPA

COMPATIBILIDADE COM
QUEROSENE
SOBRE O COMBUSTÍVEL QUEROSENE
Os motores de popa Yamaha utilizados em
algumas áreas são modelos a querosene.
Estes modelos não são realmente operados
por querosene apenas, mas por uma combi-
nação de querosene e gasolina. Os recursos
são explicados aqui.

MOTOR
Esta tabela mostra uma comparação das es-
pecificações de um motor a querosene e de
um motor a gasolina regular.
Modelo a querosene Modelo à gasolina
regular
Nome do modelo EK25BMH E25BMH
Mid (kW) 18,4 18,4
r/min 5000 5000
Saída (PS) 25 25
Faixa rotacional 4500 4500
(baixa)
Faixa rotacional
(alta) 5500 5500
Consumo de
combustível 13,8 (gal/km) 11

Faixa rotacional 5500 5500


Tipo de motor 2 tempos 2 tempos
Cilindro (mm) 72 72
Curso (mm) 61 61
Cilindrada (cm3) 496 496
Taxa de compressão 5,3 6,2
Enriquecimento da
Partida Enriquecedor de partida Tipo válvula de afogador
Ponto de ignição PMS – 22° APMS 2° DPMS – 22° APMS
Combustível para uso Querosene e gasolina regular Gasolina regular
Proporção da mistura 30:1 50:1

Admissão (gasolina) 1. COMPARAÇÃO COM MOTOR A


Admissão (querosene)
GASOLINA
Filtro (gasolina) O motor a querosene consiste de um motor a
Filtro (querosene)
gasolina ao qual são adicionadas algumas
peças específicas para o uso com querosene.
O carburador é diferente.
Bomba de
combustível para 2 sistemas

3-5
CAPÍTULO 3 - COMBUSTÍVEIS UTILIZADOS EM MOTORES DE POPA

BOMBA DE COMBUSTÍVEL
A bomba de combustível do motor a querosene
é de construção integral e permite o fluxo dos
dois combustíveis, querosene e gasolina.

1. Pressão positiva

Gasolina
Querosene
Pressão positiva
Pressão negativa

2. Pressão negativa

Gasolina
Querosene
Pressão positiva
Pressão negativa

CARBURADOR
O carburador do motor a querosene é equipado
com duas cubas da bóia, uma de tamanho grande
(para o querosene) e a outra de tamanho pequeno
(para a gasolina). Ambos os combustíveis são
alimentados em uma proporção variável que
depende da condição de operação do motor.
Passagem Êmbolo do
enriquecedor de partida
1. Partida
Saída

Porção do êmbolo
Giclê do enriquecedor de partida
Ar
Gasolina Circuito do enriquecedor de partida
Misturas ar-combustível

Saída da marcha lenta


Saída da marcha lenta
2. Baixa velocidade
Giclê de
marcha lenta

Giclê de ar
da marcha lenta

Câmara de mistura
Giclê de
marcha lenta

Ar
Gasolina Bóia (gasolina)
Misturas ar-combustível
Em operação em baixa velocidade

3-6
CAPÍTULO 3 - COMBUSTÍVEIS UTILIZADOS EM MOTORES DE POPA
Saída da marcha lenta 3. Em operação à toda velocidade
Desvio Saída da marcha lenta

Pulverizador

Pulverizador

Querosene
Misturas ar-combustível
Ar
Gasolina
Misturas
Em operação em velocidade intermediária
ar-combustível

4. Em operação em velocidades interme-


diária/alta

Giclê de ar principal

Giclê de ar principal

Querosene
Misturas ar-combustível Pulverizador
Ar
Giclê principal
Gasolina
Misturas
Em operação a toda velocidade
ar-combustível

3-7