Vous êtes sur la page 1sur 6

CÁLCULO ESTRUTURAL DE UMA MOEGA PARA RECEBIMENTO DE GRÃOS

DETERMINAÇÃO DAS SOBRECARGAS PRODUZIDAS PELOS CAMINHÕES

(Por Luis Alberto Galdames Márquez, Arquiteto Técnico)


http://arquitetotecnico.blogspot.com.br/

LIMITES LEGAIS

O CONTRAN (CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO), através das Resoluções nº 12/98, 184/05 e nº


62/98, regulamentou os artigos 99 e 100 do Código de Trânsito Brasileiro, nos quais constam os
limites para dimensões, peso bruto total e peso por eixo, que devem ser observados para todos os
veículos de carga que circulam nas vias terrestres.

A lei 7.408/85 determinou que fosse atribuída uma tolerância de 5% ao limite de 45.000 kg para o
PBT, passando o limite para a autuação para 47.250 kg.

Através da Resolução nº 104 de 21/12/99, o CONTRAN alterou a tolerância para o excesso de peso
por eixo de 5% para 7,5%.

PESOS MÁXIMOS

Peso Bruto Total por unidade ou combinação de veículos = 45 t


Pesos Máximos por Eixo

PESOS MÁXIMOS EM CAMINHÕES


PESOS MÁXIMOS EM CAMINHÕES (Resolução nº 12/98 artigo 2º CONTRAN) PESOS MÁXIMOS NAS RODAS
CARGA EM
QTDE. DE CARGA EM
EIXO / CADA EIXO
ENTRE-EIXOS CARGA TOLERÂNCIA EIXOS DE CADA LADO
CONJUNTO RODAGEM SUSPENSÃO DE RODAS
(m) (kg) (7,5%) RODA NO DO EIXO DE
DE EIXOS NO
CONJUNTO RODAS
CONJUNTO
Isolado simples - - 6.000 6.450 1 6.450 3.225
Isolado dupla - - 10.000 10.750 1 10.750 5.375
Duplo simples direcional - 12.000 12.900 2 6.450 3.225
Duplo dupla tándem >1,20 ou 2,40 17.000 18.280 2 9.140 4.570
não em
Duplo dupla tándem >1,20 ou 2,40 15.000 16.130 2 8.065 4.033
Duplo simples+dupla especial 1,2 9.000 9.680 2 4.840 2.420
Duplo simples+dupla especial >1,20 ou 2,40 13.500 14.520 2 7.260 3.630
Duplo Extralarga pneumática >1,20 ou 2,40 17.000 18.280 2 9.140 4.570
Triplo dupla tándem >1,20 ou 2,40 25.500 27.420 3 9.140 4.570
Triplo Extralarga pneumática >1,20 ou 2,40 25.500 27.420 3 9.140 4.570
DIMENSÕES DOS CAMINHÕES

Para a determinação das dimensões e classes de veículos usados no transporte de grãos no Brasil,
baseei-me na Tese de Doutoramento de Lorenzo A. Ruschi e Luchi em 2006, “Reavaliação do Trem-
Tipo a Luz das Cargas Reais nas Rodovias Brasileiras”. Esta tese foi utilizada na coleta de dados para
subsidiar a revisão da norma ABNT NBR 7188, “Carga Móvel Rodoviária e de Pedestres em Pontes,
Viadutos, Passarelas e outras Estruturas”

Segundo dita tese, os veículos utilizados no transporte de areias e grãos, são os da classe 2S3 e 3S3
(denominações segundo o código adotado pelo DER-SP e pelo DENIT) (pág. 37). Os veículos 2S3 e
3S3 possuem duas configurações possíveis. Uma curta, como caminhão basculante, destinada ao
transporte de areia e brita e outra mais longa, destinada a mercadorias com menor densidade
(grãos) (pág. 131).

Os comprimentos e distâncias entre eixos considerados são os apresentados na tabela a seguir (pág.
132 e pág. 133):

DISTÂNCIAS ENTRE EIXOS (m)


CLASSE CONFIGURAÇÃO
d1 d2 d3 d4 d5 d6 Compr.

2S3L
1,5 4,5 6,5 4,0 - - 16,5
(longo)

3S3L
1,5 5,0 7,0 3,5 - - 17,0
(longo)

CARGAS MÁXIMAS NAS RODAS DOS CAMINHÕES

Na classe 2S3L temos uma configuração com um conjunto de eixos triplo no semi-reboque e eixo
traseiro simples no caminhão trator, sendo que os pesos em cada lado desses conjuntos de
eixos/eixos seriam 9.140 kg. e 10.750 kg. respectivamente. Trasladando os pesos de cada conjunto
de eixos/eixo para os eixos das rodas resulta que as rodas do conjunto de eixos do semi-reboque
tem uma carga de 4.570 kg. de cada lado, e as rodas do eixo traseiro do caminhão trator tem uma
carga de 5.375 kg. de cada lado. No eixo dianteiro do caminhão a carga seria de 3.225 kg. em cada
lado.

2S3L

3,225T 5,375T 4,57T 4,57T 4,57T

1,5 4,5 6,5 4


Na classe 3S3L temos uma configuração com um conjunto de eixos triplo no semi-reboque e um
conjunto de eixos traseiro duplo no caminhão trator, sendo que o peso em cada lado desses
conjuntos de eixos seria 9.140 kg, tanto em um como no outro. Trasladando os pesos de cada
conjunto de eixos para os eixos das rodas resulta que as rodas de ambos conjuntos de eixos tem uma
carga de 4.570 kg. de cada lado. No eixo dianteiro do caminhão a carga seria de 3.225 kg. em cada
lado.

3S3L

3,225T 4,57T 4,57T 4,57T 4,57T 4,57T

1,5 5 7 3,5

No caso dos conjuntos de eixos duplo e triplo, a distancia entre os eixos das rodas deve ser maior do
que 1,20 m. e menor ou igual a 2,40 m. Considerando que o momento fletor na viga é tanto maior
quanto mais próximas se encontrarem as cargas, adotaremos para o cálculo una distancia de 1,20 m.
entre os eixos das rodas. Sendo assim, os esquemas de cargas em cada lado dos eixos de rodas para
as duas classes de veículos seriam os seguintes:

2S3L 3S3L

3,225T 5,375T 4,57T 4,57T 4,57T 3,225T 4,57T 4,57T 4,57T 4,57T 4,57T

4,5 5,3 1,2 1,2 4,4 1,2 5,2 1,2 1,2

Pode-se ver que o veículo 3S3L, apresenta um esquema de cargas mais desfavorável, já que, sendo
as distâncias entre eixos de rodas quase iguais (4,5/4,4 e 5,3/5,2), as cargas no eixo traseiro do
caminhão são bem maiores (5,375 T frente a 4,57 T + 4,57 T), e por tanto as solicitações na viga
também serão maiores.

Por tanto usaremos o esquema de cargas do veículo 3S3L para a determinação das cargas.
HIPÓTESES CONSIDERADAS

As hipóteses de carga podem ser quase infinitas, mas visando uma maior simplicidade no cálculo,
vamos considerar somente aquelas que produzem os maiores esforços nas vigas, e que
aconteceriam quando os carregamentos máximos estivessem nos centros dos vãos.

Consideraremos as cargas do grupo de eixos traseiro do caminhão (que denominamos EIXO 1) e as


cargas do grupo de eixos do semi-reboque (que denominamos EIXO 2). Desconsideramos as
situações de carga produzidas no eixo dianteiro do caminhão por considerá-las incluídas nas outras
hipóteses.

Considerando como hipóteses mais desfavoráveis aquelas nas quais as cargas localizam-se no centro
do vão, poderemos ter carregados os dois vãos principais, um só vão, ou nenhum, resultando as
seguintes hipóteses:

- CAMINHÃO 1
o Circulando no sentido +X
 EIXO 1 no centro do vão 2 + EIXO 2 no centro do vão 1 - CAMINHÃO 1 (1)
 EIXO 1 fora da moega + EIXO 2 no centro do vão 2 - CAMINHÃO 1 (2)
o Circulando no sentido –X
 EIXO 1 no centro do vão 1 + EIXO 2 no centro do vão 2 - CAMINHÃO 1 (3)
 EIXO 1 fora da moega + EIXO 2 no centro do vão 1 - CAMINHÃO 1 (4)
- CAMINHÃO 2
o Circulando no sentido +X
 EIXO 1 no centro do vão 4 + EIXO 2 no centro do vão 3 - CAMINHÃO 2 (1)
 EIXO 1 fora da moega + EIXO 2 no centro do vão 4 - CAMINHÃO 2 (2)
o Circulando no sentido –X
 EIXO 1 no centro do vão 3 + EIXO 2 no centro do vão 4 - CAMINHÃO 2 (3)
 EIXO 1 fora da moega + EIXO 2 no centro do vão 3 - CAMINHÃO 2 (4)

VIGAS
CAMINHÃO 1 VÃO 1 VÃO 2

VIGAS
CAMINHÃO 2 VÃO 3 VÃO 4

As hipóteses do CAMINHÃO 1 não são combináveis entre si.


As hipóteses do CAMINHÃO 2 não são combináveis entre si.
As hipóteses do CAMINHÃO 1 são todas combináveis com as hipóteses do CAMINHÃO 2.
COMBINAÇÕES DE HIPÓTESES

1: + + + + + + + +
2: Qa + + + + + + + +
3: + CAMINHÃO 1 (1) + + + + + + +
4: Qa + CAMINHÃO 1 (1) + + + + + + +
5: + + CAMINHÃO 1 (2) + + + + + +
6: Qa + + CAMINHÃO 1 (2) + + + + + +
7: + + + CAMINHÃO 1 (3) + + + + +
8: Qa + + + CAMINHÃO 1 (3) + + + + +
9: + + + + CAMINHÃO 1 (4) + + + +
10: Qa + + + + CAMINHÃO 1 (4) + + + +
11: + + + + + CAMINHÃO 2 (1) + + +
12: Qa + + + + + CAMINHÃO 2 (1) + + +
13: + CAMINHÃO 1 (1) + + + + CAMINHÃO 2 (1) + + +
14: Qa + CAMINHÃO 1 (1) + + + + CAMINHÃO 2 (1) + + +
15: + + CAMINHÃO 1 (2) + + + CAMINHÃO 2 (1) + + +
16: Qa + + CAMINHÃO 1 (2) + + + CAMINHÃO 2 (1) + + +
17: + + + CAMINHÃO 1 (3) + + CAMINHÃO 2 (1) + + +
18: Qa + + + CAMINHÃO 1 (3) + + CAMINHÃO 2 (1) + + +
19: + + + + CAMINHÃO 1 (4) + CAMINHÃO 2 (1) + + +
20: Qa + + + + CAMINHÃO 1 (4) + CAMINHÃO 2 (1) + + +
21: + + + + + + CAMINHÃO 2 (2) + +
22: Qa + + + + + + CAMINHÃO 2 (2) + +
23: + CAMINHÃO 1 (1) + + + + + CAMINHÃO 2 (2) + +
24: Qa + CAMINHÃO 1 (1) + + + + + CAMINHÃO 2 (2) + +
25: + + CAMINHÃO 1 (2) + + + + CAMINHÃO 2 (2) + +
26: Qa + + CAMINHÃO 1 (2) + + + + CAMINHÃO 2 (2) + +
27: + + + CAMINHÃO 1 (3) + + + CAMINHÃO 2 (2) + +
28: Qa + + + CAMINHÃO 1 (3) + + + CAMINHÃO 2 (2) + +
29: + + + + CAMINHÃO 1 (4) + + CAMINHÃO 2 (2) + +
30: Qa + + + + CAMINHÃO 1 (4) + + CAMINHÃO 2 (2) + +
31: + + + + + + + CAMINHÃO 2 (3) +
32: Qa + + + + + + + CAMINHÃO 2 (3) +
33: + CAMINHÃO 1 (1) + + + + + + CAMINHÃO 2 (3) +
34: Qa + CAMINHÃO 1 (1) + + + + + + CAMINHÃO 2 (3) +
35: + + CAMINHÃO 1 (2) + + + + + CAMINHÃO 2 (3) +
36: Qa + + CAMINHÃO 1 (2) + + + + + CAMINHÃO 2 (3) +
37: + + + CAMINHÃO 1 (3) + + + + CAMINHÃO 2 (3) +
38: Qa + + + CAMINHÃO 1 (3) + + + + CAMINHÃO 2 (3) +
39: + + + + CAMINHÃO 1 (4) + + + CAMINHÃO 2 (3) +
40: Qa + + + + CAMINHÃO 1 (4) + + + CAMINHÃO 2 (3) +
41: + + + + + + + + CAMINHÃO 2 (4)
42: Qa + + + + + + + + CAMINHÃO 2 (4)
43: + CAMINHÃO 1 (1) + + + + + + + CAMINHÃO 2 (4)
44: Qa + CAMINHÃO 1 (1) + + + + + + + CAMINHÃO 2 (4)
45: + + CAMINHÃO 1 (2) + + + + + + CAMINHÃO 2 (4)
46: Qa + + CAMINHÃO 1 (2) + + + + + + CAMINHÃO 2 (4)
47: + + + CAMINHÃO 1 (3) + + + + + CAMINHÃO 2 (4)
48: Qa + + + CAMINHÃO 1 (3) + + + + + CAMINHÃO 2 (4)
49: + + + + CAMINHÃO 1 (4) + + + + CAMINHÃO 2 (4)
50: Qa + + + + CAMINHÃO 1 (4) + + + + CAMINHÃO 2 (4)

Centres d'intérêt liés