Vous êtes sur la page 1sur 5

Drenagem Linfática

Sua finalidade principal é esvaziar os líquidos exsudados e os resíduos metabólicos


pelo meio de manobras nas vias linfáticas e nos linfonodos. As indicações da drenagem
linfática tem-se ampliado, mas nem sempre são realizados de um modo correto.

Para que seja realizado de um modo correto e com finalidade científica é importante o
conhecimento da anatomia e funcionamento do sistema linfático e a correta indicação
da patologia.

Pode ser manual ou realizada por aparelhos.

O sistema linfático representa uma via auxiliar de drenagem do sistema venoso.

A linfa é transportada, via capilares linfáticos, para os vaso linfáticos, os quais


possuem válvulas que operam em apenas uma direção, similares às válvulas
existentes nas veias que existem no sistema circulatório. Finalmente dutos mais
largos transportam a linfa para as veias subclaviculare.

Líquidos provenientes do interstício (entre tecidos) são devolvidos ao sangue através


da circulação linfática, que está ligada à circulação sangüinea e aos líquidos teciduais.

O Sistema Linfático é Composto por:

Linfa

Via linfáticas

• Capilares linfáticos
• Vasos linfáticos
• Troncos linfáticos

Tecidos Linfóides

• Gânglios linfáticos
• Baço
• Amídalas
• Timo

Quando ocorre traumatismo com secção (corte) de partes moles, ocorre a formação de
novos vasos linfáticos. Assim, a exemplo dos casos de cirurgia que afetam os vasos
linfáticos, a formação de novos vasos ocorre em uma semana, restabelecendo a
drenagem.

Edema Persistente
Geralmente, quando ocorre lesão mais extensa, ou, em casos de infecção importante
que venha a prejudicar a formação de novos vasos linfáticos, pode instalar-se um
quadro de edema persistente.

A circulação sangüinea realiza um "circuito fechado". A circulação linfática (em anexo)


de sua rede é imensa, constituída por "lagos" ou sinus no interior dos tecidos e dos
órgãos, seguidos por vasos de diversos tamanhos , a rede linfática é duas vezes mais
extensa que a rede sangüinea.

A linfa é colocada em movimento pelo mesmos movimentos de massagem que fazem o


sangue circular no sistema venoso. A grande diferença é que o sistema por onde o
sangue circula possui uma "bomba", o coração, que bombeia o sangue fazendo com
que este circule. Já no sistema linfático não existe esta "bomba" para que a linfa
possa circular como o sangue, portanto para que a linfa se movimente dentro do
sistema linfático ela deve ser estimulada por movimentos dos tecidos e dos órgãos do
corpo. Daí a massagem de drenagem linfática ser de grande valia para o organismo
pois através de movimentos coordenados e precisos, a linfa é colocada em movimento
trazendo vários benefícios que veremos mais adiante.

É uma circulação lenta. Perde velocidade com qualquer alteração nos tecidos que
esmaguem os delicados vasos, como edemas, hematomas, contrações musculares,
baixa pressão sangüinea e outras alterações.

É bastante ramificada ao nível de sua rede superficial, dérmica, que se interconecta


com sua rede profunda, quanto ao nível de suas múltiplas conexões ganglionares.

A imunidade adquirida é conseqüência do tecido linfóide, localizado principalmente nos


linfonodos, como também no baço, nas áreas submucosas do aparelho gastrintestinal,
na medula óssea.

Devido à distribuição do tecido linfóide pelo corpo, os organismos invasores ou toxinas


são indentificados antes que passem a se espalhar muito pelo corpo.

Os linfonodos são estruturas iumunologicamente ativas e estão organizadas em grupos


no trajeto dos vasos linfáticos.

São eles:

• Cervicais
• Axilares
• inguinais

Há também os:

• os occipitais
• retro-auriculares
• parotídeos
• submandibulares
• mediastinais
• mesentéricos
• poplíteos
• e outros...

Quando a linfa passa pelos linfonodos, ela é filtrada de toda a substância estranha que
fica "presa" no linfonodo.

A composição da linfa é bastante variável, pois ela vai coletando substância ao longo
do seu trajeto pelo corpo.

O método de drenagem linfática manual foi desenvolvido em 1932 pelo terapeuta


dinamarquês Vodder que trabalhava junto com sua esposa na Riviera Francesa.

Vodder observou que a maioria de seus pacientes sofria de constipação, retenção de


líquidos e apresentavam os gânglios linfáticos alterados. Ele passou a tratar estes
pacientes intuitivamente com massagens que estimulavam estes gânglios atingindo
grandes êxitos com diversos pacientes.

Seu método foi desenvolvido e se tornou muito eficaz. Hoje em dia, a drenagem
linfática manual é usada na estimulação da circulação linfática que ajuda o corpo a
eliminar toxinas e na nutrição dos tecidos. A estagnação dos gânglios linfáticos pode
causar dor. Embora todos os tipos de massagem estimulem a corrente linfática, a
técnica de Vodder é focada na drenagem do excesso linfático.

A drenagem linfática é basicamente composta de dois processos ou procedimentos que


visam transportar e remover esse líquido de edema de volta à circulação sanguínea,
são eles:

Evacuação: é o processo que se realiza em gânglios (ou linfonodos) e em outras vias


linfáticas com o objetivo de descongestioná-los.

Captação: é a drenagem propriamente dita que é realizada principalmente dos locais


de edema em direção à desembocadura mais próxima.

As manobras da drenagem linfática manual são basicamente as seguintes:

Círculos com os dedos ou com as mãos;


Círculos com o polegar;
Movimentos combinados;
Pressão em bracelete.

Ação Fisiológica das Manobras de Drenagem

• Dinamização do peristaltismo dos coletores e, consequentemente, aumento do


ritmo natural que se prolonga por horas após a drenagem.
• Desentupimento sistemático das vias de acesso à região afetada
• Reorganização minuciosa da organização conjuntiva.
• Solicitação máxima da reabsorção
• Eliminação progressiva nas principais zonas de drenagem da estase
(estagnação) dos tecidos e de todos os resíduos tóxicos resultantes do
traumatismo.
Efeitos Positivos

• Melhor oxigenação
• Melhora a defesa e ação antiinflamatória
• Aumento do potencial reparador
• Dinamização de todos os processos catalisadores de uma boa cicatrização

Indicação Para Drenagem Linfática Corporal

A drenagem linfática manual é indicada nos seguintes casos:

• Linfedemas
• Lipedemas
• Fleboedemas
• Edemas pós-operatórios e pós-traumáticos
• Edemas cíclicos idiopáticos, pré-menstruais, intragestacionais e outros
• Tratamento ou prevenção de diversos distúrbios, seqüelas ou patologias que
envolvem as áreas de angiologia, oncologia, ortopedia e traumatologia,
reumatologia, ginecologia e obstetrícia, pré e pós cirurgias, ortomolecular,
stress, esporte, estética, dentre tantas outras.
• Pré e pós-cirurgia plástica
• Tratamentos de revitalização facial

-Sempre que se desejar aumento do retorno do linfático.

Contra Indicações

A drenagem linfática manual é contra-indicada nos seguintes casos:

• -Infecções agudas; insuficiência cardíaca descompensada; flebites; tromboses;


tromboflebites; síndrome seno carotídeo; hipertensão; certos tipos de afecções
da pele; câncer, asma brônquia e bronquite asmática; hipertiroidísmo; parte do

corpo inchada, dolorida, avermelhada, sensação de mal-estar.