Vous êtes sur la page 1sur 51

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UDF

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA


PROJETO DE MÁQUINAS

PROJETO DE UM ELEVADOR

Breno Arantes, Daniel Fernandes, Felipe Lucchesi, Fernando


Augusto, Gabriel, Igor Cruz, Leonardo Drummond, Marcella
Monique, Maurício Simões, Míbsão Esdras, Mirela Avancini,
Rodrigo Alkimim

Brasília, novembro de 2017


CENTRO UNIVERSITÁRIO - UDF
GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA
PROJETO DE MÁQUINAS

Breno Arantes, Daniel Fernandes, Felipe Lucchesi, Fernando


Augusto, Gabriel, Igor Cruz, Leonardo Drummond, Marcella
Monique, Maurício Simões, Míbsão Esdras, Mirela Avancini,
Rodrigo Alkimim

PROJETO DE UM ELEVADOR

Trabalho apresentado a disciplina de Projeto de Máquinas


com o intuito de composição de nota.

Orientador: Prof. Ms. Tiago Bortoli

Novembro de 2017
Brasília
Lista de ilustrações

Figura 1 – Especificações em ordem de importância . . . . . . . . . . . . . . . . . 13


Figura 2 – Painel de botões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Figura 3 – Dimensões da cabina por lotação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Figura 4 – Mapa mental com etapas do projeto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Figura 5 – Gráfico de Gantt . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Figura 6 – Componentes do elevador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Figura 7 – Quadro de comando eletrônico do elevador . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Figura 8 – Conjunto motor e redutor para tração da cabina com cabos de aço . . 32
Figura 9 – Sistema Gearless (ausência de caixa de engrenagem) . . . . . . . . . . 32
Figura 10 – Limitador de velocidade na casa de máquinas. . . . . . . . . . . . . . . 33
Figura 11 – Motor escolhido para aquisição. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Figura 12 – Porta do elevador com abertura lateral. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Figura 13 – Cabine do elevador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Figura 14 – Contrapeso do elevador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Figura 15 – Desenho completo do sistema de cabine contrapeso e porta. . . . . . . 45
Figura 16 – Contrapeso especificações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
Figura 17 – Demonstrativo orçamento do projeto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Lista de tabelas

Tabela 1 – Requisitos do cliente ao longo do ciclo de vida . . . . . . . . . . . . . . 11


Tabela 2 – Requisitos e especificações do projeto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
Tabela 3 – Variaveis da fórmula . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Tabela 4 – Índices de tributos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Lista de abreviaturas e siglas

Pescont Peso do Contrapeso

Pescab Peso da cabine

Apiso Área do piso do elevador

B Largura

C Comprimento

Q Carga pessoas

C Capacidade

Ftmáx Força de tração máxima

Potestmaq Potência estática da máquina

Pestot Peso total

Psuptotal Peso total suportado

F Fator dependente da composição do cabo

A Área do cabo

d Diâmetro do cabo

ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas

NBR Norma Brasileira

LCD Liquid Crystal Display

PVC Policloreto de vinila

VAC Voltage com corrente alternada

VDC Voltage com corrente direta


Lista de símbolos

𝜂 Rendimento

𝑔 Gravidade

𝑎 Aceleração

𝑣 Velocidade

𝑚 Massa

𝑐𝑣 Cavalos

𝑘𝑊 Quilowatts

𝑘𝑔𝑓 Quilograma-força

𝑘𝑔 Quilograma

Polegada
Sumário

1 INTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.1 Contextualização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.1.1 Conceito do elevador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.2 Premissas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.2.1 Requisitos do cliente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.2.2 Requisitos do Projeto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.2.3 Hierarquizar os requisitos do projeto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.3 Objetivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.4 Ergonomia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.4.1 Operação de porta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.4.2 Localização e características do painel de botões . . . . . . . . . . . . . . 14
1.4.3 Dimensões da cabina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
1.4.4 Iluminação mínima . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
1.4.5 Piso da cabina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
1.4.6 Corrimão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.4.7 Abertura de porta e altura do pé direito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.5 Legislação elevadores de passageiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.5.1 Legislações municipais e federais: leis e decretos . . . . . . . . . . . . . . 17
1.5.1.1 Código do Direito do Consumidor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.5.1.2 Legislação do Sistema CONFEA/CREA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.5.2 Normas Técnicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18

2 ESTRUTURA ANALÍTICA DO PROJETO . . . . . . . . . . . . . . 19

3 CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

4 DESCRITIVO TÉCNICO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
4.1 Componentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
4.1.1 Cabo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
4.1.2 Tambor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
4.1.3 Contrapeso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
4.1.4 Para-Choques . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
4.1.5 Painel de controle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
4.1.6 Operador de porta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
4.1.7 Cabina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
4.1.8 Sinalização de cabina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
4.1.8.1 Botoeira: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
4.1.9 Sinalização de pavimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
4.1.9.1 Sensor de posição: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
4.1.9.2 Botoeira de pavimento: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
4.1.10 Porta de pavimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
4.1.11 Guias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
4.1.12 Segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
4.1.13 Máquina de tração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
4.1.14 Limitadores de velocidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
4.2 Mecanismo de funcionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
4.2.1 Mecânico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
4.2.2 Eletromecânico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
4.2.3 Eletrônico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
4.2.4 Dispositivos de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
4.2.4.1 Avental protetor da cabina: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
4.2.4.2 Lustre para o fundo do poço: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
4.2.4.3 Dispositivos de destravamento das portas de andares: . . . . . . . . . . . . . . 27
4.2.4.4 Iluminação e alarme de emergência: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
4.2.4.5 Chave-geral para a casa de máquinas: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
4.2.4.6 Protetor de polia da fita seletora: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
4.2.4.7 Protetor de polia do limitador de velocidade: . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
4.2.4.8 Escada de marinheiro para o fundo do poço: . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
4.2.4.9 Protetor de polia do topo do carro: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
4.2.4.10 Chave de inspeção no topo do carro: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
4.2.4.11 Redutor de velocidade em modo de inspeção: . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

5 ANÁLISE TEÓRICA TÉCNICA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29


5.1 Dimensionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
5.1.1 Teoria de contrapeso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
5.1.2 Teoria de motores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
5.1.2.1 Casa de máquinas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
5.1.2.1.1 Quadro de comando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
5.1.2.1.2 Conjunto motor redutor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
5.1.2.1.3 Limitador de velocidade .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
5.1.2.1.4 Outros componentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
5.1.2.2 Introdução aos tipos de máquinas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
5.1.2.3 Dimensionamento dos motores redutores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
5.1.3 Teoria de cabos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

6 DESIGN . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
6.1 Memorial de cálculos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
6.1.1 Contrapeso dimensionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
6.1.2 Motor elétrico dimensionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
6.1.3 Cabo de aço dimensionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
6.2 Desenhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42

7 MERCADO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
7.1 Estudo de viabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
7.2 Orçamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
7.2.1 Fórmula adotada pelo TRT4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
7.2.2 Tributação (TRIB) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49

8 CONCLUSÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50

REFERÊNCIAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
10

1 Introdução

1.1 Contextualização
1.1.1 Conceito do elevador
Por definição, um elevador é uma plataforma ou uma cabina que se movimenta em
um eixo vertical para transportar pessoas. Segundo Rudenko, a cabina deve ser inteira-
mente fechada e provida de portas de saída, em um ou dois lados. Deve ser sólida, leve e de
projeto simples. Um elevador elétrico de cabina compreende as seguintes partes principais:
carro, trilhos-guias independentes, poço, contrapeso, dispositivos de suspensão, máquina
elevadora, dispositivos de segurança e controle elétrico. As características essenciais que
definem o elevador de passageiros são sua velocidade nominal e a lotação da cabina. De-
terminadas as varáveis, define-se quais equipamentos comporão o elevador. Comumente,
segundo Vetra Elevadores, um elevador é composto por seis conjuntos básicos, conforme
a seguir:
Cabina – Compartimento onde ficam as pessoas e/ou a carga a ser transportada.
Informa-se, no interior, a lotação máxima (número máximo de passageiros) ou o peso total
(carga máxima permitida);
Máquina de tração, limitador de velocidade e quadro de comando - equipamentos
necessários ao funcionamento. O motor apoiado nas guias (trilhos do elevador) e o quadro
de comando embutido ao lado da porta do primeiro ou do último pavimento;
Contrapeso – Componente cuja função é reduzir a força necessária para se elevar
a cabina, bem como proporcionar a desaceleração da velocidade do elevador durante a
descida. Deve ter peso correspondente entre 40 % a 50 % da capacidade máxima de carga
do elevador mais o peso da cabine;
Caixa de Corrida ou Passadiço – Parte da edificação na qual a cabina e o contrapeso
se movimentam (subindo ou descendo entre os andares), deslizando entre um conjunto de
guias que é delimitado nos extremos superior e inferior pelo espaço do motor, da caixa de
comando e o piso do fundo do poço;
Patamar ou Pavimento de Acesso – Locais de parada da cabina para entrada
ou saída de passageiros ou carga, onde se posiciona as portas do elevador, sinalização e
botoeiras de pavimento;
Fundo do Poço – Parte inferior da caixa de corrida (fosso do elevador) onde ficam
instalados dispositivos de segurança como o uso de inversores de frequência que permitem
suavidade da viagem e ganho de precisão de paragem;
Capítulo 1. Introdução 11

1.2 Premissas
Para desenvolver um sistema de elevação vertical elétrico, diferentes estudos e
cálculos deverão ser realizados, considerando as especificidades desse projeto. As especifi-
cações são de fundamental importância para a fase seguinte.
Essa fase é tida como a mais importante, pois é a etapa do processo do projeto
gerado a partir de uma necessidade detectada, e a concepção de um produto que atenda,
da melhor maneira possível, essa necessidade (FORCELLINI, 2002).

1.2.1 Requisitos do cliente


Os requisitos obtidos através de uma entrevista com o cliente e classificados ao
longo do ciclo de vida do produto.

Tabela 1 – Requisitos do cliente ao longo do ciclo de vida

Ciclo de vida Requisitos do cliente

Projeto Ser instalado em poço existente


Capacidade para seis pessoas
Material resistente
Energia elétrica
Projeto com baixo custo

Fabricação e montagem O elevador será fabricado e montado no próprio local

Operação Operação segura para todos passageiros


Operação simples

Manutenção Não parar de funcionar


Espaço acessível aos componentes do elevador
Fácil manutenção
Sem necessidade de lubrificação

1.2.2 Requisitos do Projeto


Nessa etapa do projeto foi elaborado o desdobramento dos requisitos do cliente em
requisitos do projeto.
Capítulo 1. Introdução 12

Tabela 2 – Requisitos e especificações do projeto

Requisitos Especificações do Projeto

Dimensão do poço em milímetros 1600 x 1600


Carga em quilograma Capacidade máxima 450
Tipo de material da cabina Material Aço inox 304
De acordo com as normas Normas SAE, ANSI e ABNT
Tensão e tipo de rede Tensão de 380 volts
Custo Orçamento do projeto até R$ 70.000,00
Mecanismo A porta com abertura lateral (AL)
Comando Comando automático coletivo
seletivo na subida e na descida
Tempo de manutenção 40 minutos
Número de peças reservas 1 peça
Tipo de sistema de lubrificação Sistema autolubrificante

1.2.3 Hierarquizar os requisitos do projeto


Foram realizadas as especificações do projeto em ordem de importância, através
da fase informacional da metodologia de projeto.
Capítulo 1. Introdução 13

Figura 1 – Especificações em ordem de importância


Elaborado pelo próprio grupo
Capítulo 1. Introdução 14

1.3 Objetivo
Projetar um sistema de elevação vertical elétrico (também chamado de eletrome-
cânico), com capacidade para seis pessoas, em um prédio residencial de dez pavimentos,
ressaltando componentes como: cabo, contrapeso e motor. O desenvolvimento do projeto
será realizado de acordo com as etapas contidas no fluxograma (fiigura 4), devendo haver
intercâmbio entre os integrantes da equipe, bem como o acompanhamento por parte do
cliente.

1.4 Ergonomia
O padrão de ergonomia estabelece características que são necessárias para a de-
vida utilização dos recursos do elevador. Os pré requisitos determinam que o elevador
deve comportar 6 pessoas e que seja de uso compartilhado com pessoas portadoras de
deficiência. Com base nesses dados e nas normas ABNT NBR 13994 de maio de 2000,
NBR NM-207, serão definidos os parâmetros a seguir: abertura de porta, altura do pé
direito, localização e características do painel de botões, operação de porta, dimensão da
cabina, corrimão, revestimento do piso da cabina e iluminação mínima.

1.4.1 Operação de porta


Segundo a norma para permitir que os usuários entrem e saiam do elevador sem
obstruções ou retardamentos, o tempo de porta aberta deve ser ajustável entre 5 s e 15 s.
O tempo de porta aberta pode ser reduzido usando um botão de fechamento de porta na
cabina ou por outros meios no controle. As portas devem ter um sistema de reabertura no
caso de qualquer obstrução durante o movimento de fechamento. O sistema de reabertura
deve atuar sem necessidade de contato físico de pessoa ou objeto na entrada, nas alturas
de 50 mm até 1 200 mm acima do nível do piso da cabina com mínimo de 16 feixes de
luz.

1.4.2 Localização e características do painel de botões


O painel de botões deve estar localizado no painel lateral direito de quem está de
frente para o elevador. A linha de centro horizontal da parte ativa do botão mais baixo
deve estar localizada a uma altura de 890 mm e a linha de centro horizontal da parte
ativa do botão mais alto a 350 mm, medidas a partir do piso da cabina, com tolerâncias
de 25 mm.
A linha de centro vertical da parte ativa do botão mais próximo da porta deve
estar no mínimo a 400 mm do painel frontal e a linha de centro vertical da parte ativa
do botão mais próximo do painel de fundo da cabina deve estar no mínimo a 500 mm
Capítulo 1. Introdução 15

deste painel. Os botões de chamada devem ter uma dimensão mínima de 19 mm, com área
mínima de 360 mm2 . Os botões devem proporcionar uma força de operação compreendida
entre 1,5 N e 3 N que quando operados a profundidade não deve exceder o limite de 5
mm e devem ser providos de indicação visual para cada operação realizada.
A indicação dos comandos deverá está preferivelmente ao lado esquerdo do co-
mando com os caracteres possuindo altura mínima de 16 mm em alto relevo.
As marcações braille devem estar localizadas ao lado esquerdo do botão corres-
pondente, devendo respeitar a dimensão 7,4 mm x 4,7 mm para cada cela braille. Estas
marcações podem ser em placas de metal rígido ou plástico rígido, gravadas e permanen-
temente fixadas. Para todos os pavimentos servidos, a cada parada da cabina deve soar
automaticamente um anúncio verbal.

Figura 2 – Painel de botões


Manual de Transporte Vertical em Edifícios Elevadores de Passageiros. Atlas Schindler
Capítulo 1. Introdução 16

1.4.3 Dimensões da cabina


A lotação da cabina é calculada à razão de 75 kg por pessoa. O carro é dimensi-
onado para receber carga uniformemente distribuída, em carregamento gradual. A NBR
NM-207, prevendo a utilização da área da soleira da cabina, admite uma variação de 0,08
m2 para mais ou para menos, na área, para qualquer capacidade.

Figura 3 – Dimensões da cabina por lotação


Manual de Transporte Vertical em Edifícios Elevadores de Passageiros. Atlas Schindler

1.4.4 Iluminação mínima


A cabina deve ter iluminação elétrica com no mínimo duas lâmpadas, de forma a
assegurar iluminamento médio mínimo de 60 lux ao nível do piso.

1.4.5 Piso da cabina


O revestimento do piso da cabina deve ter superfície dura e antiderrapante, per-
mitindo uma movimentação fácil da pessoa portadora de deficiência. As cores do piso
da cabina devem ser contrastantes com as do piso do pavimento. As soleiras não são
consideradas.
Capítulo 1. Introdução 17

1.4.6 Corrimão
O corrimão deve suportar uma força de 700 N aplicada em qualquer ponto de sua
superfície, o corrimão não deve deformar mais do que 6 mm e sem deformação permanente.
Na cabina deve haver um corrimão de superfície lisa e não deslizante, fixado nos painéis
laterais e no de fundo, de modo que a parte superior esteja a uma altura entre 890 mm
e 900 mm do piso acabado, com espaço livre entre o painel da cabina e o corrimão de 40
mm, com tolerância de 2 mm para mais ou para menos.

1.4.7 Abertura de porta e altura do pé direito


A largura livre mínima deve ser de 800 mm e a altura livre mínima deve ser de
2000 mm.

1.5 Legislação elevadores de passageiros


1.5.1 Legislações municipais e federais: leis e decretos
1.5.1.1 Código do Direito do Consumidor

LEI no 8.078 de 11 de setembro de 1990: Dispõe sobre a proteção do consumidor e


dá outras providências. O Código de Defesa do Consumidor deixa bem claro: se existirem
normas técnicas para qualquer produto ou serviço colocado no mercado de consumo, é
obrigatória a conformidade destes produtos ou serviços com os requisitos da norma sob
pena de responsabilidade para o fornecedor.

1.5.1.2 Legislação do Sistema CONFEA/CREA

Decisão Normativa No 36 de 31 de julho de 1991 - Dispõe sobre a competência em


atividades relativas a elevadores e escadas rolantes.
Belo Horizonte: Lei 7.647 de 23 de Fevereiro de 1999 - Dispõe sobre instalação,
conservação, reforma, modernização, funcionamento e fiscalização de elevadores e outros
aparelhos de transporte.
Decreto 10.042, de 28 de outubro de 1999 - Regulamenta a Lei no 7.647, de 23
de fevereiro de 1999, que dispõe sobre instalação, conservação, reforma, modernização,
funcionamento e fiscalização de elevadores e outros aparelhos de transporte.
Decreto 11.601 de 9 de Janeiro de 2004 - Regulamenta a lei no 8.616, de 14 de
julho de 2003, que contém o código de posturas do município de Belo Horizonte.
São Paulo: Lei 10.348 de 04.09.87 - Dispõe sobre instalação e funcionamento de
elevadores e outros aparelhos de transporte, e da outras providências.
Capítulo 1. Introdução 18

Rio de Janeiro: Lei N.o 2.743 DE 07 de janeiro de 1999 - Dispõe sobre a Instalação
e Conservação de Aparelhos de Transporte. Porto Alegre: Lei complementar No 12 -
Institui posturas para o Município de Porto Alegre e dá outras providências.

1.5.2 Normas Técnicas


ABNT NBR NM 207: 1999 - Elevadores elétricos de passageiros - Requisitos
de segurança para construção e instalação.
ABNT NBR 15.597: 2010 - Requisitos de segurança para a construção e insta-
lação de elevadores - Elevadores existentes - Requisitos para melhoria da segurança dos
elevadores elétricos de passageiros e elevadores elétricos de passageiros e cargas.
ABNT NBR 16083: 2012 - Manutenção de elevadores, escadas rolantes e esteiras
rolantes - Requisitos para instruções de manutenção.
ABNT NBR 16042: 2012 - Elevadores elétricos de passageiros - Requisitos de
segurança para construção e instalação de elevadores sem casa de máquinas.
NBR 5665 NB 596: 1977 - Elevadores elétricos de passageiros - Cálculo do
tráfego nos elevadores de passageiros.
19

2 Estrutura analítica do projeto

Figura 4 – Mapa mental com etapas do projeto


Elaborado pelo próprio grupo com auxílio do Xmind
20

3 Cronograma de execução

Figura 5 – Gráfico de Gantt


Elaborado pelo próprio grupo com auxílio do MS Project
21

4 Descritivo Técnico

Figura 6 – Componentes do elevador


Manual de Transporte Vertical em Edifícios Elevadores de Passageiros. Atlas Schindler
Capítulo 4. Descritivo Técnico 22

4.1 Componentes
4.1.1 Cabo
Cabos de aço para elevadores devem possuir alguns aspectos que garantam a qua-
lidade, que sejam resistentes e seguros. Devem ser escolhidos minuciosamente por pessoas
especializadas e conforme as normas da ABNT. O cabo é o principal meio de ligação
entre a cabine e a máquina de tração. Ele tem função de sustentar o peso da cabine, do
contrapeso e dos usuários.
O cabo pode ser encontrado em diversos acabamentos diferentes, aço polido, aço
galvanizado, aço revestido em PVC ou aço inoxidável. O cabo de aço polido é o mais
recomendado para compor o sistema dos elevadores por apresentar alta resistência, melhor
durabilidade e desempenho no içamento de cargas.

4.1.2 Tambor
O tambor é um componente do sistema de elevação que tem a função de acomodar
o cabo de aço entre os cursos mínimo e máximo. Esta condição, juntamente com o diâmetro
especificado para o cabo, determina as características e dimensões do tambor.
Os tambores para cabos serão constituídos em chapas de aço, exceto nos casos
de equipamentos padronizados, onde o uso de tambores fundidos pode ser conveniente.
Os tambores são formados basicamente pelo corpo, onde são executadas as ranhuras, as
paredes laterais e o eixo de apoio.

4.1.3 Contrapeso
Componente fundamental do sistema, que tem a função de reduzir a força neces-
sária para elevar a cabine, bem como proporcionar uma certa desaceleração da velocidade
do elevador na descida. Para ser dimensionado corretamente, deve ter um peso correspon-
dente entre 40% a 50% da capacidade máxima do elevador mais o peso da cabine.
O contrapeso consiste em uma armação metálica formada por duas longarinas e
dois cabeçotes, onde são fixados pesos. Quando o elevador sobe, o contrapeso se move por
cabos de aço para baixo e vice-versa. Esse componente pode ser constituído por pesos de
ferro fundido ou concreto.

4.1.4 Para-Choques
Dispositivo de segurança instalado no fundo do poço do elevador. Podem ser hi-
dráulicos, de molas e de borracha, dependendo da velocidade e capacidade de carga do
elevador.
Capítulo 4. Descritivo Técnico 23

Servem para amortecer a estrutura da cabina e do contrapeso situado abaixo de


ambos, com a finalidade de amortecer o elevador em situações de emergência.

4.1.5 Painel de controle


É o controle lógico do elevador. A partir das informações de chamadas, posição e
segurança, comanda a abertura e fechamento de portas e movimento do elevador.
Possui disjuntores e fusíveis de proteção dos circuitos eletroeletrônicos que jamais
devem ser anulados ou substituídos por outros de valor diferente do projetado. Deve-se
ter cuidado com as alimentações e barramentos de potência que possuem tensões de até
480 VAC e 680 VDC.
A lógica contém a “personalidade” do elevador. Analisa as informações de segu-
rança, portas e chamadas, tomando decisões para o transporte do usuário. O acionamento,
a partir das informações e decisões da parte lógica, movimenta o elevador.

4.1.6 Operador de porta


Componente responsável por fazer com que as portas do elevador se mantenham
sempre bem fechadas durante a movimentação. Tem função de fazer com que as portas
se fechem e se abram de maneira suave, sem trancos ou barulhos desagradáveis.
No operador também ficam os micro/contatos elétricos de redução e de PA (porta
aberta). Esse componente comporta um motor elétrico e um inversor de frequência. Lo-
calizado na parte frontal da parte superior da cabina, sua função é realizar a abertura das
portas de pavimento e cabina, esta, presa à sua estrutura.
Os tipos de operador são: operador de porta de abertura central, operador de porta
de abertura lateral e operador de porta de abertura vertical.

4.1.7 Cabina
É o nome dado ao compartimento onde ficam as pessoas e/ou a carga a ser trans-
portada. No seu interior é informada a lotação máxima de pessoas ou o peso total permi-
tido.
Pode ser personalizada da maneira que os fabricantes desejarem. Nas reformas
estáticas é possível efetuar troca ou revestimento do teto falso, do interior da cabina,
espelho, corrimão, rodapé e piso.
A cabina é fixa em uma armação composta por longarinas. As paredes da cabina
são feitas de chapas de aço que podem ser revestidas por diversos materiais, como o aço
inox, fórmicas ou simplesmente receber uma pintura automotiva.
Capítulo 4. Descritivo Técnico 24

4.1.8 Sinalização de cabina


4.1.8.1 Botoeira:

Dispositivo utilizado com sinalização, existem os seguintes tipos:


Botoeira de cabina – registram as chamadas feitas pelo usuário dentro do elevador.
Ao acioná-lo, ele envia um sinal ao quadro de comando que registra o chamado da cabina
e a envia ao pavimento. As normas da ABNT exigem que os botões possuam micro
movimento, (não apenas sensibilidade ao toque), sinal sonoro e altura pré estabelecida
para pessoas portadoras de deficiência.
Botoeira indicadora de posição – são informações visuais ao usuário, indicando em
qual posição o elevador se encontra. Podem ser localizados na cabina do elevador ou no
pavimento. Normalmente utilizam-se displays, mas já existem modelos em cristal líquido
de LCD.

4.1.9 Sinalização de pavimento


4.1.9.1 Sensor de posição:

Chaves eletrônicas ou magnéticas instaladas na parte superior da cabina que in-


formam para o quadro de comando a posição do elevador (andar, redução e nivelamento).

4.1.9.2 Botoeira de pavimento:

Registram as chamadas feitas pelo usuário no pavimento. Ao acioná-lo, ele envia


um sinal ao quadro de comando que registra o chamado do pavimento e envia a cabina.
As normas da ABNT exigem que os botões possuam micro movimento (não apenas sen-
sibilidade ao toque), sinal sonoro e altura pré-estabelecida para pessoas portadoras de
deficiência.

4.1.10 Porta de pavimento


São as portas pelas quais os usuários terão acesso a cabina do elevador. Ao abrir
a porta da cabine, a porta de pavimento se abre de maneira simultânea.

4.1.11 Guias
Trilhos, com seção transversal em forma de T, pelos quais a cabina e o contrapeso
deslizam em movimento vertical. São fixadas sem suportes de aço que são chumbados em
vigas, de concreto ou de aço, na estrutura.
Os tipos de guia são: Guia de cabine, que são fixadas no passadiço (ou poço).
Utilizadas como trilhos servem para guiar o elevador.
Capítulo 4. Descritivo Técnico 25

Guia do contrapeso que são fixadas no passadiço do elevador. Utilizadas como


trilhos, servem para guiar o contrapeso.

4.1.12 Segurança
É um dispositivo fixado na armação do carro e em alguns casos também no con-
trapeso, tendo a função de pará-los em caso de excesso de velocidade ou queda livre,
de maneira progressiva ou instantânea. Prende-se às guias pelas quais a cabine desliza,
quando acionado mecanicamente pelo limitador de velocidade.

4.1.13 Máquina de tração


É o conjunto motriz que tem a finalidade de realizar a força no transporte vertical.
Constituído de um motor elétrico e máquina de tração, sistema de tração constituído de
uma coroa sem fim, freio eletromecânico, polia de tração e cabos de tração.
A cada comando de subida e descida, a máquina suporta o peso da cabina e
passageiros, além do contrapeso, cabos de aço e correntes de compensação. Situa-se nor-
malmente na parte superior do elevador, na casa de máquinas.

4.1.14 Limitadores de velocidade


Conjunto constituído de duas partes, uma montada no piso da casa de máquinas
ou no alto da caixa de corrida, formado por uma polia acoplada a um mecanismo que
permite o movimento vertical da cabina sem que haja movimentos laterais. O cabo do
limitador de velocidades faz um laço com um peso no fundo do poço, chamado de tensor
limitador, que cria uma aderência do cabo com a polia do limitador.
O cabo é preso em um ponto da cabina, se movimentando com ela. Quando a
velocidade da cabina ultrapassa 15% de sua velocidade normal, o regulador desliga o
motor de tração. Se mesmo assim o mecanismo perceber que a cabina continua acelerando,
com 25% acima da velocidade nominal o limitador trava a cabina nas guias, contendo o
movimento da mesma.

4.2 Mecanismo de funcionamento


4.2.1 Mecânico
Os mecanismos de funcionamento mecânicos são os que não necessitam de ne-
nhum aparato elétrico ou eletrônico para que se execute uma ação. Temos os sistemas
de segurança como a mola no fim do poço, que comprime ou expande sem a ação de ne-
Capítulo 4. Descritivo Técnico 26

nhum comando. Outro exemplo também é a porta de pavimento que pode ser totalmente
mecânica.
O próprio elevador é entendido como um funcionamento mecânico. A cabina é
montada sobre uma plataforma, em uma armação de aço constituída por duas longarinas
fixadas em cabeçotes (superior e inferior). O conjunto da cabina, armação e plataforma
chama-se carro.

4.2.2 Eletromecânico
Os dispositivos eletromecânicos são aqueles que necessitam de uma combinação
de elétrica com mecânica para um funcionamento adequado, o elevador é composto por
diversos dispositivos eletromecânicos, como a operação das portas que por auxilio de
sensores e comando de pulso eletrônico geram um sinal que permite a operação mecânica,
o movimento de abrir e fechar as portas.
O próprio movimento de subir e descer a cabine é feito por um dispositivo ele-
tromecânico, o motor, que transforma energia elétrica em energia mecânica, neste caso
gerando um trabalho de eixo que move o tambor e enrola o cabo, a medida que o cabo é
enrolado a cabina sobe.

4.2.3 Eletrônico
Dispositivos eletrônicos são aqueles que necessitam somente de comando eletrôni-
cos para funcionarem, com o objetivo principal de representar, armazenar, transmitir ou
processar informações além do controle de processos e servo mecanismos.
O painel de controle no elevador é um dispositivo eletrônico, formado por um
circuito elétrico onde é recebida a informação primária vinda do operador e a partir de
então o sinal é repassado para outra área que interpreta a informação e realiza o trabalho,
essa informação primária também pode ser recebida dos sensores.

4.2.4 Dispositivos de segurança


Para que o elevador seja um meio de transporte seguro, existem alguns cuidados
que devem ser tomados. Quando sua fabricação, instalação e manutenção são mantidas
dentro das exigências da norma é praticamente improvável que algo aconteça. É justa-
mente quando tais regras não são compridas que podemos observar riscos aos usuários e
cargas.
Os elevadores são vinte vezes mais seguros que escadas rolantes. No mundo existem
vinte vezes mais elevadores do que escadas rolantes, porém apenas 1/3 dos acidentes
Capítulo 4. Descritivo Técnico 27

ocorrem em elevadores, para que este número diminua cada vez mais existem diversos
dispositivos de segurança.
As normas NM207 de novembro de 1999 e NBR7192, de 1995 especificam de ma-
neira bastante detalhada as regras de utilização de elevadores, proporcionando maior
segurança e conforto aos usuários, profissionais a serviço dos edifícios e técnicos de ma-
nutenção. E ainda ajudam a preservar o patrimônio dos condomínios. São eles:

4.2.4.1 Avental protetor da cabina:

Método seguro de resgate de usuários que acidentalmente caiam no poço de um


elevador que parou fora de um andar. Atende às exigências dos itens 8.4.1 e 8.4.2 da
Norma NBR NM 207.

4.2.4.2 Lustre para o fundo do poço:

Ilumina completamente o poço, e elimina a possibilidade de movimentação do


elevador durante a manutenção neste local. Não há risco de acionamento acidentalmente
desse dispositivo, pois ele esta condicionado ao uso da chave de emergência. Atende às
exigências do item 5.7.4 da Norma NBR NM 207.

4.2.4.3 Dispositivos de destravamento das portas de andares:

Possibilita o resgate seguro de passageiros presos no interior da cabine mesmo em


condições de pane ou de falta de energia. Atende às exigências do item 7.7.3 da Norma
NBR NM 207.

4.2.4.4 Iluminação e alarme de emergência:

Com ele ninguém ficará no escuro dentro da cabina do elevador, pois em caso de
falta de energia a iluminação será mantida por mais de uma hora. E, acionando o dispo-
sitivo, sirenes no topo da cabina imediatamente informarão a exata posição do elevador.
Atende às exigências do item 8.16.3 da Norma NBR NM 207.

4.2.4.5 Chave-geral para a casa de máquinas:

Desliga automaticamente o fornecimento de energia elétrica em caso de sobrecarga


ou curto-circuito, preservando o elevador, e o próprio condomínio, do risco de incêndio.
Protege também os funcionários do condomínio, que ficam livres do risco de contato
com peças energizadas presentes nos sistemas que exigem desligamento manual da chave.
Atende às exigências dos itens 13.4.1 e 13.4.2 da Norma NBR NM 207.
Capítulo 4. Descritivo Técnico 28

4.2.4.6 Protetor de polia da fita seletora:

Peça metálica em forma de fita que informa o posicionamento do elevador, a fita


seletora possui superfície cortante e pode provocar acidentes durante vistorias e ações de
manutenção. Tal risco é minimizado com esse dispositivo, que também reduz o tempo
no qual o equipamento fica parado para a manutenção e ainda limpa e lubrifica a fita
seletora, evitando a corrosão e a oxidação. Atende às exigências do item 9.6 da Norma
NBR NM 207.

4.2.4.7 Protetor de polia do limitador de velocidade:

Protegem técnicos e funcionários do condomínio quando eles acessam a casa de


máquinas, evitando ferimentos ocasionados por esbarrões na polia, no cabo de aço ou
qualquer parte móvel do limitador de velocidade. Impossibilita também a saída do cabo
de aço de sua posição normal de operação em virtude da presença de algum corpo estranho.
Atende às exigências do item 9.6 da Norma NBR NM 207.

4.2.4.8 Escada de marinheiro para o fundo do poço:

Proporciona aos técnicos total seguranças quando há necessidade de adentrar ao


poço do elevador. Atende às exigências do item 5.7.2.2 da Norma NBR 207.

4.2.4.9 Protetor de polia do topo do carro:

Evita acidentes com técnicos que precisam realizar trabalhos de manutenção do


carro. E protege o próprio equipamento, pois impede a queda de objetos capazes de
danificar polias e cabos. Atende às exigências do item 9.6 da norma NBR NM 207.

4.2.4.10 Chave de inspeção no topo do carro:

Caso necessite manobrar o elevador pelo poço durante um conserto ou uma ação
de manutenção, o técnico terá nesse dispositivo um instrumento que lhe confere total
controle do equipamento, e ajuda-o a trabalhar com mais segurança para si e para os
outros. Atende às exigências do item 14.2.2.2 e 15.3 da Norma NBR NM 207.

4.2.4.11 Redutor de velocidade em modo de inspeção:

Reduzindo a velocidade do elevador durante a realização de inspeções no passadiço,


torna mais seguras as ações dos técnicos que realizam ações de manutenção ou vistoria.
Atende às exigências do item 14.2.1.4.6 da Norma NM 207.
29

5 Análise teórica técnica

5.1 Dimensionamento
5.1.1 Teoria de contrapeso
Contrapeso é um componente utilizado em máquinas de elevação e transporte,
sendo responsável pelo balanceamento do peso da cabina nas polias da máquina de tração
de um elevador.
Com um balanceamento errado pode provocar o deslize dos cabos na polia, tra-
zendo riscos aos usuários. Com a finalidade de reduzir a potência da máquina de elevação,
funcionando como mecanismo de compensação de carga.
Consiste em uma armação metálica formada por duas longarinas e dois cabeçotes,
onde são fixados pesos, de tal forma que todo o conjunto tenha peso total igual ao do carro
acrescido de 40% a 50% da capacidade licenciada. Quando o elevador sobe, o contrapeso
se move por cabos de aço para baixo e vice-versa. Esse componente pode ser constituído
por pesos de ferro fundido ou concreto.
Contrapesos são quase sempre utilizados em elevadores de tração, guindastes e
parques de diversão. Nas aplicações citadas, a carga esperada pela lotação multiplicada
pela distância que a carga será espaçada do suporte central deve ser igual à massa do
contrapeso vezes sua distância a partir do ponto de inflexão, com o intuito de evitar o
excesso de equilíbrio de ambos os lados.
Essa multiplicação entre a massa e a distância é chamada de momento de carga.
Quando o elevador sobe, o contrapeso se move por cabos de aço para baixo e vice-versa,
o que nos ajuda de algumas maneiras:
O contrapeso torna mais fácil para o motor o ato de levantar e de abaixar o
elevador, exatamente igual quando sentado em uma gangorra que torna muito mais fácil
para levantar o peso de alguém em comparação em levantá-lo em seus braços. Pois o
contrapeso exerce uma força contraria a do elevador em si gerando um balanceamento.
Através do contrapeso, o motor precisa usar uma menor quantidade de força para
mover o carro, independente se para cima ou para baixo. Tomando que o carro e o sua
lotação pesam mais do que o contrapeso, tudo que o motor tem de levantar é a diferença
de peso entre os dois e doar força extra para superar o atrito nas polias e etc.
O contrapeso abaixa a quantidade de travagem que o elevador tem de usar. Note-
se que se não houvesse contrapeso: a cabine do elevador estaria muito carregada, e seria
Capítulo 5. Análise teórica técnica 30

extremamente difícil de puxar para cima, porém, na viagem de volta, tenderia a correr
para o chão por si só, caso não houvesse algum tipo de freio resistente para freá-lo. O
contrapeso faz com que seja muito mais fácil de controlar o carro do elevador.
Para o dimensionamento do contrapeso observa-se a necessiade de se ter o peso
fim da cabine. A seguir na subsecção 6.1.1 tem-se os cálculos.
Definido o peso do contrapeso, faz-se necessário ter suas dimensões, nota-se que o
poço com vão de 1600 X 1600 X 2400 mm consciderando essa altura para um pavimento.
Dado isso a definição embasada no vão e respeitando as normas vigentes na tabela Thys-
senKrupp Elevadores (Export o designer do futuro) o contrapeso tem 800 X 180 X 100.
Sendo treze blocos com essas medidas pesando 50 Kg.

5.1.2 Teoria de motores


5.1.2.1 Casa de máquinas

Na casa de máquinas são instalados os componentes mecânicos (máquina de tração,


redutor, polia de desvio, limitador de velocidade) e eletroeletrônicos (quadro de comando,
quadro de alimentação elétrica, sistema de emergência, autotransformador) responsáveis
pelo controle lógico e acionamento da movimentação da cabina.
Seguindo as normas da ABNT NBR NM 207, onde a casa de máquinas deve se
manter entre 5∘ C a 40∘ C levando em consideração o calor dissipado dos equipamentos,
com a obrigação de haver aberturas para ventilação.
Há também as dimensões mínimas para a casa de máquinas e cada componente,
na qual a casa de máquinas fica restrita ao acesso para pessoas não autorizadas, para
instalação e depósito de qualquer objeto que não esteja relacionado aos elevadores.

5.1.2.1.1 Quadro de comando

O quadro de comando (Figura 7) é um componente eletroeletrônico responsável


pelo controle lógico e potência do elevador, ou seja, é ele que possui o controlador lógico
e a unidade de potência (inversor de frequência).
Capítulo 5. Análise teórica técnica 31

Figura 7 – Quadro de comando eletrônico do elevador


Fonte: PAULA, P. M.

5.1.2.1.2 Conjunto motor redutor

O conjunto motor redutor é composto por um motor de indução trifásico e a má-


quina de tração (no caso de elevadores elétricos), o motor é responsável pelo movimento
do elevador e sustentação do conjunto cabina e contrapeso. Novos sistemas de tração, co-
nhecidos como Gearless, oferecem a ausência de caixa de engrenagem, como nas máquinas
de tração convencionais, proporcionando menos ruído, maior conforto e fácil manutenção.
Segundo RUDENKO (1976), também faz parte deste conjunto os cabos de tra-
ção e freio eletromagnético. Na Figura 8 pode-se visualizar o redutor de velocidade e
o acoplamento com o motor, e na Figura 9 um sistema Gearless (ausência de caixa de
engrenagem).
Os motores das máquinas de tração dos elevadores podem ser acionados através de
corrente alternada (CA) ou de corrente contínua (CC - fornecida por conversores estáti-
cos que substituem os motores geradores), sendo a energia elétrica fornecida pela rede do
edifício. Os motorredutores selecionados devem ser do tipo síncrono, realizando o movi-
mento de translação em sintonia e evitando problemas no funcionamento e a danificação
do equipamento.
Capítulo 5. Análise teórica técnica 32

Figura 8 – Conjunto motor e redutor para tração da cabina com cabos de aço
Fonte: PAULA, P. M.

Figura 9 – Sistema Gearless (ausência de caixa de engrenagem)


Fonte: Catálogo de motores zatop gearless da empresa Ziehl-Abegg.
Capítulo 5. Análise teórica técnica 33

5.1.2.1.3 Limitador de velocidade

Dispositivo de monitoramento de velocidade ou limitador de velocidade (Figura


10), fundamental para a segurança do elevador. Situado na casa de máquinas, o regulador
de velocidade aciona o freio de segurança, localizado na estrutura da cabina, realizando
a frenagem da mesma, caso a velocidade do elevador ultrapasse o limite permitido, assim
impedindo que a cabina continue a descer e fique travada entre as guias evitando a queda
da cabina no poço.

Figura 10 – Limitador de velocidade na casa de máquinas.


Fonte: PAULA, P. M.

5.1.2.1.4 Outros componentes

Lona do freio: Instalada na sapata do freio, efetua o contato com a flange da


máquina no momento da frenagem
Volante : O volante é um disco de plástico instalado no extremo do eixo do motor.
Possibilita a movimentação manual do elevador, nos dois sentidos de direção. Utilizado
principalmente em operações de resgate.
Encoder: O encoder é um dispositivo instalado no eixo do motor. Monitora a rota-
ção do motor fornecendo informações de velocidade e posição para o quadro de comando.
Capítulo 5. Análise teórica técnica 34

Bulbo térmico: O bulbo térmico é um dispositivo de monitoração da temperatura


dos enrolamentos do motor de tração. Este item de segurança impede o funcionamento
do elevador caso a temperatura monitorada exceda o limite definido.
A base integrada: A base integrada, é uma estrutura de aço instalada no solo da
casa de máquinas e suporta a máquina de tração do elevador.

5.1.2.2 Introdução aos tipos de máquinas

Elevadores de cabina empregam máquinas elevadoras de 2 tipos: tambor e polia


motriz. Nas máquinas a tambor o cabo que sustenta a cabina é preso no tambor e enrola-
se em torno da sua superfície. Na máquina de polia motriz o cabo passa sobre a polia que
o aciona pela força de atrito.
Segundo RUDENKO (1976), as máquinas elevadoras com polias motrizes são mais
eficazes porque podem ser usadas para quaisquer alturas e porque são de dimensões mais
compactas. Além disso, como a polia motriz não proporciona um elo direto entre a cabina
e a máquina elevadora pode ser dispensado o interruptor limitador, que é obrigatório em
uma máquina elevadora do tipo tambor.
Outro principal motivo de sua eficácia é que a força de tração das polias motrizes
cessa de agir se uma cabina em descida encontra um obstáculo; neste caso (devido a uma
forte redução da tensão da parte de saída), a polia escorregará no cabo. Qualquer tentativa
de parada da cabina operada por máquinas elevadoras do tipo tambor pode provocar sérios
danos, porque o tambor continuará girando e desenrolará o cabo, já frouxo, formando um
laço livre.
Tão logo a causa da parada seja eliminada, a cabina cairá até que seja detida pelo
cabo. Este impacto pode romper o cabo. A aplicação da máquina elevadora à polia motriz
reduziu drasticamente o número de acidentes devido a ruptura do cabo.

5.1.2.3 Dimensionamento dos motores redutores

Para o dimensionamento dos motores redutores que realizam o movimento vertical


sobre os trilhos utilizam-se as fórmulas disponíveis na NBR. Considerando a velocidade de
translação da ponte e o fator de resistência ao rolamento (também disponível nas normas)
definido em função do material da roda tem-se a força de resistência ao rolamento e a
potência necessária.
A potência necessária movimenta o contrapeso, a cabina e a carga, considerando os
atritos da cabina nos trilhos, velocidade de movimento vertical com a carga de passageiros
mínima ou máxima, onde o motor trabalha com a maior carga total de movimento, e atrito
das polias.
Capítulo 5. Análise teórica técnica 35

Nesse projeto foram considerados a carga máxima referente a 6 passageiros e com


o dimensionamento do contrapeso em que se iguala ao peso da cabine mais 50% da carga
máxima e assim foram calculadas 646 kgf para o contrapeso, e o dimensionamento da
cabina com cerca de 421 kgf, onde a carga máxima de passageiros igual a 450kgf. A seguir
na subsecção 6.1.2 tem-se os cálculos.
Uma indicação para motores deste tipo de emprego seria um motor Gearless,
acionamento sem engrenagem com permanente excitado para elevadores elétricos com
polia de tração. A estrutura compacta é ideal para os elevadores com e sem sala de
máquinas.
O freio de modelo homologado pode ser utilizado como elemento do dispositivo de
proteção contra excesso de velocidade para a cabina em marcha ascendente, bem como
parte do dispositivo de proteção contra movimento acidental da cabina. A alta eficiência
energética e baixa emissão de ruídos são características dos acionamentos do tipo de
Gearless.
Os requisitos mínimos exigidos para o sistema é um motor com as seguintes ca-
racterísticas:
Carga útil: 1350 kg (1:1)
Velocidade: 3,0 m/s
Carga sobre o eixo: 3200 kg
Largura de montagem: <733 mm
Polia de tração: 520 mm
Diâmetro dos cabos: 13 mm
Quantidade mínima de cabos: 3
Opcional: Desatuação do freio, ventilação dos freios para maior duração de funcionamento.
Logo comparando os motores mais eficientes o que se encaixa nos requisitos técnicos
é da empresa Ziehl-Abegg modelo: SM250C.
Capítulo 5. Análise teórica técnica 36

Figura 11 – Motor escolhido para aquisição.


Fonte: ZIEHL-ABEGG.
Capítulo 5. Análise teórica técnica 37

5.1.3 Teoria de cabos


São elementos de construção mecânica, utilizados em transportes de carga, tais
como: guindaste, elevador, ponte rolante, escavadeira, bate-estacas etc. (RUDENKO,
1976).
E se classificam em três classes Warrington, Seale e Filler, que tem seus conceitos
descritos abaixo:
Na composição Seale há pelo menos duas camadas adjacentes com o mesmo número
de arames. Os arames de uma mesma camada possuem elevada resistência ao desgaste.
A Filler possui arames principais e arames finos, que servem de enchimento para a
perfeita acomodação dos próximos arames. Os arames de enchimento não estão sujeitos às
condições e restrições que os arames principais devem atender. Os cabos de aço fabricados
com essa composição possuem boa resistência ao desgaste, fadiga e elevada resistência ao
amassamento.
Já a composição Warrington há no mínimo uma camada constituída de arames de
dois diâmetros diferentes e alternados. Os cabos de aço fabricados com essa composição
oferecem características mecânicas destacáveis em resistência ao desgaste e resistência à
fadiga.
Não podemos deixar de citar também a existência de outros tipos de composições
que são formadas pela mistura de duas das classificações acima citadas, a saber como
exemplo, a composição Warrington-Seale, que carrega em sua formação as principais ca-
racterísticas mecânicas de cada composição, assim gerando ao cabo alta resistência à
abrasão em conjunto com a alta resistência à fadiga de flexão.
Quanto a torção se caracteriza por torção à direita (pernas torcidas da esquerda
para a direita), torção à esquerda (pernas torcidas da direita para a esquerda), torção
regular (os fios de cada perna são torcidos em sentido oposto a torção das pernas) e
torção lang (os arames de cada perna são torcidos no mesmo sentido das pernas).
As almas se destacam em almas de aço e de fibra. As almas de aço garantem
maior resistência aos amassamentos e aumentam a resistência à atração. Os de fibras são
artificiais ou naturais, na qual se destaca as artificiais por não absorverem umidades ou
serem afetadas por substâncias agressivas.
A alma de um cabo de aço é um núcleo em torno do qual as pernas são torcidas
e ficam dispostas em forma de hélice. Sua função principal é fazer com que as pernas
sejam posicionadas de tal forma que o esforço aplicado no cabo de aço seja distribuído
uniformemente entre elas.
Fabricados por máquinas especiais, da seguinte forma: os fios de aço separados são
torcidos em pernas, posteriormente as pernas são torcidas sobre um núcleo (alma), dando
Capítulo 5. Análise teórica técnica 38

forma aos cabos cilíndricos.


Para o dimensionamento do cabo precisamos saber o peso fim da cabine, contrapeso
e o fator de segurança. Sabemos que a lotação é de seis pessoas, resultando em 450 kgf
(somente pessoas). A seguir na subsecção 6.1.3 observa-se os cálculos.
Com o peso total suportado por cada cabo calculado no valor de 6068 kgf observa-
se que o cabo a ser usado no projeto através do catálogo da Cimaf para cabos de aços.
É um cabo de aço classe 8X19 Seale 1 + 9 + 9 alma de fibra com tração de ruptura de
7500 kgf diâmetro de 13 mm / 1/2’ e com área da secção transversal de 60,671 mm2 .
39

6 Design

6.1 Memorial de cálculos


6.1.1 Contrapeso dimensionamento
Para determinarmos o peso do contrapeso utilizamos a equação a seguir orientado
pelo Rudenko, na qual temos que o peso do contrapeso é igual o peso da cabina mais 50
por cento da carga máxima Q (peso das pessoas).

𝑃 𝑒𝑠𝑐𝑜𝑛𝑡 = 𝑃 𝑒𝑠𝑐𝑎𝑏 + 05 · 𝑄. (6.1)

𝑃 𝑒𝑠𝑐𝑎𝑏 = 300 + 100 · 𝐴 < 500𝑘𝑔𝑓. (6.2)

𝐴=𝐵·𝐶 (6.3)

A é a área do piso do elevador, logo como o elevador é de seis pessoas temos


pelo catálogo da Thyssen Krupp (elevador com máquinas com engrenagem contrapeso ao
fundo) que a medida é 1,1 m X 1,1 m, resultando:
𝐴𝑝𝑖𝑠𝑜 = 1, 1 · 1, 1 = 1, 21 𝑚2 .
𝑃 𝑒𝑠𝑐𝑎𝑏 = 300 + 100 · 1, 21 = 421 𝑘𝑔𝑓 .
Assim atende a condição < 500 kgf.
𝑃 𝑒𝑠𝑐𝑜𝑛𝑡 = 421 + 05 · 450 = 646 𝑘𝑔𝑓 .

6.1.2 Motor elétrico dimensionamento

𝐶 = 𝑃 𝑒𝑠𝑐𝑎𝑏 + 𝑄 − 𝑃 𝑒𝑠𝑐𝑜𝑛𝑡 (6.4)

Quando cabina vazia: (Q=0kgf)


𝐶 = 421 + 0 − 646 = −225 𝑘𝑔𝑓
Quando cabina cheia: (Q=450kgf)
𝐶 = 421 + 450 − 646 = 225 𝑘𝑔𝑓
Capítulo 6. Design 40

Ou seja, a carga máxima do sistema será disposta quando a cabina estiver vazia
ou com a capacidade de carga total. Calculo da força de tração máxima para determinada
aceleração:
Aceleração a = 1m/s2 e g = 9.7808m/s2 (gravidade em Brasília pelo INMETRO)

𝑚 · (𝑎 + 𝑔)
𝐹 𝑡𝑚á𝑥 = (6.5)
𝑔
225·(1+9.7808)
𝐹 𝑡𝑚á𝑥 = 9.7808
= 248 𝑘𝑔𝑓
A potência estática necessária, desenvolvida pelo motor destinado a elevadores de
cabina, pode ser encontrada pela fórmula:

(𝑄 + 𝑃 𝑒𝑠𝑐𝑎𝑏 − 𝑃 𝑒𝑠𝑐𝑜𝑛𝑡) · 𝑣
𝑃 𝑜𝑡𝑒𝑠𝑡𝑚𝑎𝑞 = (6.6)
75 · 𝜂
Velocidade adotada no sistema pode variar entre 0.75m/s a 3m/s, no que consiste
a velocidade mínima e máxima.
Rendimento considerado pelo sistema será de 0,45 para margem de segurança do
projeto.
(450+421−646)·3,0
𝑃 𝑜𝑡𝑒𝑠𝑡𝑚𝑎𝑞 = 75·0,45
= 20 𝑐𝑣 = 14, 709975 𝑘𝑊

6.1.3 Cabo de aço dimensionamento


Percebe-se no Rudenko (Projeto de elevadores) que existe a equação a seguir para
dimensionamento do peso da cabina, pois soma-se o peso da cabina, mais os das pessoas
e o do contrapeso e teremos o peso fim que o cabo deve suportar.
𝑃 𝑒𝑠𝑐𝑎𝑏 = 300 + 100· < 500 𝑘𝑔𝑓 .
A é a área do piso do elevador, logo como o elevador é de seis pessoas temos
pelo catálago da Thyssen Krupp (elevador com máquinas com engrenagem contrapeso ao
fundo) que a medida é 1,1 X 1,1 m, resultando em uma área de 1,21 m2 .
𝐴𝑝𝑖𝑠𝑜 = 1, 1 · 1, 1 = 1, 21 𝑚2 .
𝑃 𝑒𝑠𝑐𝑎𝑏 = 300 + 100 · 1, 21 = 421 𝑘𝑔𝑓 .
Assim atende a condição < 500 kgf. Não podemos esquecer de somar também o
peso do contrapeso que já foi dimensionado na subsecção acima.
𝑃 𝑒𝑠𝑡𝑜𝑡 = 421 + 450 + 646 = 1517 𝑘𝑔𝑓 .
Pelo Catálogo da CIMAF (referenciado pela tabela 3.1) sabemos que o fator de
segurança K é no mínimo 12 para transporte de pessoas.
𝑃 𝑠𝑢𝑝𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 = 1517 · 12 = 18204 𝑘𝑔𝑓 .
Capítulo 6. Design 41

Para seguir a norma de no mínimo 3 cabos de aço divide-se a força por três cabos
gerando uma força de suporte para cada cabo de 6068 kgf.
Definido o cabo busca-se a área da secção transversal do cabo através do catálogo
da Cimaf.
𝐴 = 𝐹 · 𝑑2 . Onde F fator dependente da composição (8X19 Seale) do cabo e d
diâmetro do cabo escolhido.
𝐴 = 0, 359 · 132 = 60, 671 𝑚𝑚2 .
Capítulo 6. Design 42

6.2 Desenhos

Figura 12 – Porta do elevador com abertura lateral.


Fonte: Desenhado pelo próprio grupo.
Capítulo 6. Design 43

Figura 13 – Cabine do elevador.


Fonte: Desenhado pelo próprio grupo.
Capítulo 6. Design 44

Figura 14 – Contrapeso do elevador.


Fonte: Desenhado pelo próprio grupo.
Capítulo 6. Design 45

Figura 15 – Desenho completo do sistema de cabine contrapeso e porta.


Fonte: Desenhado pelo próprio grupo.
Capítulo 6. Design 46

Figura 16 – Contrapeso especificações.


Fonte: Desenhado pelo próprio grupo.
47

7 Mercado

7.1 Estudo de viabilidade


O projeto seguirá a ABNT NBR 5665, que se refere ao cálculo do tráfego nos
elevadores. Esta norma fixa as condições mínimas exigíveis para o cálculo de tráfego das
instalações de elevadores de passageiros em edifícios, para assegurar condições satisfatórias
de uso.
De acordo com o item 6.5.2 da NBR 5665, edifícios em que os elevadores atendam
exclusivamente apartamentos, não prevalece a exigência do intervalo de tráfego estabe-
lecido no item 6.5.1 da NBR 5665. Porém, de acordo com o item 5.2.1 da NBR 5665,
o conjunto de elevadores de um edifício residencial deve ser capaz de transportar, em 5
minutos, 10% da população total do prédio.
Uma vez que se cumpre com o item 5.2.1 dessa NBR, automaticamente chega-se
a um intervalo de tráfego determinado. Assim o intervalo de tráfego terá de ser analisado
e adotado de acordo com o bom senso do projetista de forma que os moradores não
necessitem esperar tempo demasiado para utilizar o elevador.
Para melhor atender às necessidades do cliente, busca-se calcular a quantidade de
elevadores necessários de acordo com a norma de cálculo de trafego nos elevadores, NBR
5665, com a finalidade de se obter um projeto viável dentro da legislação determinada.
Ao considerar um edifício que possui dez patamares é necessário calcular a quanti-
dade correta de elevadores para atender a demanda de indivíduos que percorrerão o local.
Para isso, o cliente precisa fornecer a área de carpete que o edifício ou torre possui.
Em seguida o orçamento é realizado de forma a cumprir a solicitação do cliente
com qualidade e melhor custo.

7.2 Orçamento
A tabela a seguir demonstra o orçamento para 01 (um) elevador elétrico, possuindo
como capacidade 06 pessoas/450 kg e percurso de 30 metros aproximadamente conforme
especificação técnica. Há a necessidade de uma inspeção técnica na obra, feita previa-
mente, para um melhor orçamento e cálculo de quantidade necessária de elevadores para
a obra.
Capítulo 7. Mercado 48

Figura 17 – Demonstrativo orçamento do projeto


Elaborado pelo próprio grupo

Composição dos benefícios e despesas indiretas BDI:

7.2.1 Fórmula adotada pelo TRT4

(︃ )︃
(1 + 𝐴𝐷𝑀 ) · (1 + 𝐷𝐸𝐹 ) · (1 + 𝑅𝐼𝑆) · (1 + 𝐿𝐵)
𝐵𝐷𝐼 = − 1 · 100 (7.1)
(1 − 𝐼𝑀 𝑃 )
Capítulo 7. Mercado 49

Tabela 3 – Variaveis da fórmula

Imposto IMP 6,54%


Administração central ADM 4,50%
Despesas financeiras DEF 1,20%
Riscos RIS 1,00%
Lucro bruto LB 9,96%

7.2.2 Tributação (TRIB)

Tabela 4 – Índices de tributos

ISS 0,89%
PIS 0,65%
CONFIS 3,00%
CPRB 2,00%
IMP 6,54%
50

8 Conclusão

Percebe-se que o objetivo fim da pesquisa foi alcançada, que era dimensionar o
elevador no quesito motor, contrapeso e cabos, entretanto nota-se a descrição dos vários
processos a serem seguidos para um completo dimensionamento do elevador, outrossim
chega-se a conclusão que extrai-se deste emmpreendimento alguns ramos de pesquisas
futuras que resulta em outros projetos específicos como: comparação cabo de aço e cinta
para suspensão do cojunto, estudo de outras condições e locais de instalações e etc. Sem
se esquecer que observa-se a diferença entre o valor estimado de gasto com a máquina e
a agregação real de valor do equipamento para a aquisição e instalaçãso, mas isso devido
a pesquisa de mercado que rege o projeto. É notório o gasto de aproximadamente 63% a
mais do estimado resultando em um produto caro ou uma hipótese de gasto irreal, bem
grosseira.
51

Referências

1 ATLAS Schindler manual de Transporte Vertical em Edifícios: Elevadores de Passagei-


ros, Escadas Rolantes, Obra Civil e Cálculo de Tráfego. 2017. <https://www.schindler.
com/content/dam/web/br/PDFs/NI/manual-transporte-vertical.pdf>.

2 BACK, N.; FOCELLINIM, F. Apostila da disciplina: Projeto de produtos. Programa


de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica. [S.l.]: Florianópolis: UFSC, 1997.

3 BECK, D. et al. Estudo sobre cargas de reação e vibrações em um elevador.


[S.l.]: UFRS, 2017. <https://www.ufrgs.br/gmap/www-gmap.mecanica.ufrgs.br/html/
sumulas/eng03024/projetos/elevador.pdf>.

4 CATALOGO de motores zatop gearless da empresa Ziehl-Abegg. 2017.


<https://www.ziehl-abegg.com/fileadmin/Downloadcenter/pt/br/Antriebssysteme_
fuer_Aufzuege_2016_703750_BR_pt_SCREEN.pdf>.

5 CATALOGO de cabos CIMAF. 2017. <https://www.aecweb.com.br/cls/catalogos/


aricabos/CatalogoCIMAF2014Completo.pdf>.

6 CATALOGO thyssenkrupp. 2017. <https://www.aecweb.com.br/cls/catalogos/


thyssenkrupp/export.pdf>.

7 EDIUN, M. Projeto detalhado de uma máquina de elevação e transporte. 64 fo-


lhas. TCC (Graduação) - Curso de engenharia mecânica. [S.l.]: FAHOR, Horizon-
tina - RS, 2017. <http://www.fahor.com.br/publicacoes/TFC/EngMec/2012/Ediun_
Michels_2014.pdf>.

8 ELEVADORES Atlhas Schindler. 2017. <https://www.schindler.com/content/dam/


web/br/PDFs/MOD/maquina-tracao.pdf>.

9 MELCONIAN, S. Elementos de Máquinas. [S.l.]: Editora Érica, 1990. v. 1.

10 NORMA ABNT NBR NM 313. 2017. <http://www.cnmp.mp.br/portal/images/


Comissoes/DireitosFundamentais/Acessibilidade/NBR_NM313_Mercosul_2007_
ELEVADORES.pdf>.

11 NORMA ABNT NBR NM 5665. 2017. <http://d-f.scribdassets.com/docs/


1lj0vus8e8l49gr.pdf>.

12 PERIN, T. Projeto detalhado de um elevador residencial para passageiros. 57 folhas.


TCC (Graduação) - Curso de engenharia mecânica. [S.l.]: FAHOR, Horizontina - RS,
2017. <http://www.fahor.com.br/publicacoes/TFC/EngMec/2012/Tiago_Perin.pdf>.

13 RUDENKO, R. A. Máquinas de Elevação e Transporte. Livros técnicos científicos.


[S.l.]: Editora S.A, 1970. v. 1.

14 VETRA elevadores aprendendo sobre elevadores. Como funciona um elevador. 2017.


<https://vetraelevadores.com.br/funcionamento/>.