Vous êtes sur la page 1sur 7

CADEIA PRODUTIVA DO PETRÓLEO

COMPLETAÇÃO DE POÇOS – PRODUÇÃO

EQUIPAMENTOS DE SUPERFÍCIE

São os equipamentos responsáveis pela ancoragem da coluna de produção , pela


vedação entre a coluna e o revestimento de produção e pelo controle de fluxo de fluidos a
superfície . Existe uma série de equipamentos padronizados que constituem os diversos
sistemas de cabeça de poço , para a completação de poços terrestres e poços
submarinos . Os principais equipamentos de cabeça de poço são os seguintes :

A – CABEÇA DE PRODUÇÃO

É um carretel com dois flanges e duas saídas laterais , quando a cabeça de produção é
instalada , o flange inferior fica apoiado na cabeça do revestimento de produção e o
flange superior recebe a árvore de natal com seu adaptador . em uma das saídas laterais
é geralmente conectada a linha de injeção de gás ( poços equipados com gás lift ) e na
outra a linha de matar ( Kill Line), para um eventual amortecimento do poço .

B – ÁRVORE DE NATAL

A árvore de natal é um equipamento de superfície constituido , em princípio , por um


conjunto de vávulas do tipo gaveta ( com acionamento hidráulico ,pneumático e manual )
com a finalidade de permitir ,de forma controlada , o fluxo de óleo do poço. As árvores de
natal podem ser classificadas segundo alguns critérios mais importantes:

B.1 – QUANTO AO MEIO EM QUE SERÁ UTILIZADA

# - Em poços de terra – estas são denominadas : Árvores de Natal Convencional (


ANC) , normalmente são equipadas com duas válvulas mestras duas laterais e uma
válvula de pistoneio ( manual ) alguns autores a denominam de árvore de natal seca.

# Em poços no fundo do mar - Estas são denominadas : Árvores de Natal


Molhada ( ANM ) , é um equipamento instaldo no fundo do mar, constituido basicamente
por um conjunto de válvulas tipo gaveta , um conjunto de linhas de fluxo e um sistema de
controle interligado a um painel localizado na plataforma de produção.
As ANMs podem ser classificadas , quanto ao modo de instalação e de conexão de linhas
de produção e controle, em:

QUADRO COMPARATIVO DAS ÁRVORES DE NATAL MOLHADAS - ANM

ANMs –tipos CUSTO LDA (m) FABRICANTES INSTALAÇÃO


(*) E OPERAÇÃO
DO BAIXO 200 FMC/CBV/ MERGULHA
VETCO DOR
OPERA
VÁVULAS E
CONECTA
LINHAS
DA BAIXO Até 300 HUGES / CONECTA
VILLARES LINHAS DE
FLUXO E
CONTROLE
DL MÉDIO Até 400 NATIONAL CONEXÕES E
/SADE/VIGESA ACOPLAMEN
TOS FEITOS
HIDRAULICA
MENTE
DLL ALTO Até 500 EQUIPETROL LINHAS D E
CAMERON FLUXO E Com
TROLE
CONECTADAS
COM BARCO
DE
LANÇAMENTO

GLL ALTO Acima de 500 MIC/DRILL/ USO DE


/KVAERNER TRENÓ
Obs.: (*) As indicações dos fabricantes não guardam relação com os tipos de ANM , a
citação é apenas informativa e depende de pesquisa junto aos mesmos

B.2 – GLOSSÁRIO
DO : diver operated – operadas por mergulhador
DA : diver assisted – assistida por mergulhador
DL : diverless – operada sem mergulhador
DLL : diverless lay-away – operada sem mergulhador ( o navio prossegue
lançando as
Linhas , eis a origem do termo )
GLL : diverless guidelineless – operada sem mergulhador e sem cabos-guia
ROV : remote operated vehicle
BAP : base adaptadora de produção
TH : tubing hanger - suspensor de coluna
WOBOP : workover de BOP – término da completação
TRT : tree running toll – ferramenta da capa da árvore de natal

UNIVERSIDADE GAMA FILHO

CURSO : TECNÓLOGO DE PROCESSAMENTO DE PETRÓLEO E GÁS


DISCIPLINA : INDÚSTRIA DO PETRÓLEO ( TEC – 404 )
PROF. LEONARDO NEVES
ELEVAÇÃO : PRINCIPAIS MÉTODOS

Os métodos mais comuns na indústria do petróleo para traze-lo até a superfície são os
seguintes:

A – ELEVAÇÃO NATURAL
B – ELEVAÇÃO ARTIFICIAL

• Gas-lift Contínuo e Intermitente ( GLC e GLI )


• Bombeio Centrífugo Submerso ( BCS )
• Bombeio Mecânico com Hastes ( BM )
• Bombeio por Cavidades Progressivas ( BCP )

A – ELEVAÇÃO NATURAL

Há uma evolução do conhecimento popular sobre a industria do petróleo. Durante muito


tempo pensava-se que ao se perfurar um poço o óleo jorraria fortemente ,desde que fosse
alcançado o “lençol”. Tal concepção vem sendo mudada a medida que a imprensa trata
da matéria com mais seriedade. Neste sentido cabe então a pergunta: O que é a
elevação natural?
Quando a pressão do reservatório é suficientemente elevada, os fluidos nele
contidos alcançam livremente a superfície , diz-se comumente que são poços produzidos
por elevação natural. Os poços que produzem dessa forma são denominados de poços
surgentes.
Na elevação natural o fluxo de fluidos ( óleo , água e gás ) desde o reservatório até
as facilidades de produção ( separadores,tratadores,tanques) é devido unicamente à
energia do reservatório.

B – ELEVAÇÃO ARTIFICIAL

Quando a pressão do reservatório é relativamente baixa , os fluidos não alcançam


a superfície sem que sejam utilizados meios artificiais para elevá-los , há necessidade de
uma suplementação energética para transportá-los a superfície. Utilizando
equipamentoas específicos reduz-se a pressão de fluxo no fundo do poço , como
consequencia aumenta a diferença de pressão no reservatório , resultando em um
aumento de vazão.

• GAS-LIFT

É um método de elevação artificial que utiliza a energia contida em gás comprimido


para elevar fluidos ( óleo e/ou água ) até a superfície.. O gás é utilizados para
gaseificar a coluna de fluido ( gas-lift contínuo) ou simplesmente para deslocá-lo
( gás-lift intermitente) de uma profundidade até a superfície. È um método muito
versátil em termos de vazão ( 1 a 1.700 m³ / dia ) de profundidade ( até 2.600
metros dependendo da pressão do gás de injeção )
Existem dois tipos de gás-lift – o contínuo e o intermitente
O gas- lift contínuo é similar á elevação natural . Baseia-se na injeção contínua de
gás a alta pressão na coluna de produção com o objetivo de gaseificar o fluido
desde o ponto de injeção até a superfície . até certos limites , aumentando-se a
quantidade de gás na coluna de produção diminui-se o gradiente médio de pressão
, com diminuição da pressão do fluxo no fundo e aumento da vazão . O gás é
injetado na coluna com de forma controlada e contínua . Na superfície ,o controle
da injeção de gás no poço é feito através de um regulador de fluxo ou “CHOKE”

O gas-lift intermitente baseia-se no deslocamento de golfadas de fluxo para a


superfície através da injeção de gás a alta pressão na base de golfadas . Esta
injeção de gás possui tempos bem definidos e, normalmente , é controlada na
superfície por um intermitor de ciclo e uma válvula controladora , também
conhecida por “ motor valve”.

A escolha entre gas-lift contínuo ( GLC ) e o gas-lift intermitente ( GLI ) para


um determinado poço depende de vários fatores. Em princípio utiliza-se o GLC em
poços com IP ( índice de produtividade) acima de 1,0m³/dia/kgf/cm² e pressão
estática suficiente para suportar uma coluna de fluido entre 40% e 70% da
profundidade total do poço . Nos poços com I P e/ou pressão estática baixos
utiliza-se GLI.

SISTEMA DE GAS-LIFT

Poços equipados para produzir por gas-lift tem a seguinte composição:

• Fonte de gás a alta pressão ( compressores)


• Controlador de injeção de gás na superfície (choke ou motor valve)
• Controlador de injeção de gas na subsuperfície ( válvulas de gas-lift)
• Equipamentos para separação e armazenamento dos fluidos produzidos
( separadores tanques etc. )

O gás lift contínuo requer injeção contínuo requer injeção contínua de gás na
coluna de produção ,proporcional a vazão de liquido que vem do reservatório .
Necessita de uma válvula com orifício relativamente pequeno. O gas-lift
intermitente requer uma elevada vazão periódica de gás para imprimir grande
velocidade ascendente à golfada . Para isso necessita de válvulas com maior
orifício e abertura rápida , visando diminuir a penetração do gás na golfada de
fluído, uma vez que não existe elemento de separação entre o gás e o liquído

TIPOS DE INSTALAÇÕES

A escolha do tipo de instalação é influenciada principalmente pelo tipo de gás lift a


ser empregado : contínuo ou intermitente. Além disso deve-se conhecer o tipo de
completação do poço , possibilidade de produção de areia , comportamento futuro
da IPR em função da produção acumulada, etc . Os tipos mais comuns de
instalações de gas-lift estão representados na figura abaixo’
.

UNIVERSIDADE GAMA FILHO

CURSO : TECNÓLOGO DE PROCESSAMENTO DE PETRÓLEO E GÁS


DISCIPLINA : INDÚSTRIA DO PETRÓLEO ( TEC – 404 )
PROF. LEONARDO NEVES

UNIDADE II - CADEIA PRODUTIVA DO PETRÓLEO

COMPLETAÇÃO DE POÇOS – PRODUÇÃO


AGRUPOU-SE A ATIVIDADE DE COMPLETAÇAO EM TRES TIPOS:

1. QUANTO AO POSICIONAMENTO DA CABEÇA DE POÇO

2. QUANTO AO REVESTIMENTO DE PRODUÇAO

3. QUANTO AO NUMERO DE ZONAS EXPLOTADAS

1- POSICIONAMENTO DA CABEÇA DE POÇO

AS RESERVAS BRASILEIRAS NAS DUAS ULTIMAS DECADAS TEM SE LOCALIZADO


NO MAR ( OFFSHORE ) E DE MODO MENOS EXPRESSIVO EM TERRA , DISSO
DECORRE A DEFINIÇAO DAS CARACTERISTICAS DOS SISTEMAS DE CABEÇA DE
POÇO E DAS ARVORES DE NATAL

CAMPOS TERRESTRES : CABEÇA DE POÇO INSTALADA NA SUPERFICIE

CAMPOS MARITIMOS ( AGUAS RAZAS ) :CABEÇA DE POÇO INSTALADA


SUPERFICIE, APOIANDO-SE NA
PLATAFORMA FIXA

CAMPOS MARITIMOS : CABEÇA DE POÇO E INSTALADA NO FUNDO DO


(AGUAS PROFUNDAS) MAR, ARVORE DE NATAL
MOLHADA ( ANM)

2- REVESTIMENTO DE PRODUÇAO

• POÇO ABERTO – O POÇO E COLOCADO EM PRODUÇAO COM AS ZONAS


PRODUTORAS TOTALMENTE ABERTAS. SO SE USA ESSE PROCEDIMENTO
QUANDO A A FORMAÇAO E MUITO BEM CONSOLIDADA

• POÇO COM “LINER” CANHONEADO – POSICIONAM-SE OS TUBOS RASGADOS


EM FRENTE A ZONA PRODUTORA , TEM A VANTAGEM DE SUSTENTAR AS
PAREDES DO POÇO

• POÇO COM REVESTIMENTO CANHONEADO - O REVESTIMENTO E


CANHONEADO DEFRONTE AOS INTERVALOS DE INTERESSE ,MEDIANTE A
UTILIZAÇAO DE CARGAS EXPLOSIVAS (JATOS) COLOCANDO O
RESERVATORIO EM PRODUÇAO

3- NUMERO DE ZONAS EXPLOTADAS

• SIMPLES – QUANDO UMA ÚNICA TUBULAÇAO METALICA ( COLUNA DE


PRODUÇAO) E DESCIDA NO INTERIOR DO REVESTIMENTO DE PRODUÇAO
• MULTIPLA - QUANDO UMA OU MAIS COLUNAS DE PRODUÇAO SÃO DESCIDAS
NO POÇO , AS COMPLETAÇOES MULTIPLAS SÃO MAIS ECONOMICAS .