Vous êtes sur la page 1sur 27

ciclo

da
madeira
stephanny pereira
stephany trindade
introdução

Na disciplina Projeto 1006,


optamos por trabalhar com
o tema Ciclo da Madeira.

A fim de compreender esse


ciclo, pesquisamos em arti-
gos e fomos a campo, ex-
plorando as questões às
quais gostaríamos de res-
ponder.

De onde vem a madeira que


utilizamos? Quais são as eta-
pas de processamento até
chegar às nossas casas?

Imagem: Arquivo
desperdiçada nas serrarias, e então, ao chegar nas madeireiras,
contexto mais uma percentagem da madeira é desperdiçada.
As madeireiras vende as peças sob medida diretamente para o
cliente, entretanto, mais tarde no ciclo da madeira, constatamos
Para sintetizar essas que 60% de todo o resíduo sólido coletado em 2011 era Resíduo
informações e identificar o da Construção Civil e Demolição.
ponto em que iremos atuar,
desenvolvemos o infográfico
apresentado.

Constatamos que 15% da


floresta Amazônica já foi
derrubada, mas que mais
da metade das madeiras
extraídas não é aproveitada,
seja por ter sido uma
extração ilegal -que não
permite a venda do material
apreendido-, seja por mau
aproveitamento da matéria.

Após o processo de extração,


mais uma parte da madeira é
oportunidade

Após identificar os principais


pontos do percurso, determi-
namos onde atuar de forma
mais direta, criando novos
produtos sem alterar o núme-
ro de extrações e acentuar os
números alarmantes de des-
perdício. Com a possibilidade
de gerar um impacto mais
imediato, encontrando ma-
téria prima com facilidade e
podendo, a longo prazo, ge-
rar mudanças em toda a ca-
deia de produção de madeira,
identificamos a seguinte opor-
tunidade de projeto:
Criação de bens de consumo
a partir de pequenos resídu-
os de madeira maciça des-
cartados por madeireiras.
campo

Nossa pesquisa de campo


ficou concentrada em
madeireiras e, unida aos
dados encontrados na
pesquisa desk, constatamos
que parte significativa dos
resíduos de madeira fica
inutilizada, sem circulação,
aguardando a chegada de
possíveis interessados em
utilizar esse resíduos.

Algumas madeireiras doam


esses resíduos para quem
tem interesse e outras
simplesmente os vendem.
Quando não há a procura Imagens: Arquivo
esperada pelos resíduos,
estes são descartados
como lixo.
A partir de nossa pesquisa,
constatamos uma questão muito
objetivo presente no ciclo da madeira: O
desperdício de material que ainda
poderia ser utilizado.
Ressignificar
os resíduos de Pensando nos impactos
madeira que seriam negativos que essa realidade
pode gerar ao meio ambiente
descartados e, pensando ainda em como
mudá-la, buscamos alcançar
o objetivo de ressignificar os
resíduos de madeira que seriam
descartados.

Ou seja, a nossa intenção é


recolher esses resíduos tratados
como lixo e transformá-los
em itens vendáveis e duráveis,
estimulando o consumo e o
descarte conscientes. Além disso,
queremos reforçar a possibilidade
de produzir coisas sem aumentar
a extração de madeira e, melhor
ainda, dando um destino ao que
seria descartado.
Apesar de representar maior parte
da população brasileira, nenhuma
público-foco das marcas pesquisadas (Maré, Ripa,
Zerezes etc) alcança este público
por conta do custo elevado de suas
Jovens de classes B e peças.
C que se interessam
A nossa intenção é impactar, a
por questões curto prazo, as classes menos
ambientais favorecidas da sociedade - levando
as discussões socioambientais até
elas e, a longo prazo, produzir o
suficiente para causar impacto na
geração de resíduos de madeira e
no descarte de peças.
1. biblioteca
2. joia da família
3. sistema de trocas
4. vínculo

alternativas
1. biblioteca
TELA ITENS
Portal que oferece um acervo DE LOGIN DISPONÍVEIS
próprio de peças produzidas
com madeira reutilizada.

Visa priorizar o acesso e EU QUERO

a troca em detrimento da
posse. Estimula a devolução
das peças ao acervo para
que possam ser acessadas
por outros usuários,
aumentando, assim, a vida
útil de nossa matéria prima. NOME DO
OBJETO
ITENS
ALUGADOS
Dissemina, portanto, o Lorem ipsum dolor
sit amet, consecte-
compartilhamento e oferece tuer adipiscing elit,
sed diam no-
acesso a um número muito nummy nibh euis-
mod tincidunt ut
maior de peças do que o laoreet dolore
magna aliquam AGENDAR
usuário regular poderia adquirir. pegar pessoalmente
DEVOLUÇÃO

entregar em casa
2. gerações
Acessórios produzidos com
madeira de reuso com a
intenção de agregar valor
afetivo ao objeto.

Pingentes de madeira podem


ser adicionados de acordo
com as etapas vividas pelo
usuário, possibilitando a
customização e a identificação
do mesmo com a peça. As
peças passarão de geração a
geração e guardará a história
da família que decidir tê-la.

Agregando valor afetivo à


peça, acreditamos reduzir o
número de peças descartadas
e reduzir a velocidade de
consumo, permitindo a
sobrevida da produção.
3. pontos
Sistema de pontos e
recompensas em que, a
cada peça devolvida pelo
cliente para nosso acervo de
acessórios de madeira de
reuso, são acumulados pontos
para a próxima aquisição.

Ao devolver a peça, o usuário


tem a chance de renovar
sua coleção por um preço
menor, além de promover a
circulação do objeto que é
único, visto que cada peça
possui características únicas e
irreplicáveis. Evitando, assim
o descarte indevido por parte
do usuário.

Os pontos são controlados por


meio de uma aplicação móvel.
4. vínculo
Coleção de acessórios desen-
volvidos com madeira de reuso
inspirada nas tradições locais
de diversas regiões do país.

O objetivo é gerar identifi-


cação entre o indivíduo e a
peça adquirida agregar valor
para além do material peças.

Com inspiração nas paletas


cromáticas de festas regio-
nais, a coleção promove a
representatividade de varia-
das culturas, agregando valor
afetivo à peça e reduzindo a
quantidade de descarte.
Executável
manualmente

Utilização de resíduos
de madeira

parâmetros
mandatórios
parâmetros
Apelo estético desejáveis
sobre o público
Leveza

Exclusividade

Preservação do aspecto
original da madeira
caminho
adotado

Após a análise das alternativas geradas, chegamos à conclusão de que o projeto só se


tornaria completo caso unisse mais de uma das propostas apresentadas. Decidimos
então desenvolver uma marca de acessórios de madeira de reuso que aceita a devo-
lução de peças já usadas pelo cliente.

Demos à marca o nome de 1N2N, baseado no nome das autoras deste projeto, cuja
única distinção entre eles se faz pela presença de uma letra N a mais. Projetamos en-
tão que as devoluções geram pontos que serão revertidos em descontos em futuras
aquisições. As peças recebidas pela 1N2N receberão os acabamentos necessários e
serão colocadas à venda novamente.

Deste modo, além de produzir peças com matéria-prima de origem conhecida, livre de
trabalho análogo ao escravo e sem geração de mais resíduos, nós também evitamos
o desperdício durante a criação de nossas peças, e o descarte indevido dessas peças,
consequentemente, estimulando o consumo consciente e desacelerado.
a coleção

Buscando colocar em pauta


o assunto do desperdício,
nossa coleção de acessórios
se baseia nos dados
extraídos da pesquisa
sobre o ciclo da madeira.
Desenvolvemos peças
Figura 1 Figura 2
para cada informação pré-
selecionada da pesquisa.
na Figura 1, ou de 60%
Para a informação de que
faltante, como no anel da
“De acordo com o Ministério
Figura 2, quem tem 60%
do Meio Ambiente, até
de sua área “vazada”.
60% da madeira tirada da
Além disso, todas as peças
Amazônia é desperdiçada.”,
buscam formas geométricas
por exemplo,
simplificadas, para agilizar o
desenvolvemos peças que
processo produtivo e, assim,
mostrem a relação de 60%
permitir que o público-alvo
de determinado material,
seja atendido.
como o colar demonstrado
Figura 3
materiais

A produção dos acessórios 1N2N é feita da forma mais simplificada possível, visando reduzir os custos
de produção e permitir uma reprodução de larga escala a baixo valor de custo e, consequentemente,
de venda. As peças são projetadas com formas geométricas, de tamanhos aproximados porém não,
necessariamente, exatos para permitir o aproveitamento de todas os pedaços de madeira. Além disso,
ainda a fim facilitar a produção, todas as peças têm ângulos de 90 graus com vértices e arestas não
arredondados.

As madeireiras nos fornecem os resíduos de diversos tipos de madeira. Dentre eles temos: angelim-
pedra, cedrinho, ipê e pinus.

Na etapa inicial de produção, utilizamos a serra de fita de bancada, lixadeira circular de bancada,
furadeira de bancada com diversas brocas e serras-copo, além da lixadeira orbital. Para o acabamento,
utilizamos lixas 60, 120 e 220, além de diversas camadas de cera pastosa incolor para madeira.

Para a montagem dos acessórios, utilizamos camurça sintética lisa 3mm, pinos para brinco, tarrachas de
borracha, fechos “lagosta”, elos de metal de 3mm, e terminais metálicos de amassar.

ASSISTA AO VÍDEO DO PROCESSO


veiculação
Pretendemos ter pontos de
vendas físicos, no entanto, a
fim de expandir nosso público
consumidor, recorreremos ao
uso do e-commerce. Optamos
pelo desenvolvimento de um
site que serve tanto para a
visualização e a compra de
produtos quanto para que
o usuário possa controlar a
quantidade de pontos que tem
acumulada.

Atualmente, o site conta com


a galeria de produtos e uma
tela de “sobre” que apresenta
a proposta do projeto.
Futuramente, implementaremos
uma tela de login e pequenos
textos explicativos sobre a
história de cada peça.
identidade
visual
Para a identidade visual, nos
inspiramos na estética de nossa
1N2N 1N
coleção. As características que

2N
estão norteando nossos estu-
dos são o uso de ângulos de 90
graus e o uso de dois tons
de marrom, representando a va-
riação de cor que há entre os ti-
pos de madeira que utilizamos.

Além disso, estamos em busca 1N2N


Joias de madeira
1N2N
Joias de madeira
de uma identidade minimalista,
reaproveitada reaproveitada
voltada para o “menos é mais”,
capaz de representar a nossa
proposta de reduzir o consumo
e os impactos ao meio ambien-
te. Ao lado, apresentamos os
primeiros estudos para o logo.
identidade
visual
A fim de aproximar ainda mais
nosso logotipo da estética de
nossas peças, decidimos fazer
um logotipo modular, assim
como são os nossos produtos.

Junto a isso, incorporamos à


logo também a variação de co-
res que há em nossos acessórios
devido ao uso de diferentes ti-
pos de madeira. O resultao final
apresentamos ao lado.

A família tipográfica de apoio


para textos corridos é a Avenir.
viabilidade
materiais preço qntd. preço/unid. qntd./peça valor/peça
lixa 60 R$ 1,00 1 R$1,00 0,1 R$0,10
Com a análise de preço dos similares lixa 120 R$ 1,40 1 R$1,40 0,1 R$0,14
no mercado, e o cálculos dos custos de lixa 220 R$ 1,80 1 R$1,80 0,1 R$0,18
camurça 3mm R$ 25,00 25 R$1,00 0,5 R$0,50
produção vistos na ficha técnica, estimamos elo 3mm R$ 3,30 100 R$0,03 2 R$0,06
ser necessária a venda de, no mínimo, fecho lagosta R$ 2,40 12 R$0,20 1 R$0,20

100 peças por mês para a viabilização do terminal de amassar R$ 7,00 50 R$0,14 2 R$0,28
R$1,46
preço de produção por peça
atendimento ao público B e C.

É necessário também, a revenda em


grandes lojas de varejo consagradas no
mercado para garantir o mínimo de vendas,
além do e-commerce.

Além disso, para atender ao público


almejado, precisamos diminuir a nossa
margem de lucro - tendo por lucro o valor
de venda menos o custo de produção -
para algo em torno de 50% sobre o custo
da peça em caso de venda direta, e para
um valor ainda menor para o atacado, de
modo a manter o preço final competitivo.
ficha
ambiental
Desde que a madeira é extraída até chegar às nossas casas
em formato de móveis, utensílios e acessórios, há grandes
índices de não aproveitamento em diversas etapas de processo.
Segundo MMA (Ministério do Meio Ambiente), até 60% da
madeira retirada da Amazônia é desperdiçada. Em apenas um
dia, uma madeireira de pequeno porte é capaz de produzir
50kg de resíduo de madeira que seriam descartados como lixo.

Pensando em reduzir os impactos dessa cadeia, a 1N2N produz


todas as suas peças utilizando esses resíduos que seriam
transformados em lixo. Além disso, todas as nossas peças têm
como inspiração os dados alarmantes referentes ao índice de
desperdício de madeiras que ainda podem ser úteis.

A fim de prolongar a vida útil das peças produzidas e


de questionar o ritmo de consumo desenfrado, todas as
peças adquiridas em nossa loja poderão ser devolvidas
posteriormente, sendo revertidas em pontos que geram
desconto para futuras compras.
zerezes estúdio ripa loods
Se apropria de materiais de Desenvolve joias a partir de Loods reutiliza madeiras nobres
baixo impacto ambiental para matérias primas convencionais que seriam jogadas fora para
desenvolver óculos de alta e não convencionais. Tem como produzir peças únicas de óculos.
durabilidade. “a marca se guia por principal material madeiras de Todos os óculos são feitos
práticas de trabalho e comércio reuso e incentiva o consumo artesanalmente, ou seja, é o
justos, diálogo próximo ao cliente e consciente, redução e reutilização autêntico óculos feito à mão, sem
uma garantia eficaz e transparente.” de resíduos. nenhum processo automatizado.

Notamos, ao longo de nossa pesquisa, que há diversas iniciativas no Brasil e no Rio de Janeiro que buscam reutilizar e
ressignificar materiais que seriam descartados, reduzindo, desta forma, impactos socioambientais provenientes do consumo
acelerado. No entanto, constatamos também que todos esses projetos atigem uma única parcela da sociedade, que sequer
representa a maioria numericamente: Classe A. Pensando nisso, encaramos como um desafio produzir acessórios tendo
como inspiração os altos índices de descarte de madeira própria para uso que fosse capaz de atingir uma parcela maior da
sociedade. Desenvolvemos então a 1N2N, uma marca de joias produzidas com madeira de reuso -recebidas como doação
de madeireiras que as jogariam fora- que visa estimular o consumo consciente e a redução de resíduos. Nosso diferencial
está no fato de que reduzimos ao máximo o custo de produção e a margem de lucro com o objetivo de levar produtos de
qualidade e com procedência conhecida para as classes média e C.
ambiental sociocultural econômico
Nosso projeto existe com o O principal objetivo da 1N2N é que Geramos emprego e renda
objetivo de reutilizar madeiras o projeto seja capaz de alcançar a para a classe trabalhadora ao
que seriam descartadas parte da população pertencente escalar nosso negócio. A cadeia
por madeireiras. Ou seja, às classes média e B. Hoje, essa produtiva passa a depender
desenvolvemos acessórios sem parcela da população está fadada da terceirização da mão de
aumentar o número de extrações ao consumo de produtos os quais obra para lixar, colar, selar e
de madeira, além de dar um não sabemos a procedência. montar. Empregamos também
novo destino aos resíduos que Muitos, inclusive, são frutos fornecedores para o corte e furo
virariam lixo. Além disso, evitamos de extração ilegal e envolvem das peças.
a geração de mais resíduos ao trabalho escravo. Acreditamos que Além de devolver ao mercado
receber de volta as peças usadas tornar mais acessíveis acessórios peças previamente utilizadas e
e fazê-las retornar ao mercado. produzidos com madeira de reformadas, tendo uma margem
reuso e levantar essa pauta com de lucro maior do que sobre as
as classes que antes não tinham peças recém produzidas.
acesso seja o primeiro passo para
construir um futuro com maior
consciência ambiental.
referências

Desperdício de madeira nativa da Amazônia chega a 60%.


Disponível em: <http://g1.globo.com/brasil/noticia/2011/06/
desperdicio-de-madeira-nativa-da-amazonia-chega-a-60.
html?menu=5eb31164aba62b7>. Acesso em: 7 set. 2017.
FAGUNDES, H. Produção de Madeira Serrada e Geração
de Resíduos do Processamento de Madeiras de Florestas
Plantadas no Rio Grande do Sul. Metre—[s.l.] Universidade
Federal do Rio Grande do Sul, 2017.

IBGE: 15% da Floresta Amazônica já foi derrubada.


Disponível em: <http://istoe.com.br/99145_
referências

MARTINS, J. Como árvores viram tábuas. Disponível em:


<http://equipedeobra.pini.com.br/construcao-reforma/50/
como-arvores-viram-tabuas-confira-o-processo-pelo-
qual-262898-1.aspx>. Acesso em: 6 set. 2017.
MLC - Madeira Laminada Colada. Disponível em: <http://
brarewood.com.br/novo/madeira-laminada-colada>. Acesso
em: 6 set. 2017.

PORTUGAL, F. Sobras de madeiras viram mobiliário sustentável.


Disponível em: <http://odia.ig.com.br/2013-07-15/sobras-de-
madeiras-viram-mobiliario-sustentavel.html>. Acesso em: 6 set.
2017.

Resíduos Sólidos. Disponível em: <http://iba.org/pt/


sustentabilidade/residuos-solidos>. Acesso em: 7 set. 2017.
referências

SIVIERO, A. et al. Recomendações para a gestão de resíduos


sólidos no estado do Acre. Resíduos Agroindustriais, n. 2, 2017.

http://exame.abril.com.br/economia/54-dos-brasileiros-
formam-a-classe-c-diz-serasa-experian/

Centres d'intérêt liés